Enviado por Do utilizador2547

semi-aula-7-idade-moderna-navegac3a7c3b5es-e-absolutismo

Propaganda
Idade Moderna
Parte I
A expansão marítima europeia





Período: séculos XV e XVI.
Domínio das rotas mediterrânicas para o
Oriente pelas cidades italianas.
Busca de rotas alternativas – Oceano Atlântico.
Reinos pioneiros: Portugal e Espanha.
Fatores: avanços tecnológicos entre os ibéricos
por influência dos árabes; empreendimento
marítimo com financiamento do Estado.
Pioneirismo português
A Igreja Católica legitimou a conquista;
 O desejo de se apoderar do ouro da
Guiné;
 A busca de especiarias orientais;
 Superioridade dos navios portugueses;
 Habilidade política em explorar rivalidades
internas nas regiões ocupadas.

Cidades portuguesas do litoral eram pontos
de parada das embarcações que interligavam
o Mediterrâneo aos mares do Norte e Báltico.
 Desenvolvimento de um grupo de
mercadores.
 Centralização política portuguesa com
origens no século XII e consolidada no século
XIV com a Revolução de Avis.
 “ necessidade de buscar no mar o que a terra
não podia dar”.

Portugal: domínio de todo litoral da África, do
oceano Atlântico até o Índico.
“E aproximava-se o tempo da chegada das
notícias de Portugal sobre a vinda das duas
caravelas, e esperava-se essa notícia com muito
medo e apreensão; e por causa disso não havia
transações, nem de um ducado (...). Na feira
alemã de Veneza não há muitos negócios. E isto
porque os alemães não querem comprar pelos
altos preços correntes, e os mercadores
venezianos não querem baixar os preços (...) e na
verdade são as trocas tão poucas como se não
poderia prever” (Diário de um mercador
veneziano, 1508)
Onde: Europa
Período: fim da Idade Média e início da
Idade Moderna
Dividido em dois momentos: Estados
Monárquicos (centralização do poder
econômico e político) e Estados
Absolutistas
Características principais
Centralização administrativa.
 Soberania.
 Exército nacional.
 Delimitação fronteiriça.
 Tributação.
 Exercício da violência.
 Uniformização do sistema de pesos e
medidas.
 Uniformização linguística.

Teóricos do Absolutismo
Nicolau Maquiavel (1469-1527): Sua obra
mais conhecida “O Príncipe”, foi escrita
para a educação de um futuro soberano,
Lorenzo de Médici. Nela argumentou que “os
fins justificam os meios”; esse novo princípio
ético separou a condição de moral individual
da condição de moral pública. No modelo de
Maquiavel, o maior objetivo do príncipe ou
do rei seria zelar pela manutenção e
ampliação de seu próprio poder.

“O príncipe não precisa ser piedoso, fiel,
humano, íntegro e religioso, bastando que
aparente possuir tais qualidades (...). O
príncipe não deve se desviar do bem, mas
deve estar sempre pronto a fazer o mal, se
necessário.“ – Nicolau Maquiavel, O
Príncipe.

Thomas Hobbes (1588-1679): Tem
fundamental importância no pensamento
político contemporâneo. Seu livro “Leviatã”,
é um elogio ao absolutismo, no qual o autor
destaca o papel do Estado absoluto no
aprimoramento social, pois sem Estado “o
homem é o lobo do homem”, eternamente
dilacerando-se em contendas sangrentas.
Ao Estado Leviatã coube a tarefa de impor
regras de conduta civilizadas aos súditos,
mesmo que para isso tenha de usar de
violência (exército ou polícia).
“Isso é mais do que consentimento ou
concórdia, pois resume-se numa verdadeira
unidade de todos eles, numa só e mesma
pessoa, realizada por um pacto de cada
homem com todos os homens [...] Esta é a
geração daquele enorme Leviatã, ou antes –
com toda reverência – daquele deus mortal,
ao qual devemos, abaixo do Deus Imortal,
nossa paz e defesa” [...] É nele que consiste
a essência do Estado, que pode ser assim
definida:
‘Uma grande multidão institui a uma pessoa,
mediante pactos recíprocos uns aos outros,
para em nome de cada um como autora,
poder usar a força e os recursos de todos,
da maneira que considerar conveniente,
para assegurar a paz e a defesa comum’. O
soberano é aquele que representa essa
pessoa”. (HOBBES, 2003, p.130-1 31).
Jacques Bossuet (1627-1704): pregava
que o Estado deveria se resumir a “um rei,
uma lei, uma fé”. Na obra “Política
Segundo as Sagradas Escrituras”.
Defendeu que o poder do rei (predestinado)
provém diretamente de Deus. Assim,
somente Deus tem o direito de julgar os atos
reais.
 Também conhecida como o Teoria do
Direito Divino.

“O trono real não é o trono de um homem, mas
o trono do próprio Deus... Os reis... São
deuses e participam de alguma maneira da
independência divina. O rei vê de mais longe
e de mais alto; deve acreditar-se que ele vê
melhor, e deve obedecer-se lhe sem
murmurar, pois o murmúrio é uma
disposição para a sedição.” (JACQUESBÉNIGNE BOSSUET)
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards