Terapia nutricional oral em desnutrição. Artigo de revisão

advertisement
SUPLEMENTAÇÃO NUTRICIONAL EM DESNUTRIÇÃO
A desnutrição é o estado
nutricional
em
quando
a
ocorre
depleção protéica torna-se grave,
deficiência, excesso ou desbalanço
contribuindo para Kwashiorkor e
de
seus clássicos sintomas. Alguns
energia,
nutrientes
que
significativamente
proteína
causando
e
outros
alteração
estudos
indicam
ainda,
que
a
física, tecidual, funcional e em
albumina sérica pode ser o método
resultados clínicos8. A desnutrição
mais preditivo de morte e infecção
engloba um conceito amplo que
hospitalar17,2.
vai
além
da
protéico-calórica,
O
IBRANUTRI
(Inquérito
como também a desnutrição de
Brasileiro de Avaliação Nutricional)
micronutrientes
outros
identificou 48,1% de desnutrição
que
hospitalar, sendo que em menos
dos
de
14
nutrientes .
e
Estima-se
aproximadamente
pacientes
50%
adultos
apresentem
hospitalizados
algum
desnutrição
e,
além
intervenção
nutricional
grau
20%
alguma
dos
doentes
referência
ao
houve
estado
de
nutricional. Em termos de medida
a
de peso, tampouco mais de 15%
utilizada
tiveram alguma anotação em seu
disso,
2
nesses pacientes não é a ideal . A
prontuário, seja ela referente ao
disponibilidade
de
energia,
peso da admissão, atual ou usual.
proteína
micronutrientes
Os dados obtidos pelo Inquérito
produção
de
Brasileiro de Avaliação Nutricional
mais
– IBRANUTRI foi realizado pela
abundante circulante no plasma),
Sociedade Brasileira de Nutrição
sendo que a ingestão alimentar
Parenteral e Enteral, que avaliou
insuficiente provoca uma queda de
em
até 50% na síntese hepática da
internados, em todo o Brasil, na
proteína logo nas primeiras vinte e
rede SUS18.
e
influenciam
a
albumina
(proteína
quatro horas10,11. A concentração
sérica
de
albumina
diminui
1996,
4000
doentes
A evolução da desnutrição
envolve
alterações
física,
hormonal e hematológica e até
sendo que a taxa de mortalidade e
complicações mais sérias podendo
morbidade estão mais elevadas,
chegar a óbito. A baixa ingestão
com probabilidade de infecções
alimentar
oportunistas.
incide
em
menores
Consequentemente
níveis de glicemia e aminoácidos
há alteração na cicatrização de
livres no plasma que por sua vez
feridas,
reduz a secreção insulinêmica e
cabelos e unhas despigmentados e
aumenta a produção de glucagon
quebradiços,
e
manchas
liberação
de
epinefrina.
Por
alteração
física
pele
ou
como
apresentando
com
outro lado, o cérebro continua
conjuntiva
necessitando
como
dentes com manchas, além de
fonte de energia sendo suprida
edema e outros sinais físico17,9,4.
pela gliconeogênese durante as
As alterações clínicas secundárias
primeiras 72 horas de inanição
a
aguda. Com o intuito de poupar
diferentes órgãos, criando um ciclo
proteína,
de
o
de
glicose
organismo
mobiliza
dos
palidez,
desnutrição
difícil
olhos
pálida,
podem
manejo,
afetar
aumento
do
gordura como fonte de energia e a
custo e tempo de hospitalização,
alteração
como
hormonal
contribuem
para esse quadro de redução de
tecido adiposo e perda de peso17.
também
a
piora
da
qualidade de vida desse paciente3.
Tais
alterações
se
não
A atividade hematopoiética
corrigidas a tempo, evoluem para
é reduzida neste caso devido à
uma descompensação da função
disponibilidade
aminoácidos
orgânica e pode levar o paciente
sistema
ao coma ou até ao óbito, como
afetado
revela o quadro 1.
de
circulantes.
O
imunológico
também
é
Quadro 1. Evolução da desnutrição
Situações Clínicas
A desnutrição exerce poder
considerado a segunda causa de
considerável no desenvolvimento
morte
da patologia e na evolução do
desenvolvidos e atinge cerca de 9
paciente, além de conseqüências
milhões de pessoas, de acordo
12
por
doença
em
paises
sociais e econômicas . O câncer,
com dados da OMS. A desnutrição
a síndrome da imunodeficiência
nesse paciente depende do local
adquirida e também o processo de
do
cicatrização
de
optada, dos órgãos envolvidos e
afetadas
pela
da resposta do paciente, mas que
câncer
é
em geral a incidência é entre 30 e
situações
são
clínicas
desnutrição.
O
exemplos
tumor,
do
tipo
de
terapia
50%
casos13.
dos
alimentar
A
ingestão
reduzida,
anormalidades
hormonais
metabólicas
interação
provenientes
tumor-hospedeiro
interromper
a
desnutrição
e
as
minimizar as perdas nutricionais e
e
conseqüente melhora na resposta
da
ao tratamento é a suplementação
se
oral,
além
de
ser
via
definem como caquexia do câncer,
preferencial,
a qual se caracteriza por intenso
sobretudo
mais
consumo generalizado dos tecidos
pacientes
por
corporais,
palatabilidade. A reposição diária e
com
muscular
perda
involuntária
de
peso,
balanço
negativo,
disfunção
prazerosa
ter
e,
aos
mais
em pequenos volumes de líquidos
anemia,
e minerais, como zinco e selênio,
imune
e
metabólicas,
geralmente
invasiva
e
nitrogenado
alterações
anorexia .
adiposo,
progressiva
astenia,
13
e
não
a
associadas
à
A administração de
substâncias
importantes
na
organização
polimérica
de
macromoléculas como DNA e RNA,
redução
do
estresse
antioxidantes
e
oxidativo,
melhora
da
drogas para o controle da dor
resposta imune são indicados e
potencializa
distúrbios
respaldados por pesquisas para
gastrintestinais como xerostomia,
este tipo de paciente5. A Síndrome
náuseas,
da
vômitos,
anorexia,
Imunodeficiência
Adquirida
diarréia e obstipação intestinal,
(SIDA) é outra situação clínica em
contribuindo para a rápida perda
que a desnutrição está presente.
5
de peso .
Esses
pacientes
podem
Waitzberg e Baxter (2004),
desenvolver
dois
concluíram em seu estudo que
desnutrição,
a
pacientes oncológicos apresentam
devido a ingestão ou absorção
8,1
de
insuficiente
da
Wasting Syndrome que acontece
gastrintestinal
devido uma perda de peso não
superior associa-se a um risco
intencional de 10% ou mais do
vezes
maior
desnutrição
e
doença
trato
no
a
risco
localização
1
de
modelos
de
protéico-calórica
nutrientes
e
a
aumentado em 15,7 vezes . Uma
peso corporal, seguido de quadros
excelente
de diarréia, febre e fraqueza por
alternativa
para
mais de 30 dias17. Em Bangladesh
requerimentos
foi realizado um estudo com 1621
recomendados pela RDA6.
crianças infectadas com o vírus
energéticos
A desnutrição ainda surge
HIV, utilizando suplementação de
como
zinco. O estudo observou queda
desenvolvimento
de 85% na taxa de mortalidade
decúbito e contribui para o retardo
por pneumonia e diarréia. Outro
no processo de cicatrização. O
estudo
processo se dá em três fases e
realizado
em
Beltimore
fator
de
risco
de
o
úlcera
sofre
zinco em pacientes HIV positivo e
nutricional e de outros fatores. A
pôde
resposta
fibroblástica
suplementado apresentou menos
prejudicada
pela
quadros diarréicos sem registro de
proteína
energia
níveis elevados de HIV15,16.
cicatrização
que
o
grupo
Outro estudo relevante foi
realizado
na
Nigéria
com
e
do
de
também utilizou suplementação de
observar
influência
para
estado
fica
deficiência
de
tornando
feridas
de
a
mais
lenta17. O aporte de proteínas de
340
qualidade tem sido discutido como
pacientes HIV positivo recebendo
o mais interessante para pacientes
terapia anti-retroviral potente e
com úlcera de decúbito, logo nas
escolhidos
primeiras fases (I e II), quando há
aleatoriamente
receberem
200
suplementação
mg
para
de
alteração
de
pele,
perda
de
de
selênio
epiderme e/ ou derme e até o
estudo
concluiu
surgimento de bolhas. A proteína
que os pacientes suplementados
do soro do leite vem sendo a fonte
apresentaram aumento dos níveis
protéica
de células CD4, menores quadros
casos
de infecções oportunistas, ganho
biológica e auxiliar na cicatrização
de peso e aumento dos níveis de
de
hemoglobina7.
antiinflamatória,
diariamente.
O
Além
desses
micronutrientes, estudos revelam
a importância de ingerir fórmulas
mais
por
indicada
apresentar
feridas,
nesses
atividade
atividade
imunomoduladora,
ligação
entre
19
plaquetas e outras .
hipercalóricas que irão auxiliar no
Além da proteína, alguns
ganho de peso e para atingir os
micronutrientes são fundamentais
no processo de cicatrização como
nutricional
vitamina C que auxilia na síntese
sinais de alteração da pele.
de
colágeno,
ativação
logo
nos
primeiros
dos
Além desses casos, outras
macrófagos e leucócitos na ferida,
situações clínicas surgem ou se
o zinco é essencial na síntese
agravam
protéica,
todos
replicação
celular
e
com
devem
a
desnutrição
ter
e
atenção
síntese de colágeno18. A oferta de
nutricional especial. No tabela 1,
fórmulas hipercalóricas com fontes
podemos perceber a importância
protéicas de qualidade é indicada
dos macro e micronutrientes nas
nesse
diversas situações clínicas.
caso
imprescindível
também,
a
sendo
intervenção
Tabela 1.
Proteínas
Vitamina C
Selênio
Zinco
Reduz
Câncer
significativamente a
Estimula o
Favorece a retenção
queda de cabelo, dor
apetite e a
nitrogenada.
abdominal, fraqueza,
percepção do
mal estar, flatulência
paladar.
e perda do apetite
SIDA
Fundamental na
Papel protetor
Associado o melhora
Restaura as
resposta à infecção e a
durante a
na resposta a terapia
funções dos
injúria
resposta
anti-HIV
linfócitos T
imune
Cicatrização
Potencializa a
Essencial na
Essencial na
neovascularização,
síntese de
síntese protéica,
síntese de colágeno,
colágeno, na
replicação
proliferação
ativação dos
celular e síntese
fibroblástica
macrófagos e
de colágeno
leucócitos na
ferida
Conclusão
A
deve
intervenção
ser
realizada
nutricional
casos mais extremos. Assegurar
logo
uma
nos
ingestão
de
proteínas
de
primeiros sinais de desnutrição,
qualidade,
seja
hormonal,
essenciais no processo de reversão
hematológico, imunológico entre
dos sinais de desnutrição, volume
outros.
protéico-
menor e densidade calórica maior,
calórica, de micronutrientes, aliada
via oral deve ser utilizado sempre
a ingestão deficiente agrava os
que possível.
ele
A
físico,
depleção
sinais e pode levar ao óbito, em
micronutrientes
Referências
1. Baxter, Y C e Waitzberg, D L. Custos do tratamento de pacientes recebendo
terapia nutricional: da prescrição à alta. Revista Nutrição em Pauta. Julho /
Agosto. 2004.
2. Beghetto, M G. Estado Nutricional como preditor de morte, infecção e
permanência hospitalar. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, Porto Alegre. 2007.
3. Beghetto, M G. Índice de Massa Corpórea, albumina, contagem de linfócitos,
Avaliação Subjetiva Global, antropometria do braço e perda de peso no
diagnóstico nutricional de adultos hospitalizados. Revista Brás de Nutr Cli.
2006.
4. Brinson R R e K. B. E. Hypoalbuminemia as an indicator of diarrhea
incidence in critically ill patients. Crit Care Med. 15: 506-509 p. 1987.
5. Corrêa, P H e Shibuya, E. Administração da Terapia Nutricional em Cuidados
Paliativos. Revista Brasileira de Cancerologia. 53 (3); pág. 317 – 323. 2007.
6. Jonkers, c f and Sauerwein, H P. Nutritional support in AIDS. In: ESPEN.
7. Grupo Pela Vidda/SP. Selênio como suplemento pode melhorar a resposta ao
tratamento. 16ª Conferência Internacional de AIDS. Toronto, Canadá. 2006.
8. Lochs, H et al. Introductory to the ESPEN Guidelines on Enteral Nutrition:
Terminology, Definitions and General Topics. Clinical Nutrition. (25) 180186. 2006.
9. Marchini J S. Estudo sobre as necessidades protéicas de alcoólatras crônicos.
Tese de Doutorado, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, p.1-95. 1983.
10. Ranich T, Bhathena S, et al. Protective effects of dietary phyto estrogens in
chronic renal disease. Ren. Nutr., v.11, p.183-93. 2001.
11. Rothschild M A, Oratz M, et al. Albumin Synthesis. N Engl J Med, v.286,
p.748-50. 1972.
12. Sanchez, L A. M.ª et al . Prevalencia de desnutrición en pacientes ingresados
en un hospital de rehabilitación y traumatología. Nutr. Hosp., Madrid, v.
20, n. 2, 2005.
13. Silva, M P N. Síndrome da Anorexia-caquexia em portadores de câncer.
Revista Brasileira de cancerologia. 52 (1), 59-77. 2006.
14. Sobotka, L. Bases da Nutrição Clínica. 3ª edição. 2008. Borges V C, Ferrini M
T, Waitzberg D L, Oliveira G P C, Bottoni A. Minerais. In: Waitzberg D L.
Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática clínica. São Paulo: Editora
Atheneu. 2000.
15. Tomar suplementos com zinco ajuda a m anter a saúde das crianças
infectadas pelo vírus da AIDS. Estudo publicado pela revista médica
britânica The Lancet. Disponível no site:
http://www.aids.gov.br/main.asp?View={DA56F374 -128A-40FB-B16FD08A1F5DD07B}&BrowserType=IE&LangID=pt br&params=itemID={6559407A -3698-4B72-915A157B2F812ADB};&UIPartUID={D90F22DB -05D4-4644-A8F2FAD4803C8898}
16. Zinco tem resultados positivos no tratamento de crianças com AIDS.
Disponível
no
site:
http://www.aids.gov.br/data/Pages/LUMISDA56F374ITEMID6559407A36984
B72915A157B2F812ADBPTBRIE.htm.
17. Waitzberg D L. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática clínica. São
Paulo: Editora Atheneu. 2000.
18. Waitzberg DL, Caiaffa WT, Correia MITD. Inquérito Brasileiro de Avaliação
Nutricional Hospitalar (Ibranutri). Rev Bras Nutr Clin. 1999;14(2):124-34.
19. Walzem R L, Dillard C S, et al. Whey Components: M. Llenia of evolution
createsfunctionalities from mamalian nutrition: "What we know and what we
may be over looking". Critical Reviews in Food Science.
Download