Enviado por Do utilizador5788

CLIMATÉRIO e MEDICINA CHINESA

Propaganda
ESCOLA BRASILEIRA DE MEDICINA CHINESA - EBRAMEC
INTERPRETAÇÃO E TRATAMENTO DO CLIMATÉRIO SOB DUAS
PERSPECTIVAS:
A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E A MEDICINA OCIDENTAL
São Paulo
2011
ILHAMAR PICKSIUS ZARDO
INTERPRETAÇÃO E TRATAMENTO DO CLIMATÉRIO SOB DUAS
PERSPECTIVAS:
A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E A MEDICINA OCIDENTAL
Trabalho de conclusão de curso apresentado
à Escola Brasileira de Medicina Chinesa,
como pré-requisito para obtenção do título de
Pós Graduação em Acupuntura.
Orientador: Profº Eduardo Jofre
Co-orientador: Profº. Dr. Reginaldo Filho
r
São Paulo
2011
AGRADECIMENTOS
Ao meu orientador, pela paciência e por ter me estimulado e gasto seu tempo
durante diversas vezes durante a elaboração, realização e conclusão deste trabalho.
Agradeço a todos os professores da Escola Brasileira de Medicina Chinesa –
EBRAMEC, que permeou a aquisição da titulação alcançada através do curso ofertado.
Ao fazer agradecimentos sempre ficam lacunas, por isto agradeço a todos os que
colaboraram para a realização deste projeto, seria imperdoável não agradecer aos autores e
pesquisadores que forneceram a matéria prima para este trabalho.
“Que os nossos esforços desafiem as impossibilidades.
Lembrai-vos que as grandes proezas da história foram
conquistas daquilo que parecia impossível”.
Charles Chaplin
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS
FPS – Filtro de Proteção Solar
GAN - Fígado
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas
IMK - Índice Menopausal de Kupperman
JING - Essência
MTC - Medicina Tradicional Chinesa
MS - Ministério da Saúde
OMS - Organização Mundial da Saúde
QI - Energia
SHEN - Rim
SOBRAC – Sociedade Brasileira do Climatério
TH – Terapia Hormonal
TRH – Terapia de Reposição Hormonal
WHI - Women’s Health Initiative
XUE - Sangue
RESUMO
O climatério é definido como uma fase biológica da vida e não um processo patológico,
que compreende a transição entre o período reprodutivo e o não reprodutivo.
Aproximadamente 60 a 80% das mulheres referem alguma sintomatologia
desagradável durante o climatério, sendo comuns os sintomas vasomotores e genitais.
Até 2030, mais de um bilhão de mulheres estarão na menopausa. A menopausa pela
medicina Ocidental ocorre pela com a falência ovariana e pela Medicina Tradicional
Chinesa é decorrente de um declínio natural e fisiológico da Essência do Rim (Shen) e
não é uma doença ginecológica. O presente trabalho tem como objetivo investigar a
forma de interpretação do climatério na Medicina Ocidental e na Medicina Tradicional
Chinesa e suas formas de tratamentos que venham contribuir para a saúde de
mulheres neste período.
Descritores: Saúde da Mulher, Menopausa, Climatério, Acupuntura.
ABSTRACT
The climacteric period is defined as a biological phase of life and not a pathological
process, which comprehends the transition between the reproductive and nonreproductive periods. Around 60 to 80% of the women refer to an unpleasant
symptomatology during the climacteric, during which veiny and genital symptoms are
common. Menopause, as per the Western medicine, happens with the ovarian failure
and as per the Traditional Chinese Medicine, it is due to a natural and physiological
decay of the Kidney Essence (Shen) and it is not a gynecological disease. The present
paper aims to investigate the Western Medicine’s and Traditional Chinese Medicine’s
form of interpretation of climacteric as well as its forms of treatment that may contribute
to the health of women who are found in such period.
Descriptors: Women’s Health, Menopause, Climacteric, Acupuncture.
SUMÁRIO
01 – INTRODUÇÃO
01
02 - REVISÃO DE LITERATURA
03
03 - INTERPRETAÇÃO DO CLIMATÉRIO NA MEDICINA OCIDENTAL
03
04 - MANIFESTAÇÔES E SINTOMAS DO CLIMATÉRIO NA MEDICINA OCIDENTAL
07
05 - TRATAMENTOS DO CLIMATÉRIO NA MEDICINA OCIDENTAL
11
06 - INTERPRETAÇÃO DO CLIMATÉRIO NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
18
07 - MANIFESTAÇÕES E SINTOMAS DO CLIMATÉRIO MA MEDICINA CHINESA
23
08 - TRATAMENTOS DO CLIMATÉRIO NA MEDICINA CHINESA
24
09 – MATERIAIS E MÉTODOS
33
10 – DISCUSSÃO
34
11 - CONSIDERAÇÕES FINAIS
39
12 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
40
INTRODUÇÃO
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), até 2030, mais de 1
bilhão de mulheres estarão na menopausa. No Brasil, estima-se segundo o Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que mais de 13,5 milhões de mulheres
passam pelo climatério (BAYER HEALTH CARE, 2010). As mulheres são a maioria da
população brasileira e as principais usuárias do Sistema Único de Saúde (BRASIL,
2008).
A expectativa de vida para as mulheres brasileiras considerando todas as
cores e raças, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2000), está em
torno dos 72,4 anos. No caso das mulheres negras esta expectativa é reduzida em 4
anos. Após a menopausa – que ocorre em torno dos 50 anos – as mulheres dispõem
de cerca de 1/3 de suas vidas, que podem e devem ser vividos de forma saudável,
lúcida, com prazer, atividade e produtividade (BRASIL, 2008).
A menstruação e a menopausa são fenômenos naturais da fisiologia
feminina e por longo tempo foram tratados como incômodos e vistos como doença.
Ainda nos dias de hoje há uma idéia presente que associa feminilidade aos aspectos
da fertilidade e da juventude. A discriminação de gênero, que interfere nas relações
sociais e culturais, pode fazer com que as mulheres no climatério e especialmente após
a menopausa venham a se sentir incompetentes e incapazes de desempenhar
normalmente suas atividades ou empreenderem-se em novos projetos de vida. Podem
também vir a desenvolver alguma insegurança quando atingem a menopausa, seja
pelo medo de adoecer ou pela maior consciência do processo de envelhecimento
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008).
O climatério é definido pela Organização Mundial da Saúde como uma fase
biológica da vida e não um processo patológico, que compreende a transição entre o
período reprodutivo e o não reprodutivo da vida da mulher. A menopausa é um marco
dessa fase, correspondendo ao último ciclo menstrual, somente reconhecida depois de
passados 12 meses da sua ocorrência e acontece geralmente em torno dos 48 aos 50
anos de idade (BRASIL, 2008).
Aproximadamente 60 a 80% das mulheres referem alguma sintomatologia
desagradável durante o climatério, sendo comuns os sintomas vasomotores e genitais
(FREEMAN, et al, 2007). Os homens pouco conhecem acerca do climatério e as suas
implicações para a saúde da mulher (DE LORENZI, 2009).
1
A ciência médica ocidental, fragmentada e especializada, é baseada nos
estudos experimentais da bacteriologia, fisiologia, farmacologia e pesquisa clínica. A
identificação do nome da doença é desejável antes do tratamento e as drogas usadas
são compostas principalmente de químico sintéticos. Além das suas diversas drogas
potentes, a medicina ocidental usa efetivamente a cirurgia para corrigir os danos
devidos a trauma, desordens genéticas ou distúrbios orgânicos (HONG JIN PAI, et al,
2010).
A medicina ocidental enfoca exclusivamente sobre o local e o mecanismo
de uma enfermidade. A medicina chinesa, por outro lado, centraliza no ajuste do
organismo inteiro, ela é uma filosofia, assim como uma terapia do corpo, e, portanto
mais de abordagem orgânica do que mecanicista orgânico (HONG JIN PAI, et al,
2010).
A questão da qualidade de vida no climatério, a despeito da sua
importância na atualidade, infelizmente é pouco explorada no Brasil. A maioria dos
estudos disponíveis tem sido realizada em outros países, não sendo sempre possível a
transposição dos seus resultados para a realidade brasileira, em razão de diferenças
culturais e socioeconômicas. Além disso, as poucas pesquisas realizadas no país
incluem populações restritas a serviços de saúde isolados, o que dificulta a
extrapolação de seus resultados para a população em geral (DE LORENZI, 2006).
Para superar as perdas e ameaças dessa fase da vida da mulher
climatérica é preciso criar e praticar políticas públicas responsáveis e humanizadoras
no que tange à saúde da mulher, concebendo-a de forma integral em todas as fases
do seu viver (PEREIRA, et al, 2008).
Surge então a necessidade de realizar este estudo sobre a interpretação e
o tratamento do climatério na visão da Medicina Tradicional Chinesa e da Medicina
Ocidental. O objetivo final é juntar o melhor da medicina chinesa com o melhor da
medicina ocidental para beneficiar mulheres que estão na fase do climatério, isto irá
prover o mundo com um melhor sistema de saúde mais completo e mais satisfatório.
2
REVISÃO DE LITERATURA
INTERPRETAÇÃO DO CLIMATÉRIO SEGUNDO A MEDICINA OCIDENTAL
Ao longo da vida, a mulher vivencia mudanças de diversas naturezas, como
o evento da menarca, da iniciação sexual, da gravidez e da menopausa. As alterações
hormonais que levam ao fim do período reprodutivo, marcado pela menopausa, exigem
adaptações físicas, psicológicas e emocionais. Antigos conflitos podem emergir e são
revividos nesta fase. O metabolismo como um todo sofre algumas alterações,
especialmente relacionadas às funções do sistema endócrino e diminuição da atividade
ovariana. Os órgãos genitais assim como o restante do organismo mostram,
gradualmente, sinais de envelhecimento. Assim, o evento da menopausa pode ser
vivenciado, por algumas mulheres, como a paralisação do próprio fluxo vital. Se
insatisfeitas e desmotivadas, pode colocar em dúvida tudo o que têm feito, com a
sensação de que tudo está errado, sem saber bem o quê. É uma sensação de que tudo
se “desorganizou”, que a vida é um caos. Muitas se referem a uma “sensação de
tragédia eminente” (MANUAL DO CLIMATÉRIO, 2008).
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), até 2030, mais de 1
milhão de mulheres estarão na menopausa. No Brasil, estima-se, segundo o Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que mais de 13,5 milhões de mulheres
passam pelo climatério (BAYER HEALTH CARE, 2010).
Os primeiros indícios do climatério são bíblicos e, foram relatados por Sara,
quando sua menstruação cessou assim como alguns conflitos sócio-econômicos e
psicológicos passaram a ter maior relevância, determinados “ao findar suas regras”
(BÍBLIA, Gênesis, cap. 18. V. 11, p. 30).
O climatério é definido pela Organização Mundial da Saúde como uma fase
biológica da vida e não um processo patológico, que compreende a transição entre o
período reprodutivo e o não reprodutivo da vida da mulher. A menopausa é um marco
dessa fase, correspondendo ao último ciclo menstrual, somente reconhecida depois de
passados 12 meses da sua ocorrência e acontece geralmente em torno dos 48 aos 50
anos de idade (BRASIL, 2008). O Climatério, termo derivado da palavra Klimater (ponto
crítico), envolve a fase da meia idade que vai desde os 35 aos 60 anos da mulher.
(LORENZI, 2005).
3
No século XVI, 28% das mulheres viviam o suficiente para alcançar a
menopausa e somente 5% sobreviviam mais de 75 anos. Atualmente em muitos países
desenvolvidos, 95% das mulheres atingem a menopausa e 50% delas ultrapassam os
75 anos de idade. Nos dias atuais, 10% da população mundial têm mais de 50 anos.
No Brasil, a população de mulheres com 50 anos ou mais, no ano de 2002, foi de
14.508.639, com algumas diferenças de acordo com a região (SOBRAC, 2003).
A ciência médica ocidental, fragmentada e especializada, é baseada nos
estudos experimentais da bacteriologia, fisiologia, farmacologia e pesquisa clínica. A
identificação do nome da doença é desejável antes do tratamento e as drogas usadas
são compostas principalmente de químico sintéticos. Além das suas diversas drogas
potentes, a medicina ocidental usa efetivamente a cirurgia para corrigir os danos
devidos a trauma, desordens genéticas ou distúrbios orgânicos (HONG JIN PAI, et al,
2010).
O estudo do climatério, período de transição para o envelhecimento
feminino, passou a ocupar um lugar de destaque à medida que Fries exaltou a
possibilidade de senescência linear, isto é, um viver relativamente saudável até bem
próximo da morte, postergando a doença e reduzindo a morbidade. Seria a
manutenção adequada do vigor e das funções, pelo maior tempo possível (ALMEIDA,
2003).
O climatério é um período que antecede a menopausa propriamente dita, é
um processo em que os hormônios femininos progridem para uma fase de diminuição
gradual e desequilíbrio nos seus níveis de produção e de atividade desencadeado por
manifestações neurogênicas, psicogênicas e metabólicas e, tardiamente, caso não
sejam tratados, às manifestações urogenitais (DE LORENZI, et al, 2005).
Não há estudos epidemiológicos de base populacional realizado em
mulheres brasileiras, sendo que os estudos nacionais a respeito da idade à menopausa
foram calculados apenas em mulheres que freqüentam serviços médicos e, portanto,
considerados não representativos da população geral. Existem poucos dados sobre
essas questões em populações latino-americanas, que diferem em estilo de vida e
hábitos reprodutivos de populações de países desenvolvidos (PEDRO, et al, 2002).
Evidentemente, grande parte das mulheres inicia um período de transição
que, equivale em dimensão e abrangência, às transformações da adolescência e
gravidez, porém, enquanto estas fases são geralmente bem vindas e comemoradas
com alegria, o climatério e a menopausa são fases carregadas de conotações
negativas, segredos e desinformações, ou seja, a ausência definitiva da menstruação
que é “visível” a qual pode esconder questões “invisíveis” (TRENCH; SANTOS, 2005).
4
O esgotamento folicular inicia-se ainda na vida intra-uterina, na 22ª semana
de gestação, o ovário possui entre seis e oito milhões de oócitos primários que, por
meio de um processo contínuo de atresia, reduzem-se a dois milhões no nascimento e
a 300.000 ou 400.000 na menarca. O processo de atresia continua-se a cada ciclo
menstrual até o total esgotamento folicular, levando a uma queda progressiva de
secreção de estradiol, com manifestações sistêmicas. A suspensão definitiva dos ciclos
menstruais ou menopausa reflete a ausência de níveis de estradiol suficientes para
proliferar o endométrio (ALDRIGHI, et al. 2002).
É importante ressaltar que a cultura ocidental é caracterizada por ocultar a
jovialidade e todos sentem que devem permanecer jovens. Esta é uma forma de
enganar-se a si próprio, pois cada um envelhecerá gradualmente, o que fazer parte do
ciclo vital (DEECKEN, 1998).
Algumas pessoas conseguem vero seu processo de envelhecimento de
forma salutar, outras não, deixando ser levadas por um vazio existencial, ou seja, não
encontram os seus espaços, levando a crises existenciais que repercutem no seu
envelhecimento (FRANKL, 1999, apud, PELZER, 2002).
MORI e COELHO (2004) fixam que a menopausa não é a única questão
que preocupa a mulher na meia-idade. A compreensão do fenômeno da meia-idade
feminina nos exige, ainda, considerar aspectos socioculturais, tais como: a descrição
de alguns sintomas e como estes afetam a força de trabalho; a questão das atividades
e das emoções; a questão da vivência de diferentes papéis como mãe, esposa, mulher
e trabalhadora.
A base nutricional e o estado metabólico do sistema neuroendócrino, o
biótipo, a personalidade, assim como o próprio genótipo e fenótipo, constituem
mediadores relevantes na expressão da síndrome climatérica (VISBAL, et al, 1998).
Em geral, para algumas, com o passar da idade, envelhecer se torna
preocupante e isso as torna pessoas mais vulneráveis a transtornos físicos e psíquicos.
A fase da vida que as mulheres têm para descansar, viver intensamente e com
qualidade é transformada em medo, angústia, isolamento social e sofrimento – não
para todas idosas, mas para uma boa parcela (LIMA, 2009).
O climatério pode ser dividido em: pré, peri e pós menopausa, segundo a
Sociedade Internacional de Menopausa (FERNANDES; BARACAT; LIMA. 2004). A prémenopausa inicia-se, em geral, após os 40 anos, em mulheres com ciclos menstruais
regulares ou com padrão menstrual similar ao que tiveram durante sua vida
5
reprodutiva. Há também diminuição da fertilidade. A perimenopausa, ou transição
menopausal, começa dois anos antes da última menstruação e estende-se até um ano
após. As mulheres apresentam ciclos menstruais irregulares e alterações endócrinas
(hormonais). A pós-menopausa começa um ano após o período menstrual. É
subdividida por sua vez, em precoce (até e anos da ultima menstruação) ou tardia
(mais de 05 anos) (FERNANDES; BARACAT; LIMA. 2004).
Apesar de ser reconhecida há séculos, é a menopausa considerada um
fenômeno essencialmente moderno. O envelhecimento relativamente recente na
história da humanidade e este crescimento da população “construtiva” (maior número
de pessoas com mais idade) são definidos como retangularização da sociedade
moderna. Este processo de transição demográfica ou epidemiológica trouxe um
conceito novo: “a expectativa de envelhecer” (SOBRAC, 2003).
Segundo FERNANDEZ, GIR e HAYASHIDA (2004), a mulher climatérica,
ao vivenciar essa fase, busca um reajuste, influenciado por aspectos sociais,
psicológicos, físicos e sexuais, reelaborando sua sexualidade, evoluindo de simples
instinto reprodutivo para formas de prazer e valorização priorizadas por toda espécie
humana.
A importância do escutar a mulher nesta fase é fundamental para um
diagnóstico e acompanhamento adequado (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008).
6
MANIFESTAÇÕES E SINTOMAS DO CLIMATÉRIO NA MEDICINA OCIDENTAL
As manifestações do climatério e da menopausa variam bastante. O
primeiro sintoma que surge nessa fase é a irregularidade menstrual, com atrasos
menstruais, excessos ou encurtamento dos ciclos. (SAÚDE ATIVA, Ed. 26, 2011).
Aproximadamente 60 a 80% das mulheres referem alguma sintomatologia
desagradável durante o climatério, sendo comuns os sintomas vasomotores e genitais
(FREEMAN, et al, 2007). Os homens pouco conhecem acerca do climatério e as suas
implicações para a saúde da mulher (DE LORENZI, 2009).
Os sinais e sintomas típicos do climatério são pouco conhecidos pelas
mulheres nesta faixa etária. E quando elas relacionam algum sinal, geralmente não
traduzem isso como uma necessidade de busca por assistência. E também os próprios
serviços de saúde parecem não estar preparados para receber e assistir mulheres com
tais manifestações (PEDRO, et al, 2002).
Em 85 a 90% das mulheres os sintomas se resolvem em 4 a 5 anos
(GRADY, 2006). Sabe-se, no entanto, que quando vivenciados podem levar a
distúrbios do sono e até mesmo contribuir para sintomas mais graves, como a
depressão (SILVA FILHO e COSTA, 2008).
A maioria das mulheres apresenta algum tipo de sinal ou sintoma no
climatério, que varia de leve a muito intenso na dependência de diversos fatores.
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008).
A mulher no climatério apresenta com freqüência sintomatologia sugestiva
de depressão. Além das questões biológicas que podem interferir nesses fenômenos, a
rede de relações e atividades psicossociais pode alterar a presença de sintomas
depressivos (NIEVAS, 2006).
Estima-se que um terço das mulheres sofrerá pelo menos um episódio de
depressão durante a vida, com prevalência de 9% no climatério. Alguns fatores
favorecem o surgimento da condição, como o medo de envelhecer, sentimento de
inutilidade e de ausência de afetividade (SUAU, et al, 2005). As complicações de um
episódio depressivo maior, além do risco de suicídio são as dificuldades sociais,
matrimoniais, profissionais, tendo como conseqüência, à redução da qualidade de vida
(STOPPE JUNIOR, 2006).
7
O climatério é uma fase de profunda vulnerabilidade para as mulheres, onde
crises depressivo-ansiosas podem ocorrer sob influência de diversos fatores
desencadeantes e o profissional de saúde, que trabalha com mulheres nesta fase de
vida, deve estar preparado para reconhecer e agir com presteza de forma a melhorar a
qualidade de vida da mulher climatérica (POLISSENI, et al, 2008).
O padrão da sexualidade se altera, pela insuficiência ovariana, que gera
perda da libido. A queda dos níveis hormonais acarreta diminuição da circulação
sanguínea vaginal associada à redução da secreção vaginal e aumento do PH
(FERNANDES; GIR; HAYASHIDA, 2005).
O Climatério é normalmente acompanhado pela diminuição do tônus da
musculatura do períneo. Devido ao hipoestrogenismo ocorrem distopias e disfunções
da uretra e da bexiga É também nesta fase de climatério que mais freqüente, ocorrem
patologias clínicas como hipertensão arterial, cardiopatias, diabetes, que comprometem
o bem estar geral e podem ocasionar disfunções sexuais (CHEDID, 2001, pg. 75). A
hipertensão arterial acomete a mulher geralmente a partir da instalação do climatério
(entre 45 e 55 anos) (SANTOS, et al, 2004).
Outros autores valorizam a presença de sintomas como os fogachos, os
quais, ao interferir no sono da mulher, determinariam o aparecimento dos quadros
depressivos em longo prazo (Teoria Dominó) (SOARES, 2008). Estudos
epidemiológicos indicam que menos de 25% das japonesas e 18% das chinesas
referem fogachos, em comparação a 85% das americanas e 70-80% das européias.
(SOBRAC, 2010).
As queixas psíquicas mais freqüentes são a insônia, irritabilidade,
ansiedade, depressão e disfunções sexuais, devendo-se incluir as alterações do
desejo, da excitação, do orgasmo e mais dolorosas. A síndrome climatérica é mais
exacerbada em mulheres que perderam seu papel social e não encontraram novos, ou
seja, não redefiniram seus objetivos existenciais. As doenças crônicas e sistêmicas
afetam física e emocionalmente, enquanto que as doenças vulvares e pélvicas
acarretam desconforto e determinam problemas na área sexual, podendo, assim,
intensificar a sintomatologia climatérica (PINOTTI, et al, 1995).
Estudos epidemiológicos mostram que 20% das mulheres que vivenciam o
período climatérico apresentam perda involuntária de urina, 26% na fase reprodutiva
têm esta manifestação e os percentuais elevam-se para 30% a 40% após a
menopausa (BASTOS, 2001).
8
Além desses sintomas, várias patologias, sejam degenerativas (como
hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e doença Alzheimer) ou relacionadas à
deficiência hormonal (como osteoporose e atrofia genital) vem ganhando importância
no grupo de mulheres no climatério, sendo um importante alvo para medidas de
prevenção e diagnóstico precoce, podendo muitas vezes reduzir a morbidade e
mortalidade pós-menopausa (GRADY, 2006).
Após a menopausa, com a redução total na secreção dos estrogênios,
pode-se observar por meio de marcadores químicos, que a formação óssea esta
aumentada nas mulheres em 40%, contra um aumento aproximado de 90% na
reabsorção. Caracteriza-se, assim, uma perda constante de massa óssea, mais
acelerada durante uns três ou quatro anos após a menopausa, com atenuação na
velocidade de redução nos anos seguintes, mas que pode desgastar de 1% a 3% de
osso cortical e 5% de osso trabecular a cada ano (BORELLI, 2000).
As mulheres pós-menopausadas se queixam freqüentemente de perda de
cabelo, porque têm maior quantidade de pêlos na fase telógena ou de repouso
(CHOTNOPPARATPATTARA, 2001, apud, CARDOSO, 2011). Após a menopausa, a
perda de colágeno é de 2,1% ao ano, independentemente da idade cronológica da
mulher. De fato, cerca de 30% do colágeno da pele são perdidos nos primeiros cinco
anos depois da menopausa (VARILA, et al, 1995).
Na 4ª e 5ª décadas da vida, muitas mulheres começam a observar
alterações na sua pele, grande parte delas associadas à menopausa. De fato, os
estudos mostram um declino agudo na espessura da pele nas mulheres depois dos 50
anos (SHULMAN, 2004).
A grande maioria das mulheres se preocupa com o aspecto estético. O
hipoestrogenismo do climatério interfere na manutenção do colágeno da pele. O
excesso de exposição ao sol, o uso do tabaco, a baixa ingestão de líquidos também
podem atuar sobre a pele, de modo a acentuar os processos degenerativos, além do
que, pelo hábito de externar, na expressão corporal, e especialmente, na expressão
facial, as tensões e os sentimentos, surgem marcas e rugas (LOPES, et al, 2008).
O diagnóstico da menopausa é essencialmente clínico e retrospectivo: uma
mulher entre os 45 e os 52 anos de idade, com amenorréia de pelo menos um ano,
sem que se identifiquem outras causas para a amenorréia, ou com irregularidades
menstruais e perturbações vasomotoras, está, seguramente, na fase da menopausa
(ANTUNES, et al, 2003).
9
As perturbações vasomotoras, que incluem os «afrontamentos» e os
suores, constituem a sintomatologia mais freqüentes, da mulher menopáusica,
atingindo cerca de 60-80% das mulheres (ANTUNES, 2003), os relatos de incidência
dos sintomas vasomotores (ou fogachos), atinge 10% das mulheres em Hong Kong, a
62% na Austrália, 68% no Canadá e até 83% na Inglaterra (SOBRAC, 2006), são mais
intensos nos dois primeiros anos da menopausa. Em geral, cessam espontaneamente
aos cinco anos de menopausa (ANTUNES, 2003).
Além desses sintomas, várias patologias, sejam degenerativas (como
hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e doença Alzheimer) ou relacionadas à
deficiência hormonal (como osteoporose e atrofia genital) vem ganhando importância
no grupo de mulheres no climatério, sendo um importante alvo para medidas de
prevenção e diagnóstico precoce, podendo muitas vezes reduzir a morbidade e
mortalidade pós-menopausa (GRADY, 2006).
Segundo COUTINHO (1996), as alterações metabólicas mais marcantes na
menopausa, pode apresentar-se na forma de algumas doenças como osteoporose,
arteriosclerose, hipertensão e diabetes.
10
TRATAMENTO DO CLIMATÈRIO NA MEDICINA OCIDENTAL
O consenso atual é que a qualidade de vida seja o norteador de qualquer
intervenção no climatério (DE LORENZI, et al, 2005). Em parte, a preocupação atual
com os aspectos relacionados à qualidade de vida ao longo do ciclo humano originouse do reconhecimento pelos profissionais de saúde da importância dos sentimentos e
percepções dos indivíduos, bem como da monitorização do seu bem estar frente a
medidas terapêuticas tomadas com vistas a prolongar a vida, aliviar a dor, restaurar
funções ou prevenir incapacidades (TESTA, et al, 1996).
A assistência ao climatério está se expandindo para além dos aspectos
biológicos relacionados ao hipoestrogenismo, passando a considerar também a
influência de fatores culturais e psicossociais, na busca de um cuidado mais integral e
efetivo. Para tanto, é necessário que os profissionais de saúde, médicos ou não,
procurem perceber a mulher climatérica na sua integridade, individualizando as suas
necessidades e disponibilizando tanto medidas de promoção à saúde, como
terapêuticas e de reabilitação com vistas a proporcionar-lhe uma melhor qualidade de
vida (GONÇALVES, et al, 2003).
Infelizmente, no Brasil, a mulher climatérica nem sempre encontra o
acolhimento necessário ao atendimento de suas necessidades. A assistência médica é
geralmente fragmentada, propondo intervenções meramente curativas, ainda que o
climatério não seja um estado mórbido, mas uma etapa normal do envelhecimento
feminino (BERNI, et al, 2007). É preciso que os profissionais de saúde busquem o que
está oculto por trás da queixa referida, quais os seus anseios e necessidades
(GONÇALVES, et al, 2005).
Os fogachos são os sintomas mais comuns relacionados ao período do
climatério, e a principal razão da procura por tratamento médico. Ocorrem em mais de
50% das mulheres no período de transição menopausal e podem persistir por alguns
anos após a menopausa; para algumas, podem interferir nas atividades rotineiras ou no
sono, de forma que algum tipo de tratamento se torna necessário (NELSON, 2006).
Terapia hormonal com estrogênios isolado à progesterona é o tratamento
disponível mais efetivo para aliviar os sintomas climatéricos experimentados por muitas
mulheres, incluindo fogachos, secura vaginal, sintomas urinários e labilidade emocional
(NELSON, 2006).
11
Desde a publicação do Women’s Health Initiative (WHI), em 2002, as
prescrições anuais de terapia estrogênica nos Estados Unidos reduziram de 91 milhões
de usuárias, em 2001, para 57 milhões de usuárias, em 2003 (HERSH, 2004). Ainda
assim, o estrogênio permanece como medicação de primeira linha para os sintomas
vasomotores, desde que sejam respeitadas suas contra indicações (JENKINS, 2008).
Contudo, para mulheres que experimentaram efeitos adversos significativos, que não
desejam o tratamento hormonal ou para as quais esta conduta é contra indicada, há
alternativas, como medicamentos não hormonais e outras formas de terapia não
medicamentosa, como a acupuntura e a medicina antroposófica (MANUAL DO
CLIMATÈRIO, 2008).
A segurança da TRH para as mulheres ficou abalada após a publicação
parcial e interrupção do estudo americano multicêntrico, duplo-cego, controlado com
placebo e randomizado, realizado por pesquisadores do Women’s Health Initiative
(WHI). Os riscos globais excediam os benefícios, houve um aumento significativo do
risco de doença arterial coronariana, de acidente vascular cerebral, de
tromboembolismo venoso; um decréscimo significativo do risco de câncer de cólon e do
risco total de fraturas e, quanto ao câncer de mama, apresentou uma relação de risco
em razão do tempo de duração da terapia (JAMA, 2004, apud, VIGETA, et al, 2004).
O WHI (Women’s Health Initiative) demonstrou que na terapia hormonal o
uso combinado de estrógenos e progestógenos podem trazer aumento do risco de
câncer de mama, doenças coronárias, tromboembolismo, acidente vascular cerebral e
demência (BRETT e KEENAM, 2007). Análises posteriores revelaram que a TH
aumenta o risco de demência e incontinência (FUGH-BERMAN, 2010).
Em 2009, outro estudo reduziu o período de segurança para dois anos.
Desde então, há médicos indicando a terapia mais cedo, até antes do início da
menopausa. Publicado no "The Journal of National Cancer Institute", o novo estudo
inglês mostrou que entre as mulheres que nunca fizeram a terapia hormonal, a taxa de
risco para o câncer foi de 0,3%. O índice passou para 0,46% em mulheres que
começaram a tomar os hormônios cinco ou mais anos após a menopausa começar. Já
entre aquelas que adotaram a terapia antes ou até cinco anos após a menopausa, a
taxa foi para 0,61%.Segundo a autora principal do estudo, Valerie Beral Dame,
professora de Oxford, o risco continuou aumentado em mulheres que tomaram a droga
por menos de cinco anos (FOLHA DE SÃO PAULO, 2011, apud, LIGA CONTRA O
CÂNCER, 2011).
Resultados de um novo relatório da Iniciativa da Saúde da Mulher (WHI), nos
Estados Unidos, mostraram que a terapia hormonal está associada com um maior risco
12
de morte por câncer de mama, bem como um maior risco de desenvolver doença
invasiva em mulheres na pós-menopausa (JEAN WACTAWSKI-WENDE, 2010).
Uso da TRH para problemas da menopausa deve ser cauteloso, já que
estudos apontam que os riscos tendem a exceder os benefícios. Foi revelado um
aumento significativo do risco de doença arterial coronariana, de acidente vascular
cerebral, de tromboembolismo venoso; e um decréscimo significativo do risco de
câncer de cólon e do risco total de fraturas e quanto ao câncer de mama, apresentou
uma relação de risco em razão do tempo de duração da terapia (VIGETA; BRETAS,
2004).
Segundo BARNABEI (2002), a Terapia de Reposição hormonal reduz os
fogachos, os distúrbios do sono e o ressecamento vaginal, mas nas dosagens usuais
está associada com alterações vaginais, irritação genital, sangramento uterino e
alterações mamárias.
Transformar os signos da menopausa em sintomas torna as mulheres mais
vulneráveis à medicalização e habilita a pensar a menopausa como uma enfermidade e
não um fato natural (MEDONÇA, 2004). Este tipo de abordagem tem sido feita por
muitos profissionais da saúde, fortemente influenciados pelas propagandas da indústria
farmacológica (MORI; COELHO, 2004). Somado a isso, é preciso assinalar a imensa
pressão dos fabricantes para preservar seus ganhos (ROZENFELD, 2004).
Sabe-se que a TRH trata-se de um método terapêutico polêmico. Há tempos
existem entre os profissionais médicos opiniões favoráveis e posições contrárias ao
uso de hormônios, por isso o emprego desta terapêutica deve ser muito criterioso
(MORI; COELHO, 2004).
O tratamento medicamentoso será dependente da necessidade de cada
pessoa. No caso de haver indicação dele, cabe ao médico esclarecer os porquês, as
vantagens e inclusive os riscos. Portanto, deve ser coerente com a opinião e a
compreensão de cada uma, para que, uma vez prescrito, seja efetivamente seguido. E
é importante alertar que deva ser seguido por um tempo prolongado, que exigirá
controle periódico e reavaliações (LOPES, et al, 2008).
O tratamento hormonal (TH), embora abranja riscos, pode trazer benefícios
inegáveis e sua indicação pretende corrigir os danos causados pelo hipoestrogenismo,
que é a tônica após a menopausa. O esquema de administração hormonal deve ser
individualizado, em especial no tangente à associação de estrogênios e
progestagênios, avaliando eventuais (e geralmente indesejáveis) sangramentos
13
genitais. A melhora dos sintomas vasomotores e urogenitais, assim como a melhora da
osteoporose são alguns de seus benefícios (LOPES, et al, 2008).
Fonte: Nilton Busso, ginecologista (Editoria de Arte/Folhapress).
14
Segundo o MINISTÉRIO DA SAÚDE (2008), na Perimenopausa, que pode
ser definida como o período de tempo próximo da menopausa, as alterações
hormonais tornam-se mais intensas, gerando um encurtamento ou alongamento dos
ciclos, além daqueles considerados normais. A maior parte dos ciclos são
anovulatórios, podendo gerar sangramentos irregulares. Essa irregularidade também
está relacionada com o hiper estímulo estrogênico sem contraposição da progesterona,
resultando em alterações endometriais. Nesta fase, uma vez que já não há produção
da progesterona suficiente pelo corpo lúteo, pode ser necessária a complementação de
progesterona cíclica, para evitar hemorragias, indesejáveis em qualquer período da
vida das mulheres e indicativas de investigação endometrial.
A freqüência das neoplasias malignas é maior no período após a
menopausa. Desta forma, ações de detecção e diagnóstico precoces devem ser
disponíveis, pois contribuem para a prevenção, tratamento em fases iniciais e aumento
da sobrevida das mulheres (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008).
Reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de
Medicina em 1980, a homeopatia tem evoluído muito tanto na abordagem da paciente
como no diagnóstico e tratamento de distúrbios do gênero feminino. Estudos indicam
que um tratamento homeopático da síndrome de climatério apresenta relevante
redução dos sintomas psíquicos, dos desequilíbrios emocionais e das queixas de
ondas de calor, entre outros (CAMPOS, 2008).
A Fitoterapia na atualidade, tem se mostrado como importante opção
terapêutica no climatério, especialmente no tratamento da sintomatologia associada
(MANUAL DO CLIMATÉRIO, 2008).
Após a publicação dos resultados do The Women¨s Health Initiative – WHI
em 2002, sendo um marco significativo, houve aumento da procura das terapias
alternativas e complementares pelas mulheres de meia idade (ROSSOUW, et al,
2002). Nos Estados Unidos da América, referem que 45% das mulheres na menopausa
fazem uso de terapias alternativas ou complementares nos últimos doze meses, pelas
mais variadas razões, sendo apenas 3% específico para menopausa (BRETT e
KEENAM, 2007).
O Ministério de Saúde apresentou a Política Nacional da Medicina Natural
e Práticas Complementares no Sistema Único de Saúde em fevereiro de 2005, com a
intenção de implementar experiências que já vêm sendo desenvolvidas na rede pública
de muitos municípios e estados, destacando-se a MTC/Acupuntura (BRASIL, 2005).
15
De acordo com LOPES e colaboradores (2008), cada vez mais têm sido
solicitados ao médico os produtos fitoterápicos com ação fitormonal. Sua ação é eficaz
quanto aos sintomas e mesmo sobre a lipidemia e, talvez, sobre ossos, mas menos
evidente que com hormônios. Têm a grande vantagem de não atuarem
perniciosamente no tecido endometrial e mamário. No entanto, muitas sociedades
médicas põem em dúvida sua ação, porque alegam que os estudos com eles são
poucos e de curta duração. Apesar disso, os medicamentos produzidos com eles são
licenciados pelas agências reguladoras (no Brasil, a ANVISA).
Entre eles, os mais utilizados para o climatério são o Glycine Max, Trifolium
pratense e a Cimicifuga racemosa, apesar de existirem outros fitoterápicos com esta
finalidade (MANUAL DO CLIMATÉRIO, 2008).
O sedentarismo, por sua vez, favorece a perda da massa muscular, a
redução da taxa de repouso e da capacidade aeróbica, bem como uma maior
resistência insulínica e o acúmulo de adiposidade. Estudos demonstraram que
mulheres climatéricas com atividade regular tendem a manifestar menos sintomas
somáticos e uma melhora do humor, bem como um alívio nas ondas de calor (UEDA, et
al, 2000).
A Atividade física regular contribui também para a preservação da
mobilidade articular e o fortalecimento muscular, melhorando a coordenação motora.
Além disso, aumenta a densidade mineral óssea, melhora a capacidade respiratória e o
perfil lipídico, diminui a freqüência cardíaca de repouso e a gordura corporal, além de
normalizar a pressão arterial, contribuindo assim, para uma menor incidência de comorbidade, ósseas e cardiovasculares (NADAI, et al, 1999).
A deficiência de estrógenos, como alterações do perfil lipídico, o ganho de
peso e o sedentarismo são considerados os principais fatores para a maior prevalência
de hipertensão arterial em mulheres no climatério. Na tentativa de reduzir a incidência
da hipertensão arterial nessa população, diversas abordagens têm sido empregadas
porém a maioria dos trabalhos mostra que, nesse momento, uma mudança de estilo de
vida parece ser a melhor estratégia para o controle da hipertensão arterial e de seus
fatores de risco nessa fase de vida da mulher – entre elas a prática de exercício físico
regular (ZANESCO e ZAROS, 2009).
A ingestão de cálcio (1,5 gramas ao dia) e a prática de exercícios físicos são
consideradas medidas de grande importância para a prevenção de osteoporose. A
reposição de vitamina D também é benéfica, especialmente em mulheres após 70 anos
de idade ou incapacitadas de se expor a luz solar (MONTILLA, et al, 2004).
16
Os cuidados com a pele da mulher climatérica, segundo o MINISTÉRIO DA
SAÚDE (2008), inicia-se desde a juventude, com cuidados na exposição ao sol em
horários e durante períodos adequados (início da manhã e final da tarde), boa
alimentação e não tabagismo. As conseqüências da falta de atenção com esses
aspectos são visíveis precocemente nas mulheres em idades mais maduras, com
perda da elasticidade, manchas e rugas em maior número e profundidade. É
necessário estimular hábitos saudáveis e cuidados básicos de limpeza, hidratação e
proteção à pele para que esta seja conservada com a melhor aparência possível
durante o processo natural de envelhecimento.
A limpeza (pele) deve ser feita regularmente, ao menos duas vezes ao dia
(manhã e noite). A limpeza da face e do colo, na maioria das vezes, necessita somente
água fresca em abundância, com auxílio de um sabonete neutro, nos casos de pele
oleosa. O pescoço demonstra precocemente os efeitos do adelgaçamento da pele e o
envelhecimento. Portanto, nunca deve ser esquecido durante os cuidados com a pele.
Quando possível, o uso de um tônico (sem álcool) para fechar os poros após a limpeza
é recomendado (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008).
O uso diário de um filtro solar com FPS 15 ou maior (preferentemente acima
de 30), com base umectante no rosto, pescoço e mãos todas as manhãs após a
limpeza, permite que a pele seja protegida dos efeitos nocivos do sol e conserve a
umidade necessária às células cutâneas. Deve ser reaplicado periodicamente a cada
três ou quatro horas, sempre que possível após nova limpeza com água. Uma máscara
natural de tratamento pode ser feita com ingredientes como aveia, mel, iogurte sem
açúcar e frutas como maçã, banana ou morango. Pode ser aplicada sobre a pele uma
vez por semana, durante 15 minutos, devendo ser retirada completamente, com água
em abundância. É recomendado não haver exposição ao sol durante ou após o uso de
máscaras (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008).
A ingestão de água, chás e sucos contribui para a boa hidratação e beleza
da pele, que se origina principalmente de dentro para fora, da saúde interna
(MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008).
17
INTERPRETAÇÃO DO CLIMATÉRIO SEGUNDO A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
A Medicina Tradicional Chinesa surgiu ha milhares de anos na China e é
constituída por um conjunto de modalidades de tratamento e de meios de diagnósticos
que foram construídos a partir de uma concepção holística sobre a natureza do ser
humano e suas relações com o mundo que o cerca e do qual faz parte. Está incluída
entre as práticas médicas tradicionais ou de cunho popular. Dentro deste grupo é a
Medicina que possui mais prestígio em nível mundial (SÂO PAULO, 2002).
As modalidades de tratamento na MTC são: acupuntura, Fitoterapia,
orientações alimentares, meditação, práticas corporais (Chi Gong, Tai-Chi-Chuan, TaiChi Pai Lin, Lian Gong, Lien- Chi, Tui-Na (SÃO PAULO, 2002).
Outras duas teorias fundamentais da acupuntura são: a teoria dos cinco
elementos e a teoria dos meridianos. A teoria dos cinco elementos (fogo, terra, metal,
água e madeira) classifica todas as coisas que existem e, também, os fenômenos da
natureza, que são regidos pelas forças de dominância (geração) e contra-dominância,
facilitando o diagnóstico e descoberta da deficiência energética para definir o
tratamento. Os vários aspectos que compõem a natureza geram e dominam uns aos
outros, ou seja, podem sofrer influências benéficas ou maléficas destes (NAKANO e
NAKAMURA, 2006). Os meridianos são canais energéticos por onde a energia circula
com a função de nutrir todo o organismo (CORDEIRO, et al, 1992).
O Ministério de Saúde apresentou a Política Nacional da Medicina Natural e
Práticas Complementares no Sistema Único de Saúde em fevereiro de 2005, com a
intenção de implementar experiências que já vêm sendo desenvolvidas na rede pública
de muitos municípios e estados, destacando-se a MTC/Acupuntura (BRASIL, 2005).
A filosofia chinesa baseia-se no conceito de harmonia e equilíbrio do Yin e
Yang e dos Cinco Movimentos nos quais faz sua manifestação (SÃO PAULO, 2002). O
Yang e o Yin são aspectos opostos ou, se vistos por outro prisma, representam uma
coisa única. O Yang somente pode existir na presença do Yin e vice-versa (NAKANO e
NAKAMURA, 2006).
A medicina tradicional chinesa tem como fundamento a complementaridade
de princípios que afetam o equilíbrio dinâmico da “energia da vida” (Qi): o feminino
(Yin) e o masculino (Yang) (CARVALHO, et al, 2008). O homem se classifica como
18
yang, e o yang se associa com o externo; em compensação, a mulher se classifica
como yin, e o yin se associa com o interno (BUENO e CZEPULA, 2010). A mulher é
tida como Yin e o homem como Yang, e sua fisiologia deve ser vista através de seu
ciclo menstrual, suas secreções, a gravidez, o parto e a lactação. A fisiologia feminina
esta baseada no Sangue, e a masculina no Qi (ACUPUNTURA BRASIL, 2011).
Segundo MACIOCIA (2.000):

Para uma mulher, a energia dos rins se torna ativa quando ela faz sete
anos; como os rins determinam a condição dos ossos, e os dentes, sendo
excessos de osso, seus dentes de leite caem e os dentes permanentes
emergem se a energia dos rins for próspera; como o cabelo é a extensão
do sangue e o sangue é transformado a partir da essência dos rins, seus
cabelos irão crescer quando os rins estiverem prósperos.

Seu Tiangui (substância necessária à promoção do crescimento,
desenvolvimento e função reprodutora do corpo humano) surge na idade
de quatorze (2 x 7). Por esta época, seu canal Ren começa a ser posto a
prova, e seu canal Chong se torna próspero e sua menstruação começa a
aparecer. Já que todas as condições fisiológicas estão maduras, ela pode
engravidar e gerar um bebê.

O crescimento da energia dos rins atinge seu status normal de um adulto
por volta da idade de vinte e um (3 x 7), seus dentes do juízo despontam
por volta deste estágio e seus dentes se encontram completamente
desenvolvidos.

Por volta dos vinte e oito (4 x 7), sua energia e seu sangue se tornam
substâncias, suas extremidades se tornam fortes, o desenvolvimento dos
tecidos e dos pêlos de todo corpo é florescente. Neste estágio, seu corpo
atravessa a condição mais forte.

O físico duma mulher muda da prosperidade para o declínio,
gradativamente após a idade de trinta e cinco (5 x 7). Assim, nessa
época, seu canal Yangming começa a ficar debilitado, sua face
enfraquece, e seus cabelos começam a cair.

Por volta da idade de quarenta e dois (6 x 7), seus canais Yang (Taiyang,
Yangming e Shaoyang) começam a declinar. Poe essa época, a
compleição de sua face murcha, e seus cabelos começam a ficar
brancos.
19

Após a idade de quarenta e nove (7 x 7), seus canais Ren e Chong
declinam, sua menstruação some já que seu Tiangui está exausto. Seu
físico fica velho e frágil, e por essa época, ela não pode mais conceber.

É importante ressaltar que o Rim (Shen) é entendido como o provedor do
Yin e Yang para todos os outros sistemas.

Portanto, a deficiência de Yin e ou Yang do Rim (Shen) irá comprometer
outros órgãos principalmente o Yin do Fígado (Gan), Coração (Xin) e
Pulmão (Fei) e o Yang do Baço (Pi), Pulmão (Fei) e o Coração (Xin). O
Yim do Rim (Shen) é fundamental para ao nascimento, crescimento e
reprodução e o Yang do Rim (Shen) é o responsável pela força motriz de
todos os processos fisiológicos.

Na Medicina Tradicional Chinesa, o Rim (Shen) desempenha inúmeras
funções, destacando-as as seguintes: armazenar a Essência (Jing),
controlar o nascimento, puberdade, climatério e a morte; controlar a
recepção de Qi; produzir a medula, abastecer o cérebro e controlar os
ossos.

O Rim (Shen) se conecta a outros órgãos através dos meridianos
extraordinários Du Mai, Ren Mai e Chong Mai.
Na Medicina Tradicional Chinesa, de acordo com MACIOCIA (2000):

O Fígado (Gan), entre outras funções, é o responsável pelo
armazenamento e a regulação do volume do Sangue pelo corpo, além de
ser responsável pelo fluxo suave de Qi, portanto, este órgão é muito
importante na fisiologia feminina, especialmente quanto ao fluxo
menstrual, pois é o Útero quem armazena o Sangue oriundo do Fígado, e
estando este deficiente irá provocar mudanças no padrão menstrual
(amenorréia, oligomenorréia), como também, se estiver em excesso irá
provocar menorragia ou metrorragia. Pelo fato de ser o Qi o responsável
pelo fluxo de Xue, seu bloqueio pode provocar o surgimento de
dismenorréia, alterações no ciclo menstrual e Tensão pré-menstrual.

O Baço (Pi) é o responsável pela produção de Sangue (Xue) e Qi, a partir
da transformação dos nutrientes e fluidos (Qi dos alimentos), vindos do
Estômago (Wei), e de seu transporte. Esta associação (Pi/Wei), também
é chamada de Raiz do Qi Pós Celestial, pois a partir dos alimentos e
fluidos ingeridos, o Baço (Pi) extrai o Qi dos alimentos (Gu Qi - base para
20
a formação do Qi e Xue), e no Pulmão (Fei) se combina com o Ar
formando o Qi Toráxico, que é a base para o Qi Verdadeiro (Zhen Qi). O
Qi dos Alimentos (Gu Qi) também é a base para a formação do Sangue
(Xue), que acontece no Coração (Xin), que o controla.

O Útero é um órgão classificado como Extraordinário, pois apresenta
forma de um órgão Yang e função de um órgão Yin, isto é, sua cavidade
tem a função de drenagem (Yang) ao mesmo tempo, que armazena o
Xue e nutre o feto (Yin). Está conectado aos Rins através de um
meridiano chamado “Meridiano do Útero (Bao Luo) e ao Coração (Xin)
pelo meridiano “Canal do Útero (Bao Mai), o que nos permite dizer que
tanto o fluxo menstrual como a fertilidade dependem do estado da
Essência do Rim e do Sangue do Coração, portanto, a deficiência do Rim
como do Coração podem provocar infertilidade ou amenorréia.

O Coração (Xin), entre suas inúmeras funções, governa o Sangue,
através da transformação do Qi dos Alimentos em Sangue (Xue) como
também por sua circulação, o que por si só tem enorme influência sobre a
menstruação, além da conexão existente com o Útero pelo Canal do
Útero (Bao Mai). Outra importante função do Coração (Xin) é a de abrigar
o Shen, (Mente), entendido pela Medicina Chinesa como o conjunto das
faculdades mentais, o que significa dizer que o estado do Coração (Xin) e
do Sangue (Xue) influenciará as atividades mentais, inclusive o estado
emocional, podendo então, se manifestar por alteração da atividade
cerebral, consciência, memória, pensamento e sono.

O Estômago (Wei) tem sua importância na fisiologia feminina devido a
sua ligação com o Baço na origem do Qi e Xue, sendo também conhecido
junto com o Baço como a “Raiz do Qi Pós Celestial”. O Estômago se
conecta com o Útero através do meridiano Chong Mai (E30), o que
explica o aparecimento de êmese gravídica. Outro aspecto que deve ser
comentado é o trajeto do meridiano que passa pelas mamas
influenciando assim a lactação, como também, o fato do leite materno ser,
na concepção da MTC, uma transformação do sangue menstrual no canal
Chong Mai, e este é suplementado pelo Qi Pós Natal extraído do alimento
que por sua vez depende do Estômago (Wei).
Segundo FU QUING ZHU (1999), o sangue menstrual não é sangue, mas
sim Gui Celestial (Gui= Água, Celestial = descida do Qi verdadeiro). É através do Yang
21
do Rim que o Gui Celestial torna-se vermelho, isto é, converte-se em sangue,
acontecendo a menstruação.
Para a Medicina Chinesa, a síndrome climatérica ocorre quando o Qi dos
Rins está gradualmente enfraquecido, Chong Mai e Ren Mai estão Vazios e o Tian Gui
esgotado; então as menstruações param progressivamente (AUTEROCHE e NAVAILH,
1987). Dá-se na mulher entre os 45 a 55 anos de idade (CONGHUO, 2010).
22
MANIFESTAÇÕES E SINTOMAS DO CLIMATÉRIO NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
Na visão da Medicina Chinesa, os sintomas apresentados nesta fase se
enquadram como uma deficiência da Essência do Rim em seu aspecto Yin ou Yang, se
subentendendo que dentro desta classificação básica pode se encontrar todas as
nuances possíveis desta deficiência. Também esta deficiência pode estar associada a
alterações de outros órgãos, levando a síndromes mistas (MASTROROCCO, 2007).
Esta afecção tem desenvolvimento lento. Geralmente se manifesta com
ondas de calor e suor, mal estar geral, desequilíbrio emocional, irritabilidade fácil,
insônia, sufocação, ansiedade, incômodos visuais, vertigem, zumbido, palpitação,
podendo igualmente produzir melancolia, preocupação e desconfiança (CONGHUO,
2010); a gravidade dos sintomas está diretamente relacionada ao estilo de vida e
alimentação da mulher no decorrer de toda a sua vida, portanto, a Síndrome
Climatérica é uma Síndrome de Deficiência do Rim e, portanto, sua evolução clínica irá
depender da higidez que se encontra a mulher no momento do seu aparecimento
(MASTROROCCO, 2007).
A sintomatologia climatérica será a resultante do entrelaçamento das
repercussões do hipoestrogenismo com o contexto sociocultural. Em países orientais,
onde as mulheres pós-menopausadas passam a ter regalias e aumenta o seu status,
elas não apresentam sintomas climatéricos (Japão, casta Rajputs da Índia, Micronésia,
Bali, Etiópia, e outros). O mesmo foi verificado entre as índias da cultura maia. Ao
contrário, nas sociedades ocidentais, onde a beleza, a juventude e a força física são
extremamente valorizadas, torna-se alta a prevalência de sintomas climatéricos
(ALMEIDA, 2003).
De acordo com ROSA FILHO (2009), as principais sintomatologias da
menopausa podem ser classificadas de acordo com os órgãos e os tecidos envolvidos:






Cérebro: rubores quentes, depressão, ansiedade, insônia, memória e pouca
concentração.
Coração: doença coronariana.
Vasos Sanguíneos: arteriosclerose.
Ossos: osteoporose.
Pele: cicatrização lenta e prurido.
Vagina: secura e atrofia.
23
TRATAMENTO DO CLIMATERIO SEGUNDO A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
A medicina ocidental enfoca exclusivamente sobre o local e o mecanismo
de uma enfermidade. A medicina chinesa, por outro lado, centraliza no ajuste do
organismo inteiro, ela é uma filosofia, assim como uma terapia do corpo ,e, portanto,
mais de abordagem orgânica do que mecanicista orgânicos (HONG JIN PAI, et al,
2010).
A Medicina Chinesa, diferentemente da médica ocidental, não isola os
distúrbios emocionais ou nutricionais das desordens físicas no tratamento (HONG JIN
PAI, et al, 2010), ignora a estrutura anatômica, a causalidade e a dictomia corpomente. Seus fundamentos encontram-se na função, na analogia e no continuum corpomente (AUTEROCHE, et al, 1987), ela atribui as causas internas das doenças aos
desequilíbrios da dieta e as sete emoções. As drogas usadas na medicina chinesa
podem ser individualmente moldadas para adequar aos sintomas do paciente em
oposição às drogas ocidentais que são padronizadas e uniformes (HONG JIN PAI, et
al, 2010).
A medicina chinesa presta especial atenção para queixas subjetivas do
paciente e prescreve combinação dos pontos de acupuntura e fórmulas herbáceas
nutritivas baseadas na totalidade dos sintomas objetivos e subjetivos orgânicos (HONG
JIN PAI, et al, 2010); a chave da medicina chinesa é a observação da função e o uso
específico da combinação dos pontos de acupuntura das combinações herbáceas para
os sintomas altamente diferenciados orgânicos (HONG JIN PAI, et al, 2010); busca-se
restabelecer o equilíbrio do paciente através de seus próprios recursos, como
massagem, exercícios, dietas e, se necessário, acupuntura, ervas ou outras técnicas
que possam ajudar o organismo a se recuperar (SILVA, 2009).
O tratamento na Medicina Chinesa segue duas grandes linhas de
aplicabilidade ou vertentes, que são a fitoterapia, ou seja, a cura das doenças através
do uso de plantas ou ervas medicinais, e a acupuntura (WEN, 2008).
A acupuntura é o conjunto de conhecimentos teóricos-empíricos da
Medicina Tradicional Chinesa que visa à terapia e a cura das doenças através de
agulhas e moxas (Moxabustão): é um método que visa provocar estimulação, através
do calor produzido pela queima da moxa – material com folha de Artemísia moída e
preparada sob a forma de algodão no ponto de aplicação das agulhas), e de outras
técnicas (MIN, et al, 2000).
24
A acupuntura é baseada na restauração do funcionamento neural do
organismo. Ela é expert em fazer a neuromodulação de tudo que envolve o sistema
nervoso central e periférico. Formado por células que se interconectam, o sistema
nervoso detecta estímulos internos e externos, desencadeando respostas musculares e
glandulares. Por isso, é considerado o integrador do organismo com o meio ambiente
(CORREIO BRAZILIENSE, 2010).
A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) inclui técnicas de massagens (TuiNa), exercícios respiratórios (Qi-Gong), orientações nutricionais (Shu-Shieh) e a
farmacopéia chinesa (medicamentos de origem animal, vegetal e mineral) (ALTMAN,
1979), relacionadas à prevenção de agravos e de doenças, a promoção e à
recuperação da saúde (BOTSARIS, 2002).
Segundo o MINISTÉRIO DA SAÚDE (2006), a acupuntura é uma tecnologia
de intervenção em saúde que aborda de modo integral e dinâmico o processo saúdedoença no ser humano, podendo ser usada isolada ou de forma integrada com outros
recursos terapêuticos. Originaria da Medicina Chinesa, a acupuntura compreende um
conjunto de procedimentos que permitem o estímulo preciso de locais anatômicos
definidos por meio da inserção de agulhas filiformes metálicas para promoção,
manutenção e recuperação da saúde, bem como para prevenção de agravos e
doenças.
A aplicação da acupuntura pelo corpo pode ser feita através de pontos por
todo corpo (Acupuntura Sistêmica) ou através de pontos localizados em partes
determinadas do corpo (Acupuntura Microssistêmica) onde, por exemplo, a orelha é
considerada um microssistema juntamente com a face, mãos, pés, a cabeça na crânioacupuntura e outros (YAMAMURA, 1993). Nas pacientes climatéricas onde
predominam os sintomas da esfera afetiva sobre os vegetativos e metabólicos, a
medicina natural e tradicional e em especial a auriculoterapia se impõe como uma
alternativa de tratamento (CALDERÓN, et al, 2003).
O estimulo de pontos promove a liberação de determinados hormônios,
como o cortisol e as endorfinas, promovendo analgesia. As agulhas de acupuntura
agem, principalmente, sobre as fibras nervosas A-delta e C, desencadeando potenciais
de ação na membrana destas fibras. Para que isto ocorra, será necessária a formação
de um potencial elétrico que seja suficiente para a despolarização da membrana da
célula nervosa (JONES, et al, 1991).
Considerando os aspectos neurofisiológicos, as agulhas agem sobre as
fibras nervosas A-Delta e C, desencadeando potenciais de ação na membrana destas
25
fibras, cujo estímulo segue para a medula espinhal, onde através de uma série de
sinapses pode estabelecer arcos reflexos, estimular os neurônios pré-ganglionares e
projetar-se através dos tratos espinorreticular e espinotalâmico para o encéfalo
(SMITH, 1992).
A agulha age como antena receptora, em forma de espiral, captando as
ondas eletromagnéticas que se propagam ao longo da espiral de seu cabo, sendo que
esta captação depende do formato do cabo e do cumprimento da agulha, além do meio
ambiente, incluindo a presença de objetos, estações do ano, fios elétricos, lâmpadas
elétricas acesas e aparelhos eletrônicos presentes no meio (ROMODANOV, et al,
1985).
O diagnóstico e tratamento de uma doença pela Medicina Chinesa levam em
consideração a observação do corpo como um todo com seus sinais e sintomas
(MACIOCIA, 2003).
A medicina chinesa, por outro lado, oferece uma maneira suave e eficaz
para lidar com a menopausa e doenças relacionadas. As ervas chinesas têm
demonstrado através de inúmeras in vivo e in vitro para ter um efeito marcante sobre o
sistema endócrino para avaliar as ondas de calor, instabilidade vasomotora, perda de
massa óssea, e outras condições associadas com a menopausa. Mais importante, eles
são mais suave e mais seguro no corpo (CHEN, 2002).
Segundo CONGHUO (2010), a Medicina Chinesa considera que esta
enfermidade corresponde principalmente a sintomas que incluem entre outros, a
deficiência do Yin do Fígado e do Rim, assim como a desarmonia entre Rim e Coração.
Esta afecção tem desenvolvimento lento. Geralmente se manifesta com
ondas de calor e suor, mal estar geral, desequilíbrio emocional, irritabilidade fácil,
insônia, sufocação, ansiedade, incômodos visuais, vertigem, zumbido, palpitação,
podendo igualmente produzir melancolia, preocupação e desconfiança (CONGHUO,
2010).
O tratamento do climatério pela MTC não se resume a acupuntura, e sim ao
uso concomitante de substâncias de origem vegetal, mineral e animal. Na verdade o
uso destas substâncias tem por objetivo suprir a deficiência observada (primeiramente
do Rim e secundariamente de outros órgãos), à semelhança da terapia de reposição
hormonal praticada pela medicina ocidental tanto na forma alopata como fitoterápica
(MASTROROCCO, 2007).
26
Segundo SHEN (2005), a terapia com acupuntura se mostrou superior à
terapia medicamentosa e é considerada uma opção de tratamento efetiva para a
síndrome climatérica.
Diz-se na Medicina Chinesa que Rim (Shen) e o Fígado (Gan) apresentam
uma origem comum. O Rim (Shen) armazena a Essência (Jing), e o Fígado (Gan)
estoca o Sangue (Xue). O Rim (Shen) é a mãe do Fígado de acordo com os Cinco
Elementos, então a Essência (Jing) e o Sangue (Xue) influenciam-se mutuamente. A
Essência (Jing) pode ser transformada em Sangue (Xue), por outro lado, Sangue (Xue)
também nutre e abastece a Essência (Jing). A Essência (Jing) do Rim (Shen) controla
a função reprodutiva e, uma vez que isto influencia o Sangue (Xue) este também
influencia a função reprodutiva nas mulheres. A razão disto é mais relevante nas
mulheres do que nos homens, porque a fisiologia das mulheres é mais dependente de
Sangue (Xue). Por esta razão, diz que o Rim (Shen) e o Fígado (Gan) apresentam
uma origem comum, e o estado do Sangue (Xue) do Fígado (Gan) é extremamente
importante para a função menstrual das mulheres. Por exemplo: se o Sangue (Xue) do
Fígado (Gan) é deficiente, pode resultar em amenorréia ou períodos escassos, o
Sangue (Xue) do Fígado (Gan) estagnante pode ser causa de disminorréia
(MACIOCIA, 1996).
Na Medicina Chinesa, segundo MACIOCIA (1996), a função do Fígado
(Gan) de armazenar o Sangue (Xue) é extremamente importante na fisiologia e
patologia das mulheres.
Se o Yin do Rim (Shen) for deficiente, o Yin Qi não será suficiente para
atravessar o Coração (Xin) e o Yin do Coração (Xin) tornar-se-á deficiente e o calorvazio dentro do Coração (Xin) aumentará. Esta é uma situação muito comum na prática
clínica, particularmente nas mulheres durante a menopausa (MACIOCIA, 1996).
O Vaso Concepção é denominado de “Mar dos Canais Yin” já que exerce
uma influência sobre todos os Canais Yin do corpo. Origina-se do Rim (Shen) e flui
através do útero em descendência ao Hulyin (VC1), onde a via superficial se inicia. O
Vaso Concepção é de importância primordial para o sistema reprodutivo tanto nos
homens como nas mulheres, mas particularmente nessas, uma vez que regulariza a
menstruação, fertilidade, concepção, gravidez e menopausa. Pode ser utilizado para
nutrir o Yin Qi do organismo. Neste contexto é particularmente útil para nutrir o Yin nas
mulheres após a menopausa já que o Canal Ren Mai controla o útero e determina o
ciclo de sete anos de vida nas mulheres. Ele pode, portanto, ser utilizado para sintomas
tais como: sudorese noturna, ondas de calor, sensação de calor, irritabilidade mental,
ansiedade, boca seca à noite, tontura, zumbido ou insônia. Ele regulariza o útero e o
27
Sangue (Xue) nas mulheres, de maneira que é o responsável pela menstruação,
fertilidade, concepção, gravidez, parto e menopausa (MACIOCIA, 1996).
Na visão da Medicina Chinesa, os sintomas apresentados nesta fase se
enquadram como uma deficiência da Essência do Rim em seu aspecto Yin ou Yang, se
submentendo que dentro desta classificação básica podem-se encontrar todas as
nuances possíveis desta deficiência. Também esta deficiência pode estar associada a
alterações de outros órgãos, levando a síndromes mistas (MACIOCIA, 2000).
Estas deficiências irão repercutir em outros órgãos, levando aos seguintes
modelos (MACIOCIA, 1996):

Na deficiência de Yin do Rim (Shen), não haverá nutrição do Yin do
Coração, levando a uma hiperatividade do Fogo do Coração.
Estas alterações configuram o quadro “Coração (Xin) e Rim (Shen)
não se comunicam”, muito comum no Climatério que se manifesta
clinicamente com os seguintes sintomas: palpitações, insônia,
sudorese noturna, ansiedade, zumbido, agitação, fogachos, rubor
malar, perda de memória, depressão, melancolia, boca e garganta
seca, visão borrada, dor nas costas, lombalgia.
Pulso: rápido e fino.
Língua: vermelha, ponta mais vermelha, rachadura na linha média
alcançando a ponta.
O tratamento através da acupuntura deve ter por objetivo fazer
encontrar o Rim (Shen) com o Coração (Xin), nutrindo o Yin do Rim
(Shen) e do Coração (Xin), acalmar a Mente e eliminar o Fogo do
Coração, podendo ser utilizado:
VG20; C7; Yintang; VB13;. VG24; R9; PC6; B15; B14 = acalma a
mente.
C 7; C 6; C5; VC15; B15 = Dispersar Coração (Xin).
BA6; R3; VC4; R13 = nutre o Rim (Shen).

Deficiência do Yin do Rim (Shen) e do Fígado (Gan).
A Essência deficiente do Rim (Shen) leva a deficiência do Sangue
(Xue), que por sua vez, irá causar debilidade na Essência do Rim
(Shen). O Yin deficiente do Rim (Shen) leva a deficiência do Yin do
Fígado (Gan) provocando o aumento do Yang do Fígado (Gan).
28
As manifestações clínicas mais comuns desta associação são:
irritabilidade, tonturas, zumbido, visão borrada, cefaléia, sudorese
noturna, vermelhidão facial, Calor nas palmas das mãos, pés e
região pré-cordial, depressão, melancolia, olhos secos, alteração
menstrual (amenorréia, oligomenorréia, menorragia).
Língua: vermelha, descamada e rachada.
Pulso: rápido e fino.
O tratamento através da acupuntura deve ter por objetivo nutrir o
Fígado (Gan) e o Rim (Shen), dominar o Yang do Fígado, acalmar a
Mente, podendo ser usado os seguintes pontos:
VG20; C7; Yintang; VB13;. VG24; R9; PC 6; B 15; B 14 = acalma a
mente.
B 23; B 18 = harmonizar Qi do Rim e Fígado.
BA10; F 2= regularizam o Baço (Pi) e o Fígado (Gan).
BA 6 = regulariza e harmoniza os 3 Yins da perna: tonifica o Baço.
avantaja o Sangue, alimenta o Yin do Fígado e dos Rins.
R3 = Nutre o Rim (Shen).
F 8 = tonifica o Xue e o Yin do Fígado (Gan).

Deficiência do Yin do Rim (Shen).
A deficiência do Yin do Rim (Shen) é também da Essência (Jing), e
leva a manifestações clínicas relacionadas ao Cérebro (o Yin do Rim
produz a Medula e controla o Cérebro), resultando em tontura leve,
zumbido, vertigem e perda gradativa da memória. Além destas
manifestações, esta deficiência provoca diminuição dos Fluidos
Corpóreos levando um quadro de secura, podendo se manifestar por
boca seca a noite, constipação intestinal e urina escura e escassa,
pele, cabelos e mucosas secas.
A deficiência do Yin provoca o surgimento do Calor-Vazio do Rim
(Shen), que se manifesta clinicamente através do Calor dos cinco
palmos e da sudorese noturna.
Pelo fato da Essência do Rim controlar os ossos é comum observar o
aparecimento de lombalgia e dor nos ossos.
O tratamento pela Acupuntura se baseia no fortalecimento do Yin do
Rim (Shen), dominar o Yang, acalmar a mente e remover o Calor do
Coração, podendo ser utilizados os seguintes pontos:
VG 20; C7; Yintang; VB13;. VG24; R9; PC 6; B 15; B 14 = acalma a
mente.
P 7; R6 = regulam Ren Mai, fortalece Útero, nutri o Yin.
29
R 3; BP 6; R10 = nutre o Rim (Shen).

Deficiência do Yang do Rim (Shen).
Quando o Yang do Rim (Shen) está deficiente o Rim (Shen) não
apresenta Qi suficiente para fortalecer os ossos e as costas
causando lombalgia e fraqueza nas pernas e joelhos. Além desta
manifestação clínica, o Yang do Rim (Shen) não aquece a Essência,
portanto a energia sexual é privada da nutrição da Essência e do
aquecimento do Yang do Rim (Shen), resultando, por exemplo, em
frigidez, infertilidade, etc.
Os sintomas mais comuns desta deficiência são: lombalgia, joelhos
frios, sensação de frio nas costas, calor nas mãos, sudorese pela
manhã, calafrios, cefaléia, astenia, fraqueza nas pernas.
O tratamento pela Acupuntura se baseia no fortalecimento do Yang
do Rim (Shen), tonificar o Rim e fortalecer o Baço, podendo ser
utilizados os seguintes pontos:
B23; R3 = tonifica o Rim (Shen).
VG 4 = tonifica o Yang do Rim.
P7; R6 = regulam Ren Mai, fortalece Útero, nutre o Yin.
R7 = tonifica o Yang do Rim.

Deficiência do Yin e do Yang do Rim (Shen).
Este padrão corresponde a associação das duas deficiências. O Rim
(Shen) tem a peculiaridade de armazenar o Yin e Yang Primário, isto
é, ele fornece o Yin e Yang para todos os outros sistemas, portanto,
podemos considerar que o Yin do Rim (Shen) é o fundamento para
todo o Qi do Yin do corpo, em especial o do Fígado (Gan), Coração
(Xin) e Pulmão (Fei) e o Yang do Rim (Shen) é o fundamento para
todo o Qi do Yang do organismo, em especial do Baço (Pi), Pulmão
(Fei) e Coração (Xin). Tanto o Yin como o Yang do Rim (Shen) se
originam da mesma raiz, sendo então interdependentes, isto é, o Yin
do Rim (Shen) fornece o substrato material para o Yang do Rim
(Shen), e o Yang do Rim (Shen) fornece o Calor necessário para
todas as funções do Rim (Shen). Por esta razão, a deficiência de um
deles implica na deficiência do outro, em maior ou menor grau, nunca
em proporções iguais, isto é, a deficiência sempre será
essencialmente do Yin ou do Yang, sendo fundamental para a
30
escolha do tratamento a identificação de qual a tendência, Yin ou
Yang.
Entre os sintomas mais comuns destacam-se: cefaléia, vertigem,
tonturas, zumbido, fogachos, calor nas palmas das mãos e planta
dos pés, rubor facial, pele e mucosas secas, sudorese noturna,
alterações menstruais, hipertensão.
O tratamento pela Acupuntura se baseia no fortalecimento do Yin e
Yang do Rim (Shen), tonificar o Chong Mai e Ren Mai, acalmar a
Mente, podendo ser utilizados os seguintes pontos:
VG20; C6; Yintang; VB13; VG24; R9; PC 6; B 15; B 14 = acalma a
mente.
P 7; R6 = regulam Ren Mai, fortalece Útero, nutre o Yin.
R 3; BA 6 = nutre o Rim (Shen).
B 23 = tonifica o Yang do Rim (Shen).
Pode também adicionar terapia como a auriculoterapia: utilizar os pontos do
Nervo Simpático, Endócrino, Rim, Ovários, Coração, Occipital e o Shenmen. Sendo 1
sessão por dia ou em dias alternados, com estimulação fraca ou média, se toma 2 a 3
pontos em cada ocasião e se retêm as agulhas por 15 a 20 minutos. Também pode
implantar agulhas nos pontos auriculares (CONGHUO, 2010).
AUTEROCHE E NAVAILH (1987) sugerem também um tratamento de
auriculoterapia para a síndrome climatérica nos seguintes pontos: Endócrinas,
Subcórtex, Ovários, Coração e Shenmem. Com aplicação diária, uma vez por dia,
iniciado uma semana antes da data provável e continuada uma semana após a
menstruação. As agulhas devem ser deixadas no local por 20 minutos e em excitação
média.
O tratamento do Climatério pela MTC não se resume a acupuntura, e sim ao
uso concomitante de substâncias de origem vegetal, mineral e animal. Na verdade o
uso destas substâncias tem por objetivo suprir a deficiência observada (primariamente
do Rim e secundariamente de outros órgãos), à semelhança da terapia de reposição
hormonal praticada pela medicina ocidental tanto na forma alopata como fitoterápica
(ACUPUNTURA BRASIL, 2011).
A massagem Tui-Na é uma terapia de origem chinesa fundamentalmente no
princípio do Tai-Chi. A pratica da massagem Tui-Na, que significa empurrar e beliscar
representa duas manobras básicas de sedação e tonificação, definindo esta técnica
que busca o equilíbrio energético do homem, recuperando sua saúde e vitalidade (SÃO
PAULO, 2002).
31
A Massoterapia Chinesa (Tuiná) desenvolveu-se gradativamente entre os
trabalhadores da China mediante longo processo de prática, vivência e luta contra a
doença (HOSPITAL DA ESCOLA DE MEDICINA ANHUI DE PEQUIM, 2001, apud,
CIEPH, 2010), o princípio da terapia por Tuiná é a regulação do Qi, a ativação da
circulação sanguínea e o reequilíbrio do Yin e Yang (HONGZHU, 2002, apud, CIEPH,
2010), a massagem em adultos pode ter um bom resultado no tratamento de distúrbios
do sono (OUMEISH, 2005, apud, CIEPH, 2010), relaxamento muscular (OUMEISH,
2005, apud, CIEPH, 2010)) e sintomas psicológicos (WILLIAMSON, et al, 2002),
comumente presentes em quadros climatéricos. A pressão, massagem e cura pelo
toque são feitas com o uso de mãos e dedos no lugar das agulhas, porém as técnicas
estão baseadas nos mesmos princípios da acupuntura (OUMEISH, 2005, apud, CIEPH,
2010).
Considera-se em geral que o tratamento pela massagem tem a capacidade
de regular a função nervosa, de aumentar a resistência corporal à doença, de depurar
os tecidos, melhorar a circulação sanguínea e tornar as articulações mais flexíveis
(HOSPITAL DA ESCOLA DE MEDICINA ANHUI DE PEQUIM, 2001, apud, CIEPH,
2010). No protocolo de Atenção à Saúde da Mulher em Belo Horizonte (2008), entre os
exercícios físicos na mulher climatérica recomendados consta, Ioga, Tai-Chi-Chuan e
Lian Gong.
LUCA (2008) avaliou em mulheres com sintomas menopáusicos, os efeitos
da acupuntura ou da eletroacupuntura-placebo e constatou que o uso da acupuntura foi
eficaz no alívio dos sintomas sem apresentar efeitos colaterais.
32
MATERIAIS E MÉTODOS
A presente pesquisa é exploratória descritiva. Para obtenção dos dados,
utilizou-se o levantamento bibliográfico realizado nas bases de dados MEDLINE,
LILACS, BIREME, PUB MED, Bibliografias Brasileiras, Espanholas, Inglesas e
Chinesas.
Foram selecionadas as produções científicas sobre climatério, menopausa,
acupuntura, medicina ocidental e medicina oriental no climatério a partir de 1980. E as
literaturas sobre climatério, menopausa e medicina ocidental a partir do ano 2000, já as
literaturas sobre Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa foram selecionadas sem
controle de data por ter clássicos como o livro de Medicina Interna do Imperador
Amarelo, usados nos dias de hoje como um pilar orientador dos médicos chineses,
tendo sido encontrado há mais ou menos 2 (dois) mil anos atrás. Este clássico é parte
importante e seu legado para humanidade quanto à compreensão da medicina chinesa,
ele é considerado o marco separador mais evidente entre o que podemos considerar a
medicina tradicional e a medicina mística na China.
33
DISCUSSÃO
A TRH na menopausa não é terapia, nem de reposição, e nem sempre é
hormonal. Não deve mais ser prescrita e sim, proscrita, qualquer que seja a via de
absorção. A prescrição continuada dos medicamentos em questão não deve ser
considerada ato médico legítimo, por lhe estar faltando o embasamento científico da
segurança e da eficácia (ROSA, s/d).
Os medicamentos atualmente utilizados em TRH deveriam ser obrigados a
apresentar advertência em negrito, na bula e na caixa, quanto aos riscos
cardiovasculares e de desenvolvimento de câncer de mama e demência, bem como
quanto à duração da terapêutica de sintomas da Peri-menopausa (ROSA, s/d).
Vários estudos epidemiológicos sugeriram que a estrogenioterapia de
reposição hormonal fosse benéfica na prevenção de doença cardiovascular. Na corte
de enfermeiras americanas (The Nurses Health Study) – observou-se redução de 31%
na incidência de doença coronariana, após ajuste para idade. Durante esse período,
houve aumento em uso de reposição hormonal e mudança de estilo de vida dessas
mulheres (redução do tabagismo, adequação da dieta, atividade física regular). Apesar
de seu delineamento observacional, esse estudo foi um dos que mais influenciou a
decisão de empregar TRH na prevenção primária da doença coronariana. O aparente
benefício diminuiu com uso prolongado (10 anos ou mais) e não foi tão evidente nas
que tinham baixo risco para doença coronária (GRODSTEIN, et al, 1996, apud,
WANNMACHER e LUBIANCA, 2004).
Estudo caso-controle de base populacional avaliou 1327 mulheres entre 5081 anos, com fraturas de quadril prévia, (casos) e 3262 controles. Usuárias correntes
de TRH, quando comparadas às não usuárias, tiveram diminuição de risco de cerca de
6% para cada ano de terapia. O benefício perdurou por cinco anos após a suspensão
do uso continuado, além dos quais, grande parte do efeito protetor dói perdido. Dez
anos após a suspensão, densidade óssea e risco de fratura mostraram-se similares
entre usuárias e não usuárias de estrógenos (SCHINEIDER, et al, 1997, apud,
WANNMACHER e LUBIANCA, 2004).
Ensaio clínico randomizado e controlado por placebo avaliou o papel dos
estrógenos em duas dosagens, por um ano, em 97 mulheres histerectomizadas com
doença de Alzheimer de leve a moderada. Não houve diferença significativa na
34
progressão da demência entre os grupos experimentais e o controle (MULNARD, R. A.
et al, 2000, apud, WANNMACHER e LUBIANCA, 2004).
O estudo HERS encontrou risco praticamente três vezes maior de
tromboembolismo venoso (RR=2,89; IC 95%: 1,50 – 5,58) em usuárias de THR
combinada em comparação a não-usuárias, e tendência para maior risco de embolia
pulmonar. Posteriormente, o ensaio WHI encontrou risco duas vezes maior (RR=2,13:
95%: 1,39 – 3,25) de embolia pulmonar em usuárias de THR combinada, representado
oito casos a mais de embolia pulmonar em 10.000 pessoas/ano. Esse risco foi atribuído
à combinação de estrogênio e progestógeno (WRITING GROUP FOR THE WOMEN’S
HEALTH INITIATIVE INVESTIGATORS, 2002, apud, WANNMACHER e LUBIANCA,
2004).
Em 2003, o The Million Women Study investigou os efeitos de tipos
específicos de TRH na incidência de câncer de mama invasor e na mortalidade pela
doença, em 1.084.110 mulheres inglesas entre 50 e 64 anos. Foram diagnosticados
9.364 casos de câncer de mama e 637 mortes por câncer de mama no período de
seguimento (média 2,6 e 4,1 anos, respectivamente). Demonstrou-se que usuárias de
TRH têm 66% de chance a mais de desenvolver câncer de mama (RR=1,66: IC 95%:
1,58-1,75: P<0,0001), e que o emprego de estrógenos associado a progestógenos
dobra o risco para a neoplasia (RR=2,0: IC 95%: 1,58-1,75: P< 0,0001). O risco se
modifica pouco quando se comparam estrógenos e progestógenos específicos,
diferentes doses ou tipos de regime (seqüencial ou contínuo). Em relação à via de
administração, implantes de estrógenos isolados determinam maior risco (65%),
seguidos das vias orais (32%) e transdérmica (24%). O risco aumenta com a duração
total de uso de qualquer TRH. O uso estrógeno mais progestógeno por dez anos
resulta em 19 casos a mais de câncer de mama em 1000 mulheres/ano (MILLION
WOMEN STUDY COLLABORATORS, 2003, apud, WANNMACHER e LUBIANCA,
2004).
Uma corte avaliou morte por câncer de ovário em 211.581 mulheres pósmenopáusicas, encontrando 944 mortes por essa causa em 14 anos. Usuárias de TRH
apresentaram risco 50% maior de morte por essa neoplasia quando comparadas a
não-usuárias (RR= 1,51: IC 95% : 1,16-1,96). A taxa anual de mortes por câncer de
ovário em 100.000 mulheres, ajustada para idade, foi de 64,4 para usuárias corrente
por dez anos ou mais, 38,3 para usuárias no passado por dez anos ou mais e 26,4
para não-usuárias. Os autores concluíram que o uso de estrógeno por mais de dez
anos na pós-menopausa aumenta significativamente o risco de morte por câncer de
ovário, persistindo até 29 anos após suspensão do uso (POSTMENOPAUSAL, 1999,
apud, WANNMACHER e LUBIANCA, 2004).
35
HAYS e colaboradores (2003) avaliaram o efeito da TRH combinada na
qualidade de vida de mulheres pós-menopaúsicas que participaram do Women’s
Health Initiative. Dados sobre qualidade de vida foram coletados no início do estudo e
ao final do primeiro ano em todas as mulheres (n=16.608) e ao final do terceiro ano de
estudo em 1.511 pacientes. Após um ano de uso de TRH combinada, observou-se
pequeno benefício em termos de padrão de sono, funcionamento físico e dor corporal,
apesar de não ser clinicamente significativo. Apenas mulheres com média de idade de
54 anos e sintomas vasomotores de moderados a graves apresentaram benefício
clinicamente significativo na qualidade do sono, secundário à redução daqueles
sintomas. Ao final de três anos, não houve melhora em nenhum dos critérios de
qualidade de vida avaliados no grupo que recebeu TRH combinada em comparação ao
placebo ( HAYS et al, 2003, apud, WANNMACHER e LUBIANCA, 2004).
Por questões de ordem cultural, nas sociedades orientais, onde a mulher é
respeitada e a expectativa de envelhecer encarada de forma positiva, os sintomas tanto
físicos
quanto
psíquicos
da
menopausa
são
menos
intensos.
Infelizmente, nas culturas ocidentais, a realidade é outra. Há um grande “pré-conceito”
em relação às mulheres nesse período. Simbolicamente, existe o mito de que a mulher
na pós-menopausa seria uma lua minguante, enquanto na fase reprodutiva seria uma
lua cheia (RENNÓ JR, 2011).
Após vinte e cinco anos de pesquisa em renomadas instituições do mundo,
a OMS publicou o documento Acupuncture: Review and analysis of reports on
controlled clinical trials, no qual expõe os resultados destas pesquisas. Neste
documento, foi analisada a eficácia da acupuntura – assim como das técnicas de
moxabustão, ventosa, sangria, eletro-acupuntura, laser-acupuntura, magnetoacupuntura, massagem shiatsu/tuina e acupressura (pressão digital nos pontos) em
comparação com o tratamento convencional para 147 doenças, sintomas e condições
de saúde. Nas afecções femininas, item: menopausa, a massagem + ventosa, teve
eficácia em 77% dos casos (ACUPUNTURA PRO, 2004).
LUCA (2008) avaliou mulheres com sintomas menopáusicos, os efeitos da
acupuntura ou da eletroacupuntura-placebo no Índice Menopausal de Kupperman
(IMK) e na intensidade de fogachos e secundariamente avaliar se a ordem de
execução desses tratamentos interfere nos resultados dessas medidas e se há
alteração nos parâmetros laboratoriais. Estudo prospectivo randomizado com 122
pacientes divididas em: Grupo 1 Acupuntura com 88 pacientes (período de um ano 10
sessões semanais e quinzenalmente até completar um ano, seguida de 6 meses de
eletroacupuntura-placebo) e Grupo 2 Eletroacupuntura-placebo com 34 pacientes (6
36
meses 10 sessões semanais e quinzenalmente até completar 6 meses, seguida de um
ano de acupuntura). As pacientes tratadas com acupuntura e eletroacupuntura-placebo
tiveram alívio das ondas de calor em 86,8% e 90,4% respectivamente, entretanto
quando realizado quinzenalmente houve aumento das ondas de calor no Grupo 2. As
pacientes tratadas com acupuntura apresentaram redução acentuada do IMK de 93,7%
em relação ao Grupo 2 de 15,1%. O grupo que inicia com eletroacupuntura-placebo
possui redução média na glicemia de 8,8%. Os valores médios de hemoglobina,
triglicérides e HDL das pacientes aumentaram durante o estudo independente do grupo
em 2,4%, 13,2% e 4,2%, respectivamente, enquanto os níveis de colesterol não
modificaram. Nas pacientes tratadas com acupuntura observou-se redução do LDL em
9,1%, aumento do VLDL em 10,5% e redução do número de plaquetas em 5,0%.
Houve redução significante do conteúdo mineral ósseo da coluna e do colo do fêmur
em ambos os grupos em 1,4%. O uso da acupuntura para o alívio dos sintomas das
pacientes climatéricas foi eficaz, sem apresentar efeitos colaterais.
Um estudo prospectivo, randomizado e cego em 103 mulheres com sintomas
menopausais divididos em dois grupos: sham acupuntura e acupuntura. O tratamento
foi realizado por treze semanas, sendo a primeira semana de coleta de dados, cinco
semanas de tratamento (duas vezes por semana) e sete semanas de seguimentos
após a acupuntura. Ambos os tratamentos diminuíram os fogachos, não havendo
diferença estatística significante (VICENTE, et al, 2007, apud, LUCA, 2008).
Em 2008, realizaram estudo com 56 mulheres na pós-menopausa, divididas
em três grupos: cuidados gerais, sham acupuntura e acupuntura tradicional (duas
vezes por semana). O tratamento foi realizado por oito semanas, na qual se observou
diminuição significativa da freqüência dos fogachos entre a primeira e oitava semana
em todos os grupos, entretanto os grupos de sham acupuntura e acupuntura tradicional
obtiveram acentuada dos mesmos (AVIS, et al, 2008, apud, LUCA, 2008).
Em 2007, realizaram um trabalho científico na qual avaliaram 102 mulheres
na pós-menopausa, divididas em dois grupos: o primeiro estudo no total de 60
mulheres divididas em quatro grupos (relaxamento, acupuntura superficial,
eletroacupuntura e estrógeno) e o segundo estudo no total de 42 mulheres dividido em
dois grupos (estrógeno e placebo). As pacientes foram seguidas durante doze
semanas sendo avaliadas as ondas de calor – fogachos e o Índice Menopausal de
Kupperman (IMK). Os fogachos e o IMK decresceram significativamente após a quarta
e décima semana, exceto no grupo placebo (ZABOROWSKA, et al, 2007, apud, LUCA,
2008).
37
Com o aumento da expectativa de vida, há um número crescente de
mulheres vivendo no climatério e menopausa, expostas, portanto, à síndrome
climatérica. Essas mulheres têm que ter em mente que a prevenção de desconfortos
ou seu tratamento podem ser abordados de diferentes maneiras, não simplesmente por
hormônio-terapia, uma tendência do tratamento Ocidental, mas existe também a
possibilidade de se beneficiar com a Acupuntura, uma opção da Medicina Tradicional
Chinesa. O objetivo final é juntar o melhor da medicina chinesa com o melhor da
medicina ocidental para beneficiar mulheres que estão na fase do climatério, isto irá
prover o mundo com um melhor sistema de saúde mais completo e mais satisfatório.
38
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Este trabalho procurou apresentar de forma sucinta o Climatério e a
Menopausa na ótica da Medicina Ocidental e da Medicina Chinesa.
O Climatério e a Menopausa como conhecida na Medicina Ocidental, foi
apresentado um paralelo com a Medicina Chinesa.
Apresentou-se também, as formas de tratamento para o climatério e
menopausa nas duas formas de medicina (Ocidental e Chinesa).
Pode-se averiguar que a Medicina Chinesa está pouco estruturada referente
às bibliografias no Climatério e Menopausa, porém percebeu-se que esta em constante
expansão, tanto na área de pesquisa e diversificação de tratamentos, não só referente
ao climatério e menopausa mais de muitas outras doenças.
39
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
01 - ACUPUNTURA BRASIL. Conceituação do Climatério Sob a Visão das
Medicinas Ocidental e Oriental. 2011.
Disponível em:
<http://acupunturabrasil.org/2011/arquivo/Biblioteca/Diagnostico/031.pdf>
Acesso em: 29/05/2011
02 - ACUPUNTURA PRO. Doenças, sintomas e condições tratáveis com a
acupuntura. 2004.
Disponível em: <acupuntura.pro.be/OMS/doenças-trataveis/>
Acesso em: 29/05/2011
03 - ALDRIGHI, José Mendes; ALDRIGHI, Ana Paula Santos. Alterações sistêmicas
do climatério. Revista Brasileira de Medicina. 59(4):15-21. 2002.
04 - ALMEIDA, Áurea Beirão. Reavaliando o Climatério: Enfoque atual e
multidisciplinar. Atheneu. São Paulo. 2003.
05 - ALTMAN, S. Acupunture as na emergency treatment, California veterinarian.
V. 15, N. 1, P. 6-8, 1979.
06 - ANTUNES, Susana; MARCELINO, Ofélia; AGUIAR, Teresa. Fisiopatologia da
Menopausa. Revista Portuguesa de Clinica Geral. 19:353-7.2003.
07 - AUTEROCHE, A.; NAVAILH, P. Acupuntura em Ginecologia e Obstretricia.
Editora Andrei Ltda. São Paulo. 1987.
08 - BARNABEI, Vanessa M.; GRADY, Deborah; STOVALL, Dale. W.; CAULEY, Jane
A.; STEFANICK. Marcia L.; PICKAR, James H. Menoapausal symptons in older
women and the effects of treatment with hormone therapy. Obstet Gynecol.;
100(6): 1209-18, 2002.
09 - BASTOS, Maria Helena. Sorria, você está na menopausa: um manual de
terapia matural para a mulher. 2ª ed. São Paulo. Ground; P. 108-10. 2001.
10 - BÍBLIA SAGRADA. Caminhada para Jerusalém. Tradução de Ivo Storniolo. Ed.
Paulus. São Paulo. 1990.
40
11- BRASIL, 2008. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento
de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de Atenção à Mulher no
Climatério/Menopausa. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde,
Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Editora do Ministério
da Saúde, 2008. 192 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Série: Direitos
Sexuais e Direitos Reprodutivos – Caderno, n. 9).
Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_climaterio.pdf>
Acesso em: 12/04/2011.
12 - BRASIL, 2005. Ministério da Saúde. Política Nacional de Medicina Natural e
Práticas Complementares (PMNPC). Brasília – DF. 2005.
Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ResumoExecutivoMedNatPratCompl14020
52.pdf>
Acesso em: 20 de março de 2010.
13 - BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de Atenção à Mulher no
Climatério/Menopausa. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações
Programáticas Estratégicas. Brasília-DF. 2008.
Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_climaterio.pdf>
Acesso: 22 de março de 2010.
14 - BAYER HEALTH CARE. Cuidados com a Saúde. 2010.
Disponível em: <http://www.bayerhealthcare.com.br>
Acesso em: 25 de março de 2010.
15 - BERNI, N. I.; LUZ, M. H.; KOHLRAUSCH S. C. Conhecimento, percepções e
assistência no corpo, na cultura e na subjetividade. Reprod Clim;18(2):108-12. 2003.
16 - BORELLI, Aurélio. Fisiopatologia da Osteoporose.In: Bandeira F.; Macedo G.;
Caldal G.; Griz L.; Faria, M. Osteoporose. 1ª ed. MEDSI Editora Médica e Científica
Ltda. Rio de Janeiro. P. 17-30. 2000.
17 - BRETT, K. M.; KEENAM, N. L. Complementary anda alternative medicine use
among midlife women for reasons including menopause in the United States:
2002. Menopause, 14(2):300-307. 2007.
18 - BOTSARIS, Alexandros Spyros. Fitoterapia Chinesa e plantas brasileiras. 2ª ed.
São Paulo. Editora Ícone. 2002.
41
19 - BUENO, André; CZEPULA, Kamila. Alquimia Sexual Chinesa. Revista Leituras
da História. N. 36, Dezembro/2010.
20 - CALDERÓN, Margeris Yanes; ORLANDO, Rigol Ricardo; BARABJO, Ileana Chio;
FELPETO, Rodolfo Pérez. La Medicina Natural Y Tradicional Em El Climatério:
Auricoloterapia. Revista Cubana de Medicina General Integral. V. 19, N. 5.
Setembro/outubro. 2003.
21 - CAMPOS, Marcos Vinhal. Benefícios da Homeopatia no Tratamento da
Síndrome do Climatério. Revista Vigor. Junho/2008.
22 - CARDOSO, Eduardo Blanco. Prática Ginecológica. A pele e os anexos na
menopausa. Revista Brasileira de Medicina. Maio, P. 92. 2011.
23 - CARVALHO, Maria Amélia; JUNIOR PEREIRA, Alfredo. Nutrição e Estados de
Humor: Da Medicina Tradicional Chinesa Antiga À Neurociência. Revista SimbioLogias. Revista Eletrônica de Educação, Filosofia e Nutrição. V. 1, maio/2008.
24 - CHEDID, Silvana. Etiologia orgânica e mista dos transtornos sexuais
femininos. 2ª ed. São Paulo. Lemos Editorial: P. 69-78. 2001.
25 - CHEN, John. Menopause: Perpectivas de Medicina Ocidental e Tradicional
Chinesa, Parte II. V. 3, 2002.
Disponível em: <http://acupuncturetoday.com/mpacms/at/article.php?id=27965>
Acesso em: 22/04/2011.
26 - CIEPH – Centro Integrado de Estudos e Pesquisas do Homem. 2010.
Disponível em:
<http://www.cieph.com/reformavisual/index.php?option=com_content&view=category&l
ayout=blog&id=34&Itemid=100008> .
Acesso em: 29 de março de 2010.
27 - CONGHUO, Tian. 101 Enfermidades tratadas pela Medicina Tradicional
Chinesa. Tradução: José Ricardo Amaral de S. Cruz (Coord), Paulo Américo Vieira
(Org)/ Cosmópolis, São Paulo: Brasil Oriente. 2010.
28 - CORDEIRO, Ary; CORDEIRO, Ruy Cesar. Acupuntura Elementos Básicos. Ed.
Ensaio. 1992.
42
29 - CORREIO BRAZILIENSE. Ciência e Saúde. Pesquisa comprova que a
acupuntura alivia a dor, retarda o climatério em pacientes de câncer de mama e
ameniza efeitos colaterais. 2010.
Disponível em:
<http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cienciaesaude/2010/06/14/interna_cie
ncia_saude.197499/index.shtml>
Acesso em: 03/06/2011
30 - COUTINHO, Elsimar M. Menstruação, a sangria inútil. 2ª ed. São Paulo: Gente,
1996.
31 - DE LORENZI, Dino Roberto Soares; BARACAT Edmund Chada. Climatério e
qualidade de vida. Femina. 33(12): 903-9. 2005.
32 - DE LORENZI, Dino Roberto Soares; BARACAT, Edmund Chada; SACILOTO,
Bruno; PADILHA, Junior Irineu. Fatores associados à qualidade de vida após
menopausa. Revista Associação Médica Brasileira Set/Out. P. 312-327, 2006.
33 - DE LORENZI, Dino Roberto Soares; CATAN, Lenita Binelli; MOREIRA, Karen;
ÁRTICO, Graziela Rech. Assistência à mulher climatérica: novos paradigmas.
Revista Brasileira de Enfermagem. V. 62, N. 2. Brasilia. Março/Abril – 2009.
34 - DEECKEN, Alfons. Saber envelhecer. 4ª ed. Petrópolis: Vozes. p. 93, 1998.
35 - FERNANDES, César Eduardo; BARACAT, Edmund Chada; LIMA, GERALDO
Rodrigues. Climatério: manual de orientação. São Paulo: Ponto. p. 372, 2004.
36 - FERNANDEZ, Márcia Rodrigues; GIR, Elucir; HAYASHIDA, Mieko. Sexualidade
no período climatérico: situações vivenciadas pela mulher. Ver. Enferm. USP. São
Paulo. V. 39. N. 2, P. 129-135, fev- 2005.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v39n2/02.pdf>
Acesso em: 29/05/2011.
37 - FREEMAN, E. W.; SHERIF, K. Prevalence of hot flushes and night sweats
around the world: a systematic review. Climacteric. 2007.
Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17487647>
Acesso em: 03/04/2011.
43
38 - FU, Quing Zhu. Fu Qing-zhus’s Gynecology. Translated by Yang Shou-Zhong &
Liu Da-Wei. Ed Blue Poppy Pr. 1999.
39 - FUGH-BERMAN Adriame J. The Haunting of Medical Lournals: How
Ghostwriting Sold “HRT”. PLoS Med 7(9): e1000335. Doi:10.1371/journal.pmed
1000335. 2010.
Disponível em: <http://www.openmedicine.ca/article/view/118/220>
Acesso em: 02/04/2011.
40 - GALLICCHIO, Lisa; SCHILLING, Chrissy; MILLER, Susan R.; ZACUR, Howard,
FLAWS, Jodi A. Correlates of depressive symptoms among women undergoing
the menopausal transition. J Psychosom. Res.; 63(3):263-8. 2007.
Disponível em: < http://www.jpsychores.com/article/S0022-3999(07)00069-4/abstract>
Acesso em: 03/03/2011.
41 - GONÇALVES, Roselane; MERIGHI, Miriam Aparecida Barbosa; ALDRIGHI, José
Mendes. Reflexões sobre o climatério com enfoque no corpo, na cultura e na
subjetividade. Reprod Clim. 18(2):108-12. 2003.
42 - GONÇALVES, Roselane; MERIGHI Miriam Aparecida Barbosa. O climatério: a
corporeidade como berço das experiências do vivido. Revista Brasileira de
Enfermagem; 58(6):692-7. 2005.
43 - GRADY, D. Management of menopausal symptoms. The New England Journal
of Medicine. Boston. V. 355, N. 22, P. 2338-2347, Nov/ 2006.
44 - HERSH Adam; STEFANICK. Marcia; STAFFORD, Rabdall S. National use of
postmenopausal hormone therapy: annual trends and response to recent
evidence. JAMA. 291(1);47-53. 2004.
Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14709575>
Acesso em: 29/05/2011.
45 - HONG Jin Pai; TEIXEIRA, Manoel Jacobsen; IMAMURA, Satiko Tomikawa;
PASTOR, Elda Hirose; FEN, Chien Hsin. Centro de Estudo Integrado de Medicina
Chinesa. Uma comparação entre a medicina Chinesa e a Ocidental. 2010.
Disponível em: <http://www.ceimec.com.br/conceitocientifico.htm>
Acesso em: 26 de março de 2011.
46 - HOSPITAL DA ESCOLA DE MEDICINA ANHUI DE PEQUIM. A Massagem
Chinesa – Manual de Massagem Terapêutica. 7ª ed. Rio de Janeiro: Nova Era. 2001.
44
47 – JEAN, Wactawski-Wende, 2001.
Disponível em: <http://www.isaude.net/pt-BR/noticia/12208/ciencia-e-tecnologia/terapiahormonal-aumenta-incidencia-de-morte-por-cancer-de-mama>
Acesso em: 16/03/2011.
48 – JENKINS, Marjorie R; SIKON Andrea L. Update on nonhormonal approaches to
menopausal management. Cleve Clin J. Med.;75(4):17-24, 2008.
Disponível em: <http://www.ccjm.org/content/75/Suppl_4/S17.full.pdf+html>
Acesso em: 25/03/2011.
49 - LIGA CONTRA O CANCER, 2011. Terapia Hormonal Precoce Dobra Risco de
Câncer de Mama. 01 de fevereiro de 2011.
Disponível em:
<http://ligacontraocancer.com.br/novidades/terapia-hormonal-precoce-dobra-risco-decancer-de-mama/461/>
Acesso em: 39/03/2011.
50 - LIMA, Lara Carvalho VilelA. Envelhecimento e Gênero: A Vulnerabilidade de
Idosos no Brasil. Revista Saúde e Pesquisa. V. 2, N. 2, P. 273-280, maio./agosto.
2009.
51 - LOPES, Ceci Mendes Carvalho; CELESTINO, Clice Aparecida; HIME, Lúcia
Fátima Cahino Costa. Como Diagnosticar e Tratar: Climatério.
REVISTA
BRASILEIRA DE MEDICINA. Edição: Jun/ 08, V. 65, N. 06, P. 174-178. 2008.
52 - LORENZI, Dino Roberto Soares; DANELON, Claudia; SACILOTO, Bruno;
PADILHA JUNIOR, Irineu. Fatores Indicadores da sintomatologia Climatérica.
Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetricia. Rio de Janeiro. V. 27, N. 1, Jan. 2005.
53 - LUCA, Alexandre Castelo Branco. Medicina tradicional chinesa: acupuntura e
tratamento da síndrome climatérica.
Universidade de São Paulo. Tese de
Doutorado. São Paulo. 2008.
54 - MACIOCIA, Giovanni. Os Fundamentos da Medicina Chinesa. Um Texto
Abrangente para Acupunturistas e Fitoterapeutas. Ed. Roca. 1996.
55 - MACIOCIA Giovanni: IN: Obstetrícia e Ginecologia em Medicina Chinesa. São
Paulo : Roca, 2000
45
56 - MASTROROCCO, Diogo. Climatério sob a visão da Medicina Tradicional
Chinesa. 2007.
Disponível em: <http://www.medicinabiologica.com.br/acervo_detalhes.asp?id=11>
Acesso em: 28/06/2011
57 - MEDONÇA, Eliana Azevedo Pereira. Representações médicas e de gênero na
promoção da saúde no climatério/menopausa. Ciência & Saúde Coletiva. 9(3): 751762, 2004.
58 – MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Nº 971, De 03 de Maio de 2006. Publicação
Diário Oficial da União – Governo Federal. Edição Número 84 de 04/05/2006.
59 - MONTILLA, Regina Neves Girão, ALDRIGHI, José Mendes, MARUCCI, Maria
Fátima Nunes. Relação Cálcio/Proteína da Dieta de Mulheres no Climatério.
Revista da Associação Médica Brasleira, V. 50. N.1. São Paulo. 2004.
60 - MORI, Maria Elizabeth; COELHO, Vera Lucia Decnop. Mulheres de corpo e
alma: Aspectos Biopsicossociais da Meia-Idade Feminina. Psicologia: Reflexão e
Crítica. Brasília, N. 17, V. 2, P. 177-187, 2004.
61 – MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2008.
Disponível em: < http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_climaterio.pdf>
Acesso em: 02/04/2011.
62 - NAKANO, Maria Assusnta Yamanaka, NAKAMURA, Ysao. Acupuntura em
Dermatologia e Medicina Estética - A PeleSob o Ponto de Vista Energético,
Espiritual, Funcional e Orgânico. Ed. Livraria Médica Paulista. São Paulo. 2006.
63 - NIEVAS, Andréia Fernanda, et al. Depressão no climatério: indicadores
biopsicossociais. J. Brasileiro de psiquiatria. Rio de Janeiro, V. 55, N. 04. P. 274279. 2006.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v55n4/a03v55n4.pdf>
Acesso em: 12/06/2011
64 - NELSON, Heidi D.; KIMBERLY K. Vesco; HANEY Elizabeth; NEDROW, Anne;
MILLER, JILL; FU, Rongwei; NICOLAIDIS, Christina; WALKER, Miranda; HUMPHREY,
Linda. Nonhormonal therapies for menopausa hot flashes systematic review and
meta-analysis. JAMA. 295(17):2057-69, 2006.
46
65 – PEDRO, Adriana Orcesi; PINTO-NETO, Aarão Mendes; COSTA-PAIVA, Lúcia;
OSIS, Maria José; HARDY, Ellen. Procura de Serviço Médico Por Mulheres
Climatéricas Brasileiras. Revista Saúde Pública; 36 (4) : 484 – 90, 2002.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsp/v36n4/11768.pdf>
Acesso em: 02/02/2011.
66 - PELZER, Marlene Teda; SANDRI Juliana Vieira Araujo. O viver e ser saudável,
no envelhecimento humano contextualizado, através da história oral. Revista
Gaucha de Enfermagem, V. 23, N. 2, P. 108-122, Julho, 2002.
Disponível em:
<http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4451/2376>
Acesso em: 09/03/2011.
67 - PEREIRA, Queli Lisiane Castro; SILVA, Claúdia Beatriz Degani Cardoso de
Aguiar.; SIQUEIRA, Hedi Crecencia Heckler. Processo de Viver de Mulheres
Climatérias Usuárias do Sistema Único de Saúde. Revista Ciência, Cuidado e
Saúde. Abril/Junho; 7 (2):224-231, 2008.
68 - PINOTTI, Jose Aristodemo; Halbe, H.W.; Hegg, R. Aspectos emocionais do
climatério – Menopausa. 25-30, São Paulo, Rocca, 1995.
69 - POLISSENI, Álvaro Fernando; POLISSENI, Juliana; POLISSENI, Fernanda;
BORGES, Luciana Valente; FERNANDES, Eduardo Siqueira; GUERRA, Martha
Oliveira. Síndrome Depressivo - Ansiosa no Climatério. Boletim do Centro de
Biologia da Reprodução, Juiz de Fora, v. 27, (n. 1/2), p. 7-13, 2008.
70 - PROTOCOLO DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER. Secretaria Municipal da
Saúde. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. p 16. 2008.
Disponível em:
<http://www.pbh.gov.br/smsa/biblioteca/atmulher/prot_climaterio_prot_climaterio.qxd.pdf>
Acesso em: 07/03/2011.
71 - RENNÓ JR, Joel. Menopausa. 2011.
Disponível em:
<http://www.drauziovarella.com.br/ExibirConteudo/5342/menopausa/pagina5/mitos-epreconceitos>
Acesso em: 01/06/2011
72 - Revista Saúde Ativa. Ed. 26. São José dos Campos – São Paulo. 22 de março
de 2011.
Disponível em: < http://issuu.com/ondasete/docs/sa26>
47
Acesso em: 07/01/2011.
73 - ROSA FILHO, Jaime José. Tratamento da Menopausa pela Acupuntura. 2009.
Disponível em: < http://longlifea.com.br/artigo03.htm>
Acesso em: 29/05/2011.
74 - ROSA, Gilberto Lemos Santa (s/d). TRH – Ponto de vista sobre proscrição x
prescrição da "Terapia de Reposição Hormonal".
Disponível em: <http://multipolo.com.br/histologia/TRHCD_FINAL.htm>
Acesso em: 01/06/2011
75 - ROZENFELD, Suely. Editorial: Mais evidências contra a Terapia de Reposição
Hormonal na menopausa. Caderno de Saúde Pública. 20(5): 1138-1139, 2004.
76 - ROSSOUW, J. E.; PRENTICE, R. L.; LACROIX, A. Z.; KOOPERBEG, C.;
STEFANICK. M. L.; JACKSON, M. L.; BERESFORD, S. A.; HOWARD, B. V.;
JOHNSON, K. C.; KOTCHEN, J. M.; OCKene, J. Risks and beneficts of estrogen
plus progestin in healthy postmenopausal women: principal results from the
Women”s Health Initiative randomized controlled trial. JAMA. 288:321-333. 2002.
77 - Sociedade Brasileira de Climatério (SOBRAC). Consenso brasileiro
multidisciplinar de assistência à mulher climatérica. São Paulo: SOBRAC; 2003.
Disponível em:
<http://p.download.uol.com.br/menospausa/Consenso%20-%20Menopausa.pdf>
Acesso em: 27/02/2011.
78 - SANTOS, Zélia Maria Souza Araújo; SARAIVA, Klívia Regina de Oliveira. Autoestima de Mulheres Hipertensas que Vivenciam o Climatério. Revista Brasileira
em Promoção da Saúde. 17 (1): 31-36. 2004.
79 - SÃO PAULO (cidade). Secretaria Municipal de Saúde. Coordenação de
Desenvolvimento da Gestão Descentralizada. Caderno temático da medicina
tradicional chinesa. São Paulo. 2002.
Disponível em:
<http://www2.prefeitura.sp.gov.br//arquivos/secretarias/saude/areastematicas/0047/MT
CCadernoTematico.pdf>
80 - SHEN, X.; DU, Y.; YAN, Y.; HAN, H.; GUO, Y.; SHI, X. Acupunctures for
treatment of climacteric syndrome: a report of 35 cases. J Tradit Chin Med. 25(1):
3-6, 2005.
48
81 - SILVA FILHO, Euvaldo. Angeline; COSTA, Aurélio Molina. Avaliação da
qualidade de vida de mulheres no climatério atendidas em hospital-escola na
cidade de Recife. Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de
Janeiro, V. 30, N. 3, P. 113-120, março, 2008.
82 - SILVA, Gilberto Antônio. 2009. 26 dicas de Saúde da Medicina Oriental.
Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/40919455/26-dicas-saude-medicina-oriental>
Acesso em: 03/05/2011.
83 - SOARES, Claudio N. Depression during the menopausal transition: window of
vulnerability or continuum of risk? Menopause. 15(2):207-9, 2008.
84 – SOBRAC. Associação Brasileira de Climatério. “Terapeutica Hormonal na Peri
e na Pós-Menopausa”. 2006.
Disponível em: <http://p.download.uol.com.br/menospausa/consenso_trh.pdf>
Acesso em: 28 de março de 2010.
85 – SHULMAN, Lee P. The menopausal transition: how does route of delivery
affect the risk/benefit ratio of hormone therapy? Journal of Family Practice, julho,
2004.
Disponível em:
<http://findarticles.com/p/articles/mi_m0689/is_7_53/ai_n6130765/pg_2/?tag=mantle_sk
in;content>
Acesso em: 12/06/2011
86 - STOPPE JUNIOR, A. Depressão. Revista Medical Sigma Pharma, Hortolândia,
São Paulo. V. 2, N. 5, P. 25-38, 2006.
87 – SUAU, Glória M.; NORMANIDA, Ramses; RODRIGUEZ, Rafael; ROMAGUERA,
Josefina; SEGARRA, Lillian. Depressive Symptoms and Risk Factors Among
Perimenopausal Women. Puerto Rico. Health Scirnces Jorunal. 24(3):207-10, 2005.
88 - TRENCH, Belkis; SANTOS, Claudete Gomes. Menopausa ou Menopausas.
Revista Saúde e Sociedade. V. 4. N. 1. P. 91-100. Janeiro-abril, 2005.
89 - VARILA, Eero; RANTALA, Immo; OIKARINEN, Aarne; RISTELI, Juha; REUNALA,
Timo; OKSANEN, Hanna; PUNNONEN, Reijo. The effect of topical o estradiol on
skin collagen of postmenopausal women. An International Journal of Obstetrics &
Gynecology; 102(12):985-989, 1995.
90 - VIGETA, Sonia Maria Garcia; BRETAS, Ana Cristina Passarella. A experiência da
perimenopausa e pós-menopausa com mulheres que fazem uso ou não da
49
terapia de reposição hormonal. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(6):16821689, nov-dez, 2004.
91 - VISBAL, Letícia Artles; DESPAIGNE, Antonia Daysi Navarro; OVIES, Blanca Rosa
Manzano. Gênero, Categoria de Impacto Em La Criticidad Del Síndrome
Climatérico. Revista Médica Cubana. 14(6):527-32, 1998.
92 - WANNMACHER, Lenita; LUBIANCA, Jaqueline Neves. Terapia de Reposição
Hormonal na Menopausa: Evidências Atuais. ISSN 1810-0791, V. 1, N. 6, Brasília,
maio de 2004.
93 - WILLIAMSON, Jan; WHITE, Adrian; HART, Anna; ERNST, Edzard. Randomised
controlled trial of reflexology for menopausal symptoms. BJOG: An International
Journal of Obstetrics and Gynecology. 109(9): 1050-5. 2002.
94 - YAMAMURA, Ysao.Tratado de Medicina Chinesa. São Paulo: Roca, 1993.
95 - ZANESCO, Angelina; ZAROS, Renato Pedro. Exercício Físico e Menopausa.
Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. V. 31, N. 5. Maio de 2009.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v31n5/v31n5a09.pdf>
Acesso em: 29/05/2011.
50
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards