Objetivo Geral

Propaganda
______________________________________________________________
ROSEMEIRE CANCELIERE CARDOSO
PROMOÇÃO EM SAÚDE BUCAL PARA GESTANTES NA
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO DISTRITO
DE CULTURAMA, NO MUNICÍPIO DE FÁTIMA DO SULMS
______________________________________________________________
FÁTIMA DO SUL
2011
______________________________________________________________
ROSEMEIRE CANCELIERE CARDOSO
PROMOÇÃO EM SAÚDE BUCAL PARA GESTANTES NA
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO DISTRITO
DE CULTURAMA, NO MUNICÍPIO DE FÁTIMA DO SULMS
Projeto de Intervenção apresentado à
Universidade Federal de Mato Grosso do
Sul, como requisito para conclusão do
curso de Pós Graduação em nível de
especialização em Atenção Básica em
Saúde da Família, sob a orientação da
Enfª. Dra. Érika Kaneta.
______________________________________________________________
FÁTIMA DO SUL
2011
RESUMO
A promoção em saúde bucal deve estar inserida não só apenas na prática da
técnica odontológica, mas também se integrando com todos os outros segmentos da
equipe, procurando não ficar limitada apenas com a preocupação da ausência dos
problemas bucais, devendo compreender a saúde como um conjunto de fatores que
proporcionem bem-estar físico, mental e social.
O presente trabalho tem o objetivo de implantar um projeto de intervenção, com
o foco em promoção em saúde bucal voltado para as gestantes, sendo realizado na ESF
de Culturama distrito do município de Fátima do Sul - MS, e realizar assistência
odontológica à gestante com foco nos aspectos da promoção de saúde bucal, identificar
mitos e verdades sobre o tratamento odontológico durante a gestação, abordando
também temas sobre bons hábitos alimentares, higiene oral e escovação. A metodologia
utilizada foi, projeto de intervenção descritiva, utilizando conversa em roda, seguida por
apresentação de slides.
Os resultados observados foram satisfatórios no sentido de conscientização das
gestantes, frente aos aspectos clínico do projeto, tendo como foco principal a promoção
em saúde bucal. Este projeto se desenvolveu através das conversas de roda, seguidas
pela apresentação dos slides, sempre buscando esclarecer todas as dúvidas pertinentes
ao tratamento odontológico durante a gestação.
Sabemos hoje que a qualidade dos serviços prestados durante a gravidez possui
grande influência sobre a saúde materno-infantil. Considerando que por meio de ações
de educação em saúde bucal, desenvolvidas no pré-natal, a mulher poderá se
conscientizar da importância de seu papel na aquisição e manutenção de hábitos
positivos de saúde bucal no meio familiar e atuar como agente multiplicador de
informações preventivas e de promoção de saúde.
Palavras-Chave: GESTANTE - SAÚDE BUCAL - PROMOÇÃO DE SAÚDE.
LISTA DE ABREVIATURAS
ACS: Agente Comunitário de Saúde
CEABSF: Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família
CNSB: Conferência Nacional de Saúde Bucal
ESB: Equipe de Saúde Bucal
ESF: Estratégia de Saúde da Família
IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
MS: Ministério da Saúde
NOB: Norma Operacional Básica
PSF: Programa de Saúde da Família
PACS: Programa de Agentes Comunitários de Saúde
PAB: Piso da Atenção Básica
SUS: Sistema Único de Saúde
SIAB: Sistema de Informação da atenção Básica
USB: Unidade de Saúde Básica
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ................................................................................................................ 6
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ......................................................................................... 9
Caracterização do Ambiente ....................................................................................... 11
Faixa Etária da População .......................................................................................... 12
Estrutura Física e Descrição da Unidade .................................................................... 12
Recursos Humanos ..................................................................................................... 12
Condição Referida: ..................................................................................................... 13
OBJETIVOS ................................................................................................................... 14
Objetivo Geral ............................................................................................................ 14
Objetivos Específicos ................................................................................................. 14
METODOLOGIA........................................................................................................... 15
Tipo de estudo ............................................................................................................ 15
Público alvo ................................................................................................................ 15
Local ........................................................................................................................... 15
Aspectos éticos ........................................................................................................... 15
Materiais e métodos .................................................................................................... 16
Identificando o problema ............................................................................................ 16
Plano de ação .............................................................................................................. 16
Cronograma ................................................................................................................ 17
Resultados esperados .................................................................................................. 17
Como mobilizar a equipe ............................................................................................ 17
Como mobilizar a comunidade ................................................................................... 17
RESULTADOS E DISCUSSÃO ................................................................................... 18
PROPOSTAS PARA MELHOR ACEITAÇÃO PELAS GESTANTES ....................... 20
CONSIDERAÇÕES FINAIS ......................................................................................... 21
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ........................................................................... 22
ANEXOS ........................................................................................................................ 25
Anexo 01 – Termo de autorização de uso de imagem e depoimentos ....................... 25
6
INTRODUÇÃO
A promoção de saúde bucal é uma interface entre saúde e sociedade, uma vez
que melhorar a condições da saúde bucal implica, necessariamente, o envolvimento
ativo do profissional e do governo em estratégias de promoção de saúde bucal e
prevenção das doenças, com ética e responsabilidades, através do desenvolvimento de
ações destinadas às necessidades da população. (PINTO, 2000).
O Programa Saúde da Família (PSF), que em meados de 2004, passou a ser
chamado de Estratégia de Saúde da Família (ESF), estruturou uma nova lógica no
modelo de atenção à saúde bucal, baseando-se em uma política nacional de
humanização, onde a sua implantação está direcionada ao acolhimento, e no
comprometimento pactuado pelo profissional com o usuário. A interdisciplinaridade
tem como permanente forma de comunicação horizontal da equipe, todos os sujeitos
protagonistas envolvidos na promoção de saúde, tendo como objetivo proporcionar ao
indivíduo todo o apoio necessário ao desempenho de suas responsabilidades, sem,
entretanto jamais tentar substitui-las. (WELGATCH, SAMALEA; 2008).
No decorrer dos anos, a ESF vem se fortalecendo, tendo como foco principal a
educação em saúde e criando condições para a melhoria principalmente em relação à
assistência pré-natal, tendo como meta o fortalecimento do vínculo entre a gestante, a
família e o profissional.
De acordo com MOYSÉS et AL pg20. (2008):
A luta pela efetivação de um modelo de atenção à saúde bucal mais universal e
equânime; é, antes de qualquer coisa, um imperativo ético. Os trabalhadores de
saúde, incluindo saúde bucal, têm no âmbito da micropolítica, o compromisso
diário de compensar as iniqüidades em seu território, e, no campo da macro
política, exercer seu papel de ator social relevante, com exercício da cidadania
em todas as suas formas de expressão.
A promoção da saúde bucal está inserida em um conceito mais aberto e amplo
de saúde, transcendendo a dimensão apenas técnica da prática odontológica, integrada
às demais práticas de saúde coletiva. As ações de promoção e proteção à saúde visam
reduzir os vários fatores de risco, que ameaçam à saúde das pessoas, podendo gerar
incapacidade e doenças. (BRASIL, 2004).
O Relatório da I Conferência Nacional de Saúde Bucal (CNSB), realizada em
1986, enfatiza a saúde como direito de todos e dever do Estado, afirmando a saúde
7
bucal como parte integrante e inseparável da saúde geral do indivíduo, diretamente
relacionada às condições de alimentação, moradia, trabalho, renda, meio ambiente,
transporte, lazer, liberdade, acesso e posse da terra, acesso aos serviços de saúde e à
informação. (BRASIL, 1986).
Apesar das vigentes políticas públicas de saúde bucal, a assistência odontológica
à gestante precisa ser institucionalizada com as consultas atreladas às do pré-natal
médico, para acabarem com a exclusão, as dificuldades de acesso e a falta de
oportunidade de tratamento, que esse grupo de pacientes enfrenta nos serviços públicos.
Sendo assim, a atenção odontológica à gestante se refletirá em benefícios para o bebê e
sua família, promovendo uma melhor qualidade de vida para todos.
O conceito do que é saúde, não se encontra limitado apenas à ausência de
doença, ou enfermidade, mas deve ser compreendido como um conjunto de fatores que
proporcionem o bem-estar físico, mental e social, conforme citado pela Organização
Mundial de Saúde.
A gestação é um período em que o organismo da mulher sofre uma série de
transformações, que têm como objetivo desenvolver o feto e preparar o corpo da
gestante para o parto e amamentação (TARSITANO, ROLLINGS; 1993). Estas
transformações vão atuar sobre todo o organismo, inclusive sobre a cavidade bucal. No
entanto, é importante ressaltar que as alterações bucais ocorridas na gestação estão
cercadas de mitos populares, que devem ser esclarecidos. Existem algumas alterações
geralmente associadas à gravidez, como afecções periodontais e a cárie dentária
(TARSITANO, ROLLINGS; 1993; SINGLE, 1997; MILLER, 1995; ANDRADE,
1999).
Toda gestante deve ser orientada sobre a possibilidade de receber atenção em
saúde bucal. Para tanto é fundamental a integração da equipe de saúde bucal com a
equipe, multiprofissional da unidade de saúde principalmente com os médicos,
enfermeiros, auxiliares de enfermagem, recepção da unidade e agentes comunitários de
saúde. Os grupos educativos na comunidade também deverão ser fonte de captação das
gestantes. (SÃO PAULO, 2007).
Portanto, diante do cenário que nos foi apresentado durante as consultas
odontológicas, na Estratégia de Saúde da Família de Culturama, observou-se uma
incidência muito alta de gestantes com alterações gengivais e processos de cárie em
estágio muitas vezes avançado. Diante deste quadro, constatamos a importância de se
8
realizar um projeto voltado para a promoção em saúde bucal, visto a importância que
este momento representa na vida da mulher.
9
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
A Atenção Básica constitui um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual
ou coletivo, que abrange a promoção e proteção da saúde, a prevenção de agravos, o
diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde, situadas no primeiro
nível de atenção do sistema de saúde. É desenvolvida por meio do exercício de práticas
gerenciais e sanitárias democráticas e participativas, sob forma de trabalho em equipe,
dirigidas às populações de territórios bem delimitados, pelas quais assume a
responsabilidade sanitária, considerando a dinamicidade existente no território em que
vivem essas populações. (BRASIL, 2006).
O Programa de Saúde da Família (PSF) foi iniciado oficialmente no Brasil em
1994, após a avaliação dos resultados do Programa de Agentes Comunitárias de Saúde
(PACS), iniciado em 1991. O PSF surgiu como uma proposta de reorganização da
prática da atenção à saúde em novas bases, substituindo o modelo tradicional e levando
a saúde para mais perto das famílias. A estratégia do PSF compreende em ações de
prevenção, promoção e recuperação da saúde e bem estar da população, de forma
integral e contínua (BRASIL, 2001).
Fundamental à organização da atenção básica do SUS, a estratégia de Saúde da
Família foi criada em 1994 e normatizada pela Norma Operacional Básica do SUS de
1996 – NOB/SUS-96, que definiu suas formas de financiamento, incluindo-a no Piso da
Atenção Básica – PAB. É, pois, uma estratégia do SUS (Sistema Único de Saúde),
devendo estar em consonância com seus princípios e diretrizes. O território e a
população adstrita, o trabalho em equipe e a intersetorialidade constituem eixos
fundamentais de sua concepção, e as visitas domiciliares, uma de suas principais
estratégias, objetivando ampliar o acesso aos serviços e criar vínculos com a população.
A compreensão desses aspectos é fundamental para a discussão do processo de trabalho
em saúde, dos processos de gestão, de educação permanente/continuada e de avaliação
de serviços. (BRASIL, 2004).
O Programa de Saúde da Família (PSF) consolidou a inclusão das equipes de
Saúde Bucal (ESB), em dezembro de 2000, pela portaria n.º1444, estabelecido pelo
Ministério da Saúde, através de incentivos financeiros, reorganizando desta maneira
através deste programa, a atenção à saúde nos municípios. (BRASIL, 2001).
10
O período da gravidez constitui um momento de transformações na vida da
mulher, pois, além das alterações físicas e fisiológicas, são observadas também
mudanças no estado emocional. Neste período, desenvolvem-se certas condições de
saúde complexas que precisam ser conhecidas pelo cirurgião-dentista, a fim de que,
como membro de uma equipe-multidisciplinar, possa orientar corretamente a gestante
em relação a seu estado de saúde geral. (MEDEIROS et al, 2000).
As gestantes são consideradas pacientes especiais por ser um grupo de risco para
doenças bucais, devido ao fato de terem alterações físicas, biológicas e hormonais que
influenciam na resposta das doenças periodontais. (FILHO et al, 2006 e MOIMAZ et al,
2007). Com a diminuição fisiológica do estômago devido à pressão que ocorre na
barriga faz com que a gestante passe a ingerir alimentos em menores quantidades, mas
com maior frequência, o que pode aumentar o risco a cárie dentária durante a gestação
(FILHO et al, 2006).
Com tudo isso, é importante que a gestante receba apoio e informações através
da equipes de pré-natal do PSF, proporcionando um bem estar na hora do parto e
futuramente o crescimento e desenvolvimento da criança. (COSTA et al, 2002).
Crenças populares de que tratamento odontológico durante a gravidez pode
causar problemas para a saúde da gestante e do bebê, podendo ocorrer algumas
percepções como perigo de hemorragia, riscos ao tomar a anestesia dental, acabam por
dificultar o tratamento odontológico durante a gravidez. (ARAÚJO et al, 2005, citado
por ROSA et al, 2007).
Sendo assim, a gestante pode ser considerada uma paciente com risco
temporário, maior que o normal para desenvolver complicações periodontais agravando
o estado nutricional da criança podendo da à luz a crianças prematuras e de baixo peso.
Faz parte do trabalho educativo de conscientização das gestantes a importância de
desenvolver hábitos bucais saudáveis, uma alimentação equilibrada e a necessidade do
acompanhamento pelo dentista durante a gestação, fornecendo ferramentas necessárias,
para que esses indivíduos possam manter uma rotina que lhes propicie qualidade de vida
e bem estar (SILVA et al, 2009).
Segundo os dados atuais Políticas Públicas de Saúde, a promoção de saúde bucal
é a nova proposta dos cirurgiões dentistas integrados à estratégia da saúde da família,
trabalhar com pacientes doentes, mas principalmente com pessoas saudáveis, a fim de
orientá-las e educá-las quanto à prevenção (SILVA et al, 2009).
11
A partir de então, tem se dato um destaque maior à presença do cirurgião
dentista no acompanhamento da saúde família, em paralelo no período pré-natal. Em
virtude da sintomatologia clínica a oral, que, por ventura, venha a ser relatada pelas
pacientes durante a gravidez, ocorre uma troca de conhecimentos entre os participantes
da equipe multidisciplinares, prevenindo os aparecimentos de possíveis problemas
existentes (CATARIN et al, 2008).
Caracterização do Ambiente
Perfil da área e da população e Dados socioeconômicos
O Município de Fátima do Sul possui uma área de 315 Km² (0,09% do Estado),
distante a 232 km da capital, localizado no centro Sul do estado a uma altitude média e
353m, tendo dentro dos seus limites os distritos de Culturama e Novo Planalto. Com
uma população estimada em 19.333 habitantes segundo IBGE, 2010.
As micro-áreas que o nosso ESF abrange, não são muito habitadas, a população
na sua maioria é considerada de baixa renda; mesmo assim na sua grande maioria as
casas são de alvenaria ou madeira sendo que no município a rede de esgoto é incipiente,
a fossa negra é o sistema usado.
O abastecimento de água no distrito é quase 100% fornecida por rede sendo que
a mesma é clorada; já o micro regiões ditas realmente rurais, o abastecimento é feito por
poços sendo 93% não tratada.
O lixo é coletado pela coleta publica, no distrito, na zona rural quase a totalidade
jogada em buracos e depois queimada.
Em nosso distrito não tem uma associação de bairro, entretanto temos creches
bem estruturadas, em escola de ensino fundamental e médio, sendo elas estaduais e
municipais. Temos também, várias congregações religiosas, entre elas, cristãs e
protestantes, como também mercados e bares.
O lixo é coletado pela coleta publica, no distrito, na zona rural quase a totalidade
jogada em buracos e depois queimada.
Temos todos os problemas relacionados a uma pequena comunidade, sendo o
desemprego evasão escolar falta de oportunidade de crescimento profissional, mas os
problemas relacionados à saúde ainda é um dos mais citados pela população.
12
Faixa Etária da População
Pelo último levantamento do SIAB (ano 2010) o número de pessoas do sexo
masculino (2999) e feminino (2804) é quase igual. Sendo que a maioria da população
esta na faixa etária de 20 a 39 anos. Os jovens na sua maioria completaram o ensino
médio, mas a evasão escolar é grande entre pessoas de 15 anos para frente
principalmente na área rural.
Estrutura Física e Descrição da Unidade
A nossa unidade de saúde tem uma estrutura física nova, já que foi recentemente
inaugurada, mas não cumpre seu papel, pois é pequena para suas funções não tem salas
apropriadas, somente a do medico e dentista (assim mesmo bem pequenas) foram feitas
especificamente para isso, ficando a equipe de enfermagem com auxiliares e agentes de
saúde sem um local adequado para se reunirem. A demanda por medico é maior que
para o dentista, já que o mesmo só atende três vezes por semana na unidade de saúde e o
dentista atende todos os dias.
Em nossa unidade temos sala de vacina, sala odontológica, recepção, sala de préconsulta e inalação, sala de espera, consultório médico com banheiro, sala curativo, sala
de lavagem de materiais, sala de esterilização, cozinha, banheiro feminino e masculino
para paciente e funcionário, estacionamento e pátio.
Recursos Humanos
No ESF de Culturama, que vem a ser um distrito do município de Fátima do sul
/MS, o atendimento por ESF foi implantado há vários anos. De inicio somente faziam
parte a equipe médica, não tendo a equipe Odontológica, que se integrou no ano de
2006, sendo este composto por Dentista e auxiliar.
No PSF de Culturama existe oito micro regiões, todas consideradas rurais. Ainda
que Culturama tenha uma população que apresenta em torno de quatro mil e quinhentos
(4.500) habitantes segundo ultimo censo (IBGE). Sendo que quatro equipes atuam no
Distrito de Culturama e quatro efetivamente na zona rural. Temos cada área (micro
região) coberta e acompanhada por um agente de saúde que faz a ponte entre a
população e os integrantes das ESF.
13
Por ser uma localidade essencial agrícola as pessoas em modo geral tem baixo
poder aquisitivo e o PSF é o lugar de procura para o atendimento, seja ele Médico,
Dentista e ambulatorial.
Condição Referida:
No momento a ESF possui 12 gestantes, sendo 50% menores de 20 anos e 50%
maiores de 20 anos. Porém o número de gestantes que não planejaram a gestação é alto.
O que pode ser um ponto negativo, por ser falha no planejamento familiar. Neste item
também possui outro ponto negativo que é a gravidez precoce, em jovens menores de 20
anos o que indica falta de orientação. (SIAB, 2010)
O tratamento odontológico têm se tornado um fator de suma importância durante
o pré-natal, prevenindo inúmeros problemas relacionados à gestação.
Como existem vários mitos e restrições imposta durante muito tempo, fatores
psicológicos como emotividade, medo e crenças transmitidos através de várias gerações,
interferem negativamente nas resoluções das necessidades odontológicas, muitas delas
emergenciais e, portanto, com indicação para se realizar uma intervenção imediata, o
que afirma CODATO LAB, NAKAMA L, MELCHIOR R. Percepções odontológicas durante de
gestantes sobre atenção a gravidez. Ciênc. Saúde Coletiva, 2008; 13(3): 1075-1080.
É de suma importância que o profissional da área odontológica derrube
definitivamente estas barreiras, mostrando todos os benefícios que uma mãe pode
usufruir realizando os tratamentos indicado e sob total supervisão e segurança que a
odontologia oferece. Esperamos com tudo isto, contribuirmos para a promoção e
organização dos serviços de atenção à saúde, durante a gestação.
14
OBJETIVOS
Objetivo Geral
Realizar promoção com foco na educação para saúde em relação ao grupo de
gestantes na Estratégia de Saúde da Família do distrito de Culturama, no Município de
Fátima do Sul.
Objetivos Específicos

Realizar exame clínico bucal e anamnese com objetivo de identificar as
alterações bucais das gestantes.

Promover ações em educação da saúde bucal, abordando temas como: bons
hábitos alimentares, higiene e escovação;

Realizar assistência odontológica à gestante com foco nos aspectos da promoção
de saúde bucal;

Identificar mitos e verdades à gestante, enfatizando a importância de se manter
uma boa saúde bucal.
15
METODOLOGIA
Tipo de estudo
Projeto de Intervenção Descritivo
Projeto de intervenção é uma atividade organizada para resolver um problema
identificado. Projetos são construídos para resolver problemas, ele tem a função de
transformar uma ideia em ação. O objetivo é definido a partir do diagnóstico de um
problema, e, a seguir são definidos os passos para se solucionar o problema
identificado. Os projetos são finitos, ou seja, quando é resolvido o problema ele deixa
de existir. (CEABSF, 2010).
Este projeto de intervenção tem como característica o estudo descritivo, que
procurou promover um trabalho voltado para as gestantes, na ESF de Culturama,
esperando com isto, contribuir para a promoção e organização dos serviços de atenção e
promoção à saúde materno-infantil.
Público alvo
Gestantes cadastradas na ESF de Culturama e equipe multidisciplinar, composta
por odontólogo (a), auxiliar de consultório odontológico e agentes de saúde, enfermeira
e psicóloga.
Local
As reuniões serão realizadas na ESF de Culturama, no município de Fátima do
Sul/MS.
Aspectos éticos
Todos os sujeitos da pesquisa foram orientados previamente sobre o Projeto de
Intervenção, e consentiram aprovando a participação e utilização de imagens, através de
assinatura de um termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Anexo 01), de acordo
com a resolução do Conselho Nacional de Saúde-Resolução 196/96.
16
Materiais e métodos
O campo de pesquisa escolhido inclui as Estratégias de Saúde da Família (ESF),
de Culturama vinculadas ao sistema único de saúde (SUS) do município de Fátima do
Sul, Estado de Mato Grosso do Sul.
Essa pesquisa caracteriza-se como um estudo descritivo, sendo um projeto de
intervenção, que procurou promover um trabalho na ESF voltado para as gestantes,
esperando com isso contribuir para a promoção e organização dos serviços de atenção à
saúde durante a gestação.
A evolução dos tratamentos das gestantes será analisada no período de março a
agosto de 2011, com a participação de 12 (doze) gestantes com a idade de 15 a 40 anos
que se encontrava em atendimento pré-natal.
Identificando o problema
Falta de um projeto odontológico específico para as gestantes.
Propostas de resolução para o problema
Realizar junto á equipe, um trabalho especial para as gestantes, onde faremos o
atendimento odontológico junto ao médico, isto é, a gestante passará por sua consulta
médica e dentista no mesmo dia. Sendo assim considerado pré-natal medico e
odontológico.
Plano de ação
Realizar um encontro direcionado para as futuras mamães, explicando-lhes sobre
a importância de se realizar o tratamento dentário, desmistificando o velho conceito
popular de que grávida não pode ir ao dentista.
Próximo passo convidá-las a realizar um exame clínico bucal, para avaliarmos a
sua saúde dental, do periodonto e mucosas. Caso haja necessidade, iniciar o seu
tratamento.
17
Cronograma
As gestantes terão atendimento preferencial, todas as quartas-feiras, no período
matutino, isto se dará, devido a sua consulta médica ser feita no mesmo dia e período.
Resultados esperados
Esperamos que, todas as gestantes tenham acesso ao tratamento dentário, e
iremos avaliar o sucesso deste projeto, através do número de tratamentos iniciados e
terminados, dando-se a alta da paciente.
Como mobilizar a equipe
A mobilização da equipe se dará a partir do médico confirmando a importância
do tratamento odontológico durante a gestação, do enfermeiro que é sempre o primeiro
profissional a ter contato com a paciente quando a mesma vai fazer seu cartão de
gestante é nesse momento que a paciente tem sua consulta de pré-natal medico
agendada devendo também agendar o pré-natal odontológico. Neste momento os
agentes de saúde serão motivados a incentivar as pacientes dando suporte para que o
projeto seja implantado com sucesso.
Como mobilizar a comunidade
Através dos agentes de saúde, que formam o elo entre comunidade e Unidade de
Saúde.
18
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Segue abaixo a descrição pormenorizada das atividades que foram realizadas a
partir das propostas.
As nossas reuniões são atreladas às consultas do pré–natal médico, que atende
todas as quartas-feiras, sendo quinzenal, no período matutino.
Primeiro passo: Primeira reunião – Apresentação do projeto
O projeto foi apresentado primeiro em reunião com a enfermeira da unidade
onde também foi pedida a sua participação.
Nesta reunião também compareceu a psicóloga da unidade que também se
interessou pela proposta e juntas eu a enfermeira e a psicóloga, marcamos uma reunião
com as gestantes.
Segundo passo: Primeiro encontro - ocorreu um primeiro encontro com as
gestantes do distrito onde a enfermeira conversou com as mesmas sobre assuntos
relacionados com gravidez e o porquê daquele encontro, a psicóloga também falou.
Por ultimo falei com elas sobre vários assuntos ligados a odontologia
relacionada com a gravidez, abordando seus medos mitos e receios relacionados com os
tratamentos odontológicos. A dificuldade que tive neste primeiro encontro foi à falta de
participação das gestantes, mesmo tendo deixado em aberto o espaço para
esclarecimento de possíveis dúvidas e também na ultima hora ,quando fui montar o
retro projetor o mesmo não funcionou e tive que improvisar sem imagem ,então, pensei
em modificar a forma de abordagem nas próximas reuniões, iniciando, por uma roda de
conversa, para identificar as principais dúvidas e receios em relação ao tratamento
odontológico durante a gestação.
Terceiro passo: ficou agendado para que as mesmas fossem atendidas
individualmente para um exame bucal e esclarecer alguma dúvida.
Figura 01 e 02 - Primeira reunião no ESF de Culturama, com a participação de cinco gestantes, enfermeira e a
psicóloga.
19
Figura 04 e 05: Exame e atendimento clínico odontológico em gestante
20
PROPOSTAS PARA MELHOR ACEITAÇÃO PELAS GESTANTES
A proposta de um pré- natal odontológico deve ser levado em frente, visto a falta
de aceitação pelas gestantes por medo ou mesmo falta de conhecimento. Esse projeto
será revisto e deverá conter mudanças para ser adaptada a realidade do publico alvo de
nossa ESF, umas das mudanças poderá ser uma visita domiciliar feita a gestante antes
de se fazer uma reunião já que o numero de gestantes da ESF não é tão grande e as
visitas são viáveis como início de projeto para o pré-natal odontológico.
Essas visitas realizadas pela equipe odontológica da unidade, dentista e seu
auxiliar, poderá também contar com a equipe medica que terá uma participação decisiva
na orientação quanto a duvidas das gestantes, pois elas demonstram ter maior confiança
em seus médicos, sendo mais um nó a ser desfeito, criar vínculos de confiança com a
paciente.
Também se faz necessário o planejamento familiar para que essa clientela seja
atendida antes da gravidez para que esses tipos de problemas (dor de dente) não se
intensifiquem durante a gravidez.
Figura 06 e 07: visita domiciliar pela equipe odontológica
21
CONSIDERAÇÕES FINAIS
As gestantes não precisam ter medo de fazer o tratamento dentário. Há um
período na gestação que é seguro, que vai do quarto ao sexto mês.
A futura mamãe não deve ter nenhum foco de infecção na boca, para que se
evite passar o microrganismo para o filho.
O procedimento correto a ser tomado pela futura mamãe seria realizar um checkup dentário, mas caso a gravidez não tenha sido planejada o melhor a fazer é tentar
amenizar qualquer problema. Neste caso o Cirurgião Dentista e o Médico trabalham em
conjunto, para evitar danos à saúde da mãe e do bebê. Sendo todo esse Aspecto
informado a gestante e esclarecido as duvidas, esperei que elas comparecessem a
primeira consulta odontológica, isso não ocorreu, só foram feitos três exames clinico
num total de dez gestantes sendo uma efetivamente realizou algum tipo de
procedimento.
As pacientes que foram examinadas apresentavam: cárie, gengivite, tártaro,
dentes com extração indicada, ou seja, a saúde bucal apresentava problemas que
deveriam ter sido corrigidos antes da gravidez sendo que agora será feito o melhor para
minimizar os danos.
Quando foi marcada uma nova reunião a mesma não deu certo por não ter tido o
comparecimento de nenhuma gestante.
Ainda não se consegui implantar efetivamente um atendimento odontológico
para as gestantes do distrito de Culturama.
Tenho observado que as gestantes ainda têm muito receio e duvidas sobre
atendimento odontológico e que não gosta de fazer perguntas, as mesmas me procuram
sozinha para tirar as suas duvidas.
22
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANDRADE, E.D. Terapêutica Medicamentosa em Odontologia. São Paulo: Artes
Médicas, 1999.
ARAÚJO, I.C; HORTA, J.V; ARAGÃO, A.M. V, REIS, M.F; N.F; Condições de
Saúde bucal das gestantes atendidas em instituições de saúde do bairro Guamá, no
município de Belém, 2005.
BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTIVA - IBGE,
2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acessado em: 26 de abril de 2011.
______. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Saúde Bucal/Ministério da Saúde, Secretária de Atenção à Saúde,
Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. p.92 (Série A.
Normas e Manuais Técnicos) (Caderno de Atenção Básica; 17).
______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações
Programáticas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios
e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
______. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Diretrizes da Política Nacional de
Saúde
Bucal.
Brasília:
Ministério
da
Saúde,
2004.
Disponível
em:
http://conselho.saude.gov.br/web_comissoes/cisb/doc/politica_nacional.pdf
______. Ministério da Saúde. Reorganização das Ações de Saúde Bucal na Atenção
Básica-Portaria de Normas e Diretrizes. Portaria n. 267. Diário Oficial da União,
2001.
23
______. Ministério da Saúde. Coordenação de Saúde Bucal. 8ª Conferência Nacional
de Saúde. 1ª Conferência Nacional de Saúde Bucal. Relatório Final. Brasília:
Ministério da Saúde, 1986.
CATARIN, R.F. Z; ANDRADE, S.M; IWAKURA, M.L.H. Conhecimentos, práticas e
acesso a atenção à saúde bucal durante a gravidez. Revista Espaço para a Saúde,
Londrina, v.10, n.1, p.16-24, dezembro, 2008.
CEABSF – Curso de Especialização em Atenção Básica da Família. Colegiado Gestor.
2010.
COSTA I.C. C; Saliba O; Moreira A.S. P; Atenção odontológica à gestante na
concepção médico-dentista-paciente: representações sociais dessa interação.
Revista Pós-Graduação. v.9, n.3, p. 232-243, julho/setembro, 2002.
FILHO, A.D. S; Júnior, G.A.P. A Saúde Bucal. Caderno de Atenção Básica, n.17,
2006.
Medeiros UV, Zevallos EFP, Rosiangela K. Promoção da saúde bucal da gestante:
garantia de sucesso no futuro. Rev. Cient. do CRO-RJ 2000; 2:47-57.
MILLER, M. C. The pregnant dental patient. J Can Dent Assoc., v.23, p. 63-70,
1995.
MOIMAZ, S.A. S; ROCHA, N.B; SALIBA, O; GARBIN, C.A.S. O acesso de
gestantes ao tratamento odontológico. Revista de Odontologia da Universidade
Cidade de São Paulo, v.19, n. 01, p. 39-45, janeiro/abril, 2007.
MOYSÉS ST, KRIGER L, MOYSÉS SJ. Saúde Bucal das Famílias. Trabalhando
com evidências. São Paulo; Editora Artes Médicas; 2008.
PINTO V.G. Saúde bucal coletiva. São Paulo: Santos; 2000.
ROSA, P.C; ISER, P.M B; ROSA, M.A. C; SLAVUTZKY, S.M.B. Indicadores de
saúde bucal de gestantes vinculadas ao programa de pré-natal em duas unidades
24
básicas de saúde em Porto Alegre/RS. Arquivos em Odontologia. v. 43, n.01, p.36-43,
janeiro/março, 2007.
SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Saúde. São Paulo: Nascendo e Crescendo com
Saúde Bucal-atenção à saúde bucal da gestante e da criança. SP, Abril, 2007.
SILVA. M.V, MARTELLI, P.J.L. Promoção em Saúde Bucal para Gestantes:
revisão de literatura. Revista de Odontologia Clínico Científica. v.01, n.219, p.219224, outubro, 2009.
SINGLE, J. Managing the pregnant dental patient. Dent Assist, v.66, p.7-9, 1997.
SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA - SIAB - Secretária
Municipal de Saúde do município de Fátima do Sul/MS 2010. Acesso em: 28 de Janeiro
de 2011.
TARSITANO, B. F.; ROLLINGS, R. E. The pregnant dental patient: evaluation and
management. Gen Dent, v. 41, p. 226-231, 1993.
Welgatch MKM, Samalea DMV. Atenção odontológica às gestantes na Estratégia de
Saúde da Família. Rev. de divulg téc-científ do ICPG, 2008; 3 (12): 73-79.
25
ANEXOS
Anexo 01 – Termo de autorização de uso de imagem e depoimentos
Eu__________________________________________, CPF_____________________,
RG________________, depois de conhecer e entender os objetivos, procedimentos
metodológicos, riscos e benefícios da pesquisa, bem como de estar ciente da
necessidade do uso de minha imagem e/ou depoimento, especificados no Termo de
Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), AUTORIZO, através do presente termo, a
pesquisadora Rosemeire Canceliere Cardoso do projeto de intervenção intitulado
“Promoção em saúde bucal para gestantes na estratégia de saúde da família no
distrito de Culturama, no município de Fátima do Sul-MS” a realizar as fotos que se
façam necessárias e/ou acolher meu depoimento sem quaisquer ônus financeiros a
nenhuma das partes.
Ao mesmo tempo, concedo a utilização destas fotos (seus respectivos negativos) e/ou
depoimentos para fins científicos e de estudos (livros, artigos, slides e transparências),
em favor do pesquisador da pesquisa, acima especificado, obedecendo ao que está
previsto nas Leis que resguardam os direitos das crianças e adolescentes (Estatuto da
Criança e do Adolescente – ECA, Lei N.º 8.069/ 1990), dos idosos (Estatuto do Idoso,
Lei N.° 10.741/2003).
Fátima do Sul, __ de ______ de 2011.
_____________________________
Pesquisador responsável pelo projeto
_______________________________
Sujeito da Pesquisa
Responsável Legal (Caso o sujeito seja menor de idade)
_______________________________
26
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards