- Bio Cursos

Propaganda
1
Tratamento de Fasceite Plantar com o método de Bandagem
Funcional
Daniela Rotterdan Aguiar1
Dayana Priscila Maia Mejia2
[email protected]
Pós-graduação em Ortopedia e Traumatologia com Ênfase em Terapia Manual – Faculdade Ávila
Resumo
Bandagem funcional é caracterizada pela aplicação de algum tipo de fita protetora como
atadura esportiva ou atadura elástica, esparadrapo não elástico. Tem por objetivo fornecer
apoio e proteção aos tecidos moles sem limitar suas funções desnecessariamente, mas para
isso tem que ter conhecimento da anatomia e das estruturas corporais envolvidas. Fasceite
plantar é uma inflamação da aponeurose plantar, causada por esforços sucessivos e
repetidos podendo induzir a formação de esporão de calcâneo. Propósito da aplicação de
bandagem funcional em fasceite plantar é reduzir a tensão sobre a fáscia plantar e nas
estruturas mediais do arco. O artigo é de revisão com abordagem argumento teórico.
Palavras-chave: Bandagem Funcional; Fáscia Plantar; Fasceite Plantar.
1. Introdução
A fáscia plantar é uma das mais importantes estruturas estáticas de suporte do arco
longitudinal medial, inflamação ocorre devido microtraumas de repetição na origem da
tuberosidade medial do calcâneo, onde durante o apoio as forças de tração levam ao processo
inflamatório resultando em fibrose e degeneração. A fáscia plantar age como uma estrutura de
suporte do arco longitudinal do pé e intervém no amortecimento do choque criado durante
atividade nos pés. Quando ocorre a extensão das articulações metatarsofalangianas, ocorre
uma aproximação do calcâneo e da cabeça dos metatarsos devido a tensão colocada na fáscia
plantar. Dados epidemiológicos apresentam a população feminina mais acometida na faixa
etária do climatério e na obesidade, nos homens é mais comum nos esportistas,
principalmente os que praticam corrida. Quem apresenta pé cavo e pé plano, traumatismos de
repetição associados à intensidade duração e frequência de atividade esportiva, sapatos gastos,
pronação excessiva, rigidez do tendão de aquiles, desequilíbrio da força muscular,
biomecânica alterada são fatores predisponentes. (SIZÍNIO et al., 2003; CASONATO, 2005).
A dor geralmente está localizada ao longo da face plantar do calcanhar onde a aponeurose
plantar se insere no tubérculo medial do calcâneo. A pronação excessiva da articulação
talocalcânea, que pode ser reforçada por músculos gastrocnêmio e sóleo hipomóveis,
predispõe a irritação da fáscia plantar. (KISNER, 2005).
O quadro clinico é caracterizado por dor de inicio insidioso, principalmente no primeiro apoio
matinal, mas apresentando uma melhora após periodo de atividade. Durante o sono, quando
os músculos encontram-se inativos os dorsiflexores deixam o pé em posição equina o que
provoca o encurtamento da fáscia plantar. No exame físico percebe-se uma marcha antálgica
sobre a face lateral do pé e ao palpar percebe-se o ponto gatilho na região medial e plantar da
tuberosidadedo calcâneo. Tem-se um diagnóstico mais especifico através de ressonância
1
Pós-graduanda em Ortopedia e Traumatologia com Ênfase em Terapia Manual e Postural.
Graduada em Fisioterapia, Especialista em Metodologia do Ensino Superior, Mestranda em Bioética e Direito
em Saude.
2
2
magnética, pois identifica a extensão do processo inflamatório, as roturas parcial ou total e o
espessamento devido a cicatrização hipertrófica.
A fasceite plantar evolui por períodos de remissão e recidiva, porém a maioria dos pacientes
melhoram em um período de 1 ano, mas nesse ponto que se entra com métodos de tratamento
fisioterápico, pois principalmente para um atleta é um longo período. A epidemiologia mostra
que a maior incidência da doença se dá entre as mulheres, em sua maioria obesa e na faixa
etária do climatério. Em homens, a prevalência é maior nos praticantes de esportes,
especialmente os que envolvem corridas (SIZÍNIO et al., 2003).
A aplicação de bandagem refere-se a aplicação de algum tipo de fita protetora que adere a
pele de determinada articulação ou membro, tendo como principal função fornecer apoio e
proteção aos tecidos moles sem limitar suas funções desnecessariamente. Pode ser aplicada
antes ou depois da ocorrência de lesões, seja nas etapas iniciais ou mais avançadas do
tratamento, no estágio final no caso de atletas, têm por função auxiliar o esportista ao retorno
de suas atividades. (SILVA JR, 1999).
Segundo Santos (2008), o objetivo principal da bandagem funcional é fornecer apoio e
proteção para os tecidos moles, sem limitar suas funções e aumentando a estabilidade
articular. As bandagens funcionais são um instrumento terapêutico muito utilizado pelos
Fisioterapeutas de todo o mundo, devido aos seus benefícios no auxilio de técnicas de
reabilitação em lesões articulares, ligamentares, musculares, posturais entre outras das
atividades dentro de uma amplitude articular normal.
Outros objetivos das bandagens funcionais incluem inibir a hiperatividade dos músculos
agonistas e antagonistas; facilitar a atividade sinergista; promover uma otimização da
coordenação e do alinhamento articular estaticamente e durante o movimento; diminuir a
irritação do tecido neural; inibir direta ou indiretamente a dor associada ao movimento. A
bandagem é aplicada de tal maneira que há pouca ou nenhuma tensão, enquanto parte do
corpo é posicionada na posição desejada no plano. Irá, portanto, desenvolver mais tensão
quando movimento ocorre fora desses parâmetros. Esta tensão será percebida
conscientemente dando assim um estímulo para o individuo corrigir o movimento padrão.
Com o passar do tempo e com a repetição suficiente e feedback, estes padrões podem tornarse componentes de aprendizado do engrama motor dos movimentos. Trata-se efetivamente da
pele mediando o biofeedback proprioceptivo.em atletas o uso de bandagens funcionais pode
evitar lesões ou facilitar o retorno do atleta lesionado à competição.(SILVA JR, 1999).
Presente pesquisa justifica-se pela carência de literatura científica que tenha como abordagem
a utilização de bandagem funcional em fasceíte plantar e em qualquer outra patologia, assim
dificultando uso dessa técnica por fisioterapeutas. O bjetivo deste estudo foi demonstrar o
tratamento de fasceíte plantar através do método de bandagem funcional.
2. Anatomia
As articulações do pé e tornozelo formam um sistema que deve fornecer um grau de
estabilidade maior do que de flexibilidade. Suas funções são fornecer uma base estável para a
posição ereta, fornecer uma alavanca rígida na fase do impulso da marcha, absorver cargas,
adaptar-se as irregularidades do solo. Quando esse sistema é comprometido por alguma
disfunção a sintomatologia poderá se manifestar sobre o próprio pé ou estender-se a outra
parte da articulação inferior.
Segundo Sena (2008), tornozelo é a articulação terminal de apoio onde apresenta movimentos
em um só plano de flexão e extensão com função bastante complexa, pois está ligada aos
movimentos das articulações subtalar e mediotársica.
O pé é formado por 26 ossos que é subdividido em três partes que são o tarso, constituído
posteriormente por sete ossos que tem a função de suportar carga de peso do corpo, o
3
metatarso formado por cinco ossos metatársicos e as 14 falanges. O posicionamento desses
ossos três arcos sobre a planta do pé, sendo dois que vão do calcanhar às cabeças metatársicas
(um medial e um lateral) e um transversal, colocando sobre as cabeças dos metatarsos. O arco
medial em relação ao solo tem uma altura de 15-18 mm, ao nível do escafoide, que representa
a medida do arco, o arco lateral possui uma altura de aproximadamente 3-5 mm do solo ao
nível do cuboide, o arco transverso distalmente apresenta-se da primeira ate a quinta cabeça
metatársica que ficam aproximadamente a 6 mm do solo sendo o ponto mais alto localizado
na segunda cabeça metatársica possuindo uma altura de 9mm. Esse arco está presente
somente na descarga de peso, pois o arco transverso proximal ao nível das bases dos
metatarsos, esta sempre presente. Esses arcos são importantes para garantir o suporte do peso
corporal e protegem os vasos e nervos situados na face plantar do pé, caso ocorra uma
alteração ou defeito desses arcos pode ocasionar problemas ao pé e às articulações
circunvizinhas. Os elementos que mantém a integridade desses arcos são a fáscia plantar,
ligamentos plantar longo e curto e o ligamento plantar calcâneo-escafóide. Em sua
extremidade distal a tíbia e fíbula se alargam onde se projetam horizontal e inferiormente
dando origem a saliências ósseas conhecidas como maléolos. O pé é dividido em porção
anterior antepé, porção média mediopé, e porção posterior retropé que consiste no tálus e
calcâneo, mediopé formado pelos ossos navicular, cuboide e cuneiformes, e antepé pelos
metatarsos e falanges. O pé é composto por dois arcos longitudinal e transversal, que são
estruturas de tecidos moles com objetivo de fornecer suporte as articulações ósseas e as
formas dos pés. (CASONATO, 2005; PEDRA, 2009).
A articulação do tornozelo é formada por três faces articuladas, face articular superior do tálus
denominada tróclea, que articula-se com a face inferior da tíbia, face articular lateral do tálus
está articulado com a face articular do maléolo fibular, face articular medial do tálus
articulando-se com a face articular do maléolo tibial. Denomina-se articulação tróclea, que
significa que possui um grau de liberdade, condiciona os movimentos do membro inferior
com relação ao pé no plano sagital e é indispensável a marcha (KAPANDJI, 2000).
Segundo Magee (2005), as funções do pé são:
Atua como base de suporte que provê estabilidade necessária para a postura ereta com esforço
muscular mínimo;
Provê mecanismo de rotação da tíbia e fíbula durante a fase de apoio da marcha;
Provê flexibilidade para que ocorra adaptação a superfícies irregulares e para absorção de
impactos
É alavanca durante a fase de impulsão da marcha;
A fáscia plantar é formada por fibras de colágeno não-elásticas que ficam paralelamente ao
eixo do pé, tendo origem na margem anterior da tuberosidade do calcâneo, essas fibras se
expandem recobrindo a face plantar do pé próximo a cabeça dos metatarsos assim
apresentando 5 formações em faixa onde cada uma se subdivide em duas partes passando de
um lado para outro e pelos tendões dos flexores assim se inserindo sobre os ligamentos
transversos do tarso sobre a bainha tendinosa e a derme. Anatomicamente, a fascia refere-se a
uma lâmina ou membrana de tecido conjuntivo que reveste cada músculo, órgão ou conjunto
de órgãos, com função de proteção.
Para os planos e eixos de movimento do pé têm-se no plano sagital os movimentos de
plantiflexão (extensão), e dorsiflexão (flexão), no plano transverso são os movimentos de
adução e abdução e no plano frontal movimentos de inversão e eversão. Os eixos das
articulações do pé são conhecidos como triplanares, ou seja, os movimentos encontram-se nos
três planos. Tais movimentos são pronação que decorre da associação da dorsiflexão, abdução
e eversão e supinação decorrente da plantiflexão, adução e inversão.
A biomecânica do pé depende de sua capacidade de agir como adaptador, absorvedor de
choque, conversor de toque e braço rígido durante o ciclo da marcha. No ciclo da marcha o pé
4
tem principal função na fase de apoio onde o mesmo desenvolve base de suporte, adaptação
para acomodação em qualquer terreno, absorve o choque, alavanca rígida para uma propulsão
eficiente e mecanismo de absorção da rotação transversa da perna. (SILVA JUNIOR, 1999).
3. Patologia
A fáscia é uma lâmina ou membrana de tecido conjuntivo que reveste cada músculo, órgão
com função de proteção (DÂNGELO;FATTINI 2004).
A inflamação da fáscia plantar ocorre por microtraumas de repetição na origem da
tuberosidade medial do calcâneo. Forças de tração durante o apoio levam ao processo
inflamatório que resulta em fibrose e degeneração. Fasceite plantar é uma inflamação da
fáscia plantar na sua ligação com o calcâneo. (PERRIN, 2008)
A fáscia plantar é uma das mais importantes estruturas estáticas de suporte do arco
longitudinal medial, inflamação ocorre devido microtraumas de repetição na origem da
tuberosidade medial do calcâneo, onde durante o apoio as forças de tração levam ao processo
inflamatório resultando em fibrose e degeneração. A fáscia plantar age como uma estrutura de
suporte do arco longitudinal do pé e intervém no amortecimento do choque criado durante
atividade nos pés. Quando ocorre a extensão das articulações metatarsofalangianas, ocorre
uma aproximação do calcâneo e da cabeça dos metatarsos devido a tensão colocada na fáscia
plantar. Dados epidemiológicos apresentam a população feminina mais acometida na faixa
etária do climatério e na obesidade, nos homens é mais comum nos esportistas,
principalmente os que praticam corrida. Quem apresenta pé cavo e pé plano, traumatismos de
repetição associados à intensidade duração e frequência de atividade esportiva, sapatos gastos,
pronação excessiva, rigidez do tendão de aquiles, desequilíbrio da força muscular,
biomecânica alterada são fatores predisponentes. (SIZÍNIO et al., 2003; CASONATO, 2005).
A fasceite plantar pode ser definida como uma afecção caracterizada pela dor na
região plantar do calcâneo, que pode se estender por toda a fascia plantar. Sua
manifestação é insidiosa, e sua sintomatologia é mais evidente pela manhã, ou após
um período de repouso. Geralmente melhora após atividade (primeiros passos),
embora em alguns casos, a dor possa persistir por todo o dia ( SANT’ANNA, 2004,
p 04).
Fasceite Plantar é uma inflamação causada por esforços sucessivos e repetidos podendo
induzir a formação de esporão de calcâneo. A fáscia plantar é uma das estruturas estáticas
mais importante de suporte do arco longitudinal medial. (SIZÍNIO et al, 2003)
Segundo Baptista (2004), a fasceite palntar é ocasionada por uma força de tração durante o
apoio que leva a um processo inflamatório assim resultando em fibrose e degeneração das
fibras fasciais que se originam no osso e surge com maior frequência em pessoas obesas.
Fasceite Plantar é a inflamação da aponeurose plantar, que pode ser causada por corrida e
ginástica aeróbica de alto impacto, principalmente se estiver fazendo uso de calçado
improprio . É o problema mais comum da região posterior do pé em corredores, causa dor na
face plantar do calcanhar e na face medial do pé. Dor geralmente intensifica após sentar e ao
iniciar a marcha pela manhã ao acordar, pois o primeiro apoio provoca um estiramento brusco
da aponeurose, o que provoca a dor, mas cessa após 5-10 minutos de atividade, mas podendo
voltar após repouso. À palpação encontra-se dor na fixação proximal da aponeurose ao
tubérculo medial do calcâneo e na face medial do mesmo. A dor pode aumentar com a
extensão passiva do hálux e pode exarcebar quando realiza dorsiflexão do tornozelo e/ou
sustentação de peso. Se houver esporão de calcâneo do tubérculo medial que é um processo
ósseo anormal, ao caminhar, tende causar dor na região da face medial do pé. Durante o sono
a inatividade dos músculos dorsiflexores posiciona o pé em equino, assim provocando o
encurtamento da fáscia plantar. Ao acordar, durante o primeiro apoio, há um estiramento
5
brusco, que traciona a origem da fáscia e exarceba a dor. No exame físico verifica-se marcha
antálgica sobre a face lateral do pé ou digitígrada, pois a marcha com apoio sobre o calcâneo
provoca dor. A palpação o ponto gatilho encontra-se na região medial e plantar da
tuberosidade do calcâneo, onde está a origem da porção medial da fáscia plantar, e presença
de pontos dolorosos na porção proximal do músculo gastrocnêmio medial. A distensão da
fáscia pela manobra de dorsiflexão dos dedos reproduz os sintomas (MOORE, 2007; SIZÍNIO
et al., 2003).
O quadro clinico é caracterizado por dor de inicio insidioso, principalmente no primeiro apoio
matinal, mas apresentando uma melhora após periodo de atividade. Durante o sono, quando
os musculos encontram-se inativos os dorsiflexores deixam o pé em posiçao equina o que
provoca o encurtamento da fáscia plantar. No exame físico percebe-se uma marcha antálgica
sobre a face lateral do pé e ao palpar percebe-se o ponto gatilho na região medial e plantar da
tuberosidadedo calcâneo. Tem-se um diagnóstico mais especifico através de ressonância
magnética, pois identifica a extensão do processo inflamatório, as roturas parcial ou total e o
espessamento devido a cicatrização hipertrófica.
A fasceite plantar evolui por períodos de remissão e recidiva, porém a maioria dos pacientes
melhoram em um período de 1 ano, mas nesse ponto que se entra com métodos de tratamento
fisioterápico, pois principálmente para um atleta é um longo período. A epidemiologia mostra
que a maior incidência da doença se dá entre as mulheres, em sua maioria obesa e na faixa
etária do climatério. Em homens, a prevalência é maior nos praticantes de esportes,
especialmente os que envolvem corridas (SIZÍNIO et al., 2003)
O que pode desenvolver a fasceite plantar é pessoas que tem pé cavo, quando são ativos em
esportes sofrem distensões no arco ou na fáscia plantar, corrida ou salto excessivos também
podem provocar distensões no arco, calçados inadequados e além disso, a corrida e o estresse
continuado no pé pre-dispõe a lesão.
Segundo Warren (1990), apud Casonato (2005), os fatores predisponentes de fasceite plantar
são a excessiva pronação, pé valgo, pé plano, tendão de aquiles rígido, fraqueza muscular da
panturrilha e limitação articular, discrepância nas articulações inferiores e rigidez da fáscia
plantar. A excessiva pronação é responsável pela absorção e distribuição de forças que
surgem do contato do calcanhar com o solo, uma pronação anômola determina um
estiramento excessivo da fáscia plantar durante a fase intermediária de apoio na corrida, onde
durante a fase de elevação dos dedos o pé ainda estiver em pronação, ocorrerá um aumento da
carga ao nível da fáscia plantar. Pé valgo apresenta uma pronação diminuída e um arco
plantar rígido associado a uma fáscia plantar dura, assim nao absorvendo as forças de reação
derivadas da corrida, ocasionando um estiramento excessivo da fáscia plantar, e também o
calcâneo varo associado ao antepé valgo cria um pé instável com sobrecarga na fáscia plantar
em sua inserção. Pé plano provoca uma fragilidade das estruturas capsuloligamentares do pé o
que favorece a tensão da fáscia plantar. Tendão de Aquiles rígido limita a dorsiflexão do
tornozelo, quando o tendão nao deixa estirar ocorrerá uma pronação anômala provocando uma
solicitação excessiva da fáscia plantar. Fraqueza muscular da panturrilha e limitação articular
contribuem para a diminuição da capacidade do pé para absorver as forças de reação do
terreno e o impulso de propulsão do corpo para frente, favorecendo uma pronação funcional
do retropé assim sendo um fator de risco na origem da fasceite plantar. Discrepância nas
articulações inferiores favorece uma pronação por parte da perna mais curta, logo
contribuindo para o desenvolvimento de fasceite plantar.
4. Bandagem Funcional
Foi descoberta por Tanaka, osteopata e acunpunturista. As bandagens funcionais são
utilizadas pelos Fisioterapeutas de todo mundo, onde em outros países recebem o nome taping
ou strapping (USA), ligaduras funcionais (Portugal), functional bandagens (Alemanha),
6
contentions souples (França e Suíça). A técnica de bandagem funcional é caracterizada pela
aplicação de algum tipo de fita protetora como atadura esportiva ou atadura elástica,
esparadrapo não elástico. O custo benefício, o esparadrapo possui resistência e a aderência
necessária para atingir os efeitos esperados pela bandagem funcional. O principal objetivo da
aplicação é fornecer apoio e proteção aos tecidos moles sem limitar suas funções
desnecessariamente, mas para isso tem que ter conhecimento da anatomia e das estruturas
corporais envolvidas. É uma técnica complementar para a reeducação postural do paciente,
onde estimula grupos musculares e inibe outros grupos a fim de favorecer um reequilíbrio
neuro-muscular de segmentos desequilibrados. A bandagem neuromuscular se diferencia
devido sua propriedade elástica e microporos que ao ser aplicada desenvolve a técnica de
ativação muscular através da regulação do tônus e a técnica de correção articular assim
permitindo um eixo de movimento mais funcional, portanto, o objetivo é aumentar o
recrutamento muscular e aumentar a estabilidade articular, onde teoricamente dificultaria o
mecanismo de lesão. (SILVA JR, 1999; VERONESI JR, 2008; BARRETO, 2010;
SALGADO).
Segundo Silva Jr (1999), aplicação de bandagens nos estágios iniciais do tratamento tem por
objetivo reduzir os efeitos da inflamação e nos estágios finais é auxiliar o paciente no retorno
às atividades esportivas. Segundo Veronesi (2008), a bandagem tem efeito analgésico,
esbilizador articular, estimulação proprioceptiva. A analgesia ocorre através da estimulação
das vias nervosas dos mecanorreceptores, que são vias de maior calibre que as vias
nociceptivas da dor, levando a uma supressão da via dolorosa pela via proprioceptiva,
chamada de efeito comporta. Na estabilização articular as bandagens bloqueiam as
articulações assim proporcionando uma maior estabilidade. Estimulação proprioceptiva
quando a fita adesiva é colocada longitudinalmente ao ventre muscular ocorre uma
estimulação das fibras musculares devido o estímulo do fuso neuro-muscular, e se colocada
transversalmente ao ventre do músculo, ocorre a sua inibição devido a estimulação do orgão
tendinoso de golgi.
Segundo Santos (2008), o objetivo principal da bandagem funcional é fornecer apoio e
proteção para os tecidos moles, sem limitar suas funções e aumentando a estabilidade
articular. As bandagens funcionais são um instrumento terapêutico muito utilizado pelos
Fisioterapeutas de todo o mundo, devido aos seus benefícios no auxilio de técnicas de
reabilitação em lesões articulares, ligamentares, musculares, posturais entre outras das
atividades dentro de uma amplitude articular normal.
Outros objetivos das bandagens funcionais incluem, inibir a hiperatividade dos músculos
agonistas e antagonistas; facilitar a atividade sinergista; promover uma otimização da
coordenação e do alinhamento articular estaticamente e durante o movimento; diminuir a
irritação do tecido neural; inibir direta ou indiretamente a dor associada ao movimento. A
bandagem é aplicada de tal maneira que há pouca ou nenhuma tensão, enquanto parte do
corpo é posicionada na posição desejada no plano. Irá, portanto, desenvolver mais tensão
quando movimento ocorre fora desses parâmetros. Esta tensão será percebida
conscientemente dando assim um estímulo para o individuo corrigir o movimento padrão.
Com o passar do tempo e com a repetição suficiente e feedback, estes padrões podem tornarse componentes de aprendizado do engrama motor dos movimentos. Trata-se efetivamente da
pele mediando o biofeedback proprioceptivo.em atletas o uso de bandagens funcionais pode
evitar lesões ou facilitar o retorno do atleta lesionado à competição.(SILVA JR, 1999).
Segundo Sacco et al. (2004), a aplicação de bandagem em atletas é um dos fatores pelos quais
as lesões podem ser reduzidas por um suporte externo assim aumentado a estabilidade
mecânica. A aplicação de bandagens deve ser associada a exercícios para que se tenha uma
reabilitação completa.
7
A bandagem funcional pode ser aplicada tanto antes (prevenção) quanto depois da ocorrência
de lesões. A prevenção ocorre pela sustentação ou apoio as áreas submetidas a estresse
excessivo, então assim, reduz a frequência e gravidade de lesões devido o aumento da
estabilidade articular ou pela maior estabilidade às articulações que apresentam históricos de
lesões, reduzindo reincindivas. (GUIMARÃES, 2005).
A aplicação de bandagem fica mais efetiva e facilitada se o rolo de atadura for voltado para a
pessoa que esta aplicando e deve ser iniciada distalmente assim progredindo proximalmente.
Nao aplique uma tensão excessiva, pois pode provocar um bloqueio na circulação abaixo da
bandagem. Oriente o paciente se caso a compressão o incomodar deve retirar a bandagem
realizada. (SILVA JUNIOR, 1999).
Para começar a aplicação da bandagem tenha o material facilmente disponível. Deve-se
relevar a questão do posicionamento do paciente e do fisioterapêuta no momento da aplicação
para que se tenha uma melhor eficácia. Durante a aplicação podem ocorrer erros que devem
ser evitados, pois irão comprometer a eficácia da aplicação da bandagem que são sombras,
janelas, rugas, todas são decorrentes de uma aplicação inadequada. As sombras são quando
existe apenas uma camada sobre a pele, enquanto nas áreas adjacentes existem duas ou mais
camadas. Janelas são quando a pele fica exposta entre as voltas da bandagem. Rugas ocorrem
quando não seguem os contornos naturais do segmento corporal e ficam engilhados. Para
realizar remoção da bandagem deve-se utilizar tesoura para bandagens ou cortador de fita e
para facilitar o deslize pode aplicar lubrificante nas pontas. Quando a bandagem é feita ao
redor do tornozelo, para facilitar a retirada deve-se iniciar o corte da bandagem no topo, no
lado medial da perna, em torno do maléolo medial e assim direcionando para o hálux. (SILVA
JR, 1999).
Propósito da aplicação de bandagem funcional em fasceite plantar é reduzir a tensão sobre a
fáscia plantar e nas estruturas mediais do arco.
A bandagem funcional é uma técnica complementar, pois se o problema for decorrente de um
trauma local e a dor é o problema, o efeito analgésico causado pela aplicação do mesmo, pode
curar, mas, se a causa da dor for decorrente de uma má postura ou uma postura desequilibrada
e desalinhada, o que solucionará o problema são as reeducações posturais que podem ser
adquiridas com RPG associado ao uso de bandagem funcional. (VERONESI JR, 2008).
Segundo Alexander (2003), apud Veronesi Jr (2008), o uso de bandagem funcional pode
excitar fibras musculares como inibi-las, pois quando é colocado na direção das fibras
musculares é excitatório e quando posicionado transversalmente ao ventre da musculatura é
inibitório. O autor enfatiza que o músculo encurtado otimiza a relação entre tensão
comprimento assim gerando mais força.
5. Tratamento
O uso da bandagem funcional em fasceite plantar deve-se dar suporte ao arco longitudinal,
podendo ser de forma simples ou complexa. Na simples colaca-se 3 ou 4 faixas circularmente
em torno do pé. No complexo usa-se uma âncora em torno do pé, onde partindo da mesma
estendem-se faixas sucessivas que passam em torno do clacanhar e retornam ao ponto de
partida, podendo colocar tambem um alcochoamento longitudinal no arco para que a
bandagem fique mais eficaz. (PERRIN, 2008).
Ao iniciar a aplicação o ponto de partida são as âncoras, que sao voltas iniciais da bandagem,
proporcionam as bases da técnica aplicada, todas as outras voltas da bandagem iniciam e
finalizam sobre as âncoras, e em seguida, é realizado os estribos, que são tiras de bandagem
que descem pela âncora, passando em volta do calcanhar e sobem pelo lado oposto da perna.
(SILVA JR, 1999).
Segundo Silva Jr (1999), Técnica do Arco longitudinal
8
Será necessário fita adesiva de três quartos e uma polegada e meia. Deve aplicar spray de
bandagem aderente ao longo do pé evitando os dedos, e os mesmos devem está limpos e secos
para que se tenha uma aderência eficas da fita adesiva.
Paciente deve está sentado com a perna estendida sobre a borda de uma mesa e o pé deve está
relaxado.
Coloca-se uma âncora de fita adesiva ao redor da cabeça dos metatarsos, iniciando no bordo
medial, na primeira articulação do hálux do pé, passando por debaixo do pé. Conforme a fita é
levada para o bordo lateral do pé, deve-se utilizar a palma da mão para estender o pé, assim
finalizando a volta no dorso do pé, mas sem juntar as duas extremidades da fita. Feito a
âncora, deve iniciar o estribo.
Sobre o bordo lateral do pé é apliacado uma tira, iniciada na extremidade proximal da cabeça
do quinto metatarso e levando ao redor do calcanhar, sob a inserção do tendão de Aquiles.
Segure a tira no bordo medial, sob a cabeça do primeiro metatarso e deve pressionar a fita
contra o arco longitudinal medial.
Para certifica-se que o bordo lateral permanece numa posição neutra e relaxada, coloque a
palma da mão no quinto metatarso, com o polegar sob o segundo metatarso, o dedo médio
deve abaixar a cabeça do primeiro metatarso. Deve-se realizar com objetivo de criar um arco
longitudinal, para que se tenha uma melhor absorção de choques, e para reduzir o
esgarçamento na fáscia plantar.
Em seguida deve-se repetir o procedimento de estribo duas vezes, recobrindo a primeira
bandagem completamente. Faça outra âncora em volta da cabeça dos metatarsos.
As tiras de apoio devem ser feitas acima do estribo lateral, próximo à cabeça do quinto
metatarso. Leve a fita por baixo do pé, levando-a do bordo lateral ao bordo medial,
pressionando o pé por cima para alargar a fita. No bordo medial puxe firme para cima, para
que a fita seja presa sobre a pele, acima das tiras laterais. Esse procedimento deve ser repetido
em direçao do calcanhar. Cada tirar anterior deve ser recoberta pela metade da sua largura, até
que todo arco esteja coberto.
Para realizar o fechamento o paciente deve está na posição ortostática e as fitas devem ser
aplicadas sobre o dorso do pé, assim as prendendo no arco medial, puxando para cima do
bordo lateral do arco, para proporcionar um maior apoio ao arco e manter as tiras juntas.
Após o término da aplicação o fisioterapeuta deve observar se a mesma foi bem feita, pois se
o primeiro dedo estiver tracionado para dentro ou se o paciente relatar desconforto ao ficar na
posição ortostática, significa que o estribo está muito apertado, assim pode ocasionar cãibras,e
ferimentos se for colocada muito sob tendão de aquiles e se, a bandagem não estiver bem lisa,
pode causar bolhas na planta do pé. Antes de realizar a aplicação de bandagem funcional tem
que realizar teste para verificar como a pele do paciente irá responder ao procedimento e
quando aplicado orientá-lo para observar se vai desenvolver processo alérgico no local, se sim
tem que retirar a bandagem, caso não ocorra alergia mantem a aplicação por 4 horas. Devido a
esses prloblemas que podem ocorrer, a bandagem não é aconselhável em determinados
pacientes.
O tempo de aplicação de bandagem funcional é explicado através da adaptação dos receptores
sensoriais, os mesmo se adaptam a qualquer estímulo constante, após certo período de tempo.
Quando é aplicado estímulo contínuo o receptor responde inicialmente com alta frequência de
impulso e depois com frequência progressivamente mais lenta, até que a frequência dos
impulsos do potencial de ação diminui chegando até interromper os impulsos. Devido a esse
processo de adaptação neural que os receptores apresentam, segue o tempo de aplicação de
bandagem funcional. (GUYTON, 2002).
Segundo Veronesi (2008), devido a ação dos receptores sensoriais, na primeira sessão, o
tempo de aplicação da bandagem funcional deve ser de 1 hora, para verificar a aceitação do
paciente quanto aos estímulos que será proporcionado e provocar uma estimulação gradativa
9
aos receptores. Na segunda sessão, aumenta para 2 horas sempre verificando a aceitação do
paciente em relação aos estímulos e ao ganho gradativo dos estímulos propostos. Na terceira
sessão aumenta para 3 horas e na quarta sessão para 4 horas e após a quarta sessão, o tempo
permanece 4 horas devido a proteção da pele, pois se permanecer com a bandagem funcional
mais que 4 horas, a modificação físico-química da pele irá alterar, assim promovendo uma
desidratação, podendo provocar queimaduras, assim favorecendo o aparecimento de feridas
cutâneas.
Técnicas Modificadas – Alternativas
Existem dois outros métodos para apoiar o arco longitudinal. Ambas iniciam e terminam da
mesma forma, sendo a diferença entre elas o modo de aplicar as tiras de apoio.
Técnica I
As tiras devem ter metade da largura da fita. Inicia-se na cabeça do primeiro metatarso,
cruzando a planta do pé, em volta do calcanhar e voltando para a cabeça do quinto metatarso.
Técnica II
Deve-se usar tiras com metade da largura da fita, inicia-se na cabeça do primeiro metatarso,
cruzando a planta do pé, em volta do calcanhar e voltando para cabeça do primeiro metatarso.
A aplicação de bandagem funcional no calcanhar tem sido eficaz devido a resolução da
claudicação pelo deslocamento anatômico do calcâneo em relação ao tálus. Uma outra forma
de bandagem funcional é feita com duas tiras com aproximadamente dois centímetros de
largura, a primeira sobreposta pela segunda, é aplicada obliquamente, desde a posterior do
calcanhar até a extremidade distal da perna. Inicialmente ao andar, o paciente poderá ter
dificuldade, porém a marcha será indolor. A bandagem funcional é mantida durante 48 horas,
caso nao ocorra nenhuma alteração como por exemplo um processo alérgico. ( MULLIGAN,
2007).
Conclusão
A técnica de bandagem funcional é caracterizada pela aplicação de algum tipo de fita
protetora como atadura esportiva ou atadura elástica, esparadrapo não elástico. O principal
objetivo da aplicação é fornecer apoio e proteção aos tecidos moles sem limitar suas funções
desnecessariamente, mas para isso tem que ter conhecimento da anatomia e das estruturas
corporais envolvidas. É uma técnica complementar para a reeducação postural do paciente,
onde estimula grupos musculares e inibe outros grupos a fim de favorecer um reequilíbrio
neuro-muscular de segmentos desequilibrados. (SILVA JR, 1999; VERONESI JR, 2008).
A bandagem funcional aplicada em fasceite plantar de forma inadequada pode ocasionar
cãibras, ferimentos se for colocada muito sob tendão de aquiles, e se não estiver bem lisa,
pode ocorrer bolhas na planta do pé. Antes de realizar a aplicação de bandagem funcional tem
que realizar teste para verificar como a pele do paciente irá responder ao procedimento e
quando aplicado orientá-lo para observar se vai desenvolver processo alérgico no local, se sim
tem que retirar a bandagem, caso não ocorra alergia mantem a aplicação por 4 horas. Devido a
esses prloblemas que podem ocorrer, a bandagem não é aconselhável em determinados
pacientes.
10
A bandagem funcional é uma técnica bastante utilizada em atletas, mas que se deve explorar
ainda mais atrvés de pesquisas com comprovação científica, para que se possa aperfeiçoar as
técnicas de tratamento, sempre visando o bem estar dos pacientes e satisfação profissional.
11
Referências
BARRETO, Rafael de Almeida; AZEVEDO, Rodrigo Campos de Souza; JORGE, Felipe Sampaio. Efeito da
Bandagem Neuromuscular em Atletas de Futebol durante a Simulação Entorse de Tornozelo por
Inversão: Uma Análise Eletromiográfica. Perspectivas Online, vol 4, nº13, 2010. Disponível em
http://www.perspectivasonline.com.br/revista/2010vol4n13/volume4%2813%29artigo14.pdf.
Acesso
em
16/11/2011.
CASONATO, Oscar; POSER, Antonio. Reabilitação integrada das patologias do tornozelo e do pé, revisão
técnica Maria de Fátima Palmiere; tradução Waldomiro Barbosa; Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
DÂNGELO, José Geraldo; FATTINI, Carlo Américo: Anatomia Humana Sistêmica E segmentar. 2. ed. São
Paulo: Atheneu, 2004.
GUIMARÃES, João Flavio. Efeito da utilização da Técnica de Bandagem Funcional do Tornozelo sobre o
Equilíbrio.Monografia
(Curso
de
Fisioterapia).
Unioeste,
2005.
Disponível
em:
http://www.unioeste.br/projetos/elrf/monografias/2005/pdf/joao%20flavio.pdf. Acesso em 25/08/2001.
GUYTON, Arthur C.; HALL, John E. Fisiologia Médica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
KAPANDJI, A. I. Fisiologia Articular, volume 2: tradução da quinta edição original de Editorial Médica
Panamericana S.A , São Paulo: Panamericana; Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.
KISNER, Carolyn; COLBY, Lynn Allen. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 3. ed. São Paulo:
Manole, 2005.
MAGEE, David J. Avaliação musculoesquelética, tradução Marcos Ikeda. 4 ed. Barueri, SP: Manole, 2005.
MOORE, L. Keith; DALEY, F. Arthur. Anatomia Orientada para Clínica. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2007.
MULLIGAN, Brian R. Terapia Manual, técnicas NAGS/SNAGS/MWM e suas variantes, tradução editorial
premier com supervisão Leonel Bonassi Machado. 5 ed. São Paulo, 2007.
PEDRA, Meirielly de Siqueira Corrêa; SOARES, Mairkon Almeida; SILVA, Jefferson da. Análise
Morfotipológica do Arco e Pressão Plantar após Intervenção de Bandagem Funcional de Tornozelo e
Manipulação de Ilíaco em Indivíduos Hígidos. Perspectivas Online, vol 3, nº9, 2009. Disponível em
http://www.sumarios.org/sites/default/files/pdfs/52800_6190.PDF. Acesso em 16/11/2011.
PERRIN, David H. Bandagens funcionais e órteses esportivas, tradução de Denise Regina de Sales. 2 ed.
Porto Alegre: Artmed, 2008.
SACCO, Isabel C.N; TAKAHASI, Henrique Yuji; VASCONCELLOS, Ângela Agostini; SUDA, Eneida Yuri
[et al.]. Influência de Implementos para o Tornozelo em Respostas Biomecânicas do Salto e Aterrisagem
em
Basquete.
Rev
Bras
Med
Esporte,
vol
10,
nº6,
2004.
Disponível
em:
http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbme/v10n6/a01v10n6.pdf. Acesso em 25/08/2011.
SALGADO, Afonso S.I; PARREIRA, Rodolfo B; CECI, Lisandro Antônio. Aplicação de Bandagens
Funcionais com Recursos no Tratamento de Lesões nos Atletas Tratados na Clínica de Fisioterapia
Salgado-
Clinique
du
Sport,
Londrina-PR.
Fisio
Magazine.
Disponível
em
http://www.portalsaudebrasil.com/artigospsb/traum054.pdf. Acesso em 16/11/2011.
SANT’ANNA, Rodrigo Baptista. Tratamento da Fascite Plantar Bilateral pela técnica da crochetagem: um
estudo de caso. Artigo Científico (Pós-Graduação Lato-Sensu Fisioterapia em Traumatologia e Ortopedia).
12
Universidade
Estácio
de
Sá
do
Rio
de
Janeiro,
2004.
Disponível
em:
http://www.efisioterapia.net/articulos/imprimir.php?id=160. Acesso em 20/07/2001.
SANTOS, Gabriel Henrique; JORGE, Felipe Sampaio; VIZELLA, Rafael M.; SILVA, Jeferson da. A Influência
da Bandagem Funcional na Atividade Eletromiográfica de Músculos do Ombro durante Arremesso de
Handball.
Perspectivas
Online,
vol
5,
nº2,
2008.
Disponível
em:
http://www.perspectivasonline.com.br/revista/2008vol2n6/volume%202%286%29%20artigo7.pdf. Acesso em
20/07/2001.
SENA, Diego Oliveira Batista de. Abordagem Fsioterapêutica no Entorse de Tornozelo por Eversão- Um
Estudo de Caso. Monografia(Graduação em Fisioterapia). Universidade Veiga de Almeida, Rio de Janeiro,
2008.Disponível
em:
http://www.uva.br/sites/all/themes/uva/files/pdf/abordagem_fisioterapeutica_na_entorse_de_tornozelo_por_%20
eversao.pdf. Acesso em 25/08/2011.
SILVA Junior, Lauro Ivo da. Manual de Bandagens Esportivas. Rio de Janeiro: Sprint, 1999.
SIZÍNIO Hebert; RENATO Xavier; ARLINDO Gomes Pardini Jr; TARCÍSIO E.P. de Barros Filho [et al.].
Ortopedia e Traumatologia- Princípios e Prática. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.
VERONESI Jr, JOSÉ Ronaldo. RPG/RFL: o método da reeducação postural global pelo reequilíbrio
funcional laboral. São Paulo: Andreoli, 2008.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards