ressecção em bloco no tratamento de gangrena peniana após

Propaganda
RESSECÇÃO EM BLOCO NO TRATAMENTO DE GANGRENA PENIANA APÓS PARALISIA
– RELATO DE CASO
Fabio Wacheski, Peterson Triches Dornbusch ([email protected]), Tatiane Aparecida
Schmidt Gabriel, Paulo Eduardo Caron, Pedro Vicente Michelloto Jr.
Introdução: A paralisia peniana é causada por uma falha no mecanismo de retração do
pênis, que resulta em inflamação, trombose vascular e em pouco tempo pode ocorrer
necrose. A ressecção peniana é indicada quando a paralisia se torna permanente e é
acompanhada por um dano irreparável no pênis. Relato de caso: Um eqüino, PSI,
macho, castrado, pertencente à Polícia Militar do Paraná foi submetido a uma ressecção
em bloco do pênis devido à gangrena deste órgão. No exame físico do animal observouse paralisia e um aumento de volume do pênis com presença de secreção abundante e
de odor desagradável. À palpação, o órgão encontrava-se frio e indolor. O exame ultrasonográfico revelou trombose da vascularização peniana. Como opção terapêutica
optou-se pela ressecção em bloco do pênis. A técnica consiste na remoção de toda a
estrutura peniana, desde a glande até a região perineal. Realizou-se anestesia inalatória,
com o paciente em decúbito dorsal, sendo necessários dois cirurgiões, para minimizar o
tempo cirúrgico. O primeiro cirurgião procedeu a retirada do pênis, prepúcio, ligadura
de grandes vasos e a criação de um túnel subcutâneo até a região perineal. O segundo
permaneceu atrás do paciente para a colocação de um torniquete temporário ao redor
do corpo cavernoso, complementação do descolamento peniano, tração do coto
remanescente e posterior uretroplastia, drenos de penrose foram deixados no local por
cinco dias. Antibióticos e antiinflamatório foram utilizados no período pós-operatório,
visando o controle da dor e das infecções intercorrentes. O paciente recebeu alta para a
atividade de patrulha montada após 30 dias. Discussão: A ressecção em bloco da
genitália externa de eqüinos é indicada quando estas estruturas estão afetadas como um
todo. As grandes dificuldades encontradas no pós-operatório foram evitar que a luz
uretral estenosasse e ao mesmo tempo evitar a instalação de cistite bacteriana.
Conclusões: A técnica de ressecção em bloco possibilitou a plena recuperação da
micção do paciente, e volta às atividades previamente exercidas.
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards