Enviado por Do utilizador5039

Relatório

Propaganda
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO – SEC
DEPARTAMENTO DE ENSINO
NÚCLEO TERRITORIAL DE EDUCAÇÃO - NTE 10
CETEP DO SERTÃO DO SÃO FRANCISCO – 11.06185
ALIMENTAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR
2019
ALINE KELLY NUNES DA SILVA
HINI KAUANE CARVALHO SILVA
JOHNATAN KESLLEY DA SILVA LIMA
LARISSA SILVA SANTOS
ALIMENTAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR
Relatório apresentado como parte dos
requisitos para obtenção da nota parcial da
disciplina Metodologia do Trabalho
Científico do Curso Técnico em Nutrição e
Dietética do Centro Territorial de Educação
Profissional do Sertão do São Francisco.
Orientadora: Jaciara de Souza Bispo.
2019
RESUMO
Este relatório propõe verificar o que as produções cientificas apontam sobre a
abordagem da temática “Alimentação no ambiente escolar”, assim como os seus
efeitos nos hábitos alimentares dos alunos, que podem ser influenciados tanto pelos
pais, pela mídia como pelo convívio com outras crianças e adultos. O principal objetivo
deste relatório é investigar nas literaturas científicas as intervenções nutricionais que
abordam a alimentação no ambiente escolar enquanto estratégia educativa no
contexto de escolas. Contribui para que o nutricionista, como profissional de saúde,
seja inserido no universo da Educação, apropriando-se dos conceitos daquela área e
enriquecendo sua prática para a alimentação escolar. Da mesma forma, contribui para
que o profissional da educação compreenda as razões das escolhas técnicas dos
nutricionistas para compor os cardápios escolares, respeitando as necessidades
nutricionais dos estudantes e suas particularidades culturais. A escola pode ser
considerada um espaço privilegiado para implementação de ações de promoção da
saúde e desempenha um papel fundamental na formação de valores, hábitos e estilos
de vida, entre eles, o da alimentação, tendo como base as práticas alimentares
promotoras de saúde que respeitem a diversidade cultural e econômica. O alimento
pode ser inserido no processo educativo, não apenas em disciplinas relacionadas às
ciências da biologia e da saúde, mas em todas as áreas do conhecimento e desta
forma, estimular o consumo de alimentos saudáveis na escola e no cotidiano da
criança. Educadores, pais, alunos, merendeiras, comunidade têm um importante
papel na construção de um ambiente escolar promotor de estilos de vida saudáveis.
Vale salientar que a Educação Nutricional na infância e na adolescência estimula o
interesse por atitudes saudáveis em relação aos alimentos, pois é nesta fase em que
se fixam atitudes e práticas alimentares difíceis de serem modificadas na idade adulta,
por este motivo a escola é um dos melhores locais para promover a Educação
Nutricional, por ser um local onde as crianças passam grande parte do seu tempo.
Lembrando que as atividades desenvolvidas sobre a alimentação devem ser
permanentemente recriadas, divulgadas e lembradas pela equipe da instituição e
pelos pais, para que seus efeitos sejam favoráveis em relação à saúde. Conclui-se
que o ambiente escolar é um local privilegiado para exercer atividades educativas com
a alimentação escolar, esperamos que as informações analisadas a partir do
levantamento bibliográfico possam subsidiar novos estudos em prol da promoção da
alimentação no ambiente escolar de uma forma que seja saudável.
Palavras chave: Hábitos Alimentares; Ambiente Escolar; Saúde.
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO.................................................................................. 4
2. LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO ............................................... 6
3. CONCLUSÃO ................................................................................. 10
REFERÊNCIAS .................................................................................... 12
4
1.
INTRODUÇÃO
O objetivo deste relatório foi mostrar um breve histórico da alimentação no
ambiente escolar e a sua importância para o desenvolvimento do aluno, sendo a
escola um ambiente propício para desenvolver práticas alimentares saudáveis. E de
acordo com o levantamento bibliográfico, podemos observar que este trabalho vem
crescendo cada vez mais e tem o apoio de todos os envolvidos com a escola, desde
professores, merendeiras e até a comunidade de forma a promover ações, para
desenvolver nos alunos hábitos saudáveis e adequados. A escola pode desenvolver
metodologias inovadoras utilizando o alimento como ferramenta pedagógica.
Nesse sentido é importante questionar sobre a forma pela qual os alimentos são
produzidos, distribuídos e descartados. Hoje, o modo de produção de alimentos no
Brasil é representado, principalmente, pela agricultura convencional, o que tem forte
influência no atual cenário de degradação ambiental. O modelo composto por padrões
de desenvolvimento altamente produtivista e consumista, aliado ao uso de tecnologias
poluentes, acarretou diversos problemas ambientais e sociais, como por exemplo,
poluição do ar, infertilidade do solo, contaminação da água, erosão do solo,
desertificação, aumento da produção de lixo, transmissão de doenças, êxodo rural,
entre outros.
Um aspecto marcante desse modelo se baseia no declínio do consumo de
alimentos natural em detrimento do aumento do consumo de alimentos
industrializados, contradizendo o que as diretrizes e guias de alimentação saudável
dos órgãos de saúde disseminam. Dessa forma, os alimentos globalizados fazem
parte de uma cultura alimentar dominante que se distancia cada vez mais da
diversidade de culturas alimentares alternativas, locais e tradicionais.
Como cultura alternativa, a alimentação sustentável é uma prática que abrange
muito mais que a ação de comer e a disponibilidade de alimentos. Considera a
existência de uma cadeia de produção que começa com o preparo de sementes,
mudas e insumos, passa por ciclos do plantio à colheita, nos quais as variáveis da
natureza têm função essencial e por isso devem ser respeitadas. Nas fases
posteriores, ou seja, até que o alimento chegue aos pratos e, consecutivamente seja
descartado, outras variáveis devem ser consideradas, visando encontrar aspectos de
sustentabilidade social, econômica e ambiental.
5
Diante disso, o consumo saudável refere-se a uma alimentação variada,
equilibrada, suficiente, acessível, colorida e segura. Buscando a sustentabilidade
alimentar, o consumo sustentável diz respeito às atividades que estimulem o
desenvolvimento sustentável, relacionando as concepções ambientais com as
práticas de produção e consumo e sua significância para as presentes e futuras
gerações.
Para o desenvolvimento de uma alimentação adequada o fator cultural é crucial,
já que os hábitos alimentares são transmitidos principalmente através da família e da
escola. A escola como instituição de grande interferência na vida das crianças, se
torna um espaço propicio e fundamental para o desenvolvimento de ações
sustentáveis e que promovam a saúde, como por exemplo, o exercício da alimentação
saudável.
É importante salientar que ações desse tipo devem conectar todos, isto é,
alunos, familiares, educadores e funcionários, buscando a construção de
pensamentos e atitudes que exortem um viver mais saudável e consciente, hoje e no
futuro.
Desde a infância as crianças possuem gostos alimentares diversos, assim a
família e a escola têm papel fundamental no incentivo aos bons hábitos. Nesse
sentido, a educação para alimentação saudável e sustentável na educação infantil é
primordial devido à facilidade que as crianças têm de reproduzir comportamentos.
Desse modo, a escola se torna espaço de experiências inovadoras que devem
ser reproduzidas. Discutir aspectos saudáveis e sustentáveis da alimentação no
contexto escolar justifica-se por dois aspectos principais.
O primeiro por ser um ato vital para manutenção da vida e o segundo por ser em
um ambiente crucial para o desenvolvimento de hábitos alimentares, já que os hábitos
aprendidos na escola durante a infância interferem nos comportamentos na fase
adulta.
Assim, o presente estudo partiu da necessidade de entender os distintos
aspectos associados à alimentação saudável e sustentável no ambiente escolar, para
que famílias, alunos, educadores e profissionais da área não só compreendam a
importância de assumir uma postura responsável em relação à alimentação, como
também possam repensar e aplicar as práticas no cotidiano, a fim de criar e manter
um cenário de consciência social, econômica e ambiental.
6
2.
LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO
Uma boa alimentação é aquela que mantém o organismo em estado de saúde,
ou seja, com osso e dentes fortes, peso e estatura de acordo com o biótipo do
indivíduo, boa disposição, resistência às enfermidades, vontade de trabalhar e divertirse, para isso se faz necessária uma dieta balanceada que contenha variados
nutrientes com múltiplas funções. (MONTEIRO e COSTA, 2004).
Segundo Halpern (2003), a obesidade infantil é um sério problema de saúde
pública que vem aumentando em todas as camadas sociais da população brasileira.
Preveni-la significa diminuir, de forma racional e barata, a incidência de doenças 20
crônico-degenerativas, como o diabetes e as doenças cardiovasculares, e um grande
palco para a realização deste trabalho é a escola, que pode possibilitar a educação
nutricional, juntamente com a família. Assim, a alimentação saudável é hoje um
conteúdo educativo e a incorporação desses hábitos pode dar-se na infância. É
justamente por isso que pais e educadores vêm, ao longo de anos, concordando com
a necessidade de a escola assumir um papel de protagonismo nesse trabalho.
Brasil (2006), a alimentação escolar deve ser fornecida aos alunos matriculados
na educação infantil (creches e pré-escolas), no ensino fundamental e médio bem
como na educação de jovens e adultos das escolas públicas, inclusive as localizadas
em áreas indígenas e remanescentes de quilombos. Somente a partir de 2000, a
alimentação escolar passou a ser entendida como política de atendimento ao direito
dos alunos.
Consea (2004), afirma que: A alimentação e nutrição adequadas constituem
direitos fundamentais do ser humano. São condições básicas para que se alcance um
desenvolvimento físico, emocional e intelectual satisfatório, fator determinante para a
qualidade de vida e o exercício da cidadania. Se for verdade que, muitas vezes, a falta
de recursos financeiros é o maior obstáculo a uma alimentação correta, também é fato
que ações de orientação e educativas têm um papel importante no combate a males
como a desnutrição e a obesidade. Ao chamar a atenção de crianças e adolescentes
para os benefícios de uma alimentação equilibrada, a escola dá a sua contribuição
para tornar mais saudável a comunidade em que se insere.
7
Disponibilidade e acesso a alimentos adequados e saudáveis, que é um dos seis
grandes eixos de ação da Estratégia Inter setorial de Prevenção e Controle da
Obesidade (BRASIL, 2014).
Como uma integração federativa de caráter transdisciplinar, de onde emergem
os marcos que permitem fazer por intermédio da comida uma reflexão sobre o próprio
significado e evolução da sociedade (SANTOS, 2011).
[...] cujo enfoque deve ser dado à redução dos teores de sódio, gorduras
saturadas e açúcares. Essa ação é evidenciada como elemento-chave para
prevenção e controle do aumento crescente de sobrepeso e obesidade, uma vez que
o consumo de alimentos processados que promovem ganho de peso, além de serem
pobres em micronutrientes. (BRASIL, 2014).
O Brasil, a exemplo de outros países em desenvolvimento, experimenta a
chamada transição nutricional caracterizada pelas situações de má-nutrição
resultantes de deficiências nutricionais e as decorrentes de excessos alimentares,
num cenário em que doenças infecciosas e carências proporcionalmente diminuem e
os agravos crônicos não transmissíveis ocupam lugar de destaque como causas de
morbimortalidade (BRASIL, 2004).
É importante instrumentalizar os professores com conhecimentos e estratégias
metodológicas que permitam inserir o tema no cotidiano escolar. O professor pode
desempenhar papel como mediador de atividades de educação nutricional, sob a
orientação do nutricionista, profissional ao qual compete, no âmbito do Programa de
Alimentação Escolar, a programação, elaboração e avaliação dos cardápios a serem
oferecidos nas escolas. (DOMENE, 2008)
A fase da infância apresenta importantes aspectos para a formação de hábitos
e práticas comportamentais em geral, e especificamente alimentares. Inserida no
contexto familiar, a criança começa a formar e internalizar os padrões de
comportamento alimentar, em termos de escolha e quantidade de alimentos, horário
e ambiente das refeições. Trata-se de um processo que se inicia nesta fase e se
estende por todas as demais fases do ciclo de vida. (YOKOTA, 2016).
Para que as atividades de educação em saúde sejam bem desenvolvidas na
escola, os professores, atores chaves desse processo, que atuam como facilitadores
da articulação entre teoria e situação prática, precisam estar bem informados e
orientados sobre o tema, para reconhecer a importância de sua atuação na área de
8
saúde. O treinamento, a sensibilização e a motivação dos professores nestas
atividades podem ser mediados por profissional da área da saúde. (YOKOTA, 2016).
A pedagogia de projetos deve permitir que o aluno aprenda-fazendo e reconheça
a própria autoria naquilo que produz por meio de questões de investigação que lhe
impulsionam a contextualizar conceitos já conhecidos e descobrir outros que
emergem durante o desenvolvimento do projeto. Nessa situação de aprendizagem, o
aluno precisa selecionar informações significativas, tomar decisões, trabalhar em
grupo, gerenciar confronto de ideias, enfim, desenvolver competências interpessoais
para aprender de forma colaborativa com seus pares. (PRADO, 2016).
À aplicação de programas de educação em saúde em larga escala, incluindo
programas de educação nutricional. Estes devem consistir em processos ativos,
lúdicos e interativos, que favoreçam mudanças de atitudes e das práticas alimentares.
Nesse ambiente, o educador deve ser um facilitador, que saiba utilizar várias
estratégias de ensino, contribuindo para a melhoria da alimentação das crianças. Para
tal, deve também possuir conhecimentos e habilidades sobre promoção da
alimentação saudável, procurando incorporá-los ao seu fazer pedagógico. Esses
conhecimentos devem ser construídos de forma transversal no ambiente escolar,
garantindo a sustentabilidade das ações dentro e fora de sala de aula. (SCHMITZ,
2016).
Neste contexto a família, escola e sociedade, exercem um papel direto na
formação da consciência alimentar dos indivíduos. Por sua vez, é requerido às escolas
que incluam no processo de ensino, em ciências especificamente, a educação
alimentar, que nortearão os alunos em seus hábitos diários. Além do mais estas
instituições necessitam incluir em seus cardápios uma alimentação adequada, que
contribuam ao desenvolvimento do aluno, influenciando seu rendimento escolar, (Lei
n° 11.947, Art.° 2).
Em relação a escola, é notório, que a mesma vem assumindo outras atribuições
sociais para além da disseminação do conhecimento científico tornando-se uma
extensão do lar. Os méritos que perpassam agora também à escola, no quesito
Educação Alimentar e Nutricional, em virtude de que a criança receberá orientações
a respeito do assunto, não somente pelos pais, mas também dos professores e outros
componentes da escola, como é defendido pela (PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº
1.010, DE 08 DE MAIO DE 2006), que se trata da instituição da promoção de saúde
nas escolas de âmbito nacional, públicas e privadas.
9
Portanto, a promoção da Alimentação Saudável associada aos estilos de vida
saudáveis e as práticas alimentares saudáveis colaboram para uma boa qualidade de
vida da sociedade. E o “papel da promoção da saúde cresce em sua importância como
uma estratégia fundamental para o enfrentamento dos problemas do processo saúdedoença-cuidado e da sua determinação” (SANTOS, 2005).
Segundo Loureiro (2004) “educar para comer bem, de uma forma saudável,
constitui um desafio às capacidades crítica e de assertividade para contrapor ao meio
circundante a sua vontade esclarecida”.
De acordo com Trichesl e Giuglianil (2005), o consumo alimentar tem sido
relacionado à obesidade, não somente quanto ao volume de ingestão alimentar, como
também à composição e qualidade da dieta. Além disso, os padrões alimentares
também mudaram, explicando em parte o aumento da adiposidade nos adolescentes,
como o pouco consumo de frutas, hortaliças e leite, e o aumento no consumo de
guloseimas (bolachas recheadas, salgadinhos e doces diversos) e refrigerantes, bem
como a omissão do café da manhã.
A Reeducação alimentar se faz necessário considerando o elevado número de
casos e doenças diretamente ligados aos maus hábitos de alimentação. O incentivo
para o consumo de alimentos saudáveis e práticas higiênicas, contribui para mudança
de hábitos e melhoria da saúde e se torna missão da escola. Isto porque atualmente,
a saúde em geral e em particular da criança tem sido afetada pelas práticas da vida
atual, na qual ocorrem mudanças de comportamento principalmente com relação ao
comportamento alimentar que proporciona aumento nas taxas de sobrepeso e
obesidade. (BERTIN et al, 2010).
Nosso corpo necessita de nutrientes para manter suas funções, contudo a vida
moderna trouxe mudanças alimentares ao longo dos anos que comprometeram essa
manutenção correta. Muitas pesquisas vêm sendo feitas e tem demonstrado um
quadro preocupante da saúde alimentar da população, principalmente com relação a
população infantil. O Projeto de Estratégia Mundial sobre o regime Alimentar,
Atividade Física e Saúde, escrito pela Organização Mundial de Saúde (OMS), revela
o aumento de enfermidades causadas pela ingestão inadequada de alimentos,
resultando em problemas cardiovasculares, diabete tipo 2, alguns tipos de câncer,
cáries, osteoporose, entre outros. Esse quadro preocupante mostra que propostas
educativas de intervenção são essenciais para reverter essa situação. (TAVARES E
ROGADO, 2008).
10
3.
CONCLUSÃO
Foi visto que, na última década, houve um grande número de publicações
envolvendo a temática “Alimentação no ambiente escolar”, principalmente em revistas
voltadas para a área da saúde, por apresentar implicações sociais e estar relacionada
ao surgimento de doenças como a obesidade. O número de publicações nessa
temática ainda se mostra reduzido, envolvendo a alimentação escolar como estratégia
para a mudança de hábitos alimentares em escolas.
Esses achados evidenciam que o consumo alimentar de escolares é de grande
interesse para a saúde pública, uma vez que a presença da obesidade nessas faixas
etárias é frequentemente associada ao desenvolvimento precoce de outras doenças
crônicas não transmissíveis, como hipertensão arterial, dislipidemias e diabetes.
Contudo, estudos sobre intervenções nutricionais, ainda se apresentam escassos.
Ressaltando a importância de se investir em ações de promoção da saúde,
principalmente no espaço escolar.
Dentro desse contexto, é evidenciado por alguns artigos a importância
de se implementar intervenções nutricionais, principalmente no espaço escolar, e
contribuir com a possibilidade de mudança de hábitos alimentares não saudáveis dos
alunos.
Destaca-se a necessidade de uma constante revisão de materiais didáticos, pois
estes atuam como principal fonte de consulta por professores e estudantes da área
nutricional. Com isso, ressalta-se a importância de se investir em ações educativas de
promoção da saúde, principalmente no espaço escolar, afim de contribuir com a
construção de conhecimentos dos alunos sobre a temática, e possibilitar que os
alunos sejam cidadãos críticos com relação à escolha do seu próprio alimento,
podendo julgar o que ouvir na mídia e atuar de forma autônoma diante das várias
alternativas que se apresentam no seu contexto.
Diante do que foi observado no estudo, considera-se que, dentro do contexto da
vida dos adolescentes, no qual estão presentes diferentes variáveis como
sedentarismo, grande apelo ao consumo, forte influência da mídia, a escola pode
exercer um papel fundamental na promoção da educação nutricional. Além de ser
tratada dentro das disciplinas da área da ciência, a questão nutricional, elemento
constituinte do tema transversal saúde, deve ser abordada pelas diferentes disciplinas
11
e tratada em atividades diversificadas, com o objetivo de desenvolver atitudes e
hábitos saudáveis.
Salientamos que, os pais, os professores, nutricionista e a escola têm grande
importância em relação à construção da cultura alimentar dos educandos,
promovendo uma mediação que auxilie as crianças entre o que é gostoso e o que não
é saudável. Cabe a esses envolvidos criar estratégias de promoção da alimentação
saudável no ambiente escolar que apresente a ampliação desses conhecimentos e
incentive para aquisição de práticas alimentares saudáveis.
A alimentação escolar deve atender às necessidades nutricionais das crianças
e adolescentes, não só em quantidade como em qualidade, apresentando harmonia
entre os grupos energéticos, construtores e reguladores com a devida adequação aos
indivíduos a que se destina. Buscando ser um formador de hábitos saudáveis, em
parceria com a família, que também desempenha um papel fundamental. Nota-se que
as instituições de ensino, pouco tem feito para intervir na promoção de uma
alimentação saudável e adequada. Não participando assim, da formação de uma
reeducação alimentar, e bons hábitos aos seus alunos. Lembrando que, somente por
meio de uma alimentação variada, estaremos garantindo uma alimentação nutritiva
que auxilie na saúde e no bem-estar em todos os ciclos da vida.
Por tudo o que foi analisado e discutido no presente trabalho e considerando que
a nutrição é um dos principais determinantes da saúde e do bem-estar dos seres
humanos e que a formação dos hábitos alimentares se inicia na infância e se define
na adolescência, que estes hábitos e costumes permaneça por toda a vida, podemos
concluir que a escola é um local privilegiado para se educar para a aquisição de
hábitos alimentares saudáveis e também para a prática da alimentação correta.
12
REFERÊNCIAS
BERTIN, R. L. et al. Estado nutricional, hábitos alimentares e conhecimentos de
nutrição em escolares. Rev. Paul Pediatra v. 28, n. 3, p. 303-308, 2010. Disponível
em: <http://www.scielo.br/pdf/rpp/v28n3/08.pdf>. Acesso em: 10 de novembro, 2019.
BRASIL. Lei n° 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da
alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da
educação básica. Brasília, 26 de junho de 2009a. Disponível em: <http://www.plana
lto.gov.br/ccivil_3_/ato-2007/2010/2009/Lei/L11947.htm>. Acesso em: 10 de
novembro, 2019.
BRASIL. Ministério Da Saúde E Ministério Da Educação. Portaria Interministerial.
MS/MEC n. 1010 de 08/05/2006. Institui as diretrizes para a Promoção da
Alimentação Saudável nas Escolas de educação infantil, fundamental e nível
médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional. Disponível
em:<http://dtr2001.saude.gov.br/sas/portarias/port2006/gm/gm-1010.htm>. Acesso
em: 10 de novembro, 2019.
BRASIL. Ministério da Saúde. Dez passos para a alimentação saudável nas
escolas. Brasília, DF: MS. Departamento de Atenção Básica, 2004. Disponível em:
<http://nutricao.saude.gov.br/documentos/dez_passos_nas_escolas.pdf>.
Acesso
em: 12 de novembro, 2019.
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed.
Brasília, DF: MS, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica,
2014b. Disponível em: <https:// goo.gl/K7Nv2u>. Acesso em: 10 de novembro, 2019.
CONSEA. Alimentação e educação nutricional nas escolas e creches. In:
CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR, 2. ed., 2004, Olinda.
Relatório final. Olinda, 2004. Disponível em: em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publi
cacoes/IIConferencia2versao.pdf>. Acesso em: 12 de novembro, 2019.
DOMENE, S. M. Á. A escola como ambiente de promoção da saúde e educação
nutricional. Psicol. USP v.19, n.4. 2008 (versão online). Ministério da Educação e o
Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Disponível em: <http://www.fnde.g
ov.br/index.php/aehistorico>. Acesso em: 11 de novembro, 2019.
HALPERN, Z. Fórum nacional sobre promoção da alimentação saudável e
prevenção da obesidade na idade escolar. 2003. Disponível em:<http://www.abeso
.org.br/revista/>. Acesso em: 12 de novembro, 2019.
LOUREIRO, I. A importância da educação alimentar: o papel das escolas
promotoras de saúde educação alimentar. Revista Portuguesa de Saúde Pública,
vol. 22, n. 2. p.43-55. Dezembro, 2004. Disponível em:<http://www.ensp.unl./dispositi
vos-pdfs/2-04-2004.pdf>. Acesso em: 12 de novembro, 2019.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Interministerial nº 1.010, de 8 de maio de 2006.
Institui as diretrizes para a Promoção da Alimentação Saudável nas Escolas de
13
educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas, em âmbito
nacional. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/pri10
1008052006html>. Acesso em: 12 de novembro, 2019.
MONTEIRO, P. H. N.; COSTA, R. B. L. Alimentação saudável e Escolas:
possibilidades e incoerências. Qualidade de vida: Boletim do Instituto de Saúde. P.
22. Nº 32, abril 2004. Disponível em: <www.isaude.sp.gov.br>. Acesso em: 11 de
novembro, 2019.
PRADO, M. E. Pedagogia de projetos. Disponível em:<http://www.eadconsultoria.
com.br/matapoio/biblioteca/textospdf/texto18.pdf>. Acesso em: 11 de novembro,
2019.
SANTOS, C. R. A. A comida como lugar de história: as dimensões do gosto.
História: Questões e Debates, Curitiba, v. 54, n. 1, p. 103-124, jan/jun. 2011.
Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/historia/ article/view/25760>. Acesso em: 12 de
novembro, 2019.
SANTOS, L. A. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de
práticas alimentares saudáveis. Rev. Nutr. [Online]. 2005, vol.18, n.5, pp. 681-692.
ISSN 1415-5273. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&
pid=S14152732005000500011&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 10 de novembro, 2019.
SCHMITZ, B. A. et. al. A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis: uma
proposta metodológica de capacitação para educadores e donos de cantina escolar.
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X
2008001400016 >. Acesso em: 11 de novembro, 2019.
TAVARES, L.; ROGADO, J. Múltiplas possibilidades de trabalho nas aulas de
ciências por meio da horta escolar. 2008. Disponível em: <http://www.unipli.com.
br/mestrado/rempec/img/conteudo/Texto%205%20Tavares%20e%20Rogado.pdf>.
Acesso em: 10 de novembro, 2019.
TRICHESI, R. M.; GIUGLIANII, E. Obesidade, práticas alimentares e
conhecimentos de nutrição em escolares. Revista Saúde Pública. São Paulo, v.
39, ago. 2005. Disponível em:< https://scielosp.org/scielo.php?script=sciarttext&pid
=S1020-49892014000200003&lang=pt>. Acesso em: 12 de novembro, 2019.
YOKOTA, R. T. et. al. Projeto “a escola promovendo hábitos alimentares
saudáveis”: comparação de duas estratégias de educação nutricional no Distrito
FEDERAL, Brasil. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/13537/1/
ARTIGO_ProjetoEscolaPromovendo.pdf>. Acesso em: 11 de novembro, 2019.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards