“Antes de tratar do tema específico da Metodologia da Pesquisa

Propaganda
PARTE II – TEORIA, EPISTEMOLOGIA E MÉTODOS: CAMINOS DO
PENSAMENTO
“Antes de tratar do tema específico da Metodologia da Pesquisa social, é importante discutir o
legado das Ciências Sociais [...].” P. 77
“Sem querer estabelecer etapas estanques, Nunes mostra que, na década de1950, as pesquisas
estiveram marcadas pelas teorias funcionalistas e culturalistas, servindo à implementação de
desenvolvimento e organização de comunidade.
Nas décadas de 1960 e 1970, as abordagens fenomenológicas influenciaram efetivamente o
pensamento e as práticas de saúde coletiva. Elas questionaram a onipotência e onipresença do Estado
sobre os indivíduos e sobre os grupos de referência e a arbitrariedade impositiva das classes dominantes
por meio de sistemas de saúde. Sua emergência fez eclodir uma reação de negação dos princípios
positivistas e funcionalistas mais voltados para o todo e para as massas, em favor de uma afirmação dos
direitos individuais , do princípio da autonomia das pessoas e da construção de grupos mediadores ante o
Estado e as grandes instituições médicas e sanitárias.” P. 79
“A partir dos anos 1970, houve grande incremento da produção intelectual na área de saúde,
dentro do enfoque marxista histórico-estrutural. A presença do marxismo no ambiente acadêmico da
saúde coincidiu com a resistência cidadã ao autoritarismo e à violência política vigente no período da
ditadura militar. Esse movimento, que arregimentava uma organização denominada informalmente
“partido sanitário”, contribuiu para a produção de uma crítica teórico-prática sobre a fragilidade e a
fragmentação das análises fenomenológicas (Nunes, 1985), propondo mudanças estruturais na
distribuição da saúde, como bem social e do acesso aos serviços de saúde, no Brasil e na América
Latina.” P.79
“Em 1983, García já advertia que nenhuma das correntes de pensamento desconhece a
vinculação da medicina com a estrutura social, no entanto, suas diferenciações se explicam na
interpretação de como se dá essa vinculação e em que grau de autonomia ou dependência se situa o
fenômeno saúde-doença como manifestação biológico-social. As diferentes visões de mundo presentes
nas interpretações da realidade refletem a dificuldade do pensamento de apreender e compreender o
objeto “social” e, em conseqüência, a “saúde” em toda sua complexidade e articulações.
Esta parte contém dois capítulos fundamentais. O primeiro se compões da introdução às
primeiras correntes de pensamento sociológico que têm influência na teoria e na prática da saúde: o
positivismo, o compreensivismo, o marxismo e o pensamento sistêmico. No segundo, apresento algumas
abordagens compreensivas com suas potencialidades de aplicação para estudos e investigações do setor.”
P. 80
CAP 4 – CORRENTES DE PENSAMENTO
Positivismo Sociológico
“O positivismo constitui a corrente filosófica que mantém o domínio intelectual no seio das
Ciências Sociais, Medicina e Saúde. As teses básicas do positivismo podem ser assim resumidas: (1) a
realidade se constitui essencialmente naquilo que os sentidos podem perceber; (2) as Ciências Sociais e as
Ciências Naturais compartilham de um mesmo fundamento lógico e metodológico: elas se distinguem
apenas no objeto de estudo; (3) existe uma distinção fundamental entre o fato e valor: a ciência se ocupa
do fato e deve buscar livrar-se do valor.” P. 81
“[...] a sociedade humana é regulada por leis naturais que atingem o funcionamento da vida
social, econômica, política e cultural de seus membros. Portanto, os cientistas sociais quando analisam
determinado grupo ou comunidade têm de descobrir as leis invariáveis e independentes de seu
funcionamento.” P. 81
“Noutras palavras, dentro da filosofia positivista, o cientista social deve comportar-se ante seu
objeto de estudo – a sociedade, qualquer segmento ou setor dela – livre de juízo de valor, tentando
neutralizar qualquer interveniência que possa lesar a sua objetividade na explicação dos fenômenos.” P.
82
“A ciência positivista tem raízes na filosofia das luzes no século XVIII (Lowy, 1986). Para
Lowy, o pai do positivismo é Condorcet, um enciclopedista que formulou de forma clara e precisa a idéia
de que a ciência da sociedade deveria ser uma Matemática Social baseada em estudos quantitativos
rigorosos e probabilísticos.” P. 82
“Saint-Simon [discípulo de Condorcet] ressalva que, em sua época, havia duas classes parasitas
do organismo social: o clero e a aristocracia. E, portanto, seria preciso que essas fossilizações dessem
lugar a uma nova forma de organização do corpo social. Para isso apresentava um projeto novo de
sociedade, baseado não na igualdade, mas numa pirâmide de classes, visando a elevar a capacidade
produtiva das pessoas a uma grau máximo de desenvolvimento.” P. 83
“Até o início do século XIX, o positivismo desenhado por esses precursores constitui uma visão
social-utópica-crítica do mundo de seu tempo.” P. 83
“Para Comte o pensamento teria de ser totalmente positivo. Isto é, dele deveria ser eliminado
todo o conteúdo crítico para que os cientistas descobrissem as leis da sociedade. Seu “método positivo”,
propunha que o cientista social se consagrasse teórica e praticamente à defesa da ordem e fosse contrário
ao que considerava “negativismo perigoso das doutrinas críticas, destrutivas, subversivas e
revolucionárias da Revolução Francesa e do Socialismo”.” P. 84
“Dizia Comte que há uma ordem interna que rege a sociedade da mesma forma que essa ordem
existe na natureza. Toda sociedade caminharia para a harmonia, o desenvolvimento e a prosperidade. Ao
cientista social caberia descobrir essa ordem e explicitá-la aos leitores para que, com base em sua
compreensão, a estabilidade social fosse mantida.
Comte considerava importante que os sociólogos explicassem aos proletários a lei que rege a
distribuição de riquezas, a concentração de poder econômico e o seu lugar na sociedade. Ao fazê-lo
estariam cumprindo o papel pedagógico de ensinar que os lugares que os trabalhadores ocupam são
resultantes da própria natureza da organização social que tem suas leis invariantes. Segundo esse
pensador, graças ao positivismo, os trabalhadores reconheceriam as vantagens da submissão e do fato de
que não teriam de se preocupar com o governo da sociedade e, sim, entregá-lo a outras mãos mais sábias
e mais poderosas. Dessa forma, o positivismo como “ciência livre de juízo de valor e neutra” se propunha
a não amaldiçoar os fatos políticos [...].” P. 85
“Não há dúvidas de que o positivismo clássico combina com todo o conservadorismo político e
legitimador de situações vigentes e o fundamenta. Não é ocioso lembrar que o lema da bandeira nacional
republicana brasileira “Ordem e Progresso” tem sua inspiração na doutrina positivista, em sua filosofia
social e em sua ideologia política.
No campo das ciências sociais propriamente ditas, foi Durkheim quem primeiro fundamentou
teórica e metodologicamente o positivismo que existia como doutrina, trazendo-o para a compreensão da
sociedade. Esse autor seminal, para divulgar a nova ciência a que denominou “sociologia” e classificou
como disciplina científica, criou a mais antiga revista da área denominada L’Année Sociologique, cujo
centenário se comemorou em 1998 e reuniu em torno de si um grupo importante e influente de
pensadores.
Reconhecendo-se discípulo de Comte, Durkheim se aplicou a pensar a especificidade do objeto
da sociologia, relacioná-la com as outras ciências e lançar os fundamentos de um método para pesquisa
social.” P. 86
“Em seu método, Durkheim distingue a categoria “senso comum”, como uma criação cultural
dos membros de uma sociedade para explicar e descrever o mundo em que vivem, dos “conceitos
científicos”, que constituem elaborações teóricas que permitem descrever, classificar, explicar, organizar
e correlacionar os “fatos sociais” de forma “objetiva”.” P. 87
“Uma das principais influências do positivismo nas ciências sociais é a prática da pesquisa
empírica. Metodologicamente, até hoje, sob a ótica positivista, isso significa a descoberta das
características de regularidades e invariâncias nos fatos sociais, entendidos por Durkheim como “toda
maneira de fazer, fixada ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coação exterior” ou ainda “o
que é geral no conjunto de uma dada sociedade tendo, ao mesmo tempo, uma existência própria,
independente das manifestações individuais” (1978, p.92).” P. 88
“Embora o positivismo sociológico domine nas Ciências Sociais, ainda hoje é alvo de muitas
críticas. A mais forte restrição a essa corrente vem da constatação de que os seres humanos não são
simples forma, tamanho e movimentos: possuem uma vida interior que escapa à observação primária e
que, em si, constitui uma realidade passível de análise. Daí derivam várias controvérsias. A primeira diz
respeito à questão da “neutralidade” e da “objetividade” que, segundo Durkheim, poderiam ser mantidas,
uma vez que ao cientista social caberia observar manifestações comportamentais exteriores a ele próprio.”
P. 88
“A história do positivismo revela que a concepção de objetividade e de neutralidade se confunde
com a execução de estudos de cunho quantitativo. Hoje há um desenvolvimento extremamente rápido de
métodos de pesquisa de base estatística, reproduzindo não só um método científico mas, com certeza,
uma doutrina que tem, em sua base, idéias bem estabelecidas e conservadoras. Muitas pesquisas (não
todas) eximem-se até de análise contextual, temendo contaminar a pureza dos “dados” e exalar algum
juízo de valor.” P. 88
“O problema apresentado pela crítica teórica é a produção de uma verdadeira reitificação do
método que precisa ser criticada pelo menos em dois pontos: o primeiro é epistemológico e diz respeito à
pretensão de os dados observáveis explicar a realidade, restringindo-a ao quantificável.” P. 89
“Sua crítica centrou-se, sobretudo, na falta de perspectiva epistemológica dos que se
empenhavam escrupulosamente na construção de modelos matemáticos para seus dados e que se
mostravam totalmente incapazes de fazer uma análise sociológica dos indicadores que geravam,
deixando, aos demandantes das pesquisas, total liberdade para usá-los de acordo com interpretações que
passam por interesses econômicos e políticos.” P. 90
Funcionalismo como derivação do positivismo
“Uma das variantes do positivismo sociológico é o funcionalismo, cujos representantes clássicos
são, na antropologia inglesa, Malinowski, e Radcliffe-Brown (1973) e, na sociologia americana, Merton
(1970) e Parsons (1951).” P. 91
“Os funcionalistas diferenciam-se de Comte (1978) e Durkheim (1978) na medida em que negam
as leis gerais que regem o funcionamento da sociedade como um todo. Também não reduzem a ciência do
social à descrição de acontecimentos ou de fator observáveis. Desenvolvem um tipo de teoria
especialmente aplicável à compreensão da estrutura social e da diversidade cultural.” P. 91
“A tarefa principal do investigador, dentro deste esquema, é reproduzir as condições globais da
existência social de um grupo, descrevendo-as em sua complexidade, diversidade e movimento
integrativo de tal forma que possam ser comparadas.” P. 92
Positivismo e Funcionalismo nos estudos em saúde
“A doença é, para Parsons, “uma conduta desviada” e o doente é um personagem social que se
reconhece na forma como a sociedade institucionaliza o desvio e assim o assimila e o integra.” P.93
“Juan César García (1983), em seu estudo sobre as correntes de pensamento na medicina, faz
uma crítica contundente ao funcionalismo de Parsons quando analisa o sistema médico. Ao definir a
prática da medicina pela finalidade de curar e prevenir as doenças, diz ele, Parsons se limita a descrever
como essa instituição funciona e se transforma em fenômeno observável, desconhecendo as condições de
sua produção e reprodução. Reduz a concepção de doença à noção de “desvio” pondo-a no âmbito
exclusivo do paciente e do médico. Enfatiza seus respectivos papéis como atores sociais no conjunto da
sociedade como se essa fosse harmônica e equilibrada.” P.93
“Em resumo, se conclui que o positivismo e sua forma mais utilizada que é o funcionalismo
sociológico têm sido as correntes de pensamento com maior influência e vigor na produção intelectual
referente às análises de saúde. Isso não é estranho, uma vez que essas teorias se prestam para conservar e
justificar a prática médica hegemônica e os enfoques práticos no tratamento dos doentes e das doenças.
Ninguém duvida que a instituição da medicina e a área da saúde pública são profundamente autoritárias e
impositivas.” P. 94
Teorias Compreensivas
“Como o próprio nome indica, a sociologia compreensiva privilegia a compreensão e a
inteligibilidade como propriedades específicas dos fenômenos sociais, mostrando que os conceitos de
significado e de intencionalidade os separam dos fenômenos naturais.” P.95
“É uma ciência que se preocupa com a compreensão interpretativa da ação social, para chegar à
explicação causal de seu curso e de seus efeitos. Em “ação” está incluído todo o comportamento humano
quando e até onde a ação individual lhe atribui um significado subjetivo. A “ação” neste sentido pode ser
tanto aberta quanto subjetiva. [...] A “ação” é social quando, em virtude do significado subjetivo atribuído
a ela pelos indivíduos, leva em conta o comportamento dos outro e é orientada por ele na sua realização
(Weber, 1964, p. 33).” P. 96
“[...] para Weber, a sociologia requer uma abordagem diferente das ciências da natureza dentro
dos seguintes parâmetros: (a) realização de pesquisas empíricas a fim de se construírem dados que dêem
conta das formulações teóricas; (b) os dados devem derivar do modo de vida dos atores sociais; (c) os
agentes sociais dão significados a seus ambientes, relações e eventos de forma extremamente variada; (d)
e os mesmos agentes podem também descrever, explicar e justificar suas ações, motivadas por causas
tradicionais, sentimentos afetivos ou por elementos racionais; (e) as realidades sociais só podem ser
identificadas na linguagem significativa da interação social. Por isso, a linguagem, as práticas, as coisas e
os acontecimentos São inseparáveis.” P. 97
“Por isso propõe, para conseguir compreender a realidade social, dois princípios metodológicos:
(a) a neutralidade de valor e (b) a construção do tipo-social.” P. 97
“Weber sugere aos estudiosos esse artefato que ele próprio utiliza, indicando que existe um
sistema de “tipos-ideais”, entre os quais os de lei, de autoridade e de legitimidade, de democracia, de
capitalismo, de feudalismo, de sociedade, de burocracia e de patrimonialismo.” P.98
Abordagens compreensivas nas pesquisas em saúde
“[...] (a) seu foco é a experiência vivencial e o reconhecimento de que as realidade humanas são
complexas; (b) o contato com as pessoas se realiza nos próprios contextos sociais; (c) a relação entre o
investigador e os sujeitos investigados enfatiza o encontro intersubjetivo, face a face e a empatia entre
ambos; (d) os resultados buscam explicitar a racionalidade dos contextos e a lógica interna dos diversos
atores e grupos que estão sendo estudados; (e) os textos provenientes de análises compreensivas
apresentam a realidade de forma dinâmica e evidenciam o ponto de vista dos vários atores ante um
projeto social sempre em construção e em projeção para o futuro e (f) suas conclusões não são
universalizáveis, embora a compreensão de contextos peculiares permita inferências mais abrangentes
que a análise das microrrealidades e comparações.” P. 100
“A onda desenvolvimentista, cujos rumos do progresso não significam a socialização do bemestar; a constatação do aprofundamento das desigualdades entre ricos e pobres, entre países centrais e
países periféricos; o caos ecológico e social dos grandes centros urbanos e a corrida armamentista, tudo
isso fez crescer um movimento oposicionista na sociedade civil e um questionamento profundo da ciência
como verdade incontestável.” P. 101
“Não faltaram críticas dos fenomenologistas [são compreensivistas] ao positivismo quanto a
vários aspectos de sua influência na instituição médica, na prática médica, na ética médica, no sistema
público de saúde e na concepção biomédica de saúde e doença.” P. 102
“O foco de sua crítica se debruça sobre a hipertrofia das grandes instituições voltadas para a
assistência à saúde, o que, a seu ver, as tornou o maior obstáculo à realização dos objetivos a que o setor
saúde se propõe.
Illich (1975) fala do “crescimento mórbido da medicina” que conduz: (a) à ineficácia global do
sistema; (b) à perda da capacidade da população de se adaptar ao meio social, de aceitar a dor e o
sofrimento, por causa da medicalização da vida; (c) à idéia mítica de que a medicina seja capaz de acabar
com a dor, o sofrimento e a doença, mito esse que compromete a capacidade cultural dos indivíduos e da
sociedade contemporânea de lidar com a vida e com a morte.” P.103
“Os fenomenólogos, sobretudo nos anos 70, defenderam denodadamente a necessidade de se
desenvolver uma filosofia da medicina que (a) fundamentasse questões éticas relativas à realização de
experimentos e serviços que têm como objeto a vida humana e (b) formulasse a concepção de saúde e
doença com relevância antropológica, levando em conta, também, fenômenos como religião e crenças de
sociedades e de grupos específicos (Pellegrino, 1976).” P.103
“No Brasil, os comitês de ética para analisar experimentos e investigações com seres humanos se
multiplicaram [...].” P. 104
“No programa Saúde da Família, a idéia do pequeno grupo, de células de relações primárias –
tão cara às abordagens compreensivas – tornou-se o alvo de uma proposta de mudança do modelo
hospitalocêntrico (ainda hegemônico). Esse último em geral se rege por normas institucionais
burocráticas e abrange toda a cadeia de atenção à saúde, sendo um modelo extremamente caro, ineficiente
e pessoal.” P. 106
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards