1. Proximidade: 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Propaganda
PSICOLOGIA
Prof. Thiago P. de A Sampaio
P
Percepção
ã
Sensação
Visão, Audição, Tato, Olfato e Paladar
Captação de estímulos pelos sentidos
ƒ Sinais eletroquímicos
Condução dos sinais até o córtex sensorial
ƒ Impulsos nervosos
O Limiar
ƒ Limiar absoluto: Nível + baixo no qual
um estímulo pode ser detectado
ƒ Quanto > a intensidade de 1 estímulo >
a probabilidade de que seja percebido.
ƒ O que está abaixo do limiar não é
detectado
ƒ Limiar relativo: diferença mínima
detectável
Estimulação subliminar
Percepção de 1 estímulo que está abaixo
do limiar absoluto.
1 estímulo apresentado abaixo do nível da
consciência é capaz de influenciar o
comportamento e os sentimentos?
Estudos com diferentes métodos
ƒ Não há uma resposta conclusiva
Características do Processamento
Sensorial que Interferem na
Percepção
Adaptação sensorial (habituação)
ƒ Atenuação da resposta sensorial
frente à estimulação inalterada
Exemplos: Água
Á
fria da piscina,
barulho do ventilador, sapato
apertado, cheiro do perfume
ƒ Permite que foquemos nossa
atenção em mudanças informativas
(Ex. tons de voz, mudança de slides)
Percepção
Foco da experiência consciente
É um processo psicológico:
ƒ Tudo que é detectado pelos sentidos
é percebido?
ƒ Como as sensações desconexas se
transformam em uma experiência
consciente coerente?
ƒ Seleção, organização e interpretação
das sensações
Seleção
Apenas uma pequena parte do que é
detectado é percebido
Atenção seletiva:
Exemplos:
p
ƒ Visão periférica (Você percebe a
ponta de seu nariz agora?)
ƒ Operador da bolsa de valores
ƒ Torcedor assistindo a um jogo na TV
Interferência de estímulos
despercebidos
Captura Visual
Dominância da visão sobre outros sentidos
quando as informações são conflituosas
Exemplos:
ƒ Cinema
ƒ Ventríloquo
ƒ Filme de montanha russa
Organização Perceptiva
A psicologia da Gestalt (forma ou todo)
ƒ Forma
ƒ Profundidade
ƒ Movimento
ƒ “Há muito mais na percepção do que os
sentidos podem alcançar”
ƒ “O todo é mais que a soma das partes”.
ƒ A mente cria formas a partir de
sensações elementares.
Organização Perceptiva
ƒ Não percebemos cada elemento
isoladamente mas a figura como um todo
que nos é significativa.
ƒ Busca por um sentido para as informações
sensoriais
Interatividade
Sobre os processos psicológicos da
sensação e da percepção é INCORRETO
afirmar que:
a) Cabe à sensação a detecção dos estímulos
ambientais.
b) A percepção
ã é um processo psicológico
i ló i que
depende da sensação.
c) A percepção é um processo que envolve a
seleção, organização e interpretação dos
estímulos sensoriais.
d) Todos os estímulos detectados na sensação
serão organizados e interpretados na
percepção.
e) Organizamos a informação
sensorial em um todo que
nos é significativo.
Percepção da Forma
ƒ A percepção é sempre organizada de
modo que tenha alguma coerência
ƒ 1ª tarefa: formar uma figura significativa
separando figura e fundo
Figura e fundo
ƒ Figuras reversíveis
ƒ Não conseguimos perceber as duas
possibilidades da figura ao mesmo
tempo.
Figuras reversíveis
ƒ Um peixe ou um rosto de mulher?
ƒ O que percebemos depende de como
organizamos figura e fundo.
Figuras reversíveis
ƒ Você consegue ver a mulher na figura
abaixo? Qual a idade dela?
ƒ 20 ou 80 anos?
Princípios Para a Percepção da
Forma
Agrupamento:
ƒ 1. Proximidade:
0 0
0 0
0 0
0 0
0 0
0 0
0 0
0 0
0 0
ƒ 2. Semelhança:
0 0
0 0
0 0
Princípios Para a Percepção da
Forma
ƒ 3. Fechamento
ƒ 4. Continuidade
ƒ 5. Conexão
0-0 0-0 0-0
Percepção de profundidade
Habilidade visual de perceber o mundo em
três dimensões
Indicadores binoculares
ƒ Convergência
ƒ Disparidade na retina
Sugestões monoculares
ƒ
ƒ
ƒ
ƒ
ƒ
ƒ
Interposição
Tamanho relativo
Claridade e brilho relativos
Gradiente de textura
Altura relativa
Perspectiva linear
Percepção de profundidade
Exemplos de sugestões monoculares
1. Tamanho relativo
2. Perspectiva linear
3. Altura relativa
Percepção de Movimento
Alteração do tamanho da imagem na retina
ƒ (Ex.: carro se aproximando)
p
Movimento estroboscópico
ƒ (Ex.: filme ou desenho animado)
Fenômeno Phi
ƒ (Ex.:
(E lletreiros
t i
de
d Las
L Vegas)
V
)
Interpretação
Influência direta da cognição:
ƒ Crenças
ƒ Esquemas
ƒ Valores
ƒ Suposições
ƒ Expectativas
Influências do contexto:
Interpretação
Predisposição perceptiva:
Fig. 1
Fig. 2
Interatividade
Sobre os processos perceptivos de seleção
seleção,
organização e interpretação é INCORRETO
afirmar que:
ƒ A seleção é o primeiro passo da percepção e
ocorre através da atenção seletiva.
ƒ A organização perceptiva prepara os
estímulos já selecionados para serem
interpretados.
ƒ A interpretação depende não só das
sensações mas da cognição.
ƒ O primeiro passo da organização perceptiva
na
a pe
percepção
cepção de forma
o a é definir
de
o que é figura
gu a e
o que é fundo.
ƒ Os indicadores monoculares fazem com que
ao fecharmos um dos olhos nossa
percepção de profundidade
permaneça inalterada.
Motivação
O Que é Motivação?
Motivação: Uma “necessidade ou
desejo” que estimula o comportamento
e o orienta para uma meta.
Diferentes teorias:
ƒ Instintos
ƒ Impulsos
ƒ Incentivos
ƒ A hierarquia de motivos de Maslow
Hierarquia de Motivos: A Pirâmide
de Maslow
Hierarquia de motivos
ƒ Apenas depois de nossas necessidades
de “nível inferior” serem atendidas é que
nos motivamos a satisfazer as de “nível
superior”
ƒ Ações semelhantes podem ter motivos
diferentes (O que motiva você a fazer
este curso?)
ƒ É provável que seja uma motivação de
nível superior
Hierarquia de Motivos
ƒ O comportamento de estudar ou fazer
um curso está mais diretamente ligado à
motivação de realização
ƒ Mas outras motivações mais básicas ou
para outras realizações podem interferir
ƒ Muitas vezes a “falta de motivação” é
causada por motivos concorrentes
Falta de motivação
Exemplos:
ƒ Estudar com fome ou sono
ƒ Ambiente barulhento
ƒ Levar material para estudar em viagens
ƒ Estudar com o msn ou orkut conectados
ƒ O “controle de estímulos”
A procrastinação
É deixar para amanhã o que se tem que
fazer hoje
É um sinal de falta de motivação
Como evitar:
Estabelecimento de prazos (razoáveis)
Auto-exigência (razoável)
Dividir a tarefa em etapas:
pico
ƒ Visar o próximo passo e não o “pico
da montanha”
ƒ Foco no desempenho e não no
resultado
Interatividade
Baseado na teoria de Maslow podemos
afirmar que:
ƒ
ƒ
ƒ
ƒ
ƒ
Um motivo de nível superior surge
apenas quando as dos níveis inferiores
estiverem minimamente satisfeitas.
A motivação é algo intrínseco ao
indivíduo.
A motivação vai variar de acordo com a
natureza do incentivo que é oferecido.
A satisfação de nossas necessidades
mais
i básicas
bá i
reduz
d a motivação
ti
ã de
d
realização.
A motivação de auto-realização
independe da satisfação da
necessidade de estima.
A Motivação de Realização
Motivação extrínseca
ƒ Recompensas arbitrárias
ƒ Esquiva de punições
Motivação intrínseca
ƒ Recompensa natural
As recompensas arbitrárias podem reduzir
a motivação intrínseca
Elogios informativos
A Motivação de Realização
Autoconfiança:
ƒ Sensação parecida com as de
quando obtive sucesso.
Auto-estima:
ƒ Sentimento de satisfação consigo
mesmo independente do
desempenho.
Auto eficácia:
Auto-eficácia:
ƒ A crença nas próprias capacidades
para atingir certo grau de
desempenho.
Auto-eficácia
ƒ Julgar-se capaz
ƒ Como favorecê-la?
ƒ Evolução gradual: proporciona uma
história de sucesso
ƒ Adequar a exigência à capacidade
ƒ Sinalização do êxito (aumenta a
motivação intrínseca)
Princípios importantes
Adaptação ao nível da experiência
ƒ Ex. Uma nota alta é mais motivadora
para quem não está acostumado
Privação relativa
ƒ Ex. A nota 7 é boa? Depende do
desempenho do restante da turma
Para Aumentar a Motivação de
Realização
Não é interessante apresentar questões
fáceis, para que o aluno tire sempre
nota dez
Sucesso contínuo é “ desmotivador”:
ƒ Torna o aluno pouco persistente
ƒ Desvaloriza a matéria ou o curso.
ƒ Não aumenta a crença na
auto-eficácia
Os desafios devem ser moderados
Concluindo
Um aluno motivado: é o que acredita nas
suas capacidades para adquirir novos
conhecimentos, dominar o conteúdo e
aprimorar suas habilidades.
professor motivador:
Um p
ƒ Conhece as capacidades atuais do
aluno.
ƒ Estabelece desafios moderados .
ƒ Planeja o avanço gradual.
ƒ Atenta para o êxito, elogiando seu
desempenho de forma informativa.
Interatividade
Na sua opinião qual dessas estratégias
de aumento da motivação devem ser
evitadas?
ƒ
Aumentar a crença na própria
capacidade
id d (auto-eficácia).
( t fi á i )
ƒ
Utilizar recompensas arbitrárias.
ƒ
Controlar estímulos, evitando motivos
concorrentes.
ƒ
Oferecer elogios informativos,
informativos
contingentes à respostas de êxito.
ƒ
Propor desafios moderados.
ATÉ A PRÓXIMA!
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards