Aula CO - Percepcao

Propaganda
Centro Universitário do Triângulo
Curso
: SISTEMAS DA INFORMAÇAO
Disciplina: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL
Profª: Roseli
Período : 2º
Aula :
Data: 03/03/06
ESTUDO DA PERCEPÇÃO
INTRODUÇÃO
O Homem já fez imensos progressos no estudo do mundo físico e da vida. Por meio das
capacidades de sua mente, o Homem vem realizando prodígios tecnológicos: chegou à Lua,
inventou máquinas impressionantes, consegue transmitir quantidades imensas de informação a uma
velocidade incrível, encontrou tratamento para muitas doenças e já desvendou uma grande parte de
nosso código genético. Mas em que medida o Homem entende a si mesmo, em que medida nós
entendemos nosso comportamento, nossa mente? De que forma nossas crenças e valores afetam
nossa forma de ver o mundo?
A importância do estudo da percepção para a compreensão do comportamento organizacional se
justifica, pois o comportamento, seja ele analisado dentro dos limites das organizações ou fora delas,
está diretamente ligado à percepção que o indivíduo possui do mundo externo e não da realidade
propriamente dita. A diversidade de interpretações que se faz da realidade evoca o estudo da
percepção.
Vários processos organizacionais podem ser analisados e estudados a partir da compreensão da
percepção dos indivíduos, como por exemplo, a motivação, a resistência às mudanças, a insatisfação
no trabalho. Mas então o que é percepção, quais os fatores que a afetam e qual a relação que possui
com o comportamento organizacional?
DEFINIÇÕES
Existem diversas definições e conceitos para a percepção, como:

A percepção pode ser definida como a imagem da realidade que provoca no ser humano uma
reação, um comportamento.

A percepção é o processo pelo qual os indivíduos organizam e interpretam suas impressões
sensoriais, com a finalidade de dar sentido ao seu ambiente. (Robbins, 2002)

Percepção se refere ao modo como interpretamos as mensagens de nossos órgãos dos
sentidos para dar alguma ordem e significado ao nosso meio ambiente. (Bowditch & Buono,
2000).
Os conceitos de percepção aqui apresentados, embora se diferenciem em alguns detalhes,
convergem em uma explanação: existe um mundo externo e cada ser humano percebe esse mundo
e os fenômenos que nele ocorrem, de forma absolutamente única e pessoal e não exatamente como
o são na realidade.
Uma interpretação e imagem são feitas através dos sentidos: olfato, audição, visão, paladar e tato.
Portanto, a percepção seria o processo de assimilação e interpretação da realidade que se faz
através destes sentidos. Cria-se uma imagem da realidade e não a realidade propriamente dita.
1
Transpondo para a questão do comportamento organizacional, segundo Leavitt (1976), um grande
engano cometido por supervisores, é o de supor que todos trabalham para chegar às mesmas metas,
pressupondo que o “real” é percebido por todos de forma igual. Hernandez & Caldas (2001), em seu
estudo sobre a resistência à mudança nas organizações, afirmam que:
“A realidade para cada indivíduo corresponderia à sua percepção individual daquilo que
existe ou acontece ao seu redor, e, conseqüentemente, suas ações e reações estariam
baseadas na realidade percebida, e não, necessariamente, na realidade objetiva dos fatos
e acontecimentos”.
Se então, a realidade não é vista como ocorre, mas sim através de uma interpretação, podemos
concluir que não existe uma única realidade. Cada pessoa interpreta e vê uma mesma realidade de
forma exclusiva e pessoal de acordo com o ângulo em que observa.
Os fatores ou estímulos internos (do indivíduo) ou externos (ambientais) se encontram no
observador, no alvo observado ou na situação em que se encontram observador e alvo. O
observador, através de suas atitudes, sua motivação pessoal, seus interesses, experiências
passadas e expectativas, influência o objeto observado. O estado emocional e a motivação pessoal
influenciam, de forma decisiva, na percepção.
Simões & Tidemann (1985) relatam uma pesquisa realizada nos Estados Unidos onde se concluiu
que grupos opostos vêem as coisas de forma diferenciada. Apesar de não nos apresentar a época e
as condições em que a mesma fora realizada, seus resultados são interessantes. Expectadores de
um jogo de futebol foram entrevistados. O jogo havia sido muito violento e com muitas penalidades.
Os torcedores do time ganhador haviam visto um jogo duro, porém honesto. Já os torcedores do time
perdedor acharam o jogo desonesto e rude e culparam o time adversário por tal violência. É
importante ressaltar que tal interpretação se refere a uma imagem percebida e influenciada pela
emoção.
Reforçando tal pensamento, Coelho Jr. (1999):
“A percepção é determinada por fatores internos dos quais muitas vezes não se tem
consciência, e é apenas por eles que a realidade ganha sentido. Pode-se afirmar que há
consciência a respeito da forma como se entende o mundo, mas não a respeito do
processo, do conteúdo ou das associações que foram sendo configuradas ao longo da vida
através das experiências adquiridas, que por sua vez acabam configurando essa forma
particular de percepção do mundo”.
As necessidades também são fatores que afetam a percepção e fazem com que as pessoas
percebam um mesmo evento de forma diferenciada. Leavitt (1976) relata uma experiência, na qual
crianças deveriam desenhar moedas de 25 centavos. As crianças mais pobres desenhavam moedas
maiores do que as crianças oriundas de lares mais favorecidos. O autor faz um paralelo desse
experimento a outro no qual fora solicitado aos empregados de uma indústria para que
descrevessem as pessoas com as quais trabalhavam. Eles falaram mais dos patrões do que dos
colegas, levando o autor a levantar a hipótese de que as pessoas mais importantes para as suas
necessidades eram os patrões. Comprova-se assim, a idéia de que as necessidades afetam a
percepção.
Vimos acima alguns dos fatores que influenciam a percepção e que se encontram no observador.
Nos reportamos agora ao alvo. Os alvos não são observados isoladamente. Sua relação com o
cenário influencia a percepção. O que percebemos vai depender de como separamos a figura de seu
cenário geral. A proximidade física ou temporal nos faz relacionar determinados eventos. Robbins
(2002) descreve o caso de dois esquiadores que morreram em acidentes de esqui com a diferença
2
de tempo de poucas semanas um do outro. O fato levou as pessoas a acreditarem que o esqui era
um esporte perigoso, embora os acidentes não tivessem qualquer correlação.
A situação é o outro foco dos fatores perceptivos. Vamos imaginar que nem o observador, nem o
alvo mudaram, mas a situação é diferente. Por exemplo: uma pessoa vestida e maquiada para uma
festa à noite, provavelmente, seria percebida mais rápida ou diferentemente se a mesma, assim se
vestisse para um café da manhã. Se você está ciente de que seu departamento irá ser visitado por
um superior, maior probabilidade haverá de você prestar mais atenção nas atitudes de seus
empregados
Analisamos até aqui os fatores que influenciam a percepção. Porém o processo perceptivo é ainda
mais complexo. Existem falhas ou simplificações que agilizam o processo de percepção. Mas se
ganhamos em tempo, podemos perder na eficácia e na veracidade da imagem percebida. Cinco
simplificações mais comumente ocorrem nesse processo: a percepção seletiva, o efeito de halo, os
efeitos de contraste, a projeção e a estereotipagem (Robbins, 2002).
1. Na percepção seletiva, a capacidade de percepção fica limitada. Não se pode perceber tudo o
que ocorre em volta. Portanto, seleciona-se aquilo que se quer ver, baseando-se nos próprios
interesses, motivações e experiências passadas. A percepção seletiva permite uma leitura
rápida, mas com o risco de uma figura imprecisa.
Exemplo: As pessoas podem resistir aos processos de mudanças organizacionais se elas
não vislumbram ou não percebem tais mudanças como interessantes. As pessoas selecionam
os estímulos que parecem agradáveis, rejeitando os estímulos ameaçadores.
2. No efeito de halo avalia-se uma pessoa, baseando-se em um único traço de sua
personalidade. É como se olhasse com uma lupa essa característica e todas as outras
ficassem embotadas. Bowditch & Buono (2000), comentam que “é particularmente importante
estar consciente do efeito halo ao realizar uma entrevista de avaliação de desempenho, de
modo que uma característica não influencie a avaliação global”.
Exemplo: Pode-se dar excessiva atenção a detalhes do comportamento de um empregado,
como por exemplo, avalia-lo negativamente apenas em função de seus atrasos na chegada
ao trabalho e desconsiderar a sua ótima produtividade, criatividade, responsabilidade e etc.
3. As simplificações ou atalhos, denominados efeitos de contraste, se caracterizam pelo
julgamento que se faz entre as coisas e as pessoas, comparando-as entre si. Percebe-se o
belo porque se tem o feio por referência.
Exemplo: Numa entrevista de seleção um candidato pode ser beneficiado ou prejudicado em
função da ordem em que ele se apresenta à entrevista. A qualidade profissional de seu
antecessor é que irá definir a percepção que o entrevistador terá dele.
4. A projeção, muito estudada pela psicanálise, é a tendência que se tem de projetar nos outros
a própria imagem. Fazem-se julgamentos distorcidos dos outros projetando as próprias
características.
Exemplo: O que comumente ocorre em negociações sindicais. Tanto empresas quanto
sindicatos costumam projetar, mutuamente, seus próprios sentimentos de desconfiança.
5. Por último, temos a estereotipagem, que é a tendência que se tem de julgar as pessoas,
baseando-se no grupo a qual pertencem. Formam-se impressões sobre um indivíduo a partir
da impressão que se tem de seu grupo. Essa generalização tem algumas vantagens. Se
3
obtiver sucesso ao contratar profissionais oriundos de uma determinada universidade, o
processo de uma nova contratação poderia ser agilizado, buscando-se novos profissionais na
mesma fonte. Porém, não significa que todos os universitários dessa determinada instituição
irão corresponder a essa expectativa (ROBBINS, 2002).
Exemplo: “Japoneses são inteligentes”, daí contratam japoneses pelo simples fato de o serem.
Qual a importância dessas teoria de percepção para o ambiente organizacional? O comportamento e
vários processos organizacionais, tais como a tomada de decisão nas organizações, a motivação, a
liderança, a satisfação no trabalho, mudanças organizacionais e outros são afetados pela percepção,
podendo ser estudados a partir desse referencial. O que é um problema para um pode ser estado
satisfatório para outro. O conhecimento da existência de um problema e da necessidade de uma
decisão depende da percepção. E, ainda, a conscientização de como as falhas perceptivas ocorrem
torna-se fundamental para a diminuição de erros nas decisões que são tomadas nas empresas.
Um outro exemplo de processo organizacional permeado pela percepção é a pesquisa de clima
organizacional. Trata-se de um levantamento que se faz para a obtenção da percepção que os
empregados têm sobre a empresa. Assim a pesquisa estaria apresentando ou mapeando as
percepções sobre o ambiente interno da organização como ponto de partida para a mudança
organizacional. Uma visão coletiva, provavelmente represente uma percepção mais próxima da
realidade.“Configura, portanto, um diagnóstico sobre a situação atual da empresa, tomando como
base às opiniões de seus integrantes, quase em caráter clínico, ou seja, visando levantar disfunções
ou problemas que mereçam correção”, conforme Coda (1997).
O estudo da percepção permite aos estudiosos do comportamento organizacional uma visão mais
clara das sutis e diversificadas formas que o mesmo se apresenta. Para a administração sua
importância é clara: se o comportamento é uma reação a uma percepção, a compreensão de como
ela ocorre poderá ser extremamente útil para a promoção de mudanças comportamentais tão
necessárias num mundo globalizado.
EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO
1.
2.
3.
4.
Defina percepção
Cite 3 (três) ganhos para o gerente o estudo da percepção?
Quais fatores influenciam uma percepção?
Se você e eu concordamos com o que vemos, isto sugere que temos formações e
experiências similares. Você concorda ou discorda? Discuta
5. Cite exemplos de cada um dos processos de percepção abaixo:
a) A percepção seletiva;
b) O efeito de halo;
c) Os efeitos de contraste;
d) A projeção;e
e) A estereotipagem.
PARA SABER MAIS SOBRE O ASSUNTO
1. ROBBINS, Stephen P. Percepção e Tomada de Decisões Individuais. In: ________. Comportamento
organizacional. São Paulo: Prentice Hall, 2002.
2.
BOWDITCH, James L.; BUONO, Anthony F. Percepção, Atitudes e Diferenças Individuais. In: ________.
Elementos de comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira, 1992. Cap. 4, p. 62-79.
7. SIMÕES, Edda Augusta Quirino; TIEDEMANN, Klaus Bruno. Psicologia da percepção. São Paulo: EPU,
1985.
4
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards