Enviado por Do utilizador6107

Ciência e senso comum

Propaganda
Área –Ciências Humanas e suas Tecnologias
Componente curricular- Sociologia
Ensino Médio, Série -1º Ano
Tópico: Ciência e Senso Comum
COMPONENTE CURRICULAR, Série
Tópico
Algumas diferenças entre o senso comum e a
ciência
Os conhecimentos do senso comum baseiam-se na
experiência cotidiana das pessoas, na chamada
experiência de vida, e se distingue da
experiência científica, que é feita com um planejamento
rigoroso e método.
Senso comum: Em alguns casos, trata-se de
experiências pessoais, em outros casos são
experiências partilhadas pelos membros da comunidade
– no decurso do processo de socialização. Em suma, é
um conhecimento que se adquire, geralmente, sem
estudos, sem investigações sistemáticas (1).
• Por exemplo: para aprender onde fica a padaria mais
próxima de casa ou para aprender a amarrar os
sapatos não é preciso efetuar uma investigação
metódica, basta a experiência de vida.
• Pelo contrário, a ciência implica investigações,
estudos efetuados metodicamente.
• Por exemplo: De outra forma, como se poderia
descobrir a temperatura média de um planeta tão
distante como Mercúrio? Como é que a simples
experiência de vida podia permitir a descoberta de
que a luz do Sol leva 8,33 minutos a chegar à Terra
(2)?
• O senso comum, em geral, é um saber
assistemático, na medida em que constitui
um conjunto disperso e desorganizado de
crenças e práticas, não implicando por parte
dos seus detentores um esforço de
organização (3).
• Por isso algumas das crenças podem ser
contraditórias. Por exemplo: as mesmas
pessoas podem acreditar que “Quem espera
desespera” e “Quem espera sempre alcança”
(4).
• Ciência é um saber sistemático na medida em que
constitui um conjunto organizado de conhecimentos,
havendo da parte dos cientistas um esforço para que as
diversas teorias se articulem entre si e sejam coerentes.
• Por exemplo: Os historiadores ficariam preocupados se
descobrissem que, nas suas análises de um fenômeno do
passado, como a batalha de Aljubarrota, havia
afirmações sobre o relevo incompatíveis com as
informações fornecidas pela Geografia.
• Em geral, o senso comum é um saber impreciso, já que,
normalmente, não se exprime de modo rigoroso (5).
• O senso comum é um saber superficial, porque se
conhecem os próprios fenômenos, mas, muitas vezes,
desconhecem-se as suas causas verdadeiras .
Constatam-se formas de agir, mas não se tem um
método (com experimentação, controle, acúmulo de
informações).
• A ciência tende a ser um saber mais preciso que o
senso comum. As diversas ciências, naturais ou sociais,
recorrem sempre que possível à linguagem (e modelos)
da Matemática, na tentativa de apresentar resultados
rigorosos. Mesmo nas investigações em que não é
possível quantificar (a observação psicológica de uma
certa pessoa, por exemplo) existe essa procura do rigor.
• Por exemplo: no Norte de Portugal, chove
mais do que no Sul. O conhecimento científico
desse fenômeno é muito mais exato: no mês
de Janeiro de 2003, a precipitação em Faro
situou-se entre os 20 e os 40 mm, enquanto
no mesmo período no Porto situou-se entre os
350 e os 400 mm (de acordo com o Instituto
de Meteorologia) (6).
• Ciência é um saber mais aprofundado, uma vez
que procura descobrir a causa dos fenômenos,
não se contentando apenas em constatar a
realidade (7).
• Por exemplo: sabe-se que o caju desbota a
roupa, mas um químico sabe explicar porque é
que isso acontece.
• O senso comum é um saber de caráter mais subjetivo
(ou pessoal) do que o conhecimento científico, pois a sua
aquisição está mais relacionada com a experiência
imediata, cotidiana.
• É influenciado, também, pela época histórica, pela
cultura, pelos grupos sociais a que se pertence, pelo
meio ambiente em que vive, pela idade, pela profissão,
personalidade, entre outros fatores.
• Por isso, uma determinada crença do senso comum varia
consoante o grupo social em que o indivíduo está
inserido. Seja como for, não são partilhadas por todos os
seres humanos, ou seja, não possui um caráter universal.
• Por exemplo: Um rapaz de 17 anos de
Recife pode ter diversos conhecimentos
relacionados a discotecas da região que o
seu pai ignora e que outro rapaz de 17
anos também não possui (porque vive
em Glória do Goitá ou porque, além de
viver em Glória do Goitá, é introvertido e
não gosta de sair à noite).
• A ciência, pelo contrário, procura, idealmente,
alcançar um saber objetivo. Por meio de pesquisas
tenta mostrar as coisas (o objetos) como elas são.
Um conhecimento para ser científico deve buscar ser
independente das particularidades do cientista. Por
isso, tem validade universal, aceito por toda a
comunidade científica. (Claro que antes de uma
teoria ter sido confirmada e aceita pode ter havido
um período mais ou menos longo de controvérsia e
discussão. É preciso dizer também que existem
teorias que questionam a objetividade do
conhecimento científico.)
• «A ciência tem sempre defendido que, ao
contrário de outras formas de conhecimento
consideradas menos rigorosas, ela é objetiva.
Não depende de quem faz, de quem mede, de
quem segue a demonstração. O resultado da
experiência, o número lido no aparelho, a
lógica da dedução matemática são coisas
objetivas, impessoais, podem ser repetidas.»
Jorge Dias de Deus, Ciência, Curiosidade e
Maldição, Gradiva.
• Por exemplo: A ideia de que Plutão leva 247,7
anos a completar uma volta em torno do Sol e
a ideia de que a temperatura média na sua
superfície é de 237 graus negativos são
completamente
independentes
da
nacionalidade, do sexo ou da personalidade
dos cientistas que as descobriram (8).
• A objetividade é mais difícil de conseguir nas
Ciências Sociais do que nas Ciências da
Natureza e na Matemática.
• Um conhecimento para ser considerado
científico tem de ser testável. Ou seja: deve
ser possível confrontar as teorias com os fatos,
pô-las à prova através de experiências
exigentes e rigorosas de modo a averiguar se
são ou não falsas. Caso contrário, a teoria não
passaria de uma mera opinião pessoal do
cientista, de uma crença sem fundamento (9).
• Por exemplo: Quando o astrônomo Clyde W.
Tombaugh anunciou, em 1930, a descoberta de
Plutão, as suas observações tiveram que ser
repetidas e confirmadas por muitos outros
astrônomos. Recentemente, os cientistas resolveram
que Plutão não é mais um planeta. O que demonstra
a dinamicidade do conhecimento científico.
• Por outro lado, no senso comum não existe essa
preocupação constante de testar as crenças.
Perceber-se-á melhor quando se explicar outra
característica do senso comum: o fato de se
constituir, geralmente, como um saber acrítico (10).
O senso comum tende a ser um saber acrítico. Acrítico
significa não refletido, não examinado. É
compreensível que assim seja, pois trata-se de saberes
cuja aprendizagem é informal: aprende-se à medida
que se vai vivendo e tendo experiências, aprende-se
vendo, ouvindo e imitando os outros. Muitas vezes
essa aprendizagem é inconsciente: as pessoas não têm
noção de que estão a aprender, mas vão interiorizando
crenças, costumes, saberes práticos, etc. Tanto podem
aprender crenças verdadeiras como crenças falsas e
injustificadas (superstições). De resto, essa atitude
acrítica tem a ver com todas as características do senso
comum aqui referidas (11).
Exemplo: Algumas crianças, ao observarem muitas
vezes os pais e outros adultos deixarem lixo no chão,
aprendem a fazer o mesmo e interiorizam a ideia de
que esse comportamento é correto. Outras crianças
– talvez em menor número – ao observarem muitas
vezes os pais e outros adultos deixarem o lixo no
lixeiro aprendem a fazer o mesmo e interiorizam a
ideia de que esse comportamento é correto. Na
maior parte dos casos, tanto umas como outras
realizam essas aprendizagens sem refletir, sem
discutir: limitam-se a imitar. Ou seja: aprendem
acriticamente.
A ciência não pode ser acrítica como o senso
comum. Pelo contrário, implica uma atitude
crítica por parte dos cientistas. Ou seja: para
fazer ciência é preciso refletir e ter uma
preocupação
permanente
com
a
fundamentação das ideias. Os cientistas
devem ter essa atitude crítica relativamente
às suas próprias ideias e relativamente às
ideias dos outros. De resto, essa atitude crítica
tem a ver com todas as características da
ciência aqui referidas (12).
•
Exemplo: um cientista que queira publicar um
artigo científico numa revista tem de
submetê-lo a um processo de avaliação que
costuma ser chamado “refereeing”: o artigo
tem de ser lido primeiro por especialistas da
área; o nome destes não é divulgado e estes
também não sabem quem é o autor do
artigo, para que a crítica possa ser mais livre
e imparcial (13).
O conhecimento do senso comum é
obtido
geralmente
pelas
observações
realizadas
pelos
sentidos. A bela letra desta música
abaixo, de Ivan Lins e Vitor Martins,
deixa isto claro (20):
Daquilo que eu sei
Nem tudo me deu clareza
Nem tudo foi permitido
Nem tudo foi concebido
Daquilo que eu sei
Nem tudo foi proibido
Nem tudo me foi possível
Nem tudo me deu certeza
Não fechei os olhos
Não tapei os ouvidos
Cheirei, toquei, provei
Ah! Eu usei todos os sentidos
Só não lavei as mãos
E é por isso que eu me sinto
Cada vez mais limpo...
(Ivan Lins e Vitor Martins. In: Lins, Ivan. Daquilo que eu sei. Rio de Janeiro: Polygram/Philips,1981)
• Há, pois, uma grande diferença entre nossas certezas
cotidianas e o conhecimento científico.
• Diríamos que o senso comum não tem por objetivo
e, por isso mesmo, não se caracteriza, pela
investigação, pelo questionamento, ao contrário da
ciência. Fica no imediato das coisas. É ditado pelas
circunstâncias, permeado pelas opiniões, emoções e
valores de quem o produz: "Quem ama o feio, bonito
lhe parece" e "Nossa amiga que rouba é
cleptomaníaca; o trombadinha é ladrão e marginal!
(15) "
JÁ O CONHECIMENTO CIENTÍFICO:
• Desconfia de nossas certezas, de nossa
adesão imediata às coisas, da ausência de
crítica;
• Onde o senso comum vê muitas vezes fatos e
acontecimentos, o conhecimento científico vê
problemas e hipóteses;
• Ele busca leis gerais para os fenômenos Ex.: a
queda dos corpos é explicada pela lei da
gravidade. Não acredita em milagres mas
acredita na regularidade, constância, frequência
dos fenômenos (16).
•É
generalizador,
pois
reúne
individualidades sob as mesmas leis,
sob as mesmas medidas. Ex.: a
química nos revela que a enorme
variedade de corpos se reduz a um
número limitado de corpos simples
que se combinam de modos variados
(17).
• A ciência deve dispor de uma linguagem
rigorosa cujos conceitos são definidos de modo
a evitar qualquer ambiguidade.
• O método científico pode ser quantitativo.
Nesse caso, busca medidas, padrões, critérios de
comparação e de avaliação para coisas que
parecem ser diferentes. Por isso, a matemática
se constitui em instrumento importante de
várias ciências. A ciência possui métodos
rigorosos para a observação, experimentação e
verificação dos fatos.
• Diferentemente do Senso Comum que
muitas vezes é marcado pelo sentimento,
o conhecimento científico se pretende
racional.
• Mas, apesar destas diferenças, é uma
verdade que no senso comum há
elementos do conhecimento científico,
bem como o conhecimento científico se
apropria dos saberes do senso comum
(18).
Imagem: Oren Jack Turner / Public domain
Imagem: Bill Shrout, Photographer / Public Domain
CIÊNCIAS
Imagem: Autor Desconhecido /
http://www.europanet.com.br/site/index.
php?cat_id=1109&pag_id=15760
Imagem: Autor Desconhecido /
http://caixadepandoran.blogspot.com/2
010/12/amuletos-e-talismas.html
SENSO COMUM
Tabela de Imagens
Slide
Autoria / Licença
27a Bill Shrout, Photographer / Public Domain
Link da Fonte
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:EPA_
GULF_BREEZE_LABORATORY,_CHEMISTRY_LAB.
_THE_CHEMIST_IS_TESTING_WATER_SAMPLES
_FOR_PESTICIDES_-_NARA_-_546277.tif
27b Oren Jack Turner / Public Domain
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Albert
_Einstein_Head_cleaned.jpg
28a Autor Desconhecido /
http://caixadepandoran.blogspot.com/2010/12
http://caixadepandoran.blogspot.com/2010/12 /amuletos-e-talismas.html
/amuletos-e-talismas.html
28b Autor Desconhecido /
http://www.europanet.com.br/site/index.php?
http://www.europanet.com.br/site/index.php? cat_id=1109&pag_id=15760
cat_id=1109&pag_id=15760
Data do
Acesso
02/02/2012
02/02/2012
02/02/2012
02/02/2012
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards