a obra literária na construção de uma atividade no ensino

Propaganda
A OBRA LITERÁRIA NA CONSTRUÇÃO DE UMA ATIVIDADE NO ENSINO DE
GEOGRAFIA: PERSPECTIVAS E POSSIBILIDADES
Fábio Pereira Nunes, Ingrid Zacarelli Brito e profª Drª Maria Rosa R. M. de Camargo.
Universidade Estadual Paulista – UNESP – Campus de Rio Claro.
O presente trabalho refere-se ao desenvolvimento de uma atividade com uma obra
literária no ensino de geografia. A atividade foi desenvolvida numa sala de educandos adultos,
vinculada ao Projeto UNESP de Educação de Jovens e Adultos (PEJA).
Em outubro de 2000, por iniciativa da Pró-Reitoria de Extensão Universitária -PROEX,
um grupo de docentes foi constituído com representantes dos campi de Araraquara, Assis,
Bauru, Marília, Presidente Prudente, Rio Claro e São José do Rio Preto, com o propósito de
elaborar o Projeto UNESP de Educação de Jovens e Adultos -PEJA1.
O Projeto é destinado à comunidade interna da UNESP e externa a essa, e tem como um
dos objetivos é garantir os direitos mínimos de democracia e cidadania àqueles que não
tiveram a oportunidade de aprender a ler e escrever nos períodos regularmente determinados.
Em fevereiro de 2001 tiveram inicio as atividades.
Em Rio Claro, atualmente, são beneficiários do Projeto educandos da comunidade
interna e externa a UNESP, com níveis de escolarização desde a alfabetização até o Ensino
Médio, compondo cinco turmas.
O presente trabalho foi desenvolvido na turma a “Comunidade na UNESP”. O trabalho
nessa turma é permeado por uma prática educativa fundamentada no diálogo (FREIRE, 1982),
e na interlocução (BAKHTIN, 2002), entre educadores e educandos no/sobre processo de
ensino aprendizagem. Essa turma era constituída por cinco educandos entre funcionários da
UNESP e pessoas da comunidade, com nível de escolaridade de ensino fundamental. Uma das
principais características da turma era os diferentes interesses dos educandos pelo estudo –
certificação e a vontade de aprender. Isso se reflete não só no trabalho da sala de aula, mas
também na participação sobre o processo de ensino.
Os encontros ocorrem diariamente num total de 10 horas semanais. As atividades
desenvolvidas abrangem os conteúdos do ensino fundamental organizados, coletivamente, a
partir do interesse e curiosidade dos educandos.
No segundo semestre de 2002 desenvolvemos nessa turma um trabalho na área de
geografia tendo como temática “A industrialização no estado de São Paulo”. Duas idéias
principais nortearam a escolha desse tema: sua freqüência em exames supletivos realizados
pela Secretaria de Estado da Educação e sua relação com a história de vida dos educandos,
1
No campus de Rio Claro atualmente o PEJA é coordenado pela profª drª Maria Rosa Rodrigues Martins de
Camargo, desde 2001 e pelo prof. dr. Álvaro Tenca, durante o ano de 2002.
vinculada ao processo urbano-industrial. Os educandos que compõem essa turma nasceram,
em sua maioria, na cidade de Rio Claro ou mesmo em outras cidades, tendo suas atividades
cotidianas (trabalho, moradia e outros) ligadas à vida urbana.
Na abordagem do tema uma primeira idéia nos pareceu essencial: a compreensão da
industrialização do estado de São Paulo passava necessariamente pela complexa questão
envolvendo o café – acúmulo de capital, política econômica do período, entre outros. Assim,
um primeiro ponto a discutir com a turma seria a relação entre o período cafeeiro e o processo
de industrialização.
Como metodologia de ensino, optamos pela problematização do tema junto aos
educandos, no sentido de desafiá-los, buscando uma compreensão crítica do tema. (Freire,
1982).
Visando a problematização foram realizadas diversas atividades utilizando vários
recursos materiais – imagens de linha de produção de indústrias; mapas da expansão cafeeira
e ferroviária do Estado de São Paulo; tabelas; atlas; texto literário – que possibilitaram o
levantamento de questões, olhares e leituras diversificadas sobre o problema.
Neste trabalho apresentamos a atividade desenvolvida com o primeiro conto do livro
Cidades Mortas, que recebe o mesmo titulo da obra. Essa obra vem contribuir para a
discussão do período cafeeiro no estado de São Paulo.
O texto discorre sobre o cotidiano das cidades do norte do Vale do Paraíba, cuja
decadência econômica impunha-se desde as últimas décadas do século XIX, com a derrocada
da produção do café resultante do esgotamento de suas terras e do deslocamento desse para a
região do Oeste Paulista.
Esse texto foi escolhido visto que vinha ao encontro da discussão que estava sendo
feita naquele momento sobre a decadência do Vale do Paraíba. Em uma linguagem literária e
rebuscada o texto permitia visualizar a riqueza e a pobreza produzida pelo café na região.
Na apresentação da obra aos educandos não houve a necessidade de contextualizá-los
sobre a vida de Monteiro Lobato, pois eles se manifestaram comentando fatos e uma de suas
obras mais famosas, O Sítio do Pica-pau Amarelo; além disso, comentaram sobre seu local de
nascimento, a cidade de Taubaté no Vale do Paraíba.
Ao iniciar o trabalho com a leitura do conto, uma primeira questão levantada pelos
educandos foi à presença de palavras cujo significado desconheciam, tais como tolhidas,
caquexia, rastilho e outras. A complexidade de algumas palavras já havia sido observada por
nós que, após ponderações, não entendemos como uma limitação para a discussão do texto.
No entanto, segundo os educandos, ficava difícil discuti-lo sem saber o que diziam essas
palavras. Assim surgiu a proposta de selecionarmos as palavras de difícil entendimento e
procurarmos no dicionário o seu significado. Cada um se dispôs a procurar as palavras que
entendessem serem mais difíceis. Nesta busca destacamos as trocas entre os educandos sobre
o significado de algumas palavras conhecidas por um, mas desconhecidas por outros, as quais
não houve necessidade de consulta ao dicionário.
Após identificarmos possíveis significados de cada palavra de acordo com o contexto
da frase em que ela estava inserida, partimos para uma discussão, tendo em vista o que já
vínhamos discutindo sobre a cafeicultura no estado de São Paulo. Por opção dos educandos a
discussão foi feita à medida que o texto era lido. Na busca por compreendê-lo, surge à
necessidade de ler e reler alguns trechos. Nesse movimento de leitura e releitura, diferentes
abordagens sobre um mesmo trecho vão sendo colocadas pelos educandos no entendimento
do seu conteúdo, como exemplo, citamos a discussão ocorrida em torno de um trecho onde o
autor diz que o progresso radica-se mal. Os educandos divergiam entre si, pois alguns
educandos defendiam que o trecho se referia ao progresso do café no Vale do Paraíba e outros
diziam que ele se referia ao progresso do país. No exercício de entendimento do texto
destacamos o crescente interesse dos educandos pelo conto.
Toda essa atividade vinha sendo registrada pelos educandos em cadernos individuais.
A idéia de utilizar esses cadernos partiu de uma preocupação com a atividade de escrita e se
transformou em um material de reflexão e pesquisa sobre a prática docente, visto que trazia,
enquanto temática, o processo de ensino aprendizagem. A proposta é que, ao final de cada
aula, os educandos produzam um texto sobre suas dificuldades, dúvidas, interesses, do que
gostaram ou não da atividade entre outras coisas.
Neste trabalho tomamos o caderno de registro buscando entender a obra literária no
ensino de geografia tendo como interlocutor o educando. Como ele vê o trabalho com a obra
literária? Quais são as suas dificuldades?
Em um estudo exploratório dos registros dessa atividade identificamos dois modos
diferentes de produção textual: um, destinado a interlocutores que não fazem parte do
contexto da sala de aula os quais não são identificados pelos educandos, sendo marcado por
relatos sobre a atividade realizada; o outro tem como interlocutor os educadores e apresenta
como principal característica comentários pessoais sobre a aula.
Sobre o conteúdo dos textos produzidos nos cadernos de registros destaca-se, nos
relatos sobre a atividade, o trabalho realizado com o dicionário na busca pelo significado das
palavras não compreendidas. Interessante notificar que alguns educandos associaram essa
atividade à disciplina de Língua Portuguesa, registrando a aula daquele dia como de
Português em vez de Geografia como foi registrado nos demais cadernos. Essa associação
com conteúdos de outras disciplinas repetiu-se em outras aulas, as quais foram registradas
como sendo de história. Além disso, há relatos sobre a complexidade do conto e sínteses dos
conteúdos escolares discutido na aula.
Já nos textos caracterizados por comentários pessoais encontram-se registros a respeito
das informações históricas contidas no conto como importantes para a vida, a valorização da
obra enquanto material de estudo e um registro de um dos educandos sobre a sua realização
pessoal em encontrar palavras no dicionário, atividade na qual tinha dificuldades. Por fim,
observamos que nos dois tipos de textos há registros ressaltando que eles gostaram da aula.
Entendemos que o emprego da obra literária no ensino de geografia abre
possibilidades para uma interação com conteúdos de outras áreas do conhecimento, como
exemplo a Língua Portuguesa e a História, tal como foi registrada pelos educandos. Em
relação à geografia, apontamos como possibilidade o estudo do conceito de uso/apropriação
do território, desenvolvimento urbano e regional, recursos naturais, entre outros.
Acreditamos que o emprego do conto, enquanto um recurso, nem sempre tão óbvio,
possibilitou uma ampliação da compreensão do tema. Nesse caso, a compreensão se construiu
no trabalho coletivo, nas trocas que ocorrem no decorrer do trabalho, em que cada sujeito
apresenta e contribui com o que sabe e, o que sabe, traz de sua experiência cotidiana.
Entendemos também, que a atividade com o conto incluiu o educando numa leitura
literária pouco experimentada, mas não menos valorizada, sendo o material bem recebido e
trabalhado com interesse por todos. A linguagem rebuscada não foi vista como um empecilho,
mas como oportunidade de aprendizagem.
Bibliografia:
BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1986
FAZENDA, I. A Construção de Fundamentos a partir de uma prática docente interdisciplinar.
IN: Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa. Campinas: Papirus, 1994.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 19.ed. São
Paulo: Paz e Terra, 1996.
FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 11ª edição, 1982.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards