Pedagogia da Amorosidade: uma poética da

Propaganda
Pedagogia da Amorosidade: uma poética da existência na figura do educador como
elemento essencial para aprendizagem
Autora: Solange Gomes da Fonseca
O artigo defende a amorosidade na aprendizagem, através do educador amigo, onde
as ações educativas possibilitam laços de amizade entre educadores e educandos. O
processo de ensino/aprendizagem não se traduz apenas como vinculo cognitivo, mas,
sobretudo, afetivo.
A educação constitui-se em prioridade para assegurar a cidadania de crianças,
adolescentes, adultos e idosos, mediante o acesso e a permanência com sucesso em
espaços educativos, traduzido por Freire (1992), como Pedagogia da Amorosidade.
O diálogo, a esperança, o respeito à autonomia e solidariedade apresentada por Freire é
antes de tudo, uma atitude perante a vida, a educação e o conhecimento.
É neste sentido, que a Pedagogia da Amorosidade, aqui apresentada nos aponta para a
reflexão sobre o carinho e o amor do educador, tendo como mediador a pratica educativa
dialógica de Paulo Freire e, nos leva há três questões que norteiam as nossas reflexões:
1) O vínculo de amorosidade e da dialogicidade ente os educadores e os educandos
proporcionam o aumento da auto-estima dos educandos;
2) As relações intersubjetivas que envolvem a afetividade fortalecendo os educandos
e educadores, laços de solidariedade, confiança, amizade e esperança;
3) Os vínculos de amorosidade estabelecidos na prática pedagógica entre educadores
e educandos interferem no ensino/aprendizagem e na motivação dos mesmos em
permanecerem nas ações educativas.
A prática educativa vivida pelos sujeitos no processo pedagógico é permeada de
afetividades como vínculos geradores de laços de solidariedade que fomentam o projeto
de vida e de educação dos educandos, assim como, o processo de humanização nos
espaços educativos e também fora deles.
Freire (1993, p.57-59), considera a amorosidade uma qualidade indispensável aos
educadores no processo de ensinar. Amorosidade que se afirma no “direito de lutar, de
denunciar e de anunciar”. Uma vez que, a amorosidade esta associada à coragem de
lutar e denunciar as injustiças sociais, a tolerância de conviver com o diferente e,
aprendendo com o diferente a respeitar o diferente e a dialogar com o diferente.
Assim, a amorosidade esta poeticamente, embutida na existência da figura do educador
como elemento essencial de todo o processo de aprendizagem, de modo facilitador.
Construindo fatores pedagógicos motivadores de aprendizagem ao contrário da
humilhação, da punição e do castigo da educação tradicional.
A maneira como nos sentimos e nos relacionamos interfere no modo como ensinamos e
no quanto aprendemos. Assim, não se pode ignorar a dimensão de amorosidade para a
melhoria do aprendizado do educando.
A aprendizagem ao longo da vida é tema presente na contemporaneidade como desafio a
educação no novo milênio. De modo que, é preciso sentir e pensar uma poética da
existência humana, na figura do educador, aqui proposta como um esboço de uma
Pedagogia da Amorosidade, como tema psicossocioeducativo.
Mesclando e fomentando novos desejos as melhorias qualitativas de aprendizagem no
constante caminhar desses educandos, esbarramos sempre a amorosidade dentro do
processo educativo.
O ato de ser educador não aprenas se resume ao simples fato de ensinar, mas, ser
educador é acender a luz que guiará os passos de um ser humano por toda sua infância,
adolescência até a fase adulta. Somente, esta luz pode guiar um ser por entre as ciladas e
adversidades, que o mundo apresenta.
Em minha opinião esta é uma profissão iluminada e, eu particularmente, devo minha
escolha ao amor, carinho e diálogo franco de alguns educadores que passaram por
minha caminhada, onde me espelhei e tracei o retrato do educador amoroso e
comprometido com a profissão. (a foto da ilustração justifica esse parágrafo).
A afinidade entre o educador e o educando acaba facilitando o ensino e melhora o
processo de aprendizagem, gerando uma amizade que dura, além do período escolar.
Cultivar amizade e ter uma relação mais próxima com os educandos é uma das formas
que o educador encontra para trabalhar os valores humanos. Sem contar que, esse
vinculo amoroso entre os laços constrói um porto seguro dentro da escola.
É necessário que haja uma consciência madura da parte do educador, onde ele perceba
que é mais que um transmissor de conhecimentos. Ele é o companheiro na caminhada de
cada educando. Pois, é ele quem mantem a motivação, propõe desafios e anima quando o
cansaço e as dificuldades aparecem; driblando com sua experiência a falta de estrutura e
materiais. Tendo sempre como meta que, mais do que ensinar, o melhor é ser um amigo.
A visão positivista o mundo, das pessoas, das idéias e da educação permanecem
enraizadas fortemente em nossa cultura ocidental, que vai fragmentando e limitando a
pessoa e supervaloriza a razão sobre a emoção.
Pensar em qualquer uma das dimensões constituídas do ser é pensar nas pessoas
humanas em sua totalidade: seres que aprendem, através das “relações plurais”, nas
trocas, nas interações entre educador/educando/contexto, que juntos vão aprendendo a
ter uma relação horizontal, afetiva, dialógica, problematizadora, reflexiva e
transformadora.
O saber do educador vai se interligando ao saber dos educandos nos processos de trocas
que vão sendo estabelecidas no decorrer da práxi educativa, através de uma relação
mediadora estabelecida com o diálogo e a amorosidade.
Somente, quando se estabelece uma relação de simpatia amorosa entre educador e
educando, aceitando-se um ao outro na sua individualidade é que se pode dizer que
existe de fato dialogo, ou seja, amor entre eles. Nessa relação amorosa e, ao mesmo
tempo, respeitosa é que se estabelece a aprendizagem, onde ambos interagem e se
complementam, por meio de uma atividade dialógica, não com as mesmas idéias e
posições, mas respeitando e enriquecendo o dialogo a partir da diversidade de
pensamentos, sentimentos, sonhos, esperanças e trajetórias que os caracterizam como
amigos.
A afetividade, a amorosidade, a amizade, a dialogicidade perpassam toda relação
pedagógica, uma vez que, sua razão de ser são seres humanos em processo de
humanização. No entanto, não há diálogo se não houver um profundo amor ao mundo e
aos homens. Não é possível a pronuncia do mundo que, é um ato de criação e recriação
se não há amor que o funda. Seno fundamento do diálogo, o amor é, também, diálogo.
Por tudo isso escrito, na Pedagogia da Amorosidade há uma poética existencial da figura
do educador, que toca a alma como dimensões humanas inseparáveis do processo
educativo, onde amorosidade, afetividade e o diálogo estão imbricados diretamente em
com o outro.
O processo educativo deve, sim, ser conduzido com rigorosidade, com competência
técnico cientifico , sem que com isso sejam banidos do processo pedagógico os laços
afetivos, interpessoais, dialógicos, pois eles precisam ser resgatados, buscando
transcender a mera transmissão mecânica e bancaria dos conhecimentos e gerar uma
aprendizagem de fato significativa e amorosa entre educador/educando que, vão se
descobrindo como seres humanos e, que estão aprendendo a ser mais na inteireza dos
seus corpos conscientes.
Neste sentido, ser um profissional afetivo e amoroso que, compreende a realidade de seus
educandos, que abraça, acolhe, dá carinho, não exime o educador de desenvolver seu
trabalho com envolvimento, competência, comprometimento, seriedade e compromisso
com as praticas educacionais.
Ao contrario, é essa amorosidade, esse “que-fazer” que vai fortalecendo e contribuindo
para que o processo de ensino/aprendizagem e, o desenvolvimento da inteligência vá
sendo enriquecedor.
Em razão, ao texto escrito do artigo apresentado é que o concluo com um ‘pensar’ na
Pedagogia da Amorosidade, numa exigência de se pensar em propósitos e desafios para
uma sociedade que desejamos construir.
É pensar numa Pedagogia da Amorosidade, como uma poética existente na figura
humana do educador e num olhar amigo do educador para uma aprendizagem com
fortes elementos essenciais, enfrentando os obstáculos, como oportunidade de construir
inéditos viáveis. E, esses inéditos viáveis podem ser construídos a partir do
comprometimento com a prática educativa, da formação continuada, das experiências
vivenciadas na escola, aonde todos vão as buscas de um mundo melhor, mais humano,
com mais amorosidade para todos, numa verdadeira construção de Paz.
O amor é uma tarefa do sujeito. Ele é uma intercomunicação intima de duas
consciências que se respeitam. Não há educação sem amor.
A partir dessa compreensão aplicada na Pedagogia da Amorosidade todos serão autores
de suas historias fundadas na autonomia, na amorosidade e na esperança, anunciando a
construção da Paz e da possibilidade de transformação do Mundo.
Referências
. ARROYO, Miguel G. Oficio de mestre: imagens e auto-imagens. 6ed. Petrópolis. Rio de
Janeiro: Vozes, 2002.
. FIGUEIREDO, João B.A. Educação Ambiental dialógica: as contribuições de Paulo
freire e a cultura sertaneja nordestina. Fortaleza: Edições UFC, 2007.
.FREIRE, Paulo Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 2ed. São Paulo:
Olho D’Água, 1993.
___Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 6ed. São Paulo:
Paz e Terra. 1997
___Educação e Mudança. 4ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
___ Educação como prática de liberdade. 22ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.
___ Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards