A ideia de Liberdade e do controle do comportamento humano em

Propaganda
A ideia de Liberdade e do controle do comportamento humano em B. F.
Skinner
Angela Graziele Reis Silva; Cassiana Stersa Versoza-Carvalhal
e-mail do orientador: [email protected]
Universidade Estadual de Londrina/ Departamento de Psicologia Geral e
Análise do Comportamento/ CCB
Área e subárea do conhecimento: Psicologia, Fundamentos e Medidas da
Psicologia.
Palavras-chave: Liberdade; Controle; Educação.
Resumo
A literatura da liberdade vem induzindo as pessoas a agirem de modo a se
libertarem dos vários tipos de controle intencional. Uma chamada “literatura da
liberdade” se dispõe a evidenciar as condições aversivas nas quais as pessoas
vivem. As técnicas utilizadas por essa literatura para livrar-se ou escapar de
controles aversivos não tem levado em conta todo o ambiente social em que os
seres humanos vivem, portanto, se faz necessário o entendimento de que ao
vivermos em sociedade estamos todos sujeitos ao controle. O objetivo deste
trabalho foi esclarecer as implicações dos conceitos tradicionais e skinneriano
de liberdade para a educação. Utilizando-se do método de análise conceitualestrutural de texto, identificou-se que o entendimento do conceito de liberdade
e do que é controle influencia na maneira com que as condições de ensino são
planejadas, tendo um impacto direto na educação e na sociedade.
Introdução
Skinner abordou diversos conceitos de liberdade em suas obras (e.g.
SKINNER, 1971/1983, 1953/1998), sempre buscando demonstrar a relação
entre o controle ambiental e a noção de liberdade para os indivíduos. Quase
todos os seres vivos agem buscando livrar-se de contatos prejudiciais. Pode-se
perceber, então, que a ideia de liberdade frequentemente tem relação com a
ausência de controle aversivo. Skinner (1953), aponta que, “[...]a doutrina da
liberdade pessoal tornou-se cada vez menos eficiente como artifício motivador
e cada vez menos sustentável em um entendimento teórico do comportamento
humano. ” (p. 476).
1
Para Skinner (1953) “a educação é o estabelecimento de
comportamentos que serão vantajosos para o indivíduo e para outros em
algum tempo futuro. ” (p. 437). Considerando a implicação da noção de
liberdade para a educação, este trabalho visou esclarecer questões acerca dos
conceitos de liberdade e do controle do comportamento humano nas obras de
B. F. Skinner, esclarecendo, assim, as formas com que a Educação, enquanto
agência de controle, se utiliza para controlar o comportamento humano. Neste
sentido, teve o objetivo de descrever como os conceitos de liberdade tem
afetado a sociedade, especificamente, a educação, de acordo com a
perspectiva skinneriana.
Procedimentos metodológicos
Utilizou-se no presente trabalho o método de análise conceitualestrutural de texto, que tem como objetivo analisar o tema pesquisado por
meio da identificação das categorias conceituais de uma disciplina que se
relacionam a esse tema (Conforme visto em BANDINI, 2008; MELO, 2008;
LOPES & LAURENTI, 2010).
Este método se constitui basicamente de quatro etapas distintas:
1) levantamento de principais conceitos ou categorias do texto; 2)
caracterização das teses do texto (tese tradicional, crítica e tese alternativa);
3) elaboração de esquemas; 4) elaboração de resumos.
Os textos foram selecionados a partir do critério de adequabilidade ao
tema. Assim, foram selecionados como bibliografia fundamental três
capítulos do livro O Mito da Liberdade (Skinner, 1971): Cap. 2 - Liberdade;
Cap. 4 - Punição; Cap. 5 - Alternativas à Punição; e um capítulo do livro
Ciência e Comportamento Humano (Skinner, 1953): Cap. 26 - Educação
(Quinta seção: Agências Controladoras).
Resultados e Discussão
De acordo com Skinner (1971), uma chamada “literatura da liberdade” se
dispõe a evidenciar as condições aversivas nas quais as pessoas vivem.
Basicamente, essa literatura prega qualquer tipo de comportamento que
enfraqueça ou destrua o poder controlador para que, assim, os indivíduos se
sintam livres. Evitar e livrar-se de contatos prejudiciais é algo que acontece
naturalmente com todos. Durante os séculos, de maneiras diferentes construiuse um mundo relativamente livre de ameaças ou estímulos perigosos. Para
Skinner (1971), essa relação entre o organismo e o ambiente, denomina-se
operante, pois o comportamento do organismo opera no meio e produz uma
consequência como, por exemplo, a retirada de um estimulo aversivo. Esses
2
comportamentos são mantidos devido ao seu valor de sobrevivência, reduzindo
ameaças do ambiente.
Nessa intitulada luta pela liberdade, temos alguns mecanismos que são
essenciais, como o de fuga e esquiva, os quais são processos
comportamentais que envolvem, respectivamente, a interrupção de um
estímulo aversivo depois de iniciado e a prevenção de uma possível situação
aversiva. Estímulos aversivos, sejam eles considerados intencionais ou não,
são o padrão de controle mais utilizado por quase todo ajustamento social. Isso
se explica por que as pessoas evitam ou escapam de tratamentos aversivos
agindo de uma forma que reforça o comportamento de quem a tratou
aversivamente. A lógica demonstrada é: eu faço o que se pede mesmo que eu
não queira, para que não tenha consequências maiores. Uma forma de
controle sobre o outro consideravelmente eficaz. Na visão de Skinner (1971), a
liberdade deve ser vista como uma questão de contingências de reforço, ou
seja, uma relação entre os comportamentos do indivíduo e suas
consequências. Ao olhar para a ideia de liberdade vista como a ausência de
controle, percebe-se que a literatura da liberdade, não olhou para os controles
positivos presentes no ambiente social, pois não está explícito as formas de
coerção existentes, mas isso não significa que elas não existam.
Skinner (1971), aponta que afirmar que todo tipo de controle é ruim
exclui práticas sociais essenciais ao bem-estar e que envolvem o controle de
uma pessoa por outra. As técnicas utilizadas por essa literatura para livrar-se
ou escapar de controles aversivos não tem levado em conta todo o ambiente
social em que os seres humanos vivem. Faz-se necessário o entendimento de
que, naturalmente ao vivermos, estamos todos sujeitos ao controle. De acordo
com o autor, a solução não é apenas destruir ou fugir dos estímulos aversivos
presentes em nosso ambiente social, é necessária uma análise mais detalhada
de todo o ambiente e, a partir disso, modificar os diversos tipos de controle que
todos estamos sujeitos.
A educação, vista como agência de controle, ainda se utiliza muito de
controle aversivo e, para Skinner, esse é um problema para o ensino, uma vez
que o autor considera ideal o tipo de controle em que não há aversivo em
tempo algum. Apesar de não se utilizar mais de punição física, outras medidas
aversivas são empregadas como forma de controle. Consequentemente, os
estudantes tentam alcançar sua ‘liberdade’, livrando-se desses controles,
utilizando-se de diferentes formas de esquiva e fuga, o que resulta em falta de
interesse e abandono dos estudos. Skinner diz que o controle aversivo ainda é
utilizado pois a criação de técnicas alternativas e eficazes é pequena. Para ele,
o que falta para o ensino ser realmente eficaz são reforços positivos. Ele
evidencia que algumas instituições vêm utilizando como reforçador positivo
3
mostrar a conexão do que se aprende com contingências que serão
encontradas no futuro, ao mostrar as vantagens do ensino e não mais as
consequências negativas (punições) por não se aprender, a educação se
tornaria então, reforçadora por si só.
Conclusões
Ao analisar esses capítulos pontuais das obras de Skinner, ficou
perceptível que o entendimento do conceito de liberdade e do que é controle
são fundamentais para a compreensão e explicação do comportamento. Uma
maior visibilidade e esclarecimento da visão de Skinner sobre esses conceitos
poderia auxiliar em um melhor planejamento das formas de controle utilizadas
na Educação, levando-se em consideração, não apenas seu retorno imediato,
mas também seus efeitos a longo prazo. Analisando as considerações
levantadas por Skinner em seus livros publicados nos anos de 1953 e 1971, e
tendo em vista o atual cenário da educação, se faz cada vez mais necessário e
urgente a criação de técnicas alternativas de controle para o ensino, visando as
consequências de um futuro (não tão distante).
Agradecimentos
Agradeço à orientadora e à Fundação Araucária/Inclusão Social, pelo incentivo
e oportunidade.
Referências
LAURENTI, Carolina. & LOPES, Carlos Eduardo. E. Método de interpretação
conceitual-estrutural, 2010 (Manuscrito não publicado cedido pelos autores).
MELO, Camila Muchon. A concepção de homem no Behaviorismo radical e sua
implicações para a tecnologia do comportamento. 2008. 344f. Tese de
Doutoramento (Doutorado em Filosofia) - Universidade Federal de São Carlos,
São Carlos, 2009.
SKINNER, Burrhus F. O Mito da Liberdade. 2. ed. São Paulo: Summus, 1983.
(Trabalho original publicado em 1971).
SKINNER, Burrhus F. Ciência e Comportamento Humano. 10° ed. São Paulo:
Martins Fontes, 1998. (Trabalho original publicado em 1953)
4
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards