Enviado por michellecostaferreira

Educação promoção e prevenção da saude da criança e adolescente

Propaganda
CURSO DE ENFERMAGEM
MICHELLE COSTA FERREIRA
EDUCAÇÃO, PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA SAÚDE DA
CRIANÇA E ADOLESCENTE
MAUÁ/SP 2018
MICHELLE COSTA FERREIRA
EDUCAÇÃO, PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DA SAÚDE DA
CRIANÇA E ADOLESCENTE
Trabalho para a composição da
nota da N1, disciplina Parasitologia
ao curso de Enfermagem na
Faculdade Fama de Mauá, sob a
orientação da Professora: Roque.
MAUÁ/SP
2018
LISTA DE SIGLAS
ABBri – Associação Brasileira de Brinquedoteca.
APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais.
CCIH – Comissão de Controle de Infecção Hospitalar.
ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente.
ITLA – International Toy Libracries Association (Associação Internacional de
Bibliotecas de Brinquedos).
OMS – Organização mundial de Saúde.
OSCIP – Organização de Sociedade Civil de Interesse Público.
SUMÁRIO
LISTA DE SIGLAS..............................................................................................III
1 INTRODUÇÃO..................................................................................................
6
1.1 JUSTIFICATIVA ........................................................................................... 6
2 OBJETIVO........................................................................................................
7
2.1
GERAIS.....................................................................................7
OBJETIVOS
2.2 HIPÓTESE.....................................................................................................7
2.3 PROBLEMA...................................................................................................7
3 MÉTODOS........................................................................................................
8
3.1 TIPOS DE PESQUISA...................................................................................
8
3.2
LOCAL
PESQUISA...................................................................................8
DE
3.3 COLETAS DE DADOS...................................................................................8
3.4
CRITÉRIOS
DE
EXCLUSÃO...................................................8
INCLUSÃO
E
3.5
PERÍODO
PESQUISA..............................................................................8
DE
3.6 PÚBLICO ALVO.............................................................................................8
3.7 PROCEDIMENTO ÉTICO..............................................................................9
4 BRINQUEDOTECA HOSPITALAR................................................................10
4.1 CONCEPÇÕES E O SURGIMENTO ..........................................................10
4.2
A
LEGISLAÇÃO
.....................................................................13
4.3
UM
FATOR
PARA
A
HUMANIZAÇÃO
BRASILEIRA
DO
PROCESSO
DE
INTERNAÇÃO...................................................................................................13
4.4
BENEFÍCIOS
DE
UMA
BRINQUEDOTECA
NO
AMBIENTE
HOSPITALAR....................................................................................................14
4.5 A LUDICIDADE NA BRINQUEDOTECA......................................................15
4.6 JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NO DESENVOLVIMENTO
INFANTIL...........................................................................................................16
4.7 BRINQUEDOS PARA CADA PERÍODO DA INFÂNCIA, SEGUNDO JEAN
PIAGET..............................................................................................................18
4.8
O
BRINQUEDISTA
FUNÇÃO............................................................22
E
SUA
4.8.1 A FORMAÇÃO DO BRINQUEDISTA..................................................22
4.9
O
BRINCAR
COMO
SAÚDE...............................................24
PROMOÇÃO
À
4.10
A
CRIANÇA
E
HOSPITALIZAÇÃO..............................24
PROCESSO
DA
O
4.10.1 MOTIVOS DA HOSPITALIZAÇÃO....................................................25
4.10.2 OS DIFERENTES ESPAÇO DE BRINCAR.......................................26
4.10.3 BRINQUEDOTECA HOSPITALAR...................................................27
4.11
O
QUE
DIZ
LEI?......................................................................................28
A
4.12 ABBri..........................................................................................................30
4.13
ORIGEM
DAS
BRASIL......................................30
BRINQUEDOTECAS
NO
5 CONSDERAÇÕES.........................................................................................31
6 REFERÊNCIA.................................................................................................32
7
1 INTRODUÇÃO
No transcorrer da história universal, desde a antiguidade até os dias
atuais, comprovar-se teorias e práticas que abrangem o acesso às
informações, dentre elas, as atividades lúdicas que sempre estiveram
presentes como componente complementar do desenvolvimento do indivíduo e,
especialmente, da criança. (PIRES,2014)
Hoje em dia, o brincar é direito da criança protegido por lei. A
Constituição da República de 1988, no artigo 227. No Brasil, o início da
"brinquedoteca" se deu na década de 20, em Pernambuco, mediante ao diretor
José Ribeiro Escobar. Esse diretor, buscou usar os brinquedos como uma
ferramenta pedagógica na assistência do seguimento educacional das
crianças. Desde então, abriu-se uma esperança histórica de designar um
ambiente em que, o brinquedo, seria usado para desenvolver momentos de
brincadeiras.
Entretanto, foi por volta de 1960 que a Unesco inicia, a nível
internacional, a ideia da invenção de ambientes prometidos à brincadeira, o
qual no Brasil foi assinalado como brinquedoteca. (PIRES,2014)
É importante lembrar que muitos hospitais ainda não adotam o
efeito do brincar no processo da hospitalização. Com certeza, existem aqueles
que estão dando o primeiro passo; outros já estão constituídos. Adotando a
acuidade do brincar das crianças em ocasiões de risco, a Lei Federal nº 11.104
de 21 de março de 2005, ordena a obrigatoriedade de instalação de
brinquedotecas, nas unidades de saúde que disponibilizem atendimento
pediátrico em regime de internação.
1.1 Justificativa
É significativo considerar que o brinquedo proporciona à criança a
obtenção do seu mundo, praticar a inteligência, permite a fantasia e a criação.
Nessa definição, o brincar faz-se fundamental para o desenvolvimento infantil,
esse brincar forma-se em uma expressão sincera da criança.
8
2 OBJETIVO
2.1 Objetivos gerais
É objetivo desse trabalho é a obtenção de nota parcial da
disciplina e, mostrar programas em relação a saúde da população com ênfase
na saúde da criança, o objetivo da Brinquedoteca Hospitalar é humanizar a
saúde e promover o lúdico.
2.2 Hipótese
Com a brinquedoteca podemos ajudar a minimizar os efeitos das
doenças e seus tratamentos, assim como auxiliar no apoio familiar. A criança
que é internada deve dar continuidade ao seu desenvolvimento físico, motor e
de
linguagem,
atividades
psicomotoras
podem
ser
trabalhadas
na
brinquedoteca auxiliando no desenvolvimento das crianças.
2.3 Problemas
Com a falta do entretenimento, as crianças não podem dar
seguimento ao seu prosseguimento corporal, motor e de comunicação, assim
dificultando o processo de reabilitação.
9
3 MÉTODO
3.1 Tipos de pesquisa
Trata-se de uma pesquisa em revisões bibliográficas, com um
caráter investigativo ao que diz respeito a saúde da criança.
3.2 Local da Pesquisa
Foi realizado em revisões bibliográficas.
3.3 Coletas de Dados
O trabalho baseou-se em pesquisas bibliográficas em relação ao
método lúdico para as crianças.
3.4 Critérios de Inclusão e Exclusão
A coleta dos dados foi realizada por revisões bibliográficas sobre a
saúde da criança, por se tratar de uma ferramenta importante para o processo
hospitalar ser bem mais eficaz.
Foram excluídas as partes que não correspondem ao critério de
inclusão e fora de corte temporal 2013 a 2018.
3.5 Período da Pesquisa
O trabalho foi oferecido pelo professor, do período noturno, no dia
10 de setembro de 2018, com término para 17 de setembro de 2018.
3.6 Público Alvo
O trabalho foi realizado com o intuito de conscientizar a família e
os profissionais de saúde sobre a importância lúdica no processo de
reabilitação da criança em hospitais.
10
3.7 Procedimentos Éticos
Em cada parágrafo desse trabalho, foi tomado os devidos
cuidados para que não ocorresse plágio dos conteúdos, em respeito aos
autores dos mesmos.
11
4 A BRINQUEDOTECA HOSPITALAR
4.1 CONCEPÇÕES E O SURGIMENTO
Segundo Santos (2000), as atividades lúdicas fazem parte da vida
do ser humano, principalmente na fase da infância, desde os mais remotos
tempos até os dias atuais, em suas mais variadas formas de expressões
(bélicas, religiosas, filosóficas e educacionais). (PIRES,2014)
Por muito tempo, o brincar foi visto sem grande importância.
Somente a partir dos anos 50 do século XX, que se verifica uma atenção maior
voltada para os brinquedos, os jogos e as brincadeiras. De modo geral, essas
atividades passaram a ser valorizadas como meio de desenvolvimento infantil,
graças aos avanços dos estudos psicológicos acerca da criança, cujo destaque
considerou as atividades lúdicas, pois, brincando ou jogando, ela terá a
oportunidade de desenvolver capacidades indispensáveis para sua vida futura.
O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), também destaca o
brincar como prioridade, sendo dever tanto do estado como da família
proporcionar atividades lúdicas à criança. É importante colocar que o brinquedo
proporciona à criança a conquista do seu mundo, exercita a inteligência,
permite a imaginação e a invenção. Nesse sentido, o brincar torna-se
fundamental para o desenvolvimento infantil, haja vista que, esse brincar
consiste em uma expressão espontânea da criança. (PIRES,2014)
Mas, para que as crianças brinquem à vontade é preciso criar
espaços que favoreçam a brincadeira, como é o caso da brinquedoteca. E o
que é brinquedoteca? É uma nova instituição que surge para proporcionar à
criança um espaço destinado as brincadeiras, ou seja, onde várias atividades
agradáveis e divertidas podem acontecer, estimulando a criança a brincar e
possibilitandoa o acesso a uma variedade de brinquedos dentro de um
ambiente totalmente lúdico.
Essas atividades estão ligadas aos jogos de correr, cantigas de
roda, esconde-esconde, entre outros. Em síntese, trata-se de um espaço
caracterizado por uma variedade de brinquedos, ou poucos brinquedos, ou até
12
mesmo sem brinquedos, mas, que o principal objetivo é oferecer a criança um
ambiente agradável, cheio de magia. (PIRES,2014)
A brinquedoteca sendo criado principalmente para criança, este
ambiente tem como objetivo estimular à criatividade, a cognição, desenvolver a
imaginação, a oralidade, a socialização, a expressão e incentivar a ludicidade
das mais variadas formas, seja na busca de soluções de problemas ou pelo
simples desejo de inventar.
Partindo desse pressuposto, a principal atividade que a
brinquedoteca oferece a criança é o brincar nas suas mais variadas formas - do
brincar livre, ao brincar para fins pedagógicos, em que esse ato tem como
objetivo primordial o desenvolvimento da criança que brinca. Nesse âmbito,
entende-se a importância do brincar e o valor de se construir um ambiente
destinado a oportunizar a expressão do potencial da criança. A brinquedoteca é
fundamental para o aprendizado infantil, já que facilita novas descobertas,
provocando
transformações
profundas,
na
medida
em
que
acontece
espontaneamente. (PIRES,2014)
As formas de convivência democrática encorajam a autonomia e
estimula o amadurecimento emocional. Nesse espaço tão especial que é a
brinquedoteca, a criança pode conhecer novos tipos de relacionamento entre
as pessoas de forma prazerosa e enriquecedora.
Podem ser estabelecidas inúmeras razões para a criação de
brinquedotecas; algumas de ordem prática; outras de caráter educacional e até
terapêutico.
Nesse
caso,
destaca
importantes
finalidades
de
uma
brinquedoteca:
•
Favorecer o equilíbrio emocional;
•
Dar oportunidades a expansão de potencialidades;
•
Desenvolver a criatividade, inteligência e sociabilidade;
•
Proporcionar acesso ao brinquedo que lhe proporcionem experiências e
descobertas;
•
Estabelecer o relacionamento entre as crianças e seus familiares;
•
Incentivar a valorização do brincar e das atividades lúdicas para o
desenvolvimento psicoemocional, intelectual e social;
13
•
Proporcionar um espaço onde a criança possa brincar sossegada, sem
que alguém interrompa ou diga que está atrapalhando. (PIRES,2014)
Existem, é claro, outros objetivos que são estipulados de acordo
com as necessidades de cada público, dependendo do tipo de brinquedoteca.
No Brasil, a primeira iniciativa de "brinquedoteca" se deu na
década
de 20, em Pernambuco, através do diretor José Ribeiro Escobar. Esse diretor,
procurou usar os brinquedos como um suporte pedagógico no auxílio do
processo educativo das crianças. Desde então, abriu-se uma perspectiva
histórica de criar um espaço em que, o brinquedo, seria utilizado para
desenvolver momentos de brincadeiras. (PIRES,2014)
Mas, foi por volta de 1960 que a Unesco lançou, a nível
internacional, a ideia da criação de espaços destinados à brincadeira, o qual no
Brasil foi caracterizado como brinquedoteca.
Para Nylse Helena da Silva Cunha, presidente da Associação
Brasileira de Brinquedoteca (ABBri), as brinquedotecas brasileiras tiveram seus
surgimentos nos anos de 1980, diferenciando-se das chamadas “Toy Loan”,
pois, não tinha como atividade principal o empréstimo de brinquedos, mas sim,
o estímulo à brincadeira de forma livre e o favorecimento do desenvolvimento
cognitivo, sensório-motor, sócio afetivo e histórico-cultural das crianças.
(PIRES,2014)
A brinquedoteca, acima de tudo, serve para fazer as crianças
felizes e ainda, proporcionar a aprendizagem, a aquisição de conhecimentos e
desenvolvimento de habilidades, de forma natural e agradável.
Nela, a construção do conhecimento se desenvolve de maneira
prazerosa, na aventura do brincar espontâneo da criança e na aquisição de
saberes necessários à vida, pois, sem brincar a criança não vive à infância e,
logo, não supera etapas que mais tarde poderão se manifestar como bases
instáveis de sua personalidade. Portanto, a brinquedoteca é uma porta aberta
para o brincar, num contexto em que, o brinquedo, é um suporte de exploração
da criança. (PIRES,2014)
14
4.2 A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
A legislação Brasileira, em diferentes dispositivos legais, garante o
direito que a criança tem de brincar, do lazer, da educação etc. Esses direitos
estão dispersos tanto na Constituição da República, como em legislação
infraconstitucional. Dentre elas, O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)
em seu Capítulo II, Art. 16, Parágrafo IV afirma, entre outros direitos, o de
brincar, praticar esportes e divertir-se. (JUCÁ E RIBEIRO,2017)
A Constituição Federal de 1988 em seu capítulo II, Art. 6 assegura,
de forma comum, como direito social, entre outros, o lazer. A Declaração dos
Direitos da Criança de 1959 no título o direito à educação gratuita e ao lazer
infantil que a criança deve aproveitar inteiramente de jogos e brincadeiras os
quais deverão estar encaminhados para educação; a sociedade e as
autoridades públicas se esforçarão para promover o exercício deste direito.
A lei n° 11.104, de 21 de março de 2005 estabelece a
obrigatoriedade de uma brinquedoteca em hospitais que disponibilizam
atendimento pediátrico em regime de internação. Além disso, define que uma
brinquedoteca é um espaço provido de brinquedos e jogos educativos,
destinado a estimular as crianças e seus acompanhantes a brincar. (JUCÁ E
RIBEIRO,2017)
O Decreto No 99.710, DE 21 de Novembro de 1990 em seu Artigo
31 estabelece que os Estados Partes reconhecem o direito da criança ao
descanso e ao lazer, ao divertimento e às atividades recreativas próprias da
idade, bem como à livre participação na vida cultural e artística. Dessa forma,
fica evidente a preocupação do legislador em assegurar e proteger os direitos
relativos à criança e ao adolescente, entre eles, o de brincar.
4.3 UM FATOR PARA A HUMANIZAÇÃO DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO
A brinquedoteca tem como papel garantir que na fase de internação
a criança tenha o direito de brincar assegurado. Ela dispõe de jogos e
brinquedos dispostos em um ambiente alegre, agradável e colorido, garantido,
assim, a ludicidade. (JUCÁ E RIBEIRO,2017)
15
A brinquedoteca de um hospital consiste em um meio terapêutico,
o qual as crianças melhoram seu estado de ânimo, bem como aceitam melhor
o tratamento disponibilizado nos hospitais e os cuidados oferecidos pelos
profissionais da área de saúde. O brincar no hospital se tornou importante em
decorrência do aumento da sobrevida de crianças portadoras de doenças
crônicas, que ficam hospitalizadas por longos períodos.
Na implantação de uma brinquedoteca no hospital, é necessário
que o espaço estimule a imaginação, provoque a curiosidade, dever ser
convidativo e ter atrativos para as diferentes idades dos usuários. Os
brinquedos devem ter sua qualidade assegurada, bem como indicação da faixa
etária de cada brinquedo. (JUCÁ E RIBEIRO,2017)
Os brinquedos presentes numa brinquedoteca necessitam de
alguns cuidados especiais para evitar que eles sejam fonte de proliferação de
doenças. Os profissionais de saúde devem estar atentos para o processo de
higienização desses brinquedos, com a finalidade de evitar que esses
brinquedos ao invés de trazer benefícios para saúde da criança, agravem o seu
estado de saúde apesar desses riscos a brinquedoteca hospitalar apresenta
uma gama de benefícios para a criança internada.
4.4 BENEFÍCIOS DE UMA BRINQUEDOTECA NO AMBIENTE HOSPITALAR
A integração entre os sujeitos envolvidos no processo de
internação hospitalar é um dos benefícios que a brinquedoteca proporciona.
Dessa forma, a criança cria laços afetivos enquanto brinca e torna o ambiente
hospitalar, um ambiente mais seguro e confiável para a criança no contexto de
cuidado. Outro ponto importante é que a brinquedoteca pode ajudar a criança a
diminuir a tensão enquanto espera a realização de algum procedimento. (JUCÁ
E RIBEIRO,2017)
A atividade de brincar da criança desenvolve seu senso de
companheirismo, nos jogos com amigos aprende a conviver, ganhando ou
perdendo, procura entender regras. A brincadeira dentro do contexto hospitalar
cria condições para que a criança possa desenvolver sua imaginação,
16
criatividade e percepção, permitindo sua manifestação quanto aos sentimentos
desencadeados por estar hospitalizada.
O brincar é uma atividade inerente ao comportamento infantil e
essencial ao bem-estar da criança, colaborando efetivamente para o seu
desenvolvimento físico, motor, emocional, mental e social. (JUCÁ E
RIBEIRO,2017)
A brinquedoteca
descontraído,
no
ambiente
hospitalar
torna-o
mais
através de atividades pedagógicas, jogos e brincadeiras que possam auxiliar no
desenvolvimento das habilidades das crianças internadas.
Outro benefício proporcionado pela brinquedoteca é a estratégia
de humanizar o cuidado à criança. Um percentual dos profissionais de saúde
traz a brincadeira para dentro do contexto hospitalar, proporcionando condições
para que a criança possa desenvolver sua imaginação, criatividade e
percepção. (JUCÁ E RIBEIRO,2017)
Dessa forma, o
comportamento
brincar
é
uma
atividade
inerente
ao
infantil e essencial ao bem-estar da criança, colaborando efetivamente para o
seu desenvolvimento físico, motor, emocional, mental e social.
4.5 A LUDICIDADE NA BRINQUEDOTECA
O desenvolvimento da ludicidade, na brinquedoteca, ocorre de
forma prazerosa e divertida por meio de brincadeiras. Estas são desenvolvidas
por crianças juntamente com o brinquedista, o qual será melhor fundamentado
mais adiante. Contudo, se a brinquedoteca é feita para brincar, as brincadeiras
lúdicas servem para desenvolver o alto conhecimento da criança. (PIRES,2014)
Nesse contexto, as atividades lúdicas que ocorrem na
brinquedoteca são fundamentais para subsidiar o processo de construção de
conhecimento da criança, pois, brincando ela adquire experiência, exercita sua
criatividade e fantasia, organiza o mundo e se prepara para o futuro.
As atividades desenvolvidas na brinquedoteca são bastante
17
variadas. As crianças podem brincar em grupo, adquirindo o processo de
sociabilidade, ou individualmente, estimulando o autoconhecimento. O
importante é que haja várias situações para que as crianças estejam sempre
motivadas a desmistificar o mundo dos brinquedos com prazer e alegria.
(PIRES,2014)
Esse brincar se dar de várias formas, desde as atividades que
requerem concentração como jogos de faz-de-conta, até as de brincar
livremente. Outras atividades que também são desenvolvidas na brinquedoteca
de forma lúdica são as atividades artísticas como: o desenho, a pintura, o
teatro, a música, as quais auxiliam na representação do cotidiano pela criança.
É interessante lembrar que a atividade lúdica é uma necessidade
da criança, pois, a ação lúdica ajuda-lhe no processo contínuo do
conhecimento e, consequentemente, no aprendizado, no desenvolvimento
sociocultural e pessoal. Ou seja, ó lúdico é responsável em resgatar e moldar a
infância, preparando a criança para a fase adulta. (PIRES,2014)
Sendo assim, a ludicidade é ponto chave para que ocorra um
melhor desenvolvimento da criança, cujo brincar é a atividade primordial da
infância. É por meio da ação lúdica que a criança aprende a viver e caminhar
para o futuro.
Portanto, o brincar está na essência do processo de construção
social da personalidade da criança. Com o brinquedo, as crianças lidam com a
regularidade e a modificabilidade dos acontecimentos. O brinquedo é a estrada
que a criança percorre para chegar ao coração das coisas e desvendar os
enigmas da vida. (PIRES,2014)
Nesse aspecto, a brinquedoteca é um espaço de valorização das
ações lúdicas de cada criança através do resgate das brincadeiras, as quais
retratam o cotidiano vivenciado pela própria criança que brinca. Dessa forma,
brincando, as crianças possuem facilidade de construir seu próprio mundo, e os
brinquedos, servem de ferramentas para a realização dessa construção.
4.6 JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NO DESENVOLVIMENTO
INFANTIL.
18
A infância é um período marcado por grandes descobertas
sociais,
físicas e
cognitivas em
que a criança
através do lúdico
interage,
consideravelmente, com o mundo que lhe cerca. Desse modo, o jogo, o
brinquedo e as brincadeiras sempre estiveram presentes na vida do indivíduo,
mas diferenciam-se culturalmente e conforme cada contexto histórico.
(PIRES,2014)
Por meio do jogo, desde os primórdios, o homem buscou o
autoconhecimento, a atividade lúdica é, essencialmente, um laboratório em que
ocorrem experiências inteligentes e reflexivas. Para Miranda (2001), o lúdico é
uma categoria geral de todas as atividades que possuem características de
jogo, brinquedo e brincadeira. Em síntese, o jogo ocorre por meio de regras
espontâneas ou intencionais; o brinquedo é o objeto manipulável; e a
brincadeira é a ação do brinquedo.
A criança que manipula um brinquedo com o ato de brincar está
exercendo ações sobre este, as quais são denominadas de brincadeiras, além
de possuir, de antemão, uma imagem a decodificar. (PIRES,2014)
Para a criança tudo pode virar brinquedo, desde que seja
favorecida a brincadeira. Objetos, sons, movimentos, figuras, pessoas,
espaços, enfim, tudo aquilo que proporciona o lúdico é transformado em
brinquedo. Por conseguinte, o valor de um brinquedo para uma criança pode
ser medido pela intensidade do desafio que representa para ela.
Na brinquedoteca, como em qualquer outro lugar, o brinquedo é
um
convite para brincar e jogar, o qual desenvolve o processo de socialização por
meio da interação entre as crianças, contribuindo de forma eficaz na
interiorização de valores e crenças, dentre os quais a criança busca sua
identidade. (PIRES,2014)
É através de jogos, brinquedos e brincadeiras que a criança
aprende a reproduzir o seu cotidiano, a natureza e as relações sociais, pois ao
substituir objetos reais e manipulá-los de acordo com sua imaginação, a
19
criança é levada a agir em um mundo imaginário, onde a situação é definida
pelo significado estabelecido pelas brincadeiras e não pelos elementos reais.
4.7 BRINQUEDOS PARA CADA PERÍODO DA INFÂNCIA, SEGUNDO JEAN
PIAGET.
Sabe-se que o brinquedo é um convite ao brincar. Todavia, para
que o mesmo represente um desafio para a criança, este deve estar adequado
aos interesses, às necessidades e as capacidades implícitas em cada etapa de
desenvolvimento, pela qual a criança perpassa. (PIRES,2014)
É importante colocar que, a orientação para a seleção dos
brinquedos não se baseia apenas no critério por faixa etária, mesmo porque se
vive num país cheio de valores e de diferentes etnias, logo, é preciso que se
atente para o fato de que cada criança tem seu ritmo próprio de
desenvolvimento.
Partindo desse princípio, um dos maiores teóricos que se
preocupou com o desenvolvimento das crianças foi Jean Piaget. Esse, por sua
vez, dividiu o entendimento sobre o desenvolvimento infantil por estágios estabelecendo-os por faixa etária -, através dos quais é possível perceber a
evolução do brincar de acordo com os interesses de cada idade. (PIRES,2014)
No decorrer do desenvolvimento infantil, a criança vai adquirindo
habilidades capazes de levá-lo ao conhecimento das coisas que estão em sua
volta. A brincadeira, nesse cenário, vem viabilizar uma relação íntima da
criança com o meio em que está inserida.
Observando o brincar da criança, Piaget (Apud KISHIMOTO,
2002), percebeu o jogo como um fator determinante para seu crescimento.
Investigou em todo o desenvolvimento infantil a existência de três tipos de
jogos conforme cada estágio em que a criança se encontra, são estes: Jogos
de Exercícios, Jogos Simbólicos e de Regras. Vale colocar que, embora os
estágios de desenvolvimento, pelos quais as crianças passam sejam
20
semelhantes, a época e a forma como eles se processam varia bastante.
(PIRES,2014)
Para melhor entendimento serão abordadas as etapas do
desenvolvimento infantil relacionando-as ao brincar, segundo Piaget:
Estágio Sensório-motor: Compreendido entre a faixa etária de zero a dois
anos.
Este período é caracterizado pela aquisição de comportamentos
involuntários da criança, pois a mesma no primeiro mês de vida apresenta
apenas reflexo. No decorrer de seu desenvolvimento ela começa adquirir
informações por meio dos sentidos. Já entre os seis e doze meses de vida da
criança, são frequentes os jogos de exercício em que trabalha com longas
repetições a sua própria ação, como esticar e encolher as pernas e os braços,
levar objetos a boca, entre outros. (PIRES,2014)
Essas atividades acima referidas são realizadas por mero prazer,
chamadas de atividades motoras. Para atender as necessidades da criança
neste período, é importante que sejam colocados, ao seu alcance, brinquedos
que venham estimular seu desenvolvimento. O brincar nesta fase, está voltado
para o encaixe, o esconder, manusear, explorar e o descobrir objetos.
Ressaltase também que, os brinquedos podem ser todo o seu ambiente:
objetos, sons, efeitos visuais, espaços, cores (móbiles coloridos), figuras e
pessoas.
Na brinquedoteca são comuns móbiles coloridos e sonoros, pois
os
mesmos prendem a atenção da criança no momento da brincadeira. Até
mesmo um pedaço de pano vermelho serve de brinquedo para estimular a
percepção visual da criança. Daí a necessidade de os brinquedos serem
adequados conforme cada período infantil. (PIRES,2014)
Dos doze aos dezoito meses: A criança começa a observar o
efeito
de sua conduta no ambiente a sua volta. Aprende a andar, explorar os espaços
e exercitar-se correndo de um lado para outro, usa as duas mãos juntas para
21
pedir as coisas apontando para os objetos, aumenta seu vocabulário e a
mesma palavra pode ter vários significados.
Os brinquedos, nesta fase, devem ser os chamados brinquedos
pedagógicos, ou seja, aqueles que estimulam a manipulação, como encaixar
argolas, empilhar tampinhas, apertar botões, que fazem saltar peças ou abrir
portinhas. (PIRES,2014)
Dos dezoito aos vinte e quatro meses, a criança passa a
internalizar
as ações realizadas e lembra-se das pessoas e coisas. Sua memória já está
ativa, começando o processo de representação e limitação mental, o que mais
tarde é consumado no surgimento da brincadeira simbólica, chamado na
próxima fase, de jogo do faz-de-conta.
Para esta fase, são necessários brinquedos que satisfaçam suas
necessidades de movimentação, como:
•
Brinquedos de empurrar;
•
Blocos de construção,
•
brinquedos de puxar;
•
Cavalinho de pau,
•
túneis para passar por dentro,
•
Jogos simbólicos e outros. (PIRES,2014)
Estágio Pré-operacional: Compreendido entre dois a sete anos.
É
o
segundo
estágio
de
desenvolvimento
cognitivo. Aproximadamente aos dois anos, quando a criança está saindo do
estágio sensório-motor, ela já é capaz de planejar suas ações e de fazer
representações com os objetos, por exemplo, uma tampinha vira um copo, uma
caixa de sapato vira berço, ou seja, o chamado jogo simbólico. Este jogo é marcado
pelas brincadeiras de faz-de-conta, mas, inicialmente, esta atividade é executada
de maneira solitária, envolvendo modos próprios de ver, sentir e reagir de cada
indivíduo. Por volta dos três anos de vida surgem às brincadeiras simbólicas
coletivas. (PIRES,2014)
22
Vale salientar que, entre os dois e quatro anos, a criança ainda não
é capaz de formar conceito corretos, mas a linguagem verbal se desenvolve
bastante, interessando-se pelo nome de tudo e definindo as coisas a sua
maneira; este é o chamado período pré-conceitual. Nesta faixa etária, os
brinquedos mais adequados são:
•
Livro de pano, que desenvolve a linguagem verbal;
•
Telefone, que desenvolve o raciocínio lógico;
•
Panelinhas e
(PIRES,2014)
outros
objetos
que
estimulam
o
faz-de-conta.
Já a fase que corresponde, mais ou menos, dos quatro aos sete
anos, a criança começa a argumentar e embora suas razões ainda não sejam
uma lógica, é capaz de classificar e dá nome as classes, considerando mais de
um atributo, faz ordenações por tamanho e estabelece sequências. Então, os
brinquedos aconselháveis são:
•
Bloco de construção;
•
Material para pintar e desenhar; • Jogos: de dominó, da dama, da
memória...
•
Carrinhos de boneca, Livro de história.
Estágio das Operações Concretas: período dos sete aos doze anos
Neste estágio, observa-se a presença dos jogos de regra, pois a
criança brinca mais em grupos, o que caracteriza a existência de um conjunto
de normas, sendo que seu descumprimento é normalmente penalizado,
ocorrendo também uma forte competição entre os indivíduos. Esse jogo
aparece quando a criança abandona a fase egocêntrica, possibilitando o
desenvolvimento dos relacionamentos afetivo-sociais. (PIRES,2014)
Para brincar nesta fase, sugere-se:
•
Bolas e raquete
•
Boliche, a peteca, quebra-cabeça mais complexo;
•
Futebol de salão
•
Jogos de matar que apresentam desafios:
23
•
Sucata e ferramentas para a construção de brinquedos.
Estágio das operações formais: a partir de doze anos em diante
Neste estágio, faz-se necessário estabelecer novas propostas para
se brincar, pois o indivíduo estará entrando na pré-adolescência e nesta etapa,
os brinquedos. (PIRES,2014)
Em linhas gerais, a brinquedoteca deve estar pronta para receber
a criança, levando em consideração cada estágio do seu desenvolvimento,
para que esta brinque de forma alegre, desfrutando de brinquedos e jogos, os
quais influenciarão em seu aprendizado. Isto só será possível se a
brinquedoteca contar com uma equipe de profissionais capacitados para este
fim, em que a figura do brinquedista é indispensável.
4.8 O BRINQUEDISTA E SUA FUNÇÃO
O brinquedista deve ser uma pessoa comprometida primeiramente
com a educação, ser alegre, afetiva e, principalmente, entender as fases pelas
quais as crianças passam. Na brinquedoteca, faz-se necessário um profissional
como este, capaz de mediar às brincadeiras na hora do brincar, pois o
funcionamento de qualquer brinquedoteca requer tarefas e responsabilidades
diferenciadas que vão além da organização dos brinquedos. (PIRES,2014)
Nesse
aspecto,
o
brinquedista,
juntamente
com
outros
profissionais - psicólogos e assistentes sociais -, são responsáveis pela triagem
da criança, análise de jogos e arrumação de brinquedos, tendo sobretudo, a
ajuda das crianças.
Esses profissionais envolvidos com o brincar, devem respeitar as
crianças, suas indicações, agindo com sensibilidade e alegria, porque sem
entusiasmo, o lúdico não é favorecido, e o ambiente não é contagiado pelo
prazer de brincar, tido como a função principal de uma brinquedoteca, pois a
regra significativa que vigora no universo do brincar dar à criança o poder de
participar do jogo social e histórico de produção e transformação do
conhecimento. (PIRES,2014)
24
4.8.1 A Formação do Brinquedista
A formação do brinquedista deve ser por meio de reflexões sobre o
ato de brincar da criança, pois os educadores, na sua maioria pedagogos,
despertam
para
importância
das
atividades
lúdicas
no
processo
de
desenvolvimento humano e propõem a disseminação de espaços lúdicos, as
brinquedotecas, à sociedade, deparando-se assim, com um novo profissional, o
brinquedista. (PIRES,2014)
Isso significa que o brinquedista deve ser capacitado para atuar nas
brincadeiras, através da valorização das atividades lúdicas, compreendendo a
brinquedoteca como um ambiente, no qual, as crianças vão para brincar e
estimular suas habilidades com toda a importância do aprender-fazendo,
entendendo que através do brinquedo, a criança entra em contato com um
discurso cultural sobre a sociedade, realizado por ela, com, o feito, nos contos,
nos livros, nos desenhos animados.
Logo, é preciso proporcionar as crianças oportunidades para que
elas possam exercer o direito de brincar. Dar à criança esse direito implicará,
consequentemente, na preocupação com a formação dos adultos que dela se
ocupam, quer sejam os professores, educadores ou brinquedistas. Vale
enfatizar que, as experiências vividas na infância são diretamente refletidas no
brincar, isto é, as brincadeiras refletem a maneira como as crianças lidam com
os acontecimentos do seu dia-a-dia. (PIRES,2014)
O que a criança aprende também se faz pela imitação do adulto.
Assim sendo, o brinquedista deve se envolver nas brincadeiras, sem atrapalhar
a criança, mas proporcionando estímulos para que brinque mais.
Do mesmo modo, o brinquedista, ao proporcionar os brinquedos e
as brincadeiras, deve provocar participação coletiva e desafiadora à criança na
busca de encaminhamento e resolução de problemas. No mais, se faz
necessário que o brinquedista tenha em mente que, na brincadeira, as crianças
produzem e reproduzem diversas formas de conhecimento. (PIRES,2014)
Para isso, cabe ao próprio brinquedista estabelecer relações
25
concretas entre o lúdico e o ensino dentro da brinquedoteca, em que nessas
ligações com o lúdico, o processo de ensino-aprendizagem torna-se cada vez
mais acessível às crianças.
Dessa forma, a brinquedoteca é muito mais que um ambiente para
brincadeiras, pois permite que se desenvolvam nas crianças a criatividade, a
socialização, o companheirismo ao vivenciar as emoções, os relacionamentos consigo e com outras crianças -, habilidades manuais e intelectuais, a
imaginação, a concentração, o poder de decisão, o respeito e o cumprimento
de regras. (PIRES,2014)
4.9 O BRINCAR COMO PROMOÇÃO À SAÚDE.
Por muito tempo pensava-se que o tratamento de doenças estava
relacionado apenas com exames clínicos, remédios e outros procedimentos
médicos, que muitas vezes interferem mais ainda na cura do paciente. Isto
porque não havia uma preocupação com o emocional, ou seja, com o
psicológico da pessoa enferma. (PIRES,2014)
Com vários estudos desenvolvidos na área da saúde, foi
observado
que não só o fator remédio contribui para a cura, mas outras ações devem ser
levadas em consideração. Nesse âmbito, o processo de cura de determinada
doença não se deve restringir apenas em cuidar do corpo físico, mas do
aspecto emotivo e psíquico do indivíduo. Nesse aspecto, várias iniciativas vêm
sendo adotadas pelos hospitais, na busca da cura mais eficaz, pode-se citar: as
terapias, as fisioterapias, atendimentos psicológicos, psicopedagógicos entre
outros.
Outras iniciativas mais recentes que ocorrem também no contexto
hospitalar incluem o processo educacional, que trabalha principalmente com
jovens e crianças internadas em hospitais e alas pediátricas de todo o país,
com o objetivo de oferece-lhes uma atenção ao que exige o Estatuto da
Criança e do Adolescente - Lei 8069, aprovado em 1990 -, o qual reconhece e
regulariza o direito a educação - formal e não-formal - a todas as crianças e
26
jovens, inclusive as que se encontram em tratamento de saúde hospitalar.
(PIRES,2014)
Com isso, observa-se que o brincar pode ser visto como mais
uma
ferramenta capaz de contribuir no processo de reabilitação e cura da criança,
uma vez que, a brincadeira é uma atividade essencial para que as crianças
possam equilibrar suas tensões, trabalhar suas necessidades cognitivas,
psicológicas, dando suporte para a criação de conhecimento e de
desenvolvimento das estruturas mentais, na medida em que estabelece uma
relação com o brinquedo e a atividade lúdica.
4.10 A CRIANÇA E O PROCESSO DA HOSPITALIZAÇÃO.
Muitos profissionais incluíam no conceito de saúde somente o
bemestar físico do doente, menosprezando os aspectos mentais, e sociais. Isso se
justifica pelo fato de não saberem lidar, nem considerar todos os aspectos do
indivíduo, apoiando-se apenas no conhecimento acerca da doença e da
técnica. (PIRES,2014)
Atualmente, observa-se que há uma atenção direcionada também
para o doente, isto é, para o sujeito em suas dimensões biológico, psicológico e
social. Nesses termos, consideram-se no processo da cura os fatores
interpessoais, os quais ajudam na reabilitação do doente, levando em
consideração que este é uma pessoa humana, com características e
personalidades próprias, haja vista que, num contexto global, a Organização
Mundial de Saúde (OMS) afirma que “a saúde deve ser vista como um bemestar físico, mental e social”.
Ao mesmo tempo, muito se vem discutindo, principalmente na
área
da medicina e psicologia, sobre as consequências da privação sofrida pela
criança hospitalizada durante o período de internação. Pois, a falta de contato
social, distanciamento dos familiares, a ausência de brinquedos, brincadeiras e
da própria escolarização no ambiente hospitalar, geram perturbações sociais,
físicas e cognitivas que afetam a vida da criança internada. (PIRES,2014)
27
Portanto, para discutir a promoção do brincar na hospitalização da
criança, é preciso entender as causas e as consequências que a mesma traz a
este público, bem como, o significado de sua intervenção para os profissionais
da saúde que atuam direta ou indiretamente nesse campo. Tal ênfase será
dada no item seguinte.
4.10.1 Motivos da Hospitalização
A internação é feita para possibilitar o diagnóstico e tratamento de
doenças mais complexas, por meio de recursos técnicos e acompanhamento
integral. (PIRES,2014)
A hospitalização na infância pode se configurar como uma
experiência potencialmente traumática. Ela afasta a criança do seu cotidiano,
do ambiente familiar e promove um confronto com a dor, com a limitação física
e com a passividade. Essa confrontação leva, na maioria das vezes, aos
sentimentos de culpa, punição e medo da morte.
Para dar conta de internalizar essa experiência - que é a
internação -, é necessário que a criança disponha de instrumentos de seu
domínio e conhecimento. Nessa perspectiva, nada melhor do que jogos,
brinquedos e brincadeiras para amenizar o sofrimento da internação, inserindoa num contexto, visto como “natural” dela, que é o brincar. (PIRES,2014)
Dessa forma, o brincar surge como uma possibilidade de
modificar
o cotidiano da internação, pois através de um movimento pendular entre o
mundo real e o mundo imaginário a criança transpõe as barreiras do
adoecimento e os limites de tempo e espaço.
4.10.2 Os Diferentes Espaços de Brincar
Ainda caracterizando a brinquedoteca, esta é um espaço criado
para favorecer o brincar como um local de descobertas, estimulação e
criatividade. Independentemente do tipo, o objetivo desta é sempre resgatar o
lúdico e a ludicidade infantil. Entretanto, os variados tipos de brinquedoteca
sugerem formas diferenciadas de funcionamento. Mas em todas elas, as
crianças devem se tornar sócias. Neste caso, o fato de associar-se, além de
28
possibilitar melhor controle sobre os brinquedos, proporciona também a
formação de um vínculo com a brinquedoteca. (PIRES,2014)
As atividades desenvolvidas na brinquedoteca podem ser
variadas
e a escolha e delimitação dependerão do tipo e objetivo da brinquedoteca. O
público infantil atendido pode brincar sozinho ou pode participar de jogos com
outros companheiros, o importante é que o espaço seja bem criativo e que os
frequentadores sejam estimulados por constantes novidades.
Nenhuma criança é obrigada a nada. Se, porventura, durante uma
atividade ela quiser ficar parada, o brinquedista deve apenas motivá-la, nunca a
forças a brincar. A escolha do brinquedo deve partir da livre opção da criança;
nesse caso, o brinquedista pode apenas fazer uma pré-seleção, distribuindo o
brinquedo de acordo com a faixa etária da criança, para que possam brincar à
vontade e descobrir toda a magia do lúdico. (PIRES,2014)
Nesse cenário, a brincadeira é considerada uma atividade
indispensável para a vida das crianças e um estímulo fundamental para seu
bom desenvolvimento emocional, social, psíquico e cognitivo, assim como,
contribui de forma eficaz no processo da cura. Em outros termos, a
brinquedoteca se constitui num espaço certo da brincadeira, assumindo
funções pedagógicas, sociais e terapêuticas da mais alta importância em vários
ambientes, como, por exemplo, em hospitais.
4.10.3 Brinquedoteca Hospitalar.
A brinquedoteca deixou de ser um espaço pensado para as escolas
ou para as crianças se divertirem simplesmente. Na atualidade, como já fora
citado, as atividades lúdicas envolvem diferentes setores da sociedade como:
grandes empresas, universidades, escolas, hospital, Clinicas Fisioterapeutas,
Psicopedagógicas, organizações não-governamentais e tantos outros espaços
que reconhecem o valor da ludicidade para a melhoria de vida das pessoas.
(PIRES,2014)
Os hospitais, normalmente não estão preparados para o
29
atendimento de crianças, pois quando ela é hospitalizada sua vida muda
completamente. Ela deixa sua casa, seus amigos, seus brinquedos e
encontram um ambiente desconhecido, com parede sem cor, aparelhos
estranhos, pessoas desconhecidas e uniformizadas que lhe oferece remédios
amargos, injeções, máscaras de oxigênio, sondas, exames complicados, além
do choro de outras crianças, etc. Tudo isso provoca medo, sofrimento,
ansiedade e desconforto. Para amenizar esse impacto sentido pela criança,
surge a brinquedoteca hospitalar.
Historicamente falando, as primeiras ideias de brinquedoteca
hospitalar surgem na Finlândia mais ou menos no ano de 1909, quando se
pensava
em
organizar
um
espaço
de
recreação
para
as
crianças
hospitalizadas. Mas isso só foi possível em 1950, quando o brincar no hospital
se organizou. Desde então, a literatura sobre o assunto tem ajudado a
sensibilizar os profissionais da área da saúde, psicologia e educação acerca do
lúdico nos hospitais e clinicas. (PIRES,2014)
No Brasil, a primeira brinquedoteca surgiu em 1981, porém a
obrigatoriedade
das
brinquedotecas
hospitalares
só
ocorreu
com
a
promulgação da lei n°11.104, de 21 de março de 2005, dispõe sobre a
obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas, nas unidades de saúde que
ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação.
É importante ressaltar que muitos hospitais ainda não reconhecem
o efeito do brincar no processo da hospitalização. (PIRES,2014)
4.11 O QUE DIZ A LEI?
Art. 1º Os hospitais que oferecerem atendimento pediátrico contarão,
obrigatoriamente, com brinquedotecas nas suas dependências.
Parágrafo único – o disposto no caput deste artigo aplica-se a qualquer unidade
de saúde que ofereça atendimento pediátrico em regime de internação.
(PIRES,2014)
Art. 2º Considera-se brinquedoteca, para os efeitos desta lei, o espaço provido
de brinquedos e jogos educativos, destinados a estimular as crianças e seus
acompanhantes a brincar.
30
Art. 3º A inobservância do disposto no artigo 1º desta Lei configura infração a
legislação sanitária federal e sujeita seus infratores às penalidades previstas no
II, do art. 1º da Lei nº. 6.437, de 20 de agosto de 1977. (PIRES,2014)
Art. 4º Esta lei entra em vigor 180 (cento e oitenta) dias após a data de sua
publicação: Brasília, 21 de março de 2005.
Para tanto, apresentamos nosso pleito de revisão e ampliação da
Lei 11.104/2005 nos seguintes aspectos:
1– Extensão da obrigatoriedade de Brinquedotecas a qualquer unidade de
saúde que ofereça atendimento pediátrico, seja em regime de internação,
Pronto Socorro Infantil ou atendimento ambulatorial. (PIRES,2014)
2
– Considera-se Brinquedoteca, o espaço provido de brinquedos e jogos
destinado a favorecer as crianças e seus acompanhantes a brincar de forma
livre e espontânea, mediados por recursos lúdicos diversificados.
3
– As atividades lúdicas, seus recursos e materiais devem ser
organizados de acordo com as especificidades do ambiente hospitalar e das
unidades de Saúde em geral, considerando o desenvolvimento e as condições
físicas e sócio- afetivas das crianças atendidas nessas unidades de Saúde.
(PIRES,2014)
4
– A gestão da Brinquedoteca Hospitalar ou em ambiente de Saúde é
realizada por profissional denominado de Brinquedista, vinculado à equipe
hospitalar.
5
– O profissional responsável pela gestão da Brinquedoteca Hospitalar ou
em ambiente de Saúde em geral terá comprovada formação teórico-prática
específica na área do desenvolvimento infantil, das atividades lúdicas e dos
recursos organizacionais próprios das Brinquedotecas, além de conhecimento
acerca das normas da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do
local. (PIRES,2014)
6
– O profissional encarregado da Brinquedoteca Hospitalar ou em
ambiente de Saúde, denominado de Brinquedista, terá colaboradores com
formação específica na área do brincar e da infância e caberá a aquele
promover a atualização de conhecimentos desses participantes.
31
7
– Sendo a Vigilância Sanitária a única instancia de fiscalização das
Brinquedotecas em ambiente de saúde prevista pela Lei 11.104/2005, faz-se
necessário a capacitação dos fiscais que ali atuam a fim de adquirirem
condições para avaliar as brinquedotecas hospitalares de acordo com critérios
de qualidade de organização e funcionamento, tendo em vista sua função e
seus objetivos. (PIRES,2014)
8
– Pleiteia-se, para efetivação do cadastro de hospitais pediátricos no
Sistema de Saúde, a inclusão da existência de Brinquedotecas e de
Brinquedistas nesses hospitais, nos moldes descritos nas proposições
anteriores desse pleito, sendo esse cadastro acessível à consulta de usuários,
de pesquisadores, da Associação Brasileira de Brinquedotecas e entidades
assemelhadas que se ocupam com as questões relativas à infância.
A Associação Brasileira de Brinquedotecas se propõe a colaborar na
aplicação das proposições e medidas sugeridas, através da elaboração de
conteúdo informativo adequado aos diferentes atores e níveis envolvidos nas
mesmas, a ser divulgado por meio de manuais e vídeos explicativos, ou por
outros meios a se definir. (PIRES,2014)
4.12 ABBri
A ABBri (Associação Brasileira de Brinquedotecas) é uma entidade
sem fins lucrativos– referência nacional em consultoria sobre organização de
brinquedotecas e capacitação de brinquedistas – que desenvolve atividades de
caráter sociocultural para defesa do Direito de Brincar de caráter cultural e
educacional, qualificada como OSCIP (Organização de Sociedade Civil de
Interesse Público). (ABBri,2017)
Desde 1984, a ABBri trabalha em benefício da divulgação do
brincar,
na
formação
de
brinquedistas
e
auxilia
na
montagem
de
brinquedotecas por todo país. A associação é referência nacional em
consultoria
sobre
organização
de
brinquedotecas
e
capacitação
de
brinquedistas e segue os padrões internacionais da ITLA (International Toy
Libraries Association), da qual é afiliada.
Como se vê a construção de brinquedotecas em ambientes
32
hospitalares é de suma importância, pois a mesma transforma o aspecto triste
da internação em momentos alegres, fazendo com que as crianças reajam ao
tratamento. (ABBri,2017)
4.13 ORIGEM DAS BRINQUEDOTECAS NO BRASIL
1971 – Criação da APAE de São Paulo com o setor de recursos pedagógicos;
1974 – Congresso internacional de pediatria, na cidade de São Paulo, destacou
a importância do brinquedo;
1979 – Elaboração do livro Material Pedagógico manual a qual apresentava
brinquedos como instrumento enriquecedor do processo de aprendizagem;
1981 – Criação da primeira brinquedoteca em São Paulo, com características
relacionadas às necessidades especificas das crianças;
1982 – Criação da primeira brinquedoteca no Nordeste em Natal;
1985– Inauguração da brinquedoteca da faculdade de educação da
universidade de São Paulo;
1998 – Inauguração da brinquedoteca terapêutica Senninha em parceria com o
Instituto Ayrton Senna, em São Paulo. (JUCÁ E RIBEIRO,2017)
5 CONSIDERAÇÕES
Como o espaço hospitalar possui normas especificas, a criança e
sua família precisam se adaptar a estas condições, como menu distinto,
ausência de privacidade com a divisão do mesmo ambiente com pessoas
diferentes, roupas anormais, entre outros. Além disso, a criança ainda tem que
se conter a exames, às vezes agressivos, e a tratamento muitas vezes,
dolorosos, com injeções, tratamento endovenoso, entre outros.
A Brinquedoteca Hospitalar tem como educar, prevenir e
promover
a saúde da criança, pois os conceitos atribuídos as instituições que promovem
esse
instrumento,
tem
desenvolvimento da criança.
uma
porcentagem
alta
de
recuperação
e
33
As leis que regem essa ferramenta “o brincar”, tem como intuito
dar
melhores condições de tratamento, lazer e habituar essa criança há um
ambiente mais confortável e confiante.
A atividade de brincar pode ocasionar um efeito terapêutico
auxiliando na superação de dificuldades e conflitos emocionais, intelectuais e
sociais da criança, atribuindo assim as atividades lúdicas.
6 REFERÊNCIA
PIRES, J.S MONOGRAFICAS BRASIL ESCOLA - A BRINQUEDOTECA
HOSPITALAR E SUA CONTRIBUIÇÃO ÀS CRIANÇAS HOSPITALIZADAS:
UM ESTUDO NA PEDIATRIA
DISPONIVEL:https://monografias.brasilescola.uol.com.br/educacao/brinquedote
ca-hospitalar-contribuicao-criancas-hospitalizadas.htm
ACESSO: 11/09/2018 as 17:24
JUCÁ, A.C.V e RIBEIRO, M.S.S PSICOLOGADO - A CONTRIBUIÇÃO DA
BRINQUEDOTECA HOSPITALAR NA RECUPERAÇÃO DA SAÚDE DA
CRIANÇA HOSPITALIZADA
34
DISPONIVEL:https://psicologado.com.br/atuacao/psicologiahospitalar/acontribuicao-da-brinquedoteca-hospitalar-na-recuperacao-da-saude-dacriancahospitalizada
ACESSO: 12/09/2018 as 9:44
ABBri - POR DENTRO DA LEI
DISPONÍVEL:http://www.brinquedoteca.org.br/por-dentro-da-lei/
ACESSO: 12/09/2018 as 22:50
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards