Anacronismo dos modelos assistenciais na área da saúde: mudar e

Propaganda
Anacronismo dos modelos assistenciais na área da saúde: mudar e inovar,
desafios para o gestor contemporâneo
Ainda que longe de uma distribuição eqüitativa nos diferentes países e contextos
socioeconômicos, a ampliação do tempo de vida e a melhora substancial dos
parâmetros de saúde das populações são conquistas fundamentais da humanidade.
Chegar à velhice, que era privilégio de poucos, hoje passa a ser a norma, mesmo
nos países mais pobres. No Brasil, o número de idosos (60 anos de idade) passou
de 3 milhões, em 1960, para 7 milhões, em 1975, e 17 milhões em 2006 – um
aumento de 600% em menos de cinqüenta anos. Estima-se que teremos 32
milhões de idosos em 2020.
Essa modificação rápida e radical no quadro demográfico trouxe uma série de
questões cruciais para os gestores contemporâneos dos sistemas de saúde. A
velocidade do processo criou uma defasagem entre as necessidades dessa nova
realidade e o modelo clássico de atendimento. Em menos de 50 anos, o Brasil
passou de um perfil de mortalidade típico de uma população jovem para um quadro
caracterizado por enfermidades complexas e onerosas, próprias das idades mais
avançadas.
Sabemos que o idoso consome mais serviços de saúde, as internações hospitalares
são mais freqüentes e o tempo de ocupação do leito é maior quando comparado a
outras faixas etárias. Em geral, as doenças dos idosos são crônicas e múltiplas,
perduram por vários anos e exigem acompanhamento constante, cuidado
permanente, medicação contínua e exames periódicos. Essas circunstâncias fazem
com que as pessoas permaneçam nos Planos de Saúde por tempo indefinido,
saindo apenas por problema financeiro ou óbito.
A nova conjuntura epidemiológica, portanto, acarreta crescimento das despesas
com tratamentos médicos e hospitalares, ao mesmo tempo em que apresenta um
desafio para o governo e a iniciativa privada, especialmente no que tange à
implantação de novos modelos e métodos de planejamento, gerência e prestação
de cuidados. Um dos principais obstáculos atuais é exatamente a escassez de
recursos para uma demanda crescente por serviços de saúde.
São temas discutidos também no âmbito da Organização Mundial da Saúde, dentro
de uma agenda que inclui questões tais: (a) como manter a independência e a vida
ativa com o envelhecimento? (b) como fortalecer políticas de prevenção e
promoção da saúde, especialmente aquelas voltadas para os idosos? (c) como
manter e melhorar a qualidade de vida com o envelhecimento?
No caso específico da Saúde Suplementar, existem outros desafios, como a criação
de padrões de gerenciamento adequado e permanente no atendimento de idosos e
de pacientes crônicos. Além disso, a qualidade dos serviços e a manutenção de
custos médicos suportáveis financeiramente também são aspectos extremamente
importantes para idosos e prestadores de serviços.
[...]
Mudança de paradigma
Dada a heterogeneidade da situação de saúde dos indivíduos idosos, é preciso,
portanto, buscar um enfoque especial para os idosos frágeis e construir um modelo
de atenção que incorpore a identificação, avaliação e tratamento desse segmento e
possa ser aplicado nas mais variadas modalidades assistenciais. Assim, torna-se
necessário formular novas concepções de assistência à saúde da população idosa
que consigam englobar as diferentes condições de saúde do idoso, respeitando suas
1
características especiais e peculiares. O cuidado ambulatorial e eventualmente
domiciliar, as instâncias intermediárias de apoio e a estrutura hospitalar já se
mostraram fundamentais para se restabelecer a saúde.
A compreensão de que se deve priorizar ações de saúde voltadas para o idoso
saudável aliadas a programas qualificados para os já doentes é uma concepção de
cuidado aceita por muitos gestores da saúde, mas pouco implementada. A mudança
no paradigma de atenção à saúde da população idosa é imprescindível e a
insistência na manutenção do atual modelo, longe de solucionar a questão, termina
por agravá-la.
Na área privada, a grande maioria das Operadoras e afins tem sido muito cautelosa
– até mesmo limitada – na adoção de medidas mais amplas que realmente
determinem melhorias nos atendimentos e diminuição nos custos médicos. Em
função das eventuais dificuldades operacionais que um trabalho mais amplo poderia
ocasionar, seria oportuno o estabelecimento de acordos com organizações
especializadas.
Novo modelo de atenção de saúde do idoso
O novo perfil demográfico e epidemiológico exige uma adaptação dos sistemas de
saúde e ampliação da oferta de atendimento ao idoso. A rede de atenção básica
deve ser capaz de identificar idosos fragilizados, isto é, aqueles com risco maior de
desenvolver incapacidade funcional. Deve, ainda, acompanhar de forma eficiente os
de menor risco, paralelamente ao desenvolvimento de ações e atividades de
educação e promoção continuada de saúde.
Um modelo eficiente de atenção precisa, portanto, ser construído a partir de uma
lógica própria, que compreenda atividades, independentes e inter-relacionadas,
organizadas num fluxo hierarquizado de promoção de saúde, prevenção,
acompanhamento e tratamento de doenças e referenciamento para centros de
avaliação e reabilitação geriátricas. Tem, portanto, caráter ambulatorial, em níveis
distintos que se diferenciam pela profundidade e abrangência das ações,
organizadas em níveis crescentes de complexidade e capazes de selecionar
subgrupos de indivíduos que, por suas características de risco, devem progredir
diferenciadamente na estrutura de atenção.
Outro ponto importante a ser considerado é a realidade assistencial do Brasil, com
acentuada carência de médicos especialistas em idosos. Dessa forma, a assistência
deverá ser exercida pelo médico clínico, reservando-se o atendimento do geriatra
apenas para casos bem definidos e criteriosamente selecionados. Necessariamente,
o clinico geral precisará de instrumentos, particularmente aqueles que permitam a
identificação mais correta possível dos distúrbios, a fim de que ele seja capaz de
saber como tratar e quando encaminhar o paciente para exames complementares e
para o profissional com treinamento específico em envelhecimento humano.
Paralelamente, o idoso deve ter à sua disposição uma equipe multidisciplinar de
saúde.
[...]
Fonte
VERAS, Renato. Anacronismo dos modelos assistenciais na área da saúde: mudar e
inovar, desafios para o gestor contemporâneo. O Globo - On line, [S.l.], p. 25.
Disponível
em:
<http://oglobo.globo.com/opiniao/mat/2006/09/22/285798584.asp>. Acesso em:
09 jan. 2007.
2
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards