Protocolo de Hemodiluição - HC

Propaganda
Protocolo de Hemodiluição
Introdução:
Este não é um procedimento comum no Hospital de Clínicas. Poderá ser
ocasionalmente solicitado e, nestes casos, o Serviço de Hemoterapia do HCUFPR deve ser
informado, pois deverá fornecer as bolsas necessárias para a coleta e a equipe cirúrgica
deverá seguir as recomendações deste protocolo.
Justificativa:
O objetivo inicial da hemodiluição é obter sangue autólogo para repor as perdas
durante o ato operatório. Além da retransfusão, outros benefícios seriam a redução da
viscosidade e melhora do fluxo sangüíneo.
Baseia-se no fato de que podemos remover o sangue total em quantidades seguras desde
que a volemia seja mantida. Para isto utilizam-se soluções cristalódes (soro fisiológico por
exemplo) ou colóides (Dextran ou Hidroxistarch). O sangue coletado fica armazenado e
será utilizado durante a cirurgia na medida que as perdas sangüíneas aconteçam. Assim, o
sangue perdido terá uma massa eritrocitária menor do que o sangue que está sendo
transfundido assegurando um transporte de oxigênio adequado.
Vantagens:
Ausência de riscos de doenças transmissíveis por transfusão;
Ausência de riscos de reações transfusionais;
Particularmente útil nos casos de sangues raros ou com anticorpos irregulares;
Contra-indicações:
- insuficiência cardíaca descompensada
- angina pectoris instável
- estenose aórtica grave
- presença de infecção ativa
Indicações:
Tem sido usada em cirurgias cardiotorácicas, vasculares, ortopédicas, cirurgias
geral, hepática, ressecção de tumores em crianças, neurocirurgias, ginecológicas e
obstétricas. Os pacientes devem atender aos seguintes critérios- perda sangüínea prevista de aproximadamente 1000 a 2000 ml;
- hemoglobina > 12 g/dl;
- ausência de doença cardíaca coronariana;
- ausência de doença pulmonar restritiva ou obstrutiva;
- ausência de doença renal;
- ausência de hipertensão grave ou cirrose hepática;
- ausência de deficiência de fatores de coagulação.
Técnica:
É iniciada logo no começo ou na indução da anestesia. As bolsas devem ser
rotuladas corretamente e numeradas seqüencialmente. Devem ficar no centro cirúrgico
durante todo o transcorrer do ato. Podem ser utilizadas no paciente em até 24 horas se
armazenadas entre 4±2 C ou por até 8 horas se mantidas entre 20±2 C.
A reposição de volume é simultânea à retirada obedecendo ao cálculo de 3 ml de
cristalóide para cada 1 ml de sangue ou 1 ml de colóide para para cada 1 ml de sangue.
A quantidade de sangue que pode ser removida segue a fórmula:
Volume = volemia X (VG inicial – VG desejado)
Média do VG inicia + desejado
Volemia = peso X 70 para adultos
peso X 80 para crianças
A hemoglobina não deve ficar abaixo de 9 g/dl ou VG 27%.
O volume não deve exceder 40% da volemia.
Reposição:
Pode-se iniciar a reposição assim que for observado sangramento excessivo. A
última bolsa coletada será a primeira a ser transfundida daí a importância das bolsas
terem uma numeração seqüencial.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards