história - Figure B

Propaganda
HISTÓRIA
1
___________________________________________________________________________________________________
HISTÓRIA DAS CAVERNAS AO TERCEIRO MILÊNIO
PATRÍCIA RAMOS BRAICK
MYRIAM BECHO MOTA
(...)
E quem garante que a História
É carroça abandonada
Numa beira de estrada
Ou numa estação inglória
A História é um carro alegre
Cheio de um povo contente
Que atropela indiferente
Todo aquele que a negue
É um trem riscando trilhos
Abrindo novos espaços
Acenando muitos braços
Balançando nossos filhos (...)
(Canción por la unidad de Latino América. Pablo Milanes e Chico Buarque de Hollanda)
HISTÓRIA
2
VOLUME I
INTRODUÇÃO: O FAZER HISTÓRIA
CAPÍTULO 1- A CONSTRUÇÃO DA HISTÓRIA
01- (FGV) Leia com atenção as proposições abaixo:
I. "A história de qualquer sociedade até aos nossos dias foi apenas a história da luta de classes.
Homem livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo, mestre e companheiro, numa palavra
opressores e oprimidos em oposição constante, desenvolveram uma guerra que acabava sempre
ou por uma transformação revolucionária da sociedade inteira, ou pela destruição das duas
classes em luta."
II. "Se me pedissem para responder à pergunta - 'O que é a escravidão?' e eu respondesse numa
só palavra: 'Assassinato!', todos entenderiam imediatamente o significado da minha resposta. Não
seria necessário utilizar nenhum outro argumento para demonstrar que o poder de roubar um
homem de suas idéias, de sua vontade e sua personalidade é um poder de vida ou morte e que
escravizar um homem é o mesmo que matá-lo. Por que, então, não posso responder da mesma
forma a essa outra pergunta: 'O que é a propriedade?' com uma palavra só: 'Roubo'."
Assinale a alternativa CORRETA:
a) A primeira proposição reproduz um trecho de uma das mais importantes obras do filósofo
alemão Karl Marx, que serviu de base para a ideologia liberal desenvolvida no século XIX.
b) A segunda proposição refere-se ao manifesto cristão proposto por bispos da Igreja,
indignados com a miséria que assolava as classes trabalhadoras européias no século XIX.
c) A "luta de classes" é um dos principais aspectos da doutrina marxista e a definição da
"propriedade como um roubo" tornou-se um dos principais lemas do anarquismo desde o
século XIX.
d) A segunda proposição é de Joseph Proudhon, teórico liberal francês, indignado com a
escravidão ainda praticada em determinados continentes no século XIX.
e) A segunda proposição refere-se à região da Palestina na perspectiva sionista, desenvolvida
na Europa ao final do século XIX.
02- (ENEM) Michel Eyquem de Montaigne (1533-1592) compara, nos trechos, as guerras das
sociedades Tupinambá com as chamadas "guerras de religião" dos franceses que, na segunda
metade do século XVI, opunham católicos e protestantes.
"(...) não vejo nada de bárbaro ou selvagem no que dizem daqueles povos; e, na verdade, cada
qual considera bárbaro o que não se pratica em sua terra. (...) Não me parece excessivo julgar
bárbaros tais atos de crueldade [o canibalismo], mas que o fato de condenar tais defeitos não nos
leve à cegueira acerca dos nossos. Estimo que é mais bárbaro comer um homem vivo do que o
comer depois de morto; e é pior esquartejar um homem entre suplícios e tormentos e o queimar
aos poucos, ou entregá-lo a cães e porcos, a pretexto de devoção e fé, como não somente o
lemos mas vimos ocorrer entre vizinhos nossos conterrâneos; e isso em verdade é bem mais
grave do que assar e comer um homem previamente executado. (...) Podemos portanto qualificar
esses povos como bárbaros em dando apenas ouvidos à inteligência, mas nunca se
compararmos a nós mesmos, que os excedemos em toda sorte de barbaridades."
HISTÓRIA
3
(MONTAIGNE, Michel Eyquem de, "Ensaios", São Paulo: Nova Cultural, 1984.)
De acordo com o texto, pode-se afirmar que, para Montaigne,
a) a idéia de relativismo cultural baseia-se na hipótese da origem única do gênero humano e da
sua religião.
b) a diferença de costumes não constitui um critério válido para julgar as diferentes sociedades.
c) os indígenas são mais bárbaros do que os europeus, pois não conhecem a virtude cristã da
piedade.
d) a barbárie é um comportamento social que pressupõe a ausência de uma cultura civilizada e
racional.
e) a ingenuidade dos indígenas equivale à racionalidade dos europeus, o que explica que os
seus costumes são similares.
03- (UFC) Analise o texto a seguir.
"E repare o leitor como a língua portuguesa é engenhosa. Um contador de histórias é justamente
o contrário do historiador, não sendo um historiador, afinal de contas, mais do que um contador de
histórias. (...)"
ASSIS, Machado de apud CHALHOUB, S. e PEREIRA, L.A. de M. (Org) A
História Contada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998, p.67.
Ante as novas tendências interpretativas da História, há uma diferença entre o contador de
histórias e o historiador, de acordo com a qual é correto afirmar que:
a) a literatura torna-se inexpressiva ao historiador, que se fundamenta nos documentos
manuscritos e impressos.
b) o contador de história recorre à ficção e o historiador envolve-se com o real, de acordo com a
sua interpretação e as práticas sociais consideradas.
c) a interpretação do historiador, apesar de valorizar a diversidade de informações, deve limitarse à do contador de histórias.
d) a história do cotidiano passou a ser depreciada pelos profissionais da História por
menosprezar a análise social.
e) a autenticidade dos fatos históricos exclui a força da subjetividade, presente na reconstrução
do passado.
04- (UFPI) Leia, com atenção, o depoimento do General Bandeira a respeito da participação dos
militares na política brasileira:
"No movimento de 64, a ideologia política foi puramente a de preservar o regime democrático.
Essa foi a grande mola que conduziu o movimento".
(D'Araújo, Maria Celina et al. "Visões do Golpe: a memória militar sobre 1964". Rio de
Janeiro: Relume-Dumará, 1994, p. 225.)
Considerando a tendência interpretativa da História, na atualidade, é correto afirmar que:
a) a real compreensão da situação política nacional fundamenta-se na objetividade do
conhecimento histórico, isento de intencionalidade política.
b) a interpretação do referido militar é inaceitável, pois no estudo da História torna-se
imprescindível um maior distanciamento cronológico entre o depoente e a realidade estudada.
HISTÓRIA
4
c) a renovação metodológica, decorrente da valorização da História oral no Brasil, propiciou um
novo entendimento a respeito da visão democrática dos militares.
d) a marca da objetividade, nos estudos históricos, comprova a validade da opinião apresentada,
evitando uma versão partidária da História.
e) o testemunho apresentado, mesmo considerando a realidade política brasileira, vivida a partir
de 1964, comprova a presença da subjetividade na interpretação histórica.
05- (FUVEST) Se é, como se diz comumente, pelo estudo do passado que se pode compreender
o presente, utilize seu conhecimento de História para comentar criticamente
a) a manchete de capa da revista "Época/Globo", em outubro de 2001: "A Globalização do Medo.
Viver ficou perigoso"
b) o ataque terrorista ao Pentágono e ao W.T.C., em 11 de setembro do mesmo ano.
06- (UERJ)- "Eu era garotão ainda quando a Força Expedicionária Brasileira chegou à Itália.
Passaram na minha cidade, porque foram de Salerno para Siena. Fazia parte do batalhão um
cidadão italiano, que veio para cá pequenino e depois se naturalizou. O pai deste soldado tinha
deixado uma filha pequena na Itália com um irmão que não conseguia ter filho nenhum. Então o
rapaz sabia que tinha uma irmã em Paola, que ele não conhecia e que era criada por um tio.
Pediu consentimento para os oficiais e chegou em Paola, chegou lá para conhecer a irmã. Não
sabia nem falar italiano, só falava português. Ninguém entendia nada. Aí procuraram o meu pai,
que falava bem o português e meu pai serviu de intérprete para ele poder conhecer a irmã."
(Depoimento de Vicenzo Figlino)
(In: GOMES,A. C. (org.). "Histórias de família entre a Itália e o Brasil." Niterói: Muiraquitã,
1999.)
Uma das formas que o historiador utiliza para estudar uma época é recolher depoimentos de
pessoas que viveram experiências no passado. O depoimento acima pode estar identificado por
um tipo de memória ligado a um contexto histórico.
A alternativa que apresenta, respectivamente, a qualificação para este tipo de memória e uma
referência histórica relacionada ao depoimento, é:
a) social - imigração italiana
b) oficial - Segunda Guerra Mundial
HISTÓRIA
5
c) oficial - Força Expedicionária Brasileira
d) social - construção da cidadania italiana
07- (UECE) Por muito tempo, os historiadores acreditam que deveriam e poderiam reproduzir os
fatos "tal como haviam ocorrido". Dentre as características do conhecimento histórico que
assim produziam, podemos assinalar corretamente:
a) ao privilegiarem a realidade dos fatos, os historiadores esperavam produzir um conhecimento
científico, que analisasse os processos e seus significados.
b) era uma história linear, cronológica, de nomes, fatos e datas, que pretendia uma verdade
absoluta, expressão da neutralidade do historiador.
c) como se percebeu ser impossível chegar à verdadeira face do que "realmente aconteceu",
todo o conhecimento histórico ficou marcado pelo relativismo total.
d) os fatos privilegiados seriam aqueles poucos que eram amplamente documentados, como as
festas populares e a cultura das pessoas comuns.
UNIDADE I- DOS PRIMEIROS HUMANOS AO
LEGADO CULTURAL DO HELENISMO
CAPÍTULO 02
AS EXPLICAÇÕES SOBRE A ORIGEM DO HOMEM
01- (UFPE) Faz muito tempo que o diálogo sobre a origem do homem vem revelando descobertas
científicas e esclarecendo, mesmo que de maneira provisória, a expansão dos seres humanos
pelo planeta terra. Descoberto há poucos anos, o 'Australopithecus garhi' é considerado:
a)
b)
c)
d)
e)
um ancestral do homem que viveu entre quatro e três milhões de anos atrás.
o elo perdido entre o 'homo habilis' e o 'homo erectus'.
da espécie a que pertencia Lucy, o mais famoso dos antepassados da humanidade.
um hominídeo que viveu entre o 'Australopithecus aferensis' e os 'Homo habilis' e 'erectus'.
um ancestral do homem de cérebro menor e menos inteligência que os 'Australopithecus
boisei' que viveram na África, há cerca de dois milhões de anos atrás.
02- (UFRS) Recentemente, no estado americano de Arkansas, a teoria da evolução elaborada por
Charles Darwin foi retirada dos currículos e teve proibida a sua utilização. Não obstante, os
estudos paleontológicos, antropológicos e arqueológicos vêm possibilitando avanços na
compreensão do período da pré-história, confirmando a existência de um longo período em que
ocorreu o processo de hominização. Sobre esse processo, analise as afirmações abaixo.
I - As mais antigas formas de vida humana registradas pela Paleontologia denominam-se
hominídeos, como comprovam os achados dos fósseis identificados como Australopithecus,
Pithecantropus, Sinantropus, entre outros.
II - Os fósseis demonstram que, no curso evolutivo da Humanidade, mais de um milhão de anos
antes de surgir o 'Homo Sapiens', existiram várias espécies a caminho da humanização, e as
mudanças físicas ocorridas ao longo de centenas de milhares de anos propiciaram sua adaptação
a qualquer ambiente.
III - As evidências arqueológicas indicam que a espécie humana não nasceu pronta nem física,
nem culturalmente. Necessitou de um enorme período de tempo para desenvolver um conjunto
HISTÓRIA
6
de habilidades técnicas e de conhecimentos que lhe permitisse elaborar instrumentos de trabalho
e utensílios.
Quais estão corretas?
a)
b)
c)
d)
e)
Apenas I.
Apenas II.
Apenas III.
Apenas II e III.
I, II e IIl.
03- (UFPE) Em relação ao momento em que homens e mulheres se colocaram como seres
históricos no mundo, é correto afirmar:
a) A invenção da escrita, da roda, do fogo é o que caracteriza os povos, considerados com
história, que se estabeleceram às margens do rio Nilo, há milhões de anos.
b) A história da humanidade teve início na região conhecida na Antigüidade por Mesopotâmia,
quando se inventou a escrita.
c) As pesquisas arqueológicas vêm apontando que a história humana teve início há um milhão
de anos, em várias regiões do globo terrestre, simultaneamente.
d) Entre 4 e 6 milhões de anos atrás, surgiram na África os primeiros antepassados do ser
humano com os quais teve início a história da humanidade.
e) O elemento preponderante no reconhecimento dos homens e mulheres como seres históricos
é a invenção da linguagem, há 2 milhões de anos, no continente europeu.
04- (UFPE) Sobre os ancestrais do homem moderno, é falso afirmar que:
a) no Paleolítico inferior, viveram os primeiros bandos de 'Australopitecos', 'Pithecantropus',
'Sinantropus' e 'Paleontropus', todos pertencentes à família dos homínidas.
b) os homínidos do Plistoceno, ao contrário dos homínidos do Paleolítico inferior, se constituíam
em uma única espécie.
c) com base nos estudos dos artefatos produzidos pelos homínidos, foram classificadas duas
culturas: a cultura do núcleo e a cultura das lascas.
d) vivendo em bandos, os homínidos desenvolveram cooperação, produção e transmissão de
conhecimento.
e) segundo estudos geológicos, e paleontológicos, os ancestrais do 'Homo sapiens', assim como
o 'Homo sapiens', última espécie homínida, surgiu no Plistoceno.
05- (UFPE) Alguns historiadores afirmam que a História iniciou quando a humanidade inventou a
escrita. Nessa perspectiva, o período anterior à criação da escrita é denominado Pré-História.
Sobre esse assunto assinale a alternativa correta.
a) A história e a Pré-História só podem se diferenciar pelo critério da escrita. Logo, aqueles
historiadores que não concordam com esse critério estão presos a uma visão teológica da
História.
b) Esta afirmação não encontra qualquer contestação dos verdadeiros historiadores, pois ela é
uma prova irrefutável de que todas as culturas evoluem para a escrita.
c) Os historiadores que defendem a escrita como único critério que diferencia a História da PréHistória reafirmam a tradição positivista da História.
d) A escrita não pode ser vista como critério para distinguir a História da Pré-História, pois o
aspecto econômico é considerado um critério muito mais importante.
e) Os únicos historiadores que defendem a escrita como critério são os franceses, em razão da
influência da filosofia iluminista.
HISTÓRIA
7
06- (UFPE) "Já se afirmou ser a Pré-História uma continuação da História Natural, havendo uma
analogia entre a evolução orgânica e o progresso da cultura".
Sobre a Pré-História, qual das alternativas a seguir é incorreta?
a) Várias ciências auxiliam o estudo, como a Antropologia, a Arqueologia e a Química.
b) A Pré-História pode ser dividida em Paleolítico e Neolítico, no que se refere ao processo
técnico de trabalhar a pedra.
c) Sobre o Paleolítico, podemos afirmar que foi o período de grande desenvolvimento artístico,
cujo exemplo são as pinturas antropomorfas e zoomorfas realizadas nas cavernas.
d) O Neolítico apresentou um desenvolvimento artístico diferente do Paleolítico, através dos
traços geométricos do desenho e da pintura.
e) Os primeiros seres semelhantes ao homem foram os Australopitecus e o Homem de Java que
eram bem mais adaptados que o Homem de Neanderthal.
CAPÍTULO 03
A IDENTIDADE DO HOMEM AMERICANO
01- (UFPE) O longo processo evolutivo, que se realizou na África, culminou com a aparição do
homem na Terra (o chamado gênero 'Homo'), a partir de um ancestral comum ao homem e aos
macacos antropóides. O 'Homo erectus' e o 'Homo ergaster' migraram da África, há pelo menos
um milhão de anos e povoaram a Ásia. O 'Homo antecesor' iniciou o povoamento da Europa, há
800.000 anos. Há 100.000 anos, o homem de Neandertal ocupava também a Europa e a Ásia
Menor. Todas essas espécies extinguiram-se, restando apenas o 'Homo sapiens' moderno, única
espécie sobrevivente, à qual todos pertencemos.
Baseado nessas informações, analise as proposições a seguir:
1) A América estava completamente despovoada quando Colombo ali chegou, pela primeira vez,
descobrindo o chamado Novo Mundo.
2) A América, antes dos descobrimentos dos espanhóis e portugueses, já estava povoada por
numerosos grupos humanos de diferentes culturas, embora todos pertencessem à mesma
espécie humana, a do 'Homo sapiens' moderno.
3) Depois de povoar a Ásia, o 'Homo erectus' conseguiu chegar também à América, faz meio
milhão de anos.
4) Os primeiros homens que povoaram a América, chegaram desde a Ásia, através do Estreito de
Bering.
5) Os primeiros habitantes da América pertenciam a uma espécie humana hoje extinta.
Estão corretas apenas:
a)
b)
c)
d)
e)
1e2
2e3
3e5
2e4
1e5
02- (G1 v4.1) Sobre a origem do Homem Americano, a hipótese mais aceita é a:
a) australiana.
HISTÓRIA
b)
c)
d)
e)
8
polinésia.
do autoctonismo.
asiática.
australo-polinésia.
03- (G1 v3.1) Explique como o homem chegou à América.
CAPÍTULO 04
DAS ALDEIAS PRÉ-HISTÓRICAS AOS PRIMEIROS ESTADOS
01- (FUVEST) Sobre o surgimento da agricultura - e seu uso intensivo pelo homem - pode-se
afirmar que:
a) foi posterior, no tempo, ao aparecimento do Estado e da escrita.
b) ocorreu no Oriente próximo (Egito e Mesopotâmia) e daí se difundiu para a Ásia (Índia e
China), Europa e, à partir desta para a América.
c) como tantas outras invenções teve origem na China, donde se difundiu até atingir a Europa e,
por último, a América.
d) ocorreu, em tempos diferentes, no Oriente Próximo (Egito e Mesopotâmia), na Ásia (Índia e
China) e na América (México e Peru).
e) de todas as invenções fundamentais, como a criação de animais, a metalurgia e o comércio,
foi a que menos contribuiu para o ulterior progresso material do homem.
02- (UFPE) Na Pré-História encontramos fases do desenvolvimento humano. Qual a alternativa
que apresenta características das atividades do homem na fase neolítica?
a)
b)
c)
d)
e)
Os homens praticavam uma economia coletora de alimentos.
Os homens fabricavam seus instrumentos para obtenção de alimentos e abrigo.
Os homens aprenderam a controlar o fogo.
Os homens conheciam uma economia comercial e já praticavam os juros.
Os homens cultivavam plantas e domesticavam animais, tornando-se produtores de
alimentos.
03- (UFPE) Todas as alternativas correspondem a atividades desenvolvidas durante o neolítico.
Assinale aquela que sofreu solução de continuidade quanto ao seu desenvolvimento.
a) A procura dos homens do neolítico pelas margens dos rios para se fixarem devido à secura do
clima e à escassez de água.
b) A sedentarização do homem, o desenvolvimento do cultivo do solo, de técnicas de caça e a
domesticação de animais.
c) A cultura dolmênica desenvolvida em parte da Europa.
HISTÓRIA
9
d) O surgimento dos primeiros aglomerados urbanos devido à necessidade dos indivíduos se
defenderem de saques e agressões.
e) O aparecimento dos primeiros trabalhos em metal, em barro e em lã.
04- (UFRN) A prática da agricultura e a criação de rebanhos implicaram alterações nas
sociedades neolíticas.
Nesse contexto, em diversas comunidades do Oriente Próximo, identifica-se, entre outras
transformações, o(a)
a) desenvolvimento de Impérios caracterizados pelo afastamento das tradições mítico-religiosas
em favor de um pensamento racional e naturalista.
b) ampliação das atividades lucrativas, como, por exemplo, o comércio realizado pelos
estrangeiros e seus escravos nos domínios das diversas cidades.
c) surgimento de uma prática política descentralizadora, que permitiu o livre desenvolvimento
econômico das diferentes regiões ocupadas.
d) diferenciação social baseada na riqueza e no poder, com o surgimento do Estado, instrumento
de controle e apropriação dos recursos naturais.
CAPÍTULO 05
EGITO
01- (UFSCAR) Entre as transformações havidas na passagem da pré-história para o período
propriamente histórico, destaca-se a formação de cidades em regiões de
a) solo fértil, atingido periodicamente pelas cheias dos rios, permitindo grande produção de
alimentos e crescimento populacional.
b) difícil acesso, cuja disposição do relevo levantava barreiras naturais às invasões de povos que
viviam do saque de riquezas.
c) entroncamento de rotas comerciais oriundas de países e continentes distintos, local de
confluência de produtos exóticos.
d) riquezas minerais e de abundância de madeira, condições necessárias para a edificação dos
primeiros núcleos urbanos.
e) terra firme, distanciada de rios e de cursos d'água, com grau de salubridade compatível com a
concentração populacional.
02- (UFC) Observe a ilustração, apresentada a seguir.
Considerando a representação da escrita egípcia, é correto afirmar que:
a) a utilização de recursos decorativos favoreceu a escrita em virtude de facilitar a compreensão
popular.
HISTÓRIA
10
b) os sinais apresentados constituíam um aperfeiçoamento da arte profana como forma de
expressão.
c) a diversidade de sinais utilizados tornava complexa a representação do que se queria
exprimir.
d) a diversidade de sinais utilizados na escrita resultou de uma imposição religiosa.
e) os desenhos elaborados representavam uma simplificação da escrita hierática.
03- (UFRS) Leia os itens abaixo, que contém possíveis condições para o surgimento do Estado
nas sociedades da Antigüidade.
I- Gradativa diferenciação da sociedade em classes sociais, impulsionada por uma divisão social
do trabalho mais intensa, capaz de produzir excedentes de alimentos.
II- Passagem da economia comunal para uma economia escravista, estimulada por guerras entre
povos vizinhos, propiciando aumento da produção de excedentes e de trocas, com uma divisão do
trabalho entre agricultura, pecuária e artesanato.
III- Constituição da propriedade da terra e do regime de servidão coletiva nas sociedades orientais
para que as grandes construções públicas fossem realizadas sob orientação dos grupos
dirigentes.
Quais dentre eles apresentam efetivas condições para tal surgimento?
a)
b)
c)
d)
e)
Apenas I.
Apenas I e II.
Apenas I e III.
Apenas II e III.
I, II e III.
04- (UFRN) A escravidão humana, surgida na Antigüidade e caracterizada pela sujeição do
homem pelo homem, foi retomada no Mundo Moderno, com aspectos econômicos e sociais
semelhantes.
Explicite duas semelhanças de ordem socioeconômica entre a escravidão antiga e a moderna.
05- (UFRN) A religião estava presente em todos os aspectos da vida no Antigo Egito. A medicina,
inclusive, era impregnada de elementos mágicos e religiosos.
A relação entre religião e medicina no Antigo Egito era evidente na medida em que
a) as práticas médicas estavam voltadas apenas para o tratamento dos faraós, cuja imagem era
associada aos deuses.
b) as técnicas desenvolvidas na medicina foram estimuladas pela necessidade de preservar o
corpo para a vida após a morte.
c) os médicos, recrutados entre as mais altas camadas sociais, acumulavam também a função
de promover o culto religioso.
HISTÓRIA
11
d) os médicos queriam prolongar a existência terrena, estimulados pelas crenças religiosas que
negavam a imortalidade da alma.
06- (UFPE) Em relação à religião no antigo Egito, pode-se afirmar que:
a) a religião dominava todos os aspectos da vida pública e privada do antigo Egito. Cerimônias
eram realizadas pelos sacerdotes a cada ano, para garantir a chegada da inundação e, dessa
forma, boas colheitas, que eram agradecidas pelo rei em solenidades às divindades.
b) a religião no antigo Egito, como nos demais povos da Antigüidade, não tinha grande
influência, já que estes povos, para sobreviverem, tiveram que desenvolver uma enorme
disciplina no trabalho e viviam em constantes guerras.
c) a religião tinha apenas influência na vida da família dos reis, que a usava como forma de
manter o povo submetido a sua autoridade.
d) o período conhecido como antigo Egito constitui o único em que a religião foi quase
inteiramente esquecida, e o rei como também o povo dedicaram-se muito mais a seguir a
tradição dos seus antepassados, considerados os únicos povos ateus da Antigüidade.
e) a religião do povo no antigo Egito era bastante distinta da do rei, em razão do caráter
supersticioso que as camadas mais pobres das sociedades antigas tinham, sobretudo por não
terem acesso à escola e a outros saberes só permitidos à família real.
07- (FUVEST) No antigo Egito e na Mesopotâmia, assim como nos demais lugares onde foi
inventada, a escrita esteve vinculada ao poder estatal. Este, por sua vez, dependeu de um certo
tipo de economia para surgir e se desenvolver.
Considerando as afirmações acima, explique as relações entre:
a) escrita e Estado:
b) Estado e economia.
08- (UFG) As culturas antigas encontraram no mito uma forma de compreensão do mundo. O mito
possui um caráter paradoxal: fornece uma primeira explicação para a realidade e para a existência
(unifica, dinamiza, dá sentindo), porém torna-se com facilidade fonte de desvios e acomodações
que possibilitam a manipulação.
Compare os sistemas mitológicos egípcios e grego, relacionando-os ás características políticas
de cada uma dessas sociedades.
12
HISTÓRIA
09- (UFPE) Em relação à arte do Egito Antigo, assinale a alternativa correta.
a) Visava à valorização individual do artista.
b) Manifestava as idéias estéticas com representações da natureza, evitando a representação da
figura humana.
c) Estava destinada à glorificação do faraó e à representação da vida de além-túmulo.
d) Aproveitava os hieróglifos como ornamentação.
e) Era um arte abstrata de difícil interpretação.
10- (UFES) Na Antigüidade
fundamentalmente pelo(a)
Oriental,
o
modo
de
produção
asiático
caracterizou-se
a) fracionamento da propriedade fundiária em partes entregues a nobres da Casa Real.
b) concentração do controle da produção num partido político.
c) apropriação formal da terra pelo Estado e efetiva pela comunidade camponesa, cujos
membros deveriam pagar impostos e prestar serviços ao Estado.
d) emprego da força de trabalho escravo, com um comércio operoso, controlado por uma
burguesia ativa e numerosa.
e) industrialização acentuada, calcada sobre uma farta e barata força de trabalho servil,
amplamente dominada pela aristocracia fundiária.
11- (FEI) Podem ser consideradas características das civilizações da Antigüidade Oriental:
a)
b)
c)
d)
e)
o monoteísmo e uma rígida divisão social
o politeísmo e uma sociedade organizada de maneira igualitária
o politeísmo e uma rígida divisão social
o monoteísmo e uma sociedade organizada de maneira igualitária
o politeísmo e uma sociedade de classes
12- (UFPE) Analise a alternativa que indica semelhança entre o Modo de Produção Primitivo e o
Modo de Produção Asiático:
a)
b)
c)
d)
e)
O solo pertencia apenas à comunidade.
A unidade das diversas comunidades se fazia através do poder do Estado.
O trabalho agrícola era realizado para produzir excedentes.
Existia o coletivismo na agricultura.
O uso da moeda era limitado.
13- (UEL) A arquitetura dos templos do antigo Egito forneceu para a posteridade a mais fértil e
expressiva documentação sobre a cultura egípcia. Entre suas principais características pode-se
indicar a
a) ausência de telhados, uma vez que a chuva era muito rara.
HISTÓRIA
b)
c)
d)
e)
13
utilização de tijolos de argila queimada na construção de paredes, escadarias e de colunas.
grandeza nas dimensões e construções sólidas.
adoção de diversos tipos de materiais, conforme as figuras retratadas.
preocupação em atrelar arte e ciência em uma mesma construção.
14- (PUCPR) Relacione o texto às proposições a seguir colocadas, assinalando a correta:
"Ó senhor de todos! Rei de todas as casas. Nas decisões mais distantes fazes o Nilo celeste para
que desça como chuva e açoite as montanhas, como um mar para regar os campos e jardins
estranhos. Acima de tudo, porém, fazes o Nilo do Egito que emana do fundo da terra. E assim,
com os teus raios, cuidas de nossas hortas. Nossas colheitas crescem, e crescem por ti (...). Tu
estás em meu coração. Nenhum outro te conhece, a não ser teu filho Aknaton."
a) Destaca a função geradora da vida do Deus Amon e do faraó, responsáveis por tudo que
existia no Egito.
b) Mostra que o Sol, Áton, era encarnado na terra do faraó Aknaton.
c) Evidencia que o alimento e a vida do homem dependiam do grande Deus Tebano.
d) O texto acima assinala o caráter ideológico na sociedade egípcia, destacando a figura do
faraó ligada ao Deus principal e reforçando seu papel político.
e) Mostra a profunda ligação mística entre o faraó e o Deus que dominou o Egito no Médio
Império.
15- (FUVEST) A partir do III milênio a. C. desenvolveram-se, nos vales dos grandes rios do
Oriente Próximo, como o Nilo, o Tigre e o Eufrates, estados teocráticos, fortemente organizados e
centralizados e com extensa burocracia. Uma explicação para seu surgimento é
a) a revolta dos camponeses e a insurreição dos artesãos nas cidades, que só puderam ser
contidas pela imposição dos governos autoritários.
b) a necessidade de coordenar o trabalho de grandes contingentes humanos, para realizar obras
de irrigação.
c) a influência das grandes civilizações do Extremo Oriente, que chegou ao Oriente Próximo
através das caravanas de seda.
d) a expansão das religiões monoteístas, que fundamentavam o caráter divino da realeza e o
poder absoluto do monarca.
e) a introdução de instrumentos de ferro e a conseqüente revolução tecnológica, que
transformou a agricultura dos vales e levou à centralização do poder.
CAPÍTULO 06
MESOPOTÂMIA
01- (UNESP) Os clamores da revolta e da destruição de Nínive, registrados na Bíblia, devem-se:
a)
b)
c)
d)
e)
ao pacifismo do povo assírio.
às soluções arquitetônicas dos sumérios.
ao modo de produção asiático dos caldeus.
aos atos despóticos e militaristas dos assírios.
à religião politeísta dos mesopotâmicos.
02- (UFC) A construção de obras hidráulicas no Mundo Mesopotâmico foi uma necessidade, que
teve como objetivo tornar produtivo os solos áridos para a prática da agricultura. As mesmas
condições nas diversas sociedades do Antigo Oriente Próximo deram origem ao conceito de
IMPÉRIOS TEOCRÁTICOS DE REGADIO. Explique o conceito acima citado.
HISTÓRIA
14
03- (UECE) O Crescente Fértil, expressão que identifica uma área da civilização antiga, refere-se
às seguintes civilizações:
a)
b)
c)
d)
China, Índia e Japão
Grécia, Roma e Egito
Irã, Palestina e Mesopotâmia
Fenícia, Cartago e Roma
04- (UECE) "- Se um arquiteto constrói uma casa para alguém, porém não a faz sólida, resultando
daí que a casa venha a ruir e matar o proprietário, este arquiteto é passível de morte.
- Se, ao desmoronar, ela mata o filho do proprietário, matar-se-á o filho deste arquiteto."
O preceito legal anterior pertence ao seguinte Código:
a)
b)
c)
d)
Corpus Juris Civilis
Código de Hamurabi
Código de Direito Canônico
Código Napoleônico
05-(UFRS) O soberano dividiu o seu império em províncias, chamadas satrapias, sendo a terra
considerada como propriedade real e trabalhada pelas comunidades.
Estas características identificam o
a)
b)
c)
d)
e)
império dos persas durante o reinado de Dario.
império babilônico durante o governo de Hamurabi.
antigo império egípcio durante a dinastia de Quéops.
reino de Israel sob o comando de Davi.
estado espartano durante a vigência das leis de Dracon.
06 (UFRN) As sociedades que, na Antigüidade, habitavam os vales dos rios Nilo, Tigre e Eufrates
tinham em comum o fato de:
a) terem desenvolvido um intenso comércio marítimo, que favoreceu a constituição de grandes
civilizações hidráulicas.
b) serem povos orientais que formaram diversas cidades-estado, as quais organizavam e
controlavam a produção de cereais.
c) haverem possibilitado a formação do Estado a partir da produção de excedentes, da
necessidade de controle hidráulico e da diferenciação social.
d) possuírem, baseados na prestação de serviço dos camponeses, imensos exércitos que
viabilizaram a formação de grandes impérios milenares.
07-(UFRS) O mapa a seguir apresenta a região da Mesopotâmia.
HISTÓRIA
15
A planície do Eufrates e do Tigre não constitui, como o vale do Nilo, um longo oásis no meio do
deserto. Ela tem fácil comunicação com outras terras densamente povoadas desde tempos
remotos. Por isso, a história da civilização mesopotâmica está marcada por uma sucessão de
invasões violentas e de migrações pacíficas que deram lugar a um contínuo entrecruzamento de
povos e culturas.
Entre esses povos, destacam-se
a)
b)
c)
d)
e)
egípcios, caldeus e babilônios.
fenícios, assírios e hebreus.
hititas, sumérios e fenícios.
sumérios, babilônios e assírios.
hebreus, egípcios e assírios.
08- (UFC) Leia com atenção as afirmativas a seguir sobre as condições sociais, políticas e
econômicas da Mesopotâmia.
I - As condições ecológicas explicam porque a agricultura de irrigação era praticada através de
uma organização individualista.
II - Na economia da baixa Mesopotâmia, a fome e crises de subsistência eram freqüentes,
causadas pela irregularidade das cheias e também pelas guerras.
III - Na Suméria, os templos e ziggurats foram construídos graças à riqueza que os sacerdotes
administravam à custa do trabalho de grande parte da população.
IV - A presença dos rios Tigre e Eufrates possibilitou o desenvolvimento da agricultura e da
pecuária e também a formação do primeiro reino unificado da História.
Sobre as afirmativas anteriores, é correto afirmar:
a)
b)
c)
d)
e)
I e II são verdadeiras.
III e IV são verdadeiras.
I e IV são verdadeiras.
I e III são verdadeiras.
II e III são verdadeiras.
CAPÍTULO 07
HISTÓRIA
16
AS CIVILIZAÇÕES HEBRAICA E
01- (UFC) Os hebreus desenvolveram sua civilização no primeiro milênio antes de Cristo. A
respeito dela podemos afirmar, corretamente que:
a) a importância da história da civilização hebraica se expressa, especialmente, através da
formação de um Estado centralizado.
b) a civilização hebraica apresenta traços específicos que decorrem do seu distanciamento
frente às demais culturas do Oriente Próximo.
c) a importância do estudo dos hebreus se justifica pelo monoteísmo ético que surge e se
desenvolve entre eles, constituindo-se um ponto de partida para o cristianismo e o islamismo.
d) os antigos hebreus têm como livro sagrado o Novo Testamento, que compreende vários
outros livros, dentre os quais está o Gênesis, que trata da Criação.
e) a antecedência da civilização hebraica à sumeriana explica a presença de mitos semelhantes
nas duas culturas.
02- (UFPI) A respeito da sociedade fenícia podemos afirmar corretamente que:
a) a Fenícia desconhecia centralização do poder, pois era formada por cidades-estados que
tinham ampla autonomia política, econômica, religiosa e administrativa.
b) a independência política das cidades-estados fenícias foi possível, durante séculos, pelas
alianças estabelecidas com os romanos que, por sua vez, faziam frente à expansão persa.
c) os extensos vales situados entre as montanhas e o mediterrâneo possibilitaram o grande
desenvolvimento da agricultura e do pastoreio e, conseqüentemente, do comércio.
d) de todas as criações fenícias, a mais importante foi a caravela, posteriormente aperfeiçoada
pelos gregos.
e) a grande e original contribuição dos fenícios para a história da civilização foi a introdução das
vogais no alfabeto criado pelos gregos e romanos, o que veio tornar a comunicação mais fácil
e rápida.
03- (FGV) Das alternativas abaixo, a que melhor caracteriza a sociedade fenícia é:
a)
b)
c)
d)
e)
a existência de um Estado centralizado e o monoteísmo;
o monoteísmo e a agricultura;
o comércio e o politeísmo;
as Cidades-estados e o monoteísmo
a agricultura e a forma de Estado centralizado.
04- (UFRS) Em relação aos povos da Antigüidade, é correto afirmar que
a) os assírios foram submetidos por Nabucodonosor, originando o episódio conhecido como o
Cativeiro da Babilônia.
b) os fenícios foram os criadores do alfabeto, posteriormente aperfeiçoado pelos gregos e
latinos.
c) os hebreus criaram um quadro religioso caracterizado pelo politeísmo e a mumificação.
d) os egípcios estabeleceram, em 300 a.C., o importante Código de Hamurabi, um dos primeiros
códigos jurídicos escritos.
e) os persas, após derrotarem as tropas de Alexandre, conseguiram anexar o território grego ao
seu império.
HISTÓRIA
17
05- (PUCSP) O cristianismo, na sua origem, está repleto de heranças (em geral modificadas) da
religião judaica; mas há, também, elementos que não são partilhados por essas duas concepções
religiosas. Dentre eles, podemos destacar
a)
b)
c)
d)
e)
a referência ao Antigo Testamento como escritura sagrada.
o conceito de culpa como elemento estruturante da moral religiosa.
a fé em um deus único.
o alcance universal do ideal de salvação.
a adoção de uma moral sexual que valoriza a monogamia.
06- (UEL) " ... essencialmente mercadores, exportavam pescado, vinhos, ouro e prata, armas,
praticavam a pirataria, e desenvolviam um intenso comércio de escravos no Mediterrâneo..."
O texto refere-se a características que identificam, na Antiguidade Oriental, os
a)
b)
c)
d)
e)
fenícios.
hebreus.
caldeus.
egípcios.
persas.
07- (FUVEST) Qual foi a principal atividade econômica desenvolvida pelos fenícios e cretenses na
Antigüidade? Indique duas justificativas.
CAPÍTULO 08
O LEGADO DA GRÉCIA PARA A CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL
01- (FUVEST) "A história da Antigüidade Clássica é a história das cidades, porém, de cidades
baseadas na propriedade da terra e na agricultura."
(K. Marx. "Formações econômicas pré-capitalistas.")
Em decorrência da frase de Marx, é correto afirmar que
a) os comerciantes eram o setor urbano com maior poder na Antigüidade, mas dependiam
produção agrícola.
b) o comércio e as manufaturas eram atividades desconhecidas nas cidades em torno
Mediterrâneo.
c) as populações das cidades greco-romanas dependiam da agricultura para a acumulação
riqueza monetária.
d) a sociedade urbana greco-romana se caracterizava pela ausência de diferenças sociais.
e) os privilégios dos cidadãos das cidades gregas e romanas se originavam da condição
proprietários rurais.
da
do
de
de
02- (UNICAMP) A relutância dos aliados da Liga de Delos em pagar tributos aumentou quando
Atenas decidiu dedicar o enorme excedente acumulado por quase trinta anos para reconstruir os
HISTÓRIA
18
templos e monumentos da Acrópole ateniense, destruídos pelos persas em 480 e 479 a. C..
(Adaptado de Peter Jones (org.), "O Mundo de Atenas: uma introdução à cultura clássica
ateniense". São Paulo, Martins Fontes, 1997, p. 241.)
a) O que foi a Liga de Delos e quais seus objetivos iniciais?
b) Quais os mecanismos que asseguravam a hegemonia ateniense sobre seus aliados neste
período?
c) Qual a importância da Acrópole na Atenas clássica?
03- (UFC) O Império Romano do Ocidente caiu em finais do século V. A sociedade romana foi
destruída por motivos internos e externos ao próprio Império. As complexas causas de sua crise
foram precipitadas pelo movimento dos escravos, dos colonos e das conquistas dos bárbaros.
Podemos afirmar que os bárbaros eram:
a)
b)
c)
d)
e)
povos comerciantes do Mediterrâneo.
tribos seminômades pastoris e guerreiras que viviam agrupadas em clãs.
grupos internos ao Império, descontentes com a crise iniciada no século III.
um conjunto de povos portadores de novas tecnologias agrárias.
tribos descendentes dos antigos etruscos que habitavam o Lácio.
04- (FUVEST) "Cada um deve observar as religiões e os costumes, as leis e as convenções, os
dias festivos e as comemorações que observavam nos dias de Dario. Cada um deve permanecer
persa em seu modo de vida, e viver em sua cidade (...). Porque eu desejo tornar a terra bastante
próspera e usar as estradas persas como pacíficos e tranqüilos canais de comércio."
"Edito de Alexandre para os cidadãos das cidades persas" conquistadas.331 a. C.
A partir do texto, responda:
a) Quem foi Alexandre e quais os objetivos de suas conquistas?
HISTÓRIA
19
b) Indique algumas características do "helenismo".
05- (UNESP) A palavra democracia originou-se na Grécia antiga e ganhou conteúdo diferente a
partir do século XIX. Ao contrário do seu significado contemporâneo, a democracia na polis grega
a) funcionava num quadro de restrições específicas de direitos políticos, convivendo com a
escravidão, excluindo do direito de participação os estrangeiros e as mulheres.
b) abrangia o conjunto da população da cidade, reconhecendo o direito de participação de
camponeses e artesãos em assembléias plebéias livremente eleitas.
c) pregava a igualdade de todas as camadas sociais perante a lei, garantindo a todos o direito
de tomar a palavra na Assembléia dos cidadãos reunida na praça da cidade.
d) evitava a participação dos militares e guerreiros, considerando-os incapazes para o exercício
da livre discussão e para a tomada de decisões consensuais.
e) era exercida pelos cidadãos de maneira indireta, considerando que estes escolhiam seus
representantes políticos por intermédio de eleições periódicas e regulares.
06- (PUCPR) Quando o maior império da época resolveu destruir as isoladas cidades que
formavam a Grécia, ou torná-las tributárias do Grande Rei, esqueceu-se de que na Ática
encontraria a resistência de homens que eram donos das terras que lavravam e que governavam
o Estado que os governava. Foi uma felicidade para a Grécia e para a Europa que, 12 anos antes
da batalha de Maratona, Clístenes tivesse podido completar sua obra e a de Sólon.
(Durant, Will. "Nossa Herança Clássica". Rio de Janeiro, Record, 1966, p. 101).
Sobre o texto acima, analise os itens a seguir:
I - O maior império da época, referido no texto, era o Império Romano.
II - A batalha de Maratona foi um dos confrontos nas Guerras Médicas.
III - Os gregos foram os grandes vencedores na guerra mencionada no texto.
IV - A grande obra de Clístenes e Sólon foi a militarização de sua cidade-estado, onde também
todas as pessoas passaram a ter os mesmos direitos políticos.
V - Na Ática encontrava-se Atenas, que teve seu maior esplendor na época da liderança política
de Péricles.
Estão corretos:
a)
b)
c)
d)
e)
II, III e V
I, II e V
I, II e IV
II, III e IV
II, IV e V
HISTÓRIA
20
07- (UFRS) Numa passagem da Odisséia, Ulisses visita o Hades, encontra a sombra de Aquiles e
pergunta-lhe como está. A resposta é amarga: mais do que ser rei de todos os mortos, diz
Aquiles, "preferia estar acorrentado trabalhando como um thetas para outrem, ao lado de um
homem sem terra" (Odisséia, 11:489-491). Neste sentido, a condição social dos thetas, acima
mencionada, equivale à dos
a)
b)
c)
d)
e)
escravos rurais do período homérico.
escravos domésticos em Esparta durante o período arcaico.
homens livres pobres, desvinculados do óikos, durante o período homérico.
escravos estatais encontrados em Esparta durante o período clássico.
homens livres pobres encontrados em Tebas durante o período clássico.
08- (UFRS) Na formação da cidade grega, a pólis esteve vinculada ao processo de desintegração
dos clãs patriarcais, os genos. A constituição da pólis grega, com isto, supôs a desagregação
desta estrutura tradicional e a formação de uma nova composição social representada pela
existência de duas classes sociais antagônicas:
a)
b)
c)
d)
e)
a dos proprietários de terras e de escravos e a dos escravos.
a dos comerciantes e a dos escravos.
a dos comerciantes e a dos artesãos.
a dos navegadores e a dos comerciantes.
a dos proprietários de terras e de escravos e a dos eclesiásticos.
09- (UFC) Leia o trecho a seguir.
"Numerosas são as maravilhas da natureza, mas de todas a maior é o homem! Singrando os
mares espumosos, impelido pelos ventos do sul, ele avança, e arrasta as vagas imensas que
surgem ao redor! Géia, a suprema divindade, que todas as mais supera, na sua eternidade, ele [o
homem] a corta com suas chamas."
(Sófocles, "Antígona." São Paulo. Edições de Ouro, S.d. p. 164)
Com base no texto, a respeito da cultura grega, é correto afirmar que:
a)
b)
c)
d)
e)
a força de expressão da cultura erudita extinguiu a influência e a herança da mitologia.
o valor da ação humana dependia de sua adaptação às imposições estabelecidas pela religião.
a liberdade de expressão, na Grécia, destacava o homem como a medida de todas as coisas.
a unidade política grega e a centralidade do poder decorriam da valorização do homem.
a democracia grega estimulou as reações contra o politeísmo.
10- (UFV) A Grécia Antiga, no século V a.C., foi marcada por grandes disputas entre dois blocos
rivais de cidades-Estado: a Liga de Delos, liderada por Atenas (a pólis democrática) e a Liga do
Peloponeso, liderada por Esparta (a pólis oligárquica e militarizada). Os confrontos entre essas
ligas resultaram na Guerra do Peloponeso.
Por que se pode dizer que a Guerra do Peloponeso levou ao esgotamento das cidades-Estado?
HISTÓRIA
21
11- (MACKENZIE) Sobre as Guerras Médicas, confronto entre as cidades-estados gregas e a
Pérsia, é correto afirmar que:
a) Atenas foi obrigada, no decorrer da 5 ヘ guerra, a se unir à liga Lacedemônia, submetendo-se
ao comando de uma oligarquia que se caracterizou pelo chamado governo dos trinta tiranos.
b) os gregos organizaram uma união militar da polis gregas comandadas por Atenas, a
Confederação de Delos, em que várias cidades-estados deveriam fornecer recursos a serem
depositados no templo de Apolo da Ilha de Delos.
c) no episódio chamado "A retirada dos dez mil", Ciro, o jovem, foi derrotado na luta sucessória
contra Artaxerxes e os gregos, contratados como mercenários na Babilônia, a seu serviço,
foram obrigados pelos persas a se retirar.
d) sob a liderança da cidade-estado de Esparta, as polis gregas organizaram a Confederação do
Peloponeso, objetivando manter com a Pérsia relações políticas e comerciais.
e) a permanente situação de desagregação e de lutas entre as cidades gregas permitiu novas
investidas da Pérsia e a derrota da expansão e supremacia do reino da Macedônia no mundo
grego.
12- (UFC) Analise a Democracia grega levando em consideração o papel social dos seguintes
sujeitos históricos: o cidadão, a mulher e o escravo.
13- (PUCRS) As chamadas Guerras Médicas, contra os persas, no século V. a.C., condicionaram
uma série de transformações políticas, econômicas e sociais no mundo grego. Dentre essas
transformações é correto apontar
a) a consolidação da hegemonia de Esparta sobre toda a Grécia, em virtude da forte
concentração militar produzida por aquela cidade na região do Peloponeso.
b) a relativa decadência comercial de Atenas, que teve sua frota mercante severamente reduzida
pelos ataques persas no mar Egeu.
HISTÓRIA
22
c) a formação da Confederação de Delos, uma liga militar de forças terrestres comandada por
Esparta.
d) a intensificação da luta interna entre os partidos democrático e aristocrático em Atenas.
e) a substituição do domínio econômico do setor agrícola pelo comercial, em Esparta.
14- (PUCPR) Em relação ao pensamento científico e filosófico grego, é correto afirmar:
a) Os sofistas percorriam as cidades ensinando. Foi com eles que a educação se tornou atividade
profissional.
b) A Escola Pitagórica acreditava que o número era a essência do universo e a medida de todas
as coisas.
c) Na Grécia não havia uma clara distinção entre Filosofia e Ciência.
d) Heráclito lançou as bases da concepção dialética do mundo ao afirmar que tudo está em
movimento e transformação.
e) Todas as alternativas estão corretas.
15- (PUCCAMP) Analise o texto.
"Nossa constituição política não segue as leis de outras cidades, antes lhes serve de exemplo.
Nosso governo se chama democracia, porque a administração serve aos interesses da maioria e
não de uma minoria. De acordo com nossas leis somos todos iguais no que se refere aos
negócios privados. Quanto à participação na vida pública, porém, cada qual obtém a
consideração de acordo com seus méritos e mais importante é o valor pessoal que a classe à que
se pertence; isto quer dizer que ninguém sente o obstáculo de sua pobreza ou da condição social
inferior quando seu valor o capacite a prestar serviços à cidade."
(Trechos de um discurso de Péricles. In: Rubim Santos Leão de Aquino e outros, "História das
sociedades: das comunidades primitivas às sociedades medievais", Rio de Janeiro: Ao Livro
Técnico, 1980. p. 201.)
Com base nos conhecimentos históricos, pode-se afirmar que a democracia ateniense, na Grécia
Antiga, à qual Péricles faz referência,
a) refletiu a realidade social de toda a população da Grécia que adquiriu direitos de igualdade e
liberdade.
b) garantiu às classes sociais o direito de propriedade da terra e aos trabalhadores os direitos
trabalhistas.
c) serviu de exemplo às cidades-estado da Grécia Antiga, uma vez que essas estabeleceram o
voto direto para a escolha dos seus governantes.
d) estava em consonância com os ideais dos legisladores da República Romana, que criaram o
sistema democrático para resolver os conflitos entre patrícios e plebeus.
e) atendeu aos interesses das classes dominantes em Atenas, ao garantir aos proprietários de
terra e de escravos o direito de participar diretamente da vida política.
16- (PUCCAMP) "É precisamente para assegurar o reino da igualdade, para permitir que os mais
humildes cidadãos assumam uma parte legítima na vida política, que o Estado concede uma
remuneração àqueles que se colocam ao seu serviço de participação das Assembléias."
O texto referente à Atenas, no século V, expressa
a) o interesse do Estado em criar uma sociedade igualitária, remunerando melhor os funcionários
públicos.
b) a necessidade de estimular os desinteressados habitantes da pólis a participarem das
Assembléias políticas.
HISTÓRIA
23
c) a fragilidade da democracia ateniense, uma vez que aos cidadãos não correspondiam direitos
políticos, apenas obrigações.
d) a preocupação do regime democrático em garantir o direito de igualdade política aos cidadãos
atenienses mais pobres.
e) a determinação dos tribunais atenienses em banir a escravidão no vasto território grego sob o
seu domínio.
CAPÍTULO 09
O ESPLENDOR DE ROMA
01- (FUVEST) Sobre as invasões dos "bárbaros" na Europa Ocidental, ocorridas entre os séculos
III e IX, é correto afirmar que:
a) foi uma ocupação militar violenta que, causando destruição e barbárie, acarretou a ruína das
instituições romanas.
b) se, por um lado, causaram destruição e morte, por outro contribuíram, decisivamente, para o
nascimento de uma nova civilização, a da Europa Cristã.
c) apesar dos estragos causados, a Europa conseguiu, afinal, conter os bárbaros, derrotando-os
militarmente e, sem solução de continuidade, absorveu e integrou os seus remanescentes.
d) se não fossem elas, o Império Romano não teria desaparecido, pois, superada a crise do
século III, passou a dispor de uma estrutura sócio-econômica dinâmica e de uma constituição
política centralizada.
e) os Godos foram os povos menos importantes, pois quase não deixaram marcas de sua
presença.
02- (UFPE) Em uma casa romana aristocrática, habitada pelo pai da família, sua mulher, esposa
em justas bodas, filhos, filhas, escravos e ex-escravos libertos, cada um tinha seu papel definido.
Sobre os costumes das filhas de uma família aristocrática romana, é correto afirmar que:
a) a jovem herdava o orgulho do pai, acrescido da fortuna que lhe cabia, a qual geralmente não
era transmitida ao marido.
b) em geral, as filhas de um nobre romano não tinham direitos iguais aos filhos homens que
herdavam mais bens patrimoniais.
c) cabia às filhas da nobreza romana apenas a clientela pertencente à sua estirpe.
d) em caso de morte dos pais, as jovens aristocráticas solteiras não poderiam comandar uma
casa romana; elas só mantinham suas posições de poder através de casamentos.
e) ligações amorosas ou casamentos com viúvas da aristocracia romana eram proibidos pela
legislação romana, fundamentada no pátrio poder.
03- (FUVEST) "A história da Antigüidade Clássica é a história das cidades, porém, de cidades
baseadas na propriedade da terra e na agricultura."
(K. Marx. "Formações econômicas pré-capitalistas.")
Em decorrência da frase de Marx, é correto afirmar que
a) os comerciantes eram o setor urbano com maior poder na Antigüidade, mas dependiam
produção agrícola.
b) o comércio e as manufaturas eram atividades desconhecidas nas cidades em torno
Mediterrâneo.
c) as populações das cidades greco-romanas dependiam da agricultura para a acumulação
riqueza monetária.
d) a sociedade urbana greco-romana se caracterizava pela ausência de diferenças sociais.
e) os privilégios dos cidadãos das cidades gregas e romanas se originavam da condição
proprietários rurais.
da
do
de
de
HISTÓRIA
24
04- (UFV) A respeito das classes que compunham a sociedade romana na Antigüidade, é correto
afirmar que:
a) os "plebeus" podiam casar-se com membros das famílias patrícias, forma pela qual
conseguiam quitar suas pendências de terra e dinheiro, conseguindo assim certa ascensão
social.
b) os "plebeus" compunham a classe formada pelos camponeses, artesãos e alguns que
conseguiam enriquecer-se por meio do comércio, atividade que lhes era permitida.
c) os "clientes" eram estrangeiros acolhidos pelos patrícios e transformados em escravos,
quando sua conduta moral não condizia com a de seus protetores.
d) os "patrícios" foram igualados aos plebeus, durante a democracia romana, quando da revolta
dos clientes, que lutaram contra a exclusão social da qual eram vítimas.
e) os "escravos" por dívida eram o resultado da transformação de qualquer romano em
propriedade de outrem, o que ocorria para todos que violassem a obrigação de pagar os
impostos que sustentavam o Estado expansionista.
05- (FGV) Após a conquista da Península ltálica, Roma ampliou seus domínios em torno do
Mediterrâneo, que passou a ser designado como "mare nostrum", um verdadeiro lago interno que
permitia a comunicação, as transações comerciais e o deslocamento de tropas para as diversas
regiões romanas. A respeito dessa expansão, é correto afirmar:
a) A conquista de novos territórios desacelerou o processo de concentração fundiária nas mãos
da aristocracia patrícia, uma vez que o Estado romano estabeleceu um conjunto de medidas
que visava, distribuir terras aos pequenos e médios proprietários e à plebe urbana
empobrecida.
b) Apesar da conquista do Mediterrâneo, os romanos não conseguiram estabelecer a integração
das diversas formações sociais ao sistema escravista nem tampouco se dispuseram a criar
mecanismos de cooptação social e política dos seus respectivos grupos dominantes.
c) As conquistas propiciaram, pela primeira vez na Antigüidade, a combinação entre o trabalho
escravo em larga escala e o latifúndio, associação que constituiu uma alavanca de
acumulação econômica graças às campanhas militares romanas.
d) As conquistas militares acabaram por solucionar o problema agrário em Roma, colocando em
xeque as medidas defendidas por líderes como os irmãos Graco, que postulavam a
expropriação das terras particulares dos patrícios e sua repartição entre as camadas sociais
empobrecidas.
e) A expansão militar levou os romanos a empreender um duro processo de latinização dos
territórios situados a leste, o que se tornou um elemento de constante instabilidade políticosocial durante a República e também à época do Império.
06- (PUCCAMP) As guerras de conquista e a expansão do território provocaram grandes
transformações sociais e econômicas na Roma Antiga. Essas transformações despertaram lutas
sociais e políticas intensas principalmente entre os patrícios e os plebeus. Durante a República
Romana, os irmãos Tibério e Caio Graco visaram a atenuar esses conflitos através
a) do estabelecimento de mecanismos para a derrubada da República e a instauração do
Império Romano.
b) da revogação dos direitos sociais e políticos adquiridos pelos plebeus antes da proclamação
da República.
HISTÓRIA
25
c) da aprovação de uma lei agrária que limitava a extensão dos latifúndios e autorizava a
distribuição de terras para desempregados.
d) da adoção do trabalho escravo dos prisioneiros de guerra e da criação do salário desemprego
para os plebeus.
e) do estabelecimento de um processo gradativo de libertação dos escravos e da diminuição dos
impostos.
07- (FGV) A perseguição e repressão aos cristãos, por imperadores romanos, estendeu-se até o
século IV, quando ocorreu uma alteração decisiva nas relações entre o cristianismo e o poder
imperial romano. A esse respeito é correto afirmar:
a) O cristianismo passou de religião perseguida a religião oficial do império romano, e o poder
imperial aproveitou o prestígio crescente da religião surgida na Palestina para ampliar sua
sustentação política.
b) A oficialização do cristianismo representou um alívio para as finanças do Estado romano, que
se desobrigou de financiar os templos e os sacerdotes dos inúmeros cultos pagãos do
império.
c) A oficialização do cristianismo promoveu a abolição da escravatura em todo o império, razão
pela qual tornou-se a religião mais popular da Antigüidade.
d) A tolerância ao culto cristão só foi concedida devido ao reconhecimento, por parte das
autoridades da Igreja, da sacralidade da função do imperador, considerado divino entre os
homens.
e) Apesar das iniciativas de Constantino e Teodósio, a Igreja cristã só foi oficializada na parte
Oriental do Império que, com isso, reuniu forças suficientes para resistir às invasões do século
V.
08- (MACKENZIE) Durante o período de conquistas, a sociedade romana transformou-se
profundamente. Dentre essas transformações, não podemos afirmar que:
a) os pequenos lavradores foram levados praticamente à ruína, impossibilitados de concorrer
com a produção de latifúndios trabalhados por escravos.
b) em 326 a.C., foi estipulada a submissão servil por dívidas, tornando a mão-de-obra servil
conjuntamente com a escrava de importância vital para a produtividade rural da elite romana.
c) do contato com a experiência jurídica de outros povos, entre os quais os gregos, os romanos
fizeram uma incorporação dos elementos dos códigos de leis e das tradições dessas nações
ao direito romano.
d) os intelectuais, mercadores e escravos trazidos a Roma aceleraram o processo de
helenização já iniciado quando do contato de Roma com as cidades gregas da Itália
meridional.
e) a ampla utilização da mão-de-obra escrava trouxe ao estado romano inúmeras rebeliões de
cativos, entre as quais a comandada pelo trácio Spartacus, que chegou a ameaçar a própria
cidade de Roma.
09- (PUCRS) Considerando as seguintes afirmações sobre a crise socioeconômica e política da
República Romana, a partir dos desdobramentos da expansão militar fora da Península ltálica.
I. A expansão militar fortaleceu a fração rica dos plebeus, a qual liderou este grupo social contra
os patrícios, destruindo o poder político do Senado.
II. A mobilização militar permanente prejudicou os pequenos proprietários, que dificilmente se
readaptavam à vida agrícola, passando a migrar para as cidades ou tornando-se colonos.
III. A disponibilidade de mão-de-obra escrava determinada pelas guerras de conquista
condicionou a concentração da propriedade rural e a especialização agrícola, com produção
voltada para o mercado.
HISTÓRIA
26
IV. A administração das regiões conquistadas produziu uma forte unidade política entre a
aristocracia de Roma e as diversas elites provinciais, a qual se consolidou principalmente através
da Lei das Doze Tábuas.
A análise das afirmativas permite concluir que é correta a alternativa.
a)
b)
c)
d)
e)
I e II.
I, II e III.
I, III e IV.
II e III.
II, III e IV.
10- (MACKENZIE) Como aquela era uma sociedade urbana, naturalmente a crise se manifestava
mais claramente nas cidades, com lutas sociais, a contração do comércio e do artesanato, a
retração demográfica, a pressão do banditismo e dos bárbaros. Assim, entende-se que os mais
ricos se retirassem para suas grandes propriedades rurais (villae), onde estariam mais seguros e
de onde poderiam obter praticamente todo o necessário.
Hilário Franco Junior
O fragmento de texto acima, oferece-nos elementos que permitem relacioná-lo ao período da
História de Roma Antiga denominado:
a) Monarquia.
b) República.
c) Alto Império.
d) Baixo Império.
e) Crise da República.
11- (MACKENZIE) A população de homens livres diminuía, oprimidos pela miséria, pelas
contribuições e pelo serviço militar.
(...)
Os pobres afirmavam que estavam sendo reduzidos à extrema miséria; que esta penúria os
impedia de ter filhos, porque eram incapazes de criá-los.
Os fragmentos de texto acima, extraídos da obra "História Romana", escrita por esse historiador,
relacionam-se com:
a)
b)
c)
d)
e)
o final da monarquia romana e as revoltas patrícias.
as condições de vida na Ática.
as lutas sociais durante a República romana.
a implantação do sistema de colonato romano.
as rivalidades políticas entre eupátridas e plebeus.
12- (MACKENZIE) A crise do Império Romano foi marcada por um processo que:
a) alterou as relações sociais e políticas, determinando novos vínculos, assentados,
principalmente, na posse de terras.
b) foi responsável pela consolidação e expansão das instituições políticas e sociais romanas por
toda a Europa.
c) criou novas atividades econômicas e intensificou as relações comerciais entre o Império
Romano do Ocidente e o Império Romano do Oriente.
HISTÓRIA
27
d) favoreceu o crescimento das cidades, devido ao êxodo rural provocado pelos constantes
ataques dos invasores bárbaros.
e) transformou as terras de cultivo em pastagens cercadas, tornando-as propriedades privadas,
o que ocasionou a marginalização dos agricultores.
13- (PUCPR) A Civilização Romana politicamente apresentou as fases da Realeza, República e
Império ou Principado.
Sobre o tema, assinale a alternativa correta:
a) Durante a fase da Realeza ocorreu notável expansão territorial, tendo ocorrido a conquista de
toda a Península ltálica.
b) Roma revelou-se potência marítima durante o Império, quando conquistou o mar
Mediterrâneo, após derrotar Cartago, nas Guerras Púnicas.
c) Fundada no Lácio, Roma contou com a contribuição de duas civilizações presentes no solo
italiano, a etrusca e a grega, respectivamente situadas ao norte e ao sul.
d) O auge da expansão territorial do Império Romano ocorreu sob o governo de Augusto ou Caio
Otávio, quando as legiões conquistaram a Dácia, atual Romênia.
e) Durante a fase da República, já enfraquecida, Roma lutou longamente contra os bárbaros
germânicos e o hunos, povos bárbaros que forçavam suas fronteiras.
14- (UNICAMP) Neste depoimento, o Imperador Augusto (30a.C.-14d.C.) descreve a "Paz
Romana", realização que assinala o apogeu da expansão do Império no Mediterrâneo:
Estendi os limites de todas as províncias do povo romano fronteiriças de nações que escapavam
à obediência ao Império. Restabeleci a ordem nas províncias das Gálias, das Espanhas, na
Germânia. Juntei o Egito ao Império, recuperei a Sicília, a Sardenha e as províncias além do
Adriático.
(Adaptado de Gustavo Freitas, "900 textos e documentos de História", Lisboa, Plátano,
s.d., v. 1, p.96-7.)
a) Qual foi o meio utilizado por Augusto para estabelecer a "Paz Romana"?
b) Explique a importância do Mar Mediterrâneo para o Império Romano.
c) Quais as formas de governo que antecederam a ascensão dos imperadores em Roma?
HISTÓRIA
28
15- (UNESP) Tito Lívio, em História de Roma, referindo-se às lutas entre patrícios e plebeus que
se estenderam do século V ao IV a.C., escreveu:
"... apesar da oposição da nobreza, houve eleições consulares em que Lúcio Séxtio foi nomeado
o primeiro cônsul plebeu. A luta, entretanto, não terminara. Os patrícios declararam que não
ratificariam essa eleição e esperava-se uma nova secessão da plebe e outras terríveis ameaças
de guerra civil quando, finalmente, um acordo apaziguou a discórdia. A nobreza concedia à plebe
seu cônsul plebeu, e a plebe concedeu à nobreza o direito de eleger um pretor único, patrício, que
seria encarregado de exercer a justiça em Roma."
a) Em 450 a.C., sob a pressão de uma revolta plebéia, os patrícios foram obrigados a escrever as
leis que até aquela data eram orais. Que nome receberam estas leis escritas?
b) Como se explica o poder de pressão dos plebeus sobre os patrícios, a ponto de estes últimos
serem obrigados a aceitar algumas de suas reivindicações?
16- (UNICAMP) Acerca do fascínio exercido pelos espetáculos de sangue na arena, muitos
romanos afirmavam que eles inspiravam um nobre desprezo pela morte. Mas é possível
interpretar esses espetáculos como um ritual que reafirmava o poder e a autoridade do Estado
romano. Os gladiadores, por exemplo, eram indivíduos sem direitos, marginalizados ou
condenados por subversão da ordem pública. Ao executá-los em público, o povo romano reunido
celebrava a sua superioridade e o seu direito de dominar.
(Adaptado de J A. Shelton, "As the Romans Did", Oxford, 1998, p.350.)
a) De que maneira esse texto interpreta a popularidade dos espetáculos de sangue na Roma
antiga?
HISTÓRIA
29
b) Por que, segundo o texto, o sacrifício de um gladiador perante o público reforçava as relações
de dominação na sociedade romana?
c) Explique por que os cristãos foram perseguidos em nome da ordem pública romana.
17- (ENEM) "Somos servos da lei para podermos ser livres." Cícero
"O que apraz ao príncipe tem força de lei." Ulpiano
As frases acima são de dois cidadãos da Roma Clássica que viveram praticamente no mesmo
século, quando ocorreu a transição da República (Cícero) para o Império (Ulpiano).
Tendo como base as sentenças acima, considere as afirmações:
I. A diferença nos significados da lei é apenas aparente, uma vez que os romanos não levavam
em consideração as normas jurídicas.
II. Tanto na República como no Império, a lei era o resultado de discussões entre os
representantes escolhidos pelo povo romano.
III. A lei republicana definia que os direitos de um cidadão acabavam quando começavam os
direitos de outro cidadão.
IV. Existia, na época imperial, um poder acima da legislação romana.
Estão corretas, apenas:
a)
b)
c)
d)
I e III.
I e III.
Il e III.
II e IV.
HISTÓRIA
30
e) III e IV.
UNIDADE II - A CONSTRUÇÃO DOS SENTIDOS
CAPÍTULO 10
ALTA IDADE MÉDIA
01- (UFPE) Sobre práticas de cura na Idade Média, assinale a alternativa correta.
a) Médicos e feiticeiras realizavam práticas medicinais. Aqueles com base nos tratados gregos e
essas fundamentadas em práticas empíricas das ervas.
b) Feiticeiras medievais foram, para a medicina medieval, verdadeiras cirurgiãs, que atendiam
doentes de todas as camadas sociais.
c) Os tratados de medicina aplicados pelos gregos, judeus e árabes foram proibidos pela
Inquisição.
d) O saber sobre a cura, praticado por feiticeiras e carrascos, foi amplamente usado na França e
na Inglaterra, onde eram respeitados como verdadeiros médicos.
e) Com base na higiene doméstica e no saneamento construído nas vilas e cidades medievais,
muitas doenças foram combatidas durante a Idade Média.
02- (FUVEST) Perto do ano 1000, manifestações de medo foram verificadas em todo o Ocidente,
como se o fim do milênio trouxesse consigo o fim dos tempos. Tal situação deve ser entendida
como
a) manifestação da crescente religiosidade que caracterizava a sociedade feudal.
b) indício do crescente analfabetismo das camadas populares e diminuição da religiosidade
clerical.
c) decorrência da tomada do Império Bizantino pelos muçulmanos do norte da África.
d) traço típico de uma sociedade em transição que se tornava mais clerical e menos guerreira.
e) característica do momento de centralização política e de formação das monarquias nacionais.
03- (UFC) "O enorme Império de Carlos Magno foi plasmado pela conquista. Não há dúvida de
que a função básica de seus predecessores, e mais ainda a do próprio Carlos, foi a de
comandante de exército, vitorioso na conquista e na defesa (...) Como comandante de exército
Carlos Magno controlava a terra que conquistava e defendia. Como príncipe vitorioso, premiou
com terras os guerreiros que lhe seguiam a liderança..."
(ELIAS, Norbert. "O Processo civilizatório" Rio de Janeiro, Zahar, 1993 vol. II, p.25)
De acordo com seus conhecimentos e com o parágrafo acima, é correto dizer que a feudalização
deveu-se:
a) à necessidade de conceder terras a servidores, o que diminuía as possessões reais, e
enfraquecia a autoridade central em tempos de paz.
b) à venda de títulos nobiliários e à preservação das propriedades familiares.
c) à propagação do ideal cavalheiresco de fidelidade do vassalo ao Senhor.
d) a princípios organizacionais de sistemas ecológicos de agricultura de subsistência.
e) à teoria cristã que afirmava: "para cada homem, seu rebanho'', interpretada, durante a Idade
Média, como a fragmentação do poder terreno.
HISTÓRIA
31
04- (PUCRS) Dentre os Reinos Bárbaros, surgidos após as invasões germânicas e o fim do
Império Romano, o Reino Franco foi o mais importante, porque
a) os Reis Francos se converteram ao Cristianismo e defenderam o Ocidente contra o avanço
dos muçulmanos.
b) promoveu o desenvolvimento das atividades comerciais entre o Ocidente e o Oriente, através
das Cruzadas.
c) nesse período a Sociedade Feudal atingiu sua conformação clássica e o apogeu econômico e
cultural.
d) houve uma centralização do poder e viveu-se um período de paz externa e interna, o que
permitiu controlar o poder dos nobres sobre os servos.
e) os Reis Francos conseguiram realizar uma síntese entre a cultura romana e a oriental, que
serviria de inspiração ao Renascimento Cultural do século XIV.
05- (UNESP) Na Idade Média ocidental, a Igreja cristã justificava e explicava o ordenamento
social. Ao lado dos clérigos, que detinham o conhecimento da leitura e da escrita, um dos grupos
sociais da época era constituído por
a) assalariados, que trabalhavam nas terras dos que protegiam as fronteiras da Europa medieval
das invasões dos povos bárbaros germânicos.
b) usurários, que garantiam o financiamento das campanhas militares da nobreza em luta contra
os infiéis muçulmanos.
c) donos de manufaturas de tecidos de algodão, que abasteciam o amplo mercado consumidor
das colônias americanas.
d) servos, que deviam obrigações em trabalho aos senhores territoriais que cuidavam da defesa
militar da sociedade.
e) escravos, que garantiam a sobrevivência material da sociedade em troca da concessão da
vida por parte dos seus vencedores.
06- (PUCCAMP) Considere as afirmações sobre a importância da Igreja Cristã na vida das
sociedades européias, entre os séculos XI e XVI.
I. O sermão era a principal fonte de informação sobre os acontecimentos e problemas comuns.
II. A Paróquia constituía uma importante unidade de governo local, coletando e distribuindo as
esmolas que os pobres recebiam.
III. As relações entre os papas e os reis sempre foram harmoniosas e fraternais, representando o
próprio espírito franciscano.
IV. A Igreja controlava os sentimentos e as crenças dos homens e proporcionava-lhes distrações e
espetáculos.
V. Os clérigos demonstravam tolerância com os povos de outras religiões, agnósticos e ateus.
Estão corretas somente
a) I e II
b) II e III
c) IV e V
d) I, II e IV
e) III, IV e V
HISTÓRIA
32
07- (UFC) Leia a canção
"A sagração do Cavaleiro no século XII"
Empunhando Durendal, a cortante,
O Rei tirou-a da bainha, enxugou-lhe a lâmina,
Depois cingiu-a em seu sobrinho Rolando
E então o papa a benzeu.
O Rei disse-lhe docemente, rindo:
"Cinjo-te com ela, desejando
Que Deus te dê coragem e ousadia,
Força, vigor e grande bravura
E grande vitória sobre os Infiéis."
E Rolando diz, o coração em júbilo:
"Deus me conceda, pelo seu digno comando".
Agora que o Rei cingiu a lâmina de aço,
O duque Naimes vai se ajoelhar
E calçar em Rolando sua espora direita.
A esquerda cabe ao bom dinamarquês Ogier.
(DUBY, Georges, "A Europa na Idade Média", São Paulo: Martins Fontes, 1988, p 13.)
a) Qual o papel da cavalaria na sociedade medieval?
b) O que a figura do papa representa no ritual da cavalaria?
HISTÓRIA
33
08- (UFV) A respeito do período medieval europeu pode-se afirmar que:
a) no apogeu do feudalismo, as três "ordens" garantiam uma dinâmica social diferenciada: uns
rezavam por todos os homens, outros combatiam pelo retorno dos privilégios da nobreza e
outros trabalhavam nos campos, nas fábricas e nos centros urbanos.
b) a sociedade medieval, hierárquica e democrática, organizava-se em torno do feudo, riqueza
que determinava a posição do indivíduo na sociedade e o poder político centralizado na mão
de um rei.
c) na organização política da Europa medieval, a autoridade eclesiástica subjugava-se à
autoridade leiga, porque reis e imperadores foram cristianizados adquirindo, assim, o poder de
julgar os atos da Igreja.
d) na sociedade medieval as relações sociais que se estabeleciam na troca de serviços e de
obrigações pautavam-se pelas idéias de liberdade, de igualdade e de fraternidade.
e) a Igreja constituiu-se numa poderosa instituição na sociedade medieval, não só por seus
feudos eclesiásticos, mas também por determinar os princípios que orientavam a atividade
econômica, as diretrizes pedagógicas e os preceitos canônicos da família e da sociedade.
09- (MACKENZIE) Na Idade Média, o processo de produção predominante teve relações sociais e
uma ordem política e cultural específica. Sobre essa estrutura econômico-social denominada
MODO DE PRODUÇÃO FEUDAL é incorreto afirmar que:
a) a produção se realizava, fundamentalmente, nos feudos ou domínios e a exploração das
terras era realizada através do trabalho servil.
b) os camponeses estavam submetidos à servidão e eram obrigados a pagar impostos e taxas,
que variavam de região para região.
c) a Igreja forjou a mentalidade da época, reforçando o predomínio dos senhores feudais (clero e
nobreza), justificando os privilégios estabelecidos e oferecendo ao povo, em troca, a
promessa do paraíso.
d) o comércio regional de matérias-primas e produtos artesanais é um reflexo da divisão do
trabalho que se operou no interior da sociedade feudal.
e) a monarquia nacional garantiu durante esse período o desenvolvimento do mercantilismo e a
grande concentração de trabalhadores nas oficinas.
10- (UFC) Considere o texto:
"Aquilo que dominava a mentalidade e a sensibilidade dos homens da Idade Média, aquilo que
determinava o essencial das suas atitudes, era o seu sentimento de insegurança".
Fonte: GOFF, Jacques Le - A CIVILIZAÇÃO DO OCIDENTE MEDIEVAL. v.II, Lisboa:
Estampa, 1984, p.87.
A partir do texto anterior, podemos dizer, corretamente que:
a) a insegurança dos homens da Idade Média era uma decorrência das invasões dos Bárbaros
no Império Romano do Ocidente.
b) a insegurança do homem medieval se explica pelo estatuto do servo, que estava preso à terra
e por isso não podia se deslocar para cuidar do seu gado.
c) a mentalidade e a sensibilidade do homem da Idade Média podem ser explicadas pelo forte
sentimento de individualidade.
d) o homem medieval tinha como resposta para a sua insegurança material e moral, conforme a
Igreja, o apoio na solidariedade do grupo a que pertencia.
HISTÓRIA
34
e) a insegurança do homem medieval restringia-se ao aspecto material, pois a salvação da alma
estava assegurada pela conduta correta e pelas boas obras.
11- (PUCPR) São características da Sociedade feudal, exceto:
a) A sociedade feudal foi uma formação social cujas origens se ligam à decadência do Império
Romano (crise do séc.III), à constituição dos reinos romanos-germânicos (séc. V e VI) e à
desagregação do Império Carolíngio (séc. IX).
b) Os escravos foram numericamente significativos até o século VIII e subsistiram pelo menos
nas regiões meridionais da Europa Ocidental durante todo o período feudal.
c) Não havia diferenciação entre os setores do clero: este sobrevivia exclusivamente do trabalho
de seus membros.
d) Um exemplo de fragmentação política do poder ocorreu na França. Já na Inglaterra as
instituições vassálicas sobreviveram com uma forte centralização política nas mãos do rei.
e) A sociedade feudal era de ordens, imobilista, altamente hierarquizada, na qual a origem social
estava definida, sendo a mobilidade vertical praticamente inexistente.
12- (UFES) Os elementos constitutivos fundamentais da sociedade feudal européia estabelecida
após a queda do Império Romano do Ocidente (século V) se originaram na dupla influência dos
mundos romano e germânico.
Dentre as influências germânicas, podemos destacar:
I - a organização populacional em centros urbanos;
II - a divisão da sociedade em classes, nas quais a elite era representada pelos intelectuais;
III - a importância dos laços de fidelidade pessoal;
IV - a inexistência da noção de "res publica" (coisa pública).
Assinale a alternativa que contém as afirmativas corretas.
a)
b)
c)
d)
e)
I e II.
I e III.
II e III.
II e IV.
III e IV.
13- (PUCSP) A Idade Média Ocidental
a) conheceu, até o século X, intensa atividade comercial e urbana, que foi substituída
posteriormente pelo predomínio do campo e da produção agrícola de subsistência, realizada
nos arredores das cidades.
b) apresentou, nas várias regiões, forte unidade política, herdada do Império Romano, até o
século VIII, ocorrendo, posteriormente, crescente fragmentação até o século XVI.
c) teve, no início, um período de pouca hierarquia social, com privilégio apenas para os setores
eclesiásticos, e gradativa ampliação do poder camponês a partir do século XI.
d) foi um período de absorções, negações e adequações entre a cultura clerical e a laica,
havendo claro predomínio da primeira até o século XII e gradativo crescimento da postura
laico-humanista a partir de então.
e) representou, nos primeiros séculos, a persistência do politeísmo herdado da tradição grecoromana e, após o século XI, a vitória rápida do protestantismo contra o catolicismo.
HISTÓRIA
35
14- (MACKENZIE) Empunhando Durendal, a cortante,
O rei tirou-a da bainha, enxugou-lhe a lâmina,
Depois cingiu-a em seu sobrinho Rolando
E então o papa a benzeu.
O rei disse-lhe docemente, rindo:
Cinjo-te com ela desejando
Que Deus te dê coragem e ousadia,
Força, vigor e grande bravura
E Grande vitória sobre os infiéis.
La chanson d'Aspremont
A ordem da cavalaria medieval era:
a) a única possibilidade de ascensão social disponível para os servos que aspiravam a um
padrão mais elevado de vida social; cingir-se cavaleiro significava deixar de ser um vassalo.
b) a base dos poderosos exércitos nacionais; sua importância militar foi crescendo
progressivamente na mesma proporção em que o poder político se tornava cada vez mais
centralizado.
c) uma instituição medieval que estabelecia regras rígidas de conduta e de formação para seus
membros, que começavam os estudos ainda na infância, a fim de se sagrarem cavaleiros.
d) a responsável pela mobilidade social, integrando em suas fileiras os membros das três ordens
sociais; era uma fonte de contestação, a hierarquização do sistema feudal.
e) uma organização maçônica responsável pelas Cruzadas contra os mouros; contrapunha-se
ao poder da Igreja, detentora do conhecimento da época.
15- (FUVEST) A economia da Europa ocidental, durante o longo intervalo entre a crise do
escravismo, no século lII, e a cristalização do feudalismo, no século IX, foi marcada pela
a) depressão, que atingiu todos os setores, provocando escassez permanente e fomes
intermitentes.
b) expansão, que ficou restrita à agricultura, por causa do desaparecimento das cidades e do
comércio.
c) estagnação, que só poupou a agricultura graças à existência de um numeroso campesinato
livre.
d) prosperidade, que ficou restrita ao comércio e ao artesanato, insuficientes para resolver a
crise agrária.
e) continuidade, que preservou os antigos sistemas de produção, impedindo as inovações
tecnológicas.
16 – (UNESP) "Reconheço ter prendido mercadores de Langres que passavam pelo meu
domínio. Arrebatei-lhes as mercadorias e guardei-as até o dia em que o bispo de Langres e o
abade de Cluny vieram procurar-me para exigir reparações."
(CASTELÃO DO SÉCULO XI.)
O texto apresentado permite afirmar que, na Idade Média,
a)
b)
c)
d)
o poder da Igreja era, além de religioso, também temporal.
os senhores feudais eram mais poderosos do que a Igreja.
o clero era responsável pela distribuição das mercadorias.
o conflito entre Igreja e nobreza aproximou o clero dos comerciantes.
HISTÓRIA
36
e) o poder do papa era limitado pelos sacerdotes.
17- (UNESP) "A fome é um dos castigos do pecado original. O homem fora criado para viver sem
trabalhar se assim o quisesse. Mas, depois da queda, não podia resgatar-se senão pelo
trabalho... Deus impôs-lhe, assim, a fome para que ele trabalhasse sob o império dessa
necessidade e pudesse, por esse meio, voltar às coisas eternas."
(Trecho do Elucidarium. Citado no livro A CIVILIZAÇÃO DO OCIDENTE MEDIEVAL)
a) Como o texto, escrito durante a Idade Média, justifica a fome?
b) Como era organizado o trabalho na propriedade feudal?
18- (PUCCAMP) Durante o período medieval o poder da Igreja se fez sentir sob diversas formas e
em diferentes ocasiões. É notável esse seu poder
a) na regulamentação dos comportamentos e práticas sociais dos fiéis, excomungando os que
se desviassem das prescrições eclesiais.
b) no impedimento do uso da tortura ou da pena de morte por parte de tribunais ou autoridades
jurídicas, civis e eclesiásticas.
c) na condenação à guerra como instrumento de propagação a fé, ao contrário dos muçulmanos
que estimulavam a Guerra Santa.
d) na organização das Cruzadas, com a finalidade de evangelizar os árabes e judeus que
ocupavam a Palestina.
e) na divulgação do Cristianismo nas colônias européias da África e América.
19- (PUCCAMP) Em 768, Carlos Magno assumiu a coroa do reino franco e expandiu
consideravelmente suas fronteiras através de inúmeras guerras de conquista. Parte das terras
conquistadas eram doadas, a título temporário (precarium), aos nobres, que assumiam, em troca,
obrigações para com o rei.
As práticas carolíngias expostas anteriormente contribuíram para a formação do feudalismo.
Caracterize as obrigações criadas entre suseranos e vassalos na época feudal.
HISTÓRIA
37
20- (UFPB) O mapa abaixo descreve a configuração dos Impérios Bizantino, Islâmico e
Carolíngio, no princípio do século IX.
Acerca dessa configuração, é correto afirmar que
a) o Império Carolíngio era geograficamente o mais expressivo entre os impérios apresentados e
exerceu forte interferência militar sobre o Império Bizantino.
b) a ofensiva dos francos de Carlos Martel contra os árabes, em Poitiers, constituiu um
importante antecedente para a formação da dinastia carolíngia.
c) o avanço do Islão sobre diversos territórios em torno do Mediterrâneo intensificou o comércio
do Ocidente cristão com o Oriente.
d) a formação dos três Impérios foi decorrência do Tratado de Verdun, que também estipulou a
partilha do domínio franco.
e) a presença do Islão na Itália fez o papado afastar-se dos francos e submeter-se às
orientações políticas e religiosas do Império Bizantino.
21- (PUCCAMP) Na transição do Mundo Medieval para o Moderno, teve papel de destaque
a)
b)
c)
d)
e)
o processo de ruralização das vilas e dos centros urbanos.
o comércio e o renascimento das cidades.
o poder político altamente descentralizado.
a Igreja que acatava o lucro e a usura.
a educação ministrada pelos leigos nos conventos e nas abadias.
22- (PUCCAMP) Os povos germânicos contribuíram para a formação do sistema feudal na
medida que trouxeram, para a Europa Ocidental,
a) a idéia de poder político local, a estrutura das vilas, do clientelismo e do colonato.
b) as bases da organização política, social e judiciária, e os elementos que contribuíram para o
fortalecimento do poder da Igreja.
c) a prática de economia natural, a imobilidade social, a ausência do Estado e o comitatus, com
sua noção de reciprocidade.
d) o regime de trabalho servil baseado nas obrigações devidas pelos servos fundamentadas na
talha, nas banalidades e nos tributos de casamento.
HISTÓRIA
38
e) os princípios da corvéia, o da hospitalidade forçada aos nobres e o clima de insegurança que
obrigava as populações a se refugiarem no campo.
CAPÍTULO 11
NASCIMENTO E EXPANSÃO DO ISLAMISMO
01- (PUCPR) No início, o Islã cresceu à custa do Império Bizantino e do Império Persa - cerne
ainda do Islã - as duas maiores forças do Oriente Médio durante o período de expansão do
islamismo. No apogeu, porém, o Império Muçulmano estendeu-se da Espanha até a Índia,
superando mesmo o ponto de expansão máxima do Império Romano.
(Stewart, Desmond - "Antigo Islã", José Olympio, Rio de Janeiro, Biblioteca Life, 1967.)
Com base no texto e nos conhecimentos de História, assinale a opção correta:
I - A conquista da Síria e Palestina ocorreu ainda sob o governo de Maomé, falecido no ano
632 da Era Cristã.
II - Os árabes, após a luta de conquista, eram generosos para com os dominados, convivendo
em paz com os vencidos, quer fossem cristãos, judeus ou de outras religiões, não conhecendo o
racismo.
III - Sob a dinastia dos Omíadas ocorreu a conquista da Península Ibérica, que politicamente
formava o Império Visigótico, exceto as Astúrias.
IV - Enquanto os Califas Perfeitos ou Legítimos tiveram capital em Meca, sob a dinastia dos
Omíadas e Abássidas as capitais foram Damasco e Bagdá.
V - O ponto de máxima expansão do Império Romano, aludido no texto, ocorreu sob o governo
de Augusto.
Estão corretas:
a)
b)
c)
d)
e)
I, III, IV e V
II, III, e IV
apenas I e III
apenas IV e V
apenas III e V
02- (FGV) "Inspiramos-te, assim como inspiramos Noé e os profetas que o sucederam; assim,
também inspiramos Abraão, Ismael, Isaac, Jacó e as tribos, Jesus, Jonas, Aarão, Salomão, e
concedemos os Salmos a Davi. E enviamos alguns mensageiros, que te mencionamos, e outros,
que não te mencionamos; e Allah falou a Moisés diretamente... Ó adeptos do Livro, não exagereis
em vossa religião e não digais de Allah senão a verdade. O Messias, Jesus, filho de Maria, foi tãosomente um mensageiro de Allah e o seu Verbo, que Ele enviou a Maria, e um Espírito d'Ele."
(Alcorão, 4:163-164 e 171. "O significado dos versículos do Alcorão Sagrado com comentários", p.137-138.)
A respeito do Islão é correto afirmar:
a) A religião muçulmana, apesar das influências do judaísmo e do cristianismo, significou uma
ruptura com a tradição monoteísta ao estabelecer Alá como divindade superior a um conjunto
de gênios e divindades secundárias.
b) A religião muçulmana surgiu no século VII, a partir das pregações de Maomé realizadas na
Palestina, entre as tribos judaicas que haviam renegado o Livro Sagrado.
c) A pregação de Maomé, registrada no Alcorão, ajudou a reverter a tendência à fragmentação
política e cultural dos povos árabes, fornecendo as bases religiosas para a expansão islâmica,
a partir do século VII.
d) A pregação de Maomé foi registrada no Alcorão, primeiro livro sagrado escrito em hebraico e
traduzido para o árabe, grego e latim, o que facilitou sua divulgação na Península Arábica,
Palestina, Mesopotâmia e Ásia Menor.
HISTÓRIA
39
e) A transferência da capital do império islâmico para Damasco, durante a dinastia Omíada, e
para Bagdá, com a dinastia Abássida, provocou uma revalorização da cultura tribal árabe e a
retomada dos valores panteístas dos primeiros califas.
03- (FGV) O surgimento do Islamismo permitiu à Arábia:
a) consolidar uma unidade política e religiosa, fortalecendo-a e possibilitando a expansão de seu
Império;
b) o fortalecimento e a propagação da primeira religião politeísta moderna;
c) a autonomia dos diversos Califados e, portanto, a difusão e fortalecimento de seus interesses
comerciais e religiosos.
d) centralizar os diversos Califados e, portanto, a expansão do politeísmo por todo o
Mediterrâneo.
e) unificar apenas religiosamente a região, permanecendo, portanto, os interesses comerciais
dos diversos Califados em conflito.
04- (UEL) O Islamismo se expandiu tanto, a partir do século VII, que hoje é uma das três religiões
mais difundidas no mundo. A sua grande difusão deve-se sobretudo
a) ao seu vínculo com a etnia árabe e com a raça semita, marginalizadas pelo judaísmo e
cristianismo.
b) a sua oposição ao monoteísmo, característico do judaísmo e cristianismo, mas ausente nas
religiões tribais africanas.
c) a sua tradição de não usar a força para converter os povos conquistados, ao contrário do que
faziam os cristãos.
d) a sua maior flexibilidade moral, se comparada com o rigor da moralidade judaica e cristã.
e) ao respeito às diferenças raciais e capacidade de absorver elementos das culturas dos povos
onde se instalou.
05- (UFRN) A expansão do Império Muçulmano, durante a época medieval, está ligada ao
crescimento do lslamismo.
Pode-se afirmar, também, que a expansão muçulmana
a) criou um intercâmbio comercial entre Oriente e Ocidente, o qual estimulou o aumento da
produção, a difusão de técnicas e a propagação de mercadorias.
b) exerceu uma grande influência sobre as crenças do Oriente, sendo a principal fonte de
desenvolvimento do monoteísmo no Império Bizantino.
c) decorreu da crescente necessidade de mercados fornecedores de escravos para a produção
de seda, comercializada pelas tribos da Península Arábica.
d) resultou de um processo de unificação político-administrativa das diversas tribos arábicas que
lutavam contra a dominação da Igreja Católica.
06- (UFG) A história do Mediterrâneo é a história das migrações populacionais e da circulação de
valores de culturas distintas.
Discorra sobre a Expansão Árabe, a partir da unificação islâmica na Idade Média.
HISTÓRIA
40
07- (PUCCAMP) Entre os séculos VII e IX, os árabes realizaram uma grande expansão territorial
principalmente no Norte da África, na Península Ibérica e em muitas regiões do Oriente,
controlando, inclusive, o mar Mediterrâneo. Sobre essa expansão, é correto afirmar que
a) se moveu exclusivamente por interesses religiosos, visando impor às regiões conquistadas os
princípios estabelecidos no "Corão", através das chamadas "guerras santas".
b) as lutas constantes entre árabes e cristãos impossibilitaram a estes adquirir os conhecimentos
que os árabes tinham, sobretudo os relacionados à navegação e às técnicas de irrigação.
c) os árabes exerceram uma postura intolerante em relação aos valores culturais nas regiões
conquistadas, obrigando os povos a assimilarem seus conhecimentos científicos e religiosos.
d) a contra-ofensiva, desencadeada pelos cristãos, entre os séculos VIII e XI, possibilitou a
unificação da Igreja cristã que, através da guerra santa, conseguiu reconquistar a Península
Ibérica no século XI.
e) a guerra santa árabe consistiu num difusor dos princípios da mensagem de Alá, contribuindo
como elemento fundamental para a expansão islâmica, uma vez que conciliava interesses
materiais e espirituais.
08- (UNESP) As invasões e dominação de vastas regiões pelos árabes na Península Ibérica
provocaram transformações importantes para portugueses e espanhóis, que os diferenciaram do
restante da Europa medieval. As influências dos árabes, na região, relacionaram-se a
a) acordos comerciais entre cristãos e mouros, a fim de favorecer a utilização das rotas de
navegação marítima em torno dos continentes africano e asiático, para obter produtos e
especiarias.
b) conflitos entre cristãos e muçulmanos, que facilitaram a centralização da monarquia da
Espanha e Portugal, sem necessitar do apoio da burguesia para efetivar as grandes
navegações oceânicas.
c) difusão das idéias que ocasionaram a criação da Companhia de Jesus, responsável pela
catequese nas terras americanas e africanas conquistadas através das grandes navegações.
d) acordos entre cristãos e muçulmanos, para facilitar a disseminação das idéias e ciências
romanas, fundamentais para o crescimento comercial e das artes náuticas.
e) contribuições para a cultura científica, possibilitando ampliação de conhecimentos,
principalmente na matemática e astronomia, que permitiram criações de técnicas marítimas
para o desenvolvimento das navegações oceânicas.
09- (PUCCAMP) Entre os fatores determinantes da expansão do Islamismo pode-se indicar
a) as disputas internas na Arábia entre os integrantes das tribos coraichitas e os haxemitas.
b) as condições surpreendentes descritas no Alcorão quanto ao paraíso de Alá.
c) o crescimento populacional decorrente da monogamia preconizada no Corão e obedecida
pelos árabes.
d) o desinteresse de Maomé em unificar politicamente a Arábia.
e) a crença no caráter sagrado da conquista (Guerra Santa) e o interesse pelo botim.
10- (UFMG) O Islamismo se revela cada vez mais como uma religião com grande capacidade
mobilizadora, sendo invocado como justificativa para vários movimentos reivindicatórios.
Todas as alternativas indicam acontecimentos em que a influência do Islamismo se fez presente,
exceto
a)
b)
c)
d)
A disputa pelas Ilhas Curilas na ex-URSS.
A guerra civil na Somália.
A "Limpeza Étnica" na ex-Iugoslávia.
O separatismo curdo na Turquia.
HISTÓRIA
41
e) Os conflitos religiosos na Índia.
CAPÍTULO 12
CIVILIZAÇÃO BIZANTINA
01- (UNESP) A Civilização Bizantina floresceu na Idade Média, deixando em muitas regiões da
Ásia e da Europa testemunhos de sua irradiação cultural. Assinale importante e preponderante
contribuição artística bizantina que se difundiu expressando forte destinação religiosa.
a)
b)
c)
d)
e)
Adornos de bronze e cobre.
Aquedutos e esgotos.
Telhados de beirais recurvos.
Mosaicos coloridos e cúpulas arredondadas.
Vias calçadas com artefatos de couro.
02- (UFES) Segundo a crença dos cristãos de Bizâncio, os ícones (imagens pintadas ou
esculpidas de Cristo, da Virgem e dos Santos) constituíam a "revelação da eternidade no tempo, a
comprovação da própria encarnação, a lembrança de que Deus tinha se revelado ao homem e por
isso era possível representá-Lo de forma visível"
(Franco Jr., H. e Andrade F°, R. O. O IMPÉRIO BIZANTINO. São Paulo:
Brasiliense, 1994. p. 27).
Apesar da extrema difusão da adoração dos ícones no Império Bizantino, o imperador Leão III,
em 726, condenou tal prática por idolatria, desencadeando assim a chamada "crise iconoclasta".
Dentre os fatores que motivaram a ação de Leão III, podemos citar o (a)
a) intolerância da corte imperial para com os habitantes da Ásia Menor, região onde o culto aos
ícones servia de pretexto para a aglutinação de povos que pretendiam se emancipar.
b) necessidade de conter a proliferação de culto às imagens, num contexto de reaproximação da
Sé de Roma com o imperador bizantino, uma vez que o papado se posicionava contra a
instituição dos ícones e exigia a sua erradicação.
c) tentativa de mirar as bases políticas de apoio à sua irmã, Teodora, a qual valendo-se do
prestígio de que gozava junto aos altos dignitários da Igreja Bizantina, aspirava secretamente
a sagrar-se imperatriz.
d) aproximação do imperador, por meio do califado de Damasco, com o credo islâmico que,
recuperando os princípios originais do monoteísmo judaico-cristão, condenava a
materialização da essência sagrada da divindade em pedaços de pano ou madeira.
e) descontentamento imperial com o crescente prestígio e riqueza dos mosteiros (principais
possuidores e fabricantes de ícones), que atraíam para o serviço monástico numerosos
jovens, impedindo-os, com isso de contribuírem para o Estado na qualidade de soldados,
marinheiros e camponeses.
03-(G1 v4.10) Forma de poder instituída por Justiniano no Império Bizantino, em que o imperador
possuía autoridade política e religiosa, adquirindo um caráter divino:
a)
b)
c)
d)
e)
Cesaropapismo.
Teocracia militar.
Monarquia Teocrática.
República Teocrática.
Plutocrassia.
HISTÓRIA
42
04- (G1 v4.10) O que foi o Cisma do Oriente em 1054?
05- (MACKENZIE) O ano de 1054 foi marcado pelo "Cisma do Oriente". Após um longo processo
de conflitos, ocorreu a ruptura entre o papado romano e o patriarca de Constantinopla,
ocasionando:
a)
b)
c)
d)
e)
a criação da igreja Cristã Ortodoxa Grega.
a transferência da sede do papado para a cidade de Avignon.
o conflito denominado Querela das Investiduras.
a fundação da Igreja Cristã Protestante.
a divisão do Clero em secular ortodoxo e regular monástico.
06- (UFPB) Em inícios do século VIII, o império Bizantino, tendo à frente Leão Isáurico,
encontrava-se abatido diante da expansão muçulmana. Leão entendeu que as derrotas do
Império deviam-se à adoração crescente dos fiéis às imagens de santos e resolveu destruí-las.
Esse movimento ficou conhecido como:
a)
b)
c)
d)
e)
Monofisista
Cesaropapista
Iconoclasta
Telefisista
Legitimista
07- (UECE) Na origem do chamado "cisma do Oriente", pode-se assinalar corretamente:
a) as desavenças entre os membros da hierarquia católica e o Imperador bizantino diziam
respeito à cobrança das indulgências e à corrupção dos bispos.
b) significou o aparecimento de inúmeras seitas "reformadas", que se desligaram da Igreja
romana.
c) no Império Bizantino, a Igreja era submetida ao Imperador e promoviam um excessivo culto
aos ídolos e às imagens.
d) em Bizâncio, ao contrário do cristianismo ocidental, as imagens e os ídolos dos santos não
eram objetos de adoração e culto.
08- (FUVEST) Ao longo da Idade Média, a Europa Ocidental conviveu com duas civilizações, às
quais muito deve nos mais variados campos. Essas duas civilizações, bastante diferentes da
Ocidental, contribuíram significativamente para o desenvolvimento experimentado pelo Ocidente,
partir do século XI, e para o advento da Modernidade no século XV.
a) Quais foram essas civilizações?
HISTÓRIA
43
b) Indique suas principais características.
09- (UEL) Analise o texto.
A religião é um constituinte importante na formação da identidade dos povos, contribuindo para a
aproximação de muitos deles apesar de suas características diferenciadoras. Não obstante,
outros fatores, tais como interesses políticos e econômicos e necessidades práticas e ocasionais,
algumas vezes se sobrepõem ao sentimento de pertencimento a uma mesma comunidade
religiosa, provocando tensões, cismas e dissidências entre grupos que, até então, se
identificavam como iguais. Na história da cristandade européia, destacam-se alguns momentos de
grande tensão e até de rompimento entre comunidades do Ocidente e do Oriente, tais como o
I. da separação entre Católicos Apostólicos Romanos (ocidentais) e Cristãos Ortodoxos
(orientais), na Idade Média.
II. da separação entre Católicos Apostólicos Romanos (ocidentais) e Protestantes (orientais), na
Idade Moderna.
III. da oposição entre o bloco dos países capitalistas (orientais) e o bloco dos países socialistas
(ocidentais), durante a Guerra Fria.
IV. do conflito entre países Aliados (ocidentais) e países protestantes e ortodoxos do Eixo
(orientais), na 2 ヘ Guerra Mundial.
Pode-se afirmar que somente
a)
b)
c)
d)
I está correta.
III está correta.
IV está correta.
I e II estão corretas.
CAPÍTULO 13
BAIXA IDADE MÉDIA
01- (PUCCAMP) Neste início de século XXI, quando a humanidade "descobre", através dos meios
de comunicação de massa, conflitos que envolvem aspectos religiosos, Emília, curiosa, pesquisa
nos livros e faz uma grande viagem para o final do século XI. Ela encontra no livro as palavras
proferidas pelo Papa Urbano II:
"Que os ódios desapareçam entre vós, que terminem vossas brigas, que cessem as guerras e
adormeçam as desavenças e controvérsias. Entrai no caminho que leva ao Santo Sepulcro;
arrancai aquela terra da raça malvada para que fique em vosso poder. É a terra na qual, disse a
Escritura, escorre leite e mel (...) Jerusalém é o centro do mundo; sua terra é mais fértil do que
todas as outras (...). Quando um ataque for lançado sobre o inimigo, que um só grito seja dado
pelos soldados de Deus: 'Deus o quer, Deus o quer'."
(Rubim Santos Leão de Aquino et alii. "História das sociedades: das comunidades primitivas às
sociedades medievais". Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1980. p. 396).
HISTÓRIA
44
Emília descobre que o Papa Urbano II incitava o povo cristão a
a) destruir as terras férteis do povo islâmico, antes de combater os seus princípios religiosos.
b) unir-se ao povo árabe na defesa dos locais santos, invadidos pelos turcos otomanos.
c) respeitar os princípios do Alcorão, uma vez que o Deus do povo de Alá é o mesmo do povo
cristão.
d) superar os seus problemas, unir forças e atacar os muçulmanos que dominavam a Terra
Santa.
e) difundir a harmonia que reinava entre eles nas regiões ocupadas pelos infiéis sarracenos.
02- (UFSM) As cruzadas se estenderam pelos séculos XI, XII e XIII, levando milhares de pessoas
da Europa a deslocarem-se em direção ao Oriente Próximo. Pode-se dizer que é(são) causa(s)
dessas cruzadas:
I. aumento da população e pobreza na Europa.
II. ambições comerciais das cidades italianas (Gênova, Veneza, Pisa etc.).
III. reunificação da cristandade.
IV. liberação de rotas para o Oriente através de Constantinopla que se encontrava sob domínio
mameluco.
Está(ão) correta(s)
a)
b)
c)
d)
e)
apenas I e II.
apenas lII.
apenas I, II e III.
apenas IV.
I, II , III e IV.
03- (UFAL) Explique porque a desintegração do Sistema Feudal e a centralização política são,
entre outros, fatores decisivos para a Expansão Marítima Portuguesa.
04- (FGV) Sobre a formação do absolutismo na França, é incorreto afirmar que:
a) seus antecedentes situam-se, também, nos reinados de Filipe Augusto, Luís IX e Filipe IV,
entre os séculos XII e XIV.
b) fez-se necessária nesse processo a centralização dos exércitos, dos impostos, da justiça e
das questões eclesiásticas;
c) a abolição da soberania dos nobres feudais não teve um importante papel nesse contexto;
HISTÓRIA
45
d) a Guerra dos Cem Anos foi fundamental nesse processo;
e) durante esse processo a aliança com a burguesia fez-se necessária para conter e controlar a
resistência de nobres feudais.
05- (UNICAMP) No ano de 1070, os habitantes da cidade de Mans revoltaram-se contra o duque
da Normandia. O bispo fugiu e relatou: "Fizeram então uma associação a que chamam comuna,
uniram-se por um juramento e forçaram os senhores dos campos circundantes a jurar fidelidade à
comuna. Cheios de audácia, começaram a cometer inúmeros crimes. Até queimaram os castelos
da região durante a Quaresma e, o que é pior, durante a Semana Santa".
(Adaptado de J Le Goff, "A Civilização do Ocidente Medieval", Lisboa, Estampa, 1984, vol.
2, p.57.)
a) Qual é o conflito social que está representado nesse texto?
b) Relacione esse conflito ao renascimento das cidades a partir do século XII.
c) Por que a Igreja costumava se opor à associação das comunas?
06- (UNESP) "As tropas inumeráveis de carneiros que se espalham atualmente por toda a
Inglaterra, constituídas por animais tão doces, tão sóbrios mas (que) são, no entanto, tão vorazes
e ferozes que comem até pessoas e despovoam os campos, as casas e as aldeias. Com efeito,
em todas as partes do reino, onde se produzem as mais finas e preciosas lãs, acorrem, para
disputar a terra, os nobres, os ricos, e mesmo os santos abades."
O texto, extraído do livro A UTOPIA, de Thomas Morus, publicado em 1516, refere-se
HISTÓRIA
46
a) às transformações das áreas rurais inglesas com a criação de carneiros e pastagens, com
conseqüente redução de poder econômico dos abades e setores da burguesia.
b) à crise do sistema feudal inglês com a ampliação de pastagens, concentração de
propriedades rurais e abandono do campo pelos camponeses.
c) ao êxodo rural que ocorreu com a decadência dos feudos, provocada pela Revolução
Industrial e pelo crescimento urbano.
d) à crise do sistema rural, provocada pelos conflitos entre os senhores feudais e realeza, pela
posse das terras mais férteis para plantações e pastagens para criação de carneiros.
e) à intervenção dos burgueses, produtores de lã, na organização das propriedades agrícolas,
que passaram a ser disputadas por abades, camponeses e artesãos.
07- (PUCCAMP) Sobre a importância do renascimento urbano e comercial, na fase de transição
do feudalismo para o capitalismo, pode-se destacar:
a) o caráter assistencialista das corporações de ofício influindo na democratização da ordem
social.
b) o enfraquecimento do poder dos reis à medida que as cidades se tornaram independentes da
nobreza feudal.
c) o estímulo à centralização monárquica, à unificação das moedas, pesos e medidas e ao
mercantilismo.
d) a oposição da burguesia comerciante à prática da usura e conseqüente apoio da Igreja aos
seus empreendimentos marítimos.
e) o crescimento da burguesia repercutindo na decadência da política econômica mercantilista e
na formação dos Estados Nacionais.
08- (MACKENZIE) A Magna Carta (1215) é considerada a carta fundamental das liberdades
Inglesas. Ao jurá-la, o rei João Sem Terra comprometeu-se:
a) a dividir as terras pertencentes à Igreja entre os membros da Câmara dos Comuns e a aceitar
a tutela da Câmara dos Lordes, nos negócios de Estado.
b) a subordinar a justiça do reino à autoridade do Parlamento, concordando com a criação de
juizes itinerantes, que percorriam os condados para julgar todas as questões.
c) sujeitar-se à imposição do Parlamento Britânico, que limitava a autoridade da realeza,
consolidando-o como único poder legislativo na Inglaterra.
d) a não cobrar tributos que não fossem previamente autorizados por um conselho e a não
prender nenhum homem livre sem julgamento.
e) a garantir a imunidade para os nobres membros do Parlamento e a defender a liberdade de
todos os habitantes da Grã Bretanha.
09- (MACKENZIE) A guerra foi igualmente provocada pelas ambições da França e da Inglaterra
sobre Flandes, região economicamente rica pelo seu comércio e por sua produção de tecidos.
Extremamente devastadora, agravou a situação de miséria e exploração das classes
camponesas, mas também contribuiu para revelar o sentimento nacional.
A afirmação acima refere-se à:
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
e)
47
Guerra do Bouvines.
Guerra dos Cem Anos.
Guerra das Duas Rosas.
Guerra dos Três Henriques.
Guerra dos Trinta Anos.
10- (UNESP) "Na expansão da economia européia da Idade Média, os tecidos desempenharam o
mesmo papel principal que no século XIX coube, na Inglaterra, à metalurgia e aos algodões."
(Marc Bloch, A SOCIEDADE FEUDAL.)
Identifique os dois momentos de expansão da economia, verificados na Europa, a que se refere o
texto.
11- (UNESP) Sobre as associações de importantes grupos sociais da Idade Média, um historiador
escreveu: "Eram cartéis que tinham por objetivo a eliminação da concorrência no interior da
cidade e a manutenção do monopólio de uma minoria de mestres no mercado urbano."
(Jacques Le Goff, A CIVILIZAÇÃO DO OCIDENTE MEDIEVAL.)
O texto caracteriza de maneira típica
a)
b)
c)
d)
e)
as universidades medievais.
a atuação das ordens mendicantes.
as corporações de ofício.
o domínio dos senhores feudais.
as seitas heréticas.
12- (PUCMG) Entre os séculos XII e XIV, ocorreram intensas mudanças na vida da população da
Europa Ocidental, quebrando a "pureza" do feudalismo. Dentre elas, ao destacam-se, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
enriquecimento da classe mercantil, que supera o poder político da aristocracia feudal,
intensificação das relações monetárias, rompendo a base natural da economia feudal,
crescimento da atividade comercial, devido ao aumento do volume dos excedentes.
aumento da produção agrícola, provocando a queda da taxa de modalidade.
formação das corporações de ofício, defendendo o trabalho artesanal nas novas cidades.
13- (PUCMG) 0 nascimento das cidades no mundo feudal europeu, a partir dos séculos XI - XII,
abala imediatamente a organização econômica dos campos. Confirmam essa afirmativa, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
A produção agrícola é estimulada a produzir excedentes em maior escala.
O camponês é atraído pela sedução do comércio e pela possibilidade de lucros.
O cultivo estende-se, ocupando as reservas incultas como bosques e pântanos.
A circulação monetária intensifica-se e desestrutura as arcaicas relações servis.
A aristocracia organiza-se em oposição sistemática à formação das cidades.
14- (MACKENZIE) "Entre os movimentos mais conhecidos da Idade Média estão as Cruzadas,
que foram originalmente expedições organizadas pela Igreja, contando com o apoio dos dirigentes
48
HISTÓRIA
políticos das principais monarquias feudais"
(Marco Antônio de Oliveira Pais)
As Cruzadas no Ocidente tinham por objetivo:
a) reconquistar os territórios sagrados do cristianismo na Palestina e reunificar o mundo cristão
abalado com o Cisma do Ocidente.
b) libertar do domínio muçulmano o Sacro Império Romano Germânico do Ocidente através da
união dos reis, Ricardo Coração de Leão, Felipe Augusto e Frederico Barba Ruiva.
c) expulsar os muçulmanos da Península Ibérica, promover a expansão cristã nas terras eslavas
e combater os hereges albigenses na França.
d) libertar as cidades de Gênova e Veneza do domínio islâmico e expulsar os mouros da região
de Flandres, reabrindo as rotas comerciais.
e) conquistar Jerusalém, organizar na região o sistema feudal e criar ordens monásticas como a
dos Templários e dos Hospitalários.
15- (CESGRANRIO) A administração colonial portuguesa no Brasil se organizava em vários
níveis, cuja autonomia e jurisdição variaram em diversos momentos da colonização.
Assinale a opção que expressa corretamente uma característica dessa administração.
a) Há crescente centralização e reforço da autoridade dos governadores e vice-reis no século
XVIII, principalmente após o período pombalino.
b) As Câmaras Municipais sempre foram o principal núcleo de poder da colônia, por exercerem
as funções policiais e judiciárias.
c) Os Governadores Gerais tiveram função essencialmente militar, mantendo-se com os
Donatários o controle da administração fiscal e tributária.
d) As autoridades judiciárias como os Juizes, Ouvidores e Ministros dos Tribunais eram
independentes, reportando-se diretamente ao Rei.
e) As necessidades de conquista do território generalizaram a prática de conceder total
autonomia administrativa aos que dirigiam expedições de desbravamento.
16- (CESGRANRIO) Entre os séculos XV e XVIII, a transição do feudalismo para o capitalismo, no
mundo ocidental, engloba um conjunto de transformações econômicas e sociais, entre as quais
identificamos corretamente a(o):
a)
b)
c)
d)
e)
fragmentação da propriedade fundiária senhorial e monárquica.
substituição da produção das manufaturas pelo sistema de corporações de ofícios.
supremacia das rotas terrestres e mediterrâneas no comércio com o oriente.
fortalecimento dos laços de servidão e vassalagem.
desenvolvimento da vida urbana através das atividades comerciais.
17- (UNESP) Na Idade Média ocidental, a Igreja cristã justificava e explicava o ordenamento
social. Ao lado dos clérigos, que detinham o conhecimento da leitura e da escrita, um dos grupos
sociais da época era constituído por
a) assalariados, que trabalhavam nas terras dos que protegiam as fronteiras da Europa medieval
das invasões dos povos bárbaros germânicos.
b) usurários, que garantiam o financiamento das campanhas militares da nobreza em luta contra
os infiéis muçulmanos.
c) donos de manufaturas de tecidos de algodão, que abasteciam o amplo mercado consumidor
das colônias americanas.
HISTÓRIA
49
d) servos, que deviam obrigações em trabalho aos senhores territoriais que cuidavam da defesa
militar da sociedade.
e) escravos, que garantiam a sobrevivência material da sociedade em troca da concessão da
vida por parte dos seus vencedores.
18- (PUCSP) As Cruzadas tiveram caráter
a) exclusivamente religioso, buscando resgatar a Terra Santa das mãos dos árabes e expandir o
catolicismo.
b) exclusivamente comercial, buscando novas terras para a agricultura e mercado para os
produtos europeus.
c) religioso e comercial, buscando conciliar a ação expansionista religiosa à abertura de novas
rotas comerciais.
d) político e religioso, buscando ampliar o poder do Papado e produzir uma fusão entre o
catolicismo e o islamismo.
e) político e comercial, buscando expandir o absolutismo monárquico e abrir mercados para
produtos do Vaticano.
19- (PUCCAMP) Neste início de século XXI, quando a humanidade "descobre", através dos meios
de comunicação de massa, conflitos que envolvem aspectos religiosos, Emília, curiosa, pesquisa
nos livros e faz uma grande viagem para o final do século XI. Ela encontra no livro as palavras
proferidas pelo Papa Urbano II:
"Que os ódios desapareçam entre vós, que terminem vossas brigas, que cessem as guerras e
adormeçam as desavenças e controvérsias. Entrai no caminho que leva ao Santo Sepulcro;
arrancai aquela terra da raça malvada para que fique em vosso poder. É a terra na qual, disse a
Escritura, escorre leite e mel (...) Jerusalém é o centro do mundo; sua terra é mais fértil do que
todas as outras (...). Quando um ataque for lançado sobre o inimigo, que um só grito seja dado
pelos soldados de Deus: 'Deus o quer, Deus o quer'."
(Rubim Santos Leão de Aquino et alii. "História das sociedades: das comunidades
primitivas às sociedades medievais". Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1980. p. 396).
Emília descobre que o Papa Urbano II incitava o povo cristão a
a) destruir as terras férteis do povo islâmico, antes de combater os seus princípios religiosos.
b) unir-se ao povo árabe na defesa dos locais santos, invadidos pelos turcos otomanos.
c) respeitar os princípios do Alcorão, uma vez que o Deus do povo de Alá é o mesmo do povo
cristão.
d) superar os seus problemas, unir forças e atacar os muçulmanos que dominavam a Terra
Santa.
e) difundir a harmonia que reinava entre eles nas regiões ocupadas pelos infiéis sarracenos.
20- (PUCMG) Na Europa, nos séculos XIV e XV, eclodiu e aprofundou-se uma crise geral da
sociedade feudal. São características do período em questão, exceto:
a) o recrudescimento das obrigações feudais, aumentando o nível de tensão entre senhores e
servos.
b) a Peste Negra, que reduziu a população européia em um terço e deixou várias aldeias
despovoadas.
c) as revoltas camponesas, que explodiram com enorme violência em toda a Europa.
d) o movimento da Reforma iniciado por Lutero, afirmando o poder da Igreja Católica.
e) a Guerra dos Cem Anos, promovendo inquietação e desordens na França e Inglaterra.
HISTÓRIA
50
21- (PUCSP) A Idade Média Ocidental
a) conheceu, até o século X, intensa atividade comercial e urbana, que foi substituída
posteriormente pelo predomínio do campo e da produção agrícola de subsistência, realizada
nos arredores das cidades.
b) apresentou, nas várias regiões, forte unidade política, herdada do Império Romano, até o
século VIII, ocorrendo, posteriormente, crescente fragmentação até o século XVI.
c) teve, no início, um período de pouca hierarquia social, com privilégio apenas para os setores
eclesiásticos, e gradativa ampliação do poder camponês a partir do século XI.
d) foi um período de absorções, negações e adequações entre a cultura clerical e a laica,
havendo claro predomínio da primeira até o século XII e gradativo crescimento da postura
laico-humanista a partir de então.
e) representou, nos primeiros séculos, a persistência do politeísmo herdado da tradição grecoromana e, após o século XI, a vitória rápida do protestantismo contra o catolicismo.
22- (UNICAMP) Num lugar da Mancha, vivia um fidalgo. Nosso fidalgo já beirava os cinqüenta [...]
e em seus momentos de ócio (ou seja, a maior parte do ano), entregava-se a devorar livros de
cavalaria, com tanta paixão e gosto, que deu por esquecer por completo do exercício da caça e
até mesmo da administração da fazenda.
(Adaptado Miguel de Cervantes de Saavedra, "O engenhoso fidalgo D. Quixote de la
Mancha". Trad. Eugênio Amado. Belo Horizonte/Itatiaia; Brasília/INL, 1984 vol. I, p. 27-8.)
a) Cite um evento da história da Espanha medieval no qual os cavaleiros fidalgos tiveram
importante atuação.
b) Destaque, do texto, duas atitudes que sugerem a decadência dos cavaleiros medievais na
Europa.
c) Mencione duas mudanças nas sociedades medievais européias que contribuíram para o
surgimento dos Estados nacionais.
HISTÓRIA
51
CAPÍTULO 14
A CONSOLIDAÇÃO DAS MONARQUIAS NA EUROPA
MODERNA
01- (UNICAMP) O grande teórico do absolutismo monárquico, o bispo Jacques Bossuet, afirmou:
"Todo poder vem de Deus. Os governantes, pois, agem como ministros de Deus e seus
representantes na terra. Resulta de tudo isso que a pessoa do rei é sagrada e que atacá-lo é
sacrilégio. O poder real é absoluto. O príncipe não precisa dar contas de seus atos a ninguém."
(Citado em "Coletânea de Documentos Históricos para o 1° grau." São Paulo, SE/CENP, 1978, p. 79.).
a) Aponte duas características do absolutismo monárquico.
b) Em que período o regime político descrito no texto esteve em vigor?
c) Cite duas características dos governos democráticos atuais que sejam diferentes das
mencionadas no texto.
02- (UFMG) Leia este trecho, escrito por um pensador cujas idéias foram influentes no processo
de formação dos Estados nacionais na Europa Ocidental:
Há, porém, duas maneiras de tornar-se príncipe o homem comum, as quais não podem
ser inteiramente atribuídas ou à sorte ou ao merecimento, e não me parece que deva deixá-las de
lado, embora de uma delas se possa mais extensamente falar no lugar em que se discorrer sobre
as repúblicas. São elas: quando, por qualquer forma criminosa ou nefanda, se ascende ao
principado; e quando, mediante o favor dos seus concidadãos, torna-se alguém príncipe de sua
pátria.
As idéias contidas nesse trecho podem ser associadas a
a) MAQUIAVEL, que considerava a fortuna e a virtude fatores importantes para se alcançar o
poder.
b) BODIN, que defendeu, quando necessário, a investidura do soberano no poder por meios
ilícitos.
c) GROTIUS, que preconizava a existência de um Estado forte para controlar a sociedade civil.
d) HOBBES, que pregava a afirmação da soberania de cada um dos indivíduos frente ao
Leviatã.
HISTÓRIA
52
03- (PUCRS) Entre os séculos XV e XVII, a intelectualidade européia cria novas concepções
teóricas sobre o poder do Estado e seu exercício legítimo. Uma das mais célebres dessas
concepções buscava estabelecer uma explicação racional para o poder absoluto do soberano a
partir do conceito de Estado de Natureza, no qual os indivíduos, egoístas e absolutamente livres,
viveriam em constante e violento conflito, resultando daí a necessidade de que tais indivíduos
cedessem, por contrato, todos os seus direitos ao Estado, abdicando da liberdade para garantir a
segurança e a paz social. Trata-se das idéias de
a)
b)
c)
d)
e)
Thomas Hobbes.
Jean Bodin.
Nicolau Maquiavel.
Hugo Grotius.
Jacques Bossuet.
04- (FGV) A respeito de Portugal durante a época Moderna, é correto afirmar:
a) A montagem do vasto império ultramarino esteve ligada ao fortalecimento dos setores
aristocráticos que dominavam os principais postos e funções do Estado lusitano.
b) A vinculação à monarquia espanhola durante a União Ibérica (1580-1640) estimulou o
movimento republicano vitorioso na revolta de 1640.
c) Vantajosos tratados econômicos foram estabelecidos com a Inglaterra, desde o século XVII, o
que garantiu a prosperidade da economia portuguesa durante a crise do Antigo Sistema
Colonial.
d) Durante a União Ibérica (1580-1640), estreitou-se ainda mais a parceria entre os portugueses
e os holandeses, que financiavam e distribuíam na Europa os produtos coloniais brasileiros.
e) Ao contrário das demais sociedades européias, o Antigo Regime português caracterizou-se
pela ausência de conflitos religiosos e pelo interesse na produção cultural estrangeira.
05- (UNIRIO) O Absolutismo monárquico manifestou-se de formas variadas, entre os séculos XVI
e XVIII na Europa, através de um conjunto de práticas e doutrinas político-econômicas que
fundamentavam a atuação do Estado Nacional Absoluto. Dentre essas práticas e doutrinas,
identificamos corretamente a:
a) condenação da doutrina política medieval que justificava a autoridade monárquica absoluta
através do Direito Divino dos Reis
b) concentração dos poderes de governo e da autoridade política na pessoa do Rei identificado
com o Estado
c) promoção política das burguesias nacionais, principais empreendedores mercantis da
expansão econômica e geográfica do Estado Moderno Absoluto
d) adoção de práticas capitalistas e liberais como fundamento da organização econômica dos
Impérios coloniais controlados pelas Monarquias européias
e) rejeição dos princípios mercantilistas: dirigismo econômico e protecionismo alfandegário.
06- (UFPEL) Maquiavel aconselhou aos governantes do início da Idade Moderna formas de como
manter o poder.
"É de notar-se, aqui, que, ao apoderar-se de um Estado, o conquistador deve determinar as injúrias
que precisa levar a efeito, e executá-las todas de uma só vez, para não ter que renová-las dia-a-dia. Deste
modo, poderá incutir confiança nos homens e conquistar-lhes o apoio, beneficiando-os. Quem age por outra
forma, ou por timidez ou por força de maus conselhos, tem sempre necessidade de estar com a faca na
mão e não poderá nunca confiar em seus súditos, porque estes, por sua vez, não se podem fiar nele, mercê
das suas recentes e contínuas injúrias. As injúrias devem ser feitas todas de uma só vez, a fim de que,
tomando-se-lhes menos o gosto, ofendam menos. E os benefícios devem ser realizados pouco a pouco,
para que sejam melhor saboreados."
(Maquiavel, Nicolau. "O Príncipe". (Coleção Os Pensadores) 1. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1973, p. 44).
HISTÓRIA
53
Suas idéias são características da conjuntura histórica que, na Europa, favoreceu
a)
b)
c)
d)
e)
a Escolástica e as Corporações de Ofício nas cidades.
o Teocentrismo e a fragmentação política do Império Romano.
o Renascimento e a centralização política que levou à formação dos Estados Nacionais.
o Iluminismo e o Liberalismo Econômico.
o Despotismo Esclarecido e a Revolução Industrial.
07- (PUCCAMP) Leia e reflita sobre o texto.
"À primeira vista, afigura-se paradoxal que Portugal e Espanha tenham conseguido preservar
seus extensos domínios ultramarinos depois da perda da hegemonia ibérica e ascensão das
novas potências preponderantes no quadro europeu e do desenvolvimento da competição
colonial. Efetivamente, tendo realizado com precedência etapas decisivas da unificação nacional
e da centralização política da monarquia absolutista, os países ibéricos (...) puderam marchar na
vanguarda da expansão marítima que redefiniu a geografia econômica do mundo e marcou a
abertura dos Tempos Modernos (...)."
(Fernando Novais. "Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial" (1777-1808), São
Paulo: Hucitec, 1981, p.17.)
O conhecimento histórico e as idéias do autor possibilitam afirmar que
a) a Inglaterra, a França, a Alemanha e a Itália, ao iniciarem a expansão imperialista sobre as
colônias, colocaram em xeque a hegemonia econômica e política exercida pela Espanha e
Portugal.
b) os países da Península Ibérica tinham a hegemonia no contexto da colonização européia,
fator que decorreu do processo de centralização política que contribuiu para a expansão
marítima e comercial.
c) os países ibéricos realizaram um processo de unificação nacional e centralização política
depois que perderam a hegemonia econômica na Europa, em razão da acirrada disputa dos
países europeus pelo mercado colonial.
d) Portugal e Espanha não conseguiram manter os territórios na América, já que estes foram
conquistados pela Inglaterra, que passou a exercer uma posição hegemônica no continente.
e) as monarquias absolutas dos países ibéricos contribuíram para a própria dominação
holandesa, inglesa e francesa na América, uma vez que estabeleceram uma nova divisão das
terras americanas.
08- (UFRJ) "A monarquia absolutista, com uma longa gestação no espírito da realeza, tornouse a realidade dominante em França apenas durante o reinado de Luís XIV (1643-1715). A
Fronda de 1648-1653 representou a última vez que seções da nobreza territorial pegaram em
armas contra a realeza centralizadora."
SKOCPOL Theda. "Estados e Revoluções Sociais". Lisboa, Editorial Presença, 1985. p. 62.
O Antigo Regime estendeu-se em França até a Revolução Francesa de 1789. Um dos
impedimentos à consolidação do poder monárquico era justificado pela tenaz resistência da
nobreza. Uma vez dominada a nobreza, consolidava-se a monarquia absoluta.
a) Cite duas características do Absolutismo.
HISTÓRIA
54
b) Estabeleça uma relação entre o reinado de Luís XIV e o Absolutismo.
09- (UFV) Jean Jacques Rousseau, escritor francês do século XVIII, no famoso ensaio "Discurso
sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens", publicado em 1754,
escreveu: O primeiro homem que cercou uma porção de terra e disse: isto é meu, e encontrou
gente suficientemente tonta para acreditar nele, foi o verdadeiro fundador do Estado.
Com essa frase, Rousseau ampliava uma nova forma de explicar a gênese do Estado,
relacionada à propriedade privada. No entanto, até então, vigorava uma outra concepção a
respeito da origem do Estado. Explique-a, considerando suas principais características e
conseqüências.
10- (FUVEST) Segundo Marx e Engels, há períodos históricos em que as classes sociais em luta
se encontram em tal equilíbrio de força que o poder político adquire um acentuado grau de
independência em relação a elas. Foi o que aconteceu com
a)
b)
c)
d)
e)
a Monarquia absolutista, em equilíbrio entre nobreza e burguesia.
a Monarquia feudal, em equilíbrio entre guerreiros e camponeses.
o Império romano, em equilíbrio entre patrícios e plebeus.
o Estado soviético, em equilíbrio entre capitalistas e proletários.
o Estado germânico, em equilíbrio entre sacerdotes e pastores.
11- (UFRJ) Queremos e nos agrada que, a contar do primeiro dia deste mês, seja estabelecido,
imposto e cobrado, em toda a extensão do nosso reino, uma capitação geral por lar ou família,
pagável ano a ano, durante a duração da presente guerra. Queremos que nenhum de nossos
súditos [...] seja isento da dita capitação, fora [...] as ordens mendicantes e os pobres mendigos.
(Declaração do rei Luis XIV estabelecendo a capitação, 18 de janeiro de 1695. Citado por
Groupe de Recherche pour 1' enseignement de 1' Histoire et la Géographie. Histoire "Héritages
européens." Paris, Hachette, 1981, p.107)
O Estado centralizado surgiu como um fator de peso na vida das sociedades da Europa ocidental
na Época Moderna. Seus sinais mais evidentes eram a arrecadação de impostos, a criação de um
corpo de funcionários dependente do rei e a concentração do poder material e espiritual nas mãos
do monarca, enfraquecendo os poderes locais, regionais ou provinciais.
HISTÓRIA
55
Na Época Moderna, a construção de um Estado forte e intervencionista veio atender aos
interesses dos grupos sociais dominantes e várias das medidas então adotadas descontentaram
camponeses e trabalhadores urbanos.
Hoje, o neoliberalismo, ao defender a redução da presença do Estado na vida econômica e social,
também atende aos interesses dos grupos dominantes e enfrenta reação de setores expressivos
da classe trabalhadora.
a) Identifique um tipo de ação do Estado Moderno que tenha gerado insatisfação entre os
camponeses e trabalhadores urbanos europeus.
b) Identifique e explique um dos argumentos atualmente utilizados por setores da classe
trabalhadora na contestação à redução do papel do Estado na economia.
12- (FUVEST) "É praticamente impossível treinar todos os súditos de um [Estado] nas artes da
guerra e ao mesmo tempo mantê-los obedientes às leis e aos magistrados."
(Jean Bodin, teórico do absolutismo, em 1578).
Essa afirmação revela que a razão principal de as monarquias européias recorrerem ao
recrutamento de mercenários estrangeiros, em grande escala, devia-se à necessidade de:
a)
b)
c)
d)
e)
conseguir mais soldados provenientes da burguesia, a classe que apoiava o rei.
completar as fileiras dos exércitos com soldados profissionais mais eficientes.
desarmar a nobreza e impedir que esta liderasse as demais classes contra o rei.
manter desarmados camponeses e trabalhadores urbanos e evitar revoltas.
desarmar a burguesia e controlar a luta de classes entre esta e a nobreza.
13- (PUCCAMP) Leia o texto de um clássico da teoria política.
"Daqui nasce um dilema: é melhor ser amado que temido, ou o inverso? Respondo que seria
preferível ser ambas as coisas, mas, como é muito difícil conciliá-las, parece-me muito mais
seguro ser temido do que amado, se só se puder ser uma delas."
No texto estão explícitas algumas idéias presentes no período de formação do Estado Moderno. O
autor escreve numa região convulsionada por crises políticas, ameaças externas e ausência de
unidade nacional. O autor, a obra, o país e o tipo de Estado, que o mesmo defendia, são,
respectivamente:
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
e)
56
Jacques Bossuet, POLÍTICA, França e o Estado Liberal.
Thomas Hobbes, LEVIATÃ, Inglaterra e o Estado Mercantil.
Tomás Morus, A Utopia, Alemanha e o Estado Socialista.
Nicolau Maquiavel, O PRÍNCIPE, Itália e o Estado Absolutista.
Jean Bodin, A REPÚBLICA, Bélgica e o Estado Democrático.
14- (PUCMG) "O Estado sou eu." Essa frase de Luís XIV, rei de França, expressa de fato:
a)
b)
c)
d)
e)
a indefinição de funções no Antigo Regime.
o conceito de nação nos Tempos Modernos.
o nacionalismo exacerbado da transição feudal-capitalista.
o poder ilimitado dos reis no Estado Absolutista.
a identificação dos monarcas com suas nações.
15- (PUCMG) Oriundo da crise do feudalismo, o Estado Absolutista representou a organização
política dominante na sociedade européia entre os séculos XV e XVIII, podendo ser caracterizado
pela:
a) supressão dos monopólios comerciais, possibilitando o desenvolvimento das manufaturas
nacionais.
b) quebra das barreiras regionalistas do feudo e da comuna, agilizando e integrando a economia
nacional.
c) abolição das formas de exploração das terras típicas do feudalismo, tornando a sociedade
mais dinâmica.
d) ascensão política do grupo burguês, que passa a gerir o Estado segundo seus interesses
particulares.
e) ausência efetiva de instrumento de controle, quer no plano moral ou temporal, sobre o poder
do rei.
16- (PUCSP) O fim último, causa final e desígnio dos homens (que amam naturalmente a
liberdade e o domínio sobre os outros), ao introduzir aquela restrição sobre si mesmos sob a qual
os vemos viver nos Estados, é o cuidado com sua própria conservação e com uma vida mais
satisfeita. Quer dizer, o desejo de sair daquela miséria condição de guerra que é a conseqüência
necessária (conforme se mostrou) das paixões naturais dos homens, quando não há um poder
visível capaz de os manter em respeito, forçando-os por medo do castigo, ao cumprimento de
seus pactos e ao respeito àquelas leis de natureza (...)
(Hobbes, T. "Das causas, geração e definição de um Estado". In: Leviatã. São Paulo: Abril
Cultural, 2 ヘ. ed.,1979, p. 103.)
Considerando o fragmento anterior, podemos dizer que Thomas Hobbes, pensador inglês do
séc.XVII, defende a noção de que
a) apenas um Estado democrático, surgido de um ato de liberdade dos cidadãos, teria
legitimidade para criar leis e zelar pela segurança e demais necessidades sociais.
b) certos indivíduos, extraordinariamente, quando apaixonados, amam dominar os outros e é
preciso forçá-los, através do castigo, a manter o respeito; essa seria a função do Estado.
c) o Estado resulta do desejo dos indivíduos de garantir a propriedade privada, para deixar de ter
uma condição mísera e participar ativamente do pacto social.
d) o homem é naturalmente bom, mas a vida social o corrompe, fazendo com que passe a
querer dominar a liberdade dos outros; o nascimento do Estado é diretamente responsável
por essa corrupção.
e) os homens são naturalmente inaptos para a vida social, a menos que constituam uma
autoridade à qual entreguem sua liberdade em troca de segurança.
HISTÓRIA
57
17- (UNIRIO) Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada
(BANDEIRA, Manoel. "Vou-me embora pra Pasárgada". In: VOU-ME EMBORA PRA
PASÁRGADA E OUTROS POEMAS. Rio de Janeiro, Ediouro, 1997.)
O reino imaginário de Pasárgada e os privilégios dos amigos do rei podem ser comparados à
situação da nobreza européia com a formação das Monarquias Nacionais Modernas. A razão
fundamental do apoio que esta nobreza forneceu ao rei, no intuito de manter-se "amiga" do
mesmo, conservando inúmeras regalias, pode ser explicada pela(o):
a) composição de um corpo burocrático que absorve a nobreza, tornando esse segmento
autônomo em relação às atividades agrícolas que são assumidas pelo capital mercantil.
b) subordinação dos negócios da burguesia emergente aos interesses da nobreza fundiária,
obstaculizando o desenvolvimento das atividades comerciais.
c) manutenção de forças militares locais que atuaram como verdadeiras milícias aristocráticas
na repressão aos levantes camponeses.
d) repressão que as monarquias empreenderiam às revoltas camponesas, restabelecendo a
ordem no meio rural em proveito da aristocracia agrária.
e) completo restabelecimento das relações feudo-vassálicas, freando temporariamente o
processo de assalariamento da mão-de-obra e de entrada do capital mercantil no campo.
18- (UNIRIO) Assinale a opção que apresenta uma afirmativa correta sobre as origens do
Absolutismo no contexto da consolidação do Estado Moderno na Europa.
a) Na Áustria, a criação do Império Austro-Húngaro permitiu a formação de uma Monarquia
Absoluta apoiada pelos segmentos comerciais e mercantis que controlavam as rotas
comerciais orientais mediterrâneas, fonte da riqueza imperial austríaca.
b) Na Espanha, o Absolutismo consolidou-se sob o reinado de Carlos V, da dinastia dos
Habsburgos, como resultado do fortalecimento econômico da Coroa decorrente da expansão
colonial ultramarina.
c) Na França, o controle dos representantes do clero sobre os Estados Gerais determinou a
formação de um Absolutismo Clerical que submeteu os monarcas franceses às autoridades
eclesiásticas e o papado.
d) Na Inglaterra, a vitória da dinastia dos Stuarts, ao final da Revolução Gloriosa (1688-89),
enfraqueceu as práticas econômicas liberais e extinguiu a nobreza dos condados do interior,
permitindo a instalação do Absolutismo no reino.
e) Na Prússia, a criação do Estado Absoluto remonta ao fortalecimento do luteranismo, que
agrupou os diversos reinos e principados prussianos em um único Estado centralizado política
e economicamente.
19- (UERJ) Os meios de persuasão empregados por governantes do século XX com Hitler,
Mussolini e Stalin - e, em menor grau, pelos presidentes franceses e norte-americanos - são
análogos, sob certos aspectos importantes, aos meios empregados por Luís XIV.
(BURKE, Peter. A Fabricação do Rei. Rio de Janeiro, Zahar Ed., 1994.)
Na época de Luís XIV, esses meios de persuasão para se fabricar a imagem pública do rei
justificavam-se em função da lógica inerente ao absolutismo.
HISTÓRIA
58
Este regime político pode ser definido como um sistema em que:
a)
b)
c)
d)
o poder se restringia a um só homem, sem leis
a centralização do poder na figura do rei era legitimada através do povo
os grupos e instituições não tinham o direito de opor-se às decisões do rei
a tradicional divisão dos poderes - executivo, legislativo, e judiciário - era o desejo do
soberano
20- (PUCCAMP) O processo de colonização européia da América, durante os séculos XVI, XVII e
XVIII está ligado à
a) expansão comercial e marítima, ao fortalecimento das monarquias nacionais absolutas e à
política mercantilista.
b) disseminação do movimento cruzadista, ao crescimento do comércio com os povos orientais e
à política livre-cambista.
c) política imperialista, ao fracasso da ocupação agrícola das terras e ao crescimento do
comércio bilateral.
d) criação das companhias de comércio, ao desenvolvimento do modo feudal de produção e à
política liberal.
e) política industrial, ao surgimento de um mercado interno consumidor e ao excesso de mãode-obra livre.
21- (UNESP) "P. Quem sois vós?
R. Sou um fiel Vassalo do Rei da Espanha.
P. Quem é o Rei da Espanha?
R. É um Senhor tão absoluto que não existe outro que lhe seja superior na Terra.
P. Como se chama?
R. O Senhor Dom Carlos IV.
P. De onde vem seu Poder Real?
R. Do próprio Deus."
(Cartilha Real para os Jovens da Província do Paraguai.)
Baseando-se no trecho apresentado, responda.
a) O texto refere-se a qual período histórico e a que regime político?
b) Por que os jovens paraguaios deveriam estudar esta Cartilha?
HISTÓRIA
59
22- (UNICAMP) Leia os comentários a seguir sobre o poder dos reis em dois períodos históricos
distintos:
Durante os séculos XI e XII acreditava-se que os reis de França e da Inglaterra fossem capazes
de fazer milagres e curar doenças. A conquista deste poder milagroso contribuiu para a afirmação
do poder monárquico, ameaçado pelos grandes senhores feudais.
(Adaptado de J. LE GOFF, PREFÁCIO A M. BLOCH, OS REIS TAUMATURGOS, São
Paulo, Cia. das Letras, p.21)
Entre o fim da década de 1870 e o ano de 1914, ocorreu uma mudança fundamental na imagem
pública da monarquia britânica, na medida em que seu ritual, até então inadequado, particular e
pouco atraente, tornou-se suntuoso, público e popular. Até certo ponto isto foi facilitado pelo fato
de que os monarcas estavam pouco a pouco se afastando da atividade política.
(Eric Hobsbawm e Terence Ranger, A INVENÇÃO DAS TRADIÇÕES, Paz e Terra, pp.
130-131)
A partir desses dois comentários, responda:
a) Que poderes se contrapunham à autoridade dos reis em cada um desses períodos históricos?
b) Que artifícios os reis utilizaram para afirmar a sua autoridade em cada um desses períodos?
23- (UFMG) Todas as alternativas apresentam fatores que caracterizaram os Estados Nacionais
formados a partir do século XV, exceto
a)
b)
c)
d)
Criação de um exército permanente.
Manutenção dos privilégios das corporações.
Organização de um sistema nacional de impostos.
Ordenação de uma administração centralizada.
CAPÍTULO 15
O RENASCIMENTO CULTURAL E CIENTÍFICO
01- (UFV) O termo Renascimento tem origem nos textos evangélicos de São João e São Paulo,
significando a idéia do segundo nascimento, o nascimento do homem novo ou o renascimento
espiritual do homem para Deus. Na Idade Média, este sentido permaneceu indicando a volta do
homem a Deus. No entanto, quando utilizado para descrever o processo que teve início na Itália e
se propagou pela Europa Ocidental, no final século XIV, adquiriu outros significados, tais como:
I - a renovação das concepções políticas do Estado e o resgate da idéia das origens naturais das
instituições humanas.
HISTÓRIA
60
II - a reprovação a todo e qualquer movimento de renovação religiosa que pregasse o retorno às
fontes originais do cristianismo.
III - a reafirmação das concepções filosóficas humanistas, entre elas a valorização da cultura da
Antigüidade Clássica.
IV - a difusão do naturalismo e do interesse pela investigação empírica da Natureza.
V - a crítica ao preceito do caráter divino do poder terreno e a adoção da prática de interferência
do papado na política.
Dos significados adquiridos pelo termo Renascimento, são corretos:
a)
b)
c)
d)
e)
II, IV e V.
I, II e V.
II, III e IV.
I, II e III.
I, III e IV.
02- (PUCSP) (...)
Outras coisas que viu, mui numerosas,
Pedem tempo que o verso meu não dura,
Pois lá encontrou, guardadas e copiosas,
Mil coisas de que andamos à procura.
Só de loucura não viu muito ou pouco
Que ela não sai de nosso mundo louco.
Mostrou-se-lhe também o que era seu,
O tempo e as muitas obras que perdia,
(...)
Viu mais o que ninguém suplica ao céu,
Pois todos cremos tê-lo em demasia:
Digo o siso, montanha ali mais alta
Que as erguidas do mais que aqui nos falta.
(ARIOSTO, Ludovico. "Orlando Furioso". São Paulo: Atelier, 2002. p. 261.
O trecho acima, de um livro de 1516, narra parte de uma viagem imaginária à Lua. Lá, o
personagem encontra o que não há na Terra e não encontra o que aqui há em excesso. Pode-se
identificar o caráter humanista do texto na
a) certeza, de origem cristã, de que a reza (suplicar ao céu) é a única forma de se obter o que se
busca.
b) constatação da pouca razão (siso) e da grande loucura existente entre os homens.
c) aceitação da limitada capacidade humana de fazer poesia (o verso meu não dura).
d) percepção do desleixo e da indiferença humanos (o tempo e as muitas obras que perdia).
e) ambição dos homens em sua busca de bens (Mil coisas de que andamos à procura).
03- (PUCCAMP) A pintura renascentista expressa elementos do contexto histórico na qual é
produzida. A partir dessa informação e do conhecimento histórico, pode-se afirmar que na
renascença
a) os pintores analisam e retratam o mundo de acordo com imagem do próprio homem.
b) os artistas mostram o seu desprezo pelos clérigos e pelos princípios da Igreja Cristã.
c) as pinturas enfatizam demasiadamente os aspectos da vida coletiva, desprezando o
individualismo.
d) os pintores têm os mesmos padrões estéticos e filosóficos, o que impede a criatividade.
e) as obras de arte adquirem um caráter popular, sendo adquiridas sobretudo pelos servos.
04- (FGV) "Nunca uma civilização dera tão grande lugar à pintura e à música, nem erguera ao céu
tão altas cúpulas, nem elevara ao nível da alta literatura tantas línguas nacionais encerradas em
HISTÓRIA
61
tão exíguo espaço. Nunca no passado da humanidade tinham surgido tantas invenções em tão
pouco tempo. Pois o Renascimento foi, especialmente, progresso técnico; deu ao homem do
Ocidente maior domínio sobre um mundo mais bem conhecido. Ensinou-lhe a atravessar os
oceanos, a fabricar ferro fundido, a servir-se das armas de fogo, a contar as horas com um motor,
a imprimir, a utilizar dia a dia a letra de câmbio e o seguro marítimo".
(DELUMEAU, Jean, "A Civilização do Renascimento", vol. 1, p. 23.)
A respeito do Renascimento é correto afirmar:
a) O termo foi criado no século XVI por Giorgio Vasari e transmite uma visão depreciativa da
cultura clássica e valorativa da cultura medieval.
b) As alterações culturais experimentadas durante o Renascimento limitaram-se a questões
estéticas, completamente divorciadas das transformações sociais, políticas, religiosas e
econômicas do período.
c) Cenas do Antigo Testamento, episódios da vida de Jesus, retratos de santos e mártires
compunham os principais temas da arte renascentista, evidenciando uma perspectiva
teocêntrica de valorização do sagrado.
d) A propagação da cultura renascentista esteve articulada ao impulso das atividades mercantis
e ao desenvolvimento da imprensa, que possibilitou a difusão em maior escala das obras
literárias.
e) O Renascimento desenvolveu-se após a expansão industrial européia e motivou uma atitude
nostálgica com relação aos paraísos tropicais que passaram a ser retratados nas obras
literárias, nas pinturas e nas composições musicais.
05- (UERJ) Leia o texto escrito por Marsílio Ficino no século XV:
Quem poderia negar que o homem possui quase o mesmo gênio que o Autor dos céus? E quem
pode negar que o homem também poderia de algum modo criar os céus, obtivesse ele os
instrumentos e o material celeste, pois até agora o faz, se bem que com um material diferente
mas ainda segundo uma mesma ordem?
(HELLER, Agnes. "O homem do Renascimento". Lisboa: Presença, 1982.)
Explique uma característica da civilização do Renascimento evidenciada no texto.
06- (UFMG) Leia estas estrofes iniciais de "Os Lusíadas", poema datado de 1572:
As armas e os barões assinalados
Que, da Ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
E em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;
E também as memórias gloriosas
Daqueles Reis que foram dilatando
A Fé, o Império, e as terras viciosas
HISTÓRIA
62
De África e de Ásia andaram devastando,
E aqueles que por obras valerosas
Se vão da lei da Morte libertando:
Cantando espalharei por toda parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.
Cessem do sábio Grego e do Troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de Trajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram.
Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Que outro valor mais alto se alevanta.
(CAMÕES, Luís de. "Os Lusíadas". Porto: Porto Editora, 1975. p. 69.)
Com base na leitura dessas estrofes, é correto afirmar que a idéia central do poema é
a) exaltar a religião reformada e os valores puritanos, num contexto em que a Europa se
expandia na direção de novos mundos.
b) louvar os modelos antigos até então referenciais para a cultura européia, como as epopéias
homéricas e os feitos de heróis gregos e romanos.
c) narrar a saga marítima portuguesa, ou seja, os feitos relacionados às expedições oceânicas
realizadas pelos lusos a partir do século XV.
d) relatar os acontecimentos mais marcantes da conquista e colonização das terras brasileiras,
visando a gravá-los na memória dos contemporâneos.
07- (UFF) O Renascimento europeu retirou o véu que encobria o espírito e o fazer humanos na
Idade Média. Sem esse véu, o homem pôde respirar um novo tempo e se aventurar na
descoberta de si mesmo e do mundo que o rodeava. Pôde olhar as estrelas, percorrer os maresoceanos, descobrir novas terras e gentes, observar seu corpo e debruçar-se sobre a natureza,
percebendo suas forças físicas e químicas. A cada passo, o novo homem saía do mundo fechado
medieval em direção ao universo infinito moderno. Aos poucos, novas formas de comunicação
foram surgindo, engrandecendo as artes, as ciências e as literaturas. Galileu fechou com chave
de ouro esse período quando disse que o livro da natureza estava escrito em caracteres
matemáticos.
(Adaptado de RODRIGUES, Antonio E.M. e FALCON, Francisco. "Tempos Modernos." RJ:
Civilização Brasileira, 2000.)
Assinale a opção que melhor interpreta as bases culturais do Renascimento europeu.
a) O Renascimento não é devedor de nenhuma cultura da Antigüidade. Sua base cultural foi a
escolástica medieval que lhe forneceu condições transformadoras, elevando o pensamento
renascentista aos cumes da teologia católica.
b) Um dos pilares das transformações renascentistas foi a Antigüidade Clássica que, com sua
sabedoria sobre o ser humano e a natureza, criou condições para a descoberta do homem
como sujeito de ações e realizador de transformações, ao contrário do homem medieval, que
se via apenas como extensão de Deus.
c) As artes, as ciências e as literaturas, evidências mais significativas da explosão criativa do
Renascimento, só avançaram porque tinham, como única base cultural e filosófica, a
sabedoria oriental trazida para a Europa, a partir do século XV, nos contatos entre as cidades
italianas e Bizâncio.
HISTÓRIA
63
d) O Renascimento é herdeiro da filosofia agostiniana, que deu como lema aos representantes
desse novo tempo a célebre frase de Galileu "é dando que se recebe", origem das famosas
academias renascentistas.
e) A cultura renascentista não conseguiu retirar, totalmente, o véu que cegava o homem
medieval, que continuou a considerar-se mero realizador de um plano idealizado por Deus e a
pensar que o universo, todo, era obra d'Ele.
08- (PUCMG) A cultura renascentista reflete as transformações observadas ao longo dos últimos
duzentos anos da Idade Média, podendo ser destacada entre essas:
a) a grande disponibilidade de metais nobres, refletindo-se na elevação generalizada dos preços.
b) o enfraquecimento das monarquias absolutistas, possibilitando o florescimento das culturas
locais.
c) o aumento da intolerância religiosa e a luta pela afirmação da liberdade de consciência.
d) o choque entre os ideais da vida aristocrática e as doutrinas tradicionais da Igreja.
e) a intensificação do comércio e da urbanização, propiciando a valorização dos ideais
burgueses.
09- (PUCMG) Sobre as principais figuras do Renascimento, é correto afirmar, exceto:
a) Rafael Sânzio destacou-se nas artes, sendo um dos mais populares artistas da época, e
dedicou-se a cultivar um ideal de beleza com um fim em si mesmo e à expressão de
sentimentos religiosos.
b) Dante Alighieri, natural de Florença, autor da "Divina Comédia", viveu no "Cinquecento"
(século XVI), quando o uso da língua italiana foi sistematizado.
c) Leornado da Vinci pode ser considerado como um dos mais completos humanistas do
Renascimento, sendo pintor, escultor, urbanista, engenheiro, músico, filósofo, físico e
botânico.
d) Erasmo de Roterdã, apelidado de "Príncipe dos Humanistas", escreveu "Elogio da loucura",
obra da qual denuncia atividades da Igreja e a imoralidade do clero.
e) Thomas Morus, cognominado de "O Chanceler Filósofo", escreveu "Utopia" em que condena
a intolerância, o desejo pelo poder e pelo dinheiro e exalta a paz, a compreensão e o amor.
10- (MACKENZIE) O comerciante italiano Giovanni Arnolfili contratou o pintor flamengo Jan van
Eyck para retratar o registro do contrato de matrimônio com Giovanna Cenami. Na obra, há vários
elementos que indicam a importância e a riqueza do banqueiro. Na janela, há algumas laranjas
importadas e bastante caras na época. Também as roupas, móveis e o tapete da Anatólia indicam
o luxo e a riqueza. (...) Retrato duplo do Banqueiro Arnolfili e sua noiva é um dos nomes que se
dá a essa pintura de 1434.
Andréa Montellato, Conceição Cabrini e Roberto Cateli Junior
Dentre as circunstâncias que influenciaram o banqueiro a encomendar esse quadro, é incorreto
apontar:
a) as transformações econômicas do final da Idade Média, associadas ao processo de
urbanização e ascensão da burguesia.
b) as novas concepções artístico-literárias que afloraram no desenvolvimento comercial e na
nova sociedade urbana emergente.
c) a emergência de uma vitalidade cultural que rompia com os tradicionais limites dos homens
medievais.
d) a renovação cultural que ficou conhecida genericamente como Renascimento, em que a
pintura se encontra imbuída do espírito universalista e individualista.
e) o desejo, por parte da burguesia, de refletir e assumir os valores da nobreza medieval,
identificados com os interesses das novas classes sociais que ascendiam naquele momento.
HISTÓRIA
64
11- (PUCRIO) "A ti, ó Adão, não te temos dado nem uma sede determinada, nem um aspecto
peculiar (...) Eu te coloquei no centro do mundo, a fim de poderes inspecionar, daí, de todos os
lados, da maneira mais cômoda, tudo que existe. Não te fizemos nem celeste, nem terreno, mortal
ou imortal, de modo que assim, tu, por ti mesmo, qual modelador e escultor da própria imagem,
segundo tua preferência e, por conseguinte, para tua glória, possas retratar a forma que gostarias
de ostentar. Poderás descer ao nível dos seres embrutecidos; poderás, ao invés, por livre escolha
de tua alma, subir aos patamares superiores que são divinos."
(Pico della Mirandola. "A dignidade do homem." 1486)
O autor do texto acima, Pico della Mirandola, foi um dos defensores do humanismo cristão.
Assinale a afirmativa que não analisa corretamente as afirmações desse autor.
a) Na cosmologia dos humanistas cristãos, a ação divina de criação do universo teria delegado
ao homem uma centralidade e uma inventividade subordinadas, por sua vez, à onisciência do
Criador.
b) As idéias de Pico della Mirandola influenciaram as formulações de reformistas protestantes,
em particular na elaboração do princípio da predestinação da alma, defendido, entre outros,
pelos calvinistas.
c) Os humanistas cristãos promoveram a defesa de uma concepção de natureza humana
caracterizada, por um lado, pela imagem e semelhança com o Criador, e, paralelamente, pela
valorização do livre arbítrio.
d) O ideal de devoção de muitos humanistas cristãos enfatizava a capacidade humana de fazerse a si próprio, exercitando a fé de forma individualizada e guiando sua conduta pela
aplicação dos valores da ética cristã.
e) Os valores humanistas inspiraram autores renascentistas a formular duras críticas a membros
da alta hierarquia da Igreja, cujas condutas contradiziam diretamente preceitos morais e
dogmas do cristianismo.
12- (UFRJ) "(...) a teoria das proporções alcançou um prestígio inaudito na Renascença. As
proporções do corpo humano eram louvadas como uma realização visual da harmonia musical,
foram reduzidas a princípios aritméticos e geométricos gerais".
Erwin Panofsky. "Significado nas artes visuais". São Paulo, Perspectiva, 1976. p. 131.
No texto acima, o autor aponta para algumas mudanças introduzidas pelo Renascimento, no
campo das artes visuais, que podem ser identificadas com
a) a influência dos trovadores medievais e a busca de uma musicalidade nova, como nas
poesias de Petrarca.
b) o repúdio ao método científico e a valorização do homem, como exemplificado pela obra de
Albrecht Dürer.
c) a recuperação da cultura da Antigüidade Clássica e a descoberta de novas leis científicas,
combinação presente no trabalho de Leonardo da Vinci.
d) a introdução de métodos científicos na história da arte e a busca de um rompimento com a
Antigüidade Clássica, cujo melhor exemplo é Miguel Angelo.
e) a presença na iconografia de motivos religiosos e a ênfase na cultura medieval, como verificase em Botticelli.
13- (UNESP) "... tenho sido, durante muitos anos, um aderente à teoria de Copérnico. Isto me
explica a causa de muitos fenômenos que são ininteligíveis por meio de teorias geralmente
aceitas. Eu tenho coligido muitos argumentos para refutar estas últimas, mas eu não me arriscaria
a levá-los à publicação. Há muito tempo que estou convencido de que a Lua é um corpo como a
Terra. Descobri também uma multidão de estrelas fixas, a princípio invisíveis, ultrapassando mais
de dez vezes as que se podem ver a olho nu, formando a Via Láctea."
65
HISTÓRIA
(Carta de Galileu a Kepler, 1597.)
Galileu não se arriscava a publicar essas idéias por temer
a) a oposição que sofreria por parte de seus alunos e colegas da Universidade de Pisa, onde
lecionava.
b) ser considerado um plagiador das idéias heliocêntricas defendidas por Copérnico e por alguns
sábios florentinos.
c) que seus pressupostos geocêntricos contribuíssem para aumentar as hostilidades contra a
Igreja Católica.
d) que seus superiores o expulsassem da Ordem dos Franciscanos, à qual pertencia desde a
adolescência.
e) ser acusado de heresia e ter de enfrentar o poderoso Tribunal do Santo Ofício, mantido pela
Igreja.
14- (ENEM) O texto foi extraído da peça "Tróilo e Créssida" de William Shakespeare, escrita
provavelmente, em 1601.
"Os próprios céus, os planetas, e este centro
reconhecem graus, prioridade, classe,
constância, marcha, distância, estação, forma,
função e regularidade, sempre iguais;
eis porque o glorioso astro Sol
está em nobre eminência entronizado
e centralizado no meio dos outros,
e o seu olhar benfazejo corrige
os maus aspectos dos planetas malfazejos,
e, qual rei que comanda, ordena
sem entraves aos bons e aos maus."
(personagem Ulysses, Ato I, cena III).
SHAKESPEARE, W. "Tróilo e Créssida". Porto: Lello & Irmão, 1948.
A descrição feita pelo dramaturgo renascentista inglês se aproxima da teoria
a)
b)
c)
d)
e)
geocêntrica do grego Claudius Ptolomeu.
da reflexão da luz do árabe Alhazen.
heliocêntrica do polonês Nicolau Copérnico.
da rotação terrestre do italiano Galileu Galilei.
da gravitação universal do inglês Isaac Newton.
15- (ENEM) O franciscano Roger Bacon foi condenado, entre 1277 e 1279, por dirigir ataques aos
teólogos, por uma suposta crença na alquimia, na astrologia e no método experimental, e também
por introduzir, no ensino, as idéias de Aristóteles. Em 1260, Roger Bacon escreveu: "Pode ser
que se fabriquem máquinas graças às quais os maiores navios, dirigidos por um único homem, se
desloquem mais depressa do que se fossem cheios de remadores; que se construam carros que
avancem a uma velocidade incrível sem a ajuda de animais; que se fabriquem máquinas
voadoras nas quais um homem (...) bata o ar com asas como um pássaro. Máquinas que
permitam ir ao fundo dos mares e dos rios"
(apud. BRAUDEL, Fernand. "Civilização material, economia e capitalismo: séculos XVXVIII São Paulo: Martins Fontes, 1996, vol. 3).
Considerando a dinâmica do processo histórico, pode-se afirmar que as idéias de Roger Bacon
HISTÓRIA
66
a) inseriam-se plenamente no espírito da Idade Média ao privilegiarem a crença em Deus como
o principal meio para antecipar as descobertas da humanidade.
b) estavam em atraso com relação ao seu tempo ao desconsiderarem os instrumentos
intelectuais oferecidos pela Igreja para o avanço científico da humanidade.
c) opunham-se ao desencadeamento da Primeira Revolução Industrial, ao rejeitarem a aplicação
da matemática e do método experimental nas invenções industriais.
d) eram fundamentalmente voltadas para o passado, pois não apenas seguiam Aristóteles, como
também baseavam-se na tradição e na teologia.
e) inseriam-se num movimento que convergiria mais tarde para o Renascimento, ao
contemplarem a possibilidade de o ser humano controlar a natureza por meio das invenções.
16- (UFMG) No amplo conjunto de transformações ligadas ao advento do mundo moderno,
destaca-se um fenômeno que pode ser chamado Revolução Científica. Tal processo, relacionado
ao trabalho de homens como Kepler, Copérnico e Newton, entre outros, levou a profundas
mudanças nas concepções acerca da construção do saber.
Considerando-se as condições que tornaram possível o advento da Revolução Científica, é
correto afirmar que
a) a renovação da ciência foi estimulada pela queda do absolutismo russo, que abriu a Europa
Oriental ao contato com o Ocidente.
b) as descobertas da ciência moderna se tornaram viáveis a partir de uma postura de completo
rompimento com o passado.
c) o trabalho dos cientistas foi facilitado pelo processo de crescimento da influência exercida
pela Igreja Católica.
d) os avanços científicos foram estimulados pelas tendências humanista e racionalista
emergentes na época.
17- (UNICAMP) Em 1566, Copérnico anunciava, em sua obra "Sobre as revoluções das órbitas
celestes":
"[...] no primeiro livro descrevo todas as posições dos astros, assim como os movimentos que
atribuo à Terra, a fim de que este livro narre a constituição geral do Universo".
(Adaptado de José Gaos, "História de nuestra idea del mundo". Fondo de Cultura Económica,
1992, p. 146.)
a) Em que a obra de Copérnico significou uma revolução na forma como se via o mundo
comparada à da Idade Média?
HISTÓRIA
67
b) Como o telescópio, inventado por Galileu em 1610, ajudava a confirmar as teses de Copérnico?
c) Relacione o estudo da astronomia com as grandes navegações desse período.
18- (UFF) A "Carta de Pero Vaz de Caminha", escrita em 1500, é considerada como um dos
documentos fundadores da Terra Brasilis e reflete, em seu texto, valores gerais da cultura
renascentista, dentre os quais destaca-se:
a) a visão do índio como pertencente ao universo não religioso, tendo em conta sua
antropofagia;
b) a informação sobre os preconceitos desenvolvidos pelo renascimento no que tange à
impossibilidade de se formar nos trópicos uma civilização católica e moderna;
c) a identificação do Novo Mundo como uma área de insucesso devido à elevada temperatura
que nada deixaria produzir;
d) a observação da natureza e do homem do Novo Mundo como resultado da experiência da
nova visão de homem, característica do século XV;
e) a consideração da natureza e do homem como inferiores ao que foi projetado por Deus na
Gênese.
HISTÓRIA
68
19- (PUCCAMP) O Renascimento, engendrado no contexto da crise geral do final da Idade Média,
foi um processo de intensa renovação cultural. Sobre o Renascimento pode-se afirmar que
a) ao garantir a participação do povo no movimento, conseguiu aproximar a arte popular da
erudita.
b) frustrou a burguesia emergente em seus objetivos de ascensão social e poder político.
c) se propagou rapidamente pela Europa, mantendo as mesmas características em todos os
lugares.
d) significou uma brusca ruptura com a religiosidade tradicional da Idade Média.
e) teve no racionalismo um de seus elementos definidores.
20- (PUCCAMP) Sobre a importância do renascimento urbano e comercial, na fase de transição
do feudalismo para o capitalismo, pode-se destacar:
a) o caráter assistencialista das corporações de ofício influindo na democratização da ordem
social.
b) o enfraquecimento do poder dos reis à medida que as cidades se tornaram independentes da
nobreza feudal.
c) o estímulo à centralização monárquica, à unificação das moedas, pesos e medidas e ao
mercantilismo.
d) a oposição da burguesia comerciante à prática da usura e conseqüente apoio da Igreja aos
seus empreendimentos marítimos.
e) o crescimento da burguesia repercutindo na decadência da política econômica mercantilista e
na formação dos Estados Nacionais.
21- (UFRJ) "Vivo só, com um criado. A casa em que moro é própria; fi-la construir de propósito,
levado de um desejo tão particular que me vexa imprimi-lo, mas vá lá. Um dia, há bastantes anos,
lembrou-me reproduzir no Engenho Novo a casa em que me criei na antiga rua de Mata-cavalos,
dando-lhe o mesmo aspecto e economia daquela outra, que desapareceu. Construtor e pintor
entenderam bem as indicações que lhes fiz: é o mesmo prédio assobradado, três janelas de
frente, varanda ao fundo, as mesmas alcovas e salas. Na principal destas, a pintura do teto e das
paredes é mais ou menos igual, umas grinaldas de flores miúdas e grandes pássaros que as
tomam nos bicos, de espaço a espaço. Nos quatro cantos do teto as figuras das estações, e ao
centro das paredes os medalhões de César, Augusto, Nero e Massinissa, com os nomes por
baixo... Não alcanço a razão de tais personagens."
(Assis, Machado de. "Dom Casmurro". ln: OBRA COMPLETA. Rio de Janeiro:
Companhia José Aguilar Editora, 1971. P.809-10. V.1)
"A exuberante e fantástica fachada da cartuxa de Paiva - o monumento da Itália que os
franceses mais admiraram -, verdadeira festa de mármores e esculturas, fornece o melhor
exemplo da fantasia com que o Renascimento italiano utilizou, por vezes, o vocabulário artístico
dos Antigos. Medalhões com os imperadores de Roma ou com reis do Oriente, cenas alegóricas
ou mitológicas, grinaldas, pilastras finamente cinzeladas, ramagens estilizadas, aves diversas
recobrem a parte inferior que é do fim do século XV"
(Delumeau, Jean. A CIVILIZAÇÃO DO RENASCIMENTO. Lisboa, Editorial Estampa, 1984. P.106. V.1)
Os medalhões que Dom Casmurro (o personagem narrador criado por Machado de Assis) não
compreendia eram ecos remotos do início da Era Moderna. A "redescoberta" da Antigüidade
Clássica foi um traço marcante do Humanismo, também caracterizado pela percepção de que o
homem tinha o poder de aprimorar a si mesmo e de interferir na natureza e na História. O ideário
humanista contrapunha-se diretamente a valores medievais consagrados.
HISTÓRIA
69
a) Aponte duas razões importantes para a disseminação do Humanismo pelo continente europeu.
b) Apresente duas críticas dos homens do Renascimento à Idade Média.
CAPÍTULO 16
A EXPANSÃO ULTRAMARINA EUROPÉIA E O
MERCANTILISMO
01- (UNIFESP) Se como concluo que acontecerá, persistir esta viagem de Lisboa para Calecute,
que já se iniciou, deverão faltar as especiarias às galés venezianas e aos seus mercadores.
("Diário de Girolamo Priuli". Julho de 1501)
Esta afirmação evidencia que Veneza estava
a) tomada de surpresa pela chegada dos portugueses à Índia, razão pela qual entrou em rápida
e acentuada decadência econômica.
b) acompanhando atentamente as navegações portuguesas no Oriente, as quais iriam trazer
prejuízos ao seu comércio.
c) despreocupada com a abertura de uma nova rota pelos portugueses, pois isto não iria afetar
seu comércio e suas manufaturas.
d) impotente para resistir ao monopólio que os portugueses iriam estabelecer no comércio de
especiarias pelo Mediterrâneo.
e) articulando uma aliança com outros estados italianos para anular os eventuais prejuízos
decorrentes das navegações portuguesas.
02- (FUVEST) "Antigamente a Lusitânia e a Andaluzia eram o fim do mundo, mas agora, com a
descoberta das Índias, tornaram-se o centro dele". Essa frase, de Tomás de Mercado, escritor
espanhol do século 16, referia-se
a) ao poderio das monarquias francesa e inglesa, que se tornaram centrais desde então.
b) à alteração do centro de gravidade econômica da Europa e à importância crescente dos
novos mercados.
c) ao papel que os portos de Lisboa e Sevilha assumiram no comércio com os marajás indianos.
d) ao fato de a América ter passado a absorver, desde então, todo o comércio europeu.
e) ao desenvolvimento da navegação a vapor, que encurtava distâncias.
03- (UFC) Dispostos a participar do lucrativo comércio de especiarias, realizado pelos portos do
levante mediterrâneo e controlado pelos venezianos, os portugueses buscaram um caminho
alternativo. Em 1498, Vasco da Gama conseguiu chegar à Índia:
a) através dos portos do poente mediterrâneo.
b) utilizando as antigas rotas terrestres do Meio Oriente.
c) utilizando o canal do Panamá.
HISTÓRIA
70
d) através do Estreito de Magalhães.
e) circunavegando a África.
04- (UFRJ) Indique a principal fonte de arregimentação de recursos para a realização das tarefas
que, por meio do Padroado, estavam a cargo das Coroas Ibéricas na América nos séculos XVI e
XVII.
05- (UFRJ) Cite duas das atribuições das Coroas Ibéricas contidas na delegação papal do
Padroado, cujo fim último era a expansão do catolicismo nas terras recém-descobertas da
América.
06- (FGV) "Desdobramento da expansão comercial e marítima dos tempos modernos, a
colonização significava a produção de mercadorias para a Europa, naquelas áreas descobertas
em que as atividades econômicas dos povos 'primitivos' não ofereciam a possibilidade de se
engajarem em relações mercantis vantajosas aos caminhos do desenvolvimento capitalista
europeu. Assim, passava-se da simples comercialização de produtos já encontrados em produção
organizada, para a produção de mercadorias para o comércio"
(Fernando Novais - Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial, p.73.)
Neste texto, o autor descreve:
a) A integração de áreas do território americano ao mercado europeu, a partir do século XVI.
b) As relações econômicas entre a Europa Ocidental e a Europa do Leste, no século XVI,
quando prevaleceu o capitalismo comercial.
c) As diferenças entre a colonização da América e a da África.
d) A organização, na Ásia, do Antigo Sistema Colonial.
e) A incorporação dos povos indígenas ao capitalismo europeu.
07- (UFMG) Leia estas estrofes iniciais de "Os Lusíadas", poema datado de 1572:
As armas e os barões assinalados
Que, da Ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
E em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
HISTÓRIA
71
Novo Reino, que tanto sublimaram;
E também as memórias gloriosas
Daqueles Reis que foram dilatando
A Fé, o Império, e as terras viciosas
De África e de Ásia andaram devastando,
E aqueles que por obras valerosas
Se vão da lei da Morte libertando:
Cantando espalharei por toda parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.
Cessem do sábio Grego e do Troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de Trajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram.
Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Que outro valor mais alto se alevanta.
(CAMÕES, Luís de. "Os Lusíadas". Porto: Porto Editora, 1975. p. 69.)
Com base na leitura dessas estrofes, é correto afirmar que a idéia central do poema é
a) exaltar a religião reformada e os valores puritanos, num contexto em que a Europa se
expandia na direção de novos mundos.
b) louvar os modelos antigos até então referenciais para a cultura européia, como as epopéias
homéricas e os feitos de heróis gregos e romanos.
c) narrar a saga marítima portuguesa, ou seja, os feitos relacionados às expedições oceânicas
realizadas pelos lusos a partir do século XV.
d) relatar os acontecimentos mais marcantes da conquista e colonização das terras brasileiras,
visando a gravá-los na memória dos contemporâneos.
08- (UFV) A expansão marítima européia, principalmente no século XV, foi impulsionada pelos
interesses da jovem burguesia comercial aliada às monarquias nacionais.
A alternativa que não expressa objetivos da expansão marítima é:
a) permitir o acesso aos metais preciosos da África, principalmente do Sudão, e às especiarias e
artigos de luxo do Oriente.
b) ampliar a lavoura açucareira para além de Algarve, região localizada no sul de Portugal.
c) identificar novas técnicas de cultivo de povos da África e da América para incrementar a
produção na metrópole.
d) buscar a superação da escassez de cereais no Reino e em vários países europeus.
e) capturar mão-de-obra para o trabalho escravo em lavouras de cana nas ilhas africanas do
Atlântico, como Açores e Cabo Verde.
09- (MACKENZIE) Como falar em "Descobrimentos" se, já no século X, os vikings, provenientes
da Escandinávia atual, alcançaram o extremo norte do continente americano? Em 984, o viking
Eric, o Vermelho, atinge o sul da Groenlândia. No ano 1000, Leif Erikson chega à terra de Baffin e
à Península do Labrador, no Canadá atual. Mas não se fixaram ou colonizaram essas terras.
(Carlos Guilherme Mota)
A historiografia tradicional denomina de Descobrimentos o período:
HISTÓRIA
72
a) de expansão da civilização islâmica responsável pelo desenvolvimento das técnicas e
aparelhos de navegação.
b) da descoberta de novos continentes e expansão das regiões produtoras e consumidoras,
responsável pelo surgimento de um mercado mundial no início da Idade Moderna.
c) de ascensão econômica da burguesia marítima- industrial e implantação nas novas terras
descobertas do modo de produção capitalista.
d) da generalização do comércio pela Europa Oriental a partir do século XI, responsável pela
reabertura do mar Mediterrâneo ao comércio europeu.
e) da exportação de capitais excedentes provenientes da América para as áreas coloniais e
semicoloniais da Ásia e da África visando assegurar o controle das regiões produtoras de
matérias-primas.
10- (PUCMG) Sobre o expansionismo ultramarino europeu, entre os séculos XV-XVII, é correto
afirmar que, exceto:
a) a tomada de Constantinopla pelos turcos e a segunda conquista de Ceuta pelos portugueses
são os marcos iniciais da expansão.
b) os descobrimentos e a colonização das terras do Novo Mundo constituíram-se num
desdobramento da expansão comercial.
c) o afluxo de metais preciosos das áreas coloniais, principalmente ouro e prata, contribuiu para
a superação da crise econômica européia.
d) o deslocamento do eixo econômico do Mediterrâneo para o Atlântico contribuiu para a
ampliação das fronteiras geográficas.
e) a consolidação dos Estados Nacionais e a absolutização dos regimes europeus têm relação
também com os efeitos das viagens ultramarinas.
11- (CESGRANRIO) "E também as memórias gloriosas
Daqueles que foram dilatando
A Fé, o Império, e as terras viciosas
De África e de Ásia andaram devastando;
E aqueles que por obras valorosas
Se vão da lei da morte libertando
- Cantando espalharei por toda a parte,
Se a tanto me ajudar o engenho, e arte."
(Camões, Luís Vaz de, OS LUSÍADAS, Canto Primeiro, estrofe 2)
A obra épica de Camões nos remete ao século das conquistas portuguesas. Nos seus primórdios,
a expansão ultramarina de D. João I foi possível em virtude dos seguintes fatores:
I - formação do Estado Nacional;
II - expulsão dos árabes da Península Ibérica;
III - associação com a burguesia mercantil;
IV - retomada de Constantinopla;
V - conquista do Cabo Bojador.
Estão corretos os fatores:
a)
b)
c)
d)
III, IV e V, apenas.
II, III e V apenas.
I, IV e V apenas.
I, II e IV apenas.
HISTÓRIA
73
e) I, II e III, apenas.
12- (MACKENZIE) Aqui espero tomar, se não me engano
De quem me descobriu, suma vingança
E não se acabará só nisso o dano
Da vossa pertinaz confiança:
Antes em vossas naus vereis a cada ano,
Se é verdade o que o meu juízo alcança,
Naufrágios, perdições de toda sorte,
Que o menor mal de todos seja a morte!
Os versos de Camões, em "Os lusíadas", retratam os perigos dos navegantes portugueses no mar
infinito e, em especial, um episódio ocorrido com a esquadra de Cabral rumo às Índias após o
descobrimento do Brasil, quando dobrava o Cabo da Boa Esperança. Assinale a alternativa
correta.
a) Os versos falam do naufrágio da nau de Bartolomeu Dias, que anos antes dobrara no mesmo
lugar o Cabo das Tormentas, abrindo caminho para atingir as Índias.
b) Camões descreve o episódio da nau de Diogo Dias, desgarrada da esquadra.
c) Os versos falam da nau de Sancho de Tovar, encalhada em Melinde e posteriormente
incendiada por ordem de Cabral.
d) Camões refere-se à nau de Vasco de Ataíde, que desapareceu no início da viagem de Cabral
ao Brasil.
e) O poeta fala da segurança das viagens que acompanharam o período denominado "Carreira
das Índias".
13- (FATEC) Sobre o tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, podemos dizer que:
a) não foi bem recebido pela França, Inglaterra e Holanda, que acharam graça no mesmo e não
concordavam com a divisão do mundo entre Portugal e Espanha.
b) Portugal e Espanha eram os únicos donos das terras da América, fato não contestado pelos
demais povos da Europa, pois esses países eram considerados superiores.
c) foi totalmente aceito por todas as nações européias.
d) foi de imediato desrespeitado por Portugal, que ultrapassou os limites estipulados por ele.
e) foi desrespeitado pela Espanha, que se associou à França e invadiu o Brasil.
14- (PUCPR) Na época dos descobrimentos marítimos ocorridos nos finais do século XV e no
século XVI formaram-se os Impérios Coloniais Português e Espanhol.
Assinale a alternativa correta:
a) Das classes sociais ibéricas foi a nobreza que mais lucrou com as atividades marítimas.
b) As principais navegações ibéricas ocorreram, também, devido aos avanços tecnológicos,
antes da unificação de Portugal e Espanha.
c) Trigo, centeio e cevada, encontrados em larga escala em solo americano e embarcados para
a Europa, permitiram a melhoria alimentar em Portugal e na Espanha.
d) O Império Colonial Português do Oriente foi iniciado por Pedro Álvares Cabral, na Índia, na
Costa de Malabar e visava ao comércio de especiarias.
e) e)A Carta de Caminha, tão mencionada no ano 2000, que marcou o 500° aniversário do
Descobrimento, descreve os primeiros atritos e mortes decorrentes das lutas entre
portugueses e indígenas.
15- (UNICAMP) O recente episódio das eleições livres no Timor Leste oficializou a independência
daquele território após longo processo de dominação; seus primórdios situam-se no século XVI e
coincidem com as primeiras viagens marítimas dos europeus ao Oriente.
HISTÓRIA
74
a) Qual a nacionalidade dos europeus que chegaram pioneiramente no arquipélago onde hoje se
situa o Timor Leste e qual o episódio histórico relacionado a esse empreendimento?
b) Cite duas razões para o interesse dos europeus pelo Oriente, no século XVI.
c) Que semelhança há entre a formação histórica de Timor Leste e a do Brasil?
16- (UERJ) Ao chegar a Calicute, em 1498, o navegador português Vasco da Gama aguardou
que embarcações locais se aproximassem das naus e mandou um membro da tripulação para
terra, o degredado João Nunes. Este encontrou no porto dois comerciantes tunisinos, que sabiam
falar castelhano e genovês, travando o seguinte diálogo, registrado por um português anônimo:
- Ao diabo que te dou; quem te trouxe cá?
E perguntaram-lhe o que vínhamos buscar tão longe.
E ele respondeu:
- Vimos buscar cristãos e especiaria.
(Adaptado de VILLIERS, John. Vasco da Gama, o Preste João das Índias e os cristãos de
São Tomé. In: "Oceanos: Vasco da Gama". Lisboa , 1998.)
a) Justifique por que "buscar especiaria" foi uma importante motivação econômica da Expansão
Marítima portuguesa.
HISTÓRIA
75
b) Identifique duas ações voltadas para a expansão da fé cristã, que tenham sido empreendidas
pelos portugueses nos seus domínios coloniais.
17- (UNICAMP) Os 450 anos compreendidos entre a chegada de Vasco da Gama, em 1498, e a
retirada das forças britânicas da Índia, em 1947, constituem um verdadeiro período histórico.
(Adaptado de K. M. Pannikar, "A dominação Ocidental na Ásia", São Paulo, Paz e Terra,
1977, p.19.)
a) Explique o que representou para europeus e indianos a chegada de Vasco da Gama à Índia
em 1498.
b) Caracterize o processo de descolonização da Índia, que culminou com a retirada dos ingleses
em 1947.
c) Defina, a partir do enunciado acima, o que é um período histórico.
HISTÓRIA
76
18- (PUCMG) A expansão ultramarina dos países ibéricos, no início dos Tempos Modernos,
apresenta como motivações, exceto:
a)
b)
c)
d)
necessidade de conseguir novos mercados de produtos orientais.
procura de um caminho marítimo para as Índias.
a existência de grandes riquezas no continente americano.
interesse pela difusão do cristianismo entre povos infiéis.
19- (UNESP) Leia os versos e responda.
A El-Rei Dom Manuel
Epitáfio
Esta pequena pedra encobre, e encerra
O grande Rei Manuel, amor do povo;
Que dilatou seu nome em toda a terra.
E descobriu ao mundo um mundo novo.
Feliz em paz, sempre feliz na guerra.
Que nunca a seu intento achou estorvo.
Governou santamente no Ocidente,
Donde venceu, e deu leis ao Oriente.
(Pero de Andrade Caminha, "Poesias.")
a) A qual século se refere esta poesia?
b) Sobre quais regiões do Ocidente reinou D. Manuel?
20- (UERJ) Navegar é preciso, viver não é preciso.
Este era o lema dos antigos navegadores, pois embarcar nos navios da rota das índias ou do
Brasil, entre os séculos XV e XVI, era realmente uma aventura.
Uma das explicações para o pioneirismo português nessa aventura marítima é:
a) o espírito de Cruzada, resultante da presença de uma burguesia mercantil à procura de terras
b) o processo de reconquista do território português, em decorrência do Guerra dos Cem Anos
contra a França
c) a constituição da primeira monarquia absolutista dos tempos modernos, em virtude da aliança
entre a nobreza e a Coroa portuguesas
d) a integração do país ao circuito do grande comércio europeu, com a criação de novas rotas
entre as cidades italianas e o norte da Europa.
HISTÓRIA
77
21- (UNIRIO) "A 16 de setembro, vimos flutuar pequenos maços de ervas marinhas que pareciam
ainda frescas..., o que fez todos acreditarem que a terra se aproximava."
(COLOMBO, Cristóvão. In: ISAAC, J. & ALBA, "A História Universal - Idade Média". São
Paulo, Mestre Jou, 1967, p.193)
Este breve fragmento, extraído do diário de bordo escrito em 1492 por Cristóvão Colombo, tem
um significado especial no processo de expansão das fronteiras européias.
Podemos afirmar que a chegada à América faz parte do processo da(o):
a)
b)
c)
d)
e)
expansão da economia mercantil e do fortalecimento da classe burguesa.
ampliação do movimento da Reconquista e da consolidação dos Reinos Cristãos Ibéricos.
decisão tomada no Tratado de Tordesilhas e do fortalecimento econômico da Espanha.
utilização de novas rotas em direção ao Oriente e da tomada de Constantinopla pelos turcos.
descobrimento das novas técnicas de navegação e da assinatura da Bula Inter Coetera.
22- (UFMG) Leia o texto.
E aproximava-se o tempo da chegada das notícias de Portugal sobre a vinda das suas caravelas,
e esperava-se essa notícia com muito medo e apreensão; e por causa disso não havia
transações, nem de um ducado [...] Na feira alemã de Veneza não há muitos negócios. E isto
porque os Alemães não querem comprar pelos altos preços correntes, e os mercadores
venezianos não querem baixar os preços [...] E na verdade são as trocas tão poucas como se não
poderia prever.
DIÁRIO DUM MERCADOR VENEZIANO, 1508.
O quadro descrito nesse texto pode ser relacionado à
a)
b)
c)
d)
comercialização das drogas do sertão e produtos tropicais da colônia do Brasil.
distribuição, na Europa, da produção açucareira do Nordeste brasileiro.
importação pelos portugueses das especiarias das Índias Orientais.
participação dos portugueses no tráfico de escravos da Guiné e de Moçambique.
23- (PUCMG) Em fins da Idade Média, difícil seria imaginar que os mareantes portugueses e
espanhóis, nas viagens de exploração pelo mundo, pudessem contribuir para a formação do
capitalismo porque, exceto:
a) os investimentos nas expedições marítimas eram elevados e de alto risco.
b) a arte de navegação era precária e sofria a influência das interpretações proféticas sobre os
oceanos.
c) as informações sobre a existência de outras civilizações eram confusas e fantasiosas.
d) os tripulantes eram supersticiosos transformando qualquer sinal que surgia em maus
presságios.
e) os ibéricos vinham sofrendo sucessivas derrotas na luta contra os muçulmanos pela posse da
península.
24- (PUCMG) Os descobrimentos dos Tempos Modernos constituíram-se num desdobramento da
Expansão Ultramarina. Nesse contexto, a América era, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
o filho esperado que permitia aos ibéricos formalizar seus sonhos.
propriedade dos reis ibéricos, por direito divino, antes mesmo de ser descoberta.
uma oportunidade para os ibéricos transplantarem seus valores culturais.
um desafio para os ibéricos transformarem as suas visões imagéticas em realidade.
o Paraíso que se identificava com os valores de igualdade e liberdade dos ibéricos.
HISTÓRIA
78
25- (PUCMG) O expansionismo marítimo europeu, nos séculos XV-XVI, gerou uma autêntica
"Revolução Comercial", caracterizada por, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
incorporação de áreas do continente americano e africano às rotas tradicionais do comércio.
ascensão das potências mercantis atlânticas, como Portugal e Espanha.
afluxo de metais preciosos da América para o Oriente, resultante do escambo de mercadorias.
deslocamento parcial do eixo econômico do Mediterrâneo para o Atlântico.
perda do monopólio do comércio de especiarias por parte dos italianos.
26- (UNIRIO) Inúmeros escritores e poetas portugueses retrataram o imaginário que acompanhou
o homem ibérico na sua aventura pelos mares nunca dantes navegados. Temores e fantasias não
o impediram de se lançar às águas do mar Oceano, arriscando-se em busca, principalmente, de:
a) novos caminhos para o Oriente, novos mercados, metais preciosos e propagar a fé cristã.
b) escravos africanos, cana-de-açúcar, metais preciosos e catequizar os indígenas.
c) escravos e ouro, desvendar os segredos dos mares e descobrir correntes marítimas
desconhecidas.
d) ouro e marfim, expandir o protestantismo e romper o monopólio árabe-veneziano no
Mediterrâneo.
e) pau-brasil, testar os novos conhecimentos náuticos e conhecer novas rotas.
27- (UFPE) O mercantilismo foi um conjunto de idéias e de práticas econômicas dominantes na
Europa, entre os séculos XIV e XVIII, que variou de Estado para Estado. Sobre o mercantilismo,
assinale a alternativa correta.
a) Foi uma forma de exploração da natureza, empregada aos recursos minerais, vegetais,
animais e humanos que obedecia a interesses imediatistas, sem preocupação com o futuro.
b) A Holanda praticava um tipo de mercantilismo conhecido como metalista e industrial que veio
a desenvolver em parceria com a Espanha no século XVIII.
c) Portugal desenvolveu apenas o mercantilismo de plantagem, baseado na produção tropical
destinada ao mercado internacional.
d) As refinarias de açúcar de Sevilha substituíram as refinarias de Portugal, na fase do
desenvolvimento do mercantilismo industrial de Castela.
e) Companhias de comércio foram instaladas por todos os Estados mercantilistas europeus,
para reforçar a política comercial ou o colbertismo (referência a Colbert, ministro francês, que
defendia o comércio de produtos baratos vendidos mais caros nos mercados coloniais).
28- (FUVEST) Ao longo do século 17, vegetais americanos como a batata-doce, o milho, a
mandioca, o ananás e o caju penetraram no continente africano. Isso deve ser entendido como
a)
parte do aumento do tráfico negreiro, que estreitou as relações entre a América
Portuguesa e a África e fez do sistema sul-atlântico o mais importante do Império Português.
b)
indício do alinhamento crescente de Portugal com a Inglaterra, que pressupunha a
consolidação da penetração comercial no interior da África.
c)
fruto de uma política sistemática de Portugal no sentido de anular a influência asiática e
consolidar a americana no interior de seu império.
HISTÓRIA
79
d)
imposição da diplomacia adotada pela dinastia dos Braganças, que desejava ampliar a
influência portuguesa no interior da África, região controlada por comerciantes espanhóis.
e)
alternativa encontrada pelo comércio português, já que os franceses controlavam as
antigas possessões portuguesas no Oriente e no estuário do Prata.
28- (UNICAMP) Os primeiros escravos negros chegaram ao Novo Mundo bem no início do
século XVI. Por três séculos e meio as principais potências marítimas competiram entre si em
torno do lucrativo tráfico de escravos, que levou aproximadamente dez milhões de africanos
para as Américas.
(Adaptado de David Brion Davis, "O problema da escravidão na cultura ocidental". Rio de
Janeiro, Civilização Brasileira, 2001, p. 24.)
a) Cite uma das principais potências européias que traficava escravos nos séculos XVII e XVIII.
b) Caracterize o comércio triangular entre Europa, África e América neste período.
c) Quais as conseqüências, para a África, do tráfico negreiro?
30- (FUVEST) "A palavra [escravidão] carrega (...) a história dolorosíssima de vários milênios,
durante os quais, em quase todos os cantos do mundo, o mais cruel e desumanizador sistema
de recrutar e controlar trabalho predominou sobre todos os demais. Tão ampla foi sua vigência
no espaço e no tempo que hoje todos, na Europa, na Ásia, na África e nas Américas, fora de
grupos como os pigmeus ou os bosquímanos, somos descendentes de escravos e de senhores
e mercadores de escravos".
(Alberto da Costa e Silva, "A manilha e o libambo".)
Partindo da afirmação do autor, destaque as particularidades da escravidão na Antigüidade e na
Época Moderna, indicando suas semelhanças e diferenças.
HISTÓRIA
80
31- (UNESP) Um mercantilista inglês escreveu: Os meios ordinários para aumentar nossa
riqueza e tesouro são pelo comércio exterior, para o que devemos obedecer sempre a esta
regra: vender mais aos estrangeiros em valor do que consumimos deles.
(Thomas Mun, "Discourse on England's Treasure by Foreing Trade", 1664)
a) O autor desse fragmento exprime um princípio essencial da política mercantilista. Era através
dele que os mercantilistas explicavam a origem da riqueza dos estados. Que princípio era este?
b) Por que as áreas coloniais da América foram fundamentais para a satisfação desse princípio
mercantilista?
32- (UFRS) Leia o documento a seguir.
CARTA DE DUARTE COELHO AO REI DE PORTUGAL, DOM JOÃO III,
(Olinda, 27 de abril de 1542.)
"Senhor: Pelo Capitão dos navios que daqui mandei o mês de setembro passado, dei conta a
Vossa Alteza de minha viagem e chegada a esta Nova Lusitânia e do que aqui era passado.
Depois meti-me, Senhor, a dar ordem ao sossego e paz da terra, com dádivas a uns e
apaziguando a outros, porque tudo é necessário. E assim dei ordem a se fazerem engenhos de
açúcares que de lá trouxe contratados, fazendo tudo quanto me requereram e dando tudo o que
me pediram, sem olhar a proveito nem interesse algum meu, mas a obra ir avante, como desejo.
Temos grande soma de canas plantadas, todo o povo, com todo trabalho que foi possível, e
dando a todos a ajuda que a mim foi possível, e cedo acabaremos um engenho muito grande e
perfeito, e ando ordenando a começar outros. (...). Quanto, Senhor, às coisas do ouro, nunca
deixo de inquirir e procurar sobre elas, e cada dia se esquentam mais as novas; mas, como
sejam longe daqui pelo meu sertão adentro, e se há de passar por três nações de muito
perversa e bestial gente, e todas contrárias uma das outras, há de realizar-se esta jornada com
muito perigo e trabalho, para a qual me parece, e assim a toda a minha gente, que se não pode
fazer senão indo eu; (... ). Isto, Senhor, tenho assentado e mandado aí buscar coisas
necessárias para a jornada e alguns bons homens, porque é necessário deixar aqui tudo
provido e a bom recado, por todas as vias, em especial por os franceses, os quais, se sentirem
não estar eu na terra, começarão a fazer suas velhacarias, pois há quatorze dias aqui quiseram
fazer o que costumavam, mas não puderam. Mando a Vossa Alteza a notícia disso para que a
veja, se for necessário."
A partir das informações contidas na Carta de Duarte Coelho, torna-se possível identificar
algumas das principais práticas mercantilistas portuguesas na América. Três delas foram
HISTÓRIA
81
a) a produção de gêneros tropicais de exportação, o metalismo e a manutenção do exclusivo
colonial.
b) a produção de gêneros tropicais de exportação, o metalismo e o livre comércio com as
nações amigas.
c) a produção de gêneros tropicais para o mercado interno, o liberalismo e a manutenção do
exclusivo colonial.
d) a produção de gêneros tropicais para o mercado interno, a utilização do trabalho
compulsório e o livre comércio com as nações amigas.
e) a produção de gêneros tropicais de exportação, o liberalismo e a manutenção do ideal
cruzadista.
33- (UERJ) Explique a razão do poderio econômico da Espanha de meados do século XVI até o
início do XVII.
CAPÍTULO 17
A REFORMA PROTESTANTE E A CONTRA REFORMA
01- (MACKENZIE) As transformações religiosas do século XVI, comumente conhecidas pelo
nome de Reforma Protestante, representaram no campo espiritual o que foi o Renascimento no
plano cultural; um ajustamento de idéias e valores às transformações sócio-econômicas da
Europa. Dentre seus principais reflexos, destacam-se:
a) a expansão da educação escolástica e do poder político do papado devido à extrema
importância atribuída à Bíblia.
b) o rompimento da unidade cristã, expansão das práticas capitalistas e fortalecimento do poder
das monarquias.
c) a diminuição da intolerância religiosa e fim das guerras provocadas por pretextos religiosos.
d) a proibição da venda de indulgências, término do índex e o fim do princípio da salvação pela
fé e boas obras na Europa.
e) a criação pela igreja protestante da Companhia de Jesus em moldes militares para
monopolizar o ensino na América do Norte.
02- (UFRJ) -"Pois é possível, Senhor, que hão de ser vossas permissões argumentos contra
vossa Fé? (...) Que diga o herege (...) que Deus está holandês? (...). Já que o pérfido calvinista
dos sucessos que só lhe merecem nossos pecados faz argumento da religião, e se jacta insciente
de ser sua a verdadeira, veja ele (...) de que parte está a verdade."
(Pe. Antônio Vieira. "Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as da
Holanda" - 1640.)
O discurso de Vieira revela desespero diante do sucesso da empreitada da Companhia das Índias
Ocidentais no Brasil até aquele momento, tanto mais que os holandeses traziam consigo a
pregação religiosa da Reforma anti-católica. Partindo dessa constatação:
a) cite um aspecto da pregação calvinista divergente do pensamento católico.
HISTÓRIA
82
b) aponte o principal objetivo dos holandeses na invasão ao Nordeste brasileiro em 1630.
03- (PUCPR) O estudo da Reforma Luterana e Calvinista e fatores econômicos envolvidos
permitem afirmar:
I - Lutero pertencia à ordem dos Agostinianos, preterida na venda de indulgências na Alemanha,
dado que os Dominicanos foram escolhidos.
II - Muitos nobres alemães, em cujas terras o clero católico possuía extensas propriedades,
apoiaram Lutero após este ter recomendado a confiscação de tal patrimônio.
III - Embora a Igreja Católica tivesse restrições aos juros e lucros, estas estavam abrandadas no
século XVI, sendo católicos os poderosos banqueiros "Fuggers", de Augsburgo.
IV - Quando ocorreu a Revolta dos Camponeses, inspirada em interpretações próprias da Bíblia,
nobres católicos e protestantes uniram-se para defender suas terras.
V - João Calvino ensinou que as pessoas que prosperavam nos negócios e profissões tinham no
sucesso a marca divina da "predestinação", que eram favorecidas por Deus.
a)
b)
c)
d)
e)
Somente as opções I, II e IV estão corretas.
Somente as opções I, III e V estão corretas.
Somente as opções I e IV estão corretas.
Somente as opções II e III estão corretas.
Todas as opções estão corretas.
04- (UFES) No século XVI, o movimento conhecido como Reforma Religiosa provocou uma
grande revolução espiritual na sociedade européia e uma profunda crise na hegemonia da Igreja
Católica.
Considere as seguintes informações sobre a Reforma Religiosa:
I - foi um movimento revolucionário pelo qual os camponeses exigiam a abolição da servidão e a
liberação das terras da Igreja para a produção agrícola de mercado;
II - fundamentou-se nas doutrinas de salvação para assegurar e fortalecer a hierarquia e a
unidade do cristianismo;
III - estabeleceu novos valores morais, econômicos e religiosos, que legitimaram a obtenção de
lucro e criaram uma das principais fontes do espírito capitalista;
IV - fortaleceu e divulgou a doutrina do movimento protestante, mediante o Concílio de Trento;
V - questionou a autoridade dos papas e os dogmas da Igreja, rompendo com os tradicionais
padrões católicos.
Estão corretas as informações contidas na opção
a) I e II.
HISTÓRIA
b)
c)
d)
e)
83
I e III.
II e IV.
III e IV.
III e V.
05- (MACKENZIE) No século XVI, a Alemanha era constituída por vários territórios e cidades com
administrações independentes, ligados entre si, numa organização semelhante a uma federação.
Estados eram governados por príncipes, bispos, arcebispos, duques, condes ou senhores. Os
governantes desses territórios e cidades elegiam e reconheciam a autoridade de um rei que, após
ser eleito por príncipes eleitores, era sagrado pelo papa, imperador do Sacro Império Romano
Germânico. Insurgindo-se contra as decisões da Dieta de Worms, alguns príncipes e membros da
pequena nobreza elaboraram um documento chamado de "Protestati", no qual declararam seu
apoio às 95 teses de Martinho Lutero.
Esse documento teve papel fundamental na:
a)
b)
c)
d)
e)
Unificação Alemã.
Centralização Monárquica.
Criação do Zollvereim.
Expansão do Renascimento.
Reforma Religiosa.
06- (PUCCAMP) O contexto no qual se desenvolve a chamada Reforma Protestante, no século
XVI, inclui divergências entre monarcas, mercadores e o papa da Igreja Católica. O relativo
sucesso das novas tendências religiosas está na maneira como responderam a esses conflitos em
atenção aos interesses emergentes, tais como,
a) o reforço emprestado pelas idéias luteranas à crença no purgatório e a exclusividade dos
príncipes na interpretação dos textos sagrados pretendida por Calvino.
b) o confisco dos bens da Igreja Católica, segundo as idéias de Lutero e a posição calvinista em
relação à livre interpretação da Bíblia.
c) a ênfase luterana no culto de imagens e a condenação de Calvino ao uso de idiomas locais na
celebração de missas.
d) a defesa luterana de que a igreja fosse submetida aos príncipes e a idéia de Calvino de que
todo tipo de trabalho agradaria a Deus.
e) o incentivo de Lutero ao domínio da leitura entre os fiéis, para que todos interpretassem a
Bíblia e o livre comércio de indulgências.
07- (PUCRIO) A Europa do século XVI assistiu ao surgimento de novas religiões cristãs, dentre as
quais destacam-se a luterana, a calvinista e a anglicana. A despeito das características que
conferem especificidade a cada uma delas, observam-se elementos que as aproximam entre si.
Um desses elementos é a:
a)
b)
c)
d)
e)
celebração dos cultos nas línguas faladas pelos fiéis.
ausência de hierarquia eclesiástica.
tolerância em relação às demais religiões cristãs.
afirmação da primazia da Igreja sobre o Estado.
crítica às estruturas sociais vigentes.
08- (FUVEST) No fim da Idade Média e início da Idade Moderna, o rompimento dos monopólios
que os letrados mantinham sobre a cultura escrita e os clérigos sobre a religião criou uma
situação nova, potencialmente explosiva. Esse duplo rompimento deveu-se
a) aos descobrimentos e invenções científicas.
b) à invenção da imprensa e à Reforma.
HISTÓRIA
84
c) ao Renascimento e ao Estado absolutista.
d) ao aparecimento do alfabeto e das heresias.
e) ao humanismo e à Inquisição.
09- (UNIFESP) A reforma religiosa do século XVI teve o poder de aproximar, de unir, os homens
(e as mulheres) e, ao mesmo tempo, de dividi-los, de separá-los - transformando, a despeito da
língua, das leis e das tradições, estranhos em amigos e compatriotas em inimigos. Algo
semelhante a isso também ocorreu depois, com
a)
b)
c)
d)
e)
a Revolução inglesa no século XVII e a crise de 1929.
a Guerra de Trinta Anos no século XVII e o nacionalismo no século XIX.
a Ilustração no século XVIII e o fascismo no século XX.
a Revolução francesa no século XVIII e o comunismo no século XX.
a "belle époque" no século XIX e a globalização na década de 1990.
10- (FUVEST) Antes de o luteranismo e calvinismo surgirem, no século XVI, e romperem com a
unidade do cristianismo no ocidente, houve, na Baixa Idade Média, movimentos heréticos
importantes, como o dos cátaros e dos hussitas, que a Igreja Católica conseguiu reprimir e
controlar.
Explique:
a) como a Igreja Católica conseguiu dominar as heresias medievais?
b) por que o luteranismo e o calvinismo tiveram êxito?
11- (UFSCAR) O calvinismo, doutrina constituída no século XVI europeu, foi tributário, em muitos
aspectos, dos princípios elaborados por Santo Agostinho, sobretudo aquele que reafirma
a) o automartírio da carne como meio de purificação dos pecados.
b) a necessidade da concessão da graça divina para a salvação dos homens.
c) a superioridade do poder religioso sobre os negócios do Estado.
HISTÓRIA
85
d) a necessidade de obras meritórias e santas para a salvação das almas.
e) a autoridade da instituição religiosa na absolvição dos pecados humanos.
12- (UNESP) No decorrer dos séculos XVI e XVII, as lutas religiosas na Europa provocaram a
separação entre os cristãos, tendo como conseqüências muitos conflitos políticos e sociais. Está
associada a esse movimento religioso:
a)
b)
c)
d)
e)
a colonização de parte do território do que são, atualmente, os Estados Unidos.
a independência das colônias americanas.
a instalação da Inquisição nas colônias espanholas.
a expulsão dos jesuítas das colônias portuguesas.
a ação dos missionários contra a escravidão indígena.
13- (UNIRIO) “Em outubro, depois de quatro séculos de separação e de 32 anos de
conversações, católicos e luteranos assinam, na Alemanha, acordo que estabelece um consenso
sobre a principal questão teológica que os afastou”.
O documento conjunto vai explicar de que modo as duas denominações encaram hoje a salvação
- o instante em que, após a morte, os cristãos se libertariam de todos os pecados e se
encontrariam com Deus na eternidade."
("Folha de São Paulo", Domingo, 19/09/1999, p.17)
A tese luterana motivadora dos quatro séculos de separação afirmava que a salvação era:
a)
b)
c)
d)
e)
objeto exclusivo da graça, isto é, a predestinação.
fruto das boas obras e de uma vida virtuosa.
obtida somente pela fé.
atingida pela combinação da fé e das boas obras.
resultado da prática constante das orações.
14- (UFF) As reformas religiosas, protestante e católica, indicaram, simbolicamente, a vitória da
quaresma sobre o carnaval, pois:
a) apontavam uma nova ordem social apoiada no projeto de eliminação da miséria, da
implantação da tolerância e da afirmação dos valores burgueses;
b) acentuavam o caráter de reerguimento moral oriundo das críticas ao mundanismo do clero
católico e às desordens sociais decorrentes das disputas teológicas, do medo do diabo e das
atitudes místicas que rompiam com os procedimentos hierárquicos da Igreja Católica;
c) praticavam a repressão à cultura popular, proibindo qualquer manifestação cultural que
pudesse ridicularizar a Igreja e introduziam o carnaval no calendário oficial da vida civil;
d) reproduziam o novo pensamento religioso, mais aberto para as reivindicações sociais e
preocupado com a formação dos estados estamentais;
e) reivindicavam um modo de vida contemplativa, no qual o exame de consciência e o livre
arbítrio adquiriam um lugar central na formação da vocação religiosa.
15- (UFRJ) "Os pintores representam às vezes o Cristo sobre um arco-íris com uma espada
saindo de sua boca. Mas os pintores não deveriam representar uma vara com flores e sim um
bastão. E tanto o bastão quanto a espada deveriam se dirigir para o mesmo lado, para abater os
danados: 'que se quebre o braço do ímpio, que se persiga sua iniquidade e sua maldade não
deixará traços'. Estas palavras nos ensinam que é desta maneira que a autoridade do Papa,
inspirada pelo Anti-Cristo, será destruída. A palavra do Cristo que é o sopro, o bastão e a espada
que saem de sua boca, manifestará plenamente para o mundo a tirania e a sedução desta Igreja".
(Trecho do opúsculo "SINCERA ADMOESTAÇÃO A TODOS OS CRISTÃOS PARA QUE
SE GUARDEM DE TODA REVOLTA", escrito em 1522, por Martinho Lutero.)
No texto Lutero ataca duramente a Igreja Católica e o Papa, comparado por ele ao Anti-Cristo.
HISTÓRIA
86
Apresente duas críticas formuladas pelo luteranismo à Igreja Católica.
16- (UFMG) Leia o texto.
... é a vida profissional do homem que lhe dá certo treino moral, uma prova de seu estado de
graça para a sua consciência, que se expressa no zelo e no método, fazendo com que ele
consiga cumprir a sua vocação. Não é trabalho em si, mas um trabalho racional, uma vocação,
que é pedida por Deus.
A concepção sobre o trabalho descrita nessa passagem é a defendida pelo
a)
b)
c)
d)
anglicanismo, religião cristã originada na Inglaterra, na Reforma ocorrida no século XVI.
calvinismo, religião cristã originada das concepções de João Calvino, no século XVI.
catolicismo, religião cristã, com sede em Roma e obediente à autoridade do Papa.
islamismo ou religião muçulmana, originada na Arábia ocidental, no século VII.
17- (FUVEST) Em 1748, Benjamin Franklin escreveu os seguintes conselhos a jovens homens de
negócios:
"Lembra-te que o tempo é dinheiro... Lembra-te que o crédito é dinheiro... Lembra-te que o
dinheiro é produtivo e se multiplica... Lembra-te que, segundo o provérbio, um bom pagador é
senhor de todas as bolsas... A par da sobriedade e do trabalho, nada é mais útil a um moço que
pretende progredir no mundo que a pontualidade e a retidão em todos os negócios".
Tendo em vista a rigorosa educação religiosa do autor, esses princípios econômicos foram usados
para exemplificar a ligação entre:
a)
b)
c)
d)
e)
protestantismo e permissão da usura.
anglicanismo e industrialização.
ética protestante e capitalismo.
catolicismo e mercantilismo.
ética puritana e monetarismo.
18- (UFRJ) "III - Tem sido hábito, até agora, de certos homens segurar-nos como propriedade
sua, visto que o Cristo nos libertou (...). Por isso, julgamos estar garantido que seremos libertados
da servidão."
(Manifesto dos Camponeses Alemães Revoltados - 1525.)
"Deus prefere que existam governos, por piores que sejam, do que permitir à ralé que se
amotine, por mais razão que tenha."
(Martinho Lutero - Primeira metade do século XVI.)
Por mais que Lutero e os camponeses alemães tivessem críticas comuns à Igreja Católica da
época, existiam sérios pontos de conflito entre eles. A raiz deste choque está
HISTÓRIA
87
a) na idéia de que somente aqueles que possuíssem instrução ou títulos podiam manifestar-se
contra a Igreja Católica e sua práticas.
b) no apoio mútuo existente entre Lutero e os setores da nobreza alemã que mantinham os
camponeses sob servidão.
c) no fato de os camponeses alemães defenderem o respeito absoluto ao dogma da
infalibilidade papal, com o que Lutero não concordava.
d) na excomunhão de Lutero pelo papa Leão X, já que os camponeses temiam aproximação
com alguém acusado de heresia.
e) no fato de a doutrina luterana defender a salvação do corpo e da alma, enquanto os
camponeses só estavam preocupados com a salvação terrena.
19- (PUCMG) Diante do avanço do protestantismo, o Papa Paulo III convoca o XVIII Concílio
Ecumênico da Igreja Católica, reunido em Trento, na Itália, a partir de 1545, apresentando como
resultados, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
o reconhecimento do batismo e do casamento como únicos sacramentos válidos.
a instituição dos seminários destinados à formação dos clérigos.
o fortalecimento da autoridade pontifical através da infalibilidade do Papa.
a adoção do latim como língua litúrgica oficial da Igreja Católica.
a determinação do celibato clerical e o combate aos movimentos heréticos.
20- (PUCMG) Em 1517 começa, no Sacro Império Romano-Germânico, o movimento de reforma
liderado por Martinho Lutero, que defendia:
a)
b)
c)
d)
e)
a fé como elemento fundamental para a salvação dos indivíduos.
o relaxamento dos costumes dos membros da Igreja daquela época.
a confissão obrigatória, o jejum e o culto aos santos e mártires.
o princípio da predestinação e da busca do lucro por meio do trabalho.
o reconhecimento do monarca como chefe supremo da Igreja.
21- (UERJ) No meio de pestes terríveis, de repetidas guerras e de aflitivas lutas civis, numa
Europa Ocidental e Central abalada por brutais reviravoltas da conjuntura econômica, a Igreja de
Cristo parecia navegar à deriva para o abismo. Mas o século XVI viu-a recuperar-se e, ao mesmo
tempo, quebrar-se e mostrar à luz do dia o escandaloso espetáculo de ódio entre os seus filhos.
(DELUMEAU, J. A Civilização do Renascimento. Lisboa, Estampa, 1984.)
O texto acima refere-se à conjuntura do seguinte processo histórico:
a)
b)
c)
d)
Iluminismo
Liberalismo
Reforma Religiosa
Revolução Filosófica e Científica
22- (UERJ) Criada no período da Reforma Católica do século XVI, a Companhia de Jesus teve
papel preponderante na expansão da religião católica, tanto no campo europeu, quanto nas
missões do norte da África, da Ásia e da América. No Brasil, a chegada dos jesuítas (1549)
HISTÓRIA
88
inaugurou um novo período de conquista espiritual, em virtude, entre outros aspectos, da atuação
de seus padres junto aos indígenas e aos colonos.
a) Caracterize a atuação dos jesuítas em relação aos colonos no Brasil.
b) Cite duas outras ações da Igreja Católica em seus reforços para conter a Reforma Protestante
do século XVI.
23- (CESGRANRIO) Os movimentos reformistas religiosos que surgiram na Europa moderna,
entre os séculos XV e XVI, variaram em seus fundamentos e prática frente aos dogmas religiosos
instituídos pela Igreja Católica. Marque a opção que relaciona corretamente um desses
movimentos reformistas com seu fundamento doutrinário.
a) O humanismo defendeu a extinção do Papado como necessária para o desenvolvimento de
uma nova religião baseada na tolerância e no respeito às crenças religiosas individuais.
b) O luteranismo condenou a doutrina da predestinação e a livre interpretação das escrituras
sagradas.
c) O calvinismo, em sua concepção moral, valorizou o trabalho e justificou o lucro, formulando
uma doutrina que correspondia às necessidades de uma moral burguesa.
d) O anglicanismo instituiu uma doutrina protestante, cuja hierarquia eclesiástica subordinava o
poder temporal dos monarcas à autoridade divina dos Papas.
e) O Concílio de Trento promoveu uma reformulação dos dogmas religiosos católicos,
disciplinando o clero e restringindo sua autoridade aos assuntos ligados à fé cristã.
24- (PUCSP) A doutrina calvinista estabelecia para seus adeptos uma vida regrada, disciplinada,
dedicada ao trabalho, afastada do ócio, dos vícios e da ostentação. Esse código de conduta levou
alguns autores a considerar esses princípios do calvinismo como fatores que favoreceriam o
processo de acumulação capitalista. Dentro dessa doutrina, apoiada numa interpretação particular
da noção de onisciência divina, conformar-se a esse ideal de conduta não seria o caminho para a
salvação, mas seus resultados visíveis - o sucesso material - dariam ao eleito a confirmação do
estado de graça.
Esse código de conduta fundamentava-se no princípio doutrinário que pregava
HISTÓRIA
89
a) a justificação pela fé, ou seja, a fé como meio de obtenção da graça e da salvação.
b) a predestinação à salvação, ou seja, a idéia de que alguns já nascem escolhidos por Deus
para serem salvos, estado impossível de ser modificado, passível, apenas, de ser
reconhecido pelos "sinais" presentes na vida dos 'eleitos'.
c) a salvação pelas obras, ou seja, a redenção por um ato voluntário do indivíduo, que deveria
cumprir os mandamentos divinos, praticar a caridade, intensificar orações e peregrinações.
d) a vocação missionária e a opção pelos pobres, ou seja, a missão de pregar o evangelho e
difundir a doutrina especialmente entre aqueles que se achavam destituídos das riquezas
terrenas.
e) a valorização do ascetismo, a flagelação do corpo e a negação da posse de riquezas
materiais como meios de alcançar a graça divina, afastando da mente e da alma aquilo que
seria considerado "tentação da carne".
25- (PUCCAMP) Analise os textos a seguir e responda.
I. "Na verdade, Ciência e Razão eram apenas uma face de realidade bem mais complexa.
Enquanto as elites redescobriram Aristóteles ou discutiam Platão na Academia florentina, (...), a
quase totalidade da população européia continuava analfabeta. Praticamente alheia à
matematização do tempo tinha seu trabalho regido ainda pelos galos e pelos sinos (exceto nos
centros têxteis mais importantes da Itália e de Flandres), a vida cotidiana pautada por ritmo
sazonais..."
II. "... numa época agitada, na qual o individualismo realizava grandes progressos, os fiéis
sentiram a necessidade de uma teologia mais sólida e mais viva que aquela que lhes ensinava ou não lhes ensinava - um clero geralmente pouco instruído e rotineiro, composto por capelães
famintos e incapazes de substituir os curas titulares, que tampouco possuíam uma formação
melhor."
a) O primeiro texto descreve o contexto social à época do Renascimento, enquanto o segundo
identifica uma das causas da Reforma.
b) O primeiro texto refere-se aos fatores responsáveis pela crise do feudalismo no século XIV,
enquanto o segundo, identifica uma das causas do Renascimento.
c) O primeiro texto envolve uma crítica contundente ao cientificismo defendido pelos
renascentistas, enquanto o segundo, faz uma crítica ao movimento reformista.
d) Os dois textos referem-se às conseqüências socioeconômicas da Reforma religiosa nos
países europeus.
e) Os dois textos identificam as causas responsáveis pelo desenvolvimento dos princípios
fundamentais do Renascimento.
26- (UFMG) A Reforma Religiosa do século XVI teve como desdobramento
a)
b)
c)
d)
a consolidação do poder dos príncipes do Império Germânico.
a constituição de mais de uma Igreja cristã no ocidente.
a divisão da Igreja em ramos: Ortodoxo e Romano.
a subordinação da Igreja Católica ao Estado.
HISTÓRIA
90
VOLUME II
UNIDADE I – AS TERRAS QUE OS EUROPEUS
CONQUISTARAM
CAPÍTULO 1
AS CULTURAS INDÍGENAS AMERICANAS
01- (UFC) Recentemente, Alejandro Toledo foi eleito presidente do Peru. Durante a campanha
eleitoral, foi chamado de "Pachacútec", numa alusão ao imperador incaico que consolidou um
império nos Andes centrais. Sobre a sociedade incaica, é correto afirmar que:
a) o fato de constituir uma das mais significativas sociedades pré-colombianas tem como base a
negação da cultura dos povos dominados.
b) a sua economia tinha por base a agricultura, com a distribuição de terras pelo Estado e a
prática do sistema de regadio.
c) o que a diferenciava das demais culturas pré-colombianas era a idéia de uma sociedade
igualitária.
d) o comércio interno era significativo, tendo no guano um dos produtos mais valorizados.
e) a sua cultura desapareceu com o processo da dominação espanhola.
02- (FATEC) Considere as afirmações:
I. Os incas constituíam um vasto império, integrado por povos de diferentes culturas, localizados
nas mais variadas regiões que se estendiam em faixas paralelas à cordilheira dos Andes.
II. Entre os astecas, a ausência de chuvas combinada com um clima quente e úmido permitia o
desenvolvimento em grande escala da agricultura.
III. Os monumentos maias eram tão imponentes que custava a muitos estudiosos acreditar que
tivessem sido obra dos índios americanos.
IV. Uma construção notável dos índios norte-americanos foi a cidade fortificada de Machu
Picchu, a cerca de 600km de Cuzco.
Sobre as asserções anteriores deve-se afirmar que estão corretas apenas
a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) I e IV.
HISTÓRIA
91
e) III e IV.
03- (FGV) Sobre os povos dos sambaquis, é incorreto afirmar que:
a) sendo nômades, ocuparam a faixa amazônica, deslocando-se durante milhares de anos, do
Marajó a Piratininga;
b) sedentários, viviam da coleta de recursos marítimos e de pequenas caças;
c) as pesquisas arqueológicas demonstram que tais povos desenvolveram instrumentos de
pedra polida e de ossos;
d) na chegada dos primeiros invasores europeus, esses povos já se encontravam subjugados
por outros grupos sedentários;
e) esses povos viveram na faixa litorânea, entre o Espírito Santo e o Rio Grande do Sul,
basicamente dos recursos que o mar oferecia.
04- (FGV) Em 2001, Alejandro Toledo tornou-se o primeiro peruano com ascendência indígena a
assumir a presidência da república de seu país. A cerimônia de posse, em Machu Picchu, foi
marcada por rituais e símbolos do império incaico.
A respeito dos incas, é CORRETO afirmar:
a) Eram monoteístas antes da chegada dos espanhóis à América e chegaram a associá-los ao
seu deus Viracocha.
b) Na sociedade incaica, havia uma clara separação entre política e religião, de tal modo que a
seu governante, o Inca, não era atribuído nenhum caráter divino.
c) Cuzco, além do principal núcleo político do império fundado em torno do século XII, era
considerado pelos incas o Centro do Mundo, o lugar mais sagrado da Terra.
d) A metalurgia para a produção de armas, adornos e ferramentas era base econômica do
império.
e) Ao contrário do tratamento dispensado a outros povos da América, não tiveram suas
estruturas político-sociais profundamente alteradas e puderam preservar suas tradições
religiosas até os dias de hoje.
05- (UNESP) "Vi também as coisas que trouxeram ao rei, do novo país do ouro: um sol todo em
ouro medindo uma toesa de largura; do mesmo modo, uma lua toda de prata e igualmente
grande; também dois gabinetes repletos de armaduras idênticas e toda sorte de armas por eles
usadas, escudos, bombardas, armas de defesa espantosas, vestimentas curiosas (...). "
(Albert Dürer, pintor, alemão, 1471-1528.)
"As pessoas (...) tanto homens quanto mulheres, andam nuas assim como suas mães as
pariram, exceto algumas das mulheres que cobrem suas partes com uma única folha de grama
ou tira de algodão (...). Eles não possuem armas, exceto varas de cana cortadas (...), e tem
receio de usá-las (...); são tratáveis e generosos com o que possuem Entregavam o que quer
que possuíam, jamais recusando qualquer coisa que lhes fosse pedida (...)."
(Trecho da Carta de Cristóvão Colombo, de 15 de fevereiro de 1493.)
HISTÓRIA
92
Os textos referem-se aos habitantes da América na época dos descobrimentos.
a) Dê dois exemplos de grupos indígenas que podem ser identificados com os textos.
b) Por que os dois relatos são diferentes?
06- (UFPE) O longo processo evolutivo, que se realizou na África, culminou com a aparição do
homem na Terra (o chamado gênero 'Homo'), a partir de um ancestral comum ao homem e aos
macacos antropóides. O 'Homo erectus' e o 'Homo ergaster' migraram da África, há pelo menos
um milhão de anos e povoaram a Ásia. O 'Homo antecesor' iniciou o povoamento da Europa, há
800.000 anos. Há 100.000 anos, o homem de Neandertal ocupava também a Europa e a Ásia
Menor. Todas essas espécies extinguiram-se, restando apenas o 'Homo sapiens' moderno,
única espécie sobrevivente, à qual todos pertencemos.
Baseado nessas informações, analise as proposições a seguir:
1) A América estava completamente despovoada quando Colombo ali chegou, pela primeira vez,
descobrindo o chamado Novo Mundo.
2) A América, antes dos descobrimentos dos espanhóis e portugueses, já estava povoada por
numerosos grupos humanos de diferentes culturas, embora todos pertencessem à mesma
espécie humana, a do 'Homo sapiens' moderno.
3) Depois de povoar a Ásia, o 'Homo erectus' conseguiu chegar também à América, faz meio
milhão de anos.
4) Os primeiros homens que povoaram a América, chegaram desde a Ásia, através do Estreito
HISTÓRIA
93
de Bering.
5) Os primeiros habitantes da América pertenciam a uma espécie humana hoje extinta.
Estão corretas apenas:
a) 1 e 2
b) 2 e 3
c) 3 e 5
d) 2 e 4
e) 1 e 5
07- (UFU) "(...) Assim, não pense ninguém que foram tirados o poder, os bens e a liberdade
(dos indígenas): e sim que Deus lhes concedeu a graça de pertencerem aos espanhóis, que os
tornaram cristãos e que os trata e os consideram exatamente como digo. (...) Ensinaram-lhes o
uso do ferro e da candeia (...) Deram-lhes moedas para que saibam o que compram e o que
vendem, o que devem e possuem. Ensinaram-lhes latim e ciências, que valem mais do que toda
a prata e todo o ouro que eles tomaram. Porque, com conhecimentos, são verdadeiramente
homens, e da prata nem todos tiravam muito proveito. (...)"
GÓMARA, Francisco López de. "Historia General de las India". Coletânea de Documentos para
a História da América. São Paulo: CENP, 1978
O texto acima expressa uma forma de se ver a conquista e a colonização da América pelos
espanhóis. A partir da análise do texto e de seus conhecimentos sobre este processo histórico
a) faça um comentário sobre a visão antropocêntrica do autor, destacando a forma como os
valores culturais de espanhóis e indígenas tão tratados no texto.
b) identifique e caracterize uma das três principais sociedades indígenas conquistadas pelos
espanhóis - Maias, Astecas ou Incas - mostrando como viviam e se organizavam social e
politicamente no período imediatamente anterior à conquista.
HISTÓRIA
94
08- (CESGRANRIO) Os "índios" encontrados pelos espanhóis ao "descobrirem" a América
formavam um contingente numeroso com características culturais variadas, tais como:
I - a maioria era constituída de grupos tribais em estágios diversos de desenvolvimento nômades ou sedentários;
II - Astecas e Incas constituiam verdadeiras civilizações, com estruturas políticas e sociais
complexas;
III - no caso dos Maias, a sedentarização possibilitou a constituição de uma sociedade agrícola e
o surgimento de cidades;
IV - predominavam as comunidades de guerreiros, que dividiam com os sacerdotes a posse das
melhores terras.
Assinale se estão corretas apenas:
a) I e II
b) II e III
c) I e IV
d) I, II e III
e) I, III e IV
09- (FUVEST) "O isolamento não pode ter características permanentes, visando à manutenção
do índio em seu estado primitivo. Com o avanço das frentes pioneiras, esse contanto é inevitável
e o índio deve ser preparado para esse contanto sem choques bruscos que possam trazer
desequilíbrios à comunidade."
Este depoimento do General Bandeira de Mello, presidente da FUNAI nos anos 70, defende
a) a integração por intermédio de projetos econômicos comuns entre os grupos privados e as
comunidades indígenas, sem interferência estatal.
b) o direito das empresas extrativas e pastoris adquirirem a posse das reservas de importância
estratégica, utilizando mão-de-obra indígena.
c) a tese de que não se pode resolver os problemas dos índios às custas dos trabalhadores
rurais, propondo que os novos assentamentos sejam feitos com base em cooperativas.
d) a integração lenta, gradativa e progressiva dos índios à sociedade brasileira, como condição
de se evitar sua marginalização.
e) a integração como decisão autônoma das comunidades indígenas, garantindo-lhes, enquanto
isso, a posse de suas terras por meio da criação de "reservas".
10- (UNICAMP) a) A respeito dos Astecas, comente as características urbanas de Tenochtitlán.
HISTÓRIA
95
b) Por que foi fundamental para os espanhóis construir a cidade do México sobre Tenochtitlán?
11- (FUVEST) "As aldeias de índios estão forçadas a entregar certa quantidade de seus
membros aptos para realizar trabalhos (...), durante um prazo determinado. Esses índios são
compensados com certa quantidade de dinheiro e destinados aos mais variados tipos de
serviços."
Esse trecho da obra de Sérgio Bagú, ECONOMIA DA SOCIEDADE COLONIAL, apresenta as
condições de trabalho compulsório
a) dos diversos grupos indígenas das áreas colonizadas por espanhóis e portugueses.
b) dos grupos indígenas das áreas espanholas submetidos à instituição da "mita".
c) dos grupos indígenas das áreas portuguesas submetidas às regras da "guerra justa".
d) dos grupos indígenas das áreas agrícolas de colonização espanhola submetidos ao regime de
"encomienda".
e) dos grupos indígenas das áreas portuguesas e espanholas originários das "missões" dos
jesuítas.
CAPÍTULO 2
ÁFRICA PRE COLONIAL
CAPÍTULO 3
A COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA ESPANHOLA
01- (UNIFESP) Não foi espírito evangélico que armou de mosquetes 80 ou 100 mil índios e erigiu
um poder intermediário do rio da Prata ao Amazonas, que um dia poderá ser fatal às potências
dominantes da América do Sul.
(Duque Silva Tarouca, 1758)
O texto
a)
b)
c)
d)
e)
alerta para o perigo representado pela atuação dos jesuítas.
critica o uso da violência para desarmar os índios.
elogia a ocupação de todos os territórios indígenas.
denuncia a ação política das potências protestantes.
defende a política religiosa das potências ibéricas.
HISTÓRIA
96
02- (FUVEST) "Deus castigou esta terra com dez pragas muito cruéis por causa da dureza e
obstinação de seus moradores [...]. A primeira dessas pragas foi que, num dos navios, veio um
negro atacado de varíola, uma doença que nunca tinha sido vista nessa terra."
(Motolinía. "Memórias das coisas da Nova Espanha.")
A respeito desse relato do franciscano Motolinía, sobre a conquista da cidade do México pelos
espanhóis, em 1520, pode-se concluir que
a) os religiosos europeus justificavam a conquista das populações indígenas por serem
geneticamente frágeis.
b) os povos indígenas adotavam táticas cruéis de guerra que incluíam a disseminação de
epidemias entre os conquistadores.
c) os aztecas foram dominados pelos espanhóis por meio de uma estratégia que evitou a guerra,
mas disseminou epidemias mortíferas.
d) as epidemias tornaram-se uma forma eficiente de dominação empregada pelos europeus na
conquista das terras indígenas.
e) as epidemias originárias da África dizimaram parte do exército dos conquistadores espanhóis
e dos indígenas mexicanos.
03- (UNICAMP) Os primeiros escravos negros chegaram ao Novo Mundo bem no início do século
XVI. Por três séculos e meio as principais potências marítimas competiram entre si em torno do
lucrativo tráfico de escravos, que levou aproximadamente dez milhões de africanos para as
Américas.
(Adaptado de David Brion Davis, "O problema da escravidão na cultura ocidental". Rio de Janeiro,
Civilização Brasileira, 2001, p. 24.)
a) Cite uma das principais potências européias que traficava escravos nos séculos XVII e XVIII.
b) Caracterize o comércio triangular entre Europa, África e América neste período.
c) Quais as conseqüências, para a África, do tráfico negreiro?
04- (UNICAMP) Na América do Sul, o que impressiona é a diferença essencial que existe entre a
colonização espanhola e a portuguesa. Desde início, a Coroa de Castela encoraja a imigração de
mulheres que, com suas criadas, contribuem para a expansão da civilização espanhola na
América. As leis de sucessão dão-lhes direito à herança, o que aumenta sua autoridade quando
são filhas únicas. Os casamentos inter-raciais são raros e a preocupação com a "limpeza de
sangue" é fundamental, inclusive para o acesso aos mais altos cargos.
HISTÓRIA
97
(Adaptado de Marc Ferro, História das Colonizações: das conquistas às independências - séculos
XVIII a XX. São Paulo, Cia. das Letras, 1996, p. 135.)
a) De acordo com o texto, qual o papel da mulher na colonização espanhola?
b) O que foi a política de "limpeza de sangue"?
c) Por que os criollos foram importantes no processo de Independência?
05- (UFRJ) Indique a principal fonte de arregimentação de recursos para a realização das tarefas
que, por meio do Padroado, estavam a cargo das Coroas Ibéricas na América nos séculos XVI e
XVII.
06- (UNESP) Não vejo nada de bárbaro ou selvagem no que dizem daqueles povos [da América];
e, na verdade, cada qual considera bárbaro o que não se pratica em sua terra.
(Michel de Montaigne, "Ensaios", 1580-1588)
O trecho apresentado permite concluir que
HISTÓRIA
98
a) a opinião do autor expressa a interpretação elaborada pelo Concílio de Trento, responsável
pela contra-reforma.
b) pensadores europeus deram-se conta da relatividade dos valores, hábitos e costumes
vigentes em diferentes sociedades.
c) a expansão marítima propiciou fecundo contato entre povos e culturas, com benefícios iguais
para todos os envolvidos.
d) o conhecimento de outras regiões do globo colaborou para reafirmar a versão bíblica da
criação.
e) os primeiros europeus que chegaram à América, sob influência do iluminismo, respeitaram a
diversidade cultural.
07- (CESGRANRIO) "(...) Em 1781, Tupac Amaru sitiou Cuzco. Este cacique mestiço,
descendente direto de imperadores incas, encabeçou o movimento messiânico e revolucionário
de maior envergadura. A grande rebelião estourou na província de Tinta (...) A província de Tinta
estava ficando despovoada por causa do serviço obrigatório nos socavãos de prata da
montanha."
(GALEANO, Eduardo. "As Veias Abertas da América Latina." Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1978, 5 ヘ ed. pp 55/56)
Sobre a colonização européia na América e seus reflexos, não se pode afirmar que a(o):
a) população descendente dos nativos, ainda hoje, na região citada no texto, se mantém
dependente das classes privilegiadas, que dominam o Estado e a economia.
b) elite econômica da colônia - os criollos - foi a responsável pela independência da América
Espanhola, apesar da eclosão de movimentos populares.
c) libertação social e política da população haitiana, primeira e única deste gênero na América
Latina, foi fruto da ação de Tupac Amaru.
d) exploração do trabalho indígena nas minas - a mita - provocou reações como a que está
citada no texto.
e) movimento popular e camponês liderado por Tupac Amaru fracassou, entre outros motivos,
pela falta de apoio das elites coloniais.
08- (UNIRIO) "Nos anos 1575-1600, Potosi produziu talvez a metade de toda a prata hispanoamericana. Tal profusão de prata não teria vindo à tona sem a concomitante abundância de
mercúrio de Huancavélica, que naqueles mesmos anos estava também produzindo como nunca
havia feito. Outro estimulante para Potosi foi claramente a mão-de-obra barata e abundante
fornecida através da mita de Toledo".
(LESLIE BETHELL. (ORG.) "História da América Latina: A América Latina Colonial", volume II:
São Paulo: Editora da USP: Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 1999, p.141)
A descrição acima reflete o caráter da exploração da mão-de-obra indígena na manutenção da
produção econômica colonial, sob o regime da MITA, instaurada pelo Vice-Rei Francisco de
Toledo. Podemos definir essa forma de exploração do trabalho como:
a) escravo, decorrente do recrutamento de grupos indígenas que pagavam tributos
coletivamente, ficando sob a guarda do colonizador que se encarregava da obrigação de
instruí-los na fé católica
b) forçado, de origem incaica, funcionando através de recrutamento por sorteio em suas
comunidades e direcionado especialmente para as atividades intensificadas na mineração
HISTÓRIA
99
c) servil indígena, hereditário, oferecendo à Coroa espanhola impostos em troca de benefícios
individuais, tais como concessão de títulos de nobreza e doação de terras para a agricultura
d) individual e vitalício, recrutado mediante especialização e capacitação, produzindo uma elite
trabalhadora altamente remunerada e distanciada da maioria dos outros trabalhadores locais
e) trabalho livre e voluntário, adotado pela Coroa espanhola para mobilizar grandes contingentes
de desempregados que se associaram aos espanhóis e, com o passar dos anos, os
sucederam como dirigentes
09- (UFMG) A Espanha, ao conquistar e colonizar vastas regiões do Continente Americano,
implementou, nas colônias, algumas instituições.
Entre essas instituições, incluíam-se
a) escolas primárias, que foram implantadas pela Coroa com o objetivo de conter o avanço da
Igreja sobre as instituições educativas.
b) missões jesuíticas, que foram implementadas, no final do período colonial, como última
tentativa para evangelizar os índios guaranis.
c) órgãos da Inquisição, que foram criados nas colônias, visando a difundir o pensamento da
Ilustração.
d) universidades, que foram fundadas e mantidas por ordens religiosas nas mais importantes
cidades coloniais.
10- (UFF) Durante o Renascimento, o Mundo Ibérico caracterizou-se por sua política de
descobrimentos e de colonização do Novo Mundo.
Sobre as relações coloniais na área de expansão espanhola no Novo Mundo, afirma-se:
I) A Casa de Contratación era uma entidade com sede em Sevilha que se encarregava de
organizar o comércio na América e cobrar a parte real nas transações com metais preciosos (o
quinto).
II) O domínio espanhol sobre Portugal foi parte da política expansionista de Felipe II.
III) A criação dos vice-reinos teve como um dos objetivos manter os colonizadores sob a direção
metropolitana.
IV) A enorme extensão dos domínios da Espanha na América e a força dos interesses particulares
dos colonos prejudicaram a política descentralizadora de Castela.
As afirmativas que estão corretas são as indicadas por:
a) I, II e III
b) I e III
c) I, III e IV
d) I e IV
e) II, III e IV
11- (UFRJ)
"1785
Cidade do México
Sobre a Literatura de Ficção na Época Colonial
O vice-rei do México, Matias de Gálvez, assina um novo decreto a favor dos
trabalhadores índios. Receberão os índios salário justo; bons alimentos e assistência médica; e
terão duas horas de descanso, ao meio dia, e poderão mudar de patrão quando quiserem."
(GALEANO, Eduardo. "As Caras e as máscaras." Rio, Nova Fronteira,
1985. p.107.)
HISTÓRIA
100
O autor procura ironizar com o título dado ao texto as práticas desenvolvidas pelos espanhóis na
América, já que
a) os indígenas trabalhavam legalmente como escravos dos espanhóis sendo falsa a idéia de
"salário justo" e "boas condições de vida e trabalho".
b) apesar das várias legislações sobre o assunto, ocorria, na prática, uma superexploração do
trabalho indígena sob os regimes da mita ou da encomienda.
c) a situação dos indígenas americanos era, na época, bem melhor do que propunha o decreto
do vice-rei do México pela pressão exercida a favor deles pela Igreja Católica.
d) os indígenas não podiam nunca mudar de patrão pois este sempre fora o rei da Espanha, que
não abria mão dessas prerrogativas.
e) o decreto não tinha razão de ser, pois os indígenas mexicanos tinham sido completamente
dizimados pela conquista e pelo trabalho de exploração mineral no século XVI.
12- (PUC-RIO) Assinale a opção que apresenta de maneira correta a relação entre: (i) os
movimentos de resistência às medidas administrativas impostas pelos Bourbons nas colônias
espanholas em fins do século XVIII; (ii) os diferentes grupos sociais envolvidos; e (iii) as idéias
defendidas pelos revoltosos nessas manifestações.
a) A oposição aos excessivos tributos cobrados sobre a exportação do açúcar nas colônias do
Caribe espanhol - particularmente em Cuba - reuniu plantadores e comerciantes, artesãos e
assalariados em revoltas urbanas com vistas à independência e à constituição de governos
republicanos na região.
b) No Vice-reino da Nova Espanha, a oposição à cobrança da alcabala - o imposto sobre a
venda de mercadorias - aos índios e mestiços traduziu-se em inúmeros levantes indígenas;
possuidora de forte cunho religioso, essa oposição culminaria na famosa revolta do Padre
Hidalgo.
c) No Vice-reino do Peru, Túpac Amaru liderou a oposição às autoridades locais, pregando o fim
da prática do repartimiento, da cobrança alcabala e da mita, mas se mantendo fiel ao Rei da
Espanha. Trabalhadores índios e mestiços, mineiros e artesãos lhe deram apoio em
diferentes momentos da revolta.
d) No Vice-reino de Nova Granada, a revolta dos chamados Comuneros caracterizou-se pela
oposição ao aumento na alcabala e aos novos impostos. Com o brado de "viva o Rei e morra
o mau governo", líderes criollos reuniram uma multidão de camponeses índios, mestiços e
escravos contra o vice-rei.
e) No Vice-reino do Prata, a conjuração em Buenos Aires manifestou desde cedo a intenção de
ruptura com os laços coloniais, reunindo membros da elite de comerciantes e mineiros e
excluindo mulatos e negros livres ligados ao artesanato e ao pequeno comércio urbano.
13- (PUC-RIO) "Diziam que haviam visto chegar em sua terra certas pessoas muito diferentes de
nosso costume e vestiário, que pareciam viracochas, que é o nome pelo qual antigamente
denominamos o Criador de todas as coisas...; primeiro porque se diferenciavam muito de nosso
traje e semblante...; andavam em uns animais muito grandes, os quais tinham os pés de prata...;
porque os viram falar sozinhos em uns panos brancos como uma pessoa falava com outra...; uns
eram de barbas negras e outros de barbas vermelhas e os viam comer em prata; e também
porque tinham yllapas, nomes que nós temos para os trovões e isto diziam por causa dos
arcabuzes, porque pensavam que eram trovões do céu..."
(Descrição dos conquistadores atribuída a Titu Cusi Yupanqui, filho de Manco II, que ocupou o
trono inca em Vilcabamba, de 1557 a 1570, ditada ao agostiniano Frei Marcos García.)
O relato apresenta algumas idéias que, num primeiro momento, os incas construíram a respeito
dos conquistadores espanhóis. Sobre elas estão corretas as seguintes afirmativas, com exceção
de:
a) Os incas admiraram-se com a leitura dos citados "panos brancos", por não possuírem um
sistema de escrita. Seus poemas narrativos, orações e estórias eram transmitidos oralmente de
geração a geração.
HISTÓRIA
101
b) Os incas acreditavam que comer em objetos de prata e usar trajes que não expressassem as
sólidas hierarquias sociais eram atitudes consideradas ofensivas aos deuses; o uso da barba era,
pelo mesmo motivo, proibido entre eles.
c) Os homens a cavalo pareceram inicialmente à população indígena pessoas disformes e
monstruosas, de duas cabeças mas um só corpo, uma vez que esses animais velozes e de
grande porte eram totalmente desconhecidos no altiplano.
d) Como acontecera com os astecas, a chegada dos homens brancos foi num primeiro momento
vista pelos incas como o retorno dos deuses, de Viracocha e seus filhos. Antigos presságios, nas
duas culturas, já anunciavam essa possibilidade.
e) As armas de fogo, tal como as montarias, não só assustavam facilmente a população
camponesa; eram expressão de uma incomparável superioridade militar e técnica ignorada até
então pelos incas.
14- (UFRJ)
"A organização de trabalho (...) sofreu terrível impacto sob a dominação (...)
(...) Uma série de
procedimentos compulsórios de contingenciamento de mão-de-obra, tanto novos (...) quanto
redefinidos (...) foram desastrosos para os índios (...)".
RIBEIRO, Darcy. "As Américas e a civilização". Rio de Janeiro, Vozes, 1997. p. 158-9.
Com relação à questão do trabalho indígena, no processo de colonização da Hispano - América,
podemos afirmar que
a)
b)
c)
d)
e)
a Igreja Católica não permitiu trabalho compulsório.
a mita somente ocorreu no México e na Bolívia.
na Hispano - América, não ocorreu trabalho compulsório.
as formas de trabalho compulsório foram a mita e a encomienda.
o trabalho compulsório ocorreu apenas com os afro-americanos.
15- (FUVEST) Sobre o trabalho compulsório na América Espanhola, durante o período colonial, é
possível afirmar que o mesmo
a) baseou-se na predominância da escravização negra, como aconteceu no Brasil.
b) caracterizou-se pela escravização continuada dos indígenas, como nas culturas incas e
astecas.
c) apoiou-se em formas diversas de exploração do trabalho indígena e na escravidão negra.
d) restringiu-se a sistemas particulares de coerção como no caso da encomienda.
e) manteve um sistema organizado e dirigido pelos próprios caciques indígenas.
16- (UFRJ) O Mestre de México, Montezuma, nos envia, a nós e a alguns outros nobres, com a
ordem de contar a nosso irmão o Cazonci tudo a que diz respeito à gente estranha que chegou
[em Tenochtitlán]. Nós os enfrentamos no campo de batalha e matamos aproximadamente
duzentos dos que vinham montados em cervos e duzentos dos que andavam a pé. Os cervos são
protegidos por armaduras de couro retorcido e carregam algo que ressoa como as nuvens, que
produz um ruído de trovão e que mata todos os que encontra em seu caminho, até o último.
Romperam completamente nossa formação e mataram muitos dos nossos. A gente de Tlaxcala
os acompanham pois voltou-se contra nós.
Adaptado de Todorov, Tzevetan. "A conquista da América (a questão do outro)." São Paulo:
Martins Fontes, 1988, p. 91.
O trecho acima é parte do relatório que dez mensageiros de Montezuma levaram ao Cazonci (rei)
dos Tarascos da região de Michoacán, para pedir-lhe ajuda nas luta contra os espanhóis.
a) Identifique no texto dois fatores que auxiliaram a rápida conquista do México pelos espanhóis.
HISTÓRIA
102
b) Explique como os fatores identificados no item anterior ajudam a compreender a rapidez
através da qual Hernán Cortéz e seus comandados conquistaram o Império Asteca.
17- (FUVEST) Gabriel Soares, um oficial português, escreveu em 1587 sobre os índios Guaianá:
"É gente de pouco trabalho(...); se encontram com gente branca, não fazem nenhum dano, antes
boa companhia, e quem acerta de ter um escravo guaianá não espera dele nenhum serviço,
porque é gente folgazã de natureza e não sabe trabalhar."
O texto expressa
a) a diferença entre as concepções de trabalho do mundo europeu e das culturas indígenas.
b) o preconceito racial que coibiu formas de miscigenacão cultural na colônia.
c) a ineficiência do ensino dos missionários ministrado aos grupos indígenas sem tradição
agrícola.
d) o argumento básico para se elaborarem leis, proibindo a escravização indígena na colônia.
e) a forma usual de resistência indígena para evitar a dominação cultural e a escravização.
18- (UNICAMP) Uma jogadora de vôlei do Brasil nas Olimpíadas de Sidney fez esta declaração à
imprensa: "Agora vamos pegar as cubanas, aquelas negas, e vamos ganhar delas" ("O Estado de
S. Paulo", 27/09/2000). Ainda segundo o jornal: "A coordenadora do Programa dos Direitos
Humanos do Instituto da Mulher Negra classifica as palavras da atacante como preconceituosas e
alerta as autoridades para erradicarem esse tipo de comportamento, combatendo o racismo".
a) Compare os processos de colonização ocorridos em Cuba e no Brasil, apontando suas
semelhanças.
HISTÓRIA
103
b) Qual a atividade econômica predominante em Cuba e no Nordeste brasileiro durante a
colonização e suas relações com o comércio internacional?
c) Qual a condição social dos negros no Brasil depois do fim da escravidão?
19- (UERJ) Na Espanha, o fato de não possuir ascendentes judeus ou árabes constitui uma
espécie de título de nobreza; na América, a cor da pele (mais ou menos branca) indica a posição
social do indivíduo.
(HUMBOLDT, A. von. "Ensaio político sobre o reino da Nova Espanha".
1807. Apud S. Stein & B. Stein. A HERANÇA COLONIAL DA AMÉRICA LATINA. Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 1 977.)
O trecho acima demonstra que a conquista e a colonização da América hispânica possibilitaram a
formação de uma sociedade hierarquizada, em que, além do "pureza de sangue" e da renda, a cor
constituía-se em outro critério básico para o pertencimento à elite social.
Nessa perspectiva, a sociedade do América colonial hispânica pode ser caracterizada pela:
a) incorporação da nobreza ameríndia à elite peninsular e criolla
b) proibição legal da miscigenação entre peninsulares e ameríndios
c) impedimento à ascensão dos criollos aos altos cargos administrativos
d) importância do clero ameríndio nas principais cidades mineiras e portuárias
20- (UNIRIO) "Ao longo dos duzentos primeiros anos de dominação colonial, os espanhóis
desenvolveram um setor mineiro que permitiu a manutenção da economia metropolitana e da
posição internacional espanhola em meio às demais nações da Europa ocidental. As primeiras
descobertas ocorreram no México e no Peru, no curto período de vinte anos (1545-65). Os
enclaves necessitavam de grande quantidade de mão-de-obra indígena, que, recrutada por
sorteio, era encaminhada periodicamente às minas, retornando a seguir às comunidades de
origem para ser substituída por novos contingentes requisitados de igual maneira."
(STANLEY, J. S. e STEIN, B. "A herança colonial na América Latina".
Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1976, p.29-35)
HISTÓRIA
104
O texto nos remete a uma especificidade da economia colonial da América Espanhola, qual seja,
a utilização em larga escala do trabalho compulsório indígena. A este respeito, atenda ao
solicitado a seguir.
a) Justifique a utilização, na América Hispânica, da mão-de-obra indígena, preferencialmente, em
relação à mão-de-obra negra africana.
b) Cite e explique duas formas de utilização da mão-de-obra indígena na América Espanhola.
21- (UFRJ) "No estado do Maranhão, Senhor não há outro ouro nem prata mais que o sangue e o
suor dos índios: o sangue se vende nos que cativam e o suor se converte no tabaco, no açúcar e
demais drogas que com os ditos índios se lavram e fabricam. Com este sangue e suor se medeia
a necessidade dos moradores; e com este sangue e com este suor se enche e enriquece a cobiça
insaciável dos que lá vão governar... desde o princípio do Mundo, entrando o tempo dos Neros e
Dioclecianos, se não executarem em toda a Europa tantas injustiças, crueldades e tiranias como
executou a cobiça e impiedade dos chamados conquistadores do Maranhão, nos bens, no suor,
no sangue, na liberdade, nas mulheres, nos filhos, nas vidas e sobretudo nas almas dos
miseráveis índios..."
(CARTA DE PADRE ANTÔNIO VIEIRA AO PROCURADOR DO MARANHÃO JORGE DE
SAMPAIO, EM 1662. IN: Vieira, Padre Antônio, "Obras Escolhidas", Sá da Costa, Lisboa, 1951,
Vol.V, pp.210-211).
"Os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho; porque sem eles no Brasil não é
possível conservar e aumentar fazendas, nem ter engenho corrente. E do modo com que se há
com eles, depende tê-los bons ou maus para o serviço. Por isso é necessário comprar cada ano
algumas peças, e reparti-Ias pelos partidos, roças, serrarias e barcas".
HISTÓRIA
105
(TEXTO DO CRONISTA ANTONIL, RETIRADO DE SEU LIVRO
"CULTURA E OPULÊNCIA DO BRASIL POR SUAS DROGAS E MINAS". 1 ヘ ed. 1711)
Na América Espanhola e na América Portuguesa, os colonizadores desenvolveram e adaptaram
várias formas de utilização de trabalho compulsório (incluindo a escravidão propriamente dita).
Populações indígenas inteiras foram escravizadas, assim como negros trazidos da África já no
final do século XVI.
Na literatura colonial dos séculos XVIl e XVIll - principalmente a produzida por religiosos escravidão no Brasil, cada vez mais, passou a ser sinônimo de escravidão negra. Em termos
ideológicos a escravidão negra foi legitimada enquanto a legislação assinalava a proibição da
escravização dos indígenas.
a) Cite dois tipos de regime de trabalho compulsório utilizado na América Espanhola.
b) Explique duas razões que provocaram a substituição da mão-de-obra indígena pela mão-deobra escrava africana.
22- (UFU) Durante a colonização da América, os espanhóis utilizaram diversas formas de trabalho
de acordo com o tipo de economia predominante em cada região.
Observe as alternativas abaixo e assinale a correta.
a) Com a proibição, pela Coroa, da escravidão indígena em 1542, nas regiões de mineração de
prata, o trabalho escravo africano substituiu a mão-de-obra indígena a partir do final do século
XVI.
b) Nas regiões de pecuária e agricultura, como o México e a do Rio da Prata, o sistema de
trabalho era a "encomienda". Os índios eram repartidos entre os grandes proprietários e
obrigados a trabalharem dois dias por semana em troca de um pequeno salário.
c) Na região de mineração de prata de Potosí e Zacateca, as principais formas de trabalho foram
a "mita" e o "cuatequil", uma adaptação da "mita" de origem incaica. As comunidades
indígenas sujeitas a este sistema eram obrigadas a fornecer, em regime rotativo, um certo
número de trabalhadores para servirem aos proprietários das minas.
d) A instituição da "mita" como regime de trabalho, ao fixar as populações indígenas em suas
comunidades de origem, restringindo os deslocamentos constantes do sistema de
"encomiendas", contribuiu para preservar a organização social e as tradições culturais dessas
populações.
HISTÓRIA
106
e) Para atender aos interesses econômicos dos colonizadores, que necessitavam do trabalho
indígena, a Coroa espanhola não chegou a legislar sobre as relações de trabalho na América,
deixando que os proprietários se entendessem livremente com a mão-de-obra indígena.
23- (UFU) "(...) Assim, não pense ninguém que foram tirados o poder, os bens e a liberdade (dos
indígenas): e sim que Deus lhes concedeu a graça de pertencerem aos espanhóis, que os
tornaram cristãos e que os trata e os consideram exatamente como digo. (...) Ensinaram-lhes o
uso do ferro e da candeia (...) Deram-lhes moedas para que saibam o que compram e o que
vendem, o que devem e possuem. Ensinaram-lhes latim e ciências, que valem mais do que toda a
prata e todo o ouro que eles tomaram. Porque, com conhecimentos, são verdadeiramente
homens, e da prata nem todos tiravam muito proveito. (...)"
GÓMARA, Francisco López de. "Historia General de las India". Coletânea de Documentos para a
História da América. São Paulo: CENP, 1978
O texto acima expressa uma forma de se ver a conquista e a colonização da América pelos
espanhóis. A partir da análise do texto e de seus conhecimentos sobre este processo histórico
a) faça um comentário sobre a visão antropocêntrica do autor, destacando a forma como os
valores culturais de espanhóis e indígenas tão tratados no texto.
b) identifique e caracterize uma das três principais sociedades indígenas conquistadas pelos
espanhóis - Maias, Astecas ou Incas - mostrando como viviam e se organizavam social e
politicamente no período imediatamente anterior à conquista.
24- (PUCMG) A sociedade que foi constituindo-se na Hispano-América Colonial possuía uma
rígida estratificação social na qual se destacavam, exceto:
a) os peninsulares ou chapetones, que eram os grandes burocratas e mercadores coloniais.
b) os "criollos", que eram grandes proprietários de terras, comerciantes, pecuaristas e
arrendatários de minas.
HISTÓRIA
107
c) os "kuracas", indígenas hispanizados, que exerciam cargos burocráticos na justiça, Exército e
Igreja.
d) os mestiços, que exerciam funções intermediárias, como artesãos independentes, feitores e
posseiros.
e) os escravos negros, empregados em serviços domésticos e, nas Antilhas, na produção
agrícola.
25- (PUCMG) Na Hispano-América Colonial, a administração municipal centralizou-se:
a)
b)
c)
d)
e)
nas intendências que, até o século XVIII, controlavam a vida dos funcionários da Coroa.
nos Vice-Reinos, que se localizavam nas áreas de maior valor econômico.
nas Audiências, verdadeiros tribunais judiciários, onde atuavam os ouvidores.
nos Cabildos, que possuíam poderes legislativos e judiciários.
nas Capitanias-Gerais, localizadas em territórios estrategicamente importantes.
26- (PUCMG) A expansão marítima européia, nos séculos XV e XVI, levou ao processo da
conquista dos povos da América. Relaciona-se a esse processo, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
aceitação pacífica da conquista pelos nativos, causada pelo medo dos conquistadores.
superioridade bélica dos europeus sobre os povos "descobertos".
mortandade dos povos conquistados, originada pelas epidemias e violência.
desorganização das culturas nativas e imposição de padrões culturais europeus.
construção ideológica da superioridade racial européia sobre outros povos.
27- (UFRJ) 2 de novembro de 1780
Edito aos moradores de Lampa
"D. José Tupac Amaru, de sangue real e tronco principal - Faço saber aos camponeses
moradores da província de Lampa e suas imediações, que vendo o jugo tão forte que nos oprime
com tanto tributo e a tirania dos que agem com este encargo, sem ter consideração às nossas
infelicidades, e abusando delas com suas impiedades, determinei sacudir esse jugo insuportável e
conter o mau governo que experimentamos dos chefes que compõem estes corpos "
O processo de independência da América foi marcado por uma progressiva conscientização das
populações submetidas aos maus tratos dos colonizadores. A reação ao caráter violento do
processo de colonização fez surgir lideranças até hoje cultuadas e lembradas pelos povos iberoamericanos.
a) Cite um movimento político contemporâneo relacionado às idéias do líder indígena Tupac
Amaru.
b) Apresente duas razões para o aprofundamento da crise do sistema colonial na América
espanhola.
HISTÓRIA
108
28- (UERJ) Uma comparação superficial entre as sociedades ibéricas e ibero-americanas por
volta de 1700 sugere que os ibéricos haviam logrado reproduzir no México, no altiplano andino e
ao longo das costas brasileiras, uma réplica (pelo menos um simulacro) de suas próprias
sociedades.
(STANLEY, J. S. e STEIN, B. A Herança Colonial na América Latina.
Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.)
a) Cite duas características da sociedade colonial da América portuguesa.
b) Estabeleça uma diferença quanto à participação política dos "chapetones" e "criollos" nas
colônias espanholas da América.
29- (PUCCAMP) O processo de colonização européia da América, durante os séculos XVI, XVII e
XVIII está ligado à
a) expansão comercial e marítima, ao fortalecimento das monarquias nacionais absolutas e à
política mercantilista.
b) disseminação do movimento cruzadista, ao crescimento do comércio com os povos orientais e
à política livre-cambista.
c) política imperialista, ao fracasso da ocupação agrícola das terras e ao crescimento do
comércio bilateral.
d) criação das companhias de comércio, ao desenvolvimento do modo feudal de produção e à
política liberal.
e) política industrial, ao surgimento de um mercado interno consumidor e ao excesso de mãode-obra livre.
CAPÍTULO 04
A COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA INGLESA E FRANCESA
HISTÓRIA
109
01- (FUVEST) Sobre a colonização inglesa na América do Norte,
a) estabeleça sua conexão com os desdobramentos da Reforma Protestante da Inglaterra;
b) explique por que na região sul se originou uma organização sócio-econômica diferente da do
norte.
02- (UNICAMP) O mapa adiante ilustra o comércio triangular realizado pelos habitantes das
colônias do norte dos Estados Unidos, durante o período de colonização da América.
a) Observando o mapa, descreva esse comércio.
HISTÓRIA
110
b) Explique por que outros produtos lucrativos, como o tabaco e o algodão, não participavam
desse comércio.
03- (FUVEST) "O puritanismo era uma teoria política quase tanto quanto uma doutrina religiosa.
Por isso, mal tinham desembarcado naquela costa inóspita, (...) o primeiro cuidado dos imigrantes
(puritanos) foi o de se organizar em sociedade".
Esta passagem de A DEMOCRACIA NA AMÉRICA, de A. de Tocqueville, diz respeito à tentativa
a) malograda dos puritanos franceses de fundarem no Brasil uma nova sociedade, a chamada
França Antártida.
b) malograda dos puritanos franceses de fundarem uma nova sociedade no Canadá.
c) bem sucedida dos puritanos ingleses de fundarem uma nova sociedade no Sul dos Estados
Unidos.
d) bem sucedida dos puritanos ingleses de fundarem uma nova sociedade no Norte dos Estados
Unidos, na chamada Nova Inglaterra.
e) bem sucedida dos puritanos ingleses, responsáveis pela criação de todas as colônias inglesas
na América.
04- (FUVEST) Compare os sistemas de colonização adotados na América pela Espanha e
Inglaterra.
05- (FGV) "... estabeleceram-se ali pequenos proprietários que produziam, a princípio, para a sua
subsistência e depois, pouco a pouco, para as plantações escravistas do sul do país e para a área
das Antilhas. A produção não foi a típica da "plantation", mas bastante diversificada - madeiras,
cereais, manufaturados - e, o que é mais importante, os lucros tenderam a se concentrar na
colônia..."
O texto identifica a colonização
a) holandesa, na América Latina.
HISTÓRIA
b)
c)
d)
e)
111
inglesa, na América do Norte.
espanhola, na América Central.
portuguesa, na América do Sul.
francesa, na América Anglo-Saxônica.
06- (FUVEST) A colonização inglesa na América foi marcada por sensíveis diferenças entre o
norte e o sul.
Caracterize essas diferenças no que se refere ao trabalho compulsório e aos aspectos
econômicos.
07- (MACKENZIE) São características das Colônias de Povoamento implantadas no Continente
Americano a partir do século XVII:
a) trabalho compulsório, mercado interno, plantações de subsistência e Pacto Colonial.
b) pequena propriedade familiar, manufaturas, policultura, autonomia econômica e mão-de-obra
livre.
c) grandes propriedades de terras, ação colonizadora decorrente de conflitos religiosos na
Metrópole, monocultura e trabalho escravo.
d) trabalho escravo, produção voltada para a exportação, economia limitada pelo Exclusivo
Colonial e latifúndio monocultor.
e) pequenas plantações de subsistência, monocultura, ação colonizadora baseada nas
propostas mercantilistas e mão-de-obra livre.
08- (CESGRANRIO) Durante o séc.XVII grupos puritanos ingleses perseguidos por suas idéias
políticas (antiabsolutistas) e por suas crenças religiosas (protestantes calvinistas) abandonaram a
Inglaterra, fixando-se na costa leste da América do Norte, onde fundaram as primeiras colônias.
A colonização inglesa nessa região foi facilitada:
a) pela propagação das idéias iluministas, que preconizavam a proteção e respeito aos direitos
naturais dos governados.
b) pelo desejo de liberdade dos puritanos em relação à opressão metropolitana.
c) pelo abandono dessa região por parte da Espanha, que então atuava no eixo México-Peru.
d) pela possibilidade de explorar grandes propriedades agrárias com produção destinada ao
mercado europeu.
e) pelas consciência política dos colonos americanos desde logo, treinados nas lutas coloniais.
09- (UERJ) "(...) Aqueles que vivem atormentados com a preocupação de como ganhar
decentemente sua subsistência, ou aqueles que, com seu trabalho, mal conseguem levar uma
vida confortável, procederão bem se vierem para este lugar, onde qualquer homem, seja quem
for, que esteja disposto a enfrentar moderados esforços, tem assegurada uma existência bastante
confortável e está a caminho de elevar sua fortuna muito além do que ousaria imaginar (...)
Que nenhum homem se preocupe com a idéia de ser um servo durante quatro ou cinco anos (...).
É preciso considerar, então, que assim que seu tempo terminar possuirá terra. (...) Portanto, todos
os artífices, carpinteiros, construtores de veículos, marceneiros, pedreiros, ferreiros ou diligentes
agricultores e lavradores (...) devem levar em consideração o assunto."
(Perdição de um imigrante europeu do séc. XVII. Apud "Coletânea de Documentos de
HISTÓRIA
112
História da América". São Paulo: CENEP, 1978.)
Interpretando esse texto conclui-se que o imigrante se refere à seguinte área de colonização na
América:
a)
b)
c)
d)
espanhola, região platina
portuguesa, sul do Brasil
holandesa, região das Antilhas
inglesa, região da Nova Inglaterra
10- (UNIRIO) "Nos séculos XVI e XVII, à medida que a população se expandia rapidamente,
Londres (...) tornou-se o refúgio de 'HOMENS SEM GOVERNO' - vítimas do CERCAMENTO DE
TERRAS, vagabundos, criminosos - numa escala que alarmou os contemporâneos (...) dessa
forma o povo pobre e sedicioso, que constituiu um fardo para a república, é mandado embora, de
modo que se remove da City a matéria sediciosa."
(HILL, Christopher. "O Mundo de Ponta-Cabeça". São Paulo, Cia. das Letras, 1987, p.37.)
a) Explique a expressão HOMENS SEM GOVERNO.
b) Relacione o cercamento de terras ("enclousures"), desenvolvido na Inglaterra, à colonização
da América.
11- (UNESP) No decorrer dos séculos XVI e XVII, as lutas religiosas na Europa provocaram a
separação entre os cristãos, tendo como conseqüências muitos conflitos políticos e sociais. Está
associada a esse movimento religioso:
a)
b)
c)
d)
e)
a colonização de parte do território do que são, atualmente, os Estados Unidos.
a independência das colônias americanas.
a instalação da Inquisição nas colônias espanholas.
a expulsão dos jesuítas das colônias portuguesas.
a ação dos missionários contra a escravidão indígena.
12- (UNESP) Na Idade Moderna, o processo de colonização européia das regiões do continente
HISTÓRIA
113
americano não foi uniforme. Pode-se distingui-las em áreas de
a) colônia de povoamento, ocupada por contingentes de escravos africanos, e de colônia de
exploração indígena.
b) colônia de exploração, baseada na escravidão e na grande propriedade agrícola, e de colônia
de povoamento.
c) produção e de exportação de mercadorias manufaturadas e de importação de matériasprimas européias.
d) domínios políticos, com a submissão da população local, e de domínios econômicos, sendo
garantida a liberdade indígena.
e) exploração econômica de recursos naturais e de catequese das populações nativas por
missionários cristãos.
13- (UEL) Durante a colonização, subjugados os nativos, os europeus montaram estruturas de
dominação e exploração nas Américas Hispânica, Portuguesa e Inglesa, que em muitos aspectos
apresentavam diferenças entre si. Sobre o tema, é correto afirmar:
a) Nas Colônias Inglesas do Norte estabeleceu-se uma economia fundada em três pilares: a
monocultura, a grande propriedade rural e a mão-de-obra escrava.
b) A dominação inglesa, embora tenha elementos semelhantes aos da dominação portuguesa (a
"plantation" de algodão no sul), possibilitou que famílias imigrassem em massa para a
América em face dos problemas políticos e religiosos na metrópole.
c) A Inglaterra utilizou os princípios do liberalismo político e econômico para governar as Treze
Colônias americanas.
d) A dominação espanhola implantou-se a partir de grandes unidades agrícolas de exportação.
e) A colonização portuguesa teve como base pequenas unidades de produção diversificadas.
14- (UFV) O processo de colonização inglesa na América instituiu, nas treze colônias, perceptíveis
diferenças entre as do norte e as do sul. Indique as diferenças entre elas no que se refere às
relações de trabalho e à produção agrícola.
15- (UERJ) Na realidade, nem toda a colonização se desenrola dentro das travas do sistema
colonial. Os sistemas nunca se apresentam, historicamente, em estado puro. (...) A colonização
da Nova Inglaterra se deu fora dos mecanismos definidores do sistema colonial mercantilista, e
(...) fatores específicos (...) deram origem a essa forma de expansão ultramarina: colônias de
povoamento (...). A categoria de colônias que se lhe contrapõe é a de COLÔNIAS de
EXPLORAÇÃO.
(Adaptado de NOVAIS, Fernando A. "Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial" (17771808). São Paulo: Hucitec, 1981.)
Considere a Nova Inglaterra como exemplo de colônia de povoamento e a América Portuguesa
como exemplo de colônia de exploração.
Cite, para cada uma delas, o tipo de propriedade predominante e a principal relação de trabalho.
HISTÓRIA
114
UNIDADE IV: É UMA CASA PORTUGUESA,
COM CERTEZA!
CAPÍTULO 05
ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVO DA
AMÉRICA PORTUGUESA
01- (MACKENZIE) ...Esta terra, senhor, nela não podemos saber que aja ouro nem prata, nem
coisa alguma de metal ou ferro, nem lho vimos (...) o melhor fruto que dela se pode tirar me
parece será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve
lançar. (...), pois o desejo que tinha de tudo vos dizer, mo fez por assim pelo miúdo.
Beijo as mãos de Vossa Alteza.
Deste Porto Seguro, da Vossa Ilha de Vera Cruz, hoje, Sexta-feira, primeiro dia de maio de 1500.
Esses trechos da carta do escrivão Pero Vaz de Caminha apresentam elementos que nos indicam
alguns objetivos das grandes navegações. Dentre esses objetivos, podemos destacar:
a) acabar com a circulação de mercadorias baseada no bulionismo, em decorrência da escassez
de metais preciosos na Europa Ocidental.
b) a conquista de terras para a obtenção de riquezas, através da renda sobre a terra, defendida
pelos teóricos fisiocratas da época.
c) a obtenção de novos mercados de matéria-prima e a política do laissez faire para a ampliação
do fornecimento de produtos manufaturados.
d) o processo de crescimento econômico, através da conquista de novos mercados, a catequese
e a conseqüente afirmação dos Estados Nacionais.
e) a emigração do excedente populacional europeu, decorrente da descentralização política e
investimento de capitais na periferia do sistema capitalista.
02 - (MACKENZIE) Enquanto os portugueses escutavam a missa com muito "prazer e devoção",
a praia encheu-se de nativos. Eles sentavam-se lá surpresos com a complexidade do ritual que
observavam ao longe. Quando D. Henrique acabou a pregação, os indígenas se ergueram e
começaram a soprar conchas e buzinas, saltando e dançando (...) Náufragos Degredados e
Traficantes (Eduardo Bueno)
Este contato amistoso entre brancos e índios preservado:
a) pela Igreja, que sempre respeitou a cultura indígena no decurso da catequese.
b) até o início da colonização quando o índio, vitimado por doenças, escravidão e extermínio,
passou a ser descrito como sendo selvagem, indolente e canibal.
c) pelos colonos que escravizaram somente o africano na atividade produtiva de exportação.
HISTÓRIA
115
d) em todos os períodos da História Colonial Brasileira, passando a figura do índio para o
imaginário social como "o bom selvagem e forte colaborador da colonização".
e) sobretudo pelo governo colonial, que tomou várias medidas para impedir o genocídio e a
escravidão.
03 - (FUVEST) Sobre o Tratado de Tordesilhas, assinado em 7 de junho de 1494, pode-se
afirmar que objetivava
a) demarcar os direitos de exploração dos países ibéricos, tendo como elemento propulsor o
desenvolvimento da expansão comercial marítima.
b) estimular a consolidação do reino português, por meio da exploração das especiarias
africanas e da formação do exército nacional.
c) impor a reserva de mercado metropolitano, por meio da criação de um sistema de monopólios
que atingia todas as riquezas coloniais.
d) reconhecer a transferência do eixo do comércio mundial do Mediterrâneo para o Atlântico,
depois das expedições de Vasco da Gama às Índias.
e) reconhecer a hegemonia anglo-francesa sobre a exploração colonial, após a destruição da
Invencível Armada de Felipe II, da Espanha
04 - (UFMG) Leia o texto.
"As águas são muitas e infindas. E em tal maneira [a terra] é grandiosa que, querendo aproveitála, tudo dará nela, por causa das águas que tem.
Porém, o melhor fruto que dela se pode tirar me parece que será salvar esta gente. E esta deve
ser a principal semente que Vossa Alteza nela deve lançar.
E que não houvesse mais que ter aqui Vossa Alteza esta pousada para a navegação [...], isso
bastava. Mas ainda, disposição para nela cumprir-se - e fazer - o que Vossa Alteza tanto deseja, a
saber o acrescentamento da nossa Santa Fé!"
(Carta de Pero Vaz de Caminha, 1 de maio de 1500.)
Com base nesse trecho da carta de Caminha, o descobrimento do Brasil pode ser relacionado
a)
b)
c)
d)
à procura de produtos para o comércio no Continente Europeu.
ao ideal de expansão religiosa do cristianismo.
à divisão do cristianismo pela Reforma Religiosa.
à procura do caminho marítimo para as Índias.
05 - (UNICAMP) A base da tese de que o Brasil teria sido descoberto por Duarte Pacheco em
1498 gira em torno de seu manuscrito intitulado "Esmeraldo de situ orbis" produzido entre 1505 e
1508. Trata-se de um relato das viagens de Duarte Pacheco não só ao Brasil como também à
costa da África, principal fonte de riqueza de Portugal no século XV. O rei Dom Manoel I
considerou tão valiosas as informações náuticas, geográficas e econômicas contidas no
documento que jamais permitiu que esse fosse tornado público.
(Adaptado de: ISTO É. 26 de novembro de 1997. pp.65-66)
a) Em que o relato de Duarte Pacheco altera a versão oficial do descobrimento do Brasil?
HISTÓRIA
116
b) Por que, no contexto da expansão ultramarina, Portugal procurou manter este relato em
segredo?
c) Quais os interesses de Portugal com a expansão ultramarina?
06 - (FUVEST) Os portugueses chegaram ao território, depois denominado Brasil, em 1500, mas a
administração da terra só foi organizada em 1549. Isso ocorreu porque, até então,
a) os índios ferozes trucidavam os portugueses que se aventurassem a desembarcar no litoral,
impedindo assim a criação de núcleos de povoamento.
b) a Espanha, com base no Tratado de Tordesilhas, impedia a presença portuguesa nas
Américas, policiando a costa com expedições bélicas.
c) as forças e atenções dos portugueses convergiam para o Oriente, onde vitórias militares
garantiam relações comerciais lucrativas.
d) os franceses, aliados dos espanhóis, controlavam as tribos indígenas ao longo do litoral bem
como as feitorias da costa sul-atlântica.
e) a população de Portugal era pouco numerosa, impossibilitando o recrutamento de
funcionários administrativos.
07 - (UFRJ) "Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de metal ou
ferro; nem lha vimos. Contudo a terra em si é de muito bons ares frescos e temperados como os
de Entre-Douro e Minho, porque neste tempo dagora assim os achávamos como os de lá. (As)
águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela
tudo; por causa das águas que tem!
Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E
esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar. E que não houvesse mais
do que ter Vossa Alteza aqui esta pousada para essa navegação de Calicute (isso) bastava.
Quanto mais, disposição para se nela cumprir e fazer o que Vossa Alteza tanto deseja, a saber,
acrescentamento da nossa fé!"
("Carta de Pero Vaz Caminha ao Rei de Portugal" em 1°/5/1500.)
HISTÓRIA
117
Seguindo a evidente preocupação de descrever ao Rei de Portugal tudo o que fora observado
durante a curta estadia na terra denominada de Vera Cruz, o escrivão da frota cabralina
menciona, na citada carta, possibilidades oferecidas pela terra recém-conhecida aos portugueses.
Dentre essas possibilidades estão
a) a extração de metais e pedras preciosas no interior do território, área não explorada então
pelos portugueses.
b) a pesca e a caça pela qualidade das águas e terras onde aportaram os navios portugueses.
c) a extração de pau-brasil e a pecuária, de grande valor econômico naquela virada de século.
d) a conversão dos indígenas ao catolicismo e a utilização da nova terra como escala nas
viagens ao Oriente.
e) a conquista de Calicute a partir das terras brasileiras e a cura de doenças pelos bons ares
aqui encontrados.
08 -(MACKENZIE) E então, por cerca de trinta anos, aquele vasto território seria virtualmente
abandonado pela Coroa portuguesa, sendo arrendado para a iniciativa Privada e se tornando uma
imensa fazenda extrativista de pau-brasil. Iriam se iniciar, então, as três décadas menos
documentadas e mais desconhecidas da História do Brasil.
Náufragos, Traficantes e Degredados
- As Primeiras Expedições do Brasil
Assinale o período histórico analisado pelo texto acima e suas características.
a) Período Colonial, caracterizado pela monocultura e economia exportadora de cana-de-açúcar.
b) Economia mineradora, marcada pelo povoamento da área mineira e intensa vida urbana.
c) Período Pré-Colonial, fase de feitorias, economia extrativista, utilização do escambo com os
nativos, ausência de colonização sistemática.
d) Fase da economia cafeeira, com acumulação interna de capitais e sem grandes mudanças na
estrutura de produção.
e) Período Joanino, de grande abertura comercial e profundas transformações culturais.
09 - (UFMG) Leia o texto.
E aproximava-se o tempo da chegada das notícias de Portugal sobre a vinda das suas caravelas,
e esperava-se essa notícia com muito medo e apreensão; e por causa disso não havia
transações, nem de um ducado [...] Na feira alemã de Veneza não há muitos negócios. E isto
porque os Alemães não querem comprar pelos altos preços correntes, e os mercadores
venezianos não querem baixar os preços [...] E na verdade são as trocas tão poucas como se não
poderia prever.
DIÁRIO DUM MERCADOR VENEZIANO, 1508.
O quadro descrito nesse texto pode ser relacionado à
a)
b)
c)
d)
comercialização das drogas do sertão e produtos tropicais da colônia do Brasil.
distribuição, na Europa, da produção açucareira do Nordeste brasileiro.
importação pelos portugueses das especiarias das Índias Orientais.
participação dos portugueses no tráfico de escravos da Guiné e de Moçambique.
HISTÓRIA
118
10 - (MACKENZIE) O sistema de capitanias hereditárias, criado no Brasil em 1534, refletia a
transição do feudalismo para o capitalismo, na medida em que apresentava como característica:
a) a ausência do comércio internacional, aliada ao trabalho escravo e economia voltada para o
mercado interno.
b) uma economia de subsistência, trabalho livre, convivendo com forte poder local
descentralizado.
c) ao lado do trabalho servil, uma administração rigidamente centralizada.
d) embora com traços feudais na estrutura política e jurídica, desenvolveu uma economia
escravista, exportadora, muito distante do modelo de subsistência medieval.
e) uma reprodução total do sistema feudal, transportada para os trópicos.
11 - (PUCCAMP) Os Governos Gerais foram instituídos como a única solução políticoadministrativa viável para a colonização efetiva do Brasil, na segunda metade do século XVI,
porque
a) a instituição do sistema, em 1548, suprimiu definitivamente a divisão da Colônia em
Capitanias Hereditárias.
b) o Governo-Geral representava a centralização político-administrativa da Colônia, que se
tornava imperativa, pelo sucesso da maioria das Capitanias Hereditárias.
c) o risco crescente, criado com a autonomia excessiva das Capitanias Hereditárias, levou o
Estado Metropolitano a organizar o Governo Geral para substituí-las.
d) o Governo centralizado na Colônia correspondia melhor à definição absolutista do próprio
governo metropolitano.
e) o Governo Geral constituía-se, em nível político, como um regime descentralizado e, em nível
econômico, como uma grande empresa particular, estando à sua frente o Governador, o único
responsável pelo investimento inicial e pelo incentivo à produção
12 - (UFRJ) "Eu, o rei, faço saber a vós, Tomé de Sousa, fidalgo de minha Casa, que vendo
quanto serviço de Deus e meu é conservar e enobrecer as capitanias e povoações das Terras do
Brasil (...), ordenei ora de mandar nas ditas terras fazer uma fortaleza e povoação grande e forte,
em um lugar conveniente, para daí se dar favor e ajuda às outras povoações (...); e por ser
informado que a Bahia de Todos os Santos é o lugar mais conveniente da costa do Brasil (...), que
na dita Bahia se faça a dita povoação e assento, e para isso vá uma armada com gente (...) e tudo
o mais que for necessário. E pela muita confiança que tenho em vós (...) vos enviar por
governador às ditas terras do Brasil (...)."
(Regimento de Tomé de Sousa, 17 de dezembro de 1548)
A política administrativa do Estado português no início da colonização estruturou-se a partir da
adoção do sistema de Capitanias Hereditárias e, posteriormente, da criação do Governo-Geral. No
entanto, o verdadeiro poder político na Colônia encontrava-se nas Câmaras Municipais,
dominadas pelos "homens bons".
HISTÓRIA
119
a) Explique uma razão para a adoção do sistema de capitanias hereditárias na colonização do
Brasil.
b) Apresente dois objetivos da criação do Governo Geral pelo Estado português.
c) Cite uma razão da concentração do poder político colonial nas Câmaras
13 - (UFMG) Leia estes trechos de documentos:
I -E logo os ditos procuradores dos ditos senhores reis e rainha de Castela, de Leão, de Aragão,
de Sicília, de Granada [...] e do dito senhor rei de Portugal e Algarves [...] disseram: que visto
como entre os ditos senhores seus constituintes há certa divergência sobre o que a cada uma das
ditas partes pertence do que até hoje [...] está por descobrir no Mar Oceano.
II. Irá diretamente à Bahia, e logo que chegue, deve apossar-se da cerca ou fortificação que havia
feito o donatário Francisco Pereira Coutinho [...] Todavia, como consta que esse local não é dos
mais apropriados, o estabelecimento que fizer nele será de natureza provisória - e deve escolher
outro mais pela baía dentro [...] com que pelo tempo adiante venha a povoação a ser a cabeça de
todas as capitanias.
III. O modo que os Padres da Companhia tiveram sempre [...] foi ajudá-los assim no temporal
como no espiritual [...] Ensinavam-lhes os Padres todos os dias pela manhã a doutrina, esta geral,
e lhes dizem missa para os que a quiserem ouvir antes de irem para suas roças; depois disto
ficam os meninos na escola, onde aprendem a ler e escrever, contar e outros bons costumes
pertencentes à política cristã.
IV. E de modo como se avier com [eles] depende o tê-los bons ou maus para o serviço. Por isso é
necessário comprar cada ano algumas peças, e reparti-las pelos partidos, roças, serrarias e
barcas. E porque, comumente são de nações diversas, e uns mais boçais que outros, e de figuras
muito diferentes, há de fazer-se repartição com reparo e escolha, e não às cegas.
Nos trechos I, II, III e IV, faz-se referência, respectivamente,
HISTÓRIA
120
a) ao Tratado de Tordesilhas; ao estabelecimento do Governo Geral; à catequese do gentio; à
escravidão negra.
b) à expansão ultramarina portuguesa quatrocentista; à fundação da França Antártica; aos
fundamentos cristãos dos colégios da América Portuguesa; à diversidade econômica do Brasil
colonial.
c) à separação do Condado Portucalense de Castela; à divisão da América Portuguesa em
capitanias hereditárias; às escolas coloniais de primeiras letras; ao apresamento de índios
tapuias.
d) ao financiamento da frota de Colombo; à transferência da sede da América Portuguesa para o
Rio de Janeiro; à cristianização dos negros; às reduções jesuíticas.
14 - (PUCRS) Para responder à questão, analisar as afirmativas que seguem, sobre o poder no
Brasil Colônia.
I. A administração da Colônia estava baseada num sistema centralizado e linear de poderes, que
subordinava diretamente as Câmara Municipais ao Conselho Ultramarino.
II. Havia uma separação entre os poderes da Igreja e do Estado, este último governando de forma
absoluta a sociedade colonial através das Ordenações Manuelinas.
III. As enormes distâncias e as dificuldades de comunicação provocavam uma longa demora nas
decisões e prejudicavam a eficiência da máquina administrativa.
IV. A administração local estava a cargo das Câmaras Municipais, cuja instalação dependia de
autorização régia, que agiam conforme os interesses da oligarquia dos "homens bons".
Pela análise das alternativas, conclui-se que somente estão corretas
a)
b)
c)
d)
e)
I e II.
I e IV.
II, III e IV.
II e III.
III e IV.
15 - (PUCCAMP) Leia o texto.
(...) a primeira preocupação dos Estados colonizadores será de resguardar a área de seu império
colonial em face das demais potências; a administração se fará a partir da metrópole, e a
preocupação fiscal dominará todo o mecanismo administrativo. Mas a medula do sistema, seu
elemento definidor, reside no monopólio do comércio colonial.
(Fernando A Novais. O Brasil nos quadros do antigo sistema colonial. ln: Dea Ribeiro
Fenelon. "50 textos de História do Brasil". São Paulo: Hucitec, 1974. p. 28)
A partir da análise do texto e do conhecimento histórico, pode-se afirmar que
a) a política administrativa no Brasil colonial restringia-se ao recolhimento dos tributos para
Portugal.
b) a organização político-administrativa no Brasil colonial atendia aos interesses mercantilistas
de Portugal.
c) a administração do poder privado no Brasil colonial estava dissociado dos mecanismos do
poder da metrópole.
d) os mecanismos da administração portuguesa não permitiram a constituição de câmaras
municipais no Brasil colonial.
e) a organização administrativa no Brasil colonial dependia da quantidade de impostos
arrecadados pela metrópole.
HISTÓRIA
121
16 - (MACKENZIE) Do rei os donatários não recebiam mais do que a própria terra e os poderes
para conquistá-la. (Eduardo Bueno - "Capitães do Brasil")
Assinale a alternativa correta sobre o sistema de colonização citado no texto.
a) O sistema de capitanias tinha por objetivo, solucionar a questão demográfica em Portugal,
deslocando para a colônia o excedente de população.
b) Pernambuco e São Vicente foram as capitanias bem sucedidas, graças ao apoio francês ao
comércio do açúcar e extrativismo de pau-brasil.
c) Financiado totalmente pelo governo português, fracassou em virtude da péssima
administração.
d) As lutas contra nativos, longas distâncias, falta de recursos, levaram o sistema ao fracasso;
embora seu legado como o latifúndio e a estrutura social excludente tenham sido duradouros
em nosso país.
e) A excelente situação econômica de Portugal facilitou o apoio aos donatários que reproduziram
no Brasil o sistema feudal europeu.
CAPÍTULO 06
ATIVIDADES ECONÔMICAS
01 - (UNIRIO) "Os colonizadores utilizaram a mão-de-obra indígena para construir suas cidades e
instalar suas missões. Ao ensinar, acabaram por aprender, favorecendo um profundo processo de
assimilação cultural iniciado pelo confronto."
(Silva, Janice Theodoro da. "Descobrimento e Colonização", São Paulo, Ed. Ática, 1987.)
A nossa identidade foi forjada durante todo o período colonial e teve como matriz o encontro e o
confronto de culturas distintas. Observando a sociedade brasileira atual com base no fato exposto
pela afirmativa acima, verificamos que a cultura:
a) indígena passou por um processo de aculturação tão bem feito que não podemos identificar
nenhum de seus traços na cultura brasileira atual.
b) brasileira apresenta-se como cultura "pura", pelo fato de a cultura européia ter sido dominada
pela indígena.
c) européia foi tão influenciada pela cultura indígena que só o idioma português ficou como
herança européia na cultura brasileira.
d) brasileira tem como marca a "mestiçagem cultural", em que traços da cultura indígena se
misturaram com traços europeus e africanos.
e) indígena, apesar de ter sido dominada pela européia, deixou como herança a família
monogâmica e matriarcal.
02 - (FUVEST) Foram características dominantes da colonização portuguesa na América:
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
e)
122
pequenas unidades de produção diversificada, comércio livre e trabalho compulsório.
grandes unidades produtivas de exportação, monopólio do comércio e escravidão.
pacto colonial, exploração de minérios e trabalho livre.
latifúndio, produção monocultora e trabalho assalariado de indígenas.
exportação de matérias-primas, minifúndio e servidão.
03 - (PUCMG) A sociedade do açúcar que se constituiu no decorrer dos dois primeiros séculos
após o descobrimento das terras brasileiras foi marcada:
a)
b)
c)
d)
pela ocupação da região central da colônia, levando à interiorização do povoamento.
pela diversidade de segmentos sociais e pela mobilidade social dos seus integrantes.
pelo domínio do trabalho escravo, reforçando o seu caráter discriminatório e autoritário.
pelo desenvolvimento de um mercado interno diversificado, permitindo um maior fluxo da
renda.
e) pela integração harmoniosa de componentes culturais tanto dos colonizados quanto dos
colonizadores.
04 - (PUCRS) Responder à questão com base nas afirmativas a seguir, sobre o período colonial
brasileiro.
I. A sociedade açucareira pode ser vista como um exemplo típico do modo de produção colonial,
sendo regulada pelas rígidas regras do "Pacto Colonial" e baseada no sistema de "plantation".
II. A sociedade mineradora representou o rompimento definitivo do "Pacto Colonial", pela
crescente autonomia que o ouro proporcionava à Colônia, devido ao acúmulo de riquezas e aos
investimentos no setor manufatureiro.
III. A produção de açúcar, durante o século XVIII, teve um crescimento significativo, devido à
expulsão dos holandeses de Pernambuco e à descoberta do
ouro, o que propiciou melhores condições e maiores recursos para investir na lavoura canavieira.
IV. A descoberta de ouro no Brasil colonial só foi possível em conseqüência da interiorização da
colonização portuguesa, a partir dos movimentos bandeirantes, o que gerou importantes
mudanças na sociedade colonial brasileira ao longo do século XVIII.
V. Mesmo após a descoberta do ouro, em fins do século XVII, a estrutura sócio-econômica do
Brasil colonial manteve-se atrelada ao setor primário-exportador, sendo ainda a cana-de-açúcar
um importante produto de exploração metropolitana.
A análise das afirmativas permite concluir que está correta a alternativa
a)
b)
c)
d)
e)
I, II e III
I, IV e V
II, III e IV
II, IV e V
III, IV e V
05 - (PUC-RIO) No decorrer de trezentos anos, a colonização portuguesa na América deu origem
a diferentes regiões coloniais, como a região da lavoura açucareira, no litoral oriental, no século
XVI; a região pastoril, no "Sertão" do Nordeste, no século XVII; a região de coleta das "drogas do
sertão", no Vale amazônico, na segunda metade do século XVII; e a região de mineração, no
centro do território, no século XVIII, entre outras.
Escolha duas regiões coloniais e responda o que se pede a seguir:
I) Formas de organização da principal atividade econômica.
HISTÓRIA
123
II) Padrões de relacionamento entre os colonizadores e colonos de origem européia e a população
indígena.
06 - (UNICAMP) O trecho a seguir foi adaptado de "Roteiro do Maranhão a Goiaz", um escrito
anônimo de 1780:
As colônias são estabelecidas para a utilidade da Metrópole. Os habitantes da colônia devem
ocupar-se em cultivar e adquirir as produções naturais, ou matérias-primas, que serão exportadas
para a Metrópole, a qual não só irá se servir delas, mas, aperfeiçoando-as, poderá também tirar
das colônias o preço da mão-de-obra e comercializar o supérfluo com as nações estrangeiras.
a) Caracterize as funções das colônias do ponto de vista das metrópoles.
b) De acordo com o texto, como as metrópoles utilizavam a produção colonial?
c) Descreva, a partir do texto, o processo de obtenção do lucro pelas metrópoles.
HISTÓRIA
124
07 - (FUVEST) No século XVIII, o governo português incorporou a maior parte da Amazônia ao
seu domínio. A ampliação dessa fronteira da colônia portuguesa deveu-se
a)
b)
c)
d)
e)
aos acordos políticos entre Portugal e França.
às lutas de resistência das populações indígenas.
ao início da exploração e exportação da borracha.
à expulsão dos jesuítas favoráveis à dominação espanhola.
à exploração e comercialização das drogas do sertão.
08 - (FUVEST) "Os que trazem [o gado] são brancos, mulatos e pretos, e também índios, que com
este trabalho procuram ter algum lucro. Guiam-se indo uns adiante cantando, para serem
seguidos pelo gado, e outros vêm atrás das reses, tangendo-as, tendo o cuidado que não saiam
do caminho e se amontoem"
Antonil, "Cultura e opulência do Brasil", 1711.
O texto expressa uma atividade econômica característica
a)
b)
c)
d)
e)
do sertão nordestino, dando origem a trabalhadores diferenciados do resto da colônia.
de regiões canavieiras onde se utilizava mão-de-obra disponível na entre-safra do açúcar.
de todo o território da América portuguesa onde era fácil obter mão-de-obra indígena e negra.
das regiões do nordeste, produtoras de charque, que empregavam mão-de-obra assalariada.
do sul da colônia, visando abastecer de carne a região açucareira do nordeste.
09 - (PUCSP) "O que o canavial sim aprende do mar:
o avançar em linha rasteira da onda,
o espraiar-se minucioso, de líquido,
alagando cova a cova onde se alonga.
O que o canavial não aprende do mar:
o desmedido do derramar-se da cana;
o comedimento do latifúndio do mar,
que menos lastradamente se derrama."
João Cabral de Melo Neto, O mar e o canavial, in "A educação pela pedra. Antologia
poética". Rio de Janeiro, José Olympio Editora, 1989, p. 9.
João Cabral, recifense, relacionou, no fragmento de poema acima, mar e canavial. A associação
considera semelhanças e diferenças entre eles e pode ser compreendida se considerarmos que
a) "o avançar em linha rasteira" do canavial é uma menção à expansão da produção açucareira
na região Nordeste e especialmente no Estado de Pernambuco iniciada no período colonial e
encerrada no Império.
b) o mar e as praias de Pernambuco sempre foram, ao lado da cana, as únicas fontes de riqueza
da região Nordeste, desde o período colonial até os dias de hoje.
c) "o desmedido do derramar-se da cana" é uma referência crítica à organização da produção
açucareira em latifúndios, unidades produtoras de grande porte.
d) as lavouras de cana sempre estiveram localizadas no interior de Pernambuco, distantes do
litoral, e a relação com o mar é para mostrar a totalidade geográfica do Estado.
e) "alagando cova a cova onde se alonga" é uma sugestão de que o plantio da cana, assim
como o mar, provocou, ao longo de sua história, muitas mortes.
HISTÓRIA
125
10 - (UNICAMP) "A Amazônia selvagem sempre teve o dom de impressionar a civilização
distante. Desde os primeiros tempos da Colônia, as mais imponentes expedições e solenes visitas
pastorais rumavam de preferência às suas plagas desconhecidas. Para lá os mais veneráveis
bispos, os mais garbosos capitães-generais, os mais lúcidos cientistas."
(Euclides da Cunha,"À Margem da História", São Paulo, Cultrix, 1975, p.32.)
a) Explique como ocorreu a ocupação da Amazônia desde o período colonial até o século XIX.
b) Caracterize a principal atividade econômica da Amazônia, entre o final do século XIX e as
primeiras décadas do século XX.
11 - (UFPE) As razões que fizeram com que no Brasil colonial e mesmo durante o império a
escravidão africana predominasse em lugar da escravidão dos povos indígenas, podem ser
atribuídas a:
a) setores da Igreja e da Coroa se opunham à escravização indígena; fugas, epidemias e a
legislação antiescravista indígena tornou-a menos atraente e lucrativa.
b) religião dos povos indígenas, que, proibia o trabalho escravo. Preferiam morrer a ter que se
submeterem às agruras da escravidão que lhes era imposta nos engenhos de açúcar ou
mesmo em outros trabalhos.
c) Reação dos povos indígenas, que por serem bastante organizados e unidos, toda vez que se
tentou capturá-los, eles encontravam alguma forma de escapar ao cerco dos portugueses.
d) a ausência de comunicação entre os portugueses e os povos indígenas e a dificuldade de
acesso ao interior do continente, face ao pouco conhecimento que se tinha do território e das
línguas indígenas.
e) um enorme preconceito que existia do europeu em relação ao indígena, e não em relação ao
africano, o que dificultava enormemente o aproveitamento do indígena em qualquer atividade.
12 - (PUCMG) Apesar dos esforços metropolitanos no sentido de evitar a escravização dos índios
nas terras brasileiras, variados mecanismos foram utilizados pelos colonos para garantir a
utilização da mão-de-obra nativa durante o período colonial. Dentre eles podemos destacar,
exceto:
a)
b)
c)
d)
o estabelecimento da condição de "administrado".
as "guerras justas" travadas contra as tribos hostis.
a ação missionária jesuítica, evangelizando o gentio.
as expedições de apresamento realizadas pelos bandeirantes.
HISTÓRIA
126
13 - (UNICAMP) A conquista e a posse das terras no Brasil Colonial foram feitas por particulares
que deviam lealdade ao rei de Portugal.
a) Comparando os dois mapas, identifique a mudança territorial do Brasil entre os séculos XVI e
XVII.
b) Quais as principais atividades econômicas que promoveram tal mudança?
c) Qual foi a política utilizada pela Metrópole para a distribuição das terras no Brasil Colonial?
14 - (UFC) Leia com atenção.
"Essa primazia acentuada da vida rural concorda bem com o espírito da dominação portuguesa,
que renunciou a trazer normas imperativas e absolutas, que cedeu todas as vezes que as
conveniências imediatas aconselharam a ceder, que cuidou menos em construir, planejar ou
plantar alicerces, do que em feitorizar uma riqueza fácil e quase ao alcance da mão."
(HOLANDA, Sérgio Buarque de. "Raízes do Brasil". 6 ヘ ed. Rio de Janeiro: José
Olympio, 1971, p. 61.)
Este texto nos remete a algumas características das primeiras fases da colonização portuguesa
no Brasil, entre as quais podemos assinalar:
a) A atividade mineira, com a descoberta das minas de ouro ainda no século XVI, e a construção
planejada das cidades.
b) A grande agricultura de exportação, criando cidades como simples entrepostos de comércio
para a metrópole, e a intensa exploração da mão-de-obra.
c) A racionalidade urbana, com as plantas das cidades cuidadosamente planejadas a partir do
modelo de Lisboa, e a atividade agrícola intensiva.
HISTÓRIA
127
d) A cultura do café, baseada no trabalho escravo, e a manufatura do açúcar, empreendida com
trabalho livre.
e) A implementação de uma ampla política de colonização no Brasil, com a introdução de
escolas e universidades e a criação de centros de formação profissional para o trabalho nos
engenhos.
15 - (PUCCAMP) No Brasil colonial, nos engenhos chamados reais, a moenda era hidráulica e
não movida por uma junta de bois, como nos engenhos trapiches. Embora isso tenha
representado um avanço técnico, o engenho real não era muito difundido porque
I. o vulto do investimento para a sua instalação era muito maior do que ocorria no caso do
engenho trapiche.
II. a utilização de energia não-alimentar para produção de energia alimentar não seria econômica.
III. os senhores de engenho ficavam na dependência da hidrografia local, e nem sempre as
condições eram propícias.
IV. nos trapiches podia-se substituir o boi pelo cavalo, sem prejuízo da área cultivada para a
alimentação do homem.
Pode-se afirmar que somente
a)
b)
c)
d)
e)
II e IV estão corretas.
I e III estão corretas.
I e II estão corretas.
IV está correta.
III está correta.
CAPÍTULO 07
A PRESENÇA HOLANDESA NAS CAPITANIAS DO AÇÚCAR
01 - (UNICAMP) Entre 1580 e 1640, Portugal enfrentou uma delicada situação política: de um
lado, passou a pertencer à União Ibérica e, de outro, viu os holandeses dominarem Pernambuco,
através da Companhia das Índias Ocidentais, a partir de 1630.
a) O que foi a União Ibérica?
b) Dê três motivos para a invasão holandesa no Brasil.
HISTÓRIA
128
02 - (UFRS) "Motivos por que a Companhia das Índias Ocidentais deve tentar tirar ao rei da
Espanha a terra do Brasil e lista de tudo o que o Brasil pode produzir anualmente".
Este título de livro da época nos dá uma visão do espírito que norteou o movimento das invasões
holandesas. Sobre estas podemos afirmar que
a) a política de invasões dos holandeses visava restabelecer o protecionismo ao comércio
colonial, porque os produtos brasileiros só podiam ser comprados pelos comerciantes
espanhóis.
b) a criação da Companhia das Índias Ocidentais visava romper o bloqueio econômico português
que impedia o livre comércio do açúcar.
c) os planos dos holandeses visavam à reapropriação dos lucros da distribuição e venda do
açúcar brasileiro, prejudicados pela dominação filipina sobre Portugal.
d) a hegemonia holandesa já estava estabelecida na Europa e era necessário agora ocupar a
área açucareira com trabalhadores livres.
e) os espanhóis, ao dominarem o Brasil, pretendiam desenvolver uma colonização fora do
sistema mercantilista, e isto era lesivo aos interesses da Companhia das Índias Ocidentais.
03 - (MACKENZIE) Dentre as conseqüências da expulsão dos holandeses do Brasil no século
XVII, destacamos:
a) o crescimento da produção açucareira, graças às novas técnicas aprendidas com os
holandeses.
b) o desaparecimento da oposição senhor e escravo, em função da luta contra o invasor batavo.
c) o declínio da produção açucareira do nordeste, devido à concorrência do açúcar holandês
produzido nas Antilhas.
d) o alinhamento de Portugal à França, potência hegemônica da época.
e) o abrandamento das restrições do pacto colonial e a concessão de maior liberdade de
comércio.
04 - (MACKENZIE) O desenvolvimento do ciclo de preação ao índio no banderismo vicentino,
durante as invasões holandesas no século XVII, explica-se porque:
a) os holandeses passaram a controlar as regiões africanas fornecedoras de escravos,
impedindo o tráfico negreiro para área portuguesa, gerando assim a procura de escravos
indígenas nas áreas sob domínio português.
b) os invasores holandeses substituíram o escravo negro pelo índio, mais habituado à produção
de excedentes.
c) os portugueses sempre preferiram a escravidão indígena, que traziam lucros para a colônia.
d) os vicentinos, devido à abundância de escravos negros na região, relutaram em aceitar
escravos indígenas.
e) os bandeirantes paulistas aprisionaram somente indígenas destribalizados, poupando as
missões jesuítas de seus ataques.
05 - (UFRJ) "Eia, estamos na Bahia,
onde agrada a adulação,
onde a verdade é baldão
e a virtude hipocrisia:
sigamos esta harmonia
de tão fátua consonância,
e inda que seja ignorância
seguir erros conhecidos,
sejam-me a mim permitidos
se em ser besta está a ganância"
HISTÓRIA
129
MATOS, Gregório de. ln: HANSEN, João Adolfo. "A sátira e o engenho": Gregório de
Matos e a Bahia do Século XVII. São Paulo, Cia. das Letras, 1989. p.34.
Os poemas satíricos de Gregório de Matos constituem uma das expressões do que veio a se
definir como Barroco Brasileiro. Nos versos acima, o poeta aponta a adulação e a ganância como
traços negativos de comportamento, que revelariam uma crise de valores na colônia naquele
momento. Gregório de Mattos morreu em 1695-96, tendo acompanhado a retomada da empresa
colonizadora portuguesa após o término da Unificação Ibérica.
a) Apresente uma característica da crise econômica na colônia, na segunda metade do século
XVII.
b) Mencione uma das formas de controle criadas pelo Estado português para manter a
dominação sobre a área colonial americana na época citada.
06 - (UFRN) No Brasil colonial, a ocupação holandesa da costa nordeste está inserida num
contexto de disputa mercantilista entre as potências européias.
Nesse sentido, é correto afirmar que o Rio Grande do Norte,
a) mesmo sendo um pequeno produtor açucareiro, contribuiria com uma grande produção
algodoeira, importante para as trocas mercantis.
b) apesar de sua produção açucareira pouco expressiva, foi tomado pelos holandeses para
assegurar o controle estratégico da nova colônia.
c) por ter grandes rebanhos de gado, atraiu a cobiça de franceses e holandeses que disputavam
o controle da pecuária bovina para o mercado europeu.
d) por sua posição geográfica privilegiada, interessava muito aos holandeses, pois facilitaria o
apoio a seus navios.
07 - (UEL) "(...) As conseqüências da ruptura do sistema cooperativo anterior serão, entretanto,
muito mais duradouras que a ocupação militar. Durante sua permanência no Brasil, (...) eles
adquiriram o conhecimento de todos os aspectos técnicos e organizacionais da indústria
açucareira. Esses conhecimentos vão constituir a base para a implantação e desenvolvimento de
uma indústria concorrente, de grande escala, na região do Caribe. A partir desse momento,
estaria perdido o monopólio, que nos três quartos de século anteriores assentara na identidade de
interesse entre os produtores portugueses e os grupos financeiros (...) que controlavam o
comércio europeu(...)".
O texto descreve um fenômeno ligado, no Brasil,
a) aos reflexos da Abertura dos Portos e às revoltas nativistas.
b) aos resultados da invasão francesa e à expulsão dos jesuítas.
HISTÓRIA
130
c) ao domínio espanhol e à expulsão dos holandeses do Nordeste.
d) aos tratados de comércio e aos privilégios da burguesia inglesa.
e) ao Bloqueio Continental e à transferência da Corte Portuguesa. no caminho para as Antilhas.
08- (UFRJ) "(...) Assim, antes de partir de França, Villegagnon prometeu a alguns honrados
personagens que o acompanharam, fundar um puro serviço de Deus no lugar em que se
estabelecesse. E depois de aliciar os marinheiros e artesãos necessários, partiu em maio de
1555, chegando ao Brasil em novembro, após muitas tormentas e toda a espécie de dificuldades.
Aí aportando, desembarcou e tratou imediatamente de alojar-se em um rochedo na
embocadura de um braço de mar ou rio de água salgada a que os indígenas chamavam
Guanabara e que (como descreverei oportunamente) fica a 23° abaixo do equador, quase à altura
do Trópico de Capricórnio. Mas o mar daí o expulsou. Constrangido a retirar-se avançou quase
uma légua em busca de terra e acabou por acomodar-se numa ilha antes deserta, onde, depois
de desembarcar sua artilharia e demais bagagens, iniciou a construção de um forte, a fim de
garantir-se tanto contra os selvagens como contra os portugueses que viajavam para o Brasil e aí
já possuem inúmeras fortalezas".
IN: LÉRY, Jean. DE VIAGEM À TERRA DO BRASIL. Rio de Janeiro, Bibliex, 1961, pp. 51
"(... ) Por esse tempo, agitava-se importante controvérsia entre os dirigentes da Companhia (Cia.
Das Índias Ocidentais), a qual se travou principalmente entre as câmaras da Holanda e da
Zelândia. Versava sobre se seria proveitoso à Companhia franquear o Brasil ao comércio privado,
ou se devia competir a ela tudo o que se referisse ao comércio e às necessidades dos habitantes
daquela região. Cada um dos dois partidos sustentava o seu parecer. Os propugnadores do
monopólio escudavam-se com o exemplo da Cia. Oriental, usando o argumento de que se
esperariam maiores lucros, se apenas a Cia. comerciasse, porque, com o tráfico livre, dispersarse-ia o ganho entre muitos, barateando as mercadorias pela concorrência".
IN: BARLÉU, Gaspar. HISTÓRIA DOS FEITOS RECENTEMENTE PRATICADOS DURANTE OITO ANOS
NO BRASIL. São Paulo, Ed. ltatiaia, 1974, pp.90
Ao longo dos séculos XVI, XVII e início do XVIII, várias potências européias invadiram a América
Portuguesa. Houve breves invasões e atos de pirataria ao longo do litoral no início do século XVI.
Posteriormente outras invasões iriam adquirir características diferenciadas. As formas de invasão
e ocupação, assim como estratégias e interesses econômicos seriam diversos.
a) Aponte duas razões para a invasão e o estabelecimento colonial de franceses (a França
Antártica) no litoral do Rio de Janeiro entre 1555 e 1567.
b) Identifique o principal interesse da Cia. das Índias Ocidentais na invasão de Pernambuco, em
1634.
09- (UEL) "(...) As conseqüências da ruptura do sistema cooperativo anterior serão, entretanto,
muito mais duradouras que a ocupação militar. Durante sua permanência no Brasil, (...) eles
adquiriram o conhecimento de todos os aspectos técnicos e organizacionais da indústria
açucareira. Esses conhecimentos vão constituir a base para a implantação e desenvolvimento de
HISTÓRIA
131
uma indústria concorrente, de grande escala, na região do Caribe. A partir desse momento,
estaria perdido o monopólio, que nos três quartos de século anteriores assentara na identidade de
interesse entre os produtores portugueses e os grupos financeiros (...) que controlavam o
comércio europeu(...)".
O texto descreve um fenômeno ligado, no Brasil,
a)
b)
c)
d)
e)
aos reflexos da Abertura dos Portos e às revoltas nativistas.
aos resultados da invasão francesa e à expulsão dos jesuítas.
ao domínio espanhol e à expulsão dos holandeses do Nordeste.
aos tratados de comércio e aos privilégios da burguesia inglesa.
ao Bloqueio Continental e à transferência da Corte Portuguesa.
10- (UFF) O domínio holandês no Brasil, sobretudo no governo de Maurício de Nassau, foi
marcado por grande desenvolvimento cultural e artístico. Tal processo pode ser relacionado a
características peculiares da República das Províncias Unidas no século XVII.
Relativamente a este momento histórico é incorreto afirmar:
a) A assimilação da arte, identificada mais fortemente na produção artística de Rembrandt,
testemunhou o poderio da burguesia holandesa do período.
b) Os holandeses viviam num república descentralizada que encorajava não só a eficiência
econômica, como também o florescimento das artes e ciências.
c) O calvinismo foi o fator determinante para o desenvolvimento do capitalismo holandês.
d) A cultura holandesa era mais receptiva às inovações, assim como os elementos estrangeiros.
e) A inexistência de uma corte contribuiu para que a burguesia holandesa não assimilasse, mais
efetivamente, o consumismo exacerbado ditado pelos padrões culturais europeus.
CAPÍTULO 08
A MINERAÇÃO NO BRASIL COLONIAL
01- (UFV) O Marquês de Pombal, ministro do rei D. José I (1750-1777), foi o responsável por uma
série de reformas na economia, educação e administração do Estado e do império português,
inspiradas na filosofia iluminista e na política econômica do mercantilismo, cabendo a ele a
expulsão dos padres jesuítas da Companhia de Jesus dos domínios de Portugal.
O Marquês de Pombal foi um dos representantes do chamado:
a)
b)
c)
d)
e)
Despotismo Esclarecido.
Socialismo Utópico.
Socialismo Científico.
Liberalismo.
Parlamentarismo Monárquico.
02- (UFV) Em finais do século XVI e durante o século XVII, inúmeras expedições percorreram os
sertões brasileiros, partindo principalmente da Capitania de São Paulo. Tais expedições ficaram
conhecidas como "bandeiras", e seus componentes, "bandeirantes". O objetivo principal das
bandeiras era:
a)
b)
c)
d)
encontrar um novo caminho para as Índias Orientais.
abastecer as regiões mineradoras das Minas Gerais.
combater as incursões dos colonos espanhóis na fronteira do Rio Grande do Sul.
destruir os quilombos de escravos fugidos das grandes fazendas de café.
HISTÓRIA
132
e) apresar índios e buscar ouro e pedras preciosas.
03- (UECE) Dentre as principais medidas tomadas pelo Marquês de Pombal com relação à
colonização do Brasil, pode-se assinalar corretamente:
a) permissão para a criação de manufaturas e indústrias no Brasil, liberalização dos impostos
alfandegários sobre os produtos brasileiros e maior controle sobre as atividades religiosas.
b) criação de Companhias de Comércio, expulsão dos jesuítas e maior pressão fiscal sobre as
áreas produtoras de ouro.
c) transferência da capital da colônia do Rio de Janeiro para Salvador, expulsão da Companhia
de Jesus dos territórios portugueses e criação de mesas de negociação de impostos com os
produtores de ouro.
d) extinção dos monopólios comerciais estatais, assinatura de acordos com a Igreja sobre a
ação dos jesuítas e transferência da capital da colônia de Salvador para o Rio de Janeiro.
04 - (UFU) A atividade bandeirante marcou a atuação dos habitantes da Capitania de São Vicente
entre os séculos XVI e XVIII.
A esse respeito, assinale a alternativa correta.
a) Buscando capturar o índio para utilizá-lo como mão-de-obra ou para descobrir minas de
metais e pedras preciosas, o chamado bandeirismo apresador e o prospector foram
importantes para a ampliação dos limites geográficos do Brasil colonial.
b) As bandeiras eram empresas organizadas e mantidas pela Metrópole, com o objetivo de
conquistar e povoar o interior da colônia, assim como garantir, efetivamente, a posse e o
domínio do território.
c) As chamadas bandeiras apresadoras tinham uma organização interna militarizada e eram
compostas exclusivamente por homens brancos, chefiados por uma autoridade militar da
Coroa.
d) O que explicou o impulso do bandeirismo no século XVII foi a assinatura do tratado de
fronteiras com a Espanha, que redefiniu a Linha de Tordesilhas e abriu as regiões de Mato
Grosso até o Rio Grande do Sul, possibilitando a conquista e a exploração portuguesa.
e) Derivado da bandeira de apresamento, o sertanismo de contrato era uma empresa particular,
organizada com o objetivo de pesquisar indícios de riquezas minerais, especialmente nas
regiões de Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais.
05- (UFMG) Antonil, jesuíta que viveu no Brasil, no período colonial, destacou a importância da
posse de escravos, descrevendo-os como "as mãos e os pés do senhor...".
Na perspectiva da economia colonial, essa importância pode ser confirmada pela vinculação entre
o número de escravos possuídos e a doação de
a)
b)
c)
d)
capitanias hereditárias, lotes de terras em que foi dividida a Colônia.
datas de ouro, lotes de terra destinados à exploração mineral.
sesmarias, para exploração, de acordo com o Regimento de Tomé de Souza.
títulos de nobreza, necessários à obtenção de terras para a agricultura.
06- (UFMG) Leia o trecho de documento.
Senhor. Sendo como é a obrigação a primeira virtude, porque importa pouco zelar cada um o seu
patrimônio, e descuidar-se da utilidade alheia quando lhe está recomendada, se nos faz preciso
representar a Vossa Majestade a opressão universal dos moradores destas Minas involuta no
arbítrio atual de se cobrarem os [impostos] de Vossa Majestade devidos, podendo ser pagos com
alguma suavidade de outra forma sem diminuição do que por direito está Vossa Majestade
HISTÓRIA
133
recebendo, na consideração de que sejam lícitos os fins se devem abraçar os meios mais
toleráveis...
REPRESENTAÇÃO DO SENADO DA CÂMARA DE VILA RICA AO REI DE PORTUGAL,
26 de dezembro de 1742.
Nesse trecho, os oficiais da Câmara de Vila Rica estão-se referindo à cobrança do
a) dízimo eclesiástico, imposto que incidia sobre os diamantes extraídos no Distrito Diamantino.
b) foro enfitêutico, tributo cobrado proporcionalmente à extensão das sesmarias dos
mineradores.
c) quinto do ouro, imposto cobrado por meio da capitação, que taxava também outras atividades
econômicas.
d) subsídio voluntário, destinado a cobrir as despesas pessoais do Rei de Portugal.
07 - (UFMG) Leia este trecho de documento:
Mando que todos e quaisquer naturais ou moradores dos meus reinos e domínios de
qualquer estado, sexo ou condição que seja que (na boa fé de que se trata somente de
espiritualidade) se acharem ou incorporados na dita companhia chamada de Jesus ou nela
professar ou associar a alguma confraria que haja sido estabelecida debaixo da direção da
mesma companhia, sejam obrigados debaixo de penas a se manifestarem aos juízes e
magistrados, depois dos quais serão as penas irremissivelmente neles executadas.
Palácio de Nossa Senhora D'Ajuda, 28 de agosto de 1767.
Esse trecho faz referência à conjuntura da
a) expulsão dos jesuítas das colônias portuguesas, em razão da política do Reino de reafirmar a
subordinação da Igreja ao Estado.
b) guerra entre Portugal e França, devido ao avanço das idéias defendidas pelos huguenotes
nos reinos portugueses.
c) proibição da presença de ordens religiosas regulares nos países ibéricos, determinada pela
bula papal Animarum Saluti.
d) visitação do Santo Ofício aos domínios ultramarinos de Portugal, em busca de hereges,
integrantes de confrarias e irmandades.
08 - (UNESP) "Nossa milícia, Senhor, é diferente da regular que se observa em todo o mundo.
Primeiramente nossas tropas com que vamos à conquista do gentio bravo desse vastíssimo
sertão não é de gente matriculada no livro de Vossa Majestade, nem obrigada por soldo, nem por
pagamento de munição."
(Carta de Domingos Jorge Velho ao rei de Portugal, em 1694.)
De acordo com o autor da Carta, pode-se afirmar que
a) os bandeirantes possuíam tropas de mercenários, pagas pela metrópole, com o objetivo de
exterminar indígenas.
b) havia proibição oficial de capturar índios para a escravização e os bandeirantes pretendiam
evitar ser punidos pelos colonos e pelos espanhóis.
c) os exércitos portugueses, organizados na colônia, tinham a particularidade de serem
compostos por indígenas especializados em destruir quilombos.
d) algumas tribos indígenas ameaçavam a segurança dos colonos e as bandeiras eram tropas
encarregadas de transportar os nativos para as reduções religiosas.
e) muitas das bandeiras paulistas eram constituídas por exércitos particulares, especializados
em exterminar e capturar indígenas para serem escravizados.
HISTÓRIA
134
09 - (PUCSP) As Bandeiras utilizaram amplamente os rios para penetrar no território brasileiro e
atingir regiões distantes do litoral. Entre suas funções, é possível afirmar que
a) estavam intimamente ligadas ao tráfico negreiro e buscavam o interior para vender escravos
africanos para aldeias indígenas.
b) opunham-se às tentativas de catequização de índios pelos jesuítas por considerar os índios
destituídos de alma.
c) procuravam, a mando da metrópole portuguesa, pedras e metais preciosos no interior do
Brasil e no leito dos rios que navegavam.
d) fundavam cidades ao longo dos rios e dos caminhos que percorriam e garantiam,
posteriormente, seu abastecimento de alimentos.
e) eram contratadas, por senhores de terras, para perseguir escravos fugitivos e destruir
quilombos.
10 - (UFRN) No século XVIII, teve início a exploração da região mineradora no Brasil, provocando
transformações importantes na economia colonial, tais como o(a)
a) desenvolvimento de um intenso mercado interno na colônia, dinamizado por comerciantes e
tropeiros atraídos pela chance de enriquecimento.
b) criação de um grande centro produtor de manufaturas, na zona aurífera, o qual fornecia
produtos para o consumo das outras capitanias.
c) valorização da moeda local, possibilitando, à Coroa portuguesa, obter um grande aumento da
arrecadação tributária que pesava sobre a colônia.
d) investimento de capitais estrangeiros na atividade agroexportadora açucareira, para fazer
frente ao rápido processo de crescimento da mineração.
11 - (PUCSP) Personagem atuante no Brasil colônia, foi "fruto social de uma região
marginalizada, de escassos recursos materiais e de vida econômica restrita (...)", teve suas ações
orientadas "ou no sentido de tirar o máximo proveito das brechas que a economia colonial
eventualmente oferecia para a efetivação de lucros rápidos e passageiros em conjunturas
favoráveis - como no caso da caça ao índio - ou no sentido de buscar alternativas econômicas
fora dos quadro da agricultura voltada para o mercado externo (...)".
Carlos Henrique Davidoff, 1982.
O personagem e a região a que o texto se refere são, respectivamente:
a)
b)
c)
d)
e)
o jesuíta e a província Cisplatina.
o tropeiro e o vale do Paraíba.
o caipira e o interior paulista.
o bandeirante e a província de São Paulo.
o caiçara e o litoral baiano.
12 - (UNESP) O açúcar e o ouro, cada qual em sua época de predomínio, garantiram para
Portugal a posse e a ocupação de vasto território, alimentaram sonhos e cobiças, estimularam o
povoamento e o fluxo expressivo de negros escravos, subsidiaram e induziram atividades
intermediárias; foram fatores decisivos para o relativo progresso material e certa opulência
barroca, além de contribuírem para o razoável florescimento das artes e das letras no período
colonial. Apesar desta ação comum ou semelhante, a economia aurífera colonial avançou em
direção própria e se diferenciou das demais atividades, principalmente porque:
HISTÓRIA
135
a) não teve efeito multiplicador no desenvolvimento de atividades econômicas secundárias junto
às minas e nas pradarias do Rio Grande.
b) interiorizou a formação de um mercado consumidor e propiciou surto urbano considerável.
c) o ouro brasileiro, sendo dependente do mercado externo, não resistiu à influência exercida
pela prata das minas de Potosi.
d) representou forte obstáculo às relações favoráveis à Metrópole e não educou o colonizado
para a luta contra a opressão do colonizador.
e) as bandeiras não foram além dos limites territoriais estabelecidos em Tordesilhas, apesar dos
conflitos com os jesuítas e da ação cruel contra os indígenas do sertão sul-americano
13 - (UFMG) Leia o texto.
"Doenças, acidentes, deserções, combates com os índios iam dizimando paulatinamente a tropa.
(...) Num dos momentos mais difíceis da aventura, o filho bastardo de Fernão, José Pais,
compreendeu que a única maneira de retornar à casa seria matando o obstinado líder da
bandeira. Mas Fernão descobriu a conspiração e quem morreu - enforcado à vista do arraial - foi
José. E com ele seus companheiros de conjura."
(SANTOS, C Moreira dos. JORNAL DO BRASIL, Caderno B, 27/04/1974.)
Assinale a alternativa que apresenta afirmação correta sobre as bandeiras que penetraram o
sertão brasileiro no século XVII.
a) O caráter nômade e provisório das bandeiras impediu que elas iniciassem a fixação de
população no interior.
b) A adversidade da natureza impediu que os bandeirantes dessem início a qualquer tipo de
atividade de subsistência.
c) Os índios encontrados pelo caminho eram exterminados, quando impediam a captura de mãode-obra negra e escrava.
d) Os bandeirantes paulistas, soltos no sertão bravio, muitas vezes usurpavam do Rei o poder
que este lhes delegara.
14 - (UFMG) Leia o texto.
"Ninguém duvida que chegaremos àquela última infelicidade que receamos, se Vossa Majestade
não se dignar de fazer, às Câmaras destas Minas, a graça de que possam dispender tudo o que
for preciso de porção certa e anual aos capitães-do-mato, para continuarem a desinfestar as
estradas destes capitais inimigos [...], que querem lançar o jugo do cativeiro com maior
conhecimento de suas forças, pelo nosso descuido em não os desbaratarmos em seus redutos,
onde cada vez se fazem mais formidáveis".
(Carta do Senado da Câmara de São João del-Rei ao Rei de Portugal, 28 de abril de 1745.)
Esse trecho do documento citado refere-se:
a) à pobreza da região mineradora, que necessitava de um fluxo constante de recursos
fornecidos pela Metrópole.
b) às lutas dos mineradores contra os índios da Capitania de Minas Gerais que atacavam
constantemente as vilas e arraiais da região.
c) à necessidade de controlar, na região mineradora, os atos de rebeldia dos escravos, como
assaltos e formação de quilombos.
d) à proibição da Coroa Portuguesa de que os Senados da Câmara das Minas Gerais
contratassem e pagassem os capitães-do-mato.
15 - (FUVEST) Em 1703, é assinado o Tratado de Methuen entre Portugal e Inglaterra. Esse
acordo, segundo Celso Furtado, "significou para Portugal renunciar a todo o desenvolvimento
HISTÓRIA
136
manufatureiro e implicou transferir para a Inglaterra o impulso dinâmico criado pela produção
aurífera no Brasil".
Explique o que foi o Tratado de Methuen e discuta a afirmativa de Celso Furtado.
CAPÍTULO 09
RELIGIÃO E SOCIEDADE NA
AMÉRICA PORTUGUESA
01 - (CESGRANRIO) No Brasil, o quilombo foi uma das formas de resistência da população
escrava. Sobre os quilombos no Brasil, é correto afirmar que o(a):
a) maior número de quilombos se concentrou na região nordeste do Brasil, em função da
decadência da lavoura cafeeira, já que os fazendeiros, impossibilitados de sustentar os
escravos, incentivavam-lhes a fuga.
b) maior dos quilombos brasileiros, Palmares, foi extinto a partir de um acordo entre Zumbi e o
governador de Pernambuco, que se comprometeu a não punir os escravos que desejassem
retornar às fazendas.
c) existência de poucos quilombos na região norte pode ser explicada pela administração
diferenciada, já que, no Estado do Grão-Pará e Maranhão, a Coroa Portuguesa havia proibido
a escravidão negra.
d) quase inexistência de quilombos no sul do Brasil se relaciona à pequena porcentagem de
negros na região, o que também permitiu que lá não ocorressem questões ligadas à
segregação racial.
e) população dos quilombos também era formada por indígenas ameaçados pelos europeus,
brancos pobres e outros aventureiros e desertores, embora predominassem africanos e seus
descendentes.
02 - (UFMG) Considerando-se a população escrava negra no Brasil até o final do século XVIII, é
correto afirmar que houve
a) crescimento vegetativo constante, devido à ausência de qualquer tipo de controle de
natalidade junto à população escrava.
b) declínio progressivo da população
c) equilíbrio entre os escravos do sexo feminino e masculino, com o objetivo de garantir o
crescimento da população cativa.
d) necessidade de repor constantemente a mão-de-obra escrava com negros trazidos da África,
para suprir uma forte demanda. negra alforriada, em razão da necessidade de se manter a
mão-de-obra escrava.
03 - (PUCPR) Em relação à mão-de-obra escrava no Brasil Colônia, é correto afirmar:
HISTÓRIA
137
a) A escravidão indígena foi substituída pela escravidão negra porque os indígenas não se
adaptaram ao trabalho sistematizado no engenho de açúcar e no cultivo do café.
b) A escravidão negra foi restrita ao Nordeste no século XVI e às áreas de cultivo do café no
século XIX.
c) A escravidão negra no século XVI foi predominante em São Paulo e no Paraná, onde a mãode-obra escrava era utilizada no cultivo e produção do café.
d) No Brasil a colonização portuguesa, ao contrário da colonização espanhola, não recorreu à
escravidão indígena.
e) Existiu tanto escravidão indígena quanto dos negros. A escravidão negra foi organizada em
moldes empresariais e seu comércio garantia lucros para a metrópole.
04 - (PUCCAMP) Escravos do mundo, uni-vos! - conclamaria algum Marx daqueles tempos,
CONVOCAÇÃO QUE VIRIA A ECOAR TAMBÉM EM NOSSO PALMARES, TANTOS SÉCULOS
DEPOIS.
Na frase em destaque, o autor faz referência
a) à existência dos quilombos no Brasil, cuja origem estava relacionada à construção de
refúgios, pelos brancos pobres da colônia, para proteger os escravos.
b) ao movimento socialista desencadeado pelos negros brasileiros a partir da abolição do tráfico
de escravos, em 1850.
c) à luta dos escravos brasileiros contra o trabalho compulsório, simbolizada na resistência dos
negros, índios e brancos que viviam em um quilombo na região Nordeste.
d) ao levante dos escravos malês, que eram seguidores da religião islâmica, contra suas
condições de vida e trabalho, na cidade de Salvador, em 1835.
e) às revoltas dos escravos pernambucanos, que exigiam o direito de retornar para sua cidade
natal, na região africana de Palmares.
05 - (PUC-RIO) O trabalho escravo indígena e do negro africano desempenhou papel fundamental
na colonização da América Portuguesa.
a) Considerando-se que, nos primórdios da colonização, o recurso à escravização dos "negros da
terra" - isto é, dos indígenas - foi uma prática recorrente inclusive nas áreas de plantio da cana-deaçúcar, cite 1 (uma) razão que tenha contribuído para a progressiva substituição dos escravos
indígenas por escravos de origem africana nessas áreas.
b) Caracterize 1 (uma) repercussão econômica, social ou demográfica do fim do tráfico negreiro
intercontinental para a sociedade brasileira em meados do século XIX.
HISTÓRIA
138
06 - (UNESP) "Não resta outra coisa senão cada um defender-se por si mesmo; duas coisas são
necessárias... a fim de se recuperar a mão livre no que diz respeito ao comércio e aos índios".
(Manuel Beckman, 1684.)
As duas principais reivindicações do líder da Revolta que leva seu nome são
a) a revogação do monopólio da Companhia de Comércio do Estado do Maranhão e a expulsão
dos jesuítas que se opunham à escravidão indígena.
b) a saída dos portugueses do Grão Pará e Maranhão e a supressão dos aldeamentos
indígenas, que monopolizavam as chamadas "drogas do sertão".
c) a repressão ao contrabando estrangeiro, que prejudicava os negócios dos atacadistas
portugueses, e a liberdade para importar escravos negros.
d) a expulsão dos holandeses do Nordeste, que monopolizavam o comércio do açúcar, e a
reedição da guerra justa, que proibia a escravidão indígena.
e) a revogação do monopólio comercial da Metrópole sobre o Norte e Nordeste da colônia e a
proibição para importar escravos negros.
07 - (FUVEST) "(...) e em lugar de ouro, de prata e de outros bens que servem de moeda em
outras regiões, aqui a moeda é feita de pessoas, que não são nem ouro, nem tecidos, mas sim
criaturas. E a nós a vergonha e a de nossos predecessores, de termos, em nossa simplicidade,
aberto a porta a tantos mates (...)"
Garcia II, rei do Congo, século XVII
Comente os acontecimentos a que se refere o rei africano e como estão relacionados à colônia
brasileira.
08 - (PUCMG) "O universo religioso dos negros foi dilacerado no convívio colonial."
(FERLINI, Vera L. A. "A Civilização do açúcar." São Paulo: Brasiliense, 1994, p.87)
Confirmam essa afirmativa as opções a seguir, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
A integração do africano ao catolicismo dava-se, praticamente, à força.
As manifestações da religiosidade africana eram reprimidas pelos órgãos de repressão.
Os cultos africanos levavam o estigma de bruxaria e feitiçaria.
A prática dos cultos negros, como os batuques, eram relegados à marginalidade.
A imposição da religião do branco liquidou com o sincretismo religioso.
09 - (PUCMG) Durante a, vigência da escravidão negra no Brasil colônia, o poder senhorial sobre
os escravos expressava-se, exceto:
a)
b)
c)
d)
nos mecanismos de vigilância, incluindo a figura do feitor.
na submissão absoluta do negro à escravidão.
no estabelecimento das jornadas de trabalho.
na construção ideológica da inferioridade do negro.
HISTÓRIA
139
e) no direito de castigar e premiar os cativos.
10 - (UERJ) "E sentado no meu cais
Descalço, roto e despido
Sem trazer mais cabedal
Que piolho e assobios"
(MATOS, Gregório de. Apud WEHLING, A., WEHLING, M. J. C. de. "Formação do Brasil
colonial". Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.)
Os versos anteriores, escritos por Gregório de Matos no século XVII, satirizavam a vaidade e a
rápida ascensão econômica dos comerciantes portugueses na Bahia, que apenas a partir do
século XVIII adquiriram um status de maior importância na sociedade.
Até essa época, um dos aspectos da sociedade colonial brasileira era definido pela seguinte
afirmativa:
a) Os proprietários de terra, especialmente os senhores de engenho, representavam a "nobreza
da terra".
b) A alta burocracia colonial, complemento das elites locais, era ocupada necessariamente por
indivíduos nascidos em Portugal.
c) Os setores médios da sociedade, principalmente os grandes comerciantes do litoral,
formavam um conjunto homogêneo de indivíduos.
d) Os ricos mineradores de ouro e diamantes, apesar de discriminados pela aristocracia da terra,
ocupavam os cargos mais importantes na administração
11 - (MACKENZIE) "Como decorrência do caminho, constituiu-se a civilização paulista (...) Na
faina sertaneja e predadora dos paulistas, desenvolveram-se hábitos próprios, tributários dos
indígenas e incorporados mesmo por aqueles que haviam nascido na Europa, como o alentejano
Antonio Raposo Tavares."
Laura de Mello e Souza
O texto reporta-se às características da vida paulista no período colonial e seu significado. Sobre
estes fatos não podemos dizer que:
a) o isolamento e a reduzida importância econômica da região resultaram num forte senso de
autonomia entre a gente paulista.
b) casas de taipa, móveis rústicos, tendo com idioma dominante o tupi-guarani até o século
XVIII, esta era a vila de São Paulo.
c) mestiços rudes, os mamelucos paulistas vagavam pelos sertões, apresando índios, buscando
ouro ou atacando quilombos.
d) o alargamento da fronteira foi uma conseqüência inconsciente da luta destes homens pela
sobrevivência.
e) o prestígio do bandeirante deve-se à integração dos vicentinos à economia exportadora
açucareira.
12 - (FUVEST) A elevação de Recife à condição de vila; os protestos contra a implantação das
Casas de Fundição e contra a cobrança de quinto; a extrema miséria e carestia reinantes em
Salvador, no final do século XVIII, foram episódios que colaboraram, respectivamente, para as
seguintes sublevações coloniais:
a)
b)
c)
d)
e)
Guerra dos Emboabas, Inconfidência Mineira e Conjura dos Alfaiates.
Guerra dos Mascates, Motim do Pitangui e Revolta dos Malês.
Conspiração dos Suassunas, Inconfidência Mineira e Revolta do Maneta.
Confederação do Equador, Revolta de Felipe dos Santos e Revolta dos Malês.
Guerra dos Mascates, Revolta de Felipe dos Santos e Conjura dos alfaiates.
HISTÓRIA
140
13 - (FUVEST) Segundo as pesquisas mais recentes, pode-se afirmar, em relação aos quilombos
coloniais brasileiros, que os mesmos:
a) distinguiam-se pelo isolamento, pela marginalização, sem nenhum vínculo com os arredores
que os cercavam;
b) eram de caráter predominantemente agrícola, sobrevivendo do que plantavam e do que
teciam;
c) eram habitados exclusivamente por escravos fugidos, constituindo-se em verdadeiros Estados
teocráticos;
d) dedicavam-se, alguns, à agricultura, outros, à mineração, outros, ainda, ao pastoreio,
articulando-se com os núcleos vizinhos através do comércio;
e) existiram apenas durante o século XVII, tendo Palmares como eixo central.
14 - (CESGRANRIO) A colonização brasileira foi sempre marcada por confrontos que refletiam a
diversidade de interesses presentes na sociedade colonial como pode ser observado nos(as):
a) conflitos internos, sem conteúdo emancipacionista, como as Guerras dos Emboabas e dos
Mascates.
b) ideais monárquicos e democráticos defendidos pelos mineradores e agricultores na
Conjuração Mineira.
c) projetos imperiais adotados pela Revolução Pernambucana de 1817 por influência da
burocracia lusitana.
d) reações contrárias aos monopólios, como na Conjuração Baiana, organizada pelos
comerciantes locais.
e) características nacionalistas de todos os movimentos ocorridos no período colonial, como nas
Revoltas do Rio de Janeiro e de Beckman.
15 (UFRJ) CONFISSÃO DE FERNÃO RIBEIRO, ÍNDIO DO BRASIL, EM 12 DE AGOSTO DE
1591:
"Por querer confessar sua culpa, ser do gentio desta Bahia, e não saber a língua
portuguesa, esteve presente o padre Francisco de Lemos, religioso da Companhia de Jesus,
como intérprete.
(...)
E confessando-se, contou que há dois anos disse-lhe um outro gentio, de nome Simão,
que os cristãos que comungam (...) são os homens mais virtuosos. Então ele, confessante,
respondeu ao dito Simão que naquele Sacramento de comunhão estava a morte, e que quem
comungava recebia a morte [muitos índios associavam este sacramento à morte porque, por
vezes, ele era ministrado a moribundos]. Depois de o ter dito ficou muito arrependido e lhe pesou
muito o Diabo lhe fazer dizer tão ruim palavra.
Contou ainda que, sabendo do ocorrido, o padre superior de sua aldeia, João Alvares, da
Companhia de Jesus, que tem cuidado de os doutrinar e instruir na fé, o prendeu e penitenciou na
igreja, fazendo-o pedir perdão a todos e aplicando-lhe castigos, ao que ele, confessante, satisfez
(...). "
(Adaptado de Vainfas, Ronaldo (org.) CONFISSÕES DA BAHIA. São Paulo:
Companhia das Letras, 1997. P.81-2)
O texto anterior registra uma das inúmeras confissões que, entre julho de 1591 e fevereiro de
1592, os moradores da cidade de Salvador e do Recôncavo Baiano prestaram à Visitação do
Santo Ofício da lnquisição de Lisboa.
Destaque duas características do papel da Igreja Católica no processo de colonização da
América.
HISTÓRIA
141
16 (FUVEST) O barroco no Brasil foi
a)
b)
c)
d)
e)
uma manifestação artística de caráter religioso limitada às regiões de mineração.
uma expressão artística de origem européia reelaborada e adaptada às condições locais.
um estilo original na pintura, mantendo a tradição manuelina nas edificações.
uma criação artística popular predominante em todo o Brasil colônia e no império.
uma produção artística, imposta pelo modelo absolutista português, na época da mineração.
17 (UFES) O Barroco foi uma das maiores manifestações artísticas e culturais ocorridas no Brasil
Colônia, durante o período da exploração aurífera. É correto afirmar que, nesse período,
a) a cidade de Mariana, sede do governo português, representou o maior conjunto arquitetônico
barroco nacional.
b) o Barroco, no Brasil, não apresentou características nacionais, limitando-se a uma simples
cópia do Barroco europeu.
c) a cidade de Ouro Preto, centro político e econômico da região aurífera, não foi beneficiada
arquitetonicamente pelo estilo barroco.
d) a grande riqueza propiciada pelo ouro permitiu que artistas se dedicassem à construção e
criação de obras que expressavam os sentimentos nacionais.
e) a capitanias de São Paulo, apesar de não ter participado do processo de exploração aurífera,
foi o principal centro de expressão do barroco no país
18(UERJ) Defina o termo cristão-novo.
05- (UERJ) Cite uma razão para a permanência dos cristãos-novos na colônia.
HISTÓRIA
142
19 (UFMG) Em janeiro de 1592, Brás Dias, mameluco, natural da cidade da Bahia, confessou
perante a Mesa da Santa Inquisição que, durante quatro ou cinco anos, andando pelo sertão,
fizera parte, junto com os gentios, de uma seita chamada Santidade, que funcionava na fazenda
de Fernão Cabral, em Jaguaripe. A seita era dirigida por um índio chamado Antônio, que tinha
sido criado pelos jesuítas nas missões. Entre outras coisas, esse Antônio, que era casado,
batizava os próprios filhos, utilizando duas candeias acesas e um prato d'água, e chamavam a si
próprios com os nomes de Jesus e de Santa Maria. Nos cultos, celebrados ao pé de cruzes
metidas no chão em montes de pedra, uivavam e se comportavam como macacos, sem regras
nem ordem, cometendo vários deslizes heréticos.
(Texto baseado em documentos transcritos em VAINFAS, Ronaldo (Org.). "Confissões da
Bahia". São Paulo: Companhia da Letras, 1997.)
Esse testemunho demonstra que
a) os missionários indígenas formados nas reduções jesuíticas reproduziam com perfeição os
ritos católicos por toda a Colônia.
b) a ação dos párocos, nos dilatados sertões da Colônia, levava a que os índios internalizassem
os dogmas católicos aprendidos com os jesuítas.
c) a religiosidade popular na Colônia se caracterizava pelo sincretismo e assimilava mais
facilmente os aspectos exteriores do culto católico.
d) os indígenas aceitavam livremente as regras e a ortodoxia dos preceitos do culto católico,
dispondo-se a imitá-los mesmo no sertão mais bravio.
UNIDADE V - A ERA DAS REVOLUÇÕES
CAPÍTULO 10
ILUMINISMO
01- (UFPE) A revolução intelectual do século XVII teve como um de seus mentores René
Descartes. Sobre as concepções cartesianas de Descartes, é correto afirmar:
1) o método cartesiano foi o instrumento matemático da dedução pura: consistia em partir de
verdades simples, como na geometria, e chegar às conclusões particulares;
2) o novo racionalismo e o mecanicismo propostos em suas doutrinas repudiavam as orientações
teológicas do passado;
3) afirmando ser a metafísica a prova racional da existência de Deus, rejeitou a revelação como
fonte da verdade; a razão passou a ser considerada como um único manancial de conhecimento;
4) o mundo físico para Descartes é um só. Do seu plano mecanicista geral não excluía nem
mesmo o organismo dos animais e dos homens;
5) "Penso, logo existo" é um axioma encontrado por Descartes para expressar o seu método
matemático da dedução pura.
Estão corretas:
a)
b)
c)
d)
e)
1 e 2 apenas
2 e 3 apenas
4 e 5 apenas
1 e 5 apenas
1, 2, 3, 4 e 5.
02- (FUVEST) Da Independência dos Estados Unidos (1776), da Revolução Francesa (1789) e do
processo de independência na América Ibérica (1808-1824), pode-se dizer que todos esses
movimentos
HISTÓRIA
143
a) decidiram implementar a abolição do trabalho escravo e da propriedade privada.
b) tiveram início devido à pressão popular radical e terminaram sob o peso de execuções em
massa.
c) conseguiram, com o apoio da burguesia ilustrada, viabilizar a revolução industrial.
d) adotaram idéias democráticas e defenderam a superioridade do homem comum.
e) sofreram influência das idéias ilustradas, mas variaram no encaminhamento das soluções
políticas.
03- (UNICAMP) O liberalismo tornou-se ideologia predominante na sociedade ocidental a partir da
segunda metade do século XIX.
a) Quais direitos naturais que o liberalismo se propõe a garantir?
b) Quais as principais características do liberalismo econômico?
c) Quais correntes de pensamento se opuseram ao liberalismo no século XIX?
04- (FUVEST) Examinando as mudanças que marcaram a passagem do século 17 para o 18, o
historiador francês Paul Hazard disse que os novos filósofos tentaram substituir uma civilização
baseada na "idéia de dever" por uma civilização baseada na "idéia de direito".
Com base nas afirmações acima, e utilizando seus conhecimentos de História, explique o que o
autor quer dizer com
a) "idéia de dever"?
b) Civilização baseada na "idéia de direito"?
HISTÓRIA
144
05- (FGV) "O homem nasce livre, e por toda a parte encontra-se a ferros. O que se crê senhor dos
demais, não deixa de ser mais escravo do que eles (...) A ordem social é um direito sagrado que
serve de base a todos os outros. Tal direito, no entanto, não se origina da natureza: funda-se,
portanto, em convenções."
(J.J. Rousseau, Do Contrato Social, in "Os Pensadores". São Paulo, Abril Cultural, 1978, p.
22)
A respeito da citação de Rousseau, é correto afirmar:
a) Aproxima-se do pensamento absolutista, que atribuía aos reis o direito divino de manter a
ordem social.
b) Filia-se ao pensamento cristão, por atribuir a todos os homens uma condição de submissão
semelhante à escravatura.
c) Filia-se ao pensamento abolicionista, por denunciar a escravidão praticada na América, ao
longo do século XIX.
d) Aproxima-se do pensamento anarquista, que estabelece que o Estado deve ser abolido e a
sociedade, governada por autogestão.
e) Aproxima-se do pensamento iluminista, ao conceber a ordem social como um direito sagrado
que deve garantir a liberdade e a autonomia dos homens.
06- (CESGRANRIO) "Que nunca percam de vista o Soberano e a Nação o fato de a terra ser a
única fonte das riquezas e que a agricultura as multiplica. Que a propriedade dos bens de raiz e
das riquezas mobiliárias seja assegurada aos seus possuidores legítimos, pois a segurança da
propriedade é o fundamento essencial da ordem econômica da Sociedade."
(QUESNAY, François. "Maximes Generales du Government Economique")
François Quesnay, médico do rei francês, lançou as bases do pensamento liberal fisiocrata, o
qual:
a) preconizava que o aumento populacional determinava a escassez de recursos naturais e,
conseqüentemente, crises de abastecimento.
b) defendia as aspirações burguesas e criticava a intervenção estatal na vida econômica.
c) defendia a valorização da nobreza territorial, a supremacia e a centralização do poder real.
d) explicitava as aspirações das massas camponesas que tencionavam destruir o feudalismo.
e) relacionava a necessidade de se manter a ordem socioeconômica ao montante de
investimentos industriais.
07- (UFSM) "O monopólio do comércio da colônia [...] com todos os outros expedientes
mesquinhos e malignos do sistema mercantilista, deprime a indústria de todos os outros países,
mas principalmente a das colônias, sem que aumente em nada - pelo contrário, diminui - a
indústria do país em cujo benefício é adotado [...] Todos os sistemas, seja de preferência ou
contenção, portanto, devem ser afastados, estabelecendo-se o simples e o óbvio sistema de
liberdade natural."
(Adam Smith. "A Riqueza das Nações", 1776.)
O pensamento econômico de Adam Smith veio ao encontro do interesse emancipacionista das
colônias inglesas na América do Norte, à medida que defendia
HISTÓRIA
145
a) a liberdade dos indivíduos na busca de seus interesses, relacionando a riqueza do Estado
com a capacidade de trabalho de seus habitantes.
b) a relativização do trabalho enquanto alternativa de riqueza, baseando-se o valor desse
trabalho na lei de oferta e procura.
c) a riqueza de uma nação política e economicamente livre, devendo explorar somente os
recursos da natureza.
d) o planejamento estatal considerado alavanca do progresso, com forte interferência na
economia.
e) a necessidade da exploração da mais-valia sobre as nações novas, o que justificava a
escravidão nas colônias do Sul e o dirigismo econômico.
08- (UFSM) O Iluminismo trouxe uma nova concepção de homem e de mundo. Dentre os
iluministas, Rousseau (1712 - 1778) pode ser considerado o mais polêmico. Ele glorificava os
valores da vida natural e atacava a corrupção e a avareza da sociedade aristocrática. Foi um
importante defensor da pequena burguesia e inspirador dos ideais da Revolução Francesa. Para
Rousseau a democracia verdadeira estava centrada em um trinômio formado por
a)
b)
c)
d)
e)
liberdade - propriedade - família.
liberdade - igualdade - vontade geral.
contrato social - igualdade - voto direto.
vida natural - igualdade - humanidade.
constituição - fraternidade - revolução.
09- (MACKENZIE) Os filósofos iluministas do século XVIII tinham o desejo de libertar o espírito
humano do peso da barbárie que o obscurecia e de guiá-lo para as luzes da razão. A respeito de
suas idéias, é incorreto afirmar que:
a) criticavam a influência da Igreja católica sobre a sociedade nos campos da educação e cultura
e da política.
b) queriam a limitação do poder real e o fim do direito divino dos reis.
c) defendiam a não intervenção do Estado no campo econômico.
d) incentivavam a formação de companhias reais de navegação e comércio para explorar as
potencialidades do comércio colonial.
e) desejavam o fim da desigualdade de direitos e deveres entre os indivíduos.
10- (UFV) Profundamente marcado pela ascensão econômica e política da burguesia, o
pensamento dos séculos XVIII e da primeira metade do XIX tendeu a refletir as idéias, os
interesses e necessidades dessa classe. Sinteticamente, pode-se dizer que esse pensamento
fundamentava-se em três valores básicos: a liberdade, o individualismo e a igualdade. Explique
de que forma esses valores estão, necessariamente, inter-relacionados.
11- (UFRJ) "Que nunca percam de vista o Soberano e a Nação o fato da terra ser a única fonte
das riquezas e que a agricultura as multiplica.
Que a propriedade dos bens de raiz e das riquezas mobiliárias seja assegurada aos seus
possuidores legítimos, pois a segurança de propriedade é o fundamento essencial da ordem
econômica da Sociedade. (...)
HISTÓRIA
146
Que seja mantida a inteira liberdade de comércio; pois a política de comércio interior e
exterior mais segura, mais exata, mais proveitosa à Nação e ao Estado consiste na plena
liberdade de concorrência."
(François Quesnay, "Maximes Generales du Gouvernement Economique.")
As idéias de Quesnay, médico do rei francês Luís XV, explicitam as bases da Fisiocracia,
pensamento econômico do século XVIII, crítico do Mercantilismo praticado na Europa até então.
a) Retire do texto uma passagem em que se verifica contradição com as práticas mercantilistas.
b) Apresente uma relação entre Fisiocracia e Iluminismo.
12- (PUCPR) O Despotismo Esclarecido marcou a atuação de alguns monarcas europeus no
século XVIII, promovendo o progresso de seus povos. A fórmula política associava:
a)
b)
c)
d)
e)
feudalismo - filosofia iluminista.
absolutismo real - filosofia iluminista.
absolutismo real - democracia.
democracia - socialismo.
absolutismo real - feudalismo.
13- (FGV) Na segunda metade do século XVIII alguns monarcas europeus adotaram princípios do
Iluminismo buscando reafirmar, a partir destes, seus poderes absolutos. Considerando essa
afirmação não é correto afirmar que:
a) Entre esses déspotas esclarecido estava Frederico II, seguidor de Voltaire, que permitiu a
liberdade de culto na Prússia;
b) Os monarcas mais destacados desta corrente foram Frederico II (Prússia), Catarina II
(Rússia) e José II (Áustria);
c) Catarina II (Rússia) não apenas manteve os direitos dos proprietários da terra sobre os servos
como permitiu aos primeiros o direito de condenação à morte dos segundos;
d) Em Portugal, o Marquês de Pombal, ministro de José I, foi o responsável pela perseguição à
nobreza e ao clero buscando fortalecer o poder real;
e) José II (Áustria) foi o mais descompromissado dos monarcas na aplicação dos princípios
iluministas.
14- (MACKENZIE) (...) aproximar-se-ão os homens desse estado em que todos terão as luzes
necessárias para se conduzir segundo sua própria razão nas tarefas comuns da vida e para
manter [a razão] isenta de preconceitos, conhecer bem os seus direitos e os exercerem (...)? A
estupidez e a miséria não serão mais do que acidentes e não estado habitual de uma parte da
humanidade? (...) deverá a espécie humana melhorar, quer por novas descobertas nas ciências e
nas artes e, como necessária, nos meios de bem-estar individual e da prosperidade comum (...)
Jean de Caritat. Marquês de Condorcet.
As idéias expressas no trecho acima e seu autor relacionam-se com:
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
e)
147
a Revolução Russa.
o Iluminismo.
o Socialismo.
o Renascimento.
a Reforma.
15- (MACKENZIE) A burguesia tinha como projeto político a defesa da propriedade privada e os
camponeses defendiam a propriedade coletiva. Ambas as classes combatiam a ordem
monárquica absolutista, que lutou pelos interesses da aristocracia que a sustentava. O principal
ideólogo do pensamento burguês da época foi John Locke que afirmava: "A preservação da
propriedade é o grande e principal objetivo da união dos homens em comunidade, colocados sob
governo."
Assinale a alternativa que corresponde a essa etapa do processo de consolidação da burguesia.
a)
b)
c)
d)
e)
Revolução Francesa
Revolução Inglesa
Revolução Russa
Revolução Americana
Revolução Alemã
16- (PUCPR) A Filosofia Iluminista possibilitou, no século XVIII, o surgimento do Despotismo
Esclarecido, praticado por monarcas e príncipes, destacando-se Frederico II e José II,
respectivamente na Prússia e Áustria.
Assinale a alternativa correta:
a) Fiéis aos seus mestres iluministas, os citados monarcas dividiram o poder com parlamentos
democraticamente eleitos.
b) Representantes dos nobres, os monarcas que aplicaram o Despotismo Esclarecido nada
fizeram pela instrução pública, pois pensavam que a instrução popular poderia levar às
revoluções contestadoras da monarquia.
c) Os Déspotas Esclarecidos renunciaram à guerra como fórmula política, sendo o exemplo
dado inicialmente por Frederico II.
d) A exemplo do rei José II, de Portugal, e do seu ministro Marquês de Pombal, todos os
Déspotas Esclarecidos perseguiram os jesuítas ou inacianos.
e) No plano econômico, os Déspotas Esclarecidos aplicaram a Fisiocracia, incentivaram a
agricultura e intervieram, regulamentando, a economia.
17- (UERJ) O liberalismo econômico, que incorporou a máxima "deixai fazer, deixai passar",
criada em meados do século XVIII, objetivava romper com as práticas tradicionais do
mercantilismo.
a) Aponte duas características do liberalismo que o diferenciavam do mercantilismo.
b) Explique como o liberalismo econômico contribuiu para o fim do sistema colonial.
HISTÓRIA
148
18- (PUC-RIO) Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo:
I - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da
identidade da sociedade ocidental.
II - O pensamento iluminista caracterizou-se pela ênfase conferida à razão, entendida como
inerente à condição humana.
III - Diversos pensadores iluministas conferiram uma importância central à educação enquanto
instrumento promotor da civilização.
IV - A filosofia iluminista proclamou a liberdade como direito incontestável de todo ser humano.
Assinale:
a)
b)
c)
d)
e)
se apenas a afirmativa II estiver correta.
se apenas as afirmativas I e IV estiverem corretas.
se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.
se apenas as afirmativas I, II e IV estiverem corretas.
se todas as afirmativas estiverem corretas.
19- (FUVEST) "Seria mais correto chamarmos o Iluminismo de ideologia revolucionária... Pois o
Iluminismo implicava a abolição da ordem política e social vigente na maior parte da Europa"
Eric J. Hobsbawm. A Era das Revoluções, 1789-1848.
Descreva a ordem política e social que o Iluminismo criticava e pretendia destruir.
20- (UNICAMP) Leia com atenção o texto a seguir, baseado em DAS TREVAS MEDIEVAIS (...)
de Carlo Ginzburg:
Em 1965, a cidade de Nova York mergulhou numa imensa escuridão devido à pane de uma
central hidrelétrica, situada nas cataratas do Niágara. A cidade foi lançada bruscamente nas
trevas e os jornais, confeccionados manualmente, perceberam a extrema vulnerabilidade da
sociedade industrial. Um escritor se inspirou nesse acontecimento e fez um livro de ficção
chamado UMA NOVA IDADE MÉDIA DE AMANHÃ.
a) Que formas de energia estão envolvidas no processo de geração numa hidrelétrica?
b) Qual o sistema de pensamento do século XVIII que fez a associação entre a luz e o progresso
científico?
HISTÓRIA
149
c) Segundo esse sistema de pensamento, quais as características da Idade Média?
21- (UFMG) O objetivo grande e principal, portanto, da união dos homens em comunidades,
colocando-se eles sob governo, é a preservação da propriedade.
LOCKE, John. SEGUNDO TRATADO SOBRE O GOVERNO, 1690.
Assinale a alternativa que apresenta uma condição para a cidadania coerente com o objetivo dos
governos defendido pelo pensador.
a) "Não pode ser cidadão senão aquele que faz parte do povo. Não pode fazer parte do povo
senão aquele que tem sangue alemão..." (PROGRAMA NAZISTA, 1920)
b) "São eleitores os brasileiros, de um e de outro sexo, maiores de 18 anos que se alistarem na
forma da lei. Não podem alistar-se como eleitores: os analfabetos; os militares em serviço
ativo; os mendigos..." (CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA, 1937, Art. 117)
c) "São eleitores, sem condição de censo, todos os franceses de 21 anos de idade e gozando de
seus direitos civis e políticos." (CONSTITUIÇÃO FRANCESA, 1848, Art. 25)
d) "São excluídos de votar nas Assembléias Paroquiais [...] os que não tiverem de renda líquida
anual cem mil réis, por bens de raiz, indústria, comércio ou empregos." (CONSTITUIÇÃO
PORTUGUESA, 1826, Art. 64 parágrafo 5Ž)
22- (PUCMG) O Iluminismo representa a visão de mundo da intelectualidade do século XVIII, não
podendo ser apontado como parte do seu ideário:
a)
b)
c)
d)
e)
combate às injustiças sociais e aos privilégios aristocráticos.
fortalecimento do Estado e o cerceamento das liberdades.
o anticolonialismo e o repúdio declarado à escravidão.
o triunfo da razão sobre a ignorância e a superstição.
o anticlericalismo e a oposição à intolerância religiosa.
23- (PUCMG) O liberalismo, enquanto uma doutrina fundamentalmente racionalista, se opõe,
exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
ao jugo da autoridade.
ao respeito cego pelo passado.
ao império do preconceito.
aos impulsos do instinto.
ao domínio do individualismo.
HISTÓRIA
150
24- (UERJ) "Não se vêem, porventura (...) povos pobres em terras vastíssimas, potencialmente
férteis, em climas dos mais benéficos? E, inversamente, não se encontra, por vezes, uma
população numerosa vivendo na abundância em um território exíguo, até algumas vezes em
terras penosamente conquistadas ao oceano, ou em territórios que não são favorecidos por dons
naturais? Ora, se essa é a realidade, é por existir uma causa sem a qual os recursos naturais (...)
nada são (...). Uma causa geral e comum de riqueza, causa que, atuando de modo desigual e
vário entre os diferentes povos, explica as desigualdades de riqueza de cada um deles (...)"
(SMITH, Adam. Apud HUGON, Paul. "História das Doutrinas Econômicas." São Paulo: Atlas, 1973.)
O texto anterior evidencia a preocupação, por parte de pensadores do século XVIII, com a fonte
geradora de riqueza. As "escolas" econômicas do período - Fisiocracia e Liberalismo apresentavam, contudo, discordâncias quanto a essa fonte.
Os elementos geradores de riqueza para a Fisiocracia e para o Liberalismo eram,
respectivamente:
a)
b)
c)
d)
terra e trabalho
agricultura e capital
indústria e comércio
metal precioso e tecnologia
25- (UERJ) "Não é com o ouro ou a prata, mas com o trabalho que toda a riqueza do mtimo útil à
sociedade, vantajoso para a república, e que a fixam e restringem entre limites".
(Denis Diderot, [1713-1784] "AUTORIDADE POLÍTICA" na Enciclopédia)
A "Enciclopédia", cujo primeiro volume foi publicado na França em 1751, é uma obra fundamental
pois organiza as idéias que orientam a rebeldia intelectual do século XVIII, movimento que chega
à plenitude com a Revolução Francesa.
a) Explique, a partir do texto, uma razão para as críticas políticas formuladas por Diderot.
b) Apresente uma concepção de caráter político representativa do pensamento iluminista
divulgado pela Enciclopédia.
c) Cite dois movimentos políticos no Brasil que possam ser identificados com as idéias difundidas
pelos enciclopedistas.
HISTÓRIA
151
26- (UERJ) Em 1815, Napoleão Bonaparte, considerado o herdeiro da Revolução Francesa, foi
derrotado, procedendo-se a uma restauração dos "legítimos soberanos" na França e em todos os
países europeus onde o Antigo Regime havia sido destronado. Essa Restauração não desfez,
porém, a obra liberal já construída. Em tal perspectiva, conservadorismo e liberalismo tornaram-se
as palavras-chave para os debates políticos que permearam a primeira metade do século XIX.
a) Cite duas características do liberalismo político.
b) Entre as ações realizadas pelas forças de conservação na primeira metade do século XIX,
encontra-se a política de intervenção da Santa Aliança. Conceitue essa política, identificando um
de seus objetivos.
CAPÍTULO 11
AS REVOLUÇÕES INGLESAS
01- (UNESP) "O yeoman por excelência era o camponês livre, que possuía o campo no qual vivia
e que explorava pessoalmente (...) O que caracterizava o yeoman era sua independência. Devia
sobretudo a ela suas robustas qualidades e o papel que desempenhou na história da antiga
Inglaterra. Entre os yeomen foi recrutada, na Idade Média, a terrível infantaria, os espadachins e
arqueiros que decidiram as vitórias em Crécy, Poitiers e Azincourt. Mais tarde, convertidos em
protestantes e puritanos, foram os mais firmes baluartes da reforma inglesa e combateram nos
exército de Fairfax e Cromwell."
(Paul Mantoux, A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO SÉCULO XVIII.)
De acordo com o texto, os yeomen tiveram atuação significativa em vários momentos da história
inglesa. As perguntas seguintes estão relacionadas a dois desses momentos.
a) A que conflito medieval pertencem as batalhas de Crécy (1346), Poitiers (1356) e Azincourt
(1415), nas quais destacaram-se os yeomen?
HISTÓRIA
152
b) O autor menciona os "exércitos de Fairfax e Cromwell". Qual o nome e as principais
características do processo histórico ao qual o autor se refere?
02- (UNICAMP) A Revolução Gloriosa selou um compromisso entre a burguesia e a nobreza
proprietária de terras, fortaleceu o Parlamento, e criou condições favoráveis ao desenvolvimento
econômico inglês e à instauração do capitalismo industrial na Inglaterra.
a) Explique os interesses dos seguintes sujeitos sociais na Revolução Inglesa: monarquia,
nobreza e burguesia.
b) De que maneira a Revolução Inglesa contribuiu para fazer da Inglaterra a maior potência
econômica da época?
03- (MACKENZIE) "Art. 2 - O pretendido direito de dispensar as leis ou de execução das leis pela
autoridade real, como foi usurpado e exercido ultimamente, é contrário às leis."
"Art. 3 - O imposto em dinheiro para uso da Coroa, sob pretexto de prerrogativas reais sem que
haja concordância por parte do Parlamento, é contrário às leis."
Os trechos anteriores foram retirados da DECLARAÇÃO DOS DIREITOS, elaborada em 1689,
após a Revolução Gloriosa, que implantou:
a)
b)
c)
d)
e)
uma monarquia absolutista.
uma república parlamentarista.
uma monarquia parlamentarista.
uma república federativa.
um principado vitalício.
HISTÓRIA
153
04- (CESGRANRIO) Durante o século XVII, ocorreram diversas transformações políticas e
econômicas na Inglaterra, que a consolidaram como uma potência de projeção mundial nos
séculos seguintes. Marque a opção que apresenta corretamente um dos fatores que se
encontram na origem dessa posição preponderante.
a) Instituição do Ato de Supremacia, que criou a Comunidade Britânica (Commonwealth), por
Henrique VIII.
b) Restauração do Absolutismo inglês e sua política expansionista com a dissolução do
Parlamento controlado pela nobreza conservadora, por Carlos II.
c) Declaração do Ato de Tolerância, que instituiu o catolicismo como religião oficial, encerrando
as guerras religiosas, por Guilherme III.
d) Extinção da monarquia parlamentar constitucional com a vitória dos segmentos liberais e
burgueses na Revolução Gloriosa.
e) Promulgação dos Atos de Navegação durante a República Puritana liderada por Oliver
Cromwell.
05- (UNICAMP) Em 1973, o ex-Beatle John Lennon escreveu uma canção de protesto intitulada A
sorte dos Irlandeses, que se refere a um conflito que dura até hoje:
Se você tivesse a sorte dos irlandeses,
Você se lamentaria e ia querer estar morto.
Você devia ter a sorte dos irlandeses
E aí você ia querer ser inglês!
If you had the luck of the Irish,
You'd be sorry and wish you were dead.
You should have the luck of the Irish
And you'd wish you was English instead!
a) Identifique o conflito ao qual a canção se refere.
b) Quais suas características político-religiosas?
c) Explique por que existe uma relação entre este conflito e o líder da revolução inglesa Oliver
Cromwell.
HISTÓRIA
154
06- (CESGRANRIO) "...o pretenso direito da autoridade real de suspender as leis ou a sua
execução é ilegal... o pretenso direito da autoridade real de se dispensar das leis ou da sua
execução é ilegal..."
(DECLARAÇÃO DE DIREITOS, 1689)
A Revolução Gloriosa, ocorrida na Inglaterra entre 1688 e 1689, cujos pressupostos podem ser
ilustrados pelo trecho anterior, assumiu um importante significado no conjunto das transformações
da sociedade inglesa manifestadas historicamente ao longo do século XVII porque provocou a:
a) vitória do projeto liberal dos segmentos burgueses e urbanos liderados por Oliver Cromwell,
que proclamaram a República Puritana na Inglaterra.
b) substituição do Absolutismo Monárquico por um regime de governo monárquico que submetia
o soberano inglês ao Parlamento.
c) supremacia política e administrativa da aristocracia senhorial e feudal inglesa no controle
econômico do país e de suas possessões territoriais fora da Europa.
d) extinção da organização política do Estado senhorial inglês baseada nas divisões de poderes
judiciário e legislativo, a qual vigorava na Inglaterra desde a instituição da Magna Carta.
e) consolidação da nobreza fundiária na liderança da Inglaterra através de sua aliança política
com os segmentos de comerciantes que controlavam o comércio internacional e colonial
inglês.
07- (FUVEST) Em 1651, por ocasião de uma visita da frota inglesa ao porto de Cadiz, Espanha, o
almirante Blake provocou a irritação de Felipe IV, quando este último soube que aquele declarara,
em praça pública, que "graças ao exemplo dado por Londres, todos os reinos iriam aniquilar a
tirania e tornar-se repúblicas. A Inglaterra já o tinha feito; a França seguia o mesmo caminho; e
considerando-se que a natural indolência dos espanhóis tornava mais lento o seu movimento,
dava a eles dez anos, antes a que no país explodisse a revolução".
a) A que acontecimentos históricos o almirante Blake se referia ao mencionar os exemplos da
Inglaterra e da França?
b) A previsão de Blake com relação à Espanha veio a realizar-se?
HISTÓRIA
155
08- (PUCCAMP) Entre os séculos XVII e XVIII, na Europa, já se pode notar um grande
descontentamento popular com relação ao absolutismo. As Revoluções Burguesas ocorridas no
período contaram com a ajuda do povo. Essa relação entre a burguesia e as camadas populares
a) perdurou e permitiu a consolidação de uma aliança proletário-burguesa.
b) reforçou-se devido o representativo auxílio oficial das grandes potências democráticas da
Europa.
c) manteve-se, pois as principais reivindicações populares foram atendidas, embora a oposição
do clero católico fosse cada vez mais evidente.
d) foi dissolvida, mediante tentativas de realização de revoluções proletárias.
e) revelou-se ineficiente, para o atendimento das reivindicações populares.
09- (UFRS) O "Bill of Rights" (Declaração de Direitos) resultou de um processo histórico que
apresentou importantes desdobramentos políticos na Inglaterra do século XVII e que se
caracterizou
a) pelo conflito político-militar que opôs a burguesia manufatureira à nobreza dos cercamentos.
b) pela consolidação de uma república social que estendeu aos "niveladores" e "cavadores" os
privilégios da aristocracia proprietária.
c) pelo confronto entre o absolutismo da dinastia Stuart e as idéias do Parlamento, concluído
com a execução de Henrique VIII.
d) pela aproximação econômica entre a burguesia comercial-manufatureira e a nobreza dos
cercamentos configurada na Revolução Gloriosa.
e) pelo avanço dos setores católicos na economia industrial, em detrimento dos puritanos,
mantenedores da ordem feudal.
10- (MACKENZIE) "(...) Carlos I reorganizou seus soldados e recomeçou a guerra, sendo
derrotado definitivamente pelos Cabeças Redondas de Cromwell. (...) Pouco tempo depois,
discursando ao Parlamento, Oliver Cromwell justificando as várias medidas revolucionárias
chegou a dizer o seguinte: "Quando chegar o momento de prestarmos conta a eles (o eleitorado)
poderemos dizer: Oh! brigamos e pelejamos pela liberdade na Inglaterra."
Cristopher Hill
Assinale a alternativa que não se relaciona à Guerra Civil mencionada no texto.
a) Os Cabeças Redondas eram em geral puritanos, pequenos proprietários, comerciantes e
manufatureiros.
b) A execução do rei Carlos I, por ordem do Parlamento e não por intrigas palacianas, significou
um fato inédito na história da Europa Ocidental.
c) Cromwell governou democraticamente, obedecendo às decisões do Parlamento.
d) Ao derrotar os cavaleiros, partidários do rei, Cromwell liderou o único período republicano da
história da Inglaterra.
e) A guerra civil inglesa desencadeou-se em decorrência da tentativa de dissolução do
Parlamento pelo rei Carlos I.
11- (PUC-RIO) Leia o testemunho de Baxter, puritano inglês:
"Uma grande parte dos cavaleiros e gentil-homens de Inglaterra (...) aderira ao rei [Carlos I, 16251649]. (...) Do lado do Parlamento estavam uma pequena parte da pequena nobreza de muitos
dos condados e a maior parte dos comerciantes e proprietários, especialmente nas corporações e
condados dependentes do fabrico de tecidos e de manufaturas desse tipo. (...) Os proprietários e
HISTÓRIA
156
comerciantes são a força da religião e do civismo no país; e os gentil-homens, os pedintes e os
arrendatários servis são a força da iniquidade."
(Adaptado de: Christopher Hill. A REVOLUÇÃO INGLESA DE 1640. O testemunho acima ilustra,
em parte, as polarizações sociais e políticas que caracterizaram a Revolução Puritana, na
Inglaterra, entre 1642 e 1649.)
Dentre as afirmativas a seguir, assinale a única que não apresenta de modo correto uma
característica dessa revolução:
a) Dela resultou o enfraquecimento do poder do soberano, contribuindo para a afirmação das
prerrogativas e interesses dos grupos que apoiavam o fortalecimento das atribuições do
Parlamento.
b) Ela inseriu-se no conjunto de conflitos civis europeus, da primeira metade do século XVII,
marcadamente caracterizados pela superposição entre identidade política e identidade
religiosa.
c) Ela ocasionou uma sangrenta guerra civil, estimuladora, entre outros aspectos, da proliferação
de seitas não-conformistas, profundamente condenadas e reprimidas pelos puritanos mais
moderados.
d) Ela estimulou a crescente aplicação de concepções liberais, defendidas em especial pelos
comerciantes, particularmente no que se referia às relações mercantis com os colonos da
América.
e) Ela representou um dos primeiros grandes abalos nas práticas do absolutismo monárquico na
Europa, simbolizado não só pelo julgamento, mas, principalmente, pela decapitação do
monarca Carlos I.
12- (UFF) Christopher Hill, historiador inglês especializado no século XVII, ao examinar a
sociedade e a política inglesa do período, denominou-o século da revolução. Sabe-se que esta
revolução a que se refere o autor foi modificadora não somente do perfil da sociedade mas
contribuiu, com seus reflexos, para a transformação da Inglaterra e do Novo Mundo.
A partir da referência apresentada, responda:
a) Qual a instituição inglesa, organizada em duas câmaras, que representava os interesses da
sociedade, dificultando a ação centralizadora dos monarcas?
b) Quais as conseqüências do processo revolucionário inglês na ocupação do território norteamericano e qual o papel dessa ocupação no movimento de independência dos Estados Unidos?
HISTÓRIA
157
13- (UNIRIO) Durante a Revolução Inglesa, no contexto da República de Cromwell, surgiram dois
movimentos radicais ligados ao chamado "Exército de Novo Tipo", os quais foram denominados
de levellers (niveladores) e diggers (cavadores). Embora ligados a uma "nova ideologia popular"
da revolução, esses grupos se diferenciavam no tocante às suas reivindicações, sendo correto
afirmar que os:
a) diggers eram considerados moderados por serem contrários à liberdade religiosa e limitavamse a defender a igualdade jurídica.
b) diggers opunham-se à propriedade particular do solo e defendiam a posse comunitária das
terras da Coroa e dos terrenos ociosos.
c) levellers eram conhecidos como grupo radical por defenderem o sufrágio universal e a
ocupação à força das terras ociosas.
d) levellers eram contra a liberdade religiosa por acreditarem que a religião era um obstáculo à
realização de uma verdadeira transformação revolucionária.
e) levellers e os diggers eram favoráveis à continuidade da política dos Enclousures, por
acreditarem no seu caráter de democratização de acesso à terra.
14- (UNIRIO) É o governo puritano de Cromwell que realiza um ataque frontal aos interesses
holandeses no Atlântico. Tal medida foi denominada:
a)
b)
c)
d)
e)
Commonwealth;
Ato de Navegação;
Declaração de Direitos;
Petição de Direitos;
Acordo de Comércio entre as Nações Amigas.
15 (UFMG) O século XVII é decisivo na história da Inglaterra. É a época em que a Idade Média
chega ao fim.
HILL, Christopher. "O eleito de Deus". São Paulo: Companhia das Letras, 1988. P. 13.
Considerando-se que o marco tradicional do final da Idade Média é o século XV, tal afirmação
sobre esse período da história inglesa justifica-se em razão da
a) derrota da Igreja Católica, com a ascensão do anglicanismo e sua adoção como religião oficial
do Estado.
b) instauração da república liberal e presidencialista, que se consolidou no poder, apesar da
oposição monárquica.
c) unificação da Inglaterra que, sob um monarca absoluto, superou a fragmentação política
feudal.
d) vitória da Revolução Inglesa, que aboliu direitos feudais e submeteu o rei ao poder do
Parlamento.
16 (UERJ) Assim, ninguém pode negar que a "Revolução Puritana" era uma luta tão religiosa
quanto política; mas era mais que isso. Aquilo por que os homens lutavam era toda a natureza e o
desenvolvimento futuro da sociedade inglesa.
(HILL, Christopher. "A Revolução Inglesa de 1640". Lisboa: Presença, 1981.
a) Indique um fator político que contribuiu para o desenvolvimento das Revoluções Inglesas do
século XVII.
HISTÓRIA
158
b) Estabeleça a relação existente entre a Revolução Puritana e a colonização das possessões
inglesas no litoral atlântico da América do Norte.
17-(UFSCAR) As revoluções contra o poder absolutista dos reis atravessaram grande parte da
história moderna da Europa. Houve, no entanto, diferenças entre as revoluções francesa e
inglesa. Assinale a alternativa correta.
a) Na França, a oposição ao absolutismo implicou, ao contrário do que ocorreu na Inglaterra, o
estabelecimento de um regime republicano, mesmo que passageiro.
b) A revolução inglesa, diferentemente da francesa, reivindicou os direitos do Parlamento contra
o arbítrio real, expressos por documentos escritos que remontavam à Idade Média.
c) A revolução inglesa, ao contrário da francesa, contou com o apoio popular na luta contra os
reis absolutistas, desvinculando-se de disputas entre facções religiosas.
d) A luta contra o absolutismo na França distinguiu-se do processo que se desenvolveu na
Inglaterra pela violência e execução do monarca absolutista.
e) A revolução francesa removeu os obstáculos impostos à economia pelo antigo regime,
industrializando o país no século XVIII; na Inglaterra, ao contrário, a revolução conteve o
crescimento econômico.
18- (UFG) Sob o domínio dos Tudor (1485-1603), o absolutismo inglês firmou-se, principalmente,
durante o reinado de Elizabeth I (1558-1603). Com a ascensão dos Stuarts, inicia-se um período
de tensão que desencadeou uma fase revolucionária, em muitos aspectos, típica dos conflitos
políticos da modernidade.
Acerca da Revolução Puritana (1649-1660), responda:
a) Qual a liderança que organizou o exército puritano na luta contra o Absolutismo?
b) ldentifique os aspectos políticos e sociais da Revolução Puritana.
19- (PUCSP) As Revoluções Inglesas do século XVII e a Revolução Francesa são, muitas vezes,
comparadas. Sobre tal comparação, pode-se dizer que
HISTÓRIA
159
a) é pertinente, pois são exemplos de processos que resultaram em derrota do absolutismo
monárquico; no entanto, há muitas diferenças entre elas, como a importante presença de
questões religiosas no caso inglês e o expansionismo militar francês após o fim da revolução.
b) é equivocada, pois, na Inglaterra, houve vitória do projeto republicano e, na França, da
proposta monárquica; no entanto foram ambas iniciadas pela ação militar das tropas
napoleônicas que invadiram a Inglaterra, rompendo o tradicional domínio britânico dos mares.
c) é pertinente, pois são exemplos de revolução social proletária de inspiração marxista; no
entanto os projetos populares radicais foram derrotados na Inglaterra (os "niveladores", por
exemplo) e vitoriosos na França (Os "sans-culottes").
d) é equivocada, pois, na Inglaterra, as revoluções tiveram caráter exclusivamente religioso, e,
na França, representaram a vitória definitiva da proposta republicana anti-clerical; no entanto
ambas foram movimentos anti-absolutistas.
e) é pertinente, pois são exemplos de revoluções burguesas; no entanto, na Inglaterra, as lutas
foram realizadas e controladas exclusivamente pela burguesia, e, na França, contaram com
grande participação de camponeses e de operários.
CAPÍTULO 12
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
01- (UERJ) Aponte duas conseqüências da Revolução Industrial inglesa, uma no plano
econômico e outra no plano social.
02- (UFC) Sobre a sociedade industrial, na primeira metade do século XIX, afirma-se que:
"(...) apesar dos esforços sistemáticos, em larga escala, para alargar as ruas (...) aumentar e
aperfeiçoar a drenagem e a rede de esgotos (...) nas regiões em que residem as classes mais
ricas, nada foi feito para melhorar as condições dos distritos habitados pelos pobres."
(THOMPSON, E.P. "A Formação da Classe Operária Inglesa." Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987, V. 2 p. 187)
A partir do texto acima, comente as condições de vida da população pobre das cidades no
contexto da Revolução Industrial.
HISTÓRIA
160
03- (UFV) Leia o texto abaixo:
Qualquer que tenha sido a razão do avanço britânico, ele não se deveu à superioridade
tecnológica e científica. (...) Dadas as condições adequadas, as inovações técnicas da revolução
industrial se fizeram por si mesmas, exceto talvez na indústria química. Isto não significa que os
primeiros industriais não estivessem constantemente interessados na ciência em busca de seus
benefícios práticos. Mas as condições adequadas estavam visivelmente presentes na GrãBretanha, (...).
(HOBSBAWM, Eric. "A era das revoluções". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. p. 45 e 47.)
As condições britânicas adequadas à revolução industrial foram as seguintes, exceto:
a) A ampla produtividade agrícola, decorrente de modificações nas formas de produção, permitiu
alimentar a população urbana em franco crescimento, bem como acumular capital a ser
aplicado em outros setores da economia.
b) Os "Enclousure Acts", que decretaram o cercamento dos campos de uso comum, criaram um
problema agrário, mas também permitiram que a produção agrícola fosse direcionada para o
mercado.
c) A infra-estrutura urbana de algumas regiões da Grã-Bretanha atuou como fator de atração
para as populações oriundas dos campos e permitiu uma organização social intensa e
propícia à melhoria das condições de vida dos trabalhadores.
d) As políticas implementadas depois da derrubada do Absolutismo, ainda no século XVII,
caracterizaram-se pelo incentivo à obtenção do lucro privado e ao desenvolvimento
econômico, considerados como legítimos e supremos objetivos políticos da nação.
e) A Grã-Bretanha detinha o controle do mercado colonial de escravos e da produção e
comercialização do algodão, além de possuir grande quantidade de matéria-prima, como
carvão e ferro, destinados à energia e à construção de máquinas.
04- (UFF) Assinale a opção que apresenta considerações sobre a real importância da Revolução
Industrial na vida e na história do homem.
a) A Revolução Industrial foi um fenômeno puramente inglês, não provocando mudanças em
outras nações. Desse modo, a Inglaterra transformou-se numa potência hegemônica,
desfrutando padrões de vida inacessíveis ao resto do mundo.
b) Os novos recursos disponíveis após a Revolução Industrial não melhoraram as condições da
vida urbana. Diante dessa nova tecnologia, o homem preferiu voltar a viver no campo.
c) Novos recursos de conforto derivaram-se das mudanças produzidas pela Revolução Industrial
do século XVIII, pois, foi a partir de então, que as inovações tecnológicas passaram a ter
aplicações na vida do homem, promovendo, no entanto, situações que acentuaram as
desigualdades sociais.
d) A Revolução Industrial estimulou o ideal socialista da propriedade privada, tornando a vida do
homem uma constante busca de riqueza e de igualdade social e política.
e) Mais luxo e conforto seriam dois resultados diretos da apropriação social das inovações
tecnológicas derivadas da Revolução Industrial e da idéia de progresso. A História, entretanto,
demonstrou que nem mesmo a burguesia industrial conseguiu tirar proveito dessas
comodidades, por serem incompatíveis com os valores liberais.
05- (FGV) Considerando a Revolução Industrial em suas duas diferentes fases, podemos afirmar
que:
a) a primeira fase caracterizou-se pela utilização do carvão e do ferro e desenvolveu-se
primeiramente na Inglaterra, na França e na Bélgica.
b) tanto a primeira como a segunda fase da Revolução Industrial caracterizaram-se pela
utilização do aço e da eletricidade.
HISTÓRIA
161
c) Alemanha, Itália, Rússia, EUA e Japão foram os países que se destacaram em sua primeira
fase;
d) tanto a primeira como a segunda fase da Revolução Industrial caracterizaram-se pela
utilização do carvão e do aço;
e) a segunda fase da Revolução Industrial caracterizou-se pela utilização do aço e da robótica e
desenvolveu-se principalmente no Japão.
06- (PUCMG) A análise histórica das colocações feitas por Guest permite afirmar, exceto:
a) O desenvolvimento tecnológico e a mecanização da produção possibilitaram a consolidação
do industrialismo.
b) A produção artesanal, de herança feudal, mostrou-se incapaz de atender à demanda
crescente do mercado.
c) A concentração dos trabalhadores em um mesmo espaço físico acelerou a especialização de
funções .
d) O sistema de produção domiciliar tornou-se dominante, superando as estruturas peculiares
das manufaturas.
e) As transformações observadas no processo produtivo levaram o trabalhador a perder
gradativamente sua independência.
07- (PUCMG) O fragmento de texto anteriormente transcrito se refere:
a) à consolidação das estruturas capitalistas de produção, com a valorização do trabalho
artesanal.
b) às transformações verificadas na produção a partir da chamada segunda fase da Revolução
Industrial.
c) ao processo de evolução da produção têxtil, observado a Inglaterra durante a transição
feudal/capitalista.
d) ao desenvolvimento de um sistema econômico fundamentado no trabalho de produtores
autônomos.
e) à queima de etapas perceptível na industrialização dos chamados países capitalistas de
segunda geração.
08- (PUCPR) O significado mais amplo da Revolução Industrial foi a consolidação do capitalismo
e a separação entre a propriedade e o trabalho. São efeitos da Revolução Industrial, exceto:
a) Estímulo ao comércio com a supressão das barreiras colocadas pelo mercantilismo.
b) Melhoria das condições de vida das camadas populares devido à substituição da servidão
pela mão-de-obra assalariada.
c) Aumento da produção devido ao aprimoramento tecnológico. Urbanização e desenvolvimento
dos transportes.
d) Concentração das indústrias para aproveitamento energético dos rios, economia de
transportes, de matéria-prima, necessidade de controle da produção, etc.
e) Estímulos às combinações financeiras que geraram as diferentes associações no capitalismo,
possibilitando aumento de lucros.
HISTÓRIA
162
09- (PUC-RIO) Sobre os cercamentos dos campos (enclosures), na Inglaterra, durante a Idade
Moderna, é correto afirmar que:
a) foram conseqüência, a princípio, das desapropriações de terras decretadas por Henrique VIII,
no contexto das perseguições contra católicos, descontentes com a criação da Igreja
Anglicana.
b) relacionaram-se ao processo de mercantilização da propriedade fundiária e, paralelamente,
provocaram a liberação de mão-de-obra.
c) foram causados pelo início da maior utilização de máquinas na produção agrícola,
influenciando na transição do uso predominante do trabalho servil para o trabalho assalariado.
d) determinaram o fim das relações feudais, interferindo no crescente enfraquecimento político
da nobreza fundiária e na projeção cada vez maior da burguesia comercial.
e) ocasionaram o empobrecimento de milhares de camponeses, que, em especial no século
XVII, compuseram o principal contingente de colonos para as terras da América.
10- (FGV) "Assim o avarento fecha, num cercado, milhares de jeiras; enquanto que honestos
cultivadores são expulsos de suas casas, uns pela fraude, outros pela violência (...) e de
questiúnculas que os forçam a vender suas propriedades (...) Os infelizes abandonam (...) Então
vendem a baixo preço o que puderam carregar de seus trastes (...) Esgotados esses fracos
recursos, que lhes resta? O roubo, e, depois, o enforcamento segundo as regras.
(Thomas Morus)
A partir do texto acima é incorreto afirmar
a) Trata-se de uma leitura crítica do processo de cercamentos, uma das fases decisivas da
acumulação primitiva de capital, na Inglaterra;
b) Morus mantém uma posição de neutralidade diante do fato apresentado apenas como um
processo;
c) Para o autor, o roubo é uma conseqüência do processo de expropriação sofrido pelos
camponeses;
d) A posição do autor, a partir da análise do texto, é contrária ao processo de expropriação
sofrido pelos camponeses;
e) O enforcamento é uma regra para os que cometem o roubo.
11- (PUCCAMP) O artigo da revista inglesa mostra as contradições de vida
a) dos camponeses que trabalhavam no interior das propriedades burguesas logo após a
realização dos cercamentos das terras.
b) dos trabalhadores artesãos que viviam na periferia das cidades industriais, exercendo, com
seus próprios instrumentos, atividades em pequenas oficinas.
c) das famílias dos operários, que se aglomeravam nas cidades industriais a partir da Revolução
Industrial.
d) dos mendigos de Londres que viviam marginalizados na sociedade porque não se adaptavam
ao trabalho disciplinado da fábrica.
e) dos desempregados, já que não conseguiam pagar os aluguéis das habitações sanitárias
pelos industriais para as famílias operárias.
12- (UEL) "Senhor. Acabo de ser informado de que é detentor daquelas detestáveis cortadeiras e
estou incumbido por meus homens de escrever-lhe em advertência, para que as destrua. (...) Se
elas não forem destruídas até o fim da próxima semana destacarei um de meus tenentes, no
comando de pelo menos trezentos homens, para que o façam."
(Trecho de uma carta anônima enviada ao Sr. Smith, industrial inglês da cidade de Hill End,
em 9 de março de 1812. In: SALE, K. "Inimigos do futuro". São Paulo: Record, 1999. p.110.)
HISTÓRIA
163
Com base em seus conhecimentos sobre a Revolução Industrial na Inglaterra e no documento
acima, analise as seguintes afirmativas:
I - Se por um lado a mecanização da produção libertou o trabalho da força braçal excessiva, por
outro, vinculou à atividade fabril um grande número de crianças e mulheres, submetidas a
jornadas extensas em locais de trabalho insalubres.
II - O trecho da carta caracteriza o movimento Iudista, que atribuía às máquinas a
responsabilidade pelo desemprego e pobreza de fiandeiros e tecelões.
III - O documento destaca a atuação do movimento anarquista, que defendia a implantação de um
Estado capaz de proteger os trabalhadores da exploração capitalista.
Assinale a alternativa correta.
a)
b)
c)
d)
e)
Apenas a afirmativa I é verdadeira.
Apenas a afirmativa III é verdadeira.
Apenas as afirmativas I e III são verdadeiras.
Apenas as afirmativas I e II são verdadeiras.
Apenas a afirmativa II é verdadeira.
13- (UNESP) O historiador David Landes, referindo-se à Revolução Industrial, escreveu:
"O cerne dessa Revolução foi uma sucessão inter-relacionada de mudanças tecnológicas. Os
avanços materiais ocorreram em três áreas: (1) houve uma substituição das habilidades humanas
por dispositivos mecânicos; (2) a energia de fonte inanimada - especialmente a do vapor - tomou o
lugar da força humana e animal; (3) houve uma melhora acentuada nos métodos de extração e
transformação das matérias primas, especialmente no que hoje se conhece como indústrias
metalúrgicas e químicas."
(Prometeu Desacorrentado.)
a) Qual foi o primeiro país a iniciar a industrialização com o uso tecnológico descrito pelo texto?
b) Indique duas conseqüências da industrialização nos movimentos sociais e políticos europeus
nos séculos XVIII e XIX.
14- (FUVEST) "... cabanas ou pequenas moradias espalhadas em grande número, nas quais
residem os trabalhadores empregados, cujas mulheres e filhos estão sempre ocupados, cardando,
fiando etc., de forma que, não havendo desempregados, todos podem ganhar seu pão, desde o
mais novo ao mais velho".
Daniel Defoe, "Viagem por toda a ilha da Grã-Bretanha", 1724.
Essa passagem descreve o sistema de trabalho
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
e)
164
manufatureiro, no qual um empregador reúne num único local dezenas de trabalhadores.
da corporação de ofício, no qual os trabalhadores têm o controle dos meios de produção.
fabril, no qual o empresário explora o trabalho do exército industrial de reserva.
em domicílio, no qual todos os membros de uma família trabalham em casa e por tarefa.
de co-gestão, no qual todos os trabalhadores dirigem a produção.
16- (UERJ) O século XXI começa sob o regime de uma revolução econômica que talvez só seja
comparável à revolução industrial do final do século XVIII. Nos últimos 100 anos não vimos nada
igual.
("Veja", 07/07/99)
Apesar da aproximação estabelecida acima, a Revolução Industrial do século XVIII e a revolução
econômica em curso possuem diversas diferenças entre si.
Esses dois processos distinguem-se por apresentarem, respectivamente, as seguintes
características:
a) acumulação de capital no setor terciário através dos bancos - acumulação de capital através
do transformação capitalista da agricultura
b) revolução agrícola necessária à acumulação de capital - desapropriação dos terrenos
improdutivos para incentivo à industrialização
c) crescimento das atividades artesanais centradas nas oficinas domésticas especialização da
mão-de-obra no produção em série
d) predominância de empresas formadas por capital familiar limitado - revolução técnicocientífica com a aplicação da ciência no desenvolvimento econômico.
17- (UNIRIO) "Nos séculos XVI e XVII, à medida que a população se expandia rapidamente,
Londres (...) tornou-se o refúgio de 'HOMENS SEM GOVERNO' - vítimas do CERCAMENTO DE
TERRAS, vagabundos, criminosos - numa escala que alarmou os contemporâneos (...) dessa
forma o povo pobre e sedicioso, que constituiu um fardo para a república, é mandado embora, de
modo que se remove da City a matéria sediciosa."
(HILL, Christopher. "O Mundo de Ponta-Cabeça". São Paulo, Cia. das Letras, 1987,
p.37.)
a) Explique a expressão HOMENS SEM GOVERNO.
b) Relacione o CERCAMENTO DE TERRAS ("enclousures"), desenvolvido na Inglaterra, à
colonização da América.
HISTÓRIA
165
18- (PUCCAMP) A lançadeira volante (1735), aumentando a capacidade dos tecelões, estimulou
a invenção da "spinning-jenny", que aumentava a produção de fios. Esse aumento desencadeou a
invenção do tear mecânico (1785) que, por sua vez, passou a exigir nova forma de energia e
resultou na invenção da máquina a vapor (1790). No processo descrito, em que "máquinas geram
por si mesmas máquinas mais potentes", pode-se perceber que
I. o aumento da produtividade do trabalho exigiu o aumento da produção de matéria-prima.
III. a falta de matéria-prima estimulou o aumento de produtividade das máquinas.
III. o aumento da oferta de matéria-prima estimulou o interesse em aumentar a produtividade das
máquinas.
IV. a diminuição da produtividade do trabalho exigiu aumento da produção de matéria-prima.
Estão corretas somente
a)
b)
c)
d)
e)
I e III.
II e III.
II e IV.
I, II e IV.
I, III e IV.
19- (PUCCAMP) James Watt não foi só o inventor da "máquina a vapor". Foi um empresário bem
sucedido. Cobrava por suas máquinas uma parte sobre a economia que elas proporcionassem
aos compradores e, com isso, ficou rico. Com o advento do maquinismo, depois de sua invenção,
os meios de produção se tornaram mais caros. Disso resultou
a)
b)
c)
d)
e)
o declínio do poder aquisitivo do proletariado.
o início do processo de separação entre capital e trabalho.
a necessidade de emprego de maior número de trabalhadores.
o encarecimento dos maquinofaturados em relação aos manufaturados.
a concentração do capital em mãos de um segmento mais rico da burguesia.
20- (PUCMG) São características básicas do industrialismo, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
a especialização das tarefas.
a padronização dos produtos.
a retração do mercado.
a produção em larga escala.
a sincronização do trabalho.
21- (PUCMG) A doutrina liberal que se desenvolveu na Europa nos séculos XVIII e XIX advogava:
a) o fortalecimento do poder executivo através da adoção de um regime político do tipo
parlamentarista.
b) o protecionismo alfandegário como instrumento necessário ao desenvolvimento das empresas
nacionais.
c) a regulamentação e controle dos preços pelas autoridades econômicas, visando a um
crescimento integrado.
HISTÓRIA
166
d) a liberdade do indivíduo para escolher e orientar sua ação no campo econômico e político.
e) a eliminação dos conflitos sociais por meio da criação de um sistema de corporações de
caráter profissional.
22- (PUCCAMP) O novo processo de produção introduzido com a Revolução Industrial, no século
XVIII, caracterizou-se pela
a)
b)
c)
d)
e)
implantação da indústria doméstica rural em substituição às oficinas.
realização da produção em grandes unidades fabris e intensa divisão do trabalho.
mecanização da produção agrícola e conseqüente fixação do homem à terra.
facilidade na compra de máquinas pelos artesãos que conseguiam financiamento para isso.
preocupação em aumentar a produção, respeitando-se o limite da força física do trabalhador.
23- (UFMG) Leia estes trechos de relatos sobre o movimento ludita na Inglaterra, no início do
século XIX, feitos à época:
"Só quebraram as armações dos que tinham reduzido o valor dos salários dos empregados; os
que não tinham abaixado o valor ficaram com suas armações intactas; num estabelecimento, na
noite passada, quebraram quatro entre seis armações; as outras duas, que pertenciam a mestres
que não tinham abaixado seus salários, não mexeram nelas."
"Vieram a este local dois homens que se diziam inspetores do comitê; foram às casas de todos os
malharistas e dispensaram-nos de trabalhar a preços que estivessem abaixo de uma lista que lhes
deram. [...] Quando encontraram um bastidor operado por alguém que não tivesse prestado o
aprendizado regular, ou por uma mulher, dispensavam-nos do trabalho e, se prometiam parar,
fincavam um bilhete na armação com essas palavras escritas: 'Deixem ficar essa armação,
removidos os inexperientes'."
A partir das idéias contidas nesses relatos, o ludismo pode ser caracterizado como um movimento
que
a)
b)
c)
d)
lutava pelo retorno da guilda e contra a evolução tecnológica do capitalismo.
resistia à industrialização e ao uso das máquinas na indústria têxtil.
buscava controlar os salários e a oferta de mão-de-obra.
pretendia a manutenção do artesanato tradicional como forma de produção.
24- (PUCSP) "Se, num futuro de automatização vamos passar a desfrutar de mais lazeres, o
problema que se põe não é: "Como é que os homens vão ser capazes de consumir todas essas
adicionais unidades de tempo?", mas sim "qual será a capacidade de inovação dos homens que
vão ter que viver uma parcela importante do seu tempo que não está vinculada a quaisquer
obrigações de trabalho?" (...) ...se a noção de tempo útil se tornar menos compulsiva, os homens
terão de voltar a aprender algo da arte de viver que perderam com a Revolução Industrial: o modo
de preencher os interstícios dos seus dias com relações pessoais e sociais mais ricas, mais
repousantes; o modo de quebrar uma vez mais as barreiras entre o trabalho e a vida pessoal"
(THOMPSON, E. P. 'O tempo, a disciplina do trabalho e o capitalismo industrial', in
SILVA, Tomaz T. da. TRABALHO, EDUCAÇÃO e PRÁTICA SOCIAL. Porto Alegre, Artes
Médicas, 1991.)
O texto possibilita afirmar que
a) a automatização, produto da Revolução Industrial, será condição suficiente e necessária para
libertar o homem da carga excessiva de trabalho, deixando-lhe mais tempo livre para o lazer e
favorecendo uma aproximação entre vida pessoal e profissional.
HISTÓRIA
167
b) a racionalização, através da divisão de tarefas e da impessoalidade do controle, tenderá a
libertar o operário de tarefas mecânicas e repetitivas, possibilitando a ele racionalizar também
seu tempo livre.
c) o operário, frente a novas formas de organização do trabalho, deverá aprender a consumir
adequadamente seu tempo livre, transformado pela Revolução Industrial numa mercadoria.
d) as formas de trabalho impostas pela Revolução Industrial tenderão a ser 'suavizadas' pela
automatização, democratizando o acesso ao tempo livre e ao lazer, estabelecendo uma nítida
separação entre as esferas da vida pessoal e do trabalho.
e) o sistema de trabalho imposto pela Revolução Industrial destruiu formas tradicionais de
sociabilidade, impondo uma nítida separação entre 'vida' e 'trabalho', formas essas que
deverão ser recuperadas frente a novas possibilidades.
25- (UFMG) Leia o texto.
"O século burguês foi uma era de melhoramentos, mais para os burgueses, talvez, do que para
qualquer outro grupo de pessoas. Sua ideologia carregada de esperanças não era apenas uma
máscara para encobrir o desespero, mas uma crença sincera no progresso."
(GAY, Peter. A EXPERIÊNCIA BURGUESA DA RAINHA VITÓRIA E FREUD: a educação dos
sentidos. São Paulo: Cia das Letras, 1988. p. 55.)
Todas as alternativas apresentam indicadores do progresso na Europa na segunda metade do
século XIX, exceto
a)
b)
c)
d)
A crença dos indivíduos em relação às possibilidades de ascensão social.
A expansão das ferrovias como meio de intensificar a troca de mercadorias.
A garantia de uma renda mínima às famílias de trabalhadores.
O aumento da capacidade produtiva através da ampliação do número de fábricas.
26- (UNICAMP) O industrial Henry Ford observou certa vez: Não pude constatar que o trabalho
repetitivo cause dano de qualquer espécie homem. Especialistas de inclinações liberais
asseguraram-me que o trabalho repetitivo destrói o físico e a mente, porém esse não foi o
resultado de nossas investigações. A tarefa mais monótona de toda a fábrica é aquela na qual um
homem pega uma engrenagem, a agita dentro de um tanque de óleo e a coloca em um cesto.
Não requer energia muscular, nem inteligência. No entanto um homem está nessa tarefa há oito
anos ininterruptos. Ele economizou, investiu seu dinheiro, e tem hoje cerca de mil dólares.
(Adaptado de Huw Beynon, "Trabalhando para Ford", Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1995, p. 150.)
a) Qual foi o sistema de produção industrial introduzido por Henry Ford e em que ele consistia?
b) Segundo Ford, quais as vantagens deste sistema de produção?
HISTÓRIA
168
c) Que críticas foram feitas a este sistema?
CAPÍTULO 13
A REVOLUÇÃO FRANCESA
01- (FGV) "Chegou a hora da igualdade passar a foice por todas as cabeças. Portanto,
legisladores, vamos colocar o terror na ordem do dia."
(Discurso de Robespierre na Convenção)
A fala de Robespierre ocorreu num dos períodos mais intensos da Revolução Francesa. Esse
período caracterizou-se:
a) pela fundação da monarquia constitucional, marcada pelo funcionamento da Assembléia
Nacional.
b) pela organização do Diretório, marcado pela adoção do voto censitário.
c) pela reação termidoriana, marcada pelo fortalecimento dos setores conservadores.
d) pela convocação dos Estados Gerais, que pôs fim ao absolutismo francês.
e) pela criação do Comitê de Salvação Pública e a radicalização da revolução.
02- (PUCCAMP) Na Revolução Francesa, a Convenção Jacobina pode ser caracterizada
a) pela anulação das medidas mais radicais e de maior alcance social, levadas a efeito durante o
governo provisório.
b) pelo predomínio político da alta burguesia, que toma medidas marcadas pela moderação e
pela exclusão das massas populares.
c) pela radicalização do processo revolucionário, que coloca o "terror" na ordem do dia e pelas
pressões dos sans-cullotes.
d) pelo controle político da burguesia industrial que promove a abolição da escravidão nas
colônias e das indenizações exigidas dos camponeses.
e) pela conspiração dos camponeses, de inspiração socialista contra a Convenção.
03- (FUVEST) Do ponto de vista social, pode-se afirmar, sobre a Revolução Francesa, que
a) teve resultados efêmeros, pois foi iniciada, dirigida e apropriada por uma só classe social, a
burguesia, única beneficiária da nova ordem.
b) fracassou, pois, apesar do terror e da violência, não conseguiu impedir o retorno das forças
sócio-políticas do Antigo Regime.
c) nela coexistiram três revoluções sociais distintas: uma revolução burguesa, uma camponesa e
uma popular urbana, a dos chamados sans-culottes.
d) foi um fracasso, apesar do sucesso político, pois, ao garantir as pequenas propriedades aos
camponeses, atrasou, em mais de um século, o progresso econômico da França.
e) abortou, pois a nobreza, sendo uma classe coesa, tanto do ponto de vista da riqueza, quanto
do ponto de vista político, impediu que a burguesia a concluísse.
HISTÓRIA
169
04- (UFRS) A Revolução Francesa de 1789 apresentou distintas fases com resultados diferentes.
De qualquer forma, ela foi responsável pela eliminação do Antigo Regime e pela transformação da
sociedade francesa e européia da época. Assinale entre as alternativas abaixo, relativas aos
resultados obtidos no campo, a que estiver incorreta.
a) Abolição da monarquia e criação de um amplo setor de pequenos proprietários rurais.
b) Eliminação da condição de servidão que se mantinha entre parte da população camponesa.
c) Abolição dos deveres e tributos discriminatórios feudais e reais que recaíam sobre as
diferentes regiões e o campo.
d) Expropriação e venda das terras da monarquia, da Igreja e da aristocracia contrarevolucionária aos burgueses e aos camponeses.
e) Transformação dos senhorios feudais em empresas agrícolas pela libertação do ônus do
serviço militar e expulsão dos camponeses servis.
05- (UNIRIO) "O mais extraordinário não é que a Revolução Francesa tenha empregado os
processos que a vimos aplicar e concebido as idéias que produziu: a grande novidade é que
tantos povos tenham chegado a um ponto em que tais procedimentos pudessem ser empregados
com eficácia e tais máximas admitidas com facilidade."
(TOCQUEVILLE, Alexis de. "O Antigo Regime e a Revolução". Tradução de Yvonne Jean da
Fonseca, Brasília: UNB, 1979, p. 59.)
A Revolução Francesa é um dos principais movimentos sociais da história ocidental. Exerceu forte
influência na formação do ideário político e social do ocidente em épocas distintas e em culturas
variadas. A Revolução Francesa, em seu processo de mudanças políticas e sociais, caracterizouse por:
a) derrubar o sistema de representação política da nobreza senhorial baseado nos Estados
Gerais eleitos por sufrágio singular, secreto e universal
b) fortalecer o Estado estamental baseado no privilégio como fator de distinção social e
ascensão econômica
c) promover o súdito a cidadão através de um ordenamento político-jurídico no qual se destaca a
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
d) substituir o sistema constitucional e parlamentar da monarquia francesa do Antigo Regime por
uma República Federativa de governo burguês
e) trocar o modelo institucional da separação dos poderes do Estado Absoluto francês, divididos
em executivo, legislativo e judiciário, pelos tribunais revolucionários burgueses
06- (UERJ) Explique por que a Revolução Francesa é considerada um importante marco da crise
do Antigo Regime.
HISTÓRIA
170
07- (UFMG) Leia estes versos, que eram cantados na França, durante a fase do Terror, ocorrida
entre junho de 1793 e julho de 1794:
Santa Guilhotina, protetora dos patriotas, rogai por nós;
Santa Guilhotina, terror dos aristocratas, protegei-nos.
Máquina adorável, tende piedade de nós.
Máquina admirável, tende piedade de nós.
Santa Guilhotina, livrai-nos de nossos inimigos.
(Com a melodia da Marselhesa)
Ó celeste Guilhotina,
Você abrevia rainhas e reis,
Por tua influência divina
Reconquistamos nossos direitos. (bis)
Sustenta as leis da pátria
E que teu soberbo instrumento
Torne-se sempre permanente
Para destruir uma seita ímpia.
Afia tua lâmina para Pitt e seus agentes,
Enriquece tua bagagem com cabeças de tirano!
(Citado por ARASSE, Daniel. "A guilhotina e o imaginário do Terror".
São Paulo: Ática, 1989. p.106-107.)
A partir da leitura desses versos, é correto afirmar que
a) a difusão da idéia de uma "pátria em perigo" ficou sem efeito prático, limitada ao discurso
político.
b) a guilhotina foi utilizada como um instrumento capaz de representar o ato de justiça do povo.
c) a ordem interna, na fase do Terror, se enfraqueceu devido à ação do Comitê de Salvação
Pública.
d) o ardor contra-revolucionário, expresso no louvor à guilhotina, era endereçado aos seguidores
de Bonaparte.
08- (FGV) "Quem, portanto, ousaria dizer que o Terceiro Estado não tem em si tudo o que é
necessário para formar uma nação completa? Ele é o homem forte e robusto que tem um dos
braços ainda acorrentado. Se suprimíssemos a ordem privilegiada, a nação não seria algo de
menos e sim alguma coisa mais. Assim, o que é o Terceiro Estado? Tudo, mas um tudo livre e
florescente. Nada pode caminhar sem ele, tudo iria infinitamente melhor sem os outros."
(E. J. Sieyes. "Qu'est-ce que le Triers Êtat.")
O texto do Abade Sieyes nos remete a uma leitura da/do:
HISTÓRIA
171
a) sistema de estamentos na França pré-revolucionária, privilegiando o papel realizador do clero;
b) França durante o período do Terror, quando Robespierre orienta os jacobinos à execução
total do alto clero;
c) condição do Terceiro Estado, de não apenas desejar construir uma nação, mas,
fundamentalmente, de ser efetivamente a nação;
d) necessidade de acordos entre os diferentes estamentos para a construção de uma nação
próspera e republicana;
e) Terceiro Estado, composto pelo baixo clero, e representando 98% da população francesa, que
buscava dar fim aos privilégios dos demais estamentos.
09- (PUCRS) Sobre os acontecimentos que marcaram o período da Revolução Francesa
conhecido como Convenção Nacional (1792-1794), é correto afirmar que
a) em fins do ano de 1793, os jacobinos formaram um governo apoiado pelos "sans coulottes",
os quais defendiam os interesses dos pobres, por meio de uma tributação progressiva e de
um teto máximo para preços e salários.
b) entre setembro de 1792 e junho de 1793, estabeleceu-se a República Girondina, criando-se o
tribunal revolucionário encarregado de descobrir os suspeitos de traição.
c) a Constituição do Ano I, elaborada pela República Jacobina, estabeleceu o sufrágio censitário.
d) caracterizou-se como uma fase de vitórias externas, especialmente contra as coligações antiFrança lideradas pela Áustria e pela Espanha.
e) foi criado, pelos Girondinos, um Comitê de Segurança Geral, com o objetivo de confiscar os
bens do Clero.
10- (CESGRANRIO) Durante as diversas fases da Revolução Francesa discutiu-se a questão dos
direitos humanos. Foi na Era Napoleônica (1799-1815) que alguns desses direitos foram
assegurados e vêm até os dias de hoje, como, por exemplo, a(o):
a)
b)
c)
d)
e)
propriedade privada.
organização sindical em todos os trabalhos urbanos.
jornada de trabalho de 8 horas diárias.
greve por parte de todos trabalhadores.
voto universal, incluindo o direito de voto das mulheres.
11- (FATEC) A Revolução Francesa foi o modelo clássico de revolução burguesa. No plano
político, alçou a burguesia ao poder; pela profundidade das transformações que causou e pela
extensão de sua influência, tornou-se o marco divisório entre o fim da Idade Moderna e o início da
Idade Contemporânea.
A Revolução Francesa significou
a) o fim do Antigo Regime, a eliminação das práticas feudais e a criação de instituições
impulsionadoras do capitalismo.
b) o fim do Antigo Regime, a manutenção de algumas práticas feudais e da sociedade baseada
nos três estados, a criação de instituições impulsionadoras do capitalismo.
c) o fim do Antigo Regime, a manutenção dos privilégios da nobreza e a criação de instituições
impulsionadoras do feudalismo.
d) a manutenção do Antigo Regime, a eliminação de algumas práticas feudais e a criação de
instituições impulsionadoras do capitalismo.
e) o fim do Antigo Regime, a eliminação das práticas feudais, a criação de instituições
impulsionadoras do capitalismo e a manutenção do clero e da nobreza como camadas sociais
dominantes.
12- (PUC-RIO) "Invocando o direito natural, tal qual os americanos, a Revolução Francesa
conferiu à sua obra um caráter universal que a liberdade britânica não possuía, e afirmou esse
HISTÓRIA
172
caráter com muito mais força. Ela não proclamou apenas a república: instituiu o sufrágio universal.
Ela não liberou apenas os brancos: aboliu a escravidão. Ela não se contentou com a tolerância:
mas reconheceu a liberdade de consciência, admitiu os protestantes e os judeus na cidade e,
criando um estado civil, reconheceu a cada um o direito de não aderir a nenhuma religião."
Georges Lefebvre, "La Place de Ia Révolution Française dans I'Histoire du Monde,"
ANNALES. Économies, Sociétés, Civilisations. 3 eme année, 3
(Juillet - Septembre 1948), p. 264.
Considerando a afirmação acima:
a) desenvolva duas razões que justifiquem a importância do direito natural para se conferir um
caráter universal à Revolução Francesa.
b) Cite um exemplo de restrição à liberdade entre os britânicos e entre os norte-americanos, que
suas respectivas Revoluções não eliminaram.
13- (PUC-RIO)
"Que é o Terceiro Estado? Tudo. Que tem sido até agora na ordem política?
Nada. Que deseja? Vir a ser alguma coisa.
Ele é o homem forte e robusto que tem um dos braços ainda acorrentados. Se
suprimíssemos a ordem privilegiada, a nação não seria algo de menos e sim alguma coisa mais.
Assim, que é o Terceiro Estado? Tudo, mas um tudo livre e florescente. Nada pode caminhar sem
ele, tudo iria infinitamente melhor sem os outros (...)."
Abade Sieyes. "O que é o Terceiro Estado?"
Considerando o texto apresentado,
a) identifique 2 (dois) grupos sociais que compunham o Terceiro Estado e explique seus
descontentamentos às vésperas da Revolução Francesa;
HISTÓRIA
173
b) cite, a partir dos descontentamentos do Terceiro Estado em relação ao Antigo Regime, 2
(duas) ações empreendidas pelos revolucionários franceses que tenham contribuído para alterar
esta situação.
14- (PUCSP) As Revoluções Inglesas do século XVII e a Revolução Francesa são, muitas vezes,
comparadas. Sobre tal comparação, pode-se dizer que
a) é pertinente, pois são exemplos de processos que resultaram em derrota do absolutismo
monárquico; no entanto, há muitas diferenças entre elas, como a importante presença de
questões religiosas no caso inglês e o expansionismo militar francês após o fim da revolução.
b) é equivocada, pois, na Inglaterra, houve vitória do projeto republicano e, na França, da
proposta monárquica; no entanto foram ambas iniciadas pela ação militar das tropas
napoleônicas que invadiram a Inglaterra, rompendo o tradicional domínio britânico dos mares.
c) é pertinente, pois são exemplos de revolução social proletária de inspiração marxista; no
entanto os projetos populares radicais foram derrotados na Inglaterra (os "niveladores", por
exemplo) e vitoriosos na França (Os "sans-culottes").
d) é equivocada, pois, na Inglaterra, as revoluções tiveram caráter exclusivamente religioso, e,
na França, representaram a vitória definitiva da proposta republicana anti-clerical; no entanto
ambas foram movimentos anti-absolutistas.
e) é pertinente, pois são exemplos de revoluções burguesas; no entanto, na Inglaterra, as lutas
foram realizadas e controladas exclusivamente pela burguesia, e, na França, contaram com
grande participação de camponeses e de operários.
15- (UNICAMP) Ó Celeste Guilhotina,
Abrevias rainhas e reis,
Por tua influência divina
Reconquistamos nossos direitos.
a) Identifique o acontecimento histórico ocorrido na Europa no final do século XVIII, ao qual
esses versos se referem.
b) Mencione duas características do poder do rei numa sociedade do Antigo Regime.
c) Cite dois direitos assegurados pela Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
HISTÓRIA
174
16- (FUVEST) "Mesmo se o alvo perseguido não tivesse sido alcançado, mesmo se a constituição
por fim fracassasse, ou se voltasse progressivamente ao Antigo Regime, ... tal acontecimento é
por demais imenso, por demais identificado aos interesses da humanidade, tem demasiada
influência sobre todas as partes do mundo para que os povos, em outras circunstâncias, dele não
se lembrem e não sejam levados a recomeçar a experiência."
(Kant, O CONFLITO DAS FACULDADES, 1798).
O texto trata:
a) do iluminismo e do avanço irreversível do conhecimento filosófico; revelando-se falso nos
seus prognósticos sobre o futuro político- constitucional.
b) do retorno do Antigo Regime, na Europa, depois do fracasso da Revolução francesa,
revelando-se incapaz de vislumbrar o futuro da história.
c) da Revolução Francesa, dos seus desdobramentos políticos e constitucionais, revelando a
clarividência do autor sobre sua importância e seu futuro.
d) da Revolução inglesa, do impacto que causou no mundo, com seus princípios liberais e
constitucionais, revelando-se profético sobre seu futuro.
e) do despotismo ilustrado, dos seus princípios filosóficos e constitucionais e de seu impacto na
política européia, revelando caráter premonitório.
17- (PUCRS) A Revolução Francesa (1789-1799) enquadra-se no contexto mais amplo das
revoluções burguesas que sacudiram a Europa entre 1789-1848. Poder-se-ia mesmo afirmar que
houve "revoluções" dentro da Revolução Francesa. Nesse sentido, a tentativa de aplicação do
princípio da soberania da maioria, inspirado nas idéias de Jean Jacques Rousseau, através da
extensão do direito de voto a todos os homens maiores de 21 anos, independentemente de sua
situação econômica, a abolição da escravidão nas colônias francesas e a realização de uma
reforma agrária extinguindo os resquícios feudais, referem-se ao período
a)
b)
c)
d)
e)
da Monarquia Constitucional.
da Assembléia Constituinte.
da Convenção Nacional.
do Diretório.
do Consulado.
18- (UNICAMP) Em sua obra Os sans-culottes de Paris, o historiador Albert Soboul escreveu: "Os
cidadãos de aparência pobre e que em outros tempos não se atreveriam a apresentar-se em
lugares reservados a pessoas elegantes passeavam agora nos mesmos locais que os ricos, de
cabeça erguida."
(Citado por Eric Hobsbawm, "A Era das Revoluções",São Paulo, Paz e Terra, 1976,
p.231.)
(nota: sans-culottes significa "sem culotes", "sem-calças")
a) Caracterize o movimento dos sans-culottes na Revolução Francesa.
HISTÓRIA
175
b) Compare o movimento dos sans-culottes com o movimento dos sem-terra no Brasil.
19- (UFF) O processo das Revoluções Democrático-Burguesas que animou a Europa e a América
nos séculos XVIII e XIX contribuiu, efetivamente, para a institucionalização da vida política
contemporânea.
Com relação ao enunciado, pode-se afirmar que:
a) A Revolução Francesa não fez parte do processo das revoluções democrático-burguesas,
pois apresentou idéias de vida social incompatíveis com o capitalismo liberal.
b) As revoluções democrático-burguesas, ao conterem a crítica mais radical ao Antigo Regime,
desenvolveram as idéias centrais do positivismo e do evolucionismo, contribuindo para o
reforço do autoritarismo.
c) A Revolução Francesa, movimento heterogêneo, que incluiu setores sociais descontentes
com o Antigo Regime, promoveu o desenvolvimento das matrizes ideológicas do século XIX :
liberalismo, socialismo e conservadorismo.
d) A Revolução Americana, ao ser incluída nas revoluções democrático-burguesas, excluiu-se do
processo ocidental, vinculando-se, apenas, às revoluções atlânticas.
e) A Revolução Francesa não representou o processo das revoluções democrático-burguesas,
por não aceitar a hegemonia inglesa na expansão das idéias liberais.
20- (PUCMG) O Antigo Regime, expressão cunhada no final do século XVIII para designar o
conjunto de instituições que caracterizavam a sociedade francesa até aquele momento, pode ser
definido através, exceto:
a)
b)
c)
d)
da liberdade individual no nível jurídico.
do absolutismo monárquico no nível político.
do ordenamento estamental no nível social.
da política mercantilista no nível econômico.
21- (FUVEST) Há controvérsias entre historiadores sobre o caráter das duas grandes revoluções
do mundo contemporâneo, a Francesa de 1789 e a Russa de 1917; no entanto, existe consenso
sobre o fato de que ambas
a) fracassaram, uma vez que, depois de Napoleão, a França voltou ao feudalismo com os
Bourbons e a União Soviética, depois de Gorbatchev, ao capitalismo.
b) geraram resultados diferentes as intenções revolucionárias, pois tanto a burguesia francesa
quanto a russa eram contrárias a todo tipo de governo autoritário.
HISTÓRIA
176
c) puseram em prática os ideais que as inspiraram, de liberdade e igualdade e de abolição das
classes e do Estado.
d) efetivaram mudanças profundas que resultaram na superação do capitalismo na França e do
feudalismo na Rússia.
e) foram marcos políticos e ideológicos, inspirando, a primeira, as revoluções até 1917, e a
segunda, os movimentos socialistas até a década de 1970.
22- (PUCMG) No Antigo Regime, a aristocracia francesa tinha como privilégios, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
o monopólio das funções políticas mais importantes.
a isenção do pagamento de taxas e impostos.
o controle das atividades manufatureiras e comerciais.
a sujeição a leis e tribunais especiais e exclusivos.
a desobrigação frente a todo trabalho produtivo.
23- (PUCCAMP) A Revolução Francesa é considerada como o modelo clássico de revolução
democrático-burguesa, pois
a) unidos por interesses idênticos, os diversos segmentos da burguesia lutaram pelo
estabelecimento de uma nova ordem política e social.
b) a estabilidade social do Antigo Regime não foi ameaçada pelos representantes do 3o Estado
devido às desigualdades sociais existentes entre os segmentos que o integravam.
c) a despeito das ações radicais dos jacobinos no denominado período do "Terror", o processo
criou condições para a difusão dos Direitos Humanos e Princípios Liberais segundo a
concepção da burguesia.
d) a burguesia aliou-se ao campesinato a defesa dos valores democráticos ao longo de todo o
processo revolucionário, resultando isto na ascensão social dos dois segmentos.
e) procurou manter a harmonia entre os três estados para garantir a continuidade dos ideais da
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
24- (UERJ) A luta pela liberdade na Revolução Francesa de 1789 possibilitou a conquista de
direitos essenciais que até hoje formam alguns dos pilares do mundo contemporâneo.
Entre esses direitos assegurados na "Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão" de 1789,
podem-se destacar:
a) liberdade, propriedade e resistência à opressão, como direitos naturais do homem
b) soberania, igualdade civil e autoridade, como diretos inerentes aos corpos privilegiados da
sociedade
c) distinção de nascimento, privilégio fiscal e hereditariedade do poder, como direitos sagrados
do cidadão
d) insurreição para o povo, direito à cidadania e igualdade social, como os mais elevados dos
direitos do homem
25- (UFMG) A maioria dos historiadores atribui à Revolução Francesa uma contribuição decisiva
para a construção de novos valores políticos e sociais do mundo contemporâneo.
Esse entendimento está baseado:
a) nas formulações políticas dos jacobinos, que permitiram a rápida implantação do sistema
capitalista na Europa.
b) no simbolismo da Revolução, que representou o rompimento com o absolutismo e a
ampliação da noção de cidadania.
HISTÓRIA
177
c) na atuação dos girondinos, que defendiam a revolução como a única forma eficiente de ação
política.
d) no revigoramento dos laços de solidariedade das corporações de ofício, que preparou terreno
para a ação sindical dos trabalhadores.
CAPÍTULO 14
NAPOLEÃO: MITO OU REALIDADE
01- (CESGRANRIO) O golpe do 18 de Brumário de 1799, no contexto da Revolução Francesa,
derrubou o Diretório, instituiu o sistema do Consulado e elevou Napoleão Bonaparte à liderança
política da França revolucionária. Napoleão manteve-se no poder por um período que se estendeu
de 1799 até 1815, período esse denominado de Era Napoleônica, durante o qual ocorreu a:
a) consolidação interna do ideário burguês da Revolução e a tentativa de sua imposição a
diversos países da Europa com a expansão militar promovida por Napoleão.
b) retomada do poder político pelos segmentos da nobreza provincial francesa com a
promulgação do Império (1804) como a força política legítima de governo da França do
período napoleônico.
c) união de segmentos sociais distintos na defesa do governo aristocrático e absolutista de
Napoleão, tais como o campesinato e a nobreza, com o objetivo de evitar uma invasão
estrangeira da França revolucionária.
d) interferência direta das Monarquias Absolutas européias na França, através da ação política
da Santa Aliança, ao encerrarem o processo revolucionário com seu apoio à ascensão de
Napoleão.
e) formação de diversas coligações que uniriam a França revolucionária e a Inglaterra liberal
contra os Estados aristocráticos, em defesa das conquistas liberais promovidas no processo
da Revolução Francesa.
02- (PUCPR) O socialismo científico foi uma síntese, feita por Marx e Engels, com base na
economia política inglesa, no socialismo utópico francês e na filosofia idealista alemã, de Hegel.
Assim, assinale a opção que contém idéia estranha ao socialismo científico:
a) a economia formava a base ou infra-estrutura da sociedade e sobre ela se erguia uma
superestrutura política, jurídica, filosófica, moral, etc.
b) o comunismo deveria suceder ao socialismo e importar no fim da exploração do homem pelo
homem, e se transformaria no anarquismo, sendo que este importava na supressão de
qualquer governo, leis ou coerções, conforme o lema "todo poder é opressor":
c) exploração do proletariado, levada a efeito pelos capitalistas, através da mais-valia.
d) a luta de classes entre exploradores e exploradores era constante na história, tendo ocorrido
na Idade Média entre servos e senhores.
e) após a derrubada do capitalismo deveria ocorrer a ditadura do proletariado, passando-se a
seguir ao socialismo.
03- (UNIRIO) A era napoleônica (1799-1815) caracterizou-se como um período de profundas
transformações políticas e sociais que consolidaram a hegemonia burguesa na França. Marque a
opção que identifica corretamente uma dessas transformações.
a)
b)
c)
d)
e)
Abolição da escravidão nas colônias francesas.
Aprovação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
Promulgação do Código Civil dos franceses.
Extinção dos laços senhoriais de servidão e vassalagem.
Instituição do sufrágio censitário.
HISTÓRIA
04- (UFES)
178
"A Revolução Francesa dominou a
história, a própria linguagem e o
simbolismo da política
ocidental,
desde sua irrupção até o período que
se seguiu à Primeira Grande Guerra Mundial".
Do texto anterior, de Eric Hobsbawm, pode-se inferir ter sido a Revolução Francesa um dos
processos mais importantes do século XVIII. Entre os acontecimentos que a marcaram, destacase o golpe de 18 Brumário de 1799, pelo qual
a)
b)
c)
d)
e)
a burguesia girondina reassumiu o poder, retomando o controle da Revolução.
Napoleão Bonaparte assumiu o poder, na condição de Primeiro Cônsul.
se instalou a Ditadura Montanhesa, sob a liderança de Robespierre.
se instalou o Regime do Terror, com a aprovação da Lei dos Suspeitos.
foi proclamada a República, após a vitória salvadora de Valmy.
05- (PUCMG) O Congresso de Viena, de 1815, reuniu representantes dos países europeus com o
objetivo de:
a)
b)
c)
d)
apoiar a Doutrina Monroe para impedir a recolonização da América.
organizar uma aliança militar para conter a expansão napoleônica no continente.
combater as idéias socialistas difundidas pelos operários nas indústrias.
reorganizar o mapa político europeu e promover a paz entre os países beligerantes.
06- (MACKENZIE) Minha maior glória não consistiu em ter ganho quarenta batalhas; Waterloo
apagará a memória de tantas vitórias. O que nada apagará, o que viverá eternamente, é o meu
Código Civil.
Napoleão Bonaparte
O Código Civil Napoleônico, promulgado em 1804, assegurava:
a) que os reis franceses só poderiam aumentar impostos ou alterar as leis com a aprovação do
Grande Conselho, composto por membros do clero, burgueses e nobres.
b) as conquistas burguesas, como a igualdade do indivíduo perante a lei, o direito à propriedade
e a proibição da organização de sindicatos de trabalhadores e das greves.
c) uma organização da Europa em novas bases econômicas e sociais, fixando uma
bipolarização ideológica marcada pela tensão internacional, o que reativou o confronto com a
Inglaterra.
d) a harmonização dos interesses conflitantes do capital e do trabalho dentro dos quadros das
corporações, defendendo que tudo deveria ser feito para a nação, pois esta representava a
mais alta forma de sociedade.
e) um planejamento econômico e social baseado na intervenção do Estado na economia,
através de investimentos estatais de monta, estimulando uma política de pleno emprego.
07- (PUCMG) A ascensão de Napoleão Bonaparte ao poder na França representou:
a) a adoção de uma política de reconciliação, assegurando a paz interna e canalizando o furor
revolucionário para as campanhas externas.
b) o estabelecimento de um governo popular, garantindo a efetiva participação das massas na
condução das coisas públicas.
HISTÓRIA
179
c) a busca de um equilíbrio de poder no continente europeu, através da celebração de uma série
de alianças com as principais potências.
d) o fim da política isolacionista até então mantida pelo governo francês, que possa a interferir
diretamente nas questões européias.
e) a reação da sociedade francesa ao avanço das forças capitalistas de produção e a
valorização das estruturas produtivas tradicionais.
08- (UFAL) A respeito do Golpe do 18 Brumário é correto afirmar que
a)
b)
c)
d)
e)
a ditadura bonapartista atendeu aos interesses da burguesia francesa.
provocou a convocação da Assembléia Nacional Constituinte.
reforçou a composição política entre girondinos e jacobinos.
a ditadura napoleônica instituiu o Terror.
aprovou a Declaração dos Direitos do Homem
09- (MACKENZIE) Sobre o Período Napoleônico é correto afirmar que:
a) as campanhas napoleônicas apoiaram o movimento denominado Conjura dos Iguais e
disseminaram os ideais do proletariado revolucionário francês.
b) de uma maneira geral, pode ser apontado como o momento em que se consolidaram as
instituições burguesas na França.
c) Portugal, tradicional aliado da França, foi um dos primeiros países a aderir ao Bloqueio
Continental em troca da ajuda na transferência da família real para a colônia Brasil.
d) o império foi marcado pelos acordos de paz com a Inglaterra, que via na França uma aliada
na propaganda da mentalidade capitalista burguesa.
e) a ascensão do império de Bonaparte foi concretizada a partir dos acordos políticos da
Península Ibérica, evitando as lutas nacionalistas e oposicionistas.
10- (UFRS) Considere as afirmações a seguir, referentes ao período napoleônico.
I - Um dos objetivos do Bloqueio Continental era anular a defasagem industrial da França em
relação à Inglaterra.
II - As Guerras Napoleônicas produziram desdobramentos de cunho político na América do Sul.
III - A expansão napoleônica debilitou os fundamentos do Antigo Regime europeu e estimulou o
surgimento dos nacionalismos.
IV - O Bloqueio Continental possibilitou a hegemonia do capitalismo industrial francês em toda a
Europa.
V - O Congresso de Viena confirmou, na Europa, os avanços sociais e políticos conquistados
durante a Revolução Francesa.
Quais estão corretas?
a)
b)
c)
d)
e)
Apenas I e II.
Apenas I e III.
Apenas I, II e III.
Apenas III, IV e V.
I, II, III, IV e V.
DÚVIDAS:
CAPÍTULO 15
1776: INDEPENDÊNCIA OU REVOLUÇÃO
01- (UFV) O domínio que as metrópoles européias exerciam sobre as diversas colônias
americanas começou a sofrer mudanças a partir da segunda metade do século XVIII. Sobre esse
HISTÓRIA
180
período, em se tratando dos processos de independência ou emancipação dessas colônias, é
correto dizer que:
a) os movimentos de contestação ao controle metropolitano na América tiveram como
conseqüência a libertação econômica e política das colônias, o que resultou na formação de
nações americanas soberanas, semelhantes às que se conhecem hoje.
b) a partilha do território espanhol na América foi desencadeada a partir da emancipação das
colônias, processo conduzido pela elite "criolla", com apoio de índios, escravos e
comerciantes, que teve o objetivo de manter a forma de governo monárquico.
c) a Guerra dos Sete Anos teve como conseqüência a decretação de impostos para aumentar a
arrecadação nas Treze Colônias, o que desencadeou o confronto armado, entre ingleses e
colonos, conhecido como Massacre de Boston.
d) a colonização de povoamento nas colônias do norte da América possibilitou o acúmulo de
capital e a formação de uma elite empresarial dinâmica e autogestionada, desencadeando um
processo de independência de caráter pacífico e negociado.
e) as revoltas que antecederam a emancipação política brasileira envolveram membros da elite
rural, classes médias urbanas e escravos, como a Confederação do Equador, a Sabinada e a
Balaiada, que tinham o intuito de manter a integridade do território nacional.
02- (UNESP) As colônias européias da América realizaram as suas independências entre os anos
de 1776 e 1824. O movimento iniciou-se com a emancipação das colônias inglesas da América do
Norte. O processo de independência da América Latina ocorreu, com algumas exceções, entre
1808 e 1824. Considerando-se esse processo de independência, explique:
a) O pioneirismo das 13 colônias inglesas da América.
b) A conjuntura política e econômica européia favorável à libertação das colônias espanholas e
portuguesa da América.
CAPÍTULO 16
O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DQA AMÉRICA
PORTUGUESA
01- (UERJ)
DA BANDEIRA DA INCONFIDÊNCIA
Através de grossas portas,
sentem-se luzes acesas,
- e há indagações minuciosas
dentro das casas fronteiras.
"Que estão fazendo, tão tarde?
HISTÓRIA
181
Que escrevem, conversam, pensam?
Mostram livros proibidos?
Lêem notícias nas Gazetas?
Terão recebido cartas
de potências estrangeiras?"
(...)
E a vizinhança não dorme:
murmura, imagina, inventa. (...)
(MEIRELES, Cecília. In: "Romanceiro da Inconfidência". Rio de Janeiro: Letras e Artes, 1965.)
Os versos acima retratam o clima das Minas Gerais nos últimos anos do século XVIII.
Cite um objetivo que os inconfidentes pretendiam atingir e descreva o ambiente intelectual vivido,
nesta região, em 1789.
02- (FUVEST) "... quando o príncipe regente português, D. João, chegou de malas e bagagens
para residir no Brasil, houve um grande alvoroço na cidade do Rio de Janeiro. Afinal era a própria
encarnação do rei [...] que aqui desembarcava. D. João não precisou, porém, caminhar muito para
alojar-se. Logo em frente ao cais estava localizado o Palácio dos Vice-Reis".
(Lilia Schwarcz. "As Barbas do Imperador".)
O significado da chegada de D. João ao Rio de Janeiro pode ser resumido como
a) decorrência da loucura da rainha Dona Maria I, que não conseguia se impor no contexto
político europeu.
b) fruto das derrotas militares sofridas pelos portugueses ante os exércitos britânicos e de
Napoleão Bonaparte.
c) inversão da relação entre metrópole e colônia, já que a sede política do império passava do
centro para a periferia.
d) alteração da relação política entre monarcas e vice-reis, pois estes passaram a controlar o
mando a partir das colônias.
e) imposição do comércio britânico, que precisava do deslocamento do eixo político para
conseguir isenções alfandegárias.
03- (UNICAMP) O final do século XVIII, no Brasil colônia, é caracterizado pelas inconfidências
ocorridas em Minas Gerais, na Bahia e no Rio de Janeiro. Esses movimentos alarmaram a coroa
portuguesa e contribuíram para uma rediscussão da política no império luso-brasileiro.
a) Identifique os grupos sociais que participaram de cada uma dessas inconfidências.
HISTÓRIA
182
b) Qual o significado da independência dos EUA, de um lado, para o governo metropolitano
português e, de outro, para os inconfidentes mineiros?
c) Que outro processo revolucionário inspirou esses movimentos?
04- (PUCSP) Entre os eventos que antecederam a independência política do Brasil e propuseram
ou criaram condições para a autonomia, pode-se mencionar
a) as iniciativas da Coroa portuguesa no Brasil, no início do século XIX, como a permissão ao
comércio internacional sem mediação da Metrópole e a criação de sistema bancário oficial.
b) as revoltas ocorridas na região das Minas Gerais, no decorrer do século XVIII, com
características e projetos, em todos os casos, emancipacionistas e propositores de um Estado
brasileiro autônomo.
c) as mudanças ocorridas no cenário europeu, entre o final do século XVIII e o início do XIX,
com a ascensão de Napoleão ao trono francês e a conquista, por suas tropas, de toda a
Europa Ocidental e de suas possessões coloniais.
d) as ações de grupos de comerciantes da Colônia, desde o início do século XIX, desejosos de
ampliar sua independência comercial e de estabelecer vínculos diretos com países do
Ocidente europeu e do Extremo Oriente.
e) as vitórias, no século XVIII, das lutas pela independência nas regiões de colonização
espanhola, francesa e inglesa das Américas, gerando um conjunto de impérios autônomos,
possíveis parceiros comerciais para o Brasil.
05- (PUCPR) "Foi o grande Pombal o único a perceber que a raça semítica, assim como os
colaterais da orla oriental do Mediterrâneo, poderiam fecundar a terra virgem do seu império
americano... abriu a imigração aos muçulmanos que quisessem se transferir para o Brasil...
Foi então que vieram os primeiros sírios, libaneses, persas, egípcios - quase todos nacionais do
Mediterrâneo oriental, que o povo engloba sob o nome genérico de "turco"...
(Dornas Filho, João - "Aspectos da Economia Colonial "- Biblioteca do ExércitoEditora, 1958, pág. 75.)
Sobre a conjuntura política do século XVIII, Governo Pombalino e o texto, assinale a única
alternativa incorreta.
HISTÓRIA
183
a) O Marquês de Pombal, aplicando a filosofia Iluminista ao Absolutismo Real, se fez inserir na
política denominada Despotismo Esclarecido.
b) Sírios e libaneses foram denominados "turcos" porque suas terras de origem, parte do Império
Árabe, tinham sido dominadas pelos turcos e os passaportes eram expedidos pelo Governo
Turco.
c) Os judeus, também de raça semítica, antecederam os islamitas no Brasil Colonial e os dois,
preferencialmente, dedicaram-se ao comércio.
d) O Governo de Pombal, no que se refere ao Brasil, foi marcado pela transferência da capital
colonial de Salvador para o Rio de Janeiro.
e) Tendo em vista diferenças religiosas e interesses econômicos, judeus, muçulmanos e seus
descendentes tiveram constantes atritos no Brasil, na fase Colonial e Imperial.
06- (PUCCAMP) A queda abrupta do movimento comercial das importações e exportações entre
Portugal e suas colônias, em 1808, foi decorrência
a) dos altos índices de inflação da economia portuguesa, que dificultavam as transações
comerciais com as colônias.
b) da ocupação do território português pelos ingleses, provocando a interrupção total das
relações comerciais daquele país.
c) da União das Coroas Ibéricas, quando a Espanha assume diretamente o monopólio do
comércio das colônias portuguesas.
d) da guerra entre ingleses e franceses que impediam a saída dos navios comerciais do
continente europeu.
e) dos desdobramentos econômicos, em razão da transferência da Corte portuguesa para o
Brasil.
07- (UERJ) Entre 1817 e 1820, dois viajantes estrangeiros, Spix e Martius, participaram de uma
missão científica que percorreu diversas regiões do Brasil. Ao chegarem ao Rio de Janeiro,
anotaram sua opinião sobre a capital do Império:
Quem chega convencido de encontrar esta parte do mundo descoberta só desde três séculos,
com a natureza inteiramente rude, violenta e invicta, poder-se-ia julgar, ao menos aqui na capital
do Brasil, fora dela; tanto fez a influência da civilização e cultura da velha e educada Europa para
remover deste ponto da colônia os característicos da selvajaria americana, e dar-lhe cunho de
civilização avançada. Língua, costumes, arquitetura e afluxo dos produtos da indústria de todas as
partes do mundo dão à praça do Rio de Janeiro aspecto europeu.
(SPIX & MARTIUS. "Viagem pelo Brasil: 1817-1820". Belo Horizonte/São Paulo:
Itatiaia/EdUSP, 1981.)
Indique duas realizações da administração de D. João que tenham contribuído para que o Rio de
Janeiro adquirisse as características européias percebidas pelos autores.
HISTÓRIA
184
08- (UFF) O século XVIII fez da liberdade a base da oposição aos Antigos Regimes na Europa e
nas Américas. As Revoluções Burguesas foram um dos aspectos mais importantes dessa
oposição, inaugurando uma nova etapa na história do Ocidente.
a) Cite dois desses movimentos de oposição ao Antigo Regime - um na Europa e outro na
América.
b) Apresente e explique duas das críticas feitas à metrópole portuguesa pelos movimentos de
emancipação ocorridos no Brasil durante a crise do Antigo Sistema Colonial.
09- (UFAL) "O Brasil, antes fragmentado em várias regiões que se comunicavam diretamente com
a metrópole, adquiriu unidade política e territorial, graças aos mecanismos jurídico-administrativos
centralizadores instaurados (...) na cidade. O Rio de Janeiro, antes uma cidade de ruas
lamacentas e hábitos provincianos, transformou-se num movimentado centro comercial e cultural
(...). O modo de vida da corte, denominação dada à capital, mudou radicalmente. O luxo e a
ostentação empolgaram a elite rural escravista, que se transferiu para a cidade. Homens e
mulheres, trajando à moda européia, passaram a circular pelas ruas do Rio, numa demonstração
eloqüente de colonialismo cultural".
O texto descreve um fenômeno relacionado
a)
b)
c)
d)
e)
à extinção do tráfico negreiro e à vinda de imigrantes para o Brasil.
à política de incentivo cultural adotada por D. Pedro I.
ao desenvolvimento da economia cafeeira no Vale do Paraíba.
à instalação da família real portuguesa no Brasil.
ao crescimento industrial e à urbanização do Sudeste no final do século XIX.
10- (PUCPR) A Inglaterra pressionou Portugal para que este reconhecesse a independência do
Brasil, o que proporcionaria o reconhecimento por outras potências européias.
Para fazê-lo, Portugal exigiu e o Brasil assinou um tratado em que:
a) estabelecia que somente os portugueses poderiam futuramente fixar-se no Brasil como
imigrantes.
b) o Príncipe D. Miguel ficava reconhecido sucessor de D. Pedro I no trono do Brasil.
c) se comprometia a abandonar a Província Cisplatina ou Uruguai.
d) pagava 2 milhões de libras esterlinas como compensação pelos interesses lusos deixados em
sua antiga colônia.
e) estabelecia um tribunal de exceção para julgar os portugueses que se envolvessem em
delitos no Brasil.
HISTÓRIA
185
11- (MACKENZIE) A Abertura de Portos em 1808 foi um ato previsível em virtude da transferência
da Corte Portuguesa para o Brasil. Dentre os maiores beneficiários dessa medida, destacamos:
a) a Inglaterra, que, bloqueada economicamente por Napoleão Bonaparte, substituía o mercado
perdido na Europa pelo brasileiro.
b) os comerciantes portugueses, que ampliaram seus lucros e negócios.
c) os países aliados dos franceses, que passaram a se beneficiar com a exportação e o fim do
monopólio no Brasil.
d) a indústria brasileira, que teve através do protecionismo condições de crescimento.
e) os traficantes de escravos, que, beneficiados pelos acordos com a Inglaterra, intensificaram o
tráfico negreiro.
12- (MACKENZIE) Já na Bahia, em 1798, a inquietação é orientada por elementos de "baixa
esfera", pequenos artesãos, ex-proprietários de lavoura de cana, militares de baixo escalão (...) O
problema é mais social que colonial.
Carlos Guilherme Mota
Sobre a Inconfidência Baiana, descrita no texto acima, podemos afirmar que:
a) se inspirava nas idéias revolucionárias francesas e propunha mudanças na ordem social da
colônia.
b) liderada pela elite, preocupava-se com a preservação dos direitos dos grandes proprietários e
da estabilidade social.
c) tinha como único suporte ideológico as idéias da Independência dos E.U.A..
d) com sólido apoio militar e popular, ofereceu sério risco ao domínio colonial português.
e) como a Revolução Pernambucana de 1817, foi derrotada por ser elitista e sem propostas
sociais.
13- (PUCCAMP) Analise o conteúdo do panfleto.
"O poderoso e magnífico povo bahinense republicano desta cidade da Bahia Republicana,
considerando os muitos e repetidos latrocínios feitos com os títulos de imposturas, tributos e
direitos que são cobrados por ordem da Rainha de Lisboa e no que respeita a inutilidade da
escravidão do mesmo povo tão sagrado e digno de ser livre, com respeito a liberdade e igualdade,
ordena, manda e quer que para o futuro seja feita nesta cidade e seu termo a sua revolução para
que seja exterminado para sempre o péssimo jugo reinável da Europa (...)."
(Affonso Ruy, "A Primeira revolução social brasileira". Rio de Janeiro: Laemmert, 1970. p.
68-9.)
As revoluções da segunda metade do século XVIII estabeleceram "novos eixos para a política,
para a economia e para a cultura do Ocidente". Dentre elas, a Revolução Francesa repercutiu
intensamente sobre a sociedade colonial brasileira, como pode ser constatado nos termos do
panfleto, que refletia o pensamento dos participantes
a)
b)
c)
d)
e)
das camadas populares, na Conjuração dos Alfaiates.
das camadas médias, na Guerra dos Farrapos.
da aristocracia açucareira, na Guerra dos Mascates.
da aristocracia rural, na Guerra dos Emboabas.
dos escravos, na Revolta Sabinada.
HISTÓRIA
186
14- (UFU) "(...) sendo-me presente o grande número de Fábricas, e Manufacturas, que de alguns
annos a esta parte se tem differentes Capitanias do Brasil, com grave prejuízo da Cultura, e da
Lavoura, e da exploração das Terras Mineraes daquelle vasto Continente...
E consistindo a verdadeira, e sólida riqueza nos Frutos, e Producções da terra, as quaes sómente
se conseguem por meio de Colonos, e Cultivadores, e não de Artistas, e Fabricantes: e sendo
além disto as Produções do Brasil as que fazem todo o fundo, e base não só das Permutações
Mercantis, mas na Navegação, e do Comércio entre os Meus Leaes Vassallos Habitantes destes
Reinos, e daqueles Domínios (...) Hei por bem Ordenar, que todas as Fábricas, Manufacturas, ou
Teares de Galões, de Tecidos, ou de Bordados de Ouro e Prata ... exceptuando tão somente
aquelles dos ditos Teares, e Manufacturas, em que se técem, ou manufacturão Fazendas grossas
de Algodão, que servem para o uso, e vestuario dos Negros, para enfardar, e empacotar
Fazendas... todas as mais sejão extinctas, e abolidas em qualquer parte onde se acharem nos
Meus Dominios do Brasil..."
(Alvará de 5 de janeiro de 1785, assinado por D. Maria I, Rainha de Portugal.
IN: KOSHIBA, L.; PEREIRA, D. M. F. "História do Brasil" São Paulo: Atual, 1996. p.69-70.)
a) Explique o contexto histórico em que foi publicado este documento e a que ele se refere.
b) Transcreva e explique o trecho do documento que explicita o papel atribuído à colônia por
Portugal.
15- (UFU) No Brasil, a sociedade que se estruturou na região das minas possuía características
que a diferenciavam do restante da colônia.
A esse respeito, assinale a alternativa correta.
a) O ouro, os diamantes e o comércio possibilitaram a formação de uma sociedade onde a
riqueza era distribuída mais eqüitativamente, não se reproduzindo ali os contrastes entre a
fortuna de poucos e a pobreza da maioria.
b) A intensa miscigenação entre homens brancos e mulheres negras contribuiu para diminuir
sensivelmente o preconceito racial, levando os senhores a dispensarem um tratamento
humanitário aos seus escravos.
HISTÓRIA
187
c) A arte barroca de Aleijadinho, profundamente influenciada pelos dogmas religiosos da época,
foi colocada a serviço da rica elite local, traduzindo um sentimento de conformismo e
aceitação da ordem social vigente.
d) Era uma sociedade urbanizada e heterogênea, formada por comerciantes, funcionários reais,
artesãos, onde a riqueza proporcionada pelo ouro, diamantes e comércio estava concentrada
nas mãos de poucos, contrastando com a miséria da maioria da população.
16- (PUC-RIO) A Conjuração Mineira (1789) e a Conjuração Baiana (1798) possuem em comum o
fato de terem sido movimentos que:
I - evidenciaram a crise do Antigo Sistema Colonial.
II - visavam à emancipação política do Brasil.
III - apresentavam forte caráter popular.
IV - expressavam insatisfações em face da política metropolitana, particularmente desde a queda
do Marquês de Pombal.
Assinale:
a)
b)
c)
d)
e)
se apenas a afirmativa II estiver correta.
se apenas as afirmativas I e IV estiverem corretas.
se apenas as afirmativas III e IV estiverem corretas.
se apenas as afirmativas I , II e III estiverem corretas.
se todas as afirmativas estiverem corretas.
17- (FGV) A transferência da Corte portuguesa para o Brasil, em 1808, proporcionou:
a) A ampliação do controle metropolitano sobre as atividades coloniais e o maior enquadramento
do Brasil às estruturas do Antigo Sistema Colonial.
b) O estabelecimento de interesses convergentes entre membros da burocracia imperial,
proprietários rurais e comerciantes, base sociopolítica decisiva para o processo de
emancipação política.
c) A mudança da capital do Vice-reino do Brasil para o Rio de Janeiro e a compensação da
perda do poderio político baiano, por meio de uma ampla autonomia econômica autorizada a
toda a região nordestina.
d) A emergência de uma burguesia mercantil interessada em modernizar o Brasil pelo
rompimento dos laços coloniais com Portugal e a abolição imediata da escravidão.
e) Maior dispersão dos domínios portugueses na América, em função das rivalidades regionais
acentuadas e ampliadas com a elevação da cidade do Rio de Janeiro à condição de capital do
império colonial.
18- (UNICAMP) "A partir da década de 1790, a alta dos preços mundiais do açúcar após a
revolução escrava de São Domingos (hoje, Haiti) e a derrocada da economia de exportação dessa
ilha somaram-se à queda dos preços dos africanos, provocando uma rápida expansão do açúcar
no 'Oeste velho' de São Paulo: isto é, no quadrilátero compreendido entre os povoados de
Sorocaba, Piracicaba, Mogi-Guaçu e Jundiaí."
(Robert Slenes, Senhores e subalternos no Oeste Paulista. In: Fernando A. Novaes &
Luís Felipe de Alencastro, "História da Vida Privada", v.2, São Paulo, Companhia das
Letras, 1997, p.239.)
a) O que foi a revolução de São Domingos?
HISTÓRIA
188
b) De que modo essa revolução repercutiu na América escravista do ponto de vista da economia
dos senhores?
c) Como essa revolução contribuiu para a luta dos escravos nas Américas?
19- (UNIRIO) "Embora seja evidente a influência das idéias liberais européias nos movimentos
ocorridos no país desde os fins do século XVIII, não se deve superestimar sua importância.
Analisando-se os movimentos de 1789 (Inconfidência Mineira), 1798 (Conjuração Baiana), (...)
percebe-se logo (...) No Brasil as idéias liberais teriam um significado mais restrito, não se
apoiariam nas mesmas bases sociais, nem teriam exatamente a mesma função."
(COSTA, Emília Viotti da, "Da monarquia à república: momentos decisivos". São
Paulo, Livrarias Ciência Humanas, 1979, pp.27-29)
a) Em termos das influências de modelos externos, qual a diferença que se pode estabelecer
entre a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana?
b) Por que, segundo a autora, o liberalismo no Brasil teve um caráter limitado?
20- (UFMG) A abertura dos portos do Brasil, logo após a chegada de D. João VI, foi responsável
pela entrada no país de uma grande quantidade de mercadorias inglesas, que passaram a
dominar o mercado brasileiro.
Essa situação decorreu
HISTÓRIA
189
a) da assinatura de tratados com a Inglaterra, que permitiram a importação desses produtos.
b) da estrutura industrial brasileira, que se baseava na produção de alimentos e tecidos.
c) da montagem de uma rede ferroviária, que facilitou a distribuição dos produtos ingleses no
mercado brasileiro.
d) do desenvolvimento urbano acentuado, que acarretou o aumento da demanda por produtos
sofisticados.
21- (UFMG) Assinale a alternativa que apresenta uma transformação decorrente da vinda da
família real para o Brasil.
a) Fechamento cultural, devido às Guerras Napoleônicas, provocado pela dificuldade de
intercâmbio com a França, país que era então berço da cultura iluminista ocidental.
b) Diminuição da produção de gêneros para abastecimento do mercado interno, devido ao
aumento significativo das exportações provocado pela Abertura dos Portos.
c) Mudança nas formas de sociabilidade, especialmente nos núcleos urbanos da região centrosul, devido aos novos costumes trazidos pela Corte e imitados pela população.
d) Formação de novos parceiros comerciais, em situação de equilíbrio, decorrente da aplicação
das novas taxas alfandegárias estabelecidas nos Tratados de Amizade e Comércio.
22- (FUVEST) Durante o período em que a Corte esteve instalada no Rio de Janeiro, a Coroa
Portuguesa concentrou sua política externa na região do Prata, daí resultando:
a)
b)
c)
d)
A constituição da Tríplice Aliança que levaria à Guerra do Paraguai.
a incorporação da Banda Oriental ao Brasil, com o nome de Província Cisplatina.
a formação das Províncias Unidas do Rio da Prata, com destaque para a Argentina.
o fortalecimento das tendências republicanas no Rio Grande do Sul, dando origem à Guerra
dos Farrapos.
e) a coalizão contra Juan Manuel de Rosas que foi obrigado a abdicar de pretensões sobre
Uruguai.
CAPÍTULO 17
O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DA
AMÉRICA ESPANHOLA
01- (UFMG) Para a América espanhola [e, pode-se acrescentar, para o Brasil oitocentista e os
Estados Unidos], o Haiti foi um exemplo e uma advertência, observados com crescente horror
tanto por governantes como por governados.
(LYNCH, John. In: BETHELL, Leslie (Org.). "História da América Latina". São Paulo: Edusp; Imprensa Oficial do
Estado; Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2001. v. 3, p. 69.)
Nesse trecho, faz-se referência
a)
b)
c)
d)
ao subdesenvolvimento e à miséria da ilha caribenha, país mais pobre da América Latina.
à desagregação da sociedade haitiana, reforçada pelas constantes turbulências econômicas.
ao aumento crescente da influência dos ideais anarquistas e evolucionistas na ilha caribenha.
ao processo de independência da ilha, marcado por uma sublevação maciça de escravos
negros.
02- (UFV) O domínio que as metrópoles européias exerciam sobre as diversas colônias
americanas começou a sofrer mudanças a partir da segunda metade do século XVIII. Sobre esse
período, em se tratando dos processos de independência ou emancipação dessas colônias, é
correto dizer que:
HISTÓRIA
190
a) os movimentos de contestação ao controle metropolitano na América tiveram como
conseqüência a libertação econômica e política das colônias, o que resultou na formação de
nações americanas soberanas, semelhantes às que se conhecem hoje.
b) a partilha do território espanhol na América foi desencadeada a partir da emancipação das
colônias, processo conduzido pela elite "criolla", com apoio de índios, escravos e
comerciantes, que teve o objetivo de manter a forma de governo monárquico.
c) a Guerra dos Sete Anos teve como conseqüência a decretação de impostos para aumentar a
arrecadação nas Treze Colônias, o que desencadeou o confronto armado, entre ingleses e
colonos, conhecido como Massacre de Boston.
d) a colonização de povoamento nas colônias do norte da América possibilitou o acúmulo de
capital e a formação de uma elite empresarial dinâmica e autogestionada, desencadeando um
processo de independência de caráter pacífico e negociado.
e) as revoltas que antecederam a emancipação política brasileira envolveram membros da elite
rural, classes médias urbanas e escravos, como a Confederação do Equador, a Sabinada e a
Balaiada, que tinham o intuito de manter a integridade do território nacional.
03- (PUCCAMP) Considere as afirmações sobre os movimentos de independência das colônias
latino-americanas no século XIX.
I. A Espanha solicitou a intervenção da Santa Aliança, que representava governos absolutistas e
colonialistas, para ajudar a conter o movimento emancipacionista nas suas colônias.
II. Os movimentos de emancipação nos países da América Latina tiveram a participação das
populações pobres, que conquistaram todas as suas reivindicações sociais e políticas.
III. Os Estados Unidos da América reconheceram imediatamente a independência das colônias
espanhola e portuguesa, por interesses estratégicos na região.
IV. O movimento de independência das colônias foi realizado a um só tempo, motivo pelo qual foi
rápido e dispensou a atuação de grandes lideranças no processo.
Estão corretas somente
a) I e II
b) I e III
c) I e IV
d) II e III
e) III e IV
04- (CESGRANRIO) O sonho de união da América Latina é muito antigo. Bolívar foi o primeiro
que formulou o ideal de integração americana. Várias propostas surgiram posteriormente até
chegarmos ao Mercosul. Assinale a opção que contém um dos objetivos de Bolívar.
a) Emancipar a América Latina como uma associação comercial unitária, que, posteriormente
daria a origem à ALALC.
b) Desenvolver a industrialização no continente sob a hegemonia norte-americana para fazer
frente à forte economia inglesa.
c) Desenvolver a solidariedade continental em torno da hegemonia do Canadá, estabelecendo
um intercâmbio direto deste com todos os países latino-americanos.
d) Estabelecer uma política separatista respeitando as diferenças culturais e até lingüísticas
entre os países latino-americanos.
e) Criar uma Confederação dos Estados Americanos face à possível contra-ofensiva da Europa
apoiada pela Santa Aliança.
05- (UMC) Os movimentos de independência da América Espanhola no século XIX tiveram apoio
da Inglaterra. Com esse apoio, a Inglaterra pretendia:
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
e)
191
abrir mercados consumidores para a sua crescente produção industrial.
implantar as idéias liberais no continente americano.
cumprir os princípios intervencionistas da Santa Aliança.
incentivar o tráfico de escravos para a América Latina.
procurar auxílio militar para combater a Santa Aliança.
06- (PUC-RIO) Assinale a opção que apresenta de maneira correta a relação entre: (i) os
movimentos de resistência às medidas administrativas impostas pelos Bourbons nas colônias
espanholas em fins do século XVIII; (ii) os diferentes grupos sociais envolvidos; e (iii) as idéias
defendidas pelos revoltosos nessas manifestações.
a) A oposição aos excessivos tributos cobrados sobre a exportação do açúcar nas colônias do
Caribe espanhol - particularmente em Cuba - reuniu plantadores e comerciantes, artesãos e
assalariados em revoltas urbanas com vistas à independência e à constituição de governos
republicanos na região.
b) No Vice-reino da Nova Espanha, a oposição à cobrança da alcabala - o imposto sobre a
venda de mercadorias - aos índios e mestiços traduziu-se em inúmeros levantes indígenas;
possuidora de forte cunho religioso, essa oposição culminaria na famosa revolta do Padre
Hidalgo.
c) No Vice-reino do Peru, Túpac Amaru liderou a oposição às autoridades locais, pregando o fim
da prática do repartimiento, da cobrança alcabala e da mita, mas se mantendo fiel ao Rei da
Espanha. Trabalhadores índios e mestiços, mineiros e artesãos lhe deram apoio em
diferentes momentos da revolta.
d) No Vice-reino de Nova Granada, a revolta dos chamados Comuneros caracterizou-se pela
oposição ao aumento na alcabala e aos novos impostos. Com o brado de "viva o Rei e morra
o mau governo", líderes criollos reuniram uma multidão de camponeses índios, mestiços e
escravos contra o vice-rei.
e) No Vice-reino do Prata, a conjuração em Buenos Aires manifestou desde cedo a intenção de
ruptura com os laços coloniais, reunindo membros da elite de comerciantes e mineiros e
excluindo mulatos e negros livres ligados ao artesanato e ao pequeno comércio urbano.
07- (PUC-RIO) Ao longo de todo o século XIX, a tensão entre forças descentralizadoras e
centralizadoras caracterizou as relações políticas em boa parte das regiões latino-americanas
recém-libertadas do jugo colonial. Sobre essas relações, é correto afirmar que:
a) o aumento das disputas regionais intensificou o caudilhismo e favoreceu a solução federalista
na maioria das antigas possessões espanholas e portuguesas na América.
b) à intensificação das disputas entre os caudilhos pelo controle na região do Prata, sucedeu a
consolidação do domínio dos unitários, favoráveis à centralização política e alfandegária em
torno da cidade de Buenos Aires.
c) a diminuição generalizada do comércio e da indústria nas regiões da América Central e Caribe
decorreu das guerras fratricidas promovidas pelos republicanos ingleses.
d) a crise sem precedentes que atingiu o federalismo republicano nos países andinos esteve
relacionada ao surgimento aí de monarquias constitucionais e governos ditatoriais.
e) nas regiões de colonização ibérica, ocorreu a intensificação dos conflitos entre republicanos e
democratas, cabendo aos primeiros a defesa de um maior controle por parte do Governo
federal em detrimento da autonomia dos Estados.
08- (UEL) "No âmbito da vida política, os Estados nacionais emergentes da luta anticolonial
tiveram que enfrentar dois problemas imediatos. Por um lado, assegurar o aparecimento da
sociedade de mercado, requisito fundamental para a consolidação do crescimento econômico e
para a acumulação nacional da riqueza. De outro lado, a ruptura do pacto colonial requereu um
novo estatuto jurídico-político, representado pelo estabelecimento de regras constitucionais que
assegurassem liberdade, porém que ao mesmo tempo contivessem o assédio ao poder dos
grupos locais"
HISTÓRIA
192
(ADORNO, S. Nos limites do direito, nas armadilhas da tradição. In: COGGIOLA, O. (org.) "A Revolução
Francesa e seu impacto na América Latina". São Paulo: EDUSP; Brasília: CNPq, 1990. p.184.)
Os dois problemas apontados no texto referem-se ao período de formação dos Estados da
América Hispânica. Entre os fundamentos que embasaram as novas regras políticas e
econômicas nesse processo, considere os seguintes:
I - O liberalismo, base teórica do capitalismo, que preconiza a liberdade de ação do mercado em
relação ao Estado.
II - O anarquismo revolucionário de Bakunin, que propõe a derrubada de todos os governos.
III - O "Contrato Social", de Rousseau, que sugere um regime de igualdade jurídica oferecido por
um Estado de bases democráticas.
IV - A "Declaração da Independência dos Estados Unidos da América", que enunciou uma filosofia
política cuja essência é a idéia de soberania popular.
V - O "Manifesto Comunista", de Karl Marx e Friedrich Engels, que traça o desenvolvimento da
sociedade de classes até o início do capitalismo moderno.
Assinale a alternativa que enumera apenas elementos que influenciaram as políticas dos Estados
hispano-americanos em formação.
a)
b)
c)
d)
e)
I, III e V.
II, III e IV.
III, IV e V.
I, III e IV.
I, IV e V.
09- (UFRJ)
"AS IDÉIAS DE SIMÓN RODRÍGUEZ:
"OU INVENTAMOS OU ESTAMOS PERDIDOS"
Veja a Europa como inventa e veja a América como imita!
Uns tomam por prosperidade ver seus portos cheios de barcos ... alheios, e suas casas
convertidas em armazéns de coisas... alheias. Cada dia chega uma remessa de roupa feita, e até
de gorros para os índios. Logo veremos pacotinhos dourados, com as armas da coroa, contendo
terra preparada "por um novo método" para os meninos acostumados a comer terra.
A América não deve imitar servilmente, deve ser original.
Onde iremos buscar modelos? Somos independentes, mas não livres; donos do solo, mas
não de nós.
Abramos a história: e pelo que ainda não está escrito, leia cada um em sua memória."
GALEANO Eduardo. "As caras e as máscaras". Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985. p. 242.
a) Explique a crítica de Simón Rodriguez contida na seguinte passagem: "Somos independentes,
mas não somos livres; donos do solo, mas não de nós."
HISTÓRIA
193
b) Retire do texto uma passagem que identifica um problema socioeconômico existente até hoje
na América Latina.
10- (UNICAMP) Esta porção desgraçada de nossos irmãos que gemeu sob as misérias da
escravidão já está livre. A natureza, a justiça e a política pedem a emancipação dos escravos;
daqui em diante só haverá na Venezuela uma classe de homens: todos serão cidadãos.
(Discurso de Simon Bolívar, Venezuela, 1816.)
a) Qual é o assunto tratado no discurso acima?
b) Mencione dois outros movimentos políticos que foram liderados por Simon Bolívar.
c) Cite dois princípios políticos que serviram de inspiração para a ação revolucionária de Bolívar.
11- (UERJ) O Deus da natureza fez a América para ser independente e livre: o Deus da Natureza
conservou no Brasil o príncipe regente para ser aquele que firmasse a independência deste vasto
continente. Que tardamos? A época é esta. Portugal nos insulta ... a América nos convida ... a
Europa nos contempla ... o príncipe nos defende ... Cidadãos! Soltai o grito festivo ... Viva o
Imperador Constitucional do Brasil, o senhor D. Pedro Primeiro.
("Correio Extraordinário do Rio de Janeiro", 21/09/1822.)
a) Comparando os processos de emancipação política da América portuguesa e da América
espanhola, aponte uma diferença verificada entre eles.
HISTÓRIA
194
b) Apresente duas razões para a independência do Brasil.
12- (FUVEST) "Neste território não poderá haver escravos. A servidão foi abolida para sempre.
Todos os homens nascem, vivem e morrem livres..."
"Todo homem, qualquer que seja sua cor, pode ser admitido em qualquer emprego".
Artigos 3 e 4 da Constituição do Haiti, assinada por Toussaint L'Ouverture, 1801.
Lendo o texto acima e associando-o ao processo de independência das Américas espanhola e
francesa, é possível concluir que
a) como no Haiti, em todos os demais movimentos houve uma preocupação dominante com as
aspirações populares.
b) a independência do Haiti foi um caso especial nas Américas, pois foi liderada por negros e
mulatos.
c) na mesma década da independência do Haiti, as demais colônias do Caribe alcançaram a
libertação.
d) o movimento de independência do Haiti foi inspirado pelo modelo dos Estados Unidos.
e) a independência do Haiti foi concedida por Napoleão Bonaparte, com base nos princípios
liberais.
13- (UNICAMP) "A partir da década de 1790, a alta dos preços mundiais do açúcar após a
revolução escrava de São Domingos (hoje, Haiti) e a derrocada da economia de exportação dessa
ilha somaram-se à queda dos preços dos africanos, provocando uma rápida expansão do açúcar
no 'Oeste velho' de São Paulo: isto é, no quadrilátero compreendido entre os povoados de
Sorocaba, Piracicaba, Mogi-Guaçu e Jundiaí."
(Robert Slenes, Senhores e subalternos no Oeste Paulista. In: Fernando A. Novaes &
Luís Felipe de Alencastro, "História da Vida Privada", v.2, São Paulo, Companhia das
Letras, 1997, p.239.)
a) O que foi a revolução de São Domingos?
b) De que modo essa revolução repercutiu na América escravista do ponto de vista da economia
dos senhores?
HISTÓRIA
195
c) Como essa revolução contribuiu para a luta dos escravos nas Américas?
14- (UFMG) Considerando-se a formação dos Estados nacionais na América Latina, é correto
afirmar que
a) as ilhas caribenhas de colonização espanhola, seguindo o exemplo do Continente, se
emanciparam da Metrópole nas primeiras décadas do século XIX.
b) os Estados emergentes mantiveram as fronteiras que separavam os Vice-Reinos e as
Capitanias-Gerais, unidades administrativas do Império Espanhol.
c) os novos Estados adotaram a república, com exceção do México e do Haiti, com suas breves
experiências monárquicas, e do Brasil.
d) os novos Estados se consolidaram lentamente, superando numerosos obstáculos, mas
mantendo a ordem política e a unidade nacional.
15- (UFRJ) A posição dos moradores do hemisfério americano foi, durante séculos, meramente
passiva: sua existência política era nula. Estávamos num grau ainda mais baixo que a servidão e,
por isso, com maiores dificuldades para elevarmo-nos ao gozo da liberdade. [...] Os Estados são
escravos pela natureza da sua Constituição ou pelo abuso dela. Logo, um povo é escravo quando
o governo, por sua essência ou por seus vícios, espezinha e usurpa os direitos do cidadão ou
súdito. Aplicando estes princípios, veremos que a América estava privada da sua liberdade e
também da tirania ativa e dominante.
(In: "Simon Bolívar": Política. (Orgs.) Manoel Lelo Belloto e Anna Maria Martinez
Corrêa. São Paulo, Ática, 1983, pp. 80)
Assim escreveria Simon Bolívar, em 1815, na chamada Carta de Jamaica - também conhecida
como Carta Profética, na qual faria uma avaliação sobre as tendências políticas dos movimentos
de independência na América Espanhola. Entre o final do século XVIII e as primeiras décadas do
século XIX, os processos de independência das áreas coloniais americanas (principalmente
América Inglesa e América Espanhola) conheceriam complexidades históricas e desdobramentos
políticos diversos.
a) Identifique o regime político predominante implantado pelos movimentos de independência das
colônias da América Espanhola.
HISTÓRIA
196
b) Identifique dois fatores relacionados à crise do Antigo Sistema Colonial e aos movimentos de
independência das colônias americanas.
16- (FUVEST) Os Estados Nacionais que se organizam depois das independências no Brasil e
nos países americanos de colonização espanhola, entre as décadas de 1820 e 1880, são
semelhantes quanto à
a) adoção de regimes políticos e diferentes com relação às posições implementadas sobre a
escravidão negra.
b) decisão de imediata abolição da escravidão e diferentes com relação à defesa da propriedade
comunal indígena.
c) defesa do sufrágio universal e diferentes com relação às práticas do liberalismo econômico.
d) defesa da ampliação do acesso à terra pelos camponeses e diferentes com relação à
submissão à Igreja Católica.
e) vontade de participar do comércio internacional e diferentes quanto à adoção de regimes
políticos.
17- (UFRJ)
"Grande e bom amigo:
Depois de quinze anos de sacrifícios consagrados à liberdade da América para obter um
sistema de garantias que, tanto na paz como na guerra, seja o escudo de nosso novo destino, já é
tempo de que os interesses e as relações que unem entre si as repúblicas americanas, antes
colônias espanholas, tenham uma base fundamental que eternize, se for possível, a duração
destes governos.
Organizar aquele sistema e consolidar o poder deste grande corpo político cabe ao
exercício de uma autoridade sublime, que dirija a política de nossos governos, cuja ação
mantenha a uniformidade de seus princípios e cuja simples evocação acalme nossas
tempestades. Tão respeitável autoridade não pode existir a não ser numa assembléia de
representantes nomeados por cada uma de nossas repúblicas e reunidos sob os auspícios da
vitória obtida por nossas armas contra o poder espanhol".
(CARTA DE SIMON BOLÍVAR AOS GOVERNOS DAS REPÚBLICAS DA COLÔMBIA,
MÉXICO, RIO DA PRATA, CHILE E GUATEMALA. Lima, 7/12/1824. IN:"BOLÍVAR". Org.: M. L.
Bellotto e A. M. M. Corrêa. Ed. Ática.)
Entre o final do século XVIII e as primeiras décadas do século XIX ocorreram em várias partes da
América colonial processos de independência. Contextos históricos diversos, assim como
personagens e agentes diferentes. Cenários com realidades econômicas variadas. Estavam em
jogo políticas coloniais diferenciadas de franceses, ingleses, espanhóis e portugueses.
No seu conjunto - guardando as especificidades - o processo de independência nas Américas
ocorreu com lutas e muitos conflitos. Contudo, os desdobramentos dos vários processos de
HISTÓRIA
197
independência não seriam iguais. Estruturas de governo, organização política e divisões
territoriais marcariam estas diferenças.
a) Caracterize o processo de independência do Haiti.
b) Apresente duas características dos processos de independência na América Espanhola e duas
características deste processo na América Portuguesa.
18- (UFRJ) "Dos ricos é e foi fácil, desde a independência, o governo. Os pobres foram
soldados, milicianos nacionais, votaram como o patrão mandou, lavraram a terra (...). Os pobres
gozaram da gloriosa independência assim como os cavalos que em Chacabuco e Maipu
avançaram contra as tropas do rei".
(Santiago Arcos. In: GALEANO, Eduardo. "As caras e as máscaras". Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985.)
O texto anterior apresenta uma visão crítica da América Espanhola, a partir de sua independência
política e refere-se ao fato
a) de a independência da América Espanhola ter sido realizada sob a liderança da Inglaterra
("ricos"), tornando os colonos ("pobres") simples massa de manobra.
b) de os pobres da América Espanhola não serem capazes de compreender o alcance do
processo de independência.
c) de o processo de independência ter sido liderado pelos "criollos", elite colonial sem maiores
compromissos com a situação dos índios, negros e mestiços.
d) de os pobres da América Espanhola lutarem após a independência por uma revolução social
que acabasse com sua exploração, tendo sido, porém, derrotados.
e) de a independência ter-se dado somente no campo político, já que a Espanha manteve a
dominação econômica sobre as suas antigas colônias.
19- (PUCCAMP) Relaciona-se com o processo de Independência da América Espanhola,
a) a marginalização econômica dos criollos devido às discriminações metropolitanas.
b) o apoio da Santa Aliança às lutas emancipadoras dos colonos americanos.
c) a aliança da Inglaterra com a Espanha e Portugal para refrear os movimentos de libertação
das colônias íbero-americanas.
d) a difusão das teorias anarquistas e socialistas a luta contra a exploração colonialista.
HISTÓRIA
198
e) a influência das idéias liberais presentes na Independência dos Estados Unidos e a
Revolução Francesa.
20- (UERJ) Na América espanhola, as lutas pela independência começam numa conjuntura
precisa: a caduquice da Coroa espanhola por obra e graça do poder napoleônico. A Espanha está
ocupada. Um rei francês (...) ocupa o trono real e os últimos vestígios de soberania refugiam-se
numas espectrais Juntas ou num Conselho de Regência.
(POMER, Leon. "As independências na América Latina". São Paulo, Brasiliense, 1981.)
Para Portugal e sua colônia americana outro será o desenrolar dos acontecimentos e outras serão
suas conseqüências. A ocupação do Reino não significou o fim da Monarquia, apesar da solene
declaração de Napoleão neste sentido.
(BERNADES, Denis. "Um Império entre repúblicas". São Paulo, Global, 1983.)
De acordo com os textos apresentados, a diferença entre os processos de independência política
das colônias espanholas e portuguesa na América, respectivamente, está indicada na seguinte
alternativa:
a) a invasão das tropas napoleônicas provocou o declínio da economia colonial espanhola - a
não-invasão de Portugal garantiu a manutenção de um rígido pacto colonial sobre o Brasil
b) a invasão francesa na Espanha possibilitou a rápida difusão das idéias liberais em suas
colônias - a não-expansão dos ideais liberais no Brasil ocorreu devido à manutenção de um
Estado absolutista em Portugal
c) a invasão napoleônica contribuiu para a reorganização das colônias espanholas em cabildos
livres - a transferência da corte portuguesa para o Brasil possibilitou a autonomia sem o
rompimento definitivo com Portugal.
d) as colônias espanholas tiveram apoio de Napoleão e dos liberais franceses em sua luta contra
a exploração metropolitana - as elites coloniais brasileiras não se rebelaram contra Portugal
devido ao apoio inglês a esta metrópole
CAPÍTULO 18
O CONGRESSO DE VIENA E AS REVOLUÇÕES BURGUESAS
01- (FUVEST) O Tratado de Viena, assinado em 1815 tinha por principal objetivo
a) estabelecer uma paz duradoura na Europa, que impedisse as guerras e revoluções,
consolidando o princípio da legitimidade monárquica.
b) ratificada supremacia da Prússia, no contexto político da Europa ocidental, para garantir
triunfo de uma onda contra-revolucionária.
c) assegurar ao Império Austro-Húngaro o controle da Europa continental, assim como da
Inglaterra, a fim de impedir a expansão da Rússia.
d) impedir a ascensão da classe média ao poder, que iniciara uma série de revoluções em vários
países da Europa Ocidental.
e) criar um sistema repressivo capaz de conter as primeiras vagas do movimento socialista na
Europa, através da exclusão da influência da França.
02- (UERJ) Em 1815, Napoleão Bonaparte, considerado o herdeiro da Revolução Francesa, foi
derrotado, procedendo-se a uma restauração dos "legítimos soberanos" na França e em todos os
países europeus onde o Antigo Regime havia sido destronado. Essa Restauração não desfez,
porém, a obra liberal já construída. Em tal perspectiva, conservadorismo e liberalismo tornaram-se
as palavras-chave para os debates políticos que permearam a primeira metade do século XIX.
a) Cite duas características do liberalismo político.
HISTÓRIA
199
b) Entre as ações realizadas pelas forças de conservação na primeira metade do século XIX,
encontra-se a política de intervenção da Santa Aliança. Conceitue essa política, identificando um
de seus objetivos.
03- (FGV) A reconstrução da Europa, após as guerras napoleônicas, foi direcionada pelo
Congresso de Viena. É incorreto afirmar que ele estabeleceu a:
a) criação de um pacto militar internacional (Santa Aliança) para intervir onde houvesse
manifestações revolucionárias;
b) devolução dos territórios conquistados pela França, desde a Revolução;
c) desobrigação de pagamento de indenização pelos franceses por terem ocupado territórios de
outros países;
d) restauração da monarquia dos Bourbon na França;
e) autonomia da Itália e da Alemanha, divididas e submetidas à hegemonia húngara.
04- (PUCMG) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação
da Santa Aliança tinha por objetivo:
a) reprimir os movimentos revolucionários e liberais que eclodissem em qualquer parte do
continente europeu.
b) difundir os princípios democráticos e parlamentaristas, promovendo a modernização das
monarquias européias.
c) garantir a liberdade comercial, tida como elemento indispensável à industrialização e à
acumulação de capitais.
d) combater os focos da resistência aristocrática, geradores de tensão social e alimentadores da
oposição burguesa.
e) inibir a formação de alianças entre as principais potências, o que ameaçava o equilíbrio de
forças na Europa.
05- (UFRJ) "Em nome da Santíssima e Indivisível Trindade e conforme as palavras das
Sagradas Escrituras (...), Suas Majestades o Imperador da Áustria, o Rei da Prússia e o
Imperador da Rússia (...) permanecerão unidos por laços de verdadeira e indissolúvel
fraternidade; considerando-se compatriotas, EM TODA OCASIÃO E EM TODO LUGAR ELES
PRESTARÃO ASSISTÊNCIA, AJUDA E SOCORRO (...)."
(Artigo 1o do Tratado da Santa Aliança.)
O trecho destacado no texto anterior demonstra o caráter intervencionista da Santa Aliança no
processo de Restauração européia após a derrota napoleônica (1814 /1815 ).
Esta política das grandes potências absolutistas não conseguiu, porém, impedir por muito tempo o
processo histórico que se desenvolvia, então, no continente europeu.
HISTÓRIA
200
a) Explique o que as potências continentais européias pretendiam evitar com a criação da Santa
Aliança.
b) Cite um inibidor da ação da Santa Aliança na América Latina neste período.
06- (UFRS) Nas origens das revoluções democrático-burguesas dos séculos XVIII e XIX,
encontram-se condições que envolvem o conflito entre o que se poderia denominar de forças de
transformação e as chamadas forças de conservação, isto é:
a) de um lado, as relações sociais estabelecidas essencialmente em torno da terra e, de outro,
um modelo de exploração baseado na posse do homem pelo homem.
b) os direitos de socialização da terra pelo proletariado agrícola e uma economia assentada
predominantemente na agricultura.
c) de um lado, o capitalismo agrário e industrial e as reivindicações da burguesia e, de outro, os
remanescentes da economia feudal e os setores privilegiados representados pelo clero e pela
aristocracia.
d) o progresso do poder real que tende a organizar o Estado Moderno e a permanência do
exercício da justiça pelo soberano sobre seus vassalos.
e) a resistência crescente dos camponeses às exigências dos senhores e o aparecimento de
uma forma de transição entre a economia agrícola feudal e a economia agrícola capitalista: o
trabalho escravo.
07- (UNIRIO) As revoluções que eclodiram em diversos países da Europa, no ano de 1848,
caracterizaram-se basicamente pela(o):
a)
b)
c)
d)
e)
restauração do poder das monarquias tradicionais e absolutas.
descentralização política e administrativa empreendida pela Santa Aliança nesses países.
difusão das idéias liberais e nacionalistas.
fortalecimento político e econômico da nobreza fundiária.
enfraquecimento dos movimentos operários e socialistas.
HISTÓRIA
201
08- (UNESP) Na história da França, a Revolução de 1848 ficou "como algo muito diferente de
uma reedição bem-sucedida da Revolução de 1830. Suscitou esperanças que, bem mais que
liberais e patrióticas, foram também sociais. E não pretendeu corrigir apenas o funcionamento da
máquina política, mas também o da sociedade humana."
(Maurice Agulhon, 1848. O APRENDIZADO DA REPÚBLICA.)
Explicite os aspectos da Revolução de 1848 que suscitaram "esperanças sociais".
09- (PUCCAMP) Em relação às Revoluções de 1848 é correto afirmar que
a) desenvolveram na França uma experiência política de forte inspiração socialista, que
reconhecia a absoluta igualdade entre os homens.
b) restabeleceram na Europa governos elitistas regidos por constituições que cerceavam os
direitos e liberdades de participação popular.
c) representaram tão-somente o ponto culminante de um processo revolucionário de caráter
popular, que influenciou a Revolução Americana.
d) produziram grandes surtos revolucionários de caráter ao mesmo tempo liberal e nacional, na
Itália e na Alemanha.
e) foram responsáveis pela divulgação dos princípios de legitimidade e do equilíbrio europeu na
América e no Oriente.
10- (UFRS) A onda revolucionária que abalou a Europa em 1848, também conhecida como
"Primavera dos Povos", significou
a) o avanço das idéias liberais e nacionalistas, a consolidação da burguesia no poder e a
entrada do proletariado industrial no cenário político.
b) a vitória das diversas correntes socialistas que fundaram, a seguir, a Comuna de Paris.
c) a expansão dos setores conservadores que restauraram o Antigo Regime na Áustria, Prússia
e Rússia, afastados do poder desde o Congresso de Viena.
d) a conquista do Estado pela aliança constituída pela burguesia financeira e pelo proletariado
industrial em detrimento dos setores conservadores do Antigo Regime.
e) um retrocesso que retardou, na Europa ocidental, a ascensão do liberalismo político e do
nacionalismo, ideologias características das burguesias nacionais.
11- (PUCCAMP) As revoluções liberais burguesas ocorreram na Europa na primeira metade do
século XIX. Sobre elas pode-se afirmar que
a) difundiram-se a partir dos países da Península Ibéricas e da Grã-Bretanha.
b) resultaram em mudanças radicais na estrutura social, promovidas pela burguesia aliada ao
proletariado.
c) marcaram a vitória do poder burguês sobre a aristocracia na Europa Ocidental.
d) representaram um retrocesso significativo no âmbito das artes, da industrialização e da
urbanização.
e) não atingiram a Itália e Alemanha porque esses países tinham fortes lideranças socialistas.
HISTÓRIA
202
12- (UFES) As revoluções de 1848, chamadas por Marx de "Primavera dos Povos", pela primeira
vez, entre suas causas, combinaram (A) o liberalismo, (B) o nacionalismo e (C) o socialismo.
Explique como esses fatores influíram na eclosão revolucionária.
13- (UFU) "1848 foi a primeira revolução potencialmente global. (...) Num certo sentido, foi o
paradigma de um tipo de 'revolução mundial' com o qual, dali em diante, rebeldes poderiam
sonhar e que, em raros momentos (...) eles pensaram poder reconhecer. De fato, explosões
simultâneas continentais ou mundiais são extremamente, raras".
(HOBSBAWM. E. "A Era do Capital." São Paulo: Paz e Terra, 1982. p.30.)
Sobre as revoluções de 1848, assinale a alternativa correta.
a) O caráter de "revolução mundial" de que se revestiram estes movimentos deveu-se à
influência da Associação Internacional dos Trabalhadores - a 2 ヘ Internacional - que
possibilitou estender os movimentos não só por toda a Europa, mas também pelas principais
cidades do continente americano.
b) As revoluções de 1848 foram movimentos do proletariado industrial num contexto de crise
econômica, começando na Inglaterra e atingindo a França, Alemanha e Bélgica, derrubando
os governos burgueses e instalando repúblicas de orientação socialista.
c) Foram movimentos que mesclaram os interesses liberais e nacionalistas da burguesia, em
sua luta contra o absolutismo, às reivindicações e ao descontentamento das massas
populares, canalizadas pelo socialismo, que pregava reformas radicais.
d) Essencialmente urbanas, as revoluções de 1848 foram movimentos de resistência contra o
conservadorismo, organizadas e controladas pela burguesia européia, e inspiradas no
liberalismo radical, sem a participação popular.
14- (MACKENZIE) Entre o Congresso de Viena de 1815 e 1848, ocorreram, na Europa,
movimentos liberais e nacionais. Considere as seguintes afirmações.
I - As decisões do Congresso de Viena geraram formas de reação da burguesia contra os limites
impostos ao desenvolvimento do capitalismo industrial.
II- A Revolução liberal de 1830, também chamada de jornada de julho, estancou o avanço
reacionário iniciado com o Congresso de Viena de 1815.
III - A Revolução de 1848 exaltou o ânimo das massas e irradiou-se pelo continente numa
sucessão de eventos que passou à história como Primavera dos Povos.
IV - Do Congresso de Viena surgiu a Santa Aliança, que objetivava a proteção à paz, à justiça e à
religião e assegurava as lutas nacionalistas e liberais decorrentes das idéias implantadas pela
Revolução Francesa.
Estão corretas:
a)
b)
c)
d)
e)
apenas I, II e III.
apenas I, II e IV.
apenas I, III e IV.
apenas I e IV.
I, II, III e IV.
HISTÓRIA
203
UNIDADE 4 – UMA ÉPOCA EM EBULIÇÃO
CAPÍTULO 19
A FORMAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS
01- (UFMG) Todas as alternativas apresentam aspectos da expansão da fronteira norteamericana, na segunda metade do século XIX, exceto
a)
b)
c)
d)
Desenvolvimento da indústria têxtil e metalúrgica na costa do Pacífico.
Dizimação dos indígenas e confinamento das comunidades remanescentes.
Expansão das ferrovias ligando o Vale do Mississipi ao Oeste.
Exploração de ouro, prata e outros minerais em várias regiões do Oeste.
02- (MACKENZIE) Dentre as razões que determinaram a elaboração do Dispositivo separatista da
Carolina do Sul, que deu origem à Guerra Civil Americana, destacamos:
a)
b)
c)
d)
e)
as leis intoleráveis e a Independência dos Estados Unidos da América.
a adoção de tarifas protecionistas e a eleição de Abraham Lincoln.
a ocupação das terras do Oeste e a Guerra dos Sete Anos
os interesses dos Estados industriais do sul, contrários aos latifundiários do norte.
a eleição do abolicionista Jefferson Davis, o fim da escravidão e a Guerra Civil.
03- (UFRJ) "Trens regurgitando com imigrantes de todos os países do mundo chegaram sem
parar às terras baixas. (...) todos misturados nessa maré de procuradores de terras que seguia
para onde o Sol se punha, onde um vale de terras férteis havia sido destinado pelo bondoso Tio
Sam ao enriquecimento de todos os homens... As ruas se enchiam de estranhos. Toda a conversa
era sobre quinhões, lotes e terras. Pouco a pouco, à medida que o Sol se punha, os
'procuradores' voltavam de suas excursões ao território sem dono, famintos, cansados, mas
jubilantes."
(Hamlin Garland, séc. XIX)
A expansão territorial dos EUA no século XIX, ocorrida através da anexação, da compra e da
incorporação de territórios conquistados em guerras, completou-se em 1867. Nesse processo de
expansão, destaca-se a contribuição de milhões de imigrantes europeus no povoamento do
território.
a) Cite DUAS conseqüências da expansão territorial dos EUA no século XIX.
b) Explique UM fator conjuntural europeu que tenha contribuído para o aumento da emigração
para a América na segunda metade do século XIX.
HISTÓRIA
204
04- (UERJ) Precisamos manter para sempre o princípio de que só o povo deste continente tem o
direito de decidir o próprio destino. Se, porventura, uma parte desse povo, constituindo um estado
independente, pretendesse unir-se à nossa Confederação, esta seria uma questão que só a ele e
a nós caberia determinar, sem qualquer interferência estrangeira.
(Primeira mensagem anual do presidente Polk ao Congresso dos Estados Unidos. In:
SYRETT, H.C., org. Documentos Históricos dos Estados Unidos, Cultrix, s/d.
O discurso acima, de 2 de dezembro de 1845, reafirmava a crença do presidente Polk na
expansão do território americano.
O conjunto de idéias que melhor explicita essa crença é:
a)
b)
c)
d)
o New Deal
a Doutrina Truman
o Destino Manifesto
a Política de Boa Vizinhança
05- (UNIRIO) "... era como se os Estados Unidos tivessem como objetivo uma missão civilizatória
junto aos povos da América Latina."
(Hervert Croly, "The Promisse of American Life")
A consolidação do capitalismo nos Estados Unidos da América, ao longo do século XIX,
identificou-se em seu processo de expansão territorial, que se relaciona corretamente com o(a):
a) Destino Manifesto, que fundamentava a distinção política e econômica entre os estados
sulistas escravocratas e os nortistas industriais.
b) fim da guerra hispano-americana que acarretou a incorporação da Flórida, de Cuba e da zona
do Canal do Panamá.
c) vitória no conflito contra o México, que resultou na anexação dos territórios do Texas, Novo
México e Califórnia.
d) Marcha para o Pacífico, que estendeu o território americano até a costa oeste, com a invasão
e a ocupação do Alasca e dos territórios do noroeste do Canadá.
e) Doutrina Monroe, que ratificou a compra dos territórios franceses e ingleses na América, tais
como a Luisiana e o Oregon.
06- (FUVEST) Entre as mudanças ocorridas nos Estados Unidos, após a Guerra de Secessão
(1861-1865), destacam-se:
a) a garantia de direitos civis e políticos aos negros - incluindo o direito ao sufrágio universal - e
o reconhecimento da cidadania dos imigrantes recém-chegados.
b) a consolidação da unidade nacional, a chegada de novas levas de imigrantes, o aumento do
mercado interno e um grande desenvolvimento industrial.
c) graves desentendimentos em relação às fronteiras com o México, levando a uma nova guerra,
na qual os Estados Unidos ganharam metade do território mexicano.
d) o incentivo à vinda de imigrantes e a definitiva ocupação do oeste, cujas fronteiras, em 1865,
ainda estavam nas Montanhas Rochosas.
e) o empobrecimento e a humilhação do Sul, que, derrotado pelo Norte, foi alijado das esferas
do poder federal e teve sua reconstrução impedida.
HISTÓRIA
205
07- (FUVEST) A incorporação de novas áreas, entre 1820 e 1850, que deu aos Estados Unidos
sua atual conformação territorial, estendendo-se do Atlântico ao Pacífico, deveu-se
fundamentalmente:
a) a um avanço natural para o oeste, tendo em vista a chegada de um imenso contingente de
imigrantes europeus.
b) aos acordos com as lideranças indígenas, Sioux e Apache, tradicionalmente aliadas aos
brancos.
c) à vitória na guerra contra o México que, derrotado, foi obrigado a ceder quase a metade de
seu território.
d) à compra de territórios da Inglaterra e Rússia que assumiram uma posição pragmática diante
do avanço norte-americano para o oeste.
e) à compra de territórios da França e da Espanha que estavam, naquele período, atravessando
graves crises econômicas na Europa.
08- (UFMG) Considerando-se as relações entre a América Latina e os Estados Unidos a partir de
meados do século XIX, é correto afirmar que
a) a abertura do canal no estreito do Panamá possibilitou o desenvolvimento de relações
comerciais equilibradas entre as Américas.
b) a consolidação dos Estados antilhanos e centro-americanos viabilizou o apoio constante do
Governo norte-americano às democracias dessa região.
c) a derrota do México, na guerra com os Estados Unidos, significou a perda de quase metade
do território mexicano para este país.
d) a política do big stick, implementada pelo Presidente Theodore Roosevelt, visava estreitar o
diálogo diplomático entre os países americanos.
09- (UFF) A Guerra de Secessão, nos Estados Unidos da América, promoveu a implantação de
novas bases para a nação americana, porque a vitória do Norte:
a) desencadeou o movimento racista de oposição ao desenvolvimento da modernização
americana que culminou com a fundação da Klu-Klux-Klan;
b) acelerou o processo de estabelecimento do capitalismo no Sul, permitindo a unificação de
mercados, o desenvolvimento urbano e o melhor aproveitamento das matérias-primas e
produtos agrícolas do Sul;
c) não significou a eliminação do peso político do Sul que, no início do século XX, retomou sua
hegemonia econômica com a anexação do Texas;
d) expôs o grande dilema americano do "destino manifesto" e determinou a supremacia da
perspectiva econômica agrária sobre a industrial;
e) teve conseqüências cruciais para os escravos do Sul, pois, produziu uma legislação social
que excluía os negros da terra, com a proibição do trabalho dos ex-escravos.
HISTÓRIA
206
10- (PUCMG) A Idade de Ouro, na segunda metade do século XIX, corresponde ao período em
que os Estados Unidos se tornaram efetivamente um país industrializado. Vários fatores
conjugados contribuíram para a arrancada dos EUA, exceto:
a) a ampliação do trabalho escravo para as áreas do Oeste que foram posteriormente
incorporadas à União, sendo um dos motivos da Guerra de Secessão.
b) as condições excepcionais do território em recursos naturais e fertilidade do solo, contando
ainda com uma extensa rede ferroviária e fluvial para os transportes.
c) o estímulo do governo com o Homestead Act de 1862 (Ato da Propriedade Rural), doando 160
acres de terras a quem se dispusesse cultivá-las, no mínimo, durante 5 anos.
d) o desenvolvimento do mercado interno e da urbanização crescente, além da adoção de
medidas de protecionismo e estímulo aos empresários.
e) a criação da Lei Antitruste Sherman, em julho de 1890, com o objetivo de punir as empresas
que violassem as leis da livre concorrência.
11- (PUCMG) Nos Estados Unidos, a Guerra de Secessão (1861-1865) teve como uma de suas
causas:
a)
b)
c)
d)
e)
a abolição da escravatura em todos os estados.
a eleição de Abraham Lincoln para a Presidência.
a industrialização do Sul em prejuízo do Norte.
a adesão do Oeste aos estados sulistas.
a posição tomada pelo Congresso de apoio ao Sul.
12- (UFPEL) A Ku Klux Klan foi organizada nos Estados Unidos, com o objetivo de defender
a) os interesses agrários dos sulistas frente ao norte industrializado, especialmente na questão
da representatividade eleitoral da população negra.
b) os direitos humanos, especialmente a liberdade de expressão das minorias étnicas.
c) a supremacia do branco e reprimir com violência a ação dos negros que queriam exercer seus
direitos.
d) os direitos civis de forma geral, sem discriminação racial, sexual, de credo religioso ou de
situação econômica.
e) os direitos dos trabalhadores nas plantações de algodão, no sul dos Estados Unidos.
13- (UFRJ) "Em todos os sistemas sociais, é preciso haver uma classe para desempenhar as
tarefas indignas, para fazer o que é monótono e desagradável ... nós a chamamos escravos. (...)
não chamarei a classe existente no norte usando esse termo; mas vocês também os possuem;
(...) A diferença entre nós, é que os escravos são contratados pela vida toda, e são bem
recompensados; não há fome, nem mendicância, nem desemprego entre nós, e nem excesso de
empregos, também. Os de vocês são empregados por diárias, não são bem tratados, e têm
escassa recompensa, o que pode ser provado, da maneira mais deplorável, a qualquer hora, em
qualquer rua de suas cidades. Ora, pois a gente encontrava mais mendigos em uma dia, em uma
só rua de Nova lorque, do que os que se encontram durante toda uma vida no sul inteiro. Nossos
escravos são pretos, de uma raça inferior; ... os de vocês são brancos, de sua própria raça; são
irmãos de um só sangue".
Senador Hammond, Carolina do Sul
(ln: HUBERMAN, Leo. "História da Riqueza dos EUA". São Paulo, Brasiliense, 1978.
p.158.)
HISTÓRIA
207
No período anterior à Guerra de Secessão (1861-1865), o senador sulista norte-americano
buscava mostrar, em defesa da manutenção da escravidão nos estados do Sul dos Estados
Unidos da América, que
a) enquanto os sulistas mantinham escravos negros descendentes de africanos, a nobreza
feudal nortista mantinha servos brancos descendentes de europeus.
b) o estilo de vida sulista tendia a ser muito mais moderno e civilizado que o nortista.
c) as indústrias do Sul funcionavam de maneira bem mais eficaz que a agricultura nortista.
d) a miséria decorrente da escravidão poderia ser tão danosa à economia nortista quanto era no
sul dos EUA.
e) os efeitos da implantação do capitalismo industrial no Norte eram piores para os trabalhadores
do que a escravidão.
14- (UFRJ)
1899
Nova lorque
MARK TWAIN PROPÕE MUDAR A BANDEIRA
(...) Em plena euforia imperial, os Estados Unidos celebram a conquista das ilhas do Havaí,
Samoa e as Filipinas, Cuba, Porto Rico e uma ilhota que se chama, eloqüentemente, dos Ladrões.
O oceano Pacífico e o mar das Antilhas viraram lagos norte-americanos, e está nascendo a United
Fruit Company; mas o escritor Mark Twain, velho estraga-festas, propõe que se mude a bandeira
nacional: que sejam negras, diz, as listas brancas, e que umas caveiras com tíbias cruzadas
substituam as estrelas.(...)"
(GALEANO, Eduardo. "As Caras e as Máscaras". Nova Fronteira, Rio, 1985. p.341.)
Há exatos cem anos, os Estados Unidos da América estavam inseridos em um processo de
dominação territorial e econômica que afetou, igualmente, as grandes potências européias e o
Japão.
a) Nomeie esse processo e cite uma de suas principais características econômicas.
b) Explique as razões de Mark Twain para sua proposta.
HISTÓRIA
208
15- (UFF) Imbuídos da moral protestante e movidos pelo sonho de uma nova vida proveniente das
transformações industriais européias, os pioneiros da marcha para o oeste iniciaram a grande
obra de povoamento do território norte-americano e de reconhecimento de suas riquezas.
Considerando-se o aspecto histórico do alargamento de fronteiras nos Estados Unidos, pode-se
dizer que a marcha para o oeste:
a) foi o marco inicial da expansão da economia norte-americana, uma vez que os pioneiros eram
organizados pelo Estado e deveriam auxiliá-lo na eliminação dos índios;
b) significou a abertura de um conflito entre os vários tipos de pioneiros e teve como
conseqüências a Guerra de Secessão e a autonomia dos Estados da federação norteamericana;
c) teve como repercussões, apenas, a matança dos índios e a fabricação de heróis dos filmes de
far-west;
d) revelou um território rico que teve condições de ser ocupado graças à aliança entre os
pioneiros e os índios;
e) constituiu um dos marcos da identidade homem-terra na construção da nação norteamericana, possibilitando o alargamento do território.
16- (PUCCAMP) Considere as afirmações sobre os movimentos de independência das colônias
latino-americanas no século XIX.
I. A Espanha solicitou a intervenção da Santa Aliança, que representava governos absolutistas e
colonialistas, para ajudar a conter o movimento emancipacionista nas suas colônias.
II. Os movimentos de emancipação nos países da América Latina tiveram a participação das
populações pobres, que conquistaram todas as suas reivindicações sociais e políticas.
III. Os Estados Unidos da América reconheceram imediatamente a independência das colônias
espanhola e portuguesa, por interesses estratégicos na região.
IV. O movimento de independência das colônias foi realizado a um só tempo, motivo pelo qual foi
rápido e dispensou a atuação de grandes lideranças no processo.
Estão corretas somente
a)
b)
c)
d)
e)
I e II
I e III
I e IV
II e III
III e IV
CAPÍTULO 20
UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA E DA ALEMANHA
01- (CESGRANRIO) Assinale a opção que apresenta uma afirmativa correta sobre o processo
de unificação da Alemanha (1871) e da Itália (1870).
a) Na Itália, a proclamação da República por Giuseppe Garibaldi, líder do movimento carbonário
e republicano, estabilizou economicamente o país, permitindo a fixação das fronteiras
internacionais italianas e sua unificação interna.
HISTÓRIA
209
b) Na Itália, com o apoio do Papa Pio IX, o movimento unificador difundiu-se a partir da cidade
de Roma, sendo contrário aos interesses econômicos da burguesia do Piemonte e do norte do
país.
c) Na Alemanha, Bismarck implementou a unificação com a ajuda econômica e militar do Império
Austríaco, opondo-se à política separatista da Prússia de Guilherme I.
d) A criação da União Alfandegária (Zollverein) entre os estados alemães desenvolveu a
industrialização e a economia da Confederação Germânica, culminando na unificação política
com a criação do Segundo Reich (império) Alemão.
e) Ambos os processos unificadores resultaram da derrota dos movimentos nacionalistas locais
frente à reação das forças monárquicas reunidas pelo Congresso de Viena.
02- (UFF) No final da chamada "era napoleônica", derrotado o imperador francês em 1815, tornouse possível a recomposição das forças sociais e políticas ligadas ao Antigo Regime, em boa parte
do continente europeu. Nada disso deteve, porém, a onda revolucionária e o surgimento de
revoltas, a partir de 1820 até 1848. Na Itália, por exemplo, coube a uma sociedade secreta a
elaboração de um programa político "contra as tiranias", cuja grande meta era a unificação da
nação italiana e o triunfo dos princípios liberais.
Assinale a opção que identifica corretamente os revolucionários anteriormente mencionados:
a)
b)
c)
d)
e)
Pedreiros-livres
Cristãos-novos
Maçons
Carbonários
Jacobinos
03- (UFF) A época de Bismarck (1871-1890) associam-se alguns elementos que vieram a reforçar
o capitalismo industrial e financeiro na Alemanha recém-unificada. Assinale a opção que contém
referências vinculadas ao momento político mencionado.
a) Vitória dos cristãos-sociais mais moderados ao impor reformas do sistema de trabalho na
década de 1880, greve dos mineiros do Ruhr, emigração maciça para o continente americano,
imposição do livre comércio de importação e exportação em 1879.
b) Zollverein ou união aduaneira alemã, abolição do regime político federal no Império Alemão,
diminuição da influência dos Junkers prussianos, dissolução da Aliança do Centeio e do Aço.
c) Unificação monetária alemã e fundação do Reichsbank, extensão das ferrovias,
desaparecimento de numerosas pequenas empresas após a crise financeira de 1873,
imposição do protecionismo alfandegário em 1879.
d) Financiamento de seguros sociais pelo Reichsbank para aliviar tensões, condução a um
período de paz social através da unidade alemã, privatização das ferrovias, entrada da
Alemanha na corrida colonial ao anexar a Etiópia.
e) Sacrifício da agricultura à industria, reforço da posição dos industriais determinado pelo "novo
curso" ligado ao chanceler Caprivi, formação, no Reichstag, da maioria chamada "do Cartel",
favorável ao grande capitalismo e a medidas anti-sindicais em 1879.
04- (PUCCAMP) Na base do processo das unificações italiana e alemã, que alteraram o quadro
político da Europa no século XIX, estavam os movimentos
a)
b)
c)
d)
e)
sociais, acentuadamente comunistas.
liberais, acentuadamente nacionalistas.
iluministas, acentuadamente burgueses.
reformistas, acentuadamente religiosos.
renascentistas, acentuadamente mercantis.
05- (UERJ) Na base do processo das unificações italiana e alemã, que alteraram o quadro político
da Europa no século XIX, estavam os movimentos
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
e)
210
sociais, acentuadamente comunistas.
liberais, acentuadamente nacionalistas.
iluministas, acentuadamente burgueses.
reformistas, acentuadamente religiosos.
renascentistas, acentuadamente mercantis.
06- (UERJ) Proletariado... o nome mesmo soa como um arcaísmo: representam-se os proletários
do início do século ou do entreguerras, boné inclinado sobre a cabeça e sacola de pano sobre os
ombros, dirigindo-se cedo pela manhã para as portas das usinas dos sinistros subúrbios. Ou
ainda, bandeiras vermelhas às mãos, nos cortejos de 1° de maio ou aqueles operários dos
manifestos. Imagens que parecem pertencer a um outro século, mesmo se as realidades, que as
engendraram, marcaram profundamente este nosso século que se finda.
(BIRH, Alan. "Le Proletariat dans Tous ses Éclats". Le Monde Diplomatique: maniere de
voir, n° 18, 1993.)
As realidades que formaram essas imagens do proletariado estão relacionadas ao início do século
XIX, no momento em que a Revolução Industrial se firmava na Inglaterra.
a) Identifique um dos movimentos de reação desse proletariado às transformações sócioeconômicas em curso, na Inglaterra da primeira metade do século XIX, e cite uma de suas
características.
b) Descreva a dinâmica do movimento operário a partir do "Manifesto Comunista" de 1848.
07- (UERJ) Em 1860, um contemporâneo da unificação da Itália afirmou:
"Fizemos a Itália; agora precisamos fazer os italianos."
(D'AZEGLIO, Massimo (1792-1866). Apoud HOBSBAWM, E. "A era do capital: 18481875". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.)
Essa frase traduz uma particularidade da construção da unidade italiana, que é identificada na:
a)
b)
c)
d)
divergência entre nacionalismo e nação-estado
fusão entre nacionalismo de massa e patriotismo
adoção da língua italiana no dia-a-dia da população
união entre os interesses dos partidários da Igreja e da República
HISTÓRIA
211
08- (PUCMG) No processo de unificação da Itália de meados do século XIX, destacam-se,
exceto:
a) a preocupação da burguesia em evitar qualquer aliança com a massa camponesa.
b) a permanência de um sistema oligárquico que garante os interesses dos grandes proprietários
da terra.
c) a ação dos liberais moderados, liderado por Cavour, para impedir as tentativas
revolucionárias.
d) a obtenção da unidade através do alargamento do Estado piemontês e não de um movimento
nacional.
e) o papel decisivo dos movimentos populares para a concretização da unidade italiana.
09- (UNICAMP) Em um relato de uma viagem ao Brasil de Luciano Magrini (In BRASILE, 1926),
pode-se ler:
Neste cenário, em uma triste e silenciosa solidão, quase perdidos no espaço, dispersos em uma
imensa plantação de café, dez ou vinte quilômetros distante do menor vilarejo, vivem milhares e
milhares de italianos.
a) Que condições políticas e econômicas na Itália durante a segunda metade do século XIX
provocaram um movimento migratório em direção ao Brasil?
b) Quais foram as localidades geográficas brasileiras ocupadas pela migração italiana nas ultimas
décadas do século XIX?
c) Quais eram as características econômicas da agricultura cafeeira?
10- (UNESP) Nas últimas décadas do século XIX, na Europa, dois países ainda lutavam pela
unidade e pela consolidação de um Estado Nacional. Esses países são:
a) França e Itália.
HISTÓRIA
b)
c)
d)
e)
212
França e Alemanha.
Itália e Espanha.
Alemanha e Itália.
Espanha e França.
11- (UFRJ) Identifique uma razão que tenha levado Bismark a mostrar-se pessimista quanto à
possibilidade de uma união européia em fins do século XIX.
12- (UNICAMP) Referindo-se aos acontecimentos ocorridos em Paris no ano de 1871, assim se
expressou um militante socialista: "Eis o que significaram os acontecimentos de 18 de março. Eis
por que esse movimento é uma revolução, eis por que todos os trabalhadores o reconhecem e
aclamam".
a) A que movimento político a citação faz referência?
b) Explique o que foi esse movimento.
c) Qual foi sua importância para o movimento socialista até o período inaugurado com a
Revolução Russa de 1917?
13- (UERJ) A partir dos anos de 1848/1850, o panorama político europeu foi caracterizado pelo
processo de construção do Reino da Itália e de formação do Império Alemão.
Comparando os dois processos de unificação, descreva a participação dos setores populares em
cada um deles.
HISTÓRIA
213
CAPÍTULO 21
O IMPERIALISMO NA ÁFRICA E NA ÁSIA
01- (UNESP) Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiam características
novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a
pretensa superioridade do homem branco marcavam o auge da hegemonia européia. Assinale a
alternativa que encerra, no plano ideológico, certo esforço para justificar interesses imperialistas.
a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, é algo inimaginável para os
ocidentais.
b) A civilização deve ser imposta aos países e raças onde ela não pode nascer
espontaneamente.
c) A invasão de tecidos de algodão do Lancashire desferiu sério golpe no artesanato indiano.
d) A diplomacia do canhão e do fuzil, a ação dos missionários e dos viajantes naturalistas
contribuíram para quebrar a resistência cultural das populações africanas, asiáticas e latinoamericanas.
e) O mapa das comunicações nos ensina: as estradas de ferro colocavam os portos das áreas
colonizadas em contato com o mundo exterior.
02- (UFMG) Em 1793 uma missão comercial britânica chegou à China e conseguiu ser recebida
pelo próprio Imperador. Os ingleses solicitavam, principalmente, autorização para abrir uma
representação diplomática em Pequim, a abertura de mais portos chineses ao comércio
internacional e a redução de tarifas alfandegárias. Em sua resposta ao Rei da Inglaterra escreveu
o Imperador chinês: "Nunca demos valor a artigos engenhosos, nem temos a menor necessidade
das manufaturas de seu país. Portanto, ó rei, no tocante à tua solicitação de enviar alguém para
permanecer na capital, ao mesmo tempo que não está em harmonia com os regulamentos do
Império Celestial, sentimos também muito que isso não trará nenhuma vantagem para o teu país".
(Apud SPENCE, Jonathan. "Em busca da China moderna". São Paulo: Companhia das
Letras, 1996. p.134.)
Essa atitude do Império Chinês estava relacionada
a) ao temor dos governantes chineses de afrontar a opinião nacionalista do País, notadamente
após a Revolta Taiping.
b) à auto-suficiência do sistema econômico imperial, que admitia receber, preferencialmente,
metais preciosos em troca de seus produtos.
c) à preferência que os chineses davam ao comércio com o Império Espanhol, tradicional
parceiro dos negociantes orientais.
d) à preocupação em proteger a burguesia chinesa, que se sentia ameaçada em relação à
concorrência dos produtos ingleses.
03- (CESGRANRIO) A expansão imperialista do final do século XIX / início do século XX buscou
atender aos interesses das diversas potências européias e, em conseqüência, aprofundou as
divergências entre as mesmas, levando à formação de blocos antagônicos e à eclosão da 1ª
Guerra Mundial. As rivalidades franco-germânicas podem ser atribuídas à:
a) construção do canal de Suez, resultado da aplicação de capitais franceses, mas ocupado pela
Alemanha, que transformou a região num protetorado.
HISTÓRIA
214
b) disputa de terras férteis ao sul do continente africano, tendo em vista que a África do Norte já
era inglesa e que a região do Sahel estava exposta à desertificação.
c) partilha da China entre as potências européias, excluídas a Itália e a Alemanha, por estarem
em processo de unificação.
d) ocupação da Tunísia pela França, que construiu uma estrada de ferro a qual, seguindo o
litoral, alcançava Túnis, inviabilizando definitivamente a permanência alemã na região.
e) ocupação francesa do Marrocos, pretendido pela Alemanha, que fracassou após as
chamadas crises marroquinas, como as de Tânger e Agadir.
04- (ENEM) "O continente africano em seu conjunto apresenta 44% de suas fronteiras apoiadas
em meridianos e paralelos; 30% por linhas retas e arqueadas, e apenas 26% se referem a limites
naturais que geralmente coincidem com os de locais de habitação dos grupos étnicos".
(MARTIN, A. R. "Fronteiras e Nações. Contexto", São Paulo, 1998.)
Diferente do continente americano, onde quase que a totalidade das fronteiras obedecem a limites
naturais, a África apresenta as características citadas em virtude, principalmente,
a)
b)
c)
d)
da sua recente demarcação, que contou com térmicas cartográficas antes desconhecidas.
dos interesses de países europeus preocupados com a partilha dos seus recursos naturais.
das extensas áreas desérticas que dificultam a demarcação dos "limites naturais".
da natureza nômade das populações africanas, especialmente aquelas oriundas da África
Subsaariana.
e) da grande extensão longitudinal, o que demandaria enormes gastos para demarcação.
05- (UNIRIO) "Foi essa consciência de nossa superioridade inata que nos permitiu conquistar a
Índia. Por mais educado e inteligente que seja um indígena, por mais valente que ele se manifeste
e seja qual for a posição que possamos atribuir-lhe, penso que jamais ele será igual a um oficial
britânico."
(Lord Kitchener, in: PANIKKAR, K. M., "A Dominação Ocidental na Ásia." Tradução de
Nemésio Salles, Rio de Janeiro: Saga, 1965, p. 160.)
A expansão imperialista européia sobre o continente asiático, ao longo do século XIX e início do
século XX, atingiu uma de suas principais expressões na dominação britânica sobre duas das
mais antigas civilizações da Ásia: a China e a Índia. Marque a opção a seguir que apresenta uma
característica correta da dominação imperialista inglesa sobre a China ou a Índia.
a) Na Índia, a extinção do sistema religioso de castas favoreceu a inclusão dos indianos na
sociedade inglesa, porque foram utilizados como mão-de-obra barata no parque industrial da
Inglaterra.
b) Na China, a vitória militar dos ingleses sobre os exércitos imperiais chineses na Guerra do
Ópio (1841) determinou a instalação do monopólio da Inglaterra sobre o comércio chinês de
especiarias com o ocidente.
c) Na Índia, a dominação britânica provocou a destruição da economia tradicional voltada para a
subsistência e sustentada por manufaturas têxteis incapazes de concorrer com a produção
inglesa de tecidos de algodão.
d) Na China, a hegemonia política e econômica inglesa impediu a atuação de outras potências
imperialistas porque isolou o território chinês pelo Tratado de Pequim (1860).
e) Na Índia, uma alta burocracia de indianos exercia a administração das áreas conquistadas
para reduzir os custos elevados gerados pelos gastos militares com a dominação imperialista.
06- (UERJ) Se tivéssemos de definir o imperialismo da forma mais breve possível, diríamos que
ele é a fase monopolista do capitalismo.
(LENIN, V. I. "O Imperialismo: fase superior do capitalismo". São Paulo: Global, 1987.)
HISTÓRIA
215
Melhor seria ver o imperialismo como uma extensão à periferia da luta política na Europa. No
centro, o equilíbrio estava ajustado tão perfeitamente que não era possível nenhuma ação
positiva, nenhuma mudança importante no status ou no território de qualquer dos lados. As
colônias tornaram-se um modo de sair do impasse.
(FIELDHOUSE. Apud B. J. Cohen. "A questão do imperialismo". Rio de Janeiro: Zahar, 1976.)
Indique, tomando como ponto de referência os textos, dois fatores que estimularam a expansão
imperialista entre 1870 e 1914.
07- (FGV) "A idéia que mais me acode ao espírito é a solução do problema social, a saber: nós,
os colonizadores, devemos, para salvar os 40 milhões de habitantes do Reino Unido de uma
mortífera guerra civil, conquistar novas terras a fim de aí instalarmos o excedente de nossa
população, de aí encontrarmos novos mercados para os produtos das nossas fábricas e das
nossas minas."
(C. Rhodes, 1895)
O texto anterior expõe a/o:
a) única necessidade de novas áreas para o reaquecimento do comércio após as derrotas de
1914.
b) problema da crise social e econômica, no Reino Unido, e a opção por uma política imperialista
e neocolonial;
c) problema da desqualificação da mão-de-obra que leva ao desaquecimento na economia do
Reino Unido, provocando uma política de abertura para novos mercados;
d) busca por matéria-prima como questão fundamental para solucionar a crise política e social
no Reino Unido.
e) crise econômica nas colônias que deve receber uma política de incentivos aos assentamentos
e à industrialização.
09- (PUCMG) O acirramento da corrida imperialista no decorrer do século XIX está associado:
a) ao desenvolvimento acentuado das forças produtivas capitalistas nos países industrializados
do ocidente europeu e nos EUA.
b) à completa abstenção do Estado em relação ao processo de acumulação de capitais, em
função do domínio dos princípios liberais.
c) aos desequilíbrios demográficos e econômicos provocados pelas contínuas guerras travadas
na Europa no período em questão.
d) à fuga de capitais resultante da profunda crise que se abateu sobre as economias centrais em
meados do século passado.
e) à desarticulação da classe operária diante do malogro das experiências socializantes,
propiciando a queda dos salários reais.
10- (UFRJ) O Imperialismo é o capitalismo chegado a uma fase de desenvolvimento onde se
afirma a dominação dos monopólios e do capital financeiro, onde a exportação dos capitais
adquiriu uma importância de primeiro plano, onde começou a partilha do mundo entre os trustes
internacionais e onde se pôs a termo a partilha de todo o território do globo, entre as maiores
potências capitalistas.
LENIN, V. I. "O Imperialismo: fase superior do Capitalismo". São Paulo, Global Editora,
1979. p. 88.
HISTÓRIA
216
A partir da definição acima, pode-se atribuir a seguinte característica ao Imperialismo:
a) a distribuição igualitária de produção e de capital, dando origem aos monopólios, cujo papel é
decisivo na vida econômica.
b) o desenvolvimento de pequenas empresas de capital nacional em grande parte dos países.
c) a divisão entre o capital bancário e o capital industrial formando o capital financeiro.
d) as maiores potências capitalistas, formando rede de apoio financeiro aos países mais pobres.
e) a exportação de mercadorias, assim como a exportação de capitais, assumindo grande
importância.
11- (UNESP) Com a publicação do livro do economista inglês Hobson, "Imperialismo, um estudo",
em 1902, difundiu-se o significado moderno da expressão "imperialismo", que passou a ser
entendido como
a) um esforço despendido pelas economias centrais, no sentido de promover as economias
periféricas.
b) a condição prévia e necessária ao incremento do desenvolvimento industrial nos países
capitalistas.
c) um acordo entre as potências capitalistas, visando dividir, de forma pacífica, os mercados
mundiais.
d) a expansão econômica e política em escala mundial das economias capitalistas na fase
monopolista.
e) o "fardo do homem branco", um empreendimento europeu, procurando expandir a civilização
na África.
12- (FUVEST) No século XIX a história inglesa foi marcada pelo longo reinado da rainha Vitória.
Seu governo caracterizou-se:
a) pela grande popularidade da rainha, apesar dos poderes que lhe concedia o regime
monárquico absolutista vigente.
b) pela expansão do Império Colonial na América, explorado através do monopólio comercial e
do tráfico de escravos.
c) pelo início da Revolução industrial, que levou a Inglaterra a tornar-se a maior produtora de
tecidos de seda.
d) por sucessivas crises políticas internas, que contribuíram para a estagnação econômica e o
empobrecimento da população.
e) por grande prosperidade econômica e estabilidade política, em contraste com acentuada
desigualdade social.
13- (UNIRIO) "O mundo está quase todo parcelado e o que dele resta está sendo dividido,
conquistado, colonizado. Penso nas estrelas que vemos à noite, esses vastos mundos que jamais
poderemos atingir. Eu anexaria os planetas se pudesse; penso sempre nisso. Entristece-me vêlos tão claramente e ao mesmo tempo tão distantes."
(Cecil Rhodes)
Esta frase, proferida por um dos grandes incentivadores da expansão imperialista de século XIX,
expressa as novas formas de:
a) distribuição da riqueza global, norteadas pela manutenção do equilíbrio ecológico entre as
nações do hemisfério sul do continente europeu.
HISTÓRIA
217
b) constituição de megablocos econômicos, priorizando as economias periféricas,
potencialmente mais desenvolvidas e ricas do que a Europa.
c) anexação territorial, objetivando a conquista de terras férteis e importação de mão-de-obra
imigrante para o centro do capitalismo europeu.
d) globalização da economia e da informação, ultrapassando as fronteiras nacionais, suprimindo
a intermediação do Estado Nacional.
e) cobiça pelos mercados da África e da Ásia, visando à exportação de capitais e ao consumo de
produtos industriais dos países europeus.
14- (UFF) A revolução Meiji é um evento da história do Japão que determinou:
a) o processo de avanço do capitalismo internacional na área da Ásia e o movimento de defesa
de um Japão socialista, próximo da experiência da China;
b) o movimento de defesa das tradições orientais que propunha a união com a China a fim de
fortalecer as áreas orientais contra o imperialismo ocidental;
c) divisões internas das elites dirigentes decorrentes das diferentes visões com relação à cultura
ocidental - os progressistas, aliados da China, e os conservadores, aliados dos países
ocidentais reconheciam que a manutenção de uma estrutura fragmentada das ilhas limitava o
desenvolvimento da agricultura e que a saída era a industrialização;
d) a modernização da estrutura econômica japonesa, facilitou a entrada de capital estrangeiro, o
processo de urbanização e a alteração de valores, desencadeando a ocidentalização do
Japão;
e) a defesa da propriedade privada com a eliminação das formas feudais de organização da
terra e o incentivo às reformas agrárias vinculadas ao socialismo, bem como a manutenção
das tradições, mediante o fechamento das relações com os países ocidentais e o avanço
militar sobre o Império Russo.
15- (PUCMG) Pela Convenção de Madri de 1880, as principais nações européias reconheceram a
autonomia do Marrocos. Em abril de 1914, a França e a Inglaterra estabelecem bilateralmente a
chamada "Entende Cordiale", através da qual a Grã-Bretanha teria total liberdade de ação no
Egito, enquanto à França era entregue o Marrocos.
Pelo exposto, é correto afirmar que, no período em questão:
a) habitualmente os interesses dos povos dominados representavam um fator de peso nas
decisões tomadas pelas nações imperialistas.
b) apesar dos dispositivos de caráter internacional, a ação política das potências antes da
Primeira Guerra era norteada pela força e pelo arbítrio.
c) era comum que os atritos entre os países europeus fossem superados através de uma
arbitragem imparcial e inquestionável.
d) tornou-se fundamental garantir a ordem internacional, deslocando-se o poder para os Estados
Unidos, pais alheio aos problemas europeus.
e) a existência de um organismo supranacional possibilitou que os princípios do direito
internacional fossem efetivamente respeitados.
16- (UERJ) "Quase todos os dias temos a possibilidade de ler um longo artigo sobre a "nova
África" e sua habilidade para "jogar novo sangue nas artérias do comércio há muito bloqueadas
pela esclerose da corrupção", sem uma só menção aos aspectos sociais da questão. (...)
Sabemos, entretanto, que a realidade é menos rósea, que é possível falar de pelo menos duas
Áfricas (a pobre e menos pobre) e que a potência da imagem nos lembra quase todo dia que nem
tudo que reluz é ouro."
("Jornal do Brasil", 11/10/98)
Apesar da apregoada "renascença africana", os conflitos continuam denominando o panorama
daquele continente, que assistiu, em 1996, a confrontos em 14 dos seus 53 países. Essa violência
HISTÓRIA
218
marcante pode ser explicada por motivos que remontam ao processo de colonização européia no
século XIX.
Um desses motivos é:
a) o rompimento da ordem tradicional tribal, em função dos interesses econômicos europeus
b) a composição de uma elite local educada na Europa, em oposição a uma burguesia comercial
nativa
c) o desenvolvimento de diversos setores produtivos, em detrimento de uma economia de base
primária
d) difusão de um ideal pan-africano, em virtude da atuação de intelectuais africanos diplomados
em universidades estrangeiras
17- (UFMG) A expansão neocolonial do final do século XIX pode ser associada a
a) busca de novas oportunidades de investimentos lucrativos para o capital excedente nos
países industriais.
b) atração pelo entesouramento permitido pela conquista de regiões com jazidas de metais
preciosos.
c) necessidade de expansão da influência da Igreja Católica frente ao aumento dos seguidores
da Reforma.
d) divisão internacional do trabalho entre produtores de matérias primas e consumidores de
produtos industrializados.
CAPÍTULO 22
O MOVIMENTO OPERÁRIO E O ADVENTO DO SOCIALISMO
01-(UNICAMP) O liberalismo tornou-se ideologia predominante na sociedade ocidental a partir da
segunda metade do século XIX.
a) Quais direitos naturais que o liberalismo se propõe a garantir?
b) Quais as principais características do liberalismo econômico?
c) Quais correntes de pensamento se opuseram ao liberalismo no século XIX?
02- (PUCPR) "Toda riqueza é criada pelo trabalho. O capital nada cria, mas ele próprio é criado
pelo trabalho. O valor de todas as utilidades é determinado pela quantidade de trabalho
necessária para produzi-las".
(Burns, Edward McNalls - "História da Civilização Ocidental", Globo, volume II, 1964.)
HISTÓRIA
219
Conforme a ideologia marxista ou doutrina comunista, o texto exprime uma das suas premissas
fundamentais:
a)
b)
c)
d)
e)
à interpretação econômica da História.
ao materialismo dialético.
à doutrina da mais-valia.
à luta de classes.
à teoria da evolução socialista.
03- (FGV) Leia com atenção as proposições abaixo:
I. "A história de qualquer sociedade até aos nossos dias foi apenas a história da luta de classes.
Homem livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo, mestre e companheiro, numa palavra
opressores e oprimidos em oposição constante, desenvolveram uma guerra que acabava sempre
ou por uma transformação revolucionária da sociedade inteira, ou pela destruição das duas
classes em luta."
II. "Se me pedissem para responder à pergunta - 'O que é a escravidão?' e eu respondesse numa
só palavra: 'Assassinato!', todos entenderiam imediatamente o significado da minha resposta. Não
seria necessário utilizar nenhum outro argumento para demonstrar que o poder de roubar um
homem de suas idéias, de sua vontade e sua personalidade é um poder de vida ou morte e que
escravizar um homem é o mesmo que matá-lo. Por que, então, não posso responder da mesma
forma a essa outra pergunta: 'O que é a propriedade?' com uma palavra só: 'Roubo'."
Assinale a alternativa correta:
a) A primeira proposição reproduz um trecho de uma das mais importantes obras do filósofo
alemão Karl Marx, que serviu de base para a ideologia liberal desenvolvida no século XIX.
b) A segunda proposição refere-se ao manifesto cristão proposto por bispos da Igreja,
indignados com a miséria que assolava as classes trabalhadoras européias no século XIX.
c) A "luta de classes" é um dos principais aspectos da doutrina marxista e a definição da
"propriedade como um roubo" tornou-se um dos principais lemas do anarquismo desde o
século XIX.
d) A segunda proposição é de Joseph Proudhon, teórico liberal francês, indignado com a
escravidão ainda praticada em determinados continentes no século XIX.
e) A segunda proposição refere-se à região da Palestina na perspectiva sionista, desenvolvida
na Europa ao final do século XIX.
04- (UFMG) Leia estes trechos, que expressam algumas das principais correntes de pensamento
do século XIX:
I. Ora, o que distingue a revolução francesa, e o que a torna um acontecimento único na história,
é que ela é radicalmente má; nenhum elemento de bem alivia o olhar do observador; é o mais alto
grau de corrupção conhecido; é a pura impureza.
II. A essência do sistema capitalista está, pois, na separação radical entre o produtor e os meios
de produção. Esta separação torna-se cada vez mais acentuada e numa escala progressiva,
desde que o sistema capitalista se estabeleceu.
III. O Estado foi sempre patrimônio de qualquer classe privilegiada: classe sacerdotal,
nobiliárquica, classe burguesa. O Estado ergue-se ou cai quase como uma máquina, mas o
fundamental é que, para sua salvação e existência, haja sempre qualquer classe social
privilegiada que se interesse pela sua existência.
Os trechos I, II e III podem ser associados, respectivamente,
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
220
ao conservadorismo, ao marxismo e ao anarquismo.
ao idealismo, ao nacionalismo e ao darwinismo.
ao romantismo, ao positivismo e ao liberalismo.
ao cientificismo, ao saint-simonismo e ao nihilismo.
05- (PUCMG) Na segunda metade do século XIX, surgiu o "socialismo científico", cujo teórico
mais importante foi Karl Heinrich Marx. São elementos fundamentais do pensamento marxista,
exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
o materialismo dialético.
a interpretação econômica da história
o conceito de luta de classes.
a teoria da mais-valia.
o princípio de não-intervenção estatal.
06- (PUCMG) As transformações econômicas e sociais ocorridas na Europa durante os séculos
XVIII e XIX, fruto da difusão do industrialismo, estimularam, exceto:
a) o avanço da doutrina social da Igreja, propondo alcançar a justiça social através da
solidariedade cristã.
b) o desenvolvimento dos ideais socialistas, em oposição à sociedade burguesa capitalista
dominante.
c) a centralização do poder político e o estabelecimento de regimes totalitários de extrema
direita.
d) a organização da classe operária e o surgimento dos primeiros sindicatos de trabalhadores.
e) a elaboração dos princípios da organização científica do trabalho, racionalizando a produção.
07- (UERJ) (...) a abolição da Igreja e do Estado deve ser a primeira e indispensável condição
para a verdadeira libertação da sociedade; só depois que isso acontecer é que a sociedade
poderá ser organizada de outra maneira.
(BAKUNINE, M. apud WOODCOCK, G. "Os grandes escritos anarquistas". Porto Alegre: L&PM, 1981.)
a) Aponte duas características do anarquismo.
b) No Brasil, o anarquismo se fez presente nos movimentos operários das primeiras décadas do
século XX, especialmente na conjuntura explosiva de 1917-1920. Cite um motivo que gerou essa
conjuntura explosiva.
08- (PUCMG) A primeira "Internacional", ou seja, associação mundial de trabalhadores foi criada
em Londres, no ano de 1864, por Marx e Engels e aglutinava entidades operárias de toda a
Europa, de tendências político-ideológicas as mais variadas. Em 1876, essa organização
dissolveu-se, em parte, pelas agudas divergências entre:
HISTÓRIA
a)
b)
c)
d)
221
anarquistas e marxistas.
revisionistas e revolucionários.
trotskistas e stalinistas.
socialistas e comunistas.
09- (PUCCAMP) Leia um trecho do Manifesto Comunista de 1848, de Marx e Engels.
"A sociedade moderna burguesa, surgida das ruínas da sociedade feudal, não aboliu os
antagonismos de classes. Apenas estabeleceu novas classes, novas condições de opressão e
novas formas de lutas em lugar das velhas. No entanto, a nossa época, a época da burguesia,
possui uma característica: simplificou os antagonismos de classes. A sociedade global divide-se
cada vez mais em dois campos hostis, em duas grandes classes que se defrontam - a burguesia e
o proletariado."
(Karl Marx e Friedrich Engels. "O Manifesto Comunista". Tradução. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 93)
O socialismo científico de Marx e Engels teve grande repercussão na prática revolucionária da
classe operária nos séculos XIX e XX. No texto, os autores enfatizam um dos princípios
fundamentais desse socialismo, conhecido por teoria:
a)
b)
c)
d)
e)
da mais-valia.
da ditadura do proletariado.
do cooperativismo sindical.
da reforma social.
da luta de classes.
10- (FUVEST) Diferenças afastaram e semelhanças aproximaram comunistas e anarquistas no
século XIX e primeira metade do XX.
Identifique e comente essas diferenças e semelhanças.
11- (UFRJ) "A criação de um proletariado despossuído, (...) cultivadores vítimas de
expropriações violentas repetidas, foi necessariamente mais rápida que sua absorção pela
nascentes manufaturas. (...) Forma-se uma massa de mendigos, ladrões e vagabundos. Desde o
final do século XV e durante todo o século XVI na Europa Ocidental foi criada uma legislação
sanguinária contra o ócio. Os pais da atual classe operária foram castigados por terem sido
reduzidos à situação de vagabundos e pobres. A legislação os tratava como criminosos
voluntários; ela pressupunha que dependia de seu livre arbítrio continuar a trabalhar como antes."
(MARX, Karl. "O Capital". Paris, Garnier-Flamarion, 1969.)
As transformações econômicas e sociais costumam gerar profundas alterações no chamado
"mundo do trabalho". A situação apontada por Marx refere-se ao processo histórico
a) das revoluções anti-capitalistas, ocorridas na Europa, contra as quais a burguesia determinou
severa repressão.
HISTÓRIA
222
b) das revoltas operárias, como o ludismo, voltadas à destruição das máquinas e à exploração
por elas causada.
c) da Revolução Francesa, na qual os trabalhadores foram transformados em massa de
manobra dos interesses burgueses.
d) de cercamento dos campos, com o deslocamento de um grande contingente de despossuídos
da sua área rural de origem.
e) da Revolução Industrial, quando os criminosos eram expulsos das fábricas e proibidos de
trabalhar em outra ocupação, pela legislação vigente.
12- (PUCMG) Apesar da grande diversidade de sistemas socialistas propostos ao longo do tempo,
são elementos comuns que podem ser reconhecidos como fundamentais à edificação de tal
sociedade, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
o estabelecimento de um regime baseado em partido único.
a planificação da economia e o controle sobre a produção.
o predomínio do bem comum em detrimento do individual.
a eliminação das diferenças entre as distintas classes sociais.
a manutenção de certa modalidade de propriedade.
13- (PUCMG) "A história de toda sociedade existente até hoje tem sido a história das lutas de
classes. A sociedade moderna, burguesa, surgida das ruínas da sociedade feudal, não aboliu os
antagonismos de classes Apenas estabeleceu novas classes, novas condições de opressão,
novas formas de luta em lugar das velhas."
As opções abaixo têm relação com o fragmento do texto acima, extraído do Manifesto Comunista
redigido por Marx e Engels há 150 anos, exceto:
a) Solidariedade entre as classes, com a superação de suas rivalidades para abolir as injustiças
sociais.
b) Materialismo Histórico, já que a história é feita a partir das condições materiais da vida dos
homens.
c) Materialismo Dialético, quando o capitalismo, pelas suas contradições, dá origem ao
socialismo.
d) Mais-Valia, em que ficam evidentes as condições de opressão a que a classe trabalhadora é
submetida.
e) Luta de Classes, quando finalmente os oprimidos se libertam de seus opressores.
14- (UFF) Em 1998, comemorou-se o sesquicentenário do Manifesto Comunista. No entanto,
entre 1850 e 1860, não se podia antever o brilhante futuro que lhe estava reservado. Inúmeros
fatores podem explicar a difusão do "Manifesto" pelo mundo no decorrer da segunda metade do
século XIX.
Entre os fatores responsáveis pela difusão das idéias contidas no Manifesto Comunista destacamse:
a) a importância do Manifesto para a Comuna de Paris e a unificação alemã
b) a primazia de Lenin junto à 1a Internacional e o surgimento de dois partidos operários de peso
na Alemanha
HISTÓRIA
223
c) a primazia e Marx junto à Associação Internacional dos Trabalhadores e o surgimento de
novos partidos trabalhistas pelo mundo
d) a fundação de partidos trabalhistas pelo mundo e o profundo nacionalismo do Manifesto
e) o nacionalismo expresso no texto e a primazia de Marx junto à 1a Internacional
15- (UFPE) Sobre o Socialismo Utópico e o Socialismo Científico, assinale a alternativa correta.
a) Para o Socialismo Científico o surgimento de uma sociedade sem classes se daria pela união
e triunfo do proletariado e para os socialistas utópicos pela assistência do Estado, pela
associação dos trabalhadores, pela ação revolucionária e pelo anarquismo.
b) O pensamento dos socialistas utópicos como Fourier e Proudhon não influenciou as
revoluções do século XIX.
c) Para o Socialismo Científico a igualdade social só seria possível se o sistema econômico
fosse privatizado.
d) O Socialismo Científico defendido por Thomas Morus em seu livro Utopia teve como base a
teoria socialista de Karl Marx.
e) Os socialistas utópicos foram os líderes da comuna de Paris em 1870 na França.
16- (PUCCAMP) Na base do processo das unificações italiana e alemã, que alteraram o quadro
político da Europa no século XIX, estavam os movimentos
a)
b)
c)
d)
e)
sociais, acentuadamente comunistas.
liberais, acentuadamente nacionalistas.
iluministas, acentuadamente burgueses.
reformistas, acentuadamente religiosos.
renascentistas, acentuadamente mercantis.
17- (PUCSP) A atuação do anarquismo, na condução do movimento operário, dava importância a
atividades culturais como festas, bailes, apresentação de peças teatrais, numa tentativa de criar
um universo alternativo à cultura burguesa.
Essa oposição operário burguesia apontava ainda para a necessidade da luta direta entre esses
pólos, tendo em vista a consecução dos interesses do operariado, sem a intermediação de órgãos
ou instâncias, como o Estado ou a Igreja.
O texto seguinte faz parte de uma peça teatral anarquista, 'Uma Comédia Social', encenada em
São Paulo em 1910:
"Anarquista: veja você, meu amigo, te resta apenas um meio para não ser explorado, nem
oprimido: demonstrar coragem.
Se os trabalhadores que são tão numerosos se opuserem com todas as suas forças aos patrões e
governos (...) estaríamos bem próximos dos homens verdadeiramente livres."
Identifique algumas das propostas básicas do movimento anarquista na condução do movimento
operário nas primeiras décadas do século:
HISTÓRIA
224
a) O nacionalismo, a valorização da ação parlamentar, a atuação dos sindicatos, a educação das
massas como forma de acesso ao poder político.
b) O internacionalismo, o sindicalismo, a greve como instrumento de conquistas dos
trabalhadores, a valorização da ação parlamentar.
c) O nacionalismo, a organização corporativa dos trabalhadores, o partido único, a intervenção
estatal em todos os setores da economia.
d) A solidariedade entre os operários, o internacionalismo, o anti-clericalismo, a ação direta e a
rejeição da ação parlamentar.
e) O nacionalismo, o sindicalismo, frente única entre trabalhadores e burguesia nacional, e a
organização de um partido de massas.
18- (UFMG) ". . . A história de todas as sociedades existentes até hoje é a história da luta de
classes . . ."
(MARX, K. e ENGELS, F. MANIFESTO COMUNISTA. 1848)
A partir dessa idéia central do pensamento marxista, pode-se afirmar que,
a) na sociedade capitalista, as classes fundamentais se diferenciam mais claramente e a
consciência de classe se desenvolve de maneira mais completa.
b) na sociedade feudal, as classes ficam mais definidas devido à extrema exploração dos
senhores sobre os seus servos e sua impossibilidade de deter a posse das terras.
c) nas sociedades antigas, as classes são definidas de acordo com os costumes comunais
ficando a liderança dos grupos para aqueles que detiverem poderes sagrados.
d) no mundo moderno, as classes alcançam um maior grau de diferenciação e conseguem
definir seus papéis sociais buscando uma maior integração entre si.
19- (UFMG) Os falanstérios, idealizados por Charles Fourier no século XIX, pretendiam
a) facilitar o acesso do trabalhador às unidades de trabalho, ao criar as vilas operárias.
b) organizar e racionalizar o espaço fabril, além de impor a divisão das tarefas.
c) reforçar o ideal de vida corporativa e socializada e unir as unidades produtivas rurais e
urbanas.
d) revolucionar o espaço produtivo e criar mecanismos de higienização e controle da produção.
20- (UFMG) Entende-se por anarquismo o movimento que
a) afirma que o trabalho é regulado, racionalmente, e a produção não visa ao lucro e ao
enriquecimento dos indivíduos, mas, às necessidades da comunidade que terá bens em
abundância.
b) atribui ao indivíduo e à coletividade o direito à liberdade de agir sem sofrer opressão por
qualquer tipo de autoridade, admitindo, exclusivamente, os obstáculos da natureza, da
opinião, do senso comum e da vontade da comunidade geral.
c) busca a garantia dos direitos individuais do homem, salientando o momento da participação
democrática na direção política de um país e objetivando manter inalterados os equilíbrios
sociais existentes.
d) prega o ideal de vida em comum na pobreza e na caridade e o desapego aos bens terrenos,
propagando que a natureza colocou tudo para uso de todos, criando o direito comum em
oposição ao direito privado.
21- (UFF) Assinale a opção que sintetiza alguma das idéias do líder anarquista Bakunin.
HISTÓRIA
225
a) Bakunin é chamado de anarquista porque, em 1881, suas idéias resultaram em uma
Internacional Socialista separada da Primeira Internacional, semeando anarquia nas hostes
do movimento operário europeu.
b) A sociedade livre deve recusar qualquer forma de organização que limite liberdade individual;
por tal razão, o anarquismo pode ser considerado movimento anti-social e anti-político.
c) O anarquismo de Bakunin foi uma tentativa burguesa divisionista de opor a marxismo uma
contrafação de socialismo baseada em idéias absurdas, mas de apelo para os operários.
d) A sociedade livre deve organizar-se espontaneamente em grupos de vizinhos (comunas) e de
pessoas que trabalham juntas (cooperativas); entre tais grupos podem surgir confederações
livres, mas sem que se institua acima deles um autoridade controladora.
e) Bakunin era um fidalgo russo boêmio e profundamente reacionário, cujas idéia resumiam-se
na recusa de qualquer autoridade ou associação de qualquer tipo e nível, tanto na economia
quanto na política.
CAPÍTULO 23
O GOVERNO DE D. PEDRO I (1822-1831)
01- (PUCPR) A Inglaterra pressionou Portugal para que este reconhecesse a independência do
Brasil, o que proporcionaria o reconhecimento por outras potências européias. Para fazê-lo,
Portugal exigiu e o Brasil assinou um tratado em que:
a) estabelecia que somente os portugueses poderiam futuramente fixar-se no Brasil como
imigrantes.
b) o Príncipe D. Miguel ficava reconhecido sucessor de D. Pedro I no trono do Brasil.
c) se comprometia a abandonar a Província Cisplatina ou Uruguai.
d) pagava 2 milhões de libras esterlinas como compensação pelos interesses lusos deixados em
sua antiga colônia.
e) estabelecia um tribunal de exceção para julgar os portugueses que se envolvessem em
delitos no Brasil.
02- (UFRN) Na América Latina, a proclamação das independências revestiu-se de caráter
notadamente político, ou seja, representou a ruptura com o colonialismo europeu.
Apresente duas diferenças entre o processo de consolidação da independência no Brasil, colônia
portuguesa, e na maioria dos países da América espanhola.
03- (UFC) Sobre a relação entre as idéias liberais e o processo de independência política do
Brasil, é correto afirmar:
a) o liberalismo constituiu-se no principal instrumento ideológico na defesa da abolição dos
escravos e da implantação da República.
b) os liberais brasileiros defendiam a independência política assim como criticavam a escravidão
e a dependência econômica.
c) a defesa do livre comércio e da livre iniciativa colocou os liberais na oposição ao processo de
independência.
d) o liberalismo no Brasil assumiu um caráter radical e revolucionário, associado ao
republicanismo e ao abolicionismo.
HISTÓRIA
226
e) os liberais criticavam o Pacto Colonial e o exclusivo comercial, embora aceitassem a
permanência da escravidão.
04- (UFPE) Sobre o processo de independência do Brasil assinale a alternativa correta.
a) Após a Independência, os diferentes grupos liberais existentes no Brasil unem-se em torno da
centralização do poder.
b) Liberais centralistas e liberais federalistas lutaram no início do século XIX contra a elite
conservadora do Império.
c) As revoltas populares ocorridas durante o primeiro reinado foram amplamente defendidas
pelos liberais centralistas.
d) José Bonifácio apoiou a Independência do Brasil dentro de uma proposição centralista do
estado brasileiro.
e) Depois de consumada a independência, D. Pedro I apoiou-se no "partido brasileiro"
afastando-se do "partido português".
05- (UFF) "A preocupação (...) justificada de nossos historiadores em integrar o processo de
emancipação política com as pressões do cenário internacional envolve alguns inconvenientes ao
vincular demais os acontecimentos da época a um plano muito geral, (...) deixando em
esquecimento o processo interno de ajustamento às mesmas pressões que é o de (...)
interiorização da metrópole no Centro-Sul da Colônia"
(DIAS, Maria Odila Silva da. "A lnteriorização da Metrópole". ln: MOTA, Carlos
Guilherme. 1822: Dimensões. SP, Perspectiva, 1972, p.165).
A citação anterior indica uma outra dimensão da análise do processo de emancipação política do
Brasil e sua interpretação sugere:
a) a necessidade de associar-se o enraizamento dos interesses portugueses no Centro-Sul ao
processo de emancipação política pouco traumática;
b) a valorização da reação conservadora na Europa como determinante da independência
política do Brasil;
c) a necessidade de atribuir-se relevância ao papel definitivo do sentimento de formação da
nacionalidade brasileira em nossa emancipação política;
d) a valorização dos elementos de ruptura presentes no processo de emancipação política, em
detrimento dos elementos de continuidade;
e) a necessidade de enfatizar-se o estudo das idéias de Rousseau e demais enciclopedistas
para se compreender a independência política do Brasil.
06- (UNESP) Sobre o processo de independência da colônia portuguesa na América, no início do
século XIX, é correto afirmar que:
a) foi liderado pela elite do comércio local, por intermédio de acordos que favoreceram
colonizados e a antiga metrópole.
b) a ruptura com a metrópole européia provocou reações e, dentre elas, guerras em algumas
províncias, entre portugueses e brasileiros.
c) os acordos comerciais com a Inglaterra garantiam o comércio português de escravos para a
agricultura brasileira.
d) a vinda da família real limitou o comércio de exportação para portugueses e ingleses,
assegurando o monopólio da metrópole.
e) as antigas colônias espanholas, recém emancipadas, auxiliaram os brasileiros nas guerras
contra a metrópole portuguesa.
07- (UNESP) A respeito da independência do Brasil, pode-se afirmar que:
a) consubstanciou os ideais propostos na Confederação do Equador.
b) instituiu a monarquia como forma de governo, a partir de amplo movimento popular.
HISTÓRIA
227
c) propôs, a partir das idéias liberais das elites políticas, a extinção do tráfico de escravos,
contrariando os interesses da Inglaterra.
d) provocou, a partir da Constituição de 1824, profundas transformações na estruturas
econômicas e sociais do País.
e) implicou na adoção da forma monárquica de governo e preservou os interesses básicos dos
proprietários de terras e de escravos.
08- (UERJ) Quer Portugal livre ser,
Em ferros quer o Brasil;
promove a guerra civil,
Rompe os laços da união.
(Volantim, 07/10/1822)
A partir dos versos acima, publicados em um jornal fluminense, pode-se verificar que a postura de
Portugal em relação a sua antiga colônia, ao longo do ano de 1822, aprofundou o desgaste das
relações entre os dois reinos.
Assim, a independência do Brasil pode ser explicada pelo seguinte fato:
a) criação do cargo de governador das Armas, gerando conflitos institucionais no Exército
nacional
b) arbitrariedade das Cortes portuguesas, subordinando os governos provinciais diretamente a
Lisboa
c) existência de facção separatista brasileira ligada ao tráfico negreiro, objetivando controlar as
possessões portuguesas na África
d) revogação da liberdade de culto concedida aos britânicos, ampliando os antagonismos entre
Londres e as Cortes portuguesas
09- (UFSM) No início do século XIX, idéias liberais provenientes da Europa, ao entrarem no Brasil,
sofreram adaptações.
As características do liberalismo no Brasil, durante esse período, são:
a)
b)
c)
d)
e)
liberdade econômica e igualdade jurídica.
fim do pacto colonial e liberdade comercial, favorecendo a burguesia industrial brasileira.
ideário republicano e idéias abolicionista.
extirpação de obstáculos mercantilistas à expansão do projeto industrial e anticlericalismo.
luta anticolonial e manutenção da escravidão e do latifúndio.
10- (UNESP) No contexto da independência política do Brasil de Portugal, é correto afirmar que:
a) no Congresso de Viena, os adversários de Napoleão I tomaram várias decisões a favor do
liberalismo.
b) a Revolução Constitucionalista do Porto (1820) defendia a ampliação do poder real.
c) o regresso de D. João VI a Lisboa significou a vitória da burguesia liberal portuguesa.
d) ao jurar a Constituição de 1824, D. Pedro I aderiu às teses democráticas de Gonçalves Ledo.
e) a abertura dos portos e os tratados de 1810 favoreceram os comerciantes portugueses.
HISTÓRIA
228
11- (PUCCAMP) A concretização da independência política do Brasil, em 1822, está ligada
a)
b)
c)
d)
e)
à política recolonizadora desenvolvida pelas Cortes portuguesas.
à reação das elites coloniais à permanência de D. Pedro no Brasil.
ao reforço da política de monopólios adotada pelo Governo de D. João no Brasil.
ao apoio do rei aos setores liberais da Colônia, como no caso da Revolução Pernambucana.
à repercussão, no Brasil, das revoluções portuguesas, chamadas As Patuléias.
12- (MACKENZIE) Verifica-se portanto que o Brasil necessitava da potência mais poderosa do
momento para sua afirmação no mundo colonial, também a Inglaterra possuía sólidas razões para
o seu reconhecimento (...)
(Carlos Guilherme Mota)
O interesse inglês no reconhecimento de nossa independência era determinado:
a)
b)
c)
d)
e)
pela garantia da manutenção do tráfico escravo, fato que favorecia a Inglaterra.
pela preservação dos interesses portugueses, representados pelo Reino Unido.
pelo controle de nosso mercado, configurado posteriormente nos Tratados de 1827.
pelo apoio brasileiro à política da Santa Aliança.
pelo interesse na assinatura de tratados de extraterritoriedade, com reciprocidade de direitos
para ingleses e brasileiros.
13- (MACKENZIE) A Independência brasileira é fruto mais de uma classe do que da nação
tomada em seu conjunto.
(Caio Prado Jr)
Identifique a alternativa que justifica e complementa o texto.
a) A independência foi liderada pelas camadas populares e acompanhada de profundas
mudanças sociais.
b) O movimento da independência foi uma ação da elite, preservando seus interesses e
privilégios.
c) Os vários segmentos sociais uniram-se em função da longa guerra de independência.
d) Os setores médios urbanos comandaram a luta, fazendo prevalecer o modelo político dos
radicais liberais.
e) A aristocracia rural não temia a participação da massa escrava no processo, extinguindo a
escravidão logo após a independência.
14- (UFPE) A Constituição de 1824, elaborada por "homens probos e amantes da dignidade
imperial e da liberdade dos povos", segundo o Imperador Pedro I, continha uma novidade em
relação ao projeto de constituição de 1823: a criação do Poder Moderador. Assinale a alternativa
que melhor define este Poder.
a) Com base no Poder Moderador, o Imperador restringiu os poderes dos regentes unos - Padre
Diogo Feijó e Araújo Lima.
b) O Poder Moderador conferia à Câmara de Deputados a prerrogativa de vetar decisões do
Imperador.
HISTÓRIA
229
c) A Constituição de 1824 conferia ao Poder Moderador, que era exercido pelo Senado, nomear
e demitir livremente os ministros de estado, conceder anistia e perdoar dívidas públicas.
d) O Poder Moderador era o quarto poder do Império e era exercido pelo Imperador Pedro I.
Com base neste Poder, o Imperador poderia dissolver a câmara dos deputados, aprovar e
suspender resoluções dos conselhos provinciais e suspender os magistrados, entre outras
prerrogativas.
e) O Poder Moderador de invenção maquiavélica, atribuído a Benjamin Constant, foi responsável
pelo golpe da maioridade em 1840.
15- (UNIFESP) Sendo o clero a classe que em todas as convulsões políticas sempre propende
para o mal, entre nós tem sido o avesso; é o clero quem mais tem trabalhado, e feito mais
esforços em favor da causa, e dado provas de quanto a aprecia.
(Montezuma, Visconde de Jequitinhonha, em 5 de novembro de 1823)
O texto sugere que o clero brasileiro
a)
b)
c)
d)
e)
defendeu a política autoritária de D. Pedro I.
aderiu com relutância à causa da recolonização.
preferiu a neutralidade para não desobedecer ao Papa.
viu como um mal o processo de independência.
apoiou ativamente a causa da independência.
16- (UFC) A respeito da Independência do Brasil é correto afirmar que:
a) implicou em transformações radicais da estrutura produtiva e da ordem social, sob o regime
monárquico.
b) significou a instauração do sistema republicano de governo, como o dos outros países da
América Latina.
c) trouxe consigo o fim do escravismo e a implementação do trabalho livre como única forma de
trabalho e o fim do domínio metropolitano.
d) implicou em autonomia política e em reformas moderadas na ordem social decorrentes do
novo status político.
e) decorreu da luta palaciana entre João VI, Carlota Joaquina e Pedro I, que teve como
conseqüência imediata a abertura dos portos.
17- (CESGRANRIO) "As ruas estão, em geral, repletas de mercadorias inglesas. A cada porta, as
palavras 'Superfino de Londres' saltam aos olhos: algodão estampado, panos largos, louça de
barro, mas, acima de tudo, ferragens de Birminghan, podem-se obter um pouco mais caro do que
em nossa terra nas lojas do Brasil, além de sedas, crepes e outros artigos da China."
(GRAHAM, Mary. "Diário de Uma Viagem ao Brasil", in Campos, Raymundo. História do
Brasil. São Paulo: Atual, 1991, 2 ヘ ed. p 98. )
Esta descrição das lojas do Rio de Janeiro, feita por uma inglesa que estava no Brasil em 1821,
justifica-se historicamente pelo(a):
a) Tratado de Maastricht.
b) Tratado de Fontainebleau.
c) Tratado de Comércio e Navegação.
HISTÓRIA
230
d) Bloqueio Continental.
e) criação do NAFTA e da ALCA.
18- (FUVEST) A organização do Estado brasileiro que se seguiu à Independência resultou no
projeto do grupo
a) liberal-conservador, que defendia a monarquia constitucional, a integridade territorial e o
regime centralizado.
b) maçônico, que pregava a autonomia provincial, o fortalecimento do executivo e a extinção da
escravidão.
c) liberal-radical, que defendia a convocação de uma Assembléia Constituinte, a igualdade de
direitos políticos e a manutenção da estrutura social.
d) cortesão, que defendia os interesses recolonizadores, as tradições monárquicas e o
liberalismo econômico.
e) liberal-democrático, que defendia a soberania popular, o federalismo e a legitimidade
monárquica.
19- (UNIRIO) Cite uma mudança cultural ocorrida no Rio de Janeiro, em decorrência do
estreitamento das relações comerciais com a Inglaterra, na primeira metade do século XIX.
20- (UNIRIO) Explique as razões político-comerciais que favoreceram a primazia inglesa no Brasil
na primeira metade do século XIX.
21- (UFRJ) "Ora, dizei-se: não é isto uma farsa? Não é isto um verdadeiro absolutismo, no
estado em que se acham as eleições no nosso país? (...) O poder moderador pode chamar a
quem quiser para organizar ministérios; esta pessoa faz a eleição porque há de fazê-la; esta
eleição faz a maioria. Eis, aí está o sistema representativo do nosso país!"
(Nabuco de Araújo, discurso ao Senado (17/07/1868), citado no Manifesto Republicano de 1870.)
Tido como ponto de partida para o movimento de 15/11/1889, o Manifesto, em sua crítica ao
funcionamento das instituições políticas do Império, questiona o Poder Moderador e o sistema
parlamentar vigentes na época.
a) Aponte o responsável pelo exercício do Poder Moderador, segundo a Constituição de 1824.
HISTÓRIA
231
b) Explique, a partir do texto, o porquê de diversos historiadores considerarem o sistema
parlamentar brasileiro, de então, um "parlamentarismo às avessas."
22- (UFRJ)
SONETO
(Feito quando fui solto em 1830)
"Para quando, oh! Brasil, bem reservas
Numa cega apatia alucinado,
Não vês teu solo aurífero ultrajado,
Por dragões infernais fúrias protervas?
(...)
Ainda não tens, Tamoio, povo bravo;
Setas ervadas contra o lusitano
Que pretende fazer-te seu escravo?
Eia! Dos lares teus, despe o engano
Quem nasceu no Brasil não sofre agravo,
E quem vê um Imperador, vê um tirano".
Cipriano Barata
(ln: CASCUDO, Luiz da Câmara. "Dr. Barata". Bahia, Imprensa Oficial do Estado, 1938. p.49.)
Vocabulário:
AGRAVO. Sm. Ofensa, injúria, afronta.
SETAS ERVADAS. Setas envenenadas.
PROTERVO [Adj.]. Impudente, insolente, descarado.
Cipriano Barata teve ativa participação nos movimentos políticos brasileiros da primeira metade do
século XIX, com um discurso libertário denunciando os arranjos políticos das elites sempre em
prejuízo da população desfavorecida. Os versos deste revolucionário brasileiro identificam um dos
momentos de crise política no Brasil Imperial, qual seja
a) o enfraquecimento político de D. Pedro I, sua aproximação do "partido português" e a repulsa
dos brasileiros a este comportamento.
b) a negativa dos setores conservadores em aceitar a decretação da maioridade de D. Pedro II.
c) a contestação dos governos regenciais por movimentos armados nas províncias de norte a sul
do Brasil.
d) a expulsão dos Tamoios de suas terras pelos cafeicultores interessados na expansão de sua
atividade econômica.
HISTÓRIA
232
e) o início do governo de D. Pedro I com a expulsão de contingentes militares portugueses e a
afirmação de uma nacionalismo brasileiro.
23- (FUVEST) Ao proclamarem a sua independência, as colônias espanholas da América optaram
pelo regime republicano, seguindo o modelo norte-americano. O Brasil optou pelo regime
monárquico:
a) pela grande popularidade desse sistema de governo entre os brasileiros.
b) porque a República traria forçosamente a abolição da escravidão, como ocorrera quando da
proclamação da independência dos Estados Unidos.
c) como conseqüência do processo político desencadeado pela instalação da corte portuguesa
na colônia.
d) pelo fascínio que a pompa e o luxo da corte monárquica exerciam sobre os colonos.
e) em oposição ao regime republicano português implantado pelas cortes.
24- (PUC-RIO) As alternativas abaixo apresentam exemplos de permanências ou continuidades
na formação social brasileira, ao longo da primeira metade do século XIX, à exceção de:
a)
b)
c)
d)
e)
a família patriarcal extensa.
o trabalho escravo negro.
o exclusivo comercial.
a economia de base agrícola.
o regime de padroado.
25- (FUVEST) Sobre a condição dos escravos no Brasil monárquico, é possível afirmar que eles
a)
b)
c)
d)
e)
foram protagonistas de diversas rebeliões.
eram impedidos de constituir família.
sofreram a destruição completa de sua cultura.
concentravam-se no campo, não trabalhando nas cidades.
não tinham possibilidades legais de conseguir alforria.
26- (FUVEST) No Brasil, tanto no Primeiro Reinado, quanto no período regencial,
a) aconteceram reformas políticas que tinham por objetivo a democratização do poder.
b) ocorreram embates entre portugueses e brasileiros que chegaram a pôr em perigo a
independência.
c) disseminaram-se as idéias republicanas até a constituição de um partido político.
d) mantiveram-se as mesmas estruturas institucionais do período colonial.
e) houve tentativas de separação das províncias que puseram em perigo a unidade nacional.
27- (PUCMG) Em 1823, o capitão mulato Pedro Pedroso comandou tropas formadas por mestiços
e negros que entoavam, pelas ruas de Recife, a seguinte quadra:
"MARINHEIROS E CAIADOS
TODOS DEVEM SE ACABAR
PORQUE SÓ PARDOS E PRETOS
O PAÍS DEVEM HABITAR"
Tal episódio, associado à Confederação do Equador, movimento revoltoso ocorrido durante o
Primeiro Reinado, demonstra:
a) o caráter democrático presente no processo de constituição do Estado nacional brasileiro.
HISTÓRIA
233
b) o peso das massas populares na condução da vida política do país logo após a
independência.
c) a força do movimento abolicionista e sua capacidade de mobilização dos segmentos sociais.
d) a radicalização do movimento com a participação popular, gerando temor na elite agrária.
28- (UFMG) A organização do sistema político foi objeto de discussões e conflitos ao longo do
período imperial no Brasil.
Com relação ao contexto histórico do Brasil Imperial e aos problemas a ele relacionados, é
correto afirmar que:
a) a centralização do poder foi objeto de sérias disputas ao longo de todo o século XIX e explica
várias contendas internas às elites imperiais, como a Rebelião Praieira.
b) o Constitucionalismo ganhou força, fazendo com que o Legislativo, o Executivo e o Judiciário
se tornassem independentes e harmônicos, o que atendia às queixas dos rebeldes da
Balaiada.
c) o Federalismo de inspiração francesa e jacobina foi uma das principais bandeiras do Partido
Liberal, a partir da publicação do Manifesto Republicano, o que explica, entre outras, a
Revolução Liberal de 1842.
d) os movimentos de contestação armada - como a Revolução Farroupilha, a Sabinada ou a
Cabanagem - tinham em comum a crítica liberal às tendências absolutistas, persistentes no
governo de D. Pedro II.
29- (PUCMG) Dentre os vários fatores que podem ser apontados no sentido de se explicar o
descontentamento da população com o governo de D. Pedro I (1822-1931), destacam-se, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
o profundo desequilíbrio observado nas finanças públicas.
o estilo visivelmente centralista e absolutista do governo.
o imobilismo do Estado frente à questão da abolição da escravidão.
o desastroso resultado verificado ao término da guerra cisplatina.
o clientelismo e a corrupção reinantes nas diversas esferas do poder.
30- (PUCMG) A primeira constituição brasileira de 1824 estabelece, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
governo monárquico e hereditário.
unitarismo como forma de Estado.
voto censitário e a descoberto (não secreto).
liberalismo econômico mantendo a escravidão.
amplas restrições aos poderes do imperador.
CAPÍTULO 24
O PERÍODO REGENCIAL (1831-1840)
HISTÓRIA
234
01- (UERJ) O Sete de Abril de 1831, mais do que o Sete de Setembro de 1822, representou a
verdadeira independência nacional, o início do governo do país por si mesmo, a Coroa agora
representada apenas pela figura quase simbólica de uma criança de cinco anos.
O governo do país por si mesmo, levado a efeito pelas regências, revelou-se difícil e conturbado.
Rebeliões e revoltas pipocaram por todo o país, algumas lideradas por grupos de elite, outras pela
população tanto urbana como rural, outras ainda por escravos. (...) A partir de 1837, no entanto, o
regresso conservador ganhou força, até que o golpe da Maioridade de 1840 colocou D. Pedro II
no trono, inaugurando o Segundo Reinado. Estava estruturado o Império do Brasil com base na
unidade nacional, na centralização política e na preservação do trabalho escravo.
(CARVALHO, J. Murilo et al. Documentação política, 1808-1840. In: "Brasiliana da Biblioteca
Nacional". Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional/Nova Fronteira, 2001.)
Indique um exemplo de revolta popular, ocorrida no período regencial e explique por que a
antecipação da maioridade de D. Pedro II foi uma solução para a crise.
02- (FGV) A abdicação de D. Pedro I em 1831 deu início ao chamado período regencial, sobre o
qual se pode afirmar:
I. As elites nacionais reformaram o aparato institucional de modo a estabelecer maior
descentralização política.
II. Foi um período convulsionado por revoltas, entre elas, a Farroupilha e a Sabinada.
III. D. Pedro II sucedeu ao pai e impôs, logo ao assumir o trono, reformas no regime escravista.
IV. O exercício do Poder Moderador pelos regentes e pelo Exército conferia estabilidade ao
regime.
As afirmativas corretas são:
a)
b)
c)
d)
e)
l e ll
I, lI e llI
l e llI
II, lll e lV
II e IV
03- (UFC) Entre os eventos do período regencial (1831-1840), podemos citar:
a) a criação da Guarda Nacional, que garantiu a unidade do território brasileiro.
b) a extinção do poder moderador, que garantiu a democratização no cenário político nacional.
c) a Reforma Constitucional de 1834, que criou as Assembléias Provinciais com autonomia
política.
d) a ameaça à centralização do poder e à unidade territorial do Brasil.
e) a eclosão de movimentos sociais, como a Guerra dos Farrapos e a Sabinada, favoráveis à
volta de D. Pedro I.
04- (UFV) Das afirmativas abaixo, referentes ao Período Regencial no Brasil, assinale a correta:
a) Ocorreram vários movimentos e revoltas que não se enquadravam em um único propósito,
pois cada um resultava de realidades regionais específicas e de grupos sociais distintos.
HISTÓRIA
235
b) A unidade política e territorial deste período visou à superação da crise econômica que se
arrastava desde o período colonial, tendo como conseqüência o abandono da vocação
agrícola brasileira.
c) O período regencial foi um dos mais agitados da história política brasileira até então, durante
o qual surgiram vários partidos políticos que representavam os setores sociais revoltosos.
d) A ausência de instabilidade política neste período, devia-se ao rigor das políticas regenciais
diante do federalismo e da centralização administrativa.
e) O liberalismo, marca do período regencial, incentivou a participação popular e, ao mesmo
tempo, fortaleceu o poder das oligarquias sulistas e nortistas.
05- (UFPI) Observe o seguinte depoimento:
"... Nasci e me criei no tempo da regência e nesse tempo o Brasil vivia, por assim dizer, muito
mais na praça pública do que mesmo no lar doméstico."
(Justiniano José da Rocha)
Partindo do comentário apresentado, é correto afirmar que:
a) a constante afluência às ruas resultava do crescimento comercial, registrado durante a
Regência, nas principais cidades do país.
b) a ociosidade da nobreza brasileira estimulava a valorização dos passeios constantes nas ruas
e praças do Rio de Janeiro.
c) o comércio ambulante, a cargo de escravos que eram transferidos do setor rural para as
cidades, complementava a renda de seus senhores de engenhos.
d) a influência italiana nos usos e costumes da sociedade do Rio de Janeiro modificou a tradição
da vida reclusa às residências.
e) a turbulência política desse período se fazia presente através das revoltas e manifestações
populares nas ruas da Capital do Brasil.
06- (PUC-RIO) Para muitos brasileiros que vivenciaram o período regencial (1831-1840), aquele
foi um tempo de impasses, mudanças e rebeliões. Sobre esse período, é correto afirmar que:
I - a renúncia inesperada do Imperador D. Pedro I levou à nomeação de uma regência trina e à
implantação, em caráter provisório, de um governo republicano.
II - a antecipação da maioridade de D. Pedro II, em 1840, garantiu o restabelecimento da ordem
monárquica e a pacificação de todas as revoltas que ameaçavam a integridade territorial do
Império.
III - houve uma série de revoltas envolvendo desde elementos das tropas regulares até escravos,
destacando-se, entre elas, a Farroupilha, a Cabanagem e a Revolta dos Malês.
IV - a ausência provisória da autoridade monárquica estimulou a proliferação de projetos políticos
destinados à reorganização do Estado imperial.
Assinale a alternativa:
a)
b)
c)
d)
e)
se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
se somente a afirmativa I estiver correta.
se somente as afirmativas II, III e IV estiverem corretas.
se somente as afirmativas III e IV estiverem corretas.
se todas as afirmativas estiverem corretas.
07- (PUC-RIO) As alternativas abaixo apresentam exemplos de permanências ou continuidades
na formação social brasileira, ao longo da primeira metade do século XIX, à exceção de:
a) a família patriarcal extensa.
HISTÓRIA
b)
c)
d)
e)
236
o trabalho escravo negro.
o exclusivo comercial.
a economia de base agrícola.
o regime de padroado.
08- (FUVEST) No Brasil, tanto no Primeiro Reinado, quanto no período regencial,
a) aconteceram reformas políticas que tinham por objetivo a democratização do poder.
b) ocorreram embates entre portugueses e brasileiros que chegaram a pôr em perigo a
independência.
c) disseminaram-se as idéias republicanas até a constituição de um partido político.
d) mantiveram-se as mesmas estruturas institucionais do período colonial.
e) houve tentativas de separação das províncias que puseram em perigo a unidade nacional.
09- (UFC) Entre 1835 e 1840, ocorreu no Pará uma revolta chamada de "Cabanagem". Com
relação a esta rebelião, é correto afirmar:
a) os "cabanos" representavam o grupo mais radical do período da Regência, lutando por uma
República sem escravos e sem grandes proprietários rurais.
b) o governo central ignorou o movimento em função das tímidas propostas de reforma social
divulgadas pelos "cabanos", evitando a repressão.
c) os líderes "cabanos" eram grandes proprietários de terras, enriquecidos com o ciclo da
borracha e insatisfeitos com a política de centralização do governo regencial.
d) a repressão ao movimento ocorreu em resposta aos atos de violência perpetrados pelos
"cabanos", na maioria escravos rebelados e índios.
e) os "cabanos" propunham a manutenção da estrutura social vigente, apesar das tropas
rebeldes serem compostas de negros, mestiços e índios.
10- (UFMG) A organização do sistema político foi objeto de discussões e conflitos ao longo do
período imperial no Brasil.
Com relação ao contexto histórico do Brasil Imperial e aos problemas a ele relacionados, é
correto afirmar que:
a) a centralização do poder foi objeto de sérias disputas ao longo de todo o século XIX e explica
várias contendas internas às elites imperiais, como a Rebelião Praieira.
b) o Constitucionalismo ganhou força, fazendo com que o Legislativo, o Executivo e o Judiciário
se tornassem independentes e harmônicos, o que atendia às queixas dos rebeldes da
Balaiada.
c) o Federalismo de inspiração francesa e jacobina foi uma das principais bandeiras do Partido
Liberal, a partir da publicação do Manifesto Republicano, o que explica, entre outras, a
Revolução Liberal de 1842.
d) os movimentos de contestação armada - como a Revolução Farroupilha, a Sabinada ou a
Cabanagem - tinham em comum a crítica liberal às tendências absolutistas, persistentes no
governo de D. Pedro II.
11- (UFRJ) Brasileiros! É nos Conselhos Geraes; é nas associações patrióticas; é no Direito de
Petição em boa ordem; é na prudência, e previsão, e olho atento sobre as sílabas dos ambiciosos
aristocratas, retrógrados, e anarquistas; é na sacratísssima liberdade da Imprensa; é em fim nas
HISTÓRIA
237
próximas eleições [...] que deveis achar o remédio a vossos males, antes que vos lanceis no fatal
labirinto de rivalidades, e divisões entre Províncias.
Fonte: "Jornal Nova Luz Brasileira", 27 de abril de 1831
Durante o período regencial (1831-1840), eclodiram revoltas, rebeliões e conflitos envolvendo
vários setores sociais, em diversas regiões do Império brasileiro. Estes movimentos sociais
relacionavam-se, em parte, às tentativas de estabelecer um sistema nacional de dominação com
base na monarquia.
a) Identifique duas revoltas/ conflitos sócio-políticos ocorridos em províncias do Império durante o
período regencial.
b) Identifique e explique duas características dessas revoltas/ conflitos ocorridos nas regiões
norte-nordeste do Império durante o período regencial.
12- (FUVEST) Criada pelo Ato Adicional de 1834, a Regência Una (1835-1840) é considerada
como uma experiência republicana do Império que usou elementos da Constituição dos EUA.
Quais determinações do Ato Adicional tornaram possível tal experiência?
13- (FUVEST) Discuta, exemplificando, as dificuldades enfrentadas pela monarquia, nas décadas
de 1830 e 1840, para a manutenção da unidade territorial brasileira.
HISTÓRIA
238
O período regencial foi conturbado por rebeliões de caráter separatistas como a Guerra dos
Farrapos (RS) e Sabinada (Bahia), e rebeliões contrárias à marginalização social como a
Cabanagem (Pará) e Balaiada (Maranhão).
As causas e a repressão a estas rebeliões, associadas às divergências de grupos políticos,
revelam a crise econômica, política e social que marcaram o período.
14- (CESGRANRIO) A instabilidade política foi a marca mais significativa do período regencial na
história do império brasileiro, quando estava em disputa a definição do modelo político do país,
como sugere o(a):
a) projeto liberal da regência eletiva e da maior autonomia das Províncias assegurada pelo Ato
Adicional.
b) rebelião nas províncias do norte, como a Cabanagem e a Balaiada, reflexo do apoio das
oligarquias locais à política conservadora das Regências.
c) força do movimento restaurador, já que a monarquia era vista pelos liberais como a garantia
da continuidade das estruturas econômicas como a escravidão.
d) estratégia da elite em mobilizar as camadas populares para pressionar por reformas sociais
prometidas desde a Independência.
e) preponderância da burocracia do Conselho de Estado no comando do governo.
15- (FUVEST) A descentralização política do Brasil, no período regencial, resultou em:
a) deslocamento das atividades econômicas para a região centro-sul, através de medidas de
favorecimento tributário.
b) ampla autonomia das províncias, de acordo com um modelo que veio a ser adotado, mais
tarde, pela Constituição de 1891.
c) revoluções e movimentos sediciosos, que exigiam um modelo centralizador, em benefício das
várias regiões do país.
d) revoluções e movimentos sediciosos, exigindo que o futuro D. Pedro II assumisse o trono para
reduzir a influência do chamado "partido português".
e) autonomia relativa das províncias, favorecendo o poder das elites regionais mais
significativas.
16- (UFMG) Os governos regenciais no Brasil (1831-1840) se caracterizaram por
a)
b)
c)
d)
buscar a afirmação do poder político central para satisfazer os exaltados.
fortalecer o poder político do Imperador, ao promover o Golpe da Maioridade.
promover a descentralização, o que gerou diversas revoltas regionais.
satisfazer o desejo dos moderados, que buscavam a restauração da monarquia.
17- (PUCMG) Com a abdicação de D. Pedro I, o Brasil entra no período denominado regencial
(1831 / 40), caracterizado por, exceto:
HISTÓRIA
239
a) intensa agitação social, expressa nas rebeliões ocorridas em vários pontos do país.
b) diminuição da interferência britânica na economia no pós-1827, época do término dos tratados
comerciais de 1810.
c) fortalecimento do poder político dos senhores de terra, com a criação da Guarda Nacional.
d) dificuldades econômicas geradas pela ausência de um produto agrícola de exportação.
e) agravamento da crise financeira com a utilização de recursos em campanhas militares
desvantajosas, como a Guerra da Cisplatina.
CAPÍTULO 25
O GOVERNO DE D. PEDRO II (1840-1889)
01- (UERJ) A beleza natural da cidade do Rio de Janeiro fascinava os estrangeiros do século XIX
que ali paravam em suas viagens pelo mundo. Enquanto seus navios ancoravam ao largo da baía
de Guanabara, eles admiravam as casas caiadas de telhas vermelhas à sombra das montanhas
recobertas pela floresta tropical. Uma nota destoante, no entanto, era a visão que os visitantes
tinham de um navio negreiro que também adentrava o porto, com sua carga humana. Essa cena
portuária prenunciava o que esses turistas do século XIX veriam ao desembarcar, mas outros,
desprevenidos, ficavam surpresos diante da natureza da população.
(KARASH, Mary C. "A vida dos escravos no Rio de Janeiro" (1808-1850). São Paulo:
Companhia das Letras, 2000.)
A partir do texto, identifique a função econômica da cidade do Rio de Janeiro, no período entre
1830 e 1850, e diferencie, quanto ao modo de vida, as escravidões rural e urbana no Brasil, na
mesma época.
02- (UFPE) Na segunda metade do século XIX, o governo brasileiro realizou uma série de
iniciativas, no que diz respeito ao desenvolvimento urbano. Sobre esta questão, assinale a
alternativa correta.
a) Grandes empreendimentos fluviais surgiram, fundamentados na vasta rede hidrográfica que o
país possui - o Rio São Francisco e o Rio Araguaia, são exemplos de navegabilidade sem
dificuldades.
b) A navegação marítima, o transporte terrestre, incluindo as ferrovias, a iluminação a gás e o
abastecimento d'água foram algumas iniciativas que mudaram a face das grandes cidades do
país.
c) O desenvolvimento de uma malha ferroviária, não apenas para escoar a produção agrícola,
mas para ligar regiões, possibilitou o crescimento industrial em regiões interioranas.
d) Construções de represas, aproveitando o potencial hidrográfico dos rios São Francisco,
Amazonas e Paraná para a produção de energia, facilitaram a industrialização.
e) A política econômica protecionista, traduzida na Tarifa Alves Branco (1844), possibilitou o
aparecimento de indústrias, as quais determinaram a vinda de imigrantes europeus, mudando
a face das cidades.
HISTÓRIA
240
03- (FUVEST) "Em certo sentido, os portugueses, os espanhóis e os italianos, compondo os
maiores contingentes imigratórios para o Brasil, registrados entre a Independência e a Primeira
Guerra Mundial, satisfaziam as reivindicações dos dois grupos de pressões nacionais."
(Maria L. Renaux e Luiz F. de Alencastro. "História da Vida Privada no Brasil".)
Uma das reivindicações atendidas com a entrada desses imigrantes foi a de
a)
b)
c)
d)
e)
políticos nortistas para povoar as áreas de fronteira.
fazendeiros escravagistas para aumentar a produção canavieira.
políticos defensores do "embranquecimento" da população nacional.
industriais paulistas para obtenção de mão-de-obra especializada.
políticos europeus para solucionar problemas decorrentes da unificação nacional.
04- (FUVEST) Sobre a Lei de Terras, decretada no mesmo ano (1850) da Lei Eusébio de Queirós,
que suprimiu o tráfico negreiro, é correto afirmar que
a) dificultava o acesso dos ex-escravos à propriedade da terra, estabelecendo o critério da
compra e venda.
b) estava associada a uma concepção de distribuição de terras para estimular a produção
agrícola.
c) facilitava a aquisição de terras pelos ex-escravos e imigrantes, ao associar terra livre e
trabalho livre.
d) estava vinculada à necessidade de expansão da fronteira agrícola e aquisição de terras na
Amazônia.
e) superava o antigo conceito de sesmaria, ao impedir a concentração de terras nas mãos de
poucos proprietários.
05- (UFC) A indústria têxtil inglesa demandou, no século XIX, quantidades crescentes de algodão.
Provedores tradicionais dessa matéria-prima, como a Índia e o Egito, foram substituídos pelos
Estados Unidos; mas, na década de 1860, os conflitos entre o norte e o sul desse país
interromperam o fornecimento. Nessa década, o algodão se converteu no principal produto das
exportações cearenses.
Em relação ao cultivo de algodão no Ceará, em 1860, é correto afirmar que:
a) realizou-se com a utilização, de forma generalizada, da mão-de-obra escrava.
b) foram trazidos trabalhadores das áreas de seringais decadentes, criando-se o SEMTA,
Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores do Amazonas.
c) foi realizado com parceiros, escravos e trabalhadores livres.
d) realizou-se a abolição prematura da escravidão, e se ofereceram salários atraentes para os
ex-escravos.
e) foi introduzido por imigrantes norte-americanos, provenientes das áreas algodoeiras.
06- (UFC) A expansão do cultivo do café pelo planalto paulista, a partir de 1850, coincidiu com a
Lei Eusébio de Queiroz, que estabelecia o fim do tráfico negreiro. As grandes colheitas de café,
que colocaram esse produto no primeiro lugar das exportações brasileiras, foram possíveis:
HISTÓRIA
241
a) porque se generalizou o uso de máquinas na cultura e na colheita do café, dispensando mãode-obra.
b) porque a Lei Eusébio de Queiroz não foi respeitada, continuando o tráfico negreiro com a
mesma intensidade que antes.
c) porque, diferentemente do açúcar, o café requer pouquíssima mão-de-obra.
d) porque se recorreu ao tráfico interprovincial de escravos, junto com a vinda de imigrantes
europeus.
e) porque, como em Cuba, recorreu-se a trabalhadores chineses para substituir os escravos.
07- (UFMG) Considerando-se as relações entre a conjuntura econômica e o sistema de transporte
brasileiro no século XIX, é correto afirmar que
a) o surgimento de uma extensa rede viária destinada ao escoamento da produção industrial foi
possível, fundamentalmente, a partir do investimento público capitaneado pelo Banco do
Brasil.
b) as principais rotas do sistema de circulação então criadas subsistem até os dias de hoje,
notadamente no que respeita às auto-estradas, que começaram a surgir no fim do século,
para atender à crescente produção de automóveis.
c) as principais vias de transporte criadas à época se situaram na Região Sudeste, atendendo às
demandas crescentes da cafeicultura, sendo os investimentos oriundos, em grande parte, de
capital estrangeiro.
d) o comércio do açúcar, reabilitado após a crise da mineração, estimulou o surgimento de
inúmeras autovias e ferrovias, construídas com capital nacional e que se concentravam na
região da mata nordestina.
08- (UFRJ) Indique dois aspectos presentes no poema que expressam as dificuldades
enfrentadas por imigrantes pobres que vieram se estabelecer no Brasil em fins do século XIX.
09- (UNESP) No final do Império, afirmava-se que a Província de São Paulo fora tomada por uma
febre de ferrovias. As estradas de ferro foram essenciais para
a) o escoamento da produção industrial da Província, que economicamente já se firmara como a
mais importante da federação.
b) o aumento da produção de açúcar no Vale do Paraíba, então a área mais dinâmica da
agricultura paulista.
c) iniciar o tráfico da mão-de-obra escrava das economias açucareiras decadentes do nordeste
para as áreas produtoras de café.
d) o aumento da entrada de imigrantes, que antes não conseguiam chegar às áreas mais
distantes do porto de Santos.
e) a expansão da cafeicultura no chamado oeste paulista, graças à rapidez, eficiência e
facilidade para o transporte até o porto de Santos.
10- (UNESP) No século XIX, a política externa brasileira foi marcada pelas relações com a
Inglaterra. Na primeira metade desse século, a relação do Brasil independente com a potência
industrializada européia foi predominantemente caracterizada
a) pela cordialidade e pelo entendimento, não havendo no período nenhum motivo para
divergências diplomáticas entre os dois países.
HISTÓRIA
242
b) pelo apoio do governo brasileiro à expansão militar inglesa na América e pela aplicação de
capitais britânicos na industrialização brasileira.
c) pela hostilidade da Inglaterra às grandes propriedades rurais brasileiras e pelo apoio de
sociedades revolucionárias britânicas aos republicanos brasileiros.
d) por tratado comercial favorável aos produtos ingleses e pela pressão do governo britânico
contra o tráfico de escravos.
e) pela indiferença britânica em relação ao país, permanecendo a América do Sul sob a
influência da ex-colônia inglesa da América, os Estados Unidos.
11- (FUVEST) No século XIX, a imigração européia para o Brasil foi um processo ligado
a) a uma política oficial e deliberada de povoamento, desejosa de fixar contingentes brancos em
áreas estratégicas e atender grupos de proprietários na obtenção de mão-de-obra.
b) a uma política organizada pelos abolicionistas para substituir paulatinamente a mão-de-obra
escrava das regiões cafeeiras e evitar a escravização em novas áreas de povoamento no sul
do país.
c) às políticas militares, estabelecidas desde D. João VI, para a ocupação das fronteiras do sul e
para a constituição de propriedades de criação de gado destinadas à exportação de charque.
d) à política do partido liberal para atrair novos grupos europeus para as áreas agrícolas e
implantar um meio alternativo de produção, baseado em minifúndios.
e) à política oficial de povoamento baseada nos contratos de parceria como forma de
estabelecer mão-de-obra assalariada nas áreas de agricultura de subsistência e de
exportação.
12- (PUCCAMP) Leia os trechos do poema.
O Leão Britânico ruge,
Impera,
Domina,
Quer o mundo a seus pés;
(...)
O Leão não admite concorrência,
Para isso tem dentes ávidos,
Estômago de máquina a vapor,
Cérebro capaz de gerar navios,
Frotas, esquadras inteiras,
Ele próprio ancorado
No canal da Mancha.
O Leão se alimenta de ouro, prata,
De toneladas de algodão,
Devora carne humana
Com sua boca de fornalha.
Que é esse esquilo
Que incomoda a sua cauda?
Essa república insubmissa
Fora do controle de suas unhas?
(...)
Com intrigas e chacinas,
Há que se jogar irmão contra irmão
Na América Latina.
(Raquel Naveira. "Guerra entre irmãos". Campo Grande: s/ed., 1993, p. 17-8)
O poema traduz uma interpretação do envolvimento direto da Inglaterra na Guerra
HISTÓRIA
243
a) da Cisplatina, disputa entre Argentina e Brasil para decidir a quem pertenceria a chamada
"Banda Oriental" (atual Uruguai).
b) do Pacífico, um conflito entre Argentina e Paraguai pela disputa de uma saída para o Oceano
Pacífico.
c) do Paraguai, momento em que a Tríplice Aliança desencandeia uma luta contra o interesse do
Paraguai de obter acesso ao Oceano Atlântico.
d) contra Aguirre, quando as forças militares do governo brasileiro invadiram o Uruguai, em
razão dos conflitos de terra na fronteira entre os dois países.
e) contra Rosas, marcando um intenso conflito entre Brasil e Argentina pela anexação do
Uruguai e Paraguai.
13- (PUCCAMP) O ferro representou uma vitória para a Inglaterra, sendo utilizado na produção
das máquinas e das estradas de ferro. Os ingleses tiveram uma forte presença na economia
brasileira, principalmente na segunda metade do século XIX, na construção de ferrovias. Porém, a
expansão da rede ferroviária no Brasil estava relacionada
a)
b)
c)
d)
e)
ao desenvolvimento da produção cafeeira do Oeste Paulista.
ao surto de industrialização verificado durante a Primeira Guerra Mundial.
ao deslocamento dos trabalhadores para as fazendas de café.
às ondas de migrações internas ocorridas do Nordeste para o Sudeste.
ao desenvolvimento das atividades pecuárias na região Centro-Oeste.
14- (FGV) A respeito da abolição da escravatura no Brasil é correto afirmar:
a) Ocorreu fundamentalmente devido às pressões inglesas que obrigaram as autoridades
brasileiras a extinguir a escravidão.
b) Ocorreu depois que os cafeicultores encontraram, na imigração européia, uma forma de
substituição da mão-de-obra escrava.
c) Ocorreu de maneira gradual, vinculada à política de promoção da cidadania dos libertos,
apesar das pressões políticas dos abolicionistas na segunda metade do século XIX.
d) Ocorreu fundamentalmente devido à crise demográfica do continente africano, que não
oferecia mais grandes contingentes humanos que pudessem ser comercializados.
e) Ocorreu devido à força com que as idéias ilustradas foram incorporadas pelas elites
brasileiras à época da independência.
15- (UERJ) O Poder Moderador pode chamar a quem quiser para organizar ministérios; esta
pessoa faz a eleição, porque há de fazê-la; esta eleição faz a maioria. Eis aí o sistema
representativo do nosso país!
(Adaptado de NABUCO, Joaquim. "Um estadista do Império". Rio de Janeiro:
Topbooks, 1997.)
0 trecho do discurso do senador do Império Nabuco de Araújo retrata as práticas políticas vigentes
no Império do Brasil, ao longo do Segundo Reinado.
Considerando os dados acima, cite uma diferença entre o parlamentarismo vigente no Império do
Brasil a partir de 1847 e o parlamentarismo praticado na Inglaterra nessa época.
16- (UFMG) Leia este trecho de documento:
HISTÓRIA
244
Pela presente, por um de nós escrita e por ambos assinada, declaramos que, desejando
comemorar por um ato digno da Religião de Cristo, o redentor, e de humanidade, o aniversário
que hoje celebramos, e atendendo aos serviços que já tem nos prestado o pardo Sabino, nosso
escravo, temos de comum acordo e de muita nossa livre e espontânea vontade, resolvido conferir
ao mesmo, como conferimos, a sua liberdade, podendo conduzir-se como se de ventre livre fosse
nascido: com a cláusula porém de continuar a servir-nos, ou a pessoa por qualquer de nós
designada, ainda por espaço de cinco anos a partir desta data.
(Registro de uma carta de liberdade conferida, em 1866, pelo Dr. Agostinho Marques
Perdigão Malheiro e sua mulher ao pardo Sabino. Citado por CHALHOUB, Sidney. "Visões
da liberdade". São Paulo: Companhia das Letras, 1990. p.140.)
Com relação à conjuntura histórica em que foi abolida a escravidão e com base nas informações
contidas nesse trecho, é correto afirmar que
a) a extinção da escravidão se deu de forma abrupta, sendo que as elites abolicionistas optaram
por uma estratégia radical de enfrentamento com a Coroa, o que causou grandes traumas
sociais.
b) as soluções encontradas para o problema da escravidão não escaparam ao controle político
da Igreja Católica, que acabou impondo aos fiéis da elite uma teoria particular do
abolicionismo.
c) o debate sobre a abolição trouxe à tona as ambigüidades das atitudes políticas de uma parte
da elite brasileira, que julgava o ato de emancipação uma benesse, pela qual o ex-escravo
deveria pagar.
d) os problemas ligados à escravidão se atenuaram ao longo do século XIX, quando o
crescimento das revoltas escravas suprimiu conflitos entre os negros e as elites rurais.
17- (UFMG) Considerando-se o II Reinado brasileiro, é correto afirmar que
a) a alternância, no comando do Estado, entre os dois principais partidos do período expressava
o poder e a vontade política do Imperador.
b) a dissolução do Conselho de Estado, à época, foi compensada com a criação do cargo de
Presidente do Conselho de Ministros.
c) a eliminação do Poder Moderador para a implementação do parlamentarismo "às avessas"
estabilizou, então, o regime.
d) o fortalecimento das elites locais nas Províncias permitiu, então, que fossem aprovadas leis
de caráter descentralizador.
18- (MACKENZIE) "Não há mais nada parecido com um saquarema do que um luzia no poder." A
frase de Holanda Cavalcanti, referindo-se à atuação dos partidos Liberal e Conservador, durante o
segundo Reinado, pode ser interpretada da seguinte forma:
a) os partidos eram profundamente diferentes em suas propostas e ideologia.
b) não havia possibilidade de conciliação entre ambos, em virtude de representarem segmentos
e interesses divergentes.
c) representavam a mesma camada social, sem ideologia definida, revezavam-se no governo e
tinham por objetivo a busca do poder.
d) durante o governo do Marquês de Paraná, de 1853 a 1858, acirraram-se as disputas entre os
partidos, dificultando o Sistema Parlamentarista.
e) o imperador com reduzidos poderes ficava à mercê dos conflitos entre os partidos Liberal e
Conservador.
19- (MACKENZIE) O movimento resultou da conjugação de três forças: uma parcela do exército,
fazendeiros do oeste paulista e representantes das classes médias urbanas.
(Emilia Viotti)
HISTÓRIA
245
Momentaneamente unidas, segundo a autora, conservaram profundas divergências na
organização do novo regime. Identifique o fato histórico mencionado pelo texto.
a)
b)
c)
d)
e)
Abdicação do imperador Pedro I.
Proclamação da República.
Ato Adicional de 1834.
Organização do Gabinete de Conciliação.
Introdução do Parlamentarismo como sistema político.
20- (MACKENZIE) Itália bela, mostre-se gentil
e os filhos seus não abandonarão
senão, vão todos para o Brasil (...)
A canção italiana de 1889 se reporta ao movimento imigratório italiano do final do século XIX.
Sobre o contexto histórico e adaptação enfrentados pelos imigrantes em nosso país, podemos
dizer que:
a) as boas condições oferecidas pelos fazendeiros de café, comprovadas posteriormente,
incentivaram a imigração sobretudo no Sistema de Parceria.
b) as estratégias de arregimentação de imigrantes na Itália eram criteriosas e não propunham
condições de trabalho que não correspondiam à verdade.
c) os fazendeiros, habituados a lidar com escravos, tratavam duramente os imigrantes,
mantendo-se presos à terra sob pesadas dívidas, gerando revoltas.
d) a imigração nas áreas de colônia do sul do país eram regidas pelos mesmos critérios dos
cafezais paulistas.
e) o governo italiano jamais proibiu a emigração para o Brasil em virtude das boas condições
oferecidas aos imigrantes.
21- (PUCRS) Responder à questão sobre a década de 1940 no Brasil, com base nos trechos da
música "Brasil Pandeiro", composta em 1940 por Assis Valente, um dos maiores compositores de
samba desse período.
"Chegou a hora dessa
gente bronzeada
mostrar seu valor!
Eu fui à Penha
E pedi à padroeira
Pra me ajudar
Salve o morro do Vintém
Pindura-Saia
eu quero ver (...)
O Tio Sam tocar pandeiro
Para o mundo sambar
O Tio Sam está querendo
conhecer a nossa batucada
anda dizendo
que o molho da baiana
melhorou seu prato
Vai entrar no cuzcuz
acarajé e abará
Na Casa Branca
já dançou a batucada
com Ioiô e Iaiá
HISTÓRIA
246
Brasil esquentai
vossos pandeiros
lluminai os terreiros
Que nós queremos sambar!!!
Segundo a letra da música, é correto afirmar que este samba
a) retrata a política antiimperialista promovida pelo governo Vargas.
b) faz alusão à "política de boa-vizinhança" entre o Brasil e os Estados Unidos.
c) critica à "americanização" da música brasileira neste período.
d) se refere à necessidade de exportação da música brasileira para os Estados Unidos.
e) exalta a cultura baiana em detrimento das contribuições norte-americanas.
22- (UFRJ) "Ora, dizei-se: não é isto uma farsa? Não é isto um verdadeiro absolutismo, no
estado em que se acham as eleições no nosso país? (...) O poder moderador pode chamar a
quem quiser para organizar ministérios; esta pessoa faz a eleição porque há de fazê-la; esta
eleição faz a maioria. Eis, aí está o sistema representativo do nosso país!"
(Nabuco de Araújo, discurso ao Senado (17/07/1868), citado no Manifesto Republicano de 1870.)
Tido como ponto de partida para o movimento de 15/11/1889, o Manifesto, em sua crítica ao
funcionamento das instituições políticas do Império, questiona o Poder Moderador e o sistema
parlamentar vigentes na época.
a) Aponte o responsável pelo exercício do Poder Moderador, segundo a Constituição de 1824.
b) Explique, a partir do texto, o porquê de diversos historiadores considerarem o sistema
parlamentar brasileiro, de então, um "parlamentarismo às avessas."
23- (PUCSP) "A enorme visibilidade do poder era sem dúvida em parte devida à própria
monarquia com suas pompas, seus rituais, com o carisma da figura real. Mas era também fruto da
centralização política do Estado. Havia quase unanimidade de opinião sobre o poder do Estado
como sendo excessivo e opressor ou, pelo menos, inibidor da iniciativa pessoal, da liberdade
individual. Mas (...) este poder era em boa parte ilusório. A burocracia do Estado era
macrocefálica: tinha cabeça grande mas braços muito curtos. Agigantava-se na corte mas não
alcançava as municipalidades e mal atingia as províncias. (...) Daí a observação de que, apesar
de suas limitações no que se referia à formulação e implementação de políticas, o governo
passava a imagem do todo-poderoso, era visto como o responsável por todo o bem e todo o mal
do Império."
Carvalho, J. Murilo de. TEATRO DE SOMBRAS. Rio de Janeiro, IUPERJ/ Vértice, 1988.
O fragmento acima refere-se ao II Império brasileiro, controlado por D. Pedro II e ocorrido entre
1840 e 1889. Do ponto de vista político, o II Império pode ser representado como
a) palco de enfrentamento entre liberais e conservadores que, partindo de princípios políticos e
ideológicos opostos, questionaram, com igual violência, essa aparente centralização indicada
na citação acima e se uniram no Golpe da Maioridade.
HISTÓRIA
247
b) jogo de aparências, em que a atuação política do Imperador conheceu as mudanças e os
momentos de indefinição acima referidos - refletindo as próprias oscilações e incertezas dos
setores sociais hegemônicos -, como bem exemplificado na questão da Abolição.
c) cenário de várias revoltas de caráter regionalista - entre elas a Farroupilha e a Cabanagem devido à incapacidade do governo imperial controlar, conforme mencionado na citação, as
províncias e regiões mais distantes da capital.
d) universo de plena difusão das idéias liberais, o que implicou uma aceitação por parte do
Imperador da diminuição de seus poderes, conformando a situação apontada na citação e
oferecendo condições para a proclamação da República.
e) teatro para a plena manifestação do poder moderador que, desde a Constituição de 1824,
permitia amplas possibilidades de intervenção políticas para o Imperador - daí a idéia de
centralização da citação - e que foi usado, no Segundo Reinado, para encerrar os conflitos
entre liberais e socialistas.
24- (UMC) "A economia brasileira prosperou durante toda a segunda metade do século XIX. Esse
desenvolvimento deveu-se, principalmente, ao progresso continuado da cafeicultura. Diante dos
problemas criados pela expansão econômica, sobressai a escassez do fator mão-de-obra. Esse
desenvolvimento traduz-se numa efetiva 'fome de braços.'" (Octávio lanni. Texto adaptado).
Contribuíram para a referida "fome de braços":
a)
b)
c)
d)
e)
fim do tráfico de escravos e a imigração italiana.
comércio interprovincial de negros e a taxa negativa de crescimento da população escrava.
fim do tráfico de escravos e a taxa negativa de crescimento da população escrava.
as leis do Ventre Livre e dos Sexagenários.
a taxa negativa do crescimento da população escrava e a imigração italiana.
25- (UNESP) O transporte ferroviário no Brasil, da segunda metade do Século XIX ao início do
século XX, mereceu prioritariamente o interesse estatal e particular. As condições históricas
relacionadas com a ampliação da rede em ritmo crescente foram:
a) expansão da cafeicultura, principalmente em São Paulo, e o escoamento da produção para o
exterior.
b) reservas de minério de ferro, do quadrilátero ferrífero, pouco acessíveis e demasiado
distantes dos centros urbanos mais expressivos.
c) políticas de industrialização e de reflorestamento.
d) capitais externos em busca de lucros para a indústria automotiva e para as empresas
distribuidoras de petróleo.
e) devastações de pinhais para a extração de madeira e para a produção de papel.
26- (FUVEST) O Bill Aberdeem, aprovado pelo Parlamento inglês em 1845, foi:
a) uma lei que abolia a escravidão nas colônias inglesas do Caribe e da África.
b) uma lei que autorizava a marinha inglesa a apresar navios negreiros em qualquer parte do
oceano.
c) um tratado pelo qual o governo brasileiro privilegiava a importação de mercadorias britânicas.
d) uma imposição legal de libertação dos rescém-nascidos, filhos de mãe escrava.
e) uma proibição de importação de produtos brasileiros para que não concorressem com os das
colônias antilhanas.
27- (MACKENZIE) Para os conselheiros do Império, o Brasil era como um sistema heliocêntrico,
dominado pelo sol do Estado, em torno do qual giravam os grandes planetas do que chamavam,
"as classes conservadoras" e, muito longe, a miríade de estrelas da grande massa do povo.
José Murilo de Carvalho
Através do texto, compreendemos que a proposta política do Segundo Reinado privilegiava:
HISTÓRIA
248
a)
b)
c)
d)
as massas populares, base de sustentação política do império.
as elites dominantes, que tinham no Império a garantia de seus interesses.
apenas os segmentos de classe média que emergiam economicamente após a imigração.
os fazendeiros do Vale do Paraíba e senhores de engenho nordestinos, que jamais tiveram
interesses contrariados pelo imperador.
e) os escravos, base econômica do período, libertados pelo Império.
28- (MACKENZIE) Foi necessário esperar até a extinção do tráfico, em 1850, para que surgisse
oportunidade semelhante à de 1808. (...) sobrava finalmente dinheiro para a iniciativa privada.
Jorge Caldeira
A oportunidade mencionada no texto refere-se:
a) aos capitais, que em virtude do fim do tráfico, eram aplicados, agora, em negócios, permitindo
o breve surto industrial de meados do século XIX no Brasil.
b) ao tráfico interno de escravos, que possibilitou a expansão do cultivo de algodão.
c) ao fisco, que, aumentando taxas, desequilibrou a economia, sacrificando a iniciativa privada.
d) ao fato de que, tanto em 1808 como em 1851, a lógica econômica era voltada para o
desenvolvimento interno com apoio da Inglaterra.
e) à extinção da maior característica da nação mercantilista, a escravidão, iniciando-se uma
política industrial contínua, até o início da república.
29- (MACKENZIE) Na década de 1870, as relações entre o Estado e a Igreja se tornaram tensas.
A união entre trono e o altar, prevista na Constituição de 1824, representava, em si mesma, fonte
potencial de conflito.
Boris Fausto
Identifique a causa fundamental do conflito mencionado pelo texto acima.
a) O Estado, durante o império, reconhecia a religião católica como oficial mas não interferia nas
questões eclesiásticas.
b) Na década de 1870, o clero não passou a exigir maior autonomia frente ao Estado.
c) Em virtude do beneplácito, a proibição do papa do ingresso de maçons nas irmandades
desencadeou um atrito entre Estado e Igreja, resultando na prisão de dois bispos pelo
governo.
d) Pelo fato de a maçonaria não ter nenhuma expressão na política interna do império, a
proibição papal não trouxe repercussões.
e) O Estado laico foi implantado logo após o conflito com a Igreja, para contornar a oposição do
clero ao Imperador.
30- (UFRJ) "Enquanto pelo velho e novo mundo vai ressoando o brado
- emancipação da mulher -, nossa débil voz se levanta
na capital do império de Santa Cruz, clamando: educai as mulheres!
Povos do Brasil, que dizeis civilizados! Governo, que vos dizeis liberal!
Onde está a doação mais importante dessa civilização,
desse liberalismo?"
FLORESTA, Nísia - 1853. In: "História das Mulheres no Brasil". São Paulo, UNESP/Contexto, 1977. p. 443.
Nísia Floresta constituiu uma exceção na sociedade brasileira de sua época. Dedicada ao ensino
e à atividade intelectual, sua biografia é um exemplo marcante de atuação da mulher, num
período em que o universo feminino dos setores médios estava reduzido ao domínio da casa.
HISTÓRIA
249
a) Descreva um elemento representativo dos costumes e comportamentos da mulher na
sociedade brasileira de meados do século XIX.
b) Indique uma mudança na posição da mulher brasileira no século XX.
31- (UFRJ) "Num mundo onde os grande empresários privados costumavam ter uma única
empresa, Mauá apostou na diversificação. No país onde agricultura parecia destino manifesto, ele
montava uma indústria atrás da outra."
CALDEIRA, Jorge. "Mauá: empresário do Império". São Paulo,
Companhia das Letras, 1996. p. 18.
Na segunda metade do século XIX, o Brasil destaca-se por uma vocação essencialmente agrária.
Neste sentido, o texto acima aponta para o exemplo de uma ação individual empreendida em
direção à abertura de indústrias durante o Império. Nessa perspectiva,
a) aponte dois aspectos da estrutura econômica brasileira no Segundo Reinado.
b) indique duas características da tentativa de industrialização empreendida por Irineu
Evangelista de Sousa, o Visconde de Mauá.
32- (UERJ) Leia o trecho abaixo, extraído das memórias do barão e visconde de Mauá.
Era já então, como é hoje ainda, minha opinião que o Brasil precisava de alguma indústria (...)
para que o mecanismo de sua vida econômica possa funcionar com vantagem; e a indústria que
manipula o ferro, sendo a mãe das outras, me parecia o alicerce dessa aspiração.
(Adaptado de PRIORE, Mary del et alii. "Documentos de História do Brasil: de Cabral
aos anos 90". São Paulo: Scipione, 1997.)
Considerando as ações empreendidas por Mauá, tanto no setor industrial quanto no setor de
serviços, exemplifique:
a) duas condições econômicas que possibilitaram essas ações;
HISTÓRIA
250
b) duas melhorias urbanas introduzidas na Era Mauá.
CAPÍTULO 26
AMÉRICA LATINA NO SÉCULO XIX
01- (PUCMG) O Estado Oligárquico, adotado por países latino-americanos, teve como um de
seus sustentáculos:
a)
b)
c)
d)
e)
o apoio político da burguesia industrial.
a exploração de prata em Potosí.
a política de desenvolvimento promovida pelos caudilhos.
a diversificação da economia e dinamização do mercado interno.
o modelo primário-exportador.
02- (PUCMG) Na América Latina, após as independências políticas da primeira metade do século
XIX, a consolidação e a integração dos Estados Nacionais ao mercado mundial tiveram como
base:
a)
b)
c)
d)
e)
a economia de "plantation".
a desenvolvimento industrial.
o populismo nacionalista.
a produção de ouro e diamante.
o modelo primário-exportador.
03- (FGV) Sobre o Congresso do Panamá em 1826 é correto afirmar que:
I. estabeleceu um pacto entre a Grã-Colômbia, Peru, México e Províncias Unidas de CentroAmérica de perspectiva integradora;
II. o espírito do bolivarismo conduziu às discussões e decisões do Congresso.
III. O Brasil fez-se representar defendendo a autonomia republicana dos Estados Nacionais latinoamericanos;
IV. o objetivo central do Congresso foi o alinhamento dos países hispano-americanos à Doutrina
Monroe;
V. a abolição da escravidão foi um dos pontos aprovados para os países que ratificassem as
resoluções.
a)
b)
c)
d)
e)
apenas I está correta;
I, II e V estão corretas;
apenas II está correta;
III, IV e V estão corretas;
I, II e III estão corretas.
HISTÓRIA
251
04- (PUCMG) O processo de industrialização dos países latino-americanos em fins do século XIX,
apesar de tardio e diversificado, apresenta algumas características comuns, exceto:
a)
b)
c)
d)
êxodo rural acentuado com a rápida urbanização.
elevado crescimento demográfico.
distribuição de renda que beneficia os trabalhadores.
dificuldade para a constituição de um mercado consumidor.
05- (FUVEST) Os Estados Nacionais que se organizam depois das independências no Brasil e
nos países americanos de colonização espanhola, entre as décadas de 1820 e 1880, são
semelhantes quanto à
a) adoção de regimes políticos e diferentes com relação às posições implementadas sobre a
escravidão negra.
b) decisão de imediata abolição da escravidão e diferentes com relação à defesa da propriedade
comunal indígena.
c) defesa do sufrágio universal e diferentes com relação às práticas do liberalismo econômico.
d) defesa da ampliação do acesso à terra pelos camponeses e diferentes com relação à
submissão à Igreja Católica.
e) vontade de participar do comércio internacional e diferentes quanto à adoção de regimes
políticos.
06- (UERJ) Quinhentos anos após a Descoberta da América, constatamos que ainda há muito a
se descobrir sobre o Novo Mundo, por exemplo, como resolver seus problemas. Livres das
Metrópoles, os Estados Nações tentaram seguir os passos do Primeiro Mundo; quase dois
séculos depois, descobre-se que a América Ibérica já está bem próxima do Quarto Mundo.
(CAPELATO, Maria Helena Rolim. "A Redescoberta da América": 1920-1940. ln: "A
Conquista da América" - Cadernos CEDES, São Paulo: Papirus, 1993.)
A participação do Estado na organização das sociedades latino-americanas foi e continua sendo
um de seus principais desafios.
Entre as dificuldades encontradas pelas antigas colônias espanholas em sua organização como
Estados independentes, está:
a)
b)
c)
d)
a luta pelo poder entre defensores do federalismo e do unitarismo
o rompimento entre a elite colonial e a burguesia comercial inglesa
a disputa política entre o grupo criollo e os descendentes dos chapetones
o enfrentamento entre os exportadores e o setor industrial voltado para o mercado interno
07- (UNIRIO) Ao compararmos os processos de formação dos Estados Nacionais no Brasil e na
América Hispânica, no século XIX, podemos afirmar que:
a) a unidade brasileira foi garantida pela existência de uma monarquia de base popular,
enquanto que o caudilhismo, na América Hispânica, impediu qualquer tipo de participação das
camadas mais baixas da população.
b) a unidade brasileira relacionou-se, exclusivamente, ao forte carisma dos representantes da
Casa de Bragança, enquanto, na América Hispânica, não surgiu nenhuma liderança que
pudesse aglutinar os diversos interesses em disputa.
HISTÓRIA
252
c) as diferenças regionais, no Brasil, não ofereceram nenhum obstáculo à obra centralizadora
em torno da Coroa, ao passo que na América Hispânica as diferenças regionais contribuíram
para a sua fragmentação.
d) os interesses ingleses, na América Hispânica, eram mais presentes e foram os únicos
determinantes da sua fragmentação, ao passo que no Brasil aqueles interesses não existiram
de maneira tão marcante, de forma a impedir a obra da centralização.
e) não existiu, na América Hispânica, uma facção oligárquica hegemônica que conseguisse levar
adiante a obra da unidade, enquanto no Brasil os interesses escravistas aglutinaram as elites
em torno de um projeto centralista.
08- (UNESP) "Além disso, brotavam na América os interesses regionais privilegiados das classes
criollas, exportadoras e latifundiárias que geralmente, em relação ao Império Britânico, só
pensavam em romper com a Espanha para poderem enriquecer à vontade."
(Jorge Abelardo Ramos. HISTÓRIA DA NAÇÃO LATINO-AMERICANA.)
Baseando-se na análise do autor, responda.
a) Por que se estabelece relação entre as classes criollas da América e o Império Britânico?
b) Aponte uma diferença entre os processos de independência da América espanhola e do Brasil.
09- (UFU) Assinale a alternativa que contempla as características da maioria dos países da
América Latina, durante a primeira metade do século XIX.
a) Houve decadência do poder político do caudilhismo, em decorrência da democratização da
sociedade.
b) A formação de um pacto político entre federalistas e centralistas garantiu a implantação da
república e a estabilidade política logo após a independência.
c) A adoção do direito de voto pata todo habitante maior de 21 anos, permitiu a ampliação da
representatividade popular nos Congressos nacionais.
d) Foram implantadas repúblicas conservadoras e autoritárias, onde a instabilidade política e a
marginalização social das camadas populares eram predominantes.
e) O modelo econômico foi reorganizado, direcionando a produção para o mercado interno de
cada país, o que provocou a ampliação da renda média dos trabalhadores.
10- (UEL) Na criação dos Estados nacionais latino-americanos, após a emancipação, as elites
dirigentes hesitaram quanto à forma institucional de governo a ser implantada: monarquia
HISTÓRIA
253
constitucional ou república. É correto afirmar que a forma republicana, implantada pela maioria
desses países,
a) estabeleceu uma estrutura política, marcadamente liberal e representativa. O presidente era
eleito por voto indireto e podia ser destituído por corrupção.
b) era presidencialista ou parlamentarista quanto à forma de governo. Em todas elas foi adotada
uma carta onde os direitos dos cidadãos foram garantidos.
c) era acentuadamente conservadora e autoritária. Em todas elas, a massa popular foi afastada
pela adoção do sufrágio censitário.
d) era tão liberal e democrática quanto à norte-americana. Em todas elas, a participação das
camadas populares foi ampliada pela adoção do voto universal.
e) manifestava a oposição entre o liberalismo e o centralismo. A posição dos republicanos era
limitar o poder do governo central em favor dos direitos particulares.
11- (UFF) A primeira fase da industrialização latino-americana, na segunda metade do século XIX,
foi marcada por experiências distintas, segundo as peculiaridades de cada país.
Em relação a este tema é correto afirmar:
a) O período denominado "Porfiriato", no Chile, assegurou para este país a estabilidade política
e a expansão das atividades exportadoras necessárias à consolidação de sua indústria.
b) No caso da Argentina e do México, ambos tipicamente agrário-exportadores, o
desenvolvimento industrial teve por base a incorporação do artesanato local preexistente.
c) A Argentina e a Bolívia são exemplos de países nos quais uma economia exportadora de
produtos agrícolas engendrou, rapidamente, importante mercado interno para o surto
industrial.
d) Na primeira fase, fortemente calcada sobre a produção artesanal já existente, a
industrialização mexicana foi garantida por uma política protecionista e de unificação do
mercado nacional.
e) A industrialização boliviana constituiu-se no exemplo de uma economia mineira de exportação
cuja infra-estrutura teve grande significado para a absorção de um vasto contingente de
trabalhadores.
12- (UERJ) Poder regional forte, de cunho modernizante ou não, sustentando à custa do apoio de
grupamentos militares e em consequência da fraqueza institucional dos Estados que se
estabeleceram na América Espanhola logo após os processos de independência no século XIX.
A definição acima nos remete ao conceito de:
a)
b)
c)
d)
regionalismo
coronelismo
federalismo
caudilhismo.
13- (UFRJ) "(...) Desejo mais do que outro, ver formar-se na América a maior nação do mundo,
não tanto pela sua extensão e riquezas como pela sua liberdade e glória."
(Simón Bolívar. CARTA DE JAMAICA, 1815.)
Simón Bolívar (1783-1830), um dos mais importantes líderes da luta pela independência das
colônias espanholas na América, formulou uma série de propostas para o futuro do continente
que, por diversas razões, não se concretizaram. No entanto, suas idéias servem como
fundamento para o pan-americanismo ao longo dos séculos XIX e XX.
a) Identifique, a partir do texto, uma característica da proposta política de Bolívar para a América
Independente.
HISTÓRIA
254
b) Explique por que as idéias de Bolívar não foram concretizadas na América hispânica
independente.
c) Apresente uma iniciativa política que demonstre a presença do pan-americanismo no pós-2 a
Guerra Mundial.
14- (UFMG) No contexto da Revolução Mexicana, na segunda década do século passado, o
Exército Libertador do Sul, liderado por Emiliano Zapata, sublevou-se no México. No final do
mesmo século, em 1994, no estado sulista de Chiapas, a organização denominada Exército
Zapatista de Libertação Nacional iniciou um movimento rebelde.
Os dois movimentos referidos têm vários pontos em comum, entre os quais, destaca-se a luta
para
a) tomar o poder e implantar governos inspirados nas idéias agraristas do líder chinês Mao TseTung.
b) defender os interesses dos operários e trabalhadores fabris, constantemente violados pelo
Governo mexicano.
c) destituir as elites dirigentes e instaurar um Estado socialista inspirado na tradição marxista
latino-americana.
d) resgatar as terras dos camponeses de origem indígena e conquistar melhores condições de
vida para eles.
15- (UNESP) A reforma agrária renasceu como um grande processo de reestruturação econômica
do campo e, por sua vez, como um gigantesco plano de organização da massa rural do ponto de
vista econômico e social. A ação do Estado penetrou até os mais obscuros rincões da vida
camponesa, convertendo-a em parte da vida do Estado (...) O passo dado por Cárdenas não
podia ser mais decisivo; não se tratava de somente repartir terras, mas sobretudo de fazer dos
camponeses sustentáculos do regime revolucionário.
(Arnaldo Córdoba, "La política de masas del cardenismo")
Na década de 1930, Cárdenas e outros governantes da América Latina realizaram políticas
reformistas. Havia, no entanto, diferenças entre elas:
a) na Argentina, a divisão de terras estendeu-se às regiões dos pampas; no Brasil, tratava-se de
organizar politicamente as massas camponesas.
b) no México, o governo aprofundava a reforma agrária desencadeada anteriormente pela
revolução; no Brasil, o regime político mobilizava as massas populares urbanas.
HISTÓRIA
255
c) em numerosos países da América espanhola, houve revoluções camponesas e socialistas; no
Brasil, o movimento político e popular de massas foi antiimperialista.
d) no México, o governo objetivava, com a divisão de terras, consolidar o Estado oligárquico; no
Brasil, o governo procurava democratizar o Estado.
e) no México, o movimento era controlado pelas grandes centrais sindicais operárias; no Brasil,
as reformas favoreciam as populações indígenas.
16- (PUCMG) A Revolução Mexicana de 1910, que teve em Pancho Villa e Emiliano Zapata duas
das suas mais expressivas lideranças, sob o aspecto social, caracterizou-se pela:
a)
b)
c)
d)
e)
adesão de militares, operários e estudantes.
aliança da Igreja aos revolucionários.
ajuda de brigadas estrangeiras
grande participação camponesa.
destacada influência dos anarquistas.
17- (UFRJ) "AS IDÉIAS DE SIMÓN RODRÍGUEZ:
"OU INVENTAMOS OU ESTAMOS PERDIDOS"
Veja a Europa como inventa e veja a América como imita!
Uns tomam por prosperidade ver seus portos cheios de barcos ... alheios, e suas casas
convertidas em armazéns de coisas... alheias. Cada dia chega uma remessa de roupa feita, e até
de gorros para os índios. Logo veremos pacotinhos dourados, com as armas da coroa, contendo
terra preparada "por um novo método" para os meninos acostumados a comer terra.
A América não deve imitar servilmente, deve ser original.
Onde iremos buscar modelos? Somos independentes, mas não livres; donos do solo, mas
não de nós.
Abramos a história: e pelo que ainda não está escrito, leia cada um em sua memória."
GALEANO Eduardo. "As caras e as máscaras". Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985.
p. 242.
a) Explique a crítica de Simón Rodriguez contida na seguinte passagem: "Somos independentes,
mas não somos livres; donos do solo, mas não de nós."
b) Retire do texto uma passagem que identifica um problema socioeconômico existente até hoje
na América Latina.
HISTÓRIA
256
18- (PUC-RIO) As alternativas abaixo apresentam características comuns às experiências
colonizadoras portuguesa e espanhola na América entre os séculos XVI e XVIII, com exceção
de:
a)
b)
c)
d)
e)
Predominância de relações de trabalho compulsórias.
Proibição à prática das religiões protestantes.
Vigência do exclusivo comercial.
Caráter profundamente excludente da estrutura social.
Inexistência de instituições universitárias de ensino.
19- (FUVEST) O processo de modernização na América Latina (1870-1914) está associado
a)
b)
c)
d)
à pluralidade de partidos políticos, à ampla participação popular e à industrialização.
à organização sindical, à construção de estradas de ferro e à reforma agrária.
às reformas urbanas, ao estímulo à cultura letrada e à chegada da eletricidade.
ao sufrágio universal, à vigência de leis trabalhistas e à expansão da criação de
universidades.
e) ao poder crescente da Igreja, à limitação de capitais externos e à dinamização do sistema
bancário.
20- (UNICAMP) A ditadura de Porfirio Díaz (1876-1911) produziu no México uma situação de
superficial bem-estar econômico, mas de profundo mal-estar social. (...) Fizeram-no chefe de uma
ditadura militar burocrática destinada a sufocar e reprimir as reivindicações revolucionárias. (...)
Amparavam-na os capitalistas estrangeiros, tratados então com especial favor.
(José Carlos Mariátegui, A REVOLUÇÃO MEXICANA, COLEÇÃO GRANDES
CIENTISTAS SOCIAIS, Ática).
a) Quais as características do desenvolvimento econômico mexicano durante esse período?
b) Explique a situação sócio-econômica da população indígena e camponesa durante a ditadura
de Porfirio.
c) Que grupos sociais e políticos se opuseram à ditadura de Porfirio Díaz e desencadearam o
processo da revolução mexicana?
HISTÓRIA
257
21- (UERJ) A Revolução é uma súbita imersão do México em seu próprio ser (...) é uma busca de
nós mesmos e um regresso à mãe. Nela, o México se atreve a ser.
(OCTAVIO PAZ, escritor mexicano. Citado por Grandes Fatos do Século XX. Rio de
Janeiro, Rio Gráfica, 1984.)
A Revolução Mexicana, iniciada em 1911, trouxe à tona a organização e a luta de populações
camponesas de origem indígena que até hoje utilizam esse movimento como símbolo.
A eclosão da Revolução Mexicana pode ser explicada pelos seguintes motivos:
a) a influência do ideário positivista e a atuação dos "científicos" nos movimentos camponeses
b) a luta do campesinato pela propriedade da terra e as reivindicações de setores burgueses por
um maior espaço na política
c) a necessidade de uma modernização capitalista e o desejo da burguesia pela ampliação da
influência do capital francês no país
d) a união dos liberais e dos comunistas mexicanos contra o porfiriato e o interesse dos grandes
proprietários na aliança com o capital inglês
22- (UFRJ) "(...) Desejo mais do que outro, ver formar-se na América a maior nação do mundo,
não tanto pela sua extensão e riquezas como pela sua liberdade e glória."
(Simón Bolívar. CARTA DE JAMAICA, 1815.)
Simón Bolívar (1783-1830), um dos mais importantes líderes da luta pela independência das
colônias espanholas na América, formulou uma série de propostas para o futuro do continente
que, por diversas razões, não se concretizaram. No entanto, suas idéias servem como
fundamento para o pan-americanismo ao longo dos séculos XIX e XX.
a) Identifique, a partir do texto, uma característica da proposta política de Bolívar para a América
Independente.
b) Explique por que as idéias de Bolívar não foram concretizadas na América hispânica
independente.
HISTÓRIA
258
c) Apresente uma iniciativa política que demonstre a presença do pan-americanismo no pós-2 a
Guerra Mundial.
VOLUME III
UNIDADE I– A CRISE DO MODELO LIBERAL
CAPÍTULO 01
O BRASIL NA PRIMEIRA REPÚBLICA
01 - (PUCPR) O estudo da Carta Outorgada de 1824, Ato Adicional de 1834 e Constituição
Republicana de 1891 mostra, no Brasil, notável evolução política.
Assinale a alternativa correta:
a) O Ato Adicional de 1834 atribui às províncias a mesma autonomia estabelecida pela
Constituição de 1891.
b) Enquanto a Carta Outorgada de 1824 inspirou-se nos Estados Unidos, a Constituição de 1891
baseou-se em modelo europeu.
c) A Carta Outorgada de 1824 estabelecia quatro poderes, reduzidos a três na Constituição de
1891, com a supressão do Poder Moderador.
d) A Religião Católica Apostólica Romana, oficial no Império, assim continuou na República, com
base em artigo específico na Constituição de 1891.
e) O Ato Adicional de 1834 transformou a forma de Estado do Brasil de unitária em federativa.
02 - (PUCPR) A República foi proclamada em 15 de novembro de 1889. Contudo, sua
consolidação se fez pela violência de duas revoluções.
Sobre o tema, assinale a alternativa correta:
a) No plano ideológico, defendiam os federalistas a necessidade de um poder central forte e
limitada autonomia aos Estados.
b) Floriano Peixoto assumira o cargo de Presidente da República, na condição de vicepresidente eleito indiretamente pelo Congresso Nacional e se posicionou favoravelmente aos
federalistas.
c) Desde o início, os rebeldes federalistas lutaram ao lado da Revolta da Armada, que se
desenvolvia na Baía da Guanabara.
d) Esquadras estrangeiras penetraram na Baía da Guanabara, buscando tardiamente apoiar a
marinha de guerra do Brasil.
e) Embora Floriano Peixoto tenha sido alcunhado de "Consolidador da República", os choques
armados continuaram na Presidência de Prudente de Morais e somente terminaram no
Governo de Campos Sales.
HISTÓRIA
259
03 - (PUC-RIO) Os anos iniciais da República no Brasil (1889-1902) foram marcados por uma
instabilidade sentida em diversos planos da vida social e política. Entre os fatores que
condicionaram essa instabilidade, podemos identificar:
I - o confronto entre grupos e lideranças adeptos de projetos distintos para a organização do
governo republicano, destacando-se, nesse quadro, as divergências entre republicanos históricos,
liberais, positivistas, jacobinos, fossem eles civis ou militares;
II - a ocorrência de revoltas e conflitos armados de proporções inesperadas, pondo em xeque a
manutenção do próprio sistema republicano e apontando, em particular, no caso da Guerra de
Canudos, para o caráter excludente e hierarquizador do novo regime, proclamado em nome da
ordem e do progresso;
III - a permanência de militares no controle do poder executivo federal, instaurando um governo
autoritário, que cerceava as pretensões federalistas e descentralizadoras das oligarquias regionais
e fomentava a rivalidade entre civis e militares, como ocorreu na Revolução Federalista no Rio
Grande do Sul;
IV- a alta generalizada do custo de vida, ocasionada pelo Encilhamento e agravada pelo
Saneamento Financeiro, o qual, ao aplicar uma política de variação cambial em função das
flutuações do preço do café, contribuiu ainda mais para a desvalorização monetária e a
permanência da inflação.
Assinale a alternativa:
a)
b)
c)
d)
e)
se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.
se somente as afirmativas II e IV estiverem corretas.
se somente as afirmativas III e IV estiverem corretas.
se todas as afirmativas estão corretas.
04- (UFES) A crise do Encilhamento, ocorrida durante o primeiro governo republicano, provocou
um grande descontrole na economia nacional. Essa crise
a) culminou com o desenvolvimento da forte política de industrialização no Brasil.
b) foi conseqüência da política econômico-financeira de emissão de papel-moeda e do crédito
aberto, adotada por Rui Barbosa, então Ministro da Fazenda.
c) conteve a especulação, evitando a falência de banqueiros e industriais.
d) foi conseqüência da desvalorização dos preços do café no mercado internacional.
e) levou o Ministro Rui Barbosa e a elite agroexportadora a elaborarem o primeiro programa de
valorização do café.
05 - (PUCPR) O estudo comparativo das Constituições Brasileiras de 1824 (Carta Outorgada,
Imperial) e de 1891 (Carta promulgada, Republicana) não permite afirmar:
a) A Carta Imperial criou 4 (quatro) poderes, mas o documento republicano estabeleceu somente
3 (três).
b) Enquanto o estatuto Imperial recebeu uma emenda, o Ato Adicional, um progresso rumo à
federação, a Carta republicana foi emendada em 1926, com fortalecimento do Poder Central.
c) A Carta de 1891 estabeleceu a Federação como forma de Estado.
d) A Carta Republicana teve inspiração européia, ao passo que a lei maior imperial buscou
seguir o modelo norte-americano.
e) A Carta de 1824 criou o Unitarismo como forma de Estado, mesmo porque as Províncias
eram destituídas de preparo político.
06 - (MACKENZIE) O movimento resultou da conjugação de três forças: uma parcela do exército,
fazendeiros do oeste paulista e representantes das classes médias urbanas.
(Emilia Viotti)
HISTÓRIA
260
Momentaneamente unidas, segundo a autora, conservaram profundas divergências na
organização do novo regime. Identifique o fato histórico mencionado pelo texto.
a)
b)
c)
d)
e)
Abdicação do imperador Pedro I.
Proclamação da República.
Ato Adicional de 1834.
Organização do Gabinete de Conciliação.
Introdução do Parlamentarismo como sistema político.
07 - (FGV) Caracterizou-se por "encilhamento" a política econômica que:
a) levou o país a uma crise inflacionária pela emissão de moeda, sem lastro-ouro e com
escassos empréstimos estrangeiros, gerando inúmeras falências;
b) pôde acomodar os primeiros anos da República à estabilização e ao investimento em políticas
públicas, principalmente educacionais;
c) levou o país a pedir empréstimos para a reorganização do parque industrial e para a
exploração da borracha na região amazônica;
d) pôde acomodar, por aproximadamente 50 anos, uma economia ainda dependente, permitindo
a aplicação de recursos em serviços públicos;
e) levou o país a receber apoio de todas as nações industrializadas para desenvolvimento de
parcerias, apesar da crescente inflação decorrente dos inúmeros empréstimos pedidos.
08 – (UFRS) Leia o texto a seguir.
"Os soldados já estavam nas trincheiras, armas à mão; o canhão tinha ao lado a munição
necessária. Uma lancha avançava lentamente, com a proa alta assestada para o posto. De
repente, saiu de sua borda um golfão de fumaça espessa: Queimou! - gritou uma voz. Todos se
abaixaram, a bala passou alto, zunindo, cantando, inofensiva (...). Alugavam-se binóculos e tanto
os velhos como as moças, os rapazes como as velhas, seguiam o bombardeio como uma
representação de teatro: 'Queimou Santa Cruz! Agora é o Aquidabã! Lá vai'. E dessa maneira a
revolta ia correndo familiarmente, entrando nos hábitos e costumes da cidade."
(Lima Barreto. "Triste fim de Policarpo Quaresma."
São Paulo: Scipione, 1994, p. 123.)
A partir das informações apresentadas no texto acima, é possível inferir que o autor se refere à
Revolta
a)
b)
c)
d)
e)
da Vacina.
de Canudos.
Federalista.
do Contestado.
da Armada.
09 - (PUCPR) "(...) Concidadãos - o Governo Provisório, simples agente temporário da Soberania
Nacional, é o governo da paz, da liberdade, da fraternidade e da ordem.
No uso das atribuições e faculdades extraordinárias de que se acha investido (...) promete e
garante a todos os habitantes do Brasil, nacionais e estrangeiros, a segurança da vida e da
propriedade, o respeito aos interesses individuais e políticos, salvas as limitações exigidas pelo
bem da prática e legítima defesa do governo proclamado pelo Povo, pelo Exército e pela Armada
Nacional".
HISTÓRIA
261
O texto acima inaugurou no Brasil:
a)
b)
c)
d)
e)
a República - 1889
o Governo Militar - 1964
a Independência - 1822
o Segundo Reinado - 1831
o Reino do Brasil – 1815-
10 - (UFRJ) Cite um limite ao exercício da cidadania que conste da legislação eleitoral dos
primórdios da República.
A exclusão, como votantes, dos menores de 21 anos, dos analfabetos, praças de pré (militares
sem patente de oficial), das mulheres, religiosos de ordens monásticas e, mesmo, dos mendigos e
o voto a descoberto.
11 - (FUVEST) A revolução de 1924, movimento tenentista, relacionou-se:
a) aos desejos de reformas econômicas e sociais de caráter socialista que acarretassem a
superação da República oligárquica e elitista.
b) à violência praticada pelos governos republicanos controlados pelas oligarquias paulista e
mineira contra lideranças operárias e camponesas.
c) aos anseios por reformas políticas moralizadoras de cunho liberal que não se chocavam com
os princípios de ordenação constitucionais da República.
d) ao caráter conservador do governo Epitácio Pessoa, cuja política repressiva desencadeou o
movimento de intervenção federal nos estados oposicionistas.
e) à luta pela superação de caráter espoliativo e dependente da economia brasileira, visando
obter maior prestígio no concerto internacional.
12 - (FUVEST) "Não é por acaso que as autoridades brasileiras recebem o aplauso unânime das
autoridades internacionais das grandes potências, pela energia implacável e eficaz de sua política
saneadora [...]. O mesmo se dá com a repressão dos movimentos populares de Canudos e do
Contestado, que no contexto rural [...] significavam praticamente o mesmo que a Revolta da
Vacina no contexto urbano".
(Nicolau Sevcenko. "A revolta da vacina".)
De acordo com o texto, a Revolta da Vacina, o movimento de Canudos e o do Contestado foram
vistos internacionalmente como
a) provocados pelo êxodo maciço de populações saídas do campo rumo às cidades logo após a
abolição.
b) retrógrados, pois dificultavam a modernização do país.
HISTÓRIA
262
c) decorrentes da política sanitarista de Oswaldo Cruz.
d) indícios de que a escravidão e o império chegavam ao fim para dar lugar ao trabalho livre e à
república.
e) conservadores, porque ameaçavam o avanço do capital norte-americano no Brasil.
13 - (UNICAMP) O anarquismo é uma doutrina política que, a partir da segunda metade do século
XIX, teve presença marcante no movimento operário internacional.
a) Cite 3 características do anarquismo.
b) Que atividades político-sociais os anarquistas realizaram no movimento operário brasileiro nas
duas primeiras décadas do século XX?
14 - (UNESP) É necessário que recusemos trabalhar também de noite, porque isso é vergonhoso
e desumano. Em muitas partes, os homens conseguiram a jornada de oito horas, já desde 1856; e
nós, que somos do 'sexo frágil', temos que trabalhar dezesseis horas!... Como se pode estudar ou
simplesmente ler um livro, quando se vai para o trabalho às 7 da manhã e se volta para casa às
11 horas da noite?
("Manifesto das costureiras", São Paulo, 1907. Citado por Edgard Rodrigues,
"Socialismo e sindicalismo no Brasil")
a) Apresente uma característica da indústria paulista do início do século XX.
b) Estabeleça relações entre a cafeicultura e o início do desenvolvimento da indústria paulista.
CAPÍTULO 02
A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918)
01- (FUVEST) Os Tratados de Paz assinados ao fim da Primeira Guerra Mundial "aglutinaram
vários povos num só Estado, outorgaram a alguns o status de 'povos estatais' e lhes confiaram o
HISTÓRIA
263
governo, supuseram silenciosamente que os outros povos nacionalmente compactos (como os
eslovacos na Tchecoslováquia ou os croatas e eslovenos na Iugoslávia) chegassem a ser
parceiros no governo, o que naturalmente não aconteceu e, com igual arbitrariedade, criaram com
os povos que sobraram um terceiro grupo de nacionalidades chamadas minorias, acrescentando
assim aos muitos encargos dos novos Estados o problema de observar regulamentos especiais,
impostos de fora, para uma parte de sua população. (... ) Os Estados recém-criados, por sua vez,
que haviam recebido a independência com a promessa de plena soberania nacional, acatada em
igualdade de condições com as nações ocidentais, olhavam os Tratados das Minorias como óbvia
quebra de promessa e como prova de discriminação."
(Hannah Arendt, AS ORIGENS DO TOTALITARISMO)
A alternativa mais condizente com o texto é:
a) após a Primeira Guerra, os Tratados de Paz estabelecidos solaparam a soberania e
estabeleceram condicionamentos aos novos Estados do Leste europeu através dos Tratados
das Minorias, o que criou condições de conflitos entre diferentes povos reunidos em um
mesmo Estado.
b) o surgimento de novos Estados-nações se fez respeitando as tradições e instituições dos
povos antes reunidos nos impérios que desapareceram com a Primeira Guerra Mundial.
c) os Tratados de Paz e os Tratados das Minorias restabeleceram, no mundo contemporâneo, o
sistema de dominação característico da Idade Média.
d) apesar dos Tratados de Paz estabelecidos depois da Primeira Guerra terem tido algumas
características arbitrárias em relação aos novos Estados-nações do Leste europeu, o
desenvolvimento histórico destas regiões demonstra que foi possível uma convivência
harmoniosa e gradativamente ocorreu a integração entre as minorias e as maiorias nacionais.
e) os Tratados de Paz depois da Primeira Guerra conseguiram satisfazer os vários povos do
Leste europeu. O que perturbou a convivência harmoniosa foi o movimento de refugiados das
revoluções comunistas.
02 - (UNESP) A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) resultou de uma alteração da ordem
institucional vigente em longo período do século XIX. Entre os motivos desta alteração, destacamse
a) a divisão do mundo em dois blocos ideologicamente antagônicos e a constituição de países
industrializados na América.
b) a desestabilização da sociedade européia com a emergência do socialismo e a constituição
de governos fascistas nos países europeus.
c) o domínio econômico dos mercados do continente europeu pela Inglaterra e o cerco da
Rússia pelo capitalismo.
d) a oposição da França à divisão de seu território após as guerras napoleônicas e a
aproximação entre a Inglaterra e a Alemanha.
e) a unificação da Alemanha e os conflitos entre as potências suscitados pela anexação de
áreas coloniais na Ásia e na África.
03 - (UFMG) Leia estes trechos de depoimentos de ex-combatentes da Primeira Grande Guerra:
Uma certa ferocidade surge dentro de você, uma absoluta indiferença para com tudo o que existe
no mundo, exceto o seu dever de lutar. Você está comendo uma crosta de pão, e um homem é
atingido e morto na trincheira perto de você. Você olha calmamente para ele por um momento e
continua a comer o seu pão. Por que não?
HISTÓRIA
264
Aqui desapareceu para sempre o cavalheirismo. Como todos os sentimentos nobres e pessoais,
ele teve de ceder o lugar ao novo ritmo da batalha e ao poder da máquina. Aqui a nova Europa se
revelou pela primeira vez no combate.
(Citados por EKSTEINS, Modris. "A sagração da primavera". Rio de Janeiro: Rocco, 1992.)
Com base na leitura desses trechos, é correto afirmar que o impacto dessa guerra
a) acelerou o processo de libertação das colônias afro-asiáticas, que se tornaram Estados
independentes a partir de então.
b) deu origem a um influente movimento contra as guerras, que criou uma ordem internacional
pacífica.
c) levou ao fortalecimento e consolidação dos regimes liberais já existentes, além de contribuir
para o surgimento de novas democracias.
d) provocou uma crise nos valores dominantes até então, gerando descrédito em relação ao
humanismo e ao racionalismo.
04 - (MACKENZIE) Segundo o historiador Eric J. Hobsbawn, a discussão sobre a gênese da
Primeira Guerra Mundial tem sido ininterrupta desde agosto de 1914.
A questão permaneceu viva porque o problema das origens das guerras mundiais infelizmente
tem se recusado a desaparecer desde 1914. De fato, em nenhum outro ponto a vinculação entre
as preocupações passadas e presentes é mais evidente que na história da Era dos Impérios.
Assinale a alternativa que apresenta as causas da I Guerra Mundial.
a) O imperialismo, o rompimento do equilíbrio europeu, o nacionalismo, a política das alianças,
as questões balcânicas, o incidente de Sarajevo.
b) A ascensão militar dos EUA, o fascismo, o desemprego, a partilha da África, o
neocolonialismo e o desmembramento da Tchecoslováquia.
c) O Anschluss, a Política de apaziguamento, a crise da Etiópia, a formação do Eixo, a
Conferência de Versalhes.
d) O fim dos Impérios Otomano e Áustro-Húngaro, a formação da Tríplice Entente, o Plano
Schlieffen, o assassinato do Arquiduque Ferdinando.
e) A crise do Marrocos, o Pan-eslavismo russo, a ascensão de Lênin, a partilha da África e da
Ásia, e o surgimento da Liga das Nações.
05 - (PUCPR) Uma das causas da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) foi o rompimento do
equilíbrio europeu, representado
a) pela França, potência em crescente expansão após dominar enormes áreas da África do
Norte.
b) pela Rússia, cujo crescimento industrial a equiparava à Inglaterra e à Alemanha.
c) pela Alemanha, unificada em 1870/71, em rápido crescimento industrial e capaz de desafiar o
poderio inglês.
d) pela Inglaterra, que monopolizava a produção industrial européia.
e) pelos Estados Balcânicos, unificados pela "Grande Sérvia", que ameaçavam apoderar-se do
Egito e Mesopotâmia.
06 - (MACKENZIE) Os fatores responsáveis pela eclosão da I Guerra Mundial podem ser
resumidos por:
a) revisionismo alemão, corrida armamentista, Pan-eslavismo e Revolução Russa.
b) choques imperialistas entre a França e a Inglaterra, Pacto Anti-Komintern e desmembramento
do Império Austro-Húngaro.
HISTÓRIA
265
c) reorganização das fronteiras das nações balcânicas, surgimento do nazismo, desagregação
do Império Otomano.
d) fracasso da política de apaziguamento inglesa, anexação da Tchecoslováquia, rearmamento
alemão e crise do Marrocos.
e) Imperialismo, rompimento do equilíbrio europeu, Nacionalismo e Política de Alianças.
07 - (PUC-RIO) As duas grandes Guerras Mundiais foram travadas a partir de contextos políticos
muito diferentes. No entanto, é possível identificar certas continuidades entre os dois conflitos.
Sobre essas semelhanças, podemos afirmar que:
I - ambas as guerras tiveram início nas agitações e turbulências políticas promovidas por grupos
nacionalistas nos Balcãs. O nacionalismo étnico da Sérvia e da Bósnia foram o estopim para as
ações militares que deram origem aos conflitos mundiais;
II - as duas guerras envolveram a participação da maioria dos cidadãos dos países envolvidos,
atingindo indiscriminadamente a população civil. A mobilização de tão grande contingente humano
foi possível graças ao uso ampliado de meios de comunicação de massa;
III - nas duas Guerras Mundiais, o emprego de armamentos em escala maciça exigiu a rápida
conversão de grande parte das indústrias dos países envolvidos para a produção bélica;
IV - as duas guerras estão diretamente relacionadas às crises sociais típicas do capitalismo
imperialista que, reduzindo a oferta de empregos fazem fracassar as políticas econômicas dos
principais países industrializados.
Assinale a alternativa:
a)
b)
c)
d)
e)
se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.
se somente as afirmativas I, III e IV estiverem corretas.
se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
se somente as afirmativas II e IV estiverem corretas.
08 - (PUCPR) A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) significou o fim da preponderância européia
no mundo e o início da hegemonia dos Estados Unidos. Assinale a alternativa correta:
a) O Brasil, então com economia agropecuária, não participou do conflito, quer direta ou
indiretamente.
b) Tendo em vista as limitações da tecnologia, aviões e submarinos não foram empregados na
grande luta.
c) A luta teve início com a invasão alemã na Rússia, em busca de espaço vital.
d) Uma das conseqüências da guerra foi a proclamação da forma monárquica de governo na
Rússia e Áustria-Hungria.
e) Uma conseqüência política da guerra foi o surgimento do totalitarismo de direita na Europa
(nazifascismo).
09 - (UFPR) No final do século XIX e início do século XX, por detrás de uma aparente
tranqüilidade do cenário político europeu, escondia-se um clima de instabilidade e tensão que
acabaria por mergulhar a Europa na Primeira Grande Guerra.
Destaque e comente dois dos fatores que contribuíram para essa instabilidade.
HISTÓRIA
266
10 - (UFPE) Sobre o período compreendido entre a primeira e segunda guerra mundial assinale a
alternativa correta.
a) Apesar da vitória alcançada na Primeira Guerra, os países em que as democracias liberais
dominavam não conseguiram evitar a crise generalizada diante da desorganização econômica
européia.
b) Após a 1a Guerra, a Itália e a Alemanha passaram a viver um período de muito
desenvolvimento e fortalecimento da ordem democrática interna.
c) O fascismo italiano e o nazismo alemão cresceram com o apoio exclusivo dos militares, já que
a burguesia por sua tradição sempre foi defensora das instituições liberais.
d) Após a 1a Guerra, cresceram os discursos em favor da volta à monarquia, associada à Igreja
Católica, a quem a população deveria subordinar-se totalmente, para alcançar a ordem e a
prosperidade geral.
e) Uma das estratégias utilizadas pelo fascismo na Itália, como pelo nazismo na Alemanha, foi a
tolerância em relação a todos que lhe faziam oposição.
11 - (PUCMG) Durante a palmeira metade do século XVI, ocorreu um cisma na Igreja Católica, em
conseqüência do qual foi estabelecido o conjunto de Igrejas ditas protestantes. Apresentando
divergências doutrinárias e litúrgicas visíveis, o luteranismo, o calvinismo e o anglicanismo
apresentam como ponto comum:
a)
b)
c)
d)
a manutenção da hierarquia eclesiástica.
a predestinação como fonte da salvação.
a não-aceitação da supremacia do papado.
a supressão de todos os sacramentos.
12 - (UFRJ) " (...) a guerra de 1914-18 foi, de ambos os lados, uma guerra imperialista (isto é,
uma guerra de conquista, de pilhagem, de pirataria), uma guerra pela partilha do mundo, pela
distribuição e redistribuição das colônias, das 'zonas de influência do capital financeiro', etc.
...O capitalismo se transformou num sistema universal de opressão colonial e de asfixia financeira
da imensa maioria da população do globo por um punhado de países avançados. E a partilha
deste 'saque' faz-se entre duas ou três aves de rapina, com importância mundial, armadas até os
dentes (América, Inglaterra, Japão), que arrastam consigo toda a Terra na sua guerra pela partilha
de seu saque".
(LENIN, Vladimir I. "O imperialismo: fase superior do capitalismo". São Paulo,
Global, 1985. p.9-11.)
a) Explique uma das principais características da fase monopolista do capitalismo.
HISTÓRIA
267
b) Relacione capitalismo monopolista à Primeira Guerra Mundial.
13 - (PUCMG) Dentre os vários fatores que podem ser arrolados como responsáveis pela Primeira
Grande Guerra, destacam-se, exceto:
a) o aumento da tensão nos Balcãs, fruto das aspirações autonomistas dos inúmeros grupos
étnicos que ocupavam aquela região.
b) a crescente disputa econômica travada entre o Império Alemão, potência emergente, e a GrãBretanha, nação hegemônica.
c) a pretensão da Alemanha em reanexar a região da Prússia Oriental ao território germânico,
separada pelo corredor polonês.
d) o fim da diplomacia bismarckiana e adoção de uma política expansionista comandada pelo
Imperador Guilherme II.
e) o acirramento do espírito revanchista francês, reavivando os ódios adormecidos e reforçando
o sentimento antigermânico da população.
14 - (PUCCAMP) I. "... a disputa de mercados pela indústria inglesa, mais antiga, e a emergente
indústria alemã;"
II. "... conflitos do capital internacional e problemas das minorias nacionais oprimidas pelos
grandes impérios;"
III. "... interesse anglo-francês em manter a sua hegemonia imperialista sobre as áreas periféricas
do planeta, situação privilegiada, ameaçada pela concorrência da Alemanha Imperial, recémchegada à corrida neocolonialista."
Aos itens I, II e III pode-se associar
a) as conseqüências da escalada militarista e expansionista durante o Nazi-fascismo.
b) os aspectos das relações políticas internacionais no período Entre-Guerras.
c) as razões da descolonização afro-asiática após a Segunda Guerra Mundial.
d) as causas principais dos conflitos étnicos no Leste Europeu.
e) os fatores responsáveis pela Primeira Guerra Mundial.
15 - (PUCCAMP) No século XVI, diversos movimentos reformistas de caráter religioso
despontaram na Europa. Sobre esses movimentos é correto afirmar que o
a) Concílio de Trento marcou a reação da Igreja à difusão do Protestantismo, reafirmando os
dogmas católicos e fortalecendo os instrumentos de poder do papado, tais como o Tribunal do
Santo Ofício e a criação do índice de Livros Proibidos.
HISTÓRIA
268
b) Luteranismo difundiu-se rapidamente entre os segmentos servis da Alemanha e das regiões
nórdicas, pois pregava a insubordinação e a luta armada dos camponeses contra a nobreza
senhorial e o clero, aliados políticos nessas regiões.
c) Calvinismo significou um recrudescimento das concepções e práticas reformistas, pois criticou
os valores burgueses através da condenação do empréstimo de dinheiro a juros e do trabalho
manual.
d) Anglicanismo reforçou a autoridade do Vaticano na Inglaterra, com a promulgação do Ato de
Supremacia, por Henrique VIII, que devolveu os bens e as propriedades do clero católico
confiscadas pela nobreza inglesa.
e) Humanismo foi o último movimento reformista que criticou os abusos contidos nas práticas da
Igreja Católica, propondo a escolha do Papa pelos imperadores e reis.
16 - (PUCCAMP) Em relação às causas da Primeira Guerra Mundial é correto afirmar que
a) a incapacidade dos Estados liberais em solucionar a crise econômica do século XIX colocou
em xeque toda a estrutura do sistema capitalista. A instabilidade política e social das nações
européias impulsionou as disputas colonialistas e o conflito entre as potências.
b) a desigualdade de desenvolvimento das nações capitalistas européias acentuou a rivalidade
imperialista. A disputa colonial marcada por um nacionalismo agressivo e pela corrida
armamentista expandiu os pontos de atrito entre as potências.
c) o sucesso da política de apaziguamento e do sistema de aliança equilibrou os sistema de
forças entre as nações européias, acirrando as lutas de conquistas das colônias da África e da
Ásia.
d) o expansionismo na Áustria, a invasão da Polônia pelas tropas alemãs assustaram a
Inglaterra e a França que reagiram contra a agressão declarando guerra ao inimigo.
e) o desequilíbrio entre produção e consumo incentivou a conquista de novos mercados
produtores de matérias-primas e consumidores de bens-de-produção reativando as
rivalidades entre os países europeus e os da América do Norte.
CAPÍTULO 03
REVOLUÇÃO RUSSA - 1917
01 - (PUCPR) A respeito da Revolução Socialista na Rússia e da URSS (União das Repúblicas
Socialistas Soviéticas) é correto afirmar:
a) A Revolução socialista que derrubou o Governo de Kerensky, o qual estabelecera uma
república liberal-burguesa, exilou a Família Imperial Romanov em Paris.
b) A Revolução Socialista chegou ao poder com a liderança de Lênin e Leon Trotsky e se
empenhou em manter a Rússia na Primeira Guerra Mundial, fiel ao tratado da Tríplice
Entente.
c) Exceto a Comuna de Paris (1871), a Revolução Socialista na Rússia significou a instauração
do primeiro governo inspirado na ideologia de Karl Marx - Frederico Engels.
d) Após a morte de Lênin, Stálin triunfou na luta pelo poder com Trotsky e defendeu sempre a
idéia da "Revolução Permanente", de que deveria o modelo ser levado ao restante da Europa
e ao mundo.
e) A URSS terminou, como organização política, em 1945, quando terminou também a Segunda
Guerra Mundial.
02 - (PUCRS) Responder à questão com base nas afirmativas abaixo, sobre a Revolução Russa
de 1917.
HISTÓRIA
269
I. A Revolução teve origem no fracasso das negociações diplomáticas entre Rússia e Alemanha
em torno da cidade de Dantzig e do desejado Corredor Polonês.
II. A Revolução caracterizou-se como um movimento liberal, organizado pelos intelectuais
orgânicos dos Sovietes dos Camponeses, Burgueses e Operários.
III. As questões sociais relacionadas à terra, à carência de abastecimento (e fome crônica) e à
permanência da Rússia na Primeira Guerra foram fundamentais para a eclosão dessa Revolução.
IV. Trotsky e Stalin divergiram quanto aos rumos da revolução, já que o primeiro defendeu o
"socialismo em um só país", ao passo que o segundo propôs a "revolução permanente".
V. A revolução resultou na saída da Rússia da Primeira Guerra Mundial em 1917, por Lênin
considerar esta uma guerra imperialista.
A análise das afirmativas permite concluir que é correta a alternativa.
a) I, II e III
b) I, III e IV.
c) I, III e V.
d) II, III e V.
e) III, IV e V.
03 - (PUCRS) Em 1917, liderados por Lênin e Trótski, os bolcheviques ganharam popularidade
com as "Teses de Abril", enunciadas na plataforma "paz, terra e pão", que propunha
a) a manutenção da Rússia na Primeira Guerra Mundial, a conquista da Manchúria e a formação
dos soviets.
b) a saída da Rússia da Primeira Guerra Mundial, a instauração de uma monarquia parlamentar
e a formação da Guarda Vermelha.
c) a entrada da Rússia na Primeira Guerra Mundial, a instalação da ditadura do proletariado e a
adoção de uma nova política econômica (a NEP).
d) a manutenção da Rússia na Primeira Guerra Mundial, o domínio dos estreitos de Bósforo e
Dardanelos e a formação de um parlamento (DUMA).
e) a saída da Rússia da Primeira Guerra Mundial, a divisão das grandes propriedades entre os
camponeses e a regularização do abastecimento interno.
04 - (UFES) A Revolução Russa de 1917 derrubou o regime czarista e estabeleceu o socialismo
no país.
Assinale a alternativa correta em relação às medidas adotadas pelo novo governo.
a) Com a abdicação do Czar, estabeleceu-se uma aliança política entre os líderes do regime
czarista e os dirigentes do governo provisório.
b) Lênin, prisioneiro político exilado na Sibéria, ficou excluído do processo revolucionário.
c) O governo socialista colocou em prática, imediatamente, o projeto de reconstrução da
economia, a Nova Política Econômica (NEP).
d) A fase inicial do processo caracterizou-se pela alteração nas leis dos direitos civis, pela
anulação dos títulos de nobreza, pela separação entre Igreja e Estado, pela reforma agrária e
pelo fim da propriedade privada.
e) No nível político, o governo revolucionário promulgou, no mesmo ano, uma nova constituição,
que legitimou a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).
05 - (UFSCAR) Os revolucionários russos de 1917 viam-se como herdeiros da tradição de luta
dos movimentos operários do século XIX europeu.
a) Em que revoluções do século XIX houve participação efetiva da classe operária?
HISTÓRIA
270
b) Relacione, tendo em vista o entendimento da revolução bolchevista, o tipo de industrialização
ocorrido na Rússia, o poder político czarista e a Primeira Guerra Mundial.
06 - (PUCCAMP) A Revolução Socialista na Rússia, em 1917, foi um dos acontecimentos mais
significativos do século XX, uma vez que colocou em xeque a ordem socioeconômica capitalista.
Sobre o desencadeamento do processo revolucionário, é correto afirmar que:
a) os mencheviques tiveram um papel fundamental no processo revolucionário por defenderem a
implantação ditadura do proletariado.
b) os bolcheviques representavam a ala mais conservadora dos socialistas, sendo derrotados,
pelos mencheviques, nas jornadas de outubro.
c) foi realimentado pela participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial, o que desencadeou
uma série de greves e revoltas populares em razão da crise de abastecimento de alimentos.
d) foi liderada por Stalin, a partir de outubro, que estabeleceu a tese da necessidade da
revolução em um só país, em oposição a Trotsky, líder do exército vermelho.
e) o Partido Comunista conseguiu superar os conflitos que existiam no seu interior quando
estabeleceu a Nova Política Econômica que representava os interesses dos setores mais
conservadores.
07 - (PUCSP) Leia o trecho a seguir:
"O povo estava farto da guerra e havia perdido toda a confiança no czar. (...) O próprio
czar fora para o Quartel General para proteger-se; e quando tentou voltar para Petrogrado os
trabalhadores ferroviários detiveram seu trem. Todo o mecanismo da monarquia havia parado; o
czar (...) havia tentado dissolver a Quarta Duma, tal como fizera com as anteriores, mas desta vez
os parlamentares se recusaram a se dispersar, e formaram um Comitê Provisório, que nomeou o
Governo Provisório."
(Wilson, Edmund. Rumo à Estação Finlândia. SP: Companhia das Letras, 1987).
Sobre as circunstâncias em que se desenvolveram os fatos descritos acima, é correto afirmar que
a) a derrubada da monarquia, em março de 1917, na Rússia, foi conduzida pelos bolcheviques parlamentares que controlaram o poder na Duma, durante todo o Governo Provisório.
b) a precipitação do processo revolucionário russo foi produzida pela manutenção desse país na
Primeira Guerra Mundial, o que resultou em 4 milhões de baixas,
c) os sovietes - comitês locais de trabalhadores - funcionaram, desde sua criação em 1906, sob
liderança dos bolcheviques, que buscavam espaço de atuação no governo czarista.
d) as movimentações sociais que resultaram na queda da monarquia russa, em 1905, tornaramse conhecidas como "Ensaio Geral", já que funcionaram como antecâmara da revolução
socialista.
HISTÓRIA
271
e) o deputado Kerensky representou, no governo provisório, em 1917, as posições
mencheviques que, com a palavra de ordem "Todo Poder aos Sovietes", reivindicavam maior
participação popular.
08 - (UFRJ) "A sociedade burguesa moderna, que brotou das ruínas da sociedade feudal, não
aboliu os antagonismos de classes. Não fez senão substituir novas classes, novas condições de
opressão, novas formas de lutas às que existiam no passado."
(MARX, K. e ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista "Obras Escolhidas".
São Paulo, Alfa-Omega,1953. p.22. v.1.)
O elemento presente na Revolução Russa de 1917 que caracteriza a luta de classes, apontada no
Manifesto Comunista, publicado em 1848, é
a) a transformação profunda e permanente, conduzida pela burguesia através dos avanços
tecnológicos.
b) o apoio do czar russo à luta contra a exploração burguesa, promovido pelo proletariado,
exemplificando a solidariedade entre as classes sociais.
c) a liderança revolucionária, assumida pelos camponeses, confirmando a força de mobilização
dos mais espoliados.
d) o caráter transnacional do capitalismo, que permitiu a unidade do proletariado nos países
vizinhos à Rússia e a posterior invasão e tomada do País.
e) o confronto entre o proletariado e as forças dominantes (czar, exército e burguesia), indicando
que a luta de classes está no centro da história de qualquer sociedade.
09 -(PUCSP) O Governo Provisório foi deposto; a maioria de seus membros está presa. O poder
soviético proporá uma paz democrática imediata a todas as nações. Ele procederá à entrega ao
comitês camponeses dos bens dos grandes proprietários, da Coroa e da Igreja (...). Ele
estabelecerá o controle operário sobre a produção, garantirá a convocação da Assembléia
Constituinte (...). O Congresso decide que o exercício de todo o poder nas províncias é transferido
para os sovietes dos deputados operários, camponeses e soldados, que terão de assegurar uma
disciplina revolucionária perfeita.
("Declaração do Congresso dos Sovietes, novembro de 1917." In Ferro, M. A
REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917. São Paulo: Perspectiva, 1974, p.126.)
Sem a participação das forças locais, sem uma organização a partir de baixo dos camponeses e
operários, por si mesmos, é impossível construir uma nova vida. Poderia responder-me que os
sovietes serviram precisamente para esta função de criar uma organização a partir de baixo. Mas
a Rússia hoje é uma República Soviética só no nome. (...) No momento atual, são os comitês do
partido e não os sovietes que governam a Rússia. E sua organização padece de todos os defeitos
da organização burocrática.
(Kropotkin, P. "CARTA A LENIN", 04.03.1920. In: Tragtenberg, M. (org.). Kropotkin.
Textos escolhidos. Porto Alegre: LPM, p. 179.)
Após a leitura dos dois fragmentos, relativos à Revolução Russa de 1917, considere as
afirmações a seguir:
I - No primeiro fragmento, o mencionado "governo provisório" é o governo czarista, vigente na
Rússia antes da revolução de 1917, e derrubado por esta.
II - A "paz democrática" proposta a todas as nações, mencionada no primeiro fragmento, refere-se
à suspensão da participação russa na Primeira Guerra Mundial.
III - O segundo fragmento, escrito dois anos e meio após o primeiro, concorda com a idéia,
expressa no primeiro fragmento, de que o poder deve ficar nas mãos dos sovietes.
IV - O segundo fragmento discorda do primeiro, ao afirmar que o poder deve ficar com os comitês
do partido, e não com os sovietes.
HISTÓRIA
272
V - O segundo fragmento concorda com a idéia, indicada no primeiro fragmento, de atribuir todo o
poder aos sovietes, mas afirma que isso não ocorreu ainda.
Indique quais das afirmações anteriores são corretas.
a)
b)
c)
d)
e)
I, II e V
II, III e V
I, III, IV
III, IV e V
I, II e IV
10 - (PUC-RIO) O Estado alemão durante o regime de Hitler e o Estado soviético sob Stálin
costumam ser pensados como Estados totalitários. Considere as seguintes afirmativas sobre
esses estados:
I. Em ambos, a organização do partido - quer o nazista, quer o bolchevique - acabou confundindose com a organização do Estado, dando origem a uma política de partido único.
II. Os governos da Alemanha hitlerista e da Rússia stalinista fundavam sua legitimidade
apresentando-se como únicas alternativas aos fracassos políticos e econômicos dos impérios
alemão e russo.
III. Os Estados hitlerista e stalinista utilizaram a propaganda política nos meios de comunicação e
a política secreta como armas eficazes na eliminação dos seus adversários políticos.
IV. A crise do capitalismo mundial de 1929 forneceu os principais argumentos para a
implementação de uma política de restrição à ação do grande capital monopolista, por parte do
Estado, tanto na Alemanha quanto na União Soviética.
Assinale a opção que contém as afirmativas corretas:
a)
b)
c)
d)
e)
somente I e II.
somente I e III.
somente I, III e IV.
somente II e III.
somente II e IV.
11 - (MACKENZIE) "Hoje ainda é moda (...) falar da Revolução bolchevique como de uma
'aventura'. Muito bem, se for uma aventura, trata-se de uma das mais maravilhosas em que já se
empenhou a humanidade, aquela que abriu às massas laboriosas o campo da história,... "
John Reed
Assinale os acontecimentos que levaram o Jornalista John Reed a entusiasmar-se com a
Revolução.
a) A implementação de um projeto socialista desvinculado do elemento democrático e das
aspirações internacionalistas, reafirmando os ideais nacionalistas dos sovietes.
b) A substituição do Estado por uma sociedade de homens livremente associados, sem leis
codificadas.
c) A implantação do primeiro Estado socialista, representativo das aspirações operárias e
camponesas, alterando, na Rússia, as relações sociais capitalistas de produção.
d) A construção do Estado comunista, através da organização de uma sociedade de classes.
e) O apaziguamento das agitações operárias, através do fortalecimento dos partidos políticos na
Rússia czarista.
12 -(UFRS) Assinale a linha de tempo que contém a sequência cronológica correta dos fatos
pertinentes ao processo histórico da Revolução Soviética e da União Soviética.
HISTÓRIA
273
a) Perestróika - Planos Qüinqüenais - XX Congresso do PCUS - Comunismo de Guerra - NEP
b) Revolução de Outubro - Processos de Moscou - Planos Qüinqüenais - Guerra Civil - NEP
c) Comunismo de Guerra - Processos de Moscou - Revolução de Outubro - Guerra Civil Glasnost
d) Revolução de Outubro - Comunismo de Guerra - Glasnost - XX Congresso do PCUS Planos Qüinqüenais
e) Guerra Civil - NEP - Processos de Moscou - XX Congresso do PCUS – Perestróika.
13 - (PUCCAMP) "... ou o poder se transfere para as mãos dos operários, soldados e
camponeses revolucionários; e, nesse caso, significará a abolição total da tirania dos donos de
terras, o aniquilamento imediato dos capitalistas, a proposta urgente de uma paz justa. A terra
estará garantida para os camponeses, o controle da indústria assegurado aos operários. Haverá
pão para os que têm fome e essa guerra absurda chegará ao fim!..."
Pode-se associar ao texto a Revolução
a)
b)
c)
d)
e)
Americana.
Francesa.
Russa.
Gloriosa.
Puritana.
14 - (UFMG) Leia o texto.
"Nenhumas dúvidas são possíveis. Os kulaques são o inimigo enraivecido do Poder Soviético. Ou
os kulaques degolarão um número infinito de operários, ou os operários esmagarão
impiedosamente as insurreições da minoria kulaque, espoliadora do povo contra o poder dos
trabalhadores. Aqui não pode haver meio termo. Não pode haver paz: o kulaque pode, e pode
facilmente, conciliar-se com o latifundiário, com o tzar e com o padre mesmo que tenham brigado,
mas nunca com a classe operária.
Guerra implacável contra estes kulaques! Morte a eles! Ódio e desprezo aos partidos que o
defendem: os socialistas-revolucionários de direita, os mencheviques e os atuais socialistasrevolucionários de esquerda! Os operários devem esmagar com mão de ferro as insurreições dos
kulaques, que concluíram uma aliança com os capitalistas estrangeiros contra os trabalhadores do
seu país."
(LENINE, Vladimir. MARCHAREMOS PARA O ÚLTIMO E DECISIVO COMBATE!
Agosto, 1918.)
Considerando as idéias contidas nesse texto, o conflito dos bolcheviques com os kulaques, após a
revolução de 1917, pode ser relacionado a todas as seguintes situações, exceto:
a) Disputas com os mencheviques e socialistas-revolucionários pelo controle do governo.
HISTÓRIA
274
b) Oposição à Nova Política Econômica, que permitia a volta de práticas capitalistas, política tida
como abandono da Revolução.
c) Conflito com o Exército Branco, integrado pelos partidários do tzarismo, financiado pelas
potências européias.
d) Necessidade de controlar a produção agrícola para reverter a crise de fome e mortandade nas
cidades.
15 - (CESGRANRIO) "Desde os primeiros dias da Revolução, o nosso partido teve a convicção de
que a lógica dos acontecimentos o levaria ao poder."
(Leon Trotsky)
Tal convicção foi posteriormente confirmada e a Revolução Russa de 1917 caracterizou-se como
um dos mais importantes acontecimentos históricos da primeira metade do século XX, na medida
em que significou a tentativa de se implantar o primeiro Estado socialista, experiência até então,
sem precedentes. Dentre os fatores que favoreceram a eclosão dessa Revolução, identificamos
corretamente o(a):
a) acirramento da crise econômica e social decorrente da participação da Rússia na Primeira
Guerra Mundial, que agravou a carestia generalizada de alimentos e as greves, e enfraqueceu
a autoridade governamental do Czar.
b) desenvolvimento tardio do capitalismo industrial na Rússia, que favoreceu o afastamento da
aristocracia rural e do exército da base de poder da monarquia czarista, substituídos pela
burguesia e o operariado.
c) substituição da autocracia czarista por um governo fundamentado em uma monarquia
parlamentar liberal, que ampliou os direitos políticos individuais fortalecendo os partidos
políticos, inclusive os mencheviques revolucionários.
d) Revolução burguesa de 1905, que concedeu autonomia política e administrativa às
nacionalidades que formavam o Império Russo, implementando uma política de reforma
agrária que extinguiu os privilégios da aristocracia fundiária e da Igreja Ortodoxa.
e) vitória dos bolcheviques e mencheviques nas eleições da Duma legislativa (1906) convocada
pelo Czar, após o "Domingo Sangrento", na qual obtiveram uma maioria parlamentar que
possibilitou a implantação de diversas reformas econômicas socializantes.
16 - (UFMG) "Durante a Revolução de 1917, quase todas as nacionalidades da Rússia
enxergaram na queda do czarismo e, depois, na do governo provisório a oportunidade para
recuperarem sua liberdade."
(FERRO, Marc. HISTÓRIA DAS COLONIZAÇÕES: DAS CONQUISTAS ÀS
INDEPENDÊNCIAS - SÉCULOS XIII A XX. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.)
Todas as alternativas apresentam afirmações corretas sobre a questão das nacionalidades na
URSS, exceto
a) A tese da revolução mundial promoveu uma revisão pelos bolcheviques do princípio da
autodeterminação dos povos.
b) Lenin, enquanto líder expressivo da Revolução Russa, sempre se manifestou contra o
princípio da autodeterminação dos povos.
c) O direito à autodeterminação dos povos, embora proclamado pelos revolucionários de 17,
nunca foi efetivamente praticado.
d) O fracasso na resolução do problema das nacionalidades pelo governos comunistas ficou
evidente no momento da fragmentação da antiga URSS.
HISTÓRIA
275
CAPÍTULO 04
O CRASH FINANCEIRO GLOBAL
01 - (FUVEST) O período entre as duas guerras mundiais (1919-1939) foi marcado por:
a) crise do capitalismo, do liberalismo e da democracia e polarização ideológica entre fascismo e
comunismo.
b) sucesso do capitalismo, do liberalismo e da democracia e coexistência fraterna entre fascismo
e comunismo.
c) estagnação das economias socialista e capitalista e aliança entre os E.U.A. e a U.R.S.S. para
deter o avanço fascista na Europa.
d) prosperidade das economias capitalista e socialista e aparecimento da guerra fria entre os
E.U.A e a U.R.S.S.
e) coexistência pacífica entre os blocos americano e soviético e surgimento do capitalismo
monopolista.
02 - (UFMG) A riqueza dos anos 20 do século XX, traduzida pela crença otimista no modo de vida
americano - "o american way of life" -, popularizado durante o "New Deal", e a depressão
econômica dos anos 30 do mesmo século, com suas enormes filas de pobres e desempregados,
estiveram relacionados à
a) alta crescente dos preços agrícolas, que impediram o deslocamento do poder aquisitivo para
a compra de bens industriais e serviços.
b) decisão norte-americana de reduzir o ritmo da produção industrial e agrícola alcançado no
período da Guerra de 1914-1918.
c) expansão da oferta de mercadorias, da publicidade e da indústria do lazer favorecidas pelo
crédito fácil e aliadas à especulação com ações.
d) onda puritana que fortaleceu o espírito de poupança, contendo os investimentos da classe
média e do operariado.
CAPÍTULO 05
A ASCENSÃO DOS REGIMES TOTALITÁRIOS NA
EUROPA
01- (UNIFESP) Morrer pela Pátria, pela Idéia [...] Não, isso é fugir da verdade. Mesmo no front,
matar é que é importante [...] Morrer não é nada, isso não existe. Ninguém pode imaginar sua
própria morte. Matar é o importante. Essa é a fronteira a ser cruzada. Sim, esse é o ato concreto
de vontade. Porque aí você torna sua vontade viva na de outro homem.
Esse texto, de 1943-45, expressa a visão de mundo de um adepto da ideologia
a) comunista.
b) liberal.
c) fascista.
d) anarquista.
e) darwinista.
HISTÓRIA
276
02- (UNICAMP) A tentativa dos nazistas de dissimular suas atrocidades nos campos de
concentração e de extermínio resultou em completo fracasso. Muitos sobreviventes desses
campos sentiram-se investidos da missão de testemunhar e não deixaram de cumpri-la, alguns
logo depois de serem libertados e outros, quarenta e até cinqüenta anos mais tarde. (Adaptado de
Tzvetan Todorov, "Memória do mal, tentação do bem. Indagações sobre o século XX." ARX, 2002,
p. 211.)
a) Caracterize o contexto histórico em que surgiram os campos de concentração e de extermínio.
b) Que parcelas da população foram aprisionadas nesses campos?
c) Com base no texto, explique a importância do testemunho dos sobreviventes.
04- (UFRJ) Apresente um argumento que permita afirmar ter sido a Guerra Civil Espanhola uma
espécie de antecipação da Segunda Guerra Mundial.
05- (UFRJ) Explique um dos conflitos sociais presentes na Espanha que se manifestaram na
Guerra Civil.
HISTÓRIA
277
06- (FGV) "Hitler considerava que a propaganda sempre deveria ser popular, dirigida às massas,
desenvolvida de modo a levar em conta um nível de compreensão dos mais baixos. 'As grandes
massas', dizia ele, 'têm uma capacidade de recepção muito limitada, uma inteligência modesta,
uma memória fraca'. Por isso mesmo, a propaganda deveria restringir-se a pouquíssimos pontos,
repetidos incessantemente...Tudo interessa no jogo da propaganda: mentiras, calúnias; para
mentir, que seja grande a mentira, pois assim sendo, 'nem passará pela cabeça das pessoas ser
possível arquitetar uma tão profunda falsificação da verdade'".
(Lenharo, Alcir, Nazismo, "o triunfo da vontade". 6 ヘ ed., São Paulo, Ática, 1998, p.4748.)
A respeito do nazismo é correto afirmar:
a) Não pode ser definido como um regime totalitário, uma vez que a aceitação de sua doutrina
foi conseguida pelo convencimento das massas populares, através de uma intensa
propaganda.
b) Utilizou-se da propaganda para construir uma imagem grandiosa da Alemanha, para louvar
seu líder Adolph Hitler e para estimular a perseguição a grupos considerados perigosos,
traidores e inferiores à raça ariana.
c) Os grandes espetáculos eram espontaneamente organizados pelas massas e contavam com
uma diversidade de símbolos e bandeiras representando a pluralidade étnica característica da
Alemanha.
d) A celebração procurava interferir na educação da juventude alemã, uma vez que as escolas
conseguiram manter-se a salvo das influências nazistas.
e) Apesar da intensa propaganda, o número de parlamentares eleitos pelo partido nazista
manteve-se estável na década de 1930, formando uma ruidosa minoria que só chegaria ao
poder pelo golpe de Estado de 1933.
07- (UFRJ) "O TRATADO DE PAZ DE VERSALHES (28 DE JUNHO DE 1919)
Art. 45 - Em compensação da destruição das minas de carvão no norte da França... (a
Alemanha) cede à França a propriedade inteira e absoluta das minas de carvão situadas na bacia
do Sarre... Art. 51 - Os territórios cedidos à Alemanha em virtude dos preliminares de paz
assinados em Versalhes a 26 de fevereiro de 1871 e do Tratado de Frankfurt de 10 de maio de
1871 (Alsácia e Lorena) são reintegrados na soberania francesa a datar do armistício de 11 de
novembro de 1918... Art. 80 - A Alemanha reconhece e respeitará estritamente a independência
da Áustria... Art. 81 - A Alemanha reconhece a completa independência da Polônia... Art. 119 - A
Alemanha renuncia, a favor das Principais Potências aliadas e associadas (Estados Unidos,
Império Britânico, França, Itália e Japão), a todos os seus direitos e títuIos sobre as suas
possessões de além-mar..."
(VOILLIARD, O. e outros. Documentos de História. In: FREITAS, Gustavo de.
"900 textos e documentos de História". Lisboa, Plátano. p.273.)
O Tratado de Versalhes, pretensamente voltado a garantir a paz em uma Europa
devastada pela 1a Guerra Mundial 1914/18), acabou por tornar-se símbolo de opressão nacional
para muitos alemães, sendo então (no período entre as duas guerras mundiais) motivador de
reações ultranacionalistas.
HISTÓRIA
278
a) Retire do texto do Tratado de Vesalhes o artigo cujo desrespeito pelos alemães em 1939 levou
a eclosão da 2a Guerra Mundial.
b) Explique as reações ultranacionais dos alemães a partir de um dos artigos da Paz de
Versalhes, citado acima.
08- (PUCMG) Os regimes de exceção (totalitarismo) que se estabeleceram durante o período do
entre-guerras fundamentavam-se:
a)
b)
c)
d)
e)
no fortalecimento do sistema partidário.
na oposição às manifestações de religiosidade.
na edificação de um Estado forte e onipresente.
na valorização dos princípios liberais.
no estabelecimento dos direitos individuais.
09- (MACKENZIE) Crises econômicas estimularam o crescimento dos partidos de esquerda na
Europa durante as primeiras décadas do século XX. A burguesia incentivou setores da classe
trabalhadora e as classes médias a buscarem um regime autoritário que traria ordem e segurança.
Assinale a alternativa que apresenta as características desse regime.
a) Anticomunismo, totalitarismo, antiliberalismo, culto à violência, militarismo, racismo e o
nacionalismo xenófobo.
b) Capitalismo de estado, revolução permanente, racionalismo, anti-semitismo, individualismo e
o imperialismo.
c) Nacional socialismo, anticlericalismo, internacionalismo, corporativismo, revisionismo,
neopositivismo e o semitismo.
d) Positivismo, sindicalismo, antiliberalismo, anti-semitismo, coletivismo, idealismo, fascismo e o
antioperariado.
e) Autoritarismo, neocapitalismo, liberalismo, arianismo, racionalismo, corporativismo,
individualismo e o pluripartidarismo.
10- (UERJ) "O fascismo, como o nacionalismo, perseguia a conexão do passado com o presente,
oferecendo aos indivíduos a oportunidade de se empenharem num projeto comum para o futuro
de sua nação, uma entidade a que eles pertenciam e que os transcendia. Integrando o
proletariado à comunidade nacional, o fascismo consegue apagar a identificação, efetuada pela
HISTÓRIA
279
democracia, da nação com a burguesia. (...) A nação, como entidade complexa, baseada na
ligação com um território determinado, passado histórico, valores e culturas comuns, mostrava
uma vez mais a força da consciência comum de seus habitantes e sua vontade de decidir o
destino político comum. A nação revela-se o foco primordial da lealdade."
(GUIBERNAU, Montserrat. "Nacionalismos: o estado nacional e o nacionalismo no século
XX". Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.)
Tomando como ponto de referência o texto, uma das características do nacionalismo de tipo
fascista pode ser identificada na seguinte alternativa:
a)
b)
c)
d)
proposição de uma idéia de nação acima dos interesses de classe
propaganda de símbolos da nação identificados com os valores de classe
organização do proletariado em uma comunidade única vinculada à nação
constituição de uma consciência antinacional oposta à idéia de uma cultura comum
11- (PUCSP) O período que separou a Primeira Guerra Mundial da Segunda Guerra Mundial
caracteriza-se, entre outras coisas,
a) pela radicalização política entre esquerda e direita; no primeiro caso, destaca-se a vitória do
projeto bolchevique na Revolução Russa, no segundo, a ascensão do nazi-fascismo em
várias partes da Europa.
b) pelos contrastes econômicos no ocidente, havendo avassaladora crise econômica na Europa
e tranqüilidade e progresso financeiro contínuo nos Estados Unidos e nos países latinoamericanos.
c) pela presença de governos democráticos e política exterior de neutralidade e autonomia em
toda a América Latina, destacando-se o peronismo na Argentina, o varguismo no Brasil e o
cardenismo no México.
d) pelos constantes enfrentamentos políticos e armados entre defensores do predomínio militar
norte-americano, representado pela OTAN, e os partidários da União Soviética, líder do Pacto
de Varsóvia.
e) pelas ações intervencionistas desenvolvidas por algumas das potências mundiais, manifestas,
por exemplo, na presença francesa e inglesa no norte da África ou na participação norteamericana na Guerra do Vietnã.
12- (UFES) NEONAZISMO É QUESTÃO DE SEGURANÇA NACIONAL
Alarmada com aumento da violência no Leste, Alemanha passa a tratar ataques
racistas como ameaça ao país.
BERLIM. A violência da extrema-direita corrói a Alemanha de forma nunca vista desde
o fim da ditadura de Hitler...
"O Globo", 17/9/2000.
O neonazismo atual tem suas raízes em idéias nazistas que surgiram e se
fortaleceram no intervalo entre as duas grandes guerras mundiais.
Relacione, no período de entreguerras,
a) a crise de 1929 com a ascensão do nazismo;
b) a ideologia racista com o nazismo.
HISTÓRIA
280
13- (FUVEST) "Havia o professor responsável pela classe que algumas vezes aparecia de
uniforme. Ele nos explicou o comunismo: 'Comunismo é quando passamos por um açougue onde
está pendurada uma lingüiça. Quebramos então a vitrine e levamos a lingüiça. Isso é comunismo."
[...]
(Heiner Müller. "Guerra sem batalha".)
Com base no relato do autor, membro da Juventude Hitlerista, explique
a) a concepção de comunismo do professor.
b) como o regime nazista combatia esse inimigo.
14- (UERJ) "Sempre que os juízes achavam possível distorcer a lei em benefício da reação, eles
o faziam: Hitler, sendo austríaco, deveria ter sido deportado após seu "putsch", mas foi-lhe
permitido permanecer na Alemanha porque ele se considerava alemão. Por outro lado, contra os
espartaquistas, comunistas ou cândidos jornalistas, as cortes procediam com maior rigor."
(GAY, Peter. "A cultura de Weimar". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.)
O texto acima, sobre a República de Weimar na Alemanha, expressa um dos aspectos da crise
vivida por aquele país no período do entreguerras.
Alguns dos problemas enfrentados pela Alemanha, nesse período, estão relacionados com o
seguinte fato:
a)
b)
c)
d)
As cortes alemãs aliavam-se à imprensa no combate à esquerda.
A esquerda alemã estabeleceu vínculos de dependência com o judiciário.
Os juízes alemães procuravam conciliar interesses da esquerda e da direita.
A direita alemã obteve um tratamento diferenciado da esquerda nos tribunais.
15- (UFRJ) A ascensão política do austríaco Joerg Hider tem provocado reações variadas. Uma
parte dos especialistas procura aproximar sua plataforma às práticas do velho nazismo; daí o
mero recurso ao prefixo 'neo' para caracterizá-Ia. [...] Não se pode deixar de verificar, de pronto,
as disparidades entre neonazismo e nazismo. O nazismo foi o sintoma da 'pobreza' alemã em
HISTÓRIA
281
meio à abundância européia, enquanto o neonazismo é sintoma da abundância européia em meio
à pobreza africana, leste-européia etc.
Adaptado de Fernando Haddad: "Nacionalismo e Multiculturalismo" in "Folha de São
Paulo." Caderno Opinião. 20/02/2000
Cinqüenta e cinco anos após o fim da 2 ヘ Guerra Mundial, o mundo se estarrece diante da
violência da ação de grupos neonazistas, notadamente na Europa ocidental. Além de
manifestações de violência física, esses grupos dedicam-se a veicular suas idéias utilizando
múltiplos meios, como a música, as publicações clandestinas e a Internet. A maioria da população
mundial rejeita tais idéias e manifestações e, através dos governos e da atuação da sociedade
civil, busca defender a cidadania nos Estados mais afetados.
a) Identifique uma semelhança e uma diferença entre o nazismo e o neonazismo.
b) Explique um fator que tenha contribuído para o crescimento do neonazismo a partir da década
de 80.
16- (UERJ) Dentre as soluções apresentadas pelo partido nazista para a sociedade alemã em
crise, podemos citar:
a)
b)
c)
d)
nacionalismo, expansionismo e militarismo
pluripartidarismo, culto ao líder e liberalismo
racismo, aliança com o comunismo e sindicalismo
corporativismo, sociedade de classes e poder legislativo forte
17- (UNIRIO) "(...) Quando perguntados, em janeiro de 1939, quem os americanos queriam que
ganhasse, se irrompesse uma guerra entre a União Soviética e Alemanha, 83% foram a favor de
uma vitória soviética, contra 17% de uma alemã. Num século dominado pelo confronto entre o
comunismo anticapitalista da Revolução de Outubro, representado pela URSS, e o capitalismo
anticomunista, cujo defensor e principal exemplar eram os EUA, nada parece mais anômalo do
que essa declaração de simpatia (...). A situação histórica era sem dúvida excepcional e teria vida
relativamente curta (...)."
(HOBSBAWN, Eric. "A Era dos Extremos. O breve século XX: 1914-1991", 2a edição,
São Paulo, Companhia das Letras, 1996, p.145.)
Podemos compreender as afirmações do autor se levarmos em consideração que o(a):
HISTÓRIA
282
a) final da década de 30 viu fortalecer-se, na opinião pública norte-americana, um movimento
simpatizante do regime soviético, por sua política de acolhimento aos povos de origem semita,
movimento este denominado macartismo.
b) regime alemão, ao exacerbar o princípio do individualismo, acreditava que "os povos
vigorosos e dotados de vontade" tinham direito ao expansionismo, o que se contrapunha à
democracia liberal americana.
c) regime alemão se voltava contra o princípio do racionalismo, consagrado a partir da Filosofia
das Luzes do século XVIII, o qual se constituiu no fundamento ideológico tanto das
democracias liberais, quanto do próprio socialismo.
d) crescimento da simpatia norte-americana pelo regime soviético pode ser explicado por uma
decorrência direta dos efeitos da NEP que, em última instância, significaram uma grande
abertura da economia soviética para relações com ocidente.
e) simpatia da maioria dos norte-americanos pela posição soviética se explicava pela ascensão
de um regime democrático e pluralista, plenamente vinculado às diretrizes que nortearam a
Revolução de Outubro.
18- (PUCCAMP) Vários pontos em comum tiveram o fascismo e o nazismo. Dentre eles, pode-se
destacar o:
a)
b)
c)
d)
e)
sionismo e o Estado Proletário.
partido único e a proteção aos judeus.
nacionalismo e o comunismo.
liberalismo e o expansionismo.
Estado forte e a perseguição aos socialistas.
19- (UNICAMP) Em 1933, o movimento nazista assume o poder na Alemanha, transformando
Hitler no chefe da nação e fundador do III Reich. O Estado alemão deixa de ser nazista somente
ao fim da Segunda Guerra Mundial.
a) Quais os princípios nazistas que levaram à união do povo alemão num único Reich?
b) Qual o papel da guerra na política do III Reich?
20- (UFRJ) "Há coisas que não se pode dizer, porque não há palavras para dizê-las (...).
Vocês me entendem se eu pedir pão e água (...), mas nunca poderiam entender
Nem tirar essa mão escura que não sei se me esfria ou se me abrasa o coração,
Toda vez que fico sozinha."
(LORCA, Federico Garcia. "Dona Rosita a solteira".)
"Já parte o galgo terrível
a matar meninos morenos
Já parte a cavalgada
a matança se desata
exterminando chilenos
HISTÓRIA
283
o que faremos, o que faremos?
Já parte a cavalgada
o que faremos, o que faremos?
("Ya parte el galgo terrible", Pablo Neruda e Victor Jara.)
Este ano comemora-se o centenário do nascimento de Lorca, poeta andaluz,
assassinado em 1936 pelos franquistas durante a Guerra Civil Espanhola. Lembramos ainda, o
assassinato, há 25 anos, do compositor Victor Jara, quando do golpe de Estado no Chile.
a) Estabeleça uma relação entre os regimes políticos surgidos na Espanha após a Guerra Civil e
no Chile a partir de 1973.
b) Analise o papel dos Estados Unidos da América no golpe de Estado no Chile.
21- (PUCMG) A crise econômica e a instabilidade político-social que dominaram o cenário alemão
durante a República de Weimar (1919 - 33) apresentaram como desdobramento:
a) a afirmação dos princípios morais tradicionais e a frugalidade dos costumes, impedindo a
adoção de um estilo de vida desregrado e hedonista.
b) a ascensão dos segmentos intermediários da sociedade, beneficiados com o surto
especulativo e a inflação galopante.
c) a elevação dos investimentos internos, reduzindo o nível de desemprego, notadamente no
início da década de trinta.
d) a consolidação do partido social-democrata no poder, favorecido pelo caos da economia e
pelos termos impostos pelo Tratado de Versalhes.
e) a fragilização das instituições democráticas, abrindo caminho para a difusão de ideologistas
radicais de cunho totalitário.
22- (PUC-RIO) O Estado alemão durante o regime de Hitler e o Estado soviético sob Stálin
costumam ser pensados como Estados totalitários. Considere as seguintes afirmativas sobre
esses estados:
I. Em ambos, a organização do partido - quer o nazista, quer o bolchevique - acabou
confundindo-se com a organização do Estado, dando origem a uma política de partido único.
HISTÓRIA
284
II. Os governos da Alemanha hitlerista e da Rússia stalinista fundavam sua
legitimidade apresentando-se como únicas alternativas aos fracassos políticos e econômicos dos
impérios alemão e russo.
III. Os Estados hitlerista e stalinista utilizaram a propaganda política nos meios de
comunicação e a política secreta como armas eficazes na eliminação dos seus adversários
políticos.
IV. A crise do capitalismo mundial de 1929 forneceu os principais argumentos para a
implementação de uma política de restrição à ação do grande capital monopolista, por parte do
Estado, tanto na Alemanha quanto na União Soviética.
Assinale a opção que contém as afirmativas corretas:
a)
b)
c)
d)
e)
somente I e II.
somente I e III.
somente I, III e IV.
somente II e III.
somente II e IV.
23- (PUCCAMP) No pós-guerra, a situação de miséria e a crise de 1929 provocaram o descrédito
da população no capitalismo liberal e, simultaneamente, criaram condições favoráveis para a
expansão das idéias socialistas. Com isso, na Itália e na Alemanha,
a) as burguesias industrial e financeira apoiaram os regimes nazi-fascistas, temerosas com o
avanço das idéias socialistas.
b) surgiram os movimentos operários de caráter reformista, conduzidos habilmente pela maioria
socialista aliada ao Estado.
c) os partidos políticos mais expressivos associaram-se com o intuito de restaurar a credibilidade
do Estado.
d) houve um amplo pacto social com o objetivo de estabilizar a vida econômica e política desses
países.
e) houve o agravamento das tensões sociais, e a ditadura foi a opção de consenso para que se
restabelecessem a ordem e a justiça.
24- (PUCMG) O cinema passa-nos, muitas vezes, uma imagem romântica do Período Entre
Guerras. Essa imagem da realidade que antecedeu a Segunda Guerra se desfaz, quando se sabe
que, exceto:
a)
b)
c)
d)
e)
os Estados Nacionais montam sua poderosa engenharia belicista.
os extremismos nacionalistas promovem verdadeiras cruzadas racistas.
o regime stalinista põe em marcha sua violenta política expansionista.
a economia capitalista sofre uma forte queda na crise de 1929.
a tendência liberal dos governos é ameaçada pela tendência autoritária.
25- (MACKENZIE) "No dia 26/04/1937... às 4:40 da tarde, começaram a surgir os Heinkel III
bombardeando a cidade e metralhando as ruas. Depois dos Heinkel III, vieram os Junkers 52,... A
população começou a abandonar a cidade, sendo metralhada na fuga. Bombas incendiárias e
outros explosivos foram lançados por vagas de aviões a cada 20 minutos, até as 7:45. A
destruição foi total." (Thomas Hugh)
O massacre de Guernica, que foi retratado pelo pintor Pablo Picasso relaciona-se com:
a) Cuba - (invasão da Baía dos Porcos, apoiada pelos americanos)
b) Espanha - (auxílio nazista aos nacionalistas)
HISTÓRIA
285
c) Portugal - (intervenção fascista na Revolução dos Cravos)
d) Itália - (conflito entre republicanos e comunistas)
e) Inglaterra - (batalha da Grã-Bretanha na II Guerra Mundial)
CAPÍTULO 06
O GOVERNO DE GETÚLIO VARGAS
01- (UERJ) Se de meus ensinamentos colherdes algum fruto, descansarei satisfeito de haver
cumprido a minha missão. Entre esses ensinamentos, avulta o do patriotismo. Quero que
consagreis sempre ilimitado amor à região onde nascestes, servindo-a com dedicação absoluta,
destinando- lhe o melhor da vossa inteligência, os primores do vosso sentimento, o mais fecundo
da vossa atividade, - dispostos a quaisquer sacrifícios por ela, inclusive o da vida. (...)
Que a vossa geração exceda a minha e as precedentes, senão em semelhante amor, ao menos
nas ocasiões de o comprovar. Quando disserdes: "Somos brasileiros!" levantai a cabeça,
transbordantes de nobre ufania. Convencei-vos de que deveis agradecer quotidianamente a Deus
o haver Ele vos outorgado por berço o Brasil.
(CELSO, Affonso (1900). "Porque me ufano do meu País". Rio de Janeiro: Briguiet, 1943.)
Um chefe, um povo, uma nação: um Estado nacional e popular, isto é, um Estado em que o povo
reconhece o seu Estado, um Estado em que a Nação identifica o instrumento da sua unidade e da
sua soberania. Ai está o Novo Estado Brasileiro. Um Estado que é isto não é uma simples
mecânica de poder. É também uma alma ou um espírito, uma atmosfera, uma ambiência, um
clima. (...)
HISTÓRIA
286
(...) somos todos fundadores [da Nação]. Fundar é dedicar o pensamento, a vontade e o coração
(...) Não haveria pátria, família, igreja, se não renovasse, pelo pensamento ou pelo espírito, o ato
de sua fundação (...).
(Francisco Campos - Discurso proferido em 10 de maio de 1938.)
(Adaptado de CAMPOS, Francisco. "O Estado Nacional". Rio de Janeiro: José
Olympio, 1940.)
A partir dos textos de Affonso Celso - no período de consolidação da República oligárquica - e de
Francisco de Campos - produzido durante o Estado Novo, diferencie os conceitos de "nação
brasileira" de cada um dos autores.
02- (UFMG) Leia atentamente este trecho de poema:
Carta a Stalingrado
Stalingrado ...
Depois de Madri e de Londres, ainda há grandes cidades!
O mundo não acabou, pois que entre as ruínas outros homens surgem, a face negra de pó e de
pólvora,
e o hálito selvagem da liberdade
dilata os seus peitos, Stalingrado,
seus peitos que estalam e caem
enquanto outros, vingadores, se elevam.
A poesia fugiu dos livros, agora está nos jornais.
Os telegramas de Moscou repetem Homero.
Mas Homero é velho. Os telegramas cantam um mundo novo
que nós, na escuridão, ignorávamos.
Fomos encontrá-lo em ti, cidade destruída,
na paz de tuas ruas mortas mas não conformadas,
no teu arquejo de vida mais forte que o estouro das bombas,
HISTÓRIA
287
na tua fria vontade de resistir.
.........................................................................................
As cidades podem vencer, Stalingrado!
.........................................................................................
Em teu chão calcinado onde apodrecem cadáveres,
a grande Cidade de amanhã erguerá a sua Ordem.
(ANDRADE, Carlos Drummond de. "A rosa do povo". 23. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.
p.158-160.)
A partir dessa leitura, é correto afirmar que, nesse trecho de poema, se expressa, mais do que as
idéias do autor, o pensamento de um grupo de intelectuais brasileiros que
a) se entusiasmavam pelo heroísmo dos cidadãos de Londres e Madri, que souberam resistir
bravamente à agressão fascista.
b) começavam a ser seduzidos pelo Comunismo, ao final da Guerra, por estarem descontentes
em relação ao quadro político em vigor no País.
c) desenvolviam uma consciência pacifista ante o risco de uma guerra nuclear que poderia
decorrer da polarização EUA/URSS.
d) torciam, em meio à guerra civil russa, pela vitória dos democratas, que lutavam pelo
restabelecimento da liberdade.
03- (UFV) Vejam só!
A minha vida como está mudada
Não sou mais aquele
Que entrava em casa alta madrugada
Faça o que eu fiz
Porque a vida é do trabalhador
Tenho um doce lar
E sou feliz com meu amor
O Estado Novo
Veio para nos orientar
No Brasil não falta nada
Mas precisa trabalhar
Tem café, petróleo e ouro
Ninguém pode duvidar
E quem for pai de quatro filhos
O presidente manda premiar
É negócio casar!
(Citado por SALIBA, Elias Thomé. A dimensão cômica da vida privada na República. In:
SEVCENKO, Nicolau (org.). "História da Vida Privada no Brasil". São Paulo: Companhia das
Letras, 1998. v. 3. p. 355.)
HISTÓRIA
288
Os versos acima são de um samba composto por Ataulfo Alves e Felisberto Martins, em 1941.
Nele se encontra expressa, de forma irreverente, a ideologia do Estado Novo, conhecida como:
a)
b)
c)
d)
e)
Trabalhismo.
Tenentismo.
Queremismo.
Paternalismo.
Totalitarismo.
04- (PUCSP) 1930: Vamos deixar como está para ver como fica.
1945: Vamos deixar como está para ver como eu fico.
("Máximas e mínimas do Barão de Itararé". Rio de Janeiro: Record, 1987. p.67).
As frases, atribuídas pelo humorista Barão de Itararé a G. Túlio Vargas, são evidentemente uma
brincadeira com o nome do Presidente da República e com as diferenças políticas entre 1930 e
1945. As alusões à posição de Vargas em 1930 e em 1945 referem-se, respectivamente, à
a) ausência de uma proposta de reformulação constitucional e à tentativa de manter-se na
Presidência num contexto de redemocratizações.
b) aliança com a política café-com-leite e à candidatura presidencial, por via direta, de Vargas.
c) manutenção do modelo econômico de base agro-exportadora e à política industrialista voltada
à busca da auto-suficiência nacional.
d) reiteração da proposta federalista da Primeira República e à defesa de um Estado em que o
poder estivesse centralizado nas mãos do Presidente.
e) dependência econômica em relação à Inglaterra e aos Estados Unidos e à tentativa de
consolidar um Estado Nacional autônomo.
05- (UERJ) Embora a citação acima apresente a legislação trabalhista de Getúlio Vargas como
parte de um ultrapassado modelo econômico, é possível apontar aspectos que, no sentido
contrário, revelem o significado da contribuição trazida pela Consolidação das Leis do Trabalho CLT - para as relações de trabalho.
Um aspecto dessa contribuição está indicado em:
a) manutenção da ação sindical e de direitos trabalhistas durante a ditadura militar
b) estabelecimento da pluralidade sindical e de partidos trabalhistas durante o Estado Novo
c) criação de normas legais para os aumentos salariais reais e do gatilho salarial durante o
governo Sarney
d) instituição do estatuto político dos trabalhadores e do Tribunal Superior do Trabalho durante o
segundo governo Vargas
06- (FUVEST) "Vitoriosa a revolução, abre-se uma espécie de vazio de poder por força do colapso
político da burguesia do café e da incapacidade das demais frações de classe para assumi-lo, em
caráter exclusivo. O Estado de Compromisso é a resposta para esta situação. Embora os limites
da ação do Estado sejam ampliados para além da consciência e das intenções de seus agentes,
sob o impacto da crise econômica, o novo governo representa mais uma transação no interior das
classes dominantes, tão bem expressa na intocabilidade sagrada das relações sociais no campo".
(Boris Fausto, A REVOLUÇÃO DE 1930: HISTORIOGRAFIA E HISTÓRIA)
HISTÓRIA
289
a) Explicite o que o autor apresenta como "Estado de Compromisso".
b) Qual a relação entre "O Estado de Compromisso" e a "intocabilidade sagrada das relações
sociais no campo"?
07- (UNICAMP) Em 10 de novembro de 1937, Getúlio Vargas discursava à nação através do
rádio:
"A disputa presidencial estava levando o país à desordem. Os comunistas infiltravam-se dia a dia
nas instituições nacionais. A Nação corria perigo de uma luta de classes e os partidos políticos
inquietavam o nosso povo"
a) Que argumentos Vargas usou para implantar o Estado Novo?
b) Cite duas características do Estado Novo.
08- (UNESP) "Subitamente, parecia que a esquerda havia ganho vida. Mais de 1600 sedes locais
da "Aliança Nacional Libertadora" haviam brotado (...). A plataforma da "Aliança" pedia o
cancelamento das 'dívidas imperialista', a nacionalização das empresas estrangeiras e a
liquidação dos latifúndios. Os radicalizantes estavam igualmente ativos na direita. Um movimento
fascista chamado Integralismo vinha por igual força...".
(Thomas Skidmore, DE GETÚLIO A CASTELO).
O texto refere-se a dois importantes e antagônicos movimentos, sobre os quais é verdadeiro
afirmar que ocorreram:
a) na Primeira República e motivaram a Revolução de 1930.
b) no governo Jânio Quadros e provocaram a sua renúncia.
c) na década de 30 e antecederam o golpe de Estado de 1937.
HISTÓRIA
290
d) no Estado Novo e foram importantes para o processo de redemocratização.
e) no segundo governo Vargas (1951-54) e contribuíram para o agravamento da crise política
que levou ao suicídio do Presidente.
09- (FGV) O general Góis Monteiro, Ministro da Guerra de Getúlio Vargas, afirmava em uma carta
dirigida ao presidente, em 1934: "O desenvolvimento das idéias sociais preponderantemente
nacionalistas e o combate ao estadualismo (provincialismo, regionalismo, nativismo) exagerado
não devem ser desprezados, assim como a organização racional e sindical do trabalho e da
produção, o desenvolvimento das comunicações, a formação das reservas territoriais e milícias
cívicas, etc., para conseguir-se a disciplina intelectual desejada e fazer desaparecer a luta de
classes, pela unidade de vistas e a convergência de forças para a cooperação geral, a fim de
alcançar o ideal comum à nacionalidade".
No trecho dessa carta estão expressos pontos centrais do regime instalado após a Revolução de
1930, entre elas:
a)
b)
c)
d)
e)
organização de milícias estaduais, regulamentação das relações trabalhistas e educação.
estímulo à autonomia dos Estados, organização de milícias estaduais e nacionalismo.
organização de milícias estaduais, centralização política e educação.
centralização política, regulamentação das relações trabalhistas e nacionalismo.
estímulo à autonomia dos Estados, regulamentação das relações trabalhistas e educação.
10- (PUCSP) No Brasil, a CLT - Consolidação das Leis do Trabalho - foi criada pelo Decreto 5452,
de 1943, em meio ao governo de Getúlio Vargas, para reunir e sistematizar as leis trabalhistas
existentes no país. Tais leis representaram a
a) conquista evidente do movimento operário sindical e partidariamente organizado desde 1917,
defensor de projetos socialistas e responsável pela ascensão de Vargas ao poder.
b) participação do Estado como árbitro na mediação das relações entre patrões e trabalhadores
de 1930 em diante, permitindo a Vargas propor a racionalização e a despolitização das
reivindicações trabalhistas.
c) inspiração notadamente fascista, que orientou o Estado Novo desde sua implantação em
1937, desviando Vargas das intenções nacionalistas presentes no início de seu governo.
d) atuação controladora do Estado brasileiro sobre os sindicatos e associações de
trabalhadores, permitindo a Vargas criar, a partir de 1934, o primeiro partido político de
massas da história brasileira.
e) pressão norte-americana, que se tornou mais clara após 1945, para que Vargas controlasse
os grupos anárquicos e socialistas presentes nos movimentos operário e camponês.
11- (UFC) O período do governo de Getúlio Vargas de 1937 a 1945 é conhecido na história do
Brasil como "Estado Novo", em que:
a) os movimentos sociais contra o nazi-fascismo ganharam as ruas, com o apoio do governo.
b) os comunistas ocuparam vários cargos burocráticos e assumiram órgãos de propaganda
política.
c) os partidos políticos foram fechados e as bandeiras estaduais, queimadas, como símbolo do
centralismo do poder.
d) o sistema parlamentarista foi fortalecido pelo fechamento do Congresso Nacional e pela
intervenção nos Estados.
e) a elite industrial brasileira tornou-se hegemônica, pondo fim, dessa forma, à política do "café
com leite" da aristocracia rural.
12- (UFF) O Estado Novo, identificado à primeira grande experiência autoritária brasileira,
terminou em 1945, quando, então, verificou-se a chamada redemocratização.
a) Associe o fim do Estado Novo ao da 2a Guerra Mundial.
HISTÓRIA
291
b) Explique por que a redemocratização brasileira de 1945 pode ser analisada, ao mesmo
tempo, como ruptura e como continuidade.
13- (MACKENZIE) A Revolução de 1930 apoiada por grupos heterogêneos, sem grandes
rupturas, promoveu sob a liderança de Getúlio Vargas um novo encaminhamento para o Estado
brasileiro. Identifique estes traços nas alternativas a seguir.
a) O Estado getulista incentivou o capitalismo nacional, promovendo a aliança entre setores da
classe trabalhadora urbana e a burguesia nacional.
b) Para Vargas, a questão social permanecia um caso da polícia e o modelo econômico passou
a ser apoiado pelo capital estrangeiro.
c) As decisões econômico-financeiras foram descentralizadas, tendo o presidente reduzidos
poderes.
d) O poder dos estados foi fortalecido em relação à união.
e) Preservaram-se as relações clientelistas, mantendo-se a oligarquia cafeeira no poder como
antes de 1930.
14- (MACKENZIE) Em maio de 1938, os Integralistas, prejudicados com a extinção dos partidos,
desfecharam um ataque ao Palácio Guanabara que resultou em inúmeros mortos e no exílio de
seus líderes. Para o governo Vargas, a principal conseqüência foi:
a)
b)
c)
d)
inclinação do governo para o fascismo, dividindo com este grupo o poder.
o fortalecimento do poder pessoal de Vargas, reprimindo dissidentes.
a entrada do Brasil na Guerra ao lado dos países totalitários.
a composição de um novo governo, tendo como base de sustentação integralistas e
comunistas.
e) a definição de uma política externa favorável aos aliados e a democratização interna do
regime.
15- (UFV) Aponte os elementos da conjuntura política nacional que motivaram a Revolução
Constitucionalista de 1932, ressaltando algumas de suas características.
HISTÓRIA
292
16- (UFRJ) "(...) Todos ainda se lembram dos discursos megalomaníacos de Carlos Prestes
(...) nos quais (...) previa que as hostes da U.D.N. se desagregariam, (...). Quanto ao P.S.D. era
uma colcha de retalhos costurados uns aos outros pelo fio precário da ditadura, e se dissolveria a
uma simples ordem do "Chefe" nacional.
Vê agora, o pobre ex-cavaleiro, (...) que nada saiu como previra, (...)
Em lugar dos grupos burgueses se desintegrarem, foi Prestes quem se isolou, quem ficou
sozinho com Getúlio, e agora é obrigado a seguir, direitinho, a reboque, seja de Eduardo Gomes,
seja de Dutra; ou levantar um dr. Jacarandá qualquer para "seu" candidato.
A saída forçada de Getúlio obriga os grupos a se consolidarem definindo-se melhor e,
finalmente, a disputarem as eleições como adversários. (...) Pode-se dizer que a verdadeira
campanha de "sucessão presidencial" só iniciou-se a partir de 30 de outubro."
(Jornal Vanguarda Socialista (16/11/1945) citado de CARONE, Edgard. "Movimento
Operário no Brasil" (1945/1964). São Paulo, Difel, 1998. p.258-9. v.2.)
A conjuntura política brasileira do segundo semestre de 1945 é analisada neste artigo a partir de
uma ótica crítica à ação desenvolvida pelo Partido Comunista do Brasil (PCB) e seu líder Luís
Carlos Prestes. Abriam-se, na época, novos horizontes para o país com a derrubada da ditadura
getulista e de eleições constituintes e presidenciais. Nestas, saiu vitorioso
a) o grupo de oposição à ditadura getulista representado pela UDN, que apresentou como
candidato o antigo "tenente" Eduardo Gomes, à frente de um projeto liberal-conservador.
b) o candidato do PCB, Eurico Gaspar Dutra, apoiado por setores do getulismo voltados a levar
adiante as conquistas da legislação trabalhista.
c) o PSD, que acabou por apresentar a candidatura de Getúlio Vargas, seu fundador, o qual
derrubado pouco antes do poder, acabou a ele voltando pelo voto popular.
d) o ex-ministro da Guerra do governo Vargas, Eurico Dutra, com uma política conservadora que
incluiu a perseguição aos comunistas e a movimentos populares.
e) o projeto, articulado por Vargas, de manter o controle do poder a partir do presidente eleito,
Eurico Dutra, apoiado pelos getulistas do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).
17- (CESGRANRIO) Durante o Estado Novo, no campo da política salarial, foi introduzida, via
decreto-lei, importante inovação, que já constava da Constituição de 1934 - o salário mínimo - que
representou um(a):
a) ingresso salarial capaz de satisfazer as necessidades mínimas do trabalhador, mas acabou
convertendo-se em importância irrisória e muito distante de suas finalidades expressas.
b) significativo ganho para o trabalhador nacional, acompanhando sistematicamente as
freqüentes medidas inflacionárias decorrentes do processo industrial brasileiro.
c) tentativa de eliminar os altos salários de operários industriais que aderiram aos sindicatos
pelegos, vigentes desde início da República, e que priorizavam os interesses da agricultura.
d) medida de cooptação política, uma vez que o padrão de vida do operário e do camponês que
apoiava o regime ditatorial teve uma extraordinária elevação e a maioria foi excluída.
e) grande perda salarial para o operário, uma vez que seus patamares eram baixíssimos e só
regulavam os ingressos do trabalhador vinculado à indústria pesada.
18- (UMC) "Naqueles anos, a orientação autoritária do governo pretendeu compor doses
complementares de repressão e doutrinação, a fim de construir sua base social de sustentação
política. Haurindo ensinamentos dos regimes opressivos - o nazismo e o fascismo -, que se
multiplicavam na Europa nesse período, as autoridades federais procurariam tirar o máximo
proveito das técnicas de propaganda e dos meios de comunicação social, muito especialmente do
rádio. Os dois rituais básicos da nova ordem eram o discurso presidencial de 1o de maio no
Estádio de São Januário e o noticiário diário da voz do Brasil".
HISTÓRIA
293
O texto refere-se a que período da História do Brasil?
a)
b)
c)
d)
e)
Estado Novo
República Velha
Período autoritário pós 1964
Período Jânio-Jango
Revolução de 1930
19- (UFPI) Leia com atenção as estrofes 1 e 2 abaixo, da composição de Ataufo Alves e Wilson
Batista, de 1941.
1. "O bonde de São Januário
Leva mais um otário
Sou eu que vou trabalhar."
2. "O bonde de São Januário
Leva mais um operário
Sou eu que vou trabalhar."
Considerando a política do Estado Novo frente à criação artística e literária, podemos afirmar,
corretamente, que:
a) a estrofe 1 expressa o engajamento dos autores à política do Estado Novo.
b) ambas estrofes mostram o declínio do controle dos meios de comunicação durante o Estado
Novo.
c) as duas estrofes refletem a identidade que o Estado Novo estabelece entre o operário e o
malandro.
d) na estrofe 1, verifica-se a impossibilidade de o Estado utilizar-se da mídia para promover
políticas sociais.
e) a estrofe 2 expressa a necessidade de a produção cultural do Estado Novo refletir o ideário
varguista de exaltação do trabalho.
20- (MACKENZIE) No dia 10 de novembro de 1937, tropas da polícia militar cercaram o
Congresso e impediram a entrada dos congressistas. À noite, Getúlio anunciou nova fase política
e a entrada em vigor de uma Carta Constitucional.
Boris Fausto
O texto refere-se a um período da História Republicana cujas características foram:
a) República das Oligarquias, baseada no clientelismo político e hegemonia cafeeira.
b) Período Populista, marcado pela manipulação do Estado das massas urbanas e suas
reivindicações.
c) Estado Novo, fase autoritária sustentada pela aliança entre burocracia civil e militar, burguesia
industrial, interessadas na industrialização do país sem abalos sociais.
d) Nova República, orientada pela Constituição Cidadã, porém abalada pela dívida externa e
inflação.
e) Período da ditadura militar, caracterizado pela abertura ao capital estrangeiro e endividamento
externo.
21- (MACKENZIE) Dentre os objetivos do movimento revolucionário de 1930, que conduziu ao
poder Getúlio Vargas, apontamos:
a) reorganizar a estrutura econômica do país, violentamente atingida pela crise de 1929, e pôr
fim à hegemonia política da burguesia cafeeira.
HISTÓRIA
294
b) combater os movimentos tenentistas que, ao longo da década de vinte, desestabilizaram
politicamente a nação.
c) não fazer nenhuma composição política com grupos oligárquicos, mantidos isolados do poder
durante a Era Vargas.
d) atender exclusivamente às reivindicações da burguesia industrial, base política do movimento.
e) restabelecer a monocultura cafeeira, através do financiamento externo dos estoques, em
virtude da facilidade de obtenção de créditos.
22- (PUC-RIO) "O Rádio é o maior fator de expansão cultural e educação cívica dos nossos
tempos, pois com a facilidade de penetração e a rapidez de divulgação das idéias, vencendo o
espaço e o tempo, para atingir os mais longínquos rincões da terra brasileira, leva em suas ondas
misteriosas e encantadoras a palpitação e a certeza do progresso, divulgando os acontecimentos
marcantes da civilização que se verificam nos centros mais adiantados do mundo, mantendo
unidos, pelo contato direto e permanente de seus elementos vitais, os pontos mais afastados do
território pátrio."
(Décio Pacheco Silveira, "Revista Cultura Política," 1941.)
O surgimento de novos meios de comunicação social no decorrer do século XX possibilitou, em
escala crescente, a circulação mais acelerada de informações, valores e idéias. No caso
brasileiro, foram, de forma recorrente, instrumentos utilizados pelo Estado na concretização de
seus projetos políticos.
RELACIONE duas idéias contidas no texto acima ao projeto político do Estado Novo (1937-1945).
23- (FGV) "Em plena Avenida Rio Branco, nas tardes de Sábado, pegávamos à força alguns
atrevidos integralistas que se apresentavam fantasiados de camisa verde e os despojávamos das
calças, largando-os depois, em plena via pública, apenas em fraldas de camisas. Não queriam
eles andar de camisas verdes? Nós lhe fazíamos a vontade..."
(Agildo Barata)
A cena anterior descrita refere-se aos:
a) enfrentamentos durante os comícios entre os integrantes da frente tenentista com a militância
da Aliança Nacional Libertadora (ANL);
b) confrontos de rua entre os integralistas e os tenentistas;
c) enfrentamentos públicos entre os integrantes da Aliança Nacional Libertadora (ANL) e os
integralistas;
d) enfrentamos entre os militantes da Aliança Libertadora Nacional (ALN), dirigida por Agildo
Barata, e os integralistas de Plínio Salgado;
e) confrontos públicos entre militares tenentistas e os comunistas da Aliança Libertadora
Nacional (ALN).
24- (PUCCAMP) O programa de rádio "A voz do Brasil", retransmitido diariamente pelas
emissoras de rádio às dezenove horas, exceto fins de semana, e que tem, hoje em dia, sua
constitucionalidade questionada,
HISTÓRIA
295
a) teve origem à época do chamado Estado Novo, e fazia parte das estratégias do DIP,
Departamento de Imprensa e Propaganda, em busca da legitimação do Estado.
b) foi uma iniciativa da ABN, Agência Brasileira de Notícias, durante o governo de Collor de
Melo, com a intenção de promover as imagens do Brasil como um país moderno e do
presidente como líder popular.
c) começou em 1921, na RDF, Rádio Difusora Fluminense, como programa musical de grande
audiência popular, iniciativa pessoal de Mário de Andrade; somente no governo de Eurico
Dutra foi transformado em porta-voz oficial do governo.
d) provocou reações de músicos como Villa-Lobos, Carmem Miranda e Francisco Alves, na
década de 60, quando foi criado por Jânio Quadros, pois apenas veiculava noticiário político e
músicas estrangeiras.
e) é uma herança do regime militar no Brasil e sua criação foi decretada pelo AI-5, em 1968,
como tática de conscientização das camadas populares da ameaça representada pela ação
subversiva da esquerda política.
25- (PUC-RIO) São exemplos de práticas centralizadoras e intervencionistas do Estado brasileiro
ao longo do século XX:
I - A criação de associações e sindicatos de trabalhadores urbanos, no início do século.
II - A atuação do Departamento de Imprensa e Propaganda na regulamentação dos meios de
comunicação, durante o Estado Novo.
III - O crescimento da indústria do entretenimento, nos anos cinqüenta, através da expansão do
rádio, da criação da televisão e da popularização do cinema.
IV - A política econômica de concessão de subsídios às exportações agrícolas como estratégia de
sustentação do "Milagre Brasileiro", no início dos anos 70.
Está(ão) correta(s)
a)
b)
c)
d)
e)
apenas a afirmativa I.
as afirmativas I e III.
as afirmativas II e IV.
as afirmativas II, III e IV.
todas as afirmativas.
26- (PUCSP) "O aspecto técnico-consumista do americanismo não era visto com bons olhos por
uma significativa fração do oficialato das Forças Armadas brasileiras. Os militares identificavam a
produção em massa das indústrias de bugigangas dos norte-americanos com os desvarios de
uma sociedade excessivamente materializada e mercantilizada. Naquele momento, o modelo
autárquico experimentado pela Alemanha nazista era um paradigma aparentemente mais
adequado para muitos militares brasileiros."
(Antonio Pedro Tota, "O Imperialismo Sedutor." São Paulo, Companhia das Letras,
2000, p.23.)
O fragmento acima retrata divisões nos meios militares brasileiros dentro do contexto da Segunda
Guerra Mundial. Essa divisão
a) manifesta-se na primeira metade da década de 1930 e é provocada, sobretudo, pela
presença, nas Forças Armadas brasileiras de grande quantidade de oficiais formados na
Alemanha nazista.
b) ocorre nos últimos anos de guerra e é fruto das vitórias obtidas pela Alemanha nessa fase,
associadas, principalmente, ao medo de que a vitória aliada significasse o início do
expansionismo militar dos Estados Unidos sobre a América Latina.
c) inicia-se com o final da guerra e dá ao Brasil uma posição neutra no cenário da Guerra Fria
que se instalou após os acordos de paz assinados pelos países participantes no conflito
armado.
HISTÓRIA
296
d) ilustra a posição ambígua que o Brasil teve nos primeiros anos da guerra, oscilando entre o
apoio às forças aliadas e a simpatia, inclusive de setores governamentais, pelos países do
Eixo.
e) representa a capacidade democrática do Exército brasileiro e a disposição de acomodar
posturas políticas divergentes em suas fileiras, desde que todos atuem unidos na defesa da
segurança nacional.
27- (UEL) "Em outubro de 1930, iniciou-se um largo período - podemos dizer um quarto de século
- em que Getúlio Vargas foi a figura predominante no cenário político nacional; isso parece
propiciar uma certa idéia de continuidade para uma história política vista a partir das grandes
figuras, como a que predominou muito tempo na historiografia e permanece até hoje no senso
comum."
(BORGES, V. P. Anos trinta e política: história e historiografia. In: FREITAS, M. C.
(org.) "Historiografia brasileira em perspectiva". São Paulo: Contexto, 1998. p.159.)
Sobre os anos 30 e a figura de Getúlio Vargas, considere as seguintes afirmativas:
I - A década de 1930 iniciou-se com uma ruptura jurídico-política, consagrada como "Revolução
de 30", que remete ao importante tema dos dilemas da democracia no Brasil.
II - A partir dos acontecimentos de 30, passou a vigorar um acordo entre as elites políticas de
Minas Gerais e São Paulo, que se revezaram na presidência da República.
III - Por muito tempo, memorialistas e historiadores conceberam Getúlio Vargas como o
responsável pela concessão dos direitos trabalhistas no Brasil.
IV - Como alternativa à tradicional conciliação dos detentores do poder, surgiu a Liga de Ação
Revolucionária, que teve seu projeto nacionalista e democrático derrotado pelos eventos de
outubro de 1930.
Assinale a alternativa correta.
a)
b)
c)
d)
e)
Apenas as afirmativas I, III e IV são verdadeiras.
Apenas as afirmativas I, II e III são verdadeiras.
Apenas as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
Apenas as afirmativas I e III são verdadeiras.
Apenas as afirmativas II e IV são verdadeiras.
28- (FUVEST) "Os benefícios que conquistastes devem ser ampliados aos operários rurais, aos
que, insulados nos sertões, vivem distantes das vantagens da civilização. Mesmo porque, se não
o fizermos corremos o risco de assistir ao êxodo dos campos e superpovoamento das cidades desequilíbrio de conseqüências imprevisíveis, capaz de enfraquecer ou anular os efeitos da
campanha de valorização integral do homem brasileiro, para dotá-lo de vigor econômico, saúde
física e energia produtiva".
(Getúlio Vargas, discurso de 1° de maio de 1941)
a) A quais "benefícios" se refere o Presidente Vargas?
b) Posteriormente, quando os "benefícios" foram estendidos aos trabalhadores rurais, essas
medidas, além de não impedirem o êxodo, também não eliminaram a miséria. Por quê?
HISTÓRIA
297
29- (UFV) Em 1937, com a instauração do Estado Novo por Getúlio Vargas, o Brasil passou a
viver sob uma nova Constituição, que ficou conhecida como "Polaca", em virtude de sua clara
inspiração na Constituição da Polônia. Essa Constituição deu ao presidente Getúlio Vargas os
poderes para a organização política, econômica e administrativa do Estado Novo.
Dentre as alternativas a seguir assinale a que apresenta uma característica da Constituição de
1937:
a)
b)
c)
d)
e)
Instauração do direito de greve e de locaute.
Instauração do direito de livre associação em sindicatos oficialmente reconhecidos.
Descentralização administrativa.
Internacionalização da economia.
Instauração de princípios democráticos e de livre associação política.
30- (UERJ) A canção composta por Ataulfo Alves e Felisberto Martins foi importante instrumento
da propaganda do governo Vargas.
É NEGÓCIO CASAR
O Estado Novo veio
Para nos orientar
No Brasil nada falta
Mas precisa trabalhar
Tem café, petróleo e ouro
Ninguém pode duvidar
E quem for pai de quatro filhos
O presidente manda premiar
É negócio casar
(Citado por PILETTI, N. "História do Brasil. São Paulo": Ática, 1997.)
a) Identifique o papel da propaganda no governo de Getúlio Vargas.
b) Indique duas características econômicas do período do Estado Novo.
31- (UNICAMP) O ato mais importante do Estado Novo foi a construção de uma usina siderúrgica
em Volta Redonda, no Estado do Rio de Janeiro. Em fevereiro de 1938, Vargas declarou que a
indústria do aço era uma necessidade urgente. Embora o Estado Novo levasse quase dois anos e
HISTÓRIA
298
meio para decidir-se por uma fórmula apropriada à indústria siderúrgica, o projeto parecia bem
concebido.
(Adaptado de Warren Dean, "A industrialização de São Paulo", Difel, 1971, p.230231.)
a) Qual o contexto internacional que propiciou a construção da indústria siderúrgica no Brasil?
b) Qual foi a política internacional adotada pelo governo Vargas para a criação da usina de Volta
Redonda?
c) Qual seria a crítica do modelo econômico neoliberal à política econômica de Vargas?
32- (UNICAMP) Em julho de 1889, um congresso socialista internacional, reunido em Paris,
decide que:
Será organizada uma grande manifestação internacional com data fixa, de modo que, em todos os
países e em todas as cidades, ao mesmo tempo, no mesmo dia marcado, os trabalhadores
intimem os poderes públicos a reduzir a jornada de trabalho a oito horas. Adota-se a data de 1o
de maio para a manifestação.
(Adaptado de Michelle Perrot, "Os excluídos da história", São Paulo, Paz e Terra,
1988, p.129.)
a) Quais as condições de trabalho na indústria em fins do século XIX.
b) Explique o porquê do caráter internacional da manifestação operária.
HISTÓRIA
299
c) De que maneira o Estado Novo no Brasil alterou o significado dessa data?
33- (UFMG) Em 1934, Getúlio Vargas criou o Departamento de Propaganda e Difusão Cultural
junto ao Ministério da Justiça, esvaziando o Ministério da Educação não só da propaganda, mas
também do rádio e do cinema. A decisão tinha como objetivo colocar os meios de comunicação de
massa a serviço direto do poder executivo, iniciativa que tinha inspiração direta no recém-criado
Ministério da propaganda alemão. Este foi o embrião do DIP [...]
Em 1939, as atribuições do extinto Departamento de Propaganda e Difusão Cultural
passaram para o Departamento de Imprensa e Propaganda, criado nesse ano.
CAPELATO, Maria Helena. Propaganda Política e Controle dos Meios de
Comunicação. ln: PANDOLFI, Dulce. (Org.)."Repensando o Estado Novo". Rio de Janeiro:
Ed. FGV, 1999. p.172.
Com base nessas informações, é correto afirmar que, durante o Estado Novo, o Departamento de
Imprensa e Propaganda-DIP foi responsável pela
a) ampliação do raio de atuação do Estado e das suas formas de intervenção no âmbito da
cultura.
b) desativação do sistema de comunicação encarregado da difusão das diretrizes econômicas
do regime.
c) restrição à utilização do rádio e da imprensa para a difusão da propaganda política estadonovista.
d) utilização da cultura como um instrumento a serviço da divulgação dos ideais democráticos.
34- (UERJ)
BRASIL!
Brasil,
És o teu berço dourado
O índio civilizado
E abençoado por Deus
Brasil,
Gigante de um continente
És terra de toda gente
E orgulho dos filhos teus
O destino que te traz
Liberdade, amor e paz
No progresso em que te agitas
Torrão de viva beleza
De fartura e de riqueza
E de mil coisas bonitas
E porque tu tens de tudo
Porque te conservas mudo
Na tua modéstia imerso
HISTÓRIA
300
Meu Brasil,
Eu que te amo Neste samba te proclamo Majestade do universo
(Benedito Lacerda / Aldo Cabral)
A partir da letra deste samba, gravado por Francisco Alves e Dalva de Oliveira, em agosto de
1939, percebemos a construção de uma imagem para o Brasil que não correspondia totalmente
às características da sociedade brasileira nas décadas de 30 e 40.
Dentre essas características, aquela que se relaciona à conjuntura da época é:
a)
b)
c)
d)
liberalismo como base da política nacional
reforma agrária como solução para os problemas econômicos
política assimilacionista como forma de integração do indígena
crescimento econômico como decorrência da política industrialista
CAPÍTULO 07
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
01- (UNICAMP) A tentativa dos nazistas de dissimular suas atrocidades nos campos de
concentração e de extermínio resultou em completo fracasso. Muitos sobreviventes desses
campos sentiram-se investidos da missão de testemunhar e não deixaram de cumpri-la, alguns
logo depois de serem libertados e outros, quarenta e até cinqüenta anos mais tarde. (Adaptado de
Tzvetan Todorov, "Memória do mal, tentação do bem. Indagações sobre o século XX." ARX, 2002,
p. 211.)
a) Caracterize o contexto histórico em que surgiram os campos de concentração e de extermínio.
b) Que parcelas da população foram aprisionadas nesses campos?
c) Com base no texto, explique a importância do testemunho dos sobreviventes.
02- (UFRJ) "Quase todos os espanhóis pensavam na sua guerra civil em termos nacionais,
enquanto quase todos nós, por nosso lado, pensávamos em termos internacionais. Tínhamos
ambos razão".
HISTÓRIA
301
(Herbert L. Matthews, correspondente do "The New York Times" na Guerra Civil Espanhola. In
MATHEWS, Herbert L. "Metade da Espanha morreu": uma reavaliação da Guerra Civil Espanhola.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975, p. XIV.)
A Guerra Civil Espanhola (1936-1939) resultou do acirramento de tensões internas, mas acabou
por transformar-se em um conflito internacional de grandes proporções, a ponto de ser por muito
considerado como a primeira etapa da Segunda Guerra Mundial.
Explique um dos conflitos sociais presentes na Espanha que se manifestaram na Guerra Civil.
03- (PUCSP) A viagem levou uns vinte minutos. O caminhão parou; via-se um grande portão e,
em cima do portão, uma frase bem iluminada (cuja lembrança ainda hoje me atormenta nos
sonhos): ARBEIT MACHT FREI - o trabalho liberta. Descemos, fazem-nos entrar numa sala
ampla, nua e fracamente aquecida. Que sede! O leve zumbido da água nos canos da calefação
nos enlouquece: faz quatro dias que não bebemos nada. Há uma torneira e, acima, um cartaz:
proibido beber, água poluída (...). Isto é o inferno. Hoje, em nossos dias, o inferno deve ser assim:
uma sala grande e vazia, e nós, cansados, de pé, diante de uma torneira gotejante, mas que não
tem água potável, esperando algo certamente terrível acontecer, e nada acontece, e continua não
acontecendo nada.
(LEVI, Primo. "É isto um homem?" Rio de Janeiro: Rocco, 1988. p. 20).
A descrição acima - de um prisioneiro chegando a Auschwitz - revela angústia e horror. Os
campos de concentração nazistas eram
a) lugares de reabilitação de doentes mentais, criminosos comuns e prisioneiros políticos,
adversários do Nazismo.
b) instalados apenas na Alemanha e, neles, foram alojados, durante a Segunda Guerra Mundial,
judeus, homossexuais e comunistas.
c) lugares de execução sumaria e imediata de inimigos nacionais alemães e de pessoas que se
recusavam a trabalhar.
d) instalados para acolher os imigrantes que, vindos da Europa Oriental, tentavam penetrar no
território do Terceiro Reich sem autorização.
e) lugares onde os considerados indesejáveis eram submetidos a humilhações, trabalhos
forçados ou execuções em massa.
HISTÓRIA
302
04- (PUCCAMP) A imagem da explosão da bomba atômica, que dizimou mais de 100 mil pessoas
na cidade de Hiroshima, em 6 de agosto de 1945, não mostra os seus efeitos, mas ela estará na
memória para lembrar
a) as origens da Segunda Guerra Mundial, momento em que Hitler ataca uma base militar dos
Estados Unidos da América.
b) o acidente que ocorreu na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas no contexto da corrida
armamentista.
c) o desfecho final da Primeira Guerra Mundial, quando os países da Tríplice Entente
bombardearam essa cidade do Japão.
d) o ataque praticado pelos Estados Unidos da América visando a rendição dos japoneses na
Segunda Guerra Mundial.
e) os primeiros testes químicos realizados pelos japoneses na costa oriental do continente
asiático.
05- (PUC-RIO) As duas grandes Guerras Mundiais foram travadas a partir de contextos políticos
muito diferentes. No entanto, é possível identificar certas continuidades entre os dois conflitos.
Sobre essas semelhanças, podemos afirmar que:
I - ambas as guerras tiveram início nas agitações e turbulências políticas promovidas por grupos
nacionalistas nos Balcãs. O nacionalismo étnico da Sérvia e da Bósnia foram o estopim para as
ações militares que deram origem aos conflitos mundiais;
II - as duas guerras envolveram a participação da maioria dos cidadãos dos países envolvidos,
atingindo indiscriminadamente a população civil. A mobilização de tão grande contingente humano
foi possível graças ao uso ampliado de meios de comunicação de massa;
III - nas duas Guerras Mundiais, o emprego de armamentos em escala maciça exigiu a rápida
conversão de grande parte das indústrias dos países envolvidos para a produção bélica;
IV - as duas guerras estão diretamente relacionadas às crises sociais típicas do capitalismo
imperialista que, reduzindo a oferta de empregos fazem fracassar as políticas econômicas dos
principais países industrializados.
Assinale a alternativa:
a)
b)
c)
d)
e)
se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.
se somente as afirmativas I, III e IV estiverem corretas.
se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
se somente as afirmativas II e IV estiverem corretas.
06- (UNICAMP) Os ataques aéreos às torres gêmeas do WTC em Nova Iorque e ao prédio do
Pentágono em Washington, ocorridos nos Estados Unidos em 11 de setembro de 2001, fizeram
HISTÓRIA
303
com que os americanos e a imprensa evocassem o ataque à base militar de Pearl Harbor, no
Havaí, em 7 de dezembro de 1941.
a) O que foi o ataque a Pearl Harbor?
b) Qual foi a arma utilizada pelos americanos para obrigar à rendição o país que os atacou?
c) Cite duas diferenças políticas entre o ataque a Pearl Harbor e os ocorridos em 11 de setembro
de 2001.
07- (UNESP) O jornal "O Estado de S. Paulo" publicou:
"Apesar de ser um tema recorrente no cinema, na mídia e na literatura, 89% dos brasileiros não
sabem o que foi o holocausto (...). Em 14 países pesquisados na Europa e América Latina (...), os
brasileiros ficaram na penúltima colocação, com 11% (...). Os dados no Brasil foram coletados
pelo IBOPE...".
(17.7.2001, p. A-8.)
O holocausto foi a perseguição e o massacre de judeus ocorridos no contexto da 2 ヘ Guerra
Mundial.
a) Cite dois argumentos que os responsáveis pelo holocausto utilizaram na época para justificar
seus atos.
b) Indique outro evento de mesma natureza, registrado pela História após 1945.
HISTÓRIA
304
08- (PUC-RIO) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), por suas dimensões, perdas humanas e
materiais e por seus impactos, provocou uma série de modificações no cenário das relações
internacionais.
Considerando essas modificações, avalie as afirmações abaixo.
I - Houve a configuração da bipolaridade de interesses e disputas entre blocos de países liderados
pelos governos dos EUA e da URSS.
II - Assistiu-se ao incremento das lutas de descolonização em regiões asiáticas e africanas.
III - Concretizou-se a hegemonia britânica sobre a exploração de reservas petrolíferas no Oriente
Médio.
IV - Proibiu-se o uso de armas nucleares, devido ao impacto causado pelo lançamento das
bombas atômicas sobre o Japão.
V - Encerraram-se, em função do Holocausto, as perseguições e conflitos políticos por motivos
étnicos, religiosos ou raciais.
Assinale:
a)
b)
c)
d)
e)
se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas.
se apenas as afirmativas II e IV estiverem corretas.
se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.
se apenas as afirmativas III e V estiverem corretas.
se apenas as afirmativas IV e V estiverem corretas.
09- (PUCSP) Às 6 da manhã, do dia 7 de dezembro de 1941, aviões japoneses bombardearam a
base norte-americana de Pearl Harbor, no Havaí. A ofensiva iniciava o avanço japonês que, oito
meses depois, controlava parte significativa do Oceano Pacífico. Sobre os conflitos no Pacífico,
durante a Segunda Guerra Mundial, pode-se dizer que
a) demonstram a instabilidade política do Pacífico e do sudeste asiático, antes dominados
principalmente pela França e pela Inglaterra, e alvo, durante a Guerra, de interesses norteamericanos e japoneses.
b) ilustram o combate de japoneses e norte-americanos contra chineses e soviéticos, que
tentavam estabelecer na região a hegemonia de Estados guiados pela ideologia socialista.
c) desembocam na explosão das bombas atômicas em Hiroxima e Nagasaki, responsáveis pela
vitória final dos países Aliados sobre os países do Eixo e pela rendição incondicional de
Alemanha e Japão.
d) iniciam uma seqüência de combates aéreos e navais, dos quais participaram ativamente
todos os países envolvidos na Guerra, especialmente Alemanha e Itália, empenhadas em
defender as posições japonesas.
e) abrem espaço para a proliferação do islamismo, que acabou por conquistar, por meio de
revoluções populares, o controle de Estados como o Paquistão, a Índia ou as Filipinas.
10- (UFSM) "A poesia fugiu dos livros, agora está nos jornais.
Os telegramas de Moscou repetem Homero.
Mas Homero é velho. Os telegramas cantam
/um mundo novo
que nós, na escuridão, ignorávamos."
Os versos pertencem à "Carta a Stalingrado", Carlos Drummond de Andrade, e tratam de uma
batalha decisiva para os aliados, durante a 2a Guerra Mundial, assim como apontam a construção
de um "mundo novo".
HISTÓRIA
305
Através desses versos, inferem-se as tensões e esperanças da época, ou seja,
I. a consolidação do socialismo.
II. o esgotamento da literatura.
III. a vitória sobre o nazi-facismo.
Está(ão) correta(s)
a)
b)
c)
d)
e)
apenas I.
apenas II.
apenas III.
apenas I e III.
apenas II e III.
11- (PUCSP) Leia atentamente:
"No caso de Hiroshima, trata-se da catástrofe mais concentrada que já se abateu sobre os
homens. Numa passagem de seu diário, o dr. Hachiya [que testemunhou o fato] pensa em
Pompéia. Mas nem mesmo esta oferece termo de comparação. Sobre Hiroshima se abateu uma
catástrofe que foi planejada e executada com a maior precisão por seres humanos. A 'natureza'
está fora do jogo."
(Canetti, Elias. A Consciência das Palavras. SP: companhia das Letras, 1990).
O texto refere-se à explosão atômica
a) com a qual os EUA conseguiram a capitulação dos japoneses, último núcleo de resistência do
Eixo, ao fim do conflito mundial ocorrido entre 1939-45.
b) que funcionou como demonstração do poder militar americano, para intimidar a China que
havia aderido ao bloco comunista no fim da Segunda Guerra.
c) cujo objetivo foi colocar fim ao conflito dos EUA com o Vietnã, onde os guerrilheiros locais
impunham derrotas sistemáticas aos soldados americanos.
d) que resultou de acidente aéreo envolvendo caças americanos e soviéticos, quando
realizavam operações conjuntas com arsenal nuclear no Oceano Pacífico.
e) resultante do bombardeio promovido pelos EUA, durante o Segundo Conflito Mundial, a Pearl
Harbour, base militar japonesa onde era desenvolvida a bomba de hidrogênio.
12- (FATEC) A ocupação da Polônia marca o início da Segunda Guerra Mundial. A tentativa de
manter a paz a qualquer custo, como foi feito em Munique, se revelou impossível. Hitler não se
dava por satisfeito com a reconquista do "espaço vital", queria mais e mais. Sobre a Segunda
Guerra, é correto afirmar:
a) a) A Itália, aliada da Alemanha desde a assinatura do Pacto de Aço, declarou guerra à
Inglaterra e à França em junho de 1940. Em setembro do mesmo ano, a Itália atacou o Egito
e a Turquia.
b) Em 1941, tropas alemãs invadiram o território soviético e dominaram definitivamente
Leningrado e Moscou.
c) A partir dos sucessos na frente ocidental, da invasão e conquista de Bélgica, Holanda e
França e do recuo inglês para o outro lado do canal, Hitler voltou sua atenção para a Polônia.
d) O sucesso definitivo alemão deveu-se à sua tática militar, conhecida como "guerra
relâmpago"; essa consistia no uso de forças motorizadas, tanques e aviação, conjugados e
combinados entre si, em uma ação defensiva.
e) A partir da declaração de guerra, feita por Inglaterra e França contra a Alemanha, outros
países foram entrando no conflito, de ambos os lados. A cada novo beligerante, a relação de
forças se alterava, e a guerra entrava em uma nova fase. Inicialmente uma guerra européia,
estendeu-se paulatinamente à Ásia e a África.
HISTÓRIA
306
13- (UNESP) Imediatamente após a sua ascensão ao poder, Lênin disse:
"Este governo declara solenemente sua disposição de concluir imediatamente a paz (...)
igualmente justa para todas as nações e nacionalidades, sem exceção."
Em março de 1918 foi assinado o armistício de Brest Litovsk e os soviéticos saíram da Primeira
Guerra.
a) Justifique por que a assinatura do armistício de Brest Litovsk foi um ato coerente com a
política externa do governo bolchevista.
b) Por que a Alemanha tinha interesse em concluir a paz com os soviéticos?
14- (CESGRANRIO) As guerras mundiais do século XX, enquanto expressões das contradições e
da crise do sistema capitalista, definem-se como guerras:
I - de "redivisão de mercados e de colônias";
II - internas do sistema imperialista;
III - ligadas a corrida armamentista e a conflitos de interesses localizados;
IV - entre os países capitalistas desenvolvidos e as nações subdesenvolvidas do 3° Mundo.
Assinale se estão corretas apenas:
a)
b)
c)
d)
e)
I e II
II e III
I, II e III
I, II e IV
II, III e IV
15- (MACKENZIE) O filósofo francês Jean-Paul Sartre, falecido em 1980, foi convocado para
servir ao exército ao eclodir a Segunda Guerra Mundial. Ele registrou em um diário:
"(... ) tenho vergonha de confessar, começo a esperar o fim da guerra. Oh, é uma crença
imaginária, eu a espero como durante o inverno de 38 esperava o fim da paz, sem acreditar. Mas
afinal, estou tão deslocado da guerra como em 38 - 39 estava deslocado da paz."
(J. P. Sartre, DIÁRIO DE UMA GUERRA ESTRANHA)
HISTÓRIA
307
Destaque os acontecimentos ocorridos antes da ofensiva alemã, que levaram o filósofo, em 3839, a sentir-se deslocado da paz.
a)
b)
c)
d)
e)
A assinatura do Pacto Anti-Kominterm e a realização da Conferência de Potsdam.
A formação da Liga das Nações e a invasão da URSS.
A Conferência de Munique e Pacto de Não-Agressão Nazi-Soviético.
A Conferência de Yalta e a divisão da Alemanha.
O rompimento dos acordos de paz de Brest-Litowsky e a consolidação de duas super
potências.
16- (MACKENZIE) "No dia 26/04/1937... às 4:40 da tarde, começaram a surgir os Heinkel III
bombardeando a cidade e metralhando as ruas. Depois dos Heinkel III, vieram os Junkers 52,... A
população começou a abandonar a cidade, sendo metralhada na fuga. Bombas incendiárias e
outros explosivos foram lançados por vagas de aviões a cada 20 minutos, até as 7:45. A
destruição foi total."
(Thomas Hugh)
O massacre de Guernica, que foi retratado pelo pintor Pablo Picasso relaciona-se com:
a)
b)
c)
d)
e)
Cuba - (invasão da Baía dos Porcos, apoiada pelos americanos)
Espanha - (auxílio nazista aos nacionalistas)
Portugal - (intervenção fascista na Revolução dos Cravos)
Itália - (conflito entre republicanos e comunistas)
Inglaterra - (batalha da Grã-Bretanha na II Guerra Mundial)
UNIDADE II - O MUNDO BIPOLAR
CAPÍTULO 08
A GUERRA FRIA
1-
(UFRJ) Considerando o contexto da Guerra Fria, cite dois movimentos políticos surgidos na
África que questionavam a hegemonia norte-americana no continente.
2-
(UFRJ) Explique o papel da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e do Pacto
de Varsóvia naquela conjuntura.
HISTÓRIA
308
03- (UNIRIO) "A Segunda Guerra Mundial mal terminara quando a humanidade mergulhava no
que se pode encarar, razoavelmente, como Terceira Guerra Mundial, embora uma guerra muito
peculiar. Pois como observou o grande filósofo Thomas Hobbes, "guerra consiste não só na
batalha, ou no ato de lutar: mas num período de tempo em que a vontade de disputar pela batalha
é suficientemente conhecida" (Hobbes, capítulo 13). A Guerra Fria entre EUA e URSS, que
dominou o cenário internacional na segunda metade do Breve Século XX, foi sem dúvida um
desses períodos."
(Hobsbawm, Eric. "Era dos Extremos, o breve século XX -1914-1991", São Paulo, Cia das
Letras, 1995.)
Com relação ao período conhecido como Guerra Fria, verificamos que:
a) a humanidade vivia sob constante ameaça de uma guerra nuclear, em que dois países
decidiriam o destino do mundo.
b) o bloco socialista sempre defendeu o desarmamento, apesar da rivalidade entre as duas
potências.
c) o texto fez referência a uma Terceira Guerra Mundial, porém o bloco capitalista nunca
interferiu na política latino-americana.
d) ao longo do século XX, não se observaram movimentos contestatórios à bipolarização.
e) o mundo assistiu passivamente à disputa entre as duas potências, portanto não podemos
concordar com a idéia de a Guerra Fria ser um fenômeno mundial.
04- (PUCCAMP) Stalin havia acreditado que, em nome do Partido Comunista Soviético e da
URSS, podia imiscuir-se com todo o direito nos assuntos internos dos demais partidos e países
socialistas. E isto era o que fazia. Stalin considerava que o caminho do socialismo escolhido pela
URSS era o caminho universal e obrigatório para todos. O credo stalinista impunha-se para os
demais partidos... O primeiro que se arriscasse a por dúvida a justiça e acerto aos postulados da
política stalinista caminhava em busca deliberada do anátema. E os primeiros fomos nós.
(Editorial do Jornal "Borba", de Belgrado, 26/6/1968. ln. François Fejto. "História de Ias
democracias populares". Barcelona: Martinez Roca, 1971, v. 1, p. 10 e In. Leonel I. A. Mello
e Luis C. A. Costa. "História moderna e contemporânea". São Paulo: Sipione, 1999, p.402.)
O texto, escrito num jornal da Iugoslávia, refletia a principal contradição interna do bloco socialista,
no que se referia
a) à tendência liberal dos antigos países socialistas e ao forte controle regional soviético.
b) ao patriotismo dos povos dominados na Europa Oriental e à pressão política da URSS.
c) à formação de democracias populares no Leste Europeu e à abertura política da União
Soviética.
d) ao nacionalismo dos novos países socialistas e à busca de hegemonia por parte da URSS.
e) à descolonização dos países socialistas subdesenvolvidos e ao enfraquecimento da URSS.
HISTÓRIA
309
05- (PUCCAMP) Leia os trechos da mensagem do presidente Harry Truman, dos Estados Unidos
da América, ao Congresso, em 1947.
No momento atual da história do mundo quase todas as nações se vêem na contingência de
escolher entre modos alternativos de vida. E a escolha, algumas vezes, não é livre. Acredito que a
política dos Estados Unidos deve ser a de apoiar os povos livres que estão resistindo à
subjugação tentada por minorias armadas ou por pressões vindas de fora. Acredito que
precisamos ajudar os povos livres a elaborar os seus destinos à sua maneira. (...) Se
fraquejarmos em nossa liderança, poderemos pôr em perigo a paz do mundo e poremos
seguramente em perigo o bem-estar da nossa nação.
(Ricardo de Moura Faria e outros. "História". Belo Horizonte: Lê, 1993. p. 366-7)
Os princípios contidos na mensagem serviram como justificativa para que o governo dos Estados
Unidos da América
a)
b)
c)
d)
ajudasse, militar e economicamente, a luta de independência dos países africanos e asiáticos.
contribuísse para a proliferação de governos democráticos em todo o continente americano.
desse continuidade à política intervencionista visando garantir sua hegemonia no mundo.
reconhecesse os direitos políticos e a liberdade de expressão dos cidadãos do seu próprio
país.
e) desencadeasse uma política de pacificação e ajuda econômica no Oriente Médio.
06- (UFSM) Leia o texto a seguir.
Tornava-se claro que toda a tecnologia em desenvolvimento na corrida pela conquista do espaço
não seria só utilizada para viagens espaciais, ou em proveito da humanidade. Atrás do cenário da
"odisséia do espaço", ocultavam-se fins bélicos. [...] os foguetes desenvolvidos poderiam servir
tanto para transportar cargas pacíficas (satélites) como armas atômicas. O progresso da
humanidade trazia consigo o princípio do fim. Um incidente internacional, ocorrido em 1962, é
exemplar para demonstrar a permanente tensão vivida pelo mundo.
(MILDER,Saul. "A conquista da lua". SãoPaulo: FTD, 1997.)
Assinale a alternativa que apresenta o incidente a que o texto se refere.
a)
b)
c)
d)
e)
Invasão da Baía dos Porcos por castristas.
Argumento do Muro de Berlim.
A invasão da Hungria pela URSS.
O não-alinhamento da Iugoslávia.
A crise dos mísseis soviéticos em Cuba.
07- (UFRS) O final da Segunda Guerra Mundial possibilitou a emergência das superpotências que
se enfrentaram numa "Guerra Fria", explícita a partir de 1947, e a divisão do mundo em blocos de
poder bipolar. Como aspectos desse processo, apresentam-se os itens abaixo.
I - A "Doutrina Truman", enunciada pelo presidente dos EUA, e o plano Marshall, de ajuda
econômica à Europa.
II - O informe Jdanov e a criação do Cominform pelos partidos comunistas europeus.
III - A intensificação da corrida pelo desenvolvimento dos armamentos nucleares e a divisão da
Alemanha.
Quais deles apresentam corretamente aspectos do processo citado?
a) Apenas I.
b) Apenas II.
HISTÓRIA
310
c) Apenas III.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.
08- (UFC) Leia as afirmativas a seguir, a respeito da década de setenta do século XX.
I. Os EUA saíram vitoriosos na guerra do Vietnã.
II. O escândalo de "Watergate" provocou a renúncia do presidente dos EUA, Richard Nixon.
III. A derrubada do governo de Salvador Allende, no Chile, contou com o apoio do governo norteamericano.
Da leitura das afirmativas acima, é correto afirmar que:
a)
b)
c)
d)
e)
somente II é verdadeira.
somente III é verdadeira.
I e III são verdadeiras.
II e III são verdadeiras.
I e II são verdadeiras.
09- (UFF) Com o final da 2 ヘ Guerra Mundial, iniciou-se um novo período na história da
humanidade. Vencido o perigo nazista, enfrentaram-se as duas forças hegemônicas do pósguerra: os Estados Unidos da América, campeões do capitalismo, e a URSS, campeã do
socialismo.
A Guerra Fria foi o resultado óbvio dessas tensões e disputas. Entretanto, ao mesmo tempo em
que socialismo e capitalismo disputavam o predomínio na produção e nos mercados, a revolução
tecnológica avançava como conseqüência, até mesmo, da concorrência entre esses dois países.
A corrida espacial foi um dos aspectos dessa concorrência.
Ao lado da política e da economia, passou a existir o desejo do bem-estar e do conforto - mostrar
onde se vivia melhor era fundamental. Esse desejo fez com que rapidamente se transferissem
para o cotidiano dos homens os resultados práticos das inovações de guerra. Mais conforto,
novas comodidades, alterações nos comportamentos sinalizaram um novo tempo, um novo
século.
Cai o império soviético.
Hoje, no mundo globalizado, o conhecimento humano não tem fronteiras nem limites: DNA,
genoma, clonagem, novas tecnologias para comunicação evidenciam o progresso no século XXI.
No contexto do pós-2a Guerra Mundial, constata-se, entre outros aspectos, que:
a) A tecnologia incorporou-se à vida dos homens, tornando quase impossível imaginar-se que
alguém sobreviva sem um telefone e uma televisão. Essa ânsia por novidades levou às
disputas nucleares entre EUA e URSS que culminaram com o desastre de Chernobyl.
b) A disputa, mostrada na TV, entre duas empresas que buscam conquistar usuários da telefonia
ilustra o quanto esse setor evoluiu. O mesmo progresso que permitiu, nos últimos 50 anos, a
indiscutível evolução dos meios de comunicação, também possibilitou a eliminação da
pobreza, reduziu as doenças e transformou as cidades em áreas despoluídas.
c) Inovações tecnológicas levaram o homem à Lua e melhoraram as condições de vida no
planeta. No entanto, a falta de controle sobre as pesquisas científicas realizadas na antiga
URSS conduziu a certos exageros, como o desastroso desenvolvimento da engenharia
genética.
d) A ditadura da técnica e da objetividade implantou-se no mundo pós-2a Guerra. De um lado,
para fazer com que o holocausto fosse esquecido e, de outro, para viabilizar a constituição de
formas universais de controle político e econômico que não deram certo porque a URSS foi
derrotada pelo capitalismo.
e) A Guerra Fria representou para o século XX mais do que a mera disputa entre dois modos
diferentes de vida; indicou, também, o momento em que as inovações tecnológicas e as
transformações nas ciências passaram a se integrar no cotidiano dos homens. Tal integração
HISTÓRIA
311
trouxe novidades que revolucionaram o mundo como, por exemplo, as observadas nos
campos da comunicação e da informática.
10- (FGV) Em 1955, os países do Leste Europeu instituem uma aliança militar. A essência dessa
aliança está em um compromisso de ajuda mútua, em caso de agressão armada de outras
nações.
Estamos nos referindo ao Pacto de:
a)
b)
c)
d)
e)
Varsóvia;
Organização do Tratado do Atlântico Norte;
Bandung;
Potsdam;
Suez.
11- (PUCRS) Após o término da Segunda Guerra Mundial, o governo norte-americano lançou o
Plano Marshall, que se constituiu em uma manobra estratégica fundamental no interior da Guerra
Fria. Este plano visava a
a) garantir, aos norte-americanos, o fim das hostilidades entre o Vietnã do Sul e o Vietnã do
Norte.
b) obter a vitória, no Senado, dos republicanos, os quais defendiam o retorno do isolacionismo
norte-americano em relação às guerras na Europa.
c) assegurar a livre penetração dos capitais norte-americanos no continente europeu e nos
países da Europa Oriental.
d) difundir uma doutrina político-ideológica que alertasse quanto ao perigo do macartismo na
década de 1950, nos Estados Unidos.
e) estabelecer a "coexistência pacífica" entre os Estados Unidos e os países do Leste Europeu,
através da política de investimentos no bloco soviético.
12- (UFV) Leia atentamente o texto abaixo:
"As partes estão de acordo em que um ataque armado contra uma ou mais delas na Europa ou na
América no Norte deve ser considerado uma agressão contra todas; e, conseqüentemente,
concordam que, se tal agressão ocorra, cada uma delas (...) auxiliará a parte ou as partes
agredidas (...)".
Este texto faz parte do Artigo 5Ž do Estatuto da OTAN, organização criada em 1949, com objetivo
de proteger militarmente as potências ocidentais da ameaça soviética. No entanto, com fim da
URSS e da Guerra Fria, a partir de 1989, a OTAN, além de não ter sido desativada, teve seus
poderes ampliados. Explique por quê.
HISTÓRIA
312
13- (MACKENZIE) (...) quem foi o responsável pela Guerra Fria? (...) é tentador juntarmo-nos aos
mediadores históricos que atribuem ao medo mútuo de confronto que aumentou até os dois
"campos armados começarem a mobilizar-se" (...) claro que isso é verdade, mas não toda a
verdade (...) Mas não explica o tom apocalíptico da Guerra Fria.
Eric J. Hobsbawm
Dentre as origens da Guerra Fria podemos destacar:
a) a Doutrina Trumam, que incentivou os soviéticos a ampliarem seu domínio político nos países
do Leste europeu.
b) a divisão do território alemão pelas potências vencedoras da II Guerra Mundial e as
divergências quanto à sovietização do Oriente Médio.
c) a construção de um discurso inglês e norte-americano, que procurou mostrar os perigos do
expansionismo soviético.
d) a assinatura do Pacto de Varsóvia, que proibiu a Iugoslávia de receber ajuda econômica e
militar dos Estados Unidos.
e) a declaração unilateral da URSS da "Detente", que exprimia o desejo de buscar a
coexistência pacífica entre os dois sistemas ideológicos.
14- (PUC-RIO)
"O fim do bloqueio a Berlim em maio de 1949 não impediu que os Estados
Unidos, a Grã-Bretanha e a França mantivessem sua firme presença nos setores de ocupação
ocidental da cidade. A partir daí, as fronteiras da Guerra Fria ficaram congeladas na Europa por
mais de uma geração. (...) Relutantes em alterar o "status quo" europeu do pós-guerra (...) em
função do alto custo das mudanças para ambos os lados (...) o campo de batalha da Guerra Fria
foi deslocado para a Ásia e o Oriente Médio."
(Adaptado de Robert O. Paxton, "Europe in the 20th Century", p. 557-8.)
Considerando o texto apresentado,
a) - cite 2 (dois) exemplos de conflitos asiáticos que exemplifiquem o deslocamento das maiores
tensões da Guerra Fria para a Ásia e o Oriente Médio;
b) - explique de que forma ou a partir de que mecanismo foram mantidas, no continente europeu,
as respectivas áreas de influência das duas principais potências durante a Guerra Fria.
15- (UFRJ) "Atravessamos um dos momentos mais graves da vida do nosso povo. (...) é o
sangue do povo, sem distinções de sexo ou de idade, de homens, mulheres e crianças, que corre
nas ruas de nossas cidades e nos cárceres da reação e, denuncia as intenções sinistras do bando
de assassinos, negocistas e traidores que hoje governa o país.
É a guerra que nos bate às portas e ameaça a vida de nossos filhos e o futuro da nação.
Sentimos em nossa própria carne, através do terror fascista, como avançam os imperialistas
norte-americanos no caminho do crime, dos preparativos febris para a guerra, como passam eles
HISTÓRIA
313
à agressão aberta e à intervenção armada contra os povos que lutam pelo progresso e a
independência nacional.
E é por meio do terror fascista, procurando criar um clima de guerra civil, que o governo de
traição nacional de Dutra quer levar o país à guerra e fazer de nossa juventude carne de canhão
para as aventuras bestiais de Truman."
PRESTES, Luís Carlos. "Manifesto". Agosto de 1950.
Há cinqüenta anos, o Partido Comunista do Brasil (PCB) emitia um documento de caráter radical
assinado por seu Secretário Geral. Nele o Partido manifestava toda sua apreensão em relação à
situação política internacional (Guerra Fria) e seus reflexos no Brasil. Essas preocupações,
segundo o documento, centravam-se, naquele momento,
a) no início da Guerra da Coréia, no risco de uma conflagração nuclear e na pressão norteamericana pela participação do Brasil no conflito contra a Coréia do Norte Socialista.
b) na defesa da União Soviética, enfraquecida, ao final da Segunda Guerra Mundial, e
ameaçada de invasão pelos Estados Unidos da América (Plano Marshall).
c) no processo de descolonização africana a partir da perda de influência dos países
imperialistas europeus e do surgimento de movimentos de independência com inspiração
socialista.
d) na eclosão da Revolução Cubana e no conflito gerado com os grandes latifundiários norteamericanos prejudicados com a decretação de uma reforma agrária.
e) no início do envolvimento norte-americano no Vietnã e nos riscos de eclosão de uma guerra
civil no Brasil após o suicídio de Getúlio Vargas.
16- (UFG) Entre a Declaração Truman (1947) e o desmantelamento do regime socialista na URSS
(1991), o mundo viveu sob o signo da Guerra Fria. Numa avaliação posterior, a Guerra Fria surge
como uma "paz regulada", que propiciava, em última instância, o equilíbrio. Assim sendo, era
positiva para as potências, pois estas não precisavam assumir um confronto direto; antes, o
evitavam. Mas está claro que a Guerra Fria gerou, para os que a vivenciaram, a sensação de
ameaça real e constante.
Com base nessas informações, analise os desdobramentos da Revolução Cubana (1959) "no
contexto da Guerra Fria."
17- (UFSCAR) A Finda a II Guerra Mundial, os EUA e a URSS emergiram como superpotências
antagônicas. Entre as questões e conflitos internacionais relevantes que ocorreram durante o
governo de Harry S. Truman (1945-1953), destacam-se:
a)
b)
c)
d)
e)
Liga das Nações, política da boa vizinhança, crise dos mísseis, primavera de Praga.
Conferência de Yalta, guerra do Vietnã, revolução argelina, Aliança para o Progresso.
New Deal, intervenção na Guatemala, revolução cubana, armistício com a Coréia.
cerco de Berlim pela URSS, revolução chinesa, guerra da Coréia, plano Marshall.
Conferência de Potsdam, revolução mexicana, armistício no Vietnã, doutrina Monroe.
18- (UERJ)
O DIA EM QUE A GUERRA FRIA CHEGOU À LUA
HISTÓRIA
314
Casa Branca, 21 de novembro de 1962. Na sala de reunião, dez pessoas ouviam o então
presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy. Entre elas, o diretor-geral da Nasa - a agência
espacial americana. (...) O motivo da reunião: a corrida espacial. Kennedy queria da Nasa mais
empenho para que os americanos chegassem antes dos soviéticos à Lua. Pela primeira vez, o
governo dos EUA dizia abertamente que a ida à Lua não era uma das prioridades do programa
espacial, mas a prioridade. E mais, não era um problema de ciência, mas de política.
("Jornal do Brasil", 25/08/2001.)
a) Caracterize a Guerra Fria.
b) Aponte um fato histórico ocorrido na América, no início dos anos 60, que exemplifique a
inclusão deste continente no contexto da Guerra Fria.
19- (UFRJ) Ao longo do século XIX é possível identificar algumas tentativas de integração
européia, que não alcançaram grande repercussão. A idéia de uma Europa unida estava ainda
distante. Segundo Bismark, Chanceler da Prússia e depois da Alemanha, "quem fala de Europa,
se equivoca. Noção geográfica... ficção insustentável."
Contudo, na segunda metade do século XX, se fortaleceu a proposta de uma maior
integração econômica e política do continente, com a assinatura do Tratado de Roma e a
constituição da comunidade Econômica Européia (CEE).
Explique um fator que tenha contribuído para a criação da CEE.
20- (FUVEST) A era de paz e cooperação, que muitos esperavam se seguiria à vitória dos aliados
na Segunda Guerra Mundial, não resistiu até o final dos anos de 1940, tendo sido substituída pela
"guerra fria", entre as grandes potências, e por "guerras quentes" localizadas. Considerando a
"guerra fria",
a) explique as divergências fundamentais entre as grandes potências;
HISTÓRIA
315
b) relacione a "guerra fria" com um conflito de "guerra quente".
21- (PUCMG) No atual estágio do capitalismo oligopolista avançado, a aproximação ideológica da
indústria cultural com os interesses da acumulação do capital tem se mostrado cada vez mais
evidente, o que pode ser constatado através da, exceto:
a)
b)
c)
d)
utilização de formas padronizadas e estereotipadas pela mídia.
produção e difusão em larga escala de bens simbólicos.
constituição de massas consumidoras conscientes e críticas.
contínua homogeneização massificante do mercado.
22- (FGV) Há 25 anos terminava um dos maiores conflitos do século XX: a Guerra do Vietnã. Por
mais de dez anos as Forças Armadas do EUA tentaram destruir a guerrilha vietcongue e impor
seu modelo político-econômico aos rebeldes. Entre os fatos que definiram a derrota dos EUA, não
está:
a) a liberação de cerca de US$ 700 milhões ao Vietnã do Sul, impedida pelo Congresso dos
EUA;
b) a mobilização internacional contra a Guerra e pela autonomia dos povos;
c) a pressão da opinião pública estadunidense impactada ao receber sua juventude morta ou
mutilada;
d) a convocação da Conferência de Paris (1973), que resultou no acordo para a desocupação
das tropas estadunidenses da região;
e) o acordo de Ho Chi Minh com Ngo Dihn Dien, unificando os Vietnãs.
23- (UNESP) Denomina-se descolonização o processo, ocorrido sobretudo nas décadas de 19501960, que colocou fim aos impérios coloniais europeus.
a) Indique uma causa da descolonização.
HISTÓRIA
316
b) Relacione descolonização e Guerra Fria.
23- (UFSM) Leia o fragmento a seguir.
ATA DA INDEPENDÊNCIA DA ÍNDIA
18 de julho de 1947
1. A partir do dia 15 de agosto de 1947, dois Domínios independentes serão estabelecidos na
Índia, conhecidos sob os respectivos nomes de Índia e de Paquistão. No presente ato, os ditos
domínios serão chamados "novos domínios" e o mencionado quinze de agosto será chamado "dia
designado". [...]
(CARVALHO, Delgado de. "História Documental Moderna e Contemporânea". Rio de
Janeiro: Record Cultural, 1976. p. 323.)
Observa-se, através do texto, que a Índia foi dividida. Essa divisão ocorreu, principalmente, por
motivos
a)
b)
c)
d)
e)
religiosos.
geopolíticos.
econômicos.
diplomáticos.
sociais.
24- (ENEM) 1 - "(...) O recurso ao terror por parte de quem já detém o poder dentro do Estado não
pode ser arrolado entre as formas de terrorismo político, porque este se qualifica, ao contrário,
como o instrumento ao qual recorrem determinados grupos para derrubar um governo acusado de
manter-se por meio do terror".
2 - Em outros casos "os terroristas combatem contra um Estado de que não fazem parte e não
contra um governo (o que faz com que sua ação seja conotada como uma forma de guerra),
mesmo quando por sua vez não representam um outro Estado. Sua ação aparece então como
irregular, no sentido de que não podem organizar um exército e não conhecem limites territoriais,
já que não provêm de um Estado".
("Dicionário de Política" (org.) BOBBIO, N., MATTEUCCI, N. e PASQUINO, G.,
Brasília: Edunb,1986.)
De acordo com as duas afirmações, é possível comparar e distinguir os seguintes eventos
históricos:
I. Os movimentos guerrilheiros e de libertação nacional realizados em alguns países da África e do
sudeste asiático entre as décadas de 1950 e 70 são exemplos do primeiro caso.
II. Os ataques ocorridos na década de 1990, como às embaixadas de Israel, em Buenos Aires,
dos EUA, no Quênia e Tanzânia, e ao World Trade Center em 2001, são exemplos do segundo
caso.
HISTÓRIA
317
III. Os movimentos de libertação nacional dos anos 50 a 70 na África e sudeste asiático, e o
terrorismo dos anos 90 e 2001 foram ações contra um inimigo invasor e opressor, e são exemplos
do primeiro caso.
É correto o que se afirma apenas em
a)
b)
c)
d)
e)
I.
II.
I e II.
I e III.
II e III.
25- (UFF) A descolonização e as lutas pela libertação nacional dos países africanos imprimiram,
após a 2a Guerra Mundial, uma nova divisão territorial no continente africano.
Considere esse processo de descolonização e analise as afirmativas:
I) A dominação imperialista da Europa sobre o território africano foi denunciada pelo filósofo e
escritor Sartre, considerado a grande voz da consciência européia anticolonialista.
II) A Frente de Libertação Argelina foi a principal organização que, lutando pela independência da
Argélia, conseguiu libertá-la do colonizador português.
III) As guerras de independência das colônias portuguesas revelaram a fragilidade do sistema
econômico e social da metrópole que, à época, encontrava-se sob o governo de Salazar.
IV) A Conferência de Bandung, em 1955, da qual participaram os países recém-liberados da
dominação colonial, representou um importante estímulo para o processo de descolonização de
países africanos.
V) A libertação de Angola deu-se por via pacífica, tendo sido selada, em 1974, pelo Acordo de
Alvor, celebrado entre o Movimento Popular de Libertação de Angola e o governo português.
As afirmativas que estão corretas são as indicadas por:
a)
b)
c)
d)
e)
I, II e III
I, III e IV
I, IV e V
II, III e IV
III, IV e V
26- (PUC-RIO) As lutas pela descolonização transformaram profundamente o mapa político
mundial na segunda metade do século XX. As alternativas abaixo relacionam características
importantes dos Estados nacionais surgidos na África e Ásia ao longo desse período, com
exceção de uma. Qual?
a) A maioria dos novos Estados nacionais adotou sistemas políticos e modelos de governo
ocidentais inspirados nas experiências de suas metrópoles.
b) Os Estados recém-constituídos conseguiram construir uma identidade política sólida, o que
permitiu a organização do movimento dos países "não-alinhados", em Bandung, na Indonésia.
c) Na maioria dos novos países, coube ao Estado tomar para si as tarefas de modernização e
crescimento econômico com o objetivo de promover o desenvolvimento nacional.
d) Nos países em que a independência se realizou por meio de revoluções sociais, os novos
Estados tenderam para o modelo soviético.
e) Nos processos de independência conseguidos através de guerras contra as antigas
metrópoles, os exércitos nacionais e suas lideranças acabaram por desempenhar um papel
de destaque na política nacional dos novos Estados.
HISTÓRIA
318
CAPÍTULO 09
OS GOVERNOS POPULISTAS NO BRASIL
01- (UNIFESP) A julgar pelas opiniões emitidas hoje sobre o passado republicano e democrático
do Brasil, tanto pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, quanto por praticamente todos os
candidatos nas últimas eleições à presidência da República, pode-se afirmar que, quanto mais o
tempo passa, mais parece se consolidar a imagem positiva do ex-presidente Juscelino
Kubitschek. Isto se deve, fundamentalmente,
a)
b)
c)
d)
e)
ao salário mínimo elevado.
à construção de Brasília.
ao rompimento com o FMI.
à modernização do campo.
à expansão industrial.
02- (UNIFESP) Em 1956, discutia-se no Brasil a extensão da CLT aos trabalhadores rurais. O
texto a seguir foi extraído de um jornal do dia 22 de fevereiro daquele ano: Como se pode
pretender aplicar a Consolidação das Leis do Trabalho aos que militam na lavoura, se a muitos de
seus dispositivos, nos meios urbanos, deve ser atribuída a inútil discórdia que se estabelece entre
patrões e empregados?
A posição expressa pelo jornal pode ser considerada
a)
b)
c)
d)
e)
populista.
progressista.
conservadora.
socialista.
paternalista.
03- (UNICAMP) Em 1897 foi inaugurada a cidade de Belo Horizonte, considerada a mais
importante cidade planejada do fim do século XIX no Brasil. Seu desenho era regular como um
tabuleiro de xadrez. Ao substituir Ouro Preto, a cidade almejava atender aos antigos objetivos de
se criar uma nova capital que expressasse os ideais de um Brasil republicano.
a) Que ideais do Brasil republicano estavam expressos na criação da cidade de Belo Horizonte?
b) Que paralelos podem ser estabelecidos com a criação da cidade de Brasília?
HISTÓRIA
319
c) Caracterize o contexto histórico da transferência da capital federal do Rio de Janeiro para
Brasília.
04- (UFV) Durante o governo do presidente Juscelino Kubitschek, a política econômica
predominante foi o nacional-desenvolvimentismo, que teve como característica:
a) a adoção de uma política de substituição das importações, de caráter nacionalista, em que o
Estado assumia a produção de bens não-duráveis.
b) o incentivo à ampliação do parque industrial, por meio de ações combinadas envolvendo o
Estado, as empresas privadas nacionais e o capital estrangeiro.
c) a implementação de reformas no serviço público e de controle dos meios de comunicação
como ainda não se vira antes, destinadas a racionalizar a máquina estatal e a divulgar as
obras do governo.
d) a criação de incentivos fiscais voltados para a diversificação da produção agrícola, visando
tornar concreto o mito de que o Brasil era o grande celeiro do mundo.
e) o controle estatal da infra-estrutura (transportes, comunicação e energia) e da indústria
básica, ficando as outras áreas de atividade econômica com a empresa privada nacional.
05- (UNESP) Durante o governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961), o país viveu uma decisiva
experiência de planejamento econômico governamental, o Plano de Metas.
a) Quais setores econômicos foram destacados pelo Plano como prioritários para o
desenvolvimento do país?
b) Como se explica a expansão industrial brasileira no período referido?
HISTÓRIA
320
06- (PUCPR) A democracia, por pior que seja, dá oportunidade de discussão, de crítica, a
imprensa publica as críticas, o povo tem liberdade de falar na esquina sem temer a prisão, e os
detentores do poder não praticam o erro deliberadamente porque sabem que o povo denuncia.
(Rezende, Íris, Retrato do Brasil. Depoimentos. São Paulo, Política Editora de Livros, Jornais e Revistas, 1984, p. 52).
Assinale a alternativa em que aparece um período histórico no qual a democracia foi amplamente
praticada.
a)
b)
c)
d)
e)
No Chile, com o governo de Augusto Pinochet (1973-1990).
Na Alemanha, no período de (1939-1944).
Na Itália, no período de (1930-1940).
No Brasil, sob o governo de Getúlio Vargas (1937-1944).
No Brasil, sob a presidência de Juscelino Kubitschek (1956-1961).
07- (UERJ) Varre, varre, varre, varre, vassourinha.
Varre, varre a bandalheira,
Que o povo já está cansado
De sofrer desta maneira.
Jânio Quadros é a esperança deste povo abandonado.
(Nosso Século. São Paulo: Abril Cultural, 1980.)
Esse "jingle" acompanhou o candidato Jânio Quadros durante a sua campanha à presidência da
República, em 1960.
A letra sintetiza a seguinte política de resolução dos problemas da época:
a) a austeridade do governo e o controle dos gastos públicos conteriam a inflação e a corrupção
oficial
b) a disputa de mercados externos e a ideologia nacionalista aumentariam o superávit comercial
e a geração de renda
c) o atendimento à economia popular e à produção de alimentos baixariam o custo de vida e os
gastos do governo
d) a defesa dos interesses nacionais e a adoção de uma política externa independente gerariam
emprego e novas possibilidades econômicas
08- (CESRANRIO) "Tenho neste momento como razão de maior orgulho poder entregar a V. Exa.
o governo da república em condições muito diversas daquelas em que o recebi, no tocante à
estabilidade do regime. Está consolidada entre nós a democracia e estabelecida a paz..."
(KUBITSCHEK, Juscelino."Meu Caminho para Brasília." Rio de Janeiro: Bloch , 1978. vol 3. p. 451)
No ano de 2002, o país comemora o centenário de nascimento de Juscelino Kubitschek, o
presidente em cujo mandato se mantiveram instituições estáveis e democráticas. O período
imediatamente anterior à sua posse foi marcado por crises sucessivas, bem como o governo que
o sucedeu.
As condições de instabilidade a que o presidente se referia, no trecho acima, ocorreram no
período em que:
a) uma conspiração udenista, após a morte de Vargas e o governo de Café Filho, tentou impedir
a posse dos eleitos, a qual acabou sendo garantida pelo então Ministro da Guerra.
b) sua política desenvolvimentista, marcada pelo slogan "cinqüenta anos em cinco", levou a um
processo inflacionário acelerado e ao seu conseqüente desprestígio.
c) o presidente Jânio Quadros, eleito por esmagadora maioria, procurava aproximar-se dos
países socialistas, em busca de empréstimos externos.
d) o vice-presidente João Goulart, submetido ao sistema parlamentarista, então instituído,
assumiu o governo, face à renúncia de Jânio Quadros.
e) os governos militares, tentando implementar a indústria de base no Brasil, foram acusados de
forte internacionalização da economia, pela entrada das multinacionais no mercado brasileiro.
HISTÓRIA
321
09- (PUCCAMP) Leia o texto.
Assumiu freqüentemente a figura do ridículo sem se desgastar, compensando-a com sua
poderosa eloqüência: sua maneira de se expressar, ou em público ou em particular, era original.
Estilista, preferia os vocábulos eruditos, utilizando frases de esdrúxula sintaxe, pronunciando
sílaba a sílaba das palavras cuidadosamente escolhidas, como que saboreando-as, e
obedecendo com excessivo rigor à pontuação. Muitos o achavam demagogo. Outros procuravam
ridicularizá-lo. Mas ele, indiferente, continuava batendo-se contra os moinhos de vento (...).
(Wilson Gomes. ln: Antonio Carlos Meira. "Brasil: recuperando a nossa história". São
Paulo: FTD, 1998. p. 231.)
No Brasil, o populismo despertou o surgimento de políticos carismáticos que criavam uma imagem
visando a atrair a atenção do eleitorado. O texto revela a personalidade característica de
a)
b)
c)
d)
e)
Carlos Lacerda que foi presidente do Congresso Nacional.
João Goulart que foi vice-presidente e presidente da República.
Jânio da Silva Quadros que foi presidente da República.
Juscelino Kubitschek que foi presidente da República.
Tancredo Neves que foi primeiro ministro no governo João Goulart.
10- (PUCCAMP) Leia os versos do folheto de cordel.
Além de tudo o patrão
Não deixa o pobre criar
Uma cabrinha leiteira
Para os filhos sustentar
Quer criar ele não deixa
Pede leite ele não dá
Se o camponês discordar
Dessa vida desgraçada
Vê do dia para a noite
Sua casa destelhada
Seus troços jogados fora
E a lavoura arrancada.
Uni-vos homens do campo
Na vossa associação
Até conseguir um dia
Completa libertação
Ela está dependendo
Da vossa organização...
Os versos do folheto de cordel, inspirado na vida de Francisco Julião, revelam as tensões sociais
no campo no Nordeste brasileiro, no final da década de 1950. As idéias contidas nos versos
deram origem à formação
a) do Movimento dos Sem Teto, que propunham aos camponeses o êxodo para as cidades.
b) do Partido dos Trabalhadores, que lutava pela reforma agrária e pela construção de casas
populares.
c) do Partido Trabalhista Brasileiro, cuja reivindicação central era a defesa de uma reforma
agrária.
d) das Ligas Camponesas, que tinham como objetivo a luta dos trabalhadores pela posse da
terra.
e) da União Democrática Ruralista, que mobilizava os camponeses contra os latifundiários.
HISTÓRIA
322
11- (FGV) No decorrer do governo de João Goulart, a instabilidade da democracia populista
chegou ao seu ponto culminante. A esse respeito é correto afirmar:
a) O descontentamento dos setores conservadores era decorrente do decreto de 1964, pelo qual
Goulart garantia a legalidade do Partido Comunista Brasileiro.
b) A união dos setores progressistas aos grupos conservadores do PSD permitia a
implementação de medidas de caráter socialista com ampla maioria parlamentar.
c) No Congresso houve um realinhamento partidário, que resultou na organização da Frente
Parlamentar Nacionalista e da Ação Democrática Parlamentar.
d) O descontentamento dos setores da esquerda era decorrente do veto de Goulart à Lei de
Remessa de Lucros, que limitava a saída de capital do país.
e) O fechamento do Congresso Nacional e a decretação do Estado de Sítio, quando da Revolta
dos Sargentos, fizeram o presidente perder o apoio político dos setores democráticos.
12- (FGV) "O sucesso da política econômica de Kubitschek foi o resultado direto de seu sucesso
no sentido de manter a estabilidade política. (...) O segredo residia na marcante habilidade de
Kubitschek em encontrar alguma coisa para cada um, enquanto evitava qualquer conflito direto
com seus inimigos. Este estilo político não envolvia mudanças fundamentais. Pelo contrário,
Kubitschek utilizava-se do próprio sistema a fim de ganhar apoio". (Thomas Skidmore - "Brasil:
de Getúlio a Castelo". p. 207).
A política econômica referida no texto é:
a)
b)
c)
d)
e)
o Plano Cruzado, que tinha por objetivo combater a inflação.
o Plano SALTE, cujas propriedades eram saúde, alimentação, transporte e energia.
o Plano de Reformas de Base, que tinha por prioridade a redistribuição de renda.
o Plano de Metas, que consagrava a política nacional-desenvolvimentista.
o Plano Trienal, que previa reformas econômicas estruturais.
13- (UFF) Após a renúncia de Jânio Quadros, greves e paralisações fortaleceram os movimentos
de esquerda, provocando o período de tensões que antecedeu a queda de João Goulart.
A derrubada do Governo João Goulart - em 1Ž de abril de 1964 - está inspirada na interpretação
de que o País estava sendo campo de uma verdadeira guerra revolucionária. Segundo se
afirmava, destinava-se esta a instaurar a República Sindicalista.
(IANNI, Octavio. "O Colapso do populismo no Brasil." 3 ヘ ed.. RJ: Civilização
Brasileira, 1975, p. 142.)
O populismo no Brasil, a cuja crise o texto se refere, pode ser associado:
a)
b)
c)
d)
e)
ao processo de extinção dos partidos políticos e à proposta de substituí-los pelos sindicatos;
à guerrilha praticada pelos movimentos de esquerda com vistas à implantação do socialismo;
às aspirações das classes populares ao papel de protagonista no cenário político brasileiro;
ao paternalismo dos políticos brasileiros inaugurado por Arthur Bernardes;
aos benefícios, como o PIS e o PASEP, concedidos às camadas populares do Brasil.
14- (MACKENZIE) O presidente acusava as misteriosas "forças ocultas" como responsáveis pelo
seu ato. Hoje, há poucas dúvidas de que a renúncia fazia parte de uma estratégia golpista.
Minoritário no Congresso, criticado duramente por Carlos Lacerda, o presidente esperava voltar
nos braços do povo, fato que não se confirmou.
Através do texto, identifique o acontecimento histórico em questão.
a)
b)
c)
d)
e)
Suicídio do Presidente Getúlio Vargas
Impeachment do Presidente Collor de Mello
Queda do governo Goulart.
Deposição de Carlos Luz.
Renúncia de Jânio Quadros.
HISTÓRIA
323
15- (MACKENZIE) Sobre os partidos políticos criados no final do Estado Novo e que comandaram
a vida política nacional até 1964, não podemos afirmar:
a) a UDN representava classes médias e elites e, quanto mais se aproximava do fim do
populismo mais convertia-se num partido conservador, com uma parcela significativa de seus
membros favorável ao golpe militar.
b) o PSD, partido varguista tinha as suas bases nas oligarquias e burocracia federal, levantando
a bandeira conservadora.
c) o PTB, também varguista e apoiado por sindicatos e massas urbanas, cresceu muito durante
os governos Juscelino e João Goulart, ameaçando o equilíbrio no Congresso crescendo os
temores conservadores.
d) O PCB sai da clandestinidade em 1945, mas é novamente cassado em 1947 pelo Governo
Dutra, em função da guerra fria.
e) o PDC tinha expressão nacional em razão do carisma de seu líder Adhemar de Barros.
16- (MACKENZIE) Dentre os fatores responsáveis pelo colapso do populismo e a queda do
governo Goulart através do Golpe de 1964, apontamos:
a) o esgotamento do modelo populista e a polarização ideológica, desencadeando a reação dos
segmentos conservadores.
b) a ausência total de um dispositivo sindical que apoiasse o governo Goulart.
c) as reformas de base que geraram a reação das camadas populares, retirando o apoio ao
Presidente Goulart.
d) o sucesso econômico do Plano Trienal, embora resultasse na insatisfação dos setores
populistas em virtudes dos sacrifícios impostos ao país.
e) o descontentamento dos militares de baixa patente, reprimidos em suas reivindicações pelo
governo.
17- (UFV) Leia com atenção o texto a seguir:
"Veja, Joel. Os poucos meses de exercício da Presidência me demonstraram a impossibilidade de governar,
ao longo dos compromissos que havia assumido com o povo e submetido a esses compromissos. A
Constituição havia sido elaborada contra o Presidencialismo... O presidente estava tolhido de tal forma que
só lhe restava uma prerrogativa: a de causar malefícios, conceder favores espúrios ou promover acordos e
acertos, que os sustentando embora, eram afinal, lesivos ao país... E fui embora. E o faria não uma só vez,
mas dezenas de vezes, nas mesmas circunstâncias, porque é só o cumprimento do dever. Não tenho
nenhuma pressa do julgamento definitivo."
(Manchete, 1976)
O texto anterior faz parte de uma entrevista concedida pelo ex-presidente da República Jânio Quadros, que
renunciou após 8 meses de governo, apesar de ter sido eleito pelo voto direto e com uma ampla maioria
sobre os demais candidatos. A sua renúncia provocou uma grave crise institucional no país, pelas diversas
restrições que os setores conservadores tinham em relação ao nome de seu vice João Goulart.
Qual foi a solução apresentada para a sucessão de Jânio Quadros e como ela foi posteriormente
reformulada?
HISTÓRIA
324
18- (FGV) "Perdendo o terreno na luta mobilizatória, os golpistas militares e civis aceitaram uma
solução de compromisso aprovada no Congresso: a instauração do regime parlamentarista. Entre
os dias 5 e 7 de setembro, Jango retornou a Brasília, prestou juramento como presidente da
República e iniciou um governo extremamente tenso e instável."
(Edgard Luiz de Barros. "O Brasil de 1945 a 1964")
Esta "perda de terreno na luta mobilizatória", à qual o texto se refere, é:
a) ampla participação dos trabalhadores no comício da Central do Brasil, em apoio às medidas
nacionalistas propostas pelo presidente Jango;
b) denominada Rede da Legalidade, liderada por Leonel Brizola, com apoio de outros
governadores e do III Exérc