Abordagem fisioterapêutica na hérnia de disco

Propaganda
1
Abordagem fisioterapêutica na hérnia de disco
Gabriely do Socorro Garcia Macêdo1
[email protected]
Dayana Priscila Maia Mejia2
Pós-graduação em Ortopedia e Traumatologia com Ênfase em Terapia Manual - Faculdade Ávila
Resumo:
Introdução: As más posturas influenciam em alterações nas estruturas da coluna
vertebral causando patologias. A hérnia de disco se caracteriza como o extravasamento
do núcleo pulposo que através do anel fibroso pode ou não pinçar raízes nervosas,
causando dor, parestesia e rigidez articular, ocorre por movimentos repetitivos de
rotação e flexo-extensão da coluna. Metodologia: Revisão sistemática, com bases de
dados do Scielo, Bireme, Google acadêmico e livros. Resultados e Discussão: 29
estudos tiveram critérios de inclusão. A fisioterapia tem como objetivo o tratamento
conservador através de técnicas que controlam sinais e sintomas da hérnia discal
fazendo com que o paciente possa voltar às atividades de vida diárias, dentre elas
estão: a fisioterapia clássica com a crioterapia, TENS, ultrasson, alongamentos e
tração manual. A Fisioterapia manual com as manipulações de Maitland, Quiropraxia,
Mobilização Neural, Estabilização Segmentar Vertebral e a técnica de Mckenzie.
Conclusão: As técnicas de fisioterapia atuam de modo eficaz em tratamento de
pacientes com hérnia de disco, as orientações e o tratamento conservador bem aplicado
diminuem a reincidência da doença melhorando a qualidade de vida do paciente.
Palavras chaves: Fisioterapia; Quiropraxia; RPG.
1.Introdução
Com a evolução do homem, as dores na coluna vêm surgindo com freqüência em
pessoas cada vez mais jovens. Isso ocorre devido à diminuição da atividade corporal, a
má alimentação que como conseqüência surge à obesidade que pode modificar a
instabilidade do corpo, o tempo prolongado do uso de computador gera a má postura,
são exemplos de sedentarismo que a população vem se adequando diante a
modernidade. A função fisiológica do corpo é alterada, surgindo sintomas dolorosos,
desordens articulares, musculares e ósseas.
Tortora (2010) afirma que a coluna vertebral possui ao todo 29 vértebras, consiste em 7
cervicais, 12 torácicas, 5 lombares, e mais 5 vértebras fundidas que formam o sacro e o
cóccix. Sua função é permitir o movimento de flexão, extensão, flexão lateral e rotação
do tronco, envolver e proteger a medula espinhal e serve de ponto de fixação de costelas
e musculatura dorsal que gera suporte e estabilidade corporal.
Os músculos da coluna vertebral são compostos por fibras do tipo I de contração lenta e
vermelha, que tem como função estabilizar a postura. Há um conjunto muscular
responsável pela posição ereta da coluna, que são os dorsais profundos, ilioscostais e
espinhais, os abdominais, os oblíquos externo e interno e o reto do abdômen têm como
função a flexão e inclinação, os escalenos realizam o movimento lateral da coluna.
Segundo Tortora (2010), a vértebra consiste em discos intervertebrais, um corpo que é a
porção espessa em forma de disco que é a parte de suporte, um arco que se estende para
trás do corpo da vértebra é formado por dois processos transverso e espinhoso,
1
2
Pós-graduando em Ortopedia e traumatologia com ênfase em terapia manual
Orientadora
2
pedículos e lâminas. O forame vertebral se localiza entre o corpo e o arco da vértebra,
passa a medula espinhal e nevos espinais.
A manutenção de uma postura ideal da coluna vertebral envolve a presença de quatro
curvaturas equilibradas identificadas na vista lateral, duas convexas (torácica e sacral),
chamadas de cifoses, e duas côncavas (cervical e lombar), chamadas de lordoses
(SIQUEIRA et al, 2011).
A curvatura lateral é chamada de escoliose que pode ser fisiológica que ocorre na região
torácica e está presente até o final da infância. E estrutural, que surge também durante a
infância e torna-se grave na fase adulta, ocorre no seguimento toracolombar.
De acordo com Kisner (2009), a força da gravidade tem influência nos membros
inferiores e tronco que impõe uma carga nas estruturas responsáveis pela manutenção da
postura ereta do corpo. Para que haja equilíbrio, a linha da gravidade atravessa as
curvaturas da coluna, posterior e anteriormente próximo ao eixo de rotação das
articulações dos membros inferiores.
Cada vértebra está separada por um disco intervertebral que é o amortecedor da
estrutura. Cada disco é composto de anel fibroso e núcleo pulposo. É nessa estrutura
que ocorre um desgaste ou rompimento das fibras. Com a diminuição do processo de
embebição, ocorre uma pressão nas fibras do disco vertebral, o núcleo perde
propriedades e o amortecedor desidrata tornando-se susceptível a hérnia de disco, que
pode ser definida como o extravasamento do núcleo pulposo do disco intervertebral,
através do anel fibroso. O núcleo herniado migra em direção as raízes nervosas, levando
a compressão, perda da função, quadro álgico, parestesias e espasmos. Pode ocorrer por
um processo degenerativo lento ou por um trauma, e que sua incidência afeta mais a
região lombossacral e cervical.
Machado et al. (2012), afirma que a instabilidade da coluna ocorre com o movimento
excessivo, e gera compressão dos elementos neurais e degeneração de ligamentos e
cápsula articular. A biomecânica é alterada enquanto a degeneração do disco se
desenvolve por isso a biomecânica deve primeiramente ser corrigida para que a
degeneração seja interrompida.
A dor vertebral é um problema que tende a aumentar com o envelhecimento da
população, com elevação de custos individuais e governamentais. Desde 1990,
diretrizes clínicas vêm sendo publicadas com o objetivo de direcionar o tratamento
destas condições (BRACHER, 2013).
A dor sofre variações até na maneira de como o indivíduo relata, pois há
relacionamento com inúmeros fatores pessoais tais como: sexo, idade,
personalidade, herança étnica cultural, necessidades comportamentais e
experiências dolorosas pregressas (CIENA et al, 2008 citado por GODINHO
et al, 2011).
Exames complementares de imagem como o raio-X, tomografia computadorizada e
ressonância magnética, ajudam na localização e determina o tipo da degeneração do
disco intervertebral e qual a situação das estruturas locais, facilitando a comparação do
inicio do tratamento e sua evolução.
Kisner (2009), diz que existem quatro formas de degeneração do disco intervertebral:
herniação que é qualquer alteração do formato do anel fibroso. Protrusão, que ocorre
quando o material nuclear fica contido pelo anel e estruturas ligamentares. Prolapso,
quando ocorre a ruptura do núcleo dentro do canal vertebral. Extrusão é quando a região
pulposa do disco vai além dos limites dos ligamentos.
A hérnia cervical apresenta dor no pescoço e membro superior que é causada pela
compressão das raízes nervosas, espasmos muscular, parestesia e limitação do
movimento. Poderá haver reflexo diminuído dos músculos bíceps e tríceps quando há
envolvimento da sexta e sétima raiz cervical. No seguimento torácico, a dor é pouco
3
localizada, e pode ser uni ou bilateral no tórax. O exame de imagem é muito importante
para a localização exata.
Atualmente, a hérnia lombar é o diagnóstico mais comum dentre todas as
alterações degenerativas dessa região e a principal causa de cirurgia de
coluna. Fatores como o maior acesso a cuidados médicos, precocidade na
solicitação de exames de imagem e segurança dos procedimentos cirúrgicos
levam a altas taxas da cirurgia, condição que é geralmente autolimitada
(MACHADO et al, 2013).
Segundo Vialle (2010), o quadro clínico de um paciente com hérnia lombar, inclui
lombalgia, que pode evoluir para lombociatalgia e, finalmente, persistir como ciática
(nervo ciático). Porém, há os tipos de dor que podem ser apresentadas, de forma aguda
ou crônica. Há a importância de um exame físico adequado, avaliação de dermátomos e
miótomos, para a localização da hérnia.
A hérnia de disco lombar pode apresentar dor local aguda ou crônica e espasmo
musculares. A dor aguda apresenta uma extensão e flexão limitada, diminuição da
mobilidade articular e muscular e redução da curvatura lordótica. Quando há a
compressão da raiz nervosa a dor se apresenta intensa e reflexos do quadríceps e aquileu
são diminuídos e a marcha é afetada.
Siqueira (2014), afirma que a hérnia de disco é multifatorial e as mais freqüentes
localiza-se na região lombar de origem mecânicos-posturais degenerativa, secundárias
que são aquelas por desgaste gradativo, ou seja, má postura, desequilíbrio muscular e
fraqueza dos estabilizadores lombares.
Kisner (2009) relata que os sintomas da doença degenerativa do disco intervertebral
podem variar de acordo com o nível vertebral da protrusão e a direção em que se
localiza. Os sinais podem ser descritos como neurológicos, que surge com a pressão das
raízes nervosas, e os sinais e sintomas verdadeiramente neurológicos são a fraqueza
motora e alterações nos dermátomos.
De acordo com Vialle (2010), a hérnia é descrita em todas as faixas etárias, corre
principalmente entre a quarta e a quinta década de vida, com a incidência maior no
gênero masculino 4,8% e feminino com 2,5% em idade acima de 35 anos. A
predisposição genética também se enquadra nos fatores de riscos, a atribuição ao
tabagismo e exposição a cargas prolongadas aumentam os riscos.
Segundo Gotfryd (2012) o tratamento cirúrgico é indicado quando não há melhora do
quadro álgico do paciente, ou quando houver persistência ou progressão do déficit
neurológico e aumento de crises incapacitantes. O intuito do tratamento cirúrgico, é a
melhora da dor, a descompressão e a estabilização mecânica da coluna vertebral.
2.Referencial teórico
O tratamento fisioterapêutico na hérnia de disco é conservador e primeiramente deve ser
realizada uma avaliação. A Anamnese visa detectar o estágio que o paciente se
encontra, a intensidade da dor, tipo de laser e de trabalho, o paciente irá descrever toda a
sua história pregressa. Avaliação neurológica ajuda na identificação do tipo de marcha,
força, tônus muscular, diminuição ou aumento dos reflexos, coordenação e
sensibilidade. Avaliação postural auxilia na detecção de alterações visíveis da coluna.
No exame físico serão realizados alguns testes ortopédicos essenciais, o sinal de
Laségue provoca tensão sobre o nervo ciático, se o paciente referir dor, o sinal é
positivo. Os testes de elevação de perna e de elevação de perna retificado são
significantes para o diagnostico de hérnia de disco lombar.
A fisioterapia tem como objetivo: controlar da dor, reduzir espasmos, reduzir
parestesias e contraturas articulares, restabelecer o equilíbrio da coluna, fortalecer a
4
musculatura paravertebral e acessórios. Os recursos fisioterapêuticos utilizados incluem
a crioterapia, o TENS que estimula as fibras nervosas A-alfa de condução rápida tendo
efeito analgésico e reduzindo espasmos, ultrassom terapêutico que gera o aumento do
fluxo sanguíneo, tração manual e terapia manual.
As técnicas de mobilização neural têm sido utilizadas na recuperação de pacientes com
distúrbios musculoesqueléticos (SOARES, 2010).
A literatura demonstra que os exercícios de estabilização executados de uma
maneira gradual e ativação lenta da musculatura, com baixa carga e mínimo
de movimento do tronco, permitem a melhor ativação dos multífidos. Os
estudos sejam eles biomecânicos, anatômicos ou clínicos, evidenciam que o
treinamento tem se mostrado eficaz (GEORGE, 2007 citado por
MACHADO, 2012).
O método Mckenzie tem como objetivo o realinhamento do núcleo pulposo e das
estruturas em desordens, com exercícios específicos de tronco, a força e o movimento
funcional serão restaurados.
De acordo com Oliveira (2009) a quiropraxia é uma técnica que reconecta os
seguimentos do corpo com o cérebro, através de ajustes articulares, que permitindo a
auto-cura de forma natural do corpo. Promove a redução de mialgias, restabelece a
função biomecânica da coluna e da postura do individuo.
A pompage é indicada para casos de hérnia discal, é uma técnica que promove
lentamente o alongamento das estruturas diminuindo a tensão muscular e aliviando a
dor, com objetivo de evitar as retrações musculares e a promoção de relaxamentos para
que em seguida técnicas de thrust sejam executadas.
Um método bastante conhecido na terapia manual é a mobilização articular de Maitland.
Esse método compreende uma série de manobras utilizadas na avaliação e tratamentos
de disfunções do sistema musculoesquelético (KARVAT, 2014).
A Reeducação Postural Global (RPG), criada por Philippe Souchard, utiliza tanto
manobras como a manutenção de determinadas posturas que conduzem ao reequilíbrio
das cadeias musculares (RIBEIRO, 2010).
3.Metodologia
Trata-se de uma revisão sistemática, ocorrida no período de março a setembro de 2014,
através de consultas de livros e artigos de bancos de dados SCIELO (Scientific
Eletronic Library Online), BIREME (Biblioteca Regional de Medicina) e Google
acadêmico, utilizando as seguintes palavras chaves: fisioterapia, hérnia de disco,
anatomia, lombalgia, quiropraxia, mobilização neural, Maitland, Reeducação postural
global (RPG) e estabilização segmentar vertebral, publicados no período do ano de 2009
a 2014, com critérios de exclusão artigos relacionados a animais e fora do contexto.
4.Resultados e Discussão
Neste estudo foram encontradas 59 bibliografias no total, dos quais foram selecionados
29 artigos e 3 livros de acervo pessoal que atenderam os critérios de inclusão e 27
artigos foram excluídos por não abordar diretamente o assunto em questão.
A hérnia de disco se inicia com a diminuição dos espaços intervertebrais ocasionando o
deslocamento do núcleo pulposo que atravessa o ânulo fibroso e geralmente ocorre na
região posterolateral, podendo haver compressão da raíz nervosa dependendo da
quantidade de material herniado, gerando parestesias, espasmos e quadro álgico. Os
primeiros sintomas são a dor aguda, a queimação em pontadas que irradia para a
periferia do corpo.
5
O tratamento fisioterápico abrange um numero amplo de tratamento,
incluindo exercícios, a aplicação de calor ou frio, ultrassom ou estimulação
elétrica. A realização de exercícios após a fase aguda da dor, para
fortalecimento da musculatura lombar, aparece como modalidade
fisioterápica mais importante. O gelo é recomendado para dor lombar aguda
para reduzir o edema, e o calor é aplicado para reduzir o espasmo muscular
(ANEMA et al., 2007 citado por SILVEIRA, 2010).
Segundo Godinho et al (2011), a tração manual e o alongamento passivo são indicadas
para o alivio da dor. A tração promove o afastamento dos espaços intervertebrais e
descomprime as raízes nervosas. O alongamento é uma manobra que tem como objetivo
a flexibilidade das fibras musculares encurtadas promovendo relaxamento e melhorando
o fluxo sanguíneo, diminuindo a dor e irritabilidade e a recuperação da elasticidade de
tendões e ligamentos melhorando a ADM.
O alongamento promove a diminuição do estresse e da tensão muscular, muito utilizada
para o ganho de amplitude de movimento e para a redução de lesões através da
manutenção. A tração manual é uma força aplicada no sentido longitudinal que mobiliza
a fáscia, aumenta os espaços intervertebrais melhorando a nutrição do disco, alonga os
tecidos moles e estimula os mecanorreceptores promovendo a diminuição da dor e do
tônus muscular.
Liu (2008) citado por Souza (2011) afirma que a tração manual afasta o forame
vertebral de acordo com a carga aplicada, foi avaliado após a ressonância magnética,
que a hérnia de disco havia reduzido a protrusão.
A mobilização neural tem sido utilizada como método de avaliação e
tratamento das mais diversas patologias que acometem o sistema nervoso e as
estruturas por ele inervadas. Pacientes com lombociatalgia tratados com
mobilização neural obtiveram uma redução importante da sintomatologia
dolorosa (HALL e BOEING, 2004 citado por LIMA, 2012).
Veras et al (2011) afirma que a mobilização neural que também é conhecida como
neurodinâmica, se aplica no comprometimento fisiológico e mecânico do sistema
nervoso que levam a disfunções nas estruturas musculoesqueléticas. A técnica é
realizada com tensão e movimento que permite a recuperação da extensibilidade e a
função normal da estrutura comprometida.
Oliveira (2009) descreve que para avaliação de tensão neural é realizado o teste
neurodinâmico que são movimentos para avaliar uma parte do sistema nervoso, quando
houver dor ao realizar alongamentos profundos ou uma diminuição da amplitude de
movimento, o teste é positivo para alterações.
O tratamento poderá ser realizado a partir do grau de tolerância do paciente estabelecida
durante o teste, ao final de cada movimento lento e consecutivo por um minuto, deve-se
ter um descanso de três minutos para que possa ser aplicado novamente. A técnica de
estiramento neural é utilizada pra o ganho de amplitude de movimento e na diminuição
do quadro álgico, ou seja, quando realizado melhora a neurodinâmica do sistema
nervoso fazendo com que não ocorra diminuição de elasticidade e nem desordens
biomecânicas.
Para Siqueira et al. (2011), a técnica de estabilização segmentar vertebral demonstra
bons resultados. O recondicionamento do transverso do abdômen e dos multífidos, com
o treinamento dessas musculaturas a força, o controle e a coordenação dos movimentos
são restabelecidos. O programa é composto por três fases: cognitiva, que é o inicio do
tratamento, com a contração dos músculos envolvidos. Fase associativa, que é o
treinamento dos movimentos alterados. E a fase automática, na qual ocorre a
estabilização da coluna de forma automática durante as atividades de vida diária do
indivíduo.
Exercícios para estabilização segmentar da coluna ou para controle motor são
aqueles elaborados para ativar os músculos profundos do tronco com o uso de
6
abordagem de aprendizado motor para que essa ativação ocorra primeiro na
posição estática, depois na dinâmica, e por fim durante a execução de tarefas
do dia a dia. O maior objetivo dessa técnica é manter a estabilidade da coluna
com o aumento do controle neuromuscular, da força e da resistência dos
músculos centrais do tronco como transverso do abdome, multífidos e
oblíquo interno (RIBEIRO, 2011).
A técnica de estabilização segmentar vertebral, é utilizada nas lombalgias em geral,
incluindo a hérnia de disco lombar, como tratamento e prevenção da diminuição do
trofismo, esse método fortalece com treinos os estabilizadores da coluna lombar com
feedback visual usando o UPB (unidade pressórica de biofeedback) um aparelho que
registra alteração de pressão dos movimentos do corpo.
Siqueira (2014) diz que a estabilização segmentar vertebral fortalece os músculos
profundos do tronco: o transverso abdominal e os multífidos. Diante dos resultados foi
observado, que a utilização do UPB, foi eficaz nos músculos estabilizadores lombares,
tanto em decúbito dorsal e ventral. Foi observado que quando realizado os exercícios
abdominais a pressão do disco é diminuída, reduzindo o quadro álgico.
A quiropraxia baseia-se em técnicas de ajustes quiropráxicos, que devolvem
os movimentos artrocinemáticos, micromovimentos normais à coluna
vertebral, reduzindo a compressão neural responsável pela sintomatologia
dolorosa daquele determinado dermatómo (SILVA, 2012).
A manipulação quiroprática pode ser aplicada no segmento cervical, torácico e lombar,
com o intuito da recuperação da mobilidade articular e dos movimentos fisiológicos
corporal. Os métodos de avaliação incluem a análise da marcha, palpação articular
estática e dinâmica, avaliação da postura e da amplitude de movimento das articulações
afetadas. Com movimentos e posturas erradas, há um deslocamento vertebral para cima,
para baixo ou rotacional que gera uma anormalidade na articulação da coluna. A técnica
corrige subluxações das vértebras fixadas que causam limitação da mobilidade do
segmento vertebral, e melhora a amplitude de movimento.
O exame físico concentra-se na avaliação dos sistemas locomotor e
neurológico periférico. Adicionalmente à realização de testes ortopédicos e
do exame neurológico, há uma grande ênfase em técnicas específicas de
palpação estática e dinâmica de articulações e demais estruturas
musculoesqueléticas (BRACHER, 2013).
Ianuzzi (2005) citado por Oliveira (2009) descreve que a manipulação vertebral através
de estimulação mecânica de neurônios sensitivos, induz um efeito chamado de
neurofisiológico no corpo e efeito na redução imediata da dor, que surge após alguns
segundos da aplicação da técnica. Foi observado que o sistema noradrenérgico age na
medula espinhal liberando opióides endógenos.
Bienfait (2000) citado por Oliveira et al. (2009) afirma que a pompage tem objetivo
circulatório e promove relaxamento muscular, a técnica é muito eficiente no tratamento
de contraturas e rigidez, pois segue um padrão no sentido da fibra muscular, onde o
terapeuta realiza um tensionamento que alonga lentamente até o limiar da elasticidade
fisiológica, o tempo deve ser mantido entre quinze e vinte segundos e o tempo de
retorno deverá ser mais o lento possível.
O método Mckenzie consiste em movimento de flexão e extensão da coluna
lombar, gerando uma movimentação do núcleo pulposo e resultando em uma
deformação quando submetido à pressão, distribuindo as forças que vão
contribuir para o equilíbrio da tensão. Dessa forma o método promove uma
solução imediata e duradoura na redução da dor (LONG, 2005 citado por
SILVEIRA, 2010).
Contudo, Clare (2004) citado por Pires (2012) em sua revisão sistemática de ensaios
clínicos com a técnica Mckenzie é de difícil comprovação, pois não existem dados sobre
os efeitos a logo prazo da técnica na dor e incapacidade, e não se encontrar estudos para
7
a comparação de placebo com o método Mckenzie. E por isso sugere mais materiais
sobre o assunto.
Já Garcia (2011), afirma que estudos mostram resultados no ganho de mobilidade da
coluna, redução da dor e melhora do desempenho funcional em curto prazo, quando a
técnica Mckenzie foi aplicada. Os exercícios de flexão, extensão e deslocamento da
coluna foram realizados uma vez por semana durante 45 minutos.
Segundo Karvat (2014) a técnica de Maitland, compreende em manobras com aplicação
de cargas oscilatórias para ocorrer movimentos intra-articulares. Na coluna vertebral é
utilizada a técnica de pressão póstero-anterior com aplicação de cargas de diferentes
graus. Grau I e II o ritmo é lento e aplicado no inicio da amplitude de movimento é
indicado em processos dolorosos articulares. O grau III e IV é uma adaptação
viscoelástica dos tecidos, é indicada para recuperação de restrição de movimentos
acessórios, é aplicada no final da amplitude de movimento.
A movimentação ativa é um teste realizado pra analisar a posição em que se encontram
as articulações. Testes auxiliares como o de movimentação rápida, pressão mantida,
palpação das estruturas moles e ósseas também serão realizados como avaliação.
A manipulação vertebral apresenta como característica marcante o efeito
imediato sobre a dor e ampliação da mobilidade, devido o aumento da
amplitude de movimento de um segmento de articulação intervertebral.
Ainda induz um efeito neurofisiológico benéfico e seguro para o paciente
através da estimulação mecânica de neurônios sensitivos da cápsula das
facetas zigoapofizárias (MAITLAND, 2006 citado por BOSCHI, 2012).
A técnica de Maitland é aplicada com movimentos passivos e oscilatórios para a
diminuição da dor e rigidez feita em qualquer altura da coluna ou em qualquer parte do
sistema esquelético e poderá ser usada baixa ou alta freqüência de velocidade, com
pequena ou grande amplitude. A técnica de pressão póstero-anterior pode ser utilizada
como avaliação para determinação do grau, a carga e o tempo da técnica realizada.
O RPG se baseia no alongamento global de músculos antigravitários e organizados em
cadeias musculares alongadas simultaneamente por aproximadamente 15 a 20 minutos
(TEODORI, 2011).
Na hérnia de disco as posturas utilizadas na Reeducação Postural Global (RPG)
recuperam o equilíbrio e a flexibilidade, alonga e realinha a coluna vertebral, diminui as
tensões musculares em cadeia, diminui a dor e permite maior amplitude na flexão de
tronco e quadril. Esta técnica é aplicada com posturas ativas, isométricas e excêntricas
dos músculos estáticos.
Gil (2011) afirma que os princípios do RPG, são que as cadeias musculares são
constituídas por músculos gravitacionais que trabalham sinergicamente dentro da
cadeia, e utiliza posturas específicas para o alongamento de músculos dessa cadeia
muscular, sendo considerada de longa duração aproximadamente 15 minutos cada
postura.
A fisioterapia dispõe de diversas técnicas que podem ser utilizadas no
tratamento de alterações posturais, entre elas a Reeducação Postural Global
(RPG). Este método propõe buscar o equilíbrio muscular por meio de
posturas de correção que trabalham alongamento muscular global,
fortalecimento, consciência corporal e respiração, ao mesmo tempo, através
do conhecimento das cadeias musculares, procurando harmonizá-las. Alguns
trabalhos salientam a eficácia deste método no alongamento da musculatura
respiratória (COMERLATO, 2013).
O alongamento global alonga vários músculos simultaneamente, pertencentes à mesma
cadeia muscular, e parte do pressuposto de que um músculo encurtado cria
compensações em músculos próximos ou distantes (ROSSI, 2011).
8
A fisioterapia tem como objetivo reabilitar os pacientes com hérnia de disco, para o
retorno de suas atividades de vida diárias e da promoção do bem estar, com intuito
também de orientar para que não tenha reincidência da dor e perda funcional do corpo.
5.Conclusão
O presente estudo permitiu destacar a hérnia de disco, uma das principais patologias
degenerativa da coluna vertebral que causa dor e incapacidade funcional e demonstrar
os recursos fisioterapêuticos na avaliação, no tratamento e prevenção de reincidência da
doença.
Através de uma revisão bibliográfica conclui-se que a hérnia de disco ocorre por
movimentos repetitivos da coluna vertebral de rotação e inclinação, e associada também
às más posturas que o individuo adota ao longo de sua jornada de trabalho, de estudo, e
de laser durante toda sua vida. Os principais sinais e sintomas são descritos como
fraqueza, parestesias, quadro álgico, perda da amplitude de movimento, rigidez articular
e muscular e ausência de alguns reflexos neurológicos.
O fisioterapeuta precisa ter um bom conhecimento anatômico, fisiológico e
biomecânico, para a melhor tomada de decisão sobre qual técnica será usada e bem
aplicada, respeitando sempre o limite da dor para que o paciente apresente resultados
positivos ao tratamento.
O tratamento fisioterapêutico nessa revisão literária abordou algumas técnicas que se
demonstram como eficaz no alivio da dor e na melhora funcional do corpo, dentre elas
estão: TENS e o ultrassom diminui o quadro álgico presente; tração manual promove a
descompressão do disco degenerado; pompages e alongamentos realinham as fibras
musculares e evitam ou diminuem as contraturas; os exercícios proposto pela técnica de
Mckenzie reorganiza o núcleo pulposo no anel fibroso; estabilização segmentar
vertebral fortalece o core, realinha, estabiliza e devolve a propriocepção postural; o
RPG melhora a força muscular respiratória e dos músculos paravertebral, melhora a
mobilidade toracoabdominal; e as técnicas de terapia manual como a quiropraxia que
reconecta as estruturas promovendo a auto-cura; a técnica de Maitland e mobilização
neural que promove a melhora da amplitude de movimento, mobilidade articular e
muscular, a normalização dos reflexos neurológicos e também na redução da dor. Por
meio do tratamento com tais técnicas propostas, evitam-se os comprometimentos
articulares e musculoesqueléticos, proporcionando assim suas independências,
funcionalidades, diminuindo riscos de reincidências, proporcionando à reintegração do
individuo a sociedade.
A dor que a hérnia de disco causa, pode ser incapacitante funcional levando o individuo
ao afastamento do trabalho, das atividades de laser e do dia a dia. Por isso é importante
que haja mudanças de hábitos desses pacientes, como uma vida mais ativa com a prática
de exercícios físicos diariamente, com intervalos para descanso quando fizer uso de
computadores por longos períodos, e manutenção de posturas corretas. Com essas
mudanças o individuo poderá melhorar sua saúde física e mental, voltar as suas
atividades diárias, seu laser e labor e, contudo prevenir outras patologias.
Esta revisão permitiu destacar a atuação da fisioterapia com técnicas de tratamento
conservadores como a eletroterapia, crioterapia e a terapia manual com manobras que
permitem a melhora funcional do individuo, demonstrou a importância e contribuição
para a reabilitação de pacientes com hérnia de disco. A fisioterapia permite que o
paciente volte a suas atividades de vida diárias, reintegre a sociedade e promove a
qualidade de vida.
9
Referências Bibliográficas
AGNES, Jones Eduardo. Eu sei eletroterapia. Santa Maria. Palloti, 2009. Pág. 150 e 302.
BOSCHI, Emerson Soldateli, et al. Efeitos da manipulação torácica na dor e amplitude de
movimento
da
coluna
cervical.
2012.
Disponível
em:
<http://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Cippus/article/view/333/282> Acesso em: 29 de agosto de
2014.
BRACHER,
Eduardo
Sawaya
Botelho,
et
al.
Quiropraxia.
2013.
Disponível
em:
<http://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/79998/83918> Acesso em: 02 de setembro de 2014.
COMERLATO, Tatiana et al. Efeitos do método de Reeducação Postural Global (RPG) no
tratamento
da
cifose
de
Scheuermann.
2013.
Disponível
em:
<http://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/fisisenectus/article/view/1746/959> Acesso em: 01 de
setembro de 2014.
FERNANDEZ, Jonatas Sanchez, et al. Correlação do sinal de laségue e manobra da elevação da
perna, retificada com os achados cirúrgicos em pacientes com ciatalgia portadores de hérnia discal
lombar. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/coluna/v11n1/06.pdf> Acesso em: 20 de agosto
de 2014.
FERREIRA, Dalva Minontose Albuquerque, et al. Avaliação da coluna vertebral: relação entre
gibosidade
e
curvas
sagitais
por
método
não
invasivo.
2010.
Disponível
em:
<http://www.scielo.br/pdf/rbcdh/v12n4/09.pdf > Acesso em: 12 de maio de 2014.
GARCIA, Alessandra N. et al. Efeitos de duas intervenções fisioterapêuticas em pacientes com dor
lombar crônica não-específica: viabilidade de um estudo controlado aleatorizado. 2011. Disponível
em: <http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v15n5/pt_AOP022_11.pdf> Acesso em: 29 de agosto de 2014.
GIL, Vinicius Fernandes Barrionuevo, et al. Lombalgia durante a gestação: eficácia do tratamento
com
Reeducação
Postural
Global
(RPG).
2011.
Disponível
em:
<http://www.scielo.br/pdf/fp/v18n2/11.pdf> Acesso em: 01 de setembro de 2014.
GODINHO, A. C. S. et, al. Efeito Terapêutico do Alongamento e Tração Manual da Coluna com
Protusão
Discal
Lombar
na
fase
crônica.
2011.
Disponível
em:
<http://artigocientifico.com.br/uploads/artc_1342917469_78.pdf> Acesso em: 23 de março de 2014.
GOTFRYD, Alberto Ofenhejm, et al. Influência da extensão da artrodese lombossacra nos resultados
clínicos e funcionais. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/coluna/v11n1/01.pdf> Acesso em:
20 de agosto de 2014.
10
KARVAT, Jhenifer, et al. Mobilizações póstero-anteriores na coluna lombar em voluntárias
saudáveis. Avaliação da dor ao frio e à pressão: ensaio clínico cruzado. 2014. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1806-00132014000100021&script=sci_arttext&tlng=es> Acesso
em: 01 de agosto de 2014.
KISNER, Carolyn. COLBY, Lynn Allen. Exercícios terapêuticos, fundamentos e técnicas. Barueri, SP:
5 ed. Manole, 2009. Pág. 399, 427, 428, 429.
LEON, Nathali Shanti, et al. Efeito agudo de diferentes modalidades eletroterápicas na dor lombar
crônica em fase aguda, aplicada em homens: um estudo duplo cego. 2011. Disponível em:
<http://www.sare.anhanguera.com/index.php/anuic/article/view/2964/1075> Acesso em: 20 de agosto de
2014.
LIMA, Marília Olivindo, et al. A eficácia da mobilização neural na reabilitação da lombalgia: uma
revisão
de
literatura.
2012.
Disponível
em:
<http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/1390/1197> Acesso em: 09 de
junho de 2014.
MACHADO, Guilherme pinheiro, et al. Exercício de controle motor para tratamento de dor lombar
secundária
à
hérnia
discal:
um
estudo
piloto.
2012.
Disponível
em:
<http://periodicos.unesc.net/index.php/Inovasaude/article/viewFile/807/796> Acesso em: 09 de junho de
2014.
MACHADO, J. R. Naira; ANDOLFATO, R. K. Análise dos efeitos da cinesioterapia na hérnia de
disco lombar. 2013. Disponível em: <http://www.fap.com.br/forum_2013/forum/pdf/poster/ciencias-dasaude/ANALISE%20DOS%20EFEITOS%20DA%20CINESIOTERAPIA%20NA%20HERNIA%20DE
%20DISCO%20LOMBAR.pdf> Acesso em: 12 de maio de 2014.
OLIVEIRA, Juliana Pedrosa Luna, et al. Análise dos efeitos do ajuste quiroprático na coluna cervical
em
pacientes
com
cervicalgia.
2009.
Disponível
em:
<http://www.revistaunirn.inf.br/revistaunirn/index.php/revistaunirn/article/view/187> Acesso em: 12 de
maio de 2014.
PIRES, Renata Alice Miateli, et al. Análise dos efeitos da tens, cinesioterapia e o método Mckenzie
para
redução
da
dor
em
pacientes
com
lombalgia.
2012.
Disponível
em:
<http://publicacoesacademicas.uniceub.br/index.php/cienciasaude/article/view/1679/1774> Acesso em:
26 de agosto de 2014.
RIBEIRO, Cristina A. N. et al. O exercício terapêutico no tratamento da lombalgia crônica: uma
revisão
da
literatura.
2010.
Disponível
em:
11
<http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/1736/1807> Acesso em: 29 de agosto de
2014.
RODRIGUES, Luciano Miller Reis, et al. Analise comparativa histopatológica entre a hérnia de disco
contida
e
extrusa.
2011.
Disponível
em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-18512011000100010> Acesso em: 09 de
junho de 2014.
ROSSI, Luciano Pavan, et al. Efeito agudo da técnica de reeducação postural global na postura de
mulheres
com
encurtamento
da
cadeia
muscular
anterior.
2011.
Disponível
em:
<http://www.scielo.br/pdf/fm/v24n2/a07v24n2> Acesso em: 02 de setembro de 2014.
SILVA, Rodrigo Marcel Valentim, et al. Efeitos da quiropraxia em pacientes com cervicalgia: revisão
sistemática. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rdor/v13n1/a13v13n1.pdf> Acesso em: 19
de agosto de 2014.
SILVEIRA, Michele Marinho, et al. Abordagem fisioterápica da dor lombar crônica no idoso. 2010.
Disponível em: <http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/1062/856> Acesso
em: 12 de maio de 2014.
SIQUEIRA, Gisela Rocha, et al. Alterações posturais da coluna e instabilidade lombar no individuo
obeso. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/fm/v24n3/20.pdf> Acesso em: 05 de junho de
2014.
SIQUEIRA, Gisela Rocha, et al. A eficácia da estabilização segmentar vertebral no aumento do
trofismo dos multífidos e melhora da dor em portadores de hérnia discal lombar. 2014. Disponível
em: <http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/4058/3070> Acesso em: 09 de junho de
2014.
SOARES, Matheus dos Santos, et al. Mobilização neural na reabilitação de portadores de lombalgia:
revisão
sistemática.
2010.
Disponível
em:
<http://revistatema.facisa.edu.br/index.php/revistatema/article/view/39/pdf> Acesso em: 12 de maio de
2014.
SOUZA, Nélio S. et al. Tratamento da lombalgia crônica influenciada pela discrepância dos
membros
inferiores:
um
estudo
de
caso.
2011.
Disponível
em:
<https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/EUM/article/view/124/85> Acesso em: 01 de
setembro de 2014.
12
SOUZA, Roger Burgo, et al. Efeito da tração manual sobre o comprimento da coluna cervical em
indivíduos
assintomáticos:
estudo
randomizado
controlado.
2011.
Disponível
em:
< http://www.scielo.br/pdf/fp/v18n1/11.pdf> Acesso em: 26 de agosto de 2014.
TEODORI, Rosana M. et al. Reeducação postural global: uma revisão de literatura. 2011. Disponível
em: <http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v15n3/03.pdf > Acesso em: 01 de setembro de 2014.
TORTORA, Gerard J. Bryan Derrickson. Corpo humano: fundamentos de anatomia e fisiologia. Porto
Alegre, RS: 8 ed. Artmed. 2010. Pág. 140 e 141.
VERAS, Larissa Sales Téles, et al. Avaliação da dor em portadores de hanseníase submetidos à
mobilização neural. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/fp/v18n1/06.pdf> Acesso em: 18
de julho de 2014.
VIALLE, Luis Roberto, et al. Hérnia discal lombar. 2010. Disponível em: <http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=ln
k&exprSearch=550560&indexSearch=ID> Acesso em: 23 de março de 2014.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards