trabalho - enanpege

advertisement
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
CIRCUITOS ESPACIAIS DA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR
AMERICANA NO ESTADO DO MATO GROSSO, BRASIL
GLAUCO NONOSE NEGRÃO1
LEANDRO REDIN VESTENA2
RESUMO
Para compreensão da expansão territorial e temporal da leishmaniose tegumentar americana (LTA)
torna-se necessário a análise dos circuitos espaciais com importância epidemiológica na difusão da
doença (Negrão, 2013). Este trabalho teve como objetivo caracterizar os principais circuitos espaciais
com importância epidemiológica na produção autóctone de LTA no Estado do Mato Grosso, Brasil,
entre 2001 e 2013, a partir dos dados registrados no Sistema Nacional de Agravos de Notificações
(SINAN). Foi objeto de estudo deste trabalho os fatores geográficos intervenientes em 23.217 casos
autóctones de LTA distribuídos em 4 circuitos eco epidemiológicos de produção da doença: Bacia do
Rio Araguaia, Bacia do Rio Teles Pires, Bacia do Jurena e Bacia Amazônica. Estudos geográficos
representam valiosos subsídios para compreensão epidemiológica e planejamento de atividades de
saúde pública.
Palavras-chave: leishmaniose tegumentar americana, Geografia da Saúde, biogeografia.
ABSTRACT
In order to understand the time line and the space expansion of American tegumentar leishmaniosis
(ATL) it becomes necessary the analysis of the space circuits with epidemiological significance in the
spreading of the disease (Negrão, 2013). This paper aims to characterize the main space circuits with
epidemiological significance in the ATL autochthone production in the state of Mato Grosso, Brazil,
between 2001 and 2013, beginning with the ATL dada registered in the National Disease Notification
System (SINAN). Having as study subject the geographic factors that intervene in 23,217 autochthone
ATL cases distribuited in four eco epidemiologic circuits of the disease production: Araguaia River
Basin, Teles Pires River Basin, Jurena Basin and the Amazonic Basin. Geographic studies represent
valuable orientations towards epidemiological understanding as well as the public health care activities
planning.
Key-words: American tegumentar leishmaniosis, Geography of Health, biogeograph.
1. Introdução
A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença infecciosa não
contagiosa causada por variadas espécies de protozoários digenéticos da ordem
Kinetoplastida, família Trypanosomatidae, gênero Leishmania; que acometem a pele
e/ou mucosas humanas e de várias espécies de animais silvestres e domésticos das
1
Pós doutorando pelo Programa Nacional de Pós Doutorado (PNPD – Capes) no Programa de pós-graduação da
Universidade Estadual do Centro-Oeste. E-mail de contato: [email protected]
2
Docente do Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual do Centro-Oeste – PPGG Unicentro. E-mail
de contato: [email protected]
4666
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
regiões tropicais e subtropicais do Velho e Novo Mundo. Nas Américas são
transmitidas entre os animais e o homem pela picada das fêmeas de diversas
espécies de flebótomos (Ordem: Diptera, Família: Psychodidae, Subfamília:
Phlebotominae), dos gêneros Lutzomyia e Psychodopygus (Brasil, 2006). Continuam
sendo doenças negligenciadas pelas autoridades sanitárias mundiais afetando em
sua maioria populações mais vulneráveis ou carentes (WHO, 2008).
A relevância da LTA em Saúde Pública reside na alta incidência e ampla
distribuição geográfica em território brasileiro com aspectos de cronicidade, latência
e desenvolvimento de metástases que conduzem a quadros clínicos desfigurantes,
abalando psicologicamente o doente, com reflexo no campo social e econômico
(Brasil,
2000).
No
Brasil
encontra-se
distribuída
conforme
circuitos
eco
epidemiológicos específicos por todas as regiões geográficas brasileiras (Negrão,
2013), sendo caracterizada com caráter ocupacional relacionado às atividades
profissionais, ações antrópicas no ambiente, urbanização crescente e pressões
socioeconômicas. A LTA têm se expandido em áreas endêmicas e favorecido o
aparecimento de focos em zonas urbanas que dispõem de áreas de matas
conservadas e/ou preservadas (matas residuais) em todo o território nacional.
No Brasil a doença está incluída na PORTARIA Nº 2.472, DE 31 DE AGOSTO
DE 2010, do Ministério da Saúde que adota a Lista de Notificação Compulsória LNC, referente às doenças, agravos e eventos de importância para a saúde pública
de abrangência nacional em toda a rede de saúde, pública e privada, estabelecendo
como mecanismo de notificação o Sistema de Informação de Agravos de Notificação
(SINAN) do Centro Nacional de Epidemiologia (CENEPI) da Fundação Nacional de
Saúde, obedecendo às normas e rotinas estabelecidas pela Secretaria de Vigilância
em Saúde do Ministério da Saúde - SVS/MS. O processo de notificação ocorre pela
Ficha Individual de Notificação baseada na definição de caso confirmado e engloba,
além da notificação propriamente dita, a investigação e o acompanhamento dos
casos.
Neste contexto o Geógrafo possui importante papel no estudo espacial e
temporal da ocorrência e incidência da LTA, uma vez que a Lei nº. 6.664, de 26
junho de 1979, que disciplina a profissão de Geógrafo e dá outras providências, em
seu Art. 4º, as atividades profissionais do Geógrafo, sejam as de investigação
4667
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
puramente científica, sejam as destinadas ao planejamento e implantação da política
social, econômica e administrativa de órgãos públicos ou às iniciativas de natureza
privada, se exercem através de “órgãos e serviços permanentes de pesquisas e
estudos,
integrantes
de
entidades
científicas,
culturais,
econômicas
ou
administrativas” e da “prestação de serviços ajustados para a realização de
determinado estudo ou pesquisa, de interesse de instituições públicas ou
particulares, inclusive perícia e arbitramentos” (Brasil, 1979).
Entre 2001 a 2013 confirmados 225.017 casos autóctones de LTA no território
brasileiro (Sinan, 2015). É objeto de estudo deste trabalho os fatores geográficos
intervenientes em 23.217 casos autóctones de LTA distribuídos em 5 mesorregiões
do Estado do Mato Grosso, subdivididas em 22 microrregiões (IBGE, 2010),
ocorrência em 141 municípios, distribuídos em 4 circuitos eco epidemiológicos de
produção da doença e 22 cidades pólos. A formulação de circuitos espaciais de
produção da doença pela abordagem multiescalar permite formular hipóteses sobre
seu recrudescimento e determinantes ambientais específicos, manifestados em
diferentes circuitos eco epidemiológicos específicos de forma local ou regional, que
atuam no auxílio à produção da doença.
No Estado do Mato Grosso todos os municípios tem registros de casos
autóctones, sendo objetivo deste trabalho contribuir para compreensão de aspectos
regionais e locais intervenientes no processo endêmico de ocorrência e expansão da
LTA no Estado.
2. Metodologia
Este estudo possui caráter comparativo e retrospectivo sendo considerados
resultados os casos novos autóctones da doença no Estado do Mato Grosso
registrados no SINAN, no período de 2001 a 2013. Os dados estão disponíveis na
Internet (www.datasus.gov.br), sendo coletados e tabulados entre janeiro a julho de
2014. Levou-se em consideração que as características epidemiológicas das
variáveis
apresentadas
neste
trabalho
podem
apresentar
problemas
de
interpretação, visto não ser possível controlar a qualidade dos dados obtidos.
4668
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
O Estado do Mato Grosso está localizado na Região Centro-Oeste do Brasil
(Figura 1), dentro dos limites da Amazônia Legal; possuindo uma área de
903.357.908 km2, população estimada de 3.224.357 habitantes, densidade
demográfica de 3,36 hab/km², 141 municípios (IBGE, 2010) e faz limite com a Bolívia
e os Estados do Amazonas, Pará, Tocantins, Rondônia, Goiás e Mato Grosso do
Sul.
Figura 1. Localização da área de estudo.
Neste trabalho, o conceito de circuito espacial de produção de LTA, baseado
na FUNASA, 2002; foi definido como uma região extensa, complexa e contínua,
determinada a partir da elevada concentração de casos em um período de 5 anos,
constituído por diversos polos, superpondo a mais de um município ou estado,
decorrentes de processos socioambientais particulares e dinâmicos. Os circuitos
podem apresentar tendência à expansão ou retração, em função das características
de seus determinantes. Já o polo é definido como uma unidade espacial que se
destaca por sua densidade intensa de casos em contraste com áreas vizinhas,
podendo ser considerado como um núcleo atrator e de limites pouco definidos. Mais
que o circuito, apresenta variabilidade na extensão, onde os limites e intensidade de
transmissão variam a cada momento. Do ponto de vista epidemiológico, um polo
4669
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
sinaliza uma área de transmissão intensa e frequente, possivelmente com
características diferenciadas do restante da sua região (FUNASA, 2002).
A espacialização dos casos seguiu a classificação das mesorregiões e
microrregiões geográficas brasileiras (IBGE, 2010), sendo utilizado como referência
espacial as principais bacias hidrográficas no Brasil, segundo ANA (2015) e as
principais características ecológicas relacionadas, nas quais os circuitos estão
inseridos.
A análise espacial foi desenvolvida a partir dos resultados obtidos (dados
oficiais) espacializados em áreas (municípios, microrregião, macrorregião, Estado e
Grandes Regiões) para interpretação e avaliação de modo mais acurado os padrões
espaciais da distribuição da doença na área de estudo.
As representações
espaciais foram confeccionadas com o auxílio do software ArcGis 10.2, a partir da
base cartográfica do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), e os
gráficos e tabelas do Word e Excel do software Microsoft Office 2.000.
3. Resultados e discussão
3.1. Ocorrências de casos autóctones em território brasileiro entre 2001 a 2013
No período de 2001 a 2013 confirmados 225.017 casos novos autóctones de
LTA no território brasileiro. Quanto ao sexo registrados 164.014 (71,30%) casos
masculinos e 66.023 (28,70%) casos femininos. Na Região Centro Oeste e no
Distrito Federal confirmados 34.611 casos autóctones neste período, 15,38% dos
casos em território brasileiro; sendo 29.519 (81,73%) casos masculinos e 6.597
(18,26%) casos femininos de 36.116 casos analisados. No Estado do Mato Grosso
confirmados 31.267 casos, 90,33% de toda a região Centro-Oeste; com 25.399
(83,50%) casos masculinos e 5.022 (16,50%) casos femininos de 30.421 casos
analisados.
Em relação à epidemiologia da LTA no território brasileiro observou-se uma
estabilidade no número de casos novos notificados de LTA entre 2001 a 2013, com
alguns anos de pico entre 2008 e 2009 para todos os Estados, sendo considerada
endêmica com dispersão espacial e concentração em algumas áreas regionais de
ocorrência. A expansão geográfica da LTA provavelmente está relacionada a
4670
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
movimento migratórios de cunho regional, com mudanças no comportamento
ecológico da doença associadas a diferentes processos de ocupação territorial,
alterações ambientais decorrentes no processo de organização espacial, mudança
no perfil epidemiológico da doença e provável processo adaptativo e evolutivo dos
vetores e parasitas.
3.2. Circuitos espaciais de ocorrência da leishmaniose tegumentar americana
no Mato Grosso
Neste tópico são analisados 23.217 casos ocorridos no Mato Grosso entre
2001 a 2013, sendo que entre 2001 a 2006 foi levada em consideração a categoria
zona de residência urbana, conforme Datasus (2015). Convém destacar os anos de
2007, 2009, 2010 e 2012, anos de maior ocorrência da doença no Estado do Mato
Grosso do Sul (Tabela 1, Figura 2).
Tabela 1) Número de casos anuais de LTA, registrados no Estado do Mato Grosso
Fonte: Datasus, 2015. Organização: os autores
Número de casos de LTA
3500
3.218
3000
2.301
2500
1.678
1.477
1500
2.186
2.135
2.091
2000
1.963
1.581
1.454 1.358
1.156
1000
619
500
0
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
Ano
Figura 2 – Incidência de novos casos de LTA em Mato Grosso, entre 2001 e 2003. Fonte: Datasus,
2015. Organização: os autores.
4671
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
Quanto à faixa etária registrados 4 casos em branco-IGN, 171 casos menores
que 1 ano, de 01 a 04 anos 252 casos, 04 a 09 anos 467 casos, 10 a 14 anos 1.094,
15 a 19 anos 2.315 casos, 40 a 49 anos 6.222 casos, 60 a 64 anos 723 casos, 65 a
69 anos 487 casos, 70 a 70 anos 505 casos e 135 casos entre 80 e mais anos,
totalizando 23.142 casos. É predominante a ocorrência na faixa etária entre 20-39
anos e 40-59 anos, totalizando de forma conjunta as duas classes de faixa etária
22.148 casos (72,69%). Ressalta-se que estas faixas concentram a maior proporção
da força ativa para o trabalho rural expostas ao ciclo epidemiológico silvestre
modificado (Brasil, 2000) e o aumento da ocorrência em todas as faixas etárias,
inclusive em menores de 1 anos e acima de 80 anos.
Neste trabalho são propostos 4 circuitos espaciais de produção da doença:
Bacia do Rio Araguaia, Bacia do Rio Teles Pires, Bacia do Jurena e Bacia
Amazônica (Figura 3).
Figura 3. Circuitos espaciais da LTA.
4672
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
3.2.1. Circuito Bacia do Rio Araguaia
Na mesorregião Nordeste Mato-grossense confirmados 3.229 casos distribuídos
em 55 cidades e 8 microrregiões. O circuito Bacia do Rio Araguaia abrangem as
microrregiões de Canarana e Médio Araguaia, totalizando 11 cidades com 1.739
casos, equivalente a 53,85% dos casos para a mesorregião. Na microrregião de
Canarana confirmados 1.106 casos, sendo pólos os municípios de Água Boa com
114 casos, Campinápolis com 417 casos, Canarana com 232 casos e 148 casos em
Nova Xavantina. Foram registrados 74 casos em Novo São Joaquim, 99 casos em
Querência e 17 casos em Santo Antônio do Leste e 5 casos em Nova Nazaré. Na
microrregião do Médio Araguaia confirmados 633 casos, sendo pólo o município
Barra do Garças com 594 casos. Foram registrados 29 casos em Araguaiana, e 10
casos em Cocalinho.
3.2.2. Circuito Bacia do Rio Teles Pires
Na mesorregião Norte Mato-grossense confirmados 15.381 casos, 66,24% de
casos de todo o Estado. O circuito Bacia do Rio Teles Pires abrange 5.757 casos
(37,42% de casos de toda a mesorregião), sendo na microrregião de Alto Teles
Pires 2.317 casos, 15,06% de casos de toda a mesorregião, sendo pólos Nova
Mutum com 292 casos, Nova Ubiratã com 396 casos e Sorriso com 688 casos.
Foram registrados 44 casos em Ipiranga do Norte, 106 casos em Itanhangá, 266
casos em Lucas do Rio Verde, 80 casos em Nobres, 92 casos em Santa Rita do
Trivelato e 353 casos em Tapurah. Na microrregião de Sinop confirmados 3.440
casos, 22,36% de toda a mesorregião, sendo pólos Feliz Natal com 488 casos,
Marcelândia com 513 casos, Sinop com 1.185 casos e Vera com 368 casos. Foram
registrados 217 casos em Cláudia, 263 casos em Itaúba, 49 casos em Nova Santa
Helena, 152 casos em Santa Carmem e 205 casos em União do Sul.
Na microrregião de Aripuanã confirmados 3.432 casos, sendo 457 casos em
Aripuanã, 453 casos em Brasnorte, 141 casos em Castanheira, 792 casos em
Colniza, 453 casos em Cotriguaçu, 790 casos em Juína, 333 casos em Juruena e 13
4673
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
casos em Rondolândia. Convém ressaltar que o circuito Bacia Amazônica, descrito
no tópico 3.4, está inserido nesta mesorregião.
3.2.3. Circuito Bacia do Jurena
Na mesorregião Sudoeste Mato-grossense confirmados 1.336 casos. O Circuito
Bacia do Jurena envolve a microrregião de Alto Guaporé na mesorregião Sudoeste
Mato-Grossense com 329 casos, sendo pólos Pontes e Lacerda com 166 casos.
Confirmados 27 casos em Vila Bela da Santíssima Trindade, 103 casos em Nova
Lacerda, 27 casos em Conquista D´Oeste e 6 casos no Vale de São Domingos. Na
microrregião de Tangará da Serra confirmados 754 casos, sendo pólos Barra do
Bugres com 292 casos e Tangará da Serra, com 342 casos. Foram registrados 28
casos em Denise, 69 casos em Nova Olímpia, 23 casos em Porto Estrela e 342
casos em Tangará da Serra. Na mesorregião Centro-Sul Mato-Grossense
confirmados 1.131 casos. O circuito envolve também a microrregião de Alto
Pantanal, na mesorregião Centro-Sul Mato-Grossense, sendo confirmados 266
casos, sendo 215 casos em Cáceres, 12 casos em Curvelândia e 39 casos em
Poconé.
O circuito Bacia do Jurena abrangem as microrregiões de Alto Guaporé e
Tangará da Serra na mesorregião Sudoeste Mato-grossense, totalizando 1.083
casos em 10 cidades, concentrando 81,06% dos casos para a mesorregião e Alto
Paraguai, no Centro-Sul Mato-grossense, totalizando 457 casos e 5 cidades,
equivalente a 40,40% dos casos para a mesorregião.
Na mesorregião Centro-Sul Mato-Grossense confirmados 1.131 casos. Na
microrregião do Alto Paraguai confirmados 457 casos, sendo 129 no Alto Paraguai,
97 casos em Arenápolis, 104 casos em Nortelândia, 83 casos em Nova Marilândia e
44 casos em Santo Afonso.
3.2.4. Circuito Bacia Amazônica
Na microrregião de Aripuanã confirmados 3.432 casos, 22,31% dos casos na
mesorregião Norte Mato-grossense, sendo pólos Aripuanã com 457 casos, Colniza
4674
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
com 792 casos, Cotriguaçu com 453 casos, Juruena com 333 casos, Castanheira
com 141 casos, Juína com 790 casos. Foram registrados 453 casos em Brasnorte e
13 casos em Rondolândia.
4. Fatores geográficos intervenientes na ocorrência de LTA no Mato Grosso
Conforme Magalhães, 2001, entre 1960 a 1980 o Estado do Mato Grosso
sofreu um intenso processo de colonização através de programas governamentais
de ocupação territorial, pela colonização com base em assentamentos, tendo
recebido um enorme fluxo populacional em decorrência do surgimento de
oportunidades de trabalho, expansão da fronteira agrícola, e abertura de vias de
comunicação, como a BR-163 (Cuiabá-Santarém). Fluxos migratórios decorrentes
para áreas recém-abertas impactaram diretamente a demografia do Estado, com
redistribuição espacial da sua população e criação de novos municípios, mas com
uma ocupação desordenada do espaço físico pela urbanização acelerada e
inadequada infra-estrutura, problemas persistentes ainda hoje. Como consequência,
elevação nos seus percentuais de desmatamento e contato dos seres humanos com
áreas de transmissão de zoonoses, observando-se uma ampliação da distribuição
da LTA no território estadual, tanto em termos numéricos como geográficos
(Hayashi, 2004).
Atualmente o Estado do Mato Grosso possui uma economia essencialmente
agrícola ligada a uma urbanização crescente, com existência de florestas nãoocupadas; sendo áreas de atração para o movimento migratório, que por sua vez
altera a estrutura epidemiológica das áreas de evasão, bem como a recepção
migrante, com imediato reflexos sobre os riscos individual e coletivos da doença
(Magalhães, 2011).
Este estudo preliminar sugere indícios de mudança gradual no perfil de
transmissão da LTA no Estado do Mato Grosso, anteriormente silvestre e
atualmente antropozoonose, com provável ocorrência em área rural ou periurbana,
sendo predominante a ocorrência no sexo masculino com 25.399 (83,50%) casos
masculinos e 5.022 (16,50%) casos femininos de 30.421 casos analisados; faixa
etária entre 20-39 anos e 40-59 anos, totalizando de forma conjunta 22.148 casos
4675
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
(72,69%). A doença passa a afetar um número maior de mulheres e crianças (171
casos em menores de 1 ano e 252 entre 01 a 04 anos), com provável ocorrência na
área domiciliar-peridomiciliar, indicando que nesses locais está sendo criado um
ambiente favorável para a atração do flebotomíneos e para a transmissão da
doença, tornando o espaço domiciliar um fator preditivo importante para a ocorrência
da doença.
5. Considerações finais
Propõe-se a vigilância e monitoramento em unidades territoriais, definidas
como áreas de maior produção da doença, bem como a relação sistêmica de suas
características ambientais, sociais e econômicas, buscando um conhecimento amplo
e intersetorial. As ações devem estar voltadas para o diagnóstico precoce e
tratamento adequado dos casos detectados e estratégias de controle flexíveis,
distintas e adequadas a cada padrão de transmissão. Necessidade de uma atenção
especial aos imigrantes retornados de áreas de risco; aos habitantes nesta região
fronteiriça, a migração temporária ou sazonal e aos imigrantes que chegam nas
periferias das cidades pólos relacionadas.
Referências bibliográficas
BRASIL. Lei 6.664 de 26 de junho de 1979. Dispõe sobre as atribuições do
profissional Geógrafo. Disponível em: <http://www.legislação.planalto.gov.br/>.
Acesso em: 25 de julho de 2015.
BRASIL. Portaria Nº 2.472, DE 31 DE AGOSTO DE 2010. Define as terminologias
adotadas em legislação nacional, conforme disposto no Regulamento Sanitário
Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde
pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelecer fluxo,
critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde.
Disponível
em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt2472_31_08_2010.html>.
Acesso em: 25 de julho de 2015.
BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de
Geografia
e
Estatística.
Censo
2010.
Disponível
em: <http://ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm>. Acesso
em: 25 de julho de 2015.
4676
A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO
DE 9 A 12 DE OUTUBRO
BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação.
Disponível em: <http://sinan.saude.gov.br/>. Acesso em: 16 de maio de 2015.
BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. 5ºed. Brasília:
FUNASA, 2002.
BRASIL. Manual de controle da leishmaniose tegumentar americana. Brasília:
Ministério da Saúde, 2000. 62p.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de
Vigilância Epidemiológica. Atlas de leishmaniose tegumentar americana:
diagnósticos clínico e diferencial / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em
Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica – Brasília: Editora do Ministério
da Saúde, 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilancia em Saúde. Manual de
Vigilância da Leishmaniose tegumentar americana. Brasília: Editora do Ministério
da Saúde, 2010. 2.ed. atualizada.
HAYASHI, Emilia Emiko. Estudo da Leishmaniose tegumentar americana no Estado
do Mato Grosso, no período de 1994 a 1999. 2004. Dissertação (Mestrado em Saúde
na Comunidade) - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São
Paulo,
Ribeirão
Preto,
2004.
Disponível
em:
<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde-24102006-154416/>. Acesso
em: 25 de junho de 2015.
MAGALHAES, Maria da Conceição Cavalcanti et al. Migration and Hansen's disease
in Mato Grosso. Rev. bras. epidemiol., São Paulo , v. 14, n. 3, p. 386-397, set. 2011
Disponível
em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415790X2011000300004&l
ng=pt&nrm=iso>. Acessos em: 25 de junho de 2015.
NEGRÃO, Glauco Nonose. Circuitos espaciais da leishmaniose tegumentar
americana abrangendo os estados do sul do Brasil e o Mato Grosso do Sul e
os países fronteiriços. Maringá: Programa de Pós-graduação em Geografia, PGE UEM. Tese de doutorado, 2013.
WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Diseases covered by NTD
Department,
2008.
Disponível
em:
<http://www.who.int/neglected_diseases/diseases/en/>. Acesso em: 25 de julho de
2015.
4677
Download