Sistemas de Informação Utilizando Recursos Web

Propaganda
Sistemas de Informação Utilizando Recursos Web – EAD
Módulo 1: Web Economia – Uma revolução nas regras de negócios
E-business
Se, em primeiro momento, a grande maioria das empresas entrou na
rede apenas para marcar presença com um site institucional, em seguida,
passou a enxergar de maneira estratégica. Isso transformou os sites
meramente estáticos quanto ao quesito de informações e passou para grandes
Portais corporativos utilizando um ambiente de integração, informação e
contato e transformação junto aos funcionários(Intranet), expandindo as
fronteiras das páginas eletrônicas.
Portal – Utilizado com a evolução das intranets, possibilitam a
identificação, e com isso oferecem um “espaço” particular ao usuário, sendo ele
funcionário ou cliente.
Ao unir clientes, fornecedores, funcionários numa mesma esfera, o ebusiness realiza uma das práticas mais antigas das civilizações: o comércio.
Logo commerce é comércio e e-commerce é o comércio realizado
eletronicamente.
Então o e-business, é o uso da Internet aplicada aos negócios. Junção
de funcionários, fornecedores e clientes num mesmo ambiente – o virtual.
O Valor comercial da Internet
As empresas de maior sucesso são aquelas que incorporaram a
tecnologia da informação em seus negócios, eliminando barreiras e atingindo
públicos antes não explorados, gerando renda, por meio de aplicações de
comércio eletrônico. Veja abaixo objetivos comerciais:

Atrair novos clientes via publicidade online

Melhorar o atendimento e suporte através da rede

Desenvolver novos mercados e canais de distribuição(logística)

Desenvolver novos produtos baseados à pesquisas acessíveis na
rede

Oferecer ao consumidor testar o produto antes de entrar no
mercado

Ter contato direto com o consumidor
Fases do e-Business

Presença – Informações institucionais e produtos

Interação – Personalização do Portal, oferecendo serviços e espaços
individuais ao usuário.

Transação – Integração de processos internos e externos, o comércio
eletrônico em si.

Transformação – Otimização dos modelos de e-business. Introdução de
ferramentas para o fornecimento de relações com o cliente

Ex: CRM, ERP, Supply Chain entre outros.
Comércio Empresa-Empresa (B2B)
Além da definição clássica que B2B é o comércio eletrônico entre
empresas, podemos observar que o B2B pode assumir outras formas,
considere estes exemplos:

Treinamento corporativo – Uma instituição X oferece online cursos para
outra empresa Y que necessita treinar os funcionários.

Dados e suporte técnico a produtos – O fabricante de um produto X
oferece através de consultoria técnica os dados e suporte online para
uma empresa Y

Conferências e colaboração – Reuniões, seminários e conferências
entre empresas parceiras.

Recepção e processamento de solicitações de propostas – por meio de
um site seguro entre empresas parceiras
Alguns processos do B2B

Pagamentos eletrônicos – Banco a Banco em formato único.

Leilão Reverso – Leilão baseado em “quem dá menos”, as companhias
fazem suas propostas abertamente, vencendo aquela que oferecer
melhores condições de negócio.

Ex: Uma prefeitura compra por licitação 100 cadeiras escolares, convida
para participar as empresas x e y. As empresas “brigam” oferecendo o
menor preço com qualidade superior até uma delas desistir de oferecer.

e-Markeplace, compras corporativas – Ponto de encontro entre
compradores e fornecedores na web, muito utilizado no meio
público(Federal, Estadual e Municipal)
Comércio Empresa-Consumirdor(B2C)
O comércio eletrônico na Internet entre empresas e consumidores
acelerou o impacto da tecnologia da informação sobre o comportamento do
consumidor, os processos empresariais e o mercado.
Varejão na Rede
O Comércio eletrônico ou e-commerce, é a compra e venda, marketing,
e assistência ao cliente quanto ao produto e serviço oferecido na Internet.
Porque o e-commerce é vantajoso?
Porque você não precisa se preocupar com estacionamento, andar com
sacolas carregando peso, pode escolher a data de entrega, meio de
pagamento e em poucos minutos pesquisar várias lojas sem sair de casa ou
escritório. São as características mais fortes realizadas pelas ponto.com.
Estar na web é muito mais do que ter um site. Você deve cumprir etapas
comuns em qualquer companhia que deseja não perder seus clientes, ou seja:
Todo cliente quer ser tratado como se fosse único. Como conquistá-lo e
mantê-lo?
Assim como uma loja física no centro de uma cidade seus concorrentes
estão entre shoppings, lojas concorrentes e camelôs. Mas como se diferenciar?

possuir um sistema eficiente de fluxo de informações(banco de dados,
datamining, datawarehouse);

meios de entrega(logística);

garantia de qualidade(fornecedor confiável);

prazo(bom relacionamento com entidades financeiras);

Facilitar a navegação do usuário(navegabilidade)
Ex: Uma loja virtual vende vários produtos entre eletrodomésticos, CD’s, DVD’s
e um usuário se interessa por um CD de rock e efetua a compra através desse
site.

Leilão online – Forma de Leilão pela web onde o produto leiloado é
disputado pelos participantes, vence o que oferecer um lance
melhor(mais alto valor)
Passos para o novo Ambiente
Se você possui uma empresa ou deseja abrir uma, deve estar ansioso
para integrar sua empresa nesse novo ambiente, então vamos lá...

Você deve ter em mente que é essencial contratar uma empresa de
infra-estrutura confiável, verifique suas referências anteriores, para qual
empresa fornece o serviço. Não adianta economizar nesse quesito, o
barato pode sair muito caro...

Implante a estrutura adequada à sua corporação, não entre em
modismo, verifique se a solução oferecida pelo fornecedor cabe as suas
expectativas.

Treine sua equipe, afinal ela será seu cartão de visitas ou suporte de
todo seu negócio.

Defina sua estratégica e adapte suas rotinas com a estratégia
Módulo 2: Novas Tecnologias de Gestão
As empresas atualmente encaram as informações como um recurso
importante para garantir o sucesso e sobrevivência de sua organização.
Sujeitas à pressão se rendem às ferramentas gerenciais para tomada de
decisão e manipulação de dados para atingir sua maior meta: o cliente.
Customer Relationship Management - CRM
Em português, significa Gerenciamento da Relação com o Cliente. Então
CRM é um sistema integrado de gestão onde o foco é o Cliente.
Baseado nisso as empresas obtém esse sistema para interagir melhor
com o cliente, todos os departamentos, podem ter acesso às mesmas
informações sobre o cliente: quem é ele, seus gostos e preferências, quantas
vezes ligou, reclamações que fez, sugestões que deu, quanto traz de valor
para a empresa, entre outras.
Os clientes são mais difíceis de determinar do que parece. Podem ser
clientes no sentido clássico (consumidor, indivíduo ou grupo que paga por bens
e serviços), fornecedores, vendedores, parceiros de aliança ou de canal de
distribuição.
A elaboração de uma estratégia de CRM começa pela definição de
cliente, depois determinar o que e quem são os clientes, é hora de concentrarse na estratégia principal: estabelecer quais devem ser os principais objetivos e
resultados a serem alcançados com o sucesso da implantação de um sistema
de CRM.
Os principais objetivos são:

Proposição de valor – é o resultado que se espera obter com o
CRM

Realização de um estudo de caso que proponha parâmetros e
medidas – Estudo de caso que mostre como o CRM poderá
contribuir para o sucesso dos objetivos e metas.
Para garantir a obtenção dos resultados esperados pelo CRM, deve-se
criar um comitê das partes interessadas para conduzir a implementação do
CRM. Bem como incorporar na cultura corporativa, desde já, afetando
profundamente a cultura de uma empresa com o novo modo operacional de
atendimento através do CRM. Para por fim, implementar o sistema CRM.
Ex: Você vai a um supermercado X no caixa você mostra seu cartão
fidelidade “Super X” para obter bônus em suas compras. Mas para o
supermercado o cartão “Super X” é uma maneira de obter do cliente
informações sobre particularidades do cliente, como assiduidade de compras,
produtos consumidos entre outras em troca de premiações.
Módulo 3: Supply Chain Management - SCM
Gerencia a cadeia produtiva, interação entre:
Fornecedores + Indústrias + Distribuidores + Varejo
É um conceito administrativo que integra o gerenciamento de processos
da cadeia de suprimento, que foi integrada à tecnologia da informação para
apoiar as corporações que precisavam melhorar o desempenho nas relações
com clientes e fornecedores e desenvolver serviços, cortando custos e
aumentando os lucros.
Com essa interação a empresa não terá problemas com o estoque alto
que não vende, porque o sistema avisará do fato. Outro problema encontrado
na logística seria os estoques baixos, onde o fornecedor seria avisado antes do
estoque zerar. Removendo os excessos de camadas de estoques e custos
relevantes.
Nesse sentido o SCM atende os clientes evitando os prazos de entregas
longos, atropelos, pedidos errados e incompletos.
Condições:

Estoques visíveis

Gestão de fluxo não de reposição, garantindo a quantidade correta de
cada item seja mantida em estoque.

Distribuição flexível, utilizando um ou mais modelos de transporte de
carga.
Objetivos

Formar comunidades de negócios

Integrar clientes, fornecedores, parceiros e funcionários.

Otimizar processos em cada elo da cadeia de suprimentos
Benefícios

Aumenta a produtividade

Reduz o ciclo de compra

Melhora o preço de compras

Custos operacionais mais baixos

E o melhor aumenta a satisfação dos clientes
e-Procurement
Realizar todas suas transações com fornecedores, compradores, entre
outros inteiramente pela internet, de forma contínua e em tempo real, as
transações via web são decisivas para o aumento da produtividade.
Algumas funcionalidades:

Ferramentas para administrar pedidos internos de compras

Soluções que podem suportar transações em diferentes moedas
diferentes

Economia na área de compras

Tecnologia de leilão de compras

Sistemas unificados para compras online
Enterprise Resource Planning – ERP
Planejamento de Recursos empresariais seria esta a tradução do ERP,
vai mais além do que isso ele é um software usado em vários setores
empresariais para coordenar as informações sobre vendas e pedidos
entrelaçando com o sistema de fabricação para que com isso possa programar
as variações de redução e aumento de estoque.
Business Intelligence – BI
O business intelligence explora o fluxo de informações em tempo real
para oferecer aos profissionais de marketing. Analisa atividades comerciais de
uma ou mais empresas concorrentes em relação a uma determinada empresa,
com isso apóia decisões de projeções a investimentos futuros, bem como com
essas análises demarcas metas de torná-la mais lucrativa.
Exemplo: Imagine um anúncio de um banner não esteja atingindo os resultados
satisfatórios, sendo assim o BI pode gerar informações para análise ao
departamento de marketing e o mesmo mudar a campanha ou lugar do banner
mencionado.
Elementos essenciais para o BI
Os data warehouses (DWs) são banco de dados que armazenam dados
do ano e anos anteriores, por isso requerem enormes quantidades de
armazenamento e possuem grande complexibilidade. Exigindo uma equipe
altamente especializada para garantir seu funcionamento adequado.
Um uso importante dos dados do data warehouse é o data mining. Ajuda
a extrair os dados do data warehouse de forma plena e traduzindo em
informações válidas, previamente desconhecidas com máxima abrangência à
partir de grandes bases de dados para decisões gerenciais.
Módulo 4: Mobilidade
A comunicação móvel é uma realidade crescente, a facilidade de estar
conectado sem fios, com liberdade para trocar músicas, enviar mensagens
através do celular entre outros, permitiu que as pessoas trabalhem ou estudem
cada vez mais longe. Acompanhando o usuário aonde quer que ele vá.
Neste novo cenário a computação está se tornando distribuída e
onipresente. Gerando uma transformação das práticas do trabalho, uma vez
que profissionais poderão executar suas funções em qualquer hora e lugar. Por
exemplo,
atualmente
é
comum
às
empresas
utilizarem
dispositivos
móveis(Palm’s) para automação da sua força de vendas.
Baseado nesse novo cenário as perspectivas são a mais futurísticas
possíveis como a Biometria, as características são colidas de um indivíduo e o
sistema armazena como forma de dados numérico criptografado. Isso
representaria a senha do indivíduo ou mesmo informações sem a necessidade
de portar documentos já que suas características definiriam seus dados
pessoais. Gerando novas formas de segurança e mobilidade, com senhas
através do reconhecimento da íris, geometria da mão, reconhecimento da voz
entre outros, mas como comentamos isso é futuro.
Infra estrutura
Mas não basta apenas equipar uma equipe com dispositivos móveis,
deve-se montar uma infra-estrutura de retaguarda eficiente e capaz de atender
a demanda de informações que trafegarão nessa rede. E nesse caso escolher
a melhor alternativa para utilizar a aplicação móvel.
Tecnologias
Wi Fi(WLAN – Rede Local sem fio) – Mais adequado em dependências da
corporação ou residência. Deve-se estar num ambiente público onde opere
uma rede sem fios para usar um dispositivo móvel como aeroportos e
cafeterias.
WiMax(WMAN - Redes Metropolitanas Sem Fio) –
Adequado em
deslocamentos nas cidades, áreas metropolitanas.
Tecnologia celular – Adequado em deslocamentos mais abrangentes, desde
que possua sinal de cobertura.
Transmissão satélite(WWAN – Rede sem fio de alta abrangência) – Abrange
globalmente, sendo muito útil para grandes executivos que se deslocam pelo
mundo.
Bluetooth(WPAN – Rede pessoal sem fio) – Adota comunicações de
rádio(ondas curtas) para distâncias pequenas, afim de transmitir dados e voz,
estabelecendo a conexão de dois dispositivos móveis.
Módulo 5: Mobile Business
Depois do uso da Internet aplicada aos negócios(e-business), agora a
próxima tendência nos negócios será o m-business. O m-business, ou Mobile
business é resultado da convergência entre a Internet e a telefonia móvel.
Principais dispositivos móveis:

Celular

Agenda eletrônica

Palm, PDA (Personal Digital Assistant), handheld

Smartphones – Equipamento que combina funções de telefone
celular e PDA

Notebook
O e-business é baseado no modelo de negócio centrado no PC, já no mbusiness é o modelo de negócio baseado no usuário, ele vai onde o usuário
está, através dos dispositivos móveis(PDA, celulares entre outros).
Em se tratando de um novo canal, o celular, smartphones e Palm’s são
os principais dispositivos utilizados nessa nova tendência, cria agilidade para
as empresas que necessitam de uma interligação total.
Características do M-business

Aumento de lucro e produtividade - Já que a força de vendas
pode agilizar na tomada de decisões.

Portabilidade – Transporte fácil para qualquer lugar

Usabilidade – Simplicidade nas operações

Agilidade no atendimento ao cliente

Conectividade – Interage com o usuário
Os bancos oferecem aos seus correntistas a possibilidade de
pagamentos, agendamentos e verificação de extratos bancários através
do celular. Verificamos que a possibilidade de soluções oferecidas pelo
m-business de agregar um ambiente varejista, atacadista, fornecedores
e clientes só tende a aumentar, olhe a sua volta...
Mobile Marketing
O Marketing Mobile, é uma forma inovadora de atingir o consumidor,
através de campanhas de marketing direcionadas à dispositivos móveis.
As mensagens através do celular já são consideradas um novo canal
para ações de marketing, sendo exploradas por poucas empresas. Mas veja as
vantagens:

Inovação – Novo modo de “fidelizar seu cliente”

Alto índice de leitura – Muito difícil um usuário apagar a
mensagem antes de lê-la, diferente do email onde os mesmo são
apagados sem a leitura.

Interatividade – Mensagens quase instantâneas
Mas não devemos confundir as mensagens enviadas como o spam,
mensagens indevidas sem a autorização do usuário. Segue-se a mesma regra
do email marketing, respeitando a privacidade do usuário e criando uma
campanha e estratégia própria para o cliente de dispositivo móvel.
Tipos de canais do mobile marketing através do celular
SMS (Short Message Service) – Serviço disponível em dispositivos como
celulares, palm’s e smartphones. Mensagens curtas(de até 140 caracteres)
através do dispositivo citado, também conhecido no Brasil como “Torpedo”, não
utiliza sons ou imagens.
MMS (Multimedia Messaging Service) – Mensagens textos através de
dispositivos móveis, com uma diferença de incorporar multimídia nas
mensagens (sons e imagens)
Módulo 6: Comunidades Virtuais – lucro de todas as formas
Com o advento da Internet e sua evolução foram sendo criadas
comunidades virtuais, criando um novo tipo de organização social, constituindo
uma nova identificação as pessoas. Durante algum tempo, o termo comunidade
virtual era ligado apenas as pessoas que tinham interesses em comum, as
corporações não reconheciam como um elemento chave para o lucro e
dinâmica para o sucesso.
Mas o que realmente é comunidade? Comunidade não é tecnologia, não
é bate papo, mas uma necessidade, vontade, sentimento de pessoas que
compartilham afinidades e interesses comuns.
Para as comunidades crescerem seus membros devem interagir uns
com os outros, garantindo uma ligação maior a medida que interagem. Não
apenas visitando seu site, mas os membros devem ter interesse permanente
no site e na comunidade.
As vantagens comerciais de uma comunidade virtual

Aumenta o tráfego do site – Com isso você pode vender os espaços
publicitários que existirem no site.

Teste de novos produtos – Uma empresa cria um novo produto e antes
de lançar no mercado pode enviar amostras e permitir que os usuários
demonstrem suas opiniões sobre o produto, assim adequando o produto
ao mercado. Empresas de software utilizam esse recurso.

Extrair reais necessidades de mercado – Através das comunidades
adquirir
informações
diretas
sobre
reais
necessidades,
tomar
conhecimento das opiniões de usuários sobre a corporação.

Incorporar opiniões dos usuários no site – Opiniões dos usuários sobre a
satisfação dos mesmo em seu site irá contribuir para a confiabilidade e
qualidade dos produtos oferecidos por uma empresa.

Informações sobre dados dos usuários – Dados obtidos pelos usuários
registrados podem gerar pesquisas e vendidas à outras corporações,
lembre-se resultados de pesquisas, não dados pessoais que ferem a
privacidade dos usuários.
A comunidade deve ser construída como uma meta, deve ser contida em
planejamentos estratégicos para que gerem rendimentos e lucros, não deve
ser encarada somente como um entretenimento aos participantes e um
patrocínio pela empresa.
Criando uma comunidade
Crie uma interface simples para que os usuários iniciantes ou não,
tenham prazer em visitar seu site, recursos de multimídia podem inovar e
modernizar, mas também podem atrapalhar a interatividade. Com uma
interface complicada pode afastar os usuários do motivo de participarem de
uma comunidade: a interatividade.
Como as comunidades são feitas por pessoas, pessoas são diferentes
nunca conseguirá agradar à todos, sempre tenha um membro mediador(de
preferência da sua empresa) para evitar maiores aborrecimentos, banindo
usuários que se comportem inadequadamente.
Use os meio de comunicação para evidenciar a participação na
comunidade, convide pessoas importantes, celebridades, para manter a
comunidade aquecida. Nesses casos rotineiramente são inseridos assuntos
polêmicos para aquecer a comunidade.
Módulo 7: Tipos de comunidades virtuais

Boletins por email – Com base numa lista dos endereços de email dos
assinantes(mala-direta) são enviadas com temas de interesse da
comunidade, deve-se formatar de forma bem atraente para que não seja
confundido como “lixo”. Não é considerado spam, já que o dono do
endereço se cadastrou na comunidade, ou seja autorizou o envio, porém
na realidade muitos provedores possuem robôs de busca de emails com
endereços não identificados ou enviados muitas vezes, cabe o usuário
avisar o provedor do seu serviço para desabilitar esse recurso para não
ficar prejudicado em não receber as mensagens.

Grupos de discussão por email – Novamente com base na lista de
endereços de email dos assinantes, uma discussão por e-mail acontece
entre diversos partipantes. Um membro da lista envia um tema que irá
para todos os assinantes da comunidade, a resposta de cada membro
irá para todos os membros.

Fórum de discussão – As mensagens são publicadas através do site da
comunidade de forma hierárquica, facilitando a leitura dos comentários

Conteúdo – Um bom conteúdo costuma atrair novos membros,
principalmente oriundos de fontes confiáveis.

Salas de Chat – Em bate papos deve-se ter um líder(mediador), regras a
serem seguidas, oferecem um ambiente extremamente livre no que diz
respeito a opinião do usuário.
Orkut – È uma comunidade virtual afiliada ao Google, ajuda seus membros a
criar novas amizades, reencontrar amigos, parentes e manter relacionamentos.
Comunidades virtuais de aprendizagem, e-learning
Através do ensino à distância você está inserido na comunidade virtual
de aprendizagem, muitas empresas oferecem cursos online gratuitos com o
intuito de gerar esse tipo de comunidade, interage os usuários inserindo-os em
fóruns de discussão para troca de aprendizado adquirido. Outro termo
conhecido é e-learning, ensino com auxílio da tecnologia para educação a
distancia.
Muito vantajoso para o participante que enriquece seus conhecimentos e
muitas vezes tem direito à um certificado da empresa, bom para a empresa que
adquire todas as vantagens já relatadas. É vantajosos para as empresas
implantar esse tipo de ensino para os funcionários se atualizarem ou
oferecendo aos clientes como forma de fidelizá-los.
Nesse tipo de comunidade a interface combinada com textos,
diagramas, sons, figuras, animações e imagens ajudam no aprendizado do
usuário(aluno).
As expectativas futuras são as melhores possíveis, não haverá limite
para o aprendizado, sendo cada vez maior a inserção desse tipo de educação
casado com a forma presencial, ou mesmo totalmente virtual.
Módulo 8: Vantagem competitiva na Internet
Os caminhos entre muitas possibilidades para lucratividade e o
crescimento de uma empresa no curto e longo prazo, aumentam se forem bem
posicionadas no mercado(online e offline).
Com base nesse argumento as organizações percebem que para atingir
uma vantagem competitiva na Internet precisam oferecer muito mais que um
site com design bonitinho e multimídia de última geração.
Em outras palavras o Comércio Eletrônico orientado para o cliente devese oferecer um mix de design interativo, facilidade de navegação, preço,
logística(pedido/entrega), credibilidade e segurança.
Na confecção do site, as empresas podem escolher em contratar
profissionais freelancer, terceirizar ou ainda contratar por período:

Gerente de projeto

Analistas de sistemas

Programadores

Web master ou web design
Qualquer que seja a escolha do tipo de projeto para a confecção de um
site, a implementação não ocorre da noite para o dia. Ao definir as metas,
pense nelas a curto e a longo prazo.
Habilidades para implementar os estágios de desenvolvimento de um Site
Web

Lançamento: Planejando sua estratégia

Colocação: Publicando seu conteúdo

Conexão: Conectando-se a outros sites da web(através de banners,
links patrocinados entre outros)

Usabilidade e Navegabilidade: Interface de fácil navegação

Banco de dados: Estendendo o alcance do banco de dados da empresa

Personalização: Dando uma “cara” a seu site

Abertura: Avançando a audiência em vez de esperar por ela

Comercialização: Efetivando transações comerciais

Expansão aplicativa: Estendendo o alcance das aplicações corporativas
da empresa(CRM, SCM,BI...)

Globalização: Satisfazendo a necessidade global

Alianças estratégicas: Alinhando-se com parceiros corporativos

Monitoração: Monitorar os resultados e desenvolvimento da estratégia
Módulo 9: Marketing Estratégico na Internet
O Marketing Estratégico na Internet empregado corretamente pode
alavancar as vendas. Não se deve crêer que o único objetivo do marketing seja
aumentar as vendas, mas sim potencializar a marca, aumentar a audiência,
maximizar os lucros, diminuir os custos e ampliar a comunicação nas mídias.
Alguns critérios de planejamento estratégico on-line:

Adotar um mercado-alvo (localização, idade, sexo, estilo de vida dos
usuários)

Ofertar produtos com qualidade e preço competitivos

Aumentar o número de visitas diferentes com promoções relâmpagos

Potencializar a marca, divulgando nas mídias on-line e tradicionais(TV,
jornal, rádio). Ao promover seus endereços e ofertas na Internet através
da mídia tradicional, essas companhias aumentam a chance de
sucesso na rede.

Distribuição e possibilidade local e global (logística)

Descobrir o que os concorrentes estão fazendo e antecipar-se

Usar a Internet solicitando feedback sobre produtos e serviços
(conduzindo pesquisas ou realizando teste beta)

Lançar novos produtos

Proteger-se contra períodos ruins, poupando uma reserva para esse
período.

Melhorar os níveis de assistência (fornecendo atendimento 24 horas, 7
dias por semana)

Registrar seu URL com mecanismos de busca (google, yahoo, cadê
entre outros) e indexadores.

Construir uma lista de mala-direta de usuários interessados e enviar
boletins por e-mail (não esquecer de inserir nesse boletim a opção de
ser retirado da lista para evitar o spam)

Renovar o conteúdo mantendo o site atualizado, correção de links e
bugs quando necessário.

Forme audiência com sorteios de descontos ou mesmo produtos
interessantes.

Oferecer um suporte que atenda as expectativas do cliente, alguns sites
oferecem Chat com um atendente ao vivo, para sanar dúvidas. Outro
aspecto é que na maioria das vezes o consumidor está sozinho daí a
importância de um contato humano, seja por meio de Chat ou
comunidades virtuais.
A contribuição da tecnologia na aprendizagem sobre o cliente é sua
capacidade de gravar todos os eventos do relacionamento, tais como os
pedidos de informações sobre um produto, a compra de um produto etc. As
necessidades do cliente são identificadas e alimentarão os futuros esforços de
marketing.
Superando a Resistência do Consumidor
Os internautas, embora algumas vezes hesitem em utilizar a Internet
para comprar produtos e serviços complexos(carros, casas, roupas, entre
outros), personalizados ou muito dispendiosos, poderão gradualmente se sentir
mais confortáveis com a Web se a marca for forte no mercado tradicional.
Esses casos ocorrem pelo fato da Internet não oferecer alguns aspectos
oferecidos no comércio físico – Olhar, sentir e cheirar.
A resistência de
mudanças das pessoas certamente é o fator chave na adoção de novos
métodos de compras.
Cabe às corporações reeducarem os consumidores nessa nova prática,
potencializando a marca, mantendo a credibilidade e segurança.
Os vencedores serão as corporações que tiverem a habilidade para
extrair o máximo de valor das informações dos clientes e agregar serviços e
produtos adequados a cada tipo de cliente.
Módulo 10: Email Marketing
E-mails são a aplicação mais popular da Internet. As pessoas utilizam
mais e-mails do que navegam na Internet. Porém o e-mail embute um poder
real, tanto na comunicação quanto na promoção. Quando se faz um
comparativo entre as mídias tradicionais e o e-mail marketing, o custo e o
tempo requeridos pelo e-mail marketing são imensamente mais vantajosos do
que das mídias tradicionais.
Como no mundo offline, fora da Internet os modelos de promoções não
pedem autorização, sempre interrompe seu programa de televisão com
mensagens do patrocinador, interrompem transmissão de dados entre outras.
Mas no mundo on-line, a interrupção sem autorização do usuário afasta e
antipatiza sua marca junto a rede. Tantos sites prontamente disponíveis
disputando numa mesma arena, a atenção que nenhum pode se dar o luxo de
aborrecer os internautas. E-mails comerciais, boletins diários sem autorização
do usuário são considerados spams (propagandas não autorizadas, que
viraram um problema mundial). Então o pessoal de marketing têm de
desenvolver novas soluções para difundir suas mensagens.
As mesmas técnicas gerais que você utiliza para atrair internautas para
seu site são os mesmos aplicados para ganhar novos assinantes de boletins e
grupos de discussão. Uma estratégia de outro site não deve ser utilizada no
seu site, uma estratégia é única.
Os envios de boletins devem ter intervalos regulares, para obter o
melhor resultado. Mas não envie todos os dias, não entupa os usuários com
mensagens, boletins, newsletter (jornais online) propagandas eles ficaram
irritados e facilmente se descadastraram de seu banco de dados. Certifique-se
que há um fundamento maior do que propaganda, inclua valor nos newsletters
e incentive a visita no site. Existem dois tipos de Boletins:
Boletim de anuncio – Onde o objetivo é mostrar as ofertas do site
Boletim de conteúdo – O objetivo é incluir dicas, notícias, detalhes sobre
tendências do mercado. Pode-se incluir discretas propagandas.
Algumas dicas:

Construa sua reputação, não uma lista. Por isso identifique os
dados de que necessita para cada tipo de propaganda ou boletim

Limpe a lista periodicamente, ou seja a cada envio, para jogar
fora emails com mensagens de retorno de inexistentes. Em caso
de emails que retornem, programe para retirá-lo num número de
no mínimo 5 retornos para emails enviados por semana.

Não segmente, micro segmente. Caso contrário você estará
enviando mensagens que não terão interesse, e sem interesse
você não cria vínculo com este usuário. Prefira um mínimo de
qualidade do que um macro sem interesse.

Aumente a interatividade com o usuário e potencialize visitas a
seu site

Seja criativo, mas lembre-se que tecnologias devem ser
adequadas ao público alvo, caso contrário você pode estar
enviando um problema se o usuário receber mensagens com
multimídia de última geração que irão travar seu micro ou não terá
possibilidade da leitura. Em caso de não possibilidade da leitura
sempre deixe claro um link para esses casos.

Para
cada
disparo
de
emails,
gerencie
a
medição
de
desempenho, colete dados como quantos emails retornam,
quantos foram vistos(existem códigos para esse controle),
desempenho de visitas no site a cada disparo, entre outros.

Considere o custo da não-resposta, ou seja nem todos os emails
que você enviar irão chegar aos destinatários, ou mesmo eles irão
ler, poderão ser apagados antes da leitura
Evitando transtornos
Beneficie o usuário com a liberdade de opção de assinar o boletim que
realmente lhe interesse, crie mais de um boletim com temas diferentes para
maior captação dos interesses do usuário. Não imagine que todos gostem dos
mesmos assuntos e que se registrem automaticamente na visita a seu site.
Torne o cancelamento uma opção clara, para que ele fique confortável
em sair quando achar conveniente. Você arrisca para ganhar respeito e
futuramente ele poderá tranqüilamente voltar a ser seu assinante, não
pressionar os usuários é o melhor a ser feito.
Respeite a privacidade dos assinantes não oferecendo seus dados
pessoais a quem quer seja, dados estes que usados por outras pessoas se
tornam armas para o crime como falsificação entre outros incômodos para o
usuários, tais dados nome, endereço físico, telefone são de responsabilidade
da empresa.
Customização da Massa – a realidade do cliente único
A habilidade de criar conteúdos personalizados para cada visitante da
Web, é a chave para alcançar milhares de usuários com mensagens
individuais, afinal ninguém gosta de ser tratado como a massa, gosta de ser
único. A questão mais crucial para todo negócio sempre foi conseguir um único
registro
mestre
global
para
cada
cliente,
eliminando
duplicidades e
contradições e fornecendo um foco para todas informações da empresa sobre
o cliente. A Internet trouxe pela primeira vez a meta de uma realidade de
cliente único ao alcance dessas empresas interessadas em buscá-la.
O envio do envolve:

Correio eletrônico

Web

Pacotes de softwares especializados no envio e recebimento em
massa

Servidores próprios ou terceirizados para envio de malas-diretas

Algumas empresas são especializadas em banco de dados de
usuários, mescle seu banco de dados com a compra de terceiros,
mas cuidado para não comprar qualquer lista com qualquer um,
prefira órgãos ou empresas sérias.
Spam
São mensagens eletrônicas sem autorização do usuário enviada em
massa, geralmente com fins publicitários de caráter apelativo, incômodo e
inconvenientes, lotando as caixas de correio.
Embora não haja uma legislação para punição dos spammers (autores
das mensagens incômodas) que o caracterize como crime, as empresas que
utilizam desse ato são mal vistas perante o mercado.
Módulo 11: Sistemas Eletrônicos de Pagamento
As transações eletrônicas de negócio só podem ter sucesso se as trocas
financeiras entre compradores e vendedores puderem acontecer em um
ambiente simples e seguro.
Os métodos tradicionais de pagamentos, tais como cheques, não são
adequados para a transação de pagamentos em tempo-real. Tempo real
significa que as transações são quase imediatas, da ação do clique do cliente
autorizando o pagamento são completadas e disparados o pagamento.
Os métodos tradicionais utilizavam duas bases fundamentais:

Comprador e vendedor ao mesmo tempo na presença física um
do outro

Um atraso pode identificar a presença de fraude, saque
descoberto e outros problemas.
Intercambio Eletrônico de Dados, ou EDI, envolve a troca eletrônica de
documentos de transação comercial por rede de computador entre parceiros
comerciais (as corporações, clientes e fornecedores). Os pedidos de compra,
faturas, pedidos de cotações e notificações de remessas são alguns tipos de
transações que normalmente utiliza-se do software EDI.
Os dados de transação formatados são transmitidos por conexões de
redes diretamente entre computadores, sem documentos de papel ou
intervenção humana.
A utilidade comercial do EDI é a eliminação da necessidade dos
funcionários imprimirem, postarem, verificarem e manusearem inúmeros
formulários de múltiplas cópias de documentos comerciais. Alem disso há um
formato padrão de documentos, reduzindo atrasos provocados pelos métodos
de envio(correio ou telefone).
Processamento de Transações Online
Os sistemas de transação on-line desempenham um papel estratégico
no comércio eletrônico. Muitas empresas estão utilizando a Internet para o
processamento de transações on-line. Estes sistemas em tempo-real captam e
processam aumentando a produtividade e segurança.
E-cash – É um novo conceito nos sistemas de pagamento online
porque combina conveniência, segurança e privacidade.
O dinheiro digital e transações podem tomar várias formas:

Cartões
pré-pagos
–
Os
famosos
smart
cards,
cartões
inteligentes, utilizam uma tarja magnética ou chip de circuito
integrado para armazenar informações específicas de um cliente,
incluindo créditos ou dinheiro eletrônico. Já faz parte do nosso dia
a dia,como créditos de celulares pré-pagos, recarregados à base
de um cartão com o número para ser inserido no sistema da
operadora e autorizar seus créditos.

Cheque eletrônico
–
Usa a estrutura bancária existente
eliminando o papel. Trabalha como os cheques de papel, porém
são iniciados eletronicamente, usam assinatura digital(Para
garantir a integridade das informações, método de criptografia)
para assinar e endossar e requerem o uso de certificados
eletrônicos para autenticar o pagador, o banco pagador e a conta
do banco.

Cartões de crédito - São responsáveis pela maioria das
transações pela Internet, onde os usuários fazem pequenas
compras até grandes compras dependendo do seu limite de
crédito, compras à vista ou mesmo parceladas sem juros, são
algumas das vantagens desse tipo de pagamento. As etapas para
fazer a transação são: o usuário apresenta os dados do seu
cartão bem como os dados pessoais, os mesmos são validados
pelo comerciante como proprietário da conta e pedido, o banco ou
a parte que processa envia informações para o banco do cliente
para autorização e aprovação, o banco do cliente retorna os
dados do cartão de crédito, autenticação do débito e autorização
do cliente.
Nesse esquema, cada cliente e vendedor geram uma chave pública e
uma chave secreta, onde a pública é enviada para a empresa de cartão
e a secreta é recriptografada com uma senha.

Cartões de débito – São os cartões que substituem o dinheiro nas
compras, o cliente possuindo em sua conta bancária uma quantia
passa o cartão em um estabelecimento ou site, que lê as
informações, o terminal roteia a transação através de uma rede
ATM de volta para o banco do cliente que autoriza(em caso de
haver a quantia) para a conta do cliente onde é debitado e
transferido para a conta do estabelecimento ou site.

Boleto bancário online – Opção de pagamento que o sistema do
site gerará um boleto bancário na tela, que deverá ser impresso o
documento e pago em um banco.

Financiamento online - Transação realizada por instituições
financeiras que autorizam um crédito de empréstimo, cobrando
juros.

Vales (presente, compras e troca) – O cliente executa a compra
de um cartão vale-presente, que é enviado para o benefiado do
presente que escolhe o produto relativo a quantia que ganhou
para gastar.

Bancos online – Opção oferecida por alguns bancos que debitam
o valor de compra na conta do cliente para efetuar a compra.
Como uma retirada de um caixa eletrônico só que transferindo o
valor para a empresa fornecedora.
Problemas com as Transações Online
O maior problema que as transações online atualmente podem acarretar
seria pelo fator da segurança, segurança esta que vem imbutida fraudes.
As fraudes são ocasionadas muitas vezes por pessoas ingênuas que
fornecem seus dados a estranhos ou seus computadores são invadidos, onde
os invasores(muitas vezes chamados de hackers) se utilizam desses dados
para comprar e furtar valores de suas vítimas.
Quanto a segurança teremos um módulo para este assunto não sendo
necessário o comentário detalhado, mas vale salientar que as instuições
bancárias e financeiras promovem altos investimentos nesta área para
capacitação
de
funcionários e
clientes(maiores prejudicados por sua
ingenuidade) para melhor utilização de transações financeiras online.
Módulo 12: Gerenciamento do conhecimento - knowledge management
A Internet não é só um meio de venda, mas também de comunicação e
educação. Entendendo esses princípios, as empresas tentam disseminar o
conhecimento, conhecimento pessoal de um indivíduo é transformado em
conhecimento organizacional valioso.
Também conhecido como KM, é uma ferramenta de colaboração,
pacotes groupware, que identifica, captura e administra informações úteis e
difunde
aos
funcionários
de
uma
corporação.
Podem
também
ser
compartilhado para parceiros autorizados.
Esta informação inclui processos, procedimentos, patentes, obras de
referencia, fórmulas, melhores práticas (cases), previsões, modos de reparo,
biblioteca de documentos, banco de dados de discussão, repositórios de
conhecimento e banco de dados em sites. Essas formas de informação
armazenada ajudam a criar uma base de memória organizacional de
informações empresariais estratégicas para serem compartilhadas dentro da
corporação.
Software colaborativo (ou groupware) são as ferramentas utilizadas para
o gerenciamento do conhecimento, podem ser criadas pela empresa ou
terceirizadas.
Alguns softwares colaborativos do mercado:

Lotus Notes

Microsoft Exchange

Novell GroupWise

Sharepoint

TalkAndWrite

Lotus Note

Project Server

More.Groupware
Com isso encorajam mudanças de comportamento aos funcionários, a
medida que prossegue o processo de aprendizagem organizacional e se
expande a base do conhecimento, a corporação integra os conhecimentos
fornecidos pelos próprios funcionários(que podem ser até do chão da fábrica, já
que anos de experiência são contados como conhecimento de alto valor) em
seus processos, produtos e serviços melhorando significamente o desempenho
dos negócios.
Os objetivos da gestão do conhecimento são:

Tornar acessíveis informações corporativas

Gerar novos conhecimentos

Fornecer as informações de maneira organizada e lógica de
forma a torná-la acessível
É obvio que os sistemas não são a resposta para todos os problemas
enfrentados numa organização. Uma multiplicidade de estratégias competitivas
ao serem inseridas ajuda uma empresa a enfrentar o mercado.
Administrando a Mudança Organizacional
Normalmente, a implantação de mudanças tecnológicas é uma parte do
processo mais amplo, porém um dos principais obstáculos aos sistemas de
administração do conhecimento da empresa é a resistência do usuário final ao
compartilhamento do conhecimento.
Para solucionar problemas de resistência do usuário final as novas
tecnologias da informação é uma educação e treinamento adequados. Criar um
envolvimento do usuário final no desenvolvimento dos sistemas.
A participação direta na criação de softwares e implementação são
particularmente importantes para interação e redução de uma rejeição. É por
isso que durante a criação de um software, usuários finais freqüentemente são
membros das equipes de desenvolvimento de sistemas e envolvidos no
processo de teste e implantação.
Em resumo devemos:

Envolver o máximo a corporação para a mudança

Fazer mudança constante como parte integrante da cultura

Dizer a todos o máximo possível sobre tudo e com maior
freqüência possível, se possível pessoalmente.

Trabalhar dentro da cultura da corporação, não em torno dela.
Engenharia do conhecimento
Um engenheiro do conhecimento é um profissional que trabalha com
especialistas para captar o conhecimento que eles possuem e montar a base
de dados com nessas informações. O engenheiro do conhecimento
desempenha papel semelhante ao Analista de Sistemas no desenvolvimento
dos sistemas convencionais.
È criada uma equipe é criada para desenvolver um sistema, que deve
conter entre os membros um engenheiro do conhecimento, e um membro
representando os usuários finais.
Os módulos que uma ferramenta de gestão do conhecimento pode ter
Ferramentas de comunicação Eletrônica ajudam os membros a se
comunicarem e colaborarem uns com outros. Dentre elas podemos destacar:

Correio Eletrônico – Através da troca de emails

Correio de voz – Mensagens telefônicas digitalizadas.

Fax – Transmitir e responder imagens de documentos por
telefone ou por computadores

Editoração de páginas na rede – criar, converter e armazenar
documentos como hiperlinks, isso é feito em Portais onde os
usuários alimentam as informações via browser
Ferramentas
de
Conferencia
Eletrônica
ajudam
os
usuários
a
compartilharem informações em atividades comuns. Destacaremos:

Conferencia por dados – Documentos, imagens e outros materiais
compartilhados em um quadro para os membros da corporação

Conferencia de voz – Conversas telefônicas compartilhadas entre
diversos membros através de computadores.

Videoconferência – Conferencia por vídeo e áudio em diferentes
locais entre membros da corporação

Fóruns de discussão – Discussões de texto online entre membros
de grupos de interesses específicos na corporação

Sistemas de bate-papo(chats) – Realização de bate-papos entre
membros da corporação

Sistemas de reunião eletrônica – Sala de reuniões com PC’s na
rede
Ferramentas de Administração do trabalho – ajudam as pessoas a se
organizarem e administrarem atividades de trabalho

Agendamento e Programação – Agendas eletronicas para
programar e notificar sobre reuniões ou tarefas.

Gerenciamento de atividades e projetos – Administrar e organizar
projetos de equipes, bem como tempo de entrega, programação,
acompanhamento e mapeamento da situação e andamento dos
projetos

Sistema de fluxo de Trabalho – Fluxo de tarefas de trabalho
conectados em rede colaborativa

Gerenciamento
do Conhecimento
–
Compartilhar
diversos
formulários de informações administrativas dentro de uma
organização
Módulo 13: Usabilidade e Navegabilidade
Portais
O site é o ponto de partida do usuário que navega na Internet. Com isso
atrair o público em geral que navega na Internet, que potencialmente
comprarão o que os anunciantes daquele site. Com a evolução do comércio
eletrônico, os sites não podiam oferecer uma gama de serviços, nem ter a
robustez dos Portais, ou Portais corporativos.
Algumas funções:

Identifica o usuário(após cadastro) criando um ambiente único para o
usuário chamado “Minha página”

Os usuários podem publicar documentos

Escolher categorias ou conteúdos.

Quando usado em intranets integra aplicativos corporativos de forma
que os dados possam ser disponibilizados e atualizados em qualquer
lugar pelos funcionários.

Suporte à decisão gerencial

Nas corporações é utilizado em ferramentas cooperativas de trabalhos
em grupo(groupware) e de fluxo de tarefas/documentos (workflow) para
acesso das informações geradas por indivíduos ou grupos.
Em geral os Portais tem a capacidade de gerenciar informações de
modo a satisfazer as necessidades de usuários internos (funcionários) e
externos (clientes) de forma adequada para o comércio eletrônico.
Usabilidade
Em visão geral a usabilidade é capacidade de um usuário específico
atingir objetivos específicos com facilidade, eficiência e eficácia.
Na verdade, os usuários têm diferentes necessidades, de maneira que
um sistema, site ou portal deva ser amigável, caso contrário ele cria uma
rejeição que em que um Portal ou site possa ser prejudicado em seus
negócios com a rejeição do cliente.
Imagine que você visite um Portal, procura um tênis e quando efetua o
clique do botão para a compra, entre numa área de cadastro enorme que te
peça informações irrelevantes como qual bichinho de estimação você
gosta? Entre outras perguntas. E na conclusão desse cadastro você entre
numa tela confusa com cores extravagantes. Qual seria sua reação?
Se você respondeu desistiria da compra, então você está entendendo
que o usuário não tem obrigação de ler um manual para efetuar a compra
de um tênis, ele deseja as facilidades se efetuasse a compra num
shopping.
Um site, sistema ou Portal é interativo quando é capaz de possibilitar o
usuário atinja seus objetivos. A eficácia é a principal motivação que leva
um usuário a retornar ao site ou utilizar um sistema. Não adianta ser
somente fácil e usar e aprender mais deve ser agradável de utilizar e
navegar(navegabilidade). Por isso deve ser mapeado do usuário as
percepções, sentimentos e opiniões a respeito do modelo gráfico do
sistema ou site.
Algumas dicas de usabilidade e navegabilidade no Portal ou site:

Proporcione alternativas ao conteúdo inserindo modos sonoros as
informações, assim você facilita o usuário que possui algum tipo
de deficiência visual;

Não recorra apenas as cores para transmitir informações,
algumas pessoas não possuem a capacidade de diferenciar
certas cores, com isso os tons devem ser suficientemente
contrastantes.

Indicar claramente os idiomas que o site dispõe, assim atrairá
pessoas de outras nacionalidades, recomenda-se às línguas
globalizadas como inglês e espanhol, além da língua nativa do
site.

Não faça o site ou Portal levando em conta somente navegadores
atuais (Internet Explorer, Firefox, entre outros), teste em
navegadores mais antigos, afinal existem usuários que possuem
navegadores mais antigos.

Utilize tecnologias recomendadas pelo W3C(HTML, CSS) outras
tecnologias devem ser utilizadas como forma de apoio.

Forneça mecanismos de navegação claros, utilizando links de
maneira coerente e sistemática, agrupando links com mesmo
assunto.

Ofereça o link “mapa do site” para facilitar a navegação do site

Evite jargões técnicos, utilize uma linguagem fácil

Evite desenhos e texturas no fundo da página. O fundo não deve
chamar a atenção mais do que a informação.

Contrastar letras com o fundo(melhor utilizar fundo claro, de cor
neutra ou branca)

Use no máximo dois tipos de fontes

Use fontes e tamanho legíveis, ofereça o recurso do usuário
poder aumentar a fonte.

Não utilize sublinhado para textos que não sejam links, o usuário
confundirá o sublinhado da palavra com um link.

Possibilite aos usuários interromper ou cancelar o processamento
ou transação atual.

Fornecer serviço de busca para o conteúdo do site

Possibilitar o uso da tecla Enter para confirmações de dados

Não liberar o portal parcialmente pronto, e páginas com a
expressão “em construção”.

Verifique os erros de grafia

Evite janelas pop-ups, já que os sistemas operacionais estão
bloqueando e por isso o usuário poderá ficar sem uma
informação.
Prover acessibilidade e navegabilidade é remover barreiras que
impeçam as pessoas de participarem de atividades do cotidiano, inclua
os vários públicos possíveis que navegarão em seu site ou sistema para
melhor atingi-los.
Módulo 14: Viabilidade
Um sistema de informação novo ou aprimorado ajudaria a solucionar o
problema? Temos um problema ou oportunidade? Essas perguntas são
respondidas no estudo de viabilidade.
A meta dos estudos de viabilidade é avaliar sistemas alternativos e
propor os sistemas mais viáveis e desejáveis para desenvolvimento. A
viabilidade do sistema proposto pode ser avaliada em termos de quatro
categorias principais:

Viabilidade Organizacional – O sistema proposto deve apoiar os
objetivos estratégicos da corporação

Viabilidade Econômica – O sistema aumenta os lucros, reduz
investimentos, e se seu custo de obtenção é muito alto

Viabilidade Técnica – Robustez, confiabilidade, disponibilidade de
hardware, software, suporte e segurança.

Viabilidade Operacional – Aceitação do usuário final, dos clientes e
fornecedores.
Os estudos de viabilidade exigem um estudo preliminar que investiga as
necessidades de informação dos potenciais usuários e determina os requisitos
de viabilidade, normalmente envolvem a análise de custo/benefício. Quando
são quantificados, são chamados de custos tangíveis, por exemplo custos de
software e hardware, e os não quantificados são chamados de intangíveis são
difíceis de quantificar.
Custos ocultos
Calcular custos escondidos, ou seja aqueles que não entram no
orçamento, é uma tarefa bastante complexa, mas fundamental. Este cálculo
inclui muitas variáveis, entre as quais o custo de operação do usuário final,
considerando o tempo que ele gasta em atividades que não trazem valor ao
negócio. Por exemplo, quando o funcionário utiliza os recursos da empresa
para fins pessoais que geram custos indiretos e não orçados pela empresa.
Deve-se considerar custos de modo geral, elaborar um plano de
substituições de maquinário em atualizações de softwares pesados(CAD,
CAM). Caso contrário as máquinas não atualizadas rodando softwares
atualizados perderam muito tempo acarretando muitas vezes travamentos que
geram problemas ao profissional que poderá começar tudo de novo por falha
de produtividade da máquina não ser adequada ao software instalado.
Afetando projetos por gerar atrasos no cronograma.
No caso específico dos PC’s, o ciclo dos equipamentos não deveria
ultrapassar três anos de uso. Quanto aos sistemas operacionais e demais
aplicativos também exige renovação. Não atualizar o parque tecnológico pode
significar para as corporações a obrigação de arcar com custos adicionais
expressivos, além de ficarem mais sujeitos a falhas nos sistemas e
vulnerabilidade na segurança.
ROI – Return Of Investment, ou Retorno de Investimento.
O ROI tem sua origem na administração de empresas, foi desenvolvida
por Jack J. Phillips, Ph.D. nos anos 1970, refinada pela aplicação e uso nos
anos 1980, e implementada globalmente nos anos 1990. Foi incorporado como
ferramenta tecnológica em 2003, pela Knowledge Advisors.
Na era da Internet as decisões gerenciais necessitam de ferramentas
com sofisticados processos para avaliar investimentos e examinar os
benefícios com mais rigor, adequando suas aplicações de recursos financeiros
aos projetos implantados.
Incluso no ROI:

TCO - custo total de propriedade. São custos relativos aos
aspectos no uso adicional e manutenção do equipamento

TCA - que tange ao custo total de adoção.
A preocupação das empresas em medir os gastos relativos à tecnologia
da informação é algo importante. Se não houver indicadores e metodologias de
análise de valores, como saber se a empresa está investindo muito ou pouco?
Quais os impactos da tecnologia nos processos dos negócios?Qual a situação
atual da empresa? Entre outras questões.
Primeiro passo para os cálculos de um ROI consiste em fazer um
levantamento total de quanto a companhia custa atualmente e sobre estes
números fazer uma medição. Com isso uma empresa pode obter retorno de
custo de um projeto e saber quando e quanto tempo vai obter o retorno de
investimento. Nenhum novo pedido de um recurso tecnológico deve ser aceita
antes de uma análise e identificar os que não dão retorno, mas também
organizar os projetos que devem vir em primeiro lugar.
Algumas empresas utilizam dados do ROI para definição de estratégias
do marketing, para avaliar as campanhas a curto, médio e longo prazo
reduzindo gastos com publicidade e cortando investimentos importantes para a
sobrevivência da empresa.
As empresas recorrem a sistemas que possam justificar ou não
investimentos em novas tecnologias. No entanto, cabe a corporação saber
onde está, para reconhecer em que ponto quer chegar.
Implantação do ROI
Implementar o ROI dentro das soluções de TI é uma estratégia que está
sendo utilizada pelos fornecedores de soluções de tecnologia, seja ferramentas
próprias ou com parcerias.
Outsourcing
Algumas empresas para reduzir custos estão utilizando outsourcing
(terceirização), transferir funções que antes eram de responsabilidade da
equipe interna de tecnologia é uma alternativa que vem sendo empregada para
redução de custos.
Enxugar a estrutura é uma opção principalmente para empresas que não
desejam perder o foco de seu negócio, terceirizando o que não é estratégico, e
o que tem peso excessivo no orçamento onde as tecnologias que evoluem
constantemente.
Algumas desvantagens são os atritos e incompatibilidades entre as
tecnologias do parceiro e analisar realmente se vale à pena a terceirização.
Módulo 15: Balanced Score Card
A Tecnologia da Informação é considerada fundamental para os vários
setores, tanto no nível operacional como estratégico. Muitas das razões para
Tecnologia da Informação fazer parte do ambiente empresarial e consideradas
no planejamento das organizações.
O Balanced Score Card(BSc) foi uma metodologia de gestão
empresarial desenvolvida nos anos 90 pelos acadêmicos Robert Kaplan e
David Norton, ambos professores da Harvard University(EUA).
É um sistema de gerencia equilibrada que permite as corporações
esclarecer sua visão estratégica e traduzir em ação, já que muitas corporações
constataram que os indicadores meramente financeiros não mediam as
atividades relacionadas como ativos intangíveis, habilidades, competências e
motivação dos funcionários, obtendo uma perspectiva mais ampla e
equilibrada.
As quatro perspectivas do BSc:

A financeira – Não foi negligenciada a importância de dados financeiros,
mas através deles possuir rentabilidade e risco segundo a perspectiva e
estratégia da empresa.

A dos clientes – O foco no cliente é de suma importância para que o
mesmo não encontre sua necessidade no concorrente.

Os processos do negócio – Estabelecendo as prioridades estratégicas
dos processos internos do negócio para melhorar a satisfação dos
clientes.

A Inovação – Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinandoos para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem
contínua.
Para cada uma das perspectivas do BSc devem ser determinados os
seguintes itens:

Objetivos Estratégicos – Que estratégia será definida para ser
alcançado um objetivo em cada perspectiva?

Indicadores – Como será medida a evolução de um determinado
objetivo estratégico?

Metas – Que valor deverá ser alcançado em cada indicador?

Iniciativas – Qual ação deverá ser feita para facilitar o alcance da
meta de um determinado indicador?
O projeto de construção do BSc se aplica a qualquer empresa,
independente do ramo de atividade e porte. Os benefícios começam a ser
percebido um ano após a implantação. Um modelo flexível, que permite ajustes
ao longo do tempo.
É recomendável, mas não imprescindível, que a empresa que esteja
interessada em implantar um sistema de BSc deva recorrer a uma consultoria
externa para auxiliá-la ou criar uma equipe experiente.
Atingindo Resultados
Inicialmente a aplicação prática não atingiu os resultados esperados,
mas foram analisadas que muitas empresas estavam utilizando de forma
errada, mas hoje há vários casos de sucesso, e aquelas empresas que não
atingiram o sucesso podem estar utilizando a ferramenta de maneira
inadequada, ou mesmo a consultoria que confeccionou a ferramenta não
atingiu a estratégia da empresa.
Os principais problemas estão relacionados pela falta de liderança
executiva, por não haver ligação com a estratégia e integração com o processo
de gerenciamento. Bem projetado forma uma cadeia de relações de causa e
efeito.
A implantação do BSc deve ser feita a partir de cinco diretrizes:

Extrair os dados e traduzir a estratégia operacional em forma de
indicadores(números, gráficos entre outros)

Alinhar a solução tecnológica à estratégia da empresa

Treinar os funcionários e criar uma cultura do BSc, porque de
nada adiantará possuir uma ferramenta onde as pessoas não
entendem a metodologia

Converter a ferramenta, teoria em ação e prática

Mobilizar a mudança que comece pelo alto escalão da empresa
para não haver rejeição da metodologia e por resultado da
ferramenta (software)
Algumas empresas brasileiras que utilizam o BSc:

Petrobrás

Unibanco

Embrapa
O BSc vem se destacando justamente por não ser um mero painel de
indicadores, mas um eficiente instrumento de gestão estratégica que permite
uma visão ampla da empresa. Parte do sucesso do Balanced Score Card se
deve à Tecnologia da Informação que automatizou o método, possibilitando
sua aplicação desde empresas pequenas inclusive as empresas mais
complexas.
Você não pode melhorar se não pode medir
São maiores as chances de sucesso se o Balanced Score Card for
empregado em conjunto com sistemas de Business Intelligence(BI), já que é
baseado em informações. Porém, uma base de extração e de análise de dados
que é o que uma solução de BI.
Organizações de TI que incorporaram o BSc em seu modelo de gestão
reconhecem importantes benefícios:

Credibilidade de TI junto às áreas de negócio;

Maior foco das reuniões executivos de TI para a efetiva tomada de
decisão estratégica;

Possibilidade de atrelar mecanismos de remuneração e incentivos
dos executivos de TI ao BSc;

Possibilidade de desdobramento do BSc para equipes e indivíduos
da TI, fazendo com que todos estejam trabalhando em prol da
estratégia;

Ligar o orçamento da TI com a estratégia da empresa
A
junção
vantagem
competitiva,
Tecnologia
da
Informação
e
metodologias da administração e marketing, garantem a promessa de sucesso
provendo altos níveis de serviço ao cliente, ao mesmo tempo em que se
minimiza os custos operacionais. Combinar a tecnologia com diretrizes
operacionais será a garantia para as empresas no futuro.
Módulo 16: e-Gov – Governo Eletrônico
A serviço do cidadão o governo passa a entrar no cenário da Internet,
com objetivos políticos, sociais e econômicos. Gerando desenvolvimento,
democratizando as informações e facilitando a integração do cidadão com o
governo.
Algumas relações recebem um nome específico, assim como no
comércio eletrônico são elas:

G2G – government to government – Nome dado às relações
internas do governo ou com outros órgãos;

G2C – government to citizen – Relações entre o governo e o
cidadão, principalmente, à prestação de serviços. Um exemplo
claro no Brasil seria a entrega do Imposto de Renda à Receita
Federal através do site da Receita.

G2B – government to business – é o nome relativo às relações do
governo com empresas.
No atual cenário de competitividade no mundo dos negócios, o governo,
possui cada vez necessidade de adotar mecanismos da Tecnologia da
Informação, no mundo já é uma realidade crescente do Governo atender
requisitos no mundo globalizado.
O e-Gov, exige formas ágeis e flexíveis de gerenciamento, assim como
as empresas, desenvolvimento em infra-estrutura, treinamentos de funcionários
públicos, segurança são alguns requisitos para a entrada do governo na
Internet.
O cidadão terá menor burocracia, maior transparência do governo,
eficiência e eficácia, avaliando e comentando os números, dados e
informações oferecidas pelo governo através da Internet. O problema é que
muitos cidadãos não sabem desses serviços ou informações, quando muito
são receosos em utilizarem a Internet, preferindo o contato pessoal. Cabe o
governo instituir a inclusão digital da população, bem como banir a rejeição
pela Internet.
No caso do Brasil, o e-gov possui os princípios:

Promoção da cidadania

Inclusão Digital da população

Software livre como recurso estratégico

A gestão do conhecimento como instrumento estratégico

Racionalizar o uso de recursos

Integrar políticas, sistemas, padrões e normas.

Integração das ações do Governo Eletrônico com outros níveis
dos poderes
A tecnologia utilizada pelo governo brasileiro estabelece um modelo de
acessibilidade e usabilidade para favorecer pessoas com necessidades
especiais de utilizarem os sites e portais governamentais.
E garante também a interoperabilidade veja o conceito:

Transferir e utilizar informações de maneira padronizada entre
várias organizações e sistemas de informações

Intercambio coerente de informações entre serviços e sistemas

Habilidades entre dois ou mais sistemas (computadores, redes e
outros)
No governo atual, com o presidente Luís Inácio Lula da Silva, foi
instituído em todo o parque tecnológico do governo o software livre, para
minimizar custos e fornecer o conhecimento livre. As eleições brasileiras são
utilizadas como caso de sucesso no mundo, ficando a frente até mesmo de
potencias tecnológicas como os E.U.A, agilizando o processo eleitoral e
garantindo a segurança do voto.
A justiça brasileira sempre foi conhecida pela burocracia e lentidão, mas
a automatização no andamento dos processos tem gerado maior rapidez nos
processos, economia de papéis e precisão nas informações.
O e-Gov não é só uma tendência no Brasil, mas no mundo, vários
países possuem projetos nessa área. No Chile, a aplicação da telemedicina e
telecardiologia para reduzir o número de mortes no interior, sendo enviados
através
da
Internet
eletrocardiogramas,
para
serem
analisados
e
diagnosticados por especialistas do setor público de saúde.
e-CPF e o e-CNPJ
São identificações digitais, documentos eletrônicos, vinculados aos
números dos documentos físicos, respectivamente, CPF e CNPJ. Mantém a
autenticidade e a integridade na comunicação dos diversos órgão públicos, um
exemplo é a possibilidade de consultar e atualizar cadastros de contribuinte e
assinar digitalmente documentos como a declaração de renda, obter certidões
da Receita Federal, cadastrar procurações e acompanhar processos tributários
eletronicamente, sem o deslocamento a Receita Federal.
Existem dois tipos de e-CPF:

A1 - O par de chaves pública é gerado pelo titular no disco rígido do
computador. Por este motivo, só poderá ser instalado na mesma
máquina e no mesmo navegador em que foi solicitado o certificado;

A3 - Os certificados A3 são muito mais seguros. O par de chaves é
gerado e armazenado em um cartão inteligente ou em um token
criptográfico inviolável.
A realidade do e-Gov
O e-Gov usa a tecnologia de informação, e especialmente a Internet,
para melhorar a entrega de serviços de governo aos cidadãos, negócios, e
outras agências de governo. Abre oportunidades novas ao levantar novos
desafios. Permite o cidadão 24 horas do dia, sete dias da semana. Apesar da
tecnologia ser cara para o governo, esse agravante não diminui as vantagens
de economia do tempo, segurança e praticidade.

e-Gov não é uma ferramenta limitada aos países mais ricos.

e-Gov é definido como a utilização do Internet para entregar a
informação e os serviços do governo aos cidadãos.´

O e-gov é mais sobre o governo do que o “e”

Contribue para os objetivos da política

Ajuda construir a confiança entre governos e cidadãos
Módulo 17: Segurança – Aspectos físicos
A principal preocupação dos clientes quanto a uma transação on-line é a
segurança, mas as empresas também têm preocupação pela segurança
interna. Os usuários e funcionários devem ter conhecimentos para utilizarem as
transações com segurança, criar um ambiente seguro para o sistema de
transações utilizando servidores seguros e sistemas de pagamentos confiáveis.
A segurança dos sistemas on-line tem evoluído muito rapidamente,
sendo que novas soluções técnicas têm surgido assim como novas estratégias
no Comércio Eletrônico. A evolução das legislações permitirá punir os
responsáveis de furtos e fraudes on-line.
Controles dos Sistemas de Informação
São métodos e dispositivos que procuram garantir a precisão e validade
dos dados trafegados. Os controles são desenvolvidos para garantir a correta
entrada e saída dos dados, processamentos e armazenamentos.
Controles de entrada
A entrada de dados e outras atividades dos sistemas muitas vezes são
monitoradas para a correta entrada dos dados em um sistema de informação.
Alguns sistemas em tempo real registram todas as entradas no sistema em
registro de controle. Inclui instruções para identificar entradas incorretas,
inválidas ou impróprias de dados à medida que estes entram no computador.
Controles de Processamento
Os dados que tenham sido registrados corretamente em um sistema
eles devem ser corretamente processados. Eles identificam erros em cálculos e
operações lógicas, e também garantem que os dados não se percam ou fiquem
sem processamento. Eles são divididos em controles de hardware e software,
dentre eles são:

Controle de hardware –
o
Circuito de detecção de falhas – Monitora as operação e verifica
possíveis falhas
o Componentes redundantes – Múltiplos dados que se duplicam,
promovem exatidão nos dados trafegados.
o Microprocessadores
de
finalidades
especiais
e
circuitos
associados – utilizados em manutenção a distância

Controles de software – Garantem os dados corretos serão processados
Controles de saída
Controla o acesso de saída por códigos de segurança identificando
usuários que tipo de usuários que tipo de saída podem receber.
Controle de Armazenamento
Para proteger os recursos de dados como controle para arquivos de
programas de computador, acessos às bibliotecas de programas e bancos de
dados da organização.
Segurança de Rede
A segurança de uma rede é de suma importância para monitorar o uso
de sistemas e redes de computadores e os protegerem do uso autorizado,
fraude e destruição. Além disso, existem programas e scripts que ajudam na
manutenção da segurança da rede.
Criptografia
A criptografia dos dados é uma maneira importante de proteger os
dados, utilizados principalmente na Internet, intranets e extranets.
Senhas,
mensagens de emails, arquivos, entre outros dados podem ser criptografados
de forma embaralhada e desembaralhados pelos sistemas apenas pelos
usuários autorizados. Ela envolve o uso de algoritmos matemáticos especiais,
ou chaves para transformar os dados digitais em código embaralhado antes
que esses dados sejam transmitidos e para decodificá-los quando forem
recebidos.
Firewall
Sistema para proteção e controle da segurança na Internet e outras
redes contra invasão, filtrando o tráfego da rede e busca de senhas corretas ou
outros códigos de segurança, permitindo transmissões autorizadas para dentro
e fora da rede. Os firewalls se tornaram um componente essencial das
organizações que se conectam com a Internet, tendo em vista a vulnerabilidade
e falta de segurança na Internet.
Certificação digital
Um certificado digital é uma assinatura virtual é um agente, público ou
privado, que procura atender à necessidade de serviços no Comércio
Eletrônico, emitindo certificados digitais que atestam o certificado. Um
certificado é uma declaração digitalmente assinada por uma Autoridade
Certificadora(AC) que prove a confirmação.
Com o SSL(Secure Socket Layer) é uma forma de proteger informações
confidenciais, assegurando o servidor que está sendo acessado e o usuário
que está acessando uma determinada aplicação na Web como o número do
cartão de crédito, registros médicos ou mensagens confidenciais. O SSL serve
para administrar a segurança das páginas da Web que as pessoas enviam do
servidor seguro para o navegador da Web e de volta, tipos de trocas comuns
em formulários web.
O que se pode fazer com o SSL:

Impedir que terceiros olhem os dados do servidor e o navegador
impedindo a falsidade ideológica(fingindo ser você ou um usuário
devidamente cadastrado)

Criar um ambiente de compras online em conjunto com scripts especiais
ao lado do servidor.

Dar segurança às informações enquanto trafegam na Internet
Muitas
empresas
oferecem
sistemas
de
informações
seguras,
a
desvantagem de utilizar uma solução pronta é que ele não será flexível quanto
algo construído personalizado. Você deve avaliar bem a empresa fornecedora
desse tipo de sistema, se tem boa reputação para não ter futuros problemas.
Transação Eletrônica Segura
È um protocolo para transferências de pagamentos com cartão de
crédito criptografadas (secure electronic transactions – SET).
Os objetivos nas especificações do SET são:

Confidencialidade na informação

Integridade da informação

Autenticação da conta do consumidor

Autenticação na conta do vendedor

Interoperabilidade
O papel da certificadora pode ser assumido pelos bancos, empresas
terceiras. Tanto os clientes possuidores de cartão de crédito que desejam
realizar compras na Internet, receberão das administradoras de cartão de
crédito, das certificadoras ou dos bancos os mecanismos necessários para
realizar através do protocolo SET. O protocolo SET é um dos mais
sofisticados usos de assinatura digital.
Módulo 18: Segurança no uso da Internet
Não basta obter a última palavra em tecnologia, ou possuir os meios
mais sofisticados de rastreamento de fraudes se o usuário não seja preparado
para evitar alguns problemas de segurança. A desinformação, descuido e
ingenuidade são as características do usuário que permitem que ele esteja
vulnerável a ataques e fraudes. Deve-se esclarecer das medidas preventivas
que ele deve adotar para evitar os riscos.
As principais recomendações que devem ser passadas aos usuários
são:

Ao acessar sua conta de um banco (muitos chamam de home
banking), site de comércio eletrônico ou webmail(e-mail visto
através do navegador) nunca feche somente o navegador, utilize
o link sair ou Logout para encerrar a transação, sem esta ação o
sistema não recebeu a instrução de encerrar e alguém pode
utilizar ao entrar no navegador para acessar as informações de
sua conta;

Ao criar senhas, evite números em seqüência (tipo 1,2,3) ou
datas do seu aniversário

Na perda ou roubo de um cartão de banco, entre em contato
imediatamente com a instituição, abra um boletim de ocorrência
na delegacia, e se possível entre em contato com as lojas do
ocorrido para evitar fraudes.

Não salve em seu computador informações relacionadas a
contas bancárias, cartões de crédito ou sistemas empresariais;

Mantenha antivírus atualizado, principalmente no computador
que acessar serviços bancários;

Atualize seu sistema operacional

Cuidado com cadastro em sites desconhecidos ou sem
procedência;

Troque a sua senha de acesso periodicamente;

Não copie sua senha em papéis ou blocos de anotações,
principalmente perto do teclado;

Evite
inserir
muitos
dados
pessoais
em
sites
de
relacionamento(orkut) e comentar em salas de bate papos

Não utilize Lan Houses ou ilhas digitais para realizar transações
on-line (compras, acesso a conta em banco), muitas vezes estes
tipos de máquinas estão infectados com vírus;

Não execute aplicações de origem desconhecida;

Não abra e-mails que pedem sua senha, hoje em dia os e-mails
são tão bem feitos que contém toda a identidade visual do banco
(logomarca, cores e disposição de elementos)

Não abra e-mails de desconhecidos, e mesmo o destinatário
sendo conhecido verifique o corpo da mensagem, mensagens
em inglês com assuntos que não se tratariam nunca do
destinatário e você. Muitos vírus replicantes utilizam a caixa do
usuário infectado para proliferar a praga, avise seu amigo do
ocorrido para que ele possa cuidar do seu micro. É mais seguro
apagar o e-mail e tentar entrar em contato com o destinatário
para confirmar a mensagem;

Não abra e-mails com mensagens de atrizes ou atores nus ou
em fotos sensuais, este tipo de e-mail pejorativo atrai diversos
usuários para uma cilada.

Cuidado com e-mails sobre sorteios pedindo que forneça
informações pessoais, verifique antes de clicar na barra de status
o endereço que encaminha o link de cadastramento do sorteio;

Tome cuidado com endereços de fonte duvidosa (bate-papo)
muitos vírus são alocados em sites de hospedagem duvidosa
como endereços longos de domínio desconhecido;

Verifique a política de privacidade de sua empresa, e se for em
sua residência procure sites confiáveis para downloads, muitas
empresas bloqueiam essa ação;

Utilize navegadores mais modernos e os atualize para evitar
falhas e brechas;

Ao efetuar pagamentos em bancos certifique-se do site,
verificando o “cadeado” que aparece quando você entra numa
área de segurança do site(SSL)

Em caso de sua conta corrente, poupança, cartão de crédito
entre outras constatar um débito irregular avise a instituição
imediatamente, algumas instituições financeiras trabalham com o
perfil, em caso de compras fora do seu perfil, imediatamente elas
entram em contato confirmando a compra, mas não espere, faça
a sua parte!
Os meios de comunicação estão permanentemente divulgando dicas de
segurança aos usuários da Internet e possíveis fraudes, mantenha-se
informado.
Ameaças na Internet
As principais ameaças são:

Crackers e hackers – Não são a mesma coisa, hacker o invade
sistema pelo prazer da descoberta, porém o crackers é um
criminoso virtual através de seu conhecimento extorquindo
empresas e pessoas. Porém foi muito propagado que hacker e
cracker sejam a mesma coisa

Boatos (hoaxes) – São emails com conteúdo alarmante,
geralmente estão com nomes de empresas importantes ou
instituições de renome, são mensagens muitas vezes sem sentido
ou absurdas. Dentro deste campo estão correntes, pirâmides,
pessoas que estão para morrer entre outras histórias, além de
comprometer a credibilidade e reputação da empresa, instituição
ou pessoa referenciada. De modo geral não ocasionam
problemas de segurança, mas podem ocorrer de induzir usuários
à fornecer dados pessoais, bem como pedir para que apague um
suposto vírus, mas que na verdade é um importante arquivo do
sistema operacional, danificando o computador.

Vírus
o Cavalo de Tróia(os trojans) – É um vírus que abre a
passagem para o invasor rastrear e roubar dados do
computador.
o Worm(verme) – É um programa replicante, porém precisa
de um programa(hospedeiro) para se propagar
o Spywares, keyloggers e hijackers -
São programas
maliciosos espionam as atividades do usuário e capturam
as informações dele.
Todos os dias nascem novas ameaças e fraudes cabe a informação do
usuário(consumidor ou funcionário) para que não proliferem.
Módulo 19: Resumo
A Tecnologia da Informação tem sido intensamente utilizada pelas
organizações, não apenas para armazenamento de dados, mas como uma
poderosa ferramenta na estratégia empresarial.
O ambiente empresarial, tanto no nível nacional como mundial, tem
passado por profundas mudanças, das quais têm sido diretamente ligadas com
a TI. Essa relação engloba desde compras virtuais, reuniões online, nova
aplicações gerenciais, mudanças no relacionamento pessoal, oportunidades de
emprego através da Internet, e outras formas de atender o cliente.
Algumas das forças que têm acelerado as mudanças:

Crescimento da competição de instituições não tradicionais

Novas
tecnologias
de
informação
e
queda
nos
custos
operacionais

Quebra de barreiras de produtos e limites geográficos

Menores restrições de ordem regulamentar
Os desafios da competitividade global ocasionam uma concorrência não
mais só do bairro ou estado, mas com o país e o mundo. O cliente está no
mundo, empresas pequenas, médias e grandes num mesmo espaço a Internet.
As preferências e atitudes dos clientes mudaram. Os clientes estão
propensos a procurar por um equilíbrio do ótimo custo e as necessidades,
sendo mais rigorosos e criteriosos em suas avaliações de produtos e serviços.
Essa situação pressiona a competição entre os setores.
Essa situação de mudanças exige uma reavaliação de papeis, exigindo
também que seja considerado que os novos mercados, novos produtos,
demandas de novos clientes, e alta tecnologia.
Numa organização moderna ela deve obter:

Computadores

Software

Planejamento estratégico

Marketing

E atualização de tecnologias

Pessoas treinadas, e uma gestão correta dos recursos humanos
A tecnologia por si só não garante a lucratividade corporativa. A gestão
de pessoas é de suma importância para capacitar e gerar habilidades nos
funcionários, a política e procedimentos quanto a esta estrutura humana
resultam num ambiente dinâmico e flexível para responder a competitividade
atual.
Em particular as inovações tecnológicas:

Facilitaram o pagamento de contas, transferência bancárias,
verificação de saldo e extrato bancário entre outras;

Compramos sem sair de casa, e pagamos com cartão de crédito,
débito, cheque on line entre outras;

Testamos muitos produtos sem a obrigação de comprá-los;

Lemos notícias em tempo real;

Assistimos vídeos caseiros ou mesmo propagandas de outros
países;

Inúmeros serviços são disponibilizados pela Internet;

Nos comunicamos mais e melhor;

Temos mais possibilidades de entretenimento;

A Internet é uma biblioteca sem dimensões onde pesquisamos
uma infinidade de assuntos;
Enfim
podemos
passar
muitos
dias
enumerando
as
infinitas
possibilidades com a tecnologia.
A tecnologia está permitindo a mobilidade tanto no campo corporativo
quanto no doméstico. Quem não possui um celular que envia mensagens? Ou
mesmo viu um vendedor com um Palm enviando o pedido do cliente por meio
online? Seja na automatização das forças de vendas, seja em uma balada
correspondendo com um amigo, a mobilidade já uma realidade.
Nossa percepção do espaço e tempo vem mudando continuamente e
cada vez num ritmo mais acelerado, a força dessas mudanças geram a “era do
conhecimento”, onde quem possui o conhecimento detêm o sucesso. Mas não
só conhecimento por conhecimento, sendo extraído em banco de dados
qualquer, mas mineradas informações e relatórios consistentes que somente
bancos de dados(datawarehouses e datamining) podem ofertar.
Os canais de mídia mudaram, agora a Internet pode ser usada como
forma de propaganda e ataque ao público alvo. Porém o respeito com o
consumidor não deve ser deixado de lado, uma mídia bem planejada alcança o
público sem ferir a imagem da corporação.
A integração de fornecedores e clientes, o ambiente digital, inclui novos
conceitos e aplicações, automatizando a logística e estoque das empresas.
Mas para isso as empresas devem investir em treinamento e estrutura.
Qualquer pessoa que utilize a Tecnologia da Informação ou a
informação é um usuário final, pois certo que ele é a mola mestra para o
desenvolvimento de sistemas, mas devem estar sempre sendo treinados
independente do seu papel(funcionários, clientes, fornecedores) para o uso
correto e responsável da tecnologia. As questões éticas, o cuidado no
compartilhamento de recursos e informações contribui para a segurança das
informações trafegadas.
No campo da educação a contribuição da tecnologia gerou estudantes
virtuais, onde o professor está em outro lugar do planeta repassando seu
aprendizado aos alunos em outro lugar. Outrora alterando o discernimento do
tempo e espaço onde o professor pode não estar naquele momento em que o
aluno está na sua aula on-line. Na educação corporativa cursos são ofertados
com as características e necessidades das empresas. Em bases tecnológicas o
conhecimento pode ser disseminado para outros colaboradores através de
experiências, assegurando um diferencial competitivo.
O governo com o objetivo de reduzir custos, facilitar os serviços do
cidadão,
minimizando
a
burocracia,
burocracia
essa
que
danifica
o
desenvolvimento de uma nação e demonstrando transparência. Considerou a
possibilidade de sua entrada na Tecnologia, utilizando os recursos para
automatizar a “máquina pública”.
As empresas de uma maneira geral, têm buscado identificar cada vez
mais oportunidades de negócios. Algumas procuram identificar oportunidades
por meio das aplicações de tecnologia, outras na diversificação do negócio,
seja qual for a escolha da utilização da Tecnologia da Informação deve ser feita
de forma ordenada e planejada, buscando esforços para satisfação dos
clientes.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards