Conclusão - Luzimar Teixeira

Propaganda
Texto de apoio ao curso de Especialização
Atividade Física Adaptada e Saúde
Prof. Dr. Luzimar Teixeira
EFEITOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA: ESTUDO DE 2 CASOS
Marina Junqueira Pereira1
Cyntia Rodolfo Mendes1
Raquel Salgado Batista2
Bernardo Luiz Ferreira Fernandes2
RESUMO
Muitas das causas da lombalgia ainda permanecem desconhecidas, diante disso portadores
de dores crônicas têm buscado terapias complementares sendo o Pilates um dos métodos
procurados. Pilates é um método de exercício físico programado para condicionar e relacionar
o corpo e a mente, corrigir desequilíbrios musculares, melhorar a postura e tonificar o corpo.
O objetivo do presente estudo foi verificar a eficácia da aplicabilidade terapêutica do método
Pilates na lombalgia. Participaram do estudo 2 pacientes do sexo feminino com queixa de
lombalgia, estes se submeteram a 12 sessões de Pilates com duração de noventa minutos.
Foi utilizado parte do Cartão de Avaliação de Dor do Memorial e o diagrama encontrado no
Inventário para Dor de WISCONSIN para avaliar a dor antes e após a aplicação do método.
Obteve-se como resultado uma diminuição da dor lombar em ambas pacientes. Com isso
concluiu-se que o Pilates apresentou uma interferência terapêutica positiva no quadro da
lombalgia.
Palavras-chave: lombalgia, dor, Pilates, coluna vertebral.
ABSTRACT
Many causes of Low Back Pain are still unknown, and in this way, bearers of chronic pain have
been searching for complementary therapies, and Pilates is one of the chosen methods.
Pilates is a method of programmed physical exercise to condition and relation the body and
the mind, to correct muscle unbalances, to improve the posture and to strengthen the body.
The aim of the present study was to check the efficacy of the therapeutic applicability of Pilates
Method on Low Back Pain. Two female patients who have had Low Back Pain joined the
study, being submitted to 12 sessions of Pilates lasting 90 minutes. It was used a part of the
Pain Evaluation Card of the Memorial and the diagram found in the Pain Inventory of
Wisconsin to evaluate the pain before and after the application of the method. It was obtained
a Low Back Pain decrease in both patients. Based on it, it was concluded that the Pilates
Method presented a positive therapeutic interference in the Low Back Pain scene.
Key-words: low back pain, Pilates, lumbar, spine.
INTRODUÇÃO
Lombalgia são todas as condições de dor, com ou sem rigidez, localizadas na região
inferior do dorso, em uma área situada entre o último arco costal e a prega glútea (1). A dor
lombar
tem
causas
congênitas,
degenerativas,
inflamatórias,
infecciosas,
afecções
traumáticas, ou ainda por fatores variados, como estresse, ansiedade, má postura,
sedentarismo e tensão emocional (2).
A lombalgia, dentre as patologias osteomioarticulares, merece destaque devido a sua
alta incidência, sendo considerada um problema de saúde publica. Estudos demonstram que
60% a 90% da população adulta sofrerão em algum momento de sua vida com dor lombar,
tendo predileção por adultos jovens, sendo uma das principais razões por afastamento do
trabalho (3,4,5). Segundo Teixeira citado em Silva cerca de 10 milhões de brasileiros tornamse incapacitados por causa desta morbidade (6).
As opções de tratamento para as lombalgias são inúmeras. Entre as formas de
tratamento, encontra-se o tratamento conservador e o cirúrgico. O conservador é composto
pelo medicamentoso, através de analgésicos, antiinflamatórios não-esteroidais e relaxantes
musculares;
fisioterapia
convencional,
com
utilização
da
crioterapia,
termoterapia,
eletrofonofototerapia, cinesioterapia, exercícios físicos controlados, tratamento preventivo e
também por terapias alternativas (7). O cirúrgico é utilizado principalmente em casos de
hérnia discal lombar (5). Contudo, segundo Kolyniak (8), a dificuldade de prevenção e
tratamento da lombalgia é devida a sua etiologia ser multifatorial e também devido ao fato de
que muitas das suas causas ainda permanecem desconhecidas. Diante disso, portadores de
dores crônicas têm buscado terapias complementares na tentativa de uma melhora efetiva de
suas afecções, sendo o Pilates um dos métodos procurados (9).
Joseph Hubertus Pilates nasceu em 1880, na Alemanha, foi uma criança muito
debilitada, apresentava desde muito pequeno febre reumática, asma e raquitismo e para
superar essa debilidade física, ele resolveu praticar esportes como ginástica, esqui, boxe, luta
romana e mergulho. Ao mesmo tempo em que se exercitava, Pilates passou a se interessar
pela filosofia humana, em especial a musculatura corporal. Estudou a medicina oriental e
ocidental. A combinação de todas essas práticas o tornou capaz de mais tarde formular o seu
método, que ele chamou de Contrology (contrologia) (10,11).
Contrologia, que após a morte de seu criador passou a ser designado como Pilates,
corresponde ao controle consciente de todos os movimentos musculares do corpo, ou seja, é
a utilização e aplicação de forma adequada de um dos mais importantes princípios das forças
que atuam em cada um dos ossos do esqueleto (8). Pilates é um método de exercício físico
programado para condicionar e relacionar o corpo e a mente, corrigir desequilíbrios
musculares, melhorar a postura e tonificar o corpo através de seis princípios básicos:
respiração, concentração, precisão, fluidez, centro e controle. Utiliza-se de aparelhos criados
pelo próprio Joseph Pilates durante a Segunda Guerra Mundial através das molas das camas
da enfermaria. Entre eles: Reformer,Trapézio ou Cadillac, Wall Unit,Wunda Chair e Lader
Barrel. A prática também pode ser realizada no solo, chamando-se Mat Pilates, utiliza-se
também dos acessórios como: Flex Ring Toner, rolos de espuma, discos de rotação e bolas.
O principal objetivo do Pilates é fortalecer o núcleo do corpo, que corresponde à região
situada entre os quadris e o osso esterno. Os músculos centrais incluem os músculos dorsais,
os músculos adutores, os ílio-psoas e quatro camadas de músculos abdominais. Esses
músculos trabalham em conjunto para sustentar a coluna vertebral, o que, por sua vez,
promove a boa postura e melhora do equilíbrio muscular (12). Uma vez que o método Pilates
fortalece uniformemente os músculos centrais, a estabilidade da coluna lombar torna-se mais
eficaz podendo assim, aliviar os sintomas da lombalgia. Através disso o objetivo do presente
estudo foi verificar a eficácia da aplicabilidade terapêutica do método Pilates na lombalgia.
Este foi dividido em três fases visando propiciar aos pacientes uma evolução gradual do
controle e fortalecimento do núcleo do corpo também denominado Power House (casa de
força), associando-se movimentação de membros e de tronco com o decorrer das sessões.
MATERIAL E MÉTODOS
1. Amostragem
Participaram deste trabalho 2 indivíduos do sexo feminino. A paciente 1 (S.G.) de 22
anos, e a paciente 2 (V.M.) de 25 anos, ambas sedentárias e portadoras de lombalgia, não
realizam nenhum outro tipo de tratamento para lombalgia. São alunas do último período de
Fisioterapia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais campus Poços de Caldas. As
pacientes consentiram com o tratamento ao assinar o Termo de Consentimento Livre e
Esclarecido, segundo regem as normas do Sub-Comitê de Ética em pesquisa da PUC-MG
campus Poços de Caldas.
2. Procedimento
2.1 Avaliação:
Foi realizada a avaliação fisioterapêutica inicial para a detecção dos déficits através da
ficha padrão utilizada na área de Traumato-Ortopedia II da Clínica de Fisioterapia da PUC-MG
campus Poços de Caldas. Foi aplicado uma escala visual analógica de dor baseada no Cartão
de Avaliação de Dor do Memorial onde as pacientes deveriam enumerar de 0 a 10 a
intensidade de sua dor, sendo 0 sem dor e 10 a dor mais insuportável sentida pelo paciente e
qualificá-la como: moderada, forte, média, quase imperceptível, insuportável, sem dor, intensa
ou fraca (13). Também foram instruídos a marcar o local onde sentem dor sobre o diagrama
encontrado no Inventário para Dor de WISCONSIN (14). Toda a avaliação foi realizada por um
mesmo
indivíduo.
2.2 Programa de Tratamento:
Foram realizadas 12 sessões de Pilates com duração de 90 minutos no período de
agosto a outubro de 2006. Todas as sessões foram realizadas no Equilibrium Studio Pilates,
situado na cidade de Poços de Caldas, mediante prévia autorização dos responsáveis pelo
estabelecimento.
2.3 Protocolo:
O protocolo foi desenvolvido em três fases, visando propiciar aos pacientes uma
evolução gradual do controle do Power House (casa de força), juntamente com a evolução
dos exercícios. A primeira fase foi constituída de exercícios para ganho da conscientização do
Power House e aplicabilidade dos seis princípios básicos: respiração, concentração, centro,
precisão, fluidez e controle. Foram realizados exercícios com os membros inferiores apoiados
e a área da lesão estável. A segunda fase iniciou-se a mobilização da área da lesão e apoio
de um membro inferior. A terceira fase, com a maior conscientização corporal principalmente
do Power House (casa de força) adquirida pelos pacientes, iniciou-se os exercícios mais
dinâmicos, desafios proprioceptivos e com maior alavanca. Os exercícios podem ser
observados na tabela I.
1° 2° 3° 4° sessões (fase I)
5° 6° 7° 8° sessões (fase 9° 10° 11° 12° sessões
II)
(fase III)
________________________
______________________ ____________________
MAT
MAT
MAT
* Consciência respiratória10X
*
Ponte
Articulada
( *Ponte articulada com
Bridging) 10X
um (1) MI fletido na bola.
* Conscientização do Power
House (Casa de Força) 10X
10X.
*
Conscientização
do
Power House ( casa de *Abdominal
* Conscientização do Power
House (casa de força) com
força) com adução de MMII com MMII a 90°.
com flex ring 10X
MMII apoiados na bola 10X.
* Abdominal tradicional
*
*Conscientização do Power
House (casa de força) com
liberação do quadril 10 X
House (casa de força) com
extensão de um MI no solo10X cada
Power House
força)
do com extensão de MMII
(casa de
associado
a
com
flex
ring
*Leg Circles
*Leg Pull Back
com
extensão de joelho 10X *Leg Pull Front
cada
* Prece maometania na
* Arcos de MMII 10X cada bola 10X
* Ponte Articulada (bridging)
10X
* Em decúbito dorsal (DD), * Prece maometania na
extensão de um (1) MI a bola, com rotação de
*Conscientização do Power
House ( casa de força) com
adução de MMII com flex ring
10X
* Serie de MMSS com mola
ring 10Xcada
APARELHOS
Unit
*
Abdominal
tradicional Reformer.
*Fly
* Serie de MMSS com mola
Wall
flexão de ombro com flex
10X
leve no Wall Unit 10X
no
partir de 90° associando tronco.
* Swan dive I (Mergulho do *Supine Arm Arcs With
Cords (Arcos de Braços
cisne I) 10X
em
Supino)
no
APARELHOS
leve
Conscientização
fortalecimento de adutores
* Conscientização do Power
tradicional
com
Fiagle
(Vôo
da
*Abdominal tradicional com Águia) no Trapézio ou
elevação de um (1) MI em Cadillac.
abdução de MI 10X
extensão 10X cada
*Long Sit Spine Flexion
and Extension (Flexão e
*Teaser Series no Wall Unit APARELHOS
Extensão
10X
* Standing Hip Strech no
* Teaser Series com MMII Reformer 10X cada
apoiados na bola no Wall
* Supino Leg Pres no
Unit 10X
com
1
MI
empurrando a bola no Wall
*
Prone
Scapular
Protaction and Retraction
Unit
na chair 10X
* Mobilidade de coluna em
flexão
de
tronco
com
alongamento de isquiotibiais
* Leg Strech Series no
Ladder Barrel
Coluna,
MMII em extensão) no
Trapézio ou Cadillac.
*Inverted V (V Invertido)
na Chair
reformer 10X
*Teaser
de
*Lunge
to
Stand
na
Chair
*Long Spring Series for
Legs (Série de pernas
nas molas) no Trapézio
ou Cadillac.
em pé na barra torre no Wall
Unit 10X
*Alongamento na barra
torre do Trapézio ou
* Supine 90/90 no Trapézio
Cadillac em pé.
ou Cadillac.
Tabela I: Exercícios realizados durante as três fases do tratamento
O tratamento foi realizado de forma individual por um único terapeuta. Antes de iniciar
todas as sessões, foram realizados alongamentos de cadeia posterior de MMII com faixa,
alongamento de piriforme e de glúteos. Foram realizadas três séries com duração de 30
segundos cada alongamento (15).
Após o término das 12 sessões, foi realizada uma reavaliação pelo mesmo indivíduo
que realizou a avaliação, contendo os mesmos itens presentes nesta, comparando-se assim
os parâmetros antes e após a aplicação do método Pilates.
RESULTADOS
Com os dados adquiridos através da avaliação e a reavaliação, foi feita a análise, de
forma quantitativa, verificando o nível da dor lombar baseada no Cartão de Avaliação de Dor
do Memorial (13). Ambas pacientes apresentaram uma diminuição numérica da intensidade da
dor podendo ser observado no gráfico 1.
Gráfico 1: Avaliação quantitativa do nível de dor lombar, baseada no Cartão de Avaliação de
Dor do Memorial11. Paciente 1 SG apresentou na avaliação um nível numérico da intensidade
da dor 8 e na reavaliação o nível numérico da intensidade da dor 0. Paciente 2 VM apresentou
na avaliação um nível numérico da intensidade da dor 5 e na reavaliação o nível numérico da
intensidade da dor 1.
Utilizando-se também o Cartão de Avaliação de Dor do Memorial (13) foi realizada a
análise qualitativa da dor. Ambas pacientes apresentaram uma diminuição da qualidade da
dor, podendo ser observado na tabela II abaixo.
Pacientes
Intensidade
qualitativa Intensidade
qualitativa
dor avaliação
da dor reavaliação
1
Média
Quase imperceptível
2
Media
Fraca
Tabela II. Avaliação qualitativa do nível da dor lombar, baseado no Cartão de Avaliação de
Dor do Memorial. Paciente 1 SG apresentou na avaliação uma intensidade qualitativa da dor
em média e na reavaliação em quase imperceptível. Paciente 2 VM apresentou na avaliação
uma intensidade qualitativa da dor em média e na reavaliação em fraca.
Em relação ao diagrama baseado no inventário para dor de WISCONSIN (14) a
paciente 1SG na avaliação apresentou dor em região lombar principalmente sobre as cristas
ilíacas póstero-inferiores bilateralmente e na reavaliação essa dor foi erradicada. A paciente
2VM na avaliação apresentou dor em toda a extensão da coluna lombar e na reavaliação a
dor permaneceu porem em menor intensidade.
DISCUSSÃO
Nos dias atuais, a população vem buscando uma melhora na sua qualidade de vida, frente ao
grande estresse encontrado no trabalho, no trânsito, na rotina do dia-a-dia. Com isso as
terapias complementares estão sendo muito procuradas, pois através destas pode-se
condicionar e relacionar o corpo e a mente, diminuindo assim o estresse, a ansiedade e
melhorando o convívio social.
Joseph Humberts Pilates através da união da filosofia oriental e ocidental criou um
método que interage corpo e mente. A interação entre corpo e mente segundo J. Pilates, é
conseguida através dos seis princípios do método Pilates: respiração, concentração, precisão,
fluidez, centro e controle (10,12,16,17)
A respiração deve ser adequadamente coordenada com o movimento. Joseph Pilates
defendia que forçar a expiração era a chave para uma inspiração correta, durante essa fase
ocorre a ativação do músculo transverso do abdômen (16). Com isso na prática de Pilates fazse uma expiração forçada durante a realização do movimento e uma inspiração profunda sem
sobrecarregar a musculatura respiratória acessória expandindo a caixa torácica lateralmente
na fase de repouso. Isto permite a formação de um vácuo no final da expiração facilitando a
entrada do ar na inspiração. Esta respiração é denominada respiração torácica lateral, que
melhora a capacidade pulmonar, assimila melhor o oxigênio, permitindo assim uma melhor
oxigenação dos tecidos (10,12,16). Estudos demonstram através da eletromiografia de agulha
que o músculo transverso do abdômen é o mais efetivo mecanicamente no aumento da
pressão intra-abdominal, ele foi ativado na expiração tranqüila, contrariando a teoria de que
essa fase da respiração é passiva e também foi acionado primeiro que os músculos
abdominais na expiração forçada (18,19,20,21,22). O Pilates, através da ativação do
transverso na expiração forçada, gera o aumento da pressão intra-abdominal gerando uma
pressão visceral na face anterior da coluna, contrária a lordose lombar (23,24,25). Tal fato
contribuiu para a diminuição da dor, devido à manutenção da curvatura lombar em uma
posição mais fisiológica.
Os exercícios devem ser realizados com muita concentração, uma consciência
sinestésica que permite a concentração da mente naquilo que o corpo está fazendo (17). É “a
mente que guia o corpo”, como preconiza o método (10,12,16,17). Com isso o corpo começa
a perceber o movimento e utilizar as estabilizações necessárias para sua execução, evitando
assim lesões. A concentração ajuda o cérebro e o sistema nervoso na solicitação dos
músculos adequados ao movimento, com isso facilita a ativação antecipatória dos músculos
profundos, melhorando a estabilidade da lombar o que provavelmente auxiliou nos resultados
obtidos no estudo (12,17,21,26).
A precisão ajuda a aumentar o controle dos movimentos, além de combater hábitos e
padrões de movimento não desejados. Deve-se prestar muita atenção aos detalhes, já que a
qualidade, nos movimentos, é mais importante que a quantidade. É a qualidade do movimento
que é à base de todo o ganho funcional terapêutico, já que o método Pilates não constitui
diretamente em uma terapia analgésica e sim um programa de treinamento físico e mental,
onde os movimentos devem ser realizados da melhor forma sendo mantidos durante
atividades funcionais, assim evitando o desenvolvimento de posturas e padrões indesejados
que podem levar as disfunções osteomioarticulares (10,12,16,17,21).
O centro de força é definido como o “cinturão” ou “núcleo do corpo” que se estende
desde a base das costelas até a região inferior da pélvis. Constitui o pilar fundamental do
método. Segundo Bergmark (27) existem dois sistemas musculares que mantêm a
estabilidade da coluna. Sistema muscular global e local. O sistema muscular global é
constituído por músculos mais superficiais (reto abdominal, obliquo externo) responsáveis
pela estabilidade geral da coluna e por orientação e ação contra os distúrbios externos. O
sistema muscular local inclui a musculatura profunda e porções profundas de músculos que
têm suas origens e inserções nas vértebras lombares, principalmente o transverso do
abdômen e o multífido, responsáveis pela estabilização segmentar e controle direto do
segmento lombar (21,24,25,26).
A estabilidade lombar é mantida pelo aumento da atividade dos músculos locais e um
adequado recrutamento muscular entre os músculos locais e globais durante as atividades
funcionais (26). Estudos investigaram a ação do músculo transverso onde verificaram que ele
é o primeiro músculo a ser ativado com ação sinergista durante os movimentos de tronco e
membros, adotando uma reação antecipatória aos movimentos, produzindo uma rigidez
necessária à coluna lombar, evitando que esta sofra qualquer instabilidade geradora de dor
(21,26,28).
A dor lombar afeta diretamente a ativação dos músculos locais, principalmente o
transverso do abdômen e o multífido. Hodges (29) em um estudo verificou que pessoas com
lombalgia, durante movimentos no membro superior, obtiveram uma diminuição acentuada da
ativação do músculo transverso do abdômen, em comparação aos outros músculos,
realizando sua contração após a ação do agonista. Com este retardamento da ativação do
músculo transverso não ocorrerá uma boa estabilização da coluna lombar acarretando mais
dor e disfunção dessa região (18,21,26)
Teixeira-Salmela(26) cita uma recente abordagem para o tratamento da instabilidade
lombar; um programa de estabilização muscular, que consiste em um treinamento específico
da musculatura profunda.
No Pilates os músculos profundos são trabalhados através da contração do “Power House”
(casa de força) onde o paciente é instruído a manter a curvatura fisiológica lombar e pélvica
em posição neutra, realizar uma expiração forçada durante o movimento juntamente com a
depressão da parede abdominal (10,12,16,17). Sapsford (30) reforça que a posição neutra da
pelve irá ajudar a ganhar maior isolamento da contração do transverso abdominal. Segundo
Costa (18) a contração do transverso resulta em um aumento da tensão da fáscia tóracolombar e um aumento da pressão intra-abdominal através da depressão da parede abdominal.
Com o trabalho de reeducação e fortalecimento dos músculos profundos, principalmente o
transverso do abdômen, no Método Pilates, foi possível o retorno da função estabilizadora
desses músculos. Isto permite que o corpo dos praticantes realize movimentos, supere
alterações decorrentes de forças externas e mantenha uma postura adequada sem
sobrecarregar a lombar o que possivelmente leva a diminuição da dor lombar o que foi
constatado no estudo21. O’Sullivan (31) comparou pacientes com lombalgia, que utilizavam
exercícios de treinamento específico da musculatura profunda e outros com tratamentos
diversos, como caminhada, natação. Obtendo melhores resultados no primeiro grupo,
apontando a efetividade da reeducação do transverso.
Os exercícios aplicados no presente estudo foram evoluindo a partir de uma adequada
e sustentada contração dos músculos profundos do núcleo (Power House), podendo assim
ser progredidos, utilizando-se de movimentos de membros superiores e inferiores seguindo o
que O`Sullivan (25,31) descreve em seus estudos.
Joseph Pilates chamou seu método de “A Arte do Controle”, ou “contrologia”. É importante
conseguir o controle do corpo em movimento, da mente sobre o corpo e do padrão
respiratório (11,12,16) .Cada dia mais fisioterapeutas vêem se especializando no método, pois
tratá-se de um recurso terapêutico, onde utiliza-se da cinesioterapia de forma dinâmica
fornecendo ao praticante uma reabilitação e prevenção de lesões juntamente com uma
prática que permite o desenvolvimento de um corpo forte e flexível através de exercícios que
relaxam corpo e mente.
Ainda existem poucos estudos científicos relacionados ao tratamento da lombalgia através do
método Pilates, portanto novos estudos devem ser realizados para que se possa comprovar a
real eficácia do método, pois este inda é considerado um tratamento físico para lombalgia de
valor desconhecido (32,33).
É importante salientar que o problema da Lombalgia está longe de ser solucionado.
Apesar dos tratamentos serem capazes de fornecer melhoras notáveis no quadro clínico dos
pacientes, as evidências disponíveis sugerem que o paciente típico com lombalgia crônica é
ainda deixado com alguma dor residual e disfunção (33).
Conclusão
Neste estudo concluiu-se que o método Pilates apresentou uma interferência positiva
no quadro de lombalgia de ambas pacientes.
Bibliografia
(1) Cecin HÁ, Sato EI, Chahade, WH. 1º Congresso Brasileiro sobre Lombalgia
e Lombociatalgia. São Paulo: Julho 2000.
(2) Teodori RM, Alfieri FM, Montebello MI. Prevalência de lombalgia no setor de
fisioterapia do município de Cosmópolis-SP e o papel da fisioterapia na sua prevenção
e recuperação. Fisiot Brás. mar./abr 2005; 6(2):.113-18.
(3) Andrade SC, Araújo AGR, Vilar MJP. “Escola de Coluna”: Revisão Histórica e Sua
Aplicação na Lombalgia Crônica. Rev Bras Reumatol. jul./agos. 2005; 45(4):224-228.
(4) Bréder VF, Oliveira DF, Silva MAG. Atividade física e lombalgia. Fisiot Bras. mar/abr
2005; 6(2): 157-162.
(5) Silva, ARR, Pereira JS, Silva, MAG. Lombalgia. Fisiot Brás. mai./jun 2001; 2(3):178-182.
(6) Silva MC, Fassa ACG, Neiva C, Valle J. Dor lombar crônica em uma população adulta
do Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad de saúde Publica.[periódico na
Internet].
2004
Abr
[acesso
em
2006
set
12];
20(2):377-385.
Disponível
em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2004000200005&lng=pt&nrm=iso. doi: 10.1590/S0102-311X2004000200005.
(7) Trevisani VF, Atallad AN. Lombalgias: evidências para o tratamento. RevisDiagnóstico
e Tratamento.2002; 8(1):17-19.
(8)Kolyniak I.EG, Cavalcanti SMB. Avaliação isocinética da musculatura envolvida na
flexão e extensão do tronco: efeito do método Pilates. Rev Bras de Med do Esporte
[periódico da internet].nov/dez 2004 [acesso em ago 2006] ]; 10(6): 487-490. Disponível
em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151786922004000600005&lng=pt&nrm=iso. doi: 10.1590/S1517-86922004000600005.
(9) Segal NA, Hein J, Basfoard JR. The effects of Pilates training on flexibility and body
composition: an observation study. Arch Phys Med Rehabil. 2004; 85: 1997-81.
(10) Camarão T. Pilates no Brasil: corpo e movimento. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
(11) Jago R. et al: Effect of 4 Weeks of Pilates on the Body Composition of Young Girls;
Preventive Medicine.2006; 42:177-180.
(12) Dillman E. O pequeno livro de Pilates: guia prático que dispensa professores e
equipamentos. Rio de Janeiro: Record, 2004.
(13) Fishman B et al. The Memorial Pain Assessment Card. Cancer; 60:1115-1158,1987.
citado in: Teixera MJ, Correa CF, Pimenta CAM. Estudo Máster da Dor: conceitos gerais.
São Paulo: Limary; 1994.
(14) Jacox A, et al: Management of Cancer Pain. Clinical Practice Guideline.1994. citado in:
Teixera MJ, Correa CF, Pimenta CAM. Estudo Máster da Dor: conceitos gerais. São
Paulo: Limary; 1994.
(15) Achour Junior, Abdallah. Exercícios de alongamento: anatomia e fisiologia. São Paulo:
Manole; 2002.
(16) Aparício E, Perez J. O autêntico método Pilates: A arte do controle. São Paulo:
Planeta; 2005.
(17) Craig C. Pilates com a bola.: 1° ed. São Paulo: Phorte, 2003.
(18) Costa LOP, Costa LCM, Cançado RL. Confiabilidade do teste palpatório e da unidade
de biofeedback pressório na ativação do músculo transverso abdominal em indivíduos
normais. Acta Fisiátrica. set./dez.2004; 11(3): 101-105.
(19) Hodges P, Gandevia S. Changes in intra-abdominal pressure during postural and
respiratory activation of the human diaphragm. J Appl Physiol 2000; (89): 967-76.
(20) Kapandji I. Tronco e coluna vertebral. In: Fisiologia Articular: esquemas
comentados da mecânica humana. 5° ed. São Paulo: Manole, 1990.
(21) Lemos A M, Feijó LA. A biomecânica do transverso abdominal e suas múltiplas
funções. Fisiot Bras. jan./fev.2005; 6(1): 66-70.
(22) Norkin C. As articulações estrutura e função. Uma abordagem prática e abrangente.
2° edição. Rio de Janeiro: Revinter; 2001.
(23) Hodges PW. Is there a role for tranversus abdominis in lumbo-pelvic stability? M
Ther 1999; 2(4): 74-86.
(24) Hodges P. et al: Intervertebral Stiffness of the Spine Is Increased by Evoked
Contraction of Transversus Abdominis and the Diaphragm: In Vivo Porcine Studies;
Spine. 2003; 28(23) : 2594-2601.
(25) O´Sullivan, P.B; Twomey, L; Allison, G.T. Altered abdominal muscle recruitment in
patients with choronic back pain following specific exercise intervention. J Orthop
Sports Phys Ther. 1998; 27 (2): 114-24.
(26) Teixeira-Salmela LF, Sakamoto A CL, Siqueira FB. Mecanismos e estabilização da
coluna lombar: uma revisão da literatura. Fisiot em Mov. out./dez. 2004;17(4):51-58.
Método Pilates na lombalgia = Pilates Method on Low Back Pain
RESUMO
Muitas das causas da lombalgia ainda permanecem desconhecidas, diante disso
portadores de dores crônicas têm buscado terapias complementares sendo o Pilates
um dos métodos procurados. Pilates é um método de exercício físico programado
para condicionar e relacionar o corpo e a mente, corrigir desequilíbrios musculares,
melhorar a postura e tonificar o corpo. O objetivo do presente estudo foi verificar a
eficácia da aplicabilidade terapêutica do método Pilates na lombalgia. Participaram
do estudo 2 pacientes do sexo feminino com queixa de lombalgia, estes se
submeteram a 12 sessões de Pilates com duração de noventa minutos. Foi utilizado
parte do Cartão de Avaliação de Dor do Memorial e o diagrama encontrado no
Inventário para Dor de WISCONSIN para avaliar a dor antes e após a aplicação do
método. Obteve-se como resultado uma diminuição da dor lombar em ambas
pacientes. Com isso concluiu-se que o Pilates apresentou uma interferência
terapêutica positiva no quadro da lombalgia.
Palavras-chave: lombalgia, dor, Pilates, coluna vertebral.
ABSTRACT
Many causes of Low Back Pain are still unknown, and in this way, bearers of chronic
pain have been searching for complementary therapies, and Pilates is one of the
chosen methods. Pilates is a method of programmed physical exercise to condition
and relation the body and the mind, to correct muscle unbalances, to improve the
posture and to strengthen the body. The aim of the present study was to check the
efficacy of the therapeutic applicability of Pilates Method on Low Back Pain. Two
female patients who have had Low Back Pain joined the study, being submitted to 12
sessions of Pilates lasting 90 minutes. It was used a part of the Pain Evaluation Card
of the Memorial and the diagram found in the Pain Inventory of Wisconsin to
evaluate the pain before and after the application of the method. It was obtained a
Low Back Pain decrease in both patients. Based on it, it was concluded that the
Pilates Method presented a positive therapeutic interference in the Low Back Pain
scene.
Key-words: low back pain, Pilates, lumbar, spine.
INTRODUÇÃO
Lombalgia são todas as condições de dor, com ou sem rigidez, localizadas
na região inferior do dorso, em uma área situada entre o último arco costal e a prega
glútea (1). A dor lombar tem causas congênitas, degenerativas, inflamatórias,
infecciosas, afecções traumáticas, ou ainda por fatores variados, como estresse,
ansiedade, má postura, sedentarismo e tensão emocional (2).
A lombalgia, dentre as patologias osteomioarticulares, merece destaque
devido a sua alta incidência, sendo considerada um problema de saúde publica.
Estudos demonstram que 60% a 90% da população adulta sofrerão em algum
momento de sua vida com dor lombar, tendo predileção por adultos jovens, sendo
uma das principais razões por afastamento do trabalho (3,4,5). Segundo Teixeira
citado em Silva cerca de 10 milhões de brasileiros tornam-se incapacitados por
causa desta morbidade (6).
As opções de tratamento para as lombalgias são inúmeras. Entre as formas
de tratamento, encontra-se o tratamento conservador e o cirúrgico. O conservador é
composto pelo medicamentoso, através de analgésicos, antiinflamatórios nãoesteroidais e relaxantes musculares; fisioterapia convencional, com utilização da
crioterapia, termoterapia, eletrofonofototerapia, cinesioterapia, exercícios físicos
controlados, tratamento preventivo e também por terapias alternativas (7). O
cirúrgico é utilizado principalmente em casos de hérnia discal lombar (5). Contudo,
segundo Kolyniak (8), a dificuldade de prevenção e tratamento da lombalgia é
devida a sua etiologia ser multifatorial e também devido ao fato de que muitas das
suas causas ainda permanecem desconhecidas. Diante disso, portadores de dores
crônicas têm buscado terapias complementares na tentativa de uma melhora efetiva
de suas afecções, sendo o Pilates um dos métodos procurados (9).
Joseph Hubertus Pilates nasceu em 1880, na Alemanha, foi uma criança
muito debilitada, apresentava desde muito pequeno febre reumática, asma e
raquitismo e para superar essa debilidade física, ele resolveu praticar esportes
como ginástica, esqui, boxe, luta romana e mergulho. Ao mesmo tempo em que se
exercitava, Pilates passou a se interessar pela filosofia humana, em especial a
musculatura corporal. Estudou a medicina oriental e ocidental. A combinação de
todas essas práticas o tornou capaz de mais tarde formular o seu método, que ele
chamou de Contrology (contrologia) (10,11).
Contrologia, que após a morte de seu criador passou a ser designado como
Pilates, corresponde ao controle consciente de todos os movimentos musculares do
corpo, ou seja, é a utilização e aplicação de forma adequada de um dos mais
importantes princípios das forças que atuam em cada um dos ossos do esqueleto
(8). Pilates é um método de exercício físico programado para condicionar e
relacionar o corpo e a mente, corrigir desequilíbrios musculares, melhorar a postura
e tonificar o corpo através de seis princípios básicos: respiração, concentração,
precisão, fluidez, centro e controle. Utiliza-se de aparelhos criados pelo próprio
Joseph Pilates durante a Segunda Guerra Mundial através das molas das camas da
enfermaria. Entre eles: Reformer,Trapézio ou Cadillac, Wall Unit,Wunda Chair e
Lader Barrel. A prática também pode ser realizada no solo, chamando-se Mat
Pilates, utiliza-se também dos acessórios como: Flex Ring Toner, rolos de espuma,
discos de rotação e bolas.
O principal objetivo do Pilates é fortalecer o núcleo do corpo, que
corresponde à região situada entre os quadris e o osso esterno. Os músculos
centrais incluem os músculos dorsais, os músculos adutores, os ílio-psoas e quatro
camadas de músculos abdominais. Esses músculos trabalham em conjunto para
sustentar a coluna vertebral, o que, por sua vez, promove a boa postura e melhora
do equilíbrio muscular (12). Uma vez que o método Pilates fortalece uniformemente
os músculos centrais, a estabilidade da coluna lombar torna-se mais eficaz podendo
assim, aliviar os sintomas da lombalgia. Através disso o objetivo do presente estudo
foi verificar a eficácia da aplicabilidade terapêutica do método Pilates na lombalgia.
Este foi dividido em três fases visando propiciar aos pacientes uma evolução
gradual do controle e fortalecimento do núcleo do corpo também denominado Power
House (casa de força), associando-se movimentação de membros e de tronco com
o decorrer das sessões.
MATERIAL E MÉTODOS
1. Amostragem
Participaram deste trabalho 2 indivíduos do sexo feminino. A paciente 1
(S.G.) de 22 anos, e a paciente 2 (V.M.) de 25 anos, ambas sedentárias e
portadoras de lombalgia, não realizam nenhum outro tipo de tratamento para
lombalgia. São alunas do último período de Fisioterapia da Pontifícia Universidade
Católica de Minas Gerais campus Poços de Caldas. As pacientes consentiram com o
tratamento ao assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, segundo
regem as normas do Sub-Comitê de Ética em pesquisa da PUC-MG campus Poços
de Caldas.
2. Procedimento
2.1 Avaliação:
Foi realizada a avaliação fisioterapêutica inicial para a detecção dos déficits
através da ficha padrão utilizada na área de Traumato-Ortopedia II da Clínica de
Fisioterapia da PUC-MG campus Poços de Caldas. Foi aplicado uma escala visual
analógica de dor baseada no Cartão de Avaliação de Dor do Memorial onde as
pacientes deveriam enumerar de 0 a 10 a intensidade de sua dor, sendo 0 sem dor
e 10 a dor mais insuportável sentida pelo paciente e qualificá-la como: moderada,
forte, média, quase imperceptível, insuportável, sem dor, intensa ou fraca (13).
Também foram instruídos a marcar o local onde sentem dor sobre o diagrama
encontrado no Inventário para Dor de WISCONSIN (14). Toda a avaliação foi
realizada
por
um
mesmo
indivíduo.
2.2 Programa de Tratamento:
Foram realizadas 12 sessões de Pilates com duração de 90 minutos no
período de agosto a outubro de 2006. Todas as sessões foram realizadas no
Equilibrium Studio Pilates, situado na cidade de Poços de Caldas, mediante prévia
autorização dos responsáveis pelo estabelecimento.
2.3 Protocolo:
O protocolo foi desenvolvido em três fases, visando propiciar aos pacientes
uma evolução gradual do controle do Power House (casa de força), juntamente com
a evolução dos exercícios. A primeira fase foi constituída de exercícios para ganho
da conscientização do Power House e aplicabilidade dos seis princípios básicos:
respiração, concentração, centro, precisão, fluidez e controle. Foram realizados
exercícios com os membros inferiores apoiados e a área da lesão estável. A
segunda fase iniciou-se a mobilização da área da lesão e apoio de um membro
inferior. A terceira fase, com a maior conscientização corporal principalmente do
Power House (casa de força) adquirida pelos pacientes, iniciou-se os exercícios
mais dinâmicos, desafios proprioceptivos e com maior alavanca. Os exercícios
podem ser observados na tabela I.
1° 2° 3° 4° sessões (fase I)
5° 6° 7° 8° sessões (fase 9° 10° 11° 12° sessões
II)
________________________
(fase III)
MAT
______________________ ____________________
* Consciência respiratória- MAT
MAT
10X
*
Ponte
Articulada
( *Ponte articulada com
* Conscientização do Power Bridging) 10X
um (1) MI fletido na bola.
House (Casa de Força) 10X
10X.
*
Conscientização
do
* Conscientização do Power Power House ( casa de *Abdominal
tradicional
House (casa de força) com força) com adução de MMII com MMII a 90°.
MMII apoiados na bola 10X.
com flex ring 10X
* Abdominal tradicional
*Conscientização do Power *
Conscientização
House (casa de força) com Power House
liberação do quadril 10 X
força)
do com extensão de MMII
(casa de
associado
a
fortalecimento de adutores
* Conscientização do Power
House (casa de força) com
extensão de um MI no solo-
com
flex
ring
*Leg Circles
*Leg Pull Back
com
extensão de joelho 10X *Leg Pull Front
cada
10X cada
* Prece maometania na
* Arcos de MMII 10X cada bola 10X
* Ponte Articulada (bridging)
10X
* Em decúbito dorsal (DD), * Prece maometania na
extensão de um (1) MI a bola, com rotação de
*Conscientização do Power
House ( casa de força) com
adução de MMII com flex ring
partir de 90° associando tronco.
flexão de ombro com flex
APARELHOS
ring 10Xcada
10X
* Swan dive I (Mergulho do
APARELHOS
*Supine Arm Arcs With
Cords (Arcos de Braços
cisne I) 10X
em
* Serie de MMSS com mola
leve no Wall Unit 10X
*
Abdominal
10X
* Serie de MMSS com mola
no
Wall
Unit
no
tradicional Reformer.
*Fly
leve
Supino)
com
abdução de MI 10X
Fiagle
(Vôo
da
*Abdominal tradicional com Águia) no Trapézio ou
elevação de um (1) MI em Cadillac.
extensão 10X cada
*Long Sit Spine Flexion
*Teaser Series no Wall Unit
APARELHOS
and Extension (Flexão e
Extensão
de
Coluna,
10X
MMII em extensão) no
* Standing Hip Strech no
Trapézio ou Cadillac.
* Teaser Series com MMII Reformer 10X cada
apoiados na bola no Wall
*Inverted V (V Invertido)
* Supino Leg Pres no
Unit 10X
na Chair
reformer 10X
*Teaser
com
1
MI
empurrando a bola no Wall
*Lunge
*
Prone
Scapular
to
Stand
na
Chair
Protaction and Retraction
Unit
na chair 10X
* Mobilidade de coluna em
flexão
de
tronco
com
alongamento de isquiotibiais
*Long Spring Series for
Legs (Série de pernas
* Leg Strech Series no
Ladder Barrel
nas molas) no Trapézio
ou Cadillac.
em pé na barra torre no Wall
Unit 10X
*Alongamento na barra
torre do Trapézio ou
* Supine 90/90 no Trapézio
Cadillac em pé.
ou Cadillac.
Tabela I: Exercícios realizados durante as três fases do tratamento
O tratamento foi realizado de forma individual por um único terapeuta. Antes
de iniciar todas as sessões, foram realizados alongamentos de cadeia posterior de
MMII com faixa, alongamento de piriforme e de glúteos. Foram realizadas três séries
com duração de 30 segundos cada alongamento (15).
Após o término das 12 sessões, foi realizada uma reavaliação pelo mesmo
indivíduo que realizou a avaliação, contendo os mesmos itens presentes nesta,
comparando-se assim os parâmetros antes e após a aplicação do método Pilates.
RESULTADOS
Com os dados adquiridos através da avaliação e a reavaliação, foi feita a
análise, de forma quantitativa, verificando o nível da dor lombar baseada no Cartão
de Avaliação de Dor do Memorial (13). Ambas pacientes apresentaram uma
diminuição numérica da intensidade da dor podendo ser observado no gráfico 1.
Gráfico 1: Avaliação quantitativa do nível de dor lombar, baseada no Cartão de
Avaliação de Dor do Memorial11. Paciente 1 SG apresentou na avaliação um nível
numérico da intensidade da dor 8 e na reavaliação o nível numérico da intensidade
da dor 0. Paciente 2 VM apresentou na avaliação um nível numérico da intensidade
da dor 5 e na reavaliação o nível numérico da intensidade da dor 1.
Utilizando-se também o Cartão de Avaliação de Dor do Memorial (13) foi
realizada a análise qualitativa da dor. Ambas pacientes apresentaram uma
diminuição da qualidade da dor, podendo ser observado na tabela II abaixo.
Pacientes
Intensidade
qualitativa Intensidade
qualitativa
dor avaliação
da dor reavaliação
1
Média
Quase imperceptível
2
Media
Fraca
Tabela II. Avaliação qualitativa do nível da dor lombar, baseado no Cartão de
Avaliação de Dor do Memorial. Paciente 1 SG apresentou na avaliação uma
intensidade qualitativa da dor em média e na reavaliação em quase imperceptível.
Paciente 2 VM apresentou na avaliação uma intensidade qualitativa da dor em
média e na reavaliação em fraca.
Em relação ao diagrama baseado no inventário para dor de WISCONSIN (14)
a paciente 1SG na avaliação apresentou dor em região lombar principalmente sobre
as cristas ilíacas póstero-inferiores bilateralmente e na reavaliação essa dor foi
erradicada. A paciente 2VM na avaliação apresentou dor em toda a extensão da
coluna lombar e na reavaliação a dor permaneceu porem em menor intensidade.
DISCUSSÃO
Nos dias atuais, a população vem buscando uma melhora na sua qualidade
de vida, frente ao grande estresse encontrado no trabalho, no trânsito, na rotina do
dia-a-dia. Com isso as terapias complementares estão sendo muito procuradas,
pois através destas pode-se condicionar e relacionar o corpo e a mente, diminuindo
assim o estresse, a ansiedade e melhorando o convívio social.
Joseph Humberts Pilates através da união da filosofia oriental e ocidental
criou um método que interage corpo e mente. A interação entre corpo e mente
segundo J. Pilates, é conseguida através dos seis princípios do método Pilates:
respiração, concentração, precisão, fluidez, centro e controle (10,12,16,17)
A respiração deve ser adequadamente coordenada com o movimento.
Joseph Pilates defendia que forçar a expiração era a chave para uma inspiração
correta, durante essa fase ocorre a ativação do músculo transverso do abdômen
(16). Com isso na prática de Pilates faz-se uma expiração forçada durante a
realização do movimento e uma inspiração profunda sem sobrecarregar a
musculatura respiratória acessória expandindo a caixa torácica lateralmente na fase
de repouso. Isto permite a formação de um vácuo no final da expiração facilitando a
entrada do ar na inspiração. Esta respiração é denominada respiração torácica
lateral, que melhora a capacidade pulmonar, assimila melhor o oxigênio, permitindo
assim uma melhor oxigenação dos tecidos (10,12,16). Estudos demonstram através
da eletromiografia de agulha que o músculo transverso do abdômen é o mais efetivo
mecanicamente no aumento da pressão intra-abdominal, ele foi ativado na
expiração tranqüila, contrariando a teoria de que essa fase da respiração é passiva
e também foi acionado primeiro que os músculos abdominais na expiração forçada
(18,19,20,21,22). O Pilates, através da ativação do transverso na expiração forçada,
gera o aumento da pressão intra-abdominal gerando uma pressão visceral na face
anterior da coluna, contrária a lordose lombar (23,24,25). Tal fato contribuiu para a
diminuição da dor, devido à manutenção da curvatura lombar em uma posição mais
fisiológica.
Os exercícios devem ser realizados com muita concentração, uma
consciência sinestésica que permite a concentração da mente naquilo que o corpo
está fazendo (17). É “a mente que guia o corpo”, como preconiza o método
(10,12,16,17). Com isso o corpo começa a perceber o movimento e utilizar as
estabilizações necessárias para sua execução, evitando assim lesões. A
concentração ajuda o cérebro e o sistema nervoso na solicitação dos músculos
adequados ao movimento, com isso facilita a ativação antecipatória dos músculos
profundos, melhorando a estabilidade da lombar o que provavelmente auxiliou nos
resultados obtidos no estudo (12,17,21,26).
A precisão ajuda a aumentar o controle dos movimentos, além de combater
hábitos e padrões de movimento não desejados. Deve-se prestar muita atenção aos
detalhes, já que a qualidade, nos movimentos, é mais importante que a quantidade.
É a qualidade do movimento que é à base de todo o ganho funcional terapêutico, já
que o método Pilates não constitui diretamente em uma terapia analgésica e sim um
programa de treinamento físico e mental, onde os movimentos devem ser realizados
da melhor forma sendo mantidos durante atividades funcionais, assim evitando o
desenvolvimento de posturas e padrões indesejados que podem levar as disfunções
osteomioarticulares (10,12,16,17,21).
O centro de força é definido como o “cinturão” ou “núcleo do corpo” que se
estende desde a base das costelas até a região inferior da pélvis. Constitui o pilar
fundamental do método. Segundo Bergmark (27) existem dois sistemas musculares
que mantêm a estabilidade da coluna. Sistema muscular global e local. O sistema
muscular global é constituído por músculos mais superficiais (reto abdominal,
obliquo externo) responsáveis pela estabilidade geral da coluna e por orientação e
ação contra os distúrbios externos. O sistema muscular local inclui a musculatura
profunda e porções profundas de músculos que têm suas origens e inserções nas
vértebras lombares, principalmente o transverso do abdômen e o multífido,
responsáveis pela estabilização segmentar e controle direto do segmento lombar
(21,24,25,26).
A estabilidade lombar é mantida pelo aumento da atividade dos músculos
locais e um adequado recrutamento muscular entre os músculos locais e globais
durante as atividades funcionais (26). Estudos investigaram a ação do músculo
transverso onde verificaram que ele é o primeiro músculo a ser ativado com ação
sinergista durante os movimentos de tronco e membros, adotando uma reação
antecipatória aos movimentos, produzindo uma rigidez necessária à coluna lombar,
evitando que esta sofra qualquer instabilidade geradora de dor (21,26,28).
A
dor lombar afeta
diretamente
a ativação
dos músculos locais,
principalmente o transverso do abdômen e o multífido. Hodges (29) em um estudo
verificou que pessoas com lombalgia, durante movimentos no membro superior,
obtiveram uma diminuição acentuada da ativação do músculo transverso do
abdômen, em comparação aos outros músculos, realizando sua contração após a
ação do agonista. Com este retardamento da ativação do músculo transverso não
ocorrerá uma boa estabilização da coluna lombar acarretando mais dor e disfunção
dessa região (18,21,26)
Teixeira-Salmela(26) cita uma recente abordagem para o tratamento da
instabilidade lombar; um programa de estabilização muscular, que consiste em um
treinamento específico da musculatura profunda.
No Pilates os músculos profundos são trabalhados através da contração do “Power
House” (casa de força) onde o paciente é instruído a manter a curvatura fisiológica
lombar e pélvica em posição neutra, realizar uma expiração forçada durante o
movimento juntamente com a depressão da parede abdominal (10,12,16,17).
Sapsford (30) reforça que a posição neutra da pelve irá ajudar a ganhar maior
isolamento da contração do transverso abdominal. Segundo Costa (18) a contração
do transverso resulta em um aumento da tensão da fáscia tóraco-lombar e um
aumento da pressão intra-abdominal através da depressão da parede abdominal.
Com o trabalho de reeducação e fortalecimento dos músculos profundos,
principalmente o transverso do abdômen, no Método Pilates, foi possível o retorno
da função estabilizadora desses músculos. Isto permite que o corpo dos praticantes
realize movimentos, supere alterações decorrentes de forças externas e mantenha
uma postura adequada sem sobrecarregar a lombar o que possivelmente leva a
diminuição da dor lombar o que foi constatado no estudo21. O’Sullivan (31)
comparou pacientes com lombalgia, que utilizavam exercícios de treinamento
específico da musculatura profunda e outros com tratamentos diversos, como
caminhada, natação. Obtendo melhores resultados no primeiro grupo, apontando a
efetividade da reeducação do transverso.
Os exercícios aplicados no presente estudo foram evoluindo a partir de uma
adequada e sustentada contração dos músculos profundos do núcleo (Power
House), podendo assim ser progredidos, utilizando-se de movimentos de membros
superiores e inferiores seguindo o que O`Sullivan (25,31) descreve em seus
estudos.
Joseph Pilates chamou seu método de “A Arte do Controle”, ou “contrologia”. É
importante conseguir o controle do corpo em movimento, da mente sobre o corpo e
do padrão respiratório (11,12,16) .Cada dia mais fisioterapeutas vêem se
especializando no método, pois tratá-se de um recurso terapêutico, onde utiliza-se
da cinesioterapia de forma dinâmica fornecendo ao praticante uma reabilitação e
prevenção de lesões juntamente com uma prática que permite o desenvolvimento
de um corpo forte e flexível através de exercícios que relaxam corpo e mente.
Ainda existem poucos estudos científicos relacionados ao tratamento da lombalgia
através do método Pilates, portanto novos estudos devem ser realizados para que
se possa comprovar a real eficácia do método, pois este inda é considerado um
tratamento físico para lombalgia de valor desconhecido (32,33).
É importante salientar que o problema da Lombalgia está longe de ser
solucionado. Apesar dos tratamentos serem capazes de fornecer melhoras notáveis
no quadro clínico dos pacientes, as evidências disponíveis sugerem que o paciente
típico com lombalgia crônica é ainda deixado com alguma dor residual e disfunção
(33).
Conclusão
Neste estudo concluiu-se que o método Pilates apresentou uma interferência
positiva
no
quadro
de
lombalgia
de
ambas
pacientes.
Bibliografia
(1) Cecin HÁ, Sato EI, Chahade, WH. 1º Congresso Brasileiro sobre
Lombalgia e Lombociatalgia. São Paulo: Julho 2000.
(2) Teodori RM, Alfieri FM, Montebello MI. Prevalência de lombalgia no setor de
fisioterapia do município de Cosmópolis-SP e o papel da fisioterapia na sua
prevenção e recuperação. Fisiot Brás. mar./abr 2005; 6(2):.113-18.
(3) Andrade SC, Araújo AGR, Vilar MJP. “Escola de Coluna”: Revisão Histórica e
Sua
Aplicação na Lombalgia Crônica. Rev Bras Reumatol. jul./agos. 2005; 45(4):224-
228.
(4) Bréder VF, Oliveira DF, Silva MAG. Atividade física e lombalgia. Fisiot Bras.
mar/abr 2005; 6(2): 157-162.
(5) Silva, ARR, Pereira JS, Silva, MAG. Lombalgia. Fisiot Brás. mai./jun 2001;
2(3):178-182.
(6) Silva MC, Fassa ACG, Neiva C, Valle J. Dor lombar crônica em uma
população adulta do Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad de
saúde Publica.[periódico na Internet]. 2004
20(2):377-385.
Abr [acesso em 2006
Disponível
set 12];
em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2004000200005&lng=pt&nrm=iso. doi: 10.1590/S0102-311X2004000200005.
(7) Trevisani VF, Atallad AN. Lombalgias: evidências para o tratamento.
RevisDiagnóstico e Tratamento.2002; 8(1):17-19.
(8)Kolyniak I.EG, Cavalcanti SMB. Avaliação isocinética da musculatura
envolvida na flexão e extensão do tronco: efeito do método Pilates. Rev Bras
de Med do Esporte [periódico da internet].nov/dez 2004 [acesso em ago 2006] ];
10(6):
487-490.
Disponível
em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151786922004000600005&lng=pt&nrm=iso. doi: 10.1590/S1517-86922004000600005.
(9) Segal NA, Hein J, Basfoard JR. The effects of Pilates training on flexibility
and body composition: an observation study. Arch Phys Med Rehabil. 2004; 85:
1997-81.
(10) Camarão T. Pilates no Brasil: corpo e movimento. Rio de Janeiro: Elsevier,
2004.
(11) Jago R. et al: Effect of 4 Weeks of Pilates on the Body Composition of
Young Girls; Preventive Medicine.2006; 42:177-180.
(12) Dillman E. O pequeno livro de Pilates: guia prático que dispensa
professores e equipamentos. Rio de Janeiro: Record, 2004.
(13) Fishman B et al. The Memorial Pain Assessment Card. Cancer; 60:11151158,1987. citado in: Teixera MJ, Correa CF, Pimenta CAM. Estudo Máster da
Dor: conceitos gerais. São Paulo: Limary; 1994.
(14) Jacox A, et al: Management of Cancer Pain. Clinical Practice Guideline.1994.
citado in: Teixera MJ, Correa CF, Pimenta CAM. Estudo Máster da Dor:
conceitos gerais. São Paulo: Limary; 1994.
(15) Achour Junior, Abdallah. Exercícios de alongamento: anatomia e fisiologia.
São Paulo: Manole; 2002.
(16) Aparício E, Perez J. O autêntico método Pilates: A arte do controle. São
Paulo: Planeta; 2005.
(17) Craig C. Pilates com a bola.: 1° ed. São Paulo: Phorte, 2003.
(18) Costa LOP, Costa LCM, Cançado RL. Confiabilidade do teste palpatório e da
unidade de biofeedback pressório na ativação do músculo transverso
abdominal em indivíduos normais. Acta Fisiátrica. set./dez.2004; 11(3): 101-105.
(19) Hodges P, Gandevia S. Changes in intra-abdominal pressure during
postural and respiratory activation of the human diaphragm. J Appl Physiol
2000; (89): 967-76.
(20) Kapandji I. Tronco e coluna vertebral. In: Fisiologia Articular: esquemas
comentados da mecânica humana. 5° ed. São Paulo: Manole, 1990.
(21) Lemos A M, Feijó LA. A biomecânica do transverso abdominal e suas
múltiplas funções. Fisiot Bras. jan./fev.2005; 6(1): 66-70.
(22) Norkin C. As articulações estrutura e função. Uma abordagem prática e
abrangente. 2° edição. Rio de Janeiro: Revinter; 2001.
(23) Hodges PW. Is there a role for tranversus abdominis in lumbo-pelvic
stability? M Ther 1999; 2(4): 74-86.
(24) Hodges P. et al: Intervertebral Stiffness of the Spine Is Increased by
Evoked Contraction of Transversus Abdominis and the Diaphragm: In Vivo
Porcine Studies; Spine. 2003; 28(23) : 2594-2601.
(25) O´Sullivan, P.B; Twomey, L; Allison, G.T. Altered abdominal muscle
recruitment in patients with choronic back pain following specific exercise
intervention. J Orthop Sports Phys Ther. 1998; 27 (2): 114-24.
(26) Teixeira-Salmela LF, Sakamoto A CL, Siqueira FB. Mecanismos e
estabilização da coluna lombar: uma revisão da literatura. Fisiot em Mov.
out./dez. 2004;17(4):51-58.
(27) Begmark A. Stability of the lumbar spine. A study in mechanical engineering.
Acta Orthop Scand Suppl. 1989; 230: 1-54
(28) Hodges PW, Richardson C.A. Feedforward contraction of tranversus
abdominis is not influenced by the direction of arm movement. Exp Brain Res
1997; 114 (2): 362-70.
(29) Hodges PW, Richardson C. A Inefficient muscular stabilization of the
lumbar spine associated with low back pain. A motor evaluation of transverses
abdominis. Spine 1996; 21(22): 2640-50.
(30) Sapsford R, Hodges P, Richardson C, Cooper D, Markwell S. Co-activation of
the abdominal and pelvic floor muscles during voluntary exercises.
Neurourlogy and Urodynamics. 2001; 20(31): 31-42.
(31) O’Sullivan P. Lumbar segmental ‘instability’. Clinical presentation and
specific stabilizing exercise management. M Ther, 2000; 1(5): 2-12.
(32) Lopes PM, Mackert TC, Yau CMH, Facci LM. Isostretching no tratamento da
lombalgia crônica. Fisiot Bras. Mar/abril 2006; 7(2): 99-103.
(33) Maher CG. Effective Physical Treatment for Chronic Low Back Pain.
Orthopedic Clinics of North America. 2004; 35:57-64.
1
Graduandas em Fisioterapia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas
Gerais
2
Poços
de
Caldas.
Orientador:: Fisioterapeuta com formação em Pilates Mat nível 1 e 2, Pilates
Clinico,
2
campus
Pilates
On
The
Orientador: Fisioterapeuta
Ball
e
formação
em
Water
Pilates.
Docente do Curso de Fisioterapia da Pontifícia
Universidade Católica de Minas Gerais campus Poços de Caldas.
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards