Enviado por Do utilizador8073

Compreender o Behaviorismo - William Baum

Propaganda
www.facebook.com/groups/livrosparadownload
www.jspsi.blogspot.com
B347c
Baum, William M.
Compreender o behaviorismo : comportamento, cultura e evolução /
William M. Baum ; tradução Maria Teresa Araujo Silva ... [et al.j. - 2. ed.
rev. e ampl. - Porto Alegre : Artmed, 2006.
312 p. ; 23 cm.
ISBN 978-85-363-0697-1
1. Psicologia - Behaviorismo. I. Título.
CDU 159.9.019.4
Catalogação na publicação: Julia Angst Coelho - CRB 10/1712
COMPREENDER O
BEHAVIORISMO
Comportamento, cultura e evolução
William M. Baum
University of New Hampshire
2a edição revisada e ampliada
Tradução:
j
María Teresa Araujo Silva
Maria Amelia Matos
Gerson Yukio TomanaW
Professores no Departamento de Psicologia Experimental
do instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.
Emmanuel Zagury Tourihho
Professor no Departamento de Psicologia da da Universidade Federal do Pará.
Consultoria, supervisão e revisão técnica desta edição:
Maria Teresa Araujo Silva
Frederico Dentello
Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.
Associação Unificada Paulista do
Ensino Renovado Objetivo - ASSUPERO
Reimpressão 2008
Data
N°.cie C h am ad a
na. de Volum e
R e g istra d o por
Av ^ ó m
2006
s
QaAWJ
...
Obra originalmente publicada sob o título
Understanding Behaviorism: Behavior, Culture, and Evolution, Second Edition (Blackwell)
ISBN 1-4051-1262-X
© 2005 by William Baum
This edition is published by arrangement with Blackwell Publishing Ltd, Oxford.
Translated by Artmed Editora SA from the original English language version.
Responsibility of the accuracy of the translation rests solely with the Artmed Editora
SA and is not the responsibility of Blackwell Publishing Ltd. Edição publicada
conforme acordo firmado com Blackwell Publishing Ltd, Oxford.
Tradução de Aitmed Editora SA do original em língua inglesa.
A responsabilidade pela precisão da tradução é totalmente da Artmed Editora SA,
não recaindo em nenhum momento com a Blackwell Publishing Ltd.
Capa
Gustavo Macri
Preparação do original
Josiane Tibursky
Supervisão editorial
Mônica Ballejo Canto
Projeto gráfico e editoração eletrônica
Armazém Digital Editoração Eletrônica - rcrnv
Reservados todos os direitos de publicação, em língua portuguesa, à
ARTMED® EDITORA S.A.
Av. Jerônimo de Orneias, 670 ~ Santana
90040-340 Porto Alegre RS
Fone (51) 3027-7000 Fax (51) 3027-7070
É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no todo ou em parte,
sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (eletrônico, mecânico, gravação,
fotocópia, distribuição na Web e outros), sem permissão expressa da Editora.
SÃO PAULO
Av. Angélica, 1091 - Higienópolis
01227-100 São Paulo SP
Fone (11) 3665-1100 Fax (11) 3667-1333
SAC 0800 703-3444
IMPRESSO NO BRASIL
P R IN T E D I N B RA ZIL
Agradecimentos
A
i \ o preparar esta edição, recebi especialmente a ajuda de duas pessoas - Howie
Rachlin, com suas sugestões animadoras e amigáveis, e Jack Marr, com suas críticas
incansáveis e desafiadoras. Agradeço a Gerry Zuriff por suas críticas e por me en­
viar1a avaliação de seus alunos quanto ao livro. John Kraft também me forneceu
resultados de seu uso do livro como texto didático. Sou grato à Universidade de
Canterbury (Nova Zelândia), onde grande parte das mudanças no novo texto foi
realizada, por me conceder a bolsa Erskine de professor visitante, e particularmen­
te a Ant McLean, Randy Grace e Neville Blampied, pelos proveitosos diálogos que
tivemos ali. Tive conversas úteis com Michael Davison, Don Owings e Pete Richerson.
Sugestões produtivas vieram de Tom Mawbinney, John Malone e Phil Hineline.
Meu filho Gideon me apresentou a teorias e pesquisas de cientistas políticos sobre
as relações entre os governos nacionais. Sou especialmente grato ao apoio de todos
os meus filhos, Shona, Aaron, Zack, Naomi e Gideon, e de seus companheiros,
Nick, Mareia e Stacy.
William M. Baum
Q u a n d o escrevi a prim eira edição de Compreender o behaviorismo, queria apre­
sentar um a visão do behaviorism o mais clara e mais atualizada que a disponível
nos livros de B. F. Skinner que eu recom endava a meus alunos. Embora meus enten­
dim entos anteriores ainda se sustentem - de que todos os behavioristas concordam
que um a ciência do com portam ento é possível, de que esta proposição define o
behaviorism o e de que quaisquer discordâncias que haja entre os behavioristas
nascem de questões sobre com o caracterizar a ciência e o comportamento - para
esta edição resolvi concentrar-m e menos nas idéias de Skinner e mais em minhas
próprias. Como resultado, o livro contém menos jargão da análise comportamental.
Por estar m ais perto do vocabulário do dia-a-dia, o livro é ainda mais acessível do
que foi inicialm ente.
Corrigi um a série de falhas que colegas e alunos apontaram para mim. Os
Capítulos 2 e 3, que apresentam o contexto filosófico, estão mais claros a respeito
da ligação entre o behaviorism o radical e o pragmatismo e a respeito de suas diver­
gências em relação ao realism o popular e ao dualismo. Reforcei a discussão tanto
sobre as idéias de Ryle quanto o behaviorismo molar, o ponto de vista de Rachlin e
o meu próprio. Ao longo do livro, as apresentações são expostas mais em termos do
behaviorism o molar.
A lguns dos novos materiais aperfeiçoam o relacionam ento com a evolução
com o contexto. Esclareci o papel das conseqüências últimas (saúde, recursos, rela­
cionam entos e reprodução). Estabeleci ligações entre autocontrole, comportamen­
to controlado por regras, altruísmo, cooperação e seguim ento de regras culturais
ao descrevê-los todos com o um a com petição entre reforço postergado e imediato.
O Capítulo 13, sobre evolução da cultura, agora deixa mais clara a analogia com a
evolução dos organism os. O Capítulo 11, sobre relações, gerenciamento e governo,
agora reform ula o contracontrole explicitamente com o autocontrole, e incorporou
uma seção sobre o problem a da segurança nas relações internacionais. 0 Capítulo 14
VÜi
Prefácio à segunda edíçpo
inclui agora o exem plo específico de uma proposta para aperfeiçoar o processo
dem ocrático. Para ajudar os estudantes a evitar que sejam sobrecarregados com o
novo vocabulário introduzido em cada capítulo, adicionei, depois de cada seção de
leituras adicionais, uma lista de termos, com o guia de estudo.
Sumário
Prefácio à segunda e d iç ã o .................................................... .................................................. vii
PARTE UM
O q u e é b e h a v io r is m o ?
1. Behaviorismo: definição e h istó ria ............................................................................. 17
Referencial histórico.........................................................................................................18
De filosofia o ciência .........................................................................................................18
Psicologia objetivo .............. ...............................................................................................20
Psicologia com p ara tiva ....................................................................................................... 21
A primeiro versão do behaviorismo ......................................................................................23
Livre-arbítrio versus determinismo...................... ......................................................... 25
Definições.................................................. .................. ...... .............................................25
Argumentos pró e confra o lívre-orbítrio ................................................................................ 26
Resum o................................ ............................................................................................. 30
Leituras adicionais
............ ...... ........................ ....... .............. ..................... 31
Termos introduzidos no Capítulo 1 ................................................................................ 32
2. O behaviorism o como filosofia da ciên cia................................................................ 33
Realismo versus pragmatismo........................................................................................ 34
Reafemo............................................................................................................................34
Pragmafismo ......................................................................................................................36
10
Sumário
Behaviorismo radical e pragm atism o................................................................................43
Resum o............................................................................................... ...................................45
Leituras adicionais........................................................................................................... . 46
Termos introduzidos no Capítulo 2 ................................................................................... 47
3. Público, privado, natural e fic tíc io .................................................................................. 49
M entalism o........................................................................................................................... 49
fventos públicos e privados................................................................................................... 50
Fventos noíurois...................................................................................................................50
Natural menta/ e fict/cio.......................................... ............................................................. 51
Objeções ao mentalismo......................................................................................................... 53
Erros de catego ria............................................................................................................. 56
Ryle e o hipótese pammecônica ............................................................................................. 57
O behaviorismo molorde RacMin............................................................................................. 59
Eventos privados................................................................................................................... 63
Comportamento privodo.......................................................................................................... 63
Autoconfiecímento e consciência............... ................. .............................................................67
Resum o.................................................................................................................. ....... .
69
Leituras adicionais............................................................................!...............................70
Termos introduzidos no Capítulo 3 ................................................................................... 70
PARTE D O IS
U m m o d e lo cie n tífico d e c o m p o rta m e n to
4. Teoria da evolução e re fo rço ............................................................................................ 73
História evolutiva.................................................................................................................. 73
Seleção n a tu ra l .......................................................................................................................74
Reflexos e pacfrôes fixos de ação...............................................................................................76
Reforçadores e punidores.........................................................................................................80
Revisão das influências filogenéticas.......................................................................................... 85
História de reforço ....................................... ........................................................................86
Seleção pelas conseqüências................................................................................................... 86
Explicações históricas...............................................................................................................90
Resum o....................................................................................... .......................................... 93
Leituras ad icion ais................................................................................................................ 94
Termos introduzidos no Capítulo 4 ................................................................................... 94
Sumário
5.
11
Intenção e reforço ............................................................................................................97
História e fu n çã o .............................................................................................................. 97
O uso de explicações históricos............................................................. ..... .............. ........ 98
Unidades funcionais..........................................................................................................100
Três significados de infenção........................................................................................103
Intenção como função....................................................................................................... 103
intenção como causa....................................... ................................................................ 104
Intenção como sentimento: outo-refatos ...............................................................................109
Resum o........ .............................................. ....................................................................113
Leituras adicionais........................................................................................................ . 114
Termos introduzidos no Capítulo 5 ......................................................................... .
6.
114
Controle de estímulo econhecimento..................................................................... 115
Controle de estím ulo.....................................................................................................116
Estímulos discriminativos................................................................................................... 116
Seqüências estendidos e estímulos discriminativos.......................................................
117
Discriminação.................................................................................................. ............... 119
Conhecimento^................................................................................ ............................. 120
Conhecimento operadonol: saber "como".................................... ................................ . 121
Conhecimento declarativo: saber "sobre*........................................................................... 123
Aufoconbecimenfo.............. ............................................................................................ 126
O comportamento dos cientistas.................................................................................130
Observação e discriminação............................................................................................. 130
Conhecimento científico ................................................................................ ..................131
fragmatismo e contextuolismo ............................................................................................ 132
Resum o............................................................................................................................ 133
Leituras adicionais.........................................................................................................133
Termos introduzidos no Capítulo 6 ............................................................................. 134
7. Comportamento verbal e linguagem ...................................................................... 135
O que é comportamento verbal?.................... .......................................... ...........,...135
Comunicação............................ ...................................................................................... 136
O comportamento verbal como comportamento operante......................................... ............ 136
FoJante e ouvinte............................... ................................................................. ............ 137
Exemplos........................................................................................................................ 141
Comportamento verbal versus linguagem ........................................................................... 145
12
Sumário
Unidades funcionais e controle de estím ulo...............................................................147
Atividades verbais como unidades funcionots........................................................................ 147
Controle de estímulo no comportamento verbal.....................................................................148
Alguns equívocos comuns...................................................................................................149
Sig n ifica d o ........................................................................................ ...............................152
Teorios de referência.................................................................................... ..................... 152
Significado como uso.......................................................................................................... 154
Gramática e sintaxe......................................... ............................................................... 157
Regras como descrições........................................................................................................ 158
Onde estão as regras?..................................................................... .....................................160
Resum o................................................................................................................................160
Leituras adicionais...............................................................................................................161
Termos introduzidos no Capítulo 7 ................................................................................. 163
8, Comportamento controlado por regras e pensam ento.......................................... 165
O que é comportamento controlado por regras?..................... .................................. 165
Comportamento controlado por regras versus comportamento modeíado implicitamente..............166
Regras: ordens, instruções e conselhos.................................................................................... 168
Sempre duas relações............................................................................................................172
Aprendizagem de seguimento de regras....................................................................... 176
Modelagem do comportamento de seguir regras........................................................... ....... 177
Onde estão as regras?.......................................................................................................... 177
Pensamento e resolução de problem as...................................................................... 178
Mudonça de estímulos.......................................................................................................... 179
Comportamento precorrenfe............................................................................. .....................181
Resum o................................................................................................................................ 183
Leituras adicionais............................................................................................................. 184
Termos introduzidos no Capítulo 8 ................................................................................. 184
PARTE TRÊS
Q u e s tõ e s s o c ia is
9. Lib e rd a d e ........................................................................................................................... 187
Usos da palavra livre.......................................... ............................................................... 187
Ser livre: íivre-arbífrio........................................................ .................................................. 188
Senfir-se fivre; liberdade poíítica e s o c ia l ............................ ................................................... 188
Liberdade espiriíual............................................................................................................ 197
Sumário
13
O desafio do pensamento tradicional........................................................................... 199
R esu m o ...............................................................................................................................200
Leituras adicionais.............................................................................................................201
Termos introduzidos no Capítulo 9 ................................................................................. 201
10, Responsabilidade, mérito e c u lp a ............................................................................... 203
A r^ponsabiiidade e as causas do comportamento................... .............................. 203
Üvre-orbífrio e visibilidade do confrole...................................................................................204
-Atribuição de mérito e culpo................................................................................................ 205
Compaixão e confrole......................................................................................................... 206
A responsabilidade e as conseqüências do comportamento........ ............................ 208
O que é responsabilidade?.................................................................................................208
Considerações práticos; a necessidode de confrole.................................................................210
Resum o............................ .................................................................................................. 212
Leituras adicionais........................ ................................................................................... 213
Termos introduzidos no Capítulo 1 0 ..............................................................................214
11, Relações, gerenciamento e g o ve rn o .......................................................................... 215
Relações................................. ....................................................... .................................... 215
Reforço mútuo....................................................................... ............................................ 216
Indivíduos e instituições............................................ ..........................................................218
E xp lo raçã o ...................... .......................... .......... ............................................................ 220
O "escravo fe liz " ................................................................................................................. 221
Conseqüências de longo prazo.............................................................................................221
Bem-estar relativo ................................................................................................................ 223
Controle e contra controle...............................................................................................227
Contracontrole............................................................................. ......................................227
Eqüidade ...........................................................................................................................230
P oder ..................................................................................................................................231
D em ocracia ....................................................................................................................... 233
Resu m o ...............................................................................................................................234
Leituras adicionais................................................... ........ .............................................236
Termos introduzidos no Capítulo 1 1 ........ ...............................................................
237
12, Valores: religião e ciên cia.............................................................................................239
Questões de v a lo r........................................................................................................... 239
ReiafiV/smo moral ............................................................................................................... 240
Padrões éticos .................................................................................................................... 240
14
Sumário
Uma abordagem científica dos v a lo re s..........................................................................243
Reforçadores e punidores...................................................................................................... 244
Senfímenlos.......................................................................................................................246
Teoria do evolução e vaíores............................................................................................... 248
Resum o............. ............................................................................................................... 253
Leituras adicionais............................................................. ............................................. 254
Termos introduzidos no Capítulo 12 ....................... ...................................................... 255
13. Evolução da cultura......................................... .................. .......................... ................257
Evolução biológica e cultura.............................................................................................258
Replicadores e aptidão................................................................. ......................... ............ 258
Sociedades ................................................................................. .................. ......................260
Definição de culfuro.......................................................................................................... 261
Traços que permííem o cultura ............................................................................................. 263
Variação, transmissão e seleção.................................................................................,.267
Variação............................................................................................................................. 268
Transmissão......................................................................................................................... 273
Seleção..................................................................................................... ......................... 276
Resumo
................................................................................ .......................................... 281
Leituras adicionais.............................................................................................................. 283
Termos introduzidos no Capítulo 1 3 ...................................................................... ...... 284
14. Planejamento culSural: experimentação em prol da so brevivên cia..................... 285
Planejamento pela evolução......... ...................................... ............................................286
Cruzamento seletivo..............................................................................................................286
Avaliação............................................................................................................ ................287
A sobrevivência como critério........................................ ..................................................288
Variação orientada........................ ....................................................................................... 290
Uma sociedade experimental.......................................................................................291
Experimentação....................................................................................................................291
Democracia......................................................................................................................... 292
Felicidade ......... .............. ...................................................................................................293
WaldenTwo: a visãò de Skinner.......... ................ ............... ...............................................294
ObjeçÕes..............................................................................................................................296
Resum o................................................................................................................................ 302
Leituras adicionais.......................................................................................................... 304
Termos introduzidos no Capítuio 1 4 ................................................................................304
A p ê n d ic e ........................................................................................................................................ 305
índice remissivo ............................................................................................................................307
PARTE UM
0 que é behaviorismo?
B e h a v io r ism o é um tópico controverso. Algumas objeções são levantadas a partir
de um a com p reen são correta de suas posições, mas as concepções errôneas são
inúm eras. Os três capítulos desta primeira parte visam esclarecer aquilo que se
poderia cham ar de “postura filosófica” do behaviorismo.
Tudo que é genuinam ente controverso sobre o behaviorismo deriva de sua
idéia básica, de que um a ciência do comportamento é possível. Cada ciência, em
algum ponto d e sua história, teve de exorcizar causas imaginárias (agentes ocul­
tos) que su p ostam en te existem por detrás ou sob a superfície dos eventos naturais.
O C ap ítu lo 1 e x p lic a com o a n egação de agen tes ocu ltos d efen d id a pelos
behavioristas lev a a um a controvérsia autêntica: a questão do comportamento ser
livre ou determ inado.
O Capítulo 2 se destina a impedir concepções distorcidas que podem surgir
porque o b ehaviorism o m udou ao longo do tempo. Uma versão inicial, chamada
behaviorism o m etodológico, baseava-se no realismo, visão segundo a qual toda ex­
periência é cau sad a por um mundo objetivo e real, exterior e separado do mundo
subjetivo e interno. O realismo pode ser contrastado com o pragm atism o, que se
cala sobre a origem da experiência, mas, em compensação, aponta a utilidade de
tentar en ten der e buscar o sentido de nossas experiências. Uma versão posterior do
behaviorism o, denom inada behaviorismo radical, baseia-se mais no pragmatismo
do que no realism o. Quem não entender essa diferença provavelmente terá dificul­
dade em com pi'eender o aspecto fundamental do behaviorismo radical, que é a
rejeição do m entalism o.
A crítica behaviorista do mentalismo, explicada no Capítulo 3, permeia o res­
to do livro, pois exige que os behavioristas proponham explicações não-mentalistas
do com portam ento (Parte Dois) e soluções não-mentalistas para problemas sociais
(Parte Três).
1
Behaviorismo:
definição e história
i í idéia central do behaviorismo pode ser formulada de maneira simples: É possível
um a ciência do comportamento. Os behavioristas têm visões diferentes sobre o sen­
tido dessa proposição, e especialm ente sobre o que é ciência e o que é com porta­
m ento, m as todos eles concordam que pode haver um a ciência do comportamento.
M uitos behavioristas acrescentam que a ciência do comportamento deve ser a
psicologia. Esse ponto não é pacífico, porque muitos psicólogos rejeitam de todo a
idéia de que a psicologia seja u m a ciência, e outros que a vêem como ciência consi­
deram que seu objeto é algum a outra coisa que não o comportamento. Bem ou mal,
a ciência do com portam ento veio a ser chamada de análise comportamental. O
debate ainda continua, se a análise comportamental é parte da psicologia, se é o
m esm o que psicologia, ou se é independente da psicologia; mas organizações pro­
fissionais com o a Association for Behavior Analysis, e revistas, como The Behavior
Anályst, Journal o fth e Experimental Analysis of Behavior e Journal o f Applied Behavior
Analysis, dão à área sua identidade.
Sendo u m conjunto de idéias sobre essa ciência chamada de análise compor­
tam ental, e não a ciência em si, o behaviorismo não é propriam ente um a ciência,
m as u m a filosofia da ciência. Como filosofia do comportamento, entretanto, abor­
da tópicos que m uito.prezam os e que nos tocam de perto: por que fazemos o que
fazemos, e o que devem os e não devemos fazer. Oferece uma visão alternativa que
m uitas vezes vai contra o pensam ento tradicional sobre o agir, já que as visões
tradicionais não se têm pautado pela ciência. Veremos em capítulos posteriores que
às vezes ele nos leva em direção radicalm ente diferente do pensam ento convencio­
nal. Este capítulo cobre um pouco da história do behaviorismo e um a de suas impli­
cações mais im ediatas: o determinismo.
18
William M. Baum
REFERENCIAL HISTÓRICO
De filosofia a ciência
Todas as ciências - astronom ia, física, química, biologia - tiveram sua origem
n a filosofia, e eventualm ente se separaram dela. Antes que a astronom ia existisse
com o ciência, por exemplo, os filósofos especulavam sobre a organização do uni­
verso natural, partindo de suposições sobre Deus ou sobre algum outro padrão
ideal e, através de raciocínio, concluíam como seria o universo. Por exem plo, se
todos os eventos im portantes aparentem ente ocorrem n a Terra, en tão ela deve
ser o centro do universo. Como o círculo é a form a mais perfeita, o Sol deve girar
em torn o da Terra seguindo um a órbita circular. A Lua deve girar em o u tra órbita
circular, mais próxim a, e as estrelas se organizam em to rno do conjunto à m anei­
ra d e um a esfera, que é a mais perfeita form a tridim ensional. (Até hoje o Sol, a
Lua e as estrelas são cham ados corpos celestes, porque se supunha que fossem
perfeitos.)
As ciências da astronom ia e da física surgiram quando as pessoas com eçaram
a te n ta r enten d er os objetos e fenôm enos naturais p or m eio de sua observação. Ao
ap o n tar um telescópio para a Lua, Galileu (1564-1642) observou que sua paisa­
gem m arcada por crateras estava ionge de ser a esfera perfeita im aginada pelos
filósofos. Q uanto à física, Galileu observou o m ovim ento de corpos cadentes, fa­
zendo um a bola deslizar por uma ram pa. Ao descrever suas descobertas, ele aju­
dou a forjar as noções m odernas de velocidade e aceleração. Isaac N ew ton (16421727) acrescentou conceitos como força e inércia, criando um poderoso esquem a
descritivo para a com preensão do m ovim ento de corpos n a Terra, assim como de
corpos celestes como a Lua.
Ao criar a ciência da física, Galileu, N ew ton e m uitos pensadores do Iluminismo
rom peram com a filosofia. O raciocínio da filosofia parte de suposições para con­
clusões. Seus argum entos tom am a form a “Se isto fosse assim, então aquilo seria
assim ”. A ciência segue direção oposta: “Isto foi observado; que verdade poderia
levar a essa observação, e a que outras observações isso levaria?”. A verdade filosó­
fica é absoluta: se as premissas forem enunciadas explicitam ente e se o raciocínio
for correto, as conclusões seguem-se necessariam ente. A verdade científica é sem­
pre relativa e provisória: é relativa à observação e suscetível de não ser confirm ada
p o r novas observações. As suposições filosóficas se referem a abstrações além do
universo natural: Deus, harm onia, form as ideais, e assim por diante. As suposições
científicas usadas na construção de teorias referem -se apenas ao universo natural e
sua possível forma de organização. Em bora fosse teólogo, além de físico, N ewton
separava as duas tarefas. Sobre a física, afirmou que Hypotheses non fingo (“Não
faço hipóteses”), querendo dizer que, ao estudar física, não se preocupava com
nenhum a entidade ou princípio sobrenatural - ou seja, com coisa algum a fora do
próprio universo natural.
Os gregos antigos também especularam sobre química, tanto quanto sobre
física. Filósofos com o Tales, Empédocles e Aristóteles conjeturaram que a matéria
varia em suas propriedades por ser dotada de certas qualidades, essências ou princí­
Compreender o behaviorismo
19
pios. Aristóteles sugeriu quatro qualidades: quente, frio, úmido e seco. Se a substân­
cia era um líquido, possuía m aior quantidade da qualidade úmido; se era um sóli­
do, a m aior qu an tid ad e era d a qualidade seco. A m edida que os séculos se sucede­
ram , a lista de qualidades cresceu. Dizia-se que coisas que esquentavam possuíam
internam en te a essência calórica. M ateriais que podiam ser queimados possuíam o
flogisto. Essas essências eram consideradas substâncias reais, escondidas dentro
dos m ateriais. Q uando os pensadores abandonaram essas especulações e começa­
ram a confiar na observação das m udanças da matéria, nasceu a ciência da quími­
ca. A ntoine Lavoisier (1743-1794), dentre outros, desenvolveu o conceito de oxi­
gênio a p artir de cuidadosas observações de pesos. Lavoisier descobriu que, quan­
do chum bo, u m m etal, é queim ado em um recipiente fechado e se transform a em
um pó am arelo (óxido de chum bo), esse pó pesa mais do que o metal original; no
en tanto, o recipiente conserva o mesmo peso. Lavoisier raciocinou que isso só po­
deria ocorrer se o m etal se combinasse com algum elemento do ar. Esse raciocínio
aludia exclusivam ente a term os naturais; ignorava as qualidades sugeridas pela
filosofia e estabelecia a quím ica como ciência.
A biologia rom peu com a filosofia e a teologia da mesma forma. Os filósofos
raciocinavam que, se havia diferença entre coisas vivas e não-vivas, era porque
Deus havia d ado às coisas vivas algo que não havia dado às não-vivas. Alguns pen­
sadores consideravam que essa coisa interna era a alma; outros a chamavam de vis
viva (força viva). No século XVII, os primeiros fisiólogos começaram a abrir os
anim ais para ver com o funcionavam. William Harvey (1578-1657) descobriu algo
que se assem elhava m ais ao funcionam ento de uma m áquina do que à ação de uma
m isteriosa força viva. Tornou-se claro que o coração funcionava como um a bomba
que fazia o sangue circular através das artérias e dos tecidos, voltando ao ponto de
p artid a através das veias. De novo, esse raciocínio abandonava as suposições hipo­
téticas dos filósofos e usava como único referencial a observação de fenômenos
naturais.
Q uando Charles Darwin (1809-1882) publicou sua teoria da evolução por
seleção natu ral, em 1859, despertou verdadeiro furor. Alguns se ofenderam porque
a teoria ia contra o relato bíblico de que Deus criara todas as plantas e animais em
alguns poucos dias. Até mesm o alguns geólogos e biólogos se alarmaram com as
idéias de D arw in. Pela inform ação proveniente do estudo de fósseis, esses cientis­
tas estavam fam iliarizados com a esm agadora evidência do surgimento e da extinção
de m uitas espécies, e já estavam convencidos de que a evolução ocorria. Ainda
assim, e em bora não m ais tom assem o relato bíblico ao pé da letra, esses cientistas
ain d a olhavam a criação da vida (portanto, a evolução) como uma obra de Deus.
Sentiram -se tã o agredidos pela teoria darwiniana da seleção natural quanto aque­
les que tom avam a Bíblia ao pé da letra.
Na teoria de Darwin, o que mais impressionou seus contemporâneos, tanto os
que eram a favor como os que eram contra, foi sua explicação sobre a origem da
vida, que deixava de fora Deus ou qualquer outra força que não fosse natural. A
seleção n a tu ra l é um processo puram ente mecânico. Se as criaturas variam, e a
variação é h erdada, segue-se que qualquer vantagem reprodutiva apresentada por
um tipo levará esse tipo a substituir todos os seus competidores. A teoria moderna
da evolução surgiu n a prim eira metade do século XX, quando a idéia de seleção
20
William M. Baum
n atu ral foi com binada com a teoria da herança genética. Essa teoria continua a
despertar objeçoes devido a seu caráter naturalista e sem Deus.
Com a psicologia aconteceu o mesmo que com a astronom ia, a física, a fisiolo­
gia e a biologia evolutiva. A ru p tu ra d a psicologia com a filosofia é relativam ente
recente. Até a década de 1940, era raro encontrar u m a universidade que tivesse
um d ep a rta m e n to de psicologia, e os professores de psicologia, em geral, se
encontravam em d ep artam en to s de filosofia. Se a biologia evolutiva, com suas
raízes em m eados do século XIX, ainda está com pletando sua ru p tu ra com a d o u ­
trin a teológica e filosófica, não é de espantar que os psicólogos de hoje ainda
estejam d ebatendo as im plicações de se considerar a psicologia um a v erd ad eira
ciência, e que os leigos estejam apenas com eçando a descobrir quais são essas
im plicações na prática.
Na segunda m etade do século XIX, tornou-se costum eiro cham ar a psicologia
de “ciência da m ente”. A palavra grega psyche tem um significado um pouco mais
am plo que “espírito”, porém mente parecia m enos especulativo e mais acessível ao
estudo científico. Como estudar a m ente? Os psicólogos propuseram a adoção do
m étodo dos filósofos: a introspecção. Se a m ente e ra um a espécie de palco ou
arena, então deveria ser possível olhar dentro dela e v er o que estava ocorrendo;
era esse o sentido da palavra introspecção. Trata-se de u m a tarefa difícil, tan to mais
se o que se deseja é colher fatos científicos fidedignos. Parecia aos psicólogos do
século XIX que essa dificuldade poderia ser superada com bastante treino e m uita
prática, No entanto, duas correntes de pensam ento se som aram para corroer essa
visão: a psicologia objetiva e a psicologia comparativa.
Psicologia objetiva
Alguns psicólogos do século XIX sentiam-se pouco à vontade com a introspecção
como m étodo científico. Ela parecia m uito pouco confiável, m uito vulnerável a
distorções pessoais, m uito subjetiva. Outras ciências utilizavam m étodos objetivos
que produziam m edidas verificáveis e replicáveis em laboratórios do m undo intei­
ro. Se duas pessoas treinadas em introspecção discordassem sobre suas conclu­
sões, seria difícil resolver o conflito; entretanto, se utilizassem m étodos objetivos,
os pesquisadores poderiam notar diferenças de procedim ento que talvez explicas­
sem os resultados diferentes.
Um dos pioneiros da psicologia objetiva foi o psicólogo holandês E C. Donders
(1818-1889), que se inspirou em um intrigante problem a colocado pela astrono­
mia: como calcular a. h o ra exata em que um a estrela estará em determ inada posição
no céu. Q uando se vê um a estrela através de um telescópio poderoso, parece que
ela viaja a um a apreciável velocidade. Os astrônom os que tentavam fazer m edidas
precisas tinham dificuldade em estim ar a velocidade com a precisão de u m a fração
de segundo. Um astrônom o ficava ouvindo o tique-taque de um cronôm etro que
m arcava segundos enquanto observava a estrela, e contava os tiques. Q uando a
estrela cruzava um a linha m arcada no telescópio (o “m om ento de trân sito ”), o
astrônom o anotava m entalm ente sua posição no m om ento do tique im ediatam en­
te anterior e im ediatam ente posterior ao trânsito, e depois estim ava a fração da
Compreender o behaviorismo
21
distância entre as duas posições que ficava entre a posição im ediatam ente anterior
ao trânsito e a linha. O p roblem a era que diferentes astrônomos, observando o
mesmo m om ento de trânsito, chegavam a diferentes estimativas de tem po. Os as­
trônom os ten taram solucionar o problem a gerado p or essa variação calculando
um a equação p a ra cada astrônom o, a cham ada “equação pessoar, que com putaria
o tem po correto a p a rtir das estimativas de tempo feitas por um dado astrônom o.
Donders raciocinou que as estimativas de tem po variavam porque não havia
dois astrônom os que levassem o mesmo tempo p ara julgar o momento exato do
trânsito, acreditando que estariam chegando a seu julgam ento através de diferen­
tes processos m entais. Pareceu a Donders que esse "tempo de julgam ento” poderia
ser um a m edida objetiva útil. Começou a fazer experimentos em que m edia o tem­
po de reação das pessoas - o tem po exigido para detectar uma luz ou um som e
então ap ertar u m botão. Descobriu que as pessoas consistentemente levavam mais
tem po para escolher o b o tão correto, dentre dois botões, quando uma ou o u tra de
duas luzes aparecia, do que p a ra apertar um único botão quando uma única luz
aparecia. Donders arg um en to u que subtraindo o tem po de reação simples, mais
curto, do tem po de reação de escolha, mais longo, poderia medir objetivam ente o
processo m ental de escolha. Isso era um grande avanço sobre a introspecção, por­
que significava q ue os psicólogos podiam fazer experimentos de laboratório com os
mesmos m étodos objetivos utilizados pelas outras ciências.
Outros psicólogos desenvolveram outros métodos que pareciam m edir os pro­
cessos m entais de form a objetiva. Gustav Fechner (1801-1887) tentou m edir a in­
tensidade subjetiva da sensação, desenvolvendo um a escala que se baseava n a dife­
rença apenas perceptível - a m enor diferença física entre duas luzes ou sons que
um a pessoa conseguia detectar. Herm ann Ebbinghaus (1850-1909) mediu o tempo
que ele próprio levava p a ra aprender e depois reaprender listas de sílabas sem
sentido - com binações de consoante-vogal-consoante sem nenhum significado - a
fim de produzir m edidas de aprendizagem e de memória. Outros utilizaram o mé­
todo desenvolvido por I. R Pavlov (1849-1936) para estudo da aprendizagem e da
associação através d a m ed id a de um reflexo simples transferido para novos sinais
apresentados no laboratório. Essas tentativas traziam em comum a expectativa de
que, ao seguir m étodos objetivos, a psicologia poderia se transformar em um a ver­
dadeira ciência.
Psicologia comparativa
Ao m esm o tem po que os psicólogos tentavam fazer da psicologia uma ciência objeti­
va, a teoria da evolução estava tendo um efeito profundo sobre essa disciplina. Os
seres hum anos não eram m ais vistos como entes à parte, separados das outras
coisas vivas. Com eçava-se a reconhecer que compartilhamos com an tro p ó id es/
macacos, cães e até peixes, não somente traços anatômicos, mas tam bém muitos
traços com portam entais.
*N. de T. “Apes”, no original. Grupo de símios que compreende orangotangos, gorilas e
chimpanzés, entre outros.
22
Williom M. Baum
Assim nasceu a noção de continuidade da espécie - a idéia de que, mesmo
sendo claram ente diferentes entre si, as espécies tam bém se assem elham um as às
outras, à m edida que com partilham a m esm a história evolutiva. A teoria de Darwin
ensinou que novas espécies passaram a existir apenas como m odificações de espé­
cies existentes. Se evoluiu como qualquer o utra, nossa espécie deve, então, ter
surgido como modificação de alguma outra. Ficava fácil ver que nós e os antropóides
tínham os ancestrais comuns, que antropóides e macacos tinham ancestrais comuns,
que m acacos e m usaranhos tinham ancestrais com uns, que m usaranhos e répteis
tinham ancestrais comuns, e assim por diante.
Todas as razões levavam a esperar que, assim como podíam os ver as origens
de nossos traços anatômicos em outras espécies, poderíam os tam bém ver as ori­
gens de nossos próprios traços m entais. Presum ia-se, naturalm ente, que nossos
traços m entais apareceriam em outras espécies sob formas mais simples ou rudi­
m entares, m as a idéia de fazer com parações en tre espécies a fim de conhecer me­
lhor a nossa própria deu origem à psicologia com parativa.
Tornaram -se comuns as com parações en tre outras espécies e a nossa. O pró­
prio Darwin escreveu um livro cham ado The expression of the emotions in men and
animais. No início, as provas de existência de um a m entalidade aparentem ente
hum ana nos outros animais consistiam em observações casuais de criaturas selva­
gens e dom ésticas, observações essas que m uitas vezes não passavam de relatos
anedóticos sobre bichos de estimação ou animais de criação. Com um pouco de
im aginação seria possível im aginar um cão que aprendeu a abrir o portão do ja r­
dim levantando o trinco, depois de observar o exemplo de seu dono e raciocinar
sobre ele. Além disso, seria possível im aginar que as sensações, os pensam entos e
os sentim entos do cachorro deveriam ser sem elhantes aos nossos, e assim por dian­
te. George Romanes (1848-1894) levou esse raciocínio a sua conclusão lógica, che­
gando a defender que nossa própria consciência deve servir de base a nossas'conjeturas sobre um a eventual tênue consciência que ocorra, digam os, em formigas.
Essa form a de “hum anizar a b esta”, ou antropomorfismo, soou especulativa
dem ais p ara alguns psicólogos. No final do século XIX e no início do século XX, os
psicólogos com parativos começaram a substituir as vagas inform ações anedóticas
por observações rigorosas, conduzindo experim entos com anim ais. M uitas dessas
prim eiras pesquisas basearam-se em labirintos, visto que qualquer criatura que se
m ovim ente, desde o ser hum ano até o rato, o peixe ou a formiga, pode ser adestra­
da na resolução de um labirinto. Era possível contar o tem po que a criatura levava
para atravessar o labirinto e o núm ero de erros que cometia, assim com o o declínio
no. tem po e nos erros, à medida que o labirinto era dom inado. Em sua tentativa de
hum anizar a besta, esses primeiros pesquisadores freqüentem ente acrescentavam
especulações sobre estados m entais, pensam entos e emoções dos anim ais. Dizia-se,
por exemplo, que os ratos m anifestavam aborrecim ento ao fazer um erro, ou mos­
travam confusão, hesitação, confiança, e assim por diante.
O problem a dessas afirmações sobre consciência anim al era ficarem muito à
mercê de vieses individuais. Se duas pessoas, ao fazerem uma introspecção, po­
diam discordar se estavam se sentindo irritadas ou tristes, com mais razão duas
pessoas discordariam sobre um rato sentir-se irritado ou triste. Dado o caráter sub­
jetivo das observações, a discordância não poderia ser resolvida através de outros
Compreender o behaviorismo
23
experim entos. Pareceu claro a John B. Watson (1879-1958), o fundador do behavio­
rismo, que, como m étodo científico, as inferências sobre consciência em anim ais
eram ainda m enos confiáveis do que a introspecção, e que nenhum a das duas
poderia servir com o m éto d o para um a verdadeira ciência.
A primeira versão do behaviorismo
Em 1913, W atson publicou o artigo “Psychology as the behaviorist views it”, que
rapidam en te foi to m ad o com o manifesto do incipiente behaviorismo. Guiado pela
psicologia objetiva, W atson articulou a crescente insatisfação dos psicólogos com a
introspecção e a analogia como métodos. Queixava-se de que a introspecção, ao
contrário dos m étodos utilizados pela física e pela química, era excessivamente
dependen te do indivíduo:
Se você não conseguir reproduzir meus dados (...) é porque sua introspecção não
foi bem treinada. Ataca-se o observador e não a situação experimental. Na física
e na química, atacam-se as condições experimentais, Diz-se que o equipamento
não era suficientemente sensível, que foram usadas substâncias químicas impu­
ras, etc. Nessas ciências, uma técnica melhor fornecerá resultados passíveis de
reprodução. Na psicologia é diferente. Se você não consegue observar de 3 a 9
estágios de clareza na atenção, é sua introspecção que é deficiente. Se, por outro
lado, um sentimento parece razoavelmente claro para você, sua introspecção e
culpada de novo. Você está vendo demais. Os sentimentos nunca são claros
(Watson, 1913, p. 163).
Também não eram confiáveis as analogias entre animais e seres humanos.
W atson se queixava de que a ênfase na consciência o obrigava à
absurda situação de tentar construir o conteúdo da mente do animal cujo com­
portamento vínhamos estudando. Nessa perspectiva, depois de ter demonstrado
a capacidade de aprender de nosso animal, a simplicidade ou complexidade de
seus métodos de aprendizagem, o efeito de hábitos passados sobre respostas pre­
sentes, a faixa de estímulos aos quais normalmente responde, a faixa ampliada
aos quais pode responder sob condições experimentais - em termos mais genéri­
cos, seus vários problemas e as várias formas de resolvê-los - ainda deveríamos
achar que a tarefa está inacabada e que os resultados são inúteis, até que possa­
mos interpretá-los, por analogia, àluz da consciência (...) sentimo-nos obrigados
a dizer alguma coisa sobre os possíveis processos mentais de nosso animal. Dize­
mos que, não tendo olhos, sua corrente de consciência não pode conter sensa­
ções de brilho e cor tal como as conhecemos, não tendo papilas gustativas, essa
corrente não pode conter sensações de doce, azedo, salgado e amargo, Mas, por
outro lado, dado que efetivamente ele responde a estímulos térmicos, tácteis e
orgânicos, o conteúdo de sua consciência deve ser constituído em larga escala
por essas sensações (...). Com certeza, é possível demonstrar a falsidade dc uma
doutrina como essa, que requer uma interpretação analógica de todos os dados
comportamcntais (Watson, 1913, p. 159-160),
24
William M. Baum
Os psicólogos se emaranharam nesses esforços infrutíferos, argum entou Watson,
porque definiram a psicologia como ciência da consciência. Essa definição era res­
ponsável pelos métodos pouco confiáveis e pelas especulações infundadas. Era res­
ponsável pela incapacidade da psicologia de se tornar u m a verdadeira ciência.
Em vez disso, escrevia Watson, a psicologia deveria ser definida como ciência
do com portam ento, Descreveu sua decepção quando, ao ver a psicologia definida
no início de um livro de Pillsbury como ciência do com portam ento, descobriu que
depois de um as poucas páginas o texto parava de se referir a com portam ento e em
vez disso voltava ao “tratam ento convencional” da consciência. Reagindo, Watson
escreveu, “Acredito que podemos com por um a psicologia, defini-la como Pillsbury,
e jam ais renunciar a nossa definição: nunca usar os term os consciência, estados
m entais, m ente, conteúdo, verificável introspectivam ente, im agens e coisas pareci­
das” (W atson, 1913, p. 166).
Evitar os termos relacionados à consciência e à m ente deixaria a psicologia
livre para estudar o com portam ento hum ano e animal. Se a continuidade da espé­
cie podia levar à “hum anização da b esta”, podia da m esm a forma levar ao oposto
(bestialização do ser hum ano?); se idéias sobre seres hum anos pudessem ser apli­
cadas a animais, então princípios desenvolvidos através do estudo de animais po­
deriam ser aplicados a seres hum anos. W atson contestou o antropocentrism o. Alu­
diu ao biólogo que, ao estudar a evolução, “coleta dados a partir do estudo de
m uitas espécies de plantas e animais, e ten ta elaborar as leis d a hereditariedade do
tipo específico sobre o qual está conduzindo os experim entos (...). Não é justo
dizer que todo o seu trabalho é dirigido para a evolução hum ana ou que deva ser
interpretado em termos da evolução h u m an a” (Watson, 1913, p. 162). Para Watson,
era d a ro que o caminho era fazer da psicologia um a ciência geral do com porta­
m ento, que compreendesse todas as espécies, e n a qual os seres hum anos seriam
apenas mais uma.
Essa ciência do com portam ento idealizada por W atson não usaria nenhum
dos term os tradicionais referentes à m ente e à consciência, evitaria a subjetividade
da introspecção e as analogias entre o anim al e o hum ano, e estudaria apenas o
com portam ento objetivamente observável. No entanto, m esm o no tempo de Watson,
os behavioristas discutiam a propriedade dessa receita. Não era claro o que objetivo
queria dizer, ou em que consistia precisam ente o comportamento. Como esses ter­
mos ficaram abertos à interpretação, as idéias dos behavioristas sobre o que cons­
titui ciência e como definir com portam ento divergiram ao longo dos anos.
O mais conhecido behaviorista pós-Watson é B. E Skinner (1904-1990). Suas
idéias a respeito de como chegar a um a ciência do com portam ento m ostram um
nítido contraste com a visão da m aior parte dos outros behavioristas. Enquanto a
principal preocupação dos outros eram os métodos das ciências naturais, a d e Skinner
foi a explicação científica. Sustentou que o cam inho p ara um a ciência do com por­
tam en to estava no desenvolvim ento de term os e conceitos que permitissem expli­
cações verdadeiram ente científicas. Rotulou a visão oposta de behaviorismo meto­
dológico, e cham ou sua própria posição de behaviorismo radical Falaremos mais
sobre am bos nos Capítulos 2 e 3.
Compreender o behaviorismo
25
Q uaisquer que sejam suas divergências, todos os behavioristas concordam
com as prem issas básicas de Watson: é possível criar um a ciência natural do com­
portam ento, e a psicologia pode ser essa ciência. Essa idéia central desperta contro­
vérsias análogas à reação contra a explicação naturalista de Darwin para a evolu­
ção. Se D arw in agrediu ao deixar de fora a mão oculta de Deus, os behavioristas
agridem ao d eixar de fora outra força oculta: o poder das pessoas governarem seu
próprio com portam ento. Assim como a teoria darwiniana desafiou a venerada no­
ção de um Deus criador, o behaviorismo desafia a venerada noção de livre-arbítrio.
Como esse desafio freqüentem ente suscita antagonismos, a ele passaremos agora.
LIVRE-ARBÍTRIO ItfffSt/S DETERMINISMO
Definições
Na idéia de que é possível um a ciência do comportamento está implícito que o
com portam ento, com o qualquer objeto de estudo científico, é ordenado, pode ser
explicado, p ode ser previsto desde que se tenham os dados necessários e pode ser
controlado desde que se tenham os meios necessários. Chama-se a isso determinismo,
a noção de que o com portam ento é determ inado unicamente pela hereditariedade
e pelo am biente.
M uita gente faz objeções ao determinismo. Ele parece ir contra tradições cul­
turais de lo n g a d ata, que atribuem a responsabilidade pelos atos ao indivíduo, e
não à h ered itaried ad e e ao ambiente. Essas tradições m udaram um pouco: a res­
ponsabilidade p ela delinqüência é atribuída a um mau ambiente; artistas famosos
expressam reconhecim ento a pais e professores; e admite-se que alguns traços
com portam entais, tais como o alcoolismo, a esquizofrenia, a lateralidade e o QI
tenham u m com ponente genético. Entretanto, permanece a tendência de atribuir
crédito e culpa às pessoas, de afirmar que há no com portamento algo mais do que
h ereditaried ad e e am biente, que as pessoas têm liberdade para escolher o curso de
suas ações.
O nom e que se dá à capacidade de escolha é livre-arbítrio. O livre-arbítrio
supõe um terceiro elem ento além da hereditariedade e do am biente, supõe algo
dentro do indivíduo. Afirma que, apesar da herança e dos impactos ambientais,
um a pessoa que se com porta de dada form a poderia ter escolhido comportar-se de
outra m aneira. Afirm a algo além do m ero sentimento de ser capaz de escolher poderia m e p arecer que sou capaz de tom ar ou não tom ar um sorvete e, no entan­
to, m eu ato de tom ar sorvete poderia ser inteiramente determ inado por eventos
passados. O livre-arbítrio afirma que a escolha não é uma ilusão, que são as próprias
pessoas que causam o comportamento.
Filósofos ten taram conciliar o determinismo e o livre-arbítrio. Propuseram
p a ra o liv re -a rb ítrio teorias cham adas de “determ inism o b ra n d o ” e “teorias
com patibilizadoras”. Um tipo de determinismo brando, por exemplo, atribuído a
26
William M. Baum
D onald Hebb (psicólogo behaviorista; ver Sappington, 1990), defende que o livrearbítrio consiste em com portam ento que depende da hereditariedade e da história
am biental, fatores menos visíveis do que o am biente atual do indivíduo. Mas, como
esse p o n to de .vista ainda considera que o com portam ento resulta unicam ente da
heran ç a e do meio, passado e presente, deixa implícito que o livre-arbítrio é apenas
um a experiência, uma ilusão, e não um a relação causal entre pessoa e ação. A
teoria compatibilizadora de livre-arbítrio proposta pelo filósofo Daniel Dennett define
o livre-arbítrio como deliberação antes da ação (D ennett, 1984). Desde que eu
delibere sobre tom ar o soivete (Será que este sorvete vai m e engordar? Será que
posso com pensar as calorias ingeridas fazendo exercício? Posso ser feliz se estou
sem pre fazendo regime?), m eu ato de tom ar o sorvete é escolhido livrem ente. Isso
é com patível com o determ inism o porque a própria deliberação é um com porta­
m ento que pode ser determ inado pela hereditariedade e pelo ambiente passado.
Se a deliberação tem algum papel no com portam ento qu e a segue, estaria funcio­
nan d o apenas como um elo em u m a cadeia de causalidade que rem onta a outros
eventos no passado. Entretanto, essa definição não se conform a ao que as pessoas
convencionalm ente chamam de livre-arbítrio.
Os filósofos chamam a idéia convencional de livre-arbítrio - a idéia de que a
escolha realm ente pode ser independente dos eventos passados - de livre-arbítrio
libertário. Qualquer outra definição compatível com o determ inism o, como as de
H ebb e de Dennett, não apresenta problem as para o behaviorism o ou para um a
ciência do com portam ento. Apenas o livre-arbítrio libertário entra em conflito com
o behaviorism o. A história desse conceito nas teologias ju daica e cristã sugere que
ele existe precisamente para negar o tipo de determ inism o que o behaviorismo
representa. Abandonando os filósofos, portanto, vam os nos referir ao livre-arbítrio
libertário como “livre-arbítrio”.
Argumentos pró e contra o livre-arbítrio
Para provar o livre-arbítrio (em outras palavras, contestar o determ inism o) seria
necessário que, embora se conhecessem todos os possíveis fatores determ inantes
de u m ato, a consumação desse ato assumisse sentido contrário ao previsto. Como,
na prática, esse conhecimento perfeito é impossível, o conflito entre determ inism o
e livre-arbítrio nunca poderá ser resolvido por dem onstração. Pode parecer que
crianças de classe m édia e lares saudáveis que se to rn am dependentes de drogas
escolheram livrem ente esse cam inho, porque não h á n ad a em sua história que
possa explicá-lo, mas o determ inista insistirá que investigações adicionais revela­
rão os fatores genéticos e am bientais que levaram a essa dependência. Pode p a re ­
cer que a carreira musical d.e M ozart seria inteiram ente previsível a partir de seu
histórico fam iliar e da form a com o a sociedade vienense funcionava em sua época,
m as o defensor do livre-arbítrio sustentará que o p equeno Wolfgang escolheu livre­
m ente agradar seus pais com seu trabalho musical, ao invés de ficar se entretendo
com brinquedos como as outras crianças. Já que a persuasão pela prova é im possí­
Compreender o behaviorismo
27
vel, en tã o a aceitação do determ inism o ou do livre-arbítrio deve depender das
conseqüências dessa crença, e essas conseqüências podem ser sociais ou estéticas.
Argumentos sociais
Na prática, tem -se a impressão de que a negação do livre-arbítrio poderia solapar
toda a e stru tu ra moral de nossa sociedade. Que acontecerá a nosso sistema judiciá­
rio se as pessoas não puderem ser consideradas responsáveis por seus atos? Já
com eçam os a te r problem as com a alegação, feita por criminosos, de insanidade ou
de incapacidade m ental. Se as pessoas não têm livre-arbítrio, que será de nossas
instituições dem ocráticas? Por que se dar ao trabalho de fazer eleições se a escolha
entre os candidatos n ão é livre? A crença de que o com portam ento das pessoas é
d eterm in ad o poderia encorajar ditaduras. Por essas razões, talvez seja bom e útil
acreditar no livre-arbítrio, m esm o que ele não possa ser dem onstrado.
Os behavioristas têm de levar em consideração esses argumentos; caso con­
trário, o behaviorism o corre o risco de ser rotulado como um a doutrina perniciosa.
Tratarem os deles na Parte Três, quando discutiremos liberdade, política social e
valores. A gora farem os um breve apanhado que dará um a idéia da direção geral
que será to m ad a mais adiante.
A percepção de am eaça à democracia deriva de um pressuposto falso. Embora
seja v erd ad eiro que a dem ocracia se baseia na escolha, é falso que a escolha se
torna sem sentido ou impossível se não houver livre-arbítrio. A idéia de que a esco­
lha desap areceria provém de um a noção excessivamente simplista da alternativa
ao livre-arbítrio. Se, em um a eleição, um a pessoa puder votar de duas formas, o
voto que d e fato ocorrer dependerá não apenas de sua história a longo prazo (pro­
veniência, educação familiar, valores), mas também de eventos imediatemente an ­
teriores à eleição. As cam panhas eleitorais existem precisamente por essa razão,
Posso m u d a r de lado em função de um bom discurso, sem o qual eu votaria em
outro candidato. Para que um a eleição tenha sentido, as pessoas não precisam ser
livres; b a sta apenas que seu com portam ento esteja aberto à influência e persuasão
(determ inantes am bientais de curto prazo).
Som os favoráveis à dem ocracia, não porque tenhamos livre-arbítrio, mas por­
que acham os que, como conjunto de práticas, ela funciona. Em uma sociedade
dem ocrática, as pessoas são mais felizes e mais produtivas do que sob qualquer
m onarquia ou d itad u ra conhecidas. Em vez de nos preocuparmos com a perda do
livre-arbítrio, podem os, com m aior proveito, nos perguntar o que tem a dem ocra­
cia que a faz superior. Se puderm os analisar nossas instituições democráticas de
form a a descobrir o que as faz funcionar, poderemos talvez encontrar maneiras de
torná-las ainda mais eficientes. A liberdade política consiste em algo mais prático
do que o livre-arbítrio: significa ter opções disponíveis e ser capaz de afetar o
com portam ento daqueles que governam. Uma compreensão científica do com por­
tam en to p o d eria ser usad a para aum entar a liberdade política. Dessa forma, o
conhecim ento advindo de um a ciência do comportamento estaria a serviço de um
bom uso; não é necessário que haja abuso. E, no fim das contas, se realm ente
28
William M, Baum
possuím os o livre-arbítrio, presum ivelm ente ninguém precisa se preocupar, de qual­
quer m aneira, com o uso desse conhecim ento.
E sobre a moral? As teologias judaica e cristã incorporaram o livre-arbítrio
como meio de salvação. Sem esses ensinam entos, será que as pessoas ainda serão
boas? Uma form a de responder a essa questão é olhar p ara a parte da hum anidade,
de longe m ajoritária, que não tem esse compromisso com a noção de livre-arbítrio.
Será que os budistas e hinduístas da China, Japão e ín d ia se com portam de form a
m enos ética? Em nossa própria sociedade, a ascensão da instrução pública vem
deslocando cada vez mais p ara as escolas a educação m oral, que antes se dava na
igreja e no lar. À m edida que nos apoiam os mais nas escolas para produzir bons
cidadãos, a análise com portam ental já está contribuindo. Não há razão p ará que a
ciência do com portam ento não seja utilizada p ara transform ar crianças em cida­
dãos bons, felizes e eficientes.
Q uanto ao sistema judiciário, ele existe p ara lidar com nossos fracassos, e não
é preciso encarar a justiça como um a questão p u ram ente moral. Sempre precisare­
m os “considerar as pessoas responsáveis por seu com portam ento”, no sentido p rá ­
tico de que os atos são atribuídos a indivíduos. Estabelecido o fato de que houve
um a transgressão, então surgem problem as práticos relativos a como proteger a
sociedade do transgressor e a como tornar im provável que essa pessoa se com porte
da m esm a form a no futuro. Colocar o criminoso na cadeia já se m ostrou de duvido­
sa valia. Uma ciência do com portam ento poderia ajudar tanto na prevenção como
no tratam ento mais eficiente da criminalidade.
Argumentos estéticos
Os críticos da noção de livre-arbítrio m uitas vezes apontam sua falta de lógica.
M esm o teólogos que prom overam essa idéia se em baraçaram com o paradoxo de
seu conflito com um Deus onipotente. Santo Agostinho foi claro: se Deus faz tudo
e sabe tudo antes de acontecer, como pode alguém fazer algum a coisa livrem ente?
Da m esm a forma que no determ inism o natural, se Deus determ ina todos os even­
tos (inclusive nossos atos), então é apenas nossa ignorância - no caso, da vontade
de Deus - que nos perm ite a ilusão do livre-arbítrio. A solução teológica com um é
cham ar o livre-arbítrio de mistério; de algum a form a Deus nos dá o livre-arbítrio
apesar de Sua onipotência. Essa resposta é insatisfatória porque afronta a lógica e
não resolve o paradoxo.
Em seu conflito com o determinismo, divino ou natural, o livre-arbítrio parece
ser função da ignorância. Na verdade, pode-se argum entar que o. livre-arbítrio é
sim plesm ente um nom e para a ignorância dos determ inantes do com portam ento.
Q uanto mais sabem os das razões que estão por trás dos atos de um a pessoa, tanto
m enos nos inclinamos a atribuir esses atos ao livre-arbítrio. Se um garoto que rou­
ba carros vem de um meio pobre, tendem os a atribuir seu com portam ento ao meio,
e quanto mais sabem os do abuso e da negligência que ele sofreu por parte de sua
família e da sociedade, menos provável se torna q ue afirmemos que sua escolha foi
livre. Q uando sabemos que um político foi subornado, não mais acham os que ele
pode assumir posições políticas livremente. Q uando ficamos sabendo que um artis­
Compreender o behaviorismo
29
ta recebeu o apoio dos pais e teve um grande professor, sentimos menos admiração
por seu talento.
O outro lado desse argum ento é que, independente de quanto se saiba, ainda
assim não se pode prever exatam ente o que um a pessoa fará em determ inada situa­
ção. Essa im previsibilidade é às vezes considerada prova de livre-arbítrio. Entre­
tanto, o clim a é tam bém imprevisível, mas nunca olhamos para ele como produto
de livre-arbítrio. Há m uitos sistem as naturais cujo com portam ento momentâneo
não podem os prever, m as nu n ca os consideramos livres. Fixaríamos para a ciência
do com portam ento um pad rão superior ao das outras ciências naturais? Além dis­
so, o erro lógico envolvido é fácil de detectar. 0 livre-arbítrio realm ente implica
im previsib ilid ad e, m as de form a algum a isso exige o inverso, ou seja, que a
im previsibilidade im plique livre-arbítrio.
De certa form a, deveria até ser falso que o livre-arbítrio implique imprevisibi­
lidade. M eus atos podem ser imprevisíveis para outra pessoa, mas se meu livrearbítrio pode causar m eu com portam ento, eu devo saber perfeitam ente bem o que
vou fazer. Isso exige que eu conheça minha vontade, pois é difícil ver como uma
vontade desconhecida poderia ser livre. Se decido fazer regime, e sei que essa é
m in h a vontade, en tão devo prever que continuarei com o regime. Se conheço mi­
nh a vontade, e m inha vontade causa meu com portamento, deveria ser capaz de
prever m eu com portam ento de forma perfeita.
A noção de que o livre-arbítrio causa o com portamento levanta também um
espinhoso problem a m etafísico. Como um evento não-natural, como o livre-arbí­
trio, pode causar u m evento natural, como tomar sorvete? Eventos naturais podem
levar a o utros eventos naturais, porque podem estar relacionados um com o outro
no tem po e no espaço. U m a relação sexual leva a um bebê cerca de nove meses
depois. A frase leva a deixa implícito que a causa pode ser localizada no tempo e no
espaço. Por definição, entretanto, coisas não-naturais não podem ser localizadas
no tem po e no espaço. (Se pudessem , seriam naturais.) Como então um evento
não -n atu ral pode levar a um evento natural? Quando e onde o querer ocorre, de
m odo a m e levar a to m a r sorvete? (Outra versão desse problema é o problema
m ente-corpo, que nos ocupará no Capítulo 3,) A nebulosidade dessas conexões
hipotéticas conduziu ao Hypotheses nonfingo de Newton. A ciência admite enigmas
não-resolvidos, porque um enigm a pode, ao final, render-se a novos pensamentos e
experim entos, m as a conexão entre o livre-arbítrio e a ação não pode sèr elucidada
dessa form a. E um m istério. O objetivo da ciência de explicar o mundo exclui mis­
térios que não possam ser desvendados.
A n atu reza m isteriosa do livre-arbítrio, por exemplo, vai contra a teoria da
evolução. Prim eiro, h á o problem a da descontinuidade. Se falta livre-arbítrio aos
anim ais, como foi que ele subitam ente apareceu em nossa espécie? Teria de ter
sido prenunciado em nossos ancestrais não-humanos. Segundo, mesmo que os ani­
mais pudessem ter livre-arbítrio, como poderia um a coisa tão pouco natural ter
evoluído? Os traços naturais evoluem por modificação de outros traços naturais.
Pode-se até im aginar a evolução de um sistema mecânico natural que se compor­
tasse im previsivelm ente de tem pos em tempos. Mas não há como conceber uma
form a pela qual a evolução natural resultasse em um livre-arbítrio não-natural.
Talvez seja esse um poderoso motivo para a oposição de certos grupos religiosos à
30
Williom M. Boum
teoria da evolução; inversamente, é um motivo igualm ente poderoso p a ra excluir o
livre-arbítrio das explicações científicas do com portam ento,
Com efeito, toda a razão por que apresentam os esses argum entos contra o
livre-arbítrio é realm ente m ostrar que abordagens científicas do com portam ento
que excluem o livre-arbítrio são possíveis. Os argum entos visam defender a ciência
do com portam ento contra a suposição de que o com portam ento h u m ano não pode
ser com preendido porque as pessoas têm livre-arbítrio. A análise do com portam en­
to evita o uso do conceito em arenas em que ele tem conseqüências infelizes, como
no sistem a judiciário (Capítulo 10) e no governo (Capítulo 11). A análise do com ­
portam ento om ite o livre-arbítrio, mas não impõe proibições ao uso do conceito no
discurso cotidiano ou nas esferas da religião, poesia e literatura; sacerdotes, poetas
e escritores falam com freqüência de livre-arbítrio e escolhas livres. U m a ciência do
com portam ento poderia pretender explicar essas falas, mas de nen h u m a m aneira
proibi-las. N este livro, de todo modo, exploram os como com preender o com porta­
m ento sem conceitos misteriosos como livre-arbítrio.
RESUMO
Todos os behavioristas concordam que é possível um a ciência do com portam ento,
que veio a ser cham ada de análise com portam ental. A propriadam ente, o behavio­
rismo é visto como a filosofia dessa ciência.
Todas as ciências se originaram d a filosofia e dela se separaram , A astronom ia
e a física surgiram quando os cientistas passaram d a especulação filosófica à obser­
vação. Ao fazê-lo, abandonaram qualquer preocupação com coisas sobrenaturais,
observando o universo natural e explicando os eventos naturais p o r referência a
outros eventos naturais. Da m esma forma, a química separou-se d a filosofia q uan­
do ab an donou a idéia de essências internas e ocultas como explicação dos eventos
químicos. Ao se to rn ar ciência, a fisiologia abandonou a vis viva em prol de explica­
ções m ecanicistas sobre o funcionam ento do corpo. A teoria da evolução de Darwin
foi percebida, em grande medida, como um ataque à religião porque se propunha
a explicar a criação de formas de vida apenas com eventos naturais, e sem a mão
so b renatural de Deus. A psicologia científica tam bém nasceu d a filosofia, e talvez
ainda esteja se separando dela. Dois m ovim entos prom overam essa ruptura, a psi­
cologia objetiva e a psicologia comparativa. A psicologia objetiva enfatizou a obser­
vação e a experim entação, m étodos que caracterizavam as outras ciências. A psico­
logia com parativa enfatizou a origem com um de todas as espécies, inclusive seres
hum anos, n a seleção natural, e ajudou a prom over explicações p u ram ente naturais
acerca d o com portam ento humano.
Jo h n B. Watson, que fundou o behaviorism o, adotou o cam inho da psicologia
com parativa. Atacou a idéia de que a psicologia era a ciência, da m ente, m ostrando
que nem a introspecção nem analogias com a consciência anim al produziam os
resultados confiáveis obtidos pelos m étodos de outras ciências. Sustentou que so­
m ente através do estudo do com portam ento poderia a psicologia atingir a confia­
bilidade e a generalidade necessárias para se tom ar uma ciência natural.
Compreender o behaviorismo
31
A idéia de que o com portam ento pode ser tratado cientificamente continua
controversa, porque desafia a noção de que ele provém da livre escolha do indiví­
duo. Prom ove o determ inism o, segundo o qual todo o com portam ento se origina
da herança genética e de eventos am bientais. O term o livre-arbítrio designa a su­
posta capacidade q ue tê m as pessoas de escolher seu comportamento livremente,
sem levar em conta a h eran ça ou o am biente. O determinismo afirma que o livrearbítrio é um a ilusão fu n d a d a na ignorância dos fatores que determ inam o compor­
tam ento. Como u m a versão branda do determinismo e as teorias compatibilizadoras
defendem a idéia de que o livre-arbítrio é apenas um a ilusão, não representam
um a objeção à ciência do com portam ento. Apenas o livre-arbítrio libertário, a idéia
de que as pessoas realm en te possuem a capacidade de se comportar da forma que
escolheram (ad o tad a pelo judaísm o e pelo cristianismo), entra em conflito com o
determ inism o. Como a disputa entre determinismo e livre-arbítrio não pode ser
resolvida através de provas, o debate acerca de qual desses dois pontos de vista é
correto se apóia em argum entos relativos às conseqüências - sociais e estéticas da adoção de um a o u d e outra.
Os críticos do determ inism o argum entam que a crença no livre-arbítrio é ne­
cessária à preservação d a dem ocracia e da m oralidade em nossa sociedade. Os
behavíoristas arg u m en tam que provavelmente o oposto é que é verdadeiro - um a
abordagem co m portam ental de problemas sociais pode aperfeiçoar a democracia e
favorecer o com portam ento ético. Quanto à estética, os críticos do livre-arbítrio
observam que ele é ilógico quando associado à noção de um Deus onipotente (como
geralm ente o é). Q u er u m ato seja atribuído a eventos naturais ou à vontade de
Deus, ainda assim ele n ão pode, pela lógica, ser atribuído ao livre-arbítrio do indi­
víduo. Os defensores do livre-arbítrio retrucam que, dado que os cientistas nunca
podem prever em d eta lh e as ações de um indivíduo, o livre-arbítrio perm anece
possível, ainda que seja um mistério. Os behavioristas respondem que é precisa­
m ente sua n a tu re z a m isteriosa que o torna inaceitável, porque levanta o mesmo
problem a que o u tras ciências tiveram de superar: como um a causa não-natural
pode levar a eventos natu rais? Os behavioristas dão a mesma resposta que as ou­
tras ciências deram : os eventos naturais provêm som ente de outros eventos natu ­
rais. Essa visão científica do com portam ento argum enta contra a aplicação d a idéia
de livre-arbítrio à ju stiç a e ao governo, contextos em que ela produz escassas con­
seqüências p a ra a sociedade, mas permanece neutra (e poderia explicar) a respeito
do uso da idéia no discurso cotidiano, na religião, na poesia e na literatura.
LEITURAS ADICIONAIS
Boakes, R. A. (1984). From Darwin to behaviorism: psychology' and the minds o f animals.
Cambridge: Cambridge University Press. Excelente avaliação histórica dos primórdios do
behaviorismo.
Dennett, D. C. (1984). Elbow room: the varieties of free will worth wanting. Cambridge (Mass.):
MIT Press. Inclui uma discussão completa do tópico do livre-arbítrio e um exemplo de uma
teoria eompatibilizadora.
32
William M. Boum
Sappington, A. A. (1990). Recent psychological approaches to the free will versus determi­
nism issue. Psychological Bulletin, 108, 19-29. Esse artigo contém um útil sumário das
várias posições.
Watson, J, B. (1913). Psychology as the behavioríst views it. Psychological Review, 20, 158177. Watson expõe suas idéias originais nesse artigo clássico.
Zuriff, G. E. (1985). Behaviorism: a conceptual reconstruction. Nova York; Columbia University
Press. Esse livro é um compêndio e um debate do pensamento de vários behavioristas, do
começo do século XX até cerca de 1970.
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPITULO 1
Análise comportamental
Flogisto
Antropomorfismo
Introspecção
Behaviorismo metodológico
Livre-arbítrio libertário
Behaviorismo radical
Psicologia comparativa
Calórico
Psicologia objetiva
Continuidade da espécie
Determinismo
Psyche
Tempo de reação
Diferença apenas perceptível
Vis viva
Dualismo
2
0 behaviorismo
como filosofia da ciência
A idéia de que pode haver uma ciência do comportamento é ilusivamente simpies. Ela leva a duas questões espinhosas. A primeira é: “O que é ciência?”, Essa
pergunta p o d e evocar um a resposta do tipo “Ciência é o estudo do universo natu­
ral”. A resposta, porém , d á origem a outras perguntas: O que torna algo “natural”?
O que está im plícito em “estudo”?. Se reformularmos a pergunta para: “O que
diferencia a ciência de outros em preendimentos humanos, como a poesia e a reli­
gião?”, u m a possível resposta seria a de que a ciência é objetiva. Mas o que é ser
“objetivo”?
A segunda questão é: “O que confere caráter científico ao estudo do compor­
tam ento?”. A resposta depende de como respondemos à primeira questão. Talvez o
com portam ento seja p arte do universo natural. Talvez haja algo de único na manei­
ra como falaríam os sobre o com portam ento, de um ponto de vista científico.
Este capítulo dará enfoque à primeira questão. O tem a principal do Capítulo 3
será a segunda questão, em bora a resposta completa à pergunta sobre o que signi­
fica estu d ar cientificam ente o com portam ento seja expandida no restante do livro.
As idéias dos behavioristas radicais sobre ciência diferem das idéias dos pri­
meiros behavioristas, assim como também diferem das posições de muitos pensa­
dores anteriores âo século XX, O behaviorismo radical se conforma à tradição filo­
sófica conhecida com o pragmatismo, enquanto os pontos de vista anteriores eram
derivados do realismo.
34
Wiiliom M. Baum
REALISMO VERSUS PRAGMATISMO
Realismo
E nquanto visão de m undo, o realismo é tão difundido na civilização ocidental que
m uitos o aceitam sem questionam entos. Ele representa a idéia de que as árvores, as
rochas, as construções, as estrelas e as pessoas que eu vejo estão lá realm ente - que
há um m undo real fora do sujeito que dá origem a nossas experiências. Se dou as
costas para um a árvore acredito que, ao m e virar, eu a verei novam ente. Parece
senso comum que a árvore é parte do m undo real fora de mim, enquanto m inha
experiência da árvore, m inhas percepções, m eus pensam entos e sentim entos estão
dentro de mim. Essa noção aparentem ente simples envolve duas pressuposições
que não são tão simples. Primeiro, esse m undo real parece estar de algum m odo lá
fo ra , em contraste com a nossa experiência, que parece estar de algum m odo aqui
dentro. Segundo, nossas experiências são experiências do m undo real; elas existem
à parte do mundo propriam ente dito. Como verem os adiante, ambas as suposições
podem ser questionadas, com resultados im portantes.
Como no caso do livre-arbítrio e do determ inism o, os filósofos escreveram
bastante sobre o realism o. Distinguiram diversas versões do realismo. A descrição
do parágrafo anterior não corresponde a nen h um a versão filosófica. Estaria próxi­
m a do ponto de vista que os filósofos cham am de realismo ingênuo, que sustenta
que a existência de um objeto subsiste separadam ente de nossá percepção dele.
Uma vez que isso é p arte da visão do com portam ento que herdam os ao crescer na
cultura ocidental, m uitas vezes cham ada d e psicologia popular, poderíam os cham ar
isso de realismo popular. A noção cotidiana de que a estabilidade de nossa experiência
do m undo (que a árvore ainda está lá quan d o eu me volto) deriva de sua realidade,
vam os nos referir sim plesm ente como “realism o”.
0 üii/Verso objetivo
A origem do pensam ento científico é atribuída a vários filósofos gregos que vive­
ram no século VI a.C. Um deles, Tales, propôs um a visão do universo que se dife­
renciava fundam entalm ente d a perspectiva babilónica am plam ente aceita em seu
tempo, segundo a qual o deus M arduk havia criado o universo e continuava a
governar todos os acontecimentos. Tales propôs que o Sol, a Lua e as estrelas moviamse m ecanicam ente através do céu d u ran te o dia, e à noite moviam-se ao. redor da
Terra, plana, retornando a suas posições no leste para se elevarem novam ente na
m anhã seguinte (Farrington, 1980). A despeito de quão distantes essas idéias pos­
sam parecer em relação às que tem os hoje, a versão de Tales sobre o universo foi
útil. Farrington (1980, p. 37) com enta que “É um começo admirável, cujo ponto
principal é organizar em um a descrição coerente diversos fatos observados, sem
introduzir o deus M arduk'”. Em outras palavras: Tales propôs que o universo é um
mecanismo compreensível.
Compreender o behaviorismo
35
No contexto do realism o, um mecanismo compreensível significa um meca­
nism o real, que existe “fora” do sujeito, e que vimos a conhecer à m edida que o
estudam os. Seu caráter com preensível significa que, à medida que o conhecemos
melhor, esse universo mecânico se faz m enos enigmático. Sua existência “fora” do
sujeito torna-o objetivo - isto é, independentem ente de como nossas concepções
sobre ele se alterem , o universo perm anece exatam ente como é.
Descoberta e verdade
O realism o supõe um a certa visão sobre a descoberta científica e a verdade. Se há
um universo objetivo que podem os conhecer, então é apropriado dizer que, quan­
do estudam os cientificam ente o universo, descobrimos coisas sobre ele. Se puder­
m os descobrir algo a respeito de como funciona o universo, então podemos dizer
que descobrim os a verdade a seu respeito. Dessa perspectiva, pouco a pouco, des­
coberta p o r descoberta, alcançam os toda a verdade sobre o modo como o universo
funciona.
Dados sensoríais e subjetividade
Para o realista, nossa aproxim ação da verdade é lenta e incerta porque não pode­
m os estu d ar o m undo objetivo diretam ente. Temos contato direto apenas com o
que nossos sentidos produzem . O filósofo George Berkeley (1685-1753) levou em
consideração essa condição indireta para lançar dúvidas sobre a presunção de que
o m undo está realm ente lá. Ele escreveu, em um ensaio intitulado Principies of
hum an knowledge:
E realmente uma opinião estranhamente predominante entre os homens que
casas, montanhas, rios e, em uma palavra, todos os objetos sensíveis têm uma
existência, natural ou real, distinta de sua percepção pelo entendimento (...)
ainda assim, qualquer um que decida questioná-la perceberá, se eu não estiver
enganado, que ela envolve uma contradição manifesta. Pois o que são os objetos
acima mencionados senão as coisas que percebemos pelos sentidos? E o que per­
cebemos além de nossas próprias idéias ou sensações? (Burtt, 1939, p. 524)
Em outras palavras, um a vez que; não temos contato direto com o mundo real,
m as apenas com nossas percepções dele, não tem os nenhum a razão lógica para
acreditar que o m undo realm ente exista.
Embora alguns filósofos posteriores a Berkeley tenham partilhado seu ceticis­
m o sobre o realism o, aceitando a idéia de que os objetos do mundo são apenas
inferências, os filósofos da ciência em geral tenderam a se alinhar com o realismo,
e trataram a questão colocada por Berkeley de m odo diferente. Bertrand Russell
(1 8 7 2 -1 9 7 0 ), por exem plo, escrevendo no início do século XX, substituiu as '‘idéias”
36
William M. Boum
e “sensações” de Berkeley pelo conceito de dados sensoriais. Sugeriu que o cientista,
estuda os dados sensoriais p a ra te n ta r conhecer o m undo real. Os dados sensoriais,
estando “den tro ” do sujeito, são subjetivos, mas constituem o meio de entender o
m undo real, “fora” do sujeito.
Explicação
Na abordagem realista, a explicação consiste na descoberta de como as coisas real­
m ente são. Uma vez conhecida a órbita da Terra em volta do Sol, teremos explica­
do p or cjue temos estações climáticas e por que a posição do Sol no céu m uda como
m uda. E como ter explicado o funcionam ento do m otor de um carro: o eixo vira
porque os pistões o em purram q u ando sobem e descem.
Para o realista, as explicações diferem de meras descrições, as quais apenas
detalham como nossos dados sensoriais se organizam. Descrições de m udanças na
posição do Sol existiam m uito antes que fosse am plam ente aceita a idéia de que a
Terra gira em torno do Sol em órbita elíptica. A descrição só nos conta a aparência
das coisas na superfície - quando se descobre a verdade escondida no m odo de
funcionam ento das coisas, então os eventos que percebem os estão explicados.
Pragmatismo
O realism o pode ser contrastado com o pragmatismo, concepção desenvolvida por
filósofos norte-am ericanos, particularm ente Charles Peirce (1839-1914) e W illiam
Jam es (1842-1910), d u ran te a segunda m etade do século XIX e início do século XX.
A noção fundam ental do pragm atism o é de que a força d a investigação científica
reside não tanto na descoberta da verdade sobre a m aneira como o universo obje­
tivo funciona, mas no que ela nos perm ite fazer (daí o nom e pragmatismo, da m es­
m a raiz de prático). Em particular, a grande realização d a ciência é que ela perm ite
d a r significado a nossa experiência; ela torna nossa experiência compreensível. Por
exemplo, perm ite com preender que a chuva cai, não p o r causa de algum deus
misterioso, mas devido ao vapor d ’ág u a e às condições climáticas da atm osfera. As
vezes a ciência nos perm ite até m esm o prever e controlar o que acontecerá, se
tiverm os os meios p ara tal. Ouvimos as notícias sobre as condições climáticas p o r­
que nos são úteis; tom am os antibióticos porque sabem os que eles com batem a
infecção.
Jam es (1974) apresentou o pragm atism o como um m étodo para resolver con­
trovérsias e como um a teoria da verdade. Ele assinalava que algumas questões nos
levam apenas a argum entos infindáveis, sem resultados satisfatórios:
O mundo é único ou múltiplo? - predestinado ou livre? - material ou espiritual?
- algumas dessas noções podem ou não se mostrar adequadas; e as discussões a
respeito são infindáveis. O método pragmático nesses casos é tentar interpretar
cada noção identificando as respectivas conseqüências práticas. Que diferença
Compreender o behoviorismo
37
prática faria a alguém se esta noção, e não aquela, fosse verdadeira? Se nenhuma
conseqüência prática pode ser identificada, então as alternativas significam do
ponto de vista prático a mesma coisa e toda a disputa é inútil. Sempre que uma
disputa for séria, devemos ser capazes de mostrar a diferença prática de um ou
outro lado estar certo (p. 42-43).
Em outras palavras, se a resposta a um a pergunta não promove um a m udança
no modo de p roceder da ciência, isso significa que a própria pergunta é equivocada
e não m erece atenção.
Jam es e Peirce consideravam que a questão sobre a existência fora do sujeito
de um m undo real, im utável e objetivo era um a dessas questões sobre as quais o
debate é inútil. Jam es escreveu que nossa concepção acerca de um objeto consiste
em seus efeitos práticos, e nada mais: “que sensações devemos esperar dele e que
reações devem os p rep arar” (1974, p. 43). O que im porta sobre um a bicicleta é que
eu a vejo, a cham o pelo nome, posso em prestá-la a um amigo, posso andar nela eu
mesmo. O pragm atism o perm anece agnóstico com relação à existência de uma
bicicleta real p o r trás desses efeitos.
Com esse tip o de postura em relação às questões, o pragmatismo traz implíci­
ta um a atitude especial com respeito à verdade das respostas. Como teoria da
verdade, o p ragm atism o equipara aproxim adam ente verdade com poder explicativo.
Se a pergunta sobre a existência de um universo real fora do sujeito é fútil, então
tam bém é fútil p e rg u n tar sobre a existência de uma verdade final, absoluta. Em vez
de pensar as idéias como simplesmente falsas ou verdadeiras, Jam es propunha que
as idéias possam ser mais e menos verdadeiras. Uma idéia é mais verdadeira do que
outra se nos perm ite explicar e com preender mais de nossa experiência. James
coloca a questão deste modo: “qualquer idéia que nos permita navegar, por assim
dizer; qualquer id éia que nos transporte com vantagem de qualquer parte de nossa
experiência a qualq u er outra, ligando as coisas satisfatoriamente, operando com
segurança, sim plificando, econom izando trabalho; é verdadeira só por isso, é ver­
dadeira nessa m edida, é instrumentalmente verdadeira” (1974, p. 49). A idéia de
que o Sol e as estrelas se movem em volta da Terra explicava apenas por que se
movem no céu; portanto, é m enos verdadeira do que a idéia de que a Terra descre­
ve um a órbita e m torno do S o f ao girar sobre seu próprio eixo, que tam bém explica
por que tem os as estações climáticas. De acordo com o pragmatismo, porém, ja­
mais saberem os se a Terra realmente gira em volta do Sol; é concebível que uma
outra teoria, m ais verdadeira, possa surgir.
Em defesa d e seu ponto de vista, Jam es assinalou que, na prática, todas as
teorias científicas são aproximações. R aram ente, se é que jamais, um a teoria expli­
ca todos os fatos da experiência. Em vez disso, freqüentemente um a teoria dá con­
ta de um conjunto de fenômenos, enquanto outra teoria lida m elhor com outro
conjunto. Jam es escreveu:
e tantas formulações rivais são propostas em todos os ramos da ciência que os
investigadores se acostumaram à noção de que nenhuma teoria é uma transcrição
absoluta da realidade, mas que qualquer uma delas pode ser útil de algum ponto
de vista. Sua grande utilidade é sumariar fatos antigos e levar a novos fatos. Elas
38
Williom M. Boum
são apenas uma linguagem construída pelo homem, uma taquigrafia conceituai
(...) nas quais escrevemos nossos relatos da natureza (1974, p. 48-49).
A contrapartida m odera a de Jam es é Tomas Kuhn (1922-1996), que escreveu
o livro The structure o f scientific revolutions (1970). Nessa obra, ele sustentou que a
ciência não pode ser caracterizada como um progresso infinito em direção a um a
verdade últim a. O aparente progresso do pensam ento científico, de acordo com
Kuhn, é em geral ilusório. Na maior p arte do tem po, durante os períodos de “ciên­
cia norm al”, alguns enigm as são resolvidos p o r pesquisa e investigação, enquanto
novos enigmas vão surgindo. Quando m uitos enigm as perm anecem sem solução,
um a visão totalm ente diferente do cam po de um a ciência pode começar a ganhar
aceitação e eventualm ente sobrepor-se à visão até então prevalente. Ocorre, então,
um a revolução no pensam ento, e a nova perspectiva (o novo paradigma) norm al­
m ente explica mais do que a antiga. E ntretanto, ela não explica tudo que o antigo
paradigm a explicava e tam bém apresenta seus próprios enigmas. Essa concepção
de ciência poderia ser interpretada, não com o um a m archa em direção à verdade
últim a, mas como u m a pista de dança repleta, na qual cada dançarino experim enta
diferentes passos e poses, e na qual de vez em quando a banda começa a tocar um a
m elodia totalm ente diferente. Sem exagerar, Kuhn ressaltou que a ciência realm en­
te progride, no sentido de que um paradigm a substitui outro em parte porque
explica mais fenômenos. As danças e m elodias se tornam mais sofisticadas.
Ciência e experiência
O pragm atism o influenciou o behaviorism o m oderno de modo indireto, como re ­
sultado da am izade entre Wüliam Jam es e o físico Ernst Mach (1838-1916). A
influência de Jam es aparece no livro de Mach, The science o f mechanics (1960),
um a análise histórica que aplicava o pragm atism o àquele ram o da física. Uma vez
que esse livro influenciou fortem ente Skinner, e que este influenciou grandem ente
o behaviorismo m oderno, de modo indireto o behaviorismo m oderno tem um grande
débito para com Jam es.
Seguindo Jam es, Mach argum entava que a ciência tem a ver com a experiên­
cia, particularm ente com o esforço p a ra conferir sentido à experiência. Achava que
a ciência havia se originado da necessidade que têm as pessoas de se com unicar
eficiente e economicamente um as com as outras. Esse tipo de comunicação é essen­
cial para a cultura h u m an a porque perm ite um a com preensão do. m undo que pode
ser facilmente passada de um a geração à outra, O princípio de econom ia requer a
invenção de conceitos que organizem nossas experiências em tipos ou categorias,
perm itindo-nos usar um term o em vez de m uitas palavras. Mach com parava a ciên­
cia ao corpo de conhecim entos dos artesãos, por ele caracterizados como um a clas­
se social que pratica um dado ofício:
Uma classe dessa ordem se ocupa com tipos particulares dc processos naturais.
Os indivíduos que compõem a classe mudam. Antigos membros saem, enquanto
novos membros ingressam. Surge dai a necessidade de partilhar com os mem­
Compreender o behaviorismo
39
bros recentes o conjunto de experiências e conhecimentos já adquiridos; a neces­
sidade de familiarizá-los com as condições para atingir um objetivo definido, de
modo que o resultado possa ser determinado de antemão (Mach, 1960, p. 5).
Um aprendiz de oleiro, por exemplo, aprende a m oldar a argila, a queimá-ia;
aprende como são os diferentes tipos de argila, esmaltes, estufas, e assim por dian­
te. Sem esse tipo de instrução, o aprendiz não poderia ter certeza sobre os procedi­
m entos que devem ser seguidos para que o produto final seja de boa qualidade.
Sem os conceitos que perm item essa instrução, cada nova geração de oleiros teria
de experim entar e descobrir as técnicas a partir do zero. Isso não apenas seria
ineficiente, como tam bém im pediria a acumulação de conhecimento ao longo das
gerações. Im agine como seria a construção de um a casa nos dias de hoje se os
carpinteiros não pudessem se beneficiar das experiências dos carpinteiros de cem
anos atrás!
Economia conceituai
À ciência é como outras atividades especializadas. Se estou lhe ensinando a dirigir
um carro, seria bobagem colocá-lo atrás do volante e dizer, “Pronto, vá em frente e
experim ente”. Em vez disso, eu lhe explicarei conceitos como dar partida, dirigir,
frear, acelerar, m u d ar d e m archa, e assim por diante. Você então saberá o que fazer
se eu disser: “Q uando estiver entrando em uma curva, diminua a aceleração, e
quando a direção ficar leve pode acelerar novam ente”. Você poderia descobrir es­
sas regras sozinho, através de sua própria experiência, mas é muito mais fácil se
você for instruído. Assim como os conceitos de aceleração e mudança de m archa
nos perm item passar adiante um a compreensão de como dirigir, os conceitos cien­
tíficos nos perm item passar adiante um entendim ento de experiências com outros
aspectos do m undo natural. Como Mach escreveu:
Descobrir, então, o que permanece inalterado nos fenômenos da natureza, desco­
brir a partir daí os elementos e seu modo de interação e interdependência - essa
é a tarefa da ciência física. Através de uma descrição abrangente e completa, ela
luta por tomar desnecessária a espera de novas experiências; procura nos poupar
o esforço da experimentação, usando, por exemplo, a conhecida interdependência
de fenômenos, segundo a qual, se um tipo de evento ocorrer, podemos antecipa­
damente ter certeza de que outro determinado evento ocorrerá (1960, p. 7-8).
Em outras palavras, a ciência cria conceitos que permitem a uma pessoa dizer
a outra o que se relaciona com o que no mundo, e o que esperar se determ inado
evento acontecer - conceitos que permitem a previsão com base na experiência
passada com esses eventos. Quando os cientistas criam termos como oxigênio, saté­
lite e gene, cada palavra contém um a história completa de expectativas e previsões.
Esses conceitos nos perm item falar economicamente dessas expectativas e previ­
sões, sem necessidade de repetidam ente darmos longas explicações.
40
Williom M. Baum
Como exemplo do modo como a ciência inventa term os econômicos e sin téti-.
cos, Mach reconstituiu o desenvolvim ento do conceito de “ar”. Começou no tempo
de Galileu (1564-1642):
No tempo de Galileu, os filósofos explicavam o fenômeno de sucção, a ação de
seringas e bombas, através do chamado horror vacui - a aversão da natureza ao
vácuo. Pensava-se que a natureza possuía o poder de impedir a formação do
vácuo, agarrando a primeira coisa mais próxima, qualquer que fosse, e imediata­
mente preenchendo com ela qualquer espaço vazio que surgisse. À parte o ele­
mento especulativo infundado que essa visão contém, deve-se reconhecer que
até cerro ponto ela realmente representa o fenômeno (1960, p. 136).
Se você já colocou um copo sobre a boca e aspirou todo o ar, de modo que ele
ficasse colado em seu rosto, você sentiu o vácuo “puxando” sua bochecha para
dentro do copo. Atualmente, isso seria descrito como ação da pressão do ar. Um
passo crucial nessa m udança de perspectiva foi a observação de que o ar tinha
peso:
Galileu se empenhou (...) em determinar o peso do ar, primeiro pesando uma
garrafa de vidro que continha apenas ar, depois pesando novamente a garrafa
após o ar ter sido parcialmente expelido pelo calor. Soube-se, então, que o ar era
pesado. Mas para a maioria dos homens o horror vacui e o peso do ar eram
noções conectadas de modo muito remoto (1960, p. 137).
Foi Torricelli (1608-1647) quem prim eiro viu a conexão entre sucção e peso
do ar. Ele observou que um tubo fechado em um a das extrem idades, preenchido
com m ercúrio, e vertido com a extrem idade aberta em um a tigela cheia de m ercú­
rio, conteria vácuo no topo e um a coluna de m ercúrio de certa altura abaixo dele.
Mach com entou a respeito:
E possível que no caso de Torricelli as duas idéias tenham se aproximado sufici­
entemente para levá-lo à convicção de que todos os fenômenos atribuídos ao
horror vacui eram explicáveis de modo simples e lógico pela pressão exercida
pelo peso de uma coluna fluida - uma coluna de ar. Torricelli descobriu, então, a
pressão atmosférica; foi ele também o primeiro a observar através de sua coluna
de mercúrio as variações da pressão atmosférica (1960, p, 137).
A invenção da bom ba de vácuo possibilitou m uitas observações posteriores
sobre o que acontece quando o ar é retirad o de um recipiente. M uitas dessas obser­
vações foram feitas por Guericke (1602-1686), que possuía um a das primeiras bom ­
bas de vácuo eficientes. M ach com entou:
Os fenômenos que Guericke observou com esse aparelho são vários e diver­
sificados. O barulho que a água faz no vácuo ao se chocar com as paredes do
recipiente de vidro, a precipitação violenta do ar e da água em recipientes esva­
ziados de ar e subitamente abertos, a saída, através da exaustão, de gases ah-
Compreender o behaviorismo
41
sorvidos em líquidos (...) foram imediatamente observados. Uma vela acesa se
extingue durante a exaustão porque, como conjeturou Guericke, ela se alimen­
ta do ar (...). Um sino não soa no vácuo; as aves nele morrem; muitos peixes
incham e finalmente estouram. Uma uva se mantém fresca no vácuo por mais
de meio ano (1960, p. 145),
De acordo com Mach, o conceito de ar possibilitou que todas essas observa­
ções (isto é, experiências) fossem vistas com o interligadas, em vez de serem tom a­
das como discretas e desorganizadas. A palavra ar permite que se fale delas como
relacionadas um as às outras, de modo fácil e com poucas palavras. 0 conceito
propicia econom ia a nossa discussão.
Explicação e descrição
Em algum as das transcrições acima, Mach sugere que o objetivo da ciência é a
descrição. Para o realism o, observamos que o objetivo da ciência não é um a “m era”
descrição, m as sim um a explicação baseada na descoberta da realidade que existe
além de nossa experiência. Desse ponto de vista, a descrição apenas resume apa­
rências, enquanto a explicação fala do que é realm ente verdadeiro. Para pragmatistas
como Jam es e M ach, porém , não existe essa distinção porque, falando em termos
práticos, tudo que a ciência tem como suporte são aparências - isto é, observações
ou experiências. Para o pragmatismo, explicação e descrição são um a única e mes­
m a coisa.
O que im porta para o pragm atista é que, ao descrevermos nossas observa­
ções, usem os term os que relacionem um fenôm eno a outro. Quando conseguimos
ver relações, ver com o u m a observação se relaciona com outras, então nossas expe­
riências aparecem como ordenadas e compreensíveis, em vez de caóticas e misterio­
sas. Mach argum entava que o trabalho d a ciência começa quando alguns eventos
parecem fora do com um , quando parecem enigmáticos. Portanto, a ciência procura
aspectos com uns nos fenôm enos naturais, busca elementos constantes a despeito
de to d a variação aparente. Você se pergunta o que significa uma estátua do Mickey
Mouse na m esa de seu chefe até ficar sabendo que se trata de um telefone. Quando
criança, eu estava acostum ado com a idéia de que as coisas caem quando você as
solta porque têm peso, por isso fiquei surpreso ao soltar um balão de hélio e vê-lo
voar no espaço. Mais tarde, vim a aprender os conceitos de densidade e flutuação
(elem entos com uns) e entendi que um balão de hélio flutua no ar do mesmo modo
que um barco flu tu a na água.
M ach afirm ou que esse processo de descrever um fenôm eno em termos co­
muns, fam iliares, é exatam ente o que se quer dizer com a palavra explicação:
Quando atingimos o ponto em que somos capazes de detectar em todo lugar os
mesmos poucos e simples elementos, combinados de maneira ordinária, eles en­
tão nos parecem familiares; não mais nos surpreendemos, não há nada novo ou
estranho para nós nos fenômenos, sentimo-nos à vontade com eles, eles não mais
nos deixam perplexos, eles estão explicados (1960, p. 7).
42
William M. Baum
A explicação científica consiste apenas na descrição de eventos em term o s,
fam iliares. Ela não tem nada a ver com a revelação de um a realidade escondida
além de nossa experiência.
Talvez você se surpreenda com o tom subjetivo de Mach: os eventos estão
explicados quando “nos sentim os à vontade” com eles, O pensam ento de Mach,
en tretan to , é de que um evento se m ostra familiar (é explicado) quando é descrito
em term os familiares. Embora um pragm atista visse u m term o familiar simples­
m en te como um termo bem -aprendido, ou tra pessoa p oderia supor que a familiari­
dad e depende de sentimentos. No realism o, o que to rn a um evento "familiar” não
é n ad a sobre o próprio evento - n ad a objetivo, mas algo sobre nossa experiência
com esse evento ou eventos similares - algo subjetivo. Q uando um balão de hélio
sobe, esse evento parecerá misterioso ou familiar aos olhos do realista, dependen­
do n ão de algo sobre o evento objetivo, mas de sua apreciação subjetiva do evento.
No pragm atismo, entretanto, se tivesse de haver u m a distinção entre subjeti­
vidade e objetividade, ela seria to talm ente diferente daquela do realismo. Seria
correto dizer que o conflito entre subjetividade e objetividade se resolve para o
pragm atism o em favor da subjetividade. Uma vez que a existência de um m undo
real, objetivo, não é necessária, a objetividade, se é que tem algum significado,
p o d e ria ser, no m áxim o, u m a q u a lid a d e da in v e stig a ç ã o científica. Para o
pragm atism o, seria coerente sim plesm ente abandonar os dois termos de um a vez.
Pode parecer peculiar que, em alguns dos trechos citados, Mach use a palavra
descoberta ao falar das atividades dos cientistas. Uma descoberta parece supor a
idéia de ir além das aparências, em direção à existência real das coisas, um a idéia
que seria coerente com o realism o. Para Mach, “descobrir” os elem entos comuns
nos fenôm enos é a mesma coisa que inventar conceitos. Cada elem ento comum
corresponde a um a categoria ou tipo, e seu rótulo é o conceito ou term o. Considere
o tipo de evento que cham am os de “flutuação” - barcos flutuam na água e balões
d e hélio flutuam no ar. O com portam ento do balão de hélio torna-se compreensível
depois que inventamos (ou descobrim os) o conceito de flutuação. Do mesmo modo
que a distinção entre subjetividade e objetividade, a distinção entre descoberta e
invenção desaparece para o pragm atism o. C om entando o conceito de ar, M ach
escreveu, “O que poderia ser realm ente mais m aravilhoso do que a súbita desco­
b e rta de que algo que não vem os, dificilmente sentim os e quase não notam os,
constantem ente nos envolve por todos os lados e p e n e tra todas as coisas; que ele é
a condição mais im portante d a vida, d a com bustão e de fenômenos mecânicos
gigantescos?” (p. 135). E ntretanto, M ach poderia sim plesm ente ter afirm ado que o
ar, o conceito, foi um a invenção m aravilhosa.
Da mesma m aneira Lavoisier, que “descobriu” o oxigênio, descobriu um novo
m odo de falar da combustão. Poderíam os sim plesm ente dizer que ele inventou um
novo term o, oxigênio. (O leitor interessado deve recorrer ao livro de Kuhn, The
structure o f scientific revolutions (1970), para um a discussão mais recente sobre a
identidade entre descoberta e invenção.)
Adiante neste livro (particularm ente nos C apítulos 6 e 7), voltarem os a discu­
tir a questão dos termos científicos, pois, de uma ótica behaviorista, nenhum a das
palavras - invenção ou descoberta - descreve a ciência tão bem quanto a idéia de
que o discurso científico é, afinal, com portam ento. Veremos que o cientista é al-
Compreender o behaviorismo
43
guém que se em p en h a em certos tipos de com portam ento, inclusive certos tipos de
com portam ento verbal. Por ora, no entanto, continuam os com a discussão em nível
mais geral.
BEHAVÍORISMO RADICAL E PRAGMATISMO
O behaviorism o contem porâneo, radical, baseia-se no pragmatismo. A resposta que
ele d á à p erg u n ta “O que é ciência?” é a resposta de James e Mach: ciência é a
busca de descrições econômicas e abrangentes da experiência natural hum ana (isto
é, nossa experiência do “m undo natural”). O objetivo de um a ciência do com porta­
m ento é descrevê-lo em term os que o tornem familiar e, portanto, “explicado”.
Seus m étodos buscam am pliar nossa experiência natural do com portam ento atra­
vés d a observação precisa.
Os behavioristas radicais preferem o pragmatismo ao realismo porque o se­
gundo leva a u m a visão dualista das pessoas, que é incompatível com uma ciência
do com portam ento. Se você afirma que o m undo exterior é real, isso levanta a
questão “Se estou separado do m undo real, então onde eu estou?”. A resposta, de
acordo com a psicologia popular, é que você abriga um mundo interior, privado,
em que você experim enta sensações, pensam entos e sentimentos. Somente seu
corpo externo pertence ao m undo exterior. Como vimos no Capítulo 1, tal dualismo
é inaceitável p o rq u e introduz mistérios do tipo “Como o eu interior ou a m ente
influencia o com portam ento do corpo?”. Uma resposta a essa questão nunca será
obtida porq u e o eu interior é separado do mundo natural, e não há m aneira de
entenderm os com o coisas não-naturais podem afetar eventos naturais. Discutire­
mos mais esse p o n to no Capítulo 3. Por ora, note-se que se aceitamos o dualismo
interior-exterior, um a ciência que lidasse somente com o comportamento exterior
pareceria incom pleta; com efeito, os behavioristas costumam ser acusados de igno­
rar o m undo in terio r de pensam entos e sentimentos. O behaviorismo radical, en­
tretanto, rejeita o dualism o entre mundo interior e exterior. Em vez disso, conside­
ra que a análise do com portam ento lida com um só mundo e o com portam ento a
ser encontrado nesse mesmo mundo único.
O behaviorism o antigo, metodológico, baseava-se no realismo. Como realis­
tas, os behavioristas metodológicos distinguiam mundo objetivo de mundo subjeti­
vo. Como lhes p arecia que a ciência lidava apenas com o m undo objetivo, conside­
ravam que a ciência era constituída de métodos para o estudo do mundo “fora” do
sujeito. U m a vez que o realism o supõe que o. mesmo mundo objetivo está lá fora,
acessível a todos, enquanto o m undo subjetivo de cada um é diferente e inacessível
ao outro, os behavioristas metodológicos consideravam que o único caminho para
um a ciência do com portam ento seria através de métodos objetivos, métodos que
coletassem d ados sensoriais sobre o mundo fora do sujeito, o mundo que todos
co m p a rtilh a m e sobre o qu al poderiam potencialm ente concordar. O nome
behaviorismo metodológico deriva dessa ênfase nos métodos.
A inda que possam se surpreender ao ler isto, a maioria dos psicólogos experi­
m entais p arece ser de behavioristas m etodológicos. Afirmam estudar algo no inte-
44
.William M. Baum
rior - m ente, memória, atitudes, personalidade, e assim por diante - através de
inferências sobre o m undo interior a partir do com portam ento exterior, tal como o
desem penho em tarefas de estim ativas, quebra-cabeças, testes com caneta e papel
ou questionários. Já que os psicólogos experim entais não têm m étodos para estu­
d a r o m undo interior, entretanto, estudam o com portam ento exterior com m étodos
objetivos. A única diferença entre essa abordagem e o behaviorism o metodológico
é q u e os psicólogos fazem in ferên cias sobre o m u n d o in terio r en q u an to os
behavioristas não. Behavioristas pioneiros, como Jo h n B. Watson, rejeitavam tais
inferências porque as consideravam não-científicas. Por isso, é verdadeira a afirm a­
ção de que o antigo behaviorism o era a “psicologia do outro”, que ele se propunha
a estudar somente o com portam ento público das pessoas, aquele que pudesse ser
observado por outras pessoas, e que ignorava a consciência.
O behaviorismo radical, por outro lado, não faz tais distinções entre os m un­
dos subjetivo e objetivo. Em vez de se concentrar nos m étodos, ele se concentra em
conceitos e termos. Assim como a física avançou com a invenção do term o “ar”,
um a ciência do com portam ento avança com a invenção de seus termos. Históricam ente, a análise com portam ental utilizou conceitos como resposta, estímulo e re­
forço . O uso desses conceitos m udou à m edida que a ciência progrediu. No futuro,
seu uso pode continuar a mudar, ou eles podem ser substituídos por outros termos,
m ais úteis. Nos capítulos que se seguirão, vam os to m ar m uitos termos, velhos e
novos, e avaliá-los conform e sua utilidade. Vamos perguntar um a e outra vez que
term os servem para descrições econômicas e compreensíveis.
Outra razão para o behaviorism o radical rejeitar o realism o é que este leva a
definições confusas do com portam ento. Em term os do estudo do com portam ento,
o realism o defenderia que há um com portam ento real, que ocorre no m undo real,
e que nossos sentidos, sejam eles auxiliados por instrum entos ou usados na obser­
vação direta, nos fornecem apenas dados sensoriais sobre aquele com portam ento
real, que nunca conhecem os diretam ente. Por exem plo, se afirm arm os que um
hom em está movendo seus pés na m a rapidam ente, um após o outro, alguém po­
deria argum entar que isso não consegue captar o sentido da descrição, que o ho­
mem está correndo na rua. E ntretanto, outra pessoa poderia objetar que isso ainda
é insuficiente, pois o hom em pode estar fazendo exercícios, fugindo da polícia, ou
disputando um a corrida. M esmo se determ inarm os que o hom em está disputando
um a corrida, ainda seria possível descrevê-lo como um a pessoa que está treinando
para as Olimpíadas ou correndo p ara im pressionar sua família e seus amigos.
Para o realista (behaviorista m etodológico), a m elhor m aneira de lidar com as
diversas descrições possíveis é ater-se à prim eira, descrever a corrida na rua em
term os mecânicos tanto quanto possível, talvez até especificando os grupos de
músculos envolvidos, pois aqueles m ovim entos m ecânicos supostam ente nos apro­
xim ariam o máximo possível do com portam ento real. As razões do hom em para
em penhar-se nesse com portam ento seriam tratad as separadam ente.
No entanto, definir o com portam ento com o um a com posição de m ovim entos
dos membros e dos m úsculos cria uma am bigüidade perturbadora. Os m esm os
m ovim entos dos mem bros e dos m úsculos podem ocorrer em muitas atividades
diferentes. No exem plo anterior, os m o v im e n to s do corredor podiam ser parte de
um exercício ou de fugir da polícia. Dado que os m ovim entos são os m esm os, o
Compreender o behaviorismo
45
realista tem de dizer que é o mesmo com portamento, mas por nenhum a definição
razoável exercitar-se e fugir da polícia podem ser o mesmo com portamento.
O prag m atista (behaviorista radical), não tendo nenhum compromisso com a
idéia de com portam ento real, pergunta apenas qual das m aneiras de descrever o
com portam ento do hom em é mais útil ou, nos termos de Mach, mais econômica isto é, q u al delas nos d á a m elhor compreensão ou descrição mais coerente. É por
isso que o behaviorism o radical tende a favorecer os tipos de descrição que incluem
as razões do hom em para correr, como exercitar-se e fugir da polícia. Uma descrição
útil poderia ser “O hom em está disputando um a corrida na rua como parte de seu
treino para ir às O lim píadas”. Com efeito, poderíamos refinar a descrição ainda
mais, incorporando as razoes por trás da tentativa de participar das Olimpíadas e
outros fatores, igualm ente. Como veremos nos Capítulos 4 e 5, definições coeren­
tes de atividades devem incluir a função a que servem; as razões para desem penhar
certo com portam ento são parte do próprio comportamento.
Como o behaviorism o radical responde à pergunta “O que é comportamen­
to?”. A resposta é pragm ática. Os term os que usamos para falar de comportamento
não apenas nos perm item compreendé-lo, mas também o defmem. Comportamen­
to inclui todos os eventos sobre os quais podemos falar com nossos termos inventados.
O behaviorism o radical investiga as melhores maneiras de falar sobre o com porta­
m ento, as m ais úteis. Se, por exemplo, é útil dizer que um a pessoa está disputando
um a corrida a fim de se classificar para as Olimpíadas, então disputar uma corrida
para se classificar p a ra as Olimpíadas constitui um evento comportamental. No
Capítulo 4, quando considerarm os alguns conceitos atualm ente empregados pelos
analistas com portam entais, estarem os tam bém em condições de definir o compor­
tam ento de m aneira mais específica.
A ênfase pragm ática sobre a fala, os termos e as descrições - em oposição à
ênfase sobre m étodos de observação - leva a um dos contrastes notáveis entre
behaviorism o m etodológico e behaviorismo radical Para o behaviorista radical, os
fenôm enos conscientes, estando entre as coisas das quais podemos falar, incluemse no estudo do com portam ento. No Capítulo 3, discutiremos como isso é feito.
RESUMO
A idéia de que pode haver um a ciência do comportamento levanta duas questões:
(1) o que é ciência? E, mais especificamente, (2) que visão de ciência se aplica ao
com portam ento? Os behavioristas radicais vêem a ciência no contexto da, tradição
filosófica d o pragm atism o. O pragm atism o contrasta com o realismo, concepção
adotada p o r m uitos cientistas anteriores ao século XX e por behavioristas do come­
ço daquele século. O realism o sustenta que há um mundo real fora de nós e que
esse m undo real externo dá origem a experiências internas em cada um de nós, O
rnundo externo é considerado objetivo, enquanto o m undo da experiência interna
e considerado subjetivo. No realismo, a ciência consiste na descoberta da verdade
sobre o universo objetivo. Porém, como não temos conhecimento direto do mundo
externo, m as apenas de nossa experiência interna, que nos é dada pelos sentidos,
46
William M. Baum
filósofos como Bertrand RusselI argum entaram que a ciência deve proceder racio­
cinando a partir de dados sensoriais sobre o que deve ser o universo objetivo. Nos­
sas experiências do m undo real são explicadas quando nosso raciocínio nos leva à
verdade últim a sobre ele. O pragm atism o, ao contrário, não faz nenhum a suposi­
ção sobre um m undo real externo, indiretam ente conhecido. Ao invés, concentrase na tarefa de com preender nossas experiências. Perguntas e respostas que nos
ajudam a entender o que acontece a nossa volta são úteis. Perguntas que não fazem
diferença para nossa com preensão, como a pergunta sobre a existência de um u n i­
verso real fora de nós, não m erecem atenção. Não h á verdade última absoluta; em
vez disso, a verdade de um conceito reside em sua capacidade de articular parcelas
de nossa experiência, organizá-las ou com preendê-las. Para pragm atistas com o
William Jam es e Ernst Mach, esse processo de unificar várias partes de nossa expe­
riência é o que constitui a explicação. Na visão de Mach, falar de m aneira eficaz
sobre nossas experiências - isto é, a comunicação - é exatam ente o m esm o que
explicar. Ele sustentava que, desde que possamos falar sobre um evento em term os
fam iliares, ele estará explicado. Na m edida em que falar sobre eventos em term os
fam iliares é cham ado de descrição, explicação e descrição são a m esm a coisa. A
ciência descobre apenas conceitos que tom am nossa experiência mais compreensível.
Enquanto o behaviorism o radical se baseia no pragmatismo, o behaviorism o
m etodológico se baseava no realism o. O behaviorismo radical rejeita o dualism o de
m undos interno e externo, considera-o inimigo de um a ciência do com portam ento
e, no lugar, propõe um a ciência baseada no com portam ento em um m undo único.
Para o realista, o com portam ento real ocorre no m undo real, e esse com portam en­
to real é acessível apenas indiretam ente, através dos sentidos. C onseqüentem ente,
o behaviorista m etodológico ten ta descrever os eventos com portam entais em te r­
m os tão mecânicos q u a n to possível, o m ais próxim o possível da fisiologia, O
behaviorista radical, em vez disso, busca term os descritivos que sejam úteis p a ra a
compreensão do com portam ento e econômicos para sua discussão. Descrições p rag ­
m áticas do com portam ento incluem seus fins e o contexto no qual ocorre. Para o
behaviorista radical, term os descritivos tanto explicam quanto definem o que é
com portam ento.
LEITURAS ADICIONAIS
Berkeley, G, Principies o f hum an knowledge, In: E. A. Burtt (ed.) (1939). The English
phüosophers from Bacon to Mül. Nova York; Random House, p. 509-579. Publicado original­
mente em 2710. Esse ensaio clássico inclui a crítica de Berkeley ao realismo.*
Day, W. (1980). “The histórica! antecede nts of contemporary behaviorism”. In: R. W Rieber e
K. Salzinger (eds.). Psychology: theoretical-historical perspectives. Nova York: Academic Press,
p. 203-262. Nesse artigo, Day discute a relação entre pragmatismo e behaviorismo radical.
Farrington, B. (1980). Greek Science. Nottingham: RusselI Press. Excelente livro sobre o iní­
cio da ciência grega.
*N. de T. Título traduzido em português (ver “Apêndice”)-
Compreender o behaviorismo
47
James, W. (1974). Pragmatism and four essays from The meaning of truth, Nova York: New
American Library. Publicado originalmente em 1907 e 1909. Nesse livro podem ser encon­
tradas as idéias de James sobre o pragmatismo.
Kuhn, T. S. (1970). The structure of scientific revolutions, Chicago: University of Chicago
Press, 2. ed. A extensão do pensamento pragmatista elaborada por Kuhn é resumida nesse
livro.*
Mach, E. (1960). The science of mechanics: a critical and historical account of its development.
La Salle (Illinois): Open Court Publishing. Publicado originalmente em 1933. Aplicação do
pragmatismo à ciência física por Mach.
Russell, B. (1965). On the philosophy o f science. Nova York: Bobbs-Merrill. A visão de Russell
sobre ciência pode ser encontrada nessa coleção de ensaios.
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPÍTULO 2
Dados sensoriais
Realismo
Economia conceituai
Horror vacui
Pragmatismo
Realismo ingênuo
Realismo popular
Teoria dos dados sensoriais
Psicologia popular
N. de T. Título traduzido em português (ver “Apêndice").
Público, privado,
natural e fictício
V imos no Capítulo 2 que o behaviorismo radical não faz distinção entre fenômenos subjetivos e objetivos no sentido tradicional. Neste capítulo, veremos que, mes­
mo atribuindo pouca im portância à distinção entre eventos públicos e privados,
que grosseiram ente correspondem aos m undos objetivo e subjetivo, o behaviorismo
radical efetivam ente estabelece outras distinções. A mais importante é a distinção
entre eventos natu rais e fictícios.
MENTÂUSMO
O termo mentalismo foi adotado por B. F. Skinner para se referir a um tipo de
“explicação” que n a v erd ad e não explica nada. Suponha que você pergunte a um
amigo por que ele com prou um par de sapatos e a resposta seja “Comprei porque
quis”, ou “Comprei p o r im pulso”. Embora essas afirmações soem como explicações,
você na verdade n ão avançou nada em relação à sua pergunta. Essas “não explica­
ções” são exemplos de m entalism o.
Ao definir u m a ciência do com portam ento, os behavioristas radicais se con­
centram na d istin ção e n tre explicações válidas e explicações falsas. Para os
pragm atistas Jam es e M ach (ver Capítulo 2), um a explicação válida era lima des­
crição em term os com preensíveis, No mesmo sentido, o behaviorismo radical bus­
ca um conjunto de term os que tom em compreensível um evento, como comprar
um par de sapatos. Ao desenvolver esse conjunto de termos, será igualm ente útil
considerar por que term o s como quis e impulso são insuficientes.
50
William M. Baum
Eventos públicos e privados
Eventos públicos são eventos que podem ser relatados por mais de um a pessoa. Um
tem poral é um evento público, pois eu e você podem os falar dele. E claro que
m uitos eventos públicos não são relatados. Podemos am bos ouvir o canto de um
pássaro, mas não é necessário que falemos disso. M esmo que eu ouça o pássaro
quando estou sozinho, isso ainda é um evento público, pois poderíamos conversar
a respeito se você estivesse por perto.
Em circunstâncias comuns, pensam entos, sentim entos e sensações são even­
tos privados, porque só um a pessoa pode relatá-los, mesmo que outras estejam
presentes. Raquel não pode dizer o que Paula está pensando neste m om ento por­
que os pensam entos de Paula são eventos privados. Apenas Paula pode relatar seus
pensam entos.
Há dois pontos im portantes com relação à distinção público-privado. Prim ei­
ro, para o behaviorista radical, a distinção tem pouco significado. A única diferença
entre eventos públicos e privados é o núm ero dê pessoas que podem relatá-los.
Fora isso, são eventos do mesmo tipo, e possuem as m esm as propriedades. Skinner
(1969) expressou essa idéia ao afirmar: “A pele n ão é tão im portante como frontei­
ra ”. De fato, se o registro do cérebro pudesse revelar o que alguém p ensa, o pensa­
m ento se deslocaria de um evento privado para um evento público, sendo a única
m udança que então ele poderia ser observado por mais de um a pessoa. Assim, o
tipo de privacidade aqui envolvida é a privacidade de que você usufrui quando está
só. Se eu espirrar quando estiver sozinho, o evento é privado som ente porque nin­
guém mais o observa. Ainda que não tenham os hoje tecnologia para ler os pensa­
m entos de um a pessoa, a possibilidade deve existir de que algum dia, com os ins­
trum entos corretos, os pensam entos poderão ser observados por mais de um a pes­
soa. Atribuir um a im portância adicional à distinção público-privado equivale a
reinstalar a distinção objetivo-subjetivo sob um a form a diferente.
Segundo, eventos públicos e privados são am bos eventos naturais. Se eu pen­
so, Está um dia lindo, isso é um evento natural. Se eu digo, Está um dia lindo, isso é
um evento natural. Se vou à praia, isso tam bém é um evento natural. São todos
eventos do m esm o tipo.
Eventos naturais
Todas as ciências lidam com eventos naturais, sejam eles objetos em movi­
m ento, reações químicas, Crescimento de um tecido, estrelas que explodem , sele­
ção natural ou a ação corporal. A análise com portam ental não é diferente.
Os eventos naturais específicos que são objeto de estudo da análise com porta­
m ental são aqueles atribuídos a organism os vivos e integrais. O com portam ento de
pedras e estrelas não é parte do objeto de estudo porque pedras e estrelas não
estão vivos. O com portam ento de um a célula, de um fígado, ou de um a perna não
faz parte desse objeto porque não são organism os inteiros. No entanto, quando
meu cão late, esse evento (o latido do m eu cão) é atribuído ao organism o como um
Compreender o behaviorismo
51
todo (m eu cão). Se eu disser O céu está azul, essa verbalização (evento) é atribuída
a m im ; ela é, digamos, m eu relato de que o céu está azul. O mesmo pode ser dito de
eventos privados. Se eu p en sar O carro está fazendo um barulho diferente, esse
evento é atribuído a m im enquanto organismo como um todo; é o meu pensar.
Esses são os tipos de eventos que estaremos designando neste livro simplesmente
com o comportamento, subentendendo-se a expressão adicional “do organismo como
u m to d o ”.
Eventos privados podem ser incluídos na análise do com portam ento porque a
ciência req u er apenas que os eventos sejam naturais; eles devem ser observáveis
por princípio - isto é, devem ser localizáveis no tempo e no espaço - mas não há
nen h u m a exigência de que sejam observáveis na prática. No Capítulo 2, vimos que
um a das observações de M ach sobre o ar era a de que, em bora observemos muitos
fenôm enos que atribuím os ao ar, não podemos observar o próprio ar. Se pudésse­
mos inventar um a m aneira de colorir o ar, então poderíamos observá-lo.
Natural/ menta! e fictício
N a linguagem coloquial, as mais diferentes coisas são classificadas como mentais pensam entos, sentim entos, sensações, emoções, alucinações, e assim por diante.
M ental é um adjetivo derivado de mente. O que todas as coisas classificadas como
mentais têm a ver com a m ente?
A m aioria das pessoas afirm ará que possui um a m ente; muitos se sentiriam
insultados se lhes fosse dito que não a possuem. “Não ter um a m ente” é visto como
algo r u im / A língua inglesa incorpora essa teoria: “ter um a m ente” significa ter
pensam entos, sentim entos, emoções, e assim por diante - e, como temos isso tudo,
som os levados a concluir que cada um de nós “tem um a m ente”. O raciocínio,
porém , é circular. A única razão para supormos que cada um de nós “tem uma
m en te” é que todos nós sabem os que temos pensamentos - isto é, todos nós sabe­
m os que pensam os.
Exam inando expressões em inglês com a palavra mente, parece haver dois
usos principais da palavra. Algumas vezes, ela é um lugar ou espaço, um tipo de
aren a ou teatro, como quan d o dizemos “Tenho algo em m ente” ou “Posso vê-lo
neste m om ento em m inha m en te”. Outras vezes, ela parece ser um ator ou agente,
atu an d o em seu próprio dom ínio, por exemplo, quando se afirma “Minha mente
vagava por outras paragens" ou “A filosofia é um dos produtos mais sublimes da
m en te h u m a n a ”. Mas onde está esse espaço ou objeto? De que é feito?
A noção de m ente é problem ática para um a ciência do comportamento por­
que a m ente não é p arte da natureza. Se um cirurgião abrir o seu crânio, espera-se
en co n tra r den tro dele u m cérebro. O cérebro poderia ser retirado, manuseado,
pesado, m edido; poderíam os inclusive brincar com ele. Nada disso poderia ser dito
de sua m ente. No mínimo, um objeto de estudo científico precisa ser localizável no
*N. de T. A expressão “não ter uma mente” é tradução literal de mindlessness, que também
significa estupidez, idiotice, imbecilidade, descuido, desatenção, esquecimento, etc.
52
William M. Baum
tem po e no espaço. Seu cérebro sem pre tem um a certa localização num certo
m om ento. A mente, pelo contrário, não tem nenhum a das propriedades de um
objeto natural.
As frases mais reveladoras contendo mente, em inglês, são aquelas em que o
term o aparece como verbo ou parte de um advérbio, como quando se diz: Mind how
yo u go! ou I was minding m y own business ou I was mindful ofthe danger.* Os exem­
plos sugerem que a m ente, ou o atributo mental, é um a qualidade de certos tipos de
com portam ento - com portam ento deliberado, refletido, consciente. Alguns compor­
tam entos são designados como cuidadosos, outros como inteligentes, alguns como
intencionais e alguns como privados. Sempre que um comportamento parece inten­
cional, inteligente, ou privado, as pessoas são tentadas a avançar o sinal e supor que
ele envolve a m ente. Mas isso não é necessário, e o behaviorista radical sustenta que,
na ciência do comportamento, isso nao pode ser feito. Como veremos nos capítulos
posteriores, no entanto, continua sendo interessante indagar por que certos compor­
tam entos são chamados de conscientes, intencionais ou inteligentes.
Não posso saber que ten h o um a m ente no m esm o sentido em que sei que
penso, sinto e sonho. Pensam entos, sensações e sonhos são eventos privados, natu­
rais e freqüentem ente observáveis por aquele que os experimenta. Em contraste, a
m ente e todas as suas partes e processos são fictícios.
Dizer que a m ente é fictícia é dizer que ela é inventada, que é um faz-deconta. Não tenho um a m ente da m esm a form a que não tenho um a fada m adrinha.
Posso lhe falar sobre m inha m ente ou sobre m inha fada m adrinha; m as isso não as
to m a menos fictícias. Ninguém jam ais viu qualquer um a delas. Recentem ente, após
um a conferência, um filósofo presente na audiência argum entou que podia obser­
var m inha m ente trabalhando à m edida que eu falava. Fiquei tentado a responder:
“Na verdade você está vendo o trabalho da m inha fada m adrinha; ela está aqui no
m eu ombro, sussurrando ao m eu ouvido”. Faz tan to sentido considerar a fala ou a
resolução de problem as como produto do trabalho da m ente como considerar o
am or e o casam ento como produtos do trabalho de um a fada m adrinha. Ambas as
considerações são possíveis, evidentem ente, como brincadeira ou poesia, mas, em
ciência, esse tipo de discurso é inútil.
A linguagem cotidiana sobre coisas e eventos m entais inclui tanto eventos
privados quanto coisas e eventos fictícios. Pensar e ver são eventos privados e n a tu ­
rais, enquanto m ente, vontade, psyche, personalidade e ego são todos fictícios.
Quando os behavioristas metodológicos acataram em sua ciência coisas e eventos
públicos, e excluíram coisas e eventos m entais (em sentido coloquial), excluíram
eventos privados ju n to com coisas e eventos fictícios. Ao contrário, os behavioristas
radicais adm item todos os eventos naturais, incluindo eventos públicos e privados,
e excluem apenas os eventos fictícios. A distinção entre natural e fictício, além
disso, n ão tem n ad a a ver com o m o d o com o são estudados (isto é, com a
m etodologia).
*N. de T As frases poderiam ser traduzidas para: “Preste atenção em como você anda!”, “Eu
estava cuidando da minha própria vida”, “Eu estava ciente do perigo”. Na tradução, porém,
perde-se o jogo de palavras em que o termo “mente” é empregado.
Compreender o behcjYiorismo
53
Coisas e eventos fictícios são inobserváveis, m esm o em princípio. Ninguém
até agora observou um a mente,, um desejo, um impulso, ou um a personalidade;
são todos inferidos do com portam ento. Uma pessoa que se comporta agressiva­
m ente, po r exemplo, é considerada portadora de um a personalidade agressiva.
M as ninguém jam ais verá a personalidade; vê-se apenas o comportamento.
Ser inobservável, porém , não é necessariam ente um a desvantagem. Exami.nam os a n te rio rm e n te o exem plo do ar, e é fácil p ensar em outros conceitos
inobserváveis, porém aceitáveis: átomos, moléculas, radiação, eletricidade, genes.
Todos poderiam ser considerados invenções, tanto quanto descobertas. 0 que há
de errado, então, com as ficções mentais?
Objeções ao mentaiismo
O m entaiism o é a prática de invocar ficções mentais para tentar explicar o compor­
tam ento. M ente, vontade, ego e outros conceitos são muitas vezes chamados de
ficções explanatórias, não porque expliquem algo, mas porque supostamente expli­
cam . A objeção central é que não conseguem explicar aquilo a que se propõem. Há
dois tipos de razão para não conseguirem: autonomia e redundância.
Autonomia: causas mentais obstruem a investigação
C ham am os de autonom ia a capacidade de se comportar. Uma coisa é autônom a se
atribuím os a ela seu com portam ento. Uma pessoa, um rato, ou um peixe são autô­
nom os nesse sentido, pois dizemos que cada um deles se comporta. Não há ne­
nh u m pro b lem a em atribuir o com portam ento aos organismos; o problem a surge
quando o com portam ento é atribuído a partes dos organismos, particularm ente a
p artes ocultas.
Na visão de com portam ento do realista, quando se estabelece um a distinção
en tre “d e n tro ” e “fora” do sujeito, parece que deve existir um eu real - o meu eu em algum lu g ar dentro de mim, controlando meu corpo externo. É como se hou­
vesse um a pessoazinha d en tro - um homúnculo - que recebe os dados sensoriais
dos órgãos dos sentidos e então controla os movimentos do corpo. Essa pessoazinha
é freqüentem ente re tra ta d a em caricaturas e em desenhos animados, ocupando
um a sala de controle interno com telas, alto-falantes, alavancas e botões. E fácil
perceber que isso não é u m a explicação do comportamento, mas a visão do realis­
ta, em bora m enos literal, é vítim a dos mesmos problemas da noção de homúnculo.
Os problem as surgem porque a pessoazinha ou o eu interior é autônom o. Se
fosse verdade que m eu com portam ento exterior é apenas o resultado do com porta­
m ento desse eu interior, então uma ciência do com portam ento teria de estudar o
com portam ento desse eu interior. É impossível estudar o eu interior pelas mesmas
razões por que é im possível estudar o hom únculo interior: ambos são ficções
construídas p ara ten tar d ar sentido ao comportamento à luz da divisão prévia en ­
tre “d e n tro ” e “fora” do sujeito. Uma ciência do com portam ento baseada em tais
distinções nunca poderia d a r certo, como não poderiam uma ciência da mecânica
54
William M. Baum
b aseada nas emoções internas da m atéria, ou um a ciência da fisiologia baseada em
um a vis viva interior. Em vez disso, os eventos de interesse são atribuídos aos obje­
tos em estudo, à rocha ou à esfera n a m ecânica, à célula ou ao tecido na. fisiologia,
e ao organism o como um todo em um a ciência do com portam ento.
Q uando os eventos são atribuídos a algum a entidade interna oculta, não ape­
nas a investigação científica é desviada para a tarefa impossível de com preender
aquela entidade oculta; tam bém a curiosidade tende a cessar. A continuidade da
investigação é im pedida não apenas pela evidente dificuldade da tarefa, mas tam ­
bém porque uma explicação aparente é tom ada como a explicação verdadeira.
Esses efeitos acontecem a toda hora no intercâm bio social norm al, quando uma
pessoa a quem se pergunta “Por que você fez isso?” responde “Porque me deu
vontade” ou “Eu tive um impulso” ou “Foi o diabo que me fez fazer isso”. Somos
dissuadidos com tais evasivas; seria descortês continuar perguntando, e a proposta
de um a explicação qualquer im pede que continuem os a indagação. Como cientis­
tas, no entanto, teríam os de ver, m ais cedo ou mais tarde, a inadequação dessas
“não explicações” e investigar mais além. Essa inadequação nos leva ao segundo
grande defeito do mentalismo.
Redundância: fícções exphnatórias sâo antieconômicas
Mesmo ignorando o modo pelo qual as entidades autônom as internas obstruem a
indagação, elas são inaceitáveis porque, pelos padrões científicos norm ais, não são
explicações reais. Todas as ficções explanatórias, autônom as ou não, são insuficien­
tes. Além de obstruírem a indagação, afirm ações como "Foi o diabo que me fez
fazer isso” e “Meu eu interno me fez fazer isso” não conseguem, nenhum a delas,
explicar o com portam ento. Mesmo que um im pulso interno não fosse considerado
autônom o, afirmativas do tipo “Eu fiz por im pulso” não constituem um a explicação
pelo m esm o motivo: o diabo, o eu interior e o im pulso são todos supérfluos.
As explicações m entalistas inferem u m a entidade fictícia a partir do compor­
tam ento, e então afirmam que a entidade inferida é a causa do com portam ento.
Q uando se diz que um a pessoa come verduras pelo desejo de m anter-se saudável
ou por sua crença no vegetarianism o, essa descrição se origina antes de tudo da
observação do com portam ento de com er verduras; portanto, a razão p a ra se dizer
que há um desejo ou um a crença é a atividade. Essa “explicação” é inteiram ente
circular: a pessoa tem o desejo por causa de seu com portam ento, e exibe o compor­
tam ento por causa do desejo. A explicação não nos leva além da observação origi­
nal, pois dizer que Verônica acredita no vegetarianism o é dizer que ela come verdu­
ras. Pode dizer algo mais - que ela lê revistas de vegetarianos, vai a encontros de
um a sociedade vegetariana, e assim por diante - mas sua crença ainda é inferida a
partir de seu com portam ento,
A ciência d a mecânica enfrentou o m esm o tipo de problem a quando se pen­
sou que o horror vacai explicava os fatos da sucção; o m esm o ocorreu com a fisio­
logia, quando a vis viva foi tom ada com o explicação para o m etabolism o celular. O
horror vacui era inferido dos fatos d a sucção e a vis viva era inferida do metabolis­
mo celular. Não se pode na verdade dizer que essas causas inferidas expliquem o
Compreender o behaviorismo
55
que quer que seja, p o rq u e não oferecem um a visão mais simples da sucção ou do
m etabolism o celular. Pelo contrário, elas se colocam, por assim dizer, por detrás
dos eventos observados, produzindò-os misteriosamente.
Horror vacui, vis viva e ficções m entais são todos inúteis porque são antieco­
nôm icos, p a ra u sar um term o de Mach. As ficções m entais são antieconômicas
porque em vez de sim plificarem nossa percepção dos eventos, descrevendo-os com
poucos conceitos já conhecidos, tornam a questão mais complicada, de dois m o­
dos. Prim eiro, com o já observam os, elas m eram ente reform ulam a observação ori­
ginal, acrescentando algum conceito supérfluo. Se aceitarmos a idéia de que Verônica
com e verduras devido a sua crença no vegetarianismo, terem os agora de explicar
tan to seus hábitos alim entares quanto sua crença, enquanto antes precisávamos
explicar apenas seus hábitos alimentares. Se o que digo depende do que m inha
fada m adrin h a m e fala, então teríamos de explicar tanto o fato de que ela fale
comigo qu an to o de que eu a ouça.
Segundo, a causa invocada não tem nenhum a relação clara com os eventos
observados. Se disserm os que um adolescente rouba carros devido a sua baixa
auto-estim a, tem os de indag ar como essa baixa auto-estim a poderia levar a roubar
carros. No Capítulo 1, vim os que um dos problemas com a noção de livre-arbítrio é
que a conexão entre o livre-arbítrio, um evento não-natural, e o ato de tomar sorve­
te, um evento n atu ral, será sempre misteriosa. A m esm a dificuldade surge com
q ualquer evento não -n atu ral atribuído à mente. Nesse contexto, esse é o chamado
problem a mente-coi~po} que se expressa na indagação: como um a coisa não-natural
pode afetar u m a coisa natural? Todas as causas mentais colocam esse problema da
conexão m isteriosa. Tal qual a m ente, todas as causas mentais fictícias, se existis­
sem, seriam n ão-naturais. Elas não podem ser encontradas no corpo -jam ais se
encontrou um a crença, atitude, personalidade ou ego no coração, no fígado ou no
cérebro de ninguém . Elas nunca são medidas, exceto através do comportamento,
como, por exem plo, através de respostas a um questionário. Como esse ripo de
coisa poderia causar o com portam ento?
O problem a m ente-corpo nunca foi e nunca será resolvido porque é um a
pseudoquestão, um a questão que em si mesma não faz sentido. Quantos anjos po­
dem dançar sobre a cabeça de um alfinete? O que acontece quando uma força
irresistível encontra u m objeto impossível de ser movido? Cada uma dessas ques­
tões supõe um a prem issa sem sentido - a de que um anjo poderia dançar sobre a
cabeça de u m alfinete, ou a de que é possível uma força irresistível coexistir com
um objeto inamovível. A prem issa sem sentido subjacente à questão mente-corpo é
a idéia de que ficções eom o mente, atitude ou crença possam de algum modo cau­
sar com portam entos.
Em resposta a esse argumento, freqüentemente se sugere que atitudes, cren­
ças, desejos e causas d esse tipo existem como coisas dentro do cérebro. Entretanto,
nosso estágio atual de com preensão do cérebro não permite tal afirmação. Talvez
algum dia se venha a com preender suficientemente o funcionam ento do cérebro
para lançar luz sobre os m ecanism os subjacentes ao comportamento de estudar
para um a prova ou de roubar uma loja, mas esse dia parece distante, se é que
chegará. A análise do com portam ento não precisa esperar as descobertas sobre o
sistem a nervoso, assim com o a fisiologia não precisou esperar as descobertas da
56
William M. Baum
bioquím ica. A tualmente, o funcionam ento da célula é em geral explicado pela bio­
química, m as os fisiólogos com preenderam essa m atéria utilizando conceitos como
m em brana, osmose, metabolismo e m itose antes que os químicos estivessem em
condições de contribuir para esse estudo. Da mesma form a, a análise comportam ental pode com preender o com portam ento no nível de sua interação com o am ­
biente sem qualquer ajuda dos neurofisiólogos. Certam ente, q u ando chegar a con­
tribuição dos neurofisiólogos, os analistas de com portam ento já terão descrito fe ­
nôm enos que poderão ser ainda m ais bem explicados por referência a mecanismos
somáticos.
A objeção dos behavioristas radicais ao m entaiism o é, n a realidade, um a ob­
jeção ao dualismo, isto é, à idéia de que dois tipos de existência, m aterial e nãom aterial, ou dois tipos de termos, referentes ao m aterial e ao não-m aterial, são
necessários p a ra um a com preensão to tal do com portam ento. Todas as ciências,
não apenas a análise do com portam ento, rejeitam o dualism o porque causa confu­
são e é antieconômico. Quando N ew ton afirmou Hypotheses non fingo - “Eu não
faço hipóteses” - ele queria dizer com hipóteses as causas não-m ateriais, sobrenatu­
rais, que de algum m odo estariam subjacentes aos eventos naturais.
Os escritos de René Descartes (1596-1650) tiveram influência no estabeleci­
m ento do dualism o na psicologia. Embora Descartes ten h a d ado m uitas contribui­
ções m aravilhosas à m atem ática e à filosofia, sua visão de com portam ento não foi
útil. Ele propôs que os corpos de anim ais e de hom ens eram m áquinas complexas,
que trabalhavam de acordo com m ecanism os naturais simples. Im aginava que o
cérebro e os nervos eram preenchidos com um fluido tênue - os espíritos animais que fluíam p ara os músculos produzindo a ação. De acordo com a teologia cristã,
ele sustentava que, enquanto os anim ais eram m eram ente m áquinas, os horhens
tinham tam bém um a alma. Supunha que a alma influenciava o com portam ento,
ativando u m a glândula no meio do cérebro, a glândula pineal, que afetava o fluxo
dos espíritos animais. Embora essa idéia específica nunca te n h a sido aceita, a no­
ção de que o com portam ento hum ano depende da alm a perm aneceu. Posterior­
m ente, à m edida que a psicologia se tornou mais científica, os psicólogos distan­
ciaram -se da teologia cristã, substituindo a alma pela m ente. N em a glândula pineal
nem a m ente resolveram o problem a levantado pelo dualism o cartesiano: o m isté­
rio do fa n ta sm a na máquina. Mesmo que a ativação d a glândula pineal afetasse o
com portam ento, o mistério continuaria: como a alm a ativa a glândula pineal? Mes­
mo que a m ente não seja transcendental, ainda assim ela é im aterial (não-natural)
e, em relação ao com portam ento, é tão quim érica quanto a alm a. Não há lugar
para esses mistérios na ciência.
ERROS DE CATEGORIA
O filósofo Gilbert Ryle (1900-1976) .também atacou o m entaiism o, mas seguiu um a
abordagem diferente de Skinner. Enquanto Skinner propôs excluir da análise do
com portam ento term os como m ente, inteligência, razão e crença, Ryle achava que
os term os poderiam ser úteis se pudéssem os evitar usá-los de m odo ilógico. O pro­
blem a com um term o como inteligência é unicam ente que as pessoas dirão que
Compreender o behaviorismo
57
Marcus exibe co m portam ento inteligente e inteligência. Enquanto Skinner tratava
a inteligência como u m a ficção m ental inferida do com portamento inteligente, Ryle
argum entava que a inteligência é com portam ento inteligente, e que considerar um
a causa do outro, ou m esm o considerar os dois como ligados de algum modo,
envolve um erro lógico, u m erro de categoria.
Se estam os n o m ean d o exemplos de frutas (um a categoria) e proponho ce­
noura com o exem plo, esse é um erro de categoria porque cenoura não é um a fruta.
Há vários tipos de erros de categoria, várias maneiras através das quais um suposto
exem plo pode não perten cer a um a categoria à qual é equivocadam ente atribuído.
Ryle preocupava-se com um tipo particular de erro de categoria.
Suponha que estam os novam ente nom eando frutas e alguém sugere vegetais.
Esse é um tipo de erro diferente de cenoura. Vegetais não apenas pertence a um a
outra categoria, sim ilar; é em si próprio o rótulo de uma outra categoria, como
seria/ru tas. Pareceria até mais estranho em nosso jogo de nomear frutas se alguém
sugerisse frutas. Não apenas frutas é o rótulo de uma categoria e não um possível
m em bro dela, m as é o rótulo da própria categoria de que estamos nom eando exem ­
plos. Esse erro de tra ta r frutas como se fosse um exemplo de frutas é exatam ente o
tipo de erro que Ryle considera que ocorre no mentalismo.
Suponha que nosso jogo agora seja nom ear comportamentos inteligentes. Os
jogadores sugerem fazer contas, jogar xadrez, projetar uma casa, fazer u m a coreo­
grafia, e assim p o r diante. Então alguém sugere inteligência. Isso pareceria errado
de acordo com a perspectiva de Ryle pela mesma razão que era errado responder
frutas em nosso jo g o de. nom ear frutas, Iriteligência é o rótulo da categoria à qual
pertencem os com portam entos de fazer contas, jogar xadrez, projetar um a casa e
fazer um a coreografia. Esses com portam entos são todos exemplos de inteligência.
O erro é tra ta r o ró tu lo como se fosse um caso da categoria.
A provável objeção a esse argum ento seria “Não, o que eu quis dizer por
inteligência não é o conjunto desses com portam entos, mas algo subjacente a eles,
que os to rn a possíveis, que os causa”. Mas onde está essa inteligência? De que é
feita? Como poderia causar o comportamento? Sua natureza fantasm agórica deri­
va do fato de ser o ró tu lo da categoria, e não um de seus exemplos. A razão por que
o erro lógico ocorre tã o facilmente é que a objeção citada exemplifica um a teoria
com um sobre o com portam ento, designada por Ryle de hipótese paramecânica.
Ryle e a hipótese paramecânica
A hipótese param ecân ica é a idéia de que os termos que são logicam ente rótulos de
categorias referem -se a coisas fantasmagóricas, em algum espaço fantasm agórico
(a m ente), e que essas quim eras, de algum a forma, causam o com portam ento me­
canicam en te. Essa é exatam en te a m esm a idéia que Skinner d en o m in av a de
m entalism o. E n q u an to Skinner enfatizava os problemas práticos im plícitos no
m entalism o - o fato de ser diversionista e inútil - Ryle enfatizava seus problemas
lógicos.
Para ilustrar, Ryle apontou o conceito de espírito de equipe. Q uando assisti­
m os a um jogo d e futeb ol e vemos os jogadores gritando para encorajar uns aos
58
William M. Boum
outros, d a n d o tapinhas nas costas quando erram e abraçando-se quando acertam,
dizem os que estão dem onstrando espírito de equipe. Não estam os insinuando que
algum espírito fantasm agórico está correndo junto com eles de um lado para outro
do cam po, pairando sobre suas cabeças. Se um estrangeiro perguntasse, “Eu os
vejo gritando, batendo nas costas e se abraçando, m as onde está o famoso espírito
de equipe?”, consideraríam os a pergunta im própria e pensaríam os que o estrangei­
ro não en ten d eu o conceito. Poderíamos explicar que gritar, d a r tapinhas e abraçar
são o espírito de equipe. Estaríamos dizendo que aquelas atividades são exemplos
d a categoria de atividades que rotulam os de espirito de equipe, Elas não são os
únicos casos; poderíamos expandir b astante a lista.
O erro do estrangeiro foi provocado pelo m odo como falam os de espírito de
equipe: dizem os que o time o demonstra. Por isso, o estrangeiro pensou que seria
correto colocar lado a lado gritar, dar tapinhas, abraçar e dem onstrar espírito de
equipe. É o m esm o erro de colocar lado a lado fazer contas, jogar xadrez, fazer
um a coreografia e dem onstrar inteligência. Assim como demonstrar espírito de equipe
é um ró tu lo p a ra um a categoria de com portam ento, tam bém demonstrar inteligên­
cia é um ró tu lo para um a categoria de com portam ento. Fazer contas e jogar xadrez
são exem plos da categoria demonstrar inteligência. Não h á nen h u m a inteligência
quim érica, nenhum a coisa, a inteligência, a ser dem onstrada.
Ryle aplicou seu argum ento a todos os tipos de capacidades e estados m entais
que supostam ente são dem onstrados pelo com portam ento ou que causam o com­
portam ento: conhecimento, intenção, em oção e outros. Por exem plo, por que dize­
mos "Fábio está apaixonado por Juliana”? Ele compra flores p a ra ela, escreve poe­
sia, gagueja e fica vermelho em sua presença, declara-lhe amor, e assim por diante.
Fábio n ão faz essas coisas e am a Juliana, ou porque am a Juliana; o fato de Fábio
fazer essas coisas é estar apaixonado por Juliana.
Em alguns dos capítulos seguintes verem os como o argum ento de Ryle se
aplica a outros termos. Embora ten h a atacado o m entalism o prim ariam ente em
bases lógicas, seus argum entos e os de Skinner diferem principalm ente em ênfase:
a sem ente das objeções pragm áticas de Skinner pode ser encontrada nos escritos
de Ryle, e a base das objeções lógicas de Ryle pode ser enco n trad a nos escritos de
Sldnner. A principal discordância entre os dois parece ser que Skinner pretendia
excluir os term os m entalistas das discussões técnicas sobre o com portam ento, ao
passo que Ryle sugeria que eles poderiam ser usados desde que lem brássem os que
amor, crença, expectativa, atitude e term os sem elhantes são, na verdade, apenas
rótulos de categorias de com portam ento.
O utros filósofos criticaram os argum entos de Ryle. Eles n ão os consideraram
sólidos p o r duas razões principais. Prim eiro, o uso que Ryle faz de “categoria” pare­
cia sup o r u m a condição inaceitavelm ente aberta - isto é, “dem onstrar inteligência”
ou “estar apaixonado” poderiam incorporar um núm ero infinito de atividades que evitaria a especificação exata de quais atividades devem ser tom adas como
exem plos da categoria. Segundo, a insistência de Ryle ~ de que a verdade do relato
de um a “sensação pura”, tal como a dor, depende inteiram ente (“necessita”) da
presença de atividades públicas - não requer que “Eu sinto d o r” signifique apenas
“Estou contraído e me contorcendo”. O filósofo Richard Rorty (1979), por exem­
plo, p ropõe a crítica do seguinte modo:
Compreender o behoviorismo
B9
[O argumento de Ryle] foi atacado em termos de que não parece haver meio de
fazer uma descrição completa da disposição requerida para se comportar sem
fornecer listas infinitamente longas de movimentos e ruídos possíveis. Também
foi atacado em termos de que qualquer “necessidade” que se ponha em questão
não é um problema de “significado” mas simplesmente a expressão do fato de
que costumamos explicar certos comportamentos em referência a certos estados
internos - de modo que a necessidade não é mais “lingüística” ou “conceituai” do
que a que conecta a vermelhidão de um forno ao fogo que está em seu interior
(1979, p. 98).
A últim a afirm ação parece incorreta porque haver fogo no “interior” de um
forno é um a relação claram ente física, enquanto haver uma crença no "interior” de
um a pessoa não transm ite a mesma clareza, e as outras afirmações dependem to­
das de um a visão m en talista de categorias, linguagem e significado. Independente­
m ente dos filósofos serem persuadidos ou não por essas objeções, os behavioristas
se fundam en tam nas afirmações de Ryle, levando-as além, com conceitos adicio­
nais, No C apítulo 6, em que consideramos o conceito de controle de estímulos,
superarem os a objeção sobre a condição aberta das categorias e, no Capítulo 7, em
que tratam os do com portam ento verbal, superaremos a objeção sobre “significa­
do”. Por ora, no en tan to , veremos como a idéia de Ryle sobre categorias pode ser
substituída pela idéia m ais concreta de um a atividade.
0 behaviorismo mofar de Rachlin
H ow ard Rachlin., behavíorista contem porâneo, levou o argum ento de Ryle um pas­
so adiante. Desde a d é c a d a de 1930 pelo menos, alguns behavioristas vêm sugerin­
do que o co m portam ento não pode ser compreendido focalizando a atenção ape­
nas em eventos do m om ento. No século XIX e na primeira m etade do século XX,
eram inúm eras as concepções atom istas sobre a m ente e o comportamento. Dado
que a única unid ad e de com portam ento bem compreendida era o reflexo, o discur­
so sobre o com po rtam en to tendia a ser fraseado em termos de estímulo e resposta,
eventos instantâneos; e a relação mais im portante entre eventos era considerada
sua proxim idade m o m en tân ea no tempo, a contiguidade.
Os críticos das teorias que enfatizavam eventos instantâneos e sua contiguidade
denom inavam essa visão de molecular e propunham , em substituição, análises que
c h a m aram de m o la res, Os teóricos m olares argum entam que as concepções
m oleculares do com portam ento malogram por dois motivos. Primeiro, o comporta­
m ento presente depen d e não só de eventos presentes, mas também de muitos eventos
passados. Esses eventos passados afetam o com portamento como um conjunto,
não com o acontecim entos instantâneos. A razão por que evito comer alimentos
gordurosos hoje é que comi muito desses alimentos no passado e engordei; nada
disso aconteceu em u m m om ento particular no tempo. Segundo, o comportamento
não pode ser instan tân eo ; não importa quão breve seja, ele sempre tem uma dura­
ção. Escovar m eus den tes pode ser um único evento, mas leva um tempo. Se eu
som ar a duração de to d as as atividades do meu dia, elas devem chegar a 24 horas.
60
William M. Baum
Rachlin via nas idéias de Ryle um a justificativa e u m a extensão desse segundo
princípio da teoria molar, de que as unidades de com portam ento (isto é, as ativida­
des) estendem -se no tem po. O am or de Fábio.por Juliana não ocorre em nenhum
tem po particular porque é um conjunto completo de atividades que ocorrem em
tem pos diferentes. Seria absurdo dizer que Fábio não am a Juliana neste m om ento
porque ele está trabalhando, em vez de estar lhe dando flores, cobrindo-a de m i­
mos ou praticando qualquer das outras atividades que incluem am ar Juliana. E
perfeitam ente razoável dizer que Fábio ama Juliana agora e a vem am ando há
m uitos anos, embora ten h a passado a m aior parte de seu tem po trabalhando e
dorm indo. A “solução” com um para esse problem a de Fábio am ar Juliana todo o
tem po e, ainda assim, não dem onstrar am or por Juliana todo o tem po é a hipótese
param ecânica; inventar um a coisa-am or fantasm agórica, u m a ficção m ental, que
está lá o tem po todo para causar o com portam ento de am ar de Fábio quando ele
ocorre, e para preencher os períodos de tem po interm ediários. A despeito do q u an ­
to essa idéia possa parecer atraente, já vimos que não é realm ente um a solução,
porque é confusa e antieconômica (Skinner) e logicam ente deficiente (Ryle).
De acordo com a perspectiva de Rachlin, o que im porta sobre o am or de Fábio
é a freqüência com que suas atividades de amar ocorrem . Fábio am ar Juliana e
Fábio d em onstrar am or p o r Juliana são, na verdade, apenas dois rótulos para a
m esm a categoria de com portam ento, Faz sentido dizer que Fábio am a Juliana há
anos porque, ao longo desses anos, as atividades da categoria am ar ocorreram com
freqüência relativam ente alta. Fábio dem onstrou não um am or m ental interno qui­
m érico, m as uma alta taxa de atividades de amar. Essas atividades não precisam-ser
a ú nica coisa que ele faz; só precisam ocorrer com freqüência suficiente. Na v erda­
de, a tax a dessas atividades é crucial. Se Fábio telefonasse p a ra Juliana apenas um a
vez p o r mês e comprasse flores som ente um a vez por ano, ela poderia desconfiar
de sua sinceridade, especialm ente se ele telefona p a ra Dolores todo dia e lhe dá
flores d uas vezes por sem ana. Se Fábio declara que am a Ju lian a agora e para sem ­
pre, ele está prevendo que suas atividades da categoria am ar continuarão ocorren­
do com alta freqüência.
Atividades são episódicas. Fábio pode trabalhar p o r algum tempo, então falar
ao telefone com Juliana por algum tem po, então trab a lh ar mais ura pouco, então
dev an ear sobre Juliana, então alm oçar e depois tra b a lh a r um pouco mais. A con­
versa com Juliana e devanear sobre ela são episódios de amá-la. São partes da
atividade estendida de am ar Juliana. D urante o período que estamos exam inando,
Fábio passa algum tem po trabalhando, algum tem po m antendo sua saúde (ao co­
m er) e algum tem po am ando Juliana. Como abreviação p ara um episódio de um a
atividade, vamos usar a palavra açao. Fábio alterna ações de amor com outras
ações (por exemplo, episódios de trabalho) ao longo de todo o dia. Isto é o que nos
faz dizer que Fábio am a Juliana.
Os argum entos de Rachlin aplicam -se a todos os term os que parecem se refe­
rir a causas internas do com portam ento, sejam estados d a m ente como am or e
raiva, ou disposições com portam entais como intenções e crenças. Ele ilustrou esse
po n to com um a discussão do que significa sentir dor (Rachlin, 1985). Como no
caso do amor, sentir dor é o mesmo que dem onstrar d o r e engajar-se em atividades
que caem na categoria de com portam ento de dor - fazer caretas, gemer, encolher-
Compreender o behoWorismo
61
se, gritar, agitar-se, an d ar m ancando, e assim por diante. Dizer ou não que uma
pessoa está sen tin d o dor depende apenas da freqüência dessas atividades e do
contexto em que elas ocorrem. Se um a pessoa geme somente um a vez por semana
ou apenas q u an d o sua m ãe está por perto, somos propensos a concluir que ela está
fingindo. Um a to r p ode nos convencer com pletam ente de que está com. dor no
palco, m as q u an d o o vemos depois d a peça rindo e conversando dizemos que esta­
va apenas rep resen tan d o . Afirmamos com segurança que alguém está com dor
som ente se o com portam ento de dor ocorrer em taxa alta e consistente. Se estar
dolorido, assim com o estar apaixonado, é simplesmente dem onstrar comportamento
de dor freq ü en tem en te e em todas as circunstâncias, então não há nenhum a dor
m ental in tern a fantasm agórica, assim como não havia nenhum am or m ental inter­
no fantasm agórico. Em outras palavras, não há um a coisa, dor, que é sentida. Em
vez disso, sentir d o r ou estar em agonia é, em si, uma atividade completa ou um
agregado de atividades.
Um a objeção p ode ser levantada. Talvez não exista nenhum am or mental in­
terno quim érico, m as a dor não nos parece um a quimera de form a nenhum a. Pelo
contrário, ela parece ser um a sensação, um evento privado real - o que os filósofos
cham am de “sensação p u ra”. A solução de Rachlin pode ser mais bem compreendi­
da a p artir de sua resposta à objeção assim formulada: “Mas eu posso sentir dor e
não dem onstrá-la”.
Rachlin arg u m en ta que é impossível sentir dor e não dem onstrá-la porque
sentir dor é dem onstrá-la. Um filósofo tentou refutar todo o argum ento de Rachlin,
relatando que ao longo de anos teve um a dor de cabeça severa sem nunca divulgála a ninguém . A réplica de Rachlin foi: “Se é assim (...) seus pais, seu médico, seus
amigos m ais próxim os e sua esposa e filhos (se os tiver) ainda não devem, até a
presente d ata, sab er dessas dores de cabeça. Alguém quer apostar?”. Embora possa
parecer jocoso, a questão im portante é que um a pessoa não pode estar com dor
sem dem onstrá-la, seja p ara outros, seja para si mesmo. 0 argum ento de Rachlin só
parece co n trariar a experiência quando se insiste que é possível estar com dor e não
m ostrá-la a ninguém . Sozinho em m eu quarto, posso sentir um a dor e superá-la
antes que q u alq u er pessoa me veja. Eu não estava com dor? Eu estava, se a de­
m onstrei, m as o episódio todo foi privado somente no sentido de que aconteceu de
ninguém presenciá-lo; estivesse lá outra pessoa, ela teria dito que eu estava com
dor. A form a com o sei que estou com dor de cabeça é a mesma pela qual você sabe
que eu estou com d o r de cabeça: eu franzo o cenho, gemo, fecho os olhos, reclamo
e tomo aspirina. Se não fizesse nada disso, não estaria mais inclinado do que você
a relatar que estava com dor de cabeça.
Em bora p areça paradoxal, a idéia de Rachlin de que a dor consiste em com­
portam ento público e não em experiência privada tem muitas provas a sustentá-la.
Em particular, relato s e outros com portam entos de dor dependem em grande parte
das circunstâncias em que ocorrem. Muitos de nós tivemos ferimentos que teriam
sido dolorosos, m as que não o foram porque estávamos distraídos. Após torcer o
tornozelo, um a tle ta pode continuar correndo e relatar que o tornozelo começou a
doer após a corrida. O mesmo m achucado em outras circunstâncias que não a
corrida teria resu ltad o em “sentir dor” imediatamente. A pesquisa sobre dor tem
produzido m uitos exemplos como esse. Embora o parto seja considerado doloroso
62
Williom M. Baum
em nossa cultura, os antropólogos descrevem culturas nas quais as m ulheres não
dem onstram nenhum sinal de dor, dão à luz enquanto trabalham nos cam pos e
continuam trabalhando assim que o bebê nasce, enquanto o pai fica deitado em
casa, gemendo e dem onstrando todos os sinais de dor intensa. Um exemplo p a rti­
cularm ente notável foi relatad o por H enry K. Beecher, um anestesista que com pa­
rou o com portam ento de soldados feridos em um hospital de cam panha d a Segun­
da Guerra M undial ao com portam ento de civis que estavam passando por cirurgias
que envolviam ferim entos sem elhantes aos dos soldados. Ele descobriu que, e n ­
quanto só aproxim adam ente um terço dos soldados reclam ava de dor a ponto de
receber morfina, quatro de cada cinco pacientes civis o fazia. Embora os soldados
tenham relatado que sentiram pouca ou nenhum a dor, enquanto os civis relatavam
dor severa, Beecher observou que a diferença não era devido a um a insensibilidade
dos soldados a estímulos dolorosos, pois eles reclam avam como qualquer um q u a n ­
do a enferm eira tinha dificuldade em pegar um a veia. Beecher concluiu:
Não há uma relação direta simples entre o ferimento em si e a dor experimenta­
da. A dor é, em grande parte, determinada por outros fatores, e de grande impor­
tância aqui é o significado do ferimento (..,)* No soldado ferido, [a resposta à
lesão] era de alívio e gratidão, até mesmo euforia, por escapar vivo do campo de
batalha; para o civil, sua cirurgia era um evento depressivo, calamitoso (citado
porMelzack, 1961, p. 42-43).
Às observações de Beecher confirm am a concepção de Rachlin, pois, em vez
do mesmo traum a produzir a m esm a dor, como requer a hipótese param ecânica,
toda a categoria com portam ento de dor, incluindo o relato de sentir dor, depende
das circunstâncias. Em bora nossa experiência aparentem ente interna de dor p a re ­
ça inevitável, as evidências clínicas e experim entais dão respaldo à idéia de que
estar com dor, assim com o estar apaixonado, ou qualquer outro estado m ental,
consiste prim ariam ente em com portam ento público.
Com essa concepção, Rachlin atribui muito m enos ênfase aos eventos p riv a­
dos do que Skinner. Para Rachlin, a ocorrência ou não de eventos privados torna-se
um a questão de m enor im portância, pois sua perspectiva de análise não enfatiza
eventos m om entâneos e ações isoladas em geral, sejam elas públicas ou privadas.
Fábio estar apaixonado por Juliana pode incluir seu p ensar sobre ela, m as se n e ­
nhum a das atividades públicas da categoria ocorrer, tanto Juliana quanto Fábio
deveriam duvidar da sinceridade de Fábio. Para Rachlin, nem o am or nem a dor
precisam existir como um a coisa privada, pois, na prática, o que as pessoas dizem
sobre si mesmas ou sobre os outros sem pre depende, de modo extrem am ente im ­
portante, do com portam ento público. Nessa perspectiva molar, pode-se realm ente
dizer que a m aneira pela qual eu m e conheço é a m esm a maneira pela qual os
outros me conhecem. Vamos explorar mais esta questão no Capítulo 6.
O fato de Rachlin rejeitar os eventos privados pode parecer um retorno ao
behaviorismo metodológico, m as não se trata disso. Tanto os behavioristas m e to ­
dológicos quanto Rachlin defendem o estudo de eventos públicos, mas por razões
diferentes. Os behavioristas metodológicos consideram os eventos públicos com o
objetivos, e excluem do alcance de sua ciência as coisas e os eventos m entais por-
Compreender o behaviorismo
63
que são subjetivos. Abordando o com portam ento de um ponto de vista molecular,
tinham esperança de prever atos m om entâneos. Rachlin nunca evoca a distinção
objetivo-subjetivo e nunca exclui coisas e eventos mentais. Pelo contrário, ele sus­
ten ta que é possível estudar coisas e eventos mentais porque os term os (dor, amor,
auto-estima, e assim por diante) que supostam ente se referem a eles são, na verda­
de, rótulos de atividades molares. Desse modo, nós os estudamos ao estudarmos os
eventos públicos que essas atividades e categorias envolvem. Rachlin distancia-se
' do behaviorism o m etodológico e alinha-se com o behaviorismo radical em dois
aspectos básicos: antidualism o e pragm atism o, Como qualquer behaviorista radi­
cal, rejeita a existência de ficções m entais e, especialmente, de causas mentais para
o com portam ento. Como ele nunca levanta a distinção objetivo-subjetivo, preferin­
do avaliar a verd ad e a partir de sua força explanatória (utilidade), suas idéias
pertencem à tradição do pragm atism o, e não do realismo. Ele não precisa negar
nem afirm ar a existência de eventos privados porque as categorias de comporta­
m ento sobre as quais as pessoas falam sem pre incluem muitas ações públicas. Na
verdade, as pessoas não falariam dessas categorias se elas não incluíssem ações
públicas - ma.s esse é um tópico p a ra a discussão de com portam ento verbal. (Ver o
Capítulo 7.)
EVENTOS PRIVADOS
Para Skinner, os eventos privados são naturais e, sob todos os aspectos, semelhan­
tes a eventos públicos. Mesmo que os pensam entos sejam eventos naturais e que se
considere que algum as vezes afetam o comportamento, ainda assim eles nunca
causam o com portam ento no sentido de originá-lo. Embora as origens do compor­
tam ento se encontrem no am biente presente e passado, os eventos privados assu­
m em lugar im portante na análise que Skinner faz de certos tipos de comportamen­
to, particularm ente auto-relatos, que analisaremos agora e no Capítulo 6, e resolu­
ção de problem as, que abordarem os no Capítulo 8.
Comportamento privado
Como os eventos privados são atribuídos à pessoa e não ao am biente, eles são mais
bem com preendidos como eventos com portam entais. De um m odo geral, há dois
tipos: eventos de pensar e eventos de sentir.
Para efeito da presente discussão, pensar é falar privadam ente. Isso pode pa­
recer m uito restrito, pois pensar é usado de muitas outras m aneiras na linguagem
cotidiana. “Estou pensando em ir ao cinem a” significa que estou inclinado ou pro­
penso a ir a um cinem a. “Estou pensando em uma pintura que vi outro dia” signifi­
ca que estou im aginando a pintura, e é mais bem compreendido como um evento
de sentir.
E m ais útil tratar os eventos de pensar à parte dos eventos de sentir porque os
pensam entos têm um a relação com a faia pública que o sentir não tem. Um pensa­
m ento p od e ser enunciado pública ou privadamente (Skinner usa as palavras aber­
64
William M. Baum
to e encoberto). Eu posso falar alto para m im mesmo, O que vai acontecer se eu
apertar este botão?, ou posso sussurrar p ara m im mesmo, ou posso ainda pensar em
particular. Esses eventos são todos a m esm a coisa; os dois prim eiros poderiam ser
ouvidos, ao passo que o terceiro não pode. Eventos de sentir, no entanto, não pos­
suem nenhum a contrapartida pública. Ver um a árvore, ouvir um a orquestra, sentir
um a coceira, sentir o cheiro de um gam bá - todos esses eventos são apenas privados.
Os eventos de sentir são mais bem com preendidos quando contrastados com
a concepção usual de sensação e de percepção, que Skinner denom ina “teoria da
cópia”. Alguns filósofos gregos da Antiguidade, intrigados com o fato de poderm os
ver objetos à distância, im aginaram que os objetos m andassem cópias de si m es­
m os para nossos olhos. Se vejo um a árvore do outro lado da estrada, deve ser
porque a árvore m anda pequenas cópias de si para meus olhos. A concepção m o­
d ern a dessa explicação é sem elhante, exceto que agora dizem os que a árvore refle­
te a luz, que passa através da pupila dos olhos, form ando im agens na m em brana no
fundo do globo ocular. Essas imagens substituem as cópias gregas.
Essa noção pode ser útil para se entender algumas coisas sobre o olho, m as de
m odo algum explica o ver. O problema de como a árvore é vista é substituído pelo
problem a de como a cópia da árvore é vista. A teoria da cópia tem todos os defeitos
do mentalismo. A aparência de um a explicação - você vê um a árvore porque h á um a
cópia dela em seu olho ou em seu cérebro - nos afasta da tentativa de entender o que
seja o ver. A cópia é supérflua, pois a questão perm anece a m esm a quer perguntem os
sobre ver a árvore ou sobre ver a cópia: o que é ver algo? Em particular, a teoria não
consegue explicar por que o ver é seletivo. Nem todos os objetos que refletem luz em
nossos olhos são vistos. Por que vejo a árvore e não a estrada? Como é possível a um a
pessoa m ostrar algo para outra, “fazê-la” ver esse algo? Como é possível a um a pes­
soa olhar exatamente na direção de um aviso e não vê-lo?
Para o behaviorista radical, sentir e perpeber são eventos com portam entais,
são atividades. A coisa que é vista, ouvida, cheirada, sentida ou provada é um a
qualidade do evento - ou seja, é parte da definição do evento. Ver um lobo é qualita­
tivam ente diferente de ver um urso. Os dois eventos têm m uito em com um - ambos
são atos de ver, e não de ouvir ou de an d ar - m as tam bém são diferentes. Eles são
atos diferentes, assim com o cam inhar em direção a um a loja é diferente de cami­
n h a r para um banco. Se eu digo em um a ocasião, Está um dia agradável, e, em
outra, Há um tigre atrás de você, ambos são exem plos de fala, mas os dois atos
diferem do mesmo m odo que os dois atos de cam inhar; o dia agradável e o tigre
são parte da definição do ato. Assim com o é impossível cam inhar sem chegar a
algum lugar, e falar sem dizer nada, é impossível ver sem ver algo. O lugar e as
coisas diferenciam os diversos atos de caminhar, falar e ver, m as não como seus
apêndices. Eles são ações diferentes, não a m esm a ação aplicada a diferentes coisas.
Pode-se notar m ais claram ente que o alvo ou objeto de um evento de sentir é
um a qualidade do evento quando falam os de outros sentidos que não a visão. Nes­
sas falas, raram ente caímos n a arm adilha da teo ria d a cópia. Se ouço um violino
tocando, seria pouco provável alguém afirm ar que m inha atividade de ouvir seja de
algum m odo um apêndice do som do violino. O som é parte do ato, ou talvez
resulte dele. Ouvir um violino e ouvir um oboé são atos diferentes de ouvir, não o
m esm o ato aplicado a diferentes sons. Um antigo enigm a zen-budista perguntava:
Compreender o behaviorismo
65
“Se u m a árvore cai na floresta, e ninguém está lá para ouvir, ela produz u m som?”.
A resposta do behaviorista é “não”, pois um som existe apenas como parte de um
ato de ouvir. Da m esm a m an eira que ouvir um violino difere de ouvir um oboé, ver
um urso tam bém difere de ver um lobo.
A relação entre o ver e a coisa vista fica ainda mais clara quando examinamos
exem plos do que Skinner denom ina “ver na ausência da coisa vista”. Se eu sonho
com um lobo, o lobo está presente? Se eu imagino a casa onde passei a infância, a
casa está lá? Parece até q ue a teoria da cópia foi inventada para tentar explicar
esses casos. Se estou vendo, deve haver algo para ser visto; como não há um lobo,
nem u m a casa, deve haver um a cópia, de algum m odo colocada diante de m inha
visão (não de m eus olhos!). Usar a teoria da cópia dessa m aneira é uma form a de
m entaiism o; o que parece explicação não explica nada. Onde está a cópia m ental
fantasm agórica, de que é feita, e como pode ser vista? O nde antes tínhamos um ato
de v er p a ra explicar, agora tem os o mesmo ato e mais um a cópia misteriosa, relacio­
n ad a m isteriosam ente com o ato. A alternativa é considerar o ver o lobo com os
olhos fechados com o sem elhante a ver o lobo com os olhos abertos. Os dois atos
diferem - geralm ente podem os distingui-los - mas têm m uito em comum. Isso
deixa sem resposta perg u n tas do tipo “Como eu sonho e imagino coisas que, na
verdade, nu n ca vi?” e “E possível treinar a imaginação?”. No entanto, considerar o
sonhar e o im aginar com o atos perm ite que essas questões sejam abordadas por um
estudo científico com m aior eficiência do que o são pela teoria da cópia.
A teo ria da cópia te n ta explicar o sonhar e o im aginar com a idéia de que as
cópias são arm azenadas e recuperadas da memória. Questões sobre o relem brar
tornam -se questões sobre processos m entais quiméricos de codificação, arm azena­
gem e recuperação. Q uando im agino a casa de minha infância, se vejo lá m eu pai,
supostam ente isso ocorre porq u e as duas memórias estão de algum modo ligadas.
Se, q u an d o alguém diz, “Perise em pássaros”, eu penso em pardais, tentilhões e
avestruzes, supostam ente isso ocorre porque as m em órias daquelas coisas estão
ligadas de algum a m aneira.
Em contraste, a perspectiva da análise com portam ental aponta para fatos da
vida. Q uando eu era criança, vendo a casa de minha infância, via meu pai também.
Q uando ouvi falar de pássaros, freqüentem ente ouvi falar de pardais, tentilhões e
avestruzes. Se essas coisas estão ligadas não é na memória, mas no tempo e no
espaço. Recordação é repetição. Quando relembro um a visita à praia, eu revejo o
céu, a água, a areia, ouço novam ente as ondas e sinto novam ente a brisa marítima.
Esses atos de im aginação diferem dos atos originais de ver, ouvir e sentir, mas são
tam bém sem elhantes. M uito de nosso comportamento é repetido todo dia. Eu pen­
teio o cabelo toda m anhã. Ajuda alguma coisa, para com preender como ou por que
eu faço isso, dizer que deve haver em algum lugar dentro de mim uma memória de
p en tear o cabelo?
M uitos psicólogos se agarram à idéia de que, se um a atividade se repete, ela
deve de algum m odo ser rep resen tad a no interior d a pessoa, presum ivelm ente no
cérebro. Q u ando co nfrontados com os defeitos das representações como cópias,
corn freqü ên cia eles insistem que a representação é apenas a atividade do cére­
bro. Por esse raciocínio, quando eu ligo meu carro toda m anhã, o motor em mo­
vim ento deve estar rep resen tad o no motor em repouso. Algum dia, os neurofi-
66
William M. Baum
siólogos p o d erão te r algo a dizer sobre os m ecanism os cerebrais através dos quais
essas coisas ocorrem . E nquanto isso, h á m uito a ser com preendido sobre o ver e o
rever como atos.
Os atos sensoriais são modificados pela experiência; estão sujeitos à aprendi­
zagem. A lunos de m edicina que estão no prim eiro ano do curso vêem um cérebro
de forma diferente de seus professores. Houve um tem po em que os professores
viam tão pouco quanto os alunos de agora; algum dia os alunos v erão tan to quanto
seus professores. A prendem os a distinguir coisas em um a paisagem ou em um a
sinfonia. Se eu disser a você, “Veja aquele celeiro no cam po”, ou “O uça o oboé”,
você vê ou ouve algo que não havia notado um m inuto atrás. A Figura 3.1 m ostra
dois esboços. Se você nunca os tiver visto, eles parecerão um am ontoado de linhas
(se você já os viu antes, lembre-se da prim eira vez). Agora eu digo a você que o de
cima m ostra u m urso subindo em um a árvore (ele está do outro lado), e o de baixo
m ostra um soldado com seu cachorro passando atrás de um m uro. Você passa a vêlos de m odo diferente. Seu com portam ento m udou como resultado de ler essas
palavras. Após exam inarm os os conceitos de discrim inação e de controle de estí­
m ulos, nos C apítulos 6 e 7, ficará m ais fácil e n te n d e r com o essa m u d an ça
com portam ental poderia ser cham ada de ver discriminado.
Á .
-0
Figuro 3.1 Esboços como estes ilustram que ver é um comportamento e, como todo com­
portamento, depende do contexto. O desenho superior mosira um urso subindo em uma
árvore, vislo do lado oposio do tronco. O da porte inferior mostra um soldado passando
com seu cachorro atrás de um muro.
Compreender o behaviorismo
67
Autoconhecimento e consciência
A palavra consciente é u sa d a de várias maneiras. “Ter consciência” vem a ser o
mesmo que “estar consciente”, pois consciência não é um a coisa, mas uma proprie­
dade. Pode-se dizer que u m a pessoa tem consciência ou perdeu a consciência, está
consciente ou inconsciente; as duas dicotom ias referem-se às mesmas possibilida­
des. Dizemos que u m a pessoa está consciente ou inconsciente dependendo do que
ela faz, p a rtic u la rm en te e m resp o sta a eventos am bientais como perguntas e
estim ulações. De vez em q u an d o alguém pergunta se os animais não-humanos são
conscientes ou não. A resp o sta à pergunta depende do que o animal faz e do que
aceitarem os como evidência d e consciência. Alguns atos são considerados conscien­
tes, outros não. Os m em bros de um jú ri freqüentem ente têm de julgar se uma
pessoa decidiu com eter um crim e conscientem ente ou não.
M uitos critérios diferentes para julgar a consciência já foram propostos, mas
não h á nenhum consenso sobre o que significa um a pessoa ou um ato ser consciente.
Continua o debate sobre a possibilidade de cachorros e morcegos serem conscien­
tes. Q uando o debate é infindável, o cientista começa a suspeitar de que o engano
reside m enos n a resposta do que na própria pergunta.
Para o behaviorista, p ode ser interessante tentar entender em que ocasiões as
pessoas tendem a u sar a p alavra consciente, mas a noção de consciência não tem
nenhum a utilidade p a ra a com preensão científica do comportamento. A falta de
precisão e a inutilidade da idéia de consciência derivam de seus vínculos com o que
Skinner denom inou de hom únculo e Ryle de hipótese paramecânica. A consciência
pertence ao hom enzinho ou ao eu autônom o interno, que olha para o mundo ex­
terno através dos sentidos, o u olha para o mundo interno da mente, e então se
torna consciente dos dois m undos. Se você questiona essa concepção de mundo
interno, m u n d o externo, eu interno e m ente, você estará questionando a noção de
consciência, pois ela dificilm ente tem sentido separada dessas idéias.
Ao investigar o que faz as pessoas usarem frases como “perder a consciência”
e “estar consciente” d e algo, o behaviorista pergunta como as pessoas aprendem a
falar desse m odo, ou que eventos ocasionam esse tipo de discurso. Apesar dos
grupos sociais v ariarem consideravelm ente, todo o m undo parece concordar com
um tipo de evidência: se as pessoas são capazes de falar sobre seu comportamento,
são consideradas conscientes e conscientes de seu com portamento. Não me é possí­
vel, geralm ente, descrever to d o s os atos envolvidos em minha rotina de dirigir o
carro para o trabalho - eles são inconscientes - mas se você me pedisse especifica­
m ente p a ra observá-los, e n tã o eu poderia falar deles com algum detalhe. Posso
fazer isso até certo pon to , m esm o que você nunca m e peça. Na medida em que
posso fa la r sobre eles, as pessoas dirão que meus- atos são conscientes. Meus atos
de dirigir ou a n d ar p odem ser conscientes ou inconscientes, dependendo de minha
capacidade de narrá-los a alguém . Mesmo atos de falar podem ser considerados
conscientes ou inconscientes, dependendo da capacidade do falante repetir o que
falou. Q uantas vezes as pessoas dizem as coisas e um m inuto depois negam que as
tenham dito! Nesses casos, dizemos que “a coisa foi dita inconscientemente”.
Como outros atos, os atos de ver e outras modalidades de atos de sentir po­
dem ser con scien tes ou inconscientes, dependendo das pessoas falarem ou não
68
William M. Baum
sobre eles. Se um policial pára m eu carro e me pergunta, “Você não viu a placa
‘pare’?”, eu posso honestam ente responder “Não”, porque, mesmo que ten h a olhado
em sua direção, posso não tê-la visto, assim como você não viu o urso e o soldado da
prim eira vez que olhou para os rabiscos na Figura 3.1. Se o policial m e pergunta,
‘Você está vendo a placa agora?”, eu olharei e direi, “Sim”. Ambas as respostas são
relatos de com portam ento: a prim eira é um relato n a ausência do evento; a segun­
da é um relato na ocorrência do evento. Embora o evento que está sendo relatado
seja privado, na concepção de Skinner, relatar os próprios atos privados é o m esm o
que relatar os próprios atos públicos. Aprendemos a falar do que vemos, ouvimos,
sentim os e pensam os do mesmo m odo que aprendem os a falar sobre o que com e­
mos, onde vamos e o que dizemos. O autoconhecim ento consiste nesse tipo de
discurso. No Capítulo 7, verem os que esse discurso é com portam ento verbal, um
produto social, sob controle de estímulos que são tan to públicos quanto privados.
Rachlin com partilha com Skinner a noção geral de que o autoconhecim ento
pode ser com preendido como um tipo de com portam ento, m as como considera os
atos com o exemplos de categorias mais amplas de com portam ento, atribui aos atos
privados um papel m uito m enos im portante no autoconhecim ento. Para Rachlin,
ver um sabiá é um a atividade, assim como caminhar até um a loja. Do m esm o m odo
que cam inhar até a loja inclui com portam entos como andar em um a d ad a direção,
falar sobre o andar e depois trazer para casa um a com pra, ver um sabiá inclui
com portam entos como olhar em sua direção, ap ontar p ara ele, falar sobre ele e
n o ta r quando ele se vai. Parte do com portam ento incluído em ver um sabiá poderia
ser falar “Olhe, lá está um sabiá”, ou “Estou vendo um sabiá”, ou responder “Sim”,
quan d o alguém pergunta se estou vendo um sabiá. Na perspectiva molar, esses não
são relatos de eventos privados; são simplesmente partes d a atividade (pública) de
ver um sabiá.
Ao discutir a dor, Rachlin estava discutindo um fenôm eno que a m aioria das
pessoas consideraria um evento de sentir privado. Sua concepção de sentir dor
assem elha-se à visão m olar de ver um sabiá. Sentir dor n a p erna inclui com porta­
m entos com o apontar para ela, apertá-la* andar m ancando e falar sobre ela. Dizer
“M inha perna está doendo” não é relatar um evento privado; é apenas parte da
atividade de sentir dor na perna. No que diz respeito a Rachlin, o evento privado da
dor não está em discussão. Não apenas é irrelevante; pode até nem existir. Se um a
pessoa reclam a de dor na perna, e o faz convincentem ente, nós nos com portam os
da m esm a m aneira, exista ou não a dor. Só mais tarde podem os ficar sabendo se a
pessoa estava fingindo; talvez a dor desapareça m uito rapidam ente, ou a pessoa
m anque com a perna errada. O mesmo valeria p ara ver ou ouvir. No filme The heart
is a lonely hunter, um hom em surdo finge estar apreciando um a música, m ovim en­
ta n d o seu corpo como se estivesse regendo um a orquestra. Seu desem penho é
convincente, mas quando o disco pára e ele continua, sua com panheira se dá conta
de que ele está fingindo. Se ele tivesse parado quando o disco parou, ela provavel­
m en te continuaria a achar que ele tinha ouvido a m úsica. Cedo ou tard e ele se
denunciaria, mas se um a pessoa surda pudesse fingir perfeitam ente, para todos os
efeitos e propósitos, ela seria capaz de ouvir, pois fingir perfeitam ente significaria
que ninguém percebe a diferença.
Compreender o behaviorismo
69
Pode-se arg u m en tar que, mesmo que um a pessoa surda pudesse enganar todo
o m undo à sua volta, ela própria saberia que estava fingindo. Entretanto, se ela
fosse bem -sucedida em todas as ocasiões, como poderia saber? Tanto quanto ela
pode saber, esse com portam ento e ouvir. Ela própria só poderia saber que estava
fingindo se seu p róprio com portam ento diferisse do comportamento de outras pes­
soas. Suponha que um a pessoa com boa audição finja ter prazer ao ouvir uma
música. Se ela faz tu d o certo, por que não deveria ela acreditar que realm ente está
apreciando a m úsica? A única pista, para ela e para os outros, seria um a diferença
entre seu co m portam ento e o com portam ento daqueles de quem se diz que real­
m ente apreciam m úsica. Eles sorriem, relaxam , não gostam de ser interrom pidos, e
depois falam sobre a música. Teria eu m enos prazer com a música porque não falo
dela depois? Talvez. Assim com o nenhum prazer privado precisa entrar na discus­
são, assim tam bém , p ara a perspectiva molar, nenhum ouvir privado precisa entrar
na discussão.
RESUMO
Embora os behavioristas radicais defendam concepções diversas sobre muitos tópi­
cos, eles concordam , em geral, com as seguintes idéias básicas.
Prim eiro, as explicações m entalistas do comportamento que aparecem na lin­
guagem cotidiana não têm lugar em um a ciência. Causas mentais do com porta­
m ento são fictícias. As origens do com portam ento encontram-se na hereditarieda­
de e no am biente, p resente e passado. Em razão das ficções mentais parecerem
explicações, elas ten d em a im pedir a investigação das origens ambientais do com­
portam ento, que levariam a um a explicação científica satisfatória. O m entaiismo é
insatisfatório porq u e é antieconôm ico (Skinner) e logicamente falacioso (Ryle).
Segundo, em u m a ciência do com portam ento, termos coloquiais mentalistas
como acreditar, esperar e pretender devem ser evitados ou cuidadosamente redefi­
nidos. A inda não está claro em que m edida os analistas comportamentais deveriam
fazer um a ou o u tra coisa. Veremos nos capítulos seguintes que alguns termos po­
dem ser redefinidos razoavelm ente bem, enquanto outros parecem muito estra­
nhos à abo rd ag em p a ra valer a pena redefini-los. Alguns termos novos, inventados
para perm itir a análise do com portam ento, parecem ser especialmente úteis.
Terceiro, os eventos privados, se é que precisamos falar deles, são naturais e
com partilham to d as as propriedades do com portam ento público. Mesmo que te­
nham os de d isco rrer sobre eles, suas origens encontram-se no am biente, exata­
m ente com o q u a lq u e r o u tro com portam ento; o com portam ento nunca se origina
de eventos privados. E nquanto Skinner confere a eles um papel em situações que
envolvem falar sobre o com portam ento privado (autoconhecim ento; Capítulos 6
e 7), behavioristas m olares com o Rachlin evitam a necessidade de dar aos even­
tos privados u m p apel explicativo, concebendo o com portam ento como organiza­
do em categorias que ocorrem no decorrer de um tem po estendido. Tais ativida­
des estend id as incluem , às vezes, entre outros elementos, falar sobre eventos
privados.
70
William M. Baum
LEITURAS ADICIONAIS
Baum, W. M. (2002). From molecular to molar: a paradigm shift in behavior analysis. Journal
of the Experimental Analysis of Behavior, 78, 95-116. Esse artigo explica a perspectiva molar
e como ela pode ser aplicada na pesquisa em laboratório e na vida cotidiana.
Melzack, R. (1961). The perception of pain. Scientific American, 204 (2), 41-49. Um exce­
lente artigo mais antigo, que resume os aspectos fisiológicos e circunstanciais da dor,
Rachlin, H. (1985). Pain and behavior. The Behavioral and Brain Sciences, 8, 43-83, Esse
artigo descreve a visão de Rachlin sobre a dor, bem como argumentos e provas a seu favor.
A publicação inclui comentários de vários críticos bem como as respostas de Rachlin a eles.
Rachlin, H. (1994). Behavior and mind. Oxford: Oxford University Press, Nesse livro relati­
vamente avançado, Rachlin explica a perspectiva molar e como termos mentalistas podem
ser interpretados comportamentalmente.
Rorty, R. (1979). Philosophy and the mirror o f nature. Princeton (NJ): Princeton University
Press. Esse livro contém uma crítica extensa do dualismo mente-corpo, de um filósofo que é
considerado um pragmatista contemporâneo,
Ryle, G. (1984). The concept of mind. Chicago: University of Chicago Press. (Reimpressão da
edição de 1949.) O Capítulo 1 explica a hipótese paramecânica, o “fantasma na máquina” e
os erros de categoria. Os capítulos subseqüentes abordam tópicos mais específicos, como
conhecimento, vontade e emoção.*
Skinner, B. E (1969). Behaviorism at fifty. In: Contingencies of reinforcement. Nova York:
Appleton-Century-Crofts, p. 221-268. A mais famosa discussão de Skinner sobre eventos
privados em contraste com eventos mentais.'*'
Skinner, B. F, (1974). About behaviorism. Nova York: Knopf. O Capítulo 1 contém uma com­
paração do behaviorismo metodológico com o behaviorismo radical O Capítulo 2 discute
causas mentais em contraste com eventos privados, O Capítulo 5 (“Perceber”) discute a
teoria da cópia e o ver na ausência da coisa vista.*
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPÍTULO 3
Aberto e encoberto
Ficção explanatória
Ação
Fictício
Atividade
Hipótese paramecânica
Autonomia
Homúnculo
Mentalismo
Perspectiva molar
Consciente
Contigüidade
Erro de categoria
Espíritos animais
Evento natural
Evento privado
Evento público
Perspectiva molecular
Problema mente-corpo
Pseudoquestão
Redundância
Teoria da cópia
‘N, de T. Título traduzido em português (ver 'Apêndice”) .
PARTE DOIS
Um modelo científico
de comportamento
V
L ara ser claro e convincente ao criticar um ponto de vista, é necessário oferecer
..uma visão alternativa aceitável. Para ajudar a enxergar o que há de errado com
visões m entalistas convencionais de com portam ento, precisamos levar em conside­
ração explicações que possam ser cientificamente aceitáveis. Nos Capítulos 4 a 8,
veremos alguns conceitos básicos de análise com portam ental e os utilizaremos para
sugerir alternativas a noções m entalistas e não-científicas.
Entretanto, faz-se necessária um a advertência. Como todas as explicações ci­
entíficas, as que irem os ad o tar são consideradas, pelos cientistas, como possibilida­
des abertas a debate e m udança. Qualquer um a delas pode vir a ser considerada
incorreta futuram ente, ou talvez não seja endossada por alguns analistas de com­
portam ento, m esm o nos dias de hoje.
Para nossos propósitos, a possibilidade de que um a determ inada explicação
científica venha a ser descartad a não é im portante. Tudo que temos de perceber é
que é possível explicar o com portam ento cientificamente. Conforme progride a
análise com portam ental, as explicações aceitas vão sendo modificadas, à medida
que surgem novas explicações. 7\ido que precisamos ver é que tipo de explicação é
cientificamente aceitável com o alternativa ao mentalismo.
A loc-itftjfcVfc - M"1ST0/I/4
■0/«ToCn4/ofcSí
-
"
H fé u é
"
”
UH 1 " ^ ' " ^ °
4
Teoria da evolução e reforço
A m oderna teoria da evolução fornece um poderoso referencial para se falar do
com portam ento. Na verdade, já não é mais possível discutir com portam ento fora
desse contexto porque, desde Darwin, os biólogos vêm reivindicando cada vez mais
o com portam ento com o p arte de seu objeto de estudo. Em consonância com a
suposição d e continuidade das espécies (Capítulo 1), sua atenção tem sido dirigida
tam bém , e cada vez m ais 3 p a ra o com portam ento humano. Mais ainda do que no
tem po de W atson, os psicólogos que hoje ignoram a teoria da evolução correm o
risco de ficar à m argem da tendência atual do desenvolvimento científico.
Neste capítulo, nosso interesse pela teoria da evolução tem dois aspectos. Em
primeiro lugar, a história evolutiva, oufilogênese, de qualquer espécie - incluindo a
nossa própria - pode nos ajudar a com prèêncler 3 comportamento dessa espécie. A
m aior parte dos genes que um indivíduo herda foi selecionada ao longo de muitas
gerações porque prom ovem com portam entos que contribuem para o sucesso na
interação com o am biente e na reprodução. Em segundo lugar, a teoria da evolução
representa um tipo de explicação atípico entre as ciências. As explicações científicas
norm alm ente apelam para o mecanismo, ou o modo como as coisas estão organiza­
das em um dado m om ento. O tipo de explicação da teoria da evolução, que chama­
remos de explicação histórica, é critico para a análise de comportamento porque a
alternativa cientificamente aceitável ao mentalismo é a explicação histórica.
HISTÓRIA EVOLUTIVA
Quando falam os em filogênese de um a espécie., não estamos falando de nenhum
evento em particular, m as de um a série ou história de eventos no decorrer de um
longo tem po. A resposta d ad a pela biologia à questão: “Por que as girafas têm
pescoços com pridos?” é de natureza diferente da resposta dada pela física a uma
74
Williom M. Bcium
questão do tipo “Por que o Sol nasce de m anhã?”, A explicação sobre o Sol exige
referência apenas a eventos que ocorrem em um determ inado instante - a rotação
da Terra no m om ento em que o Sol nasce. A explicação sobre as girafas exige
referência ao nascim ento, vida e m orte de u m núm ero incontável de girafas e de
ancestrais de girafas no decorrer de m uitos milhões de anos.
A grande contribuição de Darwin foi ver que um m ecanism o relativam ente
simples poderia ajudar a explicar porque a filogenia seguiu o curso que seguiu.
Darwin enxergou que a história do pescoço das girafas é mais do que u m a seqüên­
cia de m udanças; é u m a história de seleção. O que faz a seleção? N ão é um Criador
onipotente, não é a M ãe N atureza, não são as girafas, mas sim um processo natural
e m ecânico’: a seleção n atural.
Seleção natural
Em qualquer população de organism os, os indivíduos variam. Variam, em parte,
devido a fatores am bientais (por exemplo, nutrição) e, tam bém , devido à herança
genética. Entre os ancestrais de girafa que m oravam onde atualm ente é a Planície
de Serengeti, na Tanzânia, por exemplo, a variação nos genes significava que algu­
mas teriam pescoços m ais curtos, outras, mais compridos. E ntretanto, à m edida
que o clima foi gradualm ente se alterando, novos tipos de vegetação, m ais altos,
tornaram -se mais freqüentes. Os ancestrais de girafa que possuíam pescoços mais
compridos e eram capazes de atingir locais mais altos conseguiam comer, em m é­
dia, um pouco mais. Em conseqüência, eram um pouco mais saudáveis, um pouco
mais resistentes a doenças, u m pouco m ais ágeis para fugir de predadores - em
média. Q ualquer um dos indivíduos de pescoço mais comprido poderia te r m orrido
sem deixar descendentes, m as, em m édia, foram eles que deixaram m ais descen­
dentes que, por sua vez, tiveram em m édia m aior probabilidade de sobreviver e de
deixar mais descendentes. Como os pescoços m ais longos se to rn aram m a is fre­
qüentes, novas com binações genéticas ocorreram , resultando em descendentes de
çescoço ainda mais longo que o das girafas anteriores, e que se saíam ainda melhor.
A m edida que as girafas de pescoço com prido continuavam a se reproduzir em
m aior núm ero que as de pescoço curto, o com prim ento m édio do pescoço de toda
a população aum entou.
A Figura 4.1 esquem atiza o processo. O eixo horizontal rep resen ta os com ­
prim entos do pescoço, au m en tan d o d a esquerda para a direita. O eixo vertical
superior representa a freqüência relativa de diversos com prim entos de pescoço na
população de girafas ou de ancestrais de girafa. A curva 1 m ostra a variação nos
ancestrais de girafas de pescoço curto. À m edida que a seleção ocorre, a distribui­
ção se desloca para a direita (curva 2), indicando que o com prim ento do pescoço,
em bora continuasse v ariando, tornou-se, em média, mais longo. A curva 3 m ostra
a variação nas girafas dos dias atuais, um a distribuição de freqüência estável que
não mais se desloca em direção de pescoços mais compridos. Para que ocorra um
processo de seleção desse tipo, três condições devem ser satisfeitas. Prim eiro, qual­
quer que seja o fator am biental que to rn e vantajoso ter um pescoço mais com prido
(no nosso exem plo, a alteração na vegetação), ele deve estar sem pre presente.
Compreender o behaviorismo
75
Segundo, a variação n o com prim ento do pescoço deve refletir, pelo m enos em
parte, a variação genética. Indivíduos com pescoço mais comprido devem te r m ai­
or probabilidade de d eixar descendentes de pescoço comprido do que de pescoço
curto. Se, por exem plo, to d a a variação no com prim ento do pescoço fosse devida a
variação na alim entação, sem variação nos genes - os indivíduos que comessem
m elhor teriam pescoço m ais longo, em vez do contrário - a seleção se tornaria
impossível porque, geração após geração, a mesma variação na alim entação e no
com prim ento do pescoço se repetiria. Terceiro, deve haver competição. Dado que
os recursos de um a região só podem sustentar um a população de girafas de deter­
m inado núm ero, um a superpopulação significa que alguns descendentes têm de
morrer. Os descendentes bem -sucedidos irão sobreviver, na geração seguinte, pro­
duzindo sua própria descendência.
Esses três fatores e stão incorporados no conceito de aptidão/ A aptidão de
um a variação genética (u m genótipo) é sua tendência a um aumento quantitativo,
de um a geração à o u tra, e m relação aos outros genótipos da população. Q ualquer
genótipo, até m esm o u m d e pescoço curto, poderia se sair bem desde que estivesse
isolado, mas, em com petição com outros, poderá apresentar baixa aptidão. Quanto
m aior a aptidão de um g enótipo, m aior será a tendência de que tal genótipo predo­
mine no decorrer das gerações. O eixo vertical descendente na Figura 4.1 represen­
ta a aptidão dos genótipos subjacentes aos diversos comprimentos de pescoço. A
curva som breada m o stra com o a aptidão varia com o comprimento do pescoço.
Este perm anece o m esm o ao longo do processo de seleção porque representa os
“N. de T. Fitness, em inglês. A tradução por aptidão é utilizada atualmente por biólogos no
sentido de aptidão para sobreviver, e não no outro sentido que esse vocábulo possa ter, de
“capacidade natural de adquirir conhecimentos ou habilidades motoras, gerais ou específicas”.
76
William M, Baum
fatores constantes do am biente (a vegetação) que ligam o com prim ento do pesco­
ço ao sucesso reprodutivo. Seu p o n to m áxim o ocorre junto à linha tracejada, a
m esm a linha que indica o com prim ento m édio do pescoço das girafas dos dias
atuais. Q uando o genótipo m édio em um a população alcança a aptidão máxima, a
distribuição de genótipos n a população se estabiliza.
Estabilizada a população, apenas o deslocam ento direcionado cessa; a sele­
ção, que é o que m antém a população estável, continua. A curva de aptidão da
Figura 4.1 passa por um valor m áxim o porque um pescoço longo demais pode ser
um a desvantagem . Complicações ao nascim ento e a sobrecarga a que o coração
seria subm etido por bom bear sangue a um a grande altura, por exemplo, podem
estabelecer um limite superior p a ra a aptidão. Como a curva de aptidão passa por
um valor máximo, a seleção tra b a lh a rá contra os desvios desse valor máximo (a
m édia da população) em am bas as direções.
O próprio Darwin, e m uitos biólogos desde então, reconheceram que o com ­
portam en to exerce um papel cen tral n a evolução. A seleção ocorre porque os indi­
víduos interagem com seu am biente. M uito dessa interação é com portam ento. Em
nosso exem plo, as girafas têm pescoços com pridos porque se alimentam. T artaru­
gas possuem cascos porque, ao se encapsularem dentro deles, protegem-se. A re ­
produção, chave de todo o processo, não pode ocorrer sem com portam entos tais
como cortejar, acasalar-se e cuidar da prole.
Os indivíduos que se com portam m ais eficientem ente têm maior aptidão. A
aptidão de üm genótipo depende de sua capacidade de gerar-indivíduos que se
com portam melhor do que o utros - indivíduos que com em melhor, que correm
mais velozm ente, que alim entam m elhor a prole, que constroem melhor o ninho, e
assim p o r diante. Na m edida em que tais com portam entos são afetados pelo
genótipo, a seleção natural pode te r atu ad o para alterá-los e estabilizá-los.
Reflexos e padrões fixos de ação
Reflexos
Alguns traços comportamentais são tão característicos de um a espécie quanto seus
traços anatômicos. Os mais sim ples deles são cham ados reflexos, porque a prim eira
teoria sobre eles propunha que o efeito som ático produzido por um estímulo - um
evento am biental que estim ula órgãos sensoriais - refletia-se, pelo sistema nervo­
so, em um a resposta - u m a ação. Se seu nariz está coçando, você espirra. Se você
recebe um sopro no oího, você pisca. Se você está com frio, você treme. A cócega,
o sopro e o frio são estím ulos; o espirrar, o piscar e o trem er são respostas.
Os reflexos são produto da seleção natural. Invariavelm ente parecem estar
envolvidos na manutenção da saúde e na prom oção da sobrevivência e da reprodu­
ção. Com o exemplos, podem os pensai* em espirrar, piscar, tremer, liberar adrenalina
frente a um perigo, excitar-se sexualm en te. Os indivíduos nos quais esses reflexos
eram fortes tinham mais probabilidade de sobreviver e de se reproduzir do que os
indivíduos nos quais eles eram fracos ou inexistentes. Na Figura 4.1, se substituir­
m os o comprimento do pescoço p ela força do reflexo de espirrar, ou pela prontidão
Compreender o behaviorismo
77
da ereção do pênis, podem os im aginar um a história de seleção sem elhante. A cur­
va de aptidão passaria por um valor.m áxim o porque um espirro m uito fraco repre­
senta pouca proteção e um a ereção m uito len ta significa menos descendentes, mas
um espirro m uito forte seria prejudicial e um a ereção muito rápida seria um obstá­
culo (sem falar no problem a social). Ao longo de muitas gerações, genótipos que
prom ovessem um reflexo mais forte tenderiam a se reproduzir mais freqüentemente,
•em m édia (distribuições de freqüência l e 2), até chegar à aptidão m áxima (distri­
buição de freqüência 3).
Padrões fixos de ação
Padrões m ais com plexos de com portam ento tam bém podem fazer parte de rela­
ções fixas com eventos ambientais e ser característicos da espécie. Quando uma
gaivota chega ao ninho, seus filhotes ciscam um ponto de seu bico e um dos pais
responde depositando a comida no chão. Em outras espécies de pássaros, os filho­
tes abrem ao m áxim o suas bocas, e o pai (ou mãe) coloca ali a comida. Quando
um a fêm ea de esgana-gata (um pequeno peixe) com ovas entra no território de um
macho, este inicia um a série de m ovim entos ao seu redor, e ela responde aproxi­
m ando-se do ninho desse macho. Tais reações com portamentais complexas são
conhecidas como padrões fixos de ação - o ciscar dos filhotes, o pássaro genitor
regurgitar a com ida e a “dança” de acasalam ento do esgana-gata macho são exem­
plos. Os eventos am bientais que disparam esses padrões são conhecidos como,es
U i^s-sina^auA íberadores - a chegada do pássaro pai, as batidas no bico, a boca
bem aberta, a b a rríg a cEeia de ovos da fêm ea de esgana-gata. Tal como os reflexos,
essas reações com portam entais podem ser vistas como importantes para a aptidão
e, por essa razão, com o produtos de um a história de seleção natural. Vale a mesma
análise dos reflexos: os indivíduos cujos padrões fixos de ação são ou muito fracos
ou m uito fortes possuem genótipos menos aptos.
Em bora os estím ulos liberadores e os padrões fixos de ação possam parecer
mais complexos do que os estímulos e as respostas que constituem os reflexos, não
há nenhu m a linha divisória clara que separe esses tipos de reação. Ambos podem
ser considerados relações entre um evento ambiental (estímulo) e um a ação (res­
posta). Ambos podem ser considerados característicos de uma espécie por serem
traços extrem am ente constantes, tão constantes quanto o pescoço ua girafa ou as
m anchas do leopardo. Por serem de tal form a constantes, são considerados incor­
porados, resu ltan tes do genótipo, e não aprendidos.
Reflexos e padrões fixos de ação são reações que aum entam a aptidão por
estarem im ediatam ente disponíveis no m om ento necessário. Quando passa a som­
bra de um falcão em vôo, o filhote de codorna se encolhe como se estivesse parali­
sado. Se essa reação dependesse de experiência, poucos filhotes de codorna sobre­
viveriam p a ra se reproduzir. Esse padrão pode ser refinado - filhotes de gaivota,
depois de algum tem po, tocam com mais precisão o bico do pai, e o chamado de
alarm e peculiar de um jovem macaco vervet* transforma-se eventualm ente em difeN. de T. Cercopithecux aethiops.
78
William M. Baum
ren tes cham ados conform e o predador seja, digamos, um a águia, um leopardo ou
um a cobra - mas sua alta confiabilidade inicial deriva de um a história de seleção
dessa m esm a confiabilidade. Genótipos que exigissem que tais padrões fossem apren­
didos a p artir de zero seriam m enos aptos do que genótipos que já trouxessem a
form a básica incorporada.
Da m esm a form a que o comprimento do pescoço ou a coloração d a pele, os
reflexos e padrões fixos de ação foram selecionados no decorrer de um longo espa­
ço de tem po, em que o am biente perm aneceu estável o suficiente para m anter a
vantagem dos indivíduos que possuíssem o com portam ento adequado. Os reflexos
e padrões fixos de ação que vemos hoje foram selecionados pelo am biente passado.
Em bora tenham aum entado a aptidão no passado, n ad a garante que continuarão a
aum entá-la no futuro; se o am biente m udar repentinam ente, a seleção não terá
possibilidade de alterar os padrões de com portam ento já incorporados.
Teriam os seres hum anos esses padrões não-aprendidos? D entre todas as es­
pécies, a nossa parece ser a que mais depende da aprendizagem . Seria u m erro, no
entanto, im aginar que o com portam ento hum ano é inteiram ente aprendido. Te­
m os m uitos reflexos: tosse e espirro, sobressalto, o piscar, a dilatação pupilar,
salivação, secreção glandular, e assim por diante. E quanto aos padrões fixos de
ação? Esses são difíceis de serem reconhecidos em seres hum anos porque são bas­
tan te m odificados por aprendizagem posterior. Alguns podem ser reconhecidos
porque ocorrem universalm ente. Um padrão fixo de ação é o sorriso - até pessoas
cegas de nascença sorriem . Um outro é o rápido m ovim ento de sobrancelha que
ocorre quando cum prim entam os um a pessoa: quando a saudação é sincera, as so­
brancelhas erguem -se por um a fração de segundo. N orm alm ente, n en h u m a das
duas pessoas que se saúdam tem consciência dessa resposta, m as ela produz na
pessoa cum prim entada a sensação de ser acolhida (Eibl-Eibesfeldt, 1975). Não
deveria soar como surpresa que seres humanos possuam padrões fixos de ação,
em bora sejam m odificados ou elim inados através de treino cultural. N a verdade,
dificilm ente poderíam os aprender todos os padrões complexos que aprendem os
sem um a elaborada base de tendências previam ente incorporadas.
Condicionamento respondente
Um tipo simples de aprendizagem que ocorre com os reflexos e os padrões fixos de
ação é o condicionamento clássico ou respondente. E cham ado de condicionam ento
porque seu descobridor, í. P Pavlov, usou o term o reflexo condicional p a ra descrever
o resultado da aprendizagem ; ele considerou qüe um novo reflexo, condicional à
experiência, tinha sido aprendido. Pavlov estudou um a série de reflexos, mas sua
pesquisa mais conhecida centrou-se em respostas ao alim ento. Descobriu que, quan­
do um estímulo, tal como um som ou um a luz, precede com regularidade o ato de
d ar comida, o com portam ento na presença desse estím ulo se altera. Depois de um a
série de paream entos tom -alim ento, um cão com eça a salivar e a secretar sucos
digestivos no estôm ago apenas na presença do tom . Se Felipe com eça a salivar
quando vê o peru assado, é evidente que ele não nasceu com essa reação; ele saliva
porque, no passado, tais eventos precederam o comer. Se Felipe tivesse sido criado
Compreender o behaviorismo
79
em um a fam ília hinduísta ortodoxa n a índia, vegetariano desde o nascimento, é
pouco provável que a visão do p eru assado o fizesse salivar. Se, tendo sido criado
no Brasil, fosse visitar a casa de um indiano, possivelmente não salivasse frente a
algumas das iguarias lá servidas.
O m esm o condicionam ento que governa reações reflexas simples tam bém
governa os p adrões fixos de ação. Pesquisadores que se seguiram a Pavlov descobri. ram que, em qualquer situação n a qual comer tenha ocorrido freqüentem ente no
passado, todos os com portam entos relacionados à comida, não apenas a salivação,
tornam -se m ais prováveis. Cães latem e abanam a cauda, com portam entos que
acom panham a alim entação grupai em cachorros selvagens. Assim que o momento
de serem alim entados se aproxim a, pombos tendem a bicar qualquer coisa - uma
luz, o chão, o ar, outro pom bo - até que haja comida para bicar.
Os analistas de com portam ento debatem a melhor forma de falar sobre tais
fenômenos. A form a m ais antiga, derivada d a idéia de Pavlov sobre reflexos condi­
cionais, fala em respostas eliciadas por estímulos, sugerindo um a relação causal de
um para um . Essa form a pode servir para reações reflexas como a salivação, mas
muitos pesquisadores consideram -na inadequada quando aplicada aos vários com­
portam entos que se tom am prováveis quando da alimentação. Para falar sobre todo
o conjunto de com portam entos relacionados à comida, foi introduzido o termo
induzir (Segai, 1972). Repetidas apresentações de tom seguidos por alimento indu­
zem, na presença do tom , com portam entos relacionados à alimentação. Para um
cão, isso significa que salivar, latir e abanar a cauda tornam-se todos prováveis
quando o to m está presente.
O que é v erdadeiro em relação à comida é verdadeiro em relação a outros
eventos fílogeneticam ente im portantes. Situações que precedem o acasalamento
induzem excitação sexual, todo um conjunto de reflexos e padrões fixos de ação
que variam im ensam ente de u m a espécie para outra. Para os seres humanos, acarre­
tam m udanças no batim ento cardíaco, na pressão sanguínea e n a secreção glandular.
Situações que precedem perigo induzem um a série de comportamentos agres­
sivos e defensivos. Um rato ataca outro rato quando recebe choque elétrico na
presença deste. De form a sem elhante, pessoas que estão sofrendo dor se tornam
freqüentem ente agressivas, e qualquer situação em que tenham , no passado, senti­
do dor, induz com portam ento agressivo. Quantos médicos, dentistas e enfermeiros
têm de lutar com a resistência de pacientes antes mesmo que qualquer dor lhes
tenha sido infligida! Tais situações induzem um grande núm ero de reações reflexas
e padrões fixos de ação que variam de um a espécie para outra. Alguns desses com­
portam entos têm m ais a ver com fuga do que com agressão. Em situações que
sinalizam perigo, é bem provável que as criaturas saiam correndo. As vezes, quan­
do um a situação envolve dor que, no passado, tenha sido inevitável, os sinais de
perigo induzem passividade extrem a. E o fenômeno conhecido como desamparo
aprendido, às vezes com parado especulativam ente à depressão clínica em seres
humanos.
O debate sobre o que tudo isso significa e sobre a melhor forma de falar sobre
esse assunto continua, m a s não precisa nos deter aqui. Para nossos propósitos, é
suficiente notar que a história de seleção natural pode ter, pelo menos, dois tipos
de resultado. Primeiro, pode assegurar que eventos importantes para a aptidão,
80
Williom M. Baum
tais com o alimento* um parceiro sexual ou um predador produzam invariavelm en­
te reações com portam entais, tanto reflexos simples quanto padrões fixos de ação.
S egundo, p o d e asse g u ra r a susceptibilidade d a espécie ao cond icio n am en to
respondente. Felipe pode não ter vindo ao m undo salivando frente a um peru assa­
do, m as ele vem, sim, construído de tal forma que pode aprender esta reação se for
criado em nossa cultura. Se os indivíduos que conseguiram apren d er a reagir a
vários sinais possíveis se m ostraram mais aptos, então os indivíduos dos dias de
hoje possuirão um genótipo que será típico da espécie e que terá resultado de um a
história de seleção n atural que perm ite esse tipo de aprendizagem . Em certo senti­
do, esse genótipo faz a individualidade, porque quais os precisos sinais que induzi­
rão o com portam ento dependerá da história particular do próprio indivíduo quan­
to aos sinais específicos que precederam eventos específicos filogeneticam ente im ­
portantes.
Esses eventos que estamos cham ando de filogeneticamente importantes costu­
m am ser im portantes (no sentido de induzir reações com portam entais) para todos
os m em bros d a espécie. Essa uniform idade sugere um a história evolutiva em que,
na população, os indivíduos para os quais esses eventos foram im portantes (no
sentido presente) foram mais aptos. Os genótipos que constituíram indivíduos para
os quais com ida e sexo não induziram com portam entos apropriados (não foram
im portantes) não estão mais conosco.
É preciso fazer um a distinção entre o que era im portante h á m uito tempo,
d u ran te a filogênese, e o que consideramos im portante em nossa sociedade atual.
A história evolutiva que tornou filogeneticam ente im portantes o alim ento, o sexo e
outros eventos estendeu-se por milhões de anos. As circunstâncias am bientais que
ligaram esses eventos à aptidão há um milhão de anos poderiam estar ausentes
hoje, porque a cultura hum ana pode m udar enorm em ente em apenas alguns sécu­
los, tem po em que jam ais seria possível ocorrer u m a m udança evolutiva significati­
va em nossa espécie. Por exemplo, se um a nova geração se inicia a cada 20 anos,
300 anos representam apenas 15 gerações, o que é inquestionavelm ente muito
pouco p ara um a m udança substancial nos genótipos. E possível que todas as m u­
danças que ocorreram como resultado da Revolução Industrial - o crescim ento de
cidades e fábricas, carros e aviões, armas atômicas, a família nuclear - não tenham
tido efeito algum sobre as tendências co m portam entais m a n tid as por nossos
genótipos. Portanto, nossa história evolutiva pode nos ter dado um a preparação
inadequada para os desafios de hoje. Quando o médico se aproxim a para lhe apli­
car um a injeção, sua tendência pode ser ficar tenso, preparar-se p ara o perigo, ficar
de sobreaviso para a fuga ou agressão, enquanto a resposta ad eq u ad a seria relaxar.
Agora que tem os armas nucleares nas mãos, quão mais im portante se to rn a refrear
tendências agressivas que evoluíram ao tem po em que um bastão era um a arm a
poderosa!
Reforçadores e punidores
Por que nos subm etem os pacientem ente a injeções? Os analistas de com portam en­
to explicam nossa tendência à submissão e não à resistência pelas conseqüências
Compreender o behaviorismo
81
dessas ações. A resistência poderia evitar alguma dor a curto prazo, mas a sujeição
à picada da agulha está ligada a conseqüências mais importantes a longo prazo,
tais como saúde e reprodução. As conseqüências tendem a modelar o com porta­
m ento, e isso serve de base para um segundo tipo de aprendizagem, o condiciona­
mento ou aprendizagem operante.
Eventos filogeneticam ente im portantes, quando são conseqüências de com­
portam ento, são cham ados de reforçadores epunidores. Os eventos que, durante a
•filogênese, au m entaram a aptidão por estarem presentes são chamados reforçadores,
porque ten d em a fortalecer o com portam ento que os produz. Como exemplos te ­
mos alim ento, abrigo e sexo. Se alim ento e abrigo puderem ser obtidos através de
trabalho, en tão eu trab alh o . Se chego ao sexo através de rituais específicos de
m inha cultura - o n am oro - então eu namoro. Os eventos que aum entaram a apti­
dão du ran te a filogênese por estarem ausentes são chamados punidores, porque
tendem a suprim ir (punir) o com portam ento que os produz. Como exemplos te­
mos a dor, o frio e a doença. Se eu faço um agrado em um cão e ele me morde, será
m enos provável que eu o acaricie novamente. Se com er amendoim me faz passar
mal, será m enos provável que eu coma amendoim. Essas mudanças no com porta­
m ento s gr causa d e ju a s conseqüências são exemplos^d^aprendizagem operante.
Aprendizagem operante
Enquanto o condicionam ento respondente ocorre como resultado da relação entre
dois estím ulos - u m evento filogeneticamente im portante e um sinal - a aprendiza­
gem operan te ocorre com o resultado de um a relação entre um estímulo e uma
atividade - um evento filogeneticam ente im portante e um com portam ento que
afeta sua ocorrência. C olocado em sentido amplo, há dois tipos de relação entre
com portam ento e conseqüência: positiva e negativa. Se você caça ou trabalha para
comer, esse co m portam ento ten d e a produzir alimento ou a torná-lo mais provável.
Trata-se aqui de u m a relação positiva entre conseqüência (alimento) e atividade
(caçar ou trabalhar). Se Lourdinha é alérgica a amendoim, ela verifica os ingredientes
de alim entos industrializados antes de comprá-los, para se certificar de que não há
am endoim ou óleo de am endoim em sua composição, e não passar mal. Trata-se
agora de u m a relação negativa; a atividade (verificar os ingredientes) evita a con­
seqüência (doença) ou a to rn a menos provável.
Com dois tipos de relação atividade-conseqüência (positiva e negativa) e dois
tipos de conseqüência (reforçadores e punidores), tem os quatro tipos de relação
que podem d ar origem à aprendizagem operante (Figura 4.2). A dependência en­
tre trabalho e alim ento e um exemplo de reforço positivo: reforço porque a relação
tende a fortalecer ou a m an ter a atividade (trabalhar), e positivo porque a ativida­
de torna provável o reforçad o r (alim ento). A relação entre escovar os dentes e
desenvolver cáries é u m exem plo de reforço negativo: reforço porque a relação
tende a m an ter a escovação dos dentes (a atividade), e negativo porque escovar
torna a cárie (o p unidor) m enos provável. A relação entre caminhar sobre placas
de gelo e cair é um exem plo de punição positiva: punição porque a relação torna o
cam inhar sobre o gelo (a atividade) menos provável, e positiva porque a atividade
82
William M. Baum
Conseqüência
D
c
‘<S>
o
Reforçador
Punidor
Positiva
Reforço
Positivo
Punição
Positiva
Negativa
Punição
Negativa
Reforço
Negativo
Figura 4.2 Quatro tipos de relação que dao origem à aprendizagem operante.
to rn a o punidor (queda) mais provável. A relaçao en tre fazer barulho durante um a
caçada e pegar a presa é um exem plo de punição negativa: punição porque a rela­
ção ten d e a suprim ir com portam entos ruidosos, e negativa porque fazer barulho (a
atividade) torna o pegar a presa (um reforçador) m enos provável.
Os eventos filogeneticam ente importantes não são os únicos reforçadores e
punidores. Os estímulos que sinalizam eventos filogeneticam ente im portantes, que
integram o condicionam ento respondente, tam bém funcionam como reforçadores
e punidores. Um cão treinado a pressionar uma b arra para produzir alim ento tam ­
bém pressionará essa barra p ara produzir um som que seja seguido por comida.
Enquanto continuar a sinalizar comida - a relação do condicionamento respondente o tom servirá p ara reforçar o comportam ento de pressionar a barra do cão. Isso
explica porque as pessoas trabalham por dinheiro com o trabalhariam pelo próprio
alim ento; como no condicionam ento respondente, o dinheiro é pareado com ali­
m ento e outros bens. Q uando um reforçador ou um p unidor é o resultado de um
condicionam ento respondente desse tipo, ele é cham ado de adquiiido ou condicio­
n a i Os eventos filogeneticam ente im portantes que se relacionam diretam ente com
a aptidão são cham ados de reforçadores e punidores incondicionais. O dinheiro e
um som que sinaliza com ida são reforçadores condicionais. Eventos dolorosos na
sala do médico podem transform ar a própria sala em um punidor condicional.
Na sociedade hum ana, os eventos que se tornam reforçadores e punidores
condicionais são num erosos e variados, Eles diferem de cultura para cultura, de
pessoa para pessoa, e de tem pos em tempos ao longo da vida de um indivíduo. Eu,
q uando estava na prim eira série, lutava por m edalhas de ouro; hoje, incentivo m eu
filho a batalhar por adesivos que mostram um a carinha sorridente.* Nos Estados
Unidos, quando estam os doentes, marcamos consultas com médicos; em outras
culturas, as pessoas m arcam consultas com mágicos e curandeiros. Lourdinha, que
é alérgica a am endoim , acha o cheiro e o aspecto do crem e de am endoim detestá-
'N. de T. Happy-fcice stickers são dados a crianças na escola, no dentista ou em outras situa­
ções em que se deseja reforçar um certo comportamento.
Compreender o behaviorismo
83
veis, e se esquiva dele. Eu, que como creme de amendoim diariam ente no almoço,
vou sem pre à m ercearia para comprá-lo. Meu problem a é com pim então verde;
coloco-o de lado quando vem n a salada do restaurante.
O fato de u m estím ulo se to rn ar ou se manter reforçador ou punidor condi­
cional vai d ep en d er de sinalizar um reforçador ou um punidor incondicional. O
dinheiro se m an tém com o reforçador enquanto sinaliza a obtenção de alimento e
de outros reforçadores incondicionais. Nos primórdios da existência dos Estados
Unidos, o governo lançou um a m oeda cham ada de “continental”, que acabou per­
dendo o valor porque não tinha m uito lastro em ouro - isto é, não havia m uita
possibilidade de resg atar o papel por valores reais. As pessoas se recusavam a rece­
ber o título como pagam ento, e ele parou de funcionar como reforçador. Meu am i­
go Mark, que é pára-quedista, ficou aterrorizado na primeira vez em que saltou de
um avião, e hesitou por m uito tem po antes de pular novamente. Entretanto, após
muitos saltos sem n en h u m acidente, ele salta, agora, sem hesitação; o salto deixou
de ser um punidor. Para mim, que nunca saltei de um avião, só resta adm irar a
força dos reforçadores condicionais que m antêm esse comportamento.
Esse últim o exem plo ilustra um ponto im portante a ser lembrado quando
discutimos reforço e punição: o com portam ento, com freqüência, tem conseqüên­
cias mistas. Frases dó tipo “Tem que ser com sofrimento!” e “Graças a Deus hoje é
sexta-feira” revelam essa característica de nossas vidas. A vida é cheia de opções
entre alternativas que oferecem diferentes combinações de reforço e punição. Com­
parecer ao trab alh o propicia tanto receber a remuneração (reforço positivo) quan­
to sofrer aporrinhações (punição positiva), enquanto faltar sob pretexto de estar
doente pode ac a rreta r algum a perda m onetária (punição negativa), evitar as apor­
rinhações (reforço negativo), propiciar alguns feriados (reforço positivo) e levar a
algum tipo de reprovação no local de trabalho (punição positiva). Qual desses
conjuntos de relações prevalecerá depende da força de cada um a delas, o que, por
sua vez, depende tan to das circunstâncias presentes quanto da história pessoal de
reforço e punição.
Fatores biológicos
Reforço e punição precisam ser compreendidos à luz das circunstâncias em que
nossa espécie evoluiu. Como a sensibilidade ao reforço e à punição aum enta a
aptidão apenas em algum as circunstâncias, e como algumas dessas sensibilidades
aum entam m ais a aptid ão do que outras, a filogênese nos deixou um a fisiologia
Que, de várias form as, ta n to ajuda como obstrui a ação do reforço e da punição. Os
analistas de com po rtam en to consideram três tipos de influência fisiológica.
Primeiro, n en h u m reforçador funciona como reforçador o tempo todo. Se
você acaba de com er três fatias de torta de maçã e seu cortês anfitrião ainda lhe
oferece m ais um a, você, agora, provavelmente vai recusar. Por mais poderoso que
seja o reforçador, ainda é possível a saturação. Se você passou um certo tempo sem
o reforçador, é provável que ele se m ostre poderoso; isso é privação. Se recente­
mente você recebeu m uito desse reforçador, é provável que ele se mostre fraco; isso
é saciação. E até possível que um reforçador se transforme em punidor, como bem
84
Williom M, Baum
sabem todos que um dia com eram demais. Se você já está satisfeito com a to rta de
m açã, te r de com er um a o u tra fatia seria demais, seria um punidor. A to rtu ra m edie­
val com água fazia uso dos efeitos punitivos de forçar o indivíduo a beber água
além de sua capacidade. É provável que essa tendência dos reforçadores a se fo rta ­
lecerem e se enfraquecerem , e mesmo a se tornarem punidores, tenha evoluído
porque os indivíduos que a possuíam conseguiram m elhores índices de sobrevivên­
cia e de reprodução do que os que não a possuíam.
Segundo, é possível que venham os ao m undo fisiologicamente preparados
p ara determ inados tipos de condicionamento respondente. Alguns reforçadores e
punidores condicionais parecem ser mais facilmente adquiridos do que outros. Al­
g u n s exigem m uita ex p eriên cia, outros exigem m u ito pouca. M esm o alg u n s
reforçadores e punidores aparentem ente incondicionais parecem depender um pouco
da experiência. Q uando criança eu odiava cogumelos, m as hoje coloco-os crus em
m inha salada. Da m esm a form a, o poder reforçador do sexo parece crescer com a
experiência. Por outro lado, alguns reforçadores e punidores, aparentem ente con­
dicionais, são facilm ente adquiridos, tão facilmente que m al parecem condicionais.
Para crianças e alguns adultos, o doce é um reforçador poderoso. Nossos ances­
trais, que comiam m uita fruta, beneficiavam-se da predileção por comida de sabor
adocicado, porque a fruta m adura (doce) é mais nutritiva do que a fruta verde.
C onseqüentem ente, a m aioria dos seres humanos vêm ao m undo p re p arad a para
desenvolver o gosto pelo sabor doce - infelizmente, para alguns de nós, ag o ra que
a rápida m udança cultural tornou m uito fácil o acesso a doces.
Um outro exem plo dessa aprendizagem p reparada é o medo de cobras. M ui­
tas crianças m anusearão cobras com facilidade e sem dem onstrar m edo, m as m os­
tram um a sensibilidade especial para qualquer sugestão de que cobras dev am ser
tem idas. A m esm a criança que um a sem ana atrás m anuseou um a cobra p o d e hoje
gritar e se esconder ao ver a mesma cobra. Para nossos ancestrais, as cobras eram
provavelm ente um perigo real, e a seleção teria favorecido os indivíduos p redispos­
tos a se am edrontar. Com efeito, experimentos com m acacos dem onstram que eles
têm o m esm o padrão de neutralidade inicial, seguida de um a aquisição extrem a­
m ente facilitada de m edo de cobra (Mineka et aL, 1984).
Os seres hum anos parecem ser especialmente sensíveis, tam bém , a sinais de
aprovação e desaprovação de outros. Alguns desses sinais, como o sorriso e o fran ­
zir de sobrancelhas, são universais; outros variam de um a cultura p ara outra. A
aprovação e a desaprovação podem ser expressas por sons, gestos e m esm o postu­
ras corporais excessivamente sutis para um forasteiro, m as evidentes p ara todos
que cresceram n aquela cultura. Em um a espécie social com o a nossa, a ap tid ão de
cada indivíduo depende das boas relações com os outros m em bros da com unidade.
É provável que nossa história de seleção tenha favorecido tanto a sensibilidade a
“dicas” incondicionais com o o sorriso e a carranca quanto à capacidade de ap ren ­
d er quaisquer “dicas” condicionais com especial facilidade.
Em v ez de tentar separar reforçadores e punidores em duas categorias, condi­
cionais e incondicionais, talvez seja mais sensato falar em um contínuo d e condicionalidade, de altam ente condicional a m inim am ente condicional. D oces e cobras
talvez sejam m inim am ente condicionais, enquanto dinheiro e fracasso em exam es
seriam m ais condicionais. Sorrisos e carrancas talvez sejam m inim am ente co n d id o -
Compreender o behaviorismo
85
nais, enquanto o m enosprezo e o encorajam ento sutis seriam altam ente condicio­
nais. Q ualquer que seja o ponto de vista adotado, dois pontos parecem claros: (1)
há um a faixa ex trem am en te am p la de eventos que podem ser reforçadores e
punidores; ( 2) em últim a análise, todos os reforçadores e punidores, direta ou
indiretam ente, derivam seu p oder de seus efeitos sobre a aptidão - ou seja, de um a
história de evolução por seleção n atural.
A terceira influência fisiológica é a preparação do caminho para certos tipos
de aprendizagem operante. A estru tu ra de m eu corpo faz com que certas aprendi­
zagens sejam improváveis. Por m ais que eu abra minhas asas, parece que nunca
aprendo a voar. Por outro lado, é extrem am ente provável que um a águia abra as
asas e apren d a a voar. É evidente que ela aprende, em parte, porque tem asas, mas
tam bém porque está predisposta a usá-las. Nossa espécie tam bém é predisposta a
se com portar de determ inadas m aneiras e a aprender certas habilidades. As crian­
ças vêm ao m u ndo com um a especial susceptibilidade para os sons de fala, e come­
çam a balbuciar com pouca idade. Virtualm ente todas as crianças, sem instrução
especial, acabam falando a língua que ouvem ao seu redor por volta dos 2 anos. O
falar é aprendido p o r causa de suas conseqüências, pelos efeitos que têm sobre
outras pessoas, que fornecem reforço e punição. As crianças aprendem a pedir
bolachas p orque é assim que conseguem que alguém lhes dê bolachas. Mas essa
aprendizagem é altam ente p reparada. Para uin ser humano, falar é tão crucial para
a aptidão que os genes que favorecem o aprendizádo da fala haveriam de sofrer
substancial seleção. C onseqüentem ente, a fisiologia de nossos corpos torna esse
aprendizado um a certeza potencial.
.......
Como resu ltad o de nossa fisiologia, algumas habilidades serão aprendidas
com grande facilidade, enquanto outras, mesmo que sejam muito im portantes para
nossa vida atu al, serão m ais difíceis de aprender. Compare a aprendizagem da fala
com a aprendizagem d a leitura e escrita. A primeira não requer instrução; as outras
dem andam escolas e professores. A prender cálculo pode ser útil, mas ainda é um
desafio p a ra a m aioria das pessoas, enquanto dirigir um carro, ao que parece, qual­
quer um p o d e aprender. O tipo de coordenação de olhos, mãos e pés necessário
para dirigir, tam b ém im portante p ara caçar a presa e para espantar predadores, é
facilmente adquirido por nós, enquanto o pensar abstrato exige mais esforço. Por
milhões de anos o hom em caçou e foi caçado, enquanto o cálculo foi inventado há
menos de 400 anos. Isso significa que há diferenças na facilidade com que se adqui­
rem diferentes habilidades, e que a aprendizagem operante pode funcionar melhor
com algum as habilidades (falar e dirigir) do que com outras (ler e fazer cálculo).
Revisão das influências fiiogenéticas
De cinco m aneiras a história de seleção natural afeta o comportamento.
1.
2.
Fornece padrões constantes de comportamento - reflexos e padrões fi­
x os de ação - que servem à sobrevivência e reprodução.
Pode favorecer genótipos responsáveis pela capacidade de condiciona­
m en to respondente, em que inúmeros estímulos neutros podem se tor­
86
William M. Baum
nar prom essas ou am eaças de situações prestes a ocorrer (liberadores)
que exigem padrões fixos de ação. Se essa capacidade de ap ren d er a u ­
m enta a aptidão, o equipam ento fisiológico necessário é selecionado.
3. Pode favorecer genótipos responsáveis pela capacidade de condiciona­
m ento operante, em que as conseqüências (reforçadores e punidores)
m odelam o com portam ento d o qual dependem . Se a aprendizagem
o perante aum entasse a aptidão durante a filogênese, a seleção natural
teria providenciado o equipam ento fisiológico necessário p a ra esse tipo
de flexibilidade. Os padrões fixos de ação, que servem d e base para o
condicionam ento respondente (estímulos e respostas incondicionais, de
acordo com Pavlov), servem tam bém de base para a ap ren d izag em
operante, como reforçadores e punidores incondicionais. Os sinais ou
estímulos condicionais do condicionamento respondente funcionam como
reforçadores e punidores condicionais n a aprendizagem operante.
4. Forneceu m ecanism os fisiológicos de privação e saciação, pelos quais
aum enta ou dim inui o poder de afetar o com portam ento que têm os
reforçadores e punidores.
5. Seleciona tendências que favorecem o condicionam ento de certos sinais
no condicionam ento respondente e que fortalecem certas atividades no
condicionam ento operante. Se tais sinais e atividades são especialm ente
im portantes para a aptidão, em bora algum a flexibilidade tam bém o seja,
então são selecionados mecanismos fisiológicos que tornam essa apren­
dizagem particularm ente fácil.
HISTÓRIA DE REFORÇO
O termo “história de reforço”, em análise com portamental, é n a verd ad e u m a for­
ma abreviada de “história de reforço e punição”, a história de aprendizagem operante
de um indivíduo desde o nascim ento. Nesta seção, veremos que se tra ta de um a
história de seleção p o r conseqüências análoga à filogênese. O reforço e a punição
modelam o com portam ento à m edida que ele evolui durante a vida de um indiví­
duo (durante a ontogênese do com portam ento) da mesma m aneira que o sucesso
reprodutivo m odela as características de um a espécie durante a filogênese.
Seleção pelas conseqüências
Na Figura 4.1, certos ancestrais de girafa que possuíam pescoços m ais curtos ti­
nham tendência a deixar, em m édia, m enos sobreviventes do que aqueles que pos­
suíam pescoços m ais com pridos. A m enor e m aior aptidão (sucessos reprodutivos)
eram conseqüências dos pescoços m ais curtos e mais longos. Enquanto essas co n se­
qüências diferenciais existiram (curvas 1 e 2 da Figura 4.1), o com prim ento m édio
do pescoço na popi.ilação continuava a crescer. Quando o processo atingiu seu lim i­
te (curva 3 ), ainda havia conseqüências diferenciais do com prim ento do pescoço,
Compreender o behaviorísmo
87
exceto que agora tanto um pescoço muito curto quanto um pescoço m uito longo
resultariam em um sucesso reprodutivo abaixo da média, porque a variação no
com prim ento do pescoço atinge o ponto de aptidão máxima (linha tracejada na
Figura 4.1). Nessa altura, as conseqüências diferenciais do comprimento do pesco­
ço atuam para estabilizar a população.
O princípio básico d a filogênese é que, dentre um a população de índivíduos
que variam em genótipo, os tipos que têm maior sucesso tendem a se to m ar mais
freqüentes ou a p erm an ecer com o tal. Um princípio análogo é válido p a ra a
ontogênese através de reforço e punição; é conhecido como a lei do efeito.
A lei do efeito
Os com portam entos bem e m alsucedidos se definem por seus efeitos. Em term os
cotidianos, com portam entos bem -sucedidos produzem bons efeitos e com porta­
m entos malsucedidos p roduzem efeitos não tão bons ou efeitos ruins. Em aprendi­
zagem operante, sucesso e fracasso correspondem a reforço e punição. Uma ativi­
dade bem-sucedida é aquela que é reforçada; uma atividade malsucedida é aquela
que é m enos reforçada ou punida.
A lei do efeito é o princípio subjacente à aprendizagem operante. Ela estabe­
lece que, quanto mais um a atividade é reforçada, mais ela tende a ocorrer e, quan­
to mais um a atividade é punida, m enos ela tende a ocorrer. Os resultados d a lei do
efeito são freqüentem ente tratados como modelagem, porque os com portamentos
mais bem-sucedidos aum entam e os m enos bem-sucedidos diminuem, à sem elhan­
ça do escultor que m olda a m assa de argila, puxando aqui, pressionando lá, até que
o barro adquira a form a desejada. Quando você estava aprendendo a escrever, até
mesmo as aproxim ações m ais rem otas de letras como o e c eram acom panhadas
por grandes elogios. Algum as dessas tentativas eram melhores do que outras, e as
melhores eram em geral seguidas por elogios mais entusiásticos. Um desem penho
realm ente fraco pode te r gerado até mesmo desaprovação. Gradualmente, suas
letras adquiriram um a form a melhor. (Os critérios tam bém mudaram; formas que
eram elogiadas em um estágio inicial passaram a m erecer desaprovação em um
estágio posterior.)
Modelagem e seleção natural
Os analistas com portam entais pensam que a modelagem do com portamento funcio­
na exatam ente da m esm a form a que a evolução das espécies. Assim como as dife­
renças no sucesso reprodutivo (aptidão) modelam a composição de uma populaçao de genótipos, reforço e punição modelam a composição do comportamento de
utn indivíduo. Para clarificar a analogia, pense no conjunto de todos os com porta­
mentos de um determ inado tipo ~ digamos, dirigir o carro para o trabalho - em que
urna pessoa se em penhe p o r um tem po - digamos, um mês - como sem elhante à
População de girafas. Dirigir o carro para o trabalho é uma espécie de com porta­
88
William M. Baum
m ento, da mesma form a que girafas são uma espécie de anim al, e todo o m eu
com portam ento de dirigir o carro durante um mês é um a população de atividades
de dirigir, exatam ente com o todas as girafas na Planície de Serengeti são um a p o ­
pulação de girafas. Assim com o algum as girafas são m ais bem -sucedidas quanto a
g erar descendentes, alguns de m eus episódios de dirigir (ações; Capítulo 3) são
m ais bem-sucedidos quanto a me conduzir ao trabalho. Algumas m anobras econo­
m izam tem po; elas são reforçadas. Outras fazem p erd er tem po ou se m ostram
perigosas; essas são punidas. As m anobras bem-sucedidas tendem a se to rn ar m ais
freqüentes ou, pelo m enos, se m antêm constantes ao longo dos meses, e as m a n o ­
bras m alsucedidas tendem a se tornar menos freqüentes ou, pelo menos, p erm an e­
cem raras ao longo dos m eses, do mesmo modo que os tipos mais bem -sucedidos
de girafas tendem a perm anecer mais comuns e os tipos m enos bem adaptados
ten d em a perm anecer raros. Da m esm a forma que os tipos mais bem adaptados de
girafas são selecionados por seu sucesso, as m aneiras m ais bem adaptadas de diri­
gir um carro são selecionadas pelo seu sucesso. Ao longo do tem po, a seleção resu l­
ta ou em evolução ou em estabilização da forma de dirigir.
Suponha que tom em os a Figura 4.1 e coloquemos velocidade de dirigir em
relação ao limite de velocidade em substituição a com prim ento de pescoço, e eficiên­
cia (econom izar tem po sem perigo excessivo) em substituição a aptidão. O re su lta ­
do é a Figura 4.3. As três curvas de freqüência podem se referir a três estágios
diferentes em m inha aprendizagem de dirigir. Prim eiram ente, eu tendo a dirigir
em baixa velocidade (curva 1). À medida, que adquiro com petência, dirijo mais
velozm ente (curva 2). Porque estas velocidades ten d e m a ser m enos eficientes
(m enos reforçadas), m inha velocidade gradualm ente m uda para o que é hoje (cur­
va 3), coincidindo, em m édia, com a velocidade m ais eficiente, rep resentada pela
linha tracejada (cerca de 8 quilôm etros por hora acim a do limite de velocidade).
Compreender o behaviorísmo
85
Assim com o ocorre com a evolução, a modelagem do com portam ento opera
sobre a população e sobre a m édia. Q uando meu com portam ento de dirigir estava
sendo m odelado (digam os, curva 2 na Figura 4.3), a velocidade maior significava
maior eficiência som ente em term os médios. As vezes, a velocidade maior era me­
nos eficiente; eu posso ter sido detido por um policial ou talvez tenha sofrido um
acidente. Às vezes, a velocidade m aior deixava de ser eficiente; talvez toda a minha
correria só te n h a servido para m e deixar preso, bem na reta final, atrás de um
vagaroso ônibus escolar ou à espera da passagem de um trem. Nem toda ação de
um certo tipo precisa ser reforçada ou punida para que o tipo seja fortalecido ou
eliminado; ao longo do tem po, é apenas em média que o tipo precisa ser mais
reforçado ou punido.
Para a evolução ou estabilização de u m a população por meio da seleção natu­
ral, são necessários três ingredientes: variação, reprodução e sucesso diferencial.
(1) Para haver seleção entre possibilidades, deve haver mais de um a possibilidade
- isto é, os indivíduos, na população, devem variar na característica (comprimento
de pescoço n a Figura 4.1, velocidade n a Figura 4.3, ou coloração, ou incontáveis
outras características). (2) As diferentes variações devem tender a se reproduzir isto é, os descendentes devem se assem elhar a seus pais no decorrer de gerações.
Para a seleção natu ral, essa sem elhança resulta de herança genética. Girafas de
pescoço longo e de pescoço curto herdam seus pescoços longos ou curtos de seus
pais. (3) Entre as variações, algum as devem ser mais bem-sucedidas do que outras
(isto é, deve hav er com petição). Se todas as variações fossem igualm ente aptas se, em vez da curva m ostrada na Figura 4.1, a aptidão fosse representada por uma
linha reta - então a característica (com prim ento do pescoço) não se deslocaria em
uma direção específica, nem p erm an eceria estável, porém oscilaria de modo
imprevisível de um a h o ra para outra. Como o pescoço muito curto reduz a aptidão,
a população m ove-se uniform em ente n a direção de pescoços compridos; no ponto
em que um pescoço longo dem ais tam bém diminui a aptidão, a população fica
estável.
A m odelagem por reforço e punição requer os mesmos três ingredientes: varia­
ção, reprodução e sucesso diferencial. (1) Na modelagem, a variação ocorre na
população de ações que servem a um propósito semelhante (dirigir, em nosso exem­
plo, que serve p a ra nos transportar). Você raram ente faz a mesma coisa duas vezes
exatamente do m esm o jeito. Às vezes, você escova os dentes com força, às vezes
com delicadeza. Às vezes, você fala alto, às vezes, fala baixo. Às vezes, eu dirijo
acima do lim ite de velocidade, às vezes, abaixo. A população de escovações fortes
ou delicadas, de vocalizações altas ou baixas ou de conduções mais ou menos velo­
zes varia exatam ente d a m esm a form a que a população de girafas de pescoços mais
compridos é m ais curtos. (2) Para que a modelagem ocorra, as atividades devem
tender a se rep etir (reproduzir) de tem pos em tempos. Se eu escalar um pico ape­
nas uma vez n a vida, não há oportunidade para que meu comportamento de esca­
lar picos seja m odelado. Porque eu escovo os dentes todos os dias, há muitas opor­
tunidades para que m eu com portam ento de escovar os dentes seja modelado. (3)
^ai'a a m odelagem , sucesso diferencial significa reforço e punição diferenciais. Eu
talo alto com m inha avó; caso contrário, ela não pode me ouvir e reforçar meu
CoAporta m ento de lhe falar. Se falo alto demais, ela me repreende, dizendo “Não
90
Williom M. Baum
grite comigo, rapaz”. Quase sem pre consigo achar um a intensidade de voz agradá­
vel p a ra que possam os m anter um a boa conversa; ou seja, algum as im ensidades
sonoras são mais bem -sucedidas do que outras do m esmo m odo que, n a Figvra 4.3,
algum as velocidades são mais bem-sucedidas do que outras. Assim como ocorre na
seleção n atu ral, h á um limite p ara o tam anho da população - você escova seus
dentes apenas duas ou três vezes ao dia, e eu dirijo m eu carro durante um núm ero
lim itado de horas p o r mês. Como as variações mais bem -sucedidas tendem a se
reproduzir mais freqüentem ente, dia a dia ou mês a mês, as variações m enos bemsucedidas tendem a se tornar m enos freqüentes. Enquanto algum as variações fo­
rem reforçadas ou punidas mais freqüentem ente que outras, a população de ações
irá se deslocar ou perm anecer estável, como na Figura 4.3.
Q uando um a pessoa adm inistra reforço e punição intencionalm ente, com o
propósito de alterar o com portam ento de outra pessoa, tem os o que se cham a de
treino, ensino ou terapia. Os mesmos princípios de reforço e punição se aplicam
q uer estejam os falando de um técnico esportivo treinando um tim e, de um adestra­
dor de anim ais treinando um urso a dançar, de um professor ensinando um a crian­
ça a ler ou de um terapeuta ajudando um cliente a ser m ais assertivo com seus
superiores. A única diferença é que esses exemplos de m odelagem constituem rela­
cionamentos - isto é, duas pessoas estão envolvidas, e o com portam ento de ambas
está sendo m odelado. (Os Capítulos 7, 9 e 11 apresentam mais detalhes a esse
respeito.)
Treino, ensino e terapia se assem elham ao cruzam ento seletivo, processo em
que o sucesso reprodutivo (quais indivíduos conseguem procriar) é determ inado
p o r um a pessoa, e não pelo am biente natural, Quando fazendeiros cruzam apenas
as vacas que produzem mais leite, eles estão tirando vantagem d a h erança genética
da produção de leite, da m esm a form a que a seleção n atu ral se aproveita d a h eran ­
ça de traços vantajosos no am biente natural. Darwin teve a idéia de seleção n atu ­
ral, em parte, por observar o cruzam ento seletivo. Ele percebeu que o m esm o prin­
cípio se aplicava à fazenda e à natureza. De forma sem elhante, os m esm os princí­
pios de reforço e punição se aplicam a nosso am biente “n a tu ra l”, não-estruturado e
a situações especialm ente estruturadas para a m udança de com portam ento.
Explicações históricas
O paralelo entre seleção n atural e modelagem não é m ero acidente, pois am bas as
idéias existem para solucionar problem as semelhantes. No Capítulo 1, vimos como
a teoria da seleção n atural de D arw in forneceu a prim eira explicação científica da
evolução. Antes dela, até m esm o entre aqueles que rejeitavam a explicação exata
da Bíblia, era com um considerar a evolução como resultado do planejam ento, inte­
ligência ou intenção de Deus. Do ponto de vista científico, tal “explicação” é maceitável, porque obstrui o avanço do conhecimento e im pede o esforço em direção ao
progresso verdadeiro. Assim com o a seleção n atural substituiu a intenção divina, a
seleção p o r reforço e punição substitui as “explicações” m entalistas do com porta­
m ento que se referem a planejam ento, inteligência ou intenção no interior da pessoa ou do anim al que se com porta.
Compreender o behoviorismo
91
A Figura 4 .4 resum e o paralelo entre seleção natural e modelagem. Ambas as
idéias baseiam -se n a noção de m udança gradual ao longo do tempo - ou seja,
baseiam-se em um a história. No processo de evolução por seleção natural, a histó­
ria é a filogênese, m udança gradual de traços de base genética. Na m odelagem de
com portam ento, a história é a m udança gradual do comportamento de um indiví­
duo devida a sua interação com as relações de reforço e punição em seu am biente
(Figura 4.2). Sua h istória pessoal de reforço e punição inclui todas as vezes em que
seu com portam ento produziu comida, dinheiro, aprovação, dor ou desaprovação todas essas conseqüências que m odelaram seu com portamento, transform ando-o
no que é hoje. Ela é p arte d a ontogênese de seu comportamento.
Ambas as idéias referem -se a um a população em que ocorre variação. Na
evolução, a variação ocorre em um a população de indivíduos, sendo que a variação
crucial se dá nos genótipos dos indivíduos. Na modelagem, a variação ocorre em
uma população de tipos de ação, que engloba todas as diferentes formas que um
indivíduo p ode exibir n o desem penho de um a dada tarefa ou atividade, como esco­
var os dentes ou ir a u m a loja.
Ambas as idéias exigem a reprodução de tipos. Na seleção natural, os genótipos
são passados de geração a geração por herança genética. Na modelagem, as ativi­
dades se repetem porque as ocasiões em que elas são oportunas se repetem . Eu
escovo m eus dentes tod as as m anhãs e todas as noites porque me levanto todas as
manhãs e m e deito todas as noites. As pessoas norm alm ente chamam tal repetição
de "hábito”. O m ecanism o preciso subjacente ao hábito deve residir no sistema
nervoso, mas sabe-se m uito m enos sobre esse mecanismo do que sobre a transfe­
rência genética de características de país para filhos.
Ambas as idéias atribuem a m udança à seleção por sucesso diferencial. Na
seleção natural, a alteração nos genótipos que compõem uma população é devida à
aptidão diferencial ou ao sucesso reprodutivo. Na modelagem, a alteração nas for-
Seleção
natural
Modelagem
Hisfória
População
(Variação)
Filogênese
Genótipos
Herança
genética
Aptidão
diferencial
Deus
Criador
História de
reforço e
punição
(ontogênese)
Tipos de
ação
(comporta­
mento)
Repetição ou
"Hábito"
Reforço e
punição
diferenciais
Intenção,
vontade,
inteligência
(mentaÜsmo)
Reprodução
Figura 4.^ Paralelo entre seleção natural e modelagem.
Seleção
"Explicação"
substituída
92
William M. Baum
m as de desem penhar um a atividade (os tipos de ação) se deve a reforço e punição
diferenciais, as diferenças n a eficácia de diferentes tipos de ação.
Finalm ente, cada um a dessas idéias substitui u m a explicação não-científica
anterior. À seleção n atu ral substitui Deus, o Criador, a força oculta que guia a evo­
lução, por um a explicação em term os puram ente naturais. A aparente inteligência
e intencionalidade das formas d evida são vistas como o resultado da seleção atuando
sobre a variação. Para as girafas, é bom ter pescoço comprido, mas nem elas nem o
C riador m erecem crédito por isso, porque foi o am biente que transform ou os pes­
coços com pridos em u m a coisa boa, e foi ele tam bém que os selecionou. A m o d ela­
gem p o r reforço e punição tam bém substitui forças ocultas, as causas m entalistas
do com portam ento, p o r explicações em termos puram ente naturais. A inteligência
e a intencionalidade das ações são vistas como resultado d a seleção (reforço e
punição) atuan d o sobre a variação. Para mim, é bom dirigir m eu carro de form a
aten ta e cuidadosa, m as nem eu nem qualquer intenção ou inteligência in te rn a
m erecem os crédito p o r isso, porque foi o am biente que transform ou o dirigir com ­
p eten te em um a coisa boa, e foi ele tam bém que o selecionou.
As explicações históricas, tal como a seleção n atural e o reforço, diferem das
explicações científicas que se baseiam em causas im ediatas. O nascer do Sol é expli­
cado p o r um a causa im ediata, a rotação da Terra. Na explicação histórica, a “causa”
do evento não e stá p resente em lugar nenhum , m as é toda um a história de eventos
passados. O pescoço com prido da girafa não pode ser explicado por n en h u m even­
to no m om ento de seu nascim ento ou mesmo de sua concepção, m as é explicado
pela longa história de seleção que o produziu ao longo de m ilhões d e anos. Igual­
m ente, a velocidade com que dirijo meu carro não pode ser explicada p o r n e n h u m
evento no m om ento em que dirijo, ou mesmo no m om ento em que en tro no carro,
m as é explicada pela história de m odelagem que a produziu no decorrer de m uitos
m eses ou anos.
Biólogos evolucionistas fazem um a distinção en tre explicações próxim as e ex­
plicações últimas (Alcock, 1998). A explicação im ediata de um p ad rão d e com por­
tam en to refere-se aos m ecanism os fisiológicos que determ inam o desenvolvim ento
do p ad rão a p a rtir da concepção. A dotação genética de um indivíduo explica, de
m an eira im ediata, porque o indivíduo espirra, sorri e é capaz de aprender. Mas a
questão mais am pla é porque, de início, o indivíduo tem aquela carga genética, e
essa n ão pode ser explicada pelo m om ento d a concepção ou por q u alq u er o utro
m om ento. A explicação últim a refere-se à afiliação do indivíduo a u m a população
ou espécie e, estritam en te falando, aplica-se à população e jam ais ao indivíduo.
Seres hum anos espirram e aprendem porque este reflexo e esta capacidade au m en ­
ta ra m a aptidão dos seres hum anos e de seus ancestrais ao longo de m ilhões de
anos; essa é a explicação últim a.
Explicações últim as são explicações históricas; já explicações im ed iatas são
ex p licações em term os de causas imediatas. Se soubéssem os o su ficiente sobre a
fisio lo g ia do sistem a nervoso, talvez fosse possível explicar porque dirigi a 9 0 q u ilô­
m etros por hora às 8:55 do dia 10 de junho. Seria, então, um a exp licação im ed iata
d esse m om ento particular de m eu com portamento, assim com o a gen ética m olecular
e a em briologia poderiam vir a fornecer uma explicação im ediata da razão por que
ten h o duas m ãos e dois pés. Mas a explicação para a população d e m inhas veloci-
Compreender o behaviorismo
93
dades ao dirigir ser ta l qual é, m ês após mês, não pode ser dada pela fisiologia de
meu sistem a nervoso, pelo m esm o motivo por que as duas mãos e os dois pés dos
seres hum anos não podem ser explicados pelo desenvolvimento embriológico ou
genético de um a pessoa em particular. A população requer um a explicação última
ou histórica. Posso, em dad a ocasião, entregar minha carteira a um hom em arm a­
do; a explicação histórica indica que esse evento pertence a um a população (ação)
cham ada, digam os, de “subm issão à am eaça”, e rem ete à longa história de reforço
■pela subm issão a am eaças, do pátio de recreio à sala de aula e às ruas da cidade de
Nova York.
As pessoas parecem preferir explicações imediatas, provavelmente porque é
mais simples p en sar os eventos como bolas de bilhar batendo umas nas outras do
que em term os de história. Q uando um a ação não tem um a causa imediata visível,
somos tentad o s a inventá-la, em vez de olhar para a história de reforço que produ­
ziu a atividade à qual ela pertence. Se a história de reforço responsável pela ida de
Fábio ao cinem a quando deveria ter ficado estudando é obscura, podemos cair na
tentação de dizer que sua força de vontade falhou. Isso, claro, é mentalismo.
O Capítulo 3 criticou extensam ente o mentalismo, mas nunca ofereceu uma
alternativa; agora, estam os em posição de poder sugerir um a explicação cientifica­
mente aceitável p a ra propósito e intenção. Como mencionamos no início desta
parte do livro, os detalhes d a explicação m udarão com o tempo. Tudo que precisa­
mos é dem o n strar que um a explicação verdadeiram ente científica é possível. Este é
o assunto do Capítulo 5.
RESUMO
A teoria da evolução é im portante para a análise com portam ental sob dois aspectos.
Prim eiro, m uito do com portam ento se origina da herança genética derivada
da história de evolução da espécie (filogênese). A seleção natural fornece os refle­
xos e padrões fixos de ação, a capacidade de condicionamento respondente, a ca­
pacidade de aprendizagem operante, os reforçadores e punidores cuja eficácia muda
com o tem po e o contexto, e as variações que favorecem determinados tipos de
condicionam ento respondente e operante.
Segundo, a teo ria da evolução fornece um modelo de explicação histórica,
que é o tipo de explicação que se aplica ao comportam ento operante. A história de
reforço e punição é análoga à história de seleção natural, exceto que a primeira
opera sobre u m tipo de com portam ento (população de ações) durante a vida de
um indivíduo, enqu an to a segunda opera sobre um a espécie (população de orga­
nismos) ao longo de m uitas gerações. Ambos os conceitos substituem explicações
não-científicas que rem etem a um agente inteligente e oculto, que guiaria a mu­
dança evolutiva ou com portam ental.
Enquanto n a física e na química as explicações se baseiam em causas imediatas,
as explicações históricas se referem a efeitos cumulativos de muitos eventos ao longo
de muito tem po. As m udanças produzidas em uma população como resultado de
seleção pelas conseqüências não podem ser localizadas em um momento específico.
94
William M. Baum
Tal como a fílogênese, a história de reforço se refere a m uitos eventos do passado, e
foram eles que, todos juntos, produziram o comportamento presente.
LEITURAS ADICIONAIS
Há m uitos livros, em diversos níveis, que tratam dos tópicos deste capítulo em
m aior profundidade.
i
j
t,
Alcock, J. (1998). Animal behavior: an evolutionary approach. Sunderland (Mass.): Sinauer
Associates, 6. ed. Excelente texto introdutório que cobre a teoria da evolução e a sociobiologia.
|
\
Barash, D. (1982). Sociobiology and behavior. Nova York: Elsevier, 2, ed. Excelente tratamento, mais avançado que o de Alcock.
\
j;
Eibl-Eibesfeldt, 1. (1975). Ethology: the biology of behavior. Nova York: Holt, Rinehart and
Winston, 2. ed. Esse livro apresenta um tratamento excelente dos padrões fixos de ação,
especialmente em seres humanos.
Í
j
>
Gould, J. L. (3982). Ethology: the mechanisms and evolution o f behavior. Nova York: Norton,
Um livro mais atualizado do que o de Eibl-Eibesfeldt, embora não necessariamente melhor,
i
j
Mazur, J. E. (2002). Learning and behavior. Englewood Cliffs (NJ): Prentice-Hall, 5. ed.
Texto avançado sobre análise comportamental que fornece uma boa visão geral da área,
j
|
Mmek.a, S.. Davidson, M., Cook, M. e Keir, R. (1984). Observational learning of snake fear in }.
rhesus monkeys. Journal of Abnormal Psychology, 93, 355-372. Esse artigo relata um estudo -f
sobre a fácil aquisição de medo de cobras por macacos.
j
Segai, E. E (1972). Induction and the provenance of operants. In: R. M. Gilbert e J. R.
Millenson (eds.). Reinforcement: behavioral analyses. Nova York: Academic Press, p. 1-34.
Uma excelente revisão técnica sobre a indução, sua interação com o reforço, e seus efeitos
sobre o comportamento operante.
i
t
[
i:
Skinner, B. F. (1953). Science and human behavior. Nova York: Macmillan. Primeiro texto ;
sobre análise comportamental; atualmente tem principalmente interesse histórico, mas con- í
tém muitos argumentos e exemplos elucidativos.*
f
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPÍTU10 4
Aprendizagem operante
Eliciar
Aptidão
Condicionamento clássico
Estímulo condicional
Estímulo incondicional
Estímulo-sinal
Evento filogeneticamente importante
Explicação histórica
Condicionamento operante
Condicionamento respondente
Desamparo aprendido
'N. de T. Título traduzido em português (ver ‘Apêndice”).
Compreender o behoviorismo
Explicação próxima
Explicação última
Filogênese
Punidor condicional
Punidor incondicional
Reflexo condicional
Genótipo
Reflexo incondicional
Induzir
Reforçador condicional
Liberador
Modelagem
Reforço incondicional
Reforço negativo
Ontogênese
Reforço positivo
Padrão fixo de ação
Resposta condicional
Punição negativa
Resposta incondicional
Punição positiva
Sucesso reprodutivo
Intenção e reforço
Suponh a que um amigo lhe diga que você deve ler o livro Moby Dick e você saia à
procura dele nas livrarias. A prim eira livraria não tem nenhum exemplar, então
você vai p a ra outra. Essa atividade é freqüentem ente cham ada de intencional, por­
que, é supostam ente im pulsionada por um intenção interna (obter e ler o livro
Moby Dick). Os analistas com portam entais rejeitam a idéia de que uma intenção
interna guia a atividade. Que podem eles oferecer como alternativa cientificamen­
te aceitável?
O Capítulo 4 exam inou os estreitos paralelos entre a teoria da evolução na
biologia e a teoria do reforço n a análise comportamental. Vimos que ambas funda­
m entam -se em explicações históricas ao substituir noções não-científicas relativas
a agentes ocultos (Criador, inteligência ou vontade) atuando nos bastidores. Neste
capítulo, verem os exatam ente com o o conceito de história de reforço e punição
substitui as noções tradicionais acerca de intenções internas.
HISTÓRIA E FUNÇÃO
Vimos no Capítulo 4 que explicações históricas são explicações últimas, e que ex­
plicações últim as elucidam a razão da existência de populações de organismos ou
ações e têm pouco a dizer sobre as peculiaridades de organismos ou ações individuais.
Aponte para um a zebra e p ergunte a um biólogo evolucionista sobre suas listras;
você obterá um a explicação de por que as zebras, como um grupo, têm listras. Se
você n a verdade quiser saber por que aquela determ inada zebra tem um padrão de
listras que a torna diferente de outras zebras, você terá de procurar um embriologista
ou um especialista em desenvolvim ento. Aponte para uma criança e pergunte a um
analista de com portam ento por que ela está batendo em seu companheiro com um
cam inhão de brinquedo; você obterá um a explicação sobre por que aquela criança
98
William M. Baum
está exibindo o grupo de ações que cham amos de com portam ento agressivo. Se
você quiser saber p o r que a agressão envolve aquele determ inado brinquedo e
aqueles m úsculos particulares do braço, terá de consultar u m fisiólogo. Q uando
biólogos evolucionistas ou analistas de com portam ento falam m ais especificam en­
te de um a população, eles o fazem definindo subpopulações ou subcategorias. Os
pardais de coroa b ran ca podem cantar ligeiram ente diferente de um a região para
outra, e eu posso dirigir m ais rápido quando estou atrasado do que em outras
circunstâncias, m as os pardais de um a determ inada região e os episódios de dirigir
quando estou atrasado continuam sendo populações, e continuam sendo explica­
dos historicam ente.
A explicação histórica e o raciocínio em term os de população andam lado a
lado, e am bos d em oram um pouco para ser assimilados. Isso vale p ara a explicação
histórica usada na análise de com portam ento, pois as pessoas estão m uito predis­
postas a procurar explicações em causas que estão presentes no m om ento d a ação.
Q uanto ao raciocínio em term os de população, as pessoas não estão acostum adas a
ag ru p ar ações ten d o com o parâm etro suas funções - isto é, em term os do que elas
realizam . Ao invés, elas o fazem tendo como parâm etro sua aparência. Vejamos
agora m ais detalh ad am en te como explicações históricas e definições funcionais
podem ser em pregadas.
0 uso de explicações históricas
Pelo m enos desde que Freud inventou a psicanálise, psicólogos e leigos acostum a­
ram -se com a idéia d e que eventos da infância afetam nosso com portam ento na
vida adulta. Se fui vítim a de violência quando criança, posso ten d e r a ser violento
com m eus próprios filhos quando for adulto. Se m inha fam ília sem pre se reunia
p ara jantar, isso pod erá parecer essencial para mim, quando me to m a r paí de fam í­
lia. Observações desse tipo compõem a base das explicações históricas. Eu me com­
porto de d eterm in ad a m aneira quando adulto por causa dos eventos de m inha
infância.
História versus causa imediata
É um a grande tentação , ao que parece, representar de algum m odo os eventos da
infância no p resente. Se nenhum a causa óbvia pode ser encontrada no presente, a
tentação é in v en tar um a. Se eu sofri um traum a quando criança, diz-se que tenho
“ansiedade” ou um “complexo” que hoje causa o com portam ento m al-adaptado. Se
um adolescente cresceu em um a família perturbada, ele se com porta m al hoje por­
que tem “baixa auto-estim a”.
Noções com o essas são exemplos d e mentalismo, a prática de invocar causas
im aginárias p a ra te n ta r explicar o com portam ento. Falar de ansiedade, complexos
ou auto-estim a n ão acrescenta nada ao que já é conhecido - a conexão entre even­
tos passados e o com portam ento presente. Atribuir a delinqüência à baixa auto-
Compreender o behoviorísmo
99
estim a de nenhum m odo explica a delinqüência. De onde vem a baixa auto-estim.a? Como ela causa a delinqüência? Há alguma evidência de baixa auto-estima,
além do com portam ento que ela deveria explicar? A baixa auto-estima é algum a
coisa além de um rótulo p a ra a categoria de com portam entos que ela deveria expli­
car?
A m aneira de escapar dessa arm adilha é aceitar que eventos ocorridos há
m uito tem po possam afetar o com portam ento presente de forma direta. Se um
m enino apanhava e e ra rejeitado quando criança, esse fato pode contribuir para
seu com portam ento de ro u b a r carros na adolescência, mesmo após uma lacuna
tem poral.
Lacunas temporais
A relação observada en tre am biente e com portam ento continua a despeito de uma
lacuna tem poral, m as n ã o é aí que reside sua im portância científica ou prática. Se
pessoas que sofreram violência n a infância tendem a ser violentas com crianças
quando adultos, a lacu n a en tre a infância e a vida adulta não altera a utilidade
desse fato, que pode levar à terapia e a um a melhor compreensão dos efeitos da
experiência passada. M esm o que não tenham os nenhum a idéia sobre que m ecanis­
mos som áticos p e rm ite m essa relação no tempo, não precisamos recorrer ao
mentalismo, nem h esitar em fazer uso das observações.
Em análise com portam ental, os episódios que envolvem lacunas temporais
assemelham-se àqueles que, n a física, envolvem ação a distância. O conceito de
gravidade dem orou p a ra ser aceito porque parecia estranho que um corpo pudesse
exercer influência sobre outro mesmo estando distante dele. A gravidade foi final­
mente aceita porque se m ostrou útil na explicação de fenômenos tão diversos quanto
a queda dos corpos e o efeito d a Lua nas marés. As concepções sobre seus mecanis­
mos apareceram m uito m ais tard e.
Com respeito a lacunas tem porais, é inquestionável que toleramos relações
que envolvem pequenas lacunas. Se eu bater um dedo do pé e ainda sentir dor um
m inuto depois, ninguém questionará a idéia de que meu comportamento agora
resulta da batida um m in u to antes. Se um professor disser a um a criança, “Levante
a mão se tiver dúvidas”, e a criança levantar a m ão cinco minutos depois, não
temos nenhum a dificuldade em atribuir essa ação à combinação da instrução do
professor com o fato d a criança ter encontrado dificuldade, apesar do lapso de
cinco minutos entre esses eventos.
Lacunas mais longas, en tretanto - anos, ou mesmo horas - dão margem à
tentação de recorrer ao m entalism o. Em termos do efeito sobre o comportamento
atual, não há em princípio nenhum a diferença entre m inha batida no dedo do pé
há um m inuto e m eu trau m a de 30 anos atrás. Um evento ocorreu há muito mais
tempo do que o outro, m as n ã o há nenhum a necessidade de inventar um complexo
Para explicar o segundo, com o não havia para explicar o primeiro. Do mesmo modo,
nao há, em princípio, n en h u m a diferença entre combinar a instrução do professor
e as dúvidas da criança, e com binar um a promessa feita na segunda-feira com um
tOO
William M. Baum
e n c o n tro n a sexta-feira. Em cada caso, a combinação do evento anterior com o
e v e n to p o sterio r torna provável determ inado com portam ento em um m om ento
p o sterio r. A lacuna de quatro dias não requer, mais do que a lacuna de cinco m inu­
to s, a invenção de u m a “m em ória” p a ra ligar os eventos.
R espostas a instruções e prom essas que envolvem lacunas de cinco m inutos
ou q u a tro dias perm item supor a possibilidade de outras lacunas, mais longas.
Assim com o respostas atuais a traum as de infância surgem apesar de um a lacuna
d e m u ito s anos, tam bém respostas atuais a instruções e prom essas surgem de even­
to s m u ito anteriores. Sem um a h istória de seguir instruções e fazer promessas, nem
a c ria n ç a , nem o professor poderiam com portar-se adequadam ente. Para que a
crian ça obedeça ao professor, é necessário que ten h a m ocorrido muitas situações
n as q u ais ela foi instruída a fazer algum a coisa, seguiu as instruções, e seu comporta m e n to foi reforçado. Para você sair procurando o Moby Dick porque um amigo
lh e reco m en d o u , é necessário ter havido ocasiões no passado nas quais você seguiu
esse tip o d e conselho e os resultados foram reforçadores. Do mesmo modo, fazer e
c u m p rir prom essas tem de te r sido reforçado m uitas vezes no passado para que
u m a p e sso a agora faça e cum pra u m a prom essa.
A in strução específica que foi seguida pode nunca te r sido ouvida antes, e a
p ro m e s s a específica pode nunca te r sido feita antes, m as cada história envolve
m u ito s exem plos sem elhantes ao caso em discussão. N inguém jam ais lhe havia dito
p a ra le r M oby Dick, mas as pessoas lhe dizem para fazer outras coisas, algum as das
q u a is você faz. A história não necessita incluir a instrução específica nem a prom es­
sa específica, porque “seguir instruções” e “m anter prom essas” são categorias basea­
d as, n ã o n a estrutura ou na aparência, mas n a função.
Unidades funcionais
U m a classe ou categoria funcional é definida pelo que seus membros fazem - como
a g e m o u funcionam - e não por sua composição ou aparência. Um exem plo de
u n id a d e estru tu ral poderia ser “móveis com quatro p ernas”, porque basta que um a
co isa seja construída de determ inado modo p a ra pertencer a essa classe, enquanto
“m e s a ” p o d eria ser exemplo de um a classe funcional pois, para pertencer a essa
classe, b a sta ria a um a coisa existir p ara a finalidade de se colocar objetos sobre ela.
U m a m e sa pode ter três, quatro, seis ou oito pernas; não faz diferença como foi
c o n stru íd a .
U m a classe ou categoria é cham ada de “u n id ad e” quando é tratada como um
to d o singular. Se eu digo que vou com prar um a m esa, o objeto particular que trarei
p a r a casa ainda é desconhecido, mas não h á dúvida acerca da unidade à qual me
re firo . De form a sem elhante, se digo que vou à África para ver girafas, os indivídu­
os p a rtic u la res que eu verei ainda são desconhecidos, m as não há nenhum a dúvida
so b re a u n id ad e “girafas”. Se eu disser que lhe darei instruções para você chegar a
m in h a casa, as instruções particulares ainda são desconhecidas, mas não h á nenhu­
m a d ú v id a sobre a unidade “instruções”.
Compreender o behaviorismo
101
Espécies como unidades funcionais
•Antes do adven to d a m oderna teoria da evolução, era comum classificar as criatu­
ras de acordo com sua aparência, ou de acordo com sua estrutura. Isso funcionava
razoavelm ente bem , exceto que surgiam divergências quando duas espécies se pa­
reciam tan to que era praticam ente impossível distingui-las. A variação na colora. ção e na e stru tu ra do esqueleto de um a espécie de lagarto poderia tornar impossí­
vel dizer, só p o r olhar, se um determ inado exemplar era membro daquela espécie
ou de um a o u tra espécie que apresentava variações semelhantes.
Hoje em dia, os biólogos evolucionistas não definem mais as espécies de
acordo com su a estru tu ra; em vez disso, passaram a defini-las de acordo com o
m odo como se rep ro d u zem . Uma espécie é um a população cujos m em bros cru­
zam entre si, m as n ã o com os m em bros de outras populações. Cada espécie é
um a u n id a d e re p ro d u tiv a , distinta de outras unidades reprodutivas porque o
acasalam ento o co rre intra-espécies e não entre espécies. Há duas espécies de
sapo que n ã o se distinguem pela aparência e anatom ia, e, contudo, uma delas
procria ao a m a n h e c er e a outra ao pôr-do-sol. São duas espécies distintas porque
os m em bros de u m a nunca cruzam com os membros da outra. Mesmo que se
possa fazer dois sapos de espécies diferentes cruzarem em laboratório, se eles
nunca cru zarem no h a b ita t natural, ainda pertencerão a duas espécies distintas.
Ás hienas tê m u m a aparên cia diferente dos chacais, mas o que os torna espécies
diferentes é que h ien as e chacais não cruzam um com o outro. O que im porta é o
que as espécies fazem - como funcionam em termos reprodutivos - não como
parecem, so am ou são construídas.
Atividades como unidades funcionais
Categorias m olares de ação, como as discutidas por Ryle, e atividades estendidas
no tempo, discutidas p o r Rachlin (Capítulo 3), são unidades funcionais. Seus mem­
bros incluem atividades que se estendem ao longo do tempo (por exemplo, Fábio
amar Juliana inclui o fato de escrever sobre ela em seu diário) e que podem ser
interrom pidos por outras atividades (por exemplo, trabalhar).
Uma ação o p e ra n te é um a classe de atos que têm, todos, o mesmo efeito
sobre o am b ien te. No laboratório, os operantes habitualm ente estudados são a
Pressão à b a rra e o b icar um disco. A pressão à barra, por exemplo, inclui todos
°s atos que têm o efeito de baixar a barra. Não faz nenhum a diferença se o rato
Pressiona a b a rra com a pata esquerda, a pata direita, o nariz ou a boca; são
todos exem plos de pressão à barra. No m undo em geral, reconhecem os operantes
qüando falam os de “abrir a porta da frente” ou “ir à cidade” como unidades.
Corno no caso d a p ressão à barra, o operante abrir a porta da frente inclui todos
0s atos que têm o efeito de produzir a p orta aberta. Não faz nenhum a diferença
Se abro a p o rta com m inha m ão esquerda ou direita; ambos são casos de abrir a
P°rta da fren te. Na perspectiva molar, abrir a porta da frente constituiria uma
102
William M. Baum
atividade; ela poderia ser in terro m p id a por alisar a roupa que se usa, m as o todo
seria um episódio d a atividade, e possivelm ente parte da atividade m ais extensa
de saudar um convidado.
Falár do com portam ento em term os de unidades funcionais não é, na verd a­
de, um a escolha, m as um a necessidade. Basta observar um rato para ver que ele
realm ente pressiona a barra de várias m aneiras, Essa variabilidade pode ser reduzi­
da especificando-se, por exemplo, que apenas pressões com a pata direita serão
reforçadas, mas aí o rato pressionaria a b arra com sua pata direita de várias m anei­
ras. A observação cuidadosa sem pre revelaria algum a variação, pois o ra to não
pode pressionar a b arra exatam ente da mesma m aneira duas vezes. Cada ato indi­
vidual é único.
Se essa singularidade dos atos parece um golpe fatal para um a ciência do
comportamento, cabe lem brar que toda ciência enfrenta o mesmo problem a. Para
o astrônomo, cada estrela é única; por isso, cada um a recebe um nom e próprio.
Para com preender as estrelas, o astrônom o as agrupa em categorias: gigantes b ra n ­
cas, anãs verm elhas, e assim p or diante. Embora cada criatura seja única, o biólogo
compreende os seres vivos agrupando-os em espécies. Em certo sentido, a tarefa da
ciência é exatam ente agrupar as coisas e os eventos em categorias. Reconhecer a
semelhança é o com eço da explicação.
As unidades de com portam ento devem constituir agrupam entos, m as por que
agrupam entos funcionais? Por que não agrupar atos, por exemplo, de acordo com
os membros ou m úsculos envolvidos? A resposta é que, assim como não funcionam
para as espécies, agrupam entos estruturalm ente definidos não funcionam para o
com portam ento. Como no caso da espécie, você pode dizer com propriedade que
um ato é m em bro do atividade “pressão à barra” apenas olhando-o, mas qualquer
ambigüidade será resolvida não pela aparência do ato, mas pelo que ele produz se a barra de fato abaixa. A despeito de quão detalhadam ente eu possa especificar
os movimentos de abrir a porta da frente, a ação não conta como abrir a p o rta da
frente a menos que a po rta abra.
Uma ilustração da im possibilidade de definir um a atividade por sua estrutura
é o seguinte excerto de um anúncio, escrito por Douglas Hintzman, da Universida­
de de Oregon, a respeito de um a palestra que seria dada por um estudioso que
chamaremos de “Dr. X”:
Eu pedi ao Dr. X para explicar o “ler”. Ele respondeu que é um método que mi­
lhões de pessoas têm usado para obter conhecimento, Os praticantes dessa arte
(os “leitores”, como o Dr. X os chama) adotam a posição sentada e permanecem
virtualmente imóveis por longos períodos de tempo. Eles mantêm diante de si
folhas de papel cobertas com milhares de minúsculas figuras, e movimentam
seus olhos rapidamente para um lado e para outro. Enquanto fazem isso, é difícil
chamar sua atenção e parecem estar em transe. Eu não via como essa atividade
bizarra poderia trazer conhecimento (..,). “Suponha que eu fixe o olhar neste
pedaço de papel e movimente meus olhos para um lado e para o outro”, eu disse,
pegando um pape) de sua mesa. “Isso me tornará sábio?” “Não", ele respondeu,
aborrecendo-se com meu ceticismo. “Leva muitos anos de prática para se tornar
um leitor competente. E além disso, isso foi escrito pelo reitor.”
Compreender o behaviorismo
i (13
Assim como pressionar um a barra ou abrir um a porta, “ler” é definido não
por sua aparência, mas pelo efeito que produz. Ler em voz alta ocorre quando a
audiência pode ouvir. Ler em silêncio ocorre quando o leitor é capaz, em seguida,
de dem onstrar com preensão, respondendo a questões ou agindo de acordo com o
texto.
Tipicam ente, atribuím os um a determ inada ação a um a unidade funcional com
base em am bos seu efeito e seu contexto. Um rato pressiona um a barra no contexto
da câm ara experim ental na qual a pressão à barra, muitas vezes no passado, pro­
duziu alim ento. Pressões à b arra em outro contexto - digamos, um a câm ara na
qual elas produzem água - pertenceriam a um a atividade diferente. As duas ativi­
dades podem ser rotuladas de “pressão à barra por alim ento” e “pressão à barra
por água”, desde que nos lem brem os de que “por isso ou aquilo” significa aqui “que
produziu isso ou aquilo em m uitas ocasiões no passado’7. Podemos considerar que
“submissão a am eaças” é um a atividade porque seus membros ocorrem em certo
contexto (um a “am eaça”) e historicam ente têm produzido um certo efeito (rem o­
ção d a am eaça). Entregar a carteira a m inha mulher para que pegue dinheiro é
uma atividade diferente de en treg ar a carteira a um ladrão.
“Procurar u m a m ercadoria nas lojas” define um a unidade funcional que ocor­
re em um certo contexto - a m ercadoria permitir um a atividade posterior que será
então reforçada. Um amigo lhe dizer para ler Moby Dick estabelece o contexto para
que você procure o livro, pois te r o livro perm ite que você o leia, o que provavel­
mente será reforçado. “Procurar M oby Dick em livrarias” e ler M oby Dick podem ser
partes da atividade “apreciar M o b y Dick".
Enquanto, na análise com portam ental, falamos da história como definindo o
contexto e as conseqüências de u m ato, na linguagem coloquial, diríamos que dife­
rentes atos têm diferentes intenções. Analisaremos agora os modos pelos quais a
análise com portam ental trata dos vários usos da palavra intenção,
TRÊS SIGNIFICADOS DE INTENÇÃO
A linguagem coloquial tem um rico vocabulário para falar da relação do comportamento com suas conseqüências. Não usam os apenas a palavra intenção, mas inú­
meros outros term os relacionados a ela, como propósito, expectativa, vontade, dese­
jo, in tu ito, e assim por diante. Esses term os são o que os filósofos chamam de
termos intencionais” ou “expressões intencionais”. A despeito de toda sua varieda­
de, os term os intencionais, na m aioria, podem ser agrupados quanto ao uso em três
tipos: função, causa e sentim entos.
tatenção como função
uso de intenção e term os sem elhantes é. facilmente compatível com o discurso
Clentífico. Se eu disser que a intenção (finalidade) deste clipe de papel é prender
estes papéis, não terei dito n ad a sobre o clipe além do que ele faz, nada além de sua
104
William M. Baum
função. Não h á controvérsia, porque aqui se usa intenção como definição. Isto é o
que um clipe é - algo que pren d e papéis.
Aplicado ao com portam ento, esse uso de intenção indica efeitos. A intenção
de um a pressão à barra é b aixar a barra. Nesse sentido, pode-se dizer que as ativi­
dades se definem em term os de suas intenções. “Ir para casa” é um a atividade que
me faz chegar em casa.
Nesse contexto, a casa é tam bém considerada o objetivo de m inha cam inhada. Q uando conhecem os u m a longa história de com portam ento que tipicam ente
leva a um certo resultado (casa), usam os objetivo para designar o reforçador habi­
tual para aquele com portam ento. Falando desse modo, poder-se-ia dizer que o
objetivo d a pressão a b arra é a com ida.
Pode-se até in terp retar dessa m aneira um a afirmação como “Pretendo chegar
em casa”, se “pretendo chegar em casa” significar “engajar-me em com portam ento
que norm alm ente m e faz chegar em casa”. Visto desse modo, “O ra to está p re te n ­
dendo obter com ida” pode sim plesm ente significar que o rato está pressionando
um a b arra que produziu com ida no passado, e “O rato quer com ida” pode sim ples­
m ente significar que ele está se com portando de m aneiras que p recederam a com i­
da no passado.
Todos esses m odos de falar poderiam se aplicar ao com portam ento de procu­
ra r M obyDick nas livrarias. O objetivo é obter o livro, m as obtê-lo é o efeito habitual
de procurar e o reforçador h abitual dessa atividade. Você está “pretendendo encon­
tra r o livro” e você “deseja o livro” significam que você éstá se em penhando em
com portam entos que freq ü en tem en te produziram a m ercadoria p ro cu rad a no pas­
sado e provavelm ente p ro d u zirão o livro agora.
As pessoas g eralm ente consideram que objetivos e desejos envolvem algo mais
do que sim plesm ente n o m ear reforçadores habituais; freqüentem ente dizem que a
pessoa ou o rato tem algum a coisa “em m ente” nessas ocasiões. Isso nos leva ao
próxim o uso im portante de term o s intencionais.
Intenção como causa
Termos com o pretender e querer parecem se referir a algum evento no futuro que
será p roduzido pelo com portam ento. “Pretendo abrir a porta” sugere que m eu es­
forço está dirigido p a ra u m evento futuro, a porta aberta.
E claro que um evento futuro não pode causar o com portam ento. Isso violaria
um a regra básica da ciência: apenas eventos que realm ente ten h am acontecido
podem produzir resultados. As variáveis das quais m eu com portam ento depende
devem e sta r no passado ou no presente.
A m aneira h ab itu al de colocar esse problem a é transportar a causa do futuro
para o p resente. Como a p o rta aberta do futuro não pode causar m eu com porta­
m ento de abrir o trinco, diz-se que o com portam ento é causado p o r um a rep resen ­
tação m ental do objetivo ou intenção (a porta aberta). Como você ainda não en­
controu o M oby Dick, diz-se que sua procura é causada por um a representação
m ental do livro.
Compreender o behaviorismo
105
No en tan to , rep resen taçõ es m entais de eventos futuros são exem plos de
mentalism o, vítimas de todos os problem as que discutimos no Capítulo 3. Onde
está essa intenção interna? De que ela é feita? Como essa porta aberta fantasmagórica
poderia causar m eu com portam ento de abrir o trinco? Como um a representação
interna do M obyDick p oderia causar sua procura? Isso não é um a explicação; serve
apenas para obscurecer os fatos relevantes sobre o ambiente: abrir o trinco norm al­
m ente leva a um a porta aberta, e procurar um a m ercadoria norm alm ente produz a
m ercadoria. Esses fatos n aturais explicam o com portamento sem nenhum a neces­
sidade de introduzir intenções internas.
Comportamento intencional
O que há em com portam entos como abrir o trinco que leva as pessoas a denominálos de com portam ento intencional? William James escreveu que o com portam ento
intencional consistia de “variar os meios [variar o com portamento] para obter um
fim determ inado [reforçador c o s tu m e ir o ] S e você alguma vez teve problem a para
abrir um a porta, sabe o que Jam es quis dizer. Suponha que a chave não gire com­
pletam ente na fechadura. O que você faz? Você gira a chave várias outras vezes,
gira rápido, gira lentam ente, em purra, puxa, movimenta a chave para dentro e
para fora, e assim por diante. Esses são os meios variados. Eventualmente, a porta
abre (o fim determ inado) e o com portam ento cessa. Em nosso exemplo do Moby
Dick, se n ão há o livro em um a loja, você vai para outras, até que, ao encontrá-lo,
você pára de procurar.
Talvez até mais do que a variação na ação, o fato da atividade cessar quando
o reforçador ocorre parece compelir ao uso da palavra intencional. Na definição de
Jam es, esse aspecto está contido na preposição para, antes de fim determinado.
Somos inclinados a d izer que o com portam ento era dirigido ao objetivo (reforçador
futuro) porque ele cessa quando o objetivo é atingido (reforço ocorre). Isso parece
particularm ente verdadeiro no caso de com portam entos como procurar alguma
coisa. Suponha que eu esteja preparando um prato e chegue ao ponto da receita
que pede sal. Eu vou ao local onde o sal á habitualm ente guardado e não o encon­
tro. Procuro em outras prateleiras, na m esa, em toda a cozinha e na sala de jantar.
Pergunto onde está o saí a todos que encontro. Eventualmente, localizo o sal, paro
de procurá-lo e continuo cozinhando. O sal não apenas é o reforçador para o com­
portam ento que cham am os de “procurar o sal”; ele tam bém é a ocasião para pros­
seguir com ou tra atividade; é por isso que a atividade cessa.
O que pode parecer problem ático nessa explicação de “procurar o sal” é que
eu talvez nunca tenha procurado o sal antes. Freqüentemente procuramos coisas
que nunca havíam os procurado antes, e poderia parecer que não houve nenhum a
história de reforço p a ra explicar o com portam ento.
Já exam inam os a solução para esse tipo de problema; é a mesma solução do
problem a de entregar a carteira a um ladrão pela prim eira vez. Esse ato específico
pode nunca ter ocorrido antes, mas outros como ele ocorreram. Posso nunca ter
sido subm etido a essa exata am eaça anteriorm ente, mas tenho uma longa história
106
William M. Baum
de subm eter-m e a ameaças. Posso nunca ter procurado o Moby Dick antes, mas já
procurei outros livros e outras coisas. Os detalhes podem variar - procuro o livro
em livrarias e o sal por to d a a casa - mas “procurar coisas em casa” é “procurar
coisas em lojas” podem ser considerados unidades funcionais de com portam ento,
assim como subm eter-se a am eaças. Com freqüência se ensina explicitam ente às
crianças a procurar coisas na casa. Elas só m elhoram o desem penho nessa tarefa
após m uitas experiências de p ro cu rar e encontrar. Em algumas culturas, aprender a
procurar animais, raízes e frutos pode ser parte essencial do desenvolvim ento. O
com portam ento de p rocurar frutos é aprendido, em parte, p or causa de ocorrências
de encontrar frutos no passado.
Pode-se pensar em exem plos de com portam ento aparentem ente intencional
nos quais o objetivo definido nunca é alcançado. Suponha que m inha causa seja
“livrar o m undo da pobreza” ou “salvar as baleias”. Posso não ter nenhum a experiên­
cia com pobreza ou baleias, então que história de reforço poderia m anter o com ­
portam ento envolvido? A resposta requer que se considere nosso am biente social,
particularm ente os tipos de reforçadores disponíveis para as pessoas em razão de
viverem em determ inada cultura. As pessoas são aconselhadas por outras pessoas a
perseguir atividades socialm ente úteis. Os reforçadores usados pelos professores
estão em geral im ediatam ente à mão, na forma de sorrisos, afeto e aprovação.
R etom arem os esses assuntos nos Capítulos 8 e 13.
Máquinas intencionais
A inutilidade da invenção de intenções internas para explicar o com portam ento
intencional torna-se m ais clara quando examinamos m áquinas intencionais - isto
é, certos mecanismos dos quais se pode dizer que se com portam intencionalm ente.
O sistem a de aquecim ento de um a casa é um exemplo. Se a tem peratura do ar fica
abaixo do que está estabelecido no term ostato (digamos, 20 graus), o aquecedor
liga e aquece o ar. Q uando a tem p eratu ra chega a 20 graus, o aquecedor desliga. E
como se o sistema procurasse m anter a tem peratura em 20 graus. Q uando alcança
esse objetivo, ou intenção, cessa seus esforços.
M áquinas intencionais m ais complicadas se prestam ainda mais facilm ente a
que suas ações sejam atribuídas a intenções. Pode-se dizer que um com putador que
joga xadrez escolhe os m ovim entos que espera que o ajudarão n a intenção in tern a
de vencer. Ele parece p re te n d e r ganhar, e saber se foi bem -sucedido ou não.
Como o sistem a de aquecim ento e o com putador são m áquinas, cujo funcio­
n am ento é conhecido, falai' sobre eles com termos intencionais pode ser divertido
ou poético, mas é desnecessário. O term ostato contém um interruptor que é op e­
rado pela tem peratura p a ra ligar e desligar o aquecedor; isso é tudo que há em sua
intencionalidade. O co m p u tad o r é program ado para fazer cálculos a cada m o­
vim ento, baseado nas posições de todas as peças do jogo, e cada m ovim ento d epen­
de apenas do resultado desses cálculos. O jogo term ina quando o resultado dos
cálculos coincide com o xeque-m ate. Não há nenhum a intenção interna - som en te
m udanças na ação em resposta a m udanças na posição das peças (isto é, no am ­
biente).
Compreender o behaviorismo
107
Se a intencionalidade do sistem a de aquecim ento e do com putador pode ser
ilusória, deve ser igualm ente verdadeiro que a intencionalidade de uma pessoa
pode ser ilusória. A diferença é que o m ecanism o subjacente ao comportamento da
pessoa é desconhecido. Se soubéssemos exatam ente como o sistema nervoso per­
mite que o am biente seja sentido e transform ado em com portam ento, poderíamos
m ostrar nosso in te rio r do m esm o m odo que podem os m ostrar o interior do
term ostato e do com putador.
M êsm o sem um conhecim ento perfeito de como o term ostato ou o com pu­
ta d o r funcionam ;, p o d e m o s e v ita r fa la r deles com te rm o s inten cio n ais. O
term ostato pode ser p a ra m im só um a caixa na parede, mas sua aparente in ten ­
cionalidade a in d a consiste ap en as em ser construído de tal m odo que um a variá­
vel am bien tal (tem p eratu ra abaixo de 20 graus) inicia a atividade, e outra tem ­
peratura (acim a de 20 graus) a interrom pe. O com putador que joga xadrez é
construído p a ra resp o n d er a um conjunto de variáveis am bientais - as posições
de todas as peças. Alguns com putadores são program ados para “aprender” tam ­
bém; o p ro g ram a registra os resultados de movimentos passados em circunstân­
cias sem elhantes. Esses program as incluem os resultados passados no cálculo do
m ovim ento seguinte. In d ep en d en te da complexidade do program a, cada ação
(movim ento) ainda é um a resposta ao am biente presente e à história passada de
reforço (vencer).
Do m esm o m odo, não é necessário nenhum conhecimento especial do funcio­
nam ento do corpo h um ano para que eu evite linguagens intencionais ao discutir
suas atividades. Uma explicação científica satisfatória pode ser construída a partir
do conhecim ento das circunstâncias atuais e das conseqüências do comportamento
em circunstâncias sim ilares no passado.
Seleção por conseqüências
A intenção in tern a não é mais necessária nem mais útil para com preender o com­
portam ento de u m a pessoa do que p ara com preender o comportamento de um
com putador que joga xadrez. Q uando procuro por um livro ou escalo um a m onta­
nha, já procurei antes e escalei antes; as conseqüências passadas daquelas ativida­
des naquelas situações determ inam que essas atividades provavelmente ocorrerão
novamente nessas situações (categorias de situação).
A seleção p o r conseqüências invariavelmente implica a história. Ao longo do
tempo, resultados bem -sucedidos (reforço) tornam algumas atividades mais pro­
váveis, e resultados m alsucedidos (não-reforço ou ptffiição) tornam outras ativi­
dades menos prováveis. G radualm ente, o comportamento que ocorre nessas cir­
cunstâncias vai sendo m odelado - transform ado e elaborado. Embora os neurofisiótagos conheçam pouco do m ecanism o através do qual a acumulação de êxitos e
fracassos altera o com portam ento, os analistas de com portam ento podem estudar
a dependência que o com portam ento tem dessa acumulação. Que história de refor­
ço determ ina que um a pessoa irá procurar algo que está faltando? Que diferença
n&história determ ina que um a pessoa escalará uma m ontanha, enquanto outra irá
totografá-la?
108
William M. Baum
Criatividade
Que história de reforço leva alguém a escrever poesia? Os críticos do behaviorism o
freqüentem ente apontam esse tipo de atividade criativa como um desafio insuperá­
vel. Q uando o artista pinta um quadro ou o poeta escreve um poem a, a questão
fundam ental da atividade é fazer algo nunca feito antes, algo original. A parentem en­
te, conseqüências passadas nunca poderiam explicar as obras de arte, porque cada
trabalho é único e novo. A originalidade de cada obra parece sugerir que o artista
está de algum modo livre do passado, que alguma intenção interna guia seu trabalho.
Ao enfatizar a singularidade e a novidade de cada trabalho, essa concepção
obscurece um fato igualm ente óbvio sobre a atividade criativa: a relação que existe
entre os vários trabalhos do m esm o artista. Como eu identifico que este é um quadro
de M onet e aquele é u m quadro de Renoir? Não h á dois quadros exatam ente iguais
de um m esm o artista, m as os quadros de Renoir parecem uns com os outros, mais
do que se parecem com os quadros de Monet. Um especialista particularm ente
fam iliarizado com os trabalhos de um artista pode afirmar, geralm ente, se u m qua­
dro pertence ou não àquele artista, mesmo diante de um a falsificação cuidadosa.
N enhum pintor, p o eta ou compositor jam ais criou um a obra de arte no vácuo.
Cada novo poem a p o d e ser único, mas tam bém tem m uita coisa em com um com as
realizações anteriores do poeta, e origina-se de um a longa história de escrever
poesia. Ao longo d a vida, escrever poesia foi m antido por reforço, pelo m enos
ocasional - elogio, aprovação, dinheiro - 'p o r parte da família, dos am igos e de
outras pessoas. Em outras palavras, escrever poesia, como qualquer com portam en­
to operante, é um a atividade m odelada por sua história de reforço.
Vista no contexto de todas as obras do artista, a singularidade do trabalho
individual parece um a variação dentro de um a atividade. M ozart com pôs m uitas
sinfonias - com por sinfonias era um a atividade capital em sua vida - m as dizer que
cada sinfonia rep resentava um ato criativo único seria como dizer que cad a vez que
o rato pressiona a b arra de um a m aneira nova ele desem penhou um ato criativo
único. Dentro da atividade de compor sinfonias, cada sinfonia pode ser única, as­
sim como dentro da atividade de pressionar a b arra cada pressão é única.
Esse tipo de variação ocorre tam bém no com portam ento d e sistem as ina­
nim ados. Cada floco de neve é único, do m esm o modo que cada pressão à b arra é
única. Se alguém quisesse defender que por trás de cada nova pressão ou nova obra
de arte há algum a força especial (genialidade ou livre-arbítrio), teria de conceder
que essa força tam b ém existe por trás de cada novo floco de neve. Parece absurdo
sugerir que as nuvens possuam genialidade ou livre-arbítrio. Logicamente, é tam bém
absurdo insistir que a criatividade hum ana possa ser explicada pela genialidade ou
pelo livre-arbítrio. No m ínim o, podemos concluir que se aquela força é desnecessá­
ria para explicar flocos de neve, ela tam bém é desnecessária p a ra explicar a arte.
Um com positor difere de uma nuvem ou de um rato quanto ao que as pessoas
dizem de sua intenção: as pessoas dizem que o compositor cria algo novo intencio­
nalm ente. A atividade criativa busca a novidade. Isso significa que cad a nova obra
é com posta com um olh o nos trabalhos anteriores. As obras anteriores estab elecem
um contexto no qual o trabalho novo pode se parecer com elas, m as não tanto que
pareça “aquela m esm a velha coisa”. M onet pintou uma série de quadros em que
Compreender o behoviorismo
109
a p a r e c e m as mesmas pilhas de feno em diferentes horas do dia; o esquema de
cores de cada quadro o distingue dos outros. Considerando a relação com traba­
lhos anteriores, ser criativo “intencionalm ente” não requer a postulação de n enhu­
ma intenção interna; req u er apenas que a variação dentro da atividade dependa,
em parte, do trabalho feito an tes (isto é, que é parte d a história). Analisados sob
essa ótica, cetáceos’' e rato s foram adestrados para serem “intencionalm ente” cria•tivos. Karen Pryor e seus colaboradores, no Parque Se a Life, no Havaí, dispuseram
os reforçadores de form a que apenas um a resposta nova (truque) os recebessem algo que o cetáceo n unca tivesse feito antes. Passados alguns dias, novas habilida­
des com eçaram a aparecer com regularidade. Os pesquisadores relataram que um
dos animais, Malia,
começou a emitir uma gama de comportamentos sem precedentes, incluindo
saltos aéreos, deslizar com o rabo fora da água e “escorregar” no chão do tanque,
alguns deles tão complexos quanto respostas normalmente produzidas por técni­
cas de modelagem, e muitos outros diferentes de qualquer coisa já vista em Malia
ou qualquer outro cetáceo pelo pessoal do Parque Sea Life. Dava a impressão de
que o critério do treinador, “só serão reforçadas aquelas ações que não foram
previamente reforçadas”, fora atingido por Malia com a apresentação de padrões
completos de amplos movimentos corporais, nos quais a novidade era um fator
intrínseco (Pryor et ai., 1969, p. 653).
M eu colega Tony N evin e alguns alunos de graduação da Universidade de
New Ham pshire usaram u m critério similar para treinar ratos em um tampo de
mesa, sobre o qual foram colocados vários objetos - um a caixa, um a rampa, um
pequeno balanço e um cam inhão de brinquedo. Os experimentadores observavam
o com portam ento com relação aos objetos c reforçavam as ações que nunca haviam
ocorrido antes. R apidam ente, os ratos começaram a apresentar respostas novas
diante dos objetos. D everíam os concluir dessas observações que cetáceos e ratos
possuem um gênio criativo?
Talvez a novidade seja passível de reforço porque o comportamento passado
pode estabelecer um contexto para o comportam ento presente. Nós nos lem bra­
mos do que fizemos antes, e isso nos inclina a nos com portarmos de modo similar
ou diferente, dependendo do que é reforçado, Se você não encontra o Moby Dick
em um a livraria, vai a u m a nova livraria, Não é necessário postular um a intenção
interna para explicar a novidade em você ou em Monet, assim como não é necessá­
rio postulá-la para explicar a originalidade no cetáceo ou no rato.
Menção como sentimento: auto-relatos
A terceira m aneira de falar sobre intenção é enquanto parte de uma experiência
Privada. Quando falam os das intenções dos outros, nada podemos dizer sobre evenN. de T. O cetáceo referido é “porpoise” (Stcno bredannensis), mamífero aquático semelhan­
te ao golfinho, toninha ou boto.
110
William M. Baum
tos privados, m as quan d o falamos de nossas próprias intenções, parece que estam os
nos referindo a algo presente e privado. Todos os dias indagam os sobre as inten­
ções uns. dos outros e respondem os como se as perguntas fossem perfeitam ente
razoáveis. 'Você p reten d ia m agoar o Lugui?” "Não, eu só estava ten tan d o ajudar.”
A uto-relatos como esses parecem dizer que minhas intenções são parte de m inha
experiência de m eu com portam ento (“tentando ajudar"). Como posso ter tanta
certeza? G eralm ente usam os o verbo sentir nesse contexto, por exem plo, quando
digo “Sinto vontade de tom ar sorvete” ou “Sinto vontade de cam inhar”. O que eu
“sinto”? De que estou falando?
Falar sobre o futuro
Os auto-relatos de intenções desafiam a explicação científica porque parecem falar
do futuro. O que quero dizer quando falo que desejo ir à praia am anhã? Como
“estar n a praia” encontra-se no futuro e pode nunca acontecer, procura-se então
algo no presente p ara explicar o que estou dizendo agora. Se eu sei o que quero,
isso significa que algum sentim ento interno está se com unicando comigo?
Às vezes, as “dicas” privadas para auto-relatos de intenção são óbvias. Se m eu
estôm ago está roncando, ou m inha boca está seca, posso relatar que sinto vontade
de com er ou beber. Em outras situações, as “dicas” são m enos claras. Eu posso
achar difícil dizer exatam ente por que estou com vontade de ir ao cinem a. As “di­
cas” podem não ser m enos reais, mas eu tenho menos experiência com elas do que
com um estôm ago roncando e com um a boca seca.
Algumas “dicas” para auto-relatos intencionais podem ser públicas. Se eu me
cortar com um a faca posso dizer “Q uero ir para o hospital”. As outras pessoas
podem ver o corte e entender essa afirmação, sem precisar se p reocupar com even­
tos privados. Eu posso dizer, “É sexta-feira à noite, e estou com vontade de ir ao
cinem a”. Para as outras pessoas a conexão é óbvia.
O conjunto de todas as “dicas”, públicas e privadas, que ju n ta s definem um
contexto, tornam provável que eu apresente auto-relatos intencionais como “Eu
quero”, “Eu desejo”, “Eu tenho vontade”, e assim por diante. O que eles significam?
Uma afirm ação intencional faz um a predição. “Eu quero sorvete” significa
que eu tom aria sorvete, se houvesse algum em m inha frente, e que eu faria algu­
mas coisas (ir ao m ercado, lim par m eu quarto) para obter sorvete. Em outras pala­
vras, estou dizendo que, neste m om ento, o sorvete atuaria com o reforçador p ara o
meu com portam ento. “Sinto vontade de dar um a cam inhada” p ode significar que
cam inhar seria um reforçador para m eu com portam ento, ou p ode significar que,
nessas circunstâncias, o cam inhar é um com portamento que tem probabilidade de
ser reforçado. Com base em “dicas” presentes, afirmativas intencionais fazem pre­
visões sobre quais eventos serão reforçadores e qual com portam ento será reforça­
do. “Eu quero ler M oby Dick” significa que é provável que eu leia o livro. “Eu p re­
tendo pegar u m ônibus” significa que é provável que eu pegue um ônibus.
Compreender o bebaviorismo
111
Falar sobre o passado
Prever o com portam ento é como prever o tempo. O indivíduo que prevê o tem po
não pode ter certeza absoluta de que hoje vai chover, assim como não posso ter
certeza absoluta de que irei ao cinem a, mas nós dois dizemos, “Em circunstâncias
como essas, tal evento é provável”. Fazemos isso com base em nossa experiência
passada naquelas circunstâncias. No passado, quando um a frente fria se encontrou
com um a frente quente, freqüentem ente choveu. No passado, quando eu não tinha
nada mais para fazer n a sexta-feira à noite, freqüentem ente fui ao cinema. As “di­
cas” no presente d eterm in am afirmações no presente por causa de suas relações
com eventos do passado.
Exceto por atribuir u m papel a eventos privados, os auto-relatos de intenção
não diferem em n a d a de afirm ações intencionais a respeito de outras pessoas. To­
das as afirmações intencionais, incluindo os auto-relatos, embora pareçam se refe­
rir ao futuro, referem -se, n a verdade, ao passado. Expressões como pretender, que­
rer, tentar, esperar e propor sem pre podem ser substituídas por “Em circunstâncias
como estas no passad o ..,”. Q uando o leigo diz que o rato pressiona a barra porque
quer comida, a afirm ação pode ser substituída por “Nestas circunstâncias no passa­
do, pressionar a b arra p ro d u ziu comida, e a comida foi um reforçador". '‘Proponho
irm os à praia” significa “Em circunstâncias como estas no passado, ir à praia foi
reforçador, e é provável que esta ida seja tam bém reforçada”.
Na linguagem cotidiana, expressões intencionais são convenientes, mas em
análise com portam ental elas constituem mentalismo. Na linguagem cotidiana, afir­
m ativas intencionais facilitam a interação social, mas, para a análise do com porta­
m ento, são m enos que inúteis, porque dirigem a investigação para um m undo de
sombras, em vez de o rientá-la p ara o m undo natural. A explicação científica para a
ação aparentem ente intencional e para os auto-relatos sobre intenções sentidas
baseia-se nas circunstâncias presentes associadas ao reforço passado em circuns­
tâncias similares, am bas naturais e passíveis de descoberta. Nunca seremos capa­
zes de com preender ou im pedir que um a adolescente solteira fique grávida e passe
a ser assistida por p rogram as sociais enquanto dissermos que ela desejava isso ou
estava pretendendo satisfazer um a necessidade. “Explicações” como essas apenas
nos afastam de e n te n d e r a história e m udar o am biente que levaria à gravidez.
Censurar a adolescente ou seus país pode ser cômodo, mas interfere com a possibi­
lidade de um a solução eficaz.
Sentimentos como subprodutos
Q uando os sentim entos agem como “dicas” para afirmações intencionais, eles cons­
tituem eventos privados do tipo “eventos de sentir”, discutidos no Capítulo 3. Esse
tipo de evento privado, que inclui ouvir um som e sentir uma dor, inclui tam bém
s^ntir um form igam ento e sentir o coração acelerado.
112
William M. Baum
Como eventos privados, no entanto, os sentim entos tendem a ser difíceis de
compreender. Se eu digo que estou com m edo, provavelm ente pouco poderei falar
sobre os eventos privados que me fazem dizer isso. Um fisiólogo poderia ser capaz
de m edir m udanças som áticas que acom panham um relato de sentir m edo, m as a
pessoa que relata m edo geralm ente sabe m uito pouco sobre essas m udanças.
Geralm ente consideram os m uito mais fácil indicar as circunstâncias públicas
que explicam o sentim ento. Por que digo que estou com medo? Porque estou p en ­
durado em um penhasco ou próxim o de ir a um a entrevista de seleção p a ra em pre­
go. Por que m e sinto feliz? Porque acabei de ganhar na loteria ou de conseguir o
em prego para o qual estava m e candidatando.
Do ponto de vista das circunstâncias públicas, os sentim entos e as afirm ações
sobre eles surgem de u m a história passada com circunstâncias sem elhantes. D ireta
ou indiretam ente, po d em ser relacionados à experiência com os eventos filogeneticam ente im portantes discutidos no Capítulo 4. Às vezes, os sentim entos surgem
sim plesm ente da program ação genética. Não precisamos de nenhum treino especial
p ara te r m edo de ficar à beira de um penhasco, nem para ach ar agrad áv el a
estim ulação sexual. Na m aior parte das vezes, porém , os sentim entos surgem em
um a situação porque ela foi correlacionada com algum evento filogeneticam ente
im portante - um reforçador, um punidor, ou um estímulo incondicional. Em outras
palavras, sentim entos e relato s de sentim entos resultam do c o n d icio n am en to
respondente que ocorre ju n to com a aprendizagem operante.
As línguas latinas têm um rico vocabulário para falar dos sentim entos que
acom panham as situações em que reforço e punição ocorreram no passado. Em
um a situação em que o reforço positivo é provável, relatam os e star felizes, o rg u ­
lhosos, confiantes, ansiosos, extasiados. Se estivermos nos referindo a um a h istória
de reforço negativo, é provável que relatem os alívio. O can ce lam en to d e um
reforçador - punição negativa - resulta em relatos de decepção ou frustração. S itu­
ações nas quais ocorreu punição positiva no passado dão origem a relatos de medo,
ansiedade, pavor, vergonha e culpa.
Como os sentim entos surgem da m esm a história de reforço e punição que
explica o com portam ento aparentem ente intencional, os sentim entos são subpro­
dutos e não causas do com portam ento. Q uando você finalm ente encontra Moby
Dick em um a livraria, fica feliz porque agora tem o livro, pode ler seu exem plar e
o bter outros reforçadores, com o ser capaz de falar sobre ele com ou tras pessoas e
se d ar o p razer de u m a boa leitura. Encontrar o livro o deixa feliz porque com prar
livros recom endados e agir como recom endado levaram a reforço no passado. Você
com pra o livro e fica feliz; você não com pra o livro porque ele o faz feliz. O jo g ador
que fica feliz depois de fazer um gol fica feliz porque aquela situação freqüentem ente
foi acom panhada de aprovação e outros reforçadores. Seria um equívoco dizer que
o jog ad o r ten ta fazer o gol porque gois levam à felicidade. O com portam ento que
freqüentem ente resultou em gol ocorre porque fazer um gol é um reforçador con­
dicional; o sentim ento de felicidade é um subproduto dos m esm os reforçadores
(aprovação e status) que sustentam o reforçador condicional. O hom em que se
sente culpado depois de gritar com a esposa lhe traz flores, não porque isso aliviará
sua culpa, mas porque, no passado, trazer-lhe flores (e outros atos de gentileza)
Compreender o behaviortsmo
Ü3
im pediram a punição e restabeleceram o reforço - esse resultado, é claro, tam bém
dissipa o sentim ento de culpa.
A única exceção à reg ra geral.de que os sentimentos são apenas subprodutos
podem ser os relatos de sentim entos. O relato “Sinto-me feliz” pode ser visto como
com portam ento (verbal) operante, parcialm ente sob controle de eventos privados.
Como um a discussão com pleta do assunto requer que primeiro se examine o con­
ceito de controle de estím ulo, no Capítulo 6, para então analisar o comportamento
verbal em gerai, esse tem a será mais bem discutido no Capítulo 7.
RESUMO
Explicação histórica e raciocínio em term os de população andam lado a lado por­
que a composição de um a população se explica, em últim a análise, por sua história
de seleção - seja a seleção n atu ral operando sobre um a população de organismos,
seja o reforço e a punição operando sobre uma população de ações. Embora seja
geralm ente reconhecido que eventos na infância podem afetar o comportamento
na vida adulta, na linguagem cotidiana há uma tendência a representar o passado
com ficções no presente. Isso é m entalismo e de modo algum ajuda na com preen­
são científica do com portam ento.
A tentação de recorrer a esse tipo de mentalismo surge da predisposição para
explicar o com portam ento apelando para causas presentes no momento em que ele
ocorre. A m aneira de evitar o mentalismo é superar essa predisposição e admitir que
eventos no passado podem afetar o comportamento no presente, mesmo que presente
e passado estejam separados por um a lacuna temporal. A lacuna temporal de nenhum
modo diminui a utilidade de entender o comportamento presente à luz da história.
As ações específicas do presente pertencem a populações - unidades funcio­
nais ou atividades - que têm um a história comum por causa de sua função comum.
Ações pertencem à m esm a unidade funcional ou atividade se compartilham con­
textos e conseqüências sim ilares. Embora cada ato específico nunca tenha ocorrido
antes, cada um p erten ce a algum a unidade funcional que tem uma história de
ocorrência em certo tipo de contexto, com certo tipo de conseqüências.
A maioria dos usos de intenção e outras expressões intencionais relacionadas
pertence a um de três tipos, os quais se referem a ámção, causa e sentimentos. Quan­
do a intenção de um ato é identificada com sua função, com seu efeito sobre o ambi­
ente, não há nenhum problem a para um a explicação científica. Quando a intenção é
vista como uma causa interna, imagina-se que uma representação fantasmagórica
das conseqüências está p resente no momento da ação. Um evento futuro não pode
explicar o com portam ento, mas a invenção de uma causa interna também não expli­
ca, porque isso é m entalism o, e presa fácil de todos os problemas daí decorrentes.
Uma explicação científica apropriada do comportamento intencional, como procurar
um livro, refere-se à história de reforço de tal comportamento. O comportamento
criativo, como escrever poesia, tam bém é modelado por sua história de reforço.
Os auto-x-elatos de sentim entos de intenção ou propósito têm como base eventos
am bientais presentes e privados. Eles consistem em predições sobre quais eventos
114
William M. Baum
provavelm ente serão reforçadores e qual com portam ento provavelm ente será re ­
forçado. Essas predições sem pre são baseadas na ocorrência passada de reforço.
Em bora os auto-relatos sobre a intenção experim entada possam d a r a im pressão
de se referir ao futuro, eles, n a verdade, referem-se ao passado do indivíduo, assim
como afirm ações sobre as intenções de outra pessoa, na verdade, referem -se a seu
passado. Q uando a tu a m com o "dicas” para auto-relatos, os sentim entos são even­
tos de sentir privados. Eles são subprodutos devido ao condicionamento respondente,
da m esm a história de reforço e punição do com portam ento operante a que os re la­
tos se referem . Não tê m um a relação causal com aquele com portam ento operante,
em bora possam ser p a rte do contexto que explica o relato verbal de um a intenção
experim entada.
LEITURAS ADICIONAIS
Dennett, D. C. (1978). Skinner skinned, In; Brainstorms. Cambridge (Mass.): MIT Press, p.
53-70, Um filósofo defende o mentalismo e critica as explicações de Skinner do comporta­
mento em termos de histórias de reforço. O trabalho é interessante por seus equívocos sobre
Skinner e análise do comportamento.
Ghiselin, M. T. (1997). Metaphysics arid the origin of species. Albany: State University of New
York Press. Esse livro explica que espécies biológicas constituem unidades funcionais (“indi­
...........
víduos”) mais do que classes ou categorias.
Pryor, K. (1985). Don’t shoot the dog. Nova York: Bantam Books. Uma apresentação agradá­
vel do reforço para uso geral.
Pryor, K. W., Haag, R. e O'Reilly, J. (1969). The creative porpoise: training for novel behavior.
Journal of the Experimental Analysis o f Behavior, 12, 653-661. Esse é o relato original do uso
de reforço para treinar respostas novas,
Skinner, B. F. (1969). The inside story. In: Contingencies of reinforcement. Nova York: AppletonCentury-Crofts, cap. 9, p. 269-297. Esse trabalho contém um resumo das objeções de Skinner
ao mentalismo.*
Skinner, B. F. (1974). Operant behavior. In: About behaviorism. Nova York; Knopf, cap. 4, p.
46-71. Aqui, Skinner defende o comportamento operante como um conceito eficaz para
substituir as noções tradicionais, ineficazes, sobre a intenção.*
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPÍTULO 5
Auto-relato
Expressão intencional
Máquina intencional
Unidade estrutural
Unidade funcional
'N. de T. Título traduzido em português (ver ‘Apêndice”).
6
Controle de estímulo
e conhecimento
I odo com portam ento, induzido ou operante, ocorre em um determ inado contex­
to. Q uando me sento p ara jantar, me vem água à boca;, em outros momentos salivo
menos. No caso desse com portam ento induzido, o contexto é o conjunto de cir­
cunstâncias am bientais que o induzem (a sala de jantar, a mesa arrumada, a visão
e o cheiro da comida). Respostas específicas da espécie ao alimento, a predadores,
a parceiros sexuais em potencial e a outros eventos filogeneticamente importantes
são induzidas pelos contextos nos quais esses eventos são prováveis. No contexto
da silhueta de um falcão p assan d o sobre sua cabeça, a codorna se agacha; na au ­
sência desse contexto, continua cuidando de sua vida.
v
O com portam ento o p eran te tam bém ocorre apenas em um contexto. O rato
de laboratório treinado a pressionar u m a barra emite esse comportamento apenas
na câm ara experim ental. Q uando colocado na câmara, o rato já treinado vai imedia­
tam ente p ara a barra e com eça a pressioná-la. Eu carrego meu guarda-chuva so­
m ente quando parece que vai chover, e vou ao trabalho apenas nos dias úteis.
Até agora, fizemos ap enas breves menções ao contexto. A história de reforço,
por exemplo, consiste não apenas em certas atividades resultarem em certas conse­
qüências, m as tam bém no fato dessas relações ocorrerem sistematicamente em
determ inado contexto. “Subm eter-se a um a ameaça” não tem nenhum significado
separado de seu contexto - a existência da ameaça, a voz alta, o punho levantado,
a arm a. Para com preender com o os behavioristas podem oferecer uma explicação
científica do que significa conhecer algo, sem recorrer ao mentalismo, precisamos
entender e aplicar os conceitos que os analistas comportamentais usam para expli­
car os efeitos do contexto. Como veremos adiante, conhecer é comportar-se em
contexto.
116
William M. Baum
CONTROLE DE ESTÍMULO
O com portam ento m uda à m edida que m uda o contexto. Eu p aro o carro quando o
sina] está verm elho e continuo dirigindo quando está verde. Parar e seguir em
frente estão sob controle de estímulo. Aqui, estímulo significa “contexto” e controle
significa “m udar a freqüência ou probabilidade de um a ou m ais atividades”.
Freqüentem ente, faço u m a dem onstração aos alunos em que um pom bo é
treinado a bicar um disco de respostas vermelho e a não bicar um disco verde. Na
prim eira etap a do treino, o disco está iluminado com a cor verm elha e cada bicada
opera o dispensador de com ida. Gradualmente, o núm ero de bicadas necessárias
para produzir o alim ento é aum entado até 15 bicadas. Na segunda etapa introduzse o disco verde, com a contingência de que o alimento só será liberado se passa­
rem 2 segundos sem um a bicada. No início, o pombo bica o disco verde sem suces­
so. Cedo ou tarde ele faz u m a pausa suficiente para que o alim ento seja liberado. À
m edida que o pombo pausa m ais e bica menos, a pausa exigida para a liberação da
com ida vai sendo gradualm ente aum entada até 10 segundos. Ao final do treino, na
dem onstração, eu controlo a cor do disco por um interruptor no aparelho. Quando
o disco fica vermelho, o pom bo bica rapidam ente. Assim que m udo a cor para
verde, o pom bo pára de bicar. À m edida que vou m udando de um a cor para outra,
o bicar m uda em uma ou em o u tra direção.
A dem onstração ilustra o processo de controle de estím ulo. As cores verm elha
e verde no disco controlam o bicar no sentido de que, com a m udança de cor, m uda
a probabilidade de bicar.
Os analistas de com portam ento geralm ente distinguem controle de estím ulo
de eliciação estím ulo-resposta. Q uando o sinal fica verde, torna-se provável que eu
siga em frente, m as não sou com pelido a dirigir da m esm a m aneira que sou com pe­
lido a espirrar quando m eu nariz está coçando, A m udança de contexto afeta o
com portam ento operante m ais como modulação do que como compulsão.
Mais im portante ainda: com portam entos eliciados ou induzidos parecem de­
p en d er apenas do contexto (se é que um a coceira no nariz pode ser cham ada de
contexto), enquanto o com portam ento operante depende das conseqüências que
ocorrem em um dado contexto - isto é, depende da com binação de conseqüências
e contexto. O contexto “coceira” é suficiente por si só p a ra to rn ar o espirro prová­
vel; n a dem onstração com os pom bos, as bicadas se to rn am mais prováveis no
contexto do disco verm elho porque só produzem com ida no contexto do disco
verm elho.
Estímulos discriminativos
O con tex to do com portam ento operante é cham ado de estímulo discriminativo,
para distingui-lo dos estím ulos que eliciam ou induzem o com portam ento. Na d e­
m o n stração com o pom bo, as luzes verm elha e verde no disco são estím ulos
discrim inativos porque as bicadas no disco só podem ser reforçadas no contexto do
disco verm elho e não podem ser reforçadas no contexto do disco verde. Como
Compreender o behcworismo
117
diferença n as relações d e reforço, de um contexto para o outro, as
bicadas são mais prováveis quando a lu z está vermelha.
Mesmo no laboratório, são c o m u n s estímulos discriminativos mais complicados. Suponha que eu te n h a dois d iscos p a ra o pombo bicar, colocados lado a lado,
e qualquer um deles possa ser ilu m in a d o com luz vermelha ou verde. Posso treinar
o pombo a bicar um disco verde q u a n d o apresentado junto a um disco vermelho, e
independente de estar o disco verde n o lado esquerdo ou direito, reforçando ape­
nas bicadas no disco verde. Em um ex p erim en to como esse, o estímulo discriminativo
para bicar é “disco v e rd e in d e p e n d e n te de posição". Na ta refa denom inada
pareamento com o modelo apresen ta-se ao pombo um estímulo m odelo (por exem­
plo, vermelho ou verde) em um disco central, e estímulos de escolha (vermelho e
verde) em dois discos, situados um d e cada lado do disco modelo. Somente as
bicadas no disco lateral que coincide com o modelo são reforçadas. Os estímulos
discriminativos que controlam o b ic a r n a tarefa de pareamento com o modelo são
compostos, como, por exem plo, “m o d e lo verm elho com disco lateral verm elho” e
“modelo verde com disco lateral v e rd e ”.
No m undo fora do laboratório, o s estímulos discriminativos são geralmente
compostos, como esses. Se você está d irigindo em um a estrada de pista simples e
encontra um veículo len to pela fren te, você só o ultrapassa quando a faixa central
é seccionada de seu lad o e não há n e n h u m veículo vindo em sentido contrário. O
estímulo discrim inativo p a ra a u ltrap assag em consiste em pelo menos três elem en­
tos: (1) o veículo len to n a frente; ( 2 ) a faixa central seccionada; (3) a pista de.
sentido contrário livre. Se qualquer d e sse s elem entos estiver ausente, será impro­
vável que você u ltrap asse. A com b in ação estabelece o contexto; ela define o estí­
mulo discriminativo n a presença do q u a l o com portam ento operante (ultrapassar)
será provavelm ente reforçado.
Em contextos a in d a maís com plicados, parte do contexto ou estímulo discri­
minativo pode ter ocorrido algum te m p o antes da ocasião para o comportamento.
Em um experim ento de paream ento c o m o m odelo, o modelo pode ser apresentado
ao pombo e ser desligado por vários segundos antes que os discos de escolha apa­
reçam. Embora o m odelo não esteja m a is presente, os pombos ainda assim bicam o
disco lateral que coincide com ele. O s seres humanos são capazes de suportar lacu­
nas temporais m uito m ais longas. Se, n a segunda-feira, eu lhe disser que o encon­
trarei em m eu escritório n a sexta-feira às 3 horas, seu comportamento de ir ao meu
escritório depende de: ( 1 ) ser sexta-feira; (2) ser 3 horas da tarde; (3) o que eu
disse na segunda-feira. Todos os três elem entos são necessários para que sua ida a
ttieu escritório ten h a probabilidade d e ocorrer e de ser reforçada, mas um desses
elementos só estava p resen te quatro d ia s antes. (Ver o Capítulo 5 para um a discus­
são adicional sobre lacunas tem p o rais.)
resu lta d o d a
Seqüências estendidas e estímulos discriminativos
Embora m uitas vezes no dia-a-dia as partes de um a atividade possam ocorrer em
qualquer ordem - ao cozinhar, posso p ô r primeiro o sal e depois a pim enta, ou na
118
William M. Baum
o rdem inversa - às vezes as partes de um a atividade devem ocorrer em um a se­
qüência definida p ara que seja bem-sucedida (reforçada). O progresso pode ser
m esm o impossível n a ausência de um certo objeto ou condição. Se eu não tenho
carro, devo alugar ou em prestar um antes de poder ir à praia. Seu amigo deve ser
convidado antes que vocês possam ir ao cinema juntos. Outras vezes, criamos condi­
ções em que o reforço é mais provável que em outras. Abasteço o carro antes de ir
viajar, aum entando a probabilidade de chegar a meu destino sem precisar de mais
gasolina. Às vezes as seqüências são longas. Um estudante universitário vai às aulas
de form a a se preparar para as provas, a passar nas disciplinas, a se form ar em quatro
anos. Em qualquer situação em que as partes devam ocorrer em um a certa seqüên­
cia, a p arte anterior produz as condições ambientais requeridas para a p a rte seguinte,
Essas pistas para o progresso (carro, amigo disponível, m edidor de com bustí­
vel em cheio), que estabelecem a ocasião ou o contexto para a atividade seguinte,
são cham adas de estímulos discriminativos. 0 m edidor de com bustível em cheio
serve com o estím ulo discrim inativo p a ra o com portam ento operante posterior (via­
ja r), que só ocorre em sua presença. Em acréscimo, os analistas com portam entais
m u ita s vezes con sid eram que tal estím ulo discrim inativo funciona com o um
reforçador. Você vai ao posto de gasolina para encher o tanque, e se esse posto tiver
de fechar, você pára de ir lá. A atividade anterior (ir ao posto de gasolina) depende
de seu resultado de m aneira m uito semelhante a como abrir a geladeira quando
você tem fome depende do resultado de comer. Assim, o resultado de abastecer o
carro - m edidor de com bustível m arcando cheio - serve a duas funções. Por um
lado, o ponteiro do m edidor serve como estímulo discrim inativo para a próxim a
atividade d a seqüência (viajar). Por outro, o ponteiro do m edidor serve como um
refo rçad o r condicional provisório para o com portam ento operante (ir ao posto de
gasolina) que o produz. A natureza exata de tais reforçadores é objeto de contro­
vérsia, m as isto n ão precisa nos d eter nesse ponto; sem en trar em sutilezas teóricas,
tratarem o s o estím ulo produzido pelo com portamento como um reforçador.
No laboratório, podem os treinar um rato a puxar um a corrente para ligar
u m a luz, na presença da qual o pressionar um a barra é reforçado com comida.
C om eçam os treinando o rato a pressionar a barra, program ando o equipam ento
p a ra que cada pressão opere um dispensador contendo bolinhas de alim ento. Em
seguida, reforçam os a pressão som ente quando um a luz acim a d a b arra está acesa,
lig an d o e desligando a luz aproxim adam ente a cada m inuto. Depois de um a ou
d u as horas, a luz está estabelecida como estímulo discrim inativo - as pressões são
freq ü en tes quando ela está ligada e raras quando está desligada. Então deixam os a
luz ap ag ad a e penduram os a corrente no centro da câm ara. Esperamos até que o
ra to se aproxim e da corrente, ligamos a luz e deixamos o rato pressionar a b arra e
conseguir o alim ento. Q uando a luz é novamente apagada, o rato volta para a
co rren te, e puxar a corrente passa a ser necessário p ara que a luz acenda. Em
pouco tem po, a seqüência de puxar a corrente, seguida da pressão à barra, está
o co rren d o regularm ente. A luz tanto reforça condicionalm ente o puxar a corrente
com o estabelece a ocasião p ara a pressão à barra.
Q uando as seqüências se m antêm ligadas através de um processo no qual o
refo rçad o r condicional para um a resposta serve de estím ulo discrim inativo para a
próxim a, a seqüência é denom inada de cadeia comportamental. Os “elos” da cadeia
Compreender o behaviorismo
119
são as atividades desem penhadas um a após a outra. Os elos são ligados pelas mu­
danças no contexto - os estím ulos discriminativos. Cadeias com portam entais pre­
tendem ser u m m odelo de laboratório p a ra as seqüências de com portam entos no
inundo cotidiano. Elas m odelam um a p a rte da m aneira como as atividades são
ligadas; no m undo cotidiano, algumas partes da atividade podem precisar ocorrer
antes, mas outras p artes podem ocorrer em qualquer ordem. Um estudante pode
. precisar se p re p a ra r tan to para um a prova de história quanto para um a de psicolo­
gia; a preparação deve ocorrer antes das provas, mas a ordem de estudo das duas
matérias pode n ão ser im portante.
Im porte ou n ão a seqüência, a atividade como um todo é m antida pelos refor­
çadores últim os, que ocorrem depois que todas as partes, ou quase todas, foram
completadas. O universitário se prepara p ara as provas e as executa, produzindo
boas notas, que, em seguida, se som am a bons resultados no currículo, que, em
última instância, levam à form atura. Se a form atura de algum modo se torna im­
possível, será im provável que o estudante continue a participar das disciplinas. Em
nosso exemplo do laboratório, se o alim ento é suspenso, tanto o puxar a corrente
quanto a pressão à b a rra cessam. A luz perd e seu papel como reforçador e como
estímulo discrim inativo. Q uando os continentais americanos perderam seu valor
como m oeda, eles n ã o apenas deixaram de funcionar como reforçador, mas tê-los
em mãos tam b ém d eixou de servir com o contexto (estímulo discrim inativo) para
o com portam ento o p eran te ulterior de ir às compras. Se o tempo está chuvoso e
frio, eu não coloco gasolina no carro para fazer uma viagem à praia; o tanque cheio
só serve como refo rçad o r e estím ulo discriminativo quando o tempo está bom.
Discriminação
Quando o com po rtam ento m uda diante d a m udança do contexto, os analistas de
com portam ento den o m in am essa regularidade de discriminação. No experimento
do rato, a m udança de luz apagada para luz acesa dependia de que o rato puxasse
a corrente, enquanto, n a dem onstração do pombo, o comportamento do animal
não afetava a m u d an ça no disco de verm elho para verde (era eu quem mudava a
cor). Em qualquer dos dois casos, m udem os estímulos em uma seqüência ou mu­
dem independentem ente do com portam ento, a mudança de com portam ento que
acompanha a m u d an ça nos estímulos discriminativos constitui um a discriminação.
Quando o co m portam ento m uda de “trab alh ar” para “fazer compras” como resul­
tado da m udança d e e sta r “sem dinheiro” para estar “com dinheiro”, temos uma
cadeia e um a discrim inação. Se o com portam ento muda quando o dia anoitece,
trata-se não de u m a cadeia, mas de um a discriminação.
Como discrim inação significa m udança de comportamento com mudança de
estímulo, toda discrim inação envolve pelo menos duas condições de estímulo - dois
contextos. No exem plo mais simples de laboratório, a pressão à barra ocorre quando
a luz está acesa - u m estím ulo discrim inativo - e não quando está apagada - um
segundo estím ulo discrim inativo. Se M arina comporta-se diferentemente com seus
Pais e com seus am igos, dizem os que ela discrimina entre esses dois contextos ou
Estímulos discrim inativos - pais e amigos.
120
William M. Baum
Toda discrim inação resulta de um a história. Se não foi aprendida, resulta de
u m a história evolutiva. A codorna recém-nascida com porta-se de m odo diferente
na presença e na ausência do falcão por causa da fílogênese. Se a discrim inação é
aprendida, ela provém de um a história de reforço. O ra to pressiona a b arra quando
a luz está acesa e não quando está apagada porque as pressões à barra foram
reforçadas quando a luz estava acesa, e não reforçadas quando estava apagada.
Vou a um a loja quando tenho dinheiro, e não quando estou sem dinheiro porque ir
à loja foi reforçado quando eu tin h a dinheiro e não foi reforçado quando eu não
tinha. Em geral, um a atividade ocorre na presença de um estím ulo discriminativo,
e o u tra atividade ocorre na presença de outro estím ulo discrim inativo porque um a
é reforçada em um contexto e a outra, em outro contexto.
Essa é toda a explicação: a discriminação provém d a história. N ada de m en­
tal - norm alm ente nada nem m esm o privado - entra n a explicação. Para te r mais
acurácia, deveríam os dizer que o comportamento do organism o contém um padrão de discriminação, ou que o com portamento discrim ina, m as m uitas vezes se
diz que o organism o é que discrimina. Se dissermos que um rato discrim ina entre a
presença e a ausência de luz, não estamos im aginando nenhum evento menta)
den tro do rato. Se, por exemplo, alguém dissesse que o rato discrim ina porque
“a te n ta ” para a luz, poderíam os observar que o “a ten tar” n a d a acrescenta à explicação, pois apenas reafirm a a observação de que o com portam ento m uda quando a
luz é ligada ou desligada. E um exemplo de m entalism o.
Controle de estimulo significa que um estímulo exerce controle sobre o comportam en to - que o com portam ento m uda em sua presença. Seria incorreto dizer qüe
o estím ulo exerce controle sobre o rato ou a pessoa, pois nesse caso o ra to ou a
pessoa teriam de se em penhar em alguma ação m ental fantasm agórica, com o aten­
tar, para passar do estím ulo ao comportam ento, A idéia presente no conceito de
controle de estím ulo é a de que o estímulo afeta o com portam ento diretam ente.
Discriminação refere-se som ente à m udança no com portam ento com a mudança no contexto. Seria incorreto dizer que o rato discrim ina e pressiona a barra
som ente quando a luz está acesa, ou que o rato pressiona a b arra com a luz acesa
porque discrimina. “O rato discrimina” ou “A luz é um estím ulo discrim inativo”
significa apenas que a freqüência ou probabilidade d e pressão à barra m u d a quando a luz é ligada e desligada. Do mesmo modo, “M arina discrim ina entre seus pais
e seus am igos” significa som ente que o com portam ento de M arina é diferente na
presença desses dois contextos. Em outras palavras, seria um erro pensar a discrim ínação como um evento privado que precede e então causa a m udança pública no
com portam ento. Em geral, a discriminação nunca é um evento privado; a única
exceção reside no m odo com o alguns analistas do com portam ento tratam do
autoconhecim ento, que será exam inado em seguida.
:
l
5
J
J
j
CONHECIMENTO
|
;
e.
[
;
í
j;
j
f
\
'■í. ■
|
\
í
;
J
|S
p
|
j'
§
5
A linguagem cotidiana sobre o conhecimento é m entalista. Diz-se que um a pessoal-.
possui conhecim ento de francês e que o exibe ao falar e entender francês. Diz-se I'
que um rato pressiona um a barra porque sabe que pressioná-la produz c o m i d a - j
Compreender o bebaviorismo
121
Como no caso d e intenção e propósito (Capítulo 5), o conhecimento e o conhecer
de nenhum m odo explicam o com portam ento que supostamente resulta deles. O
que é o conhecim ento de francês, que é “exibido” quando eu falo francês? O nde ele
está e de que é feito, o que poderia causar o falar francês? Da mesma m aneira que
em todos os exem plos de m entalism o, ele parece ser um a quim era escondida den­
tro do sujeito, in v en tad a como tentativa de explicação, mas que não inform a nada
além do que já é conhecido: que a pessoa fala e entende francês. Como o rato sabe
pressionar a b a rra e com preende a relação barta-comida? Dizer que ele sabe infor­
ma algum a coisa, além de que no passado as pressões à barra produziram comida
nessa situação?
Em vez d e considerar o conhecim ento e o conhecer como explicações do com­
portamento, os behavioristas analisam esses termos focalizando as condições sob
as quais ocorrem. Em que situações as pessoas tendem a dizer que alguém “tem
conhecimento” ou “conhece algo”?
Filósofos e psicólogos geralm ente dividem o conhecimento em operacional e
declarativo, “saber com o" e “saber sobre”.* Muito já foi escrito sobre essa distinção,
especulando-se sobre esquem as e significados internos imaginados, que poderiam
constituir sua base. Para o behaviorista, se a distinção tiver alguma utilidade, deve­
rá se basear no co m portam ento e no am biente, eventos externos acessíveis a qual­
quer observador.
A tradição tam bém distingue o conhecim ento que outras pessoas possuem do
conhecimento q ue eu próprio possuo, particularm ente o autoconhecimento - o co=- nhecimento da p ró p ria pessoa sobre si mesma. Tradicionalmente, pareceu a muitos
pensadores que, com o tenho um a intim idade especial com todos os meus atos,
públicos e privados, de um m odo que não posso ter com os atos de mais ninguém,
deve haver algo especial e diferente no autoconhecimento. De fato, freqüentem ente
se afirma que ap en as o autoconhecim ento pode ser seguro, pois qualquer conheci­
mento de outros será apenas baseado em inferências. Presumivelmente, posso ter
certeza que sei francês, enquanto o conhecim ento de francês de César é, para mim,
apenas um a inferência baseada em m inha observação de seu com portam ento de
falar e entender francês, Como a distinção entre o eu e o outro passa pela distinção
entre con h ecim en to o p eracio n al e declarativo, analisarem os o conhecim ento
operacional e declarativo no próprio sujeito e nos outros, para depois exam inar o
autoconhecim ento em particular.
Conhecimento operacional: saber "como"
A Figura 6.1 resu m e os quatro tipos de conhecimento e os testes que levam a falarSe de conhecer e conhecim ento. A primeira coluna trata do conhecimento operacio-
^ de T. A distinção filosófica entre conhecimento operacional e conhecimento declarativo
captada, em inglês, por know how e know about, em alguns casos equivalente à distinção
entre “saber” e “conhecer” em português. No contexto deste capímlo, optamos por utilizar
er<ilrnente “saber como” e “saber sobre”, a fim de evidenciar a distinção.
122
William M. Baum
Saber "Como"
Saber "Sobre"
Conhecimento
do outro
Ele/ela fai?
SD; Comportamento apropriado
Conhecimento
de si mesmo
Eu faço?
SD: Comportamento apropriado
Figura 6.1 Testes de saber "como" e saber "sobre'1em outros e em si mesmo.
nal. Q uando é que dizemos que Diego sabe “como” nadar? Q uando o vemos n a ­
dando. O teste do conhecim ento de Diego é se ele algum a vez foi visto nadando.
Dizer que ele sabe “com o” nadar significa simplesmente que ele efetivam ente nada.
Do m esm o m odo, quando é que digo que eu sei “com o” nadar? Q uando eu
tiver nadado. O teste de meu conhecim ento é análogo ao teste do conhecim ento de
Diego: se eu algum a vez me observei nadando. Dizer que eu sei “com o” nadar
significa sim plesm ente que eu efetivam ente nado.
Ryle, cujos pontos de vista foram discutidos no Capítulo 3, tra ta o conhecer e
o conhecim ento como disposições ou rótulos de categoria. Saber francês, por exem ­
plo, é um caso complexo de saber “como”. Podemos arro lar várias ações que po d e­
riam resu ltar em dizer “Érica sabe francês”:
1 . Érica responde em francês quando alguém se dirige a ela em francês.
2. Ela reage apropriadam ente quando recebe um teleg ram a escrito em
francês.
3. Ela ri e chora nos m om entos certos durante um filme em francês.
4. Ela traduz do francês p ara o português e do português p a ra o francês.
5. Ela lê os jornais franceses e depois discute as notícias.
Essa lista poderia ser expandida indefinidam ente, pois a categoria de ações
que com preende “saber francês” é indefinidam ente grande. No Capítulo 3, vimos
que alguns filósofos consideram isto um a falha nos argum entos de Ryle. No en ta n ­
to, n a prática, quando as pessoas falam de conhecim ento e conhecer, a lista de
evidências de fato consideradas é bastante curta. Depois de term os presenciado
várias ações de saber francês, supomos que qualquer quantidade de outras seja
possível, e dizemos que “Érica sabe francês”.
A categoria tam bém pode ser pensada como u m a disposição com portam ental.
Pode-se d izer que Érica sabe francês mesmo quando não está falando francês, até
quando está dorm indo. O significado de “Érica sabe francês” assem elha-se ao signi­
ficado de “Érica é fum ante”. Érica fuma apenas em alguns m om entos, e nunca
quando está dorm indo; diz-se que ela fuma porque fum a com freqüência suficien­
te. Do m esm o m odo, “Diego sabe como nadar” significa que ele nada algum as
Compreender o behaviorismo
123
vezes, e “Érica sabe francês” significa que ela ocasionalmente age de m aneira que
Se possa dizer que ela “sabe francês”.
Uma pessoa afirm a “Eu sei francês” ou “Eu sei nadar” pelas m esm as razões
que essas afirm ações poderiam ser feitas sobre Érica e Diego. Os meios pelos quais
me observo n a d a n d o são um pouco diferentes. Enquanto vejo Diego nadando, ra­
ramente m e vejo nadar, exceto em um filme doméstico, mas sinto quando estou
nadando e vejo a ág u a e partes de m eu corpo movimentando-se, e outras pessoas
me dizem que eu estava nadando. O m esmo ocorre com falar francês: eu me ouço,
me observo lendo, e assim por diante.
Todos esses eventos, seja Diego nadando ou eu nadando, têm relação com
minhas declarações de que Diego sabe “com o” nadar, ou eu sei “como” nadar, do
mesmo modo que os estím ulos discriminativos têm relação com o com portam ento
operante. Assim com o é provável que o rato pressione a barra som ente quando a
luz está acesa, tam b ém é provável que eu diga “Diego sabe ‘como’ nadar” som ente
depois de tê-lo visto nadar. Do m esm o modo, é provável que eu diga “Eu sei ‘como’
nadar” apenas após terem ocorrido os estímulos associados a esse fato. Assim como
a pressão à b a rra no exem plo dos ratos, minhas verbalizações desse tipo precisam
ter sido reforçadas no passado por pessoas à minha volta. 0 Capítulo 7 analisará de
modo mais ap ro fu n d ad o o com portam ento verbal; por ora, o ponto im portante
para m anter em m en te é que verbalizações como “Diego sabe X” e “Eu sei X” são
exemplos de com po rtam en to operante sob controle de estímulo.
A expressão q ue em pregarem os para designar esse tipo de verbalização sob
controle de estím ulos am bientais será “relatos verbais”. “Érica sabe francês” ou “Eu
sei francês” é um re la to verbal sob controle de eventos de falar francês e provém de
uma longa história de reforço por em itir esse tipo de relatos verbais.
Conhecitnenfo declarativo: saber "sobre"
Saber “sobre” difere d e saber “com o” apenas por envolver controle de estímulo. Em
que situações dizem os “O rato sabe ‘sobre’ a luz” ou “César sabe ‘sobre’ aves”? Dizse que o rato sabe sobre a luz se ele responde mais quando a luz está acesa. Diz-se
que César sabe sobre aves se ele nom eia corretam ente vários exemplares, explica
seus hábitos de construção de ninhos, im ita seus cantos, e assim por diante. As
condições para essas verbalizações são um pouco diferentes das condições para
verbalizações de sab er “com o”, porque o com portamento envolvido em saber “so­
bre” deve ser aprop riad o a um estímulo discriminativo ou a uma categoria de estí­
mulos discrim inativos. A coisa sobre a qual se sabe é o estímulo discriminativo ou a
categoria.
Conhecimento dectarativo e controle de estímulo
A Figura 6.1 indica q ue o teste do saber “sobre” é um a resposta apropriada a um
estímulo discrim inativo. Se eu alego que sei sobre a guerra civil am ericana, você
124
William M. Baum
p ode te sta r essa alegação dirigindo-m e perguntas como “Por que você acha que
Pickett n ão discutiu com Lee, em vez de avança:* em G ettysburg?”, ou “O que G rant
fez quan d o Lee chegou ao tribunal de Appomattox?”. Se eu p u d er d a r respostas
q u e concordem com outras coisas que você ouviu e leu, será m ais provável que
você diga que eu sei sobre a guerra civil. Quanto m ais eu falar sobre ela, mais
provável será que você diga que eu sei. Minhas falas são com portam ento operante
sob controle de estímulos originados de você e suas perguntas. A Figura 6,1 sugere
tam bém que m inha alegação original de saber tem um a base sem elhante. Meu
próprio com portam ento de falar e responder a perguntas sobre a g u erra civil cons­
titu i o estím ulo discrim inativo que controla m inha frase: “Eu sei sobre a guerra
civil”. Se eu não tivesse respostas para suas perguntas, seria provável que voltasse
atrás, ou dissesse q ue sei pouco sobre a guerra civil. A única diferença entre meu
teste e o seu teste é que o seu provavelm ente é baseado em um a am ostra m enor de
m eu com portam ento que o m eu teste.
Isso tu d o deixa em aberto um a questão im portante: com o decidim os se o
com portam ento de “saber sobre” é apropriado? Voltando a nosso exem plo mais
simples, pode-se dizer que o rato sabe sobre a luz se ele p ressiona m ais a barra
q u an d o a lu z está acesa. As pressões à barra são apropriadas porque, no passado,
foram reforçadas em presença da luz. De m aneira sem elhante, m in h a fala sobre a
guerra civil em resposta a perguntas foi reforçada no passado; particularm ente,
m inhas respostas corretas foram reforçadas e m inhas respostas errad as foram p u ­
nidas. Descobre-se que apropriado significa “reforçado e n ã o p u n id o ”.
Ensinaram -se pom bos não apenas a bicar um disco verm elho e não bicar um
verde, m as tam bém a bicar diapositivos com fotos de seres h u m an o s é a não bicar
diapositivos que não tivessem seres humanos (H errnstein e Loveland, 1964). Os
diapositivos que contêm seres hum anos constituem u m a categ o ria de estímulos
discrim inativos que controla o bicar dos pombos. Como eles b icam som ente os
diapositivos com pessoas, poderíam os dizer que os pom bos sabem sobre pessoas
em diapositivos. Dizemos isso apesar de eles não poderem falar. O “conhecim ento”
deles é “exibido” em seu com portam ento de bicar. Eles bicam apropriadam ente discrim inam , ou bicam quando o bicar pode ser reforçado, e n ão bicam quando não
será reforçado - e esse é o contexto para nosso com portam ento de dizer que eles
“sabem sobre”.
Uma vez com preendido que discriminação e reforço são as observações que
estabelecem a ocasião para falarm os de “saber sobre”, tem os d u a s alternativas.
Podemos continuar falando sobre o “saber sobre”, adm itindo q ue ele na verdade
significa som ente “discrim inação e reforço”, ou podem os p a ra r d e falar desse m odo
e p assar a falar de discrim inação e reforço. Q uando visam a precisão, os analistas
com portam entais usam os term os técnicos, pois o discurso m e n talista sobre o co­
nhecim ento geralm ente resulta em confusão.
0 que é a mentira?
Por exem pio, alguns filósofos e zoólogos argum entam que, se for possível dem ons­
trar que um a criatura não-hum ana engana seus com panheiros, então a criatura
Compreender o behaviorismo
125
deve ter consciência (Cheney e Seyfarth, 1990). O seguinte tipo de exemplo é
oferecido com o prova. Um m acaco dom inante e um subordinado estavam em con­
flito. O subordinado em itiu um cham ado de alarm e que norm alm ente acom panha­
ria a visualização de um predador, em bora não houvesse nenhum predador à vista.
Como resultado, o m acaco dom inante fugiu. Esses teóricos consideram que o m a­
caco am eaçado deve ter se colocado privadam ente no lugar do outro macaco, sa­
bendo, por seu p róprio com portam ento passado que o macaco dom inante fugiria
quando ouvisse o cham ado de alarm e. Portanto, o subordinado m entiu para o ma­
caco dom inante ao em itir o cham ado apesar de saber que não havia nenhum pre­
dador. O que h á de errad o com essa explicação?
O behaviorista tra ta d a questão “O que é um a m entira?” indagando acerca
das condições sob as quais é provável que as pessoas digam que alguém está con­
tando um a m entira. As pessoas procuram distinguir entre mentira e erro. É comum
dizer que os dois diferem p o r ser a m entira dita “intencionalm ente”. No Capítulo 5,
vimos que u m a m an eira de entender o fazer intencional é relacionar o ato a uma
história de reforço. Se D iana diz a você que o correio fica na Rua do Congresso e
você descobre que, na verdade, fica na Rua Daniel, você supõe que ela simplesmen­
te com eteu u m engano, pois n ão havia nenhum a razão (isto é, nenhum reforço)
para que ela lhe dissesse o nom e errado. Se, no entanto, estava quase na hora de
fechar o correio e você estivesse correndo para rem eter uma inscrição para um
concurso no qual você e D iana estavam competindo, você poderia suspeitar que
Diana tivesse dito o nom e errad o “intencionalm ente”, pois haveria reforço por as­
sim fazer.
Portanto, a p rim eira condição que torna provável dizer que alguém está men­
tindo é o reforço p a ra a ação. M entir é um comportamento operante. Provavelmen­
te toda criança em algum m om ento m ente. A possibilidade de que o comportamen­
to de m entir d a criança se torne comum depende das conseqüências, se ele é refor­
çado ou punido. O reforço p ara o m entir geralmente é evitar a punição (“Você
comeu os biscoitos?”; “Não, eu nem os peguei”), algumas vezes obter uma recom­
pensa (“Você já com eu algum doce hoje?”, “Não, nenhum, o dia inteiro”, “Bem,
então você p ode com er a sobrem esa”). O macaco do qual se disse que mentiu
emitiu um cham ado de alarm e que foi reforçado pela retirada do macaco dominan­
te ameaçador.
A segunda condição p a ra se cham ar um a ação de mentira é a inconsistência.
Você pode n ão te r n en h u m a idéia dos motivos (isto é, dos reforçadores) da pessoa
para mentir, m as se Jo ão um dia lhe diz que viu um roubo e no outro dia diz que
não viu roubo n en h u m , é provável que você diga que ele agora está mentindo. Será
particularm ente provável que você faça essa afirmação se ele agiu de várias manei­
ras compatíveis com te r visto o roubo - agiu de modo am edrontado, relatou os
eventos, descreveu o ladrão, e assim por diante. Como vimos no Capítulo 3, Ryle
diria que tod as essas ações pertencem à mesma categoria comportamentaí, e um
behaviorista m olar d iria q ue todas elas são partes da mesma atividade estendida de
“testem unhar um ro u b o ”. O com portam ento que é incongruente com a categoria
ou com a atividade - a negação, no exemplo citado - é chamado de mentira. Prova­
velmente, foi tam bém devido à incongruência que se afirmou que o macaco que
emitiu o cham ado de alarm e mentiu, pois os pesquisadores haviam observado a
126
William M. Baum
em issão do cham ado em outras ocasiões em que efetivam ente o predador estava
presente. Como os outros macacos aprendem rapidam ente a ignorar os animais
cujos cham ados não são confiáveis (isto é, discriminam com base em quem está
gritando), o reforço para o falso cham ado de alarme deve desaparecer em pouco
tem po.
Perm anece u m a questão: de onde veio, para começar, o falso cham ado de
alarm e? A ten tação de recorrer ao m entalism o surge exatam ente da ausência dessa
inform ação. Como vimos no Capítulo 5, quando desconhecem os a história passada
de reforço, em nada ajuda inventar histórias sobre origens internas quiméricas. O
mais provável é que o macaco subordinado tenha em itido cham ados de alarm e em
ocasiões anteriores, quando o p red ad o r estava presente, e que, em algum as dessas
ocasiões, o cham ado tenha sido reforçado pela retirad a do m acaco dom inante.
Pode ter sido apenas um pequeno passo a mais dar o cham ado de alarm e quando o
p red ad o r estava ausente. O utras pesquisas poderiam revelar se essa progressão
ocorreu. Isso explicaria a ação do macaco, sem qualquer referência a sua vida m en­
tal e sem que se dê nenhum significado especial à sua “m en tira”.
Autoconhecimento
De acordo com a concepção convencional na sociedade em que nos criamos, discu­
tida no C apítulo 2, há um m undo interno subjetivo e um m undo externo objetivo,
A ênfase do behaviorism o m oderno é alheia a essa distinção.
De acordo com a concepção convencional, poderíam os perguntar: “O que eu
conheço melhor, m eu m undo interno ou o m undo externo?”. A pergunta em si faz
pouco sentido p ara o behaviorista. Dois tipos de resposta são possíveis. Um deles é
trad u zir a p erg u n ta em term os mais compreensíveis: o que exerce mais controle
sobre m eu com portam ento, estím ulos públicos ou estím ulos privados? O outro é
determ in ar as circunstâncias sob as quais se diz que alguém tem autoconhecim ento.
Passamos agora a exam inar cada um deles.
Fsfímu/os públicos versus estímulos privados
Ao abordarm os a questão de estím ulos públicos e privados, a prim eira coisa a reco­
nhecer é que apenas os estím ulos públicos são acessíveis ao outro, no am biente de
um a criança em desenvolvim ento. Os relatos verbais de u m a criança (lem bre-se;
com portam ento operante!) são reforçados pelas pessoas significativas a sua volta.
E relativam ente fácil reforçar relatos verbais apropriados, como nom ear objetos ou
cores, q u an d o os estím ulos são públicos. A criança diz “Cachorro” e o pai diz “Está
certo, é um cachorro”. “Q ue cor é esta bola?”, “Vermelha”. “Otimo, está certo”.
Problem as específicos surgem quando tentam os ensinar a criança a relatar
eventos privados, pois eles não são acessíveis às pessoas que estabeleceriam o con ­
texto para o reforço. Exam inam os anteriormente casos que perm itiam suposições
razoáveis devido à existência de “dicas” públicas coiaterais - por exem plo, a dor.
Compreender o behaviorismo
127
Vemos a criança chorando e perguntam os “Você se machucou?", A resposta “Sim” é
seguida de sim patia e de cuidados (reforço), mas também é seguida por “Onde
dói? Você bateu o joelh o? ’’. Sinais visíveis de ferimento podem ajudar. Se juntar­
mos o treinam ento para nom ear partes do corpo com perguntas sobre dor, even­
tualm ente con seguirem os treinar a criança a emitir relatos verbais com a forma
geral de “M eu X está d oen d o”.
Sem esses acom panham entos públicos confiáveis é muito mais difícil ensinar
alguém a re la ta r eventos privados. E por isso que “entrar em contato com seus
sentim entos” parece ser tão lento e difícil. Estarei zangado ou com medo? Estou
fazendo isso p o r am o r ou por culpa? São julgam entos difíceis.
A dificuldade, no entanto, não surge da falta de informação, mas da incerteza
sobre com o in te r p r e ta r a inform ação. C olocando na linguagem técnica do
behaviorista, a dificuldade surge não da falta de estímulos discriminativos - públi­
cos, privados, passados e presentes - , mas d a falta de uma história de reforço para
a discrim inação en tre um relato verbal e outro. A falta da história de reforço resul­
ta da falta de “dicas” públicas para controlar o comportamento daqueles que pode­
riam reforçar o re la to verbal correto. Se houvesse estímulos discriminativos públi­
cos indicando se você estava zangado ou com m edo - digamos, se você ficasse
vermelho em u m caso e verde no outro - então, você não teria nenhum a dificulda­
de para dizer se estava com m edo ou zangado, porque as pessoas em volta não
teriam dificuldade p a ra reforçar o relato verbal correto. As “dicas” públicas reais,
porém, são com plexas e pouco confiáveis. Somente, alguém com muito treino pode
com segurança d istinguir m edo de raiva. É por isso que o terapeuta que o ajuda a
entrar em contato com seus sentimentos talvez possa lhe dizer como você se sente com m edo, zangado, apaixonado, culpado - melhor do que você mesmo.
Portanto, n ossa situação é exatam ente o inverso da concepção convencional:
os eventos privados são m enos conhecidos do que os eventos públicos (Skinner,
1969). Uma vez que o relato verbal, como qualquer comportamento operante, de­
pende de reforço confiável, e o reforço confiável depende de “dicas” públicas para
que os outros o dispensem , os relatos verbais ocorrem prontam ente apenas na
presença de “dicas” públicas. As assim cham adas “emoções puras” (por exemplo,
dor), de que falam os filósofos, são simplesmente os eventos privados com maior
probabilidade de ser acom panhados por “dicas” públicas (contorções) que permi­
tem relatos verbais a seu respeito sejam reforçados consistentemente pelos outros.
Sejam aprendidos com facilidade ou dificuldade, os relatos verbais baseados
parcialmente em estím u los privados só podem ser aprendidos se forem acompa­
nhados por “d icas” públicas, ainda que sutis ou pouco confiáveis. Como ocorre com
outras formas d e conhecim ento, as “dicas” públicas que controlam os relatos ver­
bais que con stituem m eu autoconhecim ento são m uito semelhantes às que contro­
lam os relatos verbais de outras pessoas, relatos esses que constituem seu conheci­
mento sobre m im . A form a pela qual sei que estou com raiva é m uito semelhante à
forma pela qual outra p essoa sabe que estou com raiva: trata-se de uma situação
na qual as p essoas em geral se comportam de m odo raivoso, na qual m e comportei
de m odo raivoso n o p assado e na qual tenho uma expressão de raiva, a cara
avermelhada e os punhos cerrados. A única diferença, é claro, é que eu também
posso relatar p en sam en tos de raiva e um aperto no peito. Outra pessoa, no entan­
128
William M, Baum
to, poderia n o ta r m inha expressão de raiva e m eu rosto verm elho em u m m om ento
em que eu n ão posso notá-los. Os estím ulos que controlam m eu relato verbal sobre
mim m esm o podem diferir dos que controlam o relato verbal de o u tra pessoa sobre
mim, m as eles não são necessariam ente mais numerosos ou m ais confiáveis,
Essa idéia, de que o autoconhecim ento depende dos m esm os tipos de obser­
vação pública que o conhecim ento sobre os outros, conflita com a visão convencio­
nal de acordo com a qual o autoconhecim ento depende de inform ação privilegiada
inacessível aos outros. Contudo, existem algumas pesquisas de laboratório que a
apóiam . Daryl Bem (1967) e seus alunos, por exemplo, conduziram vários experi­
m entos para testar se as autopercepções das pessoas estavam sob controle de seu
próprio com portam ento público. No final da década de 1950, um psicólogo cham a­
do Leon Festinger apresentou um a teoria sobre a autopercepção, designada teoria
da dissonância. Como ela supostam ente explicava as atribuições das pessoas sobre
si m esm as - isto é, as respostas que elas davam a questões sobre suas crenças e
atitudes, geralm ente em testes escritos - a teoria da dissonância rapidam ente tor­
nou-se p arte de um a teoria mais geral d a atribuição. Originou-se d a observação de
que, se os sujeitos experim entais fossem persuadidos a dizer, sem nenhum a boa
desculpa, coisas com as quais inicialm ente não concordavam, suas atribuições m u­
dariam posteriorm ente, ajustando-se mais ao que haviam dito. Por exemplo, em
um experim ento, os sujeitos prim eiro participaram de duas tarefas enfadonhas e
depois se lhes pediu que m entissem para um a m ulher que esperava em outra sala
(na verdade, um a cúmplice no experim ento), dizendo a ela que as tarefas eram
divertidas e interessantes. M etade dos sujeitos recebeu 1 dólar p a ra fazer isso, e a
outra m etad e recebeu 20 dólares. Em seguida, quando os sujeitos responderam um
questionário, os que tinham recebido som ente 1 dólar classificaram as tarefas como
interessantes, enquanto os que receberam 20 dólares, assim com o u m outro grupo
que não havia sido solicitado a mentir, classificaram as tarefas com o enfadonhas.
De acordo com a teoria da dissonância, os sujeitos que receberam apenas um dólar
m udaram suas autopercepções porque sentiram necessidade de reduzir a dissonância
entre o conhecim ento interno de que as tarefas eram enfadonhas e o com porta­
m ento externo de dizer que eram interessantes.
Daryl Bem questionou essa teo ria m entalista. Sugeriu que os sujeitos sim ­
plesm ente observaram o próprio com portam ento, como o bservariam o com por­
tam en to de o u tra pessoa, e concluíram que as afirm ações d e q u em ganhou ap e­
nas 1 d ó lar tin h am m aior probabilidade de ser verdadeiras do q ue as de quem
ganhou 2 0 dólares. Em um de seus experim entos, Bem criou u m a gravação que
im itava u m dos sujeitos iniciais m entindo convincentem ente p a ra a cúmplice,
que resp o n d ia educadam ente. Todos os sujeitos de Bem nesse experim ento ouvi­
ram a descrição das tarefas e a gravação. Foram então divididos em três grupos:
um g rupo a quem não se disse nada, um grupo a quem se disse que o sujeito na
gravação tin h a recebido 1 dólar, e um grupo a quem se disse que o sujeito tinha
recebido 20 dólares. Em um questionário preenchido depois dessa etapa, eles
classificaram as tarefas como enfadonhas ou interessantes, com o havia sido feito
no estu d o sobre dissonância. Os resultados foram os m esm os d o estudo anterior,
exceto, é claro, que agora as classificações (atribuições) estavam baseadas na
observação do com portam ento de ou tra pessoa. Bem concluiu que quem recebe
Compreendero behaviorismo
129
m enos tem m aior credib ilid ad e, independentem ente de ser o próprio sujeito ou
algum a o u tra pessoa.
Como outras form as de mentalismo, a teoria da dissonância serve apenas
para desviar nossa atenção d a explicação últim a dos julgam entos de credibilidade,
nossa experiência social prévia. Assim como os pombos, em nossa dem onstração,
discrim inam entre um disco verm elho e um disco verde, a maioria das pessoas
discrimina entre pessoas q ue são pagas para dizer algo e pessoas que não são pagas
para isso. Do m esm o m odo que os pombos, as pessoas discriminam como resultado
de um a história de reforço que depende do contexto. É menos provável que o
com portam ento cong ru en te com verbalizações de pessoas que são pagas para emi­
ti-las seja reforçado. Som os m ais inclinados a nos comportarmos de acordo com as
verbalizações de um a pessoa que não é paga por emiti-las. Usando os term os do
behaviorism o m olar (ou de Ryle), nossa tendência é apresentar os com portam en­
tos que pertencem à atividade (ou categoria) de “acreditar no que a pessoa disse”.
Nos experim entos citados, fez pouca diferença se o m entiroso que não foi pago era
outra pessoa ou o pró p rio sujeito.
O autoconhecim ento sobre atitudes e crenças internas freqüentem ente de­
pende de discrim inações que envolvem m uitos eventos ao longo de muito tempo,
mas os eventos são m ais públicos do que privados. Quando um dos pais se questio­
na se fica com seu filho p o r am or ou por culpa, diz-se que está se questionando
sobre seus motivos. Os m otivos, é claro, são ficções mentais. De onde vêm esses
supostos motivos? D iscrim inar se estou agindo por am or ou por culpa requer aces­
so à história de reforço desse com portam ento. Trata-se de uma história de reforço
positivo ou negativo? Eu fico com meu filho porque no passado minha esposa am ea­
çou me censurar e d e sp re z a r se não o fizesse? Ou fico com meu filho porque no
passado ele e m inha esposa reforçaram esse com portam ento com abraços, beijos e
outros sinais de afeto? Se disserm os que seu terapeuta sabe melhor do que você
próprio a diferença en tre sua culpa e seu amor, é porque ele tem maior capacidade
de discrim inar u m a h istó ria de reforço de outra.
Introspecção
As idéias convencionais sobre o autoconhecimento estão intimamente ligadas à
noção de introspecção. De acordo com essa idéia, um a pessoa adquire autoconhe­
cimento olhando o palco interno da m ente para ver que pensamentos, idéias, p er­
cepções e sensações po d em estar lá. No Capítulo 3, vimos alguns dos problemas
com noções desse tipo - a m en te teria de ser um espaço nao-natural, não está claro
quem vê ou como vê, e assim por diante.
A explicação de Ryle p a ra o autoconhecim ento difere da explicação de Sldnner
apenas no tipo de crítica à introspecção. Ryle rejeita a introspecção em bases lógi­
cas. “Observar u m p a rd a l” é um rótulo para a categoria de com portam ento que
inclui falar sobre o pardal, a p o n tar para ele, descrevê-lo, dizer quando ele se movi­
m enta, e assim por diante. Quando você observa um pardal, você não faz duas
coisas, observá-lo e falar sobre ele, pois, do ponto de vista lógico, tudo o se quer
dizer por observar um p a rd a l é que você faz coisas do tipo falar sobre ele. Observar
130
William M. Baum
um pensam ento pareceria im plicar exatam ente o que observar um pardal não im­
plica, isto é, que o com portam ento de observar é um segundo com portam ento,
distinto do pensam ento. Se isso fosse verdade, então teríam os de ser capazes de
nos observar observando, observar-nos observando-nos observando, e assim por
diante. Em outras palavras, a idéia de introspecção leva a um a regressão infinita,
um resultado geralm ente considerado absurdo. Como no caso de observar um p ar­
dal, falar de um pensam ento é m eram ente parte de pensar o pensam ento.
Skinner assum e a perspectiva m ais pragm ática de investigar as circunstâncias
sob as quais alguém poderia falar de introspecção. Se observar um pensam ento
fosse como observar um pardal, então falaríam os do pensam ento com o falamos do
pardal. A fala sobre o próprio com portam ento, particularm ente sobre o próprio
com portam ento privado, parece ser a ocasião n a qual se poderia dizer que a pessoa
está fazendo um a introspecção. Por essa razão, Skinner se concentra no relato
verbal. A única diferença entre um relato verbal sobre um pardal e um relato verbal
sobre um pensam ento é que o estím ulo discriminativo é inteiram ente público para
o p ardal e parcialm ente privado p a ra o pensam ento. Ambos os relatos verbais são
exem plos de com portam ento o perante sob controle de estím ulo. Examinaremos
como é possível tra ta r os relatos verbais desse m odo no Capítulo 7.
O COMPORTAMENTO DOS CIENTISTAS
Já que um cientista é um organism o que se com porta, deveríam os esperar que os
conceitos da análise com portam ental se apliquem ao com portam ento dos cientis­
tas tan to quanto ao de qualquer o utra pessoa. E razoável perguntar: “Quais são as
atividades que alguém deve executar para ser cham ado dc ‘cientista’?”. Essas ativi­
dades devem ser com preensíveis à luz de nossos conceitos de com portam ento
operante e controle de estím ulo.
Observação e discriminação
O físico E rnst Mach e outros autores ressaltaram que as atividades da ciência são as
m esm as de algum as atividades da vida cotidiana, só realizadas com mais cuidado e
precisão. Afirma-se que cientistas reúnem dados, o que significa dizer que fazem
observações com um grau incom um de cuidado e precisão, m uitas vezes com a
ajuda de instrum entos especiais. Em ciências não-experim entais, como a astrono­
mia, a observação representa to d a a coleta de dados, e novas observações freqüente­
m ente ocorrem por acaso. Em ciências experim entais, am bientes específicos são
construídos e m anipulados. Um experim ento consiste de m anipulação com binada
com observação.
No vocabulário técnico d a análise com portam ental, a observação científica é
a form ação de discrim inações. Uma das atividades mais básicas d a ciência é a no­
m eação. O astrônom o observa u m a estrela e afirma: ‘Aquela é um a gigante verm e­
lh a ”. O biólogo observa um a form a em um a célula do corpo e afirm a: “Aquilo é um a
Compreender o behaviorismo
131
jnitocôndria”. De m odo similar, a m ensuração consiste em dizer ou em escrever
algo (com portam ento o p eran te) como resultado de observar ou ler algum instru­
m e n to (estím ulo discrim inativo). O químico lê um m edidor e escreve “3 2 graus”
em um caderno. O a n alista com portam ental lê um contador e escreve “5 2 8 pres­
sões n a b a rra ”. Análises d e dados, tam bém , consistem em formar discriminações.
M anipulamos núm eros n a form a de tabelas e gráficos, procurando padrões, final­
m ente tirando conclusões, faladas e escritas. 0 físico vê que os pontos em um grá­
fico caem próxim o de u m a linha e afirma: “Esses núm eros se conformam à lei de
Boyle”. Um sociólogo calcu la o coeficiente de correlação e afirma: “A violência fa­
miliar aum en ta em épocas de crise econôm ica”.
Todas essas discrim inações com partilham um elemento específico: o cientista
não som ente faz a discrim inação, baseada n a forma, leitura de contadores ou pa­
drões num éricos, m as ta m b é m se com porta de m odo a produzir o estím ulo
discriminativo. Essa com binação de atividades, produzindo estímulos e discrimi­
nando com base nos estím ulos produzidos, estimula as pessoas a cham ai a ciência
de “criativa”. M anipulam os instrum entos muitas e m uitas vezes, procurando algum
estímulo discrim inativo reconhecível, até que algo finalmente possa ser dito ou
escrito: 'Ali, agora você p o d e ver que é um a m itocôndria” ou ‘Agora fica claro que
os pontos caem ao lon g o dessa linha e não daquela” ou “Se você olhar esses e
aqueles núm eros, h á u m a tendência de aum ento”.
Os cientistas são particularm ente recompensados por produzir novas discri­
minações, q ue são cham ad as de “descobertas”. Prêmios Nobel são concedidos a
discriminações como: UA estru tu ra da molécula de DNA é uma dupla hélice” ou
“Esta é um a vacina c o n tra a poliomielite”.
Conhecimento científico
O conhecim ento científico é um tipo de conhecimento declarativo, ou de saber
“sobre”, Afirma-se que um cientista sabe sobre algo quando ele pode falar (e, em
particular, resp o n d er questõ es) corretam ente no contexto. Se um paleontólogo
anuncia a d escoberta d e u m fóssil de um a nova espécie de dinossauro, outros
paleontólogos fazem m uitas perguntas. Como você pode ter certeza de que não é
esta outra espécie? Q uão boas são suas mensurações? Sua estimativa da idade do
fóssil poderia estar errad a? Aquelas formas não são de fato penas? A capacidade da
pessoa fornecer respostas adequadas determ ina se a descoberta será aceita. Em
termos de análise com portam ental, as respostas do cientista servem como estímulo
discriminativo p ara o u tro s dizerem que ele ou ela sabe algo. Se um núm ero sufi­
ciente de cientistas co m eça a dizer isso, a descoberta se torna parte do conheci­
m ento com um - p arte d a fala e da escrita - daquele grupo de cientistas. O conhe­
cimento científico é a fala e a escrita dos cientistas em contextos científicos.
O principal ponto aqui envolvido é que os cientistas são organismos que se
com portam e que a ciên cia é um tipo de comportamento operante que, com o ou­
tros com portam entos operan tes, está sob o controle do contexto e das conseqüên­
cias. Falar, escrever, fazer experim entos, realizar mensurações - todos são tipos de
com portam ento operante sob controle do contexto e das conseqüências.
132
William M. Baum
Se as respostas do paleontólogo às perguntas persuadem outros paleontólogos,
que reforçam o falar e o escrever sobre a descoberta. Se outros, em grande número,
rejeitam a “descoberta” ou fracassam em reforçar o falar e o escrever e mesmo os
punem , en tão o “descobridor” pode eventualm ente m udar seu com portam ento, e
desiste ou re tira seus argum entos. Ou o falar e o escrever do descobridor em poten­
cial podem persistir por algum tem po diante da ausência de reforço. A persistência
pode eventualm ente ser recom pensada, m as alguns cientistas foram para o túm ulo
sustentando idéias que nunca foram aceitas. Por que alguns persistem e outros
desistem diante da ausência ou da insuficiência de reforço p a ra seu com portam en­
to fica por ser com preendido, mas a resposta será m uito provavelm ente encontra­
da nas histórias de reforço individuais.
Pragmatismo e contextuaiismo
A concepção de que os cientistas são organism os que se com portam , que a ciência
é com portam ento operante e que o conhecim ento científico consiste na fala e na
escrita dos cientistas, tudo sob controle do contexto e das conseqüências, contradiz
a visão de ciência do realista, que discutim os no Capítulo 2. Não diz nada sobre um
m undo real, sobre “dados sensoriais”, nada sobre a verdade últim a.
Em vez disso, como sugerido no Capítulo 2, a visão analítico-com portam ental
de ciência continua a tradição do pragm atism o. Pragm atistas, como William Jam es,
sustentam que a verdade de um a teoria científica reside em sua utilidade. Para o
analista com portam ental, isso se traduz por: a probabilidade dos padrões de fala e
escrita dependem de seu reforço. O discurso sobre a Terra plan a persistiu enquanto
foi reforçado por ouvintes e por resultados práticos. Cessou q uando os ouvintes
cessaram de reforçá-lo, e, pelo contrário, com eçaram a reforçar o discurso sobre a
Terra redonda. O discurso sobre a Terra redonda foi mais reforçado por resultados
práticos do que o discurso sobre a Terra plana. Em outras palavras, a teoria da
Terra red o n d a foi considerada “verdadeira” quando se tornou socialm ente aceitá­
vel e foi reconhecida como mais útil em atividades práticas com o a navegação.
A visão analítico-com portam ental se parece com um a idéia que historiadores
da ciência denom inam contextualismo. De acordo com o contextualism o, as teorias
e a pesquisa científica têm de ser com preendidas dentro do contexto de seu tem po
e de sua cultura. Rejeita a visão de um a ciência objetiva e independente de valores.
Ao contrário, os contextualistas asseveram que as teorias e m esm o os experim entos
que os cientistas criam dependem do am biente cultural em que vivem e no qual
cresceram . Para os contextualistas, hão é coincidência que a teo ria da evolução
tenha sido proposta e eventualm ente aceita ao m esm o tem po em que a Revolução
Industrial estava acontecendo,
O ponto de vista analítico-com portam ental coincide com o contextualism o
em term os gerais, mas vai além, ao enfatizar as conseqüências práticas em acrésci­
mo às conseqüências sociais, e ao especificar os meios através dos quais o am biente
social (isto é, outras pessoas do grupo, ou a com unidade verbal, como verem os no
Capítulo 7) m olda a ciência. O com portam ento dos cientistas, falar e escrever, como
o com portam ento o perante de outros organismos, é m odelado por reforço e punição.
Compreender o behaviorismo
133
RESUMO
As pessoas falam de “co nhecer” ou “conhecim ento” quando um a pessoa ou outra
criatura se com porta em relação ao m undo natural, público ou privado, de m anei­
ras que são reforçadas (que são “apropriadas”). O conhecimento operacional, ou o
saber como, significa que algum com portamento ou categoria de com portam ento
particular foi observado. “Diego sabe ‘como’ nadar" significa que Diego de vez em
quando nada. “Eu sei ‘com o’ nad ar” significa que eu de vez em quando nado. Afir­
mações sobre saber falar francês são similares, exceto que a categoria “saber fran­
cês” inclui com portam entos mais variados. O conhecimento declarativo, ou saber
sobre, significa que o com portam ento referido está sob controle de estímulo. Podese dizer que um ra to sabe como conseguir comida pressionando uma b arra sim­
plesm ente porque ele pressiona a barra, ao passo que se pode dizer que ele sabe
sobre um a luz se ele só pressiona a barra quando a luz está acesa. O saber sobre
refere-se à discrim inação. No caso especial de saber sobre em que o com portam en­
to sob controle de estím ulo é um com portamento verbal, diz-se que uma pessoa
sabe sobre um assunto se ela faz asserções que foram reforçadas (que são “corre­
tas”) sob controle de estím ulos discriminativos do am biente (falar sobre pássaros
na presença de p ássaro s), particularm ente estímulos providos por outras pessoas,
como perguntas (por exem plo, “Qual a cor dos ovos do pardal?”). O autoconhecim ento pertence à m esm a categoria geral de “falar sobre, sob controle de estím u­
lo”. Ele é escasso e fraco quando diz respeito a eventos privados, porque os estí­
mulos discrim inativos privados são inacessíveis para os outros, que são quem trei­
nam as discrim inações q u e compõem o conhecimento declarativo. O resultado é o
oposto do que seria de esp erar a partir da concepção convencional: eventos públi­
cos (“externos”) exercem m elhor controle sobre o com portamento (são mais bem
conhecidos) do que eventos privados (“internos”).
O conhecim ento científico consiste na fala e na escrita dos cientistas. Ele de­
pende tan to de um contexto criado pela pesquisa quanto das conseqüências no
com portam ento de o uvintes e leitores, norm almente outros cientistas.
LEITURAS ADICIONAIS
Bem, D. J. (1967). Self-perception; an alternative interpretation of cognitive dissonance
phenomena, Psychological Revíew, 74, 183-200. Nesse artigo, Bem relata vários experimen­
tos, critica o mentalismo da teoria da dissonância e dá explicações comportamentais para as
autopercepções.
Cheney, D. L, e Seyfarth, R. M. (1990), How monkeys see the world: insiãe lhe mind ofanother
species. Chicago: University of Chicago Press. Esse livro é sobre macacos “vervet” observados
na selva, e está repleto de interpretações mentalistas como o tratamento do “mentir” discu­
tido neste capítulo.
Dennett, D.C. (1987). The intentional stance. Cambridge (Mass.): MIT Press. Dennett é um
filósofo que defende o mentalismo e que inspirou muitas das interpretações mentalistas
presentes nas observações de Cheney e Seyfarth sobre o comportamento de macacos. Ver
especialmente os Capítulos 7 e 8.
134
William M. Boum
Herrnstein, R. J. e Loveland, D. H, (1964). Complex visual concept in the pigeon. Science,
146, 549-551. Esse artigo contém o relato original da descoberta de que pombos podem
discriminar diapositivos que contêm seres humanos dos que não os contêm. .
Rachlin, H. (1991). Introduction to modern behaviorism. Nova York: Freeman, 3. ed. Ver o
Capítulo 5 para uma discussão da cognição em relação a controle de estímulo.
Ristau, C. (1991). Cognitive ethology: the minds of other animals. Hillsdale (NJ): Erlbaum.
Esse livro é uma coleção de artigos de zoólogos, psicólogos e filósofos, cheio de interpre­
tações mentalistas do comportamento animal e de discussões sobre a validade dessas inter­
pretações.
Ryle, G. (1984). The concept o f mind. Chicago: University of Chicago Press. Ver especialmen­
te os Capítulos 2 e 6 sobre o conhecer e autoconhecimento/
Skinner, B. R (1969). Behaviorism at fifty. In: Contingencies of reinforcement. Nova York:
Appleton-Century-Crofts, cap. 8. Esse texto inclui uma discussão da introspecção e do
autoconhecimento.’
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPITULO 6
Autoconhecimento
Estímulo discriminativo
Cadeia comportamental
Conhecimento declarativo
Introspecção
Conhecimento operacional
Contextualismo
Regressão infinita
Controle de estímulo
Teoria da dissonância
Pareamento com o modelo
Relato verbal
Discriminação
‘N. de T. Título traduzido em português (ver “Apêndice”).
Comportamento verbal
e linguagem
M u i t o do que foi discutido nos Capítulos 3 ,4 , 5 e 6 presumia que o falar é um tipo
de com portam ento operan te. Muitas pessoas - leigos, filósofos, lingüistas e psicólo­
gos - consideram a fala e a linguagem como sendo coisas separadas e diferentes de
outros com portam entos. Na verdade, freqüentem ente se diz que a linguagem é o
que distingue nossa espécie das outras. Os analistas de comportamento, porém,
coerentes com sua confiança na teoria da evolução, procuram com preender todas
as espécies e todos os tipos de com portam ento dentro do mesmo quadro geral de
referência. O ferecem u m a explicação da fala e da linguagem que ignora categorias
tradicionais, a c e n tu an d o a semelhança da fala com outros tipos de com portam en­
to. Neste capítulo, verem os que o falar é um dos tipos, e não o único, de com porta­
m ento verbal, e que a noção de com portam ento verbal substitui muitas idéias tra­
dicionais sobre a fala e a linguagem.
0 QUE É COMPORTAMENTO VERBAL?
Com portam ento verbal é um tipo de com portam ento operante. Pertence a catego­
ria com portam ental m ais am pla que poderia ser cham ada de “comunicação”, se
comunicação n ã o su g e risse um a te o ria m entalista alheia ao p onto de vista
behaviorista. Como verem os, a perspectiva comportamental redefine a palavra co­
municação, ou a substitui p o r outros termos.
136
William M. Boum
Comunicação
Q uando um pássaro em ite um cham ado de alarm e e todos os outros pássaros do
bando se escondem do predador, poderíam os dizer que ocorreu um ato de com uni­
cação. Em um a concepção com portam ental, esse exem plo ilustra tudo o que entra
n a com unicação. A “comunicação" ocorre quando o com portam ento de um orga­
nism o gera estím ulos que afetam o com portam ento de outro organism o.
A concepção convencional sustenta que, n a com unicação, h á algo que é pas­
sado d e um a pessoa para outra, Etim ologicamente, comunicação significa “tornar
com um ”. O que se torna comum? Uma idéia, um a m ensagem , um significado. Al­
guns psicólogos enfeitam essa concepção cotidiana acrescentando que a idéia é
codificada pelo rem etente, transm itida em código p ara o destinatário, e depois
decodificada por esse destinatário, que passa, então, a possuir a m ensagem .
Como todas as noções m entalistas, a noção, cotidiana de com unicação nada
acrescenta ao que observamos, e nos im pede um a com preensão maior. Onde está a
m ensagem ? De que é feita? Quem faz a codificação e a decodificaçao? A m ensa­
gem, a codificação e a decodificaçao são ficções de um m undo m ental que perm a­
nece eternam ente fora de nosso alcance.
O pássaro que em ite o chamado se com porta - m ovim enta a faringe e os
pulm ões - e isso resulta em um estímulo auditivo que modifica o com portam ento
d e outros pássaros que estão ao alcance do som. Acrescentar que o pássaro que
cham a em ite um a m ensagem que os outros recebem não esclarece a explicação.
Será que é diferente quando um a pessoa fala com outra?
0 comportamento verbai como comportamento operante
H á um a diferença crucial entre o cham ado de alarm e e a fala. O cham ado de alar­
me do pássaro é u m padrão fixo de ação, enquanto falar é com portam ento operante.
Q uando um padrão fixo de ação gera estím ulos auditivos è visuais que afetam o
com portam ento dos outros (como na defesa, n a agressão e na corte), esse processo
pode ser cham ado de comunicação. Entretanto, não é com portam ento verbal. Mesmo
o rápido m ovim ento d a sobrancelha h u m an a com o saudação, em bora possa afetar
a pessoa que o percebe e, portanto, ser com unicativo, não é um exem plo de com­
portam ento verbal.
“Comunicação” é a categoria mais ampla. Todo comportamento verbal poderia ser
chamado de comunicação, mas o contrário não é verdadeiro. Padrões fixos de ação
dependem apenas de antecedentes (estímulos-sinal), ao passo que o comportamento
verba], por ser um tipo de comportamento operante, depende de suas conseqüências.
0 falar tem conseqüências
Suponha que Gerson e Sílvia estejam jantando. As batatas de Gerson estão sem sal,
e o sal está perto de Sílvia. Gerson diz: “Me dá o sal, por favor”. A conseqüência
Compreender o behaviorismo
137
dessa frase é que Sílvia lh e passa o sal. Gerson se comporta - movimenta a laringe,
os lábios, a língua, e assim p o r diante. Isso gera um estímulo auditivo, que Sílvia
ouve. A fala de Gerson “Me dá o sai, por favor” é reforçada pela entrega do sal.
Sabem os que a frase de Gerson está sendo controlada por esse reforçador
porque, se estivesse sozinho, o u se as batatas estivessem suficientemente salgadas,
ou se o sal estivesse perto de seu prato, a frase “Me dá o sal, por favor” não ocorre­
ria. O com portam ento verbal, como qualquer comportamento operante, tende a
ocorrer apenas no contexto em que tem probabilidade de ser reforçado.
/I comunidade verba/
As pessoas que ouvem e reforçam o que um a pessoa diz são membros da com uni­
dade verbal dessa pessoa - o grupo de pessoas que falam entre si e que reforçam as
verbalizações um as das outras,
Um experim ento d e R and Conger e Peter Killeen (1974) mostrou como a
com unidade verbal funciona. Q uatro pessoas se sentaram a uma mesa, conversan­
do sobre um tem a de interesse comum. Três dessas pessoas eram aliados dos
experim entadores, sem o conhecim ento da quarta, que era o sujeito experimental,
e a quem foi dito apenas que o experim ento era sobre interações sociais e que seria
gravado em vídeo. O casionalm ente, em esquemas de intervalo variável, duas luzinhas
atrás do sujeito acendiam , sinalizando às pessoas a sua esquerda e a sua direita que
deveriam dizer um a palavra de aprovação, como “Bem observado” ou “Tem razão”,
na próxim a o p o rtunidade que parecesse adequada. A pessoa sentada em frente ao
sujeito tin h a a função de facilitar a conversa. A medida que os esquemas de reforço
da esquerd a e d a d ireita variavam , tam bém variava a freqüência de reforço à direi­
ta e à esquerda. O resu ltad o foi que o comportam ento verbal do sujeito m udava
quando o reforço m udava. Se a pessoa à direita dispensava mais reforçadores, o
sujeito passava mais tem p o falando com ela; se a pessoa da esquerda dispensava
mais reforçadores, o sujeito passava mais tem po falando com essa pessoa.
Falante e ouvinte
Skinner (1957) definiu com portam ento verbal como o comportamento operante
que exige a presença de ou tra pessoa para ser reforçado. Essa outra pessoa, que
reforça o com portam ento verbal do falante, é o ouvinte. O comportamento operante
de abrir a geladeira ou de dirigir um carro não pode ser chamado de com portam en­
to verbal, pois não é necessária a presença de um ouvinte para reforçá-lo.
0 episódio verbal
A Figura 7.1 apresenta um esquem a dos eventos que compõem um episódio com ­
pleto de com portam ento verbal. No exem plo em que Gerson pede o sal para Sílvia,
138
William M. Baum
Falante
Ouvinte
Falante
SR : Cv
!
1
Sg :
SP = SR : C R
I
!
1
1
C0
S?>
Sal na mesa,
fora de a lc a n c e
Ouvinte
.........
Cv
[Me dá o sal,
por favor]
1
1
SP = S £
Sal é
recebido
....
t .........
1
"Me dá o sal, : Passa
o sal
por favor"
sg
Co
CR
[Obrigado]
1
1
"Obrigado"
s&
Figura 7.1 Um episódio verbal, S°F é o contexto para o comportamento verbal do falante
(Cv), que gera um estímulo discriminativo (S£) que determina a ocasião para o ouvinte agir
(C Q), de forma a prover reforço (S*) para o comportamento do falante (Cv). O reforço ao
faiante serve também como estímulo discriminativo (S°) que determina a ocasião para uma
resposta de retribuição (CR) da parte do falante. Essa provê o reforço (S£) para o comporta­
mento do ouvinte (C Q).
o contexto iniciador ou estímulo discriminativo (S£) para o pedido de Gerson é a
situação em que am bos estão à mesa, falta sal nas batatas e o sal está fora do
alcance, ju n to a Sílvia. Gerson em ite o com portam ento verbal de m ovim entar a
laringe, a língua, os lábios, e assim por diante (Cv; a verbalização está escrita na
Figura 7.1 entre colchetes). Esse ato verbal gera um estím ulo discrim inativo audi­
tivo (So, en tre aspas na Figura 7.1). Em presença de “Me d á o sal, por favor”, é
provável que Sílvia passe o sal. O fato de receber o sal reforça o ato verbal de pedir
por ele, com o tam bém serve de estímulo discriminativo (Sr) para Gerson retribuir,
de algum a m aneira. Ele m ovim enta a laringe, a língua, os lábios, e assim por dian­
te, a fim de form ar o Obrigado (entre colchetes); este gera um estím ulo auditivo,
“O brigado”, que serve de reforçador condicionado para o ato de Sílvia passar o sal.
Reforço do comportamento verbal
O even to crucial na Figura 7.1, que faz de Cv um com portam ento verbal e não um
outro tipo de com portam ento operante, é S^ o reforço dispensado pelo ouvinte. Se
Gerson con seguisse o sal de um a forma que excluísse Sílvia - talvez se levantando
e p egan do-o ele próprio - não chamaríamos esse com portam ento de verbal. Para
que uma ação seja considerada verbal, seu reforço tem de ser dispensado por outra
pessoa, o ouvinte.
Compreender o behaviorismo
139
A m aior p arte do com portam ento verbal depende de reforço social. Se Gerson
avisa Sílvia de que Há um tigre atrás de você, o reforço desse ato verbal vem do salto
que Sílvia dá para u m lu g ar seguro e de seus profusos agradecimentos. Quando
você e eu conversam os, alternam os o papel de falante e ouvinte, meus atos verbais
servindo para reforçar seus atos verbais e vice-versa. Nos termos da Figura 7.1, a
ação do ouvinte, C0, em u m a conversa, é tanto com portamento verbal como Cv. Se
. eu disser Você ouviu a notícia?, você ouve “Você ouviu a notícia?" e responde Não}
o que foi? Eu ouço “Não, o que foi?”, e isso reforça meu ato inicial de perguntar,
m inha resposta seguinte reforça seu ato de perguntar, e assim por diante.
Participar de u m a conversa geralm ente leva a conseqüências últim as mais
longas e im portantes. Conform e a pessoa com quem você fale, você pode encontrar
um amor, ob ter orientação para chegar a u m lugar, conseguir um trabalho, salvar
seu casam ento, fechar u m negócio, e assim por diante. A atividade de participar de
um a conversa é p arte de u m a atividade mais extensa, tal como estar casado, traba­
lhar ou m an ter a saúde. Assim, reforçadores sociais de curto prazo trocados em
um a conversa são geralm ente sustentados por conseqüências mais significativas.
A m odelagem d a troca de papéis d urante uma conversa provavelmente come­
ça cedo. C atherine Snow (1977) registrou a interação de duas mães com seus be­
bês. Verificou que as m ães já desem penhavam o papel de ouvintes das vocalizações
das crianças quando estas tinham apenas 3 meses de idade. Nessa idade, observou
Snow, 100% dos “arrotos, bocejos, espirros, tosses, vocalizações diversas, sorrisos e
risadas tinham respostas sob a forma de vocalizações m aternas” (p. 12). As mães,
naturalm ente, contrib u íram m uito mais para essas “conversas” do que os bebês,
mas, por volta dos 7 m eses, a contribuição deles havia aumentado, e a freqüência
das alternâncias tivera u m aum ento correspondente. Eis um exemplo que Snow
gravou (p. 16):
Mãe
Ghhhhhghhhhhghhhhh ghhhh
Grrrrr grrrrr grrrrr grrrrr
Ah, você não quer nâo é?
Não, eu não eslavo fazendo esse barulho.
Eu não ia oaaaa aaoaa
Isso, tá certo.
Ann
{choro de protesto)
aaaaaaaaa aaoaa
aaoaa aaaaa
A contribuição dos bebês foi aum entando de forma regular, até que aos 18
meses a freqüência de alternância era dez vezes maior.
Como qualquer o u tro com portamento operante, o comportamento verbal exige
apenas reforço in term iten te para ser m antido. Se Sílvia estivesse brava com Ger­
son, ou ocupada com algum a coisa, ou com dificuldade de ouvir, Gerson talvez
tivesse ten tad o várias vezes obter o sal antes de consegui-lo. Poderia até não conse­
guir nessa ocasião, levantar-se e pegar o sal ele mesmo. Quando a situação se repe­
tir em outro dia, seu ped id o ocorrerá de novo. Depois de várias tentativas infrutífe­
ras, o com portam ento verbal pode vir a se extinguir, mas provavelmente isso acon­
140
William M. Baum
tecerá som ente com o com portam ento dirigido a Sílvia. Se Gerson estiver à mesa
com Lígia, ele pedirá ò sal. Em outras palavras, ele será capaz de discriminar. De
um a m aneira geral, o com portam ento verbal é extrem am ente persistente e com
freqüência é reforçado apenas interm itentem ente.
Como outros com portam entos operantes, o com portam ento verb al exige m e­
nos reforço para se m anter do que para ser adquirido. O reforço dos prim eiros atos
verbais de um a criança são pródigos e freqüentes. O que existe de m ais em ocionan­
te para um pai do que as prim eiras palavras de um filho? Não im porta que a criança
fale pa-a em vez de papai, ete em vez de leite, nana em vez de banana - receberá
aplausos e afeição em abundância. A situação m uda, evidentem ente, à m edida que
a criança cresce. Os pais aceitam pa-a, ete e nana em um a criança de 2 anos, mas o
m esm o ato verbal em um a criança de 4 anos seria corrigido e talvez levem ente
punido. Como m uitos outros com portam entos operantes, o com portam ento verbal
é m odelado ao longo do tem po por aproxim ações sucessivas.
Ernst M oerk (1983) estudou fitas gravadas por Roger Brown (1973) de um a
m ãe interagindo com sua filha, Eve, que tinha en tre 18 e 27 meses. As “conversas”
entre m ãe e filha eram extrem am ente assimétricas, a m ãe falando q u atro ou cinco
sentenças para cada verbalização da criança. Na estim ativa de M oerk, a m ãe de
Eve produzia mais de 20 mil sentenças-m odelo a cada dia. Com cerca de 18 meses,
Eve respondia à fala de sua m ãe através de im itações parciais. Sua m ãe dizia algo
como “Agora você pode com er um a bala. Você quer um a bala?”. Eve respondia
bala, o que sua m ãe reforçava com com entários como “Está certo, você quer um a
bala” e dando-lhe um a bala.
Tildo indica que as crianças do gênero hum ano são feitas de form a a apresen­
ta r alta probabilidade de im itar sons de fala que ouvem de pessoas significativas. A
p artir dessa predisposição program ada geneticam ente e do reforço dado por essas
pessoas n a qualidade de ouvintes, o com portam ento verbal é adquirido e modelado.
0 papel do ouvinte
Para a criança que está aprendendo a falar, assim com o para o adulto que fala
fluentem ente, o ouvinte desem penha um papel crucial. Sem os ouvintes, ou sem a
com unidade verbal, o com portam ento verbal não poderia ser adquirido. Como
ouvintes, as m ães de Snow reforçaram m aciçam ente cada um a das vocalizações de
seus bebês. Os bebês, por sua vez, reforçaram as vocalizações das mães; embora
fossem apenas principiantes, com eçavam a exercer o papel de ou vinte. Cada um de
nós, à m edida que cresce e participa d a cultura que nos rodeia, aprende a ser
ouvinte.
N osso com portam ento, em outras palavras, vem a responder às verbalizações
ouvidas dos outros com o contextos verbais ou estím ulos discrim inativos verbais.
Discrim inam os entre vocalizações e ruídos, e entre um a vocalização e outra. Por
volta dos 18 m eses, a criança norm alm ente se com porta de form a diferente a o
ouvir “Você quer um a bala?” e “Você quer u m suco?”.
N ossas ações com o ouvintes provêem reforço para as verbalizações dos falan­
tes a nossa volta. Freqüentem ente isso ocorre de forma inconsciente; seria uma
Compreender o behaviorismo
141
raridade o ouvinte que relatasse “Estou reforçando o com portamento verbal desse
falante”. E ntretanto, podem os dizer que o fazemos “intencionalm ente” no sentido
discutido no Capítulo 5, de que nosso com portam ento como ouvintes é m odelado e
m antido por reforço - o u seja, deriva de um a história de reforço.
Junto com o falar, o ouvir é freqüente e generosam ente reforçado em crianças
pequenas. Nos estudos d e Snow e Moerk, quando respondiam às vocalizações dos
pequenos, as m ães estav am reforçando tanto o com portam ento de falante como o
com portam ento de ouvinte, porque as crianças falavam no contexto de ouvir o que
suas m ães acabavam de dizer.
À m edida que p assa o tem po, o reforço diferencial refina o ouvir da criança
(isto é, seu responder apropriado em dado contexto verbal). O pai fala “Pegue a
bola verm elha”, e q u an d o a criança pega a bola vermelha, e não outra, seguem-se
satisfação, aplauso e afeição. Assim, nosso com portam ento de ouvinte é reforçado
e m odelado. O adolescente é adm oestado a “ouvir quando falo com você” e eventual­
m ente aprende a m o strar sinais de que está realm ente ouvindo: fazendo contato
visual, assentindo com a cabeça, sorrindo, e assim por diante. Esses sinais, ju n ta ­
mente com as conseqüências dos outros atos do ouvinte, tais como pegar a bola
vermelha ou passar o sal, reforçam o com portamento do falante, mas as ações do
ouvinte têm de ser reforçadas p ara serem m antidas, tanto quanto as ações do fa­
lante. Daí o m uito im p o rtan te “obrigado” (S§) da Figura 7.1.
Exemplos
A própria noção de com portam ento verbal contradiz o ponto de vista convencional
sobre o falar e o ouvir. Dizer que existe um a coisa cham ada comportamento verbal
é dizer que falar e ouvir n ã o são especiais nem diferentes de outros com portam en­
tos, mas fazem p arte de u m m esm o contínuo. Em outras palavras, o com portam en­
to verbal é como q u alquer outro comportamento operante.
Em consonância com essa continuidade, abundam os exemplos de com porta­
mento operan te que p oderiam ou não ser chamados de verbais. A categoria “com ­
portam ento verbal” é nebulosa, sua definição é pobre em seus limites. A nebulosi­
dade não é um problem a, pois sublinha a similaridade entre comportamento ver­
bal e outros com portam entos operantes. Mesmo que parte de nosso com portam en­
to seja claram ente não-verbal, e parte possa ser ou não verbal, o conceito de com ­
portam ento verbal inclui m uito do que fazemos. A fim de entender a extensão do
conceito, vam os nos v o ltar agora para alguns exemplos que são claramente verbais
°u não-verbais, e p ara o u tro s que são ambíguos.
^ importância da história
a p o n h a que um a d esconh ecida comece a falar com você em russo, e vocè não
e^tende nenhum a palavra. Não há possibilidade de que esse comportamento seja
reforçado. Trata-se de com portam ento verba]? Você está sendo um ouvinte?
142
William M. Baum
Em bora a fala d a desconhecida não possa ser reforçada nessa situação, tratase de com portam ento verbal, porque foi reforçado, em situações passadas, pela
com unidade verbal a que ela pertence. Não h á por que desqualificar essa fala como
com portam ento verbal p or n ão ter sido reforçada naquela ocasião particular, pois o
com portam ento verbal freqüentem ente passa sem reforço em certas ocasiões. Esse
tipo de com portam ento é qualificado como verbal porque provém de um a história
de reforço por uma com unidade de falantes e ouvintes.
Se você está sendo ou não um ouvinte, em bora não entenda nenhum a palavra
de russo, é um a perg u n ta cuja resposta depende não apenas da história de reforço,
mas tam bém da perspectiva de quem olha. De sua perspectiva, você não pode ser
ouvinte porque você não pode reforçar o com portam ento da desconhecida. Da
perspectiva dela, porém , você está sendo tratado como membro da classe de estí­
mulos “ouvinte”. Logo ela descobrirá seu erro e discrim inará - isto é, ela irá para
outro lugar ou falará com você em outra língua. Falar com você em russo, com o ela
fez, é um caso de generalização. Comó estímulo discriminativo, você é suficiente­
m ente parecido com um ouvinte russo para que o com portam ento dela ocorra. Sua
incapacidade de reforçar o com portam ento garante que ele sofrerá extinção em
sua presença, mas a ação inicial se originou de um a história de reforço na presença
de ouvintes bastante parecidos com você. Da perspectiva dessa história, você é
inicialm ente um ouvinte, ou, pelo menos um ouvinte potencial.
Gestos e linguagem de sinais
Suponham os que você e a desconhecida não tenham nenhum a língua em com um ,
e que ela então recorra a gestos. Ela aponta o pulso e olha para você inquisitivamente.
Você lhe m ostra o relógio, ela acena com a cabeça afirm ativam ente e sorri. Serão
seus gestos considerados com portam ento verbal?
De acordo com nossa definição, eles são. Indicar o pulso é com portam ento
operante, cujo reforço depende de sua presença. (Isso faz de você um ouvinte,
m esm o que seja surdo!)
Conforme nossa definição, o com portam ento verbal não precisa ser com por­
tam ento vocal, e p ode inclusive ser escrito, O grande místico indiano M eher Baba
(1894-1969), que g u ard o u silêncio por 44 anos, inicialmente escrevia com giz em
um a p edra, depois soletrava palavras indicando as letras em um quadro com o
alfabeto, e finalm ente m u dou para um sistem a de gestos m anuais (Purdom , 1971).
Tudo isso seria qualificado como com portam ento verbal - com portam ento operante
cujo reforço requer a presença de outra pessoa (o ouvinte).
O m elhor exem plo de com portam ento verbal não-vocal é a linguagem de si­
nais. Aquele que faz o sinal, silenciosamente, age como falante, e aquele que responde ao sinal, ainda que surdo, é o ouvinte. Pessoas que form am um grupo e que
usam a linguagem de sinais ora como falantes, ora como ouvintes, constituem uma
com unidade verbal.
Compreender o behoviorisrno
143
Animais não-humanos
jVleu gato se achega a m im n a hora do jantar, mia e se esfrega em minha perna. Ele
faz isso todos os dias, e todos os dias eu o alimento quando ele faz isso. Será o
miado de m eu gato um com portam ento verbal?
De acordo com nossa definição, pode ser. O m iar é comportamento operante
porque nasceu de um a história em que eu o reforçava dando alimento. Exige mi­
nha presença para ser reforçado. Isso faria de m im o ouvinte, e de meu gato, o
falante.
E ntretanto, talvez você n ão qualifique o m iar de meu gato como com porta­
m ento verbal porque não é razoável chamar, a meu gato e a mim, de comunidade
verbal, N unca trocam os de papel com o falante e ouvinte. Nunca lhe peço comida,
nem ele jam ais me alim enta. As vezes ele vem quando o chamo, mas essa é uma
razão frágil dem ais para que se diga que somos um a com unidade verbal.
No entanto, esse exem plo ilustra um a questão im portante; a definição de com­
portam ento verbal de form a n en h u m a exclui animais não-humanos. Já houve quem
ensinasse chim panzés a se com unicar com seres humanos por meio de linguagem
de sinais. Em bora m eu gato e eu não a tenhamos, um chimpanzé e um ser humano
que fazem sinais um para o outro têm a qualificação necessária para serem consi; derados um a com unidade verbal. Da m esm a forma que dois seres humanos fazendo sinais um p ara o outro se alternam com o falante e ouvinte, assim também o
fazem o chim panzé e o ser hum ano. Há relatos de casos de dois chimpanzés treina­
dos que faziam sinais um p a ra o outro, alternadam ente. De acordo com a definição, isso seria qualificado com o com portam ento verbal se os dois chimpanzés pu­
dessem razoavelm ente ser considerados membros de um a comunidade verbal.
M uitos pensadores já defenderam o ponto de vista de que a linguagem é espe­
cificamente hum ana. A veracidade dessa afirmação depende inteiramente da defi­
nição de linguagem. Se for definida em termos de fala, de forma a excluir gestos,
■então evidentem ente ela pertence apenas aos seres humanos. A definição de com­
portam ento verbal poderia ser igualm ente afunilada de forma a excluir animais
; não-hum anos. Essas definições, entretanto, não perm itiriam que se atribuísse lin­
guagem e com portam ento verbal às pessoas que usam linguagem de sinais. A defi­
nição que estam os usando, ao exigir que o falante e o ouvinte troquem os papéis,
exclui casos triviais como m eu gato e eu, mas, ao incluir os gestos, abre a possibili­
dade de com portam ento verbal em indivíduos não-humanos.
A espécie hum ana é única - to d a espécie é única - não por causa de uma
característica especial,, mas por causa de um a combinação única de características.
definição, nenhum a ou tra espécie pode com partilhar toda a constelação de
características que faz de nós seres hum anos, mas qualquer um a dessas caracterís­
ticas pode ser partilhada com ou tra espécie. Da perspectiva da teoria da evolução,
Qs seres hum anos são apenas um a espécie entre m uitas (e não necessariamente
superior a qualquer outra), e não se acham separados dos “anim ais” por uma barreira insuperável. A ênfase da análise do comportamento se afasta de distinções
144
William M. Baum
baseadas no fato de se pertencer a esta ou aquela espécie, e se volta para distinções
baseadas nas relações entre com portam ento e am biente, tais como as distinções
entre com portam ento operante versus induzido (Capítulo 4), e falante versus ouvinte.
falar consigo próprio*
Q uando falo comigo mesmo, isso é com portam ento verbal? Os analistas de com ­
portam ento têm discordâncias sobre esse ponto. Suas respostas depen d em de acei­
tarem ou não a idéia de que, em um episódio verbal, falante e ouvinte possam ser
a m esm a pessoa.
Pela Figura 7.1 podemos ver que se a m esm a pessoa puder ser ouvinte e falan­
te, então o com portam ento verbal do falante, Cv, será reforçado por um a m udança
de com portam ento, C0, na m esma pessoa (aqui vista como ouvinte). Isso pode
acontecer, por exemplo, quando dou instruções ou ordens para m im m esm o. Ao
dirigir o carro p a ra um a casa cujo endereço não é familiar, posso dizer p ara mim
mesmo, ao chegar a um cruzam ento, Bem, aqui eu tenho de virar à esquerda. Se,
deste modo, como ouvinte, eu virar à esquerda, m eu ato verbal (a auto-instrução
para virar à esquerda) terá sido reforçado, especialm ente se conseguir chegar a
m eu destino.
Minha auto-instrução poderia ser dita em voz alta, ou poderia ser d ita privada
ou encobertam ente. No laboratório, com os instrum entos apropriados, fala subvocal
pode ser detectada, mas em situações do dia-a-dia é possível dizer coisas para mim
m esm o sem que o aparato fonador seja envolvido de forma detectável. Tal com por­
tam ento encoberto corresponde a um dos usos da palavra pensar, tal como quando
se diz de alguém que está quieto sentado que está pensando consigo m esm o.
Encoberta o u aberta/* m inha fala comigo m esm o teria de resu ltar em m u d an ­
ça em m eu com portam ento (como ouvinte), para ser cham ada de com portam ento
verbal. Auto-instruçÕes e autocom a ndos (Conte até 10 antes de falar!) se caracteri­
zam como tal. Até um a afirmativa feita para m im m esm o, como Esse quadro é lindo,
estaria nessa categoria, se então eu fizesse algum a coisa como procurar o nom e do
artista ou perguntar pelo preço.
E cantar ou recitar um poem a para mim m esm o, como dizem os, só pelo pra­
zer? Entraria na categoria de com portam ento verbal? De acordo com n ossa defini­
ção, não entraria, porque ninguém está no papel de ouvinte. Recitar um poem a
pode ser reforçado pelo som produzido, m as o reforço não exige n en h u m outro
com portam ento típico de ouvinte da p arte de quem recita. Sabem os que nem todo
com portam ento verbal é vocal (por exem plo, na linguagem de sinais). Agora ve­
mos que nem todo com portam ento vocal é verbal.
Dentre os analistas de com portam ento, aqueles que rejeitam a idéia de que
falar consigo m esm o constitui com portam ento verbal encaram esse tipo de fala
*N. de T. Esta seção e a próxima se referem exclusivamente a uma interpretação baseada no
referencial teórico de Rachlin (1985, 1989, 1990).
‘*N. de T. “Aberto" no sentido de “manifesto”.
Compreender o behaviorismo
145
como p arte de um a unidade estendida de ação - um a atividade. Essas unidades
ampliadas ou m olares têm grande papel na abordagem do comportamento operante
proposta por Rachlin, e que foi discutida no Capítulo 3. Nessa abordagem, meu ato
de guiar o carro até a casa desconhecida constituiria um a atividade unitária, defini­
da por sua função. A atividade poderia ocorrer de várias formas, pegando diferen­
tes cam inhos, com ou sem auto-instruçao, mas todas as variações poderiam ser
consideradas m em bros da m esm a atividade (funcional). Cada percurso seria um
episódio d a m esm a atividade, como vimos no Capítulo 4 (Figura 4.3). Se dirigir o
carro seguindo auto-instruções m e levar a meu destino (isto é, for reforçado) mais
freqüentem ente, então eu o farei mais freqüentem ente. Mais provavelmente, se­
guirei esse cam inho nas prim eiras vezes que for a esse lugar específico, e à m edida
que o cam inho se tom e familiar, dispensarei as auto-instruções. Assim, falar comigo
mesmo é com o recitar um poem a sozinho; o reforço resulta de outras fontes que
não um ouvinte. Q uando se pensa o comportamento nesses termos molares, uma
atividade só pode ser qualificada como verbal quando ouvinte e falante forem pes­
soas diferentes.
Comportamento verbal versus linguagem
Com portam ento verbal é diferente de linguagem. As palavras língua e linguagem/
quando usadas em frases como “língua portuguesa” ou “linguagem de sinais”, dão
a im pressão de serem coisas. Muitas vezes se fala de linguagem como se fala de
uma posse, algo que é adquirido e depois utilizado, A idéia comum de que a lingua­
gem é utilizada com o um instrum ento desperta todos os problemas do mentalismo.
Onde está o instrum ento? De que é feito? Ouem o utiliza, como, e onde? Como esse
instrum ento causa a fala? E assim por diante.
O com portam ento verbal com preende eventos concretos, enquanto a lingua­
gem é um a abstração. A língua portuguesa, como conjunto de palavras e regras
gramaticais p ara combiná-las, é um a descrição rudim entar do comportamento ver­
bal. Resume a form a de falar de m uitas pessoas. É rudim entar porque em geral as
pessoas falam de m aneira peculiar. Nem as explicações do dicionário, nem as re­
gras de um livro de gram ática coincidem exatamente com as expressões utilizadas
por pessoas que falam português.
Embora o que se fala acerca de “uso de linguagem” tenha um caráter mentalísta
e diversionista, o fato é que, quando dizemos que um a pessoa está usando uma
linguagem, o que em geral ela está fazendo é comportamento verbal. Como vimos
anteriorm ente, eventos como escrever um livro ou recitar um poema para si mes­
N. de T. O vocábulo language em inglês tem um-significado amplo, que abarca os vocábulos
língua” e “linguagem” em português. Por essa razão, language foi traduzido como “língua”
guando utilizado no sentido de “idioma” ou sistema dotado de gramática. Language foi
traduzido como “linguagem” quando utilizado no sentido de “sistema de signos que seivcm
de comunicação entre indivíduos independente do órgão sensorial envolvido, tal como quando
St- fala linguagem iconográfica.
146
Wiiliam M. Bown
m o são exemplos de “uso de linguagem ” que podem não ser considerados compor­
tam ento v erb al Inversam ente, alguns casos de com portam ento verbal, como ace­
n a r e apontar, podem não ser consideradas “uso de linguagem ”.
A Figura 7.2 ilustra as relações entre com portam ento verbal, com portam ento
vocal e “uso de linguagem ”. Cada círculo representa um a das categorias, e pode-se
pensar em eventos particulares com o pontos dentro dos círculos. Os círculos se
sobrepõem, de ftírm a que eventos particulares podem estar localizados em mais de
um círculo, o que quer dizer que pertencem a mais de um a categoria. O subconjunto
central som breado (rotulado como “fala”) indica os eventos que pertencem a todas
as três categorias: pessoas falando com outras pessoas. As áreas em que dois círcu­
los se sobrepõem indicam eventos que pertencem a essas duas categorias, mas não
à terceira: um a pessoa ou um anim al não-hum ano pode em itir gritos ou outros
sons (com portam ento vocal) que poderiam ser considerados com portam ento ver­
bal, mas n ão seriam considerados “uso de linguagem ”. Fazer sinais seria com porta­
m ento verbal e poderia ser cham ado de “uso de linguagem ”, m as não pode ser
considerado vocal. Recitar um poem a p ara si próprio seria com portam ento vocal e
“uso de linguagem ”, mas provavelm ente não seria cham ado de com portam ento
verbal. Finalm ente, há eventos que só podem ser categorizados em um dos círcu­
los. Um cham ado de alarme que seja um padrão fixo de ação seria vocal, mas nãoverbal, e nem seria “uso de linguagem ”. Gestos, como acenar ou apontar, são ape­
nas com portam ento verbal. Escrever um livro na intim idade do próprio escritório,
um caso de “uso de linguagem”, não é vocal, e porque nenhum ouvinte precisa
estar presente para que haja reforço, tam bém não é com portam ento verbal.
Figura 7.2 Relações entre as categorias comportamento verbal, comportamento vocal e
"uso de linguagem".
Compreender o behoviorismo
147
UNIDADES FUNCIONAIS E CONTROLE DE ESTÍMULO
Como outros com portam entos operantes, o com portam ento verbal consiste de atos
que pertencem a classes operantes que são ( 1) definidas funcionalm ente e (2)
sujeitas a controle de estím ulo. Essas duas noções separam o conceito de com porta­
m ento verbal das concepções tradicionais de linguagem e fala.
Atividades verbais como unidades funcionais
No Capítulo 5, distinguim os unidades estruturais de unidades funcionais. Pode-se
dizer que todos os eventos têm um a estrutura, e é provável que cada evento tenha
um a estru tu ra única. Um rato provavelmente não conseguirá pressionar um a barra
duas vezes do m esm o jeito, usando exatamente os mesmos músculos na mesma
exata m edida. (M esmo que o rato fosse capaz de produzir duas pressões estrutural­
m ente idênticas, ainda assim seriam elas eventos únicos por terem ocorrido em
tem pos diferentes.) Em contraste, as unidades funcionais não são eventos particu­
lares, mas espécies ou populações de eventos particulares (confira a Figura 4.3), e
são definidas p o r seus efeitos sobre o ambiente.
Da m esm a form a que a pressão à barra do rato, cada ação verbal tem uma
determ inada estru tu ra, um a determ inada seqüência de movimentos de vários mús­
culos da garganta e d a boca. Quando um romancista representa uma verbalização
por escrito, está ap en as fazendo um a descrição grosseira do que seja um a verda­
deira em issão verbal. O leitor tem de imaginar o ritmo e a entonação. Os sistemas
de notação fonética representam essas ações verbais com maior precisão. Por exem­
plo, a ortografia fonética de um a palavra no dicionário nos dá um a idéia de como
pronunciá-la. E ntretanto, não há representação que possa captar verdadeiram ente
um a determ inada verbalização, porque cada um a delas é única. Mesmo tentando,
é virtualm ente im possível em itir a mesma expressão verbal duas vezes do mesmo
jeito. Algum a coisa m ud ará - sua inflexão, seu tom de voz, seu ritmo. Dado que
raram ente sequer tentam os repetir a mesma exata verbalização, o com portamento
verbal que ocorre n atu ralm en te é muito variável.
Uma atividade verbal é um a espécie de ações, que têm todos o mesmo efeito
sobre o ouvinte. Do m esm o modo que todas as formas estruturalm ente diferentes
de pressionar um a b a rra pertencem à mesma atividade porque todas produzem o
efeito de fazer com que a barra se desloque, assim tam bém todas as formas estru­
turalm ente diferentes de pedir o sal pertencem ao mesmo operante porque produ­
zem o m esm o efeito sobre o ouvinte - passar o sal. Pense em todas as diferentes
formas de pedir o sal que Gerson poderia ter utilizado: Poderia m e dar o sal■por
favor? Por favor, me passe o sal. Queria que você me passasse o sal> e assim por
diante. Para um lingüista, essas três verbalizações poderiam parecer fundam ental­
m ente diferentes: a prim eira é um a pergunta, a segunda é um a sentença imperati­
va, a terceira é um a sentença declarativa. Por mais diversas que sejam do ponto de
vista estrutural, as três expressões pertencem à mesma atividade verbal porque
têm o m esm o efeito sobre Sílvia (ela passa o sal). Alguns membros dessa atividade
podem m esm o se situ ar fora do “uso de linguagem”: talvez baste que Gerson olhe
ï 48
William M, Baum
para Sílvia e aponte o sal. Se fôssemos enum erar todas as formas estruturalm ente
diferentes pelas quais Gerson poderia pedir o sal, a lista seria longa e variada, mas
todas as variações ainda seriam exem plos da m esm a atividade verbal, porque todas
funcionariam de modo equivalente.
Os lingüistas, quando descrevem a estrutura de verbalizações possíveis, falam
de unidades como palavras e m orfem as (por exemplo, o final -s em um substantivo
plural, ou as terminações -ei, -aste, -ou, etc., em um verbo no passado). Por exem­
plo, a análise da sentença Os gatos m iavam indica que ela é com posta de três pala­
vras e nove morfemas (o, -s, gat, -o, -s, mi, -a, -va e -m). As sentenças podem ser
assim divididas para fins de análise de süa estrutura, m as um a análise desse tipo
não diz nada sobre a função d a sentença. Estruturalm ente, as sentenças Há um
tigre atrás de você e Há uma criança atrás áe você se distinguem por apenas um a
palavra. Têm o mesmo padrão ou fo rm a * (Há X atrás de você), m as os dois enun­
ciados pertencem a atividades diferentes porque têm efeitos diferentes. Muitas ati­
vidades verbais incluem um a verbalização estruturada como essa, porém essa es­
trutura é apenas um a dentre as várias possíveis. Pense em todas as formas que eu
poderia u sar para adverti-lo sobre um perigo.
Portanto, assim como a pressão do rato à b arra consiste, estruturalm ente, em
muitos pequenos movimentos m usculares, cada um deles necessário ao funciona­
m ento do todo, assim tam bém um a verbalização consiste, estruturalm ente, de p a­
lavras e morfemas, cada um dos quais necessário para o funcionam ento do todo.
Embora necessária, a estrutura não nos diz nada sobre a função. A função só pode
ser com preendida a partir de circunstâncias e efeitos.
Controle de estímulo no comportamento verba!
Como qualquer outra atividade operante, a ocorrência da atividade verbal é mais
ou m enos provável dependendo das circunstâncias - isto é, dependendo dos estí­
mulos discriminativos. Uma das razões por que um a palavra não pode constituir
um a unidade funcional é que a m esm a palavra pode servir a diferentes funções,
dependendo das circunstâncias. Pense em todas as diferentes situações em que a
verbalização água pode ocorrer: “Estou m orto de sede”, “O que é aquela poça no
chão?”, “O que você obtém q u an d o com bina hidrogênio com oxigênio?”, “O que a
gente tem de colocar n a receita agora?!\ Como em cada contexto a verbalização
água teria um efeito diferente sobre o ouvinte, em cada um deles água pertenceria
a um a atividade verbal diferente.
A relação das circunstâncias com a probabilidade do com portam ento verbal é
uma relação de controle de estím ulo (Capítulo 6), e não de eliciação (Capítulo 4)Não existe um a c o rre sp o n d ê n c ia e strita , p o n to a p o n to , en tre um estím ulo
discriminativo e um a atividade verbal, como pode existir entre um a batida no joe-
*N. de T. “Frame”. Padrão, em português, designa esse conceito lingüístico, como indica o
dicionário Houaiss (editora Objetiva, 2001).
Compreender o behaviorismo
149
lho e um salto d a p erna. Os estímulos discriminativos apenas m odulam e tornam
prováveis certas instâncias de atividades verbais.
Dentre os estím ulos discriminativos mais importantes que m odulam o comporta­
mento verbal, estão os estímulos auditivos e visuais produzidos pela pessoa que está
no papel de falante. Tendo atuado como ouvinte para a outra pessoa, posso atuar
com o falante e produzir estímulos discriminativos que afetam seu comportamento,
Como notam os no Capítulo 6, todas as atividades operantes ocorrem dentro
de um contexto, e o efeito habilitador que o contexto tem sobre a atividade provém
da história d e reforço associada a esse contexto no passado. Tal como é com outras
atividades operantes, assim tam bém é com as atividades verbais. Q uando estou
perdido, peço inform ações porque me ensinaram a fazê-lo, e esse com portam ento
verbal foi reforçado 110 passado, por eu ter chegado a meu destino. O contexto
pode m udar a estru tu ra de minhas perguntas. Ao pedir orientação a um estranho,
sou mais polido do que ao pedi-la para meu irmão. Ao pedir informações na zona
rural de N ew H am pshire, terei de ser cuidadoso na escolha de palavras. Se eu
disser, “Essa estrad a vai para Newmarket?”, estou sujeito a ouvir a resposta “Essa
estrada não vai p ra lu g a r nenhum ; ela fica aí m esm o”. Eu tenho de dizer: “Por
favor, me diga o cam inho para Newmarket”. Então, ou eu obterei as informações
de que preciso ou, depois de alguma consideração, “Não, não dá para chegar lá a
partir daqui”. Ao falar com um adolescente, é provável que eu use mais gírias do
que ao falar com um gerente de banco.
Como outras atividades operantes, as atividades verbais não podem ser definidas apenas em term os de suas conseqüências. Normalmente, 0 contexto tam bém
precisa ser especificado. Pedir informação a um estranho é diferente de pedir infor­
mação a um a pessoa conhecida. Seriam duas atividades diferentes, por causa dos
contextos em que ocorrem ? Se você estivesse estudando a teoria das boas m anei­
ras, que se refere à form a pela qual 0 com portam ento verbai depende da pessoa a
quem nos dirigimos, seria im portante fazer a distinção. Para outros fins, “pedir
inform ação” ou até m esm o “fazer pedidos” já seria suficiente. Avisar alguém sobre
um tigre é diferente de avisá-lo sobre um mosquito, mas para muitos fins basta
dizer que a atividade verbal é “avisar um a pessoa sobre um perigo”. A “pessoa” e 0
“perigo” (tigre ou m osquito), partes do contexto, são parte da definição.
Alguns equívocos comuns
A idéia de com portam ento verbal dá ênfase à similaridade entre fala, gesto e outros
tipos de com portam ento operante. As concepções tradicionais procuram colocar o
com portam ento relacionado à linguagem como um com portamento à parte, definindo-o como um com portam ento especial e diferente. Três características foram
Propostas com o específicas do comportamento relacionado à linguagem: (1) ele é
gerativo - as pessoas constantem ente geram novas verbalizações; ( 2) a fala, dife­
rentem ente de outros com portam entos, pode se referir a si mesma; (3) a fala,
diferentem ente de outros comportamentos, pode se referir a eventos futuros. Vejatuos se essas características realmente dissociam o com portamento relacionado à
linguagem de outros comportamentos.
150
William M. Baum
/l natureza geraftva da linguagem
Todos ós dias você gera verbalizações que nunca ocorreram antes. Nesse sentido,
provavelm ente a m aior p arte das sentenças que você fala são novas. Na verdade,
cada enunciado é único, pois você não consegue produzir dois exatam ente iguais.
Q uando discutimos a criatividade no Capítulo 5, vim os que a impossibilidade de
repetição caracteriza todos os com portam entos operantes. Não se trata de ver o
com portam ento verbal com o variável e os outros como fixos, como a concepção
tradicional faria, mas sustentam os, ao contrário, que todos os com portam entos
operantes são tão variáveis quanto o com portam ento verbal. Cada pressão à barra
é única, tanto quanto cada pedido de sal é único. Pedir sal é um a unidade funcio­
nal, tan to quanto pressionar um a barra.
Os críticos dessa concepção ressaltam a im portância da gramática em gerar
verbalizações. A gram ática é p a rte de qualquer língua, e a estrutura gram atical é
m uitas vezes um a característica do com portam ento verbal. Mas o máximo que se
pode dizer da gram ática é que ela oferece um a descrição rudim entar da estrutura
de alguns com portam entos verbais. Freqüentem ente (e às vezes m ais do que
freqüentem ente), a fala real não segue a gram ática. Nossas “sentenças” m uitas
vezes violam as regras d e construção de sentenças, e m uitas vezes deixamos sen­
tenças inacabadas.
■
Ainda assim, o p o rtu g u ês falado geralm ente segue a ordem sujeito-verbo-objeto, e há outras regularidades. Mas as toscas regularidades estruturais que carac­
terizam o com portam ento verbal tam bém caracterizam outros com portam entos.
Em cada pressão à b arra h á um a seqüência regular de movimentos do rato. Cada
pressão poderia ser com parada a um a sentença, e poderíam os escrever um a gra­
m ática de pressões à barra. Som ente algumas seqüências de movimentos resultam
na barra pressionada; seriam as “sentenças” perm itidas. Como anteriorm ente, vêse que a característica q ue supostam ente isola o com portam ento verbal é com ­
partilhada por outros com portam entos. (Retornarem os um pouco adiante a um a
discussão em separado d a noção de que o falante segue as regras da gram ática ao
falar.)
Falar sobre o falar
Lógicos e lingüistas dão m uita im portância às asserções denom inadas metáfrases,
afirmações que se referem a elas mesmas ou a outras asserções. As m etáfrases são
a base de alguns argum entos que afirm am que a capacidade, que tem a linguagem
de se referir a si m esm a a coloca em um a categoria à parte em relação a outros
com portam entos. Q uando crianças gostávamos, m eus amigos e eu, do paradoxo:
“Esta afirmação é falsa”. Do ponto de vista lógico, essa metáfrase tem um a espécie
de sabor mágico, porque parece verdadeira e falsa ao mesmo tempo. Vista como
verbalização - com o com portam ento verbal - porém , não há nada de m ágico nela.
Conforma-se à construção padrão de sentenças em português que segue a ordem
sujeito-verbo-predicativo. O único aspecto diferente dessa afirmação específica é
que o sujeito é um a verbalização.
Compreender o behoviorismo
151
Para o an alista de com portam ento, as metáfrases são falas a respeito de
falas - ou seja, com portam ento verbal sob controle de estímulo de outro com porta­
mento verbal. Falar sobre o falar ocorre a toda hora. Se você não escutou o que eu
disse, você m e p ergunta o que acabei de dizer e eu falo de novo. Sua pergunta,
mais o que eu disse, que ouvi perfeitam ente, constituem o estím ulo discriminativo
para eu rep etir m in h a verbalização. M inha competência para fazê-lo deriva de uma
jonga história de reforço desse tipo de repetição; somos treinados desde pequenos
a repetir verbalizações em função de produzir efeitos e quando expostos a “dicas”.
Repetir u m a verbalização a pedidos é um exemplo de auto-relato verbal, que
é com portam ento verbal parcialm ente sob controle do próprio com portamento como
estímulo discrim inativo. No Capítulo 3, observamos que, se um a pessoa for capaz
de relata r seu próprio com portam ento, tendemos a dizer que ela é “consciente”
dele. No C apítulo 6, observamos que o comportamento de um a pessoa pode estar
relacionado a um relato verbal, da m esm a m aneira que um a luz se relaciona com a
pressão à b a rra do rato - como um estím ulo discriminativo de uma atividade
operante. Você pode m e perguntar o que eu fiz hoje de m anhã, e posso relatar, Fui
ao mercado. Você pode m e perguntar o que eu disse na reunião de ontem, e posso
relatar: Eu disse, “Precisamos planejar o orçamento do ano que vem ”. Nos dois casos,
meu com portam ento verbal atuai está sob controle de um estímulo fornecido por
m eu próprio com portam ento, verbal ou não.
Tam bém podem os fazer relatos sobre o com portamento verbal privado, tal
como quando você m e pergunta o que estou pensando, e eu digo Estava pensando
como seria bom ir à praia hoje. Nesse momento meu com portam ento verbal está
parcialm ente sob controle de um estímulo discriminativo privado.
As vezes, falam os sobre falas que nunca ocorreram realm ente, mas que mera­
m ente pod eriam ter ocorrido. Fazemos asserções do tipo: Me deu vontade de dizer
para ele mesmo fa zer isso. Trata-se aqui de um relato, não acerca de um comporta­
mento verbal real, m as acerca de uma propensão para emitir determ inado compor­
tam ento verbal. E sem elhante a relatarm os um a intenção ou qualquer outra ten­
dência com portam ental (confira o Capítulo 5). É equivalente a dizermos: “No pas­
sado, em circunstâncias parecidas, freqüentem ente me comportei assim”.
Tam bém falam os sobre falas que nunca ocorreram, mas que poderiam ocor­
rer agora. Posso dizer: Deixa eu te contar o que ouvi hoje. Em parte, isso representa
um pedido p a ra que você sirva de ouvinte, e em parte é um relato sobre minha
tendência a em itir o com portam ento verbal de relatar algo que ouvi hoje. Tal como
em outros relatos de tendência ou intenção (Capítulo 5), em bora pareça uma refe­
rência ao futuro, na verdade é um a fala que resulta de um a história de reforço
desse m esm o tipo de com portam ento verbal, nessas mesmas circunstâncias (ter
ouvido algum a coisa cuja repetição será reforçada pelo ouvinte), no passado.
falar
í/o
futuro
Quando você fala de com portamento verbal que está propenso a emitir, soa como
se você estivesse falando sobre o futuro. Como eventos futuros não podem afetar
com portam entos presentes, as pessoas são tentadas a inventar uma causa no pre-
Í52
Wídiam M. Baum
sente - um propósito ou significado interno - e m esm o a insistir que a fala sobre o
futuro prova a existência de im agens m entais. Q uando você diz, Vou lhes falar sobre
porcos, supostam ente a frase foi causada por porcos em sua m ente. Como vimos no
Capítulo 5, essas causas internas im aginárias só nos distraem dos eventos ambientais
que conduziram à verbalização, que são suas experiências passadas com porcos e
com ouvintes que reforçaram o com portam ento verbal sob controle de tais experiên­
cias passadas.
Não há necessidade de que algo esteja se passando em m inha mente, ou em
qualquer lugar dentro de m im , para que eu verbalize expressões que dão a impres­
são de se referir a eventos no futuro ou, da m esm a forma, a eventos outros que
nunca aconteceram. Nunca vi um boi vermelho, m as já pronunciei vermelho e boi,
e já coloquei adjetivos ju n to a substantivos. M inha verbalização da locução boi
vermelho de nenhum m odo exige que eu tenha u m boi verm elho em m inha m ente
ou em qualquer outro lugar. Apenas exige que eu te n h a um a história de reforço do
tipo de com portam ento verbal que as pessoas m uitas vezes cham am de imaginativo.
Da mesma forma, se converso com você n a segunda-feira sobre um encontro
que terem os na sexta, n ã o preciso te r em m en te um a im agem ou significado
fantasmagórico. Com binar e cum prir compromissos é com portam ento operante
proveniente de um a longa história de reforço. Você m e diz que quer me ver. Ao ouvir
esse estímulo discriminativo auditivo, tomo no ta em m inha agenda e digo, Encon­
tro você na sexta às 3 da tarde. Fazer e dizer esse tipo de coisa foi reforçado m uitas
vezes no passado. (Alguns reforçadores do com portam ento da segunda-feira talvez
só ocorram na sexta; lacunas tem porais foram discutidas no Capítulo 5,)
SIGNIFICADO
Na visão convencional do com portam ento relacionado à linguagem, as palavras e
sentenças têm significado, e o significado contido em um a verbalização é passado
do falante para o ouvinte. Para o lingüista interessado n a análise formal da estru tu ­
ra do português (não o português falado inform alm ente, m as o português “corre­
to ”), essa concepção não traz grande prejuízo. E ntretanto, como teoria do com por­
tam ento de falar ou com portam ento verbal, padece de todas as limitações de um a
teoria mentalista.
Teorias de referência
Filósofos e psicólogos, na tentativa de u an sfo rm ar a noção cotidiana e tos-ca-de
significado em um a teo ria da linguagem mais precisa, inventaram teorias que se
fundam na noção de referência. Dizem que a palavra cachorro, por exemplo, quer
seja falada, escrita ou ouvida, refere-se ao tipo de mamífero de quatro pernas que
late. Dizem que pessoas que falam ou escrevem a palavra cachorro usam essa p a la ­
vra em lugar do cachorro real. Dizem que ouvintes e leitores utilizam a palavra
cachorro, ouvida ou vista, para com preender algo a respeito do cachorro real. Essa
visão deixa com pletam ente sem resposta por quê, para começar, o falante ou o
Compreender o behaviortsmo
153
falou ou escreveu a palavra, e o que o ouvinte ou leitor faz como resultado
de ouvir ou le r a palavra. Acrescentará algum a idéia útil à observação de que uma
pessoa fala, e q u e em conseqüência, outra faz alguma coisa?
e scrito r
Símbolos e léxicos
• A noçao de referên cia sugere que as diferentes formas da palavra cachorro - falada,
ouvida, escrita, vista - são símbolos da categoria de cachorros reais. Como podem
todos esses sím bolos ser reconhecidos como equivalentes? Todos os diferentes sím­
bolos são d e a lg u m a form a conectados a algum a coisa interna. Como cachorros de
verdade não p o d e m estar dentro da pessoa (disponíveis para uso), é presumida a
existência, e m algum lugar, de um a representação interna da categoria, e diz*se
que todos os sím bolos de cachorro estão ligados a essa representação.
O nde e stá essa representação? Diz-se que está em um léxico, uma coleção
dessas rep resen taçõ es de objetos e eventos do m undo real. Diz-se que o falante
procura a rep resen tação no léxico, lá a encontra conectada a seus símbolos e, en, tão, usa o sím bolo adequado. Diz-se que o ouvinte ouve o símbolo, procura-o no
léxico, enco n tra-o conectado a sua representação e, então, o compreende.
O m entalism o dessa teoria é visível. Onde está esse léxico? De que é feito?
Qual sua origem ? Q uem é responsável por toda essa busca e utilização? Será que
esses com plicados eventos m entais lançam alguma luz sobre o falar, o ouvir, o escrever, o ler?
A idéia d e referência foi inventada, provavelmente, para explicar as equivalências. Com o é possível que eu, ao ver ou pensar sobre um cachorro, aja de diver: sas m aneiras, falando, desenhando ou escrevendo cachorro, tudo com efeitos equi: valentes sobre o ouvinte? Como é possível que eu ouça “cachorro”, veja a palavra
- escrita ou o desen h o , e trate esses diferentes estímulos como equivalentes? Acres­
cente-se a isso a diversidade de palavras para cachorro em diferentes línguas, e
■talvez você p e rc e b a quão tentadora é a suposição de que todos esses atos e estímu­
los sejam eq uivalentes por estarem de algum jeito ligados a algum a representação
ou significado, em algum lu g ar dentro do sujeito.
De m odo geral, é m uito fácil presum ir que a equivalência observada provém
de algum a quim érica equivalência interna. Mas de onde veio a equivalência obser­
vada (ou su a quim era)? Essa pergunta tem de ser respondida antes de dizermos
Que com preendem os a equivalência. Ninguém vem ao mundo comportando-se da
mesma form a ao ouvir o som “cachorro” e ao ver um cachorro, ao ouvir “cachorro”
e ao ouvir “d o g ” em inglês. Chegamos a isso com o correr do tempo, depois de
termos sido expostos a esses diferentes estímiüos, e depois de um a história de
reforço d a resp o sta adequada. Os analistas de com portamento já começaram a
estudar com o anim ais e crianças aprendem a equivalência de estímulos. As criaturas ap ren d em a se com portar da mesma forma ou de forma diferente, frente a dois
Estímulos diferentes. Quais as condições necessárias à aprendizagem de equivalên­
cia? A ten tação de postular um a fantasmagórica equivalência interna para explicar
a Equivalência observada desaparecerá quando a equivalência observada puder ser
entendida com o resultado de um a história de reforço dentro de um contexto.
154
William M. Baum
importância do contexto
Além de não oferecer um a explicação do falar, as teorias de referência tam bém não
conseguem cum prir a tarefa para a qu al foram inventadas - en ten d er o significa­
do - porque não podem levar em conta o contexto. Se o significado de água fosse,
n a verdade, apenas um apêndice desse som ou dessa configuração de letras, como
a idéia de procurar em um léxico sugere, como então seria possível que a verbalização
água assumisse diferentes significados em diferentes situações? Ela pode ser, entre
outras coisas, um pedido, um a pergunta, o nom e de um líquido que caiu no chão e
o nom e de um ingrediente, dependendo do contexto.
Se o contexto d eterm in a o significado de substantivos concretos como água,
que dizer de sua im portância para o significado de substantivos e expressões abs­
tratas compostas de m uitas palavras? C onsidere o significado da palavra m ato,
M uita gente nos Estados Unidos o lha a cansanção como mato, mas povos de alguns
países escandinavos a consideram um a p lan ta d e decoração. Se a cham am os ou
não de m ato vai depender de gostarm os ou n ão dela. A palavra mato depende
tanto da planta como das circunstâncias. M uitas palavras são assim. Você pode
captar o significado de um nom e concreto como cachorro em um a lista de caracte­
rísticas - mamífero, quatro pernas, que late, e assim por diante - mas tente fazer
isso com piada ou justiça. A m esm a história que Gerson acha engraçada, soa a
Sílvia como uma enorm e injustiça.
As teorias de referência têm dificuldade ainda m aior com verbalizações reais
que contêm várias palavras. Suponha que eu e m eu filhó estejamos erguendo um a
parede de tijolos. M inha função é assentar os tijolos, a dele é passá-los para mim.
Inúm eras vezes eu peço um tijolo. Digo: Me passa um tijolo / Vamos ao tijolo /
Tijolo! / Preciso de um tijolo / Dá um tijolo para a gente. E m uitas outras variações.
Às vezes, eu apenas me viro e olho, ou estendo m inha mão. Todos esses atos têm o
mesmo “significado”. Você não poderia descobrir o significado através de um léxico
porque o “significado” está naquilo que o ato consegue obter: que m eu filho me
passe um tijolo de form a que possam os continuar a erguer a parede.
Significado como uso
Da m esm a forma que outros term os m entalistas, como consciência, intenção e co­
nhecimento, o term o sígni/ícado, estritam ente falando, não tem lugar na análise
com portam ental. A questão “Como se sabe o significado de um a palavra?” é um
pseudoproblem a. Ela p ergunta pelo significado como se estivesse perguntando so­
bre a ortografia, como se significado fosse um atributo da palavra. Em vez de falar
sobre significado, os behavioristas falam sobre o uso ou função de um aio ou
verbalização. G rosseiram ente falando, esse é o “significado” de signtficado.
Conseqüências e contexto
Suponha que eu coloque um rato em um a câm ara contendo um a barra e um a
corrente. Puxar a corrente produz alim ento; pressionar a barra produz água. O
Compreender o behavíorísmo
155
rato p u x a e come, pressiona e bebe. Poder-se-ia dizer que o “significado” de puxar
a corrente é “com ida” e que o “significado” de um a pressão à barra é “água”. Uma
pessoa n a m esm a situação poderia em itir o som comida e receber comida, emitir o
som água e receber água. Serão essas duas situações fundam entalm ente diferen­
tes? O behaviorista diz “n ão ”. O rato não come nada já faz algum tempo - puxa a
corrente e ganha com ida, André não come nada já faz algum tempo - diz comida e
ganha com ida. O rato não bebe nada já faz algum tem po - pressiona a barra e
ganha água. André não bebe n ad a já faz algum tem po - diz água e ganha água. Das
duas m aneiras, o uso do ato consiste em suas conseqüências (ganhar comida ou
água) d en tro do contexto (não ter comido ou bebido por algum tempo, estar na
câm ara, e star em presença de um ouvinte).
O “significado” do com portam ento verbal está em seu uso, suas conseqüênci­
as dentro do contexto. Por que nos preocupamos em aprender os nomes de pessoas
que conhecem os? É p a ra que possamos levá-las ao papel de ouvinte (conseqüên­
cia) q uan d o estam os próxim os (contexto), ou para que possamos conversar sobre
elas com outros ouvintes (conseqüência) quando estão ausentes (contexto). O “sig­
nificado” de um nom e é o contexto e as conseqüências de sua ocorrência.
Essa idéia de significado como uso fundam enta m uitas de nossas discussões
anteriores sobre term os difíceis de nosso linguajar diário: consciência, intenção,
conhecimento, e assim p o r diante. Para cada um desses termos, perguntamos pelas
condições (contexto) em que têm probabilidade de ocorrer. O contexto em que
alguém em itiria um a verbalização que incluísse a palavra significado nos diz qual o
“significado” de significado. Perguntar qual o significado de um termo é perguntar
qual o contexto e quais as conseqüências de sua ocorrência.
Como os outros com portam entos operantes, o comportamento verbal depen­
de de u m a história de reforço. Dizer que o uso ou significado de um operante
verbal está em suas conseqüências dentro do contexto, é dizer que sua ocorrência
depende de um a história de tais conseqüências em tais contextos. Meus filhos apren­
deram a dizer por favo r quando pediam alguma coisa porque, recorrentemente, só
havia reforço para pedidos que incluíssem essas palavras.
Variedades de uso
Em term os de nossa vida diária, as ações verbais servem a diversos fins. Dois dos
m ais im portantes são pedir e informar. O episódio verbal esquematizado na Figura
7.1 exem plifica um a solicitação, e pertence a um a categoria maior na qual a ver­
balização especifica seu próprio reforçador. Skinner (1957) denominou de mando
esse tipo de verbalização. Os m andos incluem não apenas pedidos, mas tam bém
ordens, perguntas e m esm o conselhos. O sargento do exército que diz, Esquerda,
volver!, em ite um m ando, cujo reforçador é o volver à esquerda. Minha pergunta,
Que horas são?, é um m ando, cujo reforçador é ouvir ou ver a hora correta. Se um
pai diz para seu filho, Você deve estudar álgebra este ano, essa frase também é um
m ando, cujo reforçador é o filho estudar álgebra. A exata situação em que o pedi­
do, a pergunta ou o conselho são emitidos pode variar amplamente e, no entanto,
ainda serem os capazes de reconhecê-los como o mesmo mando - tanto faz se Ger­
156
William M. Baum
son pede o sal para Sílvia, Lígia, Kátia ou Sérgio - o reforçador é o mesmo, Q uando
o reforçador de um a verbalização é bem especificado, a verbalização é um m ando.
Por outro lado, verbalizações que podem ser consideradas informativas não
especificam um determ inado reforçador; ao invés, ocorrem na presença de deter­
m inados estímulos discriminativos. O ponto relevante na expressão, Há um tigre
ati'ás de você, é o tigre; o reforçador que o ouvinte dispensará (talvez profusos
agradecim entos) não é especificado. Skinner (1957) cham ou de tactos* esses
operantes verbais.
É possível que a advertência sobre o tigre tenha um pouco da qualidade de
m ando, principalm ente se supuserm os que o fato do ouvinte evitar o tigre seja um
reforçador para a verbalização do falante. A distinção não é absoluta, porque os
reforçadores dos tactos, em bora não especificados, são em geral convencionalmen­
te sociais: respostas como gratidão e atenção, Um exemplo mais puro de tacto seria
um a pessoa dizendo para o utra, Que dia lindo. Como precisam ente o ouvinte refor­
çará esse ato fica por ser analisado; os principais fatores para com preender sua
ocorrência são a situação (sol, céu azul, ouvinte) e a história de reforço para
verbalizações desse tipo em situações sem elhantes.
Os tactos com preendem um variado conjunto de verbalizações. Opiniões e
observações são tactos. Respostas a perguntas freqüentem ente são tactos: Você
olha seu relógio e me diz a hora certa. O que vimos cham ando de relatos verbais
são todos exemplos de tactos: Meu filho está usando um a camisa azul. Estou com
um a dor no ombro. Você pode pegar o ingresso no guichê número dois. O prim eiro é
um relato verbal simples, evocado especialm ente pela cam isa'ázul. O segundo é
diferente em um aspecto: ele talvez esteja sendo parcialm ente controlado por um
estím ulo discriminativo privado (dor no om bro). O estím ulo discriminativo para o
terceiro é mais complexo, porque depende de um a história de eventos: eu te r ido
ao guichê núm ero dois e ter obtido o ingresso. Dizemos que ele “indica” ou “tacta”
(como verbo) um a relação de reforço: ir até o guichê núm ero dois é reforçado pela
obtenção do ingresso. Visto sob esse prisma, o terceiro tacto é um exem plo de
regra, im portante conceito que retom arem os no Capítulo 8.
Definições de dicionário
Se palavras e verbalizações não podem ser entendidas a partir de um “significado”
inerente, porque então nos preocuparm os com as definições que aparecem nos
dicionários? Reformulemos essa questão. Em que as definições dos dicionários nos
ajudam ? Quando m e d eparo com um a palavra desconhecida e consulto o dicioná­
rio, não é o significado d a palavra que aprendo; o que obtenho é um resum o de
com o a palavra é usada, geralm ente acom panhado de um ou mais exemplos e de
alguns sinônimos (palavras diferentes que podem ocorrer em circunstâncias sem e-
‘N. de T. Tact em inglês, termo inventado por Skinner com o objetivo explícito de sugerir que
o comportamento “faz contato” com o mundo físico (1957, p. 81).
Compreender o behaviorismo
157
lhantes ou te r efeitos sem elhantes) e antônim os (palavras diferentes que ocorrem
em circunstâncias opostas ou que têm efeitos opostos). Tudo isso ajuda a g uiar meu
com portam ento com o leitor, ouvinte, falante e escritor.
Os dicionários não contêm significados. São um exemplo da form a comum
pela qual aprendem os como usar palavras, por ouvMas e vê-las em uso. Como você
aprendeu a falar pular, correr, conversar, carro e bebê? A maioria das palavras que
utilizamos, nunca as procuram os no dicionário, nem ninguém nunca as definiu
para nós. Se não fosse assim, os dicionários seriam inúteis, porque eles explicam
como se usa u m a palavra em term os de outras palavras que, supõe-se, já são conhe­
cidas. Q uando eu tin h a 13 anos e cogitava sobre a palavra fornicação, o dicionário
relacionou-a a term os que (pensei) era capaz de compreender.
Termos fécnkos
0 que é verdadeiro acerca de term os cotidianos que você procura no dicionário é
duplam ente verdadeiro no que diz respeito a termos técnicos inventados por cien­
tistas e outros profissionais. Um term o é sempre definido em termos de outros. Às
vezes, um conjunto de termos inter-relacionados são igualmente conhecidos (ou
desconhecidos), m as, ainda assim, são todos definidos em termos um do outro.
Considere os term os traço, gene e herdar. Nenhum deles pode ser definido sem que
se usem os outros dois. O mesmo acontece com os termos da análise comportamental:
reforço, operante, estimulo discriminativo. O que é com portam ento operante?. É o
com portam ento que é mais provável n a presença de um estímulo discriminativo
devido a um a história de reforço em sua presença.
Essa interdependência das definições só é problema se insistirmos em que
cada term o deve te r um significado à parte, adequado ao arm azenam ento em um
léxico fantasm agórico. Não representa um problem a real para os cientistas; é sim­
plesm ente um a característica dos vocabulários científicos. Interdependência dos
term os significa apenas que eles tendem a ser empregados conjuntam ente.
GRAMÁTICA £ SINTAXE
Lingüistas e psicólogos cognitivistas interessados na linguagem tendem a centrar
sua atenção n a gram ática, conjunto de regras que governam a junção de palavras
de m aneira a form ar sentenças. Vimos cham ando essa ordem (sintaxe) de estrutu­
ra do com portam ento verbal. Embora não exista obrigatoriamente um conflito en­
tre o interesse do analista com portam ental pela função e o interesse do linguista
pela estrutura, N oam Chomsky (1959), influente lingüista, escreveu uma resenha
do livro de Skinner, Verbal behavior, que, de tão ácida, desencorajou m uita gente a
explorar a abordagem analítico-com portam ental. Essa situação começou a m udar
recentem ente, quan d o alguns lingüistas começaram a mostrar interesse por uma
abordagem funcional (por exemplo, Andresen, 1991). Mas ainda perm anece a ques­
tão: como o analista com portam ental lida com a sintaxe?
Regras como descrições
Toda língua tem suas regularidades. Em inglês (como no português), a o rdem mais
com um de um a sentença é sujeito-verbo-objeto. Na sentença “Kátia beijou Rubens”,
não fosse peia ordem norm al das palavras, não ficaria claro quem beijou quem . No
lugar do sujeito e do objeto ocorrem m uitas variações. Em “O livro sobre a mesa
atraiu o olhar de Kátia”*um a locução nom inal contendo um a preposição funcionou
com o sujeito, e um a locução nom inal contendo um a locução adjetiva serviu de
objeto. A estrutura global da sentença pode ser vista como um a regularidade de
ordem superior, enqu an to a estrutura das frases com ponentes são regularidades de
ordem inferior. Regularidades do tipo -ão p ara o aum entativo, -s p ara o plural, e -va
para o passado seriam ainda de ordem m ais baixa.
O papel do gram ático é inventar regras capazes de gerar todas as sentenças
consideradas corretas pelos que falam a língua. Uma gram ática, um conjunto de
regras desse tipo, ofereceria um a descrição concisa de grande parte do inglês (ou
do português) falado. Há um debate en tre os gramáticos sobre a m elhor form a de
abordar a gram ática. Não existe um a gram ática única do inglês (nem do português);
o que há são várias candidatas, cada qual com suas próprias vantagens e desvanta­
gens. Chomsky inventou um a abordagem particularm ente genérica, conhecida como
gramática transformacional, que pode ser aplicada a quase todas as línguas. Come­
ça com um pad rão básico como sujeito-verbo-objeto, e depois arrola todas as re­
gras pelas quais esse padrão pode ser transform ado em ,sentenças aceitáveis. Por
exemplo, a transform ação em voz passiva envolveria o intercâm bio entre sujeito e
objeto, e a inserção da form a correta do verbo ser e da palavra por. Aí então, "Kátia
beijou Rubens" se torna “Rubens foi beijado por Kátia”.
A elaboração de gram áticas possíveis do inglês (ou do português) é um inte­
ressante desafio intelectual, e a criação de um a gram ática poderia ser útil no ensi­
no de inglês (òu português) p ara adultos. Independente de ser interessante ou útil, .
porém, a gram ática inglesa (ou p o rtuguesa) continua sendo tão-som ente um a des­
crição das regularidades da língua inglesa (ou portuguesa).
Tendo catalogado um conjunto de regras aparentem ente completo para a lín- "J ■■
gua inglesa, Chomsky concebeu serem essas regras inatas - em butidas em algum
lugar dentro da pessoa, isso, naturalm ente, é m entalismo: tendo observado regula­
ridades no com portam ento, o m entalista inventa regras em algum lugar dentro do
organismo. De onde vêm as regularidades, a gente continua sem saber. A idéia de
Skinner sobre o com portam ento verbal abriu a possibilidade de que a sintaxe de
uma língua fosse parcial ou in teiram ente aprendida.
Competência e desempenho
Dado que tratam apenas do p o rtuguês (por exemplo) correto, os gram áticos percó' [:
bem, quando se voltam para o português efetivam ente falado, um a dissonância |
pouco confortável entre o ideal e o real. Sua única resposta aos “erros” do discu rs0 ^
Compreender o behaviorismo
155
real é corrigi-los. Não têm nenhum meio de explicá-los, porque um a gram ática não
é em nenhum sentido, um a teoria do com portam ento. As regras gramaticais são
norm as, m ostrando como os falantes se com portam em geral e como, aos olhos da
s o c ie d a d e , eles devem se comportar.
Gramáticos como Chomsky percebem de forma distorcida a natureza da gra­
mática porque caem na arm adilha m entalista de supor que as regras devem existir
sob algum a forma, em algum lugar, dentro de falantes e ouvintes. O equívoco se
parece àquele possível de ser feito com um termo como “espírito de equipe”, discu­
tido no Capítulo 3, e provém da forma como as pessoas falam. Dizemos que o time
mostra espírito de equipe e que seguimos as regras da gramática. Ambas as asserções
levara a equívocos, visto que um a faz parecer que o espírito de equipe é algo sepa­
rado do com portam ento d a equipe, e a outra, que as regras da gramática são algo
separado d a fala e da escrita do indivíduo.
Na suposição de que as regras são separadas do comportamento, os mentalistas
como Chomsky distinguem entre competência (o ideal, as regras) e desempenho (o
verdadeiro falar e escrever). A com petência é o ideal interno fantasmagórico. É o
■que as pessoas supostam ente sabem, mas nem sem pre fazem. A diferença entre
competência e desem penho é o “erro”.
A noção de com petência apresenta os mesmos problemas de outras explica­
ções mentalistas, e se a aplicarm os a outros exemplos, sua inutilidade se tornará
clara. Se dissermos que os planetas seguem órbitas elípticas em torno do Sol, isso
significa que cada p lan eta tem dentro de si um a competência, uma órbita elíptica
ideal? Se a órbita do p lan eta se desviar um pouco de um a elipse perfeita, devemos
chamar isso de “erro”? Eis um exemplo de Skintier: quando um cachorro pega um a
bola jogada para o alto, pode-se dizer que o cachorro, em certo sentido, “seguiu” as
leis da física relativas a corpos em queda livre. Devemos dizer que o cachorro vai
-para o lugar certo n a h o ra certa porque possui as leis da física em algum lugar
: dentro de si próprio? Igualm ente, devemos dizer de um a criança de 4 anos que
fala, geralmente, de form a gramatical, que ela possui as regras da gramática em
algum lugar dentro de si própria?
Gramática e gramáticos
.Qutra forma de pensar sobre competências, em geral, e gramática, em particular, é
^conhecer que elas são descrições idealizadas do desempenho real. Uma idealização
sempre um a simplificação e, em decorrência, é imprecisa. O erro não está no
.esemPenho 3 está n a descrição simplificada, O desempenho é preciso; talvez as
e£ras sejam im precisas.
Os gram áticos criam conjuntos de regras, ou gramáticas. Desde que isso seja
tib pC0^sa interessante e útil a fazer, o com portam ento dos gramáticos será reforçae ri °r mais Pre cisa que seja, entretanto, a gramática não nos diz nada sobre como
escr* ^Ue as Pessoas v^m a dizer o que dizem. Tendo reconhecido que o falar e o
eve}' são form as de com portam ento operante, podemos começar a explicá-los.
160
William M. Baum
Onde estão as regras?
Se as regras da gram ática n ão estão dentro da pessoa que fala, onde estão, então?
Poder-se-ia argum entar que não há necessidade de regras em lugar nenhum , mas
nossa discussão do com portam ento dos cientistas no Capítulo 6 leva a u m a idéia
diferente. Em vez disso, podem os dizer que as regras estão no com portam ento
verbal do observador ~ o cientista ou o gramático. O gramático, como o cientista,
tendo feito observações, tra ta de resum i-las em form a concisa. Em outras palavras,
o gram ático verbaliza um conjunto de regras. Se atentam os para essas regras e as
seguimos quando são d itadas por um professor de português, é porque som os trei­
nados a ouvir e obedecer. Sobre esses assuntos nós nos aprofundaremos no próxi­
m o capítulo.
RESUMO
Comportamento verbal é com portam ento operante que exige a presença de um
ouvinte p ara ser reforçado. Falante e ouvinte têm de pertencer à m esma com unida­
de verbal - devem ser capazes de se revezar nesses papéis. Com portam ento verbal
é um exemplo de nosso term o cotidiano comunicação, que é uma situação em que
o com portam ento de u m organism o cria estímulos que modificam o com portam en­
to de outro. Como o u tro s com portam entos operantes, o com portam ento verbal é
explicado por suas conseqüências e seu contexto. Suas conseqüências são resultado
das ações do ouvinte, que é a p arte principal do contexto. Gerson pede o sal para
Sílvia porque verbalizações desse tipo foram reforçadas por ouvintes com o Sílvia
na história de reforço de Gerson. O com portam ento verbal parece com eçar n a imi­
tação, e depois é m odelado por conseqüências com o receber doces ou atenção dos
pais. Exceto pelo p ap el do ouvinte e da com unidade verbal, o com portam ento ver­
bal é exatam ente com o outros com portam entos operantes. De acordo com a defini­
ção, gestos e linguagem d e sinais, em bora não-vocais, seriam considerados com­
portam ento verbal, e com portam entos não-operantes, embora vocais, n ão seriam.
Embora exemplos específicos possam ser ambíguos, eles não têm m uita im portân­
cia, porque o objetivo dos behavioristas é expor a semelhança do "usar a lingua­
gem” com outros com portam entos operantes, e não separá-los. Em contraste com o
comportam ento verbal, a linguagem é um a abstração. A idéia de que a linguagem
é usada como um instru m en to é um exemplo de mentalismo.
Como outras atividades operantes, as atividades verbais são unidades fu n cio ­
nais. A mesma atividade verbal contém muitas verbalizações, cada u m a das quais e
estruturalm ente única. Todas as verbalizações que pertencem à m esm a a tiv id a d e
verbal, a ela pertencem , em parte, porque cada um a delas tem o m esm o efeuo
sobre o ouvinte. Nesse sentido, todas as formas estruturalm ente diferentes de pedtf
sal ou de advertir sobre um perigo seriam exemplos de uma atividade v e rb a l "
“pedir sal” ou “avisar d e perigos”. Como outras atividades operantes, as a t i v i d a d e s
verbais estão sujeitas a controle de estímulo; tornam -se mais prováveis em deter;
m inados contextos. Tal como no caso de outras atividades operantes, a segunda
p arte da definição de um a atividade verbal, além de seus efeitos, é o contexto
Compreender o behoviorismo
16?
que ela ocorre. Verbalizações estruturalm ente semelhantes podem pertencer a ati­
vidades verbais diferentes, dependendo do contexto. A variação no contexto pode
m odular as variações estruturais da atividade que provavelmente ocorrerão.
Alguns pensadores sugerem que o uso da linguagem difere de outros tipos de
com portam ento porque é geradvo, pode referir-se a si mesmo, e pode referir-se ao
futuro. A natu reza gerativa da fala repousa sobre a regularidade estrutural e sobre
a freqüente originalidade das verbalizações. Visto que são com partilhadas por to­
dos os outros com portam entos operantes, essas propriedades não colocam a lin­
guagem em um a categoria à parte. Também não a coloca à parte o fato de poder se
referir a si própria, pois isso apenas significa que um a ação verbal pode produzir
um estím ulo discriminativo para ou tra. Da mesma forma, o com portam ento verbal
não-operante pode tam bém fornecer estím ulos discriminativos, assim como pode
ser por eles controlado. A evidente capacidade que tem a fala de se referir ao futuro
se assem elha à capacidade de outros estím ulos discriminativos afetarem o compor­
tamento após terem ocorrido depois de um lapso de tempo. Não há nada de especiai sobre a questão, e é possível entendê-la sem recorrer ao mentalismo.
Como outros com portam entos operantes, as atividades verbais tendem a ocor.;rer em determ inados contextos; estão sujeitas a controle de estímulo. Se algum
-significado ex iste no “sign ificad o ” de um a ação verbal (p o r exem plo, uma
verbalização ou um gesto), ele consiste nas condições sob as quais é provável que
: essa ação ocorra: o contexto e o reforço nesse contexto. Ao com preender as ações
.verbais à luz de seu uso, percebem os que algumas são diretivas (chamadas man­
dos) e dependem mais do reforço específico do que do contexto, enquanto outras
são inform ativas (cham adas tactos) e dependem mais do contexto específico do
que do reforço.
-;
A gram ática recebe a atenção de lingüistas e de psicólogos por descrever re■gularidades de estrutura. Uma gram ática é um conjunto de regras que podem gerar
.todas as sentenças consideradas corretas pelos falantes da língua. A gramática des­
creve a estru tu ra desse subconjunto de comportamento verbal, mas não diz nada
.sobre o com portam ento verbal que contraria as regras da gramática., ou sobre fun­
ção. Alguns estudiosos caem na arm adilha m entalista de im aginar que as regras
gramaticais residem dentro da pessoa. As regras residem, porém, no comporta­
mento verbal daqueles que as enunciam .
uituras a d icio n ais
8e/ reSen> (1991). Skinner and Chomsky 30 years later on: lhe return of the repressed.
: icivior Analyst, 14, 49-60. Um lingüista analisa o crescente apreço de lingüistas pelo Comamento verbal de Skinner, e sua migração em direção oposta ao mentalismo de Chomsky.
R
A
l,..-.------
--------
u.
acionai, a grande contribuição de Chomsky para a lingüística.
u _______ „ j
i t „ : _______
162
William M. Baum
Chomsky, N. (1959). Verbal behavior by B. F. Skinner. Language, 35, 26-58. A resenha mes­
quinha e sem compreensão de Chomsky sobre o livro de Skinner, reproduzida em vários
livros.
Conger, R. e Killeen, R. (1974). Use of concurrent operants in small group research: a
demonstration. Pacific Sociological Review, 17, 399-415. Relato do experimento descrito nes­
te capítulo.
Day, W. F. (1969). On certain similarities between the Philosophical investigations of Ludwig
Wittgenstein and the operationism of B. F. Skinner. Journal of the Experimental Analysis of
Behavior, 12, 489-506. Day foi um dos primeiros a reconhecer afinidades entre as idéias de
Skinner e Wittgenstein.
Hart, B. e Risley, T. R. (1995), Meaningful differences in the experience o f young American
children. Baltimore: Paul H. Brooks Publishing. Esse livro relata um estudo longitudinal da
aquisição de comportamento verbal por crianças,
Laudan, L. (1984). Science and values: the aims of science and their roles in scientific debate.
Berkeley: University of California Press. Para saber mais sobre o contextualismo, consulte
esse livro.
MacCorquodale, K. (1970). On Chomsky’s review of Skinner’s Verbal behavior. Journal o f the
Experimental Analysis of Behavior, 13,83-99. Primeira resposta de um analista comportamental
à resenha de Chomsky do livro de Skinner.
Moerk, E. L. (1983). The. mother of Eve - as a first language teacher. Norwood (NJ): Ablex.
Um reexame dos dados de Roger Brown sobre aquisição de linguagem, no qual Moerk en­
contra abundantes demonstrações em defesa da idéia de Skinner de que o comportamento
verbal é adquirido de maneira semelhante a outros comportamentos operantes.
Purdom, C. (1971). The god man. North Myrtle Beach (SC): Sheriar Press, Essa biografia
contém informação sobre a vida e os ensinamentos de Meher Baba, o grande mestre espiri­
tual indiano.
Skinner, B. F. (1945). The operational analysis of psychological terms. Psychological Review,
52, 270-277, 291-294. Reproduzido em Cumulative record (Nova York: Appleton-CenturyCrofts, 1961, p. 272-286). Contém uma discussão sobre significado e definição.
Skinner, B. F. (1957). Verbal behavior. Nova York: Appleton-Century-Crofts. Essa obra clássi­
ca é o fundamento deste capítulo.*
Snow, C, E, (1977). The development of conversation between mothers and babies. Journal
of Child Language, 4, 1-22. Esse artigo traz alguns dados sobre o curso da alternação de
papéis entre mães e filhos até 18 meses de idade.
Wittgenstein, L. (1958). Philosophical investigations. Nova York: Macmillan, 2ã ed. Traduzi­
do por G. E. M. Anscombe. A discussão sobre significado como uso feita neste capítulo se
fundamenta parcialmente nesse livro, no qual se pode ver que o pensamento de Wittgenstein
coincide em grande parte com o de Skinner (ver especialmente as páginas 1-21).*
'N. de T. Título traduzido em português (ver ‘Apêndice”).
Compreender o behaviorismo
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPÍTULO 7
Ação verbal
Falante e ouvinte
Gramática
Léxico
Competência e desempenho
Comportamento verbal
Comunicação
Mando e tacto
Comunidade verba!
Metáfrase
Definição de dicionário
Regra como descrição
Episódio verbal
Teoria de referência
8
Comportamento controlado
por regras e pensamento
T o d a cultura tem suas regras. A criança que cresce em uma determinada cultura
pode aprender a obedecer a algum as de suas regras sem que seja explicitamente
instruída a fazê-lo. Eu não consigo lem brar de ninguém jamais ter me dito que eu
devia vestir roupas p a ra sair em público. Embora não consiga me lembrar, alguém
deve tê-lo dito; provavelm ente, a maioria das regras é ensinada explicitamente.
A prender regras de um falante (ou professor) requer exercer o papel de ou­
vinte, A m aior p arte das crianças primeiro aprende, por intermédio de seus pais, a
fazer o papel de ouvinte — a discrim inar com base no comportamento verbal do
falante. Mais tarde, essa eficácia dos estímulos discriminativos verbais se generali­
za p a ra outras pessoas: professores, treinadores, patrões, etc. Não fosse por essa
capacidade, nunca nos tom aríam os aculturados (Simon, 1990). Este capítulo trata
da m aneira como os analistas com portam entais compreendem o ensino e o segui­
m ento de regras.
0 QUE É COMPORTAMENTO CONTROUDO POR REGRAS?
Dizer que um com portamento é “controlado” por uma regra é dizer que está sob con­
trole do estímulo regra, e que a regra é um certo tipo de estímulo discriminativo - um
estímulo discriminativo verbal. Quando meu pai me dizia, Você tem de estar em casa
até as 6 horas para jantar, essa era uma regra que controlava meu comportamento
porque as conseqüências de chegar atrasado eram bem desagradáveis. A regra pode
ser tanto escrita quanto falada. Uma placa de “Não Fume” dentro de um elevador é
um estímulo discriminativo verbal, e a pessoa que afixou a placa é o falante porque
parte do reforço por afixar a placa é o efeito sobre os que a lêem (ouvintes).
166
William M. Baum
Comportamento controlado por regras versus
comportamento modelado implicitamente
Apenas os com portam entos que podem ser descritos por regras podem ser cham a­
dos de controlados por regras no sentido ora empregado. Um pom bo treinado a
escolher de acordo com o m odelo (Capítulo 6) bica um disco ilum inado que con­
tém o estímulo correspondente ao modelo. Poder-se-ia afirm ar que ele está seguin­
do um a regra, m as a “reg ra” é apenas um a síntese verbal, um a pequena descrição,
de seu desem penho. A inda se discute se o com portam ento de um anim al não-hum ano pode ser cham ado de controlado por regras; no entanto, o com portam ento
do pom bo não se caracteriza como controlado por regras porque não há n enhum
estím ulo discriminativo verbal envolvido. No Capítulo 7, dissemos algo sem elhante
em relação às regras gram aticais; na medida em que a fala de um a criança de 4
anos de idade é gram atical, ela “segue regras”, mas com o a criança de 4 anos não
pode descrever as regras e nenhum a outra pessoa as descreve para ela, no sentido
aqui em pregado, seu com portam ento verbal não pode ser cham ado de controlado
por regras.
Embora as pessoas se sintam propensas a dizer que um a pessoa ou um anim al
está seguindo u m a regra sem pre que percebem aigum tipo de regularidade no
com portam ento, nós aqui usam os o term o para designar algo mais específico do
que apenas um a discrim inação complexa. Nós nos concentram os nas discrim ina­
ções que envolvem enunciados verbais de regras, tal como as regras de u m jogo,
porque historicam ente a capacidade que as pessoas têm de responder ao com por­
tam ento verbal do outro era considerada evidência a favor do m entalism o. Os
behaviorístas sustentam a possibilidade de um a explicação científica e ten tam m os­
tra r que o seguim ento de regras pode ser explicado por conceitos da análise
com portam ental (reforço e controle de estímulo).
Para ajudar a com preender o com portam ento controlado por regras, eu o
distingo do com portam ento m odelado implicitamente (às vezes cham ado de com ­
portam ento “m odelado por contingências”), que pode ser atribuído exclusivam en­
te a relações de reforço e punição não-verbalizadas. Todo com portam ento operante
- inclusive o controlado por regras - é modelado por reforço e punição. A expres­
são modelado im plicitam ente, neste contexto, se refere ao com portam ento que é
m odelado diretam ente por conseqüências relativam ente im ediatas, que não de­
pendem de ouvir ou ler um a regra (como descrito no Capítulo 4). Um incidente,
em um episódio da série televisiva AU in the Family, ilustra esse ponto: Archie Bunker
discute com seu genro, Mike, sobre o m étodo correto de vestir as m eias e os sapa­
tos. Mike coloca um a m eia e um sapato em um pé e depois a outra m eia e o outro
sapato no outro pé. Archie coloca as duas meias e depois os sapatos. Provavelm en­
te, nenhum dos dois foi, algum dia, instruído a colocar m eias e sapatos do m odo
como o fazem; o com portam ento de cada um deles foi m odelado im plicitam ente.
O com portam ento controlado por regras depende do com portam ento verbal
de outra pessoa (o falante), enquanto o com portamento m odelado im plicitam ente
não requer outra pessoa, requer som ente interação com reforço não-social. A d ife­
Compreender o behoviorismo
167
rença entre Mike e Archie pode te r surgido por acaso; a m aneira de colocar meias
e sapatos de cada um foi reforçada por perm itir executar, em cadeia, a atividade
seguinte (Capítulo 4). O com portam ento controlado por regras é comentado, diri­
gido, instruído (sob controle de estím ulos discriminativos verbais), enquanto o com­
portam ento m odelado im plicitam ente surge sem instrução, e freqüentem ente não
se consegue falar sobre ele. Pergunte a alguém como agarra um a bola, pergunte a
alguém que acabou de contar um a p iada como planejou contá-la de forma tão
engraçada, ou p ergunte a alguém m ontado em uma bicicleta como ele consegue
perm anecer na posição vertical; norm alm ente, a única resposta que você vai obter
é “Não sei, só sei fazer”. A pessoa pode dem onstrar o ato, mas não falar sobre ele,
o que é um sinal seguro de que o com portam ento é m odelado implicitamente.
É difícil pensar em exem plos puros de comportamento modelado implicita­
m ente porque m uito de nosso com portam ento começa com instruções e passa a ser
modelado im plicitam ente quando se aproxim a de sua forma final. Explica-se para
ginastas iniciantes, antes de fazer um a acrobacia, que devem, primeiro, colocar as
mãos e os pés cuidadosam ente de acordo com as instruções, executar uma primei­
ra tentativa rudim entar, e depois praticar, praticar, praticar. Enquanto pratica, rela­
ções não-verbalizadas en tre o m ovim ento do corpo e a forma correta modelam o
com portam ento até que a form a esteja correta. Muitas de nossas habilidades se
conformam a esse padrão: escrever, dirigir, boas maneiras, tocar um instrumento
musical, e assim por diante. A prim eira aproximação grosseira é controlada por
regras, mas o produto final é m odelado implicitamente.
Nos term os do Capítulo 6, o com portam ento modelado implicitamente coin­
cide com conhecim ento operacional - saber “como”. Uma vez m odelado o compor­
tam ento, sabemos com o nos equilibrar sobre uma bicicleta, m esm o que não possa­
mos explicá-lo. Se for possível falar sobre o comportamento e suas conseqüências,
temos um tipo de conhecim ento declarativo - saber “sobre”. Rita sabe sobre o jogo
de xadrez se for capaz de explicar suas regras. Prescrever regras quase sempre
com preende saber sobre.
N aturalm ente, com freqüência sabem os “como” fazer algo e também sabemos
“sobre” isso, Podemos ap ren d er a falar sobre o comportamento modelado implici­
tam ente antes ou depois que ele seja modelado. Podemos aprender todas as regras
de um jogo antes de jogá-lo; depois de ficarmos peritos nele, podemos aprender a
falar em estratégias p a ra ensinar outras pessoas. O episódio entre Archie e Mike
ilustra tam bém quão rapid am en te criamos e justificamos regras. Archie interrompe
Mike e lhe diz que ele deveria vestir as duas meias antes de colocar um sapato.
Mike se opõe. Archie diz: “E se houver um incêndio? Se precisar sair correndo pela
rua, pelo menos você não estará totalm ente descalço”. Mike responde que ele teria
colocado ao m enos um sapato e que poderia saltar em um pé só. A criação de
regras é parte de nossa condição de falantes. Discutimos esse ponto implicitamente
no Capítulo 7, e vam os reto rn ar a ele nos Capítulos 12 e 13, quando discutirmos
valores e cultura. Por ora, estam os preocupados com a justificativa das regras, por­
que justificar é com portam ento verbal acerca de reforço e punição (pelo menos você
não estará totalmente descalço).
168
William M. Baum
Regras: ordens, instruções e conselhos
Skinner (1953, 1969) definiu regra como o estímulo discriminativo verbal quê in ­
dica um a relação de reforço (Skinner utilizou a palavra ‘'contingência”, que m uitas
vezes im plica a contigüidade entre um a resposta e um reforçador; em vez disso,
usarem os o termo m ais genérico “relação de reforço” para evitar essa conotação).
Q uando um grupo de pessoas está jogando, elas freqüentem ente produzem esses
estím ulos com verbalizações do tipo Se a bola tocar a linha, éfo ra ou Uma quadra
ganha de uma trinca. Verbalizações como essas são reforçadas pelo com portam ento
dos ouvintes (que concordam que a bola foi “fora” e aceitam a superioridade de
um a q uadra sobre um a trinca). Como essas regras “indicam ” relações?
Q uando se fala de com portam ento operante, como estam os fazendo agora,
um a “relação de reforço” significa um a relação entre atividade e conseqüências.
P lantar sem entes resulta em colheita - isso é um a relação de reforço. Vimos no
Capítulo 4 que toda relação de reforço pode ser sintetizada por um a sentença n a
forma: “Se essa ação ocorrer, então essa conseqüência tornar-se-á mais (ou m enos)
provável”. Se você planta sem entes, então a colheita se torna mais provável. Se
você carrega um guarda-chuva, fica menos sujeito a se m olhar se chover.
Dizer que o com portam ento verbal de form ular um a regra “indica” a relação
é dizer que a verbalização está sob controle de estím ulo pela relação ou que a
relação determ ina o contexto p ara enunciar a regra. Nos term os do Capítulo 7,
poderíam os muito bem afirm ar que a regra indica a relação. A afirmação, Se você
virar a esquina, você chegará ao banco, reflete á experiência do falante - virar à
esquerda na esquina torn o u a chegada ao banco mais provável - um estím ulo
discriminativo complexo ou contexto. Igualmente, se estam os jogando tênis e eu
digo a você que a bola é fora se cruzar a linha, minha verbalização está sob controle
de m inha experiência de te r rebatido bolas que cruzaram a linha e que foram cha­
m adas de “fora”. A relação indicada é; se a bola é rebatida de tal forma que cruze a
linha (ação), então a punição de perder o ponto torna-se mais provável. Eu dificil­
m ente formularia a regra exatam ente desta forma, mas essa é um a síntese precisa
de m inha experiência e o contexto para minha enunciação d a regra.
Um exemplo, de um experim ento de laboratório, pode ajudar a esclarecer o
uso que os behavioristas fazem do term o regra . M ark Galizio (1979) rem unerou
estudantes universitários p a ra trabalharem em um experim ento que podia d u rar
até 75 sessões de 50 m inutos cada. O equipam ento em que eles trabalharam está
ilustrado na Figura 8.1. Os estudantes foram informados de que podiam ganhar até
2 dólares por sessão, que eventualm ente ocorreria um a perda de 5 centavos, sina­
lizada pelo piscar de um a luz verm elha com a palavra “p erda” acom panhado por
um tom sonoro, e que essas perdas poderiam ser evitadas girando-se um botão em
45 graus (o que faria piscar a luz azul de “inform ação”). Nos períodos em que
estivessem program adas perdas, ocorreria uma perda a cada 10 segundos, a m enos
que a alavanca fosse acionada pelo m enos uma vez. Cada sessão experim ental era
dividida em quatro períodos de 12,5 minutos e seguiu o seguinte plano: em um
período, cada acionam ento do botão adiava a perda por 10 segundos; em um se­
gundo período, cada acionam ento adiava a perda por 30 segundos; em um terceiro
período, cada acionam ento adiava a perda por 60 segundos; em um quarto perío-
Compreender o behaviorismo
169
do, nenhum a perda estava program ada. No período de 10 segundos de adiamento,
as perdas podiam ser evitadas se ocorresse um acionamento da alavanca pelo me­
nos a cada 10 segundos; nos períodos de 30 e 60 segundos de adiam ento, os
acionam entos deveriam ocorrer pelo m enos a cada 30 e 60 segundos. O período
sem perda não exigia que o botão fosse acionado. Os quatro períodos eram apre­
sentados em seqüência aleatória. Cada u m deles era sinalizado por um a das quatro
iâm padas am arelas m ostradas n a Figura 8.1.
Na prim eira fase do experim ento, não se fornecia nenhum a informação adicio­
nal, e apenas um em q uatro estudantes m ostrou taxas apropriadas de acionamento
da alavanca nos quatro períodos: m ais alta no período de 10 segundos, mais baixa
no período de 30 segundos, ainda m ais baixa no de 60 segundos, e perto de zero no
período em que não havia perda. Os outros três estudantes giravam a alavanca
aproxim adam ente na m esm a freqüência em todos os quatros períodos. Na segunda
fase, foram introduzidas instruções (isto é, regras) em forma de rótulos acima das
quatro lâm padas am arelas, com o m ostrado na Figura 8.1. O rótulo 10 SEG signifi­
cava “gire a alavanca pelo m enos a cada 10 segundos”, e os rótulos 30 SEG e 60 SEG
significavam “gire a cada 30 segundos” e "gire a cada 60 segundos”. O rótulo SEM
PERDA significava “não gire a alavanca”. Dois outros estudantes começaram o ex­
perim ento nessa fase. Em três sessões, todos os seis estudantes apresentaram a
taxa apropriada de acionam ento d a alavanca em todos os quatro períodos. O
acionam ento da alavanca pelos seis estudantes estava, agora, sendo controlado
pelos rótulos. Em term os técnicos, todos os seis estudantes apresentaram discrimi­
nações em relação aos estím ulos discriminativos verbais.
Sem perda
O...
lOsegundosj 60 segundosj
Q
j 30 segundosj
O
..-O
O
uz vermelha - perda)
luzes amarelos)
^ o
(luz azul - informação)
(alavanca)
Figura 8.1 Equipamento usado no experimento de Gaüzto. Cada estudante sentava-se em
frente ao painel mostrado acima. Girar o botão de borracha em 45 graus evitava a perda
de dinheiro. Cada acionamento da alavanca produzia o piscar da luz azuf. As perdas eram
sinalizadas pelo piscar da luz vermelha acompanhado por um tom sonoro. Cada luz ama­
rela sinalizava um esquema diferente de esquiva da perda. Os rótulos, que às vezes ser­
viam como instruções (regras), estão mostrados nos retângulos.
170
William M, Boum
Na terceira fase, os rótulos foram retirados- As luzes am arelas foram em bara­
lhadas em relação aos quatro períodos, de forma que os estu d an tes tinham de
rearran jar suas taxas de acionam ento da alavanca. Dois dos seis estudantes volta­
ram a girá-la em torno d a m esm a taxa em todos os quatro períodos. Enquanto os
outros q u atro haviam discrim inado com base nas diferentes luzes amarelas como
estím ulos discriminativos, esses dois estudantes haviam discrim inado apenas com
base nos estím ulos discrim inativos verbais. Seu com portam ento estava estritam en­
te controlado por regras.
No experim ento de Galizio, ele próprio era o falante e os estudantes eram os
ouvintes. Dar os rótulos era com portam ento verbal, porque era reforçado por m u ­
danças no com portam ento do ouvinte. (Não houvesse efeitos, Galizio não teria
sobre o que escrever e n ão poderia te r publicado o artigo.) Q uando o com porta­
m ento dos estudantes ficou sob controle dos estímulos discrim inativos verbais, es­
tava sendo controlado por regras.
As m udanças de com portam ento que foram controladas p o r regras, e n treta n ­
to, foram exatam ente as m esm as m udanças controladas pelas luzes. O estím ulo
discrim inativo verbal controla o com portam ento da m esm a form a que o estím ulo
discrim inativo não-verbal. A diferença está na origem do controle. Os estím ulos
discrim inativos verbais dependem de um a longa e poderosa história de seguir re­
gras que com eça logo após o nascim ento. Não deve surpreender que, no experi­
m ento de Galizio, todos os estudantes tenham respondido apropriadam ente q u an ­
do as regras foram introduzidas; É notável, no entanto, que alguns deles tenham
respondido adequadam ente som ente às regras.
O experim ento de Galizio ilustra, também, que o contato com a relação que
produz a regra não precisa ser direto. Galizio nunca precisou g irar a alavanca para
dizer que, para evitar perdas, era necessário operar a alavanca no mínimo a cada
10 segundos. Poderia te r dito isso baseando-se nos estím ulos gerados quando da
program ação do equipam ento e de sua operação pelos estudantes. Da m esm a for­
ma, não preciso te r jogado tênis algum a vez na vida para ser capaz de dizer que a
bola é fora quando cruza a linha; basta que eu tenha visto o utras pessoas jogando.
O estím ulo discrim inativo ou contexto ainda é a relação, só que agora envolve as
ações e conseqüências de outras pessoas.
Existe um a exceção im portante: às vezes, o falante n ão teve nenhum contato
com a relação, sequer um contato indireto, mas está repetindo o que outra pessoa
disse. F reqüentem ente precedem os essas verbalizações com expressões como “Ouvi
dizer” ou “Dizem que” (“Ouvi dizer que você consegue um bom preço na loja da
esquina”). Essa exceção confirm a nossa regra geral, porque m esm o que eu esteja
apenas repetindo o que ou tra pessoa disse, o estímulo discrim inativo para o com ­
po rtam en to do falante foi o contato com a relação. Em últim a análise, o estím ulo
discriminativo p ara qualquer verbalização que possamos reconhecer como regra é
um a relação de reforço.
O u so cotidiano da palavra regra é mais limitado do que o significado técnico
em pregado pelos analistas eom portam entais. As regras d o cotidiano encaixam -se
na categoria “estím ulos discrim inativos verbais que indicam um a relação de refor­
ço”, m as essa categoria tam bém inclui estímulos que, norm alm ente, não seriam
cham ados de regras. Por exem plo, falando tecnicam ente, m uitas ordens e ex ig ên ­
Compreender o behoviorismo
171
cias são regras. Q uando um dos pais diz ao filho, “Não brinque perto da pista
porque você pode ser atropelado”, esse estím ulo discriminativo verbal é um a regra
porque o com portam ento verbal do pai ao prescrevê-la está sob controle (indica)
da seguinte relação: “se u m a criança brinca perto da pista, então é mais provável
que seja atropelada”.
Diremos que u m a reg ra “indica um a relação” como um a abreviação para “o
com portam ento verbal de enunciar a regra está sob controle de estímulo da rela­
ção”. Quando dizem às crianças, “Diga n ão às drogas”, essa regra indica a relação
“se você disser n ão às drogas, então é m ais provável que as conseqüências prejudi­
ciais de usá-las sejam evitadas”. Freqüentem ente, como nesse exemplo, a regra
indica a relação de fo rm a implícita porque o contexto a torna óbvia. Mesmo as
repetidas ordens do sarg en to - “Sentido”, “Descansar”, “Esquerda, volver”, e assim
por diante - podem ser vistas como regras, porque pode-se dizer que elas indicam
a (pode-se dizer que são ocasionadas pela) relação de reforço: se um soldado obe­
dece ao sargento ráp id a e corretam ente, então é provável que enfrente bem uma
batalha.
Todas as in struções são regras. Fala-se a um estagiário no escritório: ‘Abra
apenas um arquivo p o r vez; assim você n ão os m istura”. Quando você compra uma
mesa que precisa ser m ontada, as instruções escritas são regras, que indicam impli­
citamente a relação: se você se com portar dessa maneira, então é provável que
venha a usar a m esa. O m esm o se aplica a mapas e diagramas. Se eu desenho um
m apa de como chegar a m inha casa, ele o instrui da mesma forma que se eu lhe
dissesse ú cam inho. D esenhar o m apa é com portam ento verbal, o m apa é uma
regra, e seguir m apas é com portam ento controlado por regras.
O conselho se conform a à definição de regra. “Filho, acho que você deveria se
casar com Isabel; e la se rá u m a boa esposa e você será feliz” é um estímulo
discriminativo verbal q ue indica explicitam ente a relação entre casar-se com mu­
lheres como Isabel e ser feliz. Se o filho geralm ente segue o conselho de seu pai, a
probabilidade de casar-se com Isabel será alta. Pagamos bem pelos conselhos de
corretores, advogados, médicos e outros especialistas porque eles podem indicar
relações (produzir estím ulos discriminativos verbais) que nós não podemos.
Propostas de benefício m útuo às vezes constituem regras, se o benefício para
um a das partes é ad iad o para o futuro. “Se você me der uma mão agora, eu vou
ajudá-lo quando você precisar” indica um a relação entre seu comportamento e um
reforçador provável m as diferido. Como estímulo discriminativo, aum enta as chances
de que você m e dará u m a mão. (Discutiremos esse tipo de comportamento altruís­
ta de form a mais com pleta no Capítulo 12.)
Todos esses exem plos têm em com um duas características. Primeiro, dado
que a regra im plícita ou explicitam ente indica um a relação de reforço, é sempre
possível reform ular a re g ra sob a forma “se essa atividade ocorrer, então tal conse­
qüência se torna provável”. Você pode reconhecer se um estímulo discriminativo
verbal é um a regra form ulando-a explicitamente nessa forma. No Capítulo 6, vimos
que estímulos discrim inativos constituem categorias como “pessoa em um diaposi­
tivo” (o experim ento com os pombos) ou “perguntas sobre a Guerra Civil”, e as
regras não são exceção. Pense em todas as m aneiras como o comportamento verbal
de um paí poderia enu n ciar a regra “Se você vestir um casaco quando sair à rua no
172
William M. Baum
inverno, será m enos provável que fique doente”: “Vista um casaco”, “Você não
esqueceu de n ad a?”, “O que está faltando nessa foto?”, “Hum, h um , ah ã ”, e assim
por diante. Uma regra é um a categoria funcional porque todas essas variações
estruturais são funcionalm ente equivalentes.
Segundo, a regra sem pre indica algo de “maior relevância”. Isto é, a relação
que a regra indica atua sem pre em um prazo relativamente longo, que em geral só
se percebe depois de m uito tem po, u m tem po talvez até m aior do que o tem po de
vida da pessoa. As pessoas são aconselhadas a não fumar devido a u m a associação
entre fu m ar e adoecer que apenas aos poucos foi percebida, ao longo de m uitas
décadas. Os norte-am ericanos tendem a insistir na superioridade d a dem ocracia
devido à experiência com outras alternativas no decorrer de centenas de anos.
Fundam entalm ente, o im portante em um a regra é o fato de fortalecer um com por­
tam ento que só trará com pensações depois de um certo tem po, de acordo com a
mal definida, mas extrem am ente relevante relação de longo prazo, que está indicada.
Nesse sentido, pode-se dizer que a pessoa que formula a regra age em parte “pelo
bem” da pessoa afetada, um a idéia a que retornarem os no Capítulo 12.
Sempre duas relações
O com portam ento controlado por regras sempre envolve duas relações: um a de
longo prazo, a relação últim a - a razão prim eira da regra ~ e o u tra de curto prazo,
a relação de reforço próxima por seguir a regra. Conseqüências postergadas e defi­
nidas im precisam ente tendem a ser ineficientes: raram ente um fum ante larga o
hábito de fum ar depois de ouvir que ele pode causar câncer de pulm ão dentro de
30 anos ou m esm o uepois de u m a experiência de falta de ar. E necessário algo mais
im ediato p a ra fazê-lo largar o hábito. A regra e o reforço próxim o, ambos norm al­
m ente fornecidos pelo falante, fazem com que o ouvinte se em penhe no com porta­
m ento desejado, largando o m au hábito ou adquirindo um hábito bom. Q uando
um a criança segue instruções, o falante - pai, mãe ou professor(a) - fornece refor­
ço em abundância. Mais tarde, n a vida, quando a pessoa é trein ad a para executar
um trabalho ou praticar um esporte, quem a treina fornece reforço por seguir re­
gras n a form a de afirm ações como “Bom”, “Certo” e “E por a í”.
A Figura 8.2 esquem atiza as duas relações de reforço do com portam ento con­
trolado p o r regras - a relação próxim a, na parte superior, e a relação últim a, na
parte inferior. Como foi explicado nos Capítulos 4 e 6, cada relação inclui um con­
texto (estím ulo discrim inativo, ou SD) e um reforçador (SR) p a ra o com portam en­
to. A notação SD: C -> SR indica que o SD aum enta a probabilidade do com porta­
m ento C porque estabelece o contexto no qual C provavelm ente produz (-») refor­
ço. O m ais notável é que am bas relações afetam o mesmo com portam ento: um a o
encoraja, e a o u tra o justifica.
4 relação de reforço próxima
A relação próxima é o m otivo por que o com portamento C é denom inado controla­
do por regras. O estím ulo discrim inativo verbal fornecido pelo falante é a regra. Ele
Compreender o behaviorismo
173
estabelece o contexto no qual C pode gerar reforço próximo, que em geral é forne­
cido por outras pessoas, freqüentem ente o falante. Na Figura 8.2, o reforçador
próximo é a aprovação do falante. Quando o ouvinte acata uma ordem, pedido ou
Relação próxima
*
"Regra"
Relação último
Relação próxima
"Regra"
Relação última
Figura 8.2 As duas relações de reforço do comportamento controlado por regras. Painel
superior: relações representadas por símbolos. Ambas relações conformam-se ao padrão
SD: C - > SR. Na relação próxima, mostrada na parte de cima do painel, o SD, ou regra, é
produzido pelo comportamento verbal do falante, C v, e controla o comportamento deseja­
do do ouvinte, C, devido a sua relação com o reforço próximo, que costuma ser social - isto
é, fornecido por outras pessoas, freqüentemente o falante. A relação última, mostrado na
parte inferior do painel, é a base da relação próxima, porque envolve conseqüências (re­
forço último) que são importantes mas postergadas ou obscuras (simbolizadas pela seta
mais longa). O SD último constitui o contexto natural da relação última, os sinais que con­
trolariam C se a relação último assumisse o controle. Painel inferior; um exemplo'das
relações. O falante (digamos, um dos pais) díz para o ouvinte (criança) usar sapatos quan­
do sair de casa. isso produz um SD próximo auditivo (uma regra), "Use sapatos". Se a
criança calça os sapatos, isso resulta no reforçador próximo de aprovação (ou esquiva de
desaprovação) do pai. A relação última, que é importante, mas obscura paro a criança,
relaciona calçar sapatos com o reforço último da boa saúde e, além disso, da probabilida­
de de sucesso reprodutivo. O SD último, que deveria vir a controlar o usar sapatos, consiste
em condições tais corno pedras pontudas, tempo frio, parasitas (por exemplo, bícho-dopé), e assim por diante.
174
William M. Baum
instrução, o falante fornece aprovação ou reforçadores simbólicos (por exemplo,
dinheiro ou um vale) ou retira um a condição aversiva (um a am eaça). Mesmo um
conselho, em bora seja freqüentem ente considerado neutro, raram ente o é; o pai
que aconselha seu filho a casar com Isabel também dará sua aprovação quando seu
filho o fizer.
A relação próxim a é relativam ente óbvia porque o reforço é relativam ente
freqüente e im ediato, sim bolizado na Figura 8.2 pela seta m enor apontando p ara o
reforço próxim o. Relações d a ra s como essa são especialm ente im portantes quando
o com portam ento está em início de treino. Uma vez adquirido o com portam ento
desejado, o reforço pode ser m enos freqüente e menos im ediato.
relação de reforço última
A relação próxim a existe por causa d a relação última. E m bora atue a longo prazo
(sim bolizado p ela seta m ais longa n a Figura 8.2) e seja definida im precisam ente, a
relação últim a justifica a relação próxim a porque incorpora u m a relação entre com ­
portam ento e conseqüência que é realm ente im portante, independente de quão
trivial ou arbitrária a relação próxim a possa parecer. A relação é im portante porque
se refere à saúde, à sobrevivência e ao bem-estar a longo prazo dos descendentes e
da família.
Em sum a, a relação últim a se refere à aptidão. Por que as pessoas nos Estados
Unidos usam sapatos? Por que não ficam descalças, como tan tas pessoas em vários
países do m undo? Essa prática parece arbitrária apenas enquanto ignoram os sua
relação com a saúde. Deixando de lado a proteção contra o frio, as conseqüências
prováveis de an d ar descalço são m achucados, cortes, infecções e verminoses. Como
outras relações últim as, a relação em si mesma seria ineficiente, porque qualquer
pessoa, em qualquer época, pode não sofrer nenhum tipo de doença por andar
descalço; som ente em m édia e a longo prazo podem os perceber o dano à saúde.
C onseqüentem ente, faz parte de nossa-cultura fabricar e com prar sapatos para
nossas crianças, instruí-las desde pequenas sobre a necessidade de usá-los e proibir
que pessoas entrem descalças em lojas. Se o contexto últim o (Figura 8.2) assum ir o
controle, os sapatos serão usados sempre que perigos tais como frio e doença esti­
verem rondando. E ntretanto, as pessoas que usam sapatos podem ter apenas um a
vaga idéia dessa conexão com saúde, porque basta que elas saibam o que é social­
m ente aceitável (a relação próxim a). Elas só têm de seguir a regra.
Q uando exam inam os as regras à luz das relações últim as com as quais elas
fazem contato, a ligação com a aptidão torna-se em geral evidente, m esm o que as
pessoas, em geral, nunca a reconheçam . Seguimos a reg ra “a caridade com eça em
casa” porque, em últim a análise, é necessário dar prioridade m áxima ao bem -estar
de crianças e p arentes próxim os para garantir o aum ento d a aptidão. O m anda­
m ento “Ame seu próxim o como a si mesmo” pode ser interpretado como um incen­
tivo à cooperação entre m em bros de um grupo, o que beneficia a aptidão de todos
os m em bros. O utras regras, com o “não deixe para am an h ã o que pode fazer hoje”
e “de tostão em tostão se chega ao milhão”, referem-se ao uso eficiente de recursos.
Compreender o behaviorismo
175
Na Figura 8.2, a relação de reforço últim a é m ostrada como tendo seu próprio
contexto (SD últim o) e conseqüência (SR últim o), independentes da relação próxi­
ma. Circunstâncias q u e am eaçam a saúde, tais como objetos cortantes, larvas de
vermes, cobras, escorpiões, fungos e plantas espinhosas, constituem o contexto - o
SDúltim o - p ara u sa r sapatos (C), porque usar sapatos impede ferimentos e doen­
ças que podem ser adquiridos por an d ar descalço. A redução da probabilidade de
ferimentos e doenças e o aum ento da probabilidade de sobreviver e reproduzir
constituem o reforço últim o por usar sapatos. Dizemos às crianças, “sejam boas
com seus prim os”, p o rq u e cooperar (C) com parentes (SD último) aum enta a apti­
dão de genes com uns (SR últim o).
Em sentido am plo, todos os reforçadores últimos, ao afetar a aptidão como o
fazem, se relacionam a quatro grandes categorias de atividades ou resultados:
manutenção da saúde (inclusive sobrevivência), obtenção de recursos, fazer e m anter
relacionam entos com fam iliares e amigos e reprodução (inclusive os relacionam en­
tos com um cônjuge, o u tro s parceiros sexuais, filhos e netos). Coletivamente, isso é
simbolizado na F igura 8.2 pelas letras SRRR. Todas as regras, em especial as regras
características de u m a cultura, dependem em últim a instância de relações entre o
com portam ento e SRRR. Calçamos sapatos para m anter a saúde, trabalham os para
obter recursos, b atem o s papo para m anter relacionamentos com os amigos e a
família, nam oram os p a ra obter sexo e produzir descendência. Em sentido estrito,
todas as outras três categorias poderiam ser reduzidas à quarta: a razão p o r que a
saude e a sobrevivência, os recursos e os relacionam entos são im portantes está em
que todos eles possibilitam , direta ou indiretam ente, a reprodução, o ingrediente
essencial para a evolução. (Discutiremos esse assunto com mais detalhes nos Capí­
tulos 12 e 13.)
As relações com o reforço próximo e último dão ao comportamento verbal do
falante, CV) na F igura 8.2, a dupla função de ordenar e informar. Nos term os do
Capítulo 7, form ular a reg ra (Cv) é um m ando quanto à relação próxima, m as é um
tacto quanto à relação últim a. O reforçador próximo para a enunciação d a regra é
a subordinação do ouvinte (obedecer à ordem, seguir o conselho). Pessoas que
afixam placas de “Proibido Fum ar” geralm ente o fazem para seu próprio conforto,
entre outras razões. Se existir algum reforçador último para a enunciação d a regra,
ele está vinculado aos reforçadores últimos para o seguimento de regras pelo ou­
vinte. O interesse de u m pai na sobrevivência e na reprodução de um filho benefi­
cia o sucesso repro d u tiv o do próprio genitor. Quanto ao comportamento do ouvin­
te, entretanto, a rela ç ã o com o sucesso reprodutivo é de longo prazo e relativam en­
te ineficiente. Assim, a regra enunciada pelo pai talvez seja m antida em primeiro
lugar pela aquiescência do filho.
Embora o experim ento de Galizio (Figura 8.1) pareça simples em com para­
ção com situações d o m undo real, ele tam bém se conforma ao padrão observado
na Figura 8.2. A relação de reforço próxima era a relação entre seguir as instruções
dos rótulos e evitar p erdas. A relação últim a era entre seguir as instruções e receber
quase o máxim o de 2 dólares por sessão. (Evitar esforço excessivo pode tam bém
ter sido um fator.) Os rótulos constituíam as regras e a situação experimental era o
SDúltimo.
A regra e o reforço próximo podem ser temporários- Se o com portam ento ç
for suficientem ente fortalecido, ele en trará em contato com o reforço últim o e será
m antido por ele. As crianças jam ais aprenderiam que usar sapatos é um a coisa boa
se nunca os tivessem usado. Depois que a criança começa a u sar sapatos quase o
tem po todo, as vantagens de usá-los - o reforço último - podem assum ir o controle.
A situação é parecida com dar partida em um carro: o m otor tem de estar a uma
certa velocidade antes que possa girar por si próprio. O reforço próxim o é como o
m otor de arranque: põe o com portam ento para funcionar a um a taxa suficiente
para que o reforço últim o o m antenha em andam ento, No experim ento de Galizio,
alguns estudantes fizeram a transição do reforço próximo para o reforço último
quando dispensaram os rótulos que lhes diziam como responder às diferentes rela­
ções de perda. Digo p ara meus filhos serem honestos com os outros na esperança
de que algum dia eles sejam honestos sem que eu tenha de lhes dizer isso.
Se as ocasiões para a ocorrência de com portam ento controlado p o r regras
forem m uito infreqüentes, então a transição para o reforço últim o pode nunca vira
acontecer. Talvez seja por isso que alguns dos estudantes de Galizio nunca conseguiram chegar ao desem penho adequado; com mais treino, eles eventualm ente
poderiam ter dispensado as instruções. Q uando compro um a m esa m ontável, sigo
as instruções com o um escravo, porque essa é a primeira e, provavelm ente, a única
vez em que m ontarei essa mesa. Em contraste, um a pessoa que trabalha em uma
fábrica m ontando m uitas mesas todos os dias, logo pára de consultar as instruções.
Passamos por sim ulações de incêndio e de batalhas para que, quando o SD último
(incêndio ou b atalh a) de fato surgir, o com portam ento apropriado provavelmente
ocorra; quanto m ais realista a simulação, melhor será.
Uma questão perm anece: as pessoas, muitas vezes, podem ser capazes de
dizer o que fazer, m as não por que fazê-lo. Se o falante não consegue verbalizara
relação de reforço últim a - não tem a m enor idéia por que os filhos deveriam ser
bons com seus prim os - então de onde surgiu a regra? Alguém teve de formulá-la,
mas é suficiente que apenas um a pessoa tenha um dia entrado em contato com a
relação últim a, porque os membros de um a mesma cultura aprendem regras uns
com os outros. U m a vez que essa pessoa tenha formulado a regra e a ten h a ensinado a seus descendentes, parentes e vizinhos, se a regra de fato entrou em contato
com a relação últim a, ela se propaga de pessoa a pessoa e de grupo a grupo. Formu­
lar regras, assim com o seguir regras, é um a parte fundam ental da cultura humana.
(Mais sobre esse tópico nos Capítulos 13 e 14).
'
;;
,
;;
v
-
APRENDIZAGEM DE SEGUIMENTO DE REGRAS
As pessoas têm forte uma tendência a fazer as coisas conform e lhes dizem. As vezes»
gostaríamos que as pessoas fossem m enos obedientes e “pensassem por si mesmas
com mais freqüência - especialmente soldados e burocratas. O fam oso experim ent0
de Stanley Milgrim sobre “obediência” - em que as pessoas se mostraram dispostas
liberar choques quase letais a um estranho seguindo as ordens de um p sicólogo peS^
quísador ações de nazistas em campos de concentração e ações de soldados
;i
americanos n o Vietnã mostraram com o essa obediência pode ir longe. Apesar des‘
.
Compreender o behaWorismo
e x e m p lo s,
177
continua sendo verdade que a concordância em geral vale a pena; nor­
malmente, até mesmo o adolescente mais rebelde pode ser persuadido a usar filtro
solar na praia. Por que as pessoas seguem regras com tanta presteza?
Modelagem do comportamento de seguir regras
Talvez as pessoas sejam tão propensas a seguir regras em parte porque são expos­
tas, desde m uito cedo, a ta n ta s e tão diferentes relações de reforço próximas. Inú­
meras vezes as crianças fazem o que lhes mandam fazer e ganham doces, afeto e
aprovação. As regras são verbalizadas pela mãe, pai, outros membros da família e
depois pelos professores. Existem até mesmo jogos que ensinam a seguir regras,
tais como o Faça o que seu mestre mandar.
Conseqüentem ente, seguir regras torna-se um a categoria funcional, um a h a­
bilidade generalizada - ta n to que seguimos sem hesitação as instruções para che. gar a um local dadas p o r um estranho. À medida que ocorre generalização, o pró: prio com portam ento de seguir regras torna-se parcialm ente controlado por regras.
Diz-se às crianças: “Faça com o eu digo” e “Ouça os mais velhos”. Formamos tam ­
bém discriminações (“Não ouça o Jucá, ele é um mentiroso”). Em um antigo episó­
dio do program a de TV WKRP in Cincinnad>um personagem diz a outro: “Dá azar
seguir o conselho de pessoas m alucas”.
Em certo sentido, esse seguir regras generalizado faz o mundo girar. Galizio
fez uso disso em seu experim ento, presum indo que os sujeitos leriam e responde­
riam aos rótulos acim a das luzes (Figura 8.1). Sem o seguim ento de regras genera­
lizado, as possibilidades de cultura seriam, na verdade, lim itadas. Com ele, práticas
- complexas como colocar os filhos em escolas públicas ou construir aviões a jato
podem existir e ser transm itidas. (Mais sobre esse tópico nos Capítulos 13 e 14.)
Onde estão as regras?
As explicações tradicionais do seguim ento de regras são mentalistas, Como na gra­
mática, fala-se de regras com o se elas fossem coisas possuídas, como se as pessoas
possuíssem. Psicólogos dizem , às vezes, que as regras são “internalizadas”. Como
°utras formas de m entalism o, as regras que controlam nosso comportamento estão
supostamente em algum lugar interno, como se cada um de nós tivesse um caderno
. '-^Sras interno onde as regras estivessem de alguma forma gravadas, e pudes0 er localizadas n a ocasião propícia. Surgem então as questões habituais sobre
vçojn nta^Sm0 (Capítulo 3). O nde estão essas regras internas? De que são feitas?
côm ° ^0<^em cau sar o com portam ento? Quem as procura, quem as escreve? O
0 . P°rtamento de escrever e procurar as regras não seria tão complicado quanto
Portam ento que elas deveriam explicar? E assim por diante.
\ 'í o r i $ t C
^S um sentido falar em regras como localizadas em algum lugar, os behamas c as as c°locam no am biente. Elas se apresentam, não apenas figurativamente,
ncretamente, sob a forma de sons e sinais. Elas são estímulos discriminativos.
178
William M. Baum
As pessoas são te n ta d a s a pensar em regras como algum a coisa in te rn a p o r­
que a regra que fortalece o com portam ento C pode estar ausente quando C ocorre.
Existem duas razões p a ra isso. Primeiro, surge o problem a da lacuna tem poral
discutido nos C apítulos 5 e 6. Como a regra pode te r ocorrido em u m m om ento
anterior, há uma lacuna entre a ação e parte do contexto. Eu insisto que m eus filhos
sejam honestos com igo n a esperança de que seu com portam ento se generalize e
que eles sejam honestos com os outros. Se m eus filhos são honestos com professo­
res e. amigos, poderíam os dizer que as crianças “lem braram ” a regra; m as não p re ­
cisamos. Não é necessário supor que as crianças tenham form ulado a re g ra pu b lica­
m ente ou mesmo privadam ente naquele m om ento. É necessário apenas reco n h e­
cer que parte do contexto para o ato ocorreu em um m om ento anterior.
Segundo, com o o controle pelo reforço próxim o pode ser tem porário, quando
o reforço último assum e o controle, a regra pode estar ausente, talvez definitiva­
m ente. Q uando as pessoas falam sobre regras “internalizadas”, estão p rovavelm en­
te falando dessa transição. Sobre os estudantes que, no experim ento d e Galizio,
responderam ad eq u ad am en te depois de retirados os rótulos, poder-se-ia dizer que
internalizaram as regras. A alteração, no entanto, não é de um a regra ex tern a para
um a interna, m as de u m a relação de reforço relativam ente de curto p razo para
outra, de longo prazo. No experim ento de Galizio, o controle passou dos rótulos
p ara as luzes am arelas. Q uando meus filhos são atenciosos com seus prim os, seus
prim os tam bém são, em contrapartida, atenciosos com eles, o que re su lta em m eus
filhos continuarem a ser atenciosos. Meus filhos não internalizaram a re g ra sobre,
tra ta r bem seus prim os; em vez disso, as conseqüências n aturais e d e lo n g o prazo
m antêm agora seu com portam ento.
PENSAMENTO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS
Com freqüência, reg ras são soluções de problem as: “Se você se co m p o rta r assim , a
situação resu ltará em ta l e tal reforçador”. Q uando confrontados com u m p ro b le­
ma, pode ser preciso form ular um a regra.
E b astante provável que se diga que alguém está “pensan d o ” q u a n d o essa
pessoa está resolvendo um problem a. O arquiteto que está p ro cu ran d o o m elhor
projeto para u m a sala de estar ou o m otorista que tran co u o carro com as chaves
dentro podem “p o n d e ra r” a situação, “considerar" várias soluções, o u “perder-se
em p ensam entos”. O m entalista vê, em tais situações, a justificativa p a ra im aginar
processos in tern o s complexos, porque a pessoa pode se sen tar im óvel p o r algum
tem po, ap aren tem en te sem fazer nada, e então, de repente, agir e so lu cio n ar um
problem a. Está aí u m desafio para os behavioristas, portanto. Será possível discutir
a resolução de problem as sem apelar para complexos processos in tern o s?
No Capítulo 5, discutim os brevem ente a abordagem co m p ortam en tal da resolução de problem as. As interpretações m entalistas enfatizam a característica abrupta
da solução, n o m om en to “criativo” ou “inspirado”. Ignoram a lon ga h istó ria de
reforço anterior a qualquer caso particular de resolução de um p rob lem a. A ssim
com o aprendem os a ser ouvintes, aprendem os a ser solu cion ad ores d e p rob lem as.
Trata-se de um a habilidade essencial na vida, e o pai ou o p rofessor q ue n ã o ajuda
Compreender o behaviorismo
179
a criança a aprender como solucionar problemas é considerado negligente. O mo­
torista que tranca o carro com as-chaves dentro talvez peça ajuda à polícia. Esse
m otorista foi instruído nesse tipo de solução antes, e talvez já te n h a ligado anterior­
m ente para a polícia em tais ocasiões de impotência. O projeto do arquiteto, igual­
mente, por m ais que pareça original, deriva de treino, prática e observação. Em
nenhum caso a resolução de problemas ocorre isoladamente; ela tem de ser enten­
dida à luz de treino prévio, instrução e reforço.
Em bora os behavioristas concordem com essa abordagem geral, eles diferem
um pouco em suas interpretações. Os behavioristas molares consideram a resolu­
ção de problem as como algo com pletam ente integrado com a história prévia. Ad­
quirimos experiência com determ inados tipos de situações e nelas agimos de deter­
m inadas m aneiras. Sob essa perspectiva, a resolução de problemas é apenas um
passo ao longo do cam inho, e não é particularmente relevante. Alguém se torna
cientista com portando-se e recebendo conseqüências no laboratório, no campo,
em seu escritório e em conferências. Ocorrem soluções para problemas com equi­
pam entos, dados e teorias, m as tudo isso faz parte de se tornar e ser um cientista.
Esse com portam ento é controlado por regras apenas na medida em que depende
de instrução prévia.
A interpretação m olecular de Skínner (1969), que iremos agora focalizar, tra­
ta a resolução de problem as como comportamento controlado por regras em um
sentido diferente, m ais im ediato. Dado que Skinner aceitava a idéia de que falar
consigo m esm o pode ser considerado comportamento verbal (Capítulo 7) - que
uma pessoa pode exercer sim ultaneam ente os papéis de falante e ouvinte - sua
interpretação se apóia no conceito de auto-instrução: como falantes, damo-nos
regras como ouvintes.
Mudança de estímulos
Gomo vimos no Capítulo 5, as situações que identificamos como problemas são
aquelas em que o reforçador - o resultado bem-sucedido - é claro, mas o compor­
tam ento que deve ser em itido - a solução - é obscuro. O problema é eliminado
quando surge a solução e obtém-se o reforçador. Quando o arquiteto esboça um
projeto que funciona (que atende às exigências), segue-se um a imensa satisfação sem falar no dinheiro e nos elogios dos clientes e colegas.
Enquanto o arquiteto está resolvendo o problema, sua mesa pode ficar cober­
ta de esboços. Tenta-se um a possibilidade, depois outra, depois outra. Cada esboço
sugere o próximo, e características de muitos esboços podem ser combinadas na­
quele que finalm ente vai prevalecer. O comportamento (esboçar) varia, mas está
longe de ser aleatório. Além de depender de treino e observações prévias do arqui­
teto, os esboços dependem uns dos outros.
Dizer que um esboço influencia o seguinte é dizer que o primeiro age como
um estím ulo discrim inativo para fazer o próximo. O arquiteto faz um esboço, dá
um a olhada, conclui que não funciona ou que funciona parcialmente, e então tenta
um outro. Todos os esboços precedentes estabelecem o contexto para o esboço final.
Dizer que eles elim inam algumas possibilidades e sugerem outras significa que, como
180
William M, Baum
estímulos discriminativos, enfraquecem alguns atos futuros de esboçar e fortalece^
outros. O com portam ento de resolver problemas produz estímulos que servem par^
alterar a probabilidade do com portam ento futuro, que poderá incluir a solução.
Não h á m istério sobre a origem desse tipo de com portam ento. No arquiteto
experiente, brain-storms desse tipo foram reforçadas muitas vezes no passado. Dis*
cutimos no Capítulo 5 como se ensinam cetáceos e ratos, e tam bém seres humanos,
a fazer discrim inações em que o com portam ento passado faz parte do contexto.
Embora cada novo ato possa ser único, ele, ainda assim, se relaciona com os que
vieram antes.
Q uando as soluções não precisam ser originais para serem reforçadas, a ten­
dência é utilizar soluções sem elhantes para problemas sem elhantes, desde que es­
sas soluções continuem a proporcionar as devidas compensações. Muitos manuais
de psicologia descrevem um experim ento de A. C. Luchins, em que pessoas tinham
de resolver um a série de problem as como os m ostrados na Tabela 8.1. Cada proble­
ma apresentava três jarras im aginárias de água, m ostrava as capacidades d a Jarra
A, Jarra B e Jarra C, e exigia, como solução, que fosse apontada um a seqüência de
transferências do conteúdo de um a ja rra para outra que resultasse em um a das
jarras conter a quantidade indicada na coluna D. Os três prim eiros problem as são
resolvidos subtraindo-se um A e dois Cs de B. Os problem as 4 e 5 tam bém podem
ser resolvidos desse modo, m as podem ser resolvidos mais facilm ente subtraindose C de A. O problem a 6 só pode ser solucionado subtraindo-se C de A. Luchins
descobriu que os problem as 4 e 5 eram quase sem pre resolvidos d a m aneira mais
complicada, tal com o se resolviam os problemas í a 3 , e que a m aioria dos partici­
pantes do experim ento não conseguiam resolver o problem a 6.
As tentativas m entalistas de explicar os resultados de Luchins atribuíram-nos
a um a “disposição m ental” ou “disposição cognitiva". Presum ivelm ente, a pessoa
forma essa disposição internam ente enquanto está resolvendo os três primeiros
problem as, e depois a disposição faz com que ela continue resolvendo os proble­
mas da m esm a form a. Essa disposição, supostam ente, tam bém im pediria a solução
do sexto problem a. Como vimos no Capítulo 3, o behaviorista pergunta onde esta­
ria essa disposição, de que é feita, e como afeta o com portam ento. Ela apenas
TABELA 8.1 Uma série de problemas usados por Luchins em seu experimento
sobre "disposição mental". C ada problema apresenta três jarras de diferentes
capacidades (colunas A, B e C). A quantidade exigida (coluna Dj tem de restar
em uma das jarras depois de seu conteúdo ser transferido para as outras
Problema
Jarra A
Jarra È
Jarra C
Quantidade exigida (D)
1
2
3
4
5
6
14
18
9
23
14
28
163
43
42
49
36
76
25
10
6
99
5
21
20
6
25
3
8
3
_
Compreender o behaviorismo
181
rotula a observação que precisa ser explicada: a persistência de um certo padrão de
c0m portam entos (aclu i) B-A-2C). É pior do que nenhum a explicação, porque dá
uma ilusão de explicação que nos desvia do caminho em direção a uma explicação
verdadeira (ver o Capítulo 3).
Os analistas com portam entais, que procuram explicações no m undo natural
de com portam ento e am biente, vêem a situação de outro modo. À m edida que
cada um dos três prim eiros problem as são resolvidos, um padrão de com portam en­
to (B-A-2C) é reforçado. Esse padrão fornece um estimulo discriminativo - um
estím ulo discriminativo verbal se o padrão é form ulado como “B-A-2C” ou um estí­
mulo visual se o padrão é visto como um a seqüência de ações imaginadas. Esse
estím ulo discriminativo controla o com portam ento nos problemas subseqüentes. A
história de reforço do p adrão B-A-2C, com binada com a aparente sem elhança en ­
tre todos os problem as, assegura que, a cada novo problema, o padrão B-A-2C seja
o primeiro a ocorrer. Soluções que om itam B (por exemplo, A-C) serão improváveis
^ e ocorrerão apenas após m uitos padrões envolvendo B, se é que ocorrerão.
A diferença entre os sujeitos de Luchins, que caíram em uma rotina, e o arqui­
teto criativo reside em suas histórias de reforço. A resolução de problemas torna-se
estereotipada, ou criativa e original, em função de se reforçar repetidam ente o
mesmo padrão ou de novos padrões serem reforçados.
O único aspecto incom um dessas explicações é que os estímulos discriminativos
que fortalecem as possíveis soluções surgem do próprio comportamento de quem
resolve o problem a. Assim com o os sujeitos de Luchins poderiam ter falado consigo
próprios sobre os problem as da jarra, o arquiteto tam bém poderia ter falado consi­
go próprio, dizendo coisas do tipo E se a cozinha ficasse aqui? ou Suponha que
mudemos esse quarto para o andar de cima. Exercendo o papel de falante, o arquite­
to está gerando estím ulos discriminativos verbais (como a regra na Figura 8.2),
que, por sua vez, alteram a probabilidade de determ inado comportamento futuro
no papel de ouvinte do arquiteto. A variação na ação que acaba levando à solução
vem do próprio com portam ento verbal do arquiteto.
Quando estou ten tan d o resolver um problema, posso falar comigo m esmo em
voz alta ou privadam ente. Falar consigo mesmo inaudivelmente é comumente cha­
mado de “pensam ento”. Se m eu carro não pega, posso dizer para mim mesmo
Talvez eu deva pisar no acelerador. Quer isso seja dito em voz alta ou privadamente,
o com portam ento gera um estím ulo discriminativo verbal (como na Figura 8,2)
que torna mais provável que eu pise no acelerador. A pessoa que se senta silencio­
samente e depois, “de rep en te”, soluciona um problema, pode ter passado por todo
um processo de dizer coisas e visualizar resultados privadamente, um após o outro.
Quer tenha sido aberto ou encoberto, ainda assim o processo pode ser entendido
como a atividade de falante alternando-se com a atividade de ouvinte.
Comportamento precorrente
Skinner (1969) cham ou a atividade de falante que gera estímulos discriminativos
precorrente, no sentido de que acontece antes da solução. A atividade precorrente
Permite que a resolução de problem as (atividade de ouvinte) varie sistematica­
182
WiÜiam M. Baum
m ente, em vez de aleatoriam ente. Em bora a variação aleatória possa ser útil, assim
como mexer e girar a chave em um a fechadura velha eventualm ente pode abrir a
porta, a resolução de problem as é geralm ente sistem ática, no sentido de que as
tentativas de solução seguem padrões, especialm ente padrões que tenham funcio­
nado anteriorm ente. Posso nunca ter m e perdido nessa região, m as tenho uma
história de consultar m apas e derivar possibilidades de caminhos - eu me compor­
to de m aneiras que foram bem -sucedidas (reforçadas) no passado. O com porta­
m ento precorrente envolvido é freqüentem ente cham ado de raciocínio, im agina­
ção, formulação de hipóteses, e assim por diante. Todos esses com portam entos têm
em comum a propriedade de gerar estím ulos discriminativos que alteram a probabilidade de atividades subseqüentes.
Ao olhar para os três prim eiros problem as n a Tabela 8.1, você poderia ter dito
coisas para si próprio como A água tem de ser tirada da Jarra B, porque a quantidade
exigida é maior do que pode haver em A ou C, e Qual a diferença entre B e D? Isso
seria com portam ento precorrente, porque quando se ouvisse a si próprio, você
provavelm ente se com portaria de acordo.
Assim como outros conceitos de análise com portam ental, a idéia de compor­
tam ento precorrente tangencia as distinções tradicionais. Às vezes, coincide com o
que as pessoas cham am de pensar ou raciocinar ou fazer um brain-storm, mas nem
sempre. Se aceitam os a idéia de que a m esm a pessoa pode agir sim ultaneam ente
como falante e ouvinte, então a atividade precorrente se conform aria à definição
de com portam ento verbal e os estím ulos gerados seriam regras. De fato, isso pare­
ce quase óbvio quando falamos para nós m esm os em voz alta ao tentarm os resolver
um problem a. O com portam ento p recorrente, no entanto, pode ser privado ou
público, vocal ou não-vocal. Q uando um a pessoa, m ontando um quebra-cabeça,
escolhe uma peça e a vira de um lado para outro, eventualm ente achando o lugar
certo, isso é com portam ento precorrente - público e não-vocal. Se, ao te n tar deci­
dir sobre o projeto de cores p ara a casa, m anuseio am ostras coloridas e imagino a
casa p in ta d a n aq u elas cores, isso p o d e ria ser ch am ad o d e co m p o rtam en to
precorrente, parcialm ente privado e não-vocal.
A conexão entre com portam ento precorrente e com portam ento controlado
por regras encontra-se nos estím ulos discriminativos produzidos. Comportam ento
precorrente é como form ular regras. Evitamos dizer que são exatam ente a mesma
coisa porque, de acordo com nossa definição, para ser caracterizado como regra o
estím ulo discrim inativo deve ser gerado por com portam ento sob controle de uma
relação de reforço últim a atuan d o como estím ulo discriminativo. Seria um exagera
dizer que o encaixe de um a peça de quebra-cabeça produzido por seu manuseio
deva ser cham ado de regra.
•
O grande ganho por definir o com portam ento precorrente é perceber que a
resolução de problem as é sem elhante ao com portam ento controlado por regras.
Não é preciso inventar novos princípios p a ra com preender como as pessoas supe­
ram suas dificuldades diárias ou como elas agem “criativam ente”. As e x p lica çõ es
que consideram os são incom pletas e exigem mais investigações, mas o essencial
está colocado: form ular regras, seguir regras, pensar e resolver problem as são,
todos eles, com portam entos que podem ser explicados cientificam ente.
Compreender o behaviorismo
183
RESUMO
Form ular e seguir regras são duas das atividades mais importantes na vida e cu ltu ­
ra h u m an a s. O que ch am am o s de regras, faladas ou escritas, são estím u lo s
discriminativos verbais. Governam nosso comportamento da mesma form a q u e
estím u lo s discrim inativos controlam nosso comportamento. As regras são verbais
porque são geradas pelo com portam ento verbal de um falante. Quem segue a reg ra
é um ouvinte, que reforça o com portam ento do falante de formular a regra. O
com portam ento controlado por regras pode ser diferenciado do com portam ento
modelado im plicitam ente, que deriva diretam ente do contato com relações de re ­
forço. Em bora as pessoas, às vezes, considerem desempenhos complexos m odela­
dos im plicitam ente como seguim ento de regras, a regra seguida é, na verdade, um
breve resum o do desem penho. Ao contrário, o conceito mais técnico de seguim en­
to de regras dos analistas com portam entais exclui relações sobre as quais nunca se
fala, porque definem a regra como um estímulo discriminativo verbal que indica
uma relação de reforço. Indica uma relação significa “é dado por com portam ento
verbal sob co n tro le d e estím u lo de um a relação que age como um estím ulo
discriminativo”. Essa definição inclui a maioria dos exemplos que as pessoas consi­
derariam como regras, e mais ainda. Pedidos e ordens freqüentemente se caracte­
rizam como regras, especialm ente quando podem ser vistos como ofertas ou am ea­
ças. instruções e conselho tam bém podem ser assim caracterizados.
A relação indicada por um a regra (a relação última) é sempre de longo prazo
ou mal definida, m as é relevante por afetar a saúde e a sobrevivência, a obtenção
de recursos, os relacionam entos (especialmente com parentes e amigos) e a rep ro ­
dução (SRRR, isto é, determ inando a aptidão no longo prazo). A regra é associada
a um a relação de reforço mais im ediata (a relação próxima), que envolve refor­
çadores como aprovação e dinheiro, que ajudam a colocar o com portamento em
contato com a relação últim a. Ensina-se as crianças a seguir regras - a ser obedien­
tes - por causa das relações últim as; adquirir essa habilidade generalizada faz p ar­
te do crescer em um a cultura. Quando as pessoas aprendem o seguimento de re­
gras generalizado, entretanto , elas adquirem apenas uma discriminação - suas ações
ficam sob controle de u m a certa categoria de estímulos discriminativos provenien­
tes de um a certa categoria de falantes. Imaginar que as regras, de alguma forma, se
movem internam ente é m entalism o. As regras estão no ambiente.
Se aceitam os a idéia de que falar consigo mesmo é comportamento verbal que um a pessoa pode, ao m esm o tempo, exercer os papéis de falante e ouvinte então torna-se possível entender a resolução de problemas como um exemplo de
com portam ento controlado por regras. O comportamento dás pessoas gera estím u­
los discrim inativos, que freqüentem ente podem ser interpretados como regras, que
aum entam a probabilidade de ações subseqüentes dentre as quais pode estar a
“solução” - a ação que é reforçada. O comportamento que produz os estímulos é
chamado de precorrente. Pode ser público ou privado, vocal ou não-vocaí, e funci­
ona com o a auto-instrução. Em particular, o “pensamento” que acontece durante a
reso3uçao de problem as pode ser entendido como comportamento precorrente,
form alm en te privado e vocal.
184
William M. Baum
LEITURAS ADICIONAIS
Baum, W. M. (2995). Rules, culture, and fitness, Behavior Analyst, 18, 1-21. Esse artigo
explica com mais detalhes muitas das idéias sobre regras apresentadas neste capítulo.
Galizio, M. (1979). Contingency-shaped and rule-governed behavior: instructional control
of human loss avoidance. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, 31, 53-70. Esse
artigo relata o experimento de Galizio descrito neste capítulo.
Hayes, S. C. (1989). Rule-governed behavior: cognition, contingencies, and instructional control
Nova York: Plenum. Esse livro contém muito do que se pensa, atualmente, sobre o compor­
tamento controlado por regras,
Simon, H. A. (3990). A mechanism for social selection and successful altruism. Science, 250,
1665-1668. O autor, conhecido psicólogo cognitivista e cientista da computação, faz as co­
nexões entre docilidade (seguir regras), cultura e aptidão.
Skinner, B. F. (1953). Science and human behavior. Nova York: Macmillan. Veja o Capítulo
16, sobre pensamento.*
Skinner, B, F, (1969). An operant analysis of problem solving. In: Contingencies of
reinforcement. Nova York: Appleton-Century-Crofts, cap. 6, p. 133-171. Essa é a discussão
clássica de Skinner sobre regras e comportamento precorrente,*
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPITULO 8
Comportamento controlado por regras
Comportamento modelado implicitamente
Comportamento precorrente
Regra
Relação de reforço próxima
Relação de reforço última
SD: C -> SR
Seguimento de regras
‘N. de T. Título traduzido cm português (ver “Apêndice”).
Questões sociais
A.
i x s áreas de aplicação da análise do com portam ento e do pensamento comportam ental são amplas e diversificadas. Tome qualquer aspecto da existência hum ana e
você verá que o behaviorism o lhe dá um a nova perspectiva. Política, governo, ju s­
tiça, educação, econom ia, relações internacionais e ambientalismo, todos ganham
um a nova fisionomia.
Nossos problem as sociais são problem as comportamentais. Todos eles têm a
ver com fazer as pessoas se com portarem melhor - governar bem, obedecer à lei,
ap render n a escola, reciclar o lixo. Como poderíamos levar as pessoas a se com por­
tar adequadam ente e, a propósito, o que é comportam ento adequado? Os trata­
m entos tradicionais dessas difíceis questões são quase sempre mentalistas e, por­
tanto, de pouca valia. Os analistas comportamentais teriam uma proposta melhor?
A Parte Três tra z poucas respostas definitivas, mas, em compensação, oferece
um a abordagem nova - a abordagem comportamental. Ela visa dem onstrar que a
análise do com portam ento pode auxiliar a resolver os problemas do m undo. A
ausência de soluções simples ou definitivas não precisa nos desencorajar, pois o
pensam ento com portam ental nos perm ite equacionar os problemas em forma pas­
sível de solução. M etade do trabalho de resolução de um problema é colocá-lo em
seus term os corretos. Tentar m udar o comportamento sem os conceitos de reforço,
indução e controle de estím ulo é como querer criar novas moléculas e substâncias
químicas sem a teoria atômica.
Os behavioristas já escreveram muito sobre questões sociais, com resultados
diversos. Por exemplo, John B. Watson foi um prolífico autor da imprensa popular,
m as provavelm ente não serviu m uito a seus leitores porque se sabia relativamente
pouco sobre com portam ento nas décadas de 1920 e 1930. Entretanto, sabe-se muito
m ais agora. Q uando Skinner escreveu Beyond freedom and dignity em 1971, ele
dispunha de novos conceitos em que se basear. A Parte Três cobre em grande parte
a m esm a área do livro de Skinner, mas expande e atualiza a discussão de forma a
incluir o pensam ento que se desenvolveu desde então.
Liberdade
D a mesma forma que tratamos outros termos, podemos tratar a palavra livre - a
fim de entender o que ela significa, examinaremos como é utilizada. Como v ii^ s
no C apítulo 1, apenas a noção de Iivre-arbítrio conflita com o behaviorismo. A
m aioria dos usos da palavra livre podem ser compreendidos em termos comportam entais.
USOS DA PALAVRA LIVRE
Há três tipos de uso para a palavra livre. Em primeiro lugar, as pessoas falam de
liberdade de restrições, como quando se fala em ficar livre da escravidão. Isso é
freqüentem ente referido como ser livre, sugerindo que a liberdade é um atributo
ou um a coisa possuída. A extensão dessa idéia é a noção de livre-arbítrio, na qua]
está im plícito que a pessoa tem a liberdade de se com portar independentemente de
seu am biente passado ou presente. Em segundo lugar, as pessoas falam de liberda­
de política e social. Aqui, o essencial não é tanto o problem a das restrições quanto
o de te r de en frentar conseqüências desagradáveis devido a certas opções. Ser per_
seguido por causa de suas convicções não significa que você não possa agir cie
acordo com elas, mas que será punido por fazê-lo. Assim é quando falamos de falta
de liberdade política ou religiosa, e dizemos que não nos sentimos livres, Em ter­
ceiro lugar, as pessoas - em particu lar as pessoas religiosas - falam de liberdade
espiritual. Q uando um a igreja anuncia que ‘ílesus vos libertará da servidão”, não
está sugerindo que falta livre-arbítrio ou liberdade política ou religiosa, mas está se
referindo à libertação de um a prisão metafórica. Falaremos de todos esses usos a
seguir.
188
Williom M. Boum
Ser livre: iivre-arbífrio
Ser libertado de um a prisão rep resen ta a remoção de um a restrição física. Trancada
em um a cela, a pessoa não p ode sair. A abertura da cela é como a abertura de um a
gaiola; “livre como um pássaro” significa que a pessoa pode se locomover à v o nta­
de, sem ser tolhida.
Essa forma particular de ser livre não apresenta problem a para a análise
com portam ental, porque se refere apenas ao fato de um a ação ser ou não possível.
É como dizer que o rato não é livre p a ra pressionar a b arra se ela for rem ovida, ou
que é livre para pressioná-la se ela for inserida.
No que se refere a restrições, prisões e gaiolas são as mais óbvias, Você nunca
opta livremente por respirar, an d ar ou mesmo aprender a falar. Essas opções foram
lim itadas pelos seus genes e seu am biente. Se fosse possível líbertar-se desse limi­
tes, então teríamos o livre-arbítrio.
No Capítulo 1, discutim os problem as levantados pela noção de livre-arbítrio.
Afora considerações filosóficas e estéticas, os resultados de políticas públicas basea­
das na presunção de livre-arbítrio vão de pífios a desastrosos. A presunção é m uitas
vezes utilizada como justificativa p ara não fazer nada, Se dependentes de cocaína
são livres para optar por não u sa r a droga, então a dependência é culpa dos dep en ­
dentes. Eles deveriam “ter vergonha n a cara” e nenhum a ajuda lhes deveria ser
dispensada.
Parece que, aos poucos, estam os aprendendo que políticas sensatas não p o ­
dem presum ir o livre-arbítrio. É inútil, e só serve para autoconsolo dizer que indiví­
duos que crescem em favelas optam pela ignorância e pelo desemprego. Alguns
projetos de pequena m onta em escolas secundárias urbanas têm conseguido m an­
ter a freqüência dos alunos, e o treinam ento profissional vem trazendo pessoas de
volta ao trabalho e tirando-as d a lista de pensões d a previdência social. Esses p ro ­
jetos tiveram êxito porque criaram relações de reforço adequadas e as sustentaram
com encorajam ento e explicações (regras, no sentido do Capítulo 8).
Os analistas com portam entais defendem a tese de que, enquanto continuar­
mos presum indo o livre-arbítrio, não conseguiremos resolver nossos problem as
sociais. Se, porém, avançarm os p a ra um referencial francam ente com portam ental
e tentarm os modificar o com portam ento problemático, aí, então nosso foco se d es­
locará para questões relativas a que m étodo utilizar. Skinner defendeu o uso do
reforço positivo, por duas razões. Prim eiro, por ser extrem am ente eficiente. Segun­
do (e este ponto é relevante p a ra nossa discussão de liberdade), porque quando o
com portam ento é m odelado e m antido por reforço positivo, as pessoas não se sen­
tem coagidas; sentem -se livres.
Sentir-se livre: Uberdade política e social
Os escravos são outro exem plo de pessoas das quais se diz que não têm liberdade.
A falta de liberdade dos escravos tem menos a ver com restrição física, pois o escra­
vo pode se recusar a trabalhar. A conseqüência provável dessa recusa, porém , seria
Compreender o behcmorismo
18 f
o chicote. O indivíduo que coopera devido a um a ameaça de punição pode, em
princípio, ser livre p ara enfrentar a am eaça, mas não se sente livre para fazê-lo.
Também de pessoas que vivem em um estado policial se diz que não têm
liberdade, porque m uitas de suas ações são proibidas pela ameaça de punição. Não
se sentem livres, com o grande parte de nós que vivemos em um a sociedade dem o­
crática. Sentim o-nos livres para criticar nossos governantes em público porque eles
não podem nos p u n ir por fazê-lo.
O principal obstáculo ao sentim ento de liberdade é a coerção. As pessoas não
podem se sentir livres quando coagidas - isto é, quando seu com portam ento é
controlado pela am eaça de conseqüências aversivas.
Coerção e controle aversivo
No Capítulo 4, definim os os dois tipos de controle aversivo, punição positiva e
reforço negativo. Se falar o que pensam os resulta em um a surra, nesse caso o falar
foi positivam ente punido. Se m entir evita a surra, então o mentir foi negativam en­
te reforçado. Em geral, os dois andam juntos; se um a ação é punida, norm alm ente
há algum a alternativa que evita a punição.
A Figura 9.1 ilustra a relação envolvida na coerção. Quando um feitor segura
o chicote e m an d a o escravo trabalhar, o com portamento de trabalhar do escravo é
negativam ente reforçado por impedir o açoite. Os passos intermediários envolvem
um a interação en tre ò feitor (controlador) e o escravo (controlado). Brandir o
chicote, ou com portam ento de am eaça (CA), produz um estímulo discriminativo
para o escravo (S^), em geral cham ado de ameaça. O estímulo-ameaça determ ina
a ocasião para a subm issão (Cs) - trabalhar, ou “fazer o que o patrão deseja”, A
submissão do controlado produz um reforçador positivo (Sf) - digamos, fazer a
colheita - p a ra o controlador, de form a que o com portam ento de am eaça do
controlador é positivam ente reforçado como resultado da atividade do controlado.
Desde que o escravo trabalhe e reforce positivamente o com portam ento de am ea­
çar do feitor, esse se aferra ao chicote. Isso quer dizer que o reforçador positivo -
Controlador
(feitor)
Controlado
(escravo)
"Objetivo"
C A Ss = S§ ; Nâo C P = CT
1
1
Sg : Cs
Ameaça
í
1
1 1
I
1
Não SP = SÇ
Submissão
Figura 9.1 Coerção. O comportamento ameaçador do controlador (CA) é positivamente
reforçado como resultado da submissão do controlado (Cs), que produz o reforçador (S*)
que constitui o objetivo do controlador. A submissão do controlado determina a ocasião
(S°) para o controlador terminar a punição (CT), e é reforçada por evitara punição ameaçada,
por reforço negativo.
190
William M. Baum
objetivo do controlador - tam bém funciona como estímulo discriminativo (Sj?) que
determ ina a ocasião para que o controlador não exerça a punição (Não Cp),, ou
para que a term ine (CT). Para o controlado, a conseqüência é a não punição (Não
Sp), ou o reforço negativo de term iná-la (S£).
A Figura 9.1 é parecida com a Figura 7.1, o diagram a de um episódio verbal.
O com portam ento de am eaça do controlador é sem elhante ao com portam ento ver­
bal: para ser reforçado, exige um ouvinte - o controlado. Quando duas pessoas
reforçam m utuam ente seu com portam ento, como indicado nas Figuras 9.1 e 7.1,
podem os dizer que elas têm um relacionamento. O tem a dos relacionam entos será
explorado de form a m ais geral no Capítulo 11.
A Figura 9.1 m ostra as principais características que definem a coerção: refor­
ço positivo para o com portam ento do controlador associado ao reforço negativo
para o com portam ento do controlado. Sempre que existir essa assimetria, diz-se
que o controlado é coagido, n ão tem liberdade, ou não se sente livre.
Inúm eras form as de relacionam ento podem ser coercivas. Pais podem intim i­
dar um filho com a am eaça de surra ou desaprovação, a fim de conseguir obe­
diência. Professores podem am eaçar alunos com notas baixas ou hum ilhação públi­
ca. Um cônjuge pode coagir o outro com ameaças de escândalo ou de negação de
afeto e sexo ao parceiro. O p atrão pode am eaçar seu em pregado com desaprova­
ção, hum ilhação e p erda do em prego.
Todos esses relacionam entos coercivos podem ser substituídos por relacionaihentos não-coercivos. O pai pode d ar afeto ou presentes quando a criança obede­
ce. O professor pode dar boas notas ou aprovação quando o aluno tem bom desem ­
penho. Marido e m ulher podem se gratificar m utuam ente com afeto, com preensão
e apoio. Patrões podem reforçar o bom desem penho com sinais de aprovação (cer­
tificados, distintivos, móveis p a ra o escritório) e com dinheiro. Por que, então, as
pessoas recorrem tão freqüentem ente à coerção?
A razão principal é que, em geral, a coerção funciona. Os que sustentam que
a coerção não é eficaz estão enganados, pois, devidam ente treinados, os seres h u ­
m anos são extraordinariam ente sensíveis a possíveis conseqüências aversivas, em
especial à desaprovação e isolam ento social. Todas as culturas têm seus tabus, e a
m aior parte dos m em bros de qualq u er grupo cultural aprende a evitar transgres­
sões sob o risco de desaprovação e de rejeição. Mesmo um a am eaça tão rem ota
quanto a cadeia já é suficiente p ara nos m anter na linha. A m inoria que acaba na
cadeia geralm ente não foi exposta em criança a reforçadores sociais positivos e a
regras sobre conseqüências aversivas a longo prazo ~ isto é, essas pessoas recebe­
ram pouco afeto ou pouca aprovação por boas ações e nenhum reforço por seguir
regras.
O problem a da coerção são as conseqüências a longo prazo p a ra a pessoa
controlada e, eventualm ente, p a ra o controlador. Com o passar do tem po, famílias
ou sociedades que se fiam na coerção como meio de enquadrar seus m em bros
sofrerão desagradáveis efeitos colaterais. Os mais relevantes são o ressentim ento, o
ódio e a agressão.
As pessoas que são controladas por m eios aversivos, além de se sentirem m e­
nos livres, tendem a ser ressentidas, rancorosas e agressivas. É provável que a h is­
tória evolutiva tenha m uito a ver com isso, pois a seleção natural favoreceria indi­
Compreender o behavtorismo
191
víduos que respondessem agressivamente aos dois maiores instrumentos de coer­
ção, a dor e a am eaça de perda de recursos. Um método certeiro de induzir com­
portam ento agressivo em muitas espécies, incluindo a nossa, é infligir dor. Dois
ratinhos pacíficos com eçam a se atacar quase im ediatamente após receberem um
choque elétrico. Assim, não deveria ser surpresa para ninguém a tendência à vio­
lência de presos n as cadeias. A am eaça de perda de recursos (perda de reforço
positivo) tam bém induz m uitas espécies à agressão, inclusive seres hum anos. Basta
que se suspenda a alim entação de um pombo para que ele passe a atacar outro
pombo que está por perto. A rivalidade entre irmãos pode ser brutal em famílias
onde a afeição é escassa.
Como form a de lidar com as pessoas, portanto, a coerção é ruim , porque
torna as pessoas rancorosas, agressivas e ressentidas. Hm uma palavra, torna-as
infelizes, e o controlado infeliz eventualm ente se comportará de forma aversiva
para o controlador. O desam or eventualm ente leva à não cooperação e à revolta. A
criança foge ou se envolve em com portam entos autodestrutivos. O casam ento aca­
ba. O em pregado ro u b a a empresa, sabota projetos, ou se demite. O indivíduo que
se sente aprisionado em um a relação coerciva dem onstra todos os sinais de infeli­
cidade. A pessoa que se sente livre é feliz.
liberdade e felicidade
Ao se falar de liberdade política ou social, diz-se freqüentemente que liberdade é
ter escolhas. Para o analista de com portam ento, “ter escolhas” não tem nada a ver
com livre-arbítrio; significa apenas que mais de uma ação é possível. Consistirá a
liberdade social em te r escolhas - em ter a possibilidade de votar no candidato que
se escolheu, ou freq ü en tar a igreja pela qual se optou?
Nossa discussão de coerção sugere que a liberdade social consiste não tanto
em ter escolhas com o em não ser punido por elas. Posso optar por integrar um
partido político ou um a religião banidos pela lei; dizemos que m inha liberdade
política ou religiosa é restrita, pois serei punido.
As condições sob as quais nos sentim os livres acabam sendo idênticas às con­
dições sob as quais nos sentimos felizes. Trabalhar por salário é bem mais agradá­
vel do que trab alh ar p ara se livrar do chicote! A maioria das pessoas preferiria
com prar um bilhete d e loteria a pagar impostos para o governo. Sentimo-nos tanto
livres quanto felizes, quando nos com portam os de uma m aneira e não de outra quando integram os um grupo e não outro, quando trabalhamos em um a tarefa e
não em outra - n ão porque a ação que não escolhemos seria punida, mas porque a
que escolhemos foi m ais positivam ente reforçada.
Evidentem ente, é raro que uma escolha leve a resultados exclusivamente agra­
dáveis, A m aioria das situações sociais são uma m istura de condições. Quando
alguém diz que se sente am arrado, mas feliz no casamento, está dizendo que, no
conjunto, o reforço positivo por perm anecer na relação supera qualquer controle
aversivo (coerção) n ela existente. Cidadãos aceitam restrições como ter de licenciar
o carro e pagar im postos se, no conjunto, o comportamento de cidadania for positi­
vam ente reforçado. Discutiremos relações e governo mais adiante, no Capítulo 11.
192
William M. Baum
Por ora ficamos com a observação de que, quanto menos nosso com portam ento for
m odelado por punição e am eaça de punição - quanto mais nossas escolhas forem
guiadas por reforço positivo - tan to mais nos sentirem os livres e felizes.
Objeções ao ponto de vista comportamental
Várias objeções ao ponto de vista do analista com portam ental sobre liberdade so­
cial são levantadas pelos críticos. Consideraremos duas que julgam os especialm en­
te relevantes; ( 1) o ponto de vista não pode ser correto devido à natureza do dese­
jo; ( 2) essa visão é ingênua.
A prim eira objeção se baseia n a idéia de que a liberdade consiste em ser capaz
de “fazer o que quero”. No Capítulo 5, tratam os de term os como querer, que p a re ­
cem se referir ao futuro ou a algum a representação fantasm agórica no presente,
m ostrando que você diz que quer ou deseja algum a coisa quando está inclinado a
agir de form a a obter essa coisa. Essa coisa é um reforçador, e o querer ~ a ten d ên ­
cia a agir - ocorre em um contexto em que houve reforço no passado.
Uma das prim eiras form as de ação verbal que as crianças aprendem é “Eu
quero X”. Como m ando, ela é reforçada com X ou com a oportunidade de agir de
forma a conseguir X. Raquel diz a sua mãe que quer um doce, e sua mãe lhe dá o
doce ou lhe diz para pegá-lo. De um a m aneira geral, um a pessoa diria “Eu quero X”
quando o ouvinte estivesse inclinado a responder de algum a forma - digamos, com
dinheiro ou conselhos.
Mas, prossegue a objeção, você pode desejar coisas nunca antes experim enta­
das. Você pode dizer que quer p assar férias no Caribe m esm o se nunca tiver ido
para lá. Como um a história de reforço poderia explicar isso?
Dois fatores explicam o qu erer um a coisa nova: generalização e regras. A
probabilidade de dizer que quer algiim a coisa só existe se você tiver tido experiên­
cia com coisas sem elhantes. Talvez você nunca tenha estado no Caribe, m as já
esteve em férias e fez outras viagens. Você generaliza dentro da categoria “férias e
viagens de lazer”. Além disso, alguém (talvez um amigo, ou um comercial de TV)
lhe fala sobre o Caribe, dizendo “Vá p a ra o Caribe e divirta-se”. Em outras palavras,
alguém gera estímulos discrim inativos verbais (regras) que tornam provável que
você se comporte com relação ao Caribe da forma como você se com porta em
relação a outras “férias e viagens de lazer”.
Assim como fazem com a criatividade e a resolução de problem as, os analistas
de com portam ento olham p ara as histórias de reforço, ao invés de postular re p re ­
sentações mentais, para e n ten d er o com portam ento de desejo. No fim das contas,
de onde veio esse desejo interior?
A segunda objeção à explicação behaviorista da liberdade social - que é ingê­
n ua - advém do ceticismo com relação ao caráter benigno do reforço positivo.
Poderia parecer que conceder ao controlador os meios para prover reforço positivo
seria conceder-lhe um poder que pode facilmente ser mal empregado. Afinal, di­
zem os críticos, o poder de d ar é tam bém o poder de tirar. Da mesma forma que o
em pregador poderia coagir o em pregado com a am eaça de perder sua fonte de
Compreender o behoviorismo
193
renda, o governo que detenha o poder de reforçar comportamentos com o atendi­
m ento de necessid ad es vitais poderia coagir os cidadãos pela ameaça de retirá-lo.
A resposta a essa objeção requer um a discussão mais cuidadosa da diferença
entre reforçadores e punidores. Observamos no Capítulo 4 que a diferença, às ve­
zes, dá a im pressão de ser arbitrária. Ficar doente é um punidor, ou é perm anecer
saudável que é reforçador? Alimento-me adequadam ente a fim de evitar doenças
(reforço negativo) ou a fim de perm anecer saudável (reforço positivo)? Se eu co­
mer em dem asia e passar mal, m inha extravagância será punida positivamente
pelo m al-estar ou negativam ente pela perda do bem-estar? As multas por conduta
ilegal pareceriam ser u m a punição negativa e, no entanto, as pessoas se compor­
tam como se a m ulta fosse um a punição positiva - talvez não tão ruim quanto
quebrar um braço, m as na mesma direção.
Todas essas questões dizem respeito a normas, ou o estado habitual das coisas
na vida dos indivíduos. Alguém que seja norm alm ente saudável tom ará um a dor de
garganta como um evento aversivo, enquanto um a pessoa com câncer trocaria de
bom grado sua doença pela dor de garganta.
Os seres hum anos têm um a notável capacidade de se adaptar a suas circuns­
tâncias habituais. É por isso que os ricos não são mais felizes que os outros. Quando
temos dinheiro, habituam o-nos a ele. Mesmo que você seja muito rico, que esteja
acostum ado com três casas e dois iates, perder um dos iates ainda parecerá um
desastre. Para quem se adaptou a certo nível de fartura, ver sua riqueza diminuir
parece ser um evento realm ente aversivo.
Essa adaptação à no rm a pode ser entendida como uma condição estabelecedora, sem elhante à privação e saciedade. No Capítulo 4, observamos que a eficá­
cia dos reforçadores e punidores aum enta e diminui de acordo com as circunstân­
cias predom inantes no passado recente. É pouco provável que o alimento seja um
reforçador poderoso para um a pessoa bem alim entada. Igualmente, o comporta­
m ento do rico é m enos afetado do que o do pobre pela possibilidade de ganhar ou
perder cem reais, precisam ente como se o rico estivesse relativamente saciado, e o
pobre relativam ente carente, A perda m onetária (um a multa) torna-se aversiva
quando a pessoa se acostum ou a ter dinheiro, mas, para ser eficaz, o valor da m ulta
tem de refletir os recursos dessa pessoa. Se for muito alto, o valor não é realista,
porque não se pode tirar leite de pedra; se for m uito baixo, não significa nada.
Assim, as m ultas, em geral, convergem para o nível em que, relativamente aos
recursos habituais das pessoas, a am eaça de perda aparece a um tempo como rea­
lista e não-trivial.
O controle do com portam ento por ameaças de perda do conforto habitual
constitui um a coerção igual ao controle por ameaças de tortura. É verdade que o
poder de dar é tam bém o poder de tirar, e que esse poder pode ser mal empregado.
Quando ele for m al em pregado, porém, as pessoas não se sentirão nem livres, nem
felizes.
Reforço positivo significa prover relações de reforço pelas quais o comporta­
m ento socialm ente desejável pode levar o indivíduo a uma melhor sina. Algumas
indústrias norte-am ericanas estão aprendendo que o caminho para fabricar produ­
tos de boa q ualidade é recom pensar os operários por seus esforços nesse sentido. O
194
Williom M. Baum
custo extra é m ais do que com pensado pelo aum ento de qualidade, e os trabalha­
dores ficam mais felizes, tam bém . Há com unidades que já tentaram gratificar mo­
toristas por dirigir bem, em vez de puni-los por transgredir regras. Teríamos senti­
m entos bem diferentes sobre os policiais rodoviários se, de vez em quando, eles nos
parassem e nos dessem um a gratificação por respeitar o limite de velocidade! Isso
pouparia verbas públicas porque seriam necessários menos guardas e seria consu­
mido menos tem po nos tribunais, e as pessoas talvez ficassem mais predispostas a
obedecer o limite de velocidade.
O reforço positivo, entretan to , tem um problema: ele pode ser mal em prega­
do. Reforçadores pequenos, porém conspícuos, liberados im ediatam ente, podem
ser tão poderosos que as pessoas sacrificarão o bem -estar a longo prazo pelo ganho
a curto prazo. Essa situação pode ser cham ada uma armadilha de reforço.
Armadilhas de reforço e autocontrole
Existe um reconhecim ento im plícito d a arm adilha presente em um a relação de
reforço quando as pessoas falam que alguém é “escravo de um hábito”. Os m aus
hábitos, e particularm ente as dependências, são difíceis de largar, e a pessoa que
vivência os desagradáveis efeitos do hábito não parece nem se sente livre. Q uando
Fábio está fum ando e parece descontraído, podemos dizer que ele simplesmente
gosta.de fumar, mas quando ele fica sem cigarro no meio da noite e se m ostra à
beira de um ataque de nervos, somos m ais propensos a dizer que ele está preso na
arm adilha de um m au hábito.
Diz-se q u e m au s h á b ito s, com o fu m a r e com er em excesso, exigiriam
autocontrole. Essa colocação parece sugerir o controle por um “eu” em algum lugar
interno, ou um “eu” interno controlando o com portam ento externo. Os analistas
com portam entais rejeitam esses pontos de vista por m entalistas. Ao invés, pergun­
tam : “O que é o com portam ento que as pessoas cham am de ‘autocontrole5?”.
Autocontrole consiste em fazer um a opção. 0 fum ante que se abstém de fu­
m ar m ostra autocontrole. A alternativa, que seria ceder ao hábito, é agir im pulsiva­
m en te. O fu m a n te se d e p a ra com u m a escolha e n tre d u a s a lte rn a tiv a s: a
impulsividade (fum ar) e o autocontrole (abster-se). A diferença entre os dois é que
a im pulsividade consiste em se com portar de acordo com o reforço a curto prazo
(desfrutar o cigarro), ao passo que o autocontrole consiste em com pòrtar-se de
acordo com o reforço a longo prazo (gozar de boa saúde).
A Figura 9.2 ilustra um a arm adilha de reforço, 0 esquem a superior m ostra a
arm adilha em term os gerais. Agir im pulsivam ente (C,) leva a um reforçador p eque­
no porém relativam ente im ediato (SR). 0 caráter relativam ente im ediato do refor­
ço é simbolizado por um a flecha curta. O reforço a curto prazo para o fumar, que
aparece no esquem a inferior, está nos efeitos da nicotina e em reforçadores sociais
tais como parecer adulto ou requintado, O problem a do com portam ento impulsivo
está nos efeitos nocivos a longo prazo, simbolizados pelo punidor grande (Sp)- A
flecha com prida indica que a punição pela impulsividade é substancialm ente re ta r­
dada. Podem transcorrer m eses ou anos antes que o mau hábito cobre seu preço em
conseqüências como câncer, doença cardíaca e enfisema, m ostradas no esquem a
Compreender o behaviorismo
ifs
* sp
c,
* SR
Fumar
nicotina +
reforçadores sociais
Abster*se
Câncer, doença
cardíaca, enfisema
saúde
sintomas de abstinência +
desconforto
Figura 9.2 Uma armadilha de reforço - um problema de autocontrole ou um mau hábito.
Agir impulsivamente (C,; fumar) produz reforço a curto prazo (nicotina e reforço social) e
punição grave a longo prazo (câncer, doença cardíaca e enfisema). O emprego de
autocontrole (CA; abster-se de fumar) produz punição a curto prazo (sintomas de abstinên­
cia e desconforto sociaf) e reforço importante a longo prazo (saúde).
inferior como efeitos do fumo a longo prazo. 0 tam anho avantajado do símbolo
indica que os efeitos nocivos a longo prazo são m uito mais significativos do que os
reforçadores a curto prazo.
A alternativa à im pulsividade, o autocontrole, está simbolizada na Figura 9.2
por CA. No esquem a inferior, ela é indicada como abster-se de fumar, em bora pu­
desse consistir em altern ativ as específicas, como m ascar chiclete. Tal como a
impulsividade, o com portam ento de autocontrole leva a conseqüências tanto de
curto quanto de longo prazo. As conseqüências de curto prazo, indicadas pela fle­
cha curta, são punitivas, m as relativam ente pequenas: sintomas de abstinência (por
exemplo, dor de cabeça) e, possivelmente, desconforto social. A longo prazo (fle­
cha com prida), en tretan to , o autocontrole leva ao reforço importante (SRgrande).
Abster-se de fum ar red u z o risco de câncer, doença cardíaca e enfisema; ao fim,
prom ove a saúde.
Nos term os de Rachlin (Capítulo 3), afirmar que alguém é fumante é afirmar
que essa pessoa fum a com freqüência, que o padrão de suas atividades diárias
incluem a atividade de fumar. Afirmar que alguém se abstém de fumar é afirmar
que o padrão de atividades diárias da pessoa exclui o fumar. Já que o padrão diário
que exclui fum ar im plica um a imediata punição tem porária, deixar de fum ar pro­
vavelm ente precisará de algum tipo de reforçadores de curto prazo a fim de contrabalançar a punição. E m bora o ex-fum ante eventualm ente venha a desfrutar de
saúde a longo prazo, o intervalo até a saúde de longo prazo e sua natureza progres­
siva fazem dela um a conseqüência relativam ente ineficaz. Reforçadores sociais,
com o aprovação de fam iliares, amigos e colegas de trabalho, apresentados em vá­
rios m om entos d urante o dia quando a pessoa é vista sem fumar, aum entam a força
do padrão diário de abstenção.
m
Williom M. Baum
Uma segunda categoria im portante de arm adilhas de reforço é o adiam ento e
a procrastinação. Q uando um a pessoa está com um a cárie pequena e adia a ida ao
dentista, o desconforto im ediato d a obturação prevalece sobre a punição maior
adiada: eventuais dores de dente, tratam ento de canal, perda do dente. Nos termos
da Figura 9.2, o adiam ento é im pulsividade (C,), e ir ao dentista é autocontrole
(CA). O adiam ento é reforçado im ediatam ente pela esquiva do pequeno desconfor­
to, m as é punido ao final pelo grande desconforto. Ir ao dentista é punido imedia­
tam ente pelo pequeno desconforto, m as é reforçado ao final pela esquiva do gran­
de desconforto e pela m anutenção de dentes em boas condições.
Um terceiro exemplo com um de arm adilhas de reforço é o conflito entre gas­
tar e economizar. De início, g astar (im pulsividade) é reforçado im ediatam ente por
pequenas compras. Com o p assar do tem po, econom izar (autocontrole) produz um
reforço muito maior, como com prar um carro ou saldar a dívida da casa própria. 0
com prador compulsivo é aquele que caiu na arm adilha do reforço im ediato do
gastar. Vemos o gastar com pulsivo com o um m au hábito ou mesmo um a dependên­
cia, porque ele é punido, ao final, pela perda de um reforço significativo.
As situações que se assem elham às da Figura 9.2 são chamadas de armadilhas
por duas razões. Em prim eiro lugar, a pessoa que se com porta im pulsivam ente fica
presa na arm adilha do reforço pequeno e im ediato para a impulsividade e d a puni­
ção pequena e im ediata para o autocontrole. O atraso enfraquece o efeito de qual­
quer conseqüência. Se o efeito está em um futuro longínquo, mesmo conseqüên­
cias tão sérias como m orrer de câncer são subjugadas pelas conseqüências peque­
nas e imediatas. Em segundo lugar, o punidor im portante para a im pulsividade é ‘
reconhecido e com entado. Em term os mais técnicos, a punição a longo prazo fun­
ciona como estím ulo discrim inativo para o com portam ento verbal, inclusive para
palavras como armadilha e escravo. Antes de todo o debate sobre a conexão entre
cigarro e câncer, o fum ar e ra visto com m aior complacência; havia pessoas que o
chamavam de m au hábito, m as não era nada como hoje em dia.
O reconhecim ento das conseqüências aversivas da impulsividade explica por
que as pessoas presas em arm adilhas de reforço são infelizes e não se sentem livres.
A arm adilha de reforço se parece com a coerção, à m edida que a punição longínqua
funciona como um a am eaça e o autocontrole é visto como esquiva da am eaça. Se a
pessoa presa à arm adilha ouve alguém, até mesmo e possivelmente ela própria,
falar sobre os perigos a longo prazo de fum ar (Sft n a Figura 9.1), então o auto­
controle se torna sem elhante à submissão (embora, evidentem ente, a punição por
não se subm eter seja m inistrada pela conexão natural entre o fumar e a doença, e
não por um controlador). A rm adilhas de reforço se conformam à lei geral de que as
pessoas se sentem presas e infelizes quando'o com portam ento que prefeririam em
outras situações cria um a am eaça de punição. A pessoa que escapa de um a arm adi­
lha de reforço, tal como a que escapa da coerção, sente-se livre e feliz. Pergunte a
quem já venceu um a dependência.
Não é por acaso que as conseqüências a longo prazo da Figura 9.2 se parecem
com as conseqüências últimas discutidas no Capítulo 8 e esquematizadas na Figura 8.2Muitos dos estím ulos discrim inativos verbais cham ados regras e das relações de
reforço im ediatas que os acom panham existem precisam ente para ajudar as pessoas a se esquivarem de arm adilhas de reforço. Quando o pai ou a m ãe diz a seu filho
Compreender o behavionsmo
197
ara recusar drogas ilícitas que lhe sejam oferecidas, o objetivo dessa ordem é
resguardá-lo de sofrer, a longo prazo, as conseqüências da dependência. O reforço
social próxim o p o r seguir a regra, vindo dos pais, compensa o reforço relativam en­
te imediato por usar drogas, que arrastaria o filho para a armadilha. Vistas por esse
ângulo, m uitas práticas culturais parecem ser esquivas de armadilha. Usar sapatos,
exemplo dado no Capítulo 8, é sem elhante ao autocontrole porque toleram os o
incômodo im ediato de usar sapatos pelo reforço a longo prazo de evitar doenças.
Sem o suporte cultural sob a forma de regras, as pessoas poderiam ficar descalças
(impulsivamente) p ela com odidade a curto prazo e sofrer conseqüências terríveis a
longo prazo. R etornarem os a esse ponto no Capítulo 12, quando considerarmos
como o com portam ento que produz reforço a longo prazo é rotulado de “bom ”,
enquanto o com portam ento que produz reforço a curto prazo é rotulado de “m au”,
e no Capítulo 13, quando virmos como as práticas culturais se desenvolvem em
• resposta a conseqüências últimas.
Sem a proteção de regras e da obediência a elas, a facilidade com que o con­
trolado cai em arm adilhas de reforço constitui um a tentação para o controlador. 0
controlador usa o reforço positivo abusivam ente quando dispõe arm adilhas de reforço para o controlado. Todos nós reprovamos o traficante de drogas que oferece
amostras gratuitas p ara crianças, mas o que dizer do governo que estabelece arm a­
dilhas de reforço? Certas leis velhacas recorrem a loterias para conseguir mais re­
ceita, sabendo que gente que detesta pagar impostos jogará alegremente na loteria,
■ ainda que passe p o r dificuldades para arcar com esse gasto. Um governo que tire
’ proveito de um a fraqueza como essa é um governo explorador. Dado que as ques:■;,tões envolvidas com esse problem a têm mais a ver com gerenciamento do que com
liberdade, a discussão da exploração aguardará o Capítulo 11.
A noção de arm adilhas de reforço nos ajuda a entender alguns casos de não
conseguir se sentir livre e de se libertar. Também nos ajuda a entender outro uso da
■palavra livre, uso que parece ser diferente dos que discutimos até agora: liberdade
espiritual
Uberdade espiritual
Ao longo de todas as eras, personagens religiosas falam de liberdade espiritual. Esse
discurso não tem nada a ver com liberdade social, como por exemplo a liberdade de
poder freqüentar a igreja de sua escolha. Ao invés, o foco é o mundo, os bens m unda­
nos e o conforto m undano. Recomenda-se insistentemente às pessoas que se liber­
tem da servidão, do apego ou da escravidão.aos prazeres mundanos. O líder espiri­
tual indiano M eher Baba (1987), por exemplo, ensinou que “Uma importante condi­
ção da liberdade espiritual é a liberdade de todo desejo” (p. 341). Ele continua:
O homem procura objetos de prazer mundanos e tenta evitar coisas que trazem
dor, sem se aperceber que não pode ter um e fugir do outro. Enquanto houver
apego a objetos de prazer mundanos, e]e terá de abrigar perpetuamente o sofrimento
de não os possuir - e o sofrimento de perdê-los após os haver conquistado. O
desapego duradouro (...) liberta de todos os desejos e de todo apego (p. 391-392),
198
William M, Baum
A idéia de libertação d o apego a coisas m undanas tam bém tem seu lugar na
literatura. No rom ance Sidarta, H erm ann Hesse (1951) descreve as impressões do
protagonista quando viu Buda pela prim eira vez:
0 Buda continuou quieto seu caminho, perdido em pensamentos. Sua fisionomia
de paz não era feliz nem triste. Parecia estar sorrindo para si próprio, suavemen­
te. Com um sorriso secreto, como o de uma criança saudável, ele caminhava,
sereno e em paz. Vestia sua túnica e caminhava a passo exatamente como os
outros monges, mas seu rosto e seu..andar; o olhar de paz dirigido para o chão,
sua tranqüila mão pendente, e cada um de seus dedos falavam de paz, falavam
de integridade, não buscavam nada, não imitavam nada, e refletiam uma calma
continua, uma luz inapagável, uma paz invulnerável (p. 27-28),
Não se limita aos livros religiosos essa ligação da liberdade espiritual à fuga
dos desejos m undanos. No rom ance Freefall, de W illiam Golding (1959), o p ro ta ­
gonista se depara a certa altura m ontado em sua bicicleta, em frente à casa de
Beatrice, por quem está apaixonado:
E mesmo quando estava na bicicleta perto do farol, já não era mais livre (...). Pois
essa parte de Londres tinha o toque de Beatrice, Ela via essa ponte rendada e
coberta de fuligem; a maneira dos ônibus se alçarem sobre seu arco lhe seria
familiar. Uma dessas ruas seria a dela, um quarto numa dessas casas pardas. Eu
sabia o nome da rua, Squadron Street; sabia, também, que a visão do nome,
numa placa de metal ou numa tabuleta, deixaria meu coração de novo apertado,
tiraria a força das minhas pernas e me cortaria a respiração. Coloquei a bicicleta
na descida da ponte, esperando pelo sinal verde e pelo sinal de virar à esquerda;
e já sabia que tinha deixado minha liberdade para trás (p. 79).
Aqui, de novo, o sentido de liberdade é oposto ao sentido de ânsia,, apego ou
desejo. Embora Golding não denom ine a liberdade de “espiritual”, é evidente que
ele a identificaria com a ausência de desejo por Beatrice.
“Prazeres m u n d an o s” - com ida, sexo, belos carros, férias no Caribe - são to ­
dos reforçadores. Em term os técnicos, os escritores precedentes parecem falar so­
bre alguma coisa que transcende a libertação do controle aversivo; parecem falar
sobre a libertação que transcende até mesmo o reforço positivo. Se a gente pudesse
se libertar do controle aversivo e do reforço positivo, que controle sobraria? Falar
de liberdade espiritual supõe necessariam ente que as pessoas possam se libertar de
todo o controle? Os behavioristas conseguem ver algum .sentido nesse discurso?
Uma forma de com preender a liberdade espiritual se torna mais clara quando
consideramos não apenas o que é denegrido, mas tam bém o que é defendido. Se
perseguir o prazer m un d an o é m au, então o que é bom ? As respostas variam , mas,
em geral, preconizam valores como a bondade e a simplicidade. Ajude os outros
mesmo que isso lhe tra g a problem as. Coma para viver em vez de viver p ara comer.
Abandone o egoísm o e os excessos.
De uma perspectiva com portam ental, prescrições desse tipo m ostram conse­
qüências aversivas postergadas. O egoísmo e um a vida luxuosa podem valer a pena
Compreender o behaviorismo
I $9
a curto prazo, mas, ao final, levam à solidão, à doença e ao rem orso, A longo prazo,
você será m ais feliz se ajudar os outros e levar a vida com moderação. Essas rela­
ções de reforço de longo prazo são precisam ente aquelas que têm pouco efeito
sobre o com portam ento se não houver regras e obediência a elas. “Faze aos outros
o que queres que te façam ” é um a regra que torna provável que nosso com porta­
mento social entre em contato com as vantagens a longo prazo de ajudar os outros.
A bondade e a simplicidade têm um a compensação m aior do que simplesmen­
te evitar a dor; elas tam bém têm seu reforço positivo. Nós nos beneficiamos de
relacionam entos m utuam ente proveitosos com outras pessoas, a m oderação ge­
ralm ente leva a um a saúde melhor, e os defensores da liberdade espiritual tam bém
apontam recom pensas m enos tangíveis.
Isso fica particularm ente claro na citação de H erm ann Hesse. A palavra paz
aparece cinco vezes naquela passagem, O desapego de Buda significa alcançar se­
renidade in tern a, tranqüilidade, liberação d a ansiedade de perseguir objetivos
m undanos, d ar adeus à m ontanha-russa do desespero e da elação. Foi Meher Baba
quem disse: “Não se preocupe, seja feliz”.
Em term os com portam entais, a defesa da liberdade espiritual pode ser vista
não como um argum ento em prol da libertação de todos os reforços positivos, mas,
antes, como um argum ento a favor de um conjunto de reforçadores positivos em
contraposição a outro. Trata-se da qualidade de vida. “Comer para viver” e “m ode­
ração em tu d o ” não significa abrir mão de alimento, sexo, roupas ou carros; signi­
fica que esses n ão deveriam ser os principais ou únicos reforçadores na vida de
uma pessoa.
Esse argum ento se assem elha ao raciocínio sobre arm adilhas de reforço, ilus­
trado n a Figura 9.2. Os reforçadores m undanos do egoísmo e da auto-indulgência,
que seriam análogos à impulsividade, são relativam ente imediatos. Ao final, são
sobrepujados por conseqüências últimas aversivas e mais importantes, tais como
doença, solidão e sofrimento. Ao contrário, o reforço pela bondade e moderação
(análogo ao autocontrole), embora potencialm ente grande, é ao mesmo tempo
relativam ente postergado. Sob esse prism a, a libertação de reforçadores mundanos
a curto prazo (isto é, a liberdade espiritual) significa tão-som ente fazer uma m u­
dança, ficar sob controle do reforço a longo prazo por um a vida simples e m odera­
da, e pelo respeito pelo outro. Retornarem os à idéia de comportar-se pelo bem dos
outros no Capítulo 12.
o DESAFIO DO PENSAMENTO TRADICIONAL
0 pensam ento tradicional, baseado no livre-arbítrio, é um desafio para o ponto dé
vista analítico-com portam ental sobre a liberdade. Se todo comportamento é deter­
minado pela hereditariedade e pela história comportamental, como então poderá o
lxidivíduo ser responsabilizado por seus atos? Não seria a ruína da sociedade se não
fosse possível atribuir responsabilidade às pessoas? Mesmo que o determinismo
fosse verdade, talvez ainda assim ele devesse ser combatido, por ser uma idéia
Perniciosa que solapa a democracia e leva inevitavelmente ao autoritarismo. Ao
fim e ao cabo, será que a ciência não nos diz apenas como nos comportamos? Não
200
William M. Boum
continua m uda sobre como devemos nos com portar? C. S. Lewis (1960) coloca essa
questão de forma especialm ente clara em seu livro Mere Chiistianity:
No universo inteiro, há uma coisa, e apenas uma, que conhecemos melhor do que
seria possível a partir da observação externa. Essa coisa singular é o Homem. Não
somente observamos os homens, nós somos homens. Nesse caso nós temos, por
assim dizer, informação privilegiada; nós estamos no saber. E, por isso, sabemos
que os homens se encontram sob uma lei moral, que não foi formulada por eles,
que não pode ser por eles inteiramente esquecida mesmo quando o tentam, e a
que sabem que devem obedecer. Observem o seguinte. Quem quer que estudasse
o Homem olhando de fora, como estudamos eletricidade ou repolhos, não conhe­
cendo nossa linguagem e, conseqüentemente, não sendo capaz de obter nenhum
conhecimento interno sobre nós, mas meramente observando o que fazemos,
jamais conseguiria obter a mais tênue prova de que temos essa lei moral. Como
poderia? Pois suas observações só lhe mostrariam o que fazemos, e a lei moral diz
respeito ao que devemos fazer (p. 33).
O argum ento de Lewis é expresso em term os do dualismo “aqui dentro, lá
fora”, que criticamos nos Capítulos 2 e 3. Tratam os sobre ter regras (Lewis escreve
sobre ter uma lei m oral) no Capítulo 8 . Mas a objeção permanece: o que pode a
ciência nos dizer sobre com o devemos nos com portar?
Os capítulos restantes deste livro tratam dessas questões. No Capítulo 10}
veremos como o determ inism o ainda adm ite a nõçãò de responsabilidade. O Capí­
tulo 11 examina como o pensam ento com portam ental poderia ajudar a resolver
problemas sociais sem am eaçar nossa liberdade. No Capítulo 12, avaliamos até que
ponto a ciência pode chegar na com preensão do como devemos nos comportar.
Nos Capítulos 13 e 14, analisam os a cultura e como ela se transform a, e como o
pensam ento com portam ental pode expandir ao invés de m utilar a democracia.
RESUMO
O único uso das palavras livre e liberdade que conflita com o pensam ento com­
portam ental é aquele que implica o livre-arbítrio. O utros usos têm mais a ver com
sentir-se livre e feliz. Liberdade social, política e religiosa consiste em liberdade de
coerção, que definim os aqui como liberdade d a am eaça de punição. Quando algu­
mas de nossas alternativas com portam entais são punidas, não podemos nos sentir
livres. Mesmo se o com portam ento é positivam ente reforçado a curto prazo, s e ele
leva a uma punição m aior a longo prazo, a pessoa que cai nessa arm adilha de
reforço não pode se sentir livre. Q uando nosso com portam ento é m antido, por
outro lado, por reforço positivo (a curto e a longo prazo), e escolhemos entre dife­
rentes reforçadores, sentim o-nos tanto livres como felizes. Até mesmo a liberdade
espiritual pode ser com preendida em term os com portam entais, como quando ve­
mos que seus defensores encorajam o afastam ento do reforço pessoal (m undano) a
curto prazo e a aproxim ação do reforço a longo prazo proveniente da simplicidade
e da solidariedade.
Compreender o behoviorismo
201
Em bora a m aior parte dos usos das palavras livre e Uberdade possa ser inter­
pretad a com portam entalm ente, tais interpretações implicam um a m udança sobre
c o iu o vemos as pessoas, a cultura, o governo, a justiça, a educação e outras institui­
ções sociais. Exceto pelo livre-arbítrio, os outros tipos de liberdade possuem fun­
ções sociais úteis. Eles indicam o cam inho para um a questão mais básica: a felicida­
de. Defensores da liberdade social se opõem ao uso de am eaças e punição para
• controlar o com portam ento porque as pessoas que são coagidas são infelizes. Os
defensores d a liberdade espiritual dão força aos efeitos de relações de reforço que
■produzem um a m aior felicidade a longo prazo. Quando a sociedade dispõe de re­
forço positivo para com portam entos desejáveis e apóia relações de reforço de lon­
go prazo, seus cidadãos são produtivos e felizes.
leituras a d icio n a is
Golding, W. (1959). Free fali. Nova York: Harcourt, Brace, and World. Romance sobre um
jovem artista num período crucial de sua vida, explorando a questão da liberdade e da
. responsabilidade.
Hesse, H. (1951). Siddhartha. Nova York: New Directions. Romance sobre a caminhada
espiritual de um jovem na índia, no tempo de Buda.*
Lewis, C. S. (1960). Mere Christianity. Nova York: Macmillan. Coletânea de artigos desse
. . famoso pensador religioso. Lewis apresenta a objeção à visão científica do mundo de forma
clara e em termos modernos.
; Meher Baba (1987). Discourses. Myrtle Beach (SC): Sheriar Press, 7. ed. Coletânea de deba­
tes sobre questões espirituais por um líder espiritual indiano contemporâneo.
: Sidman, M. (1989), Coercion and ítsfallout, Boston: Authors Cooperative. Esse livro trata
extensamente das desvantagens do controle aversivo e das vantagens de sua substituição
pelo reforço positivo.*
Skinner, B. F. (1971). Beyond freedom and dignity. Nova York: Knopf. Nesse livro, Skinner
expôs a conceituação básica do ponto de vista analítico-comportamental sobre a liberdade.
O capítulo presente faz uso substancial dos Capítulos 1 e 2 de Skinner.
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPÍTULO 9
Armadilha de reforço
Autocontrole
Coerção
Controle aversivo
Impulsividade
Uberdade espiritual
Liberdade social
N- de T. Título traduzido em português (ver “Apêndice”).
10
Responsabilidade,
mérito e culpa
E m Beyond freedom and dignity, Skinner afirmou que o mentalismo não só interfere com a busca de explicações científicas do com portamento como também não é
prático, no sentido de que nos impede de solucionar problemas sociais como a
guerra, o crim e e a pobreza. Dois termos m entalistas por ele criticados foram méri­
to e culpa. Skinner discutiu m érito e culpa em conexão com o conceito de dignida­
de, mas, em m inha experiência, as afirmações sobre implicações sociais do behaviorism o giram mais freqüentem ente em torno da noção afim de responsabilidade.
Consideram os que as pessoas têm dignidade quando elas podem ser consideradas
responsáveis. Neste capítulo, enfocaremos o conceito de responsabilidade, seus
fundam entos filosóficos e suas implicações práticas.
A RESPONSABILIDADE E AS CAUSAS DO COMPORTAMENTO
Em m uitos de seus usos, a palavra responsável parece ser uma forma de falar sobre
causas. Q uando dizemos “A fiação danificada foi responsável pelo incêndio”, pode­
ríam os igualm ente dizer “A fiação danificada causou o incêndio”. Podem existir
tam bém outros fatores, m as o que queremos dizer é que a fiação danificada foi o
fator crucial.
Mas, o que querem os dizer quando dizemos que “Marcus foi responsável pelo
incêndio”? Substituir a fiação danificada por Marcus tem dois tipos de implicações.
Prim eiro, h á a im plicação prática de que Marcus pôs fogo no local; trata-se de uma
ligação potencialm ente im portante, e pode requerer alguma ação de nossa parte.
Segundo, h á a implicação de que Marcus causou o incêndio da mesma forma que
um a fiação danificada o faria. Voltaremos às considerações práticas mais adiante;
antes, precisam os exam inar a noção de que uma pessoa pode ser uma causa.
204
William M. Baum
Livre-arbítrio e visibilidade do controle
A idéia de que um a pessoa possa ser responsável por um a ação, no sentido de
causar essa ação, é baseada na noção de livre-arbítrio discutida no Capítulo 1. No
m odo de pensar mais corriqueiro, a diferença entre um a fiação danificada causar
um incêndio e M arcus causar um incêndio está em que Marcus escolheu livremente
provocar o incêndio. A fiação danificada é atribuída a fatores am bientais tais como
dilatações e contrações e o clima, enquanto a ação de M arcus é atribuída ao pró­
prio Marcus.
Embora possa parecer quase senso com um que Marcus e a fiação danificada
devessem ser tratados de forma diferente, a distinção entre eles tende a desapare­
cer sob um exam e mais atento. A fiação funcionava bem logo que foi instalada. Ela
deteriorou depois de muito tem po - m uitos invernos, muitos verões, anos de con­
trações e expansões. No fim, ela se desgastou e “provocou” o incêndio. Com Marcus,
de modo semelhante, uma combinação de fatores genéticos e um a história de eventos
am bientais (sua educação) fez com que ele se tornasse “danificado” e provocasse o
incêndio. Marcus, como a fiação, é apenas o instrum ento através do qual o incên­
dio ocorreu.
Essa m aneira de ver a ação de M arcus pode parecer estranha, porque estamos
acostum ados a traçar um a linha divisória entre o com portam ento das coisas e das
pessoas. O com portam ento das pessoas parece diferente do com portam ento das
coisas por duas razões; as alternativas dentre as quais um a pessoa pode escolher
parecem óbvias, e os fatores que determ inam a ação escolhida perm anecem ocul­
tos. Poucos de nós ateamos fogo em casas; parece óbvio que M arcus poderia se
com portar exatam ente como o restan te de nós.
Mas será isso tão óbvio? M uitas vezes, desculpam os as ações de um a pessoa
dizendo que ela “não tinha escolha”. Im agine que alguém estivesse apontando um a
arm a para a cabeça de Marcus quando ele ateou o fogo; poderíam os dizer que ele
não teve escolha.
Nesse ponto chegamos a um a contradição. Se Marcus tinha escolha antes, ele
tem escolha agora. Ele poderia se recu sar e arriscar que lhe estourassem a cabeça.
Ou M arcus tem escolha em am bas as situações, isto é, quando está com a arma
apontada para sua cabeça e quando age por si próprio, ou não tem escolha em
nenhum a das duas.
Marcus parece não ter escolha apenas porque o motivo (a arm a) de sua ação
é visível. Q uanto mais viermos a saber das razões que levaram Marcus a atear o
fogo, menos direm os que ele escolheu livrem ente. Digamos que ele tenha sido
violentado quando criança, ou que seja piromaníaco. Começamos a .pensar nele
como danificado, tanto quanto a fiação, e dizemos que ele não poderia ter evitado
aquela ação.
A tentação de recorrer ao livre-arbítrio surge porque não podem os ver nada
de errado em Marcus do mesmo m odo como podem os ver em um fio desgastado.
Se não há um a causa clara e atual, como um a arma apontada para a cabeça de
Marcus, então tem os de olhar p ara eventos no passado. Esses, no entanto, podem
Compreender o behovíorismo
205
ser difíceis de descobrir. Recorrer ao livre-arbítrio é um a saída fácil, mas não é de
form a nenhum a um a explicação do ponto de vista científico.
Atribuição de mérito e culpa
Q uando a responsabilidade é ligada ao livre-arbítrio e à idéia de que as pessoas
causam seu próprio com portam ento, então parece simplesmente natural atribuir
m érito e culpa às pessoas pelas ações que aprovamos ou desaprovamos. Mérito e
culpa são ou tra m an eira de falar em causas, mas com o elemento adicional da
aprovação e desaprovação.
Ações louváveis são reforçadas; ações censuráveis são punidas. Discutiremos
ações boas e m ás m ais à frente, no Capítulo 12, mas para a presente discussão é
suficiente notarm os que as pessoas procuram o mérito e evitam a culpa.
As pessoas inventam os mais variados tipos de desculpa quando são pilhadas
em u m ato vergonhoso, desde "Foi o diabo que me fez fazer isso” até “minha infân­
cia infeliz”. O objetivo é atribuir a culpa a alguma outra coisa - em outras palavras,
colocar as causas do com portam ento no ambiente. Advogados de defesa pedem
com paixão. C onvencem juizes a considerar circunstâncias atenuantes na vida de
pessoas c o n d e n a d a s aos m ais d iferentes tipos de crim e. Do ponto de vista
com porta m ental, circunstâncias atenuantes significam fatores ambientais, e com­
paixão significa levar em conta esses fatores ambientais.
Em contraste, quando se atribui mérito às pessoas por algum feito digno de
elogio, elas m uitas vezes resistem a qualquer sugestão de que fatores ambientais
possam te r contribuído de algum a forma. Empresários bem-sucedidos freqüente­
m ente atribuem suas realizações a trabalho árduo e sacrifício, e raramente à sorte.
Artistas, escritores, com positores e dentistas muitas vezes evitam ou se ressentem
com questões sobre as fontes de suas idéias. Ninguém quer falar sobre as circuns­
tâncias aten u an tes de suas ações meritórias (a menos que a modéstia seja tida
com o um a virtude m aior do que a ação meritória).
Se estam os dispostos a atribuir ao ambiente a culpa por ações passíveis de
punição, então por que resistir em atribuir ao am biente o mérito por ações passí­
veis de reforço? As razões para isso não são difíceis de localizar. Atribuir culpa ao
am biente é um com portam ento operante (principalmente verbal). É reforçado por
evitar punição. Nós nos livramos de situações difíceis jogando a culpa em fatores
am bientais. As pessoas resistem em atribuir mérito ao am biente porque isso teria
um efeito análogo, p orém com perda de mérito em vez de perda de culpa. O com­
portam ento de atribuir m érito ao ambiente seria punido pela perda de reforço.
Enquanto se m antiver a prática de associar reforço à atribuição de mérito, as pesso­
as tenderão a esconder os fatores ambientais aos quais poderia ser atribuído m éri­
to. Se, ao invés, o reforço por ações adequadas fosse dispensado sem que fosse
necessário fingir que as ações tiveram um a origem inteiram ente interna, as pessoas
se sentiriam mais livres p a ra reconhecer os fatores am bientais, como fez ísaac
Newton, quando disse: “Se vi tão longe, é porque me apoiei nos ombros de gigan-
206
William M. Baum
tes”. Se desvincular a punição da culpa pessoal resulta em com paixão, desvincular
reforço de m érito pessoal resulta em honestidade.
Compaixão e controle
No passado, a idéia de que as pessoas escolhem de acordo com o livre*arbítrio era
freqüentem ente atrelada ao uso de punição, visando persuadir as pessoas a evitar ações
inadequadas. Cortavam-se as mãos de ladrões; enforcamentos públicos eram comuns.
Nos Estados Unidos, hoje, esse tipo de idéias e práticas está cedendo lugar a
um tratam ento mais hum ano do com portam ento inadequado. A noção de que po­
dem existir circunstâncias atenuantes perm ite ir além da responsabilização e puni­
ção de criminosos. Ela perm ite aos juizes m aior flexibilidade n a decisão das penas.
O adolescente que rouba um carro para im pressionar seus amigos pode receber um
tratam ento diferente do adulto que fez de roubar carros um a profissão.
De um ponto de vista prático, o com portam ento crim inoso levanta dois tipos
de questão: (1) Pode-se modificar o com portam ento? (2) Se a resposta é sim, o que
deve ser feito p ara modificá-lo? (Se a resposta à prim eira p ergunta for “não”, então
a segunda pergunta passa a ser sobre como proteger o resto d a sociedade de um
crim inoso incorrigível.) Q uando nos concentram os em como m odificar o compor­
tam ento, levantam os questões práticas, por exemplo, sobre a utilidade de prender
o malfeitor, o benefício que poderia lhe trazer um treinam ento profissional, ou a
ajuda que poderia advir de um aconselham ento psicológico. Q uanto mais reconhe­
cermos que o com portam ento está sob controle dos genes e d a história ambiental,
mais nos sentirem os livres para sermos compassivos e práticos em relação à corre­
ção de malfeitores.
Há m uita controvérsia acerca de infligir a pena de m orte nos casos de crimes
hediondos. A execução não pode reduzir a probabilidade do com portam ento recor­
rente, porque nenhum outro com portam ento ocorrerá. Seus defensores geralm en­
te a consideram um impeditivo para outros delinqüentes em potencial. Alguns es­
tados dos EUA substituíram a pena de m orte pela prisão p erp étu a, mas, depois de
algum tem po, a taxa de homicídios não m ostrou m udanças. Até agora, não há
evidências que apóiem a idéia de que a pena de m orte age com o um impeditivo.
E nquanto não haja evidências nesse sentido, e considerando que às vezes podemos
executar pessoas inocentes, a oposição à pena de m orte parece bem fundam enta­
da. Contra-argum entos são possíveis, no entanto, porque a prisão perpétua não
serve a ou tra função senão a de m anter essa pessoa fora das ruas, e m anter alguém
na prisão é altam ente custoso aos contribuintes. O debate continuará, mas poderia
ser considerado em termos mais práticos do que as noções errôneas que as pessoas
têm sobre escolhas livres e retribuição.
Se é m elhor ser prático em relação ao com portam ento inadequado, o mesmo
deve ser verdade em relação ao com portam ento adequado. As vantagens de ser
prático em relação ao com portam ento adequado vêm sendo com preendidas mais
devagar, principalm ente porque as pessoas recebem louvor p o r ações adequadas
apenas enquanto as razões da virtude perm anecem obscuras. Q uando vimos a sa­
Compreender o behoviorismo
207
ber que um filantropo ganha desconto no im posto de renda, damos a ele menos
crédito pela doação. S e as pessoas fossem recom pensadas por obedecer o lim ite de
velocid ade em vez de serem multadas por desobedecer-lhe, os que obedecem não
poderiam mais se sentir virtuosos e superiores àqueles que desobedecem .
Pessoas que se apeg am ao mérito freqüentem ente chamam de “suborno” o
uso de recom pensas com o objetivo de fortalecer com portamentos desejáveis, como
se houvesse algo de ignóbil em agir corretam ente por razões claras. Em 1991, a
apresentadora O prah W infrey promoveu uma discussão em seu program a de TV
sobre um p ro je to so cial altam en te eficiente, dirigido a jovens adolescentes,
objetivando a prevenção d a gravidez e a conclusão do ensino médio. Tratava-se de
um a entidade privada q ue estava ajudando adolescentes que já tinham engravidado
um a vez, pagando a elas, sem analm ente, um a pequena quantia em dinheiro desde
que perm anecessem n a escola, não engravidassem e freqüentassem aulas especiais
sobre nutrição e cuidados infantis. Muitos membros da audiência protestaram con­
tra o program a com argum entos como “Eu não posso concordar em pagar para as
pessoas fazerem o que n ão é mais do que sua obrigação”. Ironicamente, objeções
como essas surgiram ap esar do program a ter economizado consideráveis recursos
dos contribuintes. A m aio r parte das mães adolescentes nunca term ina o ensino
m édio e precisa receber pensão da previdência social para sobreviver.* Freqüente­
m ente; elas têm um filho atrás do outro e continuam na folha de pagam ento da
previdência. As p articipantes do programa, entretanto, que tinham estado, todas,
no program a do governo, agora já não tinham mais filhos, estavam term inando a
escola e estavam se lib ertan d o da dependência da assistência social. Mesmo se o
program a estivesse utilizan d o fundos federais (e não estava), ele ainda assim esta­
ria representando u m a econom ia, porque seu custo era irrisório em relação aos
gastos com as pensões do governo. Insistir que as pessoas deveriam agir adequada­
m ente p o r razões “delas próprias” (isto é, por razões obscuras) e chamar o reforço
de “suborno” apenas bloqueiam o uso do reforço para fortalecer o com portam ento
desejável e p o u p ar o d in heiro de quem paga impostos.
A reação daquela audiência mostra como tem sido muito mais lenta a aceita­
ção d a idéia de abrir m ão do m érito pessoal em favor do reforço program ado. Ao
decidir se deveriam p u n ir o com portam ento das meninas, essas mesmas pessoas
teriam , provavelm ente, falado de compaixão e circunstâncias atenuantes. No en­
tanto, no m om ento de decidir sobre a conveniência de reforçar com portamentos
corretos, os participantes do debate nunca levaram em consideração circunstâncias
atenuantes. O p ro g ram a procurava atingir jovens adolescentes que já tinham fi­
lhos, um a população d e risco. Muito embora algumas mulheres no auditório fos­
sem m ães solteiras q u e bem poderiam ter trazido à baila os fatores ambientais, o
destino provável das m eninas, se nada fosse feito, não foi capaz de prom over a
aceitação do reforço. Para que as decisões sobre política social tornem-se mais viá­
veis, tem os de considerar os efeitos ambientais tan to nas decisões sobre o reforço
quanto sobre a punição.
*N. de T, Esse exemplo não se refere ao Brasil.
208
William M. Baum
A RESPONSABILIDADE E AS CONSEQÜÊNCIAS DO COMPORTAMENTO
Na prática, a responsabilidade se resum e a um a decisão acerca de im por ou não
im por conseqüências. Ao ten tar decidir se punirão um crime, as pessoas podem
falar em justiça e m oralidade, mas, ao final, a decisão se resum e a aplicar ou não
um a punição e em que grau fazê-lo. Como analista com portam ental, m inha ten ­
dência é olhar para esse final, o resultado prático. Se m eu filho quebra um a janela,
m inha decisão sobre puni-lo ou não depende mais do que espero o b ter com a puni­
ção do que de considerações sobre justiça. Será que reduzirei a probabilidade de
um a repetição, ou vou apenas deixá-lo ressentido? A situação pode ser particular­
m ente com plicada se ele confessou a infração; devo punir p a ra evitar a repetição,
ou reforçar para fortalecer o dizer a verdade?
Se você declara que considera Marcus responsável por um a ação (quebrar
um a jan ela ou salvar sua vida), isso me diz m ais acerca de seu com portam ento do
que sobre o com portam ento de Marcus. Diz que você está inclinado a estabelecer
conseqüências, a punir ou reforçar o com portam ento de M arcus. Se você acredita
em livre-arbítrio, isso apenas reflete um pouco mais as suas tendências; você, pro­
vavelm ente, tem mais propensão a punir do que a reforçar. Sua tendência a se
com portar dessa forma, entretanto, pode não te r nada a ver com a crença no livrearbítrio, Que não é necessário acreditar em livre-arbítrio, torna-se evidente quando
exam inam os o m odo pelo qual as pessoas usam a palavra responsabilidade, à qual
nos voltam os agora.
0 que é responsabilidade?
O filósofo Gilbert Ryle argum entou que decidir se um ato é responsável assemelhase a decidir se ele é inteligente. Como vimos no Capítulo 3, n en h u m critério isolado
governa a decisão sobre a inteligência de um a determ inada ação; procuram os gru­
pos ou padrões de atividade em que a ação particular se encaixe. Uma pessoa faz
um lance brilhante em um jogo de xadrez; o lance foi inteligente ou foi produto da
boa sorte? Uma pessoa rouba dinheiro do patrão; o roubo foi p arte de um padrão
de atividade desonesta e criminosa ou foi um a aberração?
D efender um a ação com o argum ento de insanidade tem porária tem duas
implicações. Prim eiro, implica que o ato não foi característico. Chamam-se teste­
m unhas p ara depor que o hom em que espancou sua nam orada em um acesso de ira
não é de natu reza violenta, é carinhoso com anim ais e crianças, ajuda pessoas
idosas a atravessar a ru a e jam ais levanta a voz. No exemplo em que Marcus provo­
ca o incêndio, perguntam os se ele tem sido sempre um bom cidadão ou se já se
envolveu em outros atos anti-sociais. Segundo, a insanidade tem porária significa
que p u n ir o ato seria inútil - se é pouco provável que o com portam ento jamais se
repita, não há motivo para impedi-lo. Se provocar incêndios não com bina em nada
com as características de Marcus, então não precisamos te r m edo de que a trans­
gressão se repita.
Compreender o behaviorismo
209
A noção de responsabilidade tem muito em comum com as noções de inten­
ção e ação intencional discutidas no Capítulo 5. Q uando determ inada ação é parte
de um padrão e seu reforço é óbvio, tendem os a dizer que foi feito intencionalm en­
te e que o indivíduo d ev eria ser responsabilizado por ele. Em uma abordagem
prática d a transgressão, o problem a é o reforço. O caixa de banco é tentado a furtar
por causa do dinheiro. Os gerentes de banco norm alm ente tentam impedir esse
tipo de com portam ento am eaçando puni-lo, e efetivamente levando a cabo a puni­
ção caso ele ocorra. A am eaça e a punição visam elim inar a tentação e o reforço.
Responsabilizamos a p esso a no sentido de que fazemos a ameaça e punim os o
com portam ento caso ele ocorra.
Embora seja com um falar sobre responsabilidade no contexto de atos repreen­
síveis, o raciocínio p ode ser estendido também a atos meritórios. A questão quanto
a ações desejáveis é se devem os reforçá-las ou não. Se um a criança faz sua lição de
casa regularm ente, talvez não seja necessário fornecer nenhum reforço especial,
mas se a lição de casa é feita irregularm ente e apenas com cobranças, então pode
ser essencial reforçar a execução da tarefa com elogios e presentes especiais. Isso é
errado? E suborno? Se h á boas razões (reforçadores a longo prazo) para o com por­
tam ento, então o reforço especial deveria ser necessário apenas para instalar o
com portam ento. Depois que a lição de casa for feita regularm ente, os reforçadores
especiais podem ser g rad u alm en te eliminados. Uma política desse tipo justificaria
programas com o aquele que pag a para mães evitarem a gravidez e permanecerem
na escola; depois que a m u lh e r se formar e for capaz de se sustentar, como norm al­
mente esperaríam os, a p en são pode ser suspensa. (A pensão, é claro, deve ser p e­
quena em com paração ao reforço por se auto-sustentar.)
Quando alguém se com porta de forma “responsável”, essa pessoa está se com ­
portando de um a fo rm a que a sociedade julga útil. Habitualmente, isso significa
com portar-se de acordo com relações de reforço de longo prazo; nos term os do
Capítulo 9, esse uso de responsável coincide com autocontrole (CA na Figura 9.2).
Se Maria guarda suas econom ias em vez de esbanjá-las, ela está se comportando de
forma responsável. Igualm ente, se Maria perm anece na escola, de acordo com o
reforço a longo prazo, em vez de abandoná-la, de acordo com o reforço a curto
prazo, ela estará se co m portando de forma responsável.
O com portam ento responsável necessita ser m antido. Se o reforço a longo
prazo por perm anecer n a escola (CA) é insuficiente para m anter o comportamento,
e se essa perm anência é desejável, então as instituições privadas ou públicas têm
de oferecer reforço de curto prazo explícito para a permanência, suficiente para
contrabalançar o reforço a curto prazo por abandonar a escola (Q na Figura 9.2).
E por isso que o pag am en to a mães adolescentes por perm anecer na escola talvez
seja ao m esm o tem po p rático e necessário.
Do ponto de vista com portam ental, falar sobre responsabilidade é discutir se
é desejável ou útil estab elecer conseqüências. Dizer que consideramos uma pessoa
responsável é dizer que esperam os mudar seu com portamento punindo-o ou reforçando-o. As relações de reforço que o mantém ou deveriam mantê-lo são claras, e
desejamos contrabalançá-las ou aumentá-las. Dizer que Marcus não deveria ser
considerado responsável é dizer que ele c incorrigível (possivelmente insano) ou
210
William M. Baum
que a ação nunca acontecerá novam ente (foi uma aberração envolvendo sorte oq j
azar). Em qualquer dos casos, seria inútil punir ou reforçar o com portam ento. Di, !
zer que consideram os M arcus responsável ou que desejam os torná-lo responsável 4 ;
dizer que seria ú til punir seu com portam ento inadequado ou reforçar seu com por ­
tam en to adequado. Os analistas de comportamento norm alm ente recomendam
fortalecer 0 com portam ento desejável com reforço positivo.
Considerações práticas: a necessidade de controle
Pessoas que prezam a liberdade opõem-se ao gerenciam ento por coerção porque
reconhecem que a coerção resulta, a longo prazo, em infelicidade e em revolta,
M uitas pessoas que se opõem à coerção generalizam e afirm am se opor a qualquer
form a de controle. Baseiam sua posição na idéia de que as pessoas deveriam ter 0
direito de escolher livrem ente.
N a perspectiva com portam ental, não existe n ad a sem elhante a escolher livrem ente n o sentido de exercer livre-arbítrio, ou escolher sem explicação. No Capítulo
9, discutim os o escolher livrem ente no sentido de escolher com base em reforço
positivo, condição na qual as pessoas tendem a se sentir livres e felizes. E como, na
perspectiva com portam ental, todas as ações são controladas - isto é, são explicáveis - pela h erança genética e pela história am biental, a questão de fugir ao contro­
le não se coloca. O pai ou 0 adm inistrador que se recusa a controlar o comportam ento de filhos ou de em pregados apenas deixa o controle para outros e para 0
acaso. O controle ocorrerá, m as vindo de outras crianças, outros em pregados e
pessoas estranhas, sabe-se lá com que resultados. Pais e adm inistradores que se
recusam a controlar podem ser chamados de irresponsáveis, no sentido em que
responsável denota com portar-se de acordo com relações de reforço de longo prazo. O tratam ento responsável da administração e dos problem as sociais em geral
consiste em planejar e criar ambientes em que as pessoas se com portarão bem,
Essa idéia coloca duas grandes questões que serão tratad as no restante do livro:
quem controlará? Como o controle será executado?
:
f
í
•
|
;
;
í;
í
;
í
\
í
;i
|
Estabelecer consequências
Gostemos ou não, reconheçam os ou não, estamos constantem ente reforçando e ;
punindo o com portam ento uns dos outros. Provavelm ente a m aioria das vezes não j
estam os conscientes das conseqüências- que dispensam os para o com portam ento r
alheio. Um a frase que digo sem pensar pode arrasá-lo ou animá-lo, em bora eu não
fique sabendo nada do resultado. Pessoas em posição adm inistrativa, en tretanto pais, professores, supervisores ou governantes - têm de estar conscientes das con­
seqüências que provêem : é parte de sua função. Para captar o sentido dessa adm n
nistração deliberada de conseqüências, podemos usar a palavra estabelecer e falai)
em estabelecer reforço e punição.
1
Estabelecer conseqüências - uma parte da atividade gerencial - é em si mes-'
mo com portam ento operante, e está sob controle de relações de reforço de longQ
Compreender o behoviorismo
21!
prazo. Educar filhos adequadam ente determ ina o êxito das crianças na vida adul­
ta.
Pa*atento recon h ece os sinais de realização últim a de uma criança - desempenho na escola, am igos, esporte - e se comporta de m odo a produzi-los. Da m es­
ma forma, uma supervisão adequada determ ina a rentabilidade de um negócio. 0
comportamento d o adm inistrador com petente está sob controle de sinais que pre­
dizem um bom resultado final - reforçadores condicionados, tais com o registros de
freqüência, relatórios d e controle de qualidade e vendas.
Muitos dos reforçadores e punidores que controlam o comportamento do ge­
renciador (freqüência, notas escolares, e assim por diante) provêm daqueles que
estão sendo controlados. Esse fato deveria ser significativo para todos que prezam
a liberdade, porque abre a po rta para o reconhecim ento e planejamento explícito
do controle m útuo não apenas em adm inistração, m as em todas as relações hum a­
nas. Considerarem os a questão do controle m útuo no próximo capítulo. Por en­
quanto, passamos à questão de como controlar.
Que tipo de controle?
Vimos, no Capítulo 9, que os analistas com portam entais defendem o uso de reforço
positivo em vez de m étodos aversivos. Q uando o com portamento é controlado por
punição e am eaças, as pessoas dizem se sentir aprisionadas, infelizes, ressentidas, e
muito provavelm ente reclam am , esquivam-se e revoltam-se. A coerção é um m éto­
do insatisfatório de controle porque habitualm ente, a longo prazo, o tiro sai pela
culatra. Embora ela p o ssa ser eficiente a curto prazo, mais cedo ou mais tarde seus
resultados são superad o s p o r seus deploráveis efeitos colaterais.
Quando o com portam ento está sob controle de um reforço positivo adequa­
do, as pessoas dizem que se sentem livres, felizes e respeitadas. Sentem-se livres
porque não são p unidas por suas escolhas, felizes porque suas escolhas resultam
em coisas boas e resp eitad as porque os reforçadores contam a favor de seu mérito.
Todavia, dizer reforço positivo adequado implica algo importante.
Tal como o gerenciam ento por coerção, o gerenciam ento por reforço positivo
pode retroagir n egativam ente. Quando isso ocorre, h á geralmente duas razões: má
combinação de com portam ento e reforçador, e desconsideração da história. Discu­
timos brevem ente a idéia dessa m á combinação no Capítulo 4, quando observamos
que os reforçadores freqüentem ente induzem certos tipos de comportamento e são
também particularm ente eficientes em reforçá-los. O comportamento de bicar o
disco, em pom bos, é u m bom exemplo; pombos tendem a bicar, especialmente
objetos brilhantes, em situações em que provavelmente obterão alimento, e se as
bicadas em um disco forem reforçadas com comida, essa resposta é instalada com
muita rapidez. Igualm ente, quando um a criança interage com a m ãe ou o pai,
Manifestações de afeto (tocar, sorrir, elogiar) tornam-se reforçadores poderosos
que rapidam ente fortalecem o com portam ento que os produz. Outros reforçadores,
tais como dinheiro e presentes, podem funcionar, mas não tão bem; sem afeto, eles
Podem, ao final, não d a r certo. A não ser que pais, professores e outras pessoas que
cuidam da criança d êem o suporte do afeto ao reforço por símbolos (por exemplo,
fichas que podem ser trocadas por coisas e privilégios concedidos para reforçar
212
William M. Baum
com portam entos adequados), esse tipo de gerenciamento de conseqüências prova­
velm ente não produzirá efeito.
Ao lidar com adultos, u m fator im portante no gerenciam ento é a afiliação. É
visível que as pessoas trab alh am m elhor quando participam de grupos de tam anho
m édio nos quais são m em bros estáveis, Com o correr do tem po, as reiteradas
interações com as m esm as pessoas tendem a torná-las um a poderosa fonte de re­
forço social. Os japoneses, h á m uito tempo, usam o poder d a afiliação em seu
gerenciam ento industrial, e a indústria norte-am ericana está com eçando a seguir o
exemplo, com plem entando ou substituindo o isolam ento da linha de m ontagem
por “círculos de q ualidade”, isto é, grupos que trabalham como um a unidade, fabri­
cando um produto do início ao fim. Como para crianças, o reforço m onetário para
adultos funciona m elhor se estiver sustentado por reforço social.
A segunda razão de insucesso, a desconsideração da história, pode ser entendi­
da por analogia ao m om entum em física- Tentar alterar um com portam ento que foi
m odelado por um a longa história de poderoso reforço, superpondo um a nova rela­
ção de reforço artificial, p o d e ser análogo a tentar desviar a ro ta de um ônibus em
alta velocidade atingindo-o com um a bola de borracha. Parte da com petência do
bom terap eu ta é reconhecer as relações de reforço antigas e potentes. Nesse ponto
os psicanalistas estão certos: p ara com preender o com portam ento do adulto você
tem de olhar, m uitas vezes, p ara os eventos da infância. Por exem plo, se um a m u­
lher tem um com portam ento inadequado com hom ens, um terap eu ta comportam ental hábil procu rará descobrir se seu pai era carinhoso, que tipo de com porta­
m ento ele reforçava com afeto e que tipo de com portam ento sua m ãe tin h a com
seu pai. A m elhor m aneira de prevenir o furto é prover um a história de reforço para
o com portam ento que cham am os de “respeito pela propriedade alheia”, ou com ­
portam ento incom patível com roubar, O caixa de banco que desvia fundos muito
provavelm ente não possui tal história, e seria preferível se o gerente do banco, que
faz am eaças ou em prega pequenos incentivos esperando evitar que isso volte a
acontecer, afastasse a pessoa da tentação. As intervenções que ignoram a história
de reforço do com portam ento atual muito provavelm ente serão m alsucedidas.
O reforço positivo p o d e ser o meio mais poderoso de m odificar o com porta­
m ento, mas deve ser aplicado corretam ente. Um entusiasm o ingênuo n ão pode
substituir a com preensão de indução, reforço, regras e conseqüências postergadas.
Sem a devida com preensão, o reforço positivo, como qualquer outra técnica, pode
dar errado de diversas m aneiras e pode mesmo ser usado abusivam ente. No Capftulo 11 , veremos com o os analistas de com portam ento lidam com o problem a do
gerenciamento, correto e eqüitativo.
RESUMO
A palavra responsável é freqüentem ente usada no discurso sobre causas, com o q u an ­
do dizem os que um terrem o to foi responsável por um desastre. Q uando aplicado a
pessoas, esse uso suscita todos os problemas do livre-arbítrio, porque as pessoas
são vistas com o origem ou causa de seus com portam entos. As pessoas são vistas
com o causa de seu próprio com portam ento quando suas escolhas parecem óbvias e
Compreender o behoviorismo
213
aS causas am bientais perm anecem obscuras. Quando os fatores am bientais tor­
nam-se claros, freqüentem ente se diz que a pessoa não tinha escolha. À medida
que os determ inantes genéticos e am bientais são compreendidos, o discurso sobre
livre-arbítrio e responsabilidade tende a d ar lugar ao discurso sobre circunstâncias
atenuantes.
Do ponto de vista prático, as ações meritórias são aquelas que a comunidade
reforça; ações condenáveis são aquelas que a comunidade pune. As ações condená­
veis são freqüentem ente atribuídas a fatores genéticos e ambientais - circunstân­
cias atenuantes - e tratadas com compaixão, enquanto feitos meritórios são nor­
malmente atribuídos à pessoa. As pessoas tentam obter crédito por suas ações para
assegurar que sejam reforçadas. Reconhecer os efeitos do ambiente em ações meri­
tórias resulta em honestidade. Se podem os ser práticos e compassivos quanto a
punir com portam entos inadequados, podem os ser práticos e honestos quanto a
reforçar com portam entos desejáveis. Na prática, decidir se alguém é ou não é res­
ponsável vem a ser u m a decisão sobre estabelecer ou não conseqüências. O apelo à
insanidade tem porária ou a um a aberração do comportamento implica que ne­
nhum benefício prático advirá da punição. Chamar uma ação de “afortunada” su­
põe a inutilidade do uso do reforço. Pais, professores, supervisores e governantes
gerenciariam o com portam ento com m aior eficiência se tomassem decisões sobre
reforço e punição abertam ente. Sua eficiência seria máxima se fortalecessem o
com portam ento desejável com reforço positivo. Controle por ameaças e punição
pode funcionar a curto prazo, mas resulta em revoltas e desafeto a longo prazo.
... G erenciam ento por reforço positivo, entretanto, requer cuidado e habilidade.
Não se consegue um bom resultado quando o reforço é inadequado e a história é
negligenciada. Em nossa espécie, o reforço adequado ao gerenciamento é, pelo
menos em parte, social. Dinheiro e outros símbolos de reforçadores parecem ser
mais eficazes quando acom panhados pelo reforço da aprovação e do afeto de pes­
soas significativas. O m enosprezo da história leva a maus resultados quando se
presume um a história norm al que, na realidade, não existe. Uma história de refor­
ço deficiente ou anorm al pode se sobrepor até mesmo às melhores relações de
reforço de gerenciam ento. A correção dos efeitos de uma longa história exige tera­
pia; até que eles sejam corrigidos, o gerenciador age corretamente ao evitar con­
textos em que a história tem probabilidade de gerar comportamento inadequado.
leituras a d icio n ais
Hineline, P. N. (1990). The origins of environment-based psychological theory. Journal ofthe
Experimental Analysis of Behavior, 53. 305-320. Esse artigo, que é uma resenha do livro
clássico de Skinner, Behavior o f organisms, compara explicações do comportamento basea­
das no ambiente com explicações baseadas no organismo.
Skinner, B. F. (1971). Beyond freedom and digmty. Nova York: Knopf. Os Capítulos 3, 4 e 5,
sobre dignidade, punição e alternativas à punição, tratam de temas semelhantes àqueles
tratados no presente capítulo.*
N. de T. Título traduzido em português (ver “Apêndice”).
214
William M. Baum
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPÍTULO 10
Circunstâncias atenuantes
Má combinação de comportamento
e reforçador
Estabelecimento de conseqüências
Responsabilidade
Afiliação
Relações, gerenciamento
e governo
c
U eres hum anos são criaturas altam ente sociais. Muito de nossa estimulação, reforço
e punição provêm uns dos outros. O dar e receber estímulos e conseqüências nos
leva a estabelecer relacionam entos uns com os outros. Consideramos natural que
uma pessoa norm al se relacione com seus pais, irmãos, outros parentes, cônjuge,
amigos e vizinhos. Tais relações pessoais são características de nossa espécie, e
também podem ser vistas em outras espécies. As relações especiais que denominamos
gerenciam ento e governo originaram -se m ais recentemente, e nós as associamos
exclusivamente com a cultura. Neste capítulo, examinaremos como os analistas
com portam entais podem tra ta r do tópico relativo às relações em geral, e em especial
àquelas de gerenciam ento e governo. Pessoas que criticam o behaviorismo fre­
qüentem ente afirm am que essa abordagem levará a práticas desum anas de geren­
ciamento e a governos totalitários. Este capítulo mostra por que essas acusações
são falsas.
RELAÇÕES
Quando dizemos que dois indivíduos têm um a relação? Encontros isolados, a gran­
des intervalos de tem po, não bastam . Se o carteiro e eu nos cumprimentamos um a
vez por mês, dificilm ente se p o d erá dizer que temos uma relação, mas se nos cum ­
prim entássem os diariam ente já poderia haver algum fundam ento para essa afir­
mação. Embora a freqüência de interações necessária para dizer que duas pessoas
têm um relacionam ento varie de falante a falante, quanto maior ela for, maior será
a probabilidade desse tipo de com portam ento verbal.
Se um a relação con siste em interações freqüentemente repetidas, ainda pre­
cisamos esclarecer o que querem os dizer com interação. As Figuras 7.J e 9.1 m os-
216
William M. Baum
tra m sob form a esquem ática dois tipos de interação: um episódio verbal e
episódio coercivo. Tais episódios poderiam nunca se repetir: eu poderia perguntar
as horas a alguém que jam ais voltasse a ver, assim com o poderia entregar minha
carteira a um ladrão com quem jam ais m e encontrasse de novo. Quando tais episó.
dios, contudo, se repetem continuam ente entre duas pessoas, então essas duas
pessoas têm uma relação. Para entender o que interação significa em termos compor.
tam entais, precisamos entender um a característica que episódios verbais, episódios
coercivos e outras form as de interação têm em com um : o reforço mútuo.
I
j
]
*
í
Reforço mútuo
Classificamos episódios verbais e episódios coercivos como sociais porque o com­
portam ento de cada pessoa provê reforço para o d a outra. Quando um a pessoa
observa outra - um detetive em um a investigação policial ou um espião - nada de
social ocorre porque o reforço ocorre somente em u m a única direção. Uma representação teatral norm alm ente não pode ser considerada social; ela só se torna sociai quando o com portam ento do ator é reforçado pela audiência. Para um episódio
ser denom inado interação social e ser considerado como base de um relacionam en­
to, o reforço deve ser m útuo.
A Figura 11.1 mostra um esquem a genérico de interação social. Assim como
em esquemas anteriores, o sinal de dois-pontos indica controle de estímulo e a seta
liga a conseqüência ao com portam ento que a produz. Uma pessoa inicia o episódio
em itindo um com portam ento operante qualquer (C,) sob controle da situação (S ft,
que inclui a outra pessoa, o interlocutor ou aquele que responde. O com portam en­
to Cj poderia ser o enunciar de um a regra (fazer um a am eaça ou promessa, como,
por exemplo, “Se você não trabalhar, vou bater em você” ou “Se você trabalhar, eu
lhe pago”), poderia ser sorrir, ou oferecer um presente. Esse com portam ento pro­
duz um estímulo discriminativo ( S r ) , tornando provável que o interlocutor respon-
Agente que
inicia
Agente que
responde
Si : C,
SÏ = SP2 : C 12
i
1
î
Sr
: Cr
1
I
1
Sr [= S rí
: Cm]
Figu ra 11.1 Esquema genérico de um episódio social, mostrando reforço mútuo. Setas
indicam comportamentos que produzem conseqüências; dois-pontos indicam controle de
estímulo. O comporta mento da pessoa que inicia a interação (C^ produz um reforço (S*)
que é o resultado do comportamento da pessoa que responde (C R), o qual, por sua vez,
produz reforço (S£), que resulta do comportamento da pessoa que iniciou a interação (C l2)Q uando 1ais episódios se repetem freqüentemente, diz-se que as duas pessoas m a n t ê m
uma relação.
■
,v
í
;
Compreender o behaviorismo
217
da ou aja tam bém (trabalhe, sorria, dê um presente) de tal forma que Q seja refor­
çad o (Sf). Esse reforçador funciona tam bém como um estím ulo discriminativo (S&)
para com portam entos adicionais por parte da pessoa que iniciou a interação (C12)
que, por sua v e z , atuarão com o reforçadores (Sr) para o com portam ento do
interlocutor (CR).
No m om ento em que os dois participantes agiram e suas ações foram reforça­
das, o episódio pode terminar. Isso poderia ser denom inado de episódio social mí­
nimo.
E ntretanto, o episódio poderia continuar, tal como quando duas pessoas m an­
têm um a conversa. Na Figura 11.1, quando a pessoa que iniciou a interação res­
ponde ao S[2, fornecido pelo com portam ento do interlocutor, poder-se-ia dizer que
eles trocaram de papéis. Esses papéis poderiam ser trocados novamente. Essa pos­
sibilidade é indicada na Figura 11.1 pela anotação entre colchetes, que mostra que
Sr poderia servir com o estímulo discriminativo (S&) para comportamentos ulterio­
res (Cj^). Os papéis poderiam ser trocados e revertidos um sem núm ero de vezes,
até que ocorresse algum tipo de pausa na interação. As vezes, um a interação pode
parecer interm inável para um a das partes, como quando o interlocutor é um a pes­
soa cortês e a o u tra pessoa é, por exemplo, um vendedor persistente ou um reli­
gioso fanático.
Exam inem os alguns exemplos. Pedro trabalha em um a grande firma atacadis­
ta que vende lentes para fabricantes de óculos. Ana é sua supervisora. A chegada de
vários pedidos d e com pra pelo correio (S£) ocasiona um a interação entre eles. Ana
passa para Pedro u m a pilha de pedidos para que ele os atenda (Q ). A pilha de
pedidos estabelece o contexto (S^) para Pedro começar a trabalhar procurando em
várias gavetas (CR) os vários tipos de lentes. A visão de Pedro trabalhando reforça
(S?) o com portam ento original de Ana (dar ordens a Pedro) e tam bém serve como
estímulo discrim inativo (S&) para que ela diga algo como “Muito bem” (ou talvez
apenas para que deixe de fazer um a crítica; qualquer um dos dois constituiria C12),
o que, por sua vez, serve para reforçar (S |) o trabalhar de Pedro. Ao término do
mês, é claro, em outro episódio interativo, o “Muito bem ” de Ana é acompanhado
por um cheque.
Em um segundo exemplo, temos um casal, Rubens e Kátia. Durante a semana,
Kátia sai p a ra o trabalho às 7:30 horas (S§). Ela pára na porta antes de sair e diz Já
estou saindo (C,), o que produz o som ‘‘Já estou saindo” que Rubens ouve (SR), e
que o leva a d izer (CR), Tenha um bom dia, eu a vejo à noite, enquanto a beija. O
com portam ento afetuoso de Rubens serve para reforçar (S,1) a frase original de
Kátia e tam bém estabelece o contexto (Sfè) para que ela, por sua vez, diga algo
como, Pra você tam bém (CI2). Ouvir a resposta afetuosa de Kátia reforça (Sft) o
com portam ento afetuoso de Rubens.
Q uando episódios sociais como esses ocorrem com freqüência entre as mes­
mas pessoas, dizem os que essas pessoas têm uma relação. Em certas relações bas­
tante restritas, as ações e os reforçadores podem ser sempre os mesmos. Se Bei
compra o jo rn a l sem pre do mesmo jornaleiro todas as manhãs, pode-se dizer que
Bei e o ven d ed o r têm um a relação. Em outras relações, as ações e os reforçadores
envolvidos v ariam enorm em ente. Marido e mulher podem cozinhar um para o
°utro, fazer com pras juntos, discutir a educaçêo dos filhos, namorar, m anter rela­
218
William M, Baum
ções sexuais. Tudo isso p od e ser esquem atizado com o na Figura 11.1, m as as ações
e reforçadores específicos diferem de uma interação para outra.
Podemos distinguir um a relação de igualdade entre dois parceiros, de uma
relação de desigualdade. Dois irm ãos ou dois amigos podem ser parceiros eqüitativos, m as um patrão e um em pregado, ou m eu gato e eu, temos o que poderia ser
considerada um a relação desigual. Duas pessoas podem ser cham adas parceiras
eqüitativas quando suas interações incluem atos e reforçadores que, de am bas as
partes, são do m esm o tipo. Se dois irmãos são afetuosos um com o outro, pedem e
dão dinheiro um p a ra o outro, e em prestam brinquedos ou ferram entas um para o
outro, então podem os dizer que são parceiros eqüitativos. Poderíam os negar essa
paridade se um fosse afetuoso e o outro não, ou se um sempre obtivesse dinheiro
em prestado do outro, m as o contrário não ocorresse.
Em relações de desigualdade, a sobreposição entre ações e reforçadores de
ambas as partes inexiste ou é pequena. Ana, a supervisora, distribui as tarefas,
paga salários e recebe p a rte do lucro das vendas; Pedro, o em pregado, trabalha e
recebe salário. O paciente apresenta sintomas e paga a consulta; o m édico d á con­
selhos e prescreve tratam entos. O legislador faz leis; o cidadão as segue.
Indivíduos e instituições
A concepção de relação representada na Figura 11.1 pode ser aplicada não só a
relações entre indivíduos, mas também a relações entre indivíduos e instituições, e
até mesmo a relações entre instituições. Para fazê-lo, é conveniente trata r a institui­
ção como se fosse um indivíduo. Isso não causa qualquer confusão, contanto que nos
lembremos que as instituições, afinal de contas, são compostas de indivíduos. Uma
companhia, igreja, ou governo é um grupo de indivíduos, os quais m antêm relações
com outros membros do grupo. Talvez não se possa dizer que cada indivíduo de uma
firma m antenha um a relação com todos os demais dessa firma, m as ser parte daque­
la firma implica ter relações, por exemplo, com superiores e subordinados.
Faz sentido tra ta r instituições como se fossem indivíduos porque os funcioná­
rios institucionais são substituíveis. Juizes, ministros, médicos e enferm eiras saem
e são substituídos p o r novos indivíduos que exercem as mesmas funções. Em algu­
mas instituições, os indivíduos são até mesmo intercambiáveis, trocando papéis em
m om entos diferentes. Q uando você procura um funcionário d a Receita Federal
para resolver dúvidas, ou é adm itido no pronto-socorro de um hospital, não tem
idéia de qual dos funcionários o atenderá, ou que enfermeira ou m édico estará de
plantão.
Pode-se falar sobre relações com instituições porque, quaisquer que sejam as
pessoas individuais que desem penham os papéis institucionais, as relações de re­
forço envolvidas perm anecem as m esmas. De certo modo, isso é verdade por defi­
nição - falamos de algo com o sendo uma instituição porque tem um a certa estabi­
lidade. N ão é o quadro de pessoal que é estável, pois as pessoas v êm e vão. Nem
edifícios transformam algo em uma instituição; um hospital p ode se m udar para
um novo prédio e ainda ser identificado com o o m esm o hospital. Se o hospital e
Compreender o behaviorismo
219
por novos donos, entretanto, ele pode se to rn ar um hospital diferente,
niesmo que perm aneça no m esm o edifício. O que permanece estável em uma institui­
ção é seu modo de funcionar - em nossos termos, as relações de reforço e punição.
Em certo sentido, as atividades de u m a instituição são análogas às atividades
e ste n d id a s de um indivíduo, porque as ações dos mem bros de um a instituição são
partes que devem funcionar em conjunto para que a instituição funcione de modo
bem -sucedido, assim com o as várias atividades de um indivíduo devem funcionar
como elem entos de um conjunto, para que a atividade estendida seja bem-sucedida. Assar um bolo requer ju n ta r ingredientes, misturá-los, colocar a massa em uma
fôrma e levá-la ao forno, p a ra produzir um bolo bem-sucedido, Do mesmo modo, o
funcionamento de um banco req u er as atividades de caixas, analistas de crédito,
vendedores, arquivistas, supervisores, guardas, faxineiros, etc., para funcionar de
modo bem-sucedido. A diferença, é claro, está em que na atividade estendida de
um indivíduo todas as partes atividades da mesma pessoa, enquanto na instituição
todas as partes são atividades de diferentes pessoas. Assim como na atividade es­
tendida de um indivíduo, no entan to , o reforço do todo (o sucesso da organização)
fornece reforço para todas as partes. Em qualquer relação, inclusive aquelas no
interior de um a instituição, o reforço m útuo é a chave; se a relação ou instituição
for bem-sucedida, todos os envolvidos devem se beneficiar de seu funcionamento.
Como na relação en tre dois indivíduos, na relação entre um indivíduo e uma
. instituição bá dois conjuntos de relações de reforço: as que afetam o comporta­
mento do indivíduo e as que afetam o com portam ento da instituição. Nos termos
da Figura 11.1, tanto o indivíduo como a instituição poderiam atuar como agente
■iniciador ou como aquele que responde, que chamaremos de agente respondedor.
Se um banco envia um a oferta para que você solicite um empréstimo, o banco é o
iniciador. Porém, se você vai a um banco sem ser cham ado e pede o empréstimo,
você é o iniciador. Você p reen ch e um form ulário (Q), que fornece os estímulos (S£)
para o banco tom ar a decisão (CR) de lhe em prestar dinheiro, reforçando, assim,
seu com portam ento de p ed ir (S^). Nesse momento, você responde assinando o
contrato de em préstim o (CI2), o que reforça o com portam ento do banco de lhe
conceder o em préstim o. Você e o banco terão agora um a relação freqüente, porque
você e o banco terão interações mensais nas quais o banco enviará uma cobrança,
você pagará e o banco lhe enviará um recibo.
Alguns analistas de com portam ento aplicaram esse esquema geral para anali­
sar relações internacionais, considerando interações entre governos como análo­
gas a interações entre indivíduos. Corridas armamentistas, por exemplo, podem
ser com preendidas sob esse prism a (Nevin, 1985). Q uando um país monta (Q) um
grande arsenal, isso é u m a am eaça (Sg) para outro país. O outro país responde com
uma am eaça maior. O prim eiro responde do mesmo m odo, e assim por diante.
Cientistas políticos se referem a essa tendência como um dilema de segurança.
Em um artigo inspirador sobre as origens da Primeira Guerra Mundial, Van Evera
(1984) descreveu a escalada arm am entista anterior à guerra como uma oscilação
a ascendência entre governos que se opunham. Em um momento, um deles au­
mentava suas capacidades agressivas, então o outro governo o fazia, e a cada vez a
ascendência trocava de lado, porque um governo, ao ten tar garantir sua segurança,
a d q u ir id o
220
William M. Baum
sem pre ia além da paridade. O período de ascendência criava um a janela de opor­
tunidade em que a parte mais forte era ten tada a atacar enquanto tinha a vantg'
gem. Em uma dessas janelas de oportunidade, afirm ava Van Evera. finalmente sè
■
deflagrou a guerra.
j
Cada ação em um a relação oscilante com o essa faz sentido (é reforçada) a
J
curto prazo, mas as conseqüências a longo prazo são desastrosas. A situação pocje i!
ser vista como um problem a de autocontrole (Figura 9.2), porque as alternativas
j
para colocar um fim a essa escalada, como assinar tratados de amizade e de coope.
ração, funcionam a longo prazo, mas podem ser difíceis de im plem entar porque
1
envolvem riscos a curto prazo. Nos termos do Capítulo 8, a ausência de forneci« .
m ento de regras, como cam panhas de paz, virtualm ente garante que relações de
reforço de curto prazo, tais como obter a vantagem ao atacar primeiro, prevalece­
rão sobre relações de reforço de longo prazo, tais como os maiores benefícios da
paz, ao longo de m uitos anos.
EXPLORAÇÃO
Em nossas discussões sobre coerção (Capítulos 9 e 10), vimos que as interações
sociais nem sem pre servem aos interesses de todos os parceiros, em bora os com­
portam entos de todos sejam reforçados. Q uando um ladrão exige dinheiro e o ■
consegue, só o ladrão se beneficia, porque e n tregar o dinheiro é um comportamen- ::
to reforçado negativam ente; a vítima só se “beneficia” na m edida em que evita
outros prejuízos, como ser ferida.
!■;
Um outro tipo de interação me leva a falar de trapaça. Suponha que eu entre
;|
em um a loja para com prar um a peça de roupa, e o com erciante me cobre o dobro .
do preço normal. Analisando essa interação em term os da Figura 11.1, temos de
concordar que tan to minhas ações como as do com erciante foram reforçadas posi­
tivam ente. Eu ganho a roupa (S^) e o com erciante, o dinheiro (Sr). Dizemos que o á.
comerciante me enganou porque, em um contexto maior, fica evidente a desigual- •
dade entre os dois reforçadores: o ganho do com erciante é muito m aior do que o
m eu. Esse contexto m aior estabelece o preço justo. Talvez eu nunca venha a saber
que fui enganado, mas, se pesquisar em outras lojas ou conversar com pessoas que ^
trabalham no ram o, posso concluir que fui enganado (esses estímulos discriminativos '
m udam meu com portam ento verbal).
■f
Em uma form a mais sutil de trapaça, os dois parceiros m antêm um a relação ;
ativa, e o parceiro que está sendo enganado n ão entra em contato com o contexto
m aior que exporia a iniqüidade do reforço. Esse contexto maior norm alm ente se
desenvolve ao longo de m uito tem po. Por exem plo, um a pessoa pode fazer promes- ;
sas, mas não cumpri-las, ou mais provavelm ente cum prir apenas algum as delas e ^
entao fazer mais promessas. Dizemos que essa pessoa está “enrolando” o outro. !
Eventualm ente, a pessoa lograda pode se d a r conta do que está acontecendo, por- ^
que a situação se prolongou por um tem po suficiente para poder ser com parada a '
alternativas (outros em pregos, um divórcio, um a rebelião). Os governos, às vezes, ,
im plem entam m edidas para proteger os cidadãos dessas situações de trapaça a |
longo prazo, particularm ente daquelas em que os cidadãos só podem descobrir que f
Compreender o behaviorismo
221
e n g a n a d o s quando já é tarde demais. Por exemplo, leis que regulam entam o
^ b a lh o in fa n til im pedem que crianças entrem em uma relação eom certos pa5 que lhes seria vantajosa a curto prazo, mas que, im pedindo-as de usufruir da
,.ri J unidade de brincar e estudar, acabariam por prejudicá-las a longo prazo. Uma
■°*Hcão desse tipo, com reforço positivo a curto prazo, mas prejuízos a longo prazo,
f denominada exploração.
0 "escravo feliz"
A possibilidade de coerção - e através dela a escravidão - pode representar um a
ameaça m enor p a ra a dem ocracia que a possibilidade do “escravo feliz”. A coerção
é im ediatam ente reconhecida como tal pela pessoa coagida, enquanto o escravo
- feliz se sente contente a curto prazo e pode vir a descobrir que está sendo explora­
do só m uito tem po depois. Sentindo-se contentes, porque seu comportamento está
sêndo reforçado positivam ente, os escravos felizes não tom am qualquer medida
' para corrigir sua situação. Crianças que trabalhavam em fábricas, no século XIX,
eram pagas com regularidade e freqüentem ente eram objetos de outros cuidados;
e, no geral, estavam bastante satisfeitas. Só quando atingiam a meia-idade se da­
vam conta, se é que o faziam, de que haviam sido enganadas. Qualquer medida que
pudessem to m ar a essa altura viria m uito tarde para im pedir os danos causados.
Escravos felizes podem existir em muitos e diversos tipos de relação. Pais
podem explorar seus filhos, recompensando-os com cuidados e afeto desde que
trabalhem, peçam esm olas na ru a ou participem de atos sexuais. O marido pode
explorar sua esposa reforçando os serviços que ela presta a ele e a seus filhos,
dando-lhe afeto e presentes; do mesmo modo, a esposa pode explorar seu marido
reforçando longas horas de trabalho pesado. 0 patrão pode explorar seus em pre­
gados oferecendo-lhes pagam ento extra por trabalharem em condições perigosas
ou insalubres. O governo pode explorar seus cidadãos reforçando o apostar em
jogos de loteria. U m a nação pode explorar outra nação im portando dela matériaprima em troca de bens m anufaturados com esse material. Em cada um desses
exemplos, aquele q ue é explorado pode se sentir contente com a situação por um
tango tem po, ou até m esm o indefinidamente.
Conseqüências de longo prazo
Do ponto de vista da p arte explorada, o problema com a exploração é que, a longo
Prazo, ela im plica punição. A Figura 11.2 é uma versão modificada da Figura 11.1,
e mostra tal punição. O com portam ento alvo CRresulta em dois tipos de conseqüênC]as, o m ais im ediato Sj^, e a punição postergada S£. A flecha longa indica sua
natureza de longo prazo. A sigla Sr aparece em um tam anho maior para enfatizar
0 fator-chave que nos leva a cham ar a relação de exploradora - a punição a longo
Prazo pesa mais do que o reforço a curto prazo.
A Figura 11.2 om ite outra característica comum na relação de exploração. Os
efeitos do p u n id o r S£ norm alm ente aum entam cumulativamente, por pequenos
222
William M. Baum
Explorador
Explorado
SŸ : C,
S? = SP2 : C B
!
Î
1
1
Si? : C*
1
1
SÊ
-
1------------------------- - S
p
R
FIGURA 11.2 Uma relação de exploração. O comportamento da parte explorada (C R) pro­
duz reforço a curto prazo para ambas as partes (S* e S*), mas leva a conseqüências bastan­
te desfavoráveis (S£) a longo prazo (seta longa). A punição final é muito maior que o
reforço imediato (Sjj).
increm entos, à m edida que a relação continua. Se um a criança trabalha durante
um verão, pode o correr apenas um a pequena perda, e a experiência até pode ser
cham ada benéfica. Mas, se a criança trabalha durante toda sua infância, os resulta­
dos são extrem am ente danosos. A cada ano, o trabalho aum enta o buraco, por
assim dizer. O fato de que a punição tem efeitos, ao mesmo tem po, postergados e
gradualm ente cum ulativos, torna essa relação particularm ente difícil de ser identi­
ficada pela pessoa explorada.
Nos term os do Capítulo 9, a Figura 11.2 ilustra o fato de que um a relação de
exploração constitui um a arm adilha de reforço (ver Figura 9.2). O com portam ento
alvo CR corresponde a agir impulsivamente sob controle do reforço a curto prazo.
O autocontrole, que age de acordo com a punição de longo prazo, significaria agir
de m odo a não e n tra r em um a relação de exploração, ou a m udar a relação de tal
form a que ela n ão fosse mais exploradora. A Figura 11.2 representa exatam ente
esse tipo de relação de reforço, ali descrita por regras (Capítulo 8) através das
quais pais e tutores alertam as crianças sobre os perigos de agirem im pulsivam ente
e reforçam com portam entos que impedem a exploração.
A dificuldade com relações do tipo escravo feliz, no que diz respeito à questão
de gerenciam ento com portam ental, é que essas relações são instáveis. A parte ex­
plorada pode se d ar conta dos prejuízos, e os com portam entos então resultantes se
assem elham à coerção. O ex-escravo feliz torna-se agora ressentido, cheio de raiva
e revoltado. A criança explorada que perdeu em saúde, educação ou n a capacidade
de se envolver em relacionam entos normais, passa a rejeitar os pais. O cônjuge
explorado, que nu n ca buscou seus próprios interesses, pode agora ab an donar o
casam ento. Em pregados que foram explorados eventualm ente castigam de alguma
form a seus patrões. C idadãos e colônias rebelam-se. Tal como a coerção, ao final
das contas, a exploração é um tiro que sai pela culatra.
Parece que a eqüidade é a única política estável. Aqui, porém , duas velhas
perguntas se colocam : o que é eqüidade? Como alcançá-la? A análise do comportam ento nos perm ite recolocar essas perguntas de uma m aneira que possibilita res­
postas relativam ente claras. A prim eira pode ser entendida como um a p e r g u n ta
sobre com portam ento verbal, e nós a discutiremos a seguir. A pergunta sobre como
alcançar a eqüidade será tratad a quando discutirmos a questão do contracontrole.
Compreender o behoviorismo
223
Bem-estar relativo
7
.
■:
v
:
v;:-,
?
Quando as pessoas se referem à eqüidade e iniqüidade? Essas palavras são notórias
pela dificuldade em defini-las. A noção de eqüidade varia de pessoa a pessoa: Bei
pode dizer que estava certo fazer os prisioneiros trabalharem acorrentados na constru­
ção de estradas de ferro durante o século passado; André pode considerar isso uma
exploração vergonhosa. As concepções de eqüidade em um a mesma cultura variam
de século para século: nos primeiros dias da Revolução Industrial, a maioria das
pessoas aceitava a idéia de que os capitalistas deveriam lucrar tanto quanto pudes­
sem e os trabalhadores deveriam trabalhar tanto quanto agüentassem. Com o tempo,
contudo, à m edida que as pessoas começaram a chamar essa situação de injusta e
iníqua, ocorreram reform as; surgiram os sindicatos, as leis trabalhistas e o socialismo.
Os analistas de com portam ento abordam a questão de mudanças no comportam ento verbal, q u er de pessoa para pessoa, quer de época para época, analisando
as conseqüências e o contexto do com portam ento. Se Bei diz que a situação de
prisioneiros trab alh an d o em estradas de ferro representa um a relação eqüitativa,
ela está fazendo u m a discrim inação que André não faz. Digamos que ela considere
os prisioneiros como um peso inútil e caro, um desperdício de dinheiro público.
Quer dizer, seu com portam ento verbal sobre condenados, prisões, dinheiro público
e dívidas com a sociedade foi m odelado por uma história de reforço diferente de
André; sem. dúvida algum a, eles transitam ou transitaram em círculos diferentes,
em com unidades verbais diferentes. Talvez os pais de André reforçassem o comportáinento de falar sobre igualdade perante a lei ou aos olhos de Deus.
O estímulo discrim inativo para o com portam ento de chamar uma relação de
exploradora ou iníqua é u m a com paração de conseqüências. As conseqüências para
uma pessoa ou grupo são com paradas com as conseqüências para outra pessoa ou
grupo. Por exem plo, é ju sto para as m ulheres receber m enor rem uneração que os
homens pela m esm a tarefa? Nos Estados Unidos e em outras nações ocidentais, as
crianças aprendem desde cedo a fazer tais comparações entre si e os outros. A
verbalização Ela ganhou mais que eu provavelmente é reforçada com mais sorvete,
mais brinquedos ou o que quer que seja que esteja sendo comparado. Não é justo
torna-se um refrão em alguns lares porque é freqüentem ente reforçado com ex­
pressões de sim patia, senão com coisas materiais,
A m edida que nos tornam os adultos, nossas discussões sobre o que é justo se
tornam mais com plicadas. Os estím ulos discriminativos que controlam nosso com­
portam ento verbal sobre questões de eqüidade ficam mais complexos. Aprende­
mos que, às vezes, é ju sto que um a pessoa receba mais do que outra, especialmente
se essa pessoa contribui com mais esforço que a outra. Talvez o trabalhador de
construção que op era com solda devesse receber um pagam ento maior do que o
carpinteiro, se considerarm os os perigos envolvidos nos dois tipos de trabalho.
teor/o da eqüidade
Ao discutir a questão da eqüidade, psicólogos organizacionais e psicólogos sociais
Se referem a um índice que com para o reforço relativamente imediato (chamado
224
William M. Baum
saída ou lucro) com condições de prazo mais longo (chamadas entrada ou investi­
mento). No enunciado clássico da teoria da eqüidade, por George H om ans (1961)
o índice é escrito deste modo: lucro/investim ento.
H om ans propôs que as decisões sobre eqüidade dependem dessa proporção.
Se duas pessoas envolvidas em um relacionam ento têm índices lucro/investim ento
iguais, a relação entre elas é eqüitativa. Se duas pessoas ou grupos têm, em sua
relação com um a terceira parte (a Companhia de Lentes Acme ou o governo dos
Estados Unidos) índices de lucro/investim ento desiguais, então a disparidade en­
tre eles é iníqua.
O índice lucro/investim ento pode aum entar de dois modos: o investimento
pode dim inuir ou o lucro pode aumentar. Se um a m ulher e um hom em investem
igualm ente em um trabalho, então a eqüidade exige que o pagam ento d a mulher
(lucro) seja igual ao do homem. Em nosso exemplo da relação supervisor-empregado,
porém , se Ana (a supervisora) investe mais do que Pedro (o em pregado), então os 1
seus índices de lucro/investim ento só podem ser iguais se ela g anhar mais da rela- ;■
ção entre os dois do que Pedro ganha. (Ela tam bém ganha m ais de sua relação com
a firma do que Pedro.) Para determ inar se existe eqüidade entre duas partes, não
podem os olhar o lucro ou o investim ento isoladamente; devemos considerar a pro­
porção entre os dois.
A teoria da eqüidade concebe o lucro como incluindo conseqüências a prazo
relativam ente curto, tais como esforço e salário. O lucro consiste no ganho líquido
que alguém consegue em um a relação, ou seja, ganho m enos custo (por exemplo, :
salários m enos esforço). Quando Pedro se em penha para preencher os pedidos de
compra, a firm a na qual trabalha deve reforçar seu trabalho com salário adequado
a fim de que seu com portam ento se m antenha. Em outros tipos de relação, os
lucros são m enos tangíveis. Para que Rubens lave a louça regularm ente, sua esposa
Kátia deve g arantir que ele ganhe algo suficientem ente im portante por isso, de
forma que continue a fazê-lo. De acordo com a teoria da eqüidade, o lucro que
Rubens rira do m atrim ônio seria avaliado subtraindo esforços, com o lavar a louça,
de ganhos, como afeto e ter filhos.
O conceito de Homans sobre investimento inclui dois com ponentes: (1) esfor- ;
ços como os despendidos na educação, que são um investimento na m edida em que
presum ivelm ente haverá u m ganho ou reforço a longo prazo; ( 2) atributos pessoais,
como boa aparência ou diferença de gênero, que podem ser úteis em interações
sociais, mas que não são investimentos no sentido comum da palavra. O primeiro
com ponente não apresenta dúvidas; aceitam-se de m aneira inquestionável os crité­
rios de educação e experiência quando se discutem salários. Em term os da teoria da
eqüidade, se a única diferença entre Meca e Polé é que Meca tem um diplom a de
curso superior e Polé só term inou o ensino médio, o índice de lucro/investim ento de
Meca só se igualará ao de Polé se Meca receber um salário m aior que o de Polé.
Provavelmente, tanto Meca como Polé concordariam que essa m edida é eqüitativa.
O segundo tipo de investim ento gera mais controvérsia. E certo que, outras
coisas sendo iguais, os hom ens devam receber um salário m aior que o das m ulhe­
res pelo mesm o trabalho? independente de serem ou não corretas, essas disparidades
salariais ocorrem . A teoria da eqüidade nada diz sobre como as pessoas devem se
com portar; ela se refere a como de fato se comportam. O indivíduo que foi educa'
Compreender o behaviorismo
225
An de modo a pensar que hom ens devem receber salários maiores que mulheres,
oü Que brancos devem receber salários maiores que negros, não verá nenhum a
iniqüidade no fato de hom ens e brancos receberem salários maiores. Esses atribu­
tos são investimentos, n a m edida em que, logicamente falando, eles pertencem ao
d en o m in a d o r do índice lucro/investim entos: um hom em que pensa que deve rece­
ber mais que um a m ulher exige um lucro m aior antes de declarar que está receben­
do em condições eqüitativas às de um a mulher. Um fenômeno semelhante aconte­
ce no campo das relações pessoais, quando as pessoas bonitas exigem maiores
lucros de um a relação que seus parceiros menos favorecidos. Uma boa aparência
pode ser considerada u m investim ento no mesmo sentido que as pessoas usam
quando dizem que certas pessoas faturam sobre sua aparência. Uma linda m ulher
pode exigir jóias caras, dizendo “Mereço isto”; um hom em bonito pode exigir rela­
ções sexuais antes que su a parceira esteja disposta a mantê-las, e não ver nada de
injusto nessa atitude.
O ponto de vista m entalista sobre a questão do investimento apela para algo
dentro da pessoa, tal com o u m a expectativa acerca do reforço. Diz-se que a pessoa
exige mais lucros por causa de sua expectativa. Para o analista do comportamento,
essa explicação nada explica. Seria o caso de perguntar o que é um a expectativa e
de onde ela se origina,
Da perspectiva do an alista de com portam ento, os elementos da teoria da eqüi­
dade ~ ganho, custo e investim ento - constituem-se todos em estímulos discrimi­
nativos que controlam nosso com portam ento verbal sobre eqüidade. A utilidade da
teoria da eqüidade é que ela m ostra os vários fatores que levam alguém a conside­
rar uma relação eqüitativa ou, ao contrário, injusta. Se um dos parceiros em um
relacionamento recebe m ais reforço ou um a rem uneração maior que o outro par­
ceiro, isso é ponderado em relação a qualquer diferença quanto a custos imediatos
(por exemplo, o esforço despendido) ou à experiência e à educação de ambos, bem
como a diferenças em atributos pessoais (por exemplo, gênero, classe social e apa­
rência). A relação lucro/investim ento não pode ser considerada como uma quanti­
dade m atem ática p orque n inguém sabe calcular lucro ou investimento a partir de
todos os diferentes fatores que para eles contribuem, mas ilustra o fato de que
várias comparações co n traditórias se combinam para afetar a probabilidade de
palavras tais como equitativo e iníquo, justo e injusto. Pedro pode considerar justo
Que sua supervisora A na receba um salário maior que o seu, considerando sua
maior experiência, m as se A na fosse um homem e a história passada de Pedro o
levasse a considerar ju sto que hom ens tenham um salário maior que mulheres,
entao provavelm ente ele estaria disposto a aceitar um a disparidade ainda maior
Cfttre seu salário e o de seu supervisor, e ainda consideraria isso eqiiitativo.
Que comparações?
jrSSe último exemplo ilustra a força da análise do comportamento. A teoria da eqüiac*e só m ostra os vários fatores que entram na análise da eqüidade, e não questiona,0s fatores que devam ser ponderados. A análise de com portamento vai um passo
ao perguntar o que determ ina quais fatores serão ponderados.
226
William M, Boum
A resposta a essa pergunta está n a história passada da pessoa. Toda discj-jj^nação depende de um a história de reforço e punição, e identificar algum as relaçõe1'
como eqüitativas e outras como iníquas não seria um a exceção, Há dois modo
pelos quais Pedro poderia considerar salários mais altos para os hom ens como uma
política eqüitativa. Primeiro, ele poderia de fato ter passado por vários empreg0s
em que as m ulheres recebiam m enos que os hom ens pelo m esm o trabalho. Segim. '
do, seus pais ou outras figuras de autoridade poderiam te r lhe ensinado isto, mode­
lando seu com portam ento verbal sobre homens, m ulheres e justiça. De qualquer
m odo, a história de Pedro com fatores como sexo, cor, educação e aparência afeta
que disparidades ele considera justas e quais ele cham a de injustas. Q uando ele se
apaixona por Teresa, que ardentem ente apóia os direitos das m ulheres, suas consi­
derações sobre eqüidade m udam . À m edida que Teresa pune ou reforça seu com­
portam ento verbal e não-verbal relativo a mulheres, Pedro "se conscientiza” e não
diz mais que pagar salários mais baixos para m ulheres é eqüitativo.
Freqüentem ente, m udanças em como os fatores são ponderados se traduzem'
em m udanças q uanto ao grupo que será tom ado como com paração. No século XIX, ■
o trabalho infantil pode ter parecido eqüitativo porque a com paração era feita com :
crianças cam ponesas que m orriam à míngua. No século XX, quando os custos sociais
do trabalho infantil ficaram evidentes, a com paração era feita com crianças de
classe m édia que têm condições para brincar e para freqüentar escolas, e conse­
qüentem ente nosso com portam ento verbal sobre trabalho infantil m uda de modo
correspondente. Trabalhadores que.aprenderam a se com parar apenas com outros
trabalhadores não vêm nenhum a iniqüidade no fato de burocratas gozarem de
privilégios especiais; outros trabalhadores, sem tal treinam ento, podem comparar
sua própria condição com a da burocracia e declararem -na iníqua. Quando tais
com parações forem feitas em quantidade suficiente, nós nos defrontarem os com
eventos tais como os que levaram ao colapso da União Soviética (Lamal, 1991).* .
Cooperação
Nossos conceitos de reforço eqüitativo e m útuo nos perm item com preender a coo­
peração. Um relacionam ento de cooperação é aquele em que o reforço é, ao mes­
mo tem po, m útuo e eqüitativo. Às vezes, a cooperação ocorre a curto prazo, quan­
do am bas as partes devem contribuir im ediatam ente antes que o comportamento
de cada um possa ser reforçado. Por exemplo, se um a orquestra executa um a sinfo­
nia, cada músico deve tocar um a parte antes que toda a execução possa ser aprova­
da pela audiência e paga pelos patrocinadores. Todos tocam um a parte e todos se
beneficiam jun to s. Com freqüência, no entanto, a cooperação ocorre som ente a
longo prazo, qu ando as contribuições das diferentes partes são feitas em momen­
tos diferentes, Isso acontece quando as pessoas têm um relacionam ento recíproco,
como quando os cônjuges se alternam nas tarefas dom ésticas ou amigos oferecenij
*IM. dc T, A ssim com o, 80 anos a n te s, circu n stân cias se m e lh a n te s le v a ra m ao colapso às
a risto c rac ia russa.
Compreender o behaviorismo
227
ao outro bebidas e refeições. Relacionamentos recíprocos abrem a possibilida^ d e trap aça, se um a p arte fracassa .em contribuir suficientemente (isto é, fracassa
m fo rn ecer o
d a Figura 1 1 .2 com freqüência suficiente). Na medida em que a
reCipr° cidade se desenvolve no sentido da eqüidade a longo prazo, entretanto, o
r ela cio n a m e n to se constitui em cooperação. Discutiremos tais relacionamentos com
'mais-detalhes quando tratarm o s do altruísmo no Capítulo 12.
CONTROLE
E CONTRACONTROLE
Declarações de iniqüidade ocasionadas por relações coercivas e exploradoras inci­
tam à revolução com o m eio p ara to rn ar mais justas essas relações, A derrubada de
um governo, a separação d e um casal, a falência de um a firma são resultados de
uma ação extrem a. U m a revolução, um divórcio ou um a greve parecem ser o últi­
m o recurso, tom ado ap en as quando todos os outros falharam.
Medidas extrem as m udam a situação da pessoa explorada (controlada) ao
cortar sua relação com o explorador; medidas menos extremas, tais como ameaças
e promessas, produzem m udanças dentro da relação ao m udar o comportamento
do explorador (controlador). A am eaça de uma revolução, de um divórcio ou de
uma greve pode funcionar p a ra coagir o parceiro ofensivo a mudar. Tal controle, ao
retroagir sobre o controlador, acrescenta à relação um a nova relação de reforço,
que pode ser rep resen tad a nas condições gerais da Figura 11.1. Os analistas de
comportamento a denom inam de contracontrole.
Contracontrole
0 contracontrole do tipo coercivo pode ser esquematizado como na Figura 9.1. A
pessoa ou grupo arrasad o s am eaçam com a rem oção do reforço - bens ou servi­
ços - a menos que o co n tro lad o r aceda. Os exemplos não precisam ser tão extre­
mos como am eaças de revolução e divórcio; as ameaças podem ser de sabotagem
ou desafeto. Não im porta quão assimétrica seja a relação, contanto que o controlador
deseje algo do controlado - contanto que o com portam ento do controlador possa
ser reforçado pelo controlado - o controlado pode ameaçá-lo de sustar o reforço.
Quando a am eaça é eficaz, o com portam ento do controlador é contracontrolado
através de reforço negativo.
O contracontrole tam b ém pode acontecer através de reforço positivo. Muitos
relacionamentos p erm item que am eaças sejam substituídas por promessas. Os
empregados podem p ro m eter um a produtividade m aior se seus salários forem ele­
vados. A m ulher pode p ro m eter contribuir para as despesas da casa se seu marido
ajudá-la a seguir u m a carreira. Se o comportamento do controlador muda, ele foi
reforçado positivam ente. O reforço pode dem orar a chegar, mas o conüolador evenhialmente estará em m elhores condições.
O contracontrole im plica que o controlador tenha escolha, que uma ação al­
ternativa seja possível. D ado que a escolha é entre um a alternativa que recompensa
somente a curto prazo e um a que recompensa mais a longo prazo, a situação do
228
William M. Baum
co ntrolador pode ser com parada à Figura 9.2; é um problem a de autocontrole, q
controlado produz um estím ulo discriminativo que m uda a probabilidade d a alternativa que recom pensa mais no longo prazo. Quando o povo am eaça um a revolta
os governantes podem baixar os impostos em vez de aum entá-los. Q uando os empregados prom etem para o dono de um a fábrica um a m elhora n a qualidade do
p roduto m anufaturado, o dono pode mudar, adotando o novo esquem a adminis­
trativo sugerido pelos em pregados. Dado que as am eaças ou prom essas feitas pe}0
controlado constituem regras, e podem ser sustentadas por reforço imediato, a
situação pode ser com parada à da Figura 8.2, que representa o comportamento
controlado por regras. Assim, a escolha do controlador pela relação que é melhor a
longo prazo corresponde tanto ao autocontrole (Figura 9.2) quanto ao comporta­
m ento controlado por regras (Figura 8.2).
A Figura 11.3 mostra, sob form a esquemática, os dois tipos de contracontrole
que acabam os de discutir. Em cada esquema, as interações à esquerda mostram
contracontrole. O controlador pode agir de qualquer um de dois m odos, de forma
eqüitativa (CA; impostos mais baixos e cessação da guerra) ou de form a explorado­
ra (CB; im postos aum entados e continuação da guerra). Cada um a das duas alter­
nativas leva a um a relação diferente entre as partes envolvidas, sim bolizadas pelos
retângulos à direita. A relação para a qual a atividade CB conduz, no retângulo
inferior, pode ser a situação atual; CB m anteria a “situação como sem pre foi”. A
atividade CA, porém , conduziria a um a nova relação (retângulo superior) que seria
mais benéfica tan to para o controlador como para o controlado. O controlado pro­
m ete ou am eaça (Cc), produzindo o estímulo discrim inativo S£ (“A um ente nossos
salários ou entram os em greve!” - um a regra; ver Capítulo 8) que indica o retângu­
lo superior (relação) com seu conjunto de relações de reforço, e fortalece a alterna­
tiva do controlador CA (por exemplo, aum ento de salários). Q uando o controlado
contracontroia através de am eaças (esquema superior), Sc indica a superioridade
de CA baseado no fato de que CB conduz, em últim a instância, a conseqüências
aversivas em grande escala (S£), para o controlador. Essas resultam do comporta­
m ento do controlado (CR3) em resposta a Sr, as conseqüências aversivas a longo
prazo p a ra o controlado. Se os governantes aum entam os im postos, o povo se rebela e depõe os governantes.
Q uando o controlado contracontroia por meio de prom essa (esquem a inferior
na Figura 11.3), Sg indica a superioridade de CA com base em que ele conduz, em
últim a instância, a um grande reforço para am bas as partes (S& e S^). Quando o
povo desfruta paz e prosperidade, ele am a e louva seus governantes. U m a ação por
parte do controlado (CR3) pode ou não ser necessária; um a com binação de distribuição de lucros e m elhoria no controle de qualidade pode tra zer benefícios diretos
a em pregadores e em pregados.
Aqueles que são controlados freqüentemente com binam os dois tipos de contracontrole, apresentando tanto ameaças como promessas. Grupos de cidadãos podem
am eaçar rem over funcionários públicos de suas funções se esses adotarem um a de­
term inada política enquanto, simultaneamente, podem prom eter apoio se adotarem
outra. Essa estratégia é freqüentem ente denom inada a técnica do “bate e afaga”.
A necessidade de contracontrole surge porque a escolha do controlador entre
CA e CB é difícil, por duas razões. Primeiro, dentre os reforçadores im ediatos, SBi e
j
;
,
;
|
?
;
Compreender o behaviorismo
Contracontrole por ameaça
Controlador
Controlador
C A1 Sar, = S£ : C A?
............. L . . . . 4 ................1
........
Controlado
1
Controlador \
1
Cai
Cc
Controlado
.....................
-
si, —Sb : Cb2
S^i
sp
I „ 4 ................ i ............
t
T
♦
1
Controlado
S rí : C rj
s& ■C r2
i
Sr2
1
l
t
—1„
í 1* •■C R3
--- ►hi JR
Contraconirole por promessa
Controlador
Controlado
Controlador
C bi
C ai
...... !
S', = SA : C/^
Sa
t ................ 1........ t ...........
4
1
t
r
Sr1 • C ri
Sjtj .
S§j — S b : C b2
.. 1........t ................. |.......
1
Cc
Controlado
Controlado
T
S r2 : C r2
í
S rj
f>SUra 11.3 C o n tra c o n tro le . Em ambos, contracontrole através de ameaça (esquema su­
perior) e contracontrole através de promessa (esquema inferior), o controlador escolhe
snire duas relações com o controlado, mostradas nos retângulos à direita. A ação C A, por
Parte do controlador; conduz a uma re la ç ã o melhor a longo prazo. A açâo C B conduz a
UnílQ relação menos favorável ou a mantém. O contracontrole através de ameaça acontece
guando o controlado gera um estímulo discriminativo jS®) q u e indica uma punição a longo
Pra,o (S>) para o comportamento C B, do controlador. O contracontrole através de promesSq acontece quando
indica um reforço a longo prazo S*, para o comportamento C A. O
^ontracontrole é necessário quando pequenas conseqüências imediatas (SA, S* e S*,) tenem ° sobrepujar as conseqüências de longo prazo (S£ ou S^). O controlado pode ser
j-^Paz de fornecer alguns reforçadores de curto prazo para C A (S*) que ajudam a contrabanÇar as conseqüências de curto prazo que favorecem C B.
m aior que S ^. Além disso, como na Figura 9.2, algum punidor im ediato (S£; p0r
exem plo, ser hum ilhado) pode resultar da escolha de CA, e algum reforçador Ime­
diato (S§; p o r exemplo, d erro tar um oponente) pode resu ltar da escolha de CB. As
conseqüências im ediatas e de curto prazo, todas favorecem a escolha da relação
exploradora. Em segundo lugar, em bora as principais conseqüências,
e S^, exce-.
dam as àiferenças a curto prazo no reforço, essas conseqüências são adiadas, o
controlador pode te r de esperar m uito tempo antes de obter as vantagens de CA. É
isso o que torna a escolha entre CA e CB, sem contracontrole, um a arm adilha de
reforço (Figura 9.2), Sem contracontrole, é provável que o controlador se compor­
te im pulsivam ente e escolha CB. A enunciação de regras pelo controlado, entretan­
to, apoiada por reforçadores im ediatos (S£ na Figura 11.3; por exemplo, aprovação
e congratulações) que contrabalançam as conseqüências im ediatas que favorecem
CB, ajuda a prom over a alternativa que é melhor a longo prazo (ver Figura 8.2).
Eqüidade
O contracontrole surge a p artir de considerações sobre a eqüidade. Se o estímulo
discrim inativo para falarmos sobre iniqüidade é um a com paração entre indivíduos
ou grupos, então essa com paração tam bém é responsável pelo início do contracon­
trole. U m a vez bem-sucedido, contudo, o contracontrole se torna parte perm anen­
te da relação, porque ajuda a m anter em situação sem elhante os indivíduos ou
grupos com parados - isto é, im pede a recorrência d a iniqüidade. O contracontrole ;
é tam bém um m ecanism o pelo qual as relações podem continuar m udando para
melhor.
C onsiderando que nosso discurso sobre iniqüidade m uda de tem pos em tem­
pos, então é possível que novas exigências de contracontrole tam bém surjam . Isso
acontece quando um a nova com paração é feita. A m ed id a que o conceito deV
estratificação social se altera, as pessoas de um a classe ou casta social m ais baixa
com eçam a com parar suas condições de vida com as de pessoas de estratos supe- ■
:
riores (originalm ente seus “superiores”). Historiadores atribuem a Revolução Fran­
cesa ao descontentam ento da classe média em ergente em relação a sua falta de
poder político, em com paração com aquele nas mãos d a aristocracia francesa. Des­
de que am eaças não m udaram o com portam ento do rei, a classe m édia se rebelou
e estabeleceu um a forma nova de governo que propiciou mais p o der a esta classe isto é, um contracontrole mais eficaz. Em um a sociedade verdadeiram ente sem
classes sociais, as com parações seriam extrem am ente genéricas; qualquer indiví­
duo ou grupo poderia ser com parado com qualquer outro indivíduo ou grupo. 0
ideal “De cada um de acordo com sua capacidade, a cada um de acordo com sua
necessidade” foi, em parte, responsável pela Revolução Russa.
A eqüidade últim a é a igualdade. Em um a relação entre iguais, n ão só existe
eqüidade no sentido de que nenhum a comparação desfavorável existe, m as a coifl'.,
paração é feita entre as partes que estão naquela relação. Antes do século XX, 3
relação entre m arido e m ulher era considerada desigual; porém , hoje em dia,
com parações de eqüidade são freqüentem ente feitas entre o m arido e a mulher, efli
vez de serem feitas entre esse marido e outros m aridos, ou essa esposa e outras
Compreender o behaviorismo
231
esposas. Em outras palavras, sugerimos que os dois cônjuges devam estar igual­
mente satisfeitos com a relação.
Se m antiverm os nossa definição inicial de parceiros como iguais que recebem
oS mesmos reforçadores, a m aioria das parcerias não seria considerada entre iguais,
já que na m aioria delas os diferentes parceiros recebem reforçadores diferentes no
relacionamento. Dizemos de cada m em bro de um casal que as fontes de sua satis­
fação diferem porque os reforçadores em seu relacionamento - S f e Sr na Figura
l l . l , Sa e S$i, p o r exem plo, na Figura 11.3 - diferera em tipo, mas eles podem falar
e também passar a se com portar de um modo ta] que eles próprios e as outras
pessoas digam que estão igualm ente satisfeitos. Quando esse com portam ento ver­
bal ocorre, ele é um estím ulo discrim inativo para dizermos que os parceiros são
iguais.
Em term os da teo ria da eqüidade, advogar a igualdade significa que os inves­
timentos dos dois parceiros devem ser vistos como iguais, ignorando as diferenças
. de sexo, cor, aparência ou educação. Na prática, raram ente as pessoas se compor­
tam desse modo. O p o n to principal da teoria da eqüidade é explicar como as pesso­
as são capazes de cham ar relações desiguais de eqüitativas. A teoria admite, contu­
do, a possibilidade de que investim entos possam ser iguais; neste caso, então, a
eqüidade exigiria que os lucros ou ganhos fossem também iguais.
No caso esp ecial de relações e n tre iguais, a distinção en tre controle e
contracontrole desaparece, porque nenhum parceiro pode ser considerado contro­
lador ou controlado - n en h u m ganha mais n a relação que o outro. Cada um contro­
la o com portam ento do outro igualm ente.
Mudar da eqüidade parcial para a igualdade produz mudanças profundas em
uma relação. Q uando os trabalhadores só se comparam com outros trabalhadores,
eles podem considerar u m a situação eqüitativa mesmo que seus patrões tirem da
relação um ganho m aior que o deles. Se, porém, os trabalhadores começarem a se
: comparar com seus em pregadores, eles teriam , a fim de conseguir a eqüidade, de
atingir a igualdade. Tais m ovim entos conduzem à autogestão, a empresas adminis­
tradas pelos próprios em pregados ou, em escala maior, a empresas estatais e ao
socialismo.
Poder
Discussões sobre a eqüidade norm alm ente também envolvem discussões sobre o
poder. Definições de poder norm alm ente apelam para a intuição ou o bom senso. A
analise com portam ental oferece um cam inho para compreendermos melhor esse
fenômeno.
Eqüidade e p o d er se referem a aspectos diferentes de um a relação. A discusSao sobre eqüidade diz respeito aos benefícios derivados da relação. A discussão
s°bre poder diz resp eito ao grau de controle que cada parceiro exerce sobre o
COlnPortnm enlo do outro. Q uando os parceiros se beneficiam de forma desigual do
acionamento, aquele que obtém mais benefícios também tem mais poder. Esse
■^.aior poder, tan to quan to o m aior benefício, é o que nos leva a denom inar esse
Parceiro de controlador.
232
Williom M. Boum
Porém, estritam ente falando, relações de reforço são poderosas, não as pessoas.
Uma pessoa tem p oder quando é instrumento de um a relação de reforço poderosa,
Q uando um em pregador pode privar um empregado de seu em prego por ter apre­
sentado um desem penho incom petente, o com portam ento do em pregado está sob
o controle de um a relação de reforço poderosa. O p oder de um a pessoa depende
inteiram ente do poder das relações de reforço que ele ou ela gèrencia.
Dois fatores to rn am p o derosa um a relação de reforço: a im portância do
reforçador e a precisão do controle sobre o reforçador. A im portância do reforçador
depende não de seu valor absoluto, mas de seu valor relativo a outros reforçadores
existentes na vida do controlado. Se dizemos de M eca que “seu trabalho é sua
vida”, querem os dizer que, além do trabalho, existem poucas coisas capazes de
prover reforço na vida de Meca. Isso significa que, para Meca, a perda do emprego
■
seria devastadora, e que provavelm ente ela fará qualquer coisa para m anter seu
em prego, o que dá a seu em pregador um enorme poder na relação que os dois '■)'
m antêm . Porém, se Meca tem vários outros relacionam entos em sua vida - pais,
m arido, filhos, amigos - e, particularm ente, se ela tem outras fontes de renda, seu l
em prego terá um a im portância menor. Neste caso, seu patrão teria m enos con- '';
dições de controlar seu com portam ento com a am eaça de perda de em prego. Em ;
geral, visto que os patrões são mais ricos que seus em pregados, os benefícios de- v í
rivados da relação em pregatícia têm maior im portância para os em pregados do
que para os patrões, em bora sejam de menor valor em term os absolutos. Unindo os
reforçadores que os trabalhadores individuais controlam , os sindicatos conseguem, i?
em parte, contrabalançar essa diferença r.o valor dos reforçadores envolvidos na ;
relação.
A m esm a diferença aparece em outros relacionam entos entre parceiros desi- ■j
guais. A nota que o professor dá ao aluno é norm alm ente m ais im portante para o
aluno do que o aplauso do aluno é para o professor. O afeto dos pais é norm alm en­
te m ais im portante para a criança do que o afeto da criança para os pais. A pessoa ■■v r
mais poderosa controla o reforçador mais im portante.
.■v í;
O m odo pelo qual a im portância do reforçador contribui para d a r poder é ^ f
m uitas vezes especialm ente óbvio em relações que fogem ao norm al. Q uando o í
desem penho de um filho é m ais importante para os pais do que o afeto dos pais
p ara a criança, a criança m anda nos pais. Quando estudantes podem am eaçar o •
professor com facas e revólveres, o com portamento do professor é m uito influen- :
ciado pela aprovação dos alunos. Quando um em pregado tem habilidades essen- ■
ciais, impossíveis de serem substituídas, o em pregado pode passar a m andar no ;
patrão.
í
O poder dessas relações de reforço também d ep en de de sua precisão. Mesmo |
que os reforçadores sejam im portantes, a relação se to m a m enos poderosa se sua í
ocorrência é postergada ou incerta. O pai dem asiadam ente ocupado, que precisa
dizer para o filho esperar até o fim de semana para passarem algum tem po juntos ;
conversando ou brincando, tem m enos poder para controlar o com portam ento da I
criança. O patrão que só pode dar aumento de salário d ep en dend o de um aumento j
nos lucros, perde poder no controle do com portam ento de seus em pregados, Gov em o s totalitários aum entam a precisão do controle aversivo espionando a popula' j
ção (por exem plo, gravando suas conversas telefôn icas), e, assim, tornam mais |
Compreender o behaviorismo
233
órecisa a possibilidade de aplicação de punição àqueles que praticam oposição às
políticas do governo.
O poder distribuído de form a desigual está na base da distribuição desigual
çjgg vantagens. A quele que gerencia as relações de reforço mais poderosas é o mes­
mo que colhe as m aiores vantagens. O controlador reforça o com portam ento do
controlado que p ro d u z o m aior reforço para si próprio.
A iniqüidade, porém , tem limites. Se a freqüência de reforço para os comportamentos do controlado fica m uito baixa ou se as exigências para que seu com­
portamento seja finalm ente reforçado são m uito altas, a ocorrência de contracontrole
se torna m uito provável. Quando os trabalhadores de um a firma recebem salários
mais baixos do que os de outra, ou quando não podem alimentar suas famílias com
o que ganham , deixam o em prego, protestam ou se organizam. Dependendo do
evento que serve com o estím ulo discrim inativo para a comparação, o controlado a
certa altura d enuncia que o controlador está abusando de seu poder e que a relação
se tornou um a relação de exploração. Mesmo que o comportamento do controlador
continue a levar a situação até seu lim ite máximo, ainda assim o desequilíbrio de
poder pode se m a n te r só até certo grau de desequilíbrio nas vantagens.
O contracontrole atua no sentido de reparar a iniqüidade por meio de uma
diminuição no desequilíbrio na distribuição de poder. Criar relações que reforçam
ou punem o co m portam ento do controlador significa que o controlado pode refor: çar (positiva ou negativam ente - fazendo promessas ou ameaças) o com portam en­
to do controlador de d ar mais, ou mais freqüentem ente. Para evitar um a rebelião,
,o ditador dim inui os im postos. Por causa da promessa de melhoria na qualidade da
produção, o industrial pode instituir um a política de participação nos lucros para
os empregados. Com o o contracontrole aum enta o poder relativo do controlado,
ele produz m a Is eqüidade, por dim inuir o desequilíbrio de poder, e no extremo
ambos, poder e v antagens, se tornam iguais. Por exemplo, quando marido e m u­
lher têm um a relação de iguais, seus comportam entos não só são reforçados igual­
mente, mas outras fontes de reforço tornam o reforço que advém do matrimônio
igualmente im portante para ambos.
Democracia
Por que a dem ocracia é tão popular como forma de governo? As respostas tradi­
cionais se referem aos sentim entos dos cidadãos, sentimentos de liberdade e de
felicidade. A análise com portam ental perm ite um entendimento mais amplo e mais
claro das virtudes d a dem ocracia.
É verdade, com o vimos no Capítulo 9, que os cidadãos em um estado demoJatico sentem -se relativam ente livres e felizes. Porém, poderíamos imaginar um
Qitador benevolente que controla o comportam ento dos cidadãos com reforço poSltivo. Com tal governante, os cidadãos poderiam se sentir livres, mas não teriam
Condições de g aran tir a benevolência do ditador. Em um a democracia, o ingredien­
te que salvaguarda a liberdade das pessoas é o contracontrole.
A dem ocracia proporciona a seus cidadãos relações de reforço com as quais
P°dem controlar o com portam ento de seus governantes. Nos Estados Unidos, o
234
William M. Baum
p resid en te e os representantes do povo no congresso são avaliados periodicam en­
te, com a possibilidade de serem reeleitos ou de serem substituídos. Se o povo
norte-am ericano não gostar do que eles fazem, pode afastá-los.
O contracontrole em um a dem ocracia pode ocorrer através da am eaça ou por
m eio da prom essa. A am eaça seria no sentido de que, se a atuação de um gover­
n an te eleito (CA) e
na Figura 11.3) produzisse conseqüências punitivas (S£)
p ara o povo, então os eleitores votariam (Ckj) em o utra pessoa e, assim, destituiriam
o governante (S£). Tais am eaças são explicitadas em m anifestações, convenções e
reuniões. O contracontrole por prom essa seria no sentido de que, se a atuação
desse governante produzisse reforço (S |), então os eleitores votariam nele CCR3)a
m antendo-o em seu cargo (S*), Em termos cotidianos, o contracontrole p o r meio
de um a prom essa é cham ado fazer lobby.
A dem ocracia é tam bém caracterizada por um tipo de igualdade, simbolizada
nas revoluções francesa e russa, na qual todos são considerados, e, portanto, cada ■|
pessoa é cham ada de “cidadão” ou “cam arada”. A relação entre o presidente e os
cidadãos de um país não pode ser um a relação entre iguais - enquanto ocupam tal
cargo, os governantes em um estado democrático são claram ente os controladores.
Uma vez fora desse cargo, contudo, voltam novam ente à condição de cidadãos
com uns - controlados como todos os demais. A longo prazo, estão sujeitos às mes- :
m as relações de reforço a que estão sujeitos todos os demais.
As políticas de governantes democráticos, mais cedo ou mais tarde, acabam
por afetar os próprios governantes. Até mesmo enquanto exercem seus cargos, o
p residente e os m em bros do congresso devem pagar impostos. Uma vez fora desses. ;
cargos, eles, m ais do que ninguém , estão sujeitos às regras e leis que promulgaram^ ;.
A longo prazo, o regime dem ocrático tende a levar a relação entre controladores e ;
controlados de um a condição de eqüidade parcial para um a condição de igualdade.
Essa descrição da dem ocracia é, obviamente, um a idealização. F u n c io n á r io s
governam entais às vezes se envolvem em atividades secretas e ilegais, e, às vezes,
aceitam suborno. Um ex-presidente só em parte volta ao estado de cidadão co­
m um . Porém, como um todo, o regime dem ocrático é geralm ente considerado um
progresso em relação a regim es absolutistas, como m onarquias e ditaduras. A im- '
perfeição dos processos democráticos, porém, sugere que eles ainda poderiam ser
objeto de mais e m elhores m udanças: talvez m elhores m étodos de c o n tr a co n tr o le
possam ser encontrados. Discutiremos como um a sociedade poderia passar por tais
progressos no Capítulo 14, quando analisarmos a questão da engenharia social. ?
RESUMO
Para que um episódio entre duas pessoas ou entre um a pessoa e um grupo possa $e t.
cham ado de interação social, cada parte deve reforçar o com portam ento d a outra"
o reforço deve ser m útuo. Exemplos analisados em capítulos anteriores incluetf1 .
com portam ento verbal e coerção. Diz-se que duas pessoas têm um relacionamefltj7
q u ando interações sociais entre elas ocorrem freqüentem ente. Esse m esm o cone«?1'
to se aplica a relações entre indivíduos e instituições.
'
'i
■
í
1
Compreender o behaviorismo
235
Embora o relacionam ento baseado em mecanismos coercivos seja obviamen­
te injusto, um a fo rm a mais sutil de iniqüidade marca aquelas relações de explora­
ção em que as ações de ambos os parceiros são reforçadas positivam ente. Essas
relações são consideradas iníquas porque, a longo prazo, um dos parceiros acaba
por ser enganado; a participação do parceiro explorado na relação é, em última
instância, severam ente punida. A curto prazo, a pessoa que é enganada até poderia
continuar contente; tais pessoas são cham adas “escravos felizes”. A longo prazo,
' escravos felizes freqüentem ente acabam descobrindo, ou alguém os adverte, sobre
a trapaça de que são vítim as ~ isto é, eles se deparam com estímulos discriminativos
que tornam prováveis ações de revolta e discordância. Essa instabilidade, a longo
prazo, faz d a e x p lo ra ç ã o , assim com o d a coerção, um m éto d o precário de
gerenciamento.
A tendência a se rebelar contra relações de exploração, mais do que contra
relações coercivas, depende do com portam ento verbal das pessoas na sociedade. O
: falar sobre a exploração tende a ocorrer nos mesmos contextos que o falar sobre
injustiça e iniqüidade. Faz-se um a com paração entre dois indivíduos ou dois gru­
pos, e diz-se que a pessoa ou grupo m altratado foi explorado. Considerando que a
comparação feita depende da história de reforço daquele que fala, o falar sobre
í exploração, eqüidade e iniqüidade varia de pessoa para pessoa e de uma época
para outra.
A coerção e a exploração são reparadas inudando-se a relação entre as partes
. envolvidas. Pode-se cortar a relação, mas freqüentem ente m udanças menos drásti. cas podem p erm itir que ela continue. O movimento em direção a maior igualdade
. entre dois parceiros acontece como resultado de relações de reforço adicionais, ou
contracontrole. Ao controlador é oferecida a escolha de um a relação alternativa,
uma modificação n a relação existente, e estímulos discriminativos apresentados
pelo parceiro controlado, que m ostram a possibilidade de conseqüências, a longo
prazo, m uito m elhores para o controlador, aum entam a probabilidade de que o
controlador ad o te a nova alternativa. O contracontrole funciona por meio de pro­
messas e am eaças, p o r m eio de estímulos (regras) que mostram a possibilidade de
reforço futuro e de esquiva da punição futura. As ameaças e promessas, apoiadas
por reforço social, ajudam o controlador a evitar a escolha impulsiva da relação
, que é m elhor a cu rto prazo, optando, ao invés, pela relação melhor a longo prazo
(autocontrole). A introdução de um a nova relação de reforço pela qual o controla­
do p0de afetar o com portam ento do controlador (contracontrole) m uda a relação
no sentido de u m a m aior eqüidade. Q uando o reforço m útuo em um a relação é
equitativa a longo prazo, a relação é freqüentem ente denom inada cooperação.
Quando n ovas com parações ocorrem, o relacionamento pode mudar ainda
;
Se as novas com parações são feitas em relação a um grupo mais amplo, o
; ^ cio n a m en to se m odifica no sentido de maior eqüidade e, em última instância,
.
M a ld ad e, na qual as partes envolvidas na relação se comparam uma com a
• ■ Em um a relação entre iguais, ambas as partes envolvidas se beneficiam igual . , .n te- Quando o reforço é igual, as distinções entre controle v e r su s contracontrole,
. eíUre controlador v e r s u s controlado desaparecem, porque cada parceiro controla
c°m portam ento do outro de forma igual.
236
William M. Baum
0 controle que cada parceiro exerce na relação sobre o com portam ento
outro é o poder daquele parceiro ou, mais precisam ente, é o poder das relações
reforço através das quais aquele parceiro controla o com portam ento do outro, q
poder de um a relação depende da im portância do reforçador e da precisão d0
controle exercido sobre o reforçador. Quanto mais im portante for o reforçador e
quanto mais preciso for o controle sobre ele, m ais poderosas serão as relações ç)e
reforço. Um desequilíbrio de poder nas relações de reforço existentes em u m rela.
cionam ento leva à desigualdade na distribuição das vantagens derivadas d a rela­
ção. Como o contracontrole aum enta o poder do controlado, ele tende a reduzir a
iniqüidade, ao reduzir o desequilíbrio de poder.
A grande força da dem ocracia é que esse regim e político dá às pessoas, aos
controlados, o poder de contracontrolar. O contracontrole acontece por meio de
eleições, m anifestações e lobby, Embora a relação perm aneça desigual, m esm o com
contracontrole, a duração lim itada do tempo d e m andato dos governantes assegu­
ra igualdade a longo prazo porque, ao deixarem seus cargos, os governantes se
tornam sujeitos às m esm as relações de reforço que controlam todos os demais.
Q uando o com portam ento de todos está sujeito às mesm as relações, todos são
iguais entre si. Essa é a teoria, pelo menos; o regim e dem ocrático, tal com o exerci­
do no m undo de hoje, necessita ser aperfeiçoado.
LEITURAS ADICIONAIS
Adams, J. S. (1965), Inequity in social exchange. In; L. Berkowitz (org.), A dvances in expe­
rim ental social psychology, vol. 2, p. 267-299. Nova York: Academic Press. Artigo clássico que
ampliai a teoria da eqüidade de Homans, ao considerar os efeitos de diferentes padrões de
comparação.
Homans, G. C. (1961). Socfai fre/iavior: its e le m e n ta iy fo rm s . Nova York: Harcourt Brace
World. Texto clássico que contém a teoria da eqüidade original de Homans.
Lamal, R A. (1991). Three metacontingencies in the pre-perestroika Soviet Union. Behavior
a n d Social Issues, 1, 75-90. Esse artigo é uma análise comportamental de algumas práticas
de gerenciamento que funcionaram inadequadamente na União Soviética.
Mearsheimer, J. J. (1995). The false promise of international institutions. international
Security, 19, 5-49. Este artigo contém uma discussão ampiiada sobre o dilema da segurança
nas relações internacionais do ponto de vista de um cientista político.
Nevin, J. A. (1985). Behavior analysis, the nuclear arms race, and the peace movement. In:
S. Oskamp (o ig .) „ In te rn a tio n a l conflict and national p o lic y issues. A pplied Social P sychology
A n n u a l, 6, 27-44. Beverly Hills: Sage Publications. Esse artigo é um exemplo de como a
análise comportamental pode ser aplicada a relações internacionais.
Rao, R. K., e Mawhinney, T, C. (1991). Superior-subordinate dyads: dependence of leader
effectiveness on mutual reinforcement contingencies. Journai o f the E xp erim en ta l A n a ly s t
o f Behavior, 5 6 , 105-118. Esse artigo descreve estudos realizados em laboratório de re laçõ es
superior-subordinado, focalizando particularmente como elas dependem da im p o rtâ n c ia
dos reforçadores.
Compreender o behaviorismo
237
Skinner, B. F. (1974). About behaviorism. Nova York: Knopf. 0 contra controle é discutido
eXp]icitamente no capítulo 12, “The question of control”.*
Skinner, B, F. Cl978). Reflections on behaviorism and society. Nova York: Appleton-CenturyCrofts. Essa obra contém, entre outros, um ensaio sobre a natureza exploradora das loterias
oficiais, “Freedom, at last, from the burden of taxation”.
Van Evera, S. (1984). The cult of the offensive and the origins of the first world war.
frtemotioilal Security, 9> 58-107. Descrição de um cientista político sobre o dilema da segu­
rança e o modo como este levòu à Primeira Guerra Mundial.
termos introduzidos
Còntracontrole
Dilema da segurança
Episódio social mínimo
Eqüidade
Escravo feliz
NO CAPITULO 11
Exploração
Lucro/investimento
Poder
Reforço mútuo
Teoria da eqüidade
T Título traduzido em português (ver “Apêndice").
12
Valores: religião e ciência
A 5 questões que se colocam sobre valores são perguntas sobre o bom e o mau, o
certo e o errado. Ao serm os criados em determ inada cultura, aprendem os a chamar
certas coisas e atividades de boas: lutam os por essas coisas e nos empenhamos
nessas atividades. Aprendem os a cham ar certas coisas e atividades de más, e evita­
mos essas coisas e nos afastam os dessas atividades. A aprovação-por nossos seme­
lhantes é boa, o trabalho honesto é bom , a doença é má, a mesquinharia é má.
Neste capítulo, aceitam os sem discutir que essas coisas sejam chamadas de boas e
más, que sejam adotadas ou evitadas. Estamos interessados em como explicar o
comportamento de cham á-las de boas e más.
Na concepção tradicional, valores são idéias e atitudes, coisas mentais exis­
tentes em algum lugar d en tro do sujeito. Para pessoas de orientação religiosa, esses
valores m entais vêm de Deus. A suposição dessa origem divina está implícita na
citação de C. S. Lewis no final do Capítulo 9, dizendo que a ciência não pode lançar
nenhuma luz sobre questões de valor, que pode nos dizer como nos comportamos,
mas não como devemos nos comportar. Os behavioristas atuais discordam de Lewis;
é possível à ciência lançar algum a luz sobre o problem a de como devemos nos
comportar.
QUESTÕES DE VALOR
Os behavioristas rejeitam a noção de que os valores são entidades mentais; se são
alguma coisa, são com portam ento. Lewis está certo ao dizer que a ciência não tem
ttada a dizer sobre o que é bom ou m au aos olhos de Deus, mas pode ter muito a
dizer sobre o que é bom ou m au aos olhos dos homens. Mesmo que Lewis esteja
correto ao afirm ar que a análise com portam ental só pode lidar com o que as pes­
soas fazem, um a das coisas que as pessoas fazem é falar sobre como devem se
c°niportar. A análise com portam ental pode abordar questões sobre valores, focali-
249
William M, Baum
zando o que as pessoas fazem, e particularm ente o que dizem (seu com portamento
verbal) em relação ao bom e m au, ao certo e errado. A ciência pode indagar por
que as pessoas fazem determ inadas afirmações a respeito de valores.,
Relativismo moral
Tem-se a impressão de que há tan ta diversidade de pessoa para pessoa, de lugar
para lugar e de cultura para cultura que alguns pensadores dizem que não h á pa­
drão universal que possa explicar as idéias a respeito do certo e errado. Falam em
ética situacional - a ética que se origina de situações particulares e não de princí­
pios universais - como a única possibilidade, Em outras palavras, esses relativistas
m orais sustentam que cada pessoa desenvolve suas próprias idéias sobre o bom e o
m au dependendo de sua situação particular. A extensão desse pensam ento é a afir­
m ação: “Nada é bom ou m au, m as pensá-los assim, assim os torna”,
Um dos problemas do relativism o m oral é que, ao que parece, ele não oferece
meios de resolver conflitos entre pessoas que têm idéias diferentes quanto ao bom
e ao m au. Tomando um exemplo extrem o, suponham os que um sádico considere
que é bom infligir dor a outra pessoa. Se não há padrão universal, como podemos
concluir que suas ações são más? O que poderia lim itar a noção de que “Se isso faz
você se sentir bem, faça-o”?
O relativismo moral pode responder a essas questões rem etendo às conven­
ções sociais. O grupo pode decidir que com portam ento cham ará de bom ou.mau, e
a p artir daí essa convenção se torna parte da situação do indivíduo. Pode-se ensinar
ao sádico que o grupo rejeita esse com portam ento, Essa posição, porém , deixa
algum as questões em aberto: (1) Como um grupo chegaria a convenções sobre o
bom e o mau? (2) Como o grupo faria para persuadir os indivíduos a aceitar as
convenções?
Padrões éticos
A alternativa ao estrito relativism o m oral é a idéia de que h á padrões éticos univer­
sais, de que é possível descobrir princípios que expliquem as asserções que as pes­
soas fazem sobre o bom e o m au como resultado de algo mais do que suas situ ações
particulares. Tanto o religioso Lewis como o behaviorista Sldnner r e je ita r a m o
relativismo moral em favor de padrões éticos universais. Suas idéias a r e s p e ito de
que padrão usar naturalm ente são diferentes em especial no que diz r e sp e ito a
origem desse padrão.
',.vj
A Lei da Natureza Humana
j
Lewis (1960) com eça com a observação de que as pessoas muitas vezes têm diver' . .]
gências sobre o que é justo:
!
Compreender o behaviorismo
241
Acredito que podemos aprender algo muito importante ouvindo o tipo de coisa
que eles falam. Dizem coisas como: “Você gostaria que alguém fizesse isso com
você?” - “Este lugar é meu, eu cheguei primeiro” - “Deixe-o em paz, ele não está
prejudicando ninguém” - “Por que você tinha de empurrar primeiro?” - "Me dá
um gomo da sua laranja, eu te dei um” - “Vamos lá, você prometeu” (p. 17).
Do ponto de vista de Lewis, essas frases sugerem que, quando há discordância,
as pessoas apelam para um padrão ético que imaginam ser com partilhado por todo
o mundo:
Agora, o que me interessa nessas observações é que a pessoa que as faz não está
simplesmente dizendo que o comportamento do outro lhe desagrada. Está ape­
lando para um padrão de comportamento que espera que o outro conheça. E o
outro raramente retruca: “Às favas o teu padrão”. Quase sempre ele tenta provar
que o que fez na verdade não vai contra nenhum padrão, ou se vai é porque há
uma desculpa importante. Ele faz de conta que há uma razão especial, naquele
caso, para que a pessoa que pegou o lugar continue sentada, ou que as coisas
eram muito diferentes na ocasião em que ganhou o gomo de laranja, ou que algo
inesperado aconteceu que agora o impede de cumprir a promessa. É como se, na
verdade, os dois lados tivessem em mente algum tipo de Lei ou Regra de jogo
limpo ou comportamento decente ou moralidade ou que nome se lhe dê, sobre a
qual realmente concordassem. E têm (p. 17).
Essa “lei ou reg ra” com a qual todo m undo concorda é cham ada por Lewis de
“lei da natu reza h u m a n a ”. Ele explica cuidadosamente, como vimos no Capítulo 9,
que essa lei não diz respeito ao que fazemos, mas ao que devemos fazer. E uma lei
que pode ser - e m uitas vezes é - desobedecida.
Lendo nas entrelinhas, podemos ver que a lei de Lewis diz respeito à bondade
e à justiça, Acaba resultando na Regra de Ouro: faze aos outros o que queres que te
façam. Para Lewis, parece que violamos a regra por interesse próprio, e ele está
interessado em saber p or que há ocasiões em que obedecemos a ela. Dá a entender
que nossa única razão para agir altruisticamente é nosso senso interior do que é
correto, que nos foi dado por Deus.
Lewis ignora a possibilidade de que as pessoas tam bém possam obedecer à
Regra de O uro por interesse próprio. De acordo com nossa discussão sobre regras
no Capítulo 8, essa regra m ostra conseqüências a longo prazo e a probabilidade de
retribuição: q u an d o fazemos coisas boas para os outros, eles freqüentem ente facoisas boas p a ra nós, Hesitamos em violar abertam ente a regra porque, se
^girmos de form a egoísta com os outros, é provável que eles respondam agindo de
°tnia egoísta conosco.
Nos term os m ais técnicos do Capítulo 11, a Regra de Ouro obriga à eqüidade.
Você não consegue reforçar suficientemente o com portamento da outra pessoa,
larC0T^ ° rtam entO deseJado desaparecerá. Se Míriam der a Cilene um gomo de
vel a’ 6 deP°^s Cilene se recusar a dar um gomo a Míriam, torna-se pouco provásua ^Ue ^ r *am v e n ha a d ar qualquer outra coisa a Cilene. Se Lugui não cumprir
c Pr°m essa a Sérgio, é improvável que o comportamento de Sérgio venha a ser
r°lado de novo por um a promessa de Lugui (uma regra; Capítulo 8). Fazer aos
242
Wiliiom M. Baum
outros o que você q u er que lhe façam significa que você reforça o com portam ento
dos outros e eles reforçam o seu.
Os biólogos evolucionistas tam bém reconhecem o altruísmo (ser bom para os
outros) e a reciprocidade (considerações de eqüidade a longo prazo) como univer­
sais hum anos. (Reconhecem outros universais culturais, como casam ento, direito
de propriedade e reconhecim ento de parentes.) O raciocínio dos biólogos é parale­
lo ao de Lewis: onde quer que se olhe, vê-se que as pessoas com partilham e fazem
sacrifícios por outros (praticam altruísm o) pelo m enos parte do tem po; que trapaças
(falta de reciprocidade a longo prazo) tam bém ocorrem; e que a trap aça é punida,
especialmente pelos que foram logrados. A universalidade desses fenôm enos suge­
re realm ente que a bo n d ad e e a justiça constituem um a lei da natu reza hum ana.
Entretanto, ao contrário de Lewis, evolucionistas e behavioristas vêem as regularidades do com portam ento hum ano apenas como um reflexo de várias formas
de egoísmo. Míriam d á a Cilene um gomo de laranja só se for provável que Cilene
retribua - reforce o ato de doar de Míriam - a longo prazo. Sérgio p ode d a r tempo ■
e dinheiro p ara sua igreja, m as só se obtiver algo em troca a longo prazo. Trapaças ;
e com portam ento verbal capaz de evitar punições devido a trapaças (“fingir”, de
acordo com Lewis) são diferentes do com portam ento “correto” apenas por serem ■
reforçados de form a m ais im ediata. Constituem apenas um a form a mais óbvia de
egoísmo - agir de form a a produzir m aior reforço a curto prazo. Assim, o altruís­
mo, por aum entar o benefício a longo prazo, ainda é egoísta.
A grande exceção ao egoísm o hum ano ocorre no com portam ento dirigido a
parentes. Os pais, principalm ente, fazem sacrifícios por seus filhos sem esperar
retorno. Irmãos m uitas vezes se ajudam uns aos outros, mesmo q uando a recipro­
cidade é improvável, ou abertam ente rejeitam qualquer retribuição. Tios e tias aju­
dam seus sobrinhos e sobrinhas. Uma pessoa bem de vida pode até ajudar um
primo que não tem condições de lhe corresponder.
As exceções, porém , confirm am a regra. A universalidade do altruísm o sugere ■’
um a base genética. Os genes de altruísm o dirigido a parentes seriam selecionados porque os parentes com partilham esses genes, e a ajuda entre si te n d e a aumentar
a freqüência dos genes com partilhados no conjunto gênico da população. Genes
que promovem o altruísm o dirigido a pessoas que não têm parentesco podem ser
selecionados contanto que acom panhem genes responsáveis pela sensibilidade ao
reforço a longo prazo. Isso nos leva à questão das origens: de onde provém a lei da .
natureza hum ana?
A questõo das origens
Da m esm a form a que evolucionistas e behavioristas, Lewis rejeita a idéia dos
relativistas m orais de que os valores sobre os quais há acordo sejam simplesmente
convenções sociais. Eis com o ele discute a questão “O que você cham a de Lei Moia j
não seria só um a convenção social, algo que nos é inculcado pela educação?”-'
; [
Concordo plenamente que aprendemos a Regra do Comportamento Decente corn j
nossos pais e professores, amigos e livros, tal como aprendemos tudo o mais. P°ie^’ ]
algumas das coisas que aprendemos são meras convenções que poderiam ser o1 ..;
Compreender o behaviorismo
243
rentes - aprendemos a ficar do lado esquerdo nas estradas, mas a regra poderia
perfeitamente ser manter-se à direita - e outras, como na matemática, são verdades
reais. A questão é saber a que classe pertence a Lei da Natureza Humana (p. 24).
Lewis, é claro, sustenta que essa lei é um a "verdade real”, e não uma dessas
convenções que poderiam ser diferentes. Detém-se longam ente na rejeição de uma
explicação afim, de que a conduta decente beneficia como um todo a sociedade a
que se pertence, assim form ulando o argum ento: “Os seres hum anos, afinal, têm
algum bom senso; percebem que você não pode ter verdadeira segurança ou felicida­
de a não ser em um a sociedade em que cada um jogue limpo, e é por isso que
tentam se com portar decentem ente”. Ele repudia essa explicação da seguinte forma:
Ora, com certeza, é perfeitamente verdadeiro que a segurança e a felicidade só
podem existir se indivíduos, classes e nações forem honestos, justos e bondosos
uns com os outros. Essa é uma das mais importantes verdades no mundo. Mas,
como explicação de por que sentimos o que sentimos com relação ao Certo e
Errado, simplesmente não leva a nada. Se perguntarmos: “Por que não devo ser
egoísta?” e você responder “Porque é bom para a sociedade”, podemos então per­
guntar, “Por que eu me importaria com o que é bom para a sociedade, senão no que
atinja a mim pessoalmente?”, e então você terá de dizer, “Porque você não deve ser
egoísta” - o que simplesmente nos traz de volta ao ponto de partida (p. 29).
■
Para Lewis,' tem de existir algum fator adicional, algum a razão última, para
explicar “por que sentimos o que sentim os com relação ao certo e errado” e por que
devemos nos com portar de form a não-egoísta.
Os biólogos evolucionistas usam um argumento sem elhante contra as explica­
ções de altruísm o que apelam p ara o agir “para o bem da espécie” ou para a seleção
do grupo. Se os indivíduos se com portassem de forma a aum entar a aptidão do
grupo às suas próprias custas, en tão qualquer m em bro do grupo que agisse
egoisticamente - usufruindo os benefícios de pertencer ao grupo sem fazer sacrifí­
cios (isto é, trapaceando) ~ teria aptidão superior ao resto. Aum entaria o número
de indivíduos egoístas, o que eventualm ente desm antelaria a organização social.
.Qualquer sistem a social baseado no bem do grupo seria vulnerável a rupturas cau­
sadas por trapaceiros, a não ser que algum a consideração maior, em última análise
egoísta, pudesse obrigar os indivíduos a perm anecer altruístas.
Embora as explicações religiosa e evolutiva dos valores concordem em que
algum fator últim o ou pad rão absoluto deva explicar nossos valores, a concordan­
c e acaba aí. Lewis propõe que a lei da natureza hum ana vem de Deus, enquanto os
;e.Volucionistas argum entam que ela é resultado da seleção natural.
UMA abordagem cien tífica dos valores
k explicação científica dos valores não pode apelar para causas sobrenaturais como
0 eus- Contrariando a afirm ação de Lewis, terão os behavioristas algo a dizer sobre
9Ue devemos fazer, independentem ente do que, de fato, fazemos?
244
William M. Baum
A re s p o s ta é sim e não. Os analistas de com portam ento podem explicar açõ
que são co n sid erad as boas ou más, e particularm ente podem explicar o comporta
mento v e rb a l das pessoas sobre o bom e o m au, o certo e o errado - isto é, expliCg
o que as pesso as falam acerca do que devemos fazer. Uma pessoa religiosa coin0
Lewis, p o ré m , p oderia ficar insatisfeita com essas explicações e querer saber p0r
que o u n iv erso é de tal form a construído que chegamos a dizer uns aos outros
coisas d o tip o Não roubarás. M esmo que possamos explicar como se chegou a isso
sendo o m u n d o do jeito que é, perm anece a questão de por que o m undo é dessé
jeito. C om o disse Lewis (1960):
f
^
\
I
*
í
I
A ciência trabalha por meio de experimentos. Observa como as coisas se compor­
tam. Por mais complicado que pareça, ao final todo enunciado científico na ver­
dade significa algo como “Apontei o telescópio para tal parte do céu às 2:20 da
manhã do dia 15 de janeiro e vi isso e aquilo” ou “Coloquei um pouco dessa
substância numa vasilha, aqueci-a a tal temperatura, e aconteceu isso e aquilo”, ;
(...) Mas por que de qualquer maneira alguma coisa aparece lá, e se há alguma
coisa por trás das coisas que a ciência observa - algo de uma qualidade diferente -í
- isso não é uma questão cientifica, Se há “Algo Atrás”, terá de ficar de todo
desconhecido dos homens, ou então terá de se fazer conhecido de outra forma. A
afirmação de que essa coisa existe, bem como a afirmação de que essa coisa não
existe, não são afirmações que a ciência possa fazer (...). Afinal, é na verdade
uma questão de senso comum. Suponhamos que a ciência se tomasse algum dia
tão completa que viesse a conhecer cada uma das coisas existentes em todo o :
universo. Não é óbvio que as perguntas “Por que o universo existe?”, “Por que
continua como é?” e “Ele tem algum sentido?” ficariam exatamente do mesmo
jeito? (p. 32).
R econhecendo a correção do argum ento geral de Lewis quanto à existência
de q u estõ es que estão fora do âm bito da ciência, podemos discordar de suas afir­
mações tra ta n d o a lei da n a tu re z a h u m an a como advinda do Além, desde que V
concentrem os nossa atenção nos atos e falas que se conform am à lei. Podemos :
explicar p o r que as pessoas se com portam de forma não-egoísta e por que se refe­
rem ao co m p o rtam en to egoísta como m au e ao não-egoísta como bom . Como an­
tes, u sarem o s como fundam ento conceitos analítico-comportamentais básicos, como
reforço, co m p o rtam en to verbal e controle de estímulo.
Reforçadores e punidores
Skinner (1 9 7 1 ) ofereceu um a regra prática simples: coisas que são cham adas boas
são refo rçad o res positivos. Coisas que são cham adas más são punidores. Atividades
cham ad as boas são aquelas que são reforçadas, Atividades que são cham adas más
são aq u e la s que são punidas.
C ertas coisas e atividades são boas ou más devido à form a como nossos corpos são con stru íd o s. A saúde é boa; a doença é má. A comida e o com er são bonSi
a dor e a p ro stração são más. O afeto é bom; a rejeição é má.
Compreender o behaviorismo
245
Reforçadores e punidores adquiridos são cham ados bons ou maus porque
ror3rn associados a reforçadores ou punidores incondicionais. Dinheiro é bom; sial de doença é mau. Um A é um a boa nota; um E é um a nota má. Seu poder como
conseqüência, assim como seu rótulo verbal, provêm de u m a história pessoal. Variam
de época para época, de pessoa p ara pessoa e de cultura p ara cultura. 0 com porta­
mento de muitas crianças pode ser reforçado com figurinhas de futebol, e essas
crianças cham am essas figurinhas de boas, Raramente isso acontece com adultos,
mas para alguns deles as figurinhas continuam sendo reforçadores. Para o h abitan­
te de um a aldeia tibetana, é pouco provável que essas figurinhas funcionem como
reforçadores ou que sejam cham adas boas; elas não estão associadas a reforçadores
incondicionais, nem o com portam ento verbal de chamá-las boas é reforçado.
A m aior parte dos reforçadores e punidores adquiridos resulta do fato de
vivermos em sociedade com outras pessoas. Notas, m edalhas, repreensões, elogios,
chegar ao trabalho na hora, pegar o ônibus - o poder de todas essas conseqüências
■ é social em sua origem, é o resultado de relações organizadas pelo grupo. Todas
elas são cham adas boas ou m ás, dependendo de reforçarem ou punirem o comportamento que as produz. Repreensões são más; punem a mentira, a fraude, o
atraso, o descuido, e assim por diante. Chegar ao trabalho é bom; reforça o acordar
cedo, com er depressa, pegar o ônibus, e assim por diante.
Se a m aior parte das coisas cham adas boas ou más são assim designadas devi­
do a circunstâncias sociais, assim tam bém a maioria das atividades chamadas boas
ou más são assim designadas devido a circunstâncias sociais - isto é, porque são
reforçadas ou punidas por outras pessoas. Dividir coisas com irmãos ou com outras
crianças é cham ado de bom e é reforçado por pais e professores. Fazer doações a
instituições de caridade é cham ado de bom e é reforçado por amigos, colunistas de
jornal e pela Receita Federal (através da redução de impostos). Mentir é chamado
de mau e é punido por pais, professores e amigos. Oferecer ou aceitar suborno é
chamado de m au e é punido pelo sistema judiciário.
A regra prática de Skinner, que considera o reforço como bom e a punição
como má, im porta em um a regra sobre julgam entos de valor - o comportamento
verbal envolvendo bom, m au, certo e errado. A verbalização Mentir é errado ocorre
porque verbalizações desse tipo foram reforçadas por pais e professores. Assim,
- uma pessoa que nunca recebeu aprovação por tais verbalizações jamais dirá que
: mentir é errado, em bora talvez nunca venha a mentir, se sua história incluiu o
reforço d a honestidade e a punição da mentira. Outra pessoa poderá dizer que
mentir é errado e, no entanto, m entir freqüentemente. Em geral, porém, as pessoas
Que foram punidas por m entir são as mesmas cujo com portam ento verbal de dizer
Que m entir é errado foi reforçado. Chamar reforçadores de bons e comportamento
reforçado de certo, assim como cham ar punidores de m aus e comportamento p uni­
do de errado, é com portam ento verbal que é norm alm ente reforçado.
Essa explicação esclarece um pouco por que cham am os coisas e atividades de
boas e más, mas não responde a pelo menos duas questões fundamentais. Primeiro,
ternos sentim entos intensos a respeito do certo e do errado - a respeito da Regra do
. Comportamento Decente, como diria Lewis. Quando fazemos algo bom, senrimon°s bem; quando fazemos algo mau, sentimo-nos mal. Muitas vezes se sugere que
246
William M. Baum
cham am os as coisas de boas ou más em função do que sentim os sobre elas. Como
os sentim entos se relacionam com as coisas que cham am os de boas ou más? •
Em segundo lugar, mesmo que seja verdade que as atividades boas e m ás são
aquelas que são reforçadas e punidas em nossa sociedade, ainda nos resta explicar
po r que é costume dessa sociedade reforçar e p u n ir aquelas atividades específicas.
O que há nas atividades boas e más que leva o grupo a reforçá-las e puni-las? Esse
é o enigm a que Lewis levantou e respondeu apelando para Deus, Os analistas
com portam entais, hoje em dia, seguem geralm ente a posição de Skinner (1971,
1981) e respondem à questão referindo-se à teoria da evolução, como veremos
neste capítulo e no próximo. Primeiramente, atacarem os a questão do papel dos
sentim entos, e depois passarem os ao papel tía evolução.
Sentimentos
Skinner (1971) discutiu a diferença entre o que podem os fazer e o que devemos
fazer, como exemplo da diferença entre u m fato e como nos sentim os a respeito
desse fato, Embora as pessoas facilmente aceitem essa distinção, Skinner salienta
que, p ara o analista com portam ental, tan to o ato como o sentim ento sobre ele
são fatos a serem explicados: “0 que as pessoas sentem sobre os fatos, ou o que
significa sentir algum a coisa, é questão p ara a qual a ciência do com portam ento
deveria ter um a resposta. Um fato é sem dúvida diferente do que a pessoa sente
a respeito dele, m as o sentim ento é um fato tam bém ” (p. 103). Se Sérgio perde a
cab eça, g rita com C ilene, e depois se se n te péssim o m ais ta rd e , o analista
com portam ental precisa explicar não apenas os gritos de Sérgio, m as também
seu “sentir-se péssim o”.
Tanto o gritar de Sérgio quanto seu sentir-se mal são atividades. Seu sentir-se
mal inclui abaixar a cabeça e falar sobre quão m al ele se sente. Os relatos que falam
em sentir-se bem ou sentir-se mal são exemplos de autoconhecim ento (Capítulo 6).
Para entender esses relatos, temos de exam inar a história de reforço e punição da
pessoa. Nem todo o m undo se sente m al após gritar com alguém, então porque
Sérgio se sente? M uito provavelmente, seu gritar foi freqüentem ente punido ao
longo dos anos por pais, professores e amigos. O resultado é que, quando se com­
porta mal, ele fica infeliz e relata sentim entos de ansiedade, vergonha e culpa.
Skinner argum entou que esses relatos são com portam ento verbal sob con­
trole discrim inativo das condições do corpo. Essas condições, pelo m enos parcial­
m ente, podem ser públicas, como quando se registram m udanças no ritm o car­
díaco, na respiração, nas secreções gástricas ou nas glândulas sudoríparas duran­
te um a situação em ocionalm ente carregada. Públicas ou privadas, elas f u n c io ­
nam como estím ulos discrim inativos, os quais, ju n to com circunstâncias e x te r n a s
(a gritaria, a expressão m agoada no rosto de C ilene), determ inam a ocasião para
os relatos de sentir-se m al, envergonhado ou culpado. Relatos de sentir-se bein
ocorrem em situações similares àquelas em que o com portam ento, no p a s sa d o ,
foi reforçado. O relato de Míriam, dizendo que se sente bem quando tira A em
Compreender o behaviorismo
247
algum curso, resu lta de condições som áticas que tam bém recebem o nome de
“alegria” e “êx tase”.
Os relatos, porém , não explicam por que as situações que lhes deram origem
são cham adas boas e m ás; na verdade, os relatos de sentim entos e as verbalizações
“bom” e “m a u ” provêm d a m esm a fonte - a história. Os sentim entos e os julgam en­
tos de valor brotam de duas histórias de reforço e punição paralelas. Skinner atri­
buiu as condições som áticas ao condicionamento respondente; elas são reações
fisiológicas a situações nas quais reforçadores e punidores (eventos filogeneticamente
im portantes; Capítulo 4) ocorreram no passado do indivíduo. Surgiram como
subproduto das relações operantes que controlaram os reforçadores e punidores isto é, relações de reforço que m odelaram (encorajaram ou desencorajaram ) o
com portam ento designado como bom ou mau. As verbalizações sobre bom e mau
procedem de um conjunto paralelo de relações no qual rótulos de bom foram refor­
çados n a presença de reforçadores e de com portamento reforçado, e no qual rótu­
los de m au foram reforçados n a presença de punidores e de comportamento puni­
do. Tendo gritado com Cilene, Sérgio diz que fez algo errado e que se sente mal,
mas ele não faz um por causa do outro; as duas ações verbais provêm de histórias
de reforço que se sobrepõem , m as que são diferentes.
A diferença entre as histórias explica por que as pessoas conseguem falar
sobre o que é bom e m au sem se sentir, necessariamente, bem ou mal. As discussões
sobre certo e errado em geral provocam paixão, mas elas podem proceder calm a­
mente. Posso decidir que devo fazer um seguro sem sentir nada especial a respeito.
O histórico de afirm ações de valor difere do histórico de sentimentos, o que
nos perm ite en ten d er o uso de palavras como deve e deveria. Enunciados que envol­
vem essas palavras são regras, no sentido do Capítulo 8 (isto é, estímulos discri­
minativos verbais). Q uando Míriam diz para Lugui, “Para chegar ao banco, você
deveria v irar à esquerda n a esquina”, ela poderia igualmente ter dito “Se você virar
à esquerda, essa ação será reforçada por chegar ao banco”. O deveria é uma dica
para Lugui de que seu com portam ento pode ser reforçado. As regras são geralmen­
te cham adas ju lg am en to s de valor quando indicam reforço social, em que os
reforçadores são fornecidos por outras pessoas. Skinner (1971) argumentou que
uma afirm ação como 'V ocê deveria (você deve) dizer a verdade” é um julgamento
de valor no sentido de que indica relações de reforço. Isto poderia ser traduzido em
termos com o “Se a aprovação de outras pessoas é reforçadora para você, então o
seu dizer a verdade será reforçado”. Ele comentou: “É um julgam ento ético e moral
no sentido em que ethos e mores se referem às práticas costumeiras de um grupo”
(p. 112-113). Nos term os do Capítulo 8, Skinner está aqui argum entando que um
Julgam ento de valor é um a regra que m ostra um reforço último que é social em sua
natureza, o resultado de “práticas costumeiras” do grupo ao qual falante e ouvinte
Pertencem. Se o com portam ento do ouvinte se conforma às práticas do grupo, o
ouvinte colherá os benefícios de pertencer ao grupo (por exemplo, a aprovação,
tam bém recursos e oportunidades de reprodução). Não podemos, porém, dis­
cutir p ráticas culturais (Capítulo 13) ou princípios morais (mais adiante), sem pri­
meiro revisitar a teoria cla evolução.
248
Williom M. Baum
|
}
Teoria da evolução e valores
"'■'j
\
I
Até agora, nossa discussão não respondeu a u m a questão fundam ental, ou, corno
;
diria Lewis, à “v erdadeira questão”. Se coisas e atividades boas são reforçadores e '■ j
atividades reforçadas, e se coisas e atividades m ás são punidores e atividades puni­
das, então, o que faz com que os reforçadores tenham efeito reforçador, e os
j
punidores tenham efeito punitivo?
-- j
Esboçamos u m a resposta parcial no C apítulo 4: a aptidão, O alim ento é
reforçador para um organism o privado porque os tipos de um a população que
graças a seu genótipo, são organizados de form a a que o alimento seja reforçador
se reproduzem em m aior núm ero do que os que não têm essa organização. A dor e
um estímulo punitivo porque os tipos que são organizados de forma tal que lesões
corporais causadoras de dor sejam um p unidor se reproduzem em m aior número
do que aqueles que n ão têm essa organização. Ocasionalmente, devido a u m defei­
to genético, nasce um indivíduo desprovido da capacidade de ser punido por es■
timulaçao dolorosa. Essas pessoas se m achucam com muita freqüência, e sobrevivem
I
à infância somente com vigilância constante p o r parte de quem cuida delas. Proble­
mas do gênero apareceriam com pessoas deficientes em outros reforçadores e ■.
punidores pessoais: abrigo, sexo, calor e frio excessivos, náusea, e assim por diante.
Como nossa espécie é social, a aptidão de nossos genes é freqüentem ente
ligada a nosso com portam ento uns com os outros. Os benefícios de viver em grupo
i
só podem ser auferidos à custa de m ecanism os que nos tornam sensíveis uns aos
outros e dependentes uns dos outros. M uitas vezes, pesa sobre,nós não apenas a
aprovação de nossos irm ãos, mas tam bém seu bem-estar. Não só um choro de bebê,
mas sinais de aflição, m esm o em um estranho, são geralmente aversivos. H á com­
provação experim ental de que o com portam ento altruísta para com os outros fun­
ciona como reforçador, m esm o independente de qualquer outro ganho pessoal.
Nossos interesses individuais de curto prazo são muitas vezes sacrificados no altar v
do bem maior do grupo, que acaba sendo nosso próprio bem maior, a longo prazo.
Mais precisam ente, o bem m aior a longo prazo é o bem m aior de nossos genes.
O biólogo evolucionista Richard Dawkins (1989) coloca eloqüentem ente a ques- ■
tão, descrevendo os organism os como “m áquinas de sobrevivência” que fazem “apos­
tas”, dependendo da form a como seus genes organizaram seus corpos:
Em um mundo complexo, a previsão é uma coisa arriscada. Toda decisão tomada
por uma máquina de sobrevivência é uma aposta, e é tarefa dos genes programar
os cérebros de antemão de modo que, em média, tomem decisões que valham a
pena. A moeda do cassino da evolução é a sobrevivência, mais exatamente a
sobrevivência dos genes, mas, para muitos fins, a sobrevivência individual já é
uma aproximação razoável. Se você vai à cacimba beber água, aumenta seu risco
de ser comido por predadores que vivem de emboscar presas em cacimbas. Se
você não vai à cacimba, eventualmente morrerá de sede. Há riscos de q u a lq u e r
lado que você olhe, e você tem de tomar a decisão que maximize as oportunida­
des de sobrevivência de seus genes a longo prazo (...). Algum tipo de avaliação
das probabilidades tem de ser feito. Mas n ã o tem os de pensar, ev id e n te m e n te ,
que os a n im a is fazem os cálculos c o n sc ie n te m en te . Apenas te m o s de acre d ita r
:
;
Compreender o behaviorismo
24$
que os indivíduos cujos genes construíram cérebros tais que os levam a fazer as
apostas corretas terão como conseqüência direta maior probabilidade de sobrevi­
ver e, portanto, de propagar esses mesmos genes Cp. 55-56),
“Apostas” e “decisões”, aqui, referem-se a com portamento e, geralmente, em
nossa espécie, a com portam ento aprendido. Do ponto de vista dos genes, a apren­
dizagem im plica mais apostas ainda, porque há menos segurança para os genes de
que o organism o se com portará corretam ente. Renunciar a um pouco de controle a
fim de fazer experiências com o am biente pode auxiliar a sobrevivência; assim
sendo, os genes que o perm itirem se multiplicarão. Por outro lado, os genes que
limitam a gam a de atividades que podem ser aprendidas e a gama de aspectos do
ambiente que podem ser sensíveis à aprendizagem serão selecionados se, de uma
maneira geral, conduzirem o organismo a fazer boas apostas. É por isso que os
genes são responsáveis pela aprendizagem , mas só até certo ponto. Uma das for­
mas pela qual os genes m antêm o controle é determ inando as coisas que serão boas
em ás, ou reforçadores e punidores. Sobre a aprendizagem operante, Dawldns (1989)
escreve:
Uma maneira pela qual os genes resolvem o problema de fazer previsões em
ambientes bastante imprevisíveis é incorporar a capacidade de aprender, Aqui, o
programa poderá assumir a forma das seguintes instruções à máquina de sobre­
vivência: “Eis aqui uma lista de coisas definidas como gratificantes: gosto doce na
boca, orgasmo, temperatura moderada, uma criança sorrindo. E aqui está uma
lista de coisas desagradáveis: vários tipos de dor, náusea, estômago vazio, crian­
ça chorando. Se lhe acontecer de fazer algo que venha a ser seguido por uma
dessas coisas ruins, não o faça de novo, mas, por outro lado, repita qualquer coisa
que for seguida por uma das coisas boas”. A vantagem desse tipo de programação
é reduzir em muito o número de regras detalhadas que teriam de ser introduzidas
no programa original; além disso, ela é capaz de lidar com mudanças ambientais
que não poderiam ter sido previstas em detalhe (p. 57).
Genes que definem reforçadores e punidores, e que fornecem os meios para a
aprendizagem operante, serão geralm ente selecionados em um a espécie como a
nossa, que vive em um am biente incerto. Por seu turno, os reforçadores e punidores
definem o que é bom e o que é mau, mesmo quando a aposta dá errado e o compor­
tam ento m alogra em prom over a aptidão, ou mesmo a reduz, Dawkins continua:
Em nosso exemplo, os genes prevêem que o gosto doce na boca e o orgasmo
serão “bons” no sentido de que comer açúcar e copular provavelmente serão
benéficos à sobrevivência dos genes. De acordo com esse exemplo, a possibilida­
de de existência da sacarina e da masturbação não é antecipada; como também
não o são os perigos da ingestão excessiva de açúcar em nosso meio, onde ele
existe em abundância não-natural (p. 57).
Esse últim o aspecto m erece destaque: o açúcar “existe em abundância nãonatural” em nosso m eio porque o meio mudou. O ambiente em que os genes foram
250
William M. Boum
selecionados, e que fez do gosto doce um reforçador, nao mais existe. O açúcar é
agora abundante devido à m udança cultural, e a m udança cultural é tão rápida erti
com paração à m udança evolutiva que as m udanças no conjunto gênico da popula­
ção nunca conseguem acom panhá-la. Mas a m udança cultural continua, e atual­
m ente com er muito açúcar tornou-se um a coisa má, e o bom é cuidar da dieta.
Esses rótulos, porém, têm a ver com algo que está além do indivíduo, porque dependem de práticas culturais de reforço e punição, Voltaremos à cultura e à mu­
dança cultural no Capítulo 13.
Altruísmo
De acordo com a teoria da evolução e com a análise com portam ental, o verdadeiro
altruísm o, no sentido de auto-sacrifício sem possibilidade de ganho a longo prazo,
não pode existir. Biólogos evolucionistas salientam que o altruísmo é quase sempre .
direcionado para a família. O auto-sacrifício em prol de familiares pode ser selecio­
nado porque a família com partilha os genes responsáveis pelo com portam ento al­
truísta; mesmo que o altruísta saia perdendo do ponto de vista pessoal, os genes
podem aumentar, através do benefício à família. Os biólogos ainda argum entam
que o auto-sacrifício se estende a estranhos apenas quando a reciprocidade é pro­
vável - quando, por exem plo, a participação em um grupo requer o auto-sacrifício
com o preço dos benefícios dessa participação. É m uito mais provável que as pessoas
ajudem á quem pertence a seu clube, a sua vizinhança ou a seü povo, do que
auxiliem alguém com quem não tenham nenhum laço.
Os analistas com portam entais levam essa idéia um passo adiante, ao notar
que o com portamento altruísta depende de reforço. Skinner (1971), por exemplo,
considerou o agir p ara o bem de outrem como resultado de reforço social. Ele
argum entou que, quando outras pessoas dispõem reforço para um com portamento
de um indivíduo, pode-se dizer que a pessoa afetada “se com porta ‘para o bem de
outrem ’ ” (p. 108-109). O indivíduo que é alvo do altruísm o pode se beneficiar de
form a mais imediata, m as o altruísta tam bém se beneficia, ao final. As pessoas se
com portam altruisticam ente p ara com as outras em duas circunstâncias: ( 1) quan­
do estão envolvidas em algum a relação com elas, tal como descrito no Capítulo 11,
de form a que a outra p arte eventualm ente lhe dará um retorno; ( 2) quando tercei­
ros adm inistram a situação de form a que a ação venha a ser reforçada. Uma baba
sacrifica tempo e esforço, e, às vezes, corre o risco de se ferir, pelo bem do filho de
outra pessoa, mas, ao final, é recom pensada por dinheiro e pela aprovação dos pais
da criança. Os governos exigem que os cidadãos se sacrifiquem pagando impostos,
m as o pagam ento de im postos é reforçado a longo prazo por serviços, tais como
escolas e coleta de lixo. (É evidente que, pagando impostos, tam bém se evitam
m ultas, prisão e outras form as de punição.)
O reforço a longo prazo nos ajuda a entender por que o altruísmo ocorre, e a
m esm a natureza postergada do reforço nos ajuda a com preender porque o altruís­
mo m uitas vezes não ocorre. Nos termos dos Capítulos 9 (Figura 9.2) e 11, o com'
portam ento egoísta geralm ente constitui im pulsividade e o altruísmo geralm ente e
autocontrole. As pessoas freqüentem ente se comportam de forma egoísta porque o
Compreender o behaviorismo
251
reforço p a ra o egoísmo é relativam ente imediato. As pessoas mentem, trapaceiam,
roubam e m atam porque esses com portam entos recom pensam a curto prazo.
Uma boa parte do que cham am os “socialização" consiste em colocar o com­
portam ento em contato com conseqüências de longo prazo que reforçam a bonda­
de e a generosidade. O com portam ento verbal acerca de fazer o bem para os outros
fornece regras (no sentido dos Capítulos 8 e 11) que ajudam as pessoas a evitar as
armadilhas de reforço do egoísmo. Vimos um a dessas arm adilhas na Figura 11.3,
na qual o controlador tem de escolher entre uma relação de exploração, que com­
pensa a curto prazo, e um a relação mais cooperativa, que compensa a longo prazo.
0 controlado provê um a regra (por exemplo, uma prom essa ou uma ameaça) que
fortalece a escolha que é m elhor a longo prazo. Como vimos nos Capítulos 8 e 9,
èssas regras são geralm ente am paradas por reforço social relativamente imediato
(por exem plo, aprovação social). O m al existe porque as regras e o reforço social
talvez sejam ineficientes, quando não totalm ente ausentes no ambiente do indiví­
duo. Na m edida em que as pessoas se comportam bem, entretanto, o treinamento
. social funciona.
Visivelmente, o com portam ento altruísta nunca é destituído de auto-interesse, porque, em últim a análise, pode ser rastreado à influência genética, a uma
história de reforço, ou, mais freqüentem ente, a ambos. As pessoas, em geral, são
boas para seus irmãos e primos porque compartilham genes com esses parentes, e
porque foram ensinadas a assim fazê-lo - as ações “boas” foram reforçadas por pais
e outros fam iliares.
Por serem reforçados, os atos altruístas são cham ados de “bons”. Quando uma
igreja ensina a seus membros que é bom ajudar os aflitos, esse comportamento
verbal m ostra a probabilidade de atos de caridade serem reforçados por aprovação
e status n a igreja. Um estímulo discrim inativo verbal que rotula um a ação como
boa, ou que pareia deveria e deve com o nom e da atividade, constitui uma regra no
sentido do Capítulo 8 . Concluindo, um a vez que tanto o comportamento do falante
como o do ouvinte são reforçados, o bom com portam ento geralmente é constituído
de com portam ento controlado por regras no contexto de um a relação.
Em bora Lewis (1960) estivesse correto ao afirmar que a ciência não pode
tratar de questões últim as como “Por que o universo existe?”, equivocou-se ao sus­
tentar que a ciência não poderia dizer n a d a sobre o que é certo ou errado, ou sobre
0 que as pessoas devem fazer. Mesmo que nenhum cientista possa dizer por que o
universo está organizado de form a tal que as sociedades vieram a ser o que são, os
analistas com portam entais podem explicar as convenções (isto é, o comportamen­
to verbal) acerca do certo, do errado, e do dever - a lei da natureza humana - como
resultado de efeitos genéticos e aprendizagem operante.
Princípios
Se é verdade que expressões irritadas com o “Por que você tinha de empurrar pri­
meiro?” ou “Me dá um gom o da sua laranja, eu te dei um ” constituem comporta­
mento verbal oriundo de reforço passado, o mesmo se aplica a julgamentos e ímpoSlÇões m orais. O m andam ento Não roubarás, que é equivalente a dizer que roubar
252
William M. Baum
é errado, é um a reg ra no sentido do Capítulo 8 . É um estímulo discriminativo
verbal que indica um a punição costum eira - roubar é um tipo de atividade que
provavelmente será pun id a em nossa sociedade. Como estímulo discriminativo
reduz a probabilidade do roubo. O m esmo pode ser dito dos outros nove man- ■
dam entos.
Ao chamar esse tipo de asserção de m andam ento ou imposição, estam os a
distingui-lo de outras regras, com o conselhos. Quando um pai aconselha um filho a
não mentir, a punição indicada é de natureza mais pessoal; não só a sociedade
pune o mentir, mas o pai tam bém desaprova. Os estímulos discriminativos verbais
cham ados de princípios, porém , indicam apenas os reforços e punições mais gené­
ricos resultantes das práticas do grupo.
Nossa discussão de regras no Capítulo 8 nos leva a considerar essas relações de
reforço sociais genéricas como próximas, e a procurar mais além por conseqüências
últimas que poderiam explicar a existência da regra. Como vimos naquele capítulo
(Figura 8.2), estaríam os procurando um efeito sobre a aptidão. Será que o roubar, ao
final, tenderá a dim inuir a aptidão do indivíduo? Essa pergunta é mais bem respon­
dida na discussão mais genérica sobre a proveniência das práticas culturais, aí inclu­
ídos os m andam entos morais. Retomaremos esse ponto no Capítulo 13,
/l vida plena
N enhum a discussão sobre valores seria completa sem algum a'referência à questão
do que é o bem últim o. A que finalidade últim a se destinam as práticas grupais e o
com portam ento verbal sobre o bom e o mau? Muitos filósofos, econom istas e ou­
tros cientistas sociais conjeturaram se seria possível à sociedade h u m an a atingir
algum dia um estado ideal, e com o seria essa vida plena absoluta. Existirá um ;
objetivo para o qual poderíam os estar trabalhando, algum a organização social que
seja, se não ideal, pelo m enos a m elhor possível? Platão propôs a m onarquia com
um rei-filósofo. O econom ista Jerem y Bentham propôs a ordem econômica do “maior
bem para o m aior n úm ero”.
As análises que pressupõem um estado final desse tipo são m uitas vezes cha­
m adas de utópicas, nom e derivado do país imaginário, Utopia (palavra grega que
significa “lugar n e n h u m ”), sobre o qual Thomas More escreveu. Teriam os analistas
de com portam ento um a nova utopia para propor? O Capítulo 14 dará um a respos­
ta mais ampla a essa pergunta, m as pode-se dar aqui uma breve resposta.
Os analistas com portam entais não podem especificar para onde a sociedade
está se dirigindo, da m esm a form a que os biólogos evolucionistas não podem pre­
ver onde, ao final, a evolução poderá acabar. Embora Walden Two, obra de ficção
de Skinner (1 9 4 8 /1 9 7 6 ), tenha sido freqüentem ente cham ada de utópica, Skinner
sempre desautorizou esse rótulo, porque para ele a com unidade im aginária desse
livro representava um m étodo e não um objetivo.
Muito em bora os analistas de com portam ento não possam especificar um es­
tado fina] ideal, eles podem oferecer m étodos de m udança e m étodos p a ra decidir
se as m udanças estão encam inhando a sociedade para a direção correta. Por exenv
pio, a democracia se m ostrou um a boa prática por ter aum entado a satisfação de
Compreender o behaviorísmo
253
muita gente em relação a situações anteriores e em com paração com ditaduras
vigentes. Da form a como a conhecemos, entretanto, pode ser que a democracia
não seja a palavra final em m atéria de sistemas de governo. Nas eleições america­
nas, è chocante ver as baixas porcentagens de eleitores que votam. Há gente de­
c a ís sem educação, sem emprego, sem teto. Poderemos im plem entar mudanças
que aum entem a participação? Poderemos passar de relações de reforço coercivas
e exploratórias p ara relações mais eqüitativas? Ao procurarm os meios de eliminar
as falhas de nosso sistem a de governo, os analistas com portam entais podem suge­
rir mudanças deliberadas de relações de reforço a serem feitas em base experimen­
tal e a serem avaliadas pela sua capacidade de aum entar a satisfação da sociedade.
Essas idéias de experim entação e avaliação social serão retom adas no Capítulo 14.
RESUMO
Os analistas com portam entais abordam questões relativas a valores, focalizando o
que as pessoas fazem e dizem sobre coisas e atividades que são chamadas boas e
más ou certas e erradas. O relativismo moral, idéia segundo a qual os rótulos de
bom e m au variam arbitrariam ente de cultura para cultura e surgem estritamente
como convenções sociais, é rejeitado tanto por pensadores religiosos como por
analistas com portam entais. Em vez disso, ambos os grupos se mostram favoráveis
a um padrão universal, a algum princípio que todos os seres hum anos partilham
em comum. C. S. Lewis, pensador religioso, defendeu a idéia de que todos temos
uma noção das regras de como se comportar, mesmo que freqüentem ente as viole­
mos. Os analistas com portam entais tam bém reconhecem princípios universais de
com portam ento decente, na forma do altruísm o e da reciprocidade. Lewis diverge
dos analistas com portam entais, porém , na questão das origens. Enquanto os pen­
sadores religiosos vêem os padrões de certo e errado como em anados de Deus, os
analistas de com portam ento vêem esses padrões como oriundos da história evolutiva,
tal como Skinner.
Segundo a regra prática de Skinner sobre o bom e o mau, as coisas chamadas
boas são reforçadores positivos, as coisas chamadas más são reforçadores negati­
vos, atividades cham adas de boas são reforçadas, e as atividades chamadas más
são punidas. Em bora reforçadores e punidores incondicionais, bem como as ativi­
dades a eles associadas, venham a ser chamados bons e maus devido à forma como
são construídos nosso m undo e nossos corpos, muitas coisas e atividades também
são cham adas boas e m ás devido a nosso ambiente social, visto que grande parte
do reforço e punição que nosso com portam ento recebe resulta das atividades de
°utras pessoas. Desde cedo na infância, essas pessoas não somente ensinam refor­
çadores e punidores condicionais, mas também nos ensinam a cham ar de más as
coisas que punem e as atividades que são punidas, e de boas as coisas que reforçam
e as atividades que são reforçadas.
A história de reforço e punição do indivíduo explica não apenas por que ele
totula coisas com o boas ou más, m as também por que se sente bem ou mal a
respeito dessas coisas. As pessoas dizem que se sentem mal em situações nas quais
SeU com portam ento foi punido; os eventos fisiológicos chamados “sentim entos”
254
William M. Baum
funcionam, juntam ente com o c o n tex to p úblico, como estímulos discriminativos
que induzem esses relatos. As pessoas d iz e m sentir-se bem por razões análogas, em
situações nas quais seu co m p o rtam en to foi reforçado. Os sentim entos não expli.
cam a fala sobre o bom e o m au; n a v e rd a d e , os eventos fisiológicos e os relatos
sobre sentir-se bem ou m al provêm d e u m a h istória de reforço e punição paralela e
parcialm ente sobreposta à história q u e g e ra o discurso sobre coisas e atividades
boas e más (isto é, julgam entos de v a lo r). Os julgam entos de valor, o que é muito
claro quando envolvem deveria ou deve, são regras (estímulos discrim inativos ver­
bais) que indicam relações últim as q u e são sociais - originam-se das práticas do
grupo a que o ouvinte pertence e a fe ta m o relacionam ento com outros m em bros do
grupo.
Quando inquiridos sobre a o rig e m do s reforçadores e punidores, especial­
m ente os sociais, os analistas e o m p o rta m e n ta is respondem que ela está n a seleção
natural. Os genes que tornaram certo s ev en to s reforçadores ou punidores, desse
modo promovendo o sucesso re p ro d u tiv o d o s indivíduos deles portadores, seriam
selecionados. Assim se explica não a p e n a s porque o gosto doce e o orgasm o são
reforçadores, mas tam bém por que a ju d a r pessoas de sua família, ainda que se
sacrificando, é reforçador. O altru ísm o p a r a com filhos e outros parentes é selecio­
nado porque prom ove os genes in d u to re s d e altruísm o compartilhados pela famí­
lia. O altruísmo p a ra com pessoas q u e n ã o têm parentesco depende dos benefícios
a longo prazo para o altruísta. Ou a p e sso a estranha retribui, ao final, porque tem
um a relação com o altruísta, ou p rá tic a s g rupais determ inam que outros membros
do grupo forneçam o reforço últim o. Em q u alquer dos casos, o altruísm o ao final
beneficia o altruísta (é reforçado).
No contexto dessas relações de refo rço sociais, as imposições m orais e éticas
constituem estímulos discrim inativos v erb ais (regras) que resultam em reforço ou
punição social. A análise co m p o rtam en tal p o d e ajudar nossa sociedade a trabalhar
por uma “vida p len a”, oferecendo fo rm a s de identificar e im plem entar um melhor
reforço social.
LEITURAS ADICIONAIS
Dawkins, R. (1989). The selfish gene. Oxford: Oxford University Press. Excelente livro que
apresenta a moderna teoria da evolução de forma amigável.*
Lewis, C. S. (1960). Mere Christianity, Nova York: Macmillan. O ensaio que dá título ao livro
trata de ciência e religião.
Midgley, M. (1978). Beast and man: the roots of human nature. Nova York: New A m erican
Library. Discussão a respeito de valores sob a perspectiva da filosofia moral e da teoria da
evolução.
Skinner, B. E (1971). Beyond freedom and dignity. Nova York: Knopf. O capítulo 6, em espe­
cial, trata de valores.'
'N . de T, T ítu lo tra d u z id o em p o rtu g u ê s (v e r “A p ê n d ice ”).
Compreender o behoviorismo
255
Skinner, B. F. (1948/1976). Walden Two. Nova York: Macmillan. O romance de Skinner,
originalmente publicado em 1948, sobre uma sociedade experimental, contém discussões
sobre valores e reforço social.*
-'Skinner, B. E (1981). Selection by consequences. Science, 213, 501-504. Reproduzido em
Upun further reflection. Nova York: Prentice Hall, 51-63. Nesse artigo clássico, Skinner com­
para aprendizagem operante, seleção natural e evolução cultural,
/
VVeiss, R. E, Buchanan, W, Altstatt, i., e Lombardo, J. R (1971). Altruism is rewarding.
Science, 171, 1262-1263. Esse artigo reiata um estudo em que sujeitos humanos demonstra­
'
ram, sem terem sido instruídos, os efeitos reforçadores de reduzir o nívei de desconforto de
outra pessoa.
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPITULO 12
Altruísmo
Relativismo moral
Ética situacional
Reciprocidade
Utopia
de T. Título traduzido em português (ver 'Apêndice”).
13
Evolução da cultura
L/e há um a coisa que diferencia os seres hum anos das outras espécies, é a cultura não no sentido de m elhor educação ou de erudição, mas no sentido de costumes do
dia-a-dia, com partilhados e transm itidos p or um grupo de uma geração para outra.
O m undo contém tal diversidade de culturas que, por um tempo, os estudiosos de
antropologia cultural se concentraram sim plesm ente na tarefa de classificar e cata­
logar as culturas existentes de acordo com seus principais traços, pois parecia não
haver um a m aneira cientificam ente correta de explicar essa diversidade. Essa situa­
ção m udou na d écada de 1970, quando psicólogos e biólogos evolucionistas expan­
diram suas explicações acerca do com portam ento de forma a incluír a cultura.
Como essas explicações enfocavam o comportamento, um dos resultados da
influência dos biólogos e psicólogos foi a redefinição da cultura em term os
comportamentais. Antes da década de 1970, a maioria dos antropólogos definia
cultura em term os de abstrações (conceitos m entalistas), tais como conjunto de
valores e crenças com partilhados. Uma exceção notável a essa postura era a do
antropólogo M arvin Harris, que definia a cultura mais concretamente, em termos
de costumes com partilhados (com portam ento). Como Harris, Skinner (1971) defi­
niu a cultura concretam ente ao indicar as práticas, tanto verbais como não-verbais,
que um grupo poderia compartilhar.
Os costum es não apenas diferem de um local para o outro, mas mesmo dentro
de um m esm o grupo podem mudar drasticamente ao longo do tempo. Se um nor­
te-americano fosse hoje transportado para o período colonial, teria dificuldade em
Se comunicar com seus conterrâneos porque o inglês falado mudou enorm emente
nestes últim os 3 0 0 anos. Outras dificuldades e mal-entendidos também ocorreriam
no campo das con ven ções sociais, vestuário, casamento, sexo e posse da terra. De
acordo com C. J. Som m erville (1 9 8 2 ), por exem plo, a infância é uma invenção
relativamente recente, originada no século XVI. O aniversário de crianças som ente
Passou a ser com em orado de forma regular a partir do século XVII.
258 William M. Baum
Na teoria da evolução, o problem a de explicar a diversidade de formas coïnci­
de com o problem a de explicar sua mudança, porque formas novas e diversas sur­
gem com o resultado de m udanças em formas ancestrais. Nas teorias de evolução
biológica, imagina-se, por exem plo, um a população ancestral de ursos, alguns dos
quais m igraram cada vez mais p a ra o norte e tornaram -se, como resultado da sele­
ção, cada vez maiores e mais brancos, vindo a constituir a espécie diferente qUe
temos hoje.
De modo sem elhante, o problem a de explicar a diversidade de culturas coin­
cide com o problema de explicar m udanças nas culturas. Em um a teoria de evolu­
ção cultural, poder-se-ia im aginar um a cultura ancestral carregada por um grupo
que se dividiu em dois. A p artir dos costumes ancestrais, novos costumes poderiam
surgir através de modificações, até que as culturas dos dois grupos praticamente
não apresentassem sem elhanças. Surge a possibilidade de um paralelo: poderia a
evolução cultural ser explicada pelo mesmo tipo de teoria que explica a evolução
biológica - como resultado da seleção atuando sobre a variação?
Como mencionado em capítulos anteriores, os detalhes dessa explicação são
relativam ente sem im portância. Alguns detalhes podem estar errados e as explica­
ções da evolução cultural m u d arão à medida que apareçam novas idéias. Nosso
objetivo é apenas dem onstrar que um a explicação com portam ental é possível, e
m ostrar que essa explicação é suficientem ente com plexa para ser plausível.
EVOLUÇÃO BIOLÓGICA E CULTURA
Para traçar um paralelo entre a evolução biológica, que altera um conjunto gênico
populacional, e a evolução cultural, que altera o com portam ento social de um gru­
po, precisamos pensar o conceito de seleção em term os m uito gerais, como fizemos ;
no Capítulo 4, onde traçam os um paralelo entre seleção natural e aprendizagem
operante. Como esses dois conceitos, a evolução cultural tam bém pode ser vista
como resultado de variação, transm issão e seleção. Porém, a evolução cultural não :
pode ser entendida independentem ente daqueles dois conceitos, porque o compor­
tam ento envolvido é com portam ento operante e depende, para sua aquisição, de
um a base genética que se origina da seleção natural.
Replicadores e aptidão
Quais são as unidades d a seleção? Quais são as coisas que variam e são tr a n sm iti­
das e selecionadas? Com o s conceitos de seleção n atural e aprendizagem o p e r a n te ,
pudem os evitar essa p ergunta simplesmente falando sobre genes, alelos e variação
no com portam ento operante. Com a evolução cultural, as unidades de seleção são
m enos óbvias e mais controversas, porque falar de cultura em term os de c o m p o r ta '
m ento e de seleção contradiz a tradição. Quais são as partes que compõem uma
cultura e entram no processo de seleção?
Para responder a essas p erguntas, biólogos evolucionistas como R ic h a rd
Dawkins (1989) desenvolveram o conceito de replicador ~ um a entidade que, uma
Compreender o behaviorismo
259
veZ existente, faz cópias de si mesma. (Não se pode afirmar que mesmo o DNA
«copia a si m esm o”, porque ele apenas entra em um processo químico que resulta
eIn unia cópia do original.) Para se qualificar como replicador, a entidade deve
possuir três tipos de estabilidade: (1) longevidade, (2) fecundidade e (3) fidelida­
de de cópia. Como a reprodução é demorada, a longevidade garante que o replicador
existirá por um tem po suficientemente longo para se reproduzir. Dawkins imagina
■um gene, um pedaço de DNA, em um “caldo” primordial existente antes dos orga­
nismos. A m olécula, ou pedaço de molécula, teria de permanecer quimicamente
estável por um tem po suficiente para ser copiada, e quanto mais durasse, mais
cópias seriam feitas. Depois do advento dos organismos, os genes de um conjunto
gênico tendiam a ser quimicamente estáveis, mas poderiam ser alterados por ra­
diação ou fracionados duran te a divisão celular - em especial durante a formação
: dos gam etas (na m eiose), porque os gam etas carregam as cópias que são transmiV tidas de um a geração para outra. A fecundidade refere-se à tendência de copiar-se
/ freqüentem ente - de dois replicadores rivais (alelos), o que é copiado mais vezes se
tomará mais freqüente no conjunto gênico populacional. Fidelidade na cópia refe­
re-se à exatidão. Cópias imprecisas tendem a perder os traços de seus genitores. As
cópias de um replicador bem-sucedido se assem elham a ele - e quanto mais seme­
lhantes, melhor.
Essas três exigências favorecem unidades pequenas, porque um pequeno pe­
daço de DNA é m enos suscetível de ser danificado ou se quebrar, é copiado mais
rapidamente e h á m enor possibilidade de erros. Se nada afetasse essas considera­
ções, os replicadores teriam sempre o m enor tam anho possível. Os requisitos da
estabilidade são contrabalançados por outras considerações, que favorecem unida­
des maiores.
Os fatores que facilitam a existência de replicadores maiores podem ser resu­
midos na palavra eficácia. Uma unidade grande pode ter um efeito grande no fenótipo
(organismo) em que está situada, e assim pode ter um efeito grande em seu pró­
prio futuro. Se um único gene controlasse a produção de uma molécula inteira de
proteína - digam os, um a enzima, que por sua vez controlasse várias reações quími­
cas - ele asseguraria que seu fenótipo tivesse os traços que conduziriam a um a vida
longa e reproduções freqüentes.
Entre as vantagens do tam anho pequeno (estabilidade) ou grande (eficácia),
°s replicadores ten d em a ficar com um tam anho intermediário e variável. As vezes
um pedaço relativam ente grande de DNA pode ser estável o bastante para se proP^gar em um a população, As vezes um pedaço pequeno pode ser suficientemente
eficaz para ser selecionado, se controlar um pedaço crucial da estrutura de uma
molécula de proteína, por exemplo.
Uma form a particularm ente interessante de conseguir eficácia em pequenas
umdades pode ser cham ada de “trabalho em equipe”. Dawkins mostra que os genes
raramente operam sozinhos, A seleção favorece genes que cooperam ou agem em
A ju n to com outros genes. Digamos que dois alelos de um gene, X e X’, se igualem
aptidão sob todos os pontos de vista, exceto que X’ trabalha com outro gene Y
Para produzir um fenótipo mais bem-sucedido. A combinação XY aum entará e
Possivelmente elim inará completamente as combinações do alelo X. Desse modo,
Agrupamentos de genes e de traços podem ser selecionados - agrupam entos intei-
260
William M. Boum
ros, como pulm ões e respiração, pele e membros, ou penas fortes, asas, voar e
construir ninhos em árvores. Dawkins teoriza que é dessa m aneira que os organis
mos surgiram; os genes sobreviveram e se reproduziram m elhor quando foram
agrupados em “m áquinas de sobrevivência”.
Sociedades
Se os genes geralm ente se saem m elhor em agrupam entos, então talvez, às vezes
eles pudessem se sair m elhor ainda em agrupam entos de agrupam entos. Quer di­
zer, às vezes, os genes poderiam se beneficiar da construção de m áquinas de sobre­
vivência que se juntassem em grupos. Existem várias vantagens para peixes que
nadam em cardum es ou pássaros que voam em bandos. Em comparação com indi­
víduos isolados, tais agrupam entos oferecem, por exemplo, m elhor proteção con­
tra predadores e m aior eficiência n a localização de com ida. Grupos de predadores,
como leões ou hienas, podem subjugar presas m uito m aiores do que poderiam
fazê-lo sozinhos. Outras coisas sendo iguais, pode-se dizer que, se alelos que constroem máquinas de sobrevivência sociais tendem a sobreviver mais do que alelos
que constroem m áquinas de sobrevivência isoladas, então, com o passar do tempo,
essa espécie passará a ser encontrada em grupos.
Contudo, é necessário m ais do que um agrupam ento para constituir uma so­
ciedade. Um rebanho ou b an d o pode ser um tipo de parceria limitada, como o
com portam ento de indivíduos que se limitam a m anter-se p erto do resto do grupo
só enquanto se alim entam . Em um a sociedade, porém , os indivíduos não se com­
portam apenas em seu próprio benefício. Quando um grupo de lobos rastreia e
m ata um alce, eles se com portam juntos de m aneira a beneficiar a todos. O com­
portam ento de cada um é necessário para a obtenção da m eta, e sem os esforços de
todos nenhum se beneficiaria. Isso é cooperação (Capítulo 11).
Para os lobos, um alce é u m a m eta compartilhada, literalm ente falando: uma
vez morto, ele é com partilhado pelos membros do grupo. Se a participação de cada
indivíduo depende dos benefícios que colherá das atividades do grupo, então cada
indivíduo deve receber um a p a rte dos benefícios. Q ualquer tendência à trapaça
deve ser restringida, porque os benefícios de cada indivíduo cessariam se o grupo
se desintegrasse. Serão selecionados aqueles genes que ajudarem a subordinar os
interesses a curto prazo do indivíduo (trapacear, por exemplo) aos interesses a
longo prazo desse indivíduo (m an ter a associação com os dem ais). Essa ten d ên cia
em agir para o bem dos dem ais a curto prazo, mas visando a recom pensas maiores
a longo prazo, é o que denom inam os altruísmo (Capítulo 12).
O altruísmo é a m arca registrada de uma sociedade. Quando um grupo vive
ju n to em uma associação estável e seus membros se com portam a ltru istic a m en te
uns com os outros, isso é u m a sociedade. Em uma sociedade como um a colônia de
formigas, em que todos são p arentes, o altruísmo pode ser selecionado pelo bene­
fício que traz aos genes altruístas com partilhados; entre parentes próximos não h&
necessidade de reciprocidade. Entre indivíduos sem qualquer grau de p aren tescc
contudo, o benefício m útuo d ep ende de reciprocidade. Junto com genes que prop1'
ciam o com portam ento altruísta, devem ser selecionados tam bém genes que pr°'
Compreender o behoviorismo
261
ic ie m o lem brar-se dos demais membros do grupo e o pagar dívidas, tudo como
fim só pacote. Saber quem é quem, e quem fez o que para quem, torna possível, até
jflesmo para um grupo de leões sem nenhum parentesco, formarem um bando,
capturarem um a presa grande, protegerem -se uns aos outros e alim entarem a ni­
nhada uns dos outros. (Claro que algum grau de parentesco sempre ajuda.)
Não só o altruísm o, m as muitos outros com portam entos sociais são seleciona­
i s quando as sociedades favorecem a aptidão. Em seus estudos sobre m armotas,
pavid Barash (1 9 8 2 ) en co n tro u diferenças dram áticas entre um a espécie de
marmotas,* com uns no Canadá e nos Estados Unidos, que são solitárias, e m arm otas
olímpicas, que são sociais. Essas m arm otas solitárias vivem em áreas baixas e fe­
cundas com prolongadas estações férteis, enquanto as marmotas olímpicas vivem
no alto de m ontanhas, onde a estação fértil é curta e as condições climáticas, muito
duras. As m arm otas solitárias aparentem ente se dão m uito bem em sua região de
clima ameno, ap esar de viverem sós. M antêm territórios dos quais excluem outros
indivíduos da m esm a espécie. Machos e fêm eas se juntam apenas para acasalar, e
as fêmeas m antêm os filhotes apenas até o desm am e, quando então a ninhada se
dispersa. Para elas, os custos de um a vida em sociedade excederiam o valor de seus
eventuais benefícios. Nas m arm otas olímpicas, foi selecionado, juntam ente com a
pelagem espessa, tudo aquilo que é necessário para a vida em grupo: cham ados de
saudação, reconhecim ento de outros m em bros do grupo, chamados de alarme,
manutenção de tocas, divisão de alimentos e cooperação na defesa. Além disso, a
ninhada em g eral p erm an ece com o grupo por duas ou três estações férteis;
presumivelmente, os filhotes não podem se desenvolver rapidam ente com os recur­
sos tão limitados de u m clima severo. Barash teoriza que a maturação lenta pode
ser o fator-chave que faz com que, para esses animais, os benefícios excedam os
custos de viver em sociedade.
Apesar de viverem em sociedade, poderíam os dizer que formigas, ou até m es­
mo m arm otas olím picas, têm um a cultura? As formigas mostram um a capacidade
surpreendente de adaptação. Elas podem ser as únicas criaturas, além dos seres
humanos, que se envolvem em guerras - com os grupos lutando até a m orte. Al­
gumas espécies têm um a agricultura - cultivam fungos comestíveis em pedaços de
folhas trazidos p ara a colônia com essa finalidade. Ainda assim, não vemos nem
Operamos encontrar u m a cultura em um a colônia de formigas. O que está faltando?
definição de cultura
■0 Que está faltando é a aprendizagem , porque cultura é o comportamento aprendi­
do de um grupo. Consiste em com portam ento operante, tanto verbal como não^erhal, adquirido com o resultado de pertencer a um grupo. Poder-se-ia dizer que
formigas e m arm otas olímpicas aprendem como resultado de pertencer ao grupo,
P°is elas reconhecem outros membros de seu grupo. As formigas matam estranhas
Que entram em suas colônias porque essas exalam o odor errado; um a formiga
de T. Wooddmck.
262
William M. Baum
estranha que tenha sido pincelada com as substâncias químicas da colônia é aceita
As m arm otas olímpicas saú d am os membros do grupo e afugentam os estranhos
Essas discriminações têm de ser aprendidas, porque o odor de cada colônia dç
formiga e de cada sociedade de m arm otas é único. Embora tais aprendizagem
possam sugerir os rudim entos de um a cultura, ainda assim isso é muito poucopara
atender a nossos critérios. Em prim eiro lugar, o com portam ento envolvido prova­
velm ente não é com portam ento operante. As discriminações consistem na ocorrên­
cia ou não-ocorrência de exibições de saudação ou ataques agressivos, os quais
constituem padrões fixos de ação. A aprendizagem envolvida parece ser mais do
tipo condicionamento clássico do que aprendizagem operante; ela depende intei­
ram ente do contexto e quase n a d a das conseqüências. Além disso, nenhum a ação é
transm itida de um indivíduo p a ra outro e não se encontra nada parecido com ensi­
no. A aprendizagem operante como resultado de pertencer a um grupo implica que
o com portam ento do grupo program e conseqüências para seus membros. Em uma /
sociedade hum ana, os pais program am reforços p ara o com portam ento de seus
filhos. Voltaremos a esse assunto em breve, mas prim eiro precisamos ver como a
teoria da evolução explica por que as culturas, afinal de contas, existem.
Cultura e sociedade
Para que as culturas existam, há que haver prim eiro sociedades, pois um a cultura é
posse de um a sociedade. R obert Boyd e Peter Richerson (1985) explicam que cul­
tura é um “fenôm eno de nível populacional”. Assim como um conjunto gênico
populacional, uma cultura só pode ser vista se olharm os para a população inteira.
Eles comparam o “conjunto de traços culturais” com o conjunto gênico populacional:
toda população tem um conjunto gênico, mas som ente algum as - possivelmente só
populações hum anas - têm conjuntos de traços culturais.
Da mesma m aneira que o conjunto gênico populacional é transm itido de ge­
ração a geração, assim tam bém é transm itido o conjunto de traços culturais. Uma
criança que cresce no Japão ou nos Estados Unidos carrega parte do conjunto gênico
populacional em que nasceu e eventualm ente, à m edida que aprende os costumes
da cultura em que vive, carrega tam bém parte do conjunto de traços desta cultura.
A criança tom a-se um adulto, passa a cultura para outras crianças, e então morre.
Assim, os indivíduos m orrem , m as os conjuntos gênicos e culturais permanecem. A
m aioria das pessoas no Japão com e com hashi, enquanto a m aioria das pessoas nos
Estados Unidos come com garfos, facas e colheres, m as exatam ente quem come
deste ou daquele modo m uda de geração para geração. Os indivíduos carregam os
genes e carregam os traços culturais, m as o conjunto gênico e o conjunto cultural
transcendem o indivíduo. Em nível de população, faz sentido dizer que os indivíduos,
com o m áquinas de sobrevivência e organismos que se com portam , são apenas os
meios pelos quais os conjuntos gênicos e culturais são transm itidos.
Quando duas sociedades com culturas diferentes entram em contato, é raro
que um a delas seja tão dom inante que todos os traços da cultura dom inada se
percam . Normalmente, form a-se um a nova cultura, que inclui elem entos de ambas.
Isso acontece porque os traços de cada cultura com petem m utuam ente por aceita-
Compreender o behaviorismo
263
só. Ora os de u m a ganham , ora os da outra. A razão por que os traços de uma
cuitura substituem os traços de outra deve estar relacionada com a razão por que
as culturas afinal existem - direta ou indiretam ente deve haver um efeito sobre a
aptidão.
Cultura e aptidao
A aprendizagem do tipo envolvido na cultura, do ponto de vista dos genes, é um
negócio arriscado, pois um a máquina de sobrevivência dotada de comportamentos
pré-program ados te m m enos probabilidade de se com portar inadequadam ente,
porem, se em m édia m áquinas de sobrevivência que aprendem têm mais probabili­
dade de sobreviver e de se reproduzir do que máquinas de sobrevivência que não o
fazem, então genes que favoreçam a aprendizagem tenderão a sobreviver e aumentar.
Mesmo que a aprendizagem apresente falhas aqui e ali, se ela é benéfica no conjunto
dos indivíduos e, ao longo de muitas gerações, seus genes serão selecionados.
Imagine-se u m am biente mutável ou, para ser mais preciso, vários ambientes
potencialmente habitáveis onde os recursos e os perigos são muito numerosos e
diversos para serem catalogados facilmente. Considerem-se as possibilidades de
dispersão se os m em bros de um a espécie pudessem sobreviver nas regiões tropi­
cais, no deserto, em climas tem perados e nas regiões árticas. Para que todas essas
alternativas fossem possíveis seria essencial possuir a capacidade de aprender que
: recursos e perigos existem , e como obtê-los ou evitá-los. Os seres humanos e as
outras espécies ap rendem porque os genes que perm item a aprendizagem trazem
benefícios que com pensam seus riscos.
Uma linha de raciocínio semelhante explica a existência da cultura. Se é útil
aprender, poderia ser útil aprender com outros de sua espécie - com os membros
de sua sociedade. Q u er dizer, se um benefício médio para a aptidão pode selecionar
genes que perm item a aprendizagem , então um benefício médio para a aptidão
pode selecionar genes que perm itam a cultura. Se há muito para aprender ou se há
muitas alternativas que devam ser eliminadas, então aprender de outros seria um
atalho valioso. Como você pode saber se é melhor usar sapatos ou não ou que tipo
de sapatos seriam m elhores? Como descobrir isso mais rapidam ente do que as
pessoas a seu redor? Um a pessoa que vive em isolamento talvez nunca chegasse a
uma solução ad eq u ad a do problema. A transmissão cultural evita que tenhamos de
“reinventar a ro d a”.
Se traços culturalm ente transmitidos, como usar sapatos ou falar inglês, po­
dem au m en tar a aptidão dos genes em um a máquina de sobrevivência, então os
genes responsáveis pelos traços que garantem a transmissão cultural serão selecio­
nados. Que tipo de traços tornam o atalho possível?
ft&ços que permitem a cultura
pelo m enos três exigências para que reconheçamos que um comportamento
aPrendido foi transm itido do grupo para o indivíduo, por meios que classifica-
264
WilliamM, Baurn
ríam os de ensino ou educação. Os dois primeiros, “lim ites do estímulo” e “imita
ção”, perm item que o indivíduo ap renda com o grupo mas servem de base, apenas
para um tipo rudim entar de cultura, que denom inarem os cultura só por imitação. Á
terceira exigência é reforço social, cujo acréscimo distingue a cultura só por imita»
ção da cultura plena, Os reforçadores sociais perm item o elem ento-chave da cultu­
ra hum ana, a educação.
Limites do estimulo
Se aprender é arriscado, então é provável que seja tam bém passível de limites - isto
é, que possa ser guiado ou dirigido pela estrutura do organism o, particularmente
pela estrutura do sistema nervoso e dos órgãos sensoriais. Isso significa que certos
estím ulos afetarão o com portam ento com m uito mais probabilidade do que outros.
Se a ingestão de algum a coisa é seguida por mal-estar, então é provável que um
rato evite alimentos que tenham o o dor daquela substância que precedeu sua en­
ferm idade. Codornas e pombos, pássaros que encontram sua com ida através da
visão, evitam alim entos que se parecem com aqueles que com eram antes de adoe­
cerem. Seres hum anos parecem propensos aos dois vieses; o indivíduo que ficou
doente depois de com er lagosta ao term idor pode sentir náuseas, mais tarde, à
vista ou cheiro de lagosta.
Q uando os estímulos em relação aos quais desenvolvem os tais propensões são
produzidos por outros membros de nossa espécie, então aprendem os rapidamente
com esses indivíduos. Os biólogos evolucionistas m ostram que m uitas criaturas
além dos seres hum anos exibem esse tipo de sensibilidade. Por exemplo, o pardal
de coroa branca m ostra um a sensibilidade especial às canções de outros pardais de
coroa branca, e um filhote desse p ardal tem de ouvir o canto de um macho adulto
de sua espécie antes que possa tam bém cantar essa canção ao atingir a vida adulta.
Se o pássaro é criado em laboratório e não ouve nenhum a canção, ou ouve apenas
o canto de uma espécie sem elhante, o pardal do brejo, ele cresce cantando algo
rudim entar, pouco sem elhante ao canto típico de sua espécie. Ele precisa ouvir o
canto de um pardal de coroa branca - um a gravação em fita cassete é o suficiente
- e nenhum outro o substitui, para que seu canto se desenvolva corretam ente e sua
canção se assemelhe àquela que ouviu quando jovem. Essa transm issão do adulto
para o jovem perm ite dialetos locais no canto; pardais de coroa branca de diferen­
tes áreas exibem diferentes variações de seu canto.
A aprendizagem da linguagem entre seres hum anos parece ser lim itada (guia­
da) de um modo sem elhante à aprendizagem do canto pelo pardal de coroa bran­
ca. O sistema auditivo hum ano parece ser especialm ente sensível a sons da fala há dem onstrações de que a capacidade de realizar certas discriminações fonêmicas
críticas já se manifesta logo após o nascim ento. Há tam bém dem onstrações de que
bebês podem distinguir faces hum anas de outros padrões visuais, um a capacidade
que pode servir para a aquisição de linguagem, bem com o para vários outros pro­
dutos sociais.
Longe de ser um a “tábula rasa” na qual a experiência se inscreve, o bebê
hum ano chega ao m undo construído para ser afetado por estímulos cruciais prove-
Compreender o behaviorismo
265
•etites de outros seres hum anos. Esses estímulos sociais são tão essenciais para o
desenvolvimento n o rm al que foram selecionados genes para que a produção des­
ses estím ulos pelos pais, bem como sua recepção pelos filhos, não fosse deixada ao
acaso. Pais se interessam m uito por seus filhos, e filhos têm um grande interesse
por seus pais.
Da m esm a m an eira que todos os pardais machos de coroa branca ensaiam
suas prim eiras ten tativ as de canto em um a certa idade, assim tam bém todos os
bebês hum anos com eçam a balbuciar quando têm alguns meses de idade. Para
desenvolver seu canto, o pássaro deve poder ouvir a si próprio cantando. O mesmo
parece ser v erdade em relação à fala hum ana; crianças com infecções crônicas no
ouvido desenvolvem u m padrão de fala anorm al (norm almente corrigível através
de terapia fonoaudiológica).
Sensibilidades específicas em relação a determ inados estímulos andam lado a
lado com tendências com portam entais específicas (como balbuciar). Em particular,
deve haver um g ran d e valor adaptativo em associar a sensibilidade ao com porta­
mento do outro com a tendência a se com portar como ele. Em outras palavras,
sensibilidades específicas freqüentem ente andam junto com a tendência a imitar.
lifíitaçõo
A cultura provavelm ente seria impossível sem a imitação. Se há algum a vantagem
v adaptativa em ap re n d e r sobre ambientes em mutação, então haveria vantagens em
imitar, porque aju d aria a garantir a aquisição do comportamento adequado. Para
/!;■tornar esse argum ento m ais concreto, Boyd e Richerson (1985) consideraram uma
■população hipotética de organismos aculturais vivendo em um am biente que varia
de tempos em tem pos (que passa por ciclos de seca e chuva, por exemplo). Imagine
se, em cada geração, os indivíduos tivessem de aprender por si próprios qual o
comportamento a dequado ao ambiente de cada período: alguns conseguiriam, outros
não. Os autores continuam :
Agora, considere a evolução de um hipotético gene “imitador” mutante, que per­
mite a seus portadores evitar a aprendizagem individual e copiar o comporta­
mento de indivíduos de gerações anteriores. Contanto que o ambiente não mude
muito entre gerações, o comportamento médio desses modelos estará próximo
do comportamento que, no momento, é adaptativo, Copiando o comportamento
de indivíduos de uma geração anterior, os imitadores evitam custosas tentativas
de aprendizagem, e se representam a média de vários modelos têm maior chance
de adquirir o comportamento que no momento é adaptativo do que os não-imitadores (p. 15).
Em outras palavras, os indivíduos que imitam têm maior chance de se com­
portar de m aneiras que resultem em sobrevivência e reprodução no ambiente exis­
tente, de m odo que os genes responsáveis pela imitação tenderão a aum entar em
freqüência no conjunto gênico populacional.
A im itação acon tece em numerosas espécies, muitas das quais consideraría­
mos aculturais. Epstein (1984) mostrou que, quando um pombo, sem qualquer
266
\
WilliamM, Baum
'
'-í
treinam ento, é colocado em um aparelho no qual pode observar outro pombo bi„
■
cando um a bola de pingue-pongue e recebendo reforço sob a form a de comida, em
f
breve ele começa a bicar um a bola que esteja de seu lado do aparelho, e continuará
^
a bicar m esm o depois que o outro pom bo tenha sido retirado. O pom bo sem dúvi(ja . 1
deixa de bicar depois de um certo tem po, mas, se o aparelho fosse program ado de
>
form a que suas bicadas tam bém produzissem comida, o bicar seria reforçado e
1
passaria de com portam ento induzido a com portam ento operante. Porém, mesmo
]
se um bando inteiro de pombos aprendesse a bicar bolas de pingue-pongue por
im itação, ainda hesitaríam os em dizer que os pom bos têm um a verdadeira cultura
em bora possamos lhes atribuir um a cultura extrem am ente rudim entar.
O mesm o se aplica ao grupo de macacos em que todos aprenderam a lavar
batatas-doces colocadas na areia de um a praia. Os pesquisadores que colocaram as
batatas observaram que um a macaca começou a lavar suas batatas, individualmen­
te. Em seguida alguns macacos, e logo todos faziam o m esm o. A difusão desse
traço, presum ivelm ente por im itação e reforço, poderia caracterizar o episódio como
parte de um a cultura rudim entar, lim itada à lavagem de com ida e a alguns outros
traços típicos desse grupo. (Ver Goodenough et al., 1993, p. 138-140, p a ra um
resum o sobre aprendizagem social em animais não-hum anos.)
Podemos denom inar esse conjunto de traços transm itidos exclusivamente por
imitação de cultura só por imitação; em bora ela tenha m uitos elementos em comum
com a cultura hum ana, o elemento de educação, ensino ou treino está faltando. Em
um a cultura só por imitação, o com portam ento de outros m em bros do grupo serve
apenas como um estímulo on contexto indutor. As conseqüências do comportamento
im itado (lavar batatas) se originam a partir de aspectos não-sociais do ambiente do
indivíduo (areia que adere à b a ta ta ). No ensino, entretanto, dois indivíduos têm uma
relação (Capítulo 11); o reforço para o com portam ento do aprendiz é programado
pelo instrutor e, normalmente, pelo menos alguns dos reforçadores (elogios e apro­
vação) partem dele. Tais relações de reforço social em purram a cultura hum ana muito
além das possibilidades da cultura só por imitação.
Discutiremos os efeitos do ensino sobre a cultura mais tarde. Primeiro, anali­
sarem os como a evolução pode ter fornecido um a base genética para o processo de
ensino ao selecionar reforçadores sociais poderosos.
Reforçadores sociais
Para crianças que crescem em u m a cultura hum ana seria provavelm ente impossí­
vel a p re n d e r todas as coisas que precisam sem um a m odelagem contínua por
parte dos adultos. Se houvesse u m a vantagem em ap re n d e r m ais habilidades e
discrim inações mais sutis, então os genes que favorecessem tais aquisições seriam
selecionados.
Nos Capítulos 4 e 12, discutimos a probabilidade de que genes que tornam
certos reforçadores im portantes - comida, um possível com panheiro, abrigo - as­
sim com o genes que tornam certos eventos punidores - dor, enferm idade, predado­
res - seriam selecionados em qualquer espécie cuja aptidão fosse aum entada pela
;
Compreender o behoviorismo
2 67
aprendizagem operan te. A extensão desse raciocínio explica como sinais sociais
sutis puderam se to m a r reforçadores poderosos e servir de base para a cultura. No
Capítulo 12, p o r exem plo, vimos que Dawkins incluiu em sua lista de reforçadores
criança, sorrindo e em sua lista de punições, criança chorando. A maioria dos pais
atestaria que a visão de um a criança sorridente é um reforçador poderoso e um
estímulo in d u to r (estím ulo incondicional ou liberador; Capítulo 4 ). O som de um
bebê chorando, em bora mais baixo do que muitos sons com que convivemos, é um
dos sons m ais aversivos que conhecemos: pais saem correndo para alim entar ou
para trocar fraldas ou para fazer o que quer que seja necessário para a criança
parar de chorar. N ão h á consideração sobre saúde individual dos pais ou sobre sua
sobrevivência que explique por que o sorriso ou o choro do filho deveriam afetá-los
tão intensam ente. C uidar de um filho, entretanto, tem tudo a ver com a sobrevi­
vência de genes, e u m pacote de genes que inclua a tendência a produzir esse efeito
certamente prosp erará. O sorriso e o choro da criança são os meios pelos quais os
genes induzem e reforçam nos pais o com portam ento de “cuidar do filho”.
Se é v erdade que a criança m odela o comportamento dos pais, quão mais
verdadeiro é que os pais m odelam o com portam ento da criança! Os adultos exibem
múltiplas m udanças com portam entais perto de crianças. Eles sorriem, contemplamnas afetuosam ente e elevam o tom de voz, todos padrões fixos de ação (Capítulo 4).
Para a criança, o sorriso dos pais, seu olhar, voz e contato são reforçadores podero­
sos, mas se não fosse pelas vantagens culturais não haveria nenhum a razão óbvia
para que assim ocorresse. Se a criança não tivesse nada a aprender de seus pais, os
genes que tran sfo rm am esses sinais sutis em reforçadores nunca teriam sido selecio­
nados. Dados esses poderosos reforçadores sociais, contudo, as possibilidades de
transmissão cu ltu ral excedem de muito aquelas de um a cultura só por imitação.
Os reforçadores sociais são especialmente eficazes por estarem ao alcance da
mão. Im aginem u m p ai ou um a mãe tentando m odelar o comportamento do filho
com reforçadores não-sociais, como comida e dinheiro. Cada vez que a criança
apresenta a resp o sta d esejada o pai tem de lhe dar um biscoito, que a criança come,
ou um a m oeda, que a criança gasta depois. Quão ineficiente, em comparação com
a natureza fácil e im ed iata de um sorriso, um elogio, um abraço. Diferentemente
do dinheiro, esses reforçadores sociais estão sempre à disposição dos pais, não
importa a situação. D iferentem ente dos biscoitos, o afeto pode ser dado inúmeras
vezes sem que a criança se sacie. Liberação rápida e saciedade lenta significam que
esses reforçadores perm item que a educação da criança seja contínua, durante
todas as horas em que está desperta.
VARIAÇÃO, TRANSMISSÃO E SELEÇÃO
Os tipos de traços que vimos discutindo - limites do estímulo, imitação e reforçadores
sociais - não só p ro d u zem cultura, mas tam bém permitem mudanças culturais. A
evolução cultural p o d e ocorrer de m odo análogo à evolução genética - isto é, pela
combinação de variação, transm issão e seleção (a transmissão seletiva da variaÇâo). Para e n te n d e r com o isso pode vir a acontecer, precisamos responder a algu-
268 WilliamM. Boum
mas questões básicas. O que varia e como? Como as variações são transmitidas-?
Quais são os mecanismos de seleção?
Variação
A evolução é impossível sem variação. Na evolução genética, os lócos dos genes nos
crom ossom os devem poder ser ocupados por vários alelos - vários pacotes de genes
e várias m áquinas de sobrevivência devem ser possíveis. Do mesmo modo, a evolu­
ção cultural requer que vários “alelos” culturais se subm etam à competição, e vá­
rios pacotes de traços devem ser possíveis. Mas quais são os análogos de genes
alelos e pacotes, e quais são os mecanismos de sua variação?
Replicadores culturais
A p erg u n ta “O que varia?” é um a pergunta sobre unidades. Nos term os da posição
de Dawkins, ela se torna: “Quais são os replicadores culturais que possuem longe­
vidade, fecundidade e fidelidade de cópia?”.
O problema aqui é precisam ente análogo ao problem a de identificar unidades
de com portam ento operante (Capítulo 4), e a solução é praticam ente a mesma.
Aqui, com o lá, as unidades são identificadas pela sua função. Um replicador cultu­
ral é um a ação desem penhada e transm itida pelo grupo, que possui determinada
função, resulta em determ inado efeito ou produz um certo resultado. Em outras
palavras, um replicador cultural realiza um a d eterm inada tarefa. O uso de roupas
quentes no inverno protege nossa saúde. A program ação de com putadores permite
que um a pessoa ganhe a vida e adquira status.
Tal como pacotes de genes, pode-se pensar nos replicadores culturais como
ten d o diferentes tam anhos. Por exemplo, os antropólogos diferenciam as culturas
com base em um a série de critérios, alguns específicos, outros gerais. A produção
de um artefato específico pode ser pensada como um replicador relativam ente pe­
queno; em um a cultura, tecnológica, a m ontagem de televisores de determinada
m arca seria um exemplo. Replicadores maiores, ou pacotes de replicadores, são
definidos por agrupam entos interdependentes de costum es ou práticas sociais.
Costum es relativos a m atrim ônio e família, por exemplo, tendem a se agrupar. Em
culturas com a noção de fam ília estendida, os m atrim ônios arranjados são a regra,
presum ivelm ente porque o núm ero de pessoas envolvidas é grande dem ais para
que a associação de duas famílias seja deixada ao sabor dos caprichos de um ro­
m ance. Casamentos por am or ficam m ais comuns à m edida que haja menos pesso­
as envolvidas além do próprio casal. Nos últim os 300 anos tem os assistido, no
O cidente, a um a substituição da família estendida pela família nuclear e a uma
predom inância de casam entos por amor.
Falar inglês poderia ser considerado um replicador, em bora seja algo tão am­
plo que não ajuda m uito na com preensão das práticas culturais. Replicadores ver­
bais m ais específicos seriam, por exemplo, formas de saudação ou de p e c h in c h a r
preços e bens de consumo. “Oi, tudo b e m ? ” e “M e u b u rro vale pelo menos três de
Compreender o behaviorismo
269
sUaS ovelhas” po d em ser ditos em inúm eras línguas, e o idioma norm alm ente é
plenos im po rtan te do que o resultado - o efeito que produz. A maior parte das
cll|turas possui form as diferentes de saudação para diferentes tipos de relação (por
exemplo, com o cônju g e ou com o p a trã o ), e essas diferentes saudações são
Replicadores. Em algum as culturas, é costum e m entir sobre a qualidade e origem
^oS bens de consum o à venda, como muitos de nós que estivemos na Turquia ou na
índia podem os testem unhar. Diferentes costumes no processo de barganha em culturas diferentes constituem replicadores.
Mime, gene cultural, prática
Diferentes nom es já foram propostos para os replicadores culturais. Lumsden e
. Wilson (1981) sugeriram gene cultural (culturgen) e Dawkins (1989) sugeriu mime
(do grego mimesis, im itação); Skinner (1971) empregou a palavra prática. A histó... ria da ciência inclui exem plos de invenção de termos novos (oxigênio e aceleração)
■e de apropriação de term os de nosso vocabulário cotidiano (força e resposta). Para
nossas finalidades, m anterem os os termos práticas e costumes, que nos lembram
que replicadores culturais são atividades.
Entre biólogos evolucionistas, a discussão sobre evolução cultural tem sido
prejudicada pela incapacidade de reconhecer que replicadores culturais são ativiv. ."dades, Dawkins e Lum sden e Wilson escrevem sobre a evolução de crenças, idéias
; e valores. A crença, idéia ou valoração do ato de roubar como errado, se pensada
como um a coisa, n u n ca poderia evoluir através de processos físicos, porque é nãonatural. Os problem as com o mentalismo, que discutimos no Capítulo 3, se aplicam
a práticas culturais ta n to quanto a qualquer outro tipo de comportamento operante.
Não entendem os m elhor esses fenômenos imaginando que as unidades de evolu­
ção cultural sejam entidades mentais (Boyd e Richerson, 1985) ou estruturas neurais
desconhecidas (D aw kins, 1989). Tais ficções explanatórias sempre serão supérflu­
as e não podem explicar como as práticas culturais se originam e mudam, uma
■ pergunta que exige p a ra sua resposta que atentem os para a história e o comporta­
mento ao longo do tem p o (Capítulo 4).
Da m esm a m an eira que a freqüência de um gene em um conjunto gênico
populacional só p o d e ser avaliada levando em conta todos os indivíduos dessa
população, assim a freqüência de um a prática ou costume só pode ser avaliado
levando em conta todos os indivíduos do grupo. Por exemplo, há mais mulheres
norte-am ericanas que usam batom hoje do que na década de 1970, e menos usa­
vam batom na d é cad a de 1970 do que na década de 1950; essas mudanças culturais só poderiam ser m edidas estudando-se muitas mulheres. A coisa que m uda em
freqüência, passan d o p o r m uitas m ulheres e ao longo de muito tempo, é a própria
Pratica (usar b ato m ); isto é, o replicador. Agrupamentos de práticas, que funcio­
nam como replicadores, são rótulo para categorias (Ryle) ou atividades agregadas
(r^a perspectiva m olar; Capítulo 3). Por exemplo, “desaprovar o roubo” é um a atiV)dade com posta de p artes tais como punir o roubo e ensinar as crianças a não
roubar (Capítulo 3). Considerando que o termo denota algo natural, um conjunto
de ações interd ep en d en tes, ele denota algo que poderia evoluir pelo processo natu-
270
William M. Baum
ral de seleção: os m em bros de um grupo podem p u n ir o ato de roubar, reform
com portam entos incompatíveis com esse ato e falar sobre como é errado roub ■ ■•
(“Não roubarás”), e cada um a dessas ações poderia ser selecionada à medida
dim inuísse a freqüência dos roubos.
..■>
' O fato de que falar é p arte da cultura m erece destaque especial. Entre as " •
práticas de uma cultura estão certas verbalizações tradicionais: provérbios, histórias
e mitos. No estado de New H am pshire, EUA, a frase “Se isso aí não está quebrado
não ten te consertar” é parte da cultura local, Uma parte da antiga cultura gregg
eram seus mitos. Particularm ente importantes para um a cultura são as verbalizações
que identificamos no Capítulo 8 como regras. As regras incluem norm as morais
(“N ão roubarás”), instruções (“Diga sempre ‘Por favor’ e ‘M uito obrigado’ ”) e in.
1
form ações sobre o am biente (“Você vai precisar de um casaco bem quente por aqui vi
no inverno”). Até mesm o as histórias e os mitos de um a cultura têm algo a ver com
as regras, porque norm alm ente transm item lições práticas ou de m oral - isto é
norm alm ente se referem a reforços e punições costum eiros. A história do menino ^
que gritava “lobo!”, por exemplo, contém um a lição sobre estímulos discriminativos.:; ^ i
verbais, confiabilidade e reforço. C. J. Sommerville (1982), em seu livro sobre a
infância, afirma que até m esm o os contos de fada infantis sobre jovens valentes, V
donzelas formosas, dragões e m adrastas m alvadas possuem funções socialmente
úteis, ao ensinarem indiretam ente lições de vida e ao encorajarem confiança nas ' í
interações com o m undo. Ele escreve: “eles oferecem algo que deve preceder
desenvolvim ento m oral, encorajando a criança a to m ar partido. Ao sim patizar com j
um personagem e se posicionar contra outro, a criança adquire o hábito de ídentíficar-se com aqueles que deseja em ular” (p. 139). Em outras palavras, assim como .
as imposições morais, os contos de fada de um a cultura contribuem p ara produzir
com portam entos que serão reforçados pelas práticas do grupo. Quando biólogos e
antropólogos falam sobre “crenças”, “idéias” e “valores” de um a cultura, provável- .
m ente estão se referindo especificamente a com portam entos verbais tradicionais í
naquela cultura.
Podemos distinguir a form ulação de um a regra de sua prescrição, como dis­
tinguiríam os invenção de repetição. Pessoas com põem regras, vez ou outra, no
sentido de que em item novas verbalizações sob a form a de imposições, conselhos ou instruções. Apenas algum as dessas regras se tornam p arte das prescrições carac­
terísticas da cultura, que se difundem de pessoa a pessoa e de um a geração à outra
através de imitação associada a reforço. Elaborar e prescrever regras são compor­
tam entos que com põem a cultura hum ana.
O modo particular de prescrever regras dentro de um grupo ajuda a distinguir ^
um a cultura de outra, bem com o m udanças em um a cultura de um período para outro. Os pais de um jovem em idade de casar na ín d ia de hoje podem lhe dizer: -p
“Q uando você conhecer a m ulher que escolhemos p ara sua esposa, se não gostar ^
dela, pode recusá-la”. Nos Estados Unidos, poderiam dizer a ele: “Q uando conhe­
cerm os a m ulher que você escolheu para sua esposa, se não gostarmos dela, pode­
rem os recusá-la”. Há três séculos, o jovem norte-am ericano poderia ter ouvido algo
mais no estilo do que o jovem indiano de hoje escuta. Regras variam de um lugar
para outro e de um a época para outra.
Compreender o behoviorismo
271
r pfor$° * punição sociais
c característico de to d a cultura que certas ações são reforçadas ou punidas por
■ ^ejnbros do grupo. A obediência de um a criança a seus pais resulta em aprovação
;,e'afeto• Mentir, en g a n a r e roubar resultam em desaprovação e rejeição. Esses cos;: ;;,wrnes relativos ao reforço e à punição sociais constituem as mais im portantes prá' ■ 'ticas culturais porque form am a base para as culturas que vão além das culturas só
• or imitação. O com portam ento operante que denominamos ensinar, corrigir ou
Instruir consiste em reforçar com portam entos que são normais para aquela cultu­
ara e punir os com portam entos que desviam da norma. Gomo com portam ento
' operante, o p róprio ensinar tam bém precisa ser reforçado freqüentem ente pelo
comportamento correto dos alunos, mas tam bém por outras práticas culturais, tais
como o pagam en to de salários.
.
Skinner (1 9 7 1 ,1 9 7 4 ) considerou o reforço social tão im portante para a cultu­
a r a humana que sugeriu que a palavra prática fosse utilizada apenas para se referir
.; a tais relações de reforço. De seu ponto de vista, o reforço social modela o comporytamento que é norm al para aquela cultura. Considerando que o com portamento
. ■'resulta de relações de reforço, estas são m ais básicas do que o comportamento.
: Assim, conhecer u m a cultura seria conhecer suas relações de reforço e punição. A
fabricação de gam elas de cerâmica de determ inado formato seria secundário; reforçar o fazer gam elas naquele formato seria uma parte essencial daquela cultura.
0 fato de prim os casarem ou não entre si seria secundário; as propostas de casa; - mento entre prim os serem reforçadas ou punidas, isso seria o fundamental.
- ■ A posição d e Skinner tem duas implicações principais. Primeiro, elimina culaturas só por im itação, e limita a possibilidade de existirem culturas em espécies
não-humanas. (As espécies não-hum anas teriam de se envolver em comportamento operante que tivesse o efeito de reforçar ou punir o com portam ento de outros
. / membros do grupo. N ão seria suficiente que o comportamento de lavar batatas se
•difundisse de pais p a ra filhos; os pais deveriam reforçar em seus descendentes o
. .lavar batatas.) Segundo, o ponto de vista de Skinner m uda a perspectiva dessa
;?-questão, d im in u in d o a ênfase dad a a u m a p ergunta difícil e possivelm ente
" irrespondível: q u an to s membros de um grupo têm de se com portar de um certo
v
antes que esse tipo de com portam ento seja considerado “característico” ou
: “normal” para aquela cultura? Skinner responde, de fato, que o núm ero é irrelevante,
contanto que alguns m em bros do grupo reforcem aquele tipo de comportamento
. em outros. Se alguns membros do grupo, sejam muitos ou poucos, reforçam o
com portam ento, ele persistirá como parte do comportamento do grupo.
Os biólogos evolucionistas divergem de Skinner nos dois pontos. Primeiro, os
. que reconhecem a im portância da educação definem cultura como consistindo de.
com portam entos aprendidos como resultado de pertencer a um grupo. Essa defini­
ção não traça u m a linha divisória entre culturas só por imitação e culturas que
lricluem educação; nem traça, dentro de um a mesma cultura, uma linha divisória
entre com portam entos adquiridos por im itação combinada com reforço não-social
(por exem plo, la v a r batatas) e com portam entos adquiridos como resultado de
interações com o utros m em bros do grupo (isto é, como resultado de um relaciona-
272 WilliamM. Baum
m ento, no sentido do Capítulo 11). Para essa visão mais abrangente, seria sufiCien
te que membros do grupo servissem de modelo; eles não precisariam ser também '
fonte de reforço. Em segundo lugar, contornam a questão do que é normal par*
um a cultura com parando a cultura a um conjunto gênico populacional. Em UrTl
conjunto de práticas culturais, certas práticas podem ser comuns e outras, raras o
que im porta é se perm anecem n o conjunto ou desaparecem .
Mutação, recombinação e migração
Se um conjunto de práticas culturais é como um conjunto gênico, então ele deve
conter dentro de si os meios p a ra produzir o novo. No conjunto gênico populacional
três processos geram o novo: ( 1) a m utação constitui um a fonte de novos alelos’
(2) a recombinação ou perm utação - a quebra e o reagrupam ento de DNA que
acontecem durante a meiose - organiza novas com binações de alelos; (3) a migra­
ção de indivíduos de um a população para o u tra perm ite o aparecim ento de combi­
nações com pletam ente novas em um conjunto gênico populacional. Análogos des­
ses três processos acontecem no conjunto de práticas culturais.
O análogo cultural d a m utação é o erro ou acidente. Já discutimos a impossi­
bilidade de um a mesma ação se repetir exatam ente da m esm a maneira. A variação
é inerente ao com portam ento, e algumas variações podem ter mais êxito do que
outras. Outro tipo de acidente pode ser im posto p o r algum evento ambientai
ineontrolável. Quando m achuquei m inha m ão direita, eu me vi forçado a escovar
os dentes com a mão esquerda, e descobri que dessa m aneira poderia fazer uma
lim peza m elhor nos dentes do lado direito. Agora alterno as mãos quando escovo
os dentes. Q uando você se vê im pedido de realizar as coisas do m odo habitual,
você pode descobrir m odos m elhores de realizá-las. Finalm ente, tal como na
replicação genética, podem acontecer erros de cópia. Um atleta pode im itar incor­
retam ente um treinador de tênis e, assim, pode descobrir um modo m elhor de
sacar. Uma criança pode im itar im perfeitam ente seus pais e, assim, descobrir um
m odo m elhor de am arrar os sapatos. Porém, do m esm o modo que ocorre com as
m utações, a m aioria dos enganos piora a situação; é raro o acidente feliz que me­
lhora as coisas.
Uma possível analogia com portam ental da recom binação é a falha no co n tr o ­
le de estímulo. Você pode virar seu carro na esquina errada, vestir roupas que não
com binam ou dizer algo inadequado a um parente, em bora, por centenas de vezes,
você tivesse feito tudo certo nessas situações, São padrões de com portam ento que
norm alm ente perm aneceriam separados, mas que, não obstante, se m isturam nes­
sa situação particular. Em bora ta l m istura seja norm alm ente desastrosa, o c a sio n a l­
m ente ela pode levá-lo a descobrir um cam inho alternativo muito melhor, uma
m aneira de se vestir mais alegre ou um modo mais adequado de se com unicar com
seus parentes.
Assim como pode h aver m igração para um conjunto gênico populacional, tam ­
bém pode haver migração para um conjunto de práticas culturais. Isso pode acon­
tecer quando indivíduos de um a sociedade passam para outra. Por exemplo, oci­
dentais que m oraram no Jap ão nos séculos XIX e XX transferiram m uitas práticas
Compreender o behaviorismo 273
, sua cultura p a ra a cultura japonesa. O processo im igratório para os Estados
Unid°s introduziu novas m aneiras de cozinhar, novas expressões verbais, modos
n0vos de fazer negócios e novas formas de religião.
Novas práticas tam bém podem p enetrar uma cultura através d a migração de
■' ‘{íitia subcultura - isto é, de um conjunto de práticas características de um subgrupo
daquela sociedade. Os efeitos da imigração em qualquer país freqüentem ente se
fazem sentir com algum atraso porque um grupo étnico pode perm anecer parcial­
mente segregado do resto da população, passando a integrar a cultura principal
somente depois de algum as gerações. Quase todos os norte-am ericanos sabem o
significado de expressões com ojive, pasta e chutney,* mesmo que não conheçam
suas origens étnicas.
Transmissão
; 0 segundo ingrediente essencial para que a evolução por seleção ocorra é a trans­
missão de traços de um a geração para outra. Na evolução genética, a transmissão
■■ocorre por transferência de m aterial genético (DNA) de pais para filhos. Na evolu­
ção cultural, ela ocorre através de meios mais diretos: transferência do comporta­
mento de um m em bro do grupo para outro.
Herança de traços adquiridos
Antes do século XX sugeria-se, às vezes, que certos traços pudessem ser passados
de pai para filho p o r transferência direta, de tal forma que as características adqui­
ridas por um dos genitores poderiam aparecer em seus descendentes. Se os braços
de um ferreiro crescessem em massa m uscular como resultado de seu trabalho,
então o traço “braços musculosos” poderia ser passado para seus filhos. Embora
essa concepção n u n c a tenha produzido qualquer prova de sua operação na evolu­
ção genética, esses são exatam ente os meios de transmissão na evolução cultural.
Em um a espécie detentora de cultura como a nossa, as crianças tendem a
aprender o que q u er que seja que seus pais aprenderam. Tudo, do modo de se vestir
. aos bons m odos à m esa, de dialetos a m aneirismos sociais, pode ser passado direta­
mente de pai p a ra filho. Para alguns traços culturais, a transferência de material
genético de pai p a ra filho pode não ter um papel direto, mas a herança genética de
Pai para filho pode tam bém guiar a transmissão cultural; os filhos podem ter uma
.Predisposição a ap re n d e r certas coisas como resultado de genes que herdaram . Por
exemplo, u m a criança e seu pai poderiam compartilhar um a predisposição para ter
toedo de altura, ap ren d er música ou desenvolver habilidades manuais.
de T. N o ja z z , j i v e significa falar ou b rin c a r nos intervalos en tre um com passo e outro.
P^sta, do ita lia n o , é u m te rm o genérico p a ra d esig n ar pratos com m acarrão. C hutney é uni
term o d e o rig e m in d ia n a q u e d esigna u m a com binação de tem p ero s sob a form a de um a
geléia qu e a c o m p a n h a carnes.
274 WilliamM. Baum
Contudo, desde que a transferência de m aterial genético pode ser irrelevan
em term os de transm issão cultural, os pais genéticos de um a pessoa podem difei^
de seus pais culturais. A criança pode adquirir traços culturais de um a série / "
adultos - tios, tias, professores, sacerdotes, treinadores. As pessoas tam bém pocW ';
adquirir práticas de seus pares; as crianças tipicam ente aprendem com outras criati
ças o “código da classe”, e adultos aprendem os “m acetes” de um a situação atravé'
de outros adultos. Essa form a de transmissão, impossível para os genes, é cham a^
horizontal. Considerando que a transm issão horizontal acontece dentro de unia
geração, os traços culturais podem se difundir no m esm o grupo no período de uma
única geração genética.
Isso significa que a evolução culturai é m uito mais rápida do que a evolução
genética. Enquanto a transm issão genética é lim itada a só um m om ento na vida
do indivíduo, a transm issão cultural acontece ao longo de toda sua vida. A trans-::
m issão cultural perm ite que novos traços su b stituam os velhos, até mesmo em
um a grande população, no espaço de apenas alguns anos. Às vezes, a velocidade
da evolução cultural, relativam ente à d a evolução genética, cria problem as; como, ■
exem plos temos nossos problem as atuais que vão desde as conseqüências da .:
ingestão de açúcar até o uso de arm as nucleares. As práticas de fabricação dé
açúcar e de arm as nucleares evoluíram muito rápido p ara que os genes subjacentes
a nossa atração pelo gosto doce e a nossas tendências agressivas tenham sofrido *
um a dim inuição no conjunto gênico populacional. Em vez disso, outras práticas
culturais evoluíram p ara com pensar os efeitos ruins daqueles prim eiros genes.
Fazemos dieta e escovam os os dentes; participam os de debates sobre questões de •
desarm am ento e paz.
Imitação
Uma forma pela qual os traços culturais adquiridos são transm itidos é a cópia dire­
ta - a imitação. Na evolução biológica, a cópia do DNA ocorre durante a formação
dos gametas, e o DNA então afeta o desenvolvim ento do indivíduo para o qual foi
transferido. Esse é um processo relativam ente incerto e indireto se com parado com
o processo de cópia d ireta do fenótipo, envolvido n a imitação.
Crianças im itam adultos e outras crianças. Adultos norm alm ente im itam ou­
tros adultos, mas às vezes eles im itam crianças. Expressões de gíria usadas por
crianças, como valeu, e legal, tendem a deslizar p ara a fala de adultos que as ouvem.
A imitação provê um a base para a aprendizagem o perante. Uma vez que uma
ação tenha sido induzida p or imitação, ela pode ser reforçada e m odelada até atin­
gir formas mais evoluídas. Uma vez que um a criança articula aga, os ouvintes po­
dem responder (aprovando a verbalização da criança e dando-lhe água), reforçan­
do e eventualm ente m odelando esse com portam ento até que ela articule água. Se
nenhum reforço acontece ou se a ação é punida, ela perm anece com baixa freqüên­
cia ou desaparece. Uma criança pode bater em outra, im itando um comportamento
agressivo visto na T y mas a continuidade da agressão vai depender do c o m p o r ta ­
m ento ser reforçado ou punido.
Compreender o behaviorismo 2 7 5
podemos distinguir imitação aprendida de imitação não-aprendida. A imita-
5o em pom bos e m acacos provavelm ente é não-aprendida, e m uito da imitação
em crianças (e talvez adultos) é com portam ento não-aprendido, no sentido de não
nenhum a experiência especial. E como se alguns de nossos genes instruíssem
nossos corpos: “Vejam e escutem as pessoas ao redor, e façam como elas fazem”.
Sem qualquer treino, um a criança pequena que vê seu pai batendo pregos com um
martelo ap an h ará u m m artelo e o baterá contra um pedaço de m adeira.
A im itação não-aprendida, com binada com a modelagem, explica por que as
crianças apren d em a falar e a se com portar socialmente como as pessoas a seu
redor. Até m esm o adultos que vivem fora de sua terra natal podem adquirir o sota­
que e as m aneiras d a nova terra, sem sequer o perceber.
A im itação ap ren d id a é outra questão. E um tipo de com portam ento controla­
do por regras, no sentido do Capítulo 8. Quando uma pessoa diz para outra “fazer
assim”, a capacidade daquele que está sendo instruído de se com portar adequada­
mente depende de sua história de reforço por imitar nessas situações. A transição
. de imitação não -ap ren d id a para aprendida pode ocorrer em vários e diferentes
■ contextos: em casa, quando os pais dizem, “Olhe para cá”; no pátio da escola,
quando um colega diz, “Veja o que eu consigo fazer”; em sala de aula, quando o
professor brinca de “Fazer o que seu mestre m andar”.
Embora a im itação não-aprendida perm ita uma rápida transmissão cultural, a
imitação apren d id a é ainda mais veloz. Através da imitação aprendida, um simples
episódio social pode ser suficiente para transm itir uma prática. Uma pessoa diz a
. outra, “Penteie seu cabelo assim”, e a outra im ediatamente o faz. Supondo-se que o
ambiente forneça os reforços necessários ~ sociais ou não-sociais - para esse com­
portamento, ele persistirá.
Comportamento controlado por regras
A imitação ap ren d id a é exemplo de um tipo mais geral de transmissão cultural:
transmissão através de regras. Uma das primeiras lições que as crianças aprendem
é obedecer a seus pais e outras autoridades. Em vez de apenas imitar, nós as ensina­
dos a fazer aquilo que os outros m andarem . Quando há um conflito, elas ouvem:
‘Faça o que eu digo, não faça o que eu faço”. Sem dúvida alguma, as crianças têm
essa predisposição p a ra aprender a seguir regras devido a sua sensibilidade para
estímulos provenientes de seus pais, particularm ente o som de sua fala, e devido a
sua susceptibilidade a reforçadores sociais liberados pelos pais.
Coitada d a criança que não aprende a seguir regras, pois não conseguirá ad­
quirir um a série de com portam entos socialmente aceitáveis. Muitas das verbalizações
.
um pai dirige a seu filho são equivalentes a declarações do tipo “Em nossa
cultura fazem os X, e X é reforçado por membros de nosso grupo”, ou “Em nossa
cultura evitam os fazer X, e X é punido por membros de nosso grupo”. Tais regras
Mostram as relações que em geral denominamos convenções. Um pai diz para o
\ plho, “Dê ad eu s”, “Segure seu garfo com a mão esquerda e a faca com a direita” ou
^ê a m ão para atravessar a ru a”, e todas essas ações são reforçadas por membros
276 WilliamM. Baum
do grupo. Um pai diz a seu filho, “Não bata no tio Chico”, “Não enfie o dedo n
nariz em público” ou “Não dê risada muito alto”, e todas essas ações são p u n j^
;
por m em bros do grupo.
S ;
. Essas convenções derivam seu poder, em últim a instância, dos benefícios qye
o fato de pertencer ao grupo traz para a aptidão. Nos term os do Capítulo 8, 0
reforço últim o tem a forma: “Se você se com portar assim, então estará em co ndi­
ções de auferir a proteção e partilhar dos recursos de que dispõe este grupo". Des.
viar-se m uito do com portam ento aceito é correr o risco de ostracism o. No seriado
de TV The American Experience, havia um episódio que descrevia o dram a de uma
m ulher no início do século XIX em um a p equena e longínqua cidade d a Nova Inglaterra, e que, quando adolescente, havia dado seu filho ilegítimo para adoção, e
então, m uito tem po depois, sem saber, casou-se com o próprio filho. Quando o
engano foi descoberto, o filho foi afastado e a m ulher relegada ao ostracismo,
Embora algum as pessoas tivessem pena dela, ela foi deixada à m íngua, até morrer
de fome, em um a palhoça nos limites da cidade. Hoje em dia, as pessoas que são
excluídas dessa m aneira acabam “na sarjeta”.
As convenções sociais diferem de regras que indicam reforços e punições relativas à saúde e ao bem -estar pessoais. “Agasalhe-se bem no inverno” é um conselho
m uito bom para pessoas que vivem em um a região de clima tem perado, não impor­
ta se os dem ais m em bros do grupo aprovem ou não. As convenções sociais são
afirmações valorativas que indicam reforço e punição de origem predominantem ente social. Elas freqüentem ente incluem palavras como deveria e deve. Um pai
norte-am ericano poderia dizer a seu filho: “Você jam ais deveria roubar de seus
amigos, m as tu d o bem escam otear um pouco em sua declaração de imposto de
ren d a”. Como vimos no Capítulo 12, deveria e deve indicam os reforços .e punições
últim os. Em convenções sociais, inclusive declarações m orais como “H onrar pai e
m ãe”, o reforço e a punição últimos são liberados por outros m em bros do grupo.
No esquem a SRRR dos Capítulos 8 e 12, o reforço últim o das convenções sociais
envolvem os dois últim os Rs: relacionam entos e reprodução.
Seleção
Além da variação e transmissão, a evolução de práticas em um conjunto de práticas
culturais requer algum mecanismo de seleção. Na evolução genética, a seleção ocor­
re devido a diferenças na sobrevivência e n a reprodução. Algo análogo deve ocorrer
com a evolução cultural. Tal como ocorre com os genes, algum as variações dos
replicadores culturais são longevas, mais férteis e mais fielm ente copiadas.
Transmissão seletiva
Indivíduos (m áquinas de sobrevivência) que indiscrim inadam ente copiassem quai5'
quer práticas que aparecessem a seu redor poderiam se sair pior do que i n d i v í d u o s
que copiassem seletivam ente. Aqueles que im itam seletivam ente terão m aior pi'0'
Compreender o behoviorismo 2 77
' hjlidade de adquirir os com portam entos mais adaptativos, contanto que haja
gjgutf1 critério im ediatam ente disponível e de caráter manifesto no qual basear a
e je ç ã o .
A m elhor reg ra p ara a im itação seletiva seria imite o sucesso. Em um ambiente
Instável, no qual as m elhores pistas para um com portamento adaptativo são as
atividades das pessoas em volta, um gene ou conjunto de genes que contivesse essa
diretriz se daria m elhor que os outros. Porém, os genes nunca poderiam codificar
uma diretriz tão ab strata como “imite o sucesso”; em vez disso, teriam de orientar
a imitação n a direção de critérios concretos que habitualmente estão correlacionados
com o sucesso. Boyd e Richerson (1 9 8 5 ) , por exemplo, m ostram que, freqüen­
temente, certas circunstâncias podem fazer com que seja mais útil im itar outros
indivíduos em vez dos pais. “Por exemplo, freqüentem ente os filhos emigram. Os
indivíduos nativos do novo habitat provavelmente serão modelos muito melhores
do que os pais biológicos do im igrante” (p. 15). Em tais circunstâncias, como se
poderia saber quem ou o que imitar?
Um critério concreto que Boyd e Richerson sugerem é freqüência. As ações
mais comuns - as norm as - de um grupo social serão provavelmente aquelas que se
■mostraram m ais bem -sucedidas. Seria relativam ente simples conseguir que as ati­
vidades mais freqüentem ente encontradas fossem imitadas; pode ser necessário
simplesmente, por exem plo, reduzir a velocidade da imitação, de forma que várias
exposições fossem necessárias para que um a atividade viesse a ser copiada. Tal
regra poderia d a r errad o se um a prática melhor fosse menos freqüente, mas uma
prática só precisa gerar m aior aptidão em média e a longo prazo para que os genes
responsáveis p o r ela sejam selecionados.
Um possível segundo critério concreto poderia ser imitar aqueles indivíduos
mais freqüentem ente encontrados. Em nossa espécie, esses indivíduos estariam
normalmente en tre os pais biológicos, mas aí poderiam estar também incluídos
pais adotivos, tios, tias, professores ou amigos. Os genes responsáveis pelo reco­
nhecimento de m em bros d a família e outras pessoas significativas poderiam ser
selecionados por um a série de razões além daquela de guiar a imitação - por exem­
plo, guiar o altruísm o em relação à família ou àqueles que provavelmente agirão
com reciprocidade. À reg ra “A caridade começa em casa” poderia ser acrescentada
&regra: “A im itação com eça em casa”.
Im itar as pessoas que encontram os freqüentem ente, assim como im itar as
atividades freq ü en tem en te observadas, implica alguns riscos. Os seres humanos
parecem im itar os adultos que os criam, freqüentem ente com bons resultados, mas
às vezes desastrosam ente. Pessoas que sofreram violência por parte dos pais en­
quanto crianças podem ju ra r que nunca baterão em seus próprios filhos, mas po­
dem achar difícil conter-se quando estejam nessa situação de fato. Da perspectiva
dos genes, essa cópia de com portam entos desajustados seria compensada desde
9ue a cópia do com portam ento dos pais fosse vantajosa na maior parte das vezes m édia e a longo prazo.
Para im itar atividades m enos freqüentes ou outras pessoas que não os pais,
um outro critério de sucesso seria necessário. Em seu poem a “The road not taken”,
Robert Frost escreveu: “Dois caminhos se abrem na floresta, e eu - / eu tomei o
nos trilhado, / o que fez toda a diferença”. Qual foi essa diferença?
278 William M. Baum
Uma atividade bem -sucedida é um a atividade que é reforçada, e um a pessoa
bem -sucedida é um a pessoa cujas atividades são reforçadas. As pessoas tendem a
im itar atividades que são reforçadas e a imitar as pessoas que possuem reforçadores.
M otoristas em um engarrafam ento norm alm ente perm anecem em suas faixas de
trânsito, que é o com portam ento socialmente correto (reforçado), m as se um carro
trafega pelo acostam ento, que está livre, sem punição aparente, outros carros cer­
tam ente o seguirão. Pessoas com o típico papel de m odelos para crianças e adultos
são pessoas com riqueza e status - atores de cinema, atletas profissionais, políticos,
executivos de sucesso - pessoas cujo com portam ento é altam ente reforçado.
Os genes poderiam codificar a tendência de im itar pessoas e atividades bemsucedidas, causando um aum ento na tendência de im itar sem pre que houvesse
reforçadores presentes. Isso seria equivalente a um a instrução do tipo: “Sempre
que você observar eventos que estão em sua lista de reforçadores, im ite as pessoas
próxim as a eles”. Alternativam ente, a tendência poderia ser, em grande parte ou
com pletam ente, m odelada pela cultura. Poder-se-ia ensinar às crianças a imitar o
sucesso: “Veja sua da Wilma. Você não gostaria de ser rico como ela quando crescer?”.
Quer a tendência a im itar atividades e pessoas associadas com reforço seja
principalm ente um produto dos genes ou da cultura, ela constitui u m a força seleti­
va poderosa. Ela explica por que até práticas relativam ente raras podem se difundir
em um grupo social. No começo do século XX, os autom óveis eram raros e muitos
proprietários de cavalos os ridicularizavam. A m edida que as vantagens de possuir
um autom óvel em vez de um cavalo (mais reforços e menos punição) ficaram ób­
vias, porém , a prática de possuir automóveis se difundiu e, em um a geração, anu­
lou a prática de possuir cavalos. Essa m udança de costum es provavelm ente nunca
poderia ter acontecido tão rapidam ente se não fosse pela imitação seletiva.
Seguimento de regras e formulação de regras
As m esm as considerações aplicáveis à imitação seletiva tam bém se aplicam ao se­
guir regras seletivam ente. As pessoas freqüentem ente seguem ordens e conselhos,
por exemplo, mas não apenas qualquer ordem ou conselho. Da m esm a m aneira
que provavelm ente im itam os mais as práticas que ocorrem freqüentem ente no con­
ju n to de práticas culturais, assim tam bém provavelm ente seguirem os mais as re­
gras que freqüentem ente ocorrem nesse conjunto. Deste modo, as práticas domi­
nantes tendem a ser perpetuadas. Enquanto está crescendo, um a criança pode ou­
vir falar tanto, de todos os lados, sobre o erro de roubar, que pode se to rn ar extre­
m am ente cautelosa, evitando até mesmo a aparência de roubar, A alta freqüência
de exortações contra a violência pode explicar por que relativam ente tão poucas
crianças im itam a violência que vêem pela televisão.
Assim como nos inclinamos a im itar pessoas bem-sucedidas, tam bém nos in­
clinam os a seguir regras dadas por pessoas bem -sucedidas. Se você estivesse perdi­
do em um a cidade, a quem pediria informações: a um a pessoa andrajosa sentada
na calçada ou a um a pessoa bem vestida andando pela rua? Não estam os dispostos
a seguir o conselho de alguém q u e mostra poucos sinais de que seu c o m p o r ta m e n to
seja reforçado, mas, às vezes, até pagamos pelo conselho de pessoas que m o str e m
Compreender o behaviorismo 2 7 9
sinais de sucesso (com prando livros sobre como se sair bem nos negócios sobre
jardinagem , sobre perda de peso).
Ju n tam en te com a tendência a im itar o sucesso, a tendência a seguir regras
dadas p o r pessoas m anifestam ente bem-sucedidas explica como uma prática rara
pode se pro p ag ar rapidam ente em um conjunto de práticas culturais. Quando os
gravadores de videocassete caíram a preços razoáveis, a maioria das pessoas nos
Estados Unidos os com prou, em poucos anos. A rapidez com que eles se propaga­
ram deveu-se, em grande parte, aos anúncios em meios de comunicação e à propa­
ganda boca a boca - isto é, pessoas bem-sucedidas (ou seja, pessoas cujo com porta­
mento é reforçado) diziam a outras que a compra e o uso de videocassete seriam
com portam entos reforçados. Depoim entos em anúncios contam com nossa ten­
dência em seguir regras passadas por pessoas bem-sucedidas. As pessoas que insis­
tem que você com pre algo em geral são famosas e sempre têm um a boa aparência,
usam ro u p as caras e são bem falantes.
Em seu livro Programmed to learn, Ronaíd Pulliam e Peter Dunford (1980)
■■■contam um a história cham ada “A lenda de Eslok”, que ilustra como uma cultura é
m odelada por variação com binada com transmissão seletiva. Nessa história vemos
algumas pessoas bem e m alsucedidas, assim como o surgimento de uma regra em
resposta a u m a situação de reforço a curto prazo conflitante com efeitos a longo
prazo sobre a aptidão. Aqui vai um breve relato da história.
Era uma vez, há muito tempo e muito longe, um lugar onde existia uma
comunidade agrícola, uma aldeia, em üm vale fértil e longínquo. As pessoas não
eram nem pobres nem ricas - elas se viravam. Um dia, Mefistófeles apareceu na
aldeia sob a forma de um velho. Ele ajudou alguns sitiantes e os presenteou com
coisas como sementes e ferramentas. A princípio, hesitaram em aceitar os pre­
sentes, mas, depois de algum tempo, alguns o fizeram. Quase imediatamente,
estes começaram a prosperar. Suas colheitas eram maiores que as de todos os
demais. Vendo seu sucesso, os outros aldeões começaram a aceitar também os
presentes do velho. Logo todos prosperavam, e Mefistófeles deixou a aldeia.
Os aldeões não tinham como saber que, alguns anos após uma família ter
aceito os presentes, todos os seus filhos morreriam. Como todas as famílias na
aldeia havíam aceito os presentes, todas as crianças morreram. Finalmente, quando
todos os adultos estavam envelhecendo e morrendo, um homem chamado Eslok
deixou a vila e seu vale para viajar.
Eslok viajou muitos dias até que chegou a outro vilarejo. Estabeleceu-se lá e
contou para as pessoas a história do velho e seus presentes. Depois que Eslok
morreu, a história ainda era repetida, com uma advertência ao final: “Não aceite
presentes de estranhos”.
Algumas gerações se passaram e a história de Eslôk vèio a ser considerada um
mito. Eventualmente, o vilarejo cresceu demais e alguns jovens aventureiros par­
tiram para fundar um novo povoado. Viajaram muito à procura de um bom lugar,
e chegaram ao fértil vale, agora despovoado, que tinha sido o lar de Eslok. Lá eles
pararam, se estabeleceram e fundaram uma vila.
Mais uma vez, Mefistófeles veio oferecer seus presentes. Como antes, algumas
pessoas os aceitaram. Desta vez, no entanto, algumas se lembraram do dita o “Não aceite presentes de estranhos” - e recusaram os presentes. Depois e a guns
280
William M. Bduiti
í
•
anos, as crianças cujos pais haviam aceitado os presentes começaram a morrer. y\0
ver isso acontecer, os aldeões expulsaram Mefistófeles. Uma vez que algumas pessoas haviam recusado os presentes, a comunidade sobreviveu ao desastre e voltou
a seu modesto estilo de vida. Posteriormente, isso se tomou uma regra inabalável
para os aldeões: “Nunca aceite presentes de estranhos”.
Como vimos nessa história, ambos, o seguimento de regras e a formulação de
regras, dependem em últim a instância de quanto esses com portam entos aumentam a aptidão. A regra sobre estranhos surgiu em resposta aos efeitos desastrosos
sobre a aptidão, e quem a seguiu evitou o desastre.
Auto-interesse
No livro The selfish gene, Dawkins enfatiza que os replicadores - q u er genes, quer
práticas culturais - agem tendo em vista seu próprio interesse; eles prom ovem a si
mesmos no sentido de que seus efeitos tendem a aum entar a freqüência de sua
própria reprodução. Não obstante, m uitos traços geneticam ente codificados e mui­
tas práticas culturais parecem prom over a sobrevivência do grupo ou da cultura,
freqüentem ente às custas da m áquina de sobrevivência individual. Vimos, em nos­
sa discussão acerca dos benefícios societários, como é possível ocorrer a seleção de
genes que propiciam a subordinação do bem -estar do indivíduo em favor do grupo
- esses genes só precisam se sair melhor, em m édia e a longo prazo, do que os genes
que priorizam o benefício im ediato e individual. Essa é, genericam ente falando, a
explicação para o com portam ento altruísta e cooperativo.
Algo sem elhante poderia ocorrer com os replicadores culturais, que também
aum entariam sua freqüência às custas das m áquinas de sobrevivência individuais.
Como resultado d a im itação e do seguim ento de regras, soldados vão p a ra a guerra
e freqüentem ente m orrem . Q uando as arm as eram primitivas, os genes responsá­
veis pela afiliação ao grupo e pela obediência à autoridade provavelm ente eram
beneficiados pela guerra, Como resultado, as práticas culturais do gu errear pude­
ram sobreviver e crescer, pois eram reforçadas em média e a longo prazo (por
exemplo, por aum entos nos bens e territórios acumulados),
A analogia com os genes sugere ainda que certas práticas possam ser se le c io ­
nadas porque auxiliam na m anutenção de outras práticas. Tais práticas ten d eria m
a ser conservadoras, isto é, tenderiam a resistir à mudança cultural. Por exemplo, a
xenofobia poderia ser explicada desse modo, pois m atar ou expulsar forasteiros
ajudaria a proteger a cultura da invasão por práticas estrangeiras, ajudando todas
as outras práticas d a cultura a sobreviver. Durante os séculos XVII e XVIII, a cultura
japonesa resistiu com sucesso à influência de visitantes do O cidente através de
uma extrem a xenofobia. Som ente quando navios de guerra m odernos c h e g a r a m a
sua costa, to m an d o qualquer resistência perigosa, esse bloqueio term inou. Os be­
nefícios a curto prazo do isolam ento poderiam explicar a resistência x e n ó fo b a ,
enquanto o b em -estar d o povo a longo prazo poderia explicar a eventual abertura
à cultura ocidental.
1
]1
'
*
j
I
1
Compreender o behaviorísmo
281
A lógica da teoria da evolução determ ina que a evolução cultural deva operar
dentro de limites fixados pela evolução biológica (Boyd e Richerson, 1985). Os
genes que estabelecem os limites do que pode ser aprendido e do que pode ser
reforçador foram selecionados antes que a cultura existisse. A curto prazo, as pes­
soas podem se ocupar de práticas que são reforçadoras, porém prejudiciais à saúde
0u à reprodução; mas a longo prazo elas tendem a agir de forma a preservar a
saúde e a prom over a reprodução. Essa é a razão pela qual os reforços últimos do
com portam ento controlado p o r regras referem-se à aptidão (Capítulo 8). Quando
há um conflito entre práticas culturais e aptidão dos genes, o conflito é eventual­
mente resolvido por um a m udança na cultura. Uma das mensagens implícitas na
lenda de Eslok é a de que, quando o sucesso a curto prazo (aceitar presentes de
estranhos) com pete com o sucesso reprodutivo a longo prazo (m orte das crianças),
então novas práticas (enunciar a regra “Nunca aceite presentes de estranhos”)
surgem como com pensação. Por exemplo, quando certas práticas evoluíram tor­
nando o acesso ao açúcar mais fácil, bem como a m anufatura de doces um a em ­
preitada proveitosa, as pessoas com eçaram a consumir cada vez mais açúcar e
doces. Nos Estados Unidos, o custo a longo prazo desse hábito para a saúde da
população tornou-se aos poucos evidente, desenvolvendo-se então práticas como
escovar os dentes e usar substitutos do açúcar. Do mesmo modo, os perigos implí­
citos na existência de arm am ento nuclear estão sendo contrabalançados pelos
movimentos em prol do desarm am ento. Em ultima análise, a mudança cultural é
guiada pelo bem -estar de nossos genes. Esse ponto será especialmente importante
para as questões a serem discutidas no Capítulo 14, que diz respeito à m udança
cultural intencional.
RESUMO
A cultura de um grupo consiste em com portamento aprendido compartilhado pe­
los m em bros do grupo, adquirido como resultado de pertencer ao grupo, e transm i­
tido de um m em bro do grupo a outro. A evolução da cultura acontece de m aneira
análoga à m odelagem do com portam ento operante e à evolução genética - varia­
ção associada com transm issão seletiva. As unidades da seleção - as coisas que
variam e são seletivam ente transm itidas - são os replicadores. Um replicador é
Qualquer entidade que prom ove a produção de cópias de si mesma. Um bom
replicador possui longevidade, fecundidade, fidelidade de cópia e eficácia.
Um requisito para. a existência de cultura é a existência da sociedade. Uma
Verdadeira sociedade inclui a cooperação - com portamento altruísta que beneficia
°utros, a curto prazo, e beneficia o altruísta, a longo prazo. Um segundo requisito
Para a existência de cultura é a capacidade dos membros do grupo de aprender uns
com os outros, pois essa é a m aneira pela qual as traços culturais são transmitidos
a° longo do tem po.
Na evolução biológica, o conjunto de replicadores que todos os organismos de
unia população possuem é conhecido como conjunto gênico populacional. Na evolucultural, o conjunto de traços que uma sociedade possui é chamado de conjunto
282 WiiliomM. Baum
de práticas culturais. Essas práticas constituem os replicadores da cultura e, à medi­
da que eles são transm itidos no conjunto de práticas culturais, suas freqüências po­
dem aum entar ou diminuir, dependendo da freqüência com que são aprendidos.
Q uando ap render com o outro beneficia, a longo prazo, os genes do aprendiz,
como ocorre em nossa espécie, os traços que possibilitam essa aprendizagem serão
selecionados. Três traços com essas características são limites do estím ulo, imitação e reforçadores sociais. Nossos corpos são feitos de tal forma que estam os sinto­
nizados com os estím ulos produzidos por outras pessoas, tais como suas faces e os
sons da língua. Se u m organism o imita outro e o resultado é reforçador, então a
aprendizagem operante rapidam ente ocorre. Reforçadores sociais, tais como sorri­
sos, tapinhas nas costas e abraços, perm item um a aprendizagem a partir do outro
ainda mais rápida, porque introduzem as práticas de ensino e instrução.
Os replicadores culturais (práticas) são as atividades de m em bros do grupo
passadas de um indivíduo para o outro, por imitação e educação. Essas unidades
são definidas funcionalm ente, como as atividades operantes, porque são ações
operantes. Elas incluem não apenas práticas não-verbais, tais como seleção e pro­
dução de alim entos, m as tam bém práticas verbais, como histórias, provérbios e
injunções morais. Essas práticas verbais são úteis quer porque fornecem regras,
quer porque oferecem instruções análogas às regras - isto é, fornecem estímulos
discriminativos indutores de com portam entos que são socialm ente reforçados. A
cultura hum ana inclui práticas de seguir, prescrever e form ular regras. Todas elas
dependem de relações de reforço organizadas por outras pessoas - reforço e puni­
ção sociais. Essas práticas de reforço e punição Sdcíais, à parte o com portam ento
que produzem , podem constituir o grupo mais im portante de replicadores da cul­
tura hum ana.
O prim eiro ingrediente da teoria da evolução é a variação. Da m esm a m anei­
ra que os genes variam , assim tam bém os replicadores culturais variam . Tal como
os acidentes genéticos, os acidentes com portam entais são ocasionalm ente benéfi­
cos. Tal como um conjunto gênico populacional, um conjunto de práticas culturais
pode se beneficiar da migração.
O segundo ingrediente é a transm issão. Diferentemente d a transm issão gené­
tica, a transm issão cultural significa h erd ar traços adquiridos. As possibilidades de
transm issão cultural excedem em m uito àquelas da transm issão genética, porque
aqueles que transm item um a prática cultural - os pais culturais - não necessitam
possuir qualquer conexão genética com aqueles que a recebem - os filhos culturais.
Transmissão cultural tam bém difere de transm issão genética na m edida em que a
transm issão genética acontece apenas no m om ento da concepção, enquanto a trans­
missão cultural acontece ao longo de toda. a duração da vida. A existência de muitas fontes e m uitas oportunidades de transm issão cultural significa que a evolução
cultural acontece m uito mais rapidam ente do que a evolução biológica. Problemas
sociais surgem q u an d o a evolução cultural m uda o am biente de tal m odo que os
m ecanismos que aum en tam a aptidão no velho ambiente tornam um a prática pre­
judicial no novo am biente. Quando tais problem as surgem, novas práticas tendem
a evoluir para contrabalançá-los.
A transm issão cultural ocorre por im itação e por regras. A im itação a p r e n d id a
é uma form a de com portam ento controlado por regras. As crianças aprendem o
Compreender o behaviorismo
283
com portam ento de seguir regras porque a transmissão de práticas sociais através
do seguim ento de regras é particularm ente rápida.
O terceiro ingrediente d a evolução cultural, a seleção, acontece porque a trans­
missão é seletiva. Se é provável que um organismo entre em contato com am bien­
tes diversos, então p oderia ocorrer a evolução de mecanismos através dos quais a
transm issão seria dirigida p a ra a recepção de práticas bem-sucedidas em determ i­
nado ambiente. Um critério provável de sucesso é a freqüência. As pessoas im itam
práticas freqüentem ente observadas, assim como im itam indivíduos com quem se
deparam freqüentem ente. O seguim ento de regras pode ser seletivo de um m odo
ainda mais diretam ente relacionado ao sucesso, se as pessoas se inclinarem a se­
guir regras que vêm de o utros cujo com portam ento é freqüentem ente reforçado.
A idéia de que as práticas culturais são replicadores análogos aos genes ajuda
a explicar por que as pessoas agem freqüentem ente em seu próprio prejuízo, para
o bem da com unidade ou do país. Práticas “desprendidas” (doar dinheiro, tem po,
esforço e arriscar a p ró p ria vida) continuarão a fazer parte da cultura, contanto
que as conseqüências p a ra esses com portam entos sejam, em média e a longo p ra­
zo, reforçadoras. Os reforçadores sociais que m antêm tais práticas derivam, em
últim a análise, dos efeitos dessas mesmas práticas sobre a aptidão dos genes.
UíTURÂS ADICIONAIS
Bàrásh;' D. P (1982). Sociobiology and behavior. Nova York: Elsevier, 2. ed. Esse livro apre­
senta várias teorias subjacentes à explicação do comportamento em termos evolutivos. Con­
tém discussões sobre relações societárias, incluindo a comparação com marmotas.
Barash, D. V. (1986). The hare and the tortoise: culture, biology, and human nature. Nova
York: Viking Penguin. Esse livro compara a evolução cultural e a evolução biológica.
Boyd, R. e Richerson, P J. (1985). Culture and the evoludonaiy process. Chicago: University
of Chicago Press. Essa obra envolve um tratamento erudito da questão da evolução cultural,
que esclarece muitas de suas semelhanças, diferenças e interações com a evolução genética.
Dawkins, R. (1989). The selfish gene. Oxford: Oxford University Press, 2. ed. Ver especial­
mente o capítulo 11, “Memes: the new replicators”.1
Epstein, R. (1984). Spontaneous and deferred imitation in the pigeon. Behavioural Processes,
9, 347-354. Esse artigo relata experimentos mostrando que pombos imitam uns aos outros.
Goodenough, J., McGuire, B. e Wallace, R. (1993). Perspectives on animal behavior. Nova York:
Wiley. Esse livro fomece informações sobre mecanismos e teorias do comportamento animal.
Harris, M. (1980). Cultural materialism. Nova York: Random House. O título desse livro indica
claramente sua abordagem comportamental do estudo da cultura no âmbito da antropologia.
Hull, D. L., Langman, R. E. e Glenn, S. S. (2001]. A general account of selection: biology,
immunology, and behavior. Behavioral and Brain Sciences, 24, 511-573. Esse artigo apresenta as analogias entre a seleção na evolução biológica, o sistema imunológico e o reforço.
Está acompanhado de comentários redigidos por uma série de outros acadêmicos.
de T. Título traduzido em português (ver "Apêndice”).
284 William M. Boum
Lamal, P A. (org.). (1991). Behavioral analysis of societies and cultural practices. Bristol
(Pa.): Hemisphere Publishing. Esse livro é uma coletânea de trabalhos de analistas
comportamentais.
Lumsden, C. J. e Wilson, E. O. (1981). Genes, mind, and culture: the revolutionary process.
Cambridge (Mass.): Harvard University Press. Um dos primeiros livros a discutir a interação
entre evolução cultural e biológica.
Pulliam, H. R. e Dunford, C. (1980). Programmed to learn: an essay on the evolution of
culture. Nova York: Columbia University Press. Esse agradável livro entretém ao mesmo
tempo que explora o modo pelo qual os genes orientam a aprendizagem, e o modo pelo
qual essa orientação contribui para a cultura. Ver o relato original da lenda de Eslok no
Capítulo 8.
Skinner, B. F. (1971). Beyond freedom and dignity. Nova York: Knopf, Ver especialmente o
Capítulo 7, sobre a evolução cultural.*
Skinner B. F. (1974), About behaviorism. Nova York: Knopf. Esse livro, em que Skinner res­
pondeu a seus críticos, contém uma discussão sobre o comportamento controlado por regras
no Capítulo 8, “Causas e razões”. ‘
Sommerville, C. J. (1982). The rise and fall of childhood, Beverly Hills: Sage Publications,
Esse livro contém uma discussão das práticas relativas a crianças, ao longo dos anos, na
civilização ocidental.
TERMOS INTRODUZIDOS NO CAPÍTULO 13
Alelo
Mime
Cultura
Pais genéticos e pais culturais
Cultura plena
Prática
Cultura só por imitação
Eficácia
Replicador
Imitação aprendida
Sociedade
Transmissão horizontal
Máquina de sobrevivência
"N. de T. T ítulo tra d u z id o e m p o rtu g u ê s (ver “A p ê n d ice ”).
14
Planejamento cultural: experimentação
em prol da sobrevivência
T alvez n ad a do que Skinner escreveu tenha provocado tanta controvérsia como
suas idéias sobre planejam ento cultural. Seus opositores viram nessas idéias o espec-.
tro de um governo totalitário, da padronização e da estagnação culturais. Parecialhes um a proposta perigosa, um a fórm ula para o desastre. Como poderia alguém
ser sábio o bastante para projetar u m a cultura? E o que aconteceria às pessoas que
discordassem do projeto? A lim entando o fogo de tais objeções, Skinner escrevera
também sobre engenharia com portam ental, o que soava ainda mais sinistro.
Em bora algumas idéias behavioristas - sobre livre-arbítrio, mente e lingua­
gem, por exem plo - sejam verdadeiram ente controversas, o planejam ento cultural
e a engenharia com portam ental só podem parecer controversos quando interpre­
tados à luz dos preconceitos mais com uns sobre as palavras planejar e engenharia.
Para os críticos, essas palavras sugerem algo como um plano m estre, uma idéia fixa
sobre com o determ inada cultura deveria ser, que fosse executada sem levar em
conta se as pessoas concordam ou se opõem. Porém, a extensão lógica da análise
com portam ental dos conceitos de liberdade (Capítulo 9), governo (Capítulo 11) e
valores (Capítulo 12) não condiz com essa interpretação. As idéias expostas por
Skinner em Beyondfreedom and dignity e Walden Two, por exemplo, se assemelham
rnais ao processo de tentativa e erro, pelo qual engenheiros e planejadores passam
guando estão buscando criar um produto que funcione. O arquiteto que projeta
uma casa faz um esboço, talvez construa um modelo, examina esse protótipo bus*
cando falhas e testa o anteprojeto m ostrando-o a seu cliente. A qualquer altura do
Processo, e particularm ente se o cliente rejeita o projeto, tudo volta à estaca zero.
^oucas pessoas se opõem a projetos governamentais como treinam ento profíssioou incentivos fiscais; eles são vistos como tentativas legítimas de levar as pessoas a se com portarem de um a m aneira socialmente desejável. Como veremos, os
C alistas com portam entais sugerem apenas que talvez devêssemos nos envolver
286 Wiiliam M. Boum
com esse tipo de experim entação de um a forma mais am pla e de m odo mais siste­
mático.
PIANEJAMENTO PELA EVOLUÇÃO
Tendo reconhecido que as culturas m udam por meio de um processo evolutivo - que
é resultado de variação, transm issão e seleção - deveríamos então ser capazes de agir
para m elhorar essa evolução, aperfeiçoando todos esses três aspectos. Poderíamos
aum entar e orientar a variação, testando deliberadamente novas práticas. Podería­
mos garantir a transmissão através de práticas educacionais consideradas boas (no
sentido exposto nos Capítulos 12 e 13) para nossas escolas. Poderíamos refinar a
seleção treinando especialistas na avaliação de programas experimentais.
Cruzamento seletivo
As idéias de Darwin sobre seleção natural se originaram, em parte, de seus estudos
sobre cruzam ento seletivo. Darwin não tinha um a teoria definida sobre como os
traços físicos passavam de um a geração para outra, mas não havia dúvida que os
criadores de animais eram capazes de m elhorar seu gado escolhendo m atrizes de­
tentoras dos traços que desejavam ver nas crias. Cavalos podiam ser criados com
vistas à velocidade; vacas visando ao tam anho e à produção de leite. Darwin racio -...
cinou que, se o am biente organizasse as coisas, mesmo que um pouco a esmo, de
form a tal que certos m em bros de uma população tivessem m aior probabilidade de
gerar filhos, então, com o tem po, a população tenderia a abranger um número
cada vez m aior de indivíduos que possuíssem os traços responsáveis pelo maior
sucesso reprodutivo.
O cruzam ento seletivo difere da seleção natural em um aspecto im portante: a
escolha deliberada dos m em bros da população que se reproduzirão resulta em
um a seleção mais poderosa. O cruzam ento seletivo está p ara a seleção natural
assim como o planejamento cultural está para a evolução cultural. Da mesma maneira
que os especialistas em agricultura podem experimentar, criar seletivam ente e pro­
duzir linhagens mais aperfeiçoadas que os fazendeiros então usam com proveito,
deveria ser possível que especialistas em cultura experim entassem , avaliassem e
produzissem práticas culturais melhores que a sociedade poderia então utilizar.
Essa experim entação até certo ponto já existe. Na década de 1930, nos Esta­
dos Unidos, muitas pessoas consideravam a previdência social e o seguro-desen>
prego com o uma experiência, tal como hoje muitas pessoas vêem a prática da ação
afirm ativa/' Ocasionalmente alguns estados norte-americanos testam novas práti-
*N. de T. Ação afirmativa é uma prática do governo e instituições americanas no sentido de
organizarem quotas especiais de bolsas de estudo, oportunidades de emprego, vagas nas
escolas, etc., para minorias desprivilegiadas, tais como negros, mulheres, deficientes, etc., 'à
fim de melhor garantir sua inserção na sociedade.
Compreender o bebavicrismo 2 8 7
cas - por exemplo, im posto de renda negativo para ajudar os pobres e loterias para
financiar a educação. A m aioria dessas práticas experimentais acontece em uma
escala mais reduzida - em cidades, distritos escolares, ou até mesmo em um único
bairro - reciclagem de lixo, escolha da escola pública, prevenção do crime. Algu­
mas experiências se m ostraram ineficazes ou desastrosas, como as do imposto de
renda negativo e a desregulam entação das instituições de crédito e poupança.
Avaliação
Planejamento cultural significa apenas que devemos fazer mais experimentação e
fazê-la mais cuidadosam ente - isto é, com planejamento e avaliação. Quando se
realizam experim entos sem um a proposta de avaliação, então as decisões sobre
seu bom ou m au êxito exigem que seus resultados sejam espetaculares. Os resulta­
dos da experim entação cultural, porém, provavelmente serão sutis - mudanças,
por exemplo, na freqüência de certos eventos (gravidez na adolescência ou mortes
relacionadas ao consum o de drogas) ou desempenhos individuais dentro de um
grupo (notas em provas escolares ou no vestibular). Mesmo que algumas pessoas
mudem muito, algum as poderão m udar menos, e outras não m udarão nada; as­
sim, a avaliação exige m ais do que um a observação casual, e os dados devem ser
coletados e analisados. Da m esm a m aneira que os cientistas de laboratório têm de
usar gráficos e testes estatísticos para decidir sobre os resultados de suas experiên­
cias, assim tam bém os cientistas culturais devem usar métodos semelhantes. Essa é
a razão pela qual as agências que financiam experiências novas freqüentemente
exigem um plano de avaliação antes que o projeto de pesquisa seja aprovado.
O financiam ento em larga escala em geral depende tam bém de dem onstra­
ções em pequena escala, ou experimentos-piloto. Se um experimento-piloto cultu­
ral der errado, sua escala reduzida perm ite detectar os problemas e diminuir os
efeitos indesejáveis d e m aneira relativam ente mais rápida e mais fácil. Se os efei­
tos da desregulam entação de instituições de crédito e de poupança tivessem sido
testados inicialm ente em pequena escala, seus efeitos desastrosos sobre a econo­
mia norte-am ericana poderiam ter sido evitados. Mesmo que a desregulamentação
pareça te r funcio n ad o bem em outros contextos (e na ausência de avaliação
criteriosa, a dúvida perm anece), as agências de crédito e de poupança representa­
vam um novo contexto, no qual a desregulam entação deveria ter sido avaliada
inicialmente por m eio de um experimento-piloto.
Porém, a avaliação levanta um a questão. Em experiências agrícolas, os cria­
dores avaliam as novas linhagens de acordo com metas bem definidas e padrões
hem estabelecidos, tais como resistência a doenças e produtividade. Todo o mundo
Pode concordar sobre o sucesso ou fracasso de alguns experimentos culturais, mas
nnuitas experiências d ão m argem à discordância porque nossas conclusões depen­
dem dos critérios que em pregam os. Uma pessoa que analise as loterias oficiais à
luz da renda que pro d u zem poderia considerá-las um grande sucesso, mas quem
estivesse olhando o m odo pelo qual elas tiram seu lucro principalmente dos grupos
socioeconomicamente m enos favorecidos, talvez as considerasse um fracasso total.
Que tipo de critério deve ser em pregado n a avaliação de experiências culturais?
288 William M. Baum
A SOBREVIVÊNCIA COMO CRITÉRIO
Ao se dirigir à questão dos critérios, Skinner freqüentem ente se referiu à sobrevi­
vência. Às vezes, ao considerar problem as globais, ele parece ter tido como referên­
cia a sobrevivência do gênero hum ano. Porém, em outros m om entos, ele n ão se
referia à sobrevivência dos povos, mas à de suas culturas.
Para sobreviver, u m a cultura deve ser capaz de mudar, pois ela só poderia
perm anecer estável em um m undo sem novos desafios am bientais e sem com peti­
ção por p arte de outras culturas. No mundo de hoje, considerando que o am biente
está se deteriorando e a com unicação global permite um contato constante entre
diferentes culturas, a sobrevivência depende de como lidam os com as m udanças
am bientais e como absorvem os as práticas de outras culturas. As práticas culturais
com petem entre si, não só den tro de um a mesma cultura, mas entre culturas. Se
u m a prática estrangeira se m ostra reforçadora, ela passa para a cultura nativa e
pode até substituir práticas tradicionais. O japoneses adotaram do Ocidente as p rá ­
ticas de produção em m assa e controle de qualidade; os ocidentais, por sua vez,
desfrutam de sushi e praticam caratê. Como as práticas tendem a ocorrer em agru­
p a m e n to s e d e p e n d e m u m as das o u tra s, o fato de a d o ta rm o s um a p rá tic a
freqüentem ente conduz à adoção de outras. Uma pessoa que se interessou por
caratê pode vir a se in teressar pelo zen-budismo; a adoção por parte dos japoneses
da produção em m assa levou-os à adoção do controle de qualidade. A in terd ep en ­
dência de práticas leva à com petição entre padrões culturais amplos e até m esm o
entre culturas inteiras. Q uando um grupo abandona sua cultura tradicional e adota
um a outra em sua totalidade, pode-se dizer que a cultura tradicional m orreu.
Em um am biente em transform ação, se uma cultura m uda a fim de enfrentar
novos desafios, ao passo que outra não o faz, é provável que só a prim eira sobrevi­
va. Tais desafios são particularm ente cruciais quando produzidos pelas próprias
práticas culturais. Por exemplo, as práticas de fabricação de arm am ento nuclear e
de depósito de lixo atôm ico am eaçam o bem -estar de gerações futuras. M uita coisa
depende de como a cu lm ra responde a esses desafios autogerados.
A sobrevivência com o critério implica não só m udança, m as m udança em
resposta a relações de longo prazo. Responder apenas a relações de curto prazo
norm alm ente significa desastre, porque relações de curto e de longo prazo geralm ente entram em conflito. A curto prazo, sacolas plásticas se tornaram m uito po­
pulares entre os norte-am ericanos porque são convenientes e baratas; a longo p ra ­
zo, acabam em terrenos baldios e poluem o ambiente. No final das contas, seu
custo real é alto, porque dem anda um sistema capaz de eliminá-las satisfatoria­
m ente. A curto prazo, com bustíveis fósseis parecem um a fonte conveniente e b a ra ­
ta de energia, mas, no final das contas, seu uso promove engarrafam entos de tráfego e poluição atmosférica.
A m aioria dos desafios com que nos defrontamos são arm adilhas de reforço,
na acepção do Capítulo 9. Agir conforme conseqüências de curto prazo é reforçado
de m aneira relativam ente im ediata; o reforço é óbvio. Relações de longo prazo,
porém , apresentam dificuldades porque suas conseqüências em geral são posterga­
das e seus efeitos au m en tam de m aneira gradual. A descarga de um pouco de lixo
Compreender o behoviorismo 285
tóxico em um a corrente de água pode não te r qualquer conseqüência duradoura
im portante, mas continuar descarregando um pouco todo dia, por anos a fio, pode
eventualm ente produzir um enorm e desastre, devido ao efeito cumulativo.
Se as em presas por si próprias não podem merecer nossa confiança no que diz
respeito a relações de longo prazo, então é preciso impor relações de reforço regu­
ladoras. Não se pode esperar que em presas geradoras de eletricidade encorajem a
conservação de energia, u m a vez que q uanto maior o consumo maiores serão seus
lucros. No estado do M aine (EUA), a comissão de serviços públicos fez um a experiên­
cia com um m odo de elim inar esse desinteresse pela conservação de energia. Se o
consumo diminui, a tarifa sobe, de tal form a que os lucros da em presa de eletrici­
dade se m antêm aproxim adam ente constantes. 0 resultado foi que o consumo di­
minuiu. Quando a prom oção do consum o, por parte da empresa, já não era mais
reforçada, e a em presa começou a encorajar a economia de luz (ou pelo menos
deixou de encorajar o consum o), os consum idores individualm ente tornaram-se
mais propensos a econom izar. O reforço regulador alinhou o comportamento da
com panhia de eletricidade com relações de longo prazo que favorecem a conserva­
ção da energia.
Responder a tais relações de longo prazo requer previsão, e freqüentem ente
adivinhações. As vezes, u m a ação preventiva deve ser encetada mesmo se a previ­
são é incerta. Por exem plo, parece que nossas práticas de consumir m adeira e
combustíveis fósseis, que lançam grandes quantidades de gás carbônico na a t­
mosfera, podem re su lta r em um aquecim ento de toda a Terra - o “efeito estufa”.
A ligação entre os dois fenôm enos, contudo, é eonjetural, porque a tem peratura
sobe e desce por o u tras razões. Uma tendência geral ao aquecim ento poderia
dem orar m uitos anos p a ra ser confirm ada. Se esperarm os para entrar em açao
até term os certeza de que h á realm ente um problem a, poderá já ser tarde demais
para evitar o desastre.
Somente um n ú m ero pequeno de especialistas pode ser treinado para realizar
previsões sobre conseqüências am bientais, econômicas e sociais de longo prazo. A
sociedade é forçada a se basear nesses especialistas para a revelação dessas rela­
ções de longo prazo e p a ra a recom endação de novas práticas para lidarmos com
elas. Essas recom endações, porém , só podem produzir transformações se a socie­
dade incluir grupos que respondam ao com portam ento verbal desses especialistas
e que trabalhem em prol da sobrevivência da cultura. Grupos que encorajam a
reciclagem do lixo, por exemplo, representam esse papel.
Quer encorajando as pessoas a m anterem uma dieta melhor ou a economiza­
rem eletricidade, as novas práticas, substituindo as antigas e resolvendo os proble­
mas por elas gerados, têm dois efeitos: asseguram a sobrevivência da cultura e
Promovem a longo prazo o sucesso reprodutivo dos membros da sociedade. No
Capítulo 13, vimos que a explicação mais provável de por que afinal sociedades e
culturas existem seria o aum ento de aptidão. As práticas m udam para aum entar a
aPtidão dos que as praticam , ou, tendo em vista os problemas produzidos por algu­
mas de nossas práticas, p a ra im pedir quedas significativas em nossa aptidão. Ao
discutir a necessidade de m udanças, as pessoas freqüentemente mencionam a saú­
de e a sobrevivência de seus filhos e netos.
290 WilliamM. Baum
Variação orientada
Em seu livro, Culture and the evolutionaiy process, Boyd e Richerson (1985) consi­
deraram tão óbvio o conceito que Sldnner denom inou planejam ento cultural, qUç
lhe atribuíram um nom e técnico - variação orientada - e classificaram-no como
um a das forças da evolução cultural. Eles equiparam a variação orientada com o
com portam ento individualm ente aprendido, que é então transmitido por imitação
ou por ensino. Sua concepção, contudo, é mais am pla que a de Sldnner, porque
inclui casos que envolvem com portam ento não-verbal - por exemplo, um a criatura
aprende por ensaio e erro e então as demais a im itam . Boyd e Richerson se concen­
tram , porém, no que cham am de cálculo racional, que corresponde ao comporta­
m ento precorrente de Sldnner (Capítulo 8). O com portam ento precorrente - como
experim entar diferentes dietas ou testar plásticos biodegradáveis - resulta em solu­
ções que estabelecem a ocasião para com portam ento verbal, regras do tipo '‘Coma
mais verduras, que fazem bem à saúde” ou ‘'Use sacolas de plástico biodegradável
para dim inuir a poluição”. Essas regras induzem com portam entos controlados por
regras naqueles que as ouvem , e esses com portam entos controlados por regras
devem, em última análise, ser reforçados.
Boyd e Richerson introduzem o reforço sob a form a de um “padrão adaptativo”;
O efeito da força da variação orientada sobre a evolução depende da existência
de algum padrão adaptativo como gosto ou uma sensação de prazer ou dor. Por
exemplo, a adaptação resultante de um cálculo racional procede através da cole­
ta de informações sobre o ambiente, da estimativa dos resultados de vários pa­
drões alternativos de comportamento e de uma avaliação de quão desejáveis são
os possíveis resultados, de acordo com algum critério. São esses critérios
orientadores que traduzem as variações no ambiente em mudanças direcionadas
e, freqüentemente, adaptativas, mudanças no fenótipo, que são então cultural­
mente transmitidas às gerações subseqüentes. A fonte desses critérios deve ser,
claramente e em última instância, externa ao próprio processo de variação orien­
tada. Em uma análise final, seremos forçados a explicar os critérios orientadores
como produtos de algum outro processo (p. 9).
Interpretando o fraseado m entalista do trecho acima, temos que “gosto ou
um a sensação de prazer ou d o r” correspondem às propriedades reforçadoras e
aversivas de várias conseqüências (filhos, riqueza, náusea, e assim por diante) e
“critérios” significa reforçadores e punidores. As expressões “coleta de informações” e “estimativa de resultados” correspondem a com portam entos precorrentes,
alguns verbais e alguns talvez m anipulativos, que produzem vários estím u los
discrim inativos (resultados) que controlam com portam entos verbais ulteriores.
“M udanças no fenótipo” significa aqui um a m udança em algumas práticas cultu­
rais. A “fonte” ou “processo” responsável pelos “critérios”, obviamente, é a seleção
natural. Como já vimos nos Capítulos 4 e 13, os eventos ganham poder reforçadoi
e punitivo se tal poder aum enta, de m odo geral, a aptidão.
Se a variação orientada de Boyd e Richerson significa praticamente a mesma
coisa que o conceito de planejam ento cultural de Sldnner, por que apenas a c o lo c a -
Compreender o behaviorismo
291
de Skinner gera controvérsias? A principal razão provavelm ente é que enquan­
to á discussão de Boyd e Richerson é estritam ente descritiva, a discussão de Skinner
fr e q ü e n te m e n te se torna prescritiva. Embora ambos indiquem um processo que já
acontece em nossa sociedade, som ente Skinner prossegue ao ponto de insistir que
deveríamos increm entar ainda mais a variação orientada e fazê-lo de m aneira mais
siste m á tic a . Isso provoca o m edo de que os especialistas ganhem muita influência
em nossa sociedade e se tornem um a am eaça para a democracia.
R espondendo a essa e outras objeções, Skinner (1971) em geral concorda que
o medo seja legítimo, mas insiste em um a perspectiva mais ampla. Uma cultura
bem p lan ejad a incluiria relações de reforço (contracontrole; Capítulo 11) que im­
pediriam os especialistas de chegar a essa influência indevida. Sua proposta, que
chamou de sociedade experimental, incluía a experimentação em várias frentes, não
só em algum as áreas limitadas.
cão
UMA SOCIEDADE EXPERIMENTAI
Temendo pela sobrevivência da hum anidade e da civilização, Skinner preocupavase com o fato de que adaptam os nossas práticas culturais de lidar com questões
ambientais m uito lentam ente para poderm os evitar a destruição. Práticas que fun­
cionaram no p assado podem se tornar mai-adaptativas e podem requerer substituiçâo. Skinner propôs que, em vez de nos agarrarmos a velhas práticas, deveríamos
estar constantem ente testando novas práticas para ver se funcionam melhor, e de: veríamos fazer da experim entação com novas práticas uma prática cultural. Em
vez de sociedade experimenta?, ele poderia na verdade ter usado o termo socieda­
de em experim entação.
Experimentação
Skinner (1971) com parou a experim entação com práticas culturais à experimenta­
ção no laboratório:
Uma cultura se parece muito com o ambiente experimental empregado na análi­
se comportamental. (...) Uma criança nasce em uma cultura como um organismo
é colocado em um ambiente experimental. Planejar uma cultura é como planejar
um experimento; contingências [isto é, relações de reforço] são dispostas e os
efeitos, registrados. Em um experimento, estamos interessados no que acontece,
ao planejar uma cultura, estamos interessados em saber se funcionará. Essa é a
diferença entre ciência e tecnologia (p. 153).
Skinner indica aqui a diferença entre a análise comportamental, a ciência, e a
^ en ologia com portam ental. Enquanto o objetivo da ciência é som ente entender, a
tecnologia procura resultados práticos. A tecnologia e a ciência são, em parte, mu­
d a m en te dependentes: a ciência explica por que certas práticas podem funcionar,
e a tecnologia empurra a ciência para descobrir práticas que de fato funcionem.
252 WilÜam M. Baum
Democracia
Por exemplo, especulam os no Capítulo 11 que a democracia pode ser superior a
outros sistemas de governo porque proporciona aos cidadãos um m aior contracontrole. Essa teoria pode indicar o caminho a ulteriores aperfeiçoam entos do pro­
cesso dem ocrático. Em um artigo intitulado “From candidate to crim inal: the
contingencies of corruption in elected public office”, os analistas comportam entais
M ark Goldstein e Henry Pennypacker (1998) discutiram a m aior am eaça singular à
dem ocracia: a corrupção. Eles argum entaram que a corrupção ocorre porque as
relações de reforço que afetam o com portam ento dos candidatos que disputam um
cargo diferem das relações de reforço que afetam o com portam ento dos ocupantes
de cargos públicos depois que são eleitos. Ao concorrer ao cargo, o candidato le­
vanta fundos e ganha votos através da prom essa de que representará os interesses
do povo, de que m udará práticas governam entais ineficazes e de que dará ouvidos
às necessidades dos eleitores. Depois de ser eleita, a pessoa então está sujeita a um
novo e quase irresistível conjunto de relações de reforço: grupos específicos com
grande poder econôm ico oferecem presentes e contribuições se o eleito tom ar de­
cisões a seu favor, ao m esm o tem po que outros ocupantes de cargos públicos o
encorajam a aceitar as doações. Na esfera nacional, um deputado ou um senador
subitam ente se torna objeto da ação de lobistas que apontam para a necessidade de
fazer um a grande caixa de cam panha quando chega a época de disputar a reelei­
ção. Na esfera local, relações similares ocorrem, mesmo que os valores sejam mais
baixos, porque em preendedores e negócios dem andam concessões oficiais e servi­
ços especiais. Seus rep resen tan tes levam os ocupantes dos cargos p ara jantar, ofe­
recem entrad as p a ra com petições esportivas e viagens de férias. G oldstein e
Pennypacker (1998) descrevem a situação de um indivíduo denom inado Amistoso:
O candidato vivenciou uma rica agenda de contatos pessoais, apoio, alimentação
e respostas públicas positivas de cabos eleitorais. A maior parte disso cessa de­
pois da eleição, tornando o detentor do cargo extremamente suscetível a quais­
quer outros reforçadores. Os que procuram obter tratamento favorável (isto é, os
que corromperiam Amistoso) estão mais do que prontos para entrar em cena e •
preencher o vazio de reforçadores com um sistema de contingências próprio.
Eles são habilitados nas técnicas de seleção de reforçadores e modelagem. Em
breve, Amistoso terá um novo repertório (p. 6-7).
A sucum bência do ocupante do cargo ao novo e poderoso reforço poderia ser
rem ediada nas urnas, quando se repetisse o período eleitoral, m as então o problema perm anece, de que u m a outra pessoa sucum birá mais um a vez à m esm a mu­
dança de relações de reforço. Uma solução para a corrupção requer algum as mu­
danças no relacionam ento entre o ocupante do cargo público e os eleitores, que .
proporcionem mais contracontrole.
Goldstein e Pennypacker sugerem um a alternativa para representantes eleitos i
localm ente. Eles descrevem sua proposta desta m aneira:
I
lr
Todos os o c u p a n te s d e cargos eletivos e sta ria m sujeitos a u m plebiscito a cada
aniversário d e s u a eleição, A nualm ente, os eleitores re sp o n d eria m u m a q u e s t ã o
f
j
Compreender o behaviorismo
293
sobre cada eleito: ele ou ela deve continuar sem questionamento por mais um ano?
Uma votação majoritariamente afirmativa permitiria ao eleito continuar no cargo
sem ser posto em dúvida. Uma votação negativa, por outro íado, seria um convite
para um julgamento no próximo plebiscito anual, que poderia resultar em sua
substituição. Sob esse sistema, um ocupante de cargo público recém-eleito teria
assegurada sua posição por no mínimo dois anos. Daí em diante, cada ano sem
questionamentos presumivelmente funcionaria como uma resposta positiva do
público, referente ao desempenho do eleito. Se o voto de desconfiança ocorresse, o
ocupante do cargo teria o ano por vir para corrigir suas práticas a fim de triunfar na
eleição seguinte. O fracasso nessas modificações presumivelmente levaria a sua
remoção em tempo pelos eleitores. Esse procedimento não aumentaria em nada os
custos do governo local, dado que algum tipo de eleição normalmente ocorre todos
os anos, e o plebiscito seria simplesmente superposto a elas (p. 7).
Dado que sua proposta g aran te resultados (reforço ou punição) mais freqüen­
tes, apoiados pela am eaça d e destituição do cargo (contracontrole), ela estimularia
ó com portam ento correto p o r tan to tem po quanto o eleito perm aneça no cargo. Ela
removeria algum as das desvantagens de mandatos fixos para os cargos: de que
ocupantes de cargos públicos ficam por alguns anos isolados do contracontrole e
então são forçados a en fren tar o julgam ento das urnas mesmo que façam um bom
trabalho. Em bora a proposta possa soar razoável, entretanto, a única maneira de
descobrir se ela funciona seria testá-la.
Felicidade
'
Como sabem os quando um a prática funciona? Essa questão nos remete de volta
aos padrões adaptativos e critérios orientadores de Boyd e Richerson. A resposta
mais com um é expressa em term os de felicidade. O que funciona é o que torna as
pessoas felizes.
Porém, isso só resulta em um a reformulação do problema: sob quais condi: ções podem os dizer que as pessoas são felizes? Já vimos (Capítulos 9, 11 e 12)
como os analistas com portam entais abordam essa questão. Em primeiro lugar, pa­
rece evidente que as pessoas relatam um a maior felicidade quando estão livres da
possibilidade de conseqüências aversivas (ou da possibilidade de perderem o refor­
ço habitual). No Capítulo 9, notam os que as pessoas relatam felicidade quando seu
arnbiente perm ite escolhas (alternativas de ações possíveis) e essas escolhas têm
conseqüências reforçadoras em vez de aversivas. As pessoas tendem a estar felizes
nas mesmas condições nas quais relatam sentirem-se livres, especialmente livres de
coerção, m as também, com o nossa análise de liberdade espiritual sugeriu, livres de
^guns tipos de reforço positivo.
Uma qualificação deve ser feita a nossa opção de felicidade como um critério
que funciona em um a cultura: estamos falando aqui de felicidade a longo prazo,
y felicidade a longo prazo, proveniente da cultura de que uma pessoa faz parte,
reqüentem ente está em conflito com o reforço pessoal a curto prazo. A curto pra°> ninguém gosta de pag ar impostos, mas todo o m undo se beneficia, ao final das
c°utas, de escolas públicas e da coleta do lixo.
294 William M. Baum
No Capítulo 11, introduzim os a perspectiva de longo prazo em nossas análi­
ses, ao exam inarm os .as relações de exploração e de eqüidade. As relações de refor­
ço e punição de um a cultura são m anifestadas concretam ente em relacionam entos
que consistem na troca repetida de estímulos discriminativos e conseqüências pelas
quais as pessoas controlam o com portam ento umas das outras e as instituições
controlam o com portam ento das pessoas. As pessoas relatam um a m aior felicidade
a longo prazo quando estão livres de relações de exploração e recebem reforço
eqüitativo - reforço equivalente àquele recebido por um grupo de comparação.
Historicam ente, a tendência nos Estados Unidos tem sido fazer com parações cada
vez mais amplas. Esposas já não são com paradas apenas entre si, senão com seus
esposos. Minorias já não são com paradas apenas entre si, senão com a m aioria. Em
últim a instância, se a população como um todo se torna o grupo de com paração, o
padrão de eqüidade p a ra todos seria o mesmo.
Nos Capítulos 12 e 13, nós nos lem bram os de q u e /em últim a análise, porque
somos produtos da seleção natural, nossa felicidade tende a coincidir com a apti­
dão de nossos genes. Para a m aioria das pessoas, a felicidade (reforço) deriva de
condições em nós próprios e nos outros (reforçadores), que em últim a instância
estão ligadas à aptidão: a sobrevivência e o conforto pessoais, o bem -estar dos
filhos, o bem -estar de m em bros da família e de outros parentes, e o bem -estar de
pessoas que não são parentes, mas com as quais m antem os relações m utuam ente
benéficas (Capítulo 11) - cônjuge, amigos íntimos, membros d a com unidade.
Walden Two: a visão de Skinner
Um m odo pelo qual Sldnner tentou transm itir sua idéia da sociedade experim ental,
ou em experim entação, foi descrevendo-a em seu rom ance Walden Two. Como fic­
ção, o livro oferece ilustrações concretas de como um a sociedade em experim enta­
ção poderia ser. Como um ensaio que defende as virtudes de um a sociedade em
experim entação, ele é indireto, porque Skinner passa seu ponto de vista através de
diálogos entre seus personagens. Para apreciar o livro em toda su a extensão, é
necessário interpretá-lo à luz das concepções de Skinner.
Interpretação de Walden Two
O livro começa com dois professores universitários de m eia-idade, Burris e Castle,
decidindo visitar um a com unidade experim ental localizada em um a fazenda no
meio-oeste am ericano. Eles se defrontam com um povoado localizado em um pe‘
queno pedaço de te rra com um aprazível plano urbanístico, de aproximadamente
mil habitantes. Os dias que lá passam são dominados pelas conversas com Frazier,
o criador da com unidade, que ainda lá vive, mas que então tem um a influência
apenas m arginal no que diz respeito a seu funcionam ento.
Uma m aneira de lê-lo é como se o liv