Projecto desenvolve tipo específico de vigilância - gaips - INESC-ID

Propaganda
Diário dos Açores
ID: 37087789
21-08-2011
Tiragem: 3630
Pág: 16
País: Portugal
Cores: Preto e Branco
Period.: Diária
Área: 26,67 x 13,79 cm²
Âmbito: Regional
Corte: 1 de 1
Projecto desenvolve tipo específico de vigilância
inteligente
In “Ciência
Hoje”
O Instituto de Engenharia de Sistemas e
Computadores, Investigação e Desenvolvimento em Lisboa, o Instituto
Superior Técnico e o
Instituto de Sistemas e
Robótica estão a desenvolver um projecto que
pretende automatizar
parte do processo de
controlo e manutenção
operacional da rede de
vigilância, permitindo
a dedicação do supervisor humano apenas às
intervenções mais críticas.
A investigação, que
iniciou em 2010 e será
concluída em 2013, está
a desenvolver e a implementar novas técnicas
de planeamento e decisão que permitem a um
sistema de vigilância
inteligente lidar com
ambientes dinâmicos e
incertos, percepção limitada (devido a ângulos de visão limitados,
oclusões, má luminosidade, etc.) e a gestão de
múltiplos eventos relevantes.
O projecto intitulado
‘MAIS-S: Sistema Multiagente de Vigilância
Inteligente’
abordará
ainda a inclusão de robôs móveis como elementos activos da rede
de vigilância. Robôs
móveis podem complementar as capacidades
de detecção da rede, por
exemplo deslocando-se
a locais que a rede fixa
não tem capacidade de
cobrir com suficiente
definição. Um robô móvel pode ainda servir
como substituto de elementos da rede que falhem.
Em entrevista ao Ciência Hoje, Francisco
Melo, professor auxiliar
do IST e investigador do
INESC-ID, explica que
“um sistema de vigilância, de um ponto de vista muito geral, pode ser
entendido como uma
rede de sensores ligados
entre si que monitorizam um determinado
ambiente, tendo como
objectivo detectar eventos que requeiram actuação humana”.
Para além da aplicação na segurança de
instalações como bancos ou casinos, em que
os sensores são tipicamente câmaras, “há outros domínios onde os
sistemas de vigilância
desempenham um papel
fundamental”.
Exemplos disso são
os “sistemas de detecção
de incêndios em edifícios, em que os sensores
podem incluir detectores de fumo e medidores
de temperatura; siste-
mas de monitorização
de integridade estrutural em edifícios/pontes,
cujo objectivo é detectar
fadiga nos materiais,
etc”, descreve Francisco Melo, um dos principais investigadores do
projecto.
Um sistema de vigilância inteligente, em
que alguns dos sensores
são montados em robots, permite que parte
do processo associado à
gestão e controlo do sistema possa ser feito automaticamente. Assim,
é possível “dar à própria
rede alguma autonomia
em algumas tarefas, nomeadamente de manutenção da própria rede”,
explica o investigador.
“A utilização de redes de vigilância inteligentes poderá ter um
impacto significativo na
melhoria da capacidade
de resposta/intervenção em situações de crise, sobretudo em aplicações não explicitamente
relacionadas com segurança”, assinala.
“O objectivo do projecto, mais do que desenvolver um tipo específico de rede de vigilância
inteligente, é estudar
técnicas de automatização que possam ser
utilizadas em cenários
diversos daquele abordado no âmbito do projecto.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards