Sons anormais do coração

Propaganda
Sons anormais do coração
Nas doenças do coração, os sons anormais podem aparecer durante o
silêncio sistólico ou durante o silêncio diastólico. Se ocorrerem no início do
silêncio usa- se para defini-los o prefixo proto, mas se eles se estendem do
início ao meio do silêncio, então se usa meso. Também são meso os sons
anormais que ocorrem apenas no meio do silêncio. Quando eles aparecem no
final dos silêncios, são designados pelo prefixo tele. Quando o ruído anormal
ocupa todo o silêncio, usa- se o prefixo holo. Esses prefixos são aplicados
tanto na sístole quanto na diástole.
Alteração da intensidade das bulhas
A intensidade da 1ª e da 2ª bulha pode ser aumentada (hiperfonese) e
diminuída (hipofonese). A 1ª bulha depende da posição dos folhetos
atrioventriculares no início da sístole ventricular. Depende também do estado
contrátil do miocárdio. Também alguns fatores extracardíacos, tais como
derrame pericárdio, pulmões enfisematosos e parede torácica espessa, tedem
abafar os sons gerados pelo coração, levando à hipofonese das 2 bulhas
cardíacas.
Os sons da 2ª bulha dependem do gradiente de pressão existente entre as
grandes artérias (aorta e pulmonar) e os respectivos ventrículos. A aceleração
de cada válvula é proporcional ao gradiente de pressão a que ela está
submetida.
Desdobramento de bulha
Tanto a 1ª quanto a 2ª bulha são formadas por dois sons. Os sons
formados pela 1ª bulha são gerados pelo fechamento das válvulas tricúspide e
mitral, enquanto da 2ª bulha são formadas pelo fechamento das vávulas semilunares aórtica e pulmonar. Quando o fechamento das valvas
atrioventriculares não é simultâneo, então se ouvirá a 1ª bulha desdobrada em
dois sons que correspondem as válvulas tricúspide e mitral. O mesmo pode
acontecer com as outra duas válvulas e nisso ocorre a substituição de um dos
sons normais do coração e isso chamamos de desdobramento de bulha.
O desdobramento da 1ª bulha não deve ser confundido com a presença
de Quarta bulha (S4) ou de cliques pré ou proto- sistólicos. Os principais
cliques são: os estalidos de abertura e as bulhas de ejeção sistólica.
O desdobramento da 2ª bulha deve ser distinguido da presença de S3 ou
de um clique proto- diastólico.
Sopros
Os sopros cardíacos são ruídos longos que muitas vezes substituem as
bulhas cardíacas normais. Todavia, podem ocorrer também entre elas,
ocupando total ou parcialmente os silêncios do ciclo cardíaco.
Os sopros se formam quando ocorrem turbilhões na massa sanguínea.
Esses movimentos do sangue em remoinhos são produzidas quando o sangue
está em alta velocidadee passa pelos orifícios valvares estriados ou ainda
quando as valvas não se fecham adequandamente, permitindo o refluxo
sanguineo.
O sopro será sistólico nos casos de influência mitral ou tricúspide.
Quando existe estenose das valvas atrioventriculares ou insuficiência das
valvas arteriais, o sopro ocorrerá na diástole ventricular (diastólico), pois,
nesse caso, é no grande silêncio que ocorre o refluxo das artérias para os
ventrículos (valva insuficiente), ou a turbulência gerada pelo sangue ao passar
pela valva atrioventricular estriada.
Quanto às variações de intensidade, os sopros podem ser classificados
também em:
- crescendo = quando a energia cinética do turbilhão de sangue vai
aumentando progressivamente.
- decrescendo = quando a velocidade é inicialmente alta e então decai
progressivamente com o tempo.
- crescendo- decrescendo = quando a energia cinética do turbilhão sanguineo
aumenta e em seguida diminui.
- Constante = quando se mantém invariável com o decorrer de tempo.
Os cliques: bulha de ejeção sistólica e estalido de
abertura valvar
Quando há prolapso valvar ou então dos folhetos valvares, podem ser
gerados sons curtos, agudos e secos (pouco reverberantes) resultantes da
súbita desaceleração das válvulas acometidas pela doença. Tais movimentos
são conhecidos como bulhas ou cliques de ejeção.
Nas patologias que produzem endurecimento e espessamento valvular, a
aberturada valva pode gerar estalidos típicos. Um exemplo importante é o que
ocorre na valva mitral afetada pela febre reumática. As bulhas de ejeção
exigem diagnóstico diferencial com o desdobramento da primeira bulha e com
a presença de S4, enquanto os estalidos de abertura mitral e da tricúspide
precisam ser diferenciados dos desdobramentos da Segunda bulha e da
presença de S3. Em ambos os casos, o caráter reverberante, sonoro e grave,
tanto de S3 como de S4, é fator fundamental na distinção entre esses sons.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards