Enviado por Do utilizador2669

A PALAVRA E AS COISAS

Propaganda
A PALAVRA E AS COISAS
Michel Foucault escreveu a respeito das diferenças radicais a seu ver existentes entre as
formas de pensar do mundo antigo e moderno. Esse autor observou que, enquanto o
pensamento antigo se pautava nitididamente pela busca de similitudes entre as coisas e os
fenômenos do mundo, o pensamento ocidental moderno procurou sempre estabelecer entre
elas as identidades e as diferenças. Todo racionalismo desenvolvido na Europa no século XVII,
em vez de aproximar as coisas e os fenômenos entre si, tratou de separá-los, analisa-los
discernindo suas identidades próprias e até o grau de suas diferenças. . Essa tendência
resultou três séculos de pensamento, na qual se buscou diferenciar as formas que o homem
tem de conhecer e explicar o mundo
O século XVII já anuncia uma nova maneira de pensar. Para ilustrar essa questão, Foucault cita
a influência de Francis Bacon, com sua visão de um futuro científico já desligando-se das
formas da similitude, e Descartes, inaugurador da era do sujeito e, portanto, da era do método
e da análise na história da filosofia, nas modificações do pensar ocidental. Passa-se de uma
mentalidade da similitude para a mentalidade da diferença: “A atividade do espírito […] já não
consistirá portanto em aproximar as coisas […] mas em discernir […]. Nesse sentido, o
discernimento impõe à comparação a procura primitiva e fundamental da diferença”
(FOUCAULT, 1967, p. 82)
Até o fim do século XVI, a semelhança desempenhou um papel construtor no saber da cultura
ocidental.
“No começo do século XVII, nesse período que, com razão ou não, se chamou barroco, o
pensamento cessa de se mover no elemento semelhança. A similitude não é mais a forma do
saber, mas antes a ocasião do erro, o perigo ao qual nos expomos quando examinamos o lugar
mal esclarecido das confusões” (p. 70).
“Encontra-se, já em Bacon uma crítica da semelhança”
“A atividade do espirito – e este é o quato ponto – não mais consistirá, pois, em aproximar as
coisas entre si, em partir em busca de tudo o que nelas possa revelar como que um
parentesco, uma atração ou uma natureza secretamente partilhada, mas ao contrário, em
discernir: isto é, em estabelecer as identidades, depois a necessidade da passagem a todos os
graus que delas se afastam. Nesse sentido, o discernimento impõe à comparação a busca
primeira e fundamental da diferença: obter pela intuição um representação distinta das coisas
e apreender claramente a passagem necessária de um elemento da série àquele que se lhe
sucede imediatamente. Enfim, última consequência, já que conhecer é discenir, a história e a
ciência vão se achar separadas uma da outra” (p. 76)
MODERNIDADE EM FOUCAULT
Modernidade corresponde a um determinado éthos, a ―uma maneira de pensar e de
sentir, e também uma maneira de agir e de se conduzir que, ao mesmo tempo, marca um
pertencimento e se apresenta como uma tarefa‖ (FOUCAULT, 2006b, p. 568).
______. Qu'est-ce que les Lumières? In: ______. Dits et écrits IV (1980-1988). Paris:
Gallimard, 2006b. p. 562-578.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards