Relato de Caso: Fenômeno de Lucío

Propaganda
Relato de Caso: Fenômeno de
Lucío- Eritema Necrosante
Amanda Alves Pereira¹; Camila Guimaraes Montagna²; Bruna Martini Massanares³; Chiara Kerolaine Beletato⁴; Katarine
Tronco Gasparini⁵
1. Residente de Clínica Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente
2. Especialista em Clínica Médica
3. Residente de Dermatologia do Hospital Regional de Presidente Prudente
4. Residente de Clínica Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente
5. Residente de Dermatologia do Hospital Regional de Presidente Prudente
Introdução:
Objetivo:
A hanseníase é uma doença infectocontagiosa de
Relato de um paciente com fenômeno de
evolução crônica, cujo agente patogênico é a Micobacterium lepra. É
Lucio, forma rara de apresentação da reação hansênica tipo
uma doença considerada problema de saúde pública, com mais de 1
caso por 10.000 habitantes, sendo o Brasil o segundo país em número
absoluto de casos.
Conforme os diferentes graus de resposta imune
celular ao bacilo pode evoluir para cura ou para diferentes formas de
apresentação clínica, como: indeterminada, tuberculóide, dimorfa ou
virchowiana. Podem surgir episódios inflamatórios agudos no percurso
natural da doença denominados de reações ou estados reacionais, que
comprometem principalmente a pele e nervos.
2, doença infectocontagiosa de evolução crônica, cujo
agente patogênico é a Micobacterium leprae,considerada
um problema de saúde pública.
Métodos:
Revisão do prontuário, entrevista com o
paciente e revisão da literatura.
RESULTADOS
C.A.S., 44 anos, masculino apresentando manchas arroxeadas na pele há aproximadamente 7 dias.
Negava outras comorbidades ou uso prévio de medicações, porém informava episódio similar há 2 anos
que culminou com amputação parcial do 5º pododáctilo esquerdo. Ao exame físico encontrava-se febril,
com máculas e pápulas eritemato-purpúricas, bolhas de conteúdo hemático com halo eritematoso e
ulcerações com fundo limpo em extremidades de membros inferiores e mãos (fig.2), membro inferior
direito com cianose em 2,3,4 e 5 pododáctilo (fig.1), hiperemia, edema, sendo diagnosticado infecção
bacteriana secundaria, realizado desbridamento cirúrgico e iniciado antibioticoterapia. A sensibilidade
térmica, tátil e dolorosa encontravam-se alteradas. Investigação complementar dentro da normalidade
exceto baciloscopia ++++, anticardiolipina positiva e FAN positivo. Histopatologia (fig. 5) evidenciou
infiltrado linfo-histiocitário e foi visualizada grandes quantidades de BAAR (++++). Iniciado tratamento
com prednisona 40 mg ao dia evoluindo com melhora importante das lesões (fig. 3,4). Recebeu alta com
prednisona 40 mg/dia e encaminhamento ao município de origem para notificação, busca ativa de
contactantes íntimos e início da poliquimioterapia.
Figura1
Figura 2
Figura 3
Figura 4
Figura 5
Discussão:
O fenômeno de Lúcio possui como etiopatogenia uma proliferação exagerada da micobacteria, que acaba
por invadir o endotélio dos vasos e como consequência ocluir o lumen vascular, acarretando em trombose com infarto e
isquemia tecidual. Caracteriza-se clinicamente por surtos de máculas eritemato-purpúricas que evoluem com necrose
central
e
culminam
com
ulceração
e
posterior
formação
de
cicatrizes atróficas. Acometem principalmente as extremidades, geralmente poupando a face e o tronco. Os sintomas
sistêmicos são escassos. Ocorre em pacientes que nunca realizaram tratamento ou trataram de maneira irregular a
hanseníase. Como diagnóstico diferencial devem ser considerados o eritema nodoso e outras vasculites.
Histopatologicamente há uma vasculite leucocitoclástica e são visualizadas micobacterias integras no endotélio vascular
com
trombose
dos
vasos
da
derme
papilar,
proliferação
e
inflamação
escassas.
Este paciente foi um desafio diagnóstico,pois além de evoluir como uma forma sem muitos sinais clínicos, ocultava os
sintomas de alteração da sensibilidade com sua disfunção cognitiva. O tratamento preconizado consiste em
poliquimioterapia e corticosteroides associados ou não à talidomida. A evolução geralmente é positiva com boa resposta
à terapêutica. C.A.S. apresentou uma ótima evolução como reflexo da corticoterapia, com resolução das lesões e
recuperação das áreas de tecido necrótico.
Bibliografia:
Lastória JC, Morgado de Abreu MAM. Hanseníase: revisão dos aspectos epidemiológicos, etiopatognicos e clínicos –
Parte I. An Bras Dermatol. 2014; 89 (2): 205-19.
Monteiro Rodrigo, Tiezzi Marcelo Guimarães, Abreu Marilda Aparecida Milanez Morgado de, Oliveira Claudia Cardoso
Macedo de, Roncada Eduardo Vinícios Mendes, Ortigosa Luciena Cegatto Martins. Lucio's phenomenon: another
case reported in Brazil. An. Bras. Dermatol.
Ribeiro Sandra Lúcia Euzébio, Guedes Erilane Leite, Pereira Helena Lúcia Alves, Souza Lucilene Sales
de. Vasculite na hanseníase mimetizando doenças reumáticas. Rev. Bras. Reumatol.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards