Publicados durante o período - Tycho Brahe Project

Propaganda
Projeto temático: Padrões rítmicos, fixação de parâmetros e mudança linguística, Fase II
Relatório no2 janeiro-dezembro 2006
III.
Produção bibliográfica
Artigos em periódicos:
Publicados durante o período:
SANDALO, F , MB ABAURRE, A.MANDEL & C.GALVES, “Secondary stress in
two varieties of Portuguese and the Sotaq optimality based computer program”, Probus
(Dordrecht), Holanda, 18, 2006, pp. 97-125.
This paper presents an analysis of secondary stress in Brazilian and European
Portuguese (BP and EP) based on Optimality Theory (OT). We argue that a
representational analysis has the following advantages: (i) generating all the facts of
Brazilian and European Portuguese without postulating any cases of absolute
neutralization; (ii) not forcing the usage of the notion of directionality, thus implying a
simplification of the phonological theory; and (iii) being able to generate variant forms
in parallel. We have developed a computer program, sotaq, that tests proposed stress
systems (formulated in terms of constraint hierarchies) for both varieties of Portuguese
against observed actual stresses and in large corpora, thus allowing for automatic
testing of Optimality Theory predictions for secondary stress.
GALVES, C., M. A. T. MORAES & I. RIBEIRO “Syntax and Morphology in the
Placement of Clitics in European and Brazilian Portuguese”, Journal of Portuguese
Linguistics, 4-2, 2005, M. Kato & J. Peres (orgs.), pp. 143-177.
[NB. apesar de figurar 2005, a publicação deste volume foi em 2006]
This article proposes an analysis of clitic placement in European Portuguese and
Brazilian Portuguese (henceforth, respectively EP and BP), from a comparative
perspective. In the first part of the article, we use as a comparative corpus the original
text of Paulo Coelho’s novel O Alquimista and the adapted version of the Portuguese
edition in order to illustrate the differences between the two varieties of Portuguese.
The second part of the article presents a review of some recent proposals dealing with
enclisis in tensed clauses in EP and of the few studies that explicitly raise the question
of the difference between BP and EP clitic-placement.
In the third part we present a new comparative analysis for EP and BP cliticplacement. Our proposal is that the different behavior of clitics in EP and BP follows
from the interaction of two different properties: i) a syntactic property: EP clitics are
Infl-clitics and BP clitics are V-clitics. This analysis allows us to tighten the correlation
between the placement of clitics in BP with the reduction of the paradigm of the
accusative/dative clitics. We adopt Galves’s (2002) idea that a pure accusative marking
that is structural requires an Agreement node. Since Infl no longer contains Agr in BP,
the only alternative left is the inherent case marking/checking of the clitic by the verb;
III.
1
ii) a morpho-phonological property: EP clitics, but not BP clitics, are required to be in a
non-initial position with respect to some boundary. This part of the analysis is based in
great part on Galves and Sândalo (2004) who consider clitics as phrasal affixes that are
subject to word formation rules like any other affixes. This line of thinking is very
much in accordance with recent proposals in the framework of Distributive
Morphology.
Finally, in the fourth part of this article, we argue that our analysis is preferable to
others for both empirical and theoretical reasons. We show that it is able to explain EP
clitic-placement in both tensed and infinitival clauses and to account for the variation
observed in some contexts. We also bring historical data into the discussion, which we
argue can be harmoniously integrated into our explanation of the synchronic facts.
Aceitos para publicação:
FERNANDES, F. R. “Tonal association in neutral and subject-narrow-focus sentences
of Brazilian Portuguese: a comparison with European Portuguese”. A sair em Journal
of Portuguese Linguistics, vol.5.
This paper presents a comparative description and analysis of the intonational contours
of Brazilian Portuguese (BP) sentences in neutral and subject-narrow-focus conditions.
Making use of the literature on European Portuguese (EP) intonation, it also compares
BP intonation with the intonation of EP sentences under the same conditions, looking
for similarities and differences between the intonational patterns of these two
Portuguese varieties. Our results indicate that BP neutral sentences can optionally show
pitch accents associated with all prosodic words (s). In subject-narrow-focus
conditions, the same type of pitch accents that are found associated with non-focused
subjects can also be found with focused subjects. In addition, it is also possible to find a
phrasal accent associated with the right boundary of the phonological phrase () that
contains the focused subject. In contrast to BP, in EP neutral sentences, pitch accents
are associated with the I-initial and I-final s. Furthermore, in this variety, in subjectnarrow-focus conditions there is always a special bitonal pitch accent carried by the
focused subject and there are no phrasal accents associated with boundaries of the  that
contains the subject.
GALVES, C. “Comentários sobre : Sobre a questão da influência ameríndia na
formação do português do Brasil, de Lúcia Lobato”, a sair em Revista de Estudos
Linguísticos.
O artigo de Lúcia Lobato tem a força de um texto seminal. Precisa ser lido por todos os
interessados em formular as grandes questões levantadas pela formação do Português
brasileiro. Pela primeira vez no quadro teórico da gramática gerativa, são evocadas e
questionadas as diversas hipóteses sobre essa formação, todas oriundas de outros
quadros teóricos. São trazidos à tona conceitos tradicionais ou modernos da linguística
histórica como : deriva, substrato, crioulização, aprendizagem imperfeita. São
lembradas as grandes linhas da colonização do território brasileiro, os seus marcos
geográficos que definiram o contato com as línguas indígenas e a origem e expansão
dos falantes de línguas africanas no processo de colonização do interior. Ou seja, temos
aqui todos os ingredientes básicos da questão, redinamizados no arcabouço teórico da
III.
2
Teoria Gerativa. Diga-se de passagem, um dos grandes méritos do texto é estabelecer
um diálogo – certamente imprescindível em Linguística Histórica – entre estudiosos de
correntes teóricas distintas. Lúcia traz assim as reflexões e análises de Aryon
Rodrigues, Paul Teyssier, Gregory Guy, Rosa Virgínia Mattos e Silva, Anthony Naro e
Marta Scherre, contrapondo-as, e extraindo delas a matéria de sua própria reflexão.
Capítulos de livros/anais publicados de congressos:
Publicados durante o período:
FERNANDES, F. R Peso fonológico e foco informacional no sujeito em português
europeu. *Actas do* *XXI Encontro da Associação Portuguesa de Lingüística – Textos
seleccionados. *Porto, 2006, p. 371–386.
O presente trabalho tem como objetivo o estudo da frequência de preferência, pelos
falantes nativos, da ocupação da periferia direita da sentença pelo sujeito com foco de
informação em português europeu (doravante PE), levando em conta o peso fonológico
dos constituintes sujeito e predicado, bem como o tipo de verbo (transitivo, inergativo e
inacusativo).
Autores como Costa (1998) e Âmbar (1999) afirmam que os elementos com foco
informacional em PE ocupam a posição mais encaixada na sentença (periferia direita) e
são identificados prosodicamente por portarem a proeminência fonológica principal de
sentença, atribuída por default à cabeça do último sintagma fonológico do sintagma
entoacional (cf. Nespor & Vogel, 1986 e, para PE, Frota, 2000). De acordo com Costa e
Âmbar, quando o sujeito é o elemento focalizado, também é ele que ocupa esta posição:
‘Quem comeu a tarte? Comeu a tarte o João.’
Todavia, o presente trabalho traz evidências empíricas de que, quando se considera a
relação entre peso fonológico dos constiuintes e a posição ocupada pelo sujeito
focalizado, o peso fonológico dos constituintes pode condicionar a preferência dos
falantes pela escolha de determinada ordem das sentenças, independentemente da
posição sintática usualmente prevista para a ocupação pelo sujeito focalizado.
Nossos resultados revelam que, se o sujeito é o elemento mais pesado fonologicamente
nas sentenças, a frequência de preferência pelas sentenças com este elemento ocupando
a periferia direita é maior por parte dos falantes. Já se o predicado é mais pesado
fonologicamente, há uma frequência mais baixa de preferência, por parte dos falantes,
das sentenças em que o sujeito ocupa a periferia direita e uma frequência maior de
preferência pelas sentenças em que o predicado ocupa esta posição. Estes resultados
parecem indicar a presença da relação entre ordem dos constituintes e peso fonológico
em PE, o que corrobora a afirmação de Frota & Vigário (2001) de que nem toda sintaxe
é fonologicamente livre, como prevê a versão mais forte do princípio da sintaxe
fonologicamente livre (cf. Pullum & Zwicky, 1988), uma vez que há domínios da
sintaxe que parecem ser sensíveis a requisitos fonológicos, como, por exemplo, o
domínio correspondente ao nível da interface sintaxe-fonologia (sintaxe não-nuclear).
III.
3
GALVES, C. & F. FERNANDES “Morfologia e sintaxe” , em E. Guimarães e M.
Zoppi-Fontana (orgs.) Introdução às Ciências da Linguagem. A Palavra e a Frase,
Campinas: Pontes, 2006, pp. 75-112.
Este capítulo tem como objetivo apresentar a visão gerativa sobre a derivação da frase,
domínio do componente sintático, e da palavra, domínio do componente morfológico,
bem como problematizar o lugar e funcionamento destes componentes na arquitetura da
gramática. Para exercício de tal tarefa, inicialmente apresentamos as definições de
palavra e frase dadas pelas gramáticas tradicionais e as contrapusemos com as noções
lingüísticas modernas destes dois elementos. Posteriormente, expusemos as principais
questões tratadas na abordagem gramatical gerativa como: (i) a definição de gramática à
luz da dicotomia Lingua-Interna/Língua-Externa – apresentada neste capítulo com base
na comparação entre o português europeu e o português brasileiro; (ii) os universais da
linguagem e os parâmetros de variação entre as línguas e; (iii) a variação intralingüística e sua relação com a mudança. Finalmente, focalizamos a palavra e o lugar da
morfologia na arquitetura geral da gramática. Apontamos para a forte relação entre a
Morfologia e a Sintaxe, apresentando teorias recentes que afirmam serem guiados pelos
mesmos princípios gerativos os processos de construção de palavra e frase
GALVES, C., C. NAMIUTI & M.C. PAIXÃO DE SOUSA “Novas perspectivas para
antigas questões: revisitando a periodização da língua portuguesa”, in A. Endruschat,
R. Kemmler & B. Schafer-Prie (orgs.) Grammatische Strukturen des Europaischen
Portugiesisch, Tubingen: Calepinus Verlag, 2006, pp.45-75.
Nesta comunicação discutimos algumas questões concernentes à periodização da
Língua Portuguesa, propondo uma nova divisão das etapas históricas do idioma. Essa
nova perspectiva parte de um conceito de mudança lingüística no quadro da Teoria da
Gramática; e se fundamenta em um levantamento de dados obtidos graças a um extenso
corpus digitalizado (o Corpus Histórico do Português Tycho Brahe, com 41 textos
escritos por autores nascidos entre 1496 e 1845).
Tradicionalmente, a periodização do Português Europeu toma em conta ao menos três
períodos para a história da língua (cf. Mattos e Silva 1992 para um panorama): o
Português Arcaico (do início do período documentado até o século 16); o Português
Clássico (fundamentalmente, os séculos 17 e 18) e o Português Moderno (do século 19
até os dias atuais).
Do ponto de vista atual de uma Teoria da Gramática, duas questões surgem a partir
disso:
i) Quais desses períodos tradicionalmente considerados correspondem efetivamente a
etapas gramaticais – ou seja, a um determinado padrão de fixação paramétrica?
ii) Podemos datar precisamente as fronteiras entre as diferentes gramáticas assim
definidas?
Os padrões de colocação de clíticos atestados em 20 textos escritos por autores nascidos
entre 1542 e 1836 (no total, 24.974 sentenças finitas) nos revelam dois fatos
fundamentais. Primeiro, quanto à interpolação, registramos que há uma etapa
intermediária entre os padrões arcaicos e os padrões modernos; isso indicaria que não
haveria uma alteração paramétrica única a atingir ao mesmo tempo a interpolação e a
posição relativa clítico-verbo. Segundo, quanto ao padrão da posição relativa clíticoverbo (a variação ênclises-próclises), a elevação na freqüência de ênclises mostra-se
substantiva apenas a partir dos textos representativos dos primeiros anos de 1700; isso
III.
4
indicaria que a emergência da gramática do Português Europeu Moderno não acontece
antes da segunda metade do século 17.
Assim, é nossa proposta que os três períodos fundamentais na História da Língua
Portuguesa, os quais podem ser caracterizados como diferentes etapas gramaticais, são:
I. o Português Arcaico (do início do período documentado até o século 13-14);
II. o Português Médio (do século 14-15 até o século 17);
III. o Português Europeu Moderno (do século 18 em diante).
PAIXÃO DE SOUSA, M.C. “Lingüística Histórica”. em C. Pfeiffer & J. Horta Nunes
(orgs.) Introdução às Ciências da Linguagem Língua, Sociedade e Conhecimento. ,
Campinas: Pontes, 2006.
Neste texto, refletimos sobre a lingüística histórica como o campo de conhecimento
onde se articulam diferentes concepções de língua e diferentes concepções de história.
Ou, em termos mais gerais: como o lugar onde a reflexão lingüística acaba se
deparando com os processos e os efeitos do tempo. Na parte 1, partimos de uma breve
recapitulação do que foi a lingüística histórica no século XIX e no século XX. Vimos
que a reflexão histórica oitocentista funda a lingüística como disciplina científica;
vimos que quanto à reflexão dos 1900, é fundamental entender o corte representado
pelas propostas de Saussure, que funda a lingüística geralem contraposição à histórica.
Na herança do estruturalismo, os estudos sobre a “mudança lingüística” irão se
desenvolver como estudos diacrônicos. Os estudos históricos de base documental, no
decorrer do século XX,se deslocam para outros lugares de análise, como por exemplo a
tradição filológica. Em meados do século, a formação do sócio-variacionismo irá se
contrapor à construção estruturalista da língua abstraída de sua realidade histórica.
Neste processo, herdará num primeiro momento as narrativas documentais legadas
pelos estudos históricos da primeira metade do século. Na parte 2, tentamos considerar
alguns aspectos conceituais importantes: a distinção entre diacronia e história; a
diferença entre abordagens experimentais e documentais; a historicidade como
problema fundante da lingüística histórica, por conta da contingência da recomposição
das narrativas. Lembramos então um exemplo da importância da recomposição das
narrativas, no caso da história das línguas românicas. Na parte 3, defendemos que a
lingüística histórica é fundamentalmente um fazer historiográfico: trata-se aí, sempre,
de pensar sobre o tempo. As contingências do fazer historiográfico serão relevantes
seja qual for a perspectiva teórica que se tome em termos de concepção de língua.
Vimos, por exemplo, como elas podem ser relevantes em um quadro teórico que
concebe a língua como entidade mental, como o gerativismo.
PAIXÃO DE SOUSA, M.C. “Memórias do Texto”.
Revista Texto Digital.
Universidade Fedral de Santa Catarina: 2006. (http://www.textodigital.ufsc.br )
Este artigo relata os primeiros resultados do desenvolvimento de uma técnica de
processamento de textos que permite controlar sucessivas etapas de edição, com o
objetivo de aproximar a edição especializada de textos e os desenvolvimentos recentes
das tecnologias de processamento em meio digital. Esta técnica surgiu como
decorrência da experiência na construção do Corpus Histórico do Português Anotado
Tycho Brahe. Desde o início da formação deste corpus eletrônico, em 1998,
III.
5
enfrentamos desafios técnicos e teóricos resultantes da multiplicidade de objetivos
potenciais do uso do material trabalhado. A meta inicial da construção desse corpus foi
a de preparar textos para serem automaticamente analisados por ferramentas
computacionais, com o objetivo de possibilitar buscas especializadas (por classes de
palavra e por estrutura sintática). Nessa vertente, desenvolvemos um analisador de
classes de palavras, e estamos desenvolvendo um analisador sintático para o português.
A meta da análise lingüística automática tem impactos na preparação dos textos
eletrônicos, por exemplo ao impor limitações à variação de grafia e à codificação de
caracteres. De outro lado, nos deparamos com a questão dos parâmetros filológicos
relevantes a serem respeitados na seleção e classificação dos textos incluídos no
corpus. Inicialmente, o corpus incluía poucas edições de época, e diversas re-edições
dos textos originalmente escritos nos 1500, 1600 e 1700. Com o decorrer das pesquisas
sobre as mudanças lingüísticas com base nesses textos, a importância do uso de edições
originais passou a se revelar para o grupo. De fato, a depender dos temas de pesquisa,
pequenas alterações eventualmente trazidas pelas subseqüentes edições podem ter
conseqüências importantes na análise lingüística do texto. Idealmente, o corpus seria
formado apenas por edições de época. Na confluência dessas duas vertentes
(computacional e filológica) encontramos o seguinte desafio: desenvolver um
tratamento dos textos que permitisse o processamento automático sem perder a
possibilidade do uso de material filologicamente consistente. O projeto Memórias do
Texto (Paixão de Sousa, 2004) partiu desse desafio, e desenvolveu uma técnica de
controle de edições cujos primeiros resultados já podem ser apresentados. O novo
sistema, por sua vez, traz alguns novos desafios, e abre possibilidades interessantes
para o trabalho com o texto digital em um plano mais amplo, conforme pretendo
mostrar aqui.
PAIXÃO DE SOUSA, M.C & T. TRIPPEL “Building a historical corpus for Classical
Portuguese: Some technological aspects”. Proceedings of the V International
Conference on Language Resources and Evaluation, 2006, Gênova (LREC 2006):
2006.
This paper describes the restructuring process of a large corpus of historical documents
and the system architecture that is used for accessing it. The initial challenge of this
process was to get the most out of existing material, normalizing the legacy markup and
harvesting the inherent information using widely available standards. This resulted in a
conceptual and technical restructuring of the formerly existing corpus. The
development of the standardized markup and techniques allowed the inclusion of
important new materials, such as original 16th and 17th century prints and
manuscripts; and enlarged the potential user groups. On the technological side, we
were grounded on the premise that open standards are the best way of making sure that
the resources will be accessible even after years in an archive. This is a welcomed result
in view of the additional consequence of the remodeled corpus concept: it serves as a
repository for important historical documents, some of which had been preserved for
500 years in paper format. This very rich material can from now on be handled freely
for linguistic research goals.
A sair
III.
6
GALVES, C.“ L’identité du portugais brésilien”, Actes du Colloque La Langue
portugaise, le Brésil, la Lusophonie, la mondialisation linguistique: un nouveau regard,
Montreuil.
La singularité linguistique du portugais brésilien par rapport au portugais européen, si
elle commence à être bien décrite par les linguistes, est encore aujourd’hui mal
reconnue, au Brésil comme au Portugal. Dans un texte republié en 2003, le
grammairien et historien de la langue brésilien Sílvio Elia affirme:
“O Português do Brasil concentra-se, mesmo hoje, no léxico e na pronúncia; da
morfossintaxe, apenas alguns arranhões.”
Le but de cette communication est de montrer qu’outre les différences lexicales et de
prononciation, communément reconnues, le portugais brésilien (dorénavant PB) se
différencie fortement du portugais européen (dorénavant PE) par sa morphosyntaxe,
donnant tort ainsi à l’affirmation de Sílvio Elia qui, soit dit en passant, exprime dans le
mot “égratignures” le préjugé courant qui veut que le PB soit un PE –plus ou moinségratigné. Chemin faisant, nous regarderons aussi de façon plus précise un des aspects
des différences de prononciation, la prosodie, qui est la partie de la prononciation qui
touche le plus de la syntaxe.
Comunicações em congressos, colóquios e seminários:
ANDRADE, A. L. “Formas de transmissão linguistica: um estudo de caso sobre
documentos goianos” In: 54o. Seminário do Grupo de Estudos Linguisticos do Estado
de São Paulo, 2006, Araraquara. 54o. Seminário do GEL - Caderno de Resumos. São
Paulo : Ferrari, 2006. p. 299-299.
O objetivo do presente artigo é descrever e analisar processos sintáticos e fonológicos
encontrados em um pequeno corpus composto por cartas pessoais e escrituras de
imóveis da região de Itaberaí-GO (antigo Corralinho), num total de treze documentos,
escritos no período de 1841 até 1932. Chamou-nos à atenção a ocorrência de formas
lingüísticas díspares, ora identificáveis a uma norma arcaizante, ora ao “português
caipira”, distantes, portanto, do português culto brasileiro (PCB) de nossos dias. A
presença de documentos representativos da língua padrão e não-padrão revela diferentes
formas de transmissão dessas estruturas, ora pela norma culta, ora pela norma popular,
que se por vezes se inter-relacionam.
ANDRADE, A. L. . A sintaxe de clíticos em orações não-finitas do português clássico.
In: 7o. Encontro do Círculo de Estudos Linguisticos do Sul, 2006, Pelotas. 7o. Encontro
do CELSUL - Programação e Resumos. Santa Maria :Pallotti, 2006. p. 142-142.
Os clíticos em contextos não finitos do português clássico podiam ocorrer em diversas
posições, em próclise ou ênclise, tanto ao verbo finito matriz quanto ao verbo não-finito
encaixado. O fenômeno chamado de alçamento de clítico refere-se ao licenciamento do
clítico na oração matriz, o que suscita debates devido a sua dependência semântica ao
predicado encaixado. Sua ocorrência se restringe a determinados verbos auxiliares em
III.
7
línguas de sujeito nulo. O estudo realizado teve como objetivo descrever os padrões de
cliticização encontrados em textos do Português Clássico, especialmente no testemunho
de Pero de Magalhães Gandavo - História da Província de Santa Cruz a que
vulgarmente chamamos Brasil, publicado em 1576 e presente no Corpus Tycho Brahe considerando, entre outras variáveis, a ocorrência de elementos intervenientes entre o
verbo auxiliar e o verbo principal, tais como preposições, adjuntos e complementos
prepostos. A partir dos dados obtidos, discuto a aplicação de diferentes propostas
vinculadas ao quadro teórico da gramática gerativa, como as de Roberts (1997) e
Cardinaletti & Shlonsky (2004), a primeira baseando-se no movimento de núcleos
sintáticos, e a segunda, considerando duas posições para o clítico, sendo a posição
oracional, mais alta, a que resulta no “alçamento”. Os resultados da pesquisa
confirmaram a preferência pelo alçamento nos contextos relevantes, e apontou fatores
que podem explicar a variação encontrada, como a relação com o fenômeno da
interpolação do clítico.
ANTONELLI, A. L. “Passivas Pronominais no Português Europeu: um Percurso de
Mudança”. In: VII Encontro do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul - CELSUL,
2006, Pelotas. VII Encontro do Celsul - Programação e Resumos, 2006, 2006. p. 136137.
Dentro da perspectiva da gramática gerativa, Raposo & Uriagereka (1996) mostram
que, no Português Europeu Moderno (PE), sentenças passivas pronominais (envolvendo
o pronome se) são estruturas ativas. Embora se assemelhem às passivas perifrásticas
(verbo ser + particípio) especialmente por apresentarem concordância entre o verbo e o
objeto lógico, existem evidências de que, quando em posição pré-verbal, o sintagma
objeto lógico dessas construções não ocupa a posição gramatical de sujeito [Spec, Infl],
como ocorre nas passivas perifrásticas, mas sim uma posição periférica à esquerda
associada a tópicos deslocados. Por sua vez, como mostra Naro (1976), no período
medieval as passivas pronominais eram de fato construções passivas. Assim, surge a
questão: quando as passivas pronominais teriam sido reanalisadas como estruturas
ativas?
Assumindo também o quadro teórico da gramática gerativa, sugiro que a reanálise
ocorreu na passagem do Português Médio para o PE, na primeira metade do século 18,
quando acontece uma mudança na sintaxe de posição do verbo, que consistiria na perda
do fenômeno V2. Enquanto língua V2, haveria no Português uma mesma posição préverbal para o sujeito e para tópicos deslocados. Com a mudança para um sistema SV,
sujeitos pré-verbais e tópicos deslocados passam a ocupar posições distintas, como
realmente ocorre no PE. Nesse contexto, a reanálise das passivas pronominais em
estruturas ativas acontece pois a posição gramatical que passa a ser reservada para o
sujeito não pode ser compartilhada por tópicos.
Para delimitar o momento em que as passivas pronominais são reanalisadas e
comprovar a nossa hipótese, analisamos sentenças com o clítico se em textos de
escritores nascidos entre 1542 e 1836. Em sintonia com a hipótese de trabalho, nossos
resultados apontam para alterações significativas nos padrões de superficialização do
objeto lógico de passivas pronominais e do sujeito de sentenças com se de valor nãopassivo a partir do século 18.
III.
8
ANTONELLI, A. L. Construções com SE Passivo e a Alternância Ênclise/Próclise no
Português Clássico. In: 54o. Seminário do GEL, 2006, Araraquara. Caderno de
Resumos do 54o. Seminário do GEL, 2006. p. 299-300.
Estudos a respeito da sintaxe de colocação de clíticos no Português Europeu têm
atestado a existência de uma alternância ênclise/próclise do século 16 ao 19 em
determinados contextos sintáticos, ao passo que, nesses mesmos ambientes, a ênclise é
a colocação categórica no Português Europeu Moderno (cf. Martins 1994, Paixão de
Sousa 2004, Galves, Britto & Paixão de Sousa 2005). Com relação ao período em que
se observa a variação, Galves, Britto & Paixão de Sousa notam que a colocação
enclítica em textos escritos por autores nascidos nos séculos 16 e 17 está fortemente
relacionada quantitativamente ao uso do clítico “se”. Na verdade, baseadas em trabalho
preliminar, as autoras argumentam que o efeito do clítico “se” na opção pela ênclise
seria devido especialmente ao pronome clítico “se” de natureza passiva. Este
paradigma, entretanto, não é verificado em obras de escritores nascidos a partir de 1700.
A fim de verificar em que medida a natureza das construções com o clítico “se”
passivo de fato afetaria a colocação de clíticos em favor da ênclise até o fim do século
17, analisei um conjunto de sentenças com o clítico “se” passivo extraídas de textos
escritos por autores nascidos entre 1542 e 1836. Seguindo a proposta de derivação para
a ênclise e a próclise tal como formulada por Galves, Britto & Paixão de Sousa,
apresento evidências de que o clítico “se” passivo não constitui um fator que favorece a
colocação enclítica nos séculos 16 e 17. Na realidade, conforme já defendido por
Galves (2001/2003) e mesmo por Galves, Britto & Paixão de Sousa, a ênclise e a
próclise correspondem a estruturas distintas nesse período, durante o qual a opção entre
elas é determinada por fatores estilísticos e textuais, e, como mostro neste trabalho, não
levando em consideração o fator tipo de clítico.
CARNEIRO, Z. & C. GALVES, C. “Clitic-placement in the history of Brazilian
Portuguese: a case of three-grammar competition”, 9th Conference on Diachronic
Generative Syntax (DIGS 9), Trieste, 8-10 de junho de 2006.
In private correspondence written by educated and non-educated Brazilian people
during the 19th century, we find variation between enclisis and proclisis in all syntactic
contexts. This departs from both modern Brazilian and European Portuguese
(henceforth respectively BP and EP) and for Classical Portuguese (henceforth ClP). In
this talk, we shall argue that this variation is the effect of a competition between those
three grammars. By grammars, we understand I-languages generating different
structures, potentially instantiated as identical utterances. We use the notion of
Competition of grammars as initially introduced by Kroch (1994). The basis of the
analysis is a corpus of letters written by Brazilian people born between 1750 and 1850
edited by Carneiro (2005). Additional data is drawn from other corpuses of Brazilian
texts written in Brazil at the same period.
Comparing her corpus with the authors of the Tycho Brahe Corpus born at the same
time, Carneiro observes an increase of enclisis in V2 context that is parallel to what
happens in Portuguese texts, with roughly a 50-year delay. The same result is obtained
by Pagotto (1992). This shows that Brazilian 19th c. texts instantiate the competition
between ClP and EP observed in the Portuguese texts from 1700 on (cf. Galves Britto
& Paixão de Sousa 2005).
III.
9
But crucially, at the same time, we find evidence that the vernacular grammar, BP, is
already active in written texts, since there are occurrences of proclisis in absolute first
position, as in (2) above (7% of the cases for educated people and 15% for noneducated people), as well as non-ambiguous cases of AUX cl-PP, another Brazilian
innovation. We thus find two opposite tendencies in the texts written in Brazil in the
19th century: on one hand, the increase of enclisis, which mimics the evolution of
European Portuguese at this time, and, on the other hand, the presence of proclisis in
previously impossible contexts, which attests the emergence of the BP grammar in
written texts. This produces a mixture of data, which cannot be accounted for without
using the notion of competition of grammars proposed by Kroch (1994). Furthermore,
the data shows that such a competition can occur between more than 2 grammars.
GALVES, C. “Gramática e variação: o caso da evolução da colocação de clíticos em
português”, V Encontro Nacional de Língua Falada e Escrita, Universidade Federal de
Alagoas (UFAL), 20 a 24 de novembro de 2006 (mesa redonda “Variação em sintaxe”
coordenada por Maria Denilda Moura).
Nesta comunicação, argumentarei que há os dois tipos de variação sintática compatíveis
com a Teoria de Princípios e Parâmetros: a (aparente) variação produzida por uma
única lingua –I e a variação produzida pela competição de gramáticas (Kroch, 1994).
Mostrarei que esses dois tipos são sucessivamente instanciados na história da colocação
de clíticos em português europeu.
GALVES, C. “A sintaxe dos clíticos”, V Encontro Nacional de Língua Falada e
Escrita, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), 20 a 24 de novembro de 2006
(mesa redonda “Evidências para a periodização histórica do português europeu e do
portuguê brasileiro,com base em fenômenos sintáticos”, coordenada por Ilza Ribeiro).
A sintaxe dos clíticos, em particular a alternância ênclise/próclise e a sintaxe da
interpolação, nos permitem redefinir uma periodização para o português europeu.
Baseada no trabalho de Namiuti (2000, 2004, em progresso) para a interpolação e no
trabalho de Galves Britto e Paixão de Sousa (2005) para a alternância ênclise/próclise,
mostrarei que se podem definir 3 gramáticas na história da lingua, sendo que a
gramática intermediária entre o português arcaico e o português moderno ultrapassa os
limites tradicionais do chamado português clássico (cf. Galves, Namiuti e Paixão de
Sousa, 2006).
GALVES, C. & T. LOBO “A ordem dos clíticos em textos de africanos na Bahia
oitocentista” Colóquio “Caminhos da Língua portuguesa: África-Brasil”, Unicamp, 6-9
de novembro de 2006.
A sintaxe dos clíticos distingue fortemente a gramática do português brasileiro (PB) da
do português europeu (PE) moderno. Embora já largamente estudado por sintaticicistas
brasileiros e portugueses, a partir dos mais diversos corpora e também sob as mais
diversas orientações teórico-metodológicas, a retomada deste tópico aqui se justifica
pela singularidade do corpus analisado - atas escritas pora aficanos semiletrados na
Bahia oitocentista. Sendo a história lingüística do Brasil marcada por um processo de
mudança de língua, do qual resultou ser o PB a língua hegemônica, saber como se deu a
aquisição do português como L2 por africanos é, pois, uma questão central, recolocada
a partir desse aspecto nuclear da gramática, a sintaxe dos clíticos.
III. 10
GRAVINA, A. “A Realização do sujeito e as ordens vs/sv na diacronia do PB” In: XII
SETA -Seminário de Teses em andamento, 2006, Campinas. XII SETA - Seminário de
Teses em Andamento. Campinas: Unicamp, 2006. v.vol.1. p.15
O trabalho a ser apresentado é um projeto de dissertação de mestrado que está em
andamento na Universidade Estadual de Campinas, sob a orientação da professora Dr.ª
Charlotte Marie Chambelland Galves.
O presente trabalho pretende analisar quantitativa e qualitativamente, através de um
estudo diacrônico, a realização do sujeito no Português culto escrito no Brasil, em três
tempos distintos: a) primeira metade do século XIX; b) segunda metade do século XIX;
c) primeira metade do século XX.
Pretende-se discutir a caracterização do PB quanto a duas propriedades das línguas prodrop: a possibilidade de licenciar sujeito nulo e a possibilidade de ordem verbo-sujeito.
Para efeito de análise serão coletados artigos de jornais que circularam no estado de
Minas Gerais nos referidos períodos de séculos.
Os dados levantados por esse corpus além de passarem por uma análise quantitativa,
serão analisados qualitativamente, verificando em que ambientes sintáticos as
propriedades aqui estudadas se encontram.
Após tais análises, buscar-se-á explicar de que maneira ocorre a distribuição da ordem
do sujeito e a realização desse no PB, tendo como suporte teórico para hipóteses e
explicações os moldes da Gramática Gerativa.
GRAVINA, A. “Estudo Diacrônico de Sujeito nulo no Português Brasileiro” In: XI
Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Lingüística, 2006,
Uberlândia. Caderno de Resumos do XI Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional
de Letras e Lingüística, 2006. p.42 – 42
A representação do sujeito na oração no Português Brasileiro já foi objeto de inúmeros
trabalhos. Na literatura lingüística o interesse tem sido, em certo número de trabalhos
da Teoria Gerativa, voltado para duas propriedades do sujeito: a possibilidade desse ser
nulo (em orações com tempo) e a inversão do sujeito (ordem VS). Trabalhos de alguns
autores, como Duarte (1993; 1995) e Tarallo (1993), defendem que o PB teria perdido a
possibilidade de licenciar o sujeito nulo, já outros, como os de NIcolau (1997),
defendem que essa possibilidade nunca deixou de existir na língua. A fim de apresentar
subsídios para essa discussão, foi efetuado um trabalho seguindo a metodologia
laboviana, em que se descreveu e analisou, quantitativamente, a representação do
sujeito pronominal no Português culto escrito no Brasil, em quatro tempos distintos: a)
primeira metade do século XIX; b) segunda metade do século XIX; c) primeira metade
do século XX e d) segunda metade do século XX. Para efeito de análise, foram
investigadas cartas e artigos de opinião (todos assinados) que circularam em jornais, no
Estado de Minas Gerais, nos referidos séculos. O primeiro tempo analisado foi
constituído de cartas e artigos assinados retirados do periódico literário O Recreador
Mineiro (projeto FAPEMIG/2004), que circulou na cidade de Ouro Preto e região no
período de 1845 a 1848. O segundo tempo analisado foi constituído de dados retirados
de cartas pessoais formais enviadas à Arquidiocese de Diamantina no período de 1870 a
1900. O terceiro tempo analisado foi constituído de dados retirados do jornal Estado de
Minas que circulou em Belo Horizonte e região, no período de 1947 a 1949. Por fim, o
III. 11
quarto período foi constituído de dados retirados desse mesmo jornal nos anos de 1998
a 2000. A análise quantitativa em tempo real mostrou que não há indícios de mudança
lingüística que envolva a representação de sujeito: se sujeito nulo ou se pronominal
pleno na amostra avaliada. Dessa forma, tais resultados não corroboram hipótese de
Tarallo (1993) e Duarte (1993, 1995) de que o PB estaria deixando de licenciar o sujeito
nulo. Por outro lado, estão de acordo com resultados obtidos por Paredes da Silva
(1988) e Nicolau (1994, 1997) que também apresentam altos índices de sujeito nulo no
PB, em seus trabalhos. A partir dos resultados encontrados, o presente trabalho pretende
elaborar um trabalho minucioso de lingüística histórica, no qual os principais objetivos
serão analisar os ambientes sintáticos da presença/ausência do sujeito nesse corpus e
detalhar a ordem VS e SV desses constituintes. Partimos da hipótese de que o PB seria
uma língua de sujeito nulo diferente, pois não se iguala as condições de línguas
denominadas pro-drop como o Português Europeu e nem a línguas denominadas nãopro-drop como a língua inglesa. Os dados levantados por esse corpus foram submetidos
a uma análise quantitativa, o próximo passo será submetê-los a uma análise qualitativa,
buscando explicar de que maneira a distribuição da ordem do sujeito e a realização
desse no PB ocorre, tendo como suporte para hipóteses e explicações a Gramática
Gerativa.
PAIXÃO DE SOUSA, M. C. “Hypertext: conceptual and methodological frontiers”
Seminário Internacional “Literaturas: del texto al hipertexto” Universidad Complutense
de Madrid, Facultad de Filología Madri, 21 de setembro de 2006.
<http://www.ime.usp.br/~tycho/participants/psousa/deltextoalhipertexto/index.html>
This paper investigates some lines into the debate on the conceptual dimension of
"digital text" in general and "hypertext" in particular, by exploring this forms of writing
from the material point of view. I shall consider that digital text production is a
watershed in the history of text diffusion, rather than an incremental point in the
evolution of text-production techniques. Digital text is not a new instrument, but a new
process of information codification in written form. I shall also point out that text
markup languages related to digital text processing represent a break-through
methodological instrument for text studies in various fields.
PAIXÃO DE SOUSA, M. C. & Thorsten TRIPPEL “Metadata and XML standards at
work: a corpus repository of Historical Portuguese texts”. V International Conference
on Language Resources and Evaluation (LREC 2006), Gênova, 22 a 28 de maio, 2006.
This paper describes the restructuring process of a large corpus of historical documents
and the system architecture that is used for accessing it. The initial challenge of this
process was to get the most out of existing material, normalizing the legacy markup
and harvesting the inherent information using widely available standards. This resulted
in a conceptual and technical restructuring of the formerly existing corpus. The
development of the standardized markup and techniques allowed the inclusion of
important new materials, such as original 16th and 17th century prints and
manuscripts; and enlarged the potential user groups. On the technological side, we
were grounded on the premise that open standards are the best way of making sure that
the resources will be accessible even after years in an archive. This is a welcomed result
in view of the additional consequence of the remodeled corpus concept: it serves as a
III. 12
repository for important historical documents, some of which had been preserved for
500 years in paper format. This very rich material can from now on be handled freely
for linguistic research goals.
PAIXÃO DE SOUSA, Maria Clara “Padrões de Ordem Sujeito-Verbo do Português
Médio ao Português Europeu Moderno”. V Encontro Nacional de Língua Falada e
Escrita, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), 20 a 24 de novembro de 2006.
Este trabalho discute alguns resultados de um estudo sobre a sintaxe de textos
portugueses representativos dos séculos 16 a 19, no qual o padrão de colocação de
clíticos foi estudado em conjunto com os padrões de ordem Sujeito-Verbo. O estudo
mostrou que a proporção relativa entre ênclises e próclises nos textos “clássicos”
contrasta com a proporção atestada em textos medievais por Ribeiro (1995) –
entretanto, o padrão de ordem Sujeito-Verbo dos textos clássicos aparece como mais
próximo ao dos textos medievais que ao dos textos modernos pesquisados. Este
resultado pode ser interpretado à luz de uma nova proposta para a delimitação dos
ciclos gramaticais do português (apresentada em Galves, Namiuti e Paixão de Sousa,
2005), na qual a divisão tradicional dos períodos históricos do português é
reformulada: o Português Europeu Moderno teria inicio no século 18, sendo antecedido
por uma gramática que abrange os séculos 14 a 17. Essa gramática, a que
denominamos Português Médio, se diferencia da gramática do PE centralmente pela
posição ocupada pelos sujeitos pré-verbais; e de outro lado, se diferencia do Português
Arcaico (séculos 12-13) fundamentalmente pela produtividade da construção de
interpolação. A apresentação deste trabalho tem como objetivo primordial sugerir a
relevância da continuidade de estudos comparativos entre textos dos três períodos
(séculos 13-14, 15-17 e 18-19) quanto à posição de sujeitos.
Dissertações e teses1:
defendidas em 2006:
CAVALCANTE, S. "O uso de "se" com infinitivo na história do Português: do
Português Clássico ao Português Europeu e Português Brasileiro modernos", doutorado
FAPESP. (defesa 27/01/2006)
A análise da variação 0/se com infinitivo em amostras de fala (Nurc/RJ e Português
Fundamental) e de escrita (jornais) do Português Brasileiro (PB) e do Português
Europeu (PE) revela uma diferença no percentual do uso de se com infinitivo: PE
apresenta uma média de 8% de presença de se nas amostras de fala e de escrita, ao
passo que PB apresenta uma média de 25% e de 50% de se na fala e na escrita
respectivamente.
A partir de tais resultados, esta tese procura entender a evolução diacrônica de se com
infinitivo que dá lugar a esse uso diferenciado em PE e PB. Para isso, trata da variação
0/se numa amostra de textos de autores portugueses nascidos entre os séculos 16 e 19,
que compõem o corpus Anotado do Português Histórico -- Corpus Tycho Brahe. Nesta
1
Só menciono aqui as dissertações e teses diretamente relacionadas ao projeto.
III. 13
amostra, a media de se com infinitivo sofre uma mudança: até o século 18 (período do
Português Clássico -- PCl), há 20% de presença de se nas infinitivas; a partir do século
18 (Português Europeu), há 10% de presença de se nas infinitivas.
A análise se fundamenta (a) no tipo de se que pode aparecer junto ao infinitivo: sepassivo, se-indefinido, se-impessoal (cf. Raposo e Uriagereka, 1996 e Martins, 2003), e
(b) na natureza de Agr não-finito no PE e no PB (cf. Moreira da Silva, 1983, Galves,
1993 e Figueiredo Silva, 1996).
Com base neste quadro teórico e nos resultados de um conjunto de mudanças ocorridas
na gramática do PB, é possível argumentar a favor de que, enquanto no PE, um sistema
em que Agr é forte, capaz de licenciar e identificar sujeitos nulos, aparecem o seindefinido e o se-impessoal; no PB, um sistema de Agr fraco no traço [pessoa], o se é o
se-impessoal e aparece para identificar o referente indeterminado da posição sujeito de
infinitivo, em variação com os pronomes a gente e você. No PCl, diferentemente,
aparece o se-passivo nas infinitivas.
Com esses resultados, procuro contribuir para uma descrição mais acurada das
diferenças paramétricas existentes entre PE e PB. Esses resultados, aliados às pesquisa
desenvolvidas dentro do quadro teórico gerativista, contribuem para se postular que
estamos diante de três gramáticas distintas: a do PCl, a do PE e a do PB.
com defesa prevista para o ano 2007
ANTONELLI, A. “O clítico se e a variação ênclise/próclise do Português Médio ao
Português Europeu Moderno”, mestrado, FAPESP. (defesa, 17/1/2007)
No Português Europeu, do século 16 ao 19, é atestado em textos escritos que a ênclise e
a próclise podem ocorrer num contexto sintático semelhante, a saber, o das sentenças
afirmativas finitas em que o verbo não se encontra em posição inicial. Basicamente, o
elemento pré-verbal desse tipo de construção pode ser um sujeito, um advérbio ou um
sintagma preposicional. Galves, Britto & Paixão de Sousa (2005) já observaram que,
até por volta de 1700, o uso da próclise é quantitativamente maior que o da ênclise.
Porém, a partir do início do século 18, começa a haver uma inversão nessa proporção,
de tal modo que, no Português Europeu Moderno, os mesmos contextos que outrora
admitiam a colocação proclítica apresentam agora a ênclise de maneira categórica.
Para esse período da história da colocação de clíticos do Português Europeu, Galves,
Britto & Paixão de Sousa já notaram que a opção pela ênclise em textos escritos antes
do século 18 está fortemente associada ao uso do clítico se. As autoras mostram que,
em textos dos séculos 16 e 17, um alto percentual de ênclise em sentenças sujeitoiniciais tipicamente traduz-se em uma alta proporção da ordem “sujeito + verbo +
clítico se”. Esse mesmo paradigma, porém, não é observado para os textos dos séculos
18 e 19, já que, nos textos escritos por autores nascidos após 1700, a distribuição da
ênclise com se e com os outros clíticos é muito mais balanceada.
Dada essa particularidade no fenômeno da colocação de clíticos do Português Europeu
envolvendo o pronome se, nossa investigação, dentro do quadro teórico da gramática
gerativa, procura traçar a evolução da ênclise no universo de sentenças com esse clítico
específico entre os séculos 16 e 19, tentando entender melhor em que circunstâncias a
ênclise aparece e como isso se relaciona com a escolha pelo clítico se. Uma proposta
como essa se justifica visto que um trabalho nesse sentido poderá esclarecer melhor não
III. 14
apenas quais são as razões que favorecem a ênclise com o clítico se até o fim do século
17, mas também por que o tipo de clítico parece deixar de ser um fator importante na
escolha da colocação enclítica desse momento em diante.
Este trabalho insere-se no âmbito do projeto temático “Padrões Rítmicos, Fixação de
Parâmetros e Mudança Lingüística (Fase II)” e toma como material para análise um
conjunto de dados extraídos de 20 textos escritos por autores portugueses nascidos entre
1542 e 1836. Todos os textos dos quais retiramos o nosso material de análise estão
presentes no Corpus Tycho Brahe (http://www.ime.usp.br/~tycho/corpus).
FERNANDES, F. " Ordem, estratégias de focalização e preenchimento em português:
sintaxe, entoação e ritmo’, doutorado direto, FAPESP. (defesa 16/4/2007)
Este projeto de doutorado propõe a análise comparativa entre as diferentes estratégias
de focalização escolhidas pelo português brasileiro (PB) e pelo português europeu (PE)
para a marcação de foco de escopo estreito do elemento ‘sujeito’ em sentenças de
mesma estrutura informacional nessas duas variedades de português. A hipótese desta
pesquisa é de que as diferentes estratégias de marcação de foco de escopo estreito
escolhidas pelas duas línguas não estão relacionadas somente a questões sintáticas,
como a fixação do parâmetro pro-drop, mas também a questões que envolvem a
otimização do ritmo, da estrutura prosódica e da estrutura entoacional em PB e em PE.
NAMIUTI, C. "O fenômeno da interpolação na história da colocação de clíticos em
Português", doutorado direto FAPESP (defesa agosto 2007)
Na passagem do português arcaico (PA – século 13 à 16 – segundo a tradição) para o
português clássico (PC - séculos 15 à 16), juntamente com a perda da interpolação dos
vários constituintes do sintagma verbal e do fronteamento desses mesmos constituintes,
há um aumento bastante significativo no uso da próclise em orações raízes e também há
a emergência de uma nova sintaxe da interpolação da negação. A negação passa a ser
interpolada não somente nas orações subordinadas e principais marcadas com partículas
de foco, quantificadores e certos advérbios, mas também em orações matrizes e
coordenadas finitas introduzidas por sujeitos e adjuntos, em completivas com o
complementador nulo e ainda em infinitivas introduzidas pela preposição em:
“E, chegando a alguma que com menos apêrto faça sua relação , me não pareceu
enjeitar” (Lobo - séc. XVII)
“e o não podemos averiguar, senão pelo Regimento daquela fortaleza...” (Couto – séc.
XVI)
“Não tive novas de Vossa Mercê e peço-lhe __ me não prive de um favor a que eu
tenho tanta acção. (Bernardes - XVII)”.
“e tanto à minha custa, que não só me condenam em os não ver, mas levantam
testemunhos falsos da minha pobre pobreza. (Melo – XVII)”.
Por volta do século 18, na passagem do PC para o português europeu moderno
(doravante PE), a porcentagem da ênclise volta a subir e a ordem "XclnegV" desaparece
nos contextos apresentados acima.
Os dados sugerem um estado gramatical intermediário entre o PA e o português
europeu moderno. Fato que leva nossa proposta ir no sentido oposto à hipótese de
Martins (1994) que relaciona a perda da interpolação dos vários elementos do sintagma
verbal com a perda da próclise em orações raízes. Para nós, estas são duas mudanças
distintas.
III. 15
em andamento :
ANDRADE, A. Estudo diacrônico de orações infinitivas do português iniciadas por
preposição, Doutorado, Fapesp.
As orações infinitivas preposicionadas no português apresentam diversos aspectos de
interesse para a pesquisa diacrônica. Nelas encontra-se a controvérsia sobre a origem
das orações completivas iniciadas por "para", que, segundo as análises existentes, têm
origem no Português Brasileiro, mas que também são encontradas no Português
Europeu. Servindo-lhes de contraponto, o estatuto de complementizador preposicional
das partículas "de/a" iniciadoras de orações infinitivas pode ser questionado face a
comparações com outras línguas românicas. Um outro aspecto que questiona qualquer
análise rápida é a colocação de clíticos nesses contextos, dada sua variação sincrônica e
uma distribuição face ao tipo de preposição introdutora que sugere uma ambigüidade
categorial, consoante levantamento piloto. Tais constatações são oferecidas como
justificativas para a realização de análises de cunho quantitativo e qualitativo utilizando
o "Corpus Histórico Anotado do Português Tycho Brahe" e outros corpora referentes ao
Português Brasileiro, um dos quais a ser coletado pelo candidato em periódicos do
Estado de Goiás. Dessa forma, a projeto terá por objetivo principal compreender a
mudança na complementação infinitiva do Português Clássico para o Português
Brasileiro e o Português Europeu Moderno, assim como a repercussão dos achados no
quadro da mudança mais geral das gramáticas dessas variedades, tendo por base os
pressupostos teóricos da Gramática Gerativa.
FLORIPI, S. “Estudo da variação do determinante em sintagmas nominais possessivos
do Português Médio ao Português Europeu Moderno”, doutorado, FAPESP.
Este projeto de doutorado objetiva descrever e analisar, dentro de uma perspectiva
diacrônica, a variação do uso do Determinante em estruturas com Sintagmas Nominais
(DP) possessivos em 23 textos de autores portugueses nascidos desde o século 16 ao
século 19. Os textos foram selecionados do Corpus Anotado do Português Histórico
Tycho Brahe (doravante Corpus Tycho Brahe) que se encontram disponíveis na internet
no site: www.ime.usp.br/~tycho/corpus.
Como arcabouço teórico, tendo como pressupostos o Modelo de Princípios e
Parâmetros, utilizarei uma abordagem minimalista (Chomsky (1995) e Kayne (1994)) e
não lexicalista (Halle e Marants (1993)). Para o levantamento de dados serão utilizados
os textos disponíveis do Corpus Tycho Brahe, pois, assim, poderei tartar
quantitativamente de objetos mais complexos, tanto do ponto de vista do fenômeno
envolvido quanto do período considerado; e, com base nesse tratamento quantitativo,
arei uma análise qualitativa sustentável.
GIBRAIL, A. “ As estruturas de topicalização do Português Médio ao Português
Europeu Moderno, um estudo diacrônico e teórico”, doutorado.
A tese que desenvolvo trata da descrição e análise das estruturas de topicalização do
português clássico. O objetivo que norteia este trabalho é a investigação da freqüência
III. 16
de uso e legitimação das formas variantes de realização desse tipo de estrutura nos
processos de mudança em curso naquela gramática.
Para este tipo de investigação, faço uso de dados levantados de 38 textos de autores
portugueses nascidos entre 1502 e 1845, integrantes do Corpus Tycho Brahe. O
levantamento dos dados revela ser este tipo de estrutura de uso comum e produtivo no
português daquele período. Elementos em posição de tópico são legitimados em formas
estruturais variantes, projetadas com e sem retomada pronominal. Nessas ocorrências,
qualquer constituinte da oração pode ser realizado em posição de tópico: objetos diretos
e indiretos, sintagmas adverbiais, sintagmas preposicionais, sintagmas adjetivais, e
outros.
Por outro lado, a análise quantitativa desses dados revela não haver uniformidade
diacrônica na freqüência de uso dessas formas variantes. Com objetos topicalizados, a
freqüência de uso da variante sem retomada pronominal diminui do séc. XVI ao séc.
XIX, enquanto a freqüência de uso da variante com retomada pronominal aumenta na
mesma proporção nesse período. Essas formas variantes de topicalização de objetos são
assumidas nos estudos lingüísticos como fenômenos distintos, sendo a estrutura com
retomada pronominal denominada Estrutura de Deslocação à Esquerda Clítica, DEC
(no inglês, CLD), e a forma sem retomada pronominal definida propriamente como
estrutura de topicalização..
Outro fato revelado no levantamento desses dados é que, paralelamente, à mudança de
comportamento quanto à freqüência de uso das estruturas de topicalização e de
Deslocação à Esquerda Clítica, outras mudanças são assinaladas no nível estrutural das
sentenças. A co-ocorrência dessas mudanças é significativa na medida em que ela pode
ser reveladora da atuação de uma mudança maior subjacente àquela gramática.
Tendo em conta os objetivos a serem alcançados neste trabalho de pesquisa, o ponto
fundamental a ser perseguido em etapas posteriores é determinar se os fatores
responsáveis pela mudança de comportamento diacrônico na freqüência de uso dessas
estruturas são os mesmos que promovem alteração na ordem superficial de realização
do sujeito e outros constituintes nessas sentenças.
III. 17
GRAVINA, A. “A representação do sujeito e a ordem VS na história do português
brasileiro”, mestrado, submetido à Fapesp.
O presente projeto pretende analisar quantitativa e qualitativamente, através de um
estudo diacrônico, a realização do sujeito no Português culto escrito no Brasil, em três
tempos distintos: a) primeira metade do século XIX; b) segunda metade do século XIX;
c) primeira metade do século XX.
Propõe-se discutir e apresentar a caracterização e a mudança do PB de uma língua com
propriedades pro-drop para uma língua de Sujeito Nulo de natureza diferente, buscando
apresentar subsídios para a identificação e análise dessa mudança em textos escritos de
registro formal na diacronia do Português Brasileiro.
Para efeito de análise serão coletados artigos de jornais que circularam no estado de
Minas Gerais nos referidos períodos de séculos.
Os dados levantados por esse corpus além de passarem por uma análise quantitativa,
serão analisados qualitativamente, verificando em que ambientes sintáticos as
propriedades aqui estudadas se encontram, e em seguida averiguando como essas
propriedades evoluíram na história do PB.
O quadro teórico para as hipóteses e análises sobre a natureza das construções
estudadas e na mudança ao longo do tempo será a teoria da Gramática Gerativa.
Com início em 2007
ANTONELLI, A. “Sintaxe de Posição do Verbo e Mudança Gramatical na História do
Português Europeu”, Doutorado, Fapesp
Este projeto de doutorado insere-se no âmbito do projeto temático "Padrões Rítmicos,
Fixação de Parâmetros e Mudança Lingüística - Fase II" (Processo FAPESP 04/036430) e tem como objetivo investigar as características da sintaxe de posição do verbo em
duas fases gramaticais do Português: a gramática do Português Europeu Moderno (PE)
e a gramática do período imediatamente ao PE. Além disso, pretende-se delimitar no
tempo o momento em que se dá a mudança entre esses dois sistemas gramaticais.
Trabalhamos com a hipótese de que a gramática do Português Europeu era organizada
com base no efeito V2 (verbo em segunda posição), vindo a perder essa característica a
partir do século 18, quando se observa a emergência de certos aspectos sintáticos que
caracterizam a gramática do PE e que não eram até atestados.
III. 18
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards