Sobra mês no fim do salário - Instituto de Economia

Propaganda



29 abr 2015
O Globo
CLARICE SPITZ clarice. [email protected] oglobo.com. br Colaboraram Elisa Clavery, Flávia Aguiar, Flávio Ilha e
Ana Paula Ribeiro
Sobra mês no fim do
salário
ZoomIndicadoresCompartilharImprimir
Renda tem queda de 2,8% nas metrópoles, a maior em 12 anos.
Desemprego vai a 6,2%
A crise econômica afetou em cheio o mercado de trabalho. Segundo o IBGE, o
desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país subiu para 6,2%, a maior taxa
para março desde 2011. A renda caiu 1,3%. Levando em conta a inflação, a perda nos
rendimentos foi de 2,8%, a maior em 12 anos. O mercado de trabalho sofreu o impacto da
crise econômica do Brasil. A renda recebida nas principais regiões metropolitanas do país
(Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Salvador e Porto Alegre) teve o maior
tombo em 12 anos: queda real de 2,8% frente a fevereiro, segundo a Pesquisa Mensal de
Emprego (PME) do IBGE. Na comparação com março do ano passado, a perda chegou a 3%.
Até em termos nominais houve queda, de 1,3%, ou seja, mesmo sem levar em conta as
perdas causadas pela inflação, os valores efetivamente recebidos em março (R$ 2.134,60
em média) foram menores do que os do mês anterior (R$ 2.196,76). Isso ocorre, por
exemplo, se a pessoa mudou de emprego e passou a receber menos. Já a queda real
acontece quando a renda cresce menos que a inflação, ou seja, o rendimento até subiu, mas
não tanto quanto os preços — o que faz com que o poder de compra fique menor.
Já o desemprego subiu pela terceira vez consecutiva e passou de 5,9%, em fevereiro,
para 6,2% no mês passado, a taxa mais alta desde maio de 2011 (6,4%). Em relação a
março de 2014, a alta foi de 1,2 ponto percentual. Para especialistas, a queda na renda e da
massa de rendimentos e a alta da taxa de desemprego confirmam a retração da economia
brasileira em 2015.
Na passagem de fevereiro para março, a queda na renda real atingiu trabalhadores com
e sem carteira assinada, quem trabalha por conta própria e até servidores públicos.
Trabalhadores do comércio, da indústria, serviços, construção, bem como de serviços
domésticos, servidores públicos e de serviços como hospedagem e alimentação tiveram
quedas expressivas no rendimento. A exceção ficou por conta do rendimento dos
trabalhadores sem carteira que subiu 2,7% em relação a março de 2014. Esse dado,
segundo o IBGE, pode estar associado à uma queda ainda mais intensa do emprego formal.
Para especialistas, o cenário econômico mais difícil, a baixa expectativa de empresários
e de consumidores, aliados à inflação alta e à dispensa de temporários típica dessa época do
ano podem estar por trás da queda na renda. O economista João Saboia, da UFRJ, chama a
atenção de que o comportamento da taxa de desemprego entre janeiro e março segue
intensidade semelhante à dos três primeiros meses de 2009, quando o país atravessava a
crise financeira internacional.
A massa de rendimentos real (soma de todos os salários) também recuou 3% em
relação a fevereiro e de 3,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. Para Saboia, é
mais um sinal de que a economia registrará mesmo uma queda neste ano.
— A queda na massa de rendimento retroalimenta a recessão econômica — afirma
Saboia. Ele pondera, no entanto, que existe uma possibilidade de recuperação no segundo
semestre, tradicionalmente mais forte para o mercado de trabalho. — Mas tudo a depender
do comportamento da inflação.
REFLEXO DA CRISE NA PETROBRAS E NAS EMPREITEIRAS
José Marcio Camargo, da Opus Gestão de Recursos e da PUC-RJ, já não prevê
recuperação este ano.
— Claramente está muito fraco e vai piorar. É uma queda enorme do PIB a esperada
(ele estima de -1,5% em 2015) isso fatalmente vai gerar um aumento do desemprego muito
forte — afirma. — Como a economia está iniciando um processo recessivo, o mais provável é
que o segundo semestre seja pior. Não acho que a inflação vai desacelerar, a inflação vai
ficar em 8,5%. A energia não vai continuar subindo tanto, mas vai demorar para
desacelerar, os serviços, nos últimos quatro anos, cresceram cerca de 8,5% — afirma.
Tanto Saboia quanto Camargo consideram “preocupante” a queda nominal dos salários,
mas ainda não sabem diagnosticar ao que ela estaria ligada.
— O salário nominal está caindo na margem, o que pode indicar algum problema
específico nos últimos dois meses, como a questão da Petrobras e das empreiteiras e ser
localizado ou indicar que a tendência é de um mercado tão fraco que já está gerando esta
queda. É difícil imaginar reajustes de salários com queda nominal. Para um resultado desses,
seria preciso uma taxa de desemprego no mínimo duas vezes maior — afirma Camargo.
Download