Em seu sentido de maior amplitude, a Ética tem sido

Propaganda
1
OS VALORES ÉTICOS DE UMA ORGANIZAÇÃO INTERFERINDO NOS
COMPORTAMENTOS DOS COLABORADORES
Autora: Patrícia Barbosa Amorim
Orientador: José Carlos dos Santos Vinhais
Co-Orientador: José André Villas Bôas Mello
RESUMO
É mostrado nesse trabalho como a ética é importante para a empresa em vários aspectos. O
objetivo é mostrar que uma empresa sem ética perde clientes e funcionários e com isso pode
sofrer perdas. É visto também que o comportamento dos funcionários pode ser orientado a
princípios éticos desde que uma organização seja orientada a um código de ética que estimule
boas práticas. O trabalho possui como método a revisão bibliográfica, por entender que esse seria
o caminho que proveria um maior conhecimento sobre o tema, dando suporte a futuras
investigações empíricas. Dentre as principais conclusões tem-se que a empresa que utiliza de
boas normas de conduta e de bons procedimentos recruta bons colaboradores aos seus quadros
funcionais, como também cria um clima de confiabilidade junto aos seus clientes, o que
proporciona um maior lucro e também um clima organizacional mais adequado ao perfil de uma
organização ética.
Palavras-chave: Ética, Funcionários e Clientes.
ABSTRACT
It is shown that work ethic is as important to the company in several respects. The goal is to show
that an unethical company loses customers and employees and it may suffer losses. It is also seen
that the behavior of employees can be driven from ethical principles that an organization is
guided by a code of ethics that encourages good practice. The work has as a method to the
literature review, understanding that this would be the way that would provide a better
understanding of the topic, supporting future empirical investigations. Among the main
conclusions is that the company uses to good conduct and good procedures for recruiting good
employees to their staffs, but also creates a climate of confidence among its customers, which
provides a higher profit and also a organizational climate more suitable to the profile of an ethical
organization.
Keywords: Ethics, Employees and Customers.
2
INTRODUÇÃO
O alcance dos resultados de uma empresa depende do convívio de pessoas de diferentes
origens que se organizam em grupos de trabalho que decidem o futuro da organização ou que
executam atividades operacionais diárias que objetivam a materialização de planos estratégicos
traçados. Dentro dessa perspectiva, a hierarquia e a divisão do trabalho, preconizados na teoria
de Taylor, funcionam como base do funcionamento de uma organização, entretanto os diferentes
grupos que se organizam e as especificidades de cada empresa, faz com que um estilo gerencial e
uma cultura organizacional se estabeleçam, influenciando comportamentos e atitudes. São esses
elementos que influenciam em uma decisão ou uma escolha, sendo possível entendê-las como
dentro de princípios éticos ou não. Essa lógica, aponta para cominhos adequados ou duvidosos,
que colocam em questão o convívio com pessoas éticas e a procura constante de uma empresa
ética tanto para trabalhar como na hora de consumo, principalmente em função da postura idônea
em relação a sociedade e o meio ambiente.
Para uma empresa ser ética, não basta só possuir funcionários éticos, a mesma também
deverá ser idônea. E tanto funcionário como a empresa devem possuir as mesmas normas de
conduta, para que não haja desconforto entre nenhuma das partes.
Uma empresa que segue boas normas de conduta, tanto internas como externas, com
certeza verá bons resultados financeiros. Nenhuma empresa sobrevive sem ter lucro e atualmente
as empresas que são éticas têm conseguido um destaque, principalmente devido a “onda verde”
que cria um clima favorável para as empresas que assumem uma postura ética e sócio-ambiental.
O Objetivo do presente trabalho será o de evidenciar como os princípios éticos podem
conferir maior competitividade, por tornar os funcionários mais motivados, bem como os clientes
mais satisfeitos.
O presente trabalho teve como principio metodológico adotado a pesquisa bibliográfica,
sendo feita consultas em obras que tratem o tema, enfatizando o eixo teórico relacionado aos
valores éticos de uma organização que interferem nos comportamentos dos colaboradores.
3
1- Ética
Em seu sentido de maior amplitude, a Ética tem sido entendida como a ciência da conduta
humana perante o ser e seus semelhantes. (SÁ, 2001)
A ética então é a avaliação da aceitação ou reprovação das atitudes dos seres humanos
para com as outras pessoas e que afeta o meio em que esteja inserido tanto positivamente como
negativamente.
A ética é a disciplina ou campo do conhecimento que trata da definição e avaliação do
comportamento de pessoas e organizações. A ética lida com o que pode ser diferente do que é, da
aprovação ou reprovação do comportamento observado em relação ao comportamento ideal. O
comportamento ideal é definido por meio de um código de conduta, ou código de ética.
(Maximiano, 2004, p.400)
O termo ética tem muitos significados e ênfases. A ética foi definida como "indagação
sobre a natureza e fundamentos da moralidade, sendo o termo moralidade entendido como juízos
morais, padrões e regras de conduta". Foi denominada também estudo e filosofia da conduta
humana, com ênfase na determinação do que é certo ou errado.
O estudo da natureza geral da moral e de opções morais específicas; filosofia moral; e
regras ou padrões que prescrevem a conduta de membros de uma profissão liberal. FERRELL
(2001).
Nota-se que a ética representa a compreensão do que é certo ou errado para a vida
particular das pessoas, para a vida delas na empresa e também na sociedade. Pois, em todo
ambiente em que vivemos, existem algumas regras que devem ser seguidas. Nossos valores têm
vezes que concordam com essas regras e outras vezes não, e quando isso acontece é muito
desagradável.
De uma maneira geral, ética empresarial compreende princípios e padrões que orientam o
comportamento no mundo dos negócios.
As responsabilidades éticas são definidas como comportamentos ou atividades que a
sociedade espera das empresas, mas que não estão codificadas em lei. FERRELL (2001).
Percebe-se no texto que a sociedade espera que a empresa seja íntegra seguindo princípios éticos
e que não distinguem seus funcionários. Como, por exemplo, na hora de uma promoção os
critérios que devem ser adotados pela empresa têm que ser éticos se baseando nas competências
4
do candidato e nunca fazer a distinção entre seus funcionários por credo, cor, religião ou até
mesmo orientação sexual.
2- A importância da ética para as empresas
O estudo da ética empresarial é valioso por não ser apenas um prolongamento da própria
ética pessoal do indivíduo. Muitas pessoas pensam que, se uma pessoa contrata bons empregados
com fortes valores éticos, ela será uma boa empresa cidadã. FERRELL (2001). Nunca é demais
frisar que a única forma de as empresas serem éticas é que as pessoas que nela trabalham
também o sejam, tanto no comportamento individual privado, quanto na atividade profissional ou
social, impondo a si padrões morais e coletivos. (KNIJNIK, 2000)
FERRELL (2001) faz uma crítica ao pensamento generalizado de que se você contrata
um funcionário ético sua empresa será mais ética. Todavia a ética da empresa pode se confrontar
com a ética do funcionário, pois os dois podem ter uma percepção de ética diferente. Mas o
segundo autor já tem uma opinião diferente afirmando que para uma empresa ser ética tem que
contratar funcionários que sejam éticos.
A importância que a ética tem para as empresas é debatida de uma grande variedade de
pontos de vista. Muitos gerentes consideram os programas de ética uma atividade cara, que só
traz vantagens para a sociedade. FERRELL (2001). Pode se afirmar que essa visão é muito
limitada, pois se uma empresa investe recursos na sociedade em que ela esta inserida, ela verá
esse retorno com um local mais desenvolvido e também mais seguro.
Nunca as empresas viveram tanto a necessidade de serem éticas para solidificar a sua
presença no mercado. Nunca a relação das empresas com os consumidores foi exposta a tamanha
necessidade de ser desenvolvida dentro dos padrões éticos de honestidade, sinceridade e respeito.
(KNIJNIK, 2000)
Nota-se que a sociedade está mais informada e, com isso, as empresas viram que o
público faz uma distinção na hora de comprar um produto ou serviço. Se um consumidor tem
boas referências de um produto com certeza ele compra. Quando acontece ao contrário uma
empresa tem a fama de propaganda enganosa ou que não tem respeito pelos clientes nem pelos
5
funcionários com certeza não terá tanta compra desse produto. As empresas têm que ser honestas
em todas as partes do processo, desde a fabricação até a pós venda, senão perderá clientes.
Segundo Passarelli (2008) o diferencial de uma organização estará cada vez mais na
qualidade de suas relações e não somente em seus produtos e preços. Portanto, percebe-se a
necessidade de aumentar a participação das empresas em atividades sociais e na exploração
sustentável dos recursos naturais. Estes elementos demonstram o empenho não somente na
produção de bens e serviços, mas também na busca pelo bem-social por meio da valorização do
homem e do meio ambiente gerando uma responsabilidade para com o meio em que a empresa
está inserida.
Reis e Machado (2007) apontam que a responsabilidade social das empresas não deva ser
usada como uma ferramenta inovadora de Marketing, e sim como um novo modelo de
comportamento de negócio, que em um sentido mais amplo, é a consciência ética, o agir
corretamente, tomando decisões, cujas conseqüências possam ferir quaisquer interesses sociais,
sejam tanto com o seu público interno ou externo, mas também com a sociedade como um todo.
3- O comportamento dos funcionários com relação a ética da empresa
Segundo Ferrell et al (2001), uma vez que o compromisso dos empregados produz um
efeito positivo sobre a posição competitiva da firma, o clima ético também deve gerar um efeito
positivo sobre a dimensão lucros/ perdas.
Quando uma empresa cultiva o clima ético e o faz permear por toda ela, o funcionário
tende a seguir as normas éticas da empresa sem precisar ser imposto pela mesma, ou seja,
precisamos criar um contra-senso, como por exemplo, quando um indivíduo se encontra em um
local limpo, ele tende a não sujar o mesmo, mas quando se encontra em um local sujo, acaba
influenciado a sujá-lo.
A empresa lucra quando seus funcionários têm atitudes éticas, tendo visto que as pessoas
têm se tornado mais críticas em relação à sustentabilidade no planeta. Pessoas com esse
pensamento tendem a adquirir produtos de empresas que tem projetos voltados à
sustentabilidade, ou seja, hoje as empresas ganham clientes que tem os mesmos valores éticos.
6
O compromisso dos empregados com a empresa é função da crença em que seu futuro
está ligado ao futuro dela, o que os torna dispostos a fazer sacrifícios pessoais para ajudá-la.
Quanto mais à companhia cuidar dos empregados, mais provável será que eles cuidem da
empresa.
As questões que podem afetar o desenvolvimento do clima incluem ambiente de trabalho
seguro, salários competitivos e cumprimento de todas as obrigações contratuais com os
empregados. FERRELL (2001).
Com base nessa informação, um empregado que trabalha em uma empresa que se
preocupa com o seu bem estar e cumpre com todas as suas obrigações e ainda entrega benefícios
aos seus funcionários. Com isso, o mesmo fica motivado a melhorar seu desempenho com o
objetivo de crescimento profissional, consequentemente tanto o empregado quanto a empresa
alcançariam seus objetivos.
Em primeiro lugar, para sobreviver, as empresas têm que ter lucro. Se os lucros são
obtidos por meio de má conduta, esse fato significa, muitas vezes, que a empresa terá vida curta.
Em segundo, a empresa deve equilibrar seu desejo de obter lucro com as necessidades e os
desejos da sociedade. FERRELL (2001).
Nota-se que uma empresa quando desrespeita seus funcionários, os mesmos irão sair
dessa empresa e procurar uma melhor. Com isso, a empresa sofre, pois não consegue reter mão
de obra qualificada e é fácil ver isso em empresas com rotatividade alta. Só vence no mercado
uma empresa que consegue lucro sem ter que agir de má fé com a sociedade.
Muitas empresas têm problemas com a ética, pois a conduta de seus funcionários não é
condizente ao ambiente de trabalho e também esse desrespeito tanto físico como moral é
totalmente fora dos padrões de moralidade e de conduta.
O último tipo de pressão sobre práticas de negócios que analisaremos abrange a ética e a
auto-regulamentação da conduta nos negócios. Muitos profissionais têm códigos de ética e
muitas empresas comerciais possuem departamentos apropriados para lidar com reclamações de
funcionários e consumidores. CERTO (2005).
Os códigos de ética servem como determinado instrumento de comunicação da
organização, e seu estudo revela os modos pelo qual a empresa constrói sua imagem, sua cultura,
e sua relação com funcionários e clientes. MEDIOLARO e MEUCCI (2007)
7
O comportamento dos funcionários tem que ser apropriados para o trabalho e devem
seguir algumas regras impostas pela empresa, para que tenha um bom convívio com as outras
pessoas. Existem empresas que possuem um setor de ouvidoria para saber as opiniões, tanto
satisfatórias como insatisfatórias dos funcionários e clientes com relação à empresa.
Para categorizar um código de ética MEDIOLARO e MEUCCI (2007) apontam que deve
haver um cuidado com os aspectos de qualidade: “honestidade”, “prudência”, “justiça”,
“coragem”, etc. Os funcionários da organização devem praticar atos moralmente virtuosos e ter
bom caráter.
Pontos Fortes: Ao apelar para as virtudes morais do funcionário, a organização não
necessita estabelecer um conjunto de regras gerais. Fica a cargo da formação moral do
funcionário o guia de sua conduta. A organização alertar somente sobre os dilemas morais
específicos da práxis profissional.
Pontos Fracos: É muito complicado avaliar a formação moral de um funcionário. Saber se
ele possui (hexis) as virtudes morais necessárias para a sua função. Como ela dispensa uma
lógica racional, é difícil avaliar uma pessoa ou julgar as suas condutas morais numa determinada
ação.
Para Silva (2010) o código aborda questões sobre a confidencialidade das informações
internas da empresa proibindo a troca com outras organizações, concorrentes ou não. Também é
vedada a retirada de documentos da companhia ou qualquer material interno que contenha
informações sobre suas operações. Há também recomendações sobre: não divulgar informações
que não forem de conhecimento público e que podem afetar o valor das ações da organização;
fazer comentários sobre a companhia em locais públicos como bares, etc. e manter a mesa de
trabalho limpa, destruindo documentos impressos. A área responsável por tratar e dar as
informações sobre a organização aos acionistas é a de Relação com Investidores.
A literatura especializada em comportamento organizacional tem considerado o conceito
de suporte organizacional muito importante na compreensão do desempenho no trabalho, do
comprometimento e da cidadania organizacionais e da rotatividade, mas as pesquisas nessa área
carecem de medidas confiáveis de percepção de suporte. (ANDRADE, 2001)
É prudente destacar que uma empresa que dá um suporte para seu funcionário fica mais
ciente das necessidades do mesmo e compreende melhor os anseios dos seus funcionários e com
isso pode ate ajudar mais os mesmos. Também a empresa que tem esse suporte observa mais o
8
comportamento dos seus funcionários e entende como funciona a sua rotatividade. Com tudo
isso também é visto que esse suporte ainda carece de implementação para que as atitudes que
forem tomadas sejam mais confiáveis e seguindo princípios éticos.
Quando percebem que os colegas se preocupam com os interesses dos outros e da equipe
como um todo, as pessoas sentem a necessidade de atuar reciprocamente. (REGO, 2002)
Nota-se que esse comportamento de ajudar os outros é recíproco, pois depende da atitude
do outro também ser solidário com todos. Uma empresa em que todos trabalham em equipe um
ajudando o outro, o clima organizacional é melhor do que em uma empresa que as pessoas são
totalmente individualistas que só pensam em fazer o seu e não ajudar ninguém.
Ao promover programas de desenvolvimento e incentivos para o trabalho em equipe, para
a motivação e para a melhoria das relações no trabalho, as organizações clarificam a premissa de
conciliar produtividade e bons resultados com qualidade de vida e desenvolvimento dos seus
colaboradores. Os programas promovidos pelas organizações que apresentam essas
características visam a desenvolver competências comportamentais que levem os indivíduos, os
grupos e as organizações ao desenvolvimento e à conquista dos objetivos. (EL-KOUBA, 2009)
Nota-se que a empresa que sabe conciliar produtividade com a qualidade de vida no
trabalho com certeza ganha funcionários mais motivados para trabalhar melhor e mais. E os
funcionários se sentem motivados a continuar na empresa e a crescer, pois se sentem bem em
trabalhar em um local que pensa em seu bem estar. Esse programa ajuda a aprimorar o
comportamento e as características dos seus funcionários fazendo que os mesmos invistam em si
para que, na hora de surgir uma vaga para crescer na empresa, estejam capazes de assumir o
cargo. E a empresa ganha funcionários motivados e qualificados profissionalmente, não
precisando buscar mão de obra fora da empresa.
9
CONCLUSÃO
O método que foi utilizado para realização desse artigo foi de revisão bibliográfica, o que
possibilita futuras investigações empíricas sobre o tema tratado. O objetivo do trabalho de
mostrar como os princípios éticos podem conferir maior competitividade para tornar os
funcionários mais motivados e clientes mais satisfeitos.
A ética é mostrada em todos os aspectos, tanto na vida pessoal, como na profissional e
vivendo em sociedade. Porque, seguindo essas normas de boa conduta, a sociedade fica melhor.
A empresa que utiliza boas normas de conduta e de bons procedimentos ganha clientes que
confiam nela e, com isso, tem mais lucro e também o seu clima organizacional fica melhor.
Consequentemente, seus funcionários ficam mais motivados em trabalhar num ambiente
agradável e que tem preocupação com seu bem estar e acabam sendo recíprocos, pois os
funcionários trabalham melhor e pensam no futuro deles na organização e também se preocupam
com o futuro da empresa em que trabalham. Um funcionário tem de respeitar o seu ambiente de
trabalho sempre respeitando as normas da empresa e ter sempre cuidado com o que falar da
empresa em locais públicos para outras pessoas para não denegrir a imagem da organização. E
nunca fornecer informações confidenciais e privilegiadas da empresa para outras organizações.
Para trabalhos futuros, pode-se aprofundar mais, fazendo entrevistas em algumas
organizações a busca de tentar medir se a organização segue alguns princípios éticos e quais são
eles.
10
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANDRADE, J.E.B.; PILATI, R. Comprometimento Atitudinal e Comportamental: Relações com
Suporte e Imagem nas Organizações. RAC, v.5 , n. 3, p. 85-106, set./ dez. 2001. Disponível
em: < http://www.anpad.org.br/ >. Acesso em: 25 set. 2010.
CERTO, S.C.; PETER, J. P.; MARCONDES, R.C.; CÉSAR, A.M.R. Administração
estratégica. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
EL-KOUBA, A.; ROGLIO, K.D.; DEL CORSO, J.M.; DA SILVA, W.V. ERA, São Paulo, v.
49, n. 3, p. 295-308, jul./set. 2009.
FERRELL, O.C; FERRELL, L.; FRAEDRICH, J. Ética Empresarial- Dilemas, tomadas de
decisões e casos. 4. ed. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2001.
KNIJNIK, M.. Ética. 1. ed. Rio Grande do Sul: Federasul, 2000.
MAXIMIANO, A.C.A. Introdução à Administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
MEDIOLARO A.P. e MEUCCI A. O Código de Ética das Organizações Bancárias: Uma Análise
do Discurso Ético dos Bancos Comerciais. Convibra. 2007
PASSARELLI, V.L.M. RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL: A percepção do
micro e pequeno empresário Mariliense. Convibra. 2008.
REGO, A. Climas éticos e comportamentos de cidadania organizacional. RAE, São Paulo, v. 42,
n. 1, p. 50-63, jan./mar. 2002.
REIS, C.N.; MEDEIROS, L.E.- Responsabilidade social da empresas e balanço social. – São
Paulo: Atlas, 2007.
SÁ, A.L. Ética Profissional, 4.ed. São Paulo: Atlas, 2001.
WAGNER III, J.A.; HOLLENBECK, J.R. Comportamento Organizacional: Criando
vantagem competitiva. 1. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2002.
SILVA, T.M.B. e COUTINHO, H.C.. CÓDIGO DE ÉTICA: UM PANORAMA DA
APLICAÇÃO PRÁTICA DA ÉTICA EMPRESARIAL EM UM CALL CENTER. Enegep 2010.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

Criar flashcards