contrato de prestação de serviços odontológicos

Propaganda
USO DE ANTIBIÓTICOS EM CIRURGIA ORAL MENOR
Rodrigo Calado Nunes e Souza
Médico e Cirurgião Dentista HMMG - SMS - PMC
1 - INTRODUÇÃO
As infecções odontogênicas constituem um dos problemas mais difíceis de tratar em odontologia,
podendo variar desde processos localizados e de baixa intensidade (necessitando apenas de tratamento mínimo)
até processos disseminados que causam risco de vida aos pacientes.
A maioria dos antibióticos utilizados rotineiramente na prática odontológica elimina a grande maioria dos
micro-organismos encontrados na cavidade bucal e são efetivos no tratamento clínico de boa parte das infecções
odontogênicas. A escolha do antibiótico deve ser inicialmente baseada no conhecimento geral dos microorganismos etiológicos habituais em uma condição patológica específica e na seleção de uma droga ao qual esses
organismos normalmente sejam sensíveis. Esta prática empírica normalmente resulta em eficácia clínica.
Antibióticos bactericidas são preferíveis em relação aos bacteriostáticos, e a administração concomitante
dos dois tipos deve ser evitada já que um pode interferir na ação do outro. Como os antibióticos bactericidas
efetuam uma redução no número de micro-organismos presentes, em vez de apenas evitar aumento em seu
número, a ação antimicrobiana é menos dependente dos mecanismos de defesa do hospedeiro.
Embora a sensibilidade de um determinado patógeno possa cair dentro do espectro de atividade de
vários antibióticos, geralmente é melhor usar um antibiótico de espectro estreito, mais específico ao qual o
microrganismo é sensível. Há duas razões para isso: (1) os antibióticos de pequeno espectro frequentemente são
mais eficazes contra grupos específicos de micro-organismos sensíveis do que os antibióticos de amplo espectro;
(2) os antibióticos de pequeno espectro produzem menor alteração na microflora normal, reduzindo assim
alguns efeitos colaterais.
Apesar da eficácia dos antibióticos, há que se lembrar que as doenças infecciosas são melhores
controladas pela esterilização adequada, manutenção de campo cirúrgico asséptico, antissepsia do profissional e
paciente, além da promoção de medidas de melhoria das condições higiênicas e sanitárias do consultório.
No caso do tratamento das infecções já estabelecidas, deve-se ressaltar que o tratamento com
antimicrobianos é um coadjuvante dos procedimentos clínicos, uma vez que a remoção da causa da infecção
deve ser priorizada (Andrade, 2006). Além disso, nestes casos recomenda-se o acompanhamento da evolução
clínica do paciente (a cada 24 horas), para que o profissional possa ter um parâmetro mais diferenciado para o
término da antibioticoterapia após a remissão de sinais e sintomas (geralmente três dias após a intervenção
clínica). É importante ressaltar que não existem evidências científicas que suportem o conceito de “Ciclo de
Resistência da Bactéria”, pelo qual recomendava-se que qualquer uso de antimicrobianos na Odontologia
deveria permanecer por um prazo mínimo de 7 dias.
A duração mais comum das terapias antibióticas em infecções oro faciais é de 7 a 10 dias. Alguns estudos
(Flynn et al, , ) lançaram hipóteses de que a duração de 4 dias ou menos combinada com o procedimento
cirúrgico adequado, resulta emu ma evolução clínica igual ou melhor, o que foi mensurado pelo tempo de
resolução, morbidades associadas, seleção de espécimes resistentes ao antibiótico, e custos da terapia. Em
revisões sistemáticas, não foram encontradas diferenças clínicas significativas no sétimo dia, em terapias
antibióticas de 7 dias ou menos em pacientes submetidos a procedimento cirúrgico adequado. Chardin et al
(
), não encontraram diferenças na cura clínica em pacientes submetidos a intervenção cirúrgica com terapia
com amoxicilina 1g por 3 dias versus a mesma terapia por 7 dias. Lewis et al (
)encontraram resultados
semelhantes quando compararam a realização de procedimento cirúrgico seguido de 3g de amoxicilina (2 doses
separadas por 8 horas) com penicilina V 250 mg 4 vezes ao dia por 5 dias. Conclui-se por estes estudos, a
necessidade da realização de procedimento cirúrgico para drenagem, e se possível remoção do foco, em
combinação com a terapia antibiótica.
Ao longo dos anos, estudos demostraram que existe uma mudança na susceptibilidade aos antibióticos dos
micro-organismos isolados em culturas. Embora a maior parte dos estreptococos ainda seja sensível à penicilina,
principalmente, aqueles mais prevalentes durante os três primeiros dias dos sintomas clínicos, existe um número
crescente de gram-negativos anaeróbios obrigatórios (presentes em abundância após o terceiro dia de infecção)
que produzem espécimes resistentes à penicilina. Também houve um aumento no número de aeróbios e
anaeróbios que são resistentes à clindamicina. Este é um fator que dificulta o desenvolvimento de
recomendações/protocolos para terapia antibiótica em infecções orofaciais; no entanto, o uso empírico de
antibióticos na forma tradicional ainda permanece como uma excelente opção em casos em que a realização de
cultura e antibiograma não são realizados. Desta forma, ao utilizarmos a prescrição de forma empírica, nunca
devemos nos esquecer da possibilidade de existência de micro-organismos resistentes.
Outro ponto fundamental, é não nos esquecermos que a maior parte dos antibióticos não tem a capacidade
de atingir o interior do abscesso, uma vez que as cavidades formadas no sítio infeccioso são avasculares.
Portanto, a efetividade do antibiótico é baseada na possibilidade deste entrar no abscesso. Neste ponto, fica
evidente a vantagem de se drenar precocemente os abscessos, possibilitando a chegada do antibiótico em locais
anteriormente sem vascularidade.
A terapia antibiótica específica contra um patógeno é estabelecida a partir dos resultados de cultura e
antibiograma. Entretanto, o resultado das culturas só é possível após a realização de uma intervenção cirúrgica e
alguns dias de processamento laboratorial, e os pacientes normalmente não podem aguardar por este período
pelo início da terapia antibiótica. A terapia empírica para infecções dentárias é baseada no conhecimento dos
patógenos mais comuns colhidos em culturas de locais de infecções orais. A penicilina continua sendo o
antibiótico de escolha em pacientes ambulatoriais com infecções odontogênicas quando não há história de
alergia, especialmente em infecções com duração inferior a 3 dias.
A clindamicina é o antibiótico de escolha para pacientes com alergia à penicilina. Esta também pode ser
considerada em infecções com duração superior a 3 dias, nas quais já poderá haver a prevalência de micro
organismos resistentes à penicilina. Na classe de macrolídeos, a azitromicina tem a menor interação com outras
drogas e pode ser uma boa opção; porém, a resistência aos macrolídeos também tem sido reportada com maior
frequência. As cefalosporinas são consideradas boas opções para tratamento de infecções orofaciais, mas, como
as outras, foram relatados com maior frequência a presença de micro organismos produtores de
celalosporinases; além disso, devemos considerar a reação cruzada em pacientes com alergia à penicilina. O
metronidazol é uma excelente escolha para o combate a micro organismos anaeróbios obrigatórios e estudos
atuais demonstram sua efetividade em pacientes ambulatoriais, entretanto, ele ainda é mais utilizado em
pacientes internados e em combinação com outro antibiótico.
2.0 QUESTÕES FUNDAMENTAIS A SEREM FORMULADAS:
2.1 Os achados clínicos nos fornecem embasamento para o início do uso de antibióticos ?
Somente se deve utilizar os antibióticos frente a casos com diagnóstico de infecção. No entanto, mesmo nestes
casos deve-se avaliar se a terapia antimicrobiana terá efeitos benéficos na história natural da doença. Caso a
utilização da medicação favoreça a resolução do problema em tempo consideravelmente mais curto e promova o
alívio acentuado dos sintomas, seu uso deve ser fortemente considerado.
Uma avaliação de relação custo benefício deve ser feita comparando-se o uso dos antibióticos com outras
medidas terapêuticas como antissepsia do local, irrigação e debridamento, remoção do fator causal e uso de
antissépticos orais.
2.2 Qual o agente causal da infecção ?
Como o exame de cultura e antibiograma não são exames de fácil execução e necessitam de um tempo
relativamente longo para obtenção dos resultados, utilizamos comumente a prática empírica para uso dos
antibióticos, baseados em critérios estatísticos da prevalência dos micro organismos causadores de um dado
processo, em dada localização.
2.3 Qual antimicrobiano a ser escolhido?
Dispomos de diversos produtos que são eficazes contra os agentes infecciosos bucais. Devemos escolher dentre
estes aqueles que possuem melhor eficácia terapêutica (bactericidas) com menor risco toxicológico, e que sejam
acessíveis economicamente ao paciente e que tenham a forma mais cômoda de administração e posologia.
ANTIBIÓTICOS DISPONÍVEIS NA REDE MUNICIPAL DE SAUDE DE CAMPINAS
AMOXACILINA 250MG/5ML SUSP ORAL
AMOXACILINA 500 MG COMPRIMIDO
AMOXICILINA 250MG/5ML CLAVULANATO DE POTASSIO SUSP ORAL
AMOXICILINA 500MG + CLAVULANATO DE POTÁSSIO 125MG COMPRIMIDO
AZITROMICINA 500 MG COMPRIMIDO
BENZILPENICILINA BENZATINA 600.000 UI SUSPENSÃO INJETÁVEL
BENZILPENICILINA BENZATINA 1.200.000 UI SUSPENSÃO INJETÁVEL
BENZILPENICILINA PROCAÍNA +BENZILPENICILINA POTÁSSICA 300.000 UI +100.000 UI SUSPENSÃO INJETÁVEL
CEFALEXINA 250 MG/5ML SOL ORAL
CEFALEXINA 500 MG COMPRIMIDO
CIPROFLOXACINA 500 MG COMPRIMIDO
CLARITROMICINA 500MG COMPRIMIDO
CLINDAMICINA 300 MG COMPRIMIDO
ERITROMICINA 500 MG COMPRIMIDO
ERITROMICINA 250 MG/5ML SOLUÇÃO ORAL - FR 50 A 100 ML
METRONIDAZOL 4% SOLUÇÃO ORAL
METRONIDAZOL 250 MG COMPRIMIDO
SULFAMETOXAZOL + TRIMETROPIM COMPRIMIDO (400+80)
ESPIRAMICINA 500MG COMPRIMIDO
SULFAMETOXAZOL + TRIMETROPIM SUSP (4%+8%)
2.3.1 Há fatores do hospedeiro determinantes de escolha ou esquemas especiais? Verificar.
1. - Idade
2. - Gravidez
3. - Lactação
4. - Insuficiência hepática e renal
5. - Hipersensibilidade aos fármacos
6. - Gravidade da doença
7. - Terapia prévia da mesma infecção com antimicrobianos
8. - Imunossupressão
2.3.2 Como deve ser prescrito:
- Prescrição escrita obrigatória, sem rasuras, legível, contendo instruções claras ao paciente sobre a posologia.
- Atentar para a posologia e duração do tratamento. A duração normalmente é estendida até dois ou três dias
após o desaparecimento das manifestações clínicas. Pacientes tendem a utilizar de forma correta os
medicamentos que possuem posologia mais confortável, com redução no número de aplicações/tomadas.
2.3.3 Associação de antimicrobianos:
Devemos sempre que possível lançar mão da mono terapia (menor custo, menores possibilidades de reações
adversas, impossibilidade de efeito antagônico). Indica-se o uso de associações quando se necessita do aumento
do espectro de sensibilidade bacteriana, limitação da emergência de resistência bacteriana e possibilidade de
utilização de doses menores de cada antibiótico, evitando assim uma maior toxicidade.
A associação em odontologia é restrita a infecções mais graves que evoluem de forma indesejada.
Normalmente indicada em terapias intra hospitalares.
2.4 Acompanhamento clínico:
Após 48 a 72 horas se espera uma melhora clínica com desaparecimento dos sinais e sintomas agudos, com
melhora na sintomatologia, diminuição da tumefação e hiperemia, e involução dos linfonodos adjacentes. Nos
casos que cursam com febre, esta também deve desaparecer. Caso não haja melhora neste período, a terapia
deve ser reavaliada.
Indicações para encaminhamento a um especialista
- Infecção de progressão rápida
- Dificuldade de deglutição
- Dificuldade respiratória
- Alteração da voz
- Envolvimento de múltiplos espaços fasciais, desvio da úvula, tumefação
importante em região cervical
- Temperatura corporal elevada (acima de 38º C)
- Sinais de Sepse (taquicardia, febre, hipotensão, alteração do nível de
consciência)
- Trismo acentuado (abertura menor que 10 mm )
- Aparência tóxica
- Comprometimento das defesas do paciente
A avaliação inicial é fundamental para estipular a gravidade do quadro, com questionamentos sobre possíveis
quadros de imunossupressão (diabetes/HIV/uso crônico de corticoides), e exame clínico criterioso em busca de
sinais de gravidade
USO DE ANTIBIÓTICOS EM CIRURGIA ORAL MENOR
(situações específicas)
Recomendações baseadas nas medicações disponíveis na rede municipal de saúde de Campinas
1- PERICORONARITE:
Leve:
Irrigação local com substância antisséptica (preferencialmente Clorexidine 0,12%) para remoção de restos
alimentares, produtos inflamatórios e efeito bactericida local. Prescrição de analgésico ou anti-inflamatório
(cuidado para não mascarar sinais flogísticos da infecção). Repetir o procedimento diariamente até melhora do
quadro em 1 a 3 dias).
Moderada - repetir os procedimentos acima e instituir terapia com:
Amoxicilina (500 mg) Via oral 8/8h (1a escolha)
Cefalexina (500mg) Via oral 6/6h (2a escolha)
Pacientes alérgicos à penicilina:
Clindamicina (300 mg) VO 6/6 h (1a escolha)
Azitromicina (500 mg) VO 1x ao dia (2ª escolha)
Eritromicina (500 mg) VO 6/6h (3a escolha)
Pacientes incapazes de fazer terapia via oral:
Despacilina 400.000 UI IM + Benzilpenicilina Benzatina (Bezetacil) 1.200.000 UI IM (dose única)
Pacientes alérgicos à penicilina e impossibilitados de fazer terapia por via oral:
Clindamicina (600 mg) IM 2x ao dia ou internação para medicação EV
Avançada:
Quadros avançados com disfagia e odinofagia (dificuldade e dor para deglutir), dificuldade respiratória, trismo
acentuado podem mascarar um quadro de disseminação por espaços oro e retrofaríngeos. Encaminhar com
urgência para avaliação de especialista. Necessidade de tomografia.
2- ALVEOLITE SECA:
Irrigação local com substância antisséptica (preferencialmente Clorexidine 0,12%) para remoção de restos
alimentares, produtos inflamatórios e efeito bactericida local. Caso necessário realizar debridamento para
remoção de corpo estranho e coágulo desorganizado. Prescrição de analgésico ou anti inflamatório (cuidado para
não mascarar sinais flogísticos da infecção). Repetir o procedimento diariamente até melhora do quadro em 1 a 3
dias).
3- ALVEOLITE INFECCIOSA (com presença de pus):
Não disseminada:
Irrigação local com substância antisséptica (preferencialmente Clorexidine 0,12%) para remoção de restos
alimentares, produtos inflamatórios e efeito bactericida local. Caso necessário realizar desbridamento para
remoção de corpo estranho e coágulo desorganizado. Prescrição de analgésico ou anti-inflamatório (cuidado
para não mascarar sinais flogísticos da infecção). Repetir o procedimento diariamente até melhora do quadro em
1 a 3 dias). Quadros de alveolite tendem a responder satisfatoriamente a terapia de desbridamento e irrigação
local.
Amoxicilina (500 mg) Via oral 8/8h (1a escolha)
Cefalexina (500mg) Via oral 6/6h (2a escolha)
Pacientes alérgicos à penicilina:
Clindamicina (300 mg) VO 6/6 h (1a escolha)
Azitromicina (500 mg) VO 1x ao dia (2ª escolha)
Eritromicina (500 mg) VO 6/6h (3a escolha)
Pacientes incapazes de fazer terapia via oral:
Despacilina 400.000 UI IM + Benzilpenicilina Benzatina (Bezetacil) 1.200.000 UI IM (dose única)
Pacientes alérgicos à penicilina e impossibilitados de fazer terapia por via oral:
Clindamicina (600 mg) IM 2x ao dia ou internação para medicação EV
Moderada (com disseminação local)
Repetir os procedimentos acima, reavaliar quadro em intervalos menores. Caso necessário, encaminhar ao
especialista.
Avançada:
Quadros avançados com disfagia e odinofagia (dificuldade e dor para deglutir), dificuldade respiratória, trismo
acentuado podem mascarar um quadro de disseminação por espaços oro e retrofaríngeos. Encaminhar com
urgência para avaliação de especialista.
4- FRATURA DENTO ALVEOLAR (avulsão e extrusão com reposicionamento):
Não disseminada:
Irrigação local com soro fisiológico sem danificação de estruturas periodontais. Remoção de corpos estranhos e
debris traumáticos. Reimplantação ou reposicionamento. Caso necessário realizar debridamento para remoção
de coágulo desorganizado. Prescrição de analgésico, anti inflamatório e antibiótico.
Amoxicilina (500 mg) Via oral 8/8h (1a escolha)
Cefalexina (500mg) Via oral 6/6h (2a escolha)
Pacientes alérgicos à penicilina:
Clindamicina (300 mg) VO 6/6 h (1a escolha)
Azitromicina (500 mg) VO 1x ao dia (2ª escolha)
Eritromicina (500 mg) VO 6/6h (3a escolha)
Pacientes incapazes de fazer terapia via oral:
Despacilina (400.00 UI) IM
Pacientes alérgicos à penicilina e impossibilitados de fazer terapia por via oral:
Clindamicina (600 mg) IM 2x ao dia ou internação para medicação EV
5- ABSCESSOS LOCALIZADOS:
Não disseminada:
Drenagem do abscesso com envolvimento de todas as suas lojas, instalação de dreno de Penrose, reavaliação
em 48 horas.
Amoxicilina (500 mg) Via oral 8/8h (1a escolha)
Cefalexina (500mg) Via oral 6/6h (2a escolha)
Pacientes alérgicos à penicilina:
Clindamicina (300 mg) VO 6/6 h (1a escolha)
Azitromicina (500 mg) VO 1x ao dia (2ª escolha)
Eritromicina (500 mg) VO 6/6h (3a escolha)
Pacientes incapazes de fazer terapia via oral:
Despacilina 400.000 UI IM + Benzilpenicilina Benzatina (Bezetacil) 1.200.000 UI IM (dose única)
Pacientes alérgicos à penicilina e impossibilitados de fazer terapia por via oral:
Clindamicina (600 mg) IM 2x ao dia ou internação para medicação EV
Moderada (com disseminação local)
- Repetir os procedimentos acima, reavaliar quadro em intervalos menores. Caso necessário, encaminhar ao
especialista.
Avançada:
Quadros avançados com disfagia e odinofagia (dificuldade e dor para deglutir), dificuldade respiratória, trismo
acentuado podem mascarar um quadro de disseminação por espaços oro e retrofaríngeos. Encaminhar com
urgência para avaliação de especialista.
6- ABSCESSOS DISSEMINADOS PELOS ESPAÇOS FASCIAIS (celulite/angina de Ludwig):
Encaminhamento imediato para atendimento hospitalar para rápido diagnóstico de infecções graves. As
infecções graves disseminam-se pelos espaços fasciais profundos não perceptíveis ao exame clínico de rotina
(orofaríngeo, pré traqueal, retrofaríngeo, retro-orbital, infra orbital...) com risco de trombose de seio cavernoso,
fechamento de vias aéreas, rompimento de abscesso com aspiração de pus, evolução pra mediastinite, choque
séptico e morte. Devido à gravidade de todas as complicações, com sérios riscos à vida do paciente, este deve
passar por avaliação clínica criteriosa, realizar exames de imagem como tomografia, fazer drenagem sob
sedação, receber hidratação parenteral e uso de antibiótico EV, e manutenção de vias aéreas (possibilidade de
entubação orotraqueal e/ou traqueostomia). Todos estes procedimentos são realizados em nível hospitalar.
RESUMO
Casos em que o uso de antibiótico é desnecessário:
- Abscesso crônico bem localizado (fístula gengival)
- Abscessos reduzidos situados do lado vestibular (abscesso periodontal)
- Alveolite seca (dolorosa)
- Pericoronarite branda
Indicações para uso dos antibióticos:
- Aumento de volume de evolução rápida
- Tumefação difusa
- Comprometimento das defesas do hospedeiro (imunossupressão)
- Envolvimento dos espaços fasciais
- Pericoronarite moderada e grave
- Osteomielite
PROFILAXIA DA INFECÇÃO
Padronização de Medidas de Assepsia e Antissepsia Pré-operatória:
* todo procedimento deve ser iniciado após lavagem correta das mãos e o uso de luvas estéreis é
obrigatório.
1 – Antissepsia intra oral:
- bochecho com Clorexidine 0,12% por 1 a 2 minutos
2 – Antissepsia extra oral:
- Clorexidine 2% tópica ou PVPI tópico para antissepsia de pele envolvendo toda a região peribucal
com extensão submandibular e nasal. Ao usar PVPI, questionar sobre alergia à iodo, que contra indica
seu uso.
3 - Uso de campos cirúrgicos para manutenção de campo asséptico e prevenção de acidentes com
material perfuro cortante.
PROFILAXIA DA ENDOCARDITE BACTERIANA ( causada por bacteremia de origem bucal)
Tabela 1. Condições cardíacas associadas com alto risco de desenvolvimento de endocardite bacteriana
para as quais é necessário realizar profilaxia antibiótica anterior a procedimentos odontológicos
invasivos
Prótese de Valva Cardíaca ou Material Protético utilizado para reparo de Valva Cardíaca
-Endocardite Infecciosa Prévia
-Doenças Cardíacas Congênitas* (DCC)
DCC Cianótica não reparada, incluindo shunts e comunicações
Defeito Cardíaco Congênito reparado com material ou dispositivo protético, inserido por
procedimento cirúrgico ou cateter, durante os 6 primeiros meses após o procedimento. **
DCC reparada com permanência de defeitos residuais no local ou adjacente ao local do
reparo protético (o que impede a formação de tecido endotelial)
-Transplantados cardíacos que desenvolveram valvopatia
*Exceto para as condições citadas acima, a profilaxia antibiótica não é mais indicada para
nenhuma outra forma de DCC.
**A profilaxia é indicada porque a endotelização do material protético ocorre em
aproximadamente 6 meses após o procedimento.
Tabela 2. Procedimentos dentários para os quais a Profilaxia para Endocardite é recomendável.
Todos os procedimentos que envolvem a manipulação de tecido gengival ou a região
periapical do dente ou a perfuração da mucosa oral. *
*Os procedimentos listados a seguir não necessitam de profilaxia para EI: injeções anestésicas
de rotina em tecidos não infectados, radiografias odontológicas, instalação de prótese
removível ou aparelhos ortodônticos, ajuste do aparelho ortodôntico, colagem de brackets,,
queda de dentes decíduos, e sangramento por trauma em lábios ou mucosa oral.
Tabela 3. Prescrições de Profilaxia antes de Procedimentos Dentários
Regime: dose única 30 a 60 minutos antes do procedimento
Situação
Agente
Adultos
Crianças
Oral
Incapazes de tomar
Por VO
Amoxicillina
Ampicillina ou
Cefazolina ou Ceftriaxone
2g
2 g IM ou IV
1 g IM or IV
50 mg/kg (não exceder 2g/dose)
50 mg/kg IM or IV
50 mg/kg IM or IV
Alérgicos à penicilina ou
ampicilina oral***
Cefalexina* ou
Clindamicina ou
Azitromicina or Claritromicina
2g
600 mg
500 mg
50 mg/kg (não exceder 2 g)
20 mg/kg (não exceder 600 mg)
15 mg/kg (não exceder 500 mg
1 g IM or IV
600mg IM ou IV
50 mg/kg IM or IV
20 mg/kg IM or IV
Alérgicos à penicilina ou
Cefazolina ou Ceftriaxone ou
ampicilina e incapazes de tomar Clindamicina
medicação por via oral
IM intramuscular; IV, intravenosa.
*Ou outro de primeira ou segunda geração das cefalosporinas orais em dose adulta ou pediátrica equivalente.
*** Cefalosporinas não devem ser utilizadas em pacientes com histórias de anafilaxia, angioedema ou urticária com penicilinas ou
ampicilinas.
Referências: http:/www.americanheart.org
Referências Bibliográficas
- Antimicrobial Therapy in Management of Odontogenic Infections in General Dentistry.
Holmes CJ, Pellecchia R. Dent Clin North Am. 2016 Apr;60(2):497-507
- Flynn TR, Shanti RM, Levi MH, et al. Severe odontogenic infections, part 1: prospective report. J Oral Maxillofac
Surg 2006;64:1093.
- Chardin H, Yasukawa K, Nouacer N, et al. Reduced susceptibility to amoxicillin of oral streptococci following
amoxicillin exposure. J Med Microbiol 2009;58(Pt 8): 1092–7.
- Flynn T. What are the antibiotics of choice for odontogenic infections, and how long should the treatment
course last? Oral Maxillofac Surg Clin North Am 2011;23(4):519–36
- Lewis MA, McGowan DA, MacFarlane TW. Short course high-dosage amoxicillin in the treatment of acute
dento-alveolar abscess. Br Dent J 1986;161(8):299–302.
- Site Secretaria Municipal de Saúde - Prefeitura Municipal de Campinas
Campinas 28 de novembro de 2016
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards