Tensão Superficial

Propaganda
INSTITUTO DE QUÍMICA – UFG 1
Físico-Química Experimental
Tensão Superficiãl
Introdução
As moléculas que se encontram na superfície de um líquido são objeto das intensas
forcas de atração das moléculas e esse balanço de forças é diferente para as moléculas que
estão no interior desse líquido, Figura 1. Uma força resultante, tangente à superfície, atua
para fazer com que a superfície do líquido seja a menor possível. A magnitude dessa força é
a tensão superficial, 𝛾. A superfície, ou interface, onde existe a tensão, encontra-se entre o
líquido e o seu vapor saturado no ar. Também pode existir uma tensão na interface entre
líquidos imiscíveis – tensão interfacial. A dimensão da tensão superficial é força por unidade
de comprimento como N m-1 e, no sistema CGS, é expressa em dina cm-1.
Figura 1. Balanço de forças que atuam nas moléculas em um líquido
Quando uma gota se forma na ponta de um tubo, como ilustrado na Figura 2, tem-se
a força peso, 𝑃⃗, e a força capilar, 𝐹C , atuando em sentidos opostos. O peso é definido como
𝑃⃗ = 𝑚𝑔, onde 𝑚 é a massa da gota e 𝑔 a aceleração da gravidade. A massa pode ser escrita
como uma função da densidade 𝜌 do líquido, ou seja, 𝑚 = 𝑉𝜌 e, desse modo, tem-se que
Manual de laboratório
INSTITUTO DE QUÍMICA – UFG 2
Físico-Química Experimental
𝑃⃗ = 𝑉𝜌𝑔
Para a força capilar 𝐹C ∝  e 𝐹C ∝ 𝐿 , onde 𝐿 é
a linha de contato entre a gota e o tubo (perímetro do
tubo). Por definição  =
𝐹C
e 𝐿 = 2𝜋𝑟, portanto
𝐹C
=
2𝜋𝑟
𝐿
ou seja,
𝐹C = 2𝜋𝑟.
Para que a gora se destaque do tubo e caia, é
necessário que essas duas forças, 𝑃⃗ e 𝐹C , se igualem:
2𝜋𝑟 = 𝑉𝑔𝜌𝑔
e
Figura 2. Forças atuantes na gota
=
𝜌𝑉𝑔
2𝜋𝑟
Para contornar o problema da determinação do raio do tubo, usa-se um método
comparativo para a determinação de . Esse método baseia-se no conhecimento prévio do
valor da tensão superficial de um líquido de referência. Primeiramente, faz-se a medida do
número de gotas do líquido de referência, 𝑛𝐴 , formadas por um volume 𝑉 fixo desse líquido.
O volume de cada gota, 𝑉𝐴 , é dado por
𝑉
𝑉𝐴 =
𝑛𝐴
Essa medida é repetida para outro líquido 𝐵, medindo o número de gotas 𝑛𝐵 e, por
consequência, o volume de cada gota do líquido 𝐵:
𝑉
𝑉𝐵 =
𝑛𝐵
Dessa maneira obtém-se para os dois líquidos que,
𝜌𝐴 𝑉𝐴 𝑔
𝜌𝐵 𝑉𝐵 𝑔
𝐴 =
e
𝐵 =
.
2𝜋𝑟
2𝜋𝑟
Substituindo os valores de 𝑉𝐴 e 𝑉𝐵 , temos:
𝜌𝐴 𝑉𝑔
𝜌𝐵 𝑉𝑔
𝐴 =
e
𝐵 =
,
2𝜋𝑟
2𝜋𝑟
e finalmente, dividindo 𝐴 e por 𝐵
𝐴
𝜌𝐴 𝑛𝐵
=
𝐵
𝜌𝐵 𝑛𝐴
A equação acima permite determinar tensão superficial do líquido 𝐵 se conhecermos a
tensão superficial do líquido 𝐴. A determinação da tensão superficial do líquido 𝐴 é obtida
indiretamente.
Manual de laboratório
INSTITUTO DE QUÍMICA – UFG 3
Físico-Química Experimental
Objetivos
 Medir a tensão superficial relativa de líquidos puros e de soluções;
 Verificar o efeito de algumas substâncias sobre a tensão superficial da água.
Procedimento Experimental
 Prender uma bureta/pipeta pequena em um suporte;
 Encher a bureta com água destilada;
 Determinar o número de gotas que se formam por mL de solução;
 Encher a bureta e determinar o número de gotas pelo menos três vezes, e tirar a
média;
 Repetir esse procedimento para água, detergente e uma solução de NaCl.
Resultados a Apresentar
Cálculos das tensões superficiais dos líquidos e discussão dos valores obtidos.
Dados
Consulte a tabela 1 disponível no atalho do NIST para International Tables of the Surface
Tension of Water.
Manual de laboratório
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards