musical ou -processo -outro -será -tipos

Propaganda
A LINGUAGEM MUSICAL
Ricardo Oliveira
Não achamos ainda uma ”pedra de roseta” para decifrar a linguagem musical, uma
perspectiva ou um sistema que abranja todas suas dimensões, nem mesmo uma
teoria consistente que considere seus efeitos e funções.
A pragmática da Música é difícil de ser observada e estudada, entre outros motivos,
porque ela atua exatamente (e quase que exclusivamente) - na consciência do
observador.
Esse fato dificulta a aplicação de abordagens cartesianas (subjecto – objecto). A
influência da música (objeto) são alterações na nossa consciência, no nosso ser e estar
(to be), ou seja - em nós mesmos (sujeito).
Como em outras disciplinas, a psicologia, por exemplo, resta-nos estudar a Linguagem
Musical por outros caminhos. Os sonhos, os atos falhos, a linguagem corporal, os
desenhos e os sintomas são bons exemplos do material que a psicologia trata como
explicitações da mente humana. Não tendo acesso objetivo e distanciado, busca,
através do que ela produz o conhecimento do como ela é. Diferentemente do que
muitos pensam, esse método não é necessariamente anti-científico. Os métodos
indiretos de observação e comprovação são muito comuns na ciência, desde que os
resultados sejam passíveis de quantificação, previsibilidade, precisão...
Não é o caso dos atributos mais complexos da consciência. Estamos longe de ter uma
teoria geral e abrangente que seja aceita em seus fundamentos de forma unânime
por todos os cientistas das áreas que a estudam.
No caso da Música, procuramos desvendar possíveis “significados” , funções e efeitos
das formas musicais (as notas, durações, ritmos, padrões, proporções, relações...)
sobre a consciência.
A seguir, alguns dos princípios e conceitos, propostos pela Música Orgânica.
I) Princípios:
1) Tudo pulsa
2) Os pulsos interagem uns com os outros
3) O ritmo
4) A harmonia
5) A auto-regulação
II) Linguagem Musical
1) Sintática (formas musicais)
2) Semântica (significado)
3) Pragmática (efeitos e funções)
4) Matrizes musicais
a) Físicas
b) Arquetípicas
c) Culturais
d) Pessoais
III) Famílias dos instrumentos
a) PA
b) FIU
c) XI
d) VOZ
IV) Modos musicais
a) Acompanhamento
b) Invocativo
c) Solo
São diferentes as funções da música, sua sintática, semântica e o efeito esperado nos
“modos” acompanhamento e invocativo. O mais comum é o acompanhamento estar
associada a performance (1). O papel de acolher, vestir e dar sustentação ao solo é tão
belo e sagrado quanto o de ogân na música invocativa.
Nos nossos rituais (brasileiros) o som invocativo associado a rituais religiosos, os
tambores tocam quase que sempre para o grupo, ou entidades, com a percussão e as
vozes muito mais chamando (invocando) do que acompanhando uma performance
(apresentação).
O papel “acompanhamento” no som “invocativo”, para apresentar uma eficaz
interação rítmica e ser orgânico, depende de um delicado equilíbrio entre egos, papéis
e objetivos Entretanto, as diferenças não inviabilizam uma coexistência produtiva
entre os modos.
Formalmente podemos distinguir os “modos” acompanhamento e invocativo :
1) A palavra acompanhamento subtende a existência de algo a ser seguido,
vestido e apoiado;
2) A conceito invocativo refere-se a capacidade da música de catalisar (chamar)
estados de consciência alterados;
3) Como metáfora podemos afirmar que o acompanhamento serve ao(s) solista(s)
e invocativo as entidades pessoais e grupais;
4) A sintática do acompanhamento via é de regra rítmica e a do invocativo é poli rítmica;
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards