O `AEDES` NO CAMINHO DO PAN 24/06/2006 O Globo Aumento do

Propaganda
O ‘AEDES’ NO CAMINHO DO PAN
24/06/2006
O Globo
Aumento do número de casos de dengue leva especialistas a temerem epidemia em 2007
Apossibilidade de ocorrer uma epidemia de dengue em 2007, quando o Rio sediará os
Jogos Pan-Americanos, começa a preocupar especialistas. O alerta não é à toa: foram
registrados 11.496 casos da doença do início do ano até o dia 31 de maio, um aumento de
5.109% em relação ao mesmo período de 2005, quando houve 225 notificações. O total de
vítimas já é maior do que a soma dos últimos três anos. Para a Secretaria municipal de
Saúde, o número de casos aumentou em 2006 porque o verão foi mais quente e chuvoso.
O infectologista Roberto Medronho, do Núcleo de Saúde Coletiva da UFRJ, acredita que o
número de registros deve diminuir durante o inverno, mas, se não houver uma campanha
intensa de combate ao mosquito Aedes aegypti, uma epidemia no próximo verão é, segundo
ele, inevitável.
— Ainda há muita gente que pode ser contaminada com o vírus do tipo 3. Até os do tipo 1
e 2 ainda continuam fazendo vítimas. Isso fará com que aconteçam surtos em bairros
isolados ou até mesmo uma nova epidemia. Mas, se o vírus tipo 4 chegar à cidade, o
resultado será desastroso. O efeito para a imagem do Rio em pleno ano dos Jogos PanAmericanos pode ser desastroso.
A região mais afetada pela dengue este ano foi justamente a que receberá as delegações dos
países participantes do Pan e que abrigará boa parte das competições: a de Barra, Recreio e
Jacarepaguá. No total, foram 6.141 casos até 21 de junho (sendo 1.329 na Barra, no
Recreio, em Vargem Grande e Pequena, Itanhangá e Camorim; 4.267 em Jacarepaguá e 545
na Cidade de Deus). O bairro da cidade com maior número de casos foi a Taquara, com
1.006, mais do que no município inteiro no ano passado, quando houve 983 registros.
Índice de infestação pelo ‘Aedes’ é alto
A professora Luciana Tricai Cavalini, do Departamento de Epidemiologia e Bioestatística
do Instituto de Saúde da Comunidade da UFF, compartilha da opinião de Medronho:
— O número de casos é preocupante. Em geral, antes de uma epidemia, começa-se a notar
o aumento gradativo do número de casos, mais ou menos como está sendo observado agora.
Não dá para afirmar que a chance de haver epidemia é de 100%. Mas a alta no número de
casos é um indicativ o de que, se não forem implementadas as medidas de controle do vetor,
aumentará muito a probabilidade de sua ocorrência no próximo verão.
Outro dado preocupante é o alto índice de infestação pelo Aedes. A média na cidade é de
5,5%, acima do tolerado pela Organização Mundial de Saúde (1%). No ano passado, o
índice de infestação da cidade foi de 7,2%, mas o número de casos foi menor.
Segundo Medronho, o combate ao vetor tem sido feito de forma equivocada. Os agentes
não coletam as larvas em todas as residências para calcular com precisão o índice de
infestação, que pode ser bem maior do que o divulgado. Há falta de pessoal e de material
apropriado, diz ele:
— A Secretaria de Saúde deveria divulgar os índices de infestação, inclusive por bairro, no
site da prefeitura. Falta transparência no trabalho.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards