3) Estudo considera mata atlântica "pronto

Propaganda
3) Estudo considera mata atlântica "pronto-socorro" da
biodiversidade
REINALDO JOSÉ LOPES
Free-lance para a Folha de S.Paulo
A pressão do desmatamento sobre o mais ameaçado dos ecossistemas brasileiros
ficou menos severa, e a iniciativa privada está se envolvendo de maneira
inesperada na sua preservação.
São boas notícias surpreendentes sobre a mata atlântica, que acompanham a
segunda edição de um estudo internacional sobre as áreas com mais diversidade
biológica e mais devastadas do planeta.
O livro "Hotspots Revisitados", produzido pela organização não-governamental CI
(Conservação Internacional) e lançado hoje nos Estados Unidos, também
apresenta nove outras regiões que são prioridade absoluta para proteção
ambiental --ou "pronto-socorros da biodiversidade", como diz Russell Mittermeier,
presidente do órgão.
Com a atualização, agora são 34 "hotspots", como essas áreas são chamadas.
Duas delas ficam no Brasil: além da mata atlântica, o cerrado.
Aliás, a situação do segundo mostra que por aqui ainda não há motivos para
comemorar. "Há o risco de alcançarmos rapidamente a situação atual da mata
atlântica [apenas 7% da cobertura vegetal original] no cerrado", disse à Folha o
biólogo Ricardo Bonfim Machado, 42, diretor da CI para o cerrado.
Ao mesmo tempo, há regiões da mata atlântica que continuam sofrendo pressões
destrutivas sérias, como as florestas de araucária da região Sul e os fragmentos
que ainda resistem ao norte do rio São Francisco.
Pouca mata, muitas espécies
O conceito de "hotspots" (literalmente "pontos quentes") foi criado pelo ecólogo
inglês Norman Myers e mede não apenas a diversidade de espécies animais e
vegetais de um lugar, mas também o quão únicas --e ameaçadas-- essas espécies
são.
Para ser considerado um "hotspot", um ecossistema precisa ter pelo menos 1.500
espécies de planta endêmicas (ou seja, que só existem ali) e ter perdido pelo
menos 75% de sua cobertura vegetal. É por causa desse segundo critério que a
Amazônia não entra na atual lista de 34.
A mata atlântica está entre os "hotspots" mais ameaçados e, apesar dos sinais
animadores, o biólogo Luiz Paulo Pinto, 42, diz que há "bolsões de pressão" sobre
remanescentes importantes do ecossistema. "A mata de araucária, por exemplo,
corre sério risco de desaparecer. Só resta 3% do bioma", afirma o cientista, diretor
da CI para a mata atlântica.
Quando se leva em consideração apenas os remanescentes da floresta de
araucária em bom estado, a situação é ainda mais séria. "No Paraná, verificamos
que eles correspondem a apenas 0,8% da área original", afirma o agrônomo
Fernando Veiga, 41, coordenador de florestas e sistemas agroflorestais da ONG
The Nature Conservancy do Brasil.
Nas áreas do Nordeste acima do rio São Francisco, o problema é a ocorrência de
espécies em apenas um ou dois fragmentos --que seriam literalmente riscadas do
mapa se essas áreas fossem desmatadas. Estão nessa situação, por exemplo, 178
espécies de árvore.
Para Luiz Paulo Pinto, um dos grandes avanços nos últimos anos foi o crescimento
de RPPNs (Reservas Particulares do Patrimônio Natural) nas regiões de mata
atlântica. "Hoje temos um número expressivo, 443 reservas, o que corresponde a
60% desse tipo de área protegida no país", afirma.
No cerrado, os trechos protegidos também cresceram, mas ainda protegem
apenas uma área inferior a 2% do ecossistema, segundo Machado. "Passamos de
nada a duas vezes nada", ironiza. A maior causa de desmatamento ali é o avanço
da soja.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

Criar flashcards