PARÊNQUIMA, COLÊNQUIMA E ESCLERÊNQUIMA

Propaganda
PARÊNQUIMA, COLÊNQUIMA E
ESCLERÊNQUIMA:
CARACTERÍSTICAS E DIFERENÇAS
Bianca Pereira Nascimento
Matrícula 2008030197
Turma REEADCB0112081
INTRODUÇÃO
Os primeiros tecidos que aparecem nos vegetais são os meristemas. Os meristemas
também são denominados tecidos de formação, pois é a partir deles que se originam os
tecidos definitivos das plantas.
Os meristemas, como tecidos embrionários que são, têm como principal
característica a capacidade permanente de divisão das suas células. Estas são, em geral,
de pequenas dimensões, isodiamétricas, cúbicas ou um pouco alongadas, com
citoplasma abundante, quase sem vacúolos, com um núcleo relativamente grande e
paredes finas.
Os meristemas primários originam células que se especializam em funções
específicas e constituem tecidos definitivos primários.
Os meristemas podem também ser constituídos por células que readquiriram a
capacidade de divisão e denominam-se meristemas secundários ou intercalares.
PARÊNQUIMA
Definição:
Tecido fundamental (de preenchimento) das plantas, relacionado com diversas
funções. Constituído por células vivas, de morfologia e fisiologia variáveis.
Tecido formado por células que não sofreram espessamento secundário de suas
paredes. Possuem, portanto, apenas uma delgada parede celular primária.
As células parenquimáticas apresentam uma enorme diversidade de formas,
tamanho, metabolismo e funções. São consideradas as células procarióticas mais antigas,
isto é, as que primeiro surgiram no decorrer da evolução.
Nas algas, o corpo vegetal é formado 100% de células parenquimáticas. A medida
que as plantas foram colonizando o meio terrestre, outros tipos de tecidos (colênquima,
esclerênquima) evoluíram, a fim de proporcionar proteção, suporte, etc.
Funcionalmente, o parênquima é classificado em cinco tipos: parênquima
sintetizador, parênquima estrutural, parênquima limítrofe, parênquima de transporte e
parênquima de armazenagem.
O parênquima sintetizador é subdividido em: parênquima fotossintético, parênquima
meristemático e parênquima secretor.
O parênquima fotossintético é rico em cloroplastos e recebe o nome de clorênquima.
Idealmente, suas células possuem superfície aumentada em relação ao volume, a fim de
otimizar a captação de luz e gás carbônico. As células cilíndricas do parênquima foliar
(parênquima palisádico) são células desse tipo.
As células do parênquima meristemático (vale ressaltar que
todo meristema é composto de células parenquimáticas) são
capazes de absorver substâncias diversas (açúcares, água,
nutrientes inorgânicos), para usá-las na síntese de novas
células. Idealmente são pequenas e com poucas organelas, a
fim de facilitar a rápida divisão celular. Exceções são as longas células do meristema
produtor de fibras lenhosas.
O parênquima secretor superficial das plantas possui células com paredes
extremamente delgadas e permeáveis, a fim de facilitar a passagem das substâncias
secretadas. Quando o parênquima secretor se localiza internamente na planta, suas
células possuem as paredes laterais espessadas com material hidrófobo, que impede o
vazamento das substâncias secretadas.
O parênquima estrutural é constituído de aerênquima e confere ao tecido leveza
associada a uma certa rigidez.
O parênquima limítrofe localiza-se na interface entre duas regiões vizinhas da planta
ou entre a planta e o meio externo. São considerados parênquimas limítrofes a epiderme
e a endoderme.
O parênquima de transporte é composto por células de transferência, que
possibilitam o rápido fluxo de substâncias em várias regiões da planta. A parede celular
das células de transferência é modificada para permitir que tal transporte, em geral de
curta distância, se realiza com eficiência. Os elementos de tubo crivado do floema
também constituem células parenquimáticas de transporte.
O parênquima de armazenagem é encontrado em frutos, sementes e tubérculos, por
exemplo. Usualmente, o parênquima destes órgão armazena amido, proteínas ou óleos.
Geralmente, as células estão completamente tomadas pelo seu produto de
armazenamento, de tal forma que o vacúolo está ausente e as outras organelas são
pouco conspícuas. Plantas suculentas, tais como as cactáceas e euforbiáceas, são
constituídas em grande parte por um parênquima especial de armazenagem, que
acumula água.
Funções:
Fotossíntese
Respiração
Secreção
Armazenamento
Cicatrização e Regeneração
Características
Formas celulares variadas
Paredes delgadas com campos de pontoação primários
Potencialmente meristemático
Protoplasto vivo
Citoplasma fluido
Núcleo proporcionalmente fluido
Vacúolo proporcionalmente grande
Células metabolicamente muito ativas
Espaços intercelulares esquizógenos
Presença de substâncias ergásticas
Ocorrência
Todos os órgãos
Córtex
Medula
Parte de tecidos condutores
Os tecidos de suporte são constituidos por células que apresentam as paredes
espessas. Encontram-se em várias zonas do organismo vegetal, às quais conferem
grande rigidez, impedindo, assim, o esmagamento das células de paredes finas, quando
ocorrem movimentos provocados pelo vento. Permitem também, a posição erecta das
plantas.
Os tecidos de suporte são de dois tipos: O Colênquima e o Esclerênquima
O colênquima é um tecido em que as células são vivas, mesmo na maturidade.
Normalmente, as suas células são alongadas e formam cordões nas regiões periféricas
dos caules e pecíolos e rodeiam as nervuras das folhas das dicotiledóneas.
As paredes celulares das suas células são desigualmente espessadas. Se as células
apresentam espessamentos nos ângulos, o colênquima chama-se colênquima angular ou
aristal. Se o espessamento se encontra nos ângulos, mas apresenta meatos ou lacunas,
estamos na presença de colênquima lacunar. Finalmente, se o espessamento surge nas
paredes tangenciais, o colênquima designa-se colênquima laminar.
COLÊNQUIMA
Definição:
Tecido de sustentação de órgãos jovens e de alguns órgãos maduros de plantas
herbáceas.
Função:
Sustentação
Origem:
Aparecem nos primeiros estágios de diferenciação do Meristema fundamental.
Características:
a.
Células com protoplasto vivo na maturidade;
b.
Espessamento desigual da parede celular – CELULOSE;
c.
Deposição longitudinal das microfibrilas de celulose;
d.
Capacidade para retomar atividade meristemática;
e.
f.
Células podem ter cloroplasto e realizar fotossíntese;
Forma e tamanho variáveis
Ocorrência
Órgãos jovens
Caule – posição periférica
Folhas – pecíolo, nervura central e borda do limbo
A polpa dos frutos quando são maciços e comestíveis geralmente são
colenquimatosas
Raízes terrestres raramente têm colênquima
Tipos de colênquima:
Colênquima angular: espessamento nos ângulos das células.
Colênquima lamelar: maior espessamento nas paredes tangenciais das células.
Colênquima lacunar: espessamento nas paredes próximas ao espaço intercelular
(pecíolos de compostas). Entretanto, espaços intercelulares podem ocorrer em outros
tipos de colênquima, como por exemplo, raízes aéreas de Monstera.
Colênquima anelar. Espessamento uniforme por toda borda da célula
Fatores que podem estimular o espessamento
- Ventos fortes
- Regiões jovens
- Herbivoria e infestação de patógenos
ESCLERÊNQUIMA
O esclerênquima é um tecido constituído por células desprovidas de conteúdo
celular, isto é, mortas, apresentando as paredes igualmente espessadas e quase sempre
lenhificadas. A cavidade celular, ou lúmen, vai diminuindo à medida que se efetua o
espessamento e lenhificação da parede.
Na maturidade, a elasticidade torna-se mais importante que a plasticidade, pois
assim a parede pode ser deformada por tensão ou pressão, reassumindo sua forma em
condições normais. Assim, vento, passagem de animais, etc., não causam deformações
definitivas nas plantas. Além dessa característica, o esclerênquima forma uma camada
protetora ao redor do caule, sementes e frutos imaturos, evitando que animais e insetos
se alimentem deles, pois a lignina não é facilmente digerida. Ocorrem em faixas ou
calotas ao redor dos tecidos vasculares e também em tecidos parenquimáticos, como na
medula, caule e pecíolo de algumas plantas. Oferece sustentação e proteção.
As células de esclerênquima são habitualmente divididas em duas categorias: os
esclerídeos e as fibras.
1- Esclereídes ou esclerócitos: células curtas, espessadas, com numerosas pontoações.
O tecido formado é muito rígido. A textura pétrea da pêra é devida à presença de
inúmeros esclerócitos isodiamétricos na polpa.
Na folha da Oliveira (Olea europea) podem-se observar esclerídeos filiformes;
Braquisclerídeos ou células pétreas; Astrosclerídeos; fibras corticais; e finalmente Fibras
Perivasculares, que rodeiam o feixes vasculares do caule da planta do milho (Zea mays).
2- Fibras: células longas, com extremidades afiladas, lume reduzido e paredes
secundárias espessas. Servem como de elemento de sustentação nas partes vegetais
que não mais se alongam. Podem se originar do pró-câmbio, sendo chamadas fibras do
floema ou xilema primários ou do câmbio, sendo denominadas fibras do xilema ou floema
secundários; além disso, células do parênquima cortical, mesofilo e epiderme podem
originar fibras. Em Linum, por exemplo, as fibras se originam no floema e são a fonte do
linho. As fibras do cânhamo (Cannabis sativa) se desenvolvem entre células de floema e
também a partir do câmbio. Admite-se que, tanto nas fibras quanto nas esclereídes, após
o completo desenvolvimento de suas paredes secundárias, o protoplasto, não mais
funcional, seja eliminado.
Camadas de fibras de esclerênquima (coradas de vermelho com safranina)
REFERÊNCIAS
http://www.herbario.com.br/cie/universi/aulaprt.htm
http://www.uff.br/labes/farmacia/didatico/paren.htm
http://www.algosobre.com.br/biologia/parenquima.html
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards