Piratas já foram `funcionários` de reis em ações nos mares

Propaganda
Piratas já foram 'funcionários' de reis em ações nos mares
Carta de corso permitia que piratas agissem para capturar inimigos.
Pirataria é tão antiga quanto a navegação."Você precisa somente de três homens e um barquinho, e no
próximo dia você está milionário.” Foi assim que o ex-capitão da extinta marinha somali Abdullahi Omar
Qawden definiu a ação dos piratas na costa do país. Desde o início do ano, mais de 80 embarcações foram
atacadas na África, e 12 permanecem em poder dos bandidos.
Apesar de sempre terem sido temidos e combatidos por nações, os piratas já lutaram lado a lado com os
governos, durante os tempos de guerra, nos séculos XVI, XVII e XVIII. Eles eram 'contratados' para capturar
navios inimigos e geralmente tinham que entregar uma parte da riqueza conseguida ao rei. A acrobacia para
tornar as ações 'legais' era legitimada pela Carta do Corso.
Segundo o especialista e autor de "Piracy: The Complete History" ('Pirataria: a história completa' - inédito em
português), Angus Konstam, em entrevista ao G1, por e-mail, "isso não era nada menos que a pirataria
legítima - e era conhecida como uma espécie de 'privatização'. Os piratas não custavam nada ao governo e
eram usados para danificar a economia do inimigo."
atividade dos criminosos dos mares existe desde que começaram as navegações. De acordo com Konstam, o
primeiro registro de ação de piratas vem do Egito Antigo, no século 14 A.C - quase 3,5 mil anos atrás.
Na Roma e na Grécia antigas, aparecem as primeiras tentativas de se combater os ladrões dos mares. Nessa
época eles agiam indiscriminadamente. Até o imperador romano Júlio Cesar foi vítima de piratas, quando
navegava perto da ilha de Pharmacusa.
atividade dos criminosos dos mares existe desde que começaram as navegações. De acordo com Konstam, o
primeiro registro de ação de piratas vem do Egito Antigo, no século 14 A.C - quase 3,5 mil anos atrás.
Pág. 1/3
Na Roma e na Grécia antigas, aparecem as primeiras tentativas de se combater os ladrões dos mares. Nessa
época eles agiam indiscriminadamente. Até o imperador romano Júlio Cesar foi vítima de piratas, quando
navegava perto da ilha de Pharmacusa.
Conforme contou o capitão Charles Johnson, no histórico livro "Piratas - Uma História geral dos roubos e
crimes de piratas famosos" (Ed. Artes e Ofícios), os piratas que capturaram César tinham o costume de
amarrar seus prisioneiros dois a dois, de costas, para joga-los ao mar. Mas, imaginando que César fosse
alguém importante, pelas roupas e pela quantidade de escravos que o rodeavam, decidiram cobrar o
equivalente a 3.600 libras pelo seu resgate.
César sorriu e ofereceu o dobro. Os piratas então mandaram seus escravos buscarem o dinheiro, o que levou
mais que um mês. Nesse tempo, ele conviveu ‘em paz’ com os criminosos. Quando o dinheiro chegou, César
foi libertado. De volta ao trono, sua prioridade foi preparar uma poderosa esquadra. Ele capturou seus antigos
seqüestradores, saqueou suas posses e os trancou num calabouço.
Violência
O principal atrativo para um pirata é o dinheiro. Na 'época de ouro da pirataria', entre os anos de1695 e 1730, a
vida num navio da Marinha Real ou da marinha mercante não era fácil. O pagamento não era dos melhores e o
tratamento era cruel. O autor Shelley Klein conta no livro "Os Piratas mais perversos da história" (Ed. Planeta)
que “muitos capitães eram sádicos e adoravam mais do que tudo infligir torturas corporais naqueles que
empregavam.”
Há relatos de espancamentos com vassouras, barras de ferro, punhais e martelos. “Pouco espanta então que os
marinheiros preferissem a pirataria a um trabalho na Marinha Real ou na marinha mercante – afinal, a bordo
de um navio pirata, para alguém ser açoitado ou abandonado em uma ilha deserta era necessário o
consentimento de toda a tripulação, não apenas do capitão.”
Num navio pirata, a violência era geralmente dirigida aos prisioneiros. E havia muita. Há histórias de
prisioneiros sendo queimados vivos, de outros que tinham os órgãos internos retirados, de enforcamentos e
esquartejamentos. O tratamento dado às vítimas muitas vezes tinha objetivo de convencê-las a se juntar à
tripulação. Os navios sempre estavam buscando novos recrutas.
Outro objetivo era a propaganda: a fama de cruel espantava quem quisesse enfrentá-los e garantia que eles
fossem notícia.
Mitos
Alguns piratas pioravam sua reputação com a aparência, deixando a barba crescer e cultivando cicatrizes.
Edward Taech, o barba negra, era “a própria imagem de um ‘monstro em forma de gente’, uma criatura quase
sobre-humana”, escreveu Klein .
Pág. 2/3
Ao contrário do que muitos imaginam, poucos piratas enterravam seus tesouros. A maioria dividia a soma
entre a tripulação, que gastava com ‘vinhos e mulheres’.
Outro mito é o fato de que eles obrigavam seus prisioneiros a caminhar na prancha de madeira para fora do
navio, antes de cair no mar. Não há referências históricas sobre essa prática.
Pág. 3/3
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elminha36

Criar flashcards