artigo - Voar Sem Medo

advertisement
_ambientes
QUEM TEM
MEDO DE
VOAR?
O medo de voar afec ta entre
20 a 40% da popul ação adulta .
Além de sérias implic ações na
vida de quem sofre da fobia , é
um problema que se reflec te
na oper ação aeroportuária ,
com custos financeiros par a
as companhias aéreas e par a
os aeroportos. A boa notícia é
que é possível aprender a Voar
Sem Medo.
U
m recém-casado, chamemos-lhe António (para o
caso pouco interessa), estava já dentro do avião,
sentado ao lado da mulher e pouco tempo faltava
para que o voo descolasse em direcção a Moçambique. À
sua frente, o casal tinha umas semanas de lua-de-mel num
destino paradisíaco, em Pemba e na Ilha de Moçambique.
Sem dizer nada e sem que nada o fizesse prever, o jovem
levantou-se e saiu do avião sem olhar para trás. Ninguém
o conseguiu convencer a voltar.
28
Comportamentos como este são mais
frequentes do que imaginamos. O medo de voar
atinge entre 20 a 40% da população adulta,
segundo dados do Health Institute of Aviation,
uma organização inglesa que trabalha a nível
internacional para melhorar as condições de
saúde do passageiro aéreo. E embora o tema possa
suscitar sorrisos em algumas pessoas, a verdade é
que para outras é um problema real com graves
implicações na sua vida quotidiana. E também na
vida das companhias e dos aeroportos, com atrasos
na operação e custos financeiros associados.
Cristina Albuquerque é psicóloga clínica e tem
mais de 20 anos de experiência na área da aviação,
tendo sido pioneira no tratamento da fobia de
voo em Portugal. No ano passado criou a Voar
Sem Medo, um centro especializado no estudo e
tratamento da fobia de voo que tem como parceiro
a VALK Foundation, fundada na Holanda em 1989
e um mais prestigiados centros de investigação e
tratamento da aerofobia no mundo.
Já perdeu a conta ao número de pessoas que
tratou e continua empenhada em mostrar que
a aerofobia não é uma condição irreversível. O
tratamento é geralmente feito através de terapia
Os profissionais recebem formação e possuem experiência e
em grupo durante três dias de curso intensivo. Em
sensibilidade para lidar com os passageiros aéreos mais ansiosos
alternativa, em casos específicos (por questões
e para desmistificar medos, prestar esclarecimentos e tirar todas
de privacidade ou de inaptidão social do paciente)
as dúvidas que inquietam estes passageiros. A vertente técnica do
também se pode optar pela terapia individual,
programa é muito importante, explica a psicóloga, porque muitas
realizada entre 6 a 10 sessões. Em ambas as
vezes a fobia deriva da falta de informação, ou seja, de não perceber
vertentes a intervenção termina sempre com um
os mecanismos que fazem com que toneladas de aço e metal
voo “terapêutico”.
levantem voo no céu.
Além da intervenção psicológica propriamente
dita, a Voar Sem Medo conta com
Embora o tema possa suscitar sorrisos em algumas pessoas,
uma equipa altamente especializada
para outras é um problema real com graves implicações na
de profissionais da área da aviação:
pilotos, especialistas em segurança
sua vida. E também na vida das companhias e dos aeroportos,
de voo, tripulantes de cabine,
com atrasos na operação e custos financeiros associados.
técnicos aeroportuários, especialistas
O primeiro passo é uma consulta onde é feita uma avaliação
em manutenção aeronáutica e controladores de
psicológica muito completa e traçado o perfil do paciente. “Importa
tráfego aéreo.
perceber os motivos da fobia, que não são os mesmos em todos
Para isso, celebrou protocolos de cooperação com
os casos. Não existem fobias de voo iguais. Cada indivíduo tem
a Associação de Pilotos Portugueses de Linha Aérea,
uma história pessoal e as suas razões muito particulares para ter
a Associação Portuguesa de Tripulantes de Cabine,
desenvolvido medo de voar”.
a Navegação Aérea de Portugal e, a partir de agora,
Apesar da importância do background, a psicóloga reconhece que
também com a ANA. “A colaboração do aeroporto,
existem traços de carácter comuns a grande parte dos aerofóbicos
nomeadamente através do acesso a áreas restritas,
– um temperamento controlador, por exemplo. “E se há sítio onde
é fundamental na preparação do voo para que o
simplesmente não podem controlar nada é dentro de um avião”.
primeiro contacto com o aeroporto não seja no dia
O tratamento que os media dão aos acidentes de aviação,
do voo”, diz Cristina Albuquerque.
29
_ambientes
Um grupo, que fez o tratamento da
fobia de voo, durante a visita à Torre de
Controlo, no Aeroporto de Lisboa.
com a repetição por vezes exaustiva de
imagens, também é apontado por Cristina
Albuquerque como um factos com impacto
muito negativo nas pessoas. “Cada pessoa
lida com este tipo de informação de forma
diferente. Para algumas, as imagens servem
para abrir o baú das memórias negativas, ou
seja, lembram-se de tudo o que já viram e
ouviram sobre acidentes de aviação”.
Recorda-se de um antigo paciente
que se encontrava em Heathrow pronto
para embarcar quando as imagens do
11 de Setembro, recordadas em mais
um aniversário da tragédia, passavam
nos écrans de televisão. “É o suficiente
para que a ansiedade e o medo voltem.
Mas na maior parte das vezes basta um
telefonema, uma chamada à realidade, e
tudo fica bem de novo”.
Em situações especiais, a Voar Sem Medo
pode também prestar apoio na preparação
duma viagem aérea que, apesar de estar
agendada e reservada, a pessoa não se
sente capaz de fazer. Outra situação
relativamente vulgar é os tripulantes dos
aviões desenvolverem fobia de voo na
sequência de algum episódio relacionado
com a profissão. Também nesses casos a
Voar Sem Medo pode ajudar.
O tratamento da fobia de voo tem uma
taxa de sucesso de 95%. Mas embora
muita gente passe dos 8 aos 80, isso
não acontece com todos. Muitos não
ultrapassam a fobia do dia para a noite,
por isso Cristina Albuquerque garante um
30
Psicóloga clínica,
Cristina Albuquerque
tem mais de 20
anos de experiência
na área da aviação
e foi pioneira no
tratamento da fobia
de voo em Portugal.
Apesar da importância do background, a
psicóloga reconhece que existem traços de
carácter comuns a grande parte dos aerofóbicos
como um temperamento controlador. “E se há
sítio onde simplesmente não podem controlar
nada é dentro de um avião”.
“follow up” durante dois anos: uma consulta três meses após o
tratamento e depois um “check-up”, que pode ser por telefone,
de seis em seis meses.
A psicóloga, que é também autora do livro “Voar Sem
Medo – Um guia prático para voar confiante e descontraído”,
desaconselha a estratégia de engolir o medo e, simplesmente,
entrar no avião e aguentar ou procurar refúgio nos calmantes ou
no álcool. O mais provável é que o medo continue a crescer, se
torne insuportável e seja cada vez mais difícil de tratar.
VOAR SEM MEDO
Linha Directa para informações e inscrições: 913 282 092 [email protected]
www.voarsemmedo.com
http://www.facebook.com/voar.semmedo
31
Download