Economia da Saúde - Unimed do Brasil

Propaganda
Cenário Mundial para a Saúde
Desafios para as Análises Econômicas em Saúde
André Cezar Medici
1
Sumário
• Tendências dos planos de saúde norte-americanos
• Tendências e desafios na área de avaliações econômicas
• A opinião dos dirigentes da UNIMED sobre economia de saúde
2
TENDÊNCIAS DOS PLANOS DE SAÚDE NORTE-AMERICANOS
3
Tendências dos Planos de Saúde Norte-Americanos
A partir de 2013,o Affordable Care Act (ACA ou Obamacare) reverteu a tendência no rítmo
de crescimento dos gastos em saúde. Mas outros fatores estão ajudando a moderar o
crescimento nos gastos, tais como.
•
•
•
•
•
•
O setor saúde norte-americano, que gasta US$ 2,8 trilhões, está se tornando mais
eficiente.
Médicos e hospitais estão adotando processos padronizados que aumentam o valor de
cada dólar gasto saúde.
A transferência de risco financeiro dos seguros para os prestadores (hospitais e
profissionais de saúde) está começando a fazer efeito.
Os principais compradores – MEDICARE, MEDICAID e as grandes empresas - cortam gastos e
exigem maior compromisso financeiro dos consumidores.
44% das empresas em 2014 consideravam aumentar a parcela do gasto dedutivel nos
planos (transferidos para os empregados).
18% das empresas já ofereciam planos de saúde com elevada parcela de gastos dedutíveis
como a única opção de seguro de saúde para os seus empregados em 2014.
4
A Trajetória do Affordable Care Act
(Obamacare)
Aprovação
do ACA
2010
Reformas
no
Medicare
Medicaid
e Seguros
Privados
de Saúde
2012
Reformas
nas
Normas e
Regulação
da
Qualidade
2013
Seguro de
Saúde
Obrigatorio
para todos.
Reformas nos
seguros
privados,
medicare e
medicaid
2014
Penalidade para
todos os
empregadores
que não ofereçam
seguros de saúde
2015
5
Impacto do ACA no número de pessoas sem
seguro de saúde
6
Tendências Norte-Americanas nos Planos de Saúde
A contenção no crescimento dos gastos em saúde chegou ao fim em 2013. Com a economia
mais forte, aumenta a demanda por planos de saúde. No entanto, a taxa de crescimento
esperada nos gastos em saúde em 2015 é modesta em comparação com aumentos anteriores,
mas deverá crescer nos próximos anos.
Taxas de Crescimento do PIB, Gastos e Custos em Saúde nos Estados Unidos
Custos de Saúde
Gastos em Saúde
PIB
Custos de Saúde cresceram 6,4%
em 2014 e crescerão 6,8% em
2015. Gastos em Saúde crescerão
4,8% em 2015.
7
Têndencias Norte-Americanas nos Planos de Saúde
Como isto afeta o crescimento de distintas modalidades de Planos de Saúde?
PPOs
Planos com Alta Parcela
De Gastos Dedutíveis
HMOs
8
Os custos da saúde são extremamente
concentrados
9
Tendências nos Custos em Saúde
Distribuição % dos Gastos dos Planos de
Saúde Norte-Americanos: Tendências para
2015
4
Gastos Ambulatoriais
15
31
Gastos Hospitalares
Gastos com pessoal
assistencial
Medicamentos e Insumos
31
19
Outros
Nesse contexto, de contenção de custos,
os gastos com atenção ambulatorial
e com pessoal assistencial passam
a representar quase dois terços dos
gastos dos planos de saúde.
10
Tendências nos custos em saúde
...Mas os gastos com Medicamentos Especiais tendem a aumentar...
11
Tendências nos Custos em Saúde
Gastos com Medicamentos Especiais
•
•
•
•
•
São medicamentos para condições como câncer, doenças respiratórias disordens do
sistema nervoso central, condições inflamatórias, artrites reumatoide, psoriases, etc.
Representam 4% do consumo mas 25% dos gastos com medicamentos nos Estados
Unidos;
Em 2013, 70% dos medicamentos aprovados pelo FDA foram classificados como
especiais. Nos últimos 10 anos o custo médio de tratamento por paciente de câncer
passou de US$ 5K para US$ 10K
Custos de drogas para Hepatite C (3,2 milhões de americanos) que são para serem
consumidos por toda a vida, representarão nos proximos anos 0,5% do gasto total em
saúde nos Estados Unidos.
O custo do tratamento medicamentoso para câncer em consultórios médicos é duas
vezes mais barato do que em hospitais  tendência aos hospitais integrarem o
atendimento para pacientes com câncer com consultórios médicos para reduzir custos.
12
Tendências nos Custos em Saúde
Integração Vertical e Gastos Hospitalares
• A tendência a integração vertical é outra perspectiva no longo prazo,
mas tem várias implicações.
• A primeira, é na questão de pessoal. Maior integração vertical eliminará
funções e empregos que se duplicam entre o hospital e a atenção
primária;
• Maior integração vertical exigirá, por outro lado, uma integração nas
estratégias de IT entre saúde básica e hospitalar, o que exige
investimentos elevados e de médio prazo de maturação.
13
Tendências nos Custos em Saúde
Taxas de Crescimento Mensal do Emprego Hospitalar nos Estados Unidos (%):
janeiro 2012-Abril 2014
14
Tendências nos Custos em Saúde
Tendência dos Processos de IT na Integração Vertical em Hospitais
15
OUTRAS TENDENCIAS
•
•
•
Tendencia crescente a Integração Vertical e Mecanismos de Remuneração
Baseados no conceito de cuidados intregados.
Preferencia dos Contratos de trabalho baseados em desempenho
Aumento do Uso das Accountable Care Organizations (ACOs) para reduzir custos,
especialmente nos programas públicos como o MEDICARE e o MEDICAID
-
•
•
47% das ACOs contratadas pelo Medicare y Medicaid em 2014 excederam as metas de
redução de custos pactadas;
O número de ACOs ao nível nacional chegava em 2014 ao redor de 600, com uma cobertura
de 18 milhões de pessoas.
Preferencia crescente dos empregadores em adotar planos que aumentem o risco
dos trabalhadores no financiamento dos planos de saúde (85% dos empregadores
esperam fazer isso nos próximos 3 anos)
Preferencia dos consumidores em comprar serviços de saúde “on line” (49% em
websites abertos e 19% nos websites de seus próprios planos de saúde);
16
Compromisso do ACA com pagamentos médicos
Por
Serviço
Pagamentos
adicionais Medical
Homes
Pagamento
Global
(FFS)
(PCMH)
(ACO)
Meta
Melhoria da Qualidade em Saúde
Pagamento por
Desempenho
(P4P)
Pagamento
por Episodio
(PPS –
Bundled
Payments)
17
Rota Crítica para a integração dos cuiados e os mecanismos de remuneração no ACA (Obamacare)
18
Do pagamento por serviço aos contratos alinhados por
Incentivos
19
Accountable Care Organizations (ACO): crescimento nos
últimos anos
Número de ACOs: 2010-2013
Número de ACOs por Estados - 2013
20
Resultados das Accountable Care Organizations (ACO)
• Blue Shield da California – Implantado
em 2010 para aposentados do Governo
da California, levou a uma redução de
mais de US$ 20 milhões nos custos
hospitalares no primeiro ano
• 15% na redução de re-internações
• 15% na redução de pacientes-dia
• 13% na redução de cirurgias
21
Muitas experiências das Próprias Cooperativas Médicas no
Brasil usam o Pagamento por Desempenho
Exemplo: UNIMED de São José dos Campos
(remuneração dos plantões)
22
Tendências e Desafios na Área de
Avaliação Econômica
23
Economia Intuitiva
– (οίκος-casa, e νέμoμαι – administração)
Discussão
Motivações: Escassez, Produção, Mercados, Renda, Distribuição, Consumo, Poupança, Investimento
Questões: O que produzir?”, “Quando produzir?”, “Que quantidade produzir?”, “Para quem produzir?”.
Economia da Saúde
Macro
(Nação,
Mundo)
Motivações: Estudo dos mercados e formas de organização em saúde, oferta e
demanda por bens e serviços; bens públicos e privados, organização e financiamento;
planejamento e gestão, custos, alocação e distribuição.
Benefícios
Individuais
e Coletivos
Micro
(Empresa,
Indivíduo)
Melhor
Gestão e
Uso dos
Serviços
Análise Econômica da Saúde
Motivações: Gestão de Custos, Benefícios, Eficiência, Eficácia,
Efetividade, Equidade (Instrumentos)
Custo de
Oportunidade,
Eficiencia
Técnica
Eficiência
Alocativa
Perspectiva,
Horizonte
Temporal,
Descontos, Uso
de Modelagem,
Custo-Beneficio,
CustoEfetividade,
Custo-Utilidade
Análises de
Sensibilidade,,
Análise
Involutória de
Dados
Avaliação de
Tecnologias de
Saúde
,
24
Análises Econômicas em Saúde
Principais Metodologias de Análise Econômica
Método
Resultados Esperados
Aplicações
Análise de Minimização de
Custos
Menor custo para resultados
equivalentes
Escolhas de diferentes terapias que
alcancem o mesmo resultado para
pacientes em função do menor custo
Análise Custo-Efetividade
Os beneficios são medidos de
forma qualitativa
Custo incremental de diferentes terapias
em função dos resultados esperados de
cada uma
Análise Custo-Utilidade
Busca medir os custos em função
de resultados alcançados em anos
de vida por qualidade e quantidade
Medida de qualidade e quantidade de
anos de vida perdidos evitados é dada em
DALYs ou AVADs.
Análise Custo Benefício
Custos e Benefícios são medidos
em valores monetários
Busca aumentar a eficiência econômica
das intervenções realizadas.
25
Tendências e Desafios para Avaliação Econômica em Saúde
PROBLEMAS PARA IMPLEMENTAR ESTRATÉGIAS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
Criação de uma Cultura de Avaliação
Tomada de Decisões Baseadas em Evidência
Transformação de dados em Informação
Implementar Big Data
Transparência nas relações entre grupos de interesse
Definição de uma Cultura de Prioridades
Orientação dos Programas de Saúde para os Resultados
Recompensas associadas ao Desempenho
26
10 áreas que necessitarão crescente avaliação econômica
Prevenção e Cuidados Com Pacientes Crônicos – Doenças crônicas representam até
80% dos gastos em saúde. Como avaliar o trade-off entre prevenção, cuidados
paleativos e estilos de vida saudável?
Cuidados Centralizados no Paciente – Gestores e profissionais de saúde estão
colocando pacientes no centro de prestação de serviços e pedindo aos cidadãos para
cuidar melhor de sua saúde. Mas, assistidos por uma explosão na mídia social, os
cidadãos também estão tomando de volta o controle de si mesmos. Sites como
Patients Like Me permitem aos pacientes compartilhar suas experiências e fornecer
aos gestores, às operadoras e empresas farmacêuticas informações valiosas sobre o
comportamento do paciente e uma oportunidade para melhorar os serviços.
27
Tendências e Desafios para Avaliação Econômica em Saúde
Jogos para Vida Saudável - Empresas e ativistas de saúde estão cada vez mais orientando os
fabricantes de jogos para projetar produtos que ajudam os pacientes a se manterem saudáveis.
Eles estão aproveitando instintos humanos básicos, como brincar e aprender, para ajudar os
pacientes a entender melhor sua doença e lidar com seu tratamento, e mudar padrões de
comportamento. O monitor de glicose no sangue Didget, fabricado pelo laboratório farmacêutico
alemão Bayer, pode ser conectado a um console de recompensas Nintendo.
Big Data - A crescente importância da gestão de resultados na área da saúde levou a uma
explosão de dados. Isso cria um desafio para o sector da saúde, que precisa modernizar sua
infraestrutura de TI e criar oportunidades para a partilha de dados. Registros de saúde eletrônicos
(EHRs) são vistos como uma forma de otimizar a eficiência operacional, reduzir os custos de saúde
e melhorar o atendimento ao paciente, trazendo processos clínicos mais seguros bem como
aumentando o potencial de controle dos cidadãos sobre estes processos.
28
Tendências e Desafios para Avaliação Econômica em Saúde
Genoma Humano- Em 1990, o projeto para a primeira decodificação do genoma humano custou
em torno de US$ 3 bilhões. Pouco tempo depois, a busca começou a sequenciar o genoma
completo por apenas US$ 1.000. A indústria espera que nos próximos anos isto abrirá as portas
para a medicina personalizada, dado que a disponibilidade de dados genômicos dos indivíduos
poderá ajudar em guias de diagnóstico, tratamento e prevenção.
Envelhecimento e Viver Melhor- Comunidades, designers e empresários em todo o mundo estão
desenvolvendo produtos e serviços que permitem às pessoas idosas a permanecerem engajadas
na gestão de sua própria saúde e a manterem-se ativos na sociedade. Um número crescente de
dispositivos de vigilância e localização permitem aos usuários gerenciar suas próprias condições
de saúde em casa. A OMS lançou o programa Rede Global de Cidades Amigas do Idoso, destinado
a explorar espaços ao ar livre, edifícios, transportes e formas de habitação mais seguros e
acolhedores para os cidadãos mais velhos.
29
Tendências e Desafios para Avaliação Econômica em Saúde
Tecnologia da Informação nos Cuidados – A telemedicina pode conectar médicos com os
pacientes em áreas remotas por meio de videoconferência, enquanto os dispositivos de autorastreamento são usados ​para monitorar pacientes com condições crônicas. Equipamentos caros
podem não ser necessários, dado que a câmera de um novo smartphone oferece melhor
resolução do que aquelas encontradas em muitos laboratórios médicos.
Maior Privacidade - Com dados do paciente mais acessíveis, as pessoas vão querer saber se sua
privacidade é respeitada e controlar as informações que pretendem divulgar. Outro foco
importante para os profissionais de saúde é a transparência sobre o seu próprio desempenho.
David Cameron – primeiro ministro do Reino Unido - se comprometeu a tornar os dados
disponíveis gratuitamente, permitindo às pessoas analisar o desempenho dos serviços públicos.
.
30
Tendências e Desafios para Avaliação Econômica em Saúde
Saúde além das fronteiras - Em fevereiro de 2011, o parlamento europeu adotou uma Lei de
saúde que visa eliminar os obstáculos ao doentes em receber tratamento em outros EstadoMembros. Regras para receber cuidados de saúde transfronteiriços, e de reembolso dos custos
incorridos devem ainda ser definidas. Enquanto isso, a iniciativa eHealth da Comunidade Européia
tem como objectivo tornar possível para os pacientes acessar seus registros médicos onde quer
que estejam na Comunidade Européia.
Aprendizagem Sul-Norte -Sob pressão para reduzir custos e melhorar os resultados, gestores de
políticas de saúde europeus e norte-americanos estão olhando para o mundo dos países em
desenvolvimento para encontrar idéias de como oferecer serviços mais baratos e eficazes em
saúde. Aravind, uma cadeia de oftalmologia indiana, usa uma estrutura de preços diferenciados
que cobra aos pacientes mais ricos e provê atendimento gratuito para os mais pobres.
31
Pesquisa Rápida sobre Economia da
Saúde entre os Cooperados da UNIMED
(Agosto 2015)
32
Sumário
•
•
•
•
•
•
Características da Pesquisa;
Mercados e Concorrência;
Regulação Pública;
Relação das Operadoras com o SUS;
Reajuste de Preços;
Gestão e Eficiência Setorial.
33
Características da Pesquisa
Universo da Pesquisa
• 320 contactos realizados
entre gerentes regionais e
nacionais em 92 UNIMEDs
• 40 contactos responderam a
pesquisa (12,5%),
representando 35 UNIMEDs
regionais e a UNIMED
nacional
Representatividade
• Todas as Regiões estiveram
representadas menos a Região
Norte.
• Dez Estados Estiveram
Representados
• 70%, representam as
UNIMEDS da Regiao Sudeste,
10% do Sul, 10% do Nordeste,
5% do Centro Oeste e 5% da
UNIMED Nacional
34
Mercados e Concorrência
Pergunta 1 – Como você caracteriza o mercado brasileiro de saúde suplementar?
•
•
•
Forte dependencia do nivel de
atividade das empresas e, em menor
instância, das pessoas;
Pode sofrer variações com o nivel de
desempenho do SUS;
Existe uma concorrência implícita
entre o SUS e a Saúde Suplementar.
35
Mercados e Concorrência
Pergunta 2 - Existe concorrência na saúde suplementar?
•
•
•
Maior concorrência entre modalidades
de saúde suplementar;
Mas também existe no interior de cada
modalidade (existe na UNIMED?);
Existe competição com o SUS, mas em
menor proporção (como se dá esta
competição?).
36
Mercados e Concorrência
Pergunta 3 - Quais são os principais problemas enfrentados pelo mercado de
saúde suplementar no Brasil?
•
•
•
•
Reajustes dos preços não correspondem
ao crescimento dos custos;
Efeitos da crise econômica no mercado;
Outros problemas (judicialização da
saúde e falta de adequação do modelo
assistencial às necessidades);
Limites à Expansão do Mercado para os
grupos de renda mais baixa.
37
Regulação Pública
Pergunta 4 - A ANS tem contribuído para o setor de saúde suplementar,
•
Contribui:
–
–
–
•
Divulgação dos Resultados Assistenciais
Proteção ao Consumidor
Regulação das Prestações e Conteudo dos
Planos
Não Contribui:
–
–
–
Reajuste dos Preços dos Planos
Ressarcimento dos Planos ao Governo
Enfrentamento da Judicialização
38
Regulação Pública
Pergunta 5.
Em que áreas você acha que o Estado deveria intervir na
regulação dos Planos de Saúde no Brasil?
•
Deve Intervir:
–
–
–
–
•
Não Deve Intervir:
–
•
Enfrentamento da Judicialização
Divulgação de Resultados Assistenciais
Proteção ao Consumidor
Regulação das Prestações e Conteudo dos
Planos
Reajuste dos Preços dos Planos
Não há certeza:
–
Ressarcimento dos Planos ao Governo
39
Relação das Operadoras com o SUS
Pergunta 6 - No que se refere a relação entre Planos de Saúde e o SUS, dê sua
opinião nos seguintes temas:
•
Favorável:
–
–
•
Convenios entre o SUS e a Saúde Suplementar
Parcerias Público-Privadas entre Planos e SUS
Desfavorável:
–
–
–
–
Competição do SUS com a Saúde Suplementar
Planos da Saúde Suplementar Complementares
ao SUS
Ressarcimento dos Planos ao SUS
Cobrança do SUS aos que podem pagar
40
Reajuste dos Preços dos Planos de Saúde
Pergunta 7 - Quais os critérios que deveriam orientar os reajustes dos planos de
saúde?
•
•
•
Planos devem ser reajustados pela
inflação específica do setor;
Planos devem buscar um reajuste
específico para cada operadora;
Em certa medida, os reajustes devem
se orientar pelas tendências do
mercado.
41
Gestão e Eficiência Setorial
Pergunta 8 – Fatores poderão reduzir as pressões de custo dos planos de saúde
no futuro
•
•
Incidência combinada de vários fatores
como controle da tecnologia médica,
programas de promoção e prevenção e
ações de saúde coletiva e controle de
fatores de risco;
Maiores pesos individuais:
–
–
–
Programas de promoção e prevenção;
Controle da tecnologia médica
Eficiencia das ações de saúde coletiva e
controle de fatores de risco pelo Estado
42
Gestão e Eficiência Setorial
Pergunta 9 - Quais os temas que você acha que podem influir positivamente
na melhoria do desempenho dos planos de saúde
•
Influencia Positiva:
–
–
–
•
Influencia Neutra:
–
•
Pagamento por Desempenho
Integração Vertical
Uso de Taxas Moderadoras
Terceirização de Serviços Auxiliares
Influência Negativa:
–
Livre escolha do médico pelo paciente
43
Gestão e Eficiência Setorial
Pergunta 10 - Qual o relacionamento que poderia aumentar a eficiencia na
relação com os assegurados dos planos de saúde?
•
•
•
•
Melhor comunicação entre o Plano e o segurado
e melhor educação do assegurado;
Incentivos ao Comportamento Saudável dos
Assegurados;
Triagem de entrada e classificação de risco do
paciente;
Rotinas obrigatorios para o Comportamento dos
assegurados.
44
PROXIMOS PASSOS
Realizar pesquisa de maior profundidade e representatividade;
Separar Mitos, Conceitos Equivocados, Realidades;
Buscar uma relação vantajosa para todos com o SUS;
Melhorar o nivel de diálogo com a ANS, buscando soluções para áreas identificadas;
Estabelecer um Laboratorio de Economia da Saúde na UNIMED, capaz de orientar as
operadoras a buscar caminhos baseados em evidencia;
Estabelecer um Observatório de Experiencias Internacionais, Procesos Sistemáticos de
Diálogo e Capacitação que possa avançar na disseminação de inovações para enfrentar os
problemas na área de Economia e Gestão de Saúde.
45
Considerações Finais
A crise econômica está agravando o cenário da saúde suplementar no país.
•
•
Queda de 5% no número de usuários em decorrência do aumento do desemprego;
Custos das operadoras crescendo muito acima da inflação - 18,1% nos últimos 12 meses.
Nesse cenário, a mudança no marco regulatório do setor de saúde suplementar se
tornou tema central de debates.
•
•
Entidades de defesa do consumidor: fixação de valores de teto de reajustes tanto para planos
individuais como coletivos.
Operadoras de saúde: regulação mais adequada, mais próxima das condições do mercado, que
permita o funcionamento eficiente do sistema.
Marco Regulatorio Vigente: Após a regulamentação do setor, o governo tem atuado para limitar a
atuação do mercado na formação de preços de algumas modalidades de planos de saúde, tanto
pelas restrições aos reajustes como na definição dos serviços que devem ser cobertos
46
Considerações Finais
Outros Problemas
•
•
•
•
•
•
Assimetria de informações entre os participantes.
Seleção adversa - famílias com menor risco têm menos estimulo para adquirir o plano.
Risco Moral - segurados que se esforçam para prevenir doenças não contam com redução no
preço do plano. Falta de incentivos para a promoção e prevenção no auto-cuidado.
Incorporação acrítica de tecnologia.
judicialização da saúde é outro elemento que contribui para a inflação médica.
Rigidez no rol de serviços que os planos são obrigados a oferecer.
47
OBRIGADO
André Medici
Economista da Saúde
[email protected]
www.monitordesaude.blogspot.com
48
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards