Enviado por Do utilizador2259

AssedioMoralSC-002

Propaganda
Condições Precárias de Trabalho e Assédio Moral entre trabalhadores da Estratégia de Saúde
da Família
Lucas Mello Pioner1
Fábio Luiz Quandt2
Rodrigo Otávio Moretti-Pires3
RESUMO
Introdução: As contínuas transformações que vêm ocorrendo no mundo do trabalho,
predominantemente de cunho econômico, têm influenciado diretamente na estrutura das
organizações prestadoras de serviços de saúde. Estas últimas, a fim de se manterem inseridas no
mercado de trabalho, altamente mutável e cruelmente competitivo, exploram cada vez mais o seu
bem mais precioso (os recursos humanos), levando os profissionais ao convívio diário com
situações desgastantes que acabam por ferir a dignidade da condição humana do sujeito-trabalhador.
Objetivo: Esta pesquisa tem por escopo primordial investigar a existência de indícios de assédio
moral na população de trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família (ESF), no município de
Manacapuru (AM). Pretende-se, ainda, estudar as repercussões do assédio moral sobre a saúde
destes profissionais, bem como analisar as diferenças do fenômeno entre os gêneros. Metodologia:
Trata-se de um estudo qualitativo, de investigação da prevalência do fenômeno assédio moral na
população de trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família de um Município do Estado do
Amazonas. O instrumento de coleta de dados aborda múltiplos aspectos relacionados às condições
de trabalho individuais e coletivas na ESF do município pesquisado, e pretende servir de base para
reflexões a respeito das más condições de trabalho no SUS, com especial atenção dedicada às
questões da precarização do trabalho e do assédio moral no trabalho em saúde. É composto
basicamente por perguntas objetivas de múltipla escolha relacionadas às características sóciodemográficas, de condições de trabalho e de saúde/doença a respeito dos entrevistados.
Adicionalmente, há perguntas discursivas e espaços destinados à reflexão dos temas assédio moral e
precarização do trabalho em saúde, preservando a perspectiva de subjetividade dos sujeitos da
pesquisa. Resultados: No total, 137 indivíduos (com média de idade de 33,7 anos) responderam ao
instrumento de pesquisa, sendo a ampla maioria (80,88%) do sexo feminino. A categoria
profissional predominante foi a dos ACS, com 77,94% do total da amostra. Nesse contexto,
encontramos alta prevalência de trabalho precário em uma de suas modalidades mais extremas, em
que adicionalmente há fortes indícios da presença de assédio moral. Se fizermos uma análise mais
detalhada, podemos perceber que para os homens, o assédio moral foi percebido especialmente
através da sensação de ser vigiado por colegas ou superiores e pela falta de segurança e estabilidade
no emprego. Já nas trabalhadoras, o assédio foi percebido através de pressões desnecessárias,
agravadas pela inexistência de condições físicas e psicológicas adequadas para o exercício de suas
profissões. Conclusões: Além da já tradicional falta de recursos e de estrutura de todos os tipos, no
contexto descrito a chamada reestruturação produtiva do trabalho no setor saúde mostra uma de
suas múltiplas facetas, talvez a mais perversa, por representar o momento em que o trabalho causa
dano em quem o exerce. Conclui-se, portanto, que é preciso haver uma radical ruptura de
paradigmas, elevando-se novamente o trabalho no setor saúde à categoria dos ofícios exercidos
como uma dádiva pelo cuidado para com o outro, e não mais como um fardo para o trabalhador.
Palavras-chave: Assédio Moral; Reestruturação Produtiva; Saúde da Família; Trabalhadores de
Saúde; Trabalho Precário.
1
Mestrando em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Santa Catarina. Contato: [email protected]
Mestrando em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Santa Catarina. Contato: [email protected]
3
Doutor em Enfermagem Psiquiátrica, Universidade Federal de Santa Catarina. Contato: [email protected]
2
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

Criar flashcards