Enviado por marcos.gomes

Práticas de sustentabilidade da cadeia produtiva de frutos nativos do cerrado

XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente.
São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de 2010.
PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE DA
CADEIA PRODUTIVA DE FRUTOS
NATIVOS DO CERRADO: UM ESTUDO
NO CERRADO GOIANO
CLECI GRZEBIELUCKAS (UFSC)
[email protected]
Lucila Maria de Souza Campos (UFSC)
[email protected]
Anete Alberton (Univali)
[email protected]
Sidnei Vieira Marinho (Univali)
[email protected]
Esta pesquisa tem como objetivo relatar práticas de sustentabilidade
da cadeia produtiva de frutos nativos do cerrado. Trata-se de um
estudo de caso descritivo, com unidade incorporada, que analisa os
processos de uma empresa processadora dde frutos do cerrado e os
comercializa em forma de sorvetes e picolés, a forma de aquisição da
matéria prima bem como as mudanças ocorridas no sistema de
produção agrícola da região. A coleta dos dados foi feita por meio de
entrevistas semi-estruturadas, roteiro estruturado e observação direta.
O estudo mostrou que a demanda por frutos nativos típicos do cerrado
é crescente e que já existe um grande interesse em replantar mudas de
frutos nativos para comercialização em função desta demanda.
Palavras-chaves: sustentabilidade, cadeia produtiva, cerrado
1. Introdução
O Cerrado brasileiro possui 11.268 espécies entre plantas, animais e aves, destas, 40% são
endêmicas úteis para a produção de remédios e alimentos (MYERS et al., 2000). Além da
biodiversidade, o Cerrado distingue-se como uma grande caixa d‟água no continente sulamericano, captando águas pluviais que abastecem nascentes que formam rios das bacias do
Amazonas, Tocantins, Paranaíba, São Francisco, Paraná e Paraguai, além dos imensos
Aqüíferos entre eles o Aqüífero Guarani “maior cisterna natural de água doce do mundo”
(PROGRAMA CERRADO SUSTENTÁVEL, 2006).
Até a década de 1950 o Brasil Central, onde se estende grande parte do Cerrado, era uma
região pouco povoada e esquecida. Poucos se aventuravam a cultivar a terra onde as árvores
tortuosas imprimiam à paisagem um aspecto agreste. As fazendas que existiam dedicavam-se
basicamente à criação de gado, que pastava nos campos abertos e se refugiava do calor e da
seca na sombra de árvores de caule lenhoso e copa frondosa. Muitos visitantes da região,
incluindo aqueles que por ela passavam em busca de minérios e de terras úmidas na
Amazônia, duvidavam da possibilidade de se produzir alimentos (CEBRAC, 1999).
Porém, com o desenvolvimento de pesquisas e tecnologias, as regiões dos cerrados passaram
a status de importantes pólos de produção nacional. Em 2008 foi responsável por mais de
30% da produção nacional de cereais leguminosas e oleogenosas e abrigando 37% do rebanho
nacional (IBGE, 2008). Aliada a essa produção vieram os desmatamentos, as queimadas, uso
de fertilizantes químicos e agrotóxicos. Assim, os cerrados foram modificados com
voçorocas, assoreamento e envenenamento dos ecossistemas, restando apenas 21% de área em
estado conservado (CI - BRASIL, 2008).
Além da pecuária e da produção de grãos, as fruteiras nativas ocupam lugar de destaque no
ecossistema do cerrado. Seus frutos já são comercializados, e com grande aceitação na forma
de sucos, licores, sorvetes, geléias etc. Existem mais de 58 espécies de frutas nativas do
cerrado conhecidas e utilizadas pela população da região e de outros estados. O interesse por
essas frutas tem atingido diversos segmentos da sociedade, entre os quais destacam-se
agricultores, industriais, donas-de-casa, comerciantes, instituições de pesquisa e assistência
técnica, cooperativas, universidades, órgãos de saúde e de alimentação, entre outros
(AVIDOS; FERREIRA, 2000).
Diante da maior visibilidade e utilidade tanto da região quanto dos frutos do cerrado, o
objetivo do presente estudo é relatar práticas de sustentabilidade da cadeia produtiva de frutos
nativos do cerrado.
2. Agricultura sustentável
O termo agricultura sustentável é conceituado como a prática de agricultura que garante às
gerações presentes e futuras, explorar no mesmo espaço de terra a produção necessária para
sua subsistência (MUNDEL, 2007). Ferreira (2008) define agricultura sustentável como a
busca da maior produtividade possível com maior grau de preservação da natureza, incluindo,
a preservação do solo, da água e do ar entre os ciclos produtivos.
Ferreira (2008) descreve que existe a necessidade de conservação das terras férteis, e que a
forma de exploração deve seguir critérios de manutenção que propiciem uma longa vida útil.
A sustentabilidade exige um manejo adequado de recursos naturais expressos tanto em
2
instrumentos de política como em matrizes tecnológicas validadas, e uma estrutura de
incentivos que reconheça a heterogeneidade produtiva e social do meio rural (FAO, 2006).
Paterniani (2001) destaca que nos últimos anos discute-se cada vez mais o tema agricultura
sustentável, uma vez que pela sua própria natureza, a atividade agrícola perturba o meio
ambiente em relação à situação silvestre, e que existem exemplos de grave degradação – do
solo e do meio ambiente – provocada por atividades agrícolas inadequadas. Paterniani (2001)
comenta ainda que, muito embora tenha havido uma agricultura moderna, baseada em
desenvolvimentos científicos, que ao mesmo tempo aumente a produtividade, proteja e
economize o meio ambiente, tem havido uma preocupação crescente em minimizar eventuais
danos.
2.1 Ameaças do cerrado e a outros biomas
O Cerrado brasileiro ocupa uma extensão de 2.038.008,4 Km2, representa 23,9% do território
nacional e está espalhado em 12 estados brasileiros ocupando: a totalidade do Distrito
Federal, 97% de Goiás, 91% de Tocantins, 65% do Maranhão, 6% de Mato Grosso do Sul,
57% de Minas Gerais, 39% de Mato Grosso, 37% do Piauí, 32% de São Paulo, 27% da Bahia,
2% do Paraná e 0,2% de Rondônia. Abriga uma população de mais de 24 milhões de pessoas
(IBGE, 2007).
O Cerrado possui apenas 3% de sua extensão original protegida por parques e reservas
federais e estaduais, a maioria com expansão inferior a 100.000 hectares (CI - BRASIL,
2008). Essa fragilidade de lei de proteção fez o Cerrado fazer parte dos “hotspots” mundiais
de biodiversidade, em função de sua riqueza biótica, nível de endemismo e grau de ameaça
(MYERS et al, 2000).
Myers et al (2000) descrevem que para qualificar como um Hotspots, uma área deve conter
no mínimo 0,5% ou 1.5 mil das 300 mil espécies de plantas endêmicas do planeta e que
tenham perdido mais de três quartos de sua vegetação original. A base para essa análise
utilizou dois critérios: espécies endêmicas e grau de ameaça. A principal fonte de dados para
as plantas e vertebrados foram procedentes de mais de cem cientistas, com vasta experiência e
preocupados com a questão que atingiu aproximadamente oitocentas referências na literatura
profissional (MYERS et al, 2000).
Atualmente existem 34 hotspots mundiais, destes, dois são brasileiros, a Mata Atlântica e o
Cerrado. A tabela 1 apresenta a lista dos hotspots, a extensão original, habitat remanescente e
percentual restante.
Habitat
remanescente
(Km 2)
82.968
Porcentagem
1. Chifre da África
Extensão
Original
(Km 2)
1.659.363
2. Bacia do Mediterrâneo
2.085.292
98.009
5
3. Região da Indo- Birmânia
2.373.057
118.653
5
18.972
5.122
5
1.501.063
100.571
7
297.179
20.803
7
1.233.875
99.944
8
Hotspots
4. Nova Caledônia
5. Sunda
6. Filipinas
7. Brasil Mata Atlântica
Restante (%)
5
3
8. Montanhas do Centro Sul da China
262.446
20.996
8
9. Ilhas do Caribe
229.549
22.955
10
10. Montanhas do Arco Oriental
291.250
29.125
10
11. Madagascar e Ilhas do Oceano Índico
600.641
60.046
10
1.017.806
106.870
11
13. Florestas do Guiné/ África Ocidental
620.314
93.047
15
14. Região Irano-Anatólica
988.773
134.966
15
15. Wallacea (Indonésia)
338.494
50.774
15
1.130.019
226.004
20
17. Florestas de Pinho-Encino de Sierra Madre
461,265
92.253
20
18. Província Florística do Cabo
78.555
15.711
20
19. Montanhas da Ásia Central
863.362
172.672
20
20. Japão
373.490
74.698
20
21. Ilhas da Polinésia e Micronésia
47.239
10.015
21
22. Brasil Cerrado
2.031.990
432.814
22
23. Nova Zelândia
270.197
50.443
22
24. Ghats Ocidentais/ Sri Lanka
189.611
43.611
23
25. Tumbes-Chocó-Madgalena
274.597
65.903
24
1.542.644
385.661
25
27. Província Florística da Califórnia
293.804
73.451
25
28. Maputaland –Pondoland-Albany
274.136
67.163
25
29. Himalaia
741.706
185.427
25
30. Cáucaso
532.658
143.818
27
31. Karoo das Plantas Suculentas
102.691
29.780
29
32. Florestas Valdívias
397.142
119.143
30
33. Sudoeste da Austrália
356.717
107.015
30
34. Ilhas da Melanésia Oriental
99.384
29.815
30
23.490.101
3.379.246
12. Florestas de Afromontane
16. Mesoamérica
26. Andes Tropicais
Total
Fonte: CI Brasil
Tabela 1 – Lista dos biomas que possuem alta biodiversidade e estão ameaçados de extinção
Observa-se (Tabela 1) que o Cerrado e a Mata Atlântica brasileira apresentam
respectivamente apenas 22% e 8% do seu estado original. Constata-se também que nas
regiões com maior extensão, o índice de habitat remanescente é menor, o que caracteriza que
os recursos ambientais são vistos e tratados como infinitos.
Outra constatação é que, se a devastação da Amazônia continuar nos níveis atuais, em um
curto espaço de tempo esse Bioma também entrará na lista dos Hotspots, uma vez que os
dados de Detecção de Desmatamento em Tempo Real – DETER, do Instituto Nacional de
Pesquisas Espaciais – INPE apontaram em setembro de 2008 uma extensão de 587 km2 de
área desmatada na Região Amazônica. A figura 1 mostra esse desmatamento por estado.
4
Fonte: INPE (2008)
Figura 1- Distribuição dos desmatamento da Amazônia em setembro de 2008
O Brasil possui mais três biomas distribuídos em seu território, a Caatinga, o Pantanal, e os
Pampas que também merecem especial atenção por estarem sofrendo alterações que ameaçam
a biodiversidade.
2.2 Iniciativas para preservar o cerrado
O status de ameaça de muitas espécies e as transformações ocorridas nas paisagens do
Cerrado tem provocado o surgimento de iniciativas de conservação por parte do governo, de
organizações não governamentais (ONGs), pesquisadores e setor privado. As organizações da
sociedade civil atuantes no Bioma Cerrado há vários anos, vêm contribuindo com a esfera
pública para a efetivação de políticas públicas para a ativa conservação do Cerrado
(PROGRAMA CERRADO SUSTENTÁVEL, 2006).
Um exemplo é a Rede Cerrado que desde 1996 vem realizando encontros temáticos e/ou
regionais, como forma de mobilizar a sociedade local para questões ligadas a conservação e
uso sustentável do Cerrado, alertando para os prejuízos ambientais e sociais trazidos pelo
rápido processo de ocupação agropecuária da região. Esta rede é norteada por uma Carta de
Princípios e defende o cumprimento do Tratado dos Cerrados, documento assinado por várias
instituições civis durante o Fórum Global, evento paralelo à Conferência das Nações Unidas
sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, em 1992 (REDE
CERRADO, 2008).
Esta rede é composta por mais de 300 entidades identificadas com a causa socioambiental no
Cerrado, representada por trabalhadores/as rurais, extrativistas, indígenas, quilombolas,
raizeiros, quebradeiras de coco, pescadores, ONGs, entre outros que atuam na promoção do
desenvolvimento sustentável e na conservação do Cerrado. Destina-se também a desenvolver
ações em prol da defesa e promoção dos ecossistemas do Cerrado e de suas populações
humanas (REDE CERRADO, 2008).
Em 2003, a Rede Cerrado encaminhou um documento conceitual ao Ministério do Meio
Ambiente (MMA) com recomendações para a adoção de medidas urgentes de conservação do
Cerrado (KLINK; MACHADO, 2005). Em 2004 foi criado o programa de conservação
5
denominado „Programa Cerrado Sustentável‟ em torno do qual a sociedade brasileira possa
efetivar sua participação no desenvolvimento sustentável do cerrado (PROGRAMA
CERRADO SUSTENTÁVEL, 2006).
Existem outras ONGs que trabalham em defesa do bioma cerrado. A Conservação
Internacional - CI-Brasil possui o projeto Águas do Cerrado situado na Estação Ecológica de
Águas Emendadas no Distrito Federal. A The Nature Conservancy – TNC auxilia e dá suporte
à implementação, monitoramento e avaliação de projetos que possam ajudar a proteger a
biodiversidade do Cerrado. O Fundo Mundial para Vida Selvagem – WWF-Brasil em parceria
com a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do DF forma professores, alunos e
mobiliza a comunidade do entorno da Unidade para conservar os recursos hídricos da região.
A Fundação Pró-Natureza - FUNATURA possui o Projeto de Implementação de Reservas
Particulares do Patrimônio Natural - RPPN em dois Parques Nacionais do bioma Cerrado Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (GO) e Parque Nacional Grande Sertão Veredas
(MG).
Há também a ONG PEQUI - Pesquisa e Conservação do Cerrado, fundada em 2000 cuja
missão é promover a conservação do Cerrado, seja com resultados científicos, seja com ações
políticas, onde todos estão envolvidos com a causa ambientalista em suas diversas áreas:
biologia, ecologia, geologia, direito, economia dentre outras. Seus projetos são financiados
por fontes nacionais e internacionais e seus propósitos vão desde a constituição de parques
urbanos com áreas conservadas de Cerrado, até a criação de novas Unidades de Conservação
(PEQUI, 2006).
2.3 Ganhos com práticas de agricultura sustentável do Cerrado
Diante dos crescentes problemas decorrentes da aceleração dos processos naturais, muitos são
os que preconizam formas de utilização dos recursos naturais que permitem o equilíbrio
econômico, social e ambiental do Cerrado. Alguns exemplos podem ser citados como, a
Indústria de Frutos do Cerrado em Goiânia, a Cooperativa de Pequenos Produtores Rurais de
Japonvar – MG, a Associação dos Produtores e Beneficiadores de Frutos do Cerrado BENFRUC em Damianópolis - GO, Bacia do Xingu – MT e muitos outros que utilizam os
recursos naturais do Cerrado como fonte de renda sustentável.
O Estado de Minas Gerais é composto por 57% de Cerrado e Japonvar- MG faz parte desse
bioma (KLINK; MACHADO, 2005). Informações da Agência Sebrae de Notícias – ASN
(2007) dão conta de que somente em 2006, mais de 900 pessoas obtiveram alguma renda
entregando frutos nativos ou de fundo de quintal para a cooperativa de Japonvar- MG. Esses
frutos geraram uma receita aproximada de R$200 mil, 100 postos de trabalho diretos e mais
80 indiretos.
O município possui aproximadamente 8,2 mil habitantes e mais de 5 mil estão envolvidos
com a coleta do pequi – fruto típico de cerrado. Na concepção de Antônio Carlos Pereira –
técnico do Sebrae da região, a cultura do fruto é fundamental para a sobrevivência dessa
população e preservação do Cerrado. Destaca-se que os produtores cooperados têm como
clientes garantidos as entidades públicas de educação e assistência social que utilizam o pequi
com arroz, macarrão ou carne e são pratos que entraram para o cardápio da instituição e
agradaram em sabor e preço (ASN, 2007).
Outro produto de destaque na região é a Fava D'anta, árvore que é extraída a rutina, princípio
ativo de medicamentos que gera em cada safra cerca de R$ 4 milhões para os municípios do
6
norte do Estado de Minas Gerais. Além do pequi e da Fava D'anta, a cooperativa processa
outras 15 variedades de frutas típicas da região, como coquinho azedo, cagaita, araticum,
mangaba, buriti, manga, goiaba e laranja, em unidade de beneficiamento própria (ASN,
2007).
A BENFRUC é composta por 20 associados e foi criada em 2004 para promover a
organização, a capacitação e a busca de soluções comuns para os catadores e produtores de
pequi, o desenvolvimento sustentável da região e a valorização do preço dos produtos. Com
apoio da Fundação Banco do Brasil a BENFRUC inaugurou sua Agroindústria de
Processamento de Frutos do Cerrado que irá beneficiar além dos associados e familiares,
cerca de 500 extrativistas que vendem seus produtos para a associação. A agroindústria
beneficiará também frutos dos municípios de Mambaí e Sítio d‟Abadia-GO (SEBRAEGO,2008).
Uma pesquisa realizada na Bacia do Xingu, formada por 35 municípios no Estado de Mato
Grosso, teve como objetivo verificar a viabilidade econômica de alguns produtos da
agricultura familiar e comparar o potencial de geração de renda destes produtos com a
rentabilidade atual dos produtos dominantes como soja e pecuária (ECOCIENTE, 2006; Y
IKATU XINGU, 2006). Para esse estudo foram selecionados três produtos alternativos
(Guaraná, Seringa e Pequi) e dois dominantes (Soja e Pecuária). A tabela 2 apresenta os
resultados econômicos por hectare de cada produto.
Produtos
Guaraná
Pequi
Seringa
Soja
Pecuária
Fonte: Adaptado de Ecociente (2006)
Rentabilidade/hectare
R$736,00 a R$7.002,00
R$4.050,00
R$5.425,00
R$135,38
R$138,91
Tabela 2: Rentabilidade por hectares dos produtos alternativos e dominantes
Verifica-se, que com o manejo sustentado das culturas alternativas é possível criar novos
produtos alimentares e industriais e atender a variadas demandas de consumo, obtendo ganhos
econômicos sustentáveis.
3. Procedimentos metodológicos
A natureza da presente pesquisa é um estudo de caso descritivo com unidade incorporada,
(um mesmo estudo que envolve mais de uma unidade de análise) (YIN, 2001) e tem como
objetivo relatar práticas de sustentabilidade da cadeia produtiva de frutos nativos do cerrado.
A principal unidade de análise foi a Empresa Frutos do Cerrado, estabelecida em Goiânia GO e a unidade incorporada foram os agricultores da Região de Goiás, fornecedores dos
frutos para a empresa.
Segundo Godoy (2006), o estudo de caso descritivo apresenta um relato detalhado de um
fenômeno social que evolve, por exemplo, sua configuração, estrutura, atividades, mudanças
no tempo e relacionamento com outros fenômenos. São considerados importantes na medida
em que apresentam informações sobre fenômenos pouco estudados e formam uma base de
7
dados para futuros trabalhos comparativos e de formulação de teorias. Yin (2001) acredita que
em geral, os estudos de caso são os preferidos diante de questões do tipo “como” e “por que”,
quando o pesquisador possui controle reduzido sobre os acontecimentos. O foco se encontra
em fenômenos contemporâneos, inseridos em algum contexto da vida real e que tentam
esclarecer o motivo pelo qual uma decisão ou um conjunto de decisões foram tomadas, como
foram implementadas quais resultados alcançados. “O estudo de caso é uma espécie de
histórico de um fenômeno, extraído de múltiplas fontes de evidências onde qualquer fato
relevante à corrente de eventos que descrevem o fenômeno é um dado potencial para análise”
(MIGUEL, 2007, p.223).
A coleta dos dados foi feita por meio de entrevistas semi-estruturadas, roteiros estruturados e
observação direta. As entrevistas foram realizadas com o fundador da empresa, o sócio
gerente, o engenheiro de alimentos responsável pela produção e com três agricultores,
fornecedores de frutos nativos para a empresa. Foram levantadas informações relacionadas ao
tempo de atuação no mercado à decisão de processar frutos do cerrado, as preocupações
ambientais, quais projetos estão sendo implantados para a conservação e preservação do
cerrado, bem como os procedimentos de produção, compras, vendas etc.
4. Resultados e discussões
A Empresa Frutos do Cerrado iniciou suas atividades em 1996, quando na época o seu
fundador era vendedor ambulante de picolés e sorvetes. Segundo ele, as pessoas, em tom de
brincadeira, pediam se ele vendia picolé de pequi (fruto típico do cerrado e muito utilizado na
culinária goiana) que até então não existia. Esses pedidos fizeram com que ele tomasse a
iniciativa de fabricar picolés de pequi salgados, porém sem sucesso. A partir daí vieram várias
tentativas, não apenas com o pequi, mas também com outros frutos. Assim, iniciou-se uma
demanda por picolés e sorvetes derivados de frutos nativos do cerrado na região de Goiás,
fazendo com que várias outras indústrias de picolés e sorvetes iniciassem a produção com
esses frutos. Segundo o fundador, para provar os frutos, ele utilizava a filosofia do seu avô
que dizia “todo o fruto que passarinho come os humanos também podem comer”.
As atividades de processamento dos frutos iniciaram-se nos fundos do quintal da casa do
fundador. Atualmente possui uma rede familiar, com empresas independentes, que
industrializam picolés e sorvetes atuando em Goiânia – GO, Uberlândia – MG e em Limeira –
SP. Juntas essas empresas produzem 78 mil picolés e 3.500 kg de sorvete por dia. Esses
produtos são comercializados por mais de 100 franqueados, distribuídas em Goiânia e interior
de Goiás, Brasília, Mato Grosso do Sul, Bahia, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e
Tocantins. O presente estudo foi realizado somente na empresa de Goiânia onde se deu o
inicio das atividades com esses frutos.
O quadro de funcionários da empresa é composto por 12 na produção, sendo dois engenheiros
de alimentos, responsáveis pela qualidade do produto, mais 3 no departamento administrativo.
Conta também com um departamento de marketing, responsável pela divulgação dos produtos
principalmente em feiras e eventos. Dispõe ainda de uma unidade despolpadora localizada
em Abadia – GO, a cinqüenta quilômetros de Goiânia, com capacidade de processamento e
armazenamento de 120 toneladas de polpas por ano.
Nesta unidade existem dois empregados fixos e os demais são temporários que realizam o
descascamento dos frutos de forma manual. Em época de safra esta unidade emprega mais de
30 pessoas, na sua maioria mulheres. Já o despolpamento de alguns frutos é feito com uma
8
máquina, porém, alguns são de forma manual, pois o mercado ainda não oferece
equipamentos para esse fim. Após esses processos essa matéria prima é armazenada em
câmaras frias e em seguida enviada para a empresa para serem processadas. A figura 1
apresenta os frutos descascados de cajá-manga e as polpas armazenadas.
Fonte: Dados da pesquisa
Figura 2 - Frutas de caja-manga descadas e as polpas armazenadas na câmara fria
O cajá-manga não é um fruto típico do cerrado, mas se adapta e produz muito bem na
região. A empresa processa 44 variedades de frutos, sendo 18 típicos de região de cerrado e
representam 60% da produção. A tabela 2 apresenta a lista desses frutos.
Araça
Cajuzinho do cerrado
Araticum
Curriola
Bacuri
Gabirobinha
Brejaúba
Guapeva
Buriti
Jatobá
Cagaita
Lichia
Fonte: Dados da pesquisa
Mamacadela
Mangaba
Mutamba
Murici
Pequi
Taperebá
Tabela 2: Frutos do cerrado processados na empresa Frutos do Cerrado
A capacidade produtiva da empresa é de 16 mil picolés e 1.300 litros de sorvete por
dia. A figura 3 mostra o processo de produção de picolé e sorvetes de cajá-manga.
9
Fonte: Dados da pesquisa
Figura 3 - Processo de industrialização dos picolés e sorvetes de caja-manga
A coleta dos frutos é realizada pelo fundador da empresa, que em épocas de safra percorre
diversas regiões produtoras e compra os frutos coletados pelos agricultores num total de 120
fornecedores. Segundo ele, estes fornecedores atendem apenas 50% da demanda, já que estes
produtos já estão sendo comercializados em Nova Jersey nos Estados Unidos e em negociação
com Barcelona na Espanha. Esses frutos geralmente são provenientes de fazendas ou áreas
íngremes e encostas onde ainda não foram desmatadas. Nessas áreas são coletados 70% dos
frutos e o restante permanece para reprodução.
4.1 Ações de melhorias ambientais em prol da sustentabilidade
A empresa possui diversas ações de preservação e melhorias ambientais. Construiu um
reservatório de água da chuva com capacidade de armazenamento de 7 mil litros de água e é
ligado diretamente para a rede fluvial da empresa. Possui um tanque de decantação que a cada
três meses retira o bolo fecal e a água vai para a rede de esgoto sem os resíduos. Está dentro
do projeto de economia de energia implantado pela distribuidora de energia de Goiás – Acelg,
em que no período das 18 às 21 horas a energia das máquinas de produção é desligada
automaticamente. Os palitos dos picolés são provenientes de reflorestamento e as embalagens
do sorvete são biodegradáveis. Possui também o projeto cerrado vida, onde utiliza os resíduos
dos frutos para recompor áreas degradadas.
Outros projetos também são desenvolvidos, tais como a doação de sementes para a Empresa
Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA, Agência Rural Goiás, Agência Municipal
do Meio Ambiente de Goiânia e Clube da Semente para utilização em artesanato, pesquisas e
viveiros particulares. Construiu um auditório com capacidade de 30 pessoas para ministrar
palestras aos estudantes e pesquisadores em geral. Ainda possui uma área de 4 hectares com
mais de 100 espécies de frutos plantados e que serve de pesquisa para os diversos órgãos
ambientais, universidades e pessoas interessadas.
Também foi solicitado ao sócio proprietário informações sobre a quantidade de frutos do
cerrado processadas há cinco anos, atualmente, e quais as expectativas futuras, para daqui a
cinco anos. Há cinco anos a empresa processava em média 60 toneladas de frutos, atualmente
120 toneladas e as expectativas para daqui cinco anos é de 250 toneladas por ano. Quanto ao
10
preço da matéria prima o mesmo destacou que a oferta é que determina o preço, porém,
acredita que estes irão se elevar em média 40%.
Esta demanda por frutos nativos pela empresa despertou nos agricultores o interesse em
preservar o cerrado. Em seus depoimentos os mesmos disseram que atualmente os frutos estão
gerando maior renda do que a criação de gado, e que no passado, em épocas da seca estes
realizavam queimadas ou cortes das árvores frutíferas para plantios de culturas, no entanto,
atualmente fazem aterros para preservar as áreas que possuem variedades de espécies nativas.
Observou-se que já existe um grande interesse em replantar mudas de frutos nativos para
comercialização e os órgãos como Secretaria da Agricultura e Embrapa estão incentivando
esta prática, o que representa um ponto positivo em defesa da preservação do cerrado.
Em uma palestra sobre Reserva Legal num dia de campo sobre frutos do cerrado em
Arenópolis – GO, o diretor da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás – FAEG
salientou a importância em preservar o cerrado e lamentou que no passado ele próprio possuía
uma área toda coberta de pequi e utilizou um correntão para destruí-lo. Segundo ele, naquela
época, a visão era simplesmente o estalar das raízes, porém hoje, ele considera que aquilo foi
o grito do pequi.
5. Considerações finaisi
O objetivo deste estudo foi relatar práticas de sustentabilidade da cadeia produtiva de frutos
nativos do cerrado. Em uma visão panorâmica pôde-se observar que a demanda por frutos
típicos do cerrado é crescente, pois já existem varias indústrias de picolés e sorvetes
utilizando esses frutos como matéria prima, e a produção extrativista não atende esta demanda
devido a devastação para a produção de monoculturas e pecuária.
Também existem alguns agricultores que no passado ateavam fogo para preparar áreas de
cultura agrícola destruindo estes frutos e atualmente estão construindo aterros a fim de
proteger estas áreas produtivas, além de outros que já estão formando pomares com replantio
destes frutos.
Observou-se que os estudos que tratam da viabilidade econômica dos frutos nativos do
cerrado são incipientes, demandando, portanto, estudos e análises mais abrangentes que
incluam benefícios dos serviços ambientais tais como créditos de carbono, capacidade
fármaco, ciclagem da água, bem como os custos ambientais da degradação ambiental e perda
da biodiversidade gerada pela agricultura e pecuária tradicional. Sugere-se, portanto, que
sejam construídos modelos que incluam estas variáveis a fim de verificar os reais ganhos
obtidos com culturas mais sustentáveis, capazes de gerar renda e ao mesmo tempo preservar e
conservar as espécies.
Referências
ASN, - Agência Sebrae de Notícias - DF. Cooperados de Minas lucram com coleta do pequi. . 2007.
Disponível em:<http://asn.interjornal.com.br/noticia_pdf.kmf?noticia=6455730> Acesso em: 08 de julho de
2008.
AVIDOS, Maria F. D; FERREIRA, Lucas T. Frutos dos cerrados: preservação gera muitos frutos. Ciência e
Desenvolvimento, n.15 julho/agosto, 2000.
11
CEBRAC, - FUNDAÇÃO CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA E APOIO CULTURAL.
Oportunidades de geração de renda no Cerrado: texto para discussão. 1999. Disponível em:
<http://www.cebrac.org.br/v2/projetos/cerrado99.asp> Acesso em: 18 de maio de 2008.
CI - BRASIL, Conservação Internacional Brasil. As Regiões biologicamente mais ricas e ameaçadas do
planeta. 2008. Disponível em: <http://www.conservation.org.br/publicacoes/files/HotspotsRevisitados.pdf>.
Acesso em: 25 de novembro de 2008.
ECOCIENTE, Planejamento e gestão socioambiental. Alternativa familiar na Bacia do Xingu no Mato
Grosso: conhecendo e construindo alternativas sustentáveis. 2006. Disponível em:
<http://www.mma.gov.br/estruturas/sbf/_arquivos/programa_bioma_cerrado.pdf> Acesso em: 13 de novembro
de 2008.
FAO, - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION. Politicas territoriales para el desarrollo
economico y social del espacio rural. In: 29ª Conferencia regional de la FAO para América Latina y el Caribe;
Caracas, Venezuela, abril, 2006.
FERREIRA F, Marrey. Agricultura sustentável. 2008. Disponível em:
<http://www.agrisustentavel.com/artigos/agrisust.htm>. Acesso em:08 de fevereiro de 2008.
GODOY, Arilda S. Estudo de caso qualitativo. In _ GODOI, Christiane Kleinübing; BANDEIRA-DE-MELLO,
Rodrigo; SILVA, Anielson Barbosa da (Orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas,
estratégias e métodos, São Paulo: Saraiva, 2006.
IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção agrícola municipal. 2008. Disponível em:
<http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/agric/default.asp?z=t&o=11&i=P. Acesso em: 12 de abril de 2010.
KLINK, Carlos A; MACHADO, Ricardo B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, v.1, n.1,
julho, 2005.
MIGUEL, Paulo A. C. Estudo de caso na engenharia de produção: estruturação e recomendações para sua
condução. Produção, v.17, n.1, p.216-229, Jan./Abr., 2007.
MUNDEL, Karsten. Walking through your old way of thinking: the learning dimension of farmers‟ transitions
to sustainable agriculture. . 233f. Thesis – Department of Adult Education and Counselling Psychology.
University of Toronto, Canadá,2007.
MYERS, Norman, et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, v.403, p.853-858, 2000.
PATERNIANI, Ernesto. Agricultura sustentável nos trópicos. Estudos Avançados, v.15, n.43, 2001.
PEQUI. Pesquisa e Conservação do Cerrado. 2006.Disponível em: <http://www.pequi.org.br>. Acesso em: 01
de dezembro de 2008.
PROGRAMA CERRADO SUSTENTÁVEL. Programa nacional de conservação e uso sustentável do Bioma
Cerrado. 2006. Disponível em:
<http://www.mma.gov.br/estruturas/sbf/_arquivos/programa_bioma_cerrado.pdf> Acesso em: 27 de maio de
2008.
REDE CERRADO. Carta de Princípios da Rede Cerrado. . 2008. Disponível em:
<http://www.redecerrado.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=145&Itemid=34 >. Acesso
em 22 de novembro de 2008.
Y IKATU XINGU. Alternativas econômicas sustentáveis. 2006. Disponível em:
<http://www.socioambiental.org/inst/camp/xingu/pgn/estudossobresaneamento.html>. Acesso em: 26 de junho
de 2008.
YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos Porto Alegre: Bookman, 2001.
i
Os autores agradecem ao CNPq e à FAPEMAT pelo apoio financeiro ao Projeto que possibilitou a realização
desta pesquisa.
12
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards