a utilização das placas miorrelaxantes nas disfunções

Propaganda
UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE
FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA
Fernanda de Souza Ferreira Matos
A UTILIZAÇÃO DAS PLACAS MIORRELAXANTES NAS
DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES
Governador Valadares
2009
1
FERNANDA DE SOUZA FERREIRA MATOS
A UTILIZAÇÃO DAS PLACAS MIORRELAXANTES NAS
DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES
Monografia para obtenção do grau de
Especialista em Prótese Dentária apresentada à
Faculdade de Ciências da Saúde da
Universidade Vale do Rio Doce.
Orientador: Prof.ª Mestre Ayla Norma Ferreira
Matos
Governador Valadares
2009
2
FERNANDA DE SOUZA FERREIRA MATOS
A UTILIZAÇÃO DAS PLACAS MIORRELAXANTES NAS
DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES
Monografia apresentada ao curso de
Especialização em Prótese Dentária da
Faculdade de Ciências da Saúde da
Universidade Vale do Rio Doce, como
requisito para obtenção do título em
especialista em Prótese Dentária.
Governador Valadares, ____ de ______________ de 2009.
Banca Examinadora
__________________________________________
Prof. Ayla Norma Ferreira Matos
Universidade Vale do Rio Doce
__________________________________________
Prof. convidado
Universidade Vale do Rio Doce
__________________________________________
Prof. convidado
Universidade Vale do Rio Doce
3
Dedico este trabalho aos meus pais por todo
amor, apoio e incentivo em todos os dias da
minha vida, e a tão querida tia Ayla, que
tornou possível a realização deste sonho.
A vocês a minha eterna gratidão!
4
AGRADECIMENTOS
Agradeço a Deus pela minha vida, pelo consolo e pela constante presença, me guiando até
aqui.
Ao meu querido avô Manoel (in memorian) que apesar da ausência física, teve papel
fundamental para que eu chegasse até aqui.
Aos meus amados pais Caio e Nilma por todo amor e incentivo.
Aos queridos irmãos Allan e Paula pelo carinho e cumplicidade.
Ao Ricardo pelo companheirismo e amor.
A todos os professores em especial ao professor Rômulo Hissa por todo incentivo e
conhecimento transmitidos.
Ao querido professor e coordenador do curso Cândido Badaró.
Aos colegas do curso de especialização em Prótese Dentária, e em especial aos amigos
Rodolfo e Michelle, pela constante companhia e apoio durante toda jornada.
Ao grande amigo Bruno Carlos Vilaça, pela presença constante.
E a todos os outros amigos e familiares que colaboraram de alguma forma para a realização
deste sonho.
A todos vocês o meu muito obrigada!
5
"Agradeço todas as dificuldades que enfrentei;
não fosse por elas, eu não teria saído do
lugar.
As
facilidades
nos
impedem
de
caminhar. Mesmo as críticas nos auxiliam
muito”.
Francisco Cândido Xavier
6
RESUMO
Este estudo teve como objetivo realizar uma retrospectiva da literatura sobre a utilização das
placas miorrelaxantes nas disfunções temporomandibulares. Ao conhecer a respeito das
disfunções temporomandibulares (DTMs), observou-se que as mesmas possuem uma
etiologia multifatorial. Tal característica dificulta tanto o diagnóstico, quanto o tratamento.
Com base na literatura revisada, pôde-se perceber que os principais sinais e sintomas das
DTMs são as mialgias (dores musculares), ruídos articulares e artralgias (dores na ATM).
Apesar de multifatorial, é possível identificar os fatores etiológicos e/ou predisponentes que
permitam estadiar a doença e controlá-la, bem como prevenir a sua evolução. As placas
miorrelaxantes, podem alterar a oclusão do paciente, criando assim, contatos oclusais estáveis
e consequentemente um relacionamento maxilomandibular mais favorável. Notou-se também
que a utilização das placas miorrelaxantes pode ser uma ferramenta de diagnóstico
extremamente útil e eficaz, quando da presença de fatores oclusais relacionados aos sintomas
das DTMs. Sendo assim, é de fundamental importância um diagnóstico criterioso e precoce
para diminuir as consequências das DTMs, pois os danos muitas vezes são irreversíveis.
Palavras-chave: placas miorrelaxantes. disfunções temporomandibulares. articulação
temporomandibular.
7
ABSTRACT
This study aimed to perform a retrospective of the literature on the use of muscle relaxants in
the plate temporomandibular disorders. By knowing about the temporomandibular disorders
(TMD), we observed that they have a multifactorial etiology. This characteristic makes both
the diagnosis and treatment. Based on the literature reviewed, it was noticed that the main
signs and symptoms of TMD are myalgia (muscle pain), joint sounds and arthralgia (pain in
the TMJ). Although multifactorial, it is possible to identify the etiological factors and / or
predisposing to allow staging of the disease and control it and prevent its development. The
plates muscle relaxants, may alter the occlusion of the patient, thus creating stable occlusal
contacts and thus a more favorable maxillomandibular relationship. It was also noted that the
use of muscle relaxants cards can be a diagnostic tool very useful and effective, when the
presence of occlusal factors related to symptoms of TMD. It is therefore of fundamental
importance a thorough and early diagnosis to reduce the impact of TMD, because the damage
is often irreversible.
Keywords: muscle relaxants plates. temporomandibular disorders. temporomandibular joint.
8
LISTA DE ABREVIATURAS
ATM - Articulação Temporomandibular
DTM - Disfunções Temporomandibulares
DVO - Dimensão Vertical de Oclusão
EMI - Eletromiografias
EVA – Escala Visual Analógica
MI - Máxima Intercuspidação
MIH - Máxima Intercuspidação Habitual
ISO – Contrações Isotônicos
IST – Movimentos Isotônicos
PMI - Posição de Máxima Intercuspidação
RC - Relação Cêntrica
EMG - Eletromiógrafo
9
LISTA DE FIGURAS
Figura 01 - Vista lateral esquerda realizando a mensuração do movimento de abertura
máxima de boca com paquímetro milimetrado medindo a distância interincisal............
23
Figura 02 - Palpação muscular e articular....................................................................... 23
Figura 03 - Avaliação da oclusão.................................................................................... 24
.
10
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO................................................................................................................ 11
2 REVISÃO DA LITERATURA....................................................................................... 13
2.1 CONCEITO..................................................................................................................... 13
2.2 CARACTERÍSTICAS E AÇÃO DAS PLACAS........................................................... 13
2.3 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS QUE INDICAM A NECESSIDADE DE
PLACAS................................................................................................................................ 15
2.4 FINALIDADES DA PLACA.......................................................................................... 16
2.5 CONFECÇÃO DA PLACA............................................................................................ 17
2.6 RESULTADOS E VANTAGENS DO USO DA PLACA............................................. 19
3 DISCUSSÃO..................................................................................................................... 26
4 CONCLUSÕES................................................................................................................. 31
REFERÊNCIAS................................................................................................................... 32
11
1 INTRODUÇÃO
As disfunções temporomandibulares (DTMs.) são cada vez mais frequentes hoje,
devido ao estresse da vida moderna, combinado ao acentuado grau de maloclusão decorrente
da evolução do ser humano, que ingere uma dieta mais pastosa, não promovendo desta forma,
o desenvolvimento adequado do Sistema Estomatognático (PÁDUA et al., 1998).
Uma oclusão funcional é entendida como todo e qualquer contato estático entre um e
vários dentes superiores e inferiores. Em condições normais existe determinada distância
vertical de 2 a 3 mm em média entre as arcadas dentárias, com a mandíbula na posição de
repouso. Esta é influenciada por fatores como postura corporal, posição da cabeça, posição
durante o sono e desvios articulares ou da musculatura (HUBERS, 1996).
Quando a ATM não está em harmonia, vários problemas bucais podem ocorrer,
causando assim a DTM considerado um mal que atinge grande parte da população, em
especial mulheres em torno dos 40 anos, e estão relacionadas com fatores oclusais, distúrbios
funcionais do sistema mastigatório, bem como o estresse (DAWSON, 1993).
O termo disfunção temporomandibular (DTM) tem sido definido como um termo
coletivo que engloba alguns problemas clínicos relacionados à musculatura mastigatória,
articulação temporomandibular (ATM) ou ambas (PORTERO et al., 2009).
Esse mesmo autor complementa afirmando que uma DTM compreende na maioria das
vezes uma função prejudicada, presença de espasmos, fadiga dos músculos mastigadores e o
bruxismo. A disfunção temporomandibular pode ter várias etiologias como: traumatismos,
hábitos parafuncionais, má oclusão, excessiva abertura bucal, doenças sistêmicas, atividades
posturais inadequadas, fatores emocionais, entre outras.
As DTMs podem ser divididas em: disfunção da articulação temporomandibular
(ATM), disfunção dos músculos mastigatórios, doenças congênitas e do desenvolvimento.
Alguns dos sinais e sintomas que podem ocorrer quando há disfunções temporomandibulares
(DTMs) são: dores de cabeça, dores e/ou ruídos nas articulações, dificuldade de abrir a boca,
dificuldade de mastigar e dores de ouvido (OKESON, 1992).
12
Vários tratamentos vêm sendo experimentados na tentativa de sanar ou mesmo
minimizar os sintomas de dor de cabeça, dor de ouvido, dificuldade de abrir a boca, cansaço
muscular, entre outros. Estes tratamentos foram aplicados ao fator oclusal que era visto como
o principal responsável pela disfunção. No entanto, sempre que o paciente não for visto de
maneira holística, o problema será resolvido parcialmente, uma vez que a disfunção
temporomandibular se caracteriza principalmente por ser multifatorial (PÁDUA et al., 1998).
Na virada do século, Karolyi (1901) foi um dos pioneiros a utilizar as placas oclusais
em vulcanite para o tratamento de lesões periodontais associadas ao bruxismo (GRAY e
DAVIES, 2001; KOVALESKI e BOEVER, 1975; RAMFJORD e ASH, 1994; RAMOS,
2002). Segundo Dylina (2001), a terapia por placas pode ser definida como a arte e a ciência
de estabelecer uma harmonia neuromuscular no aparelho mastigatório e criar uma
desvantagem mecânica contra forças parafuncionais.
Placa miorrelaxante é também conhecida como placa de mordida, placa noturna, placa
de bruxismo, aparelho interoclusal, “splint” oclusal, placa estabilizadora e placa de Michigan,
por ter sido desenvolvida pela Universidade de Michigan (OLIVEIRA, 1998).
O tratamento com uso de placas oclusais miorrelaxantes permite que o paciente seja
tratado, sem provocar alterações irreversíveis e permite que o paciente receba o tratamento de
outras áreas envolvidas na terapêutica das desordens, como por exemplo, a fisioterapia, a
fonoaudiologia e a psicanálise (MIRANDA et al., 2008).
A placa miorrelaxante pode ser indicada em várias situações, como para promover
maior estabilidade dos componentes articulares (MIRANDA, 1985). Pode ser usada, também,
para estabelecer uma condição oclusal mais favorável, reorganizando a atividade
neuromuscular reflexa (CARRARO e CAFFESSE, 1978), reduzindo assim a hiperatividade
muscular, e devolvendo a função muscular equilibrada.
Um grande número de estudos (FARRAR, 1972; GREENE e LASKIN, 1972;
KOVALESKI e BOEVER, 1975; CLARK, 1984) sobre placa miorrelaxante tem mostrado sua
eficiência no diagnóstico e tratamento das disfunções temporomandibulares.
Diante do exposto, este estudo tem como objetivo realizar uma revisão da literatura
sobre a utilização das placas miorrelaxantes nas disfunções temporomandibulares.
13
2 REVISÃO DE LITERATURA
2.1 CONCEITO
Arita et al. (1990) afirmaram que Karolyi, por volta de 1900 iniciou o uso das placas
oclusais para o tratamento das disfunções da ATM , também chamadas placa estabilizadora,
placa de mordida, placa interoclusal, placa miorrelaxante, entre outros.
A placa de estabilização (miorrelaxante) pode ser também chamada de placa de
relaxamento muscular ou miorrelaxante devido ao fato de, na maioria das vezes, seu uso ser
primariamente para reduzir a dor muscular. A denominação depende do objetivo principal do
tratamento. Quando o paciente não apresenta estabilidade oclusal devido a desgastes dentários
deletérios, perda da anatomia oclusal ou falta de dentes, o intuito principal da terapia é
restabelecer essa estabilidade e, portanto, denomina-se placa de estabilização. Porém, se o
paciente já possui estabilidade oclusal e o objetivo principal for o relaxamento e melhora da
fisiologia muscular, denomina-se placa miorrelaxante ou de relaxamento muscular. A
confusão de termos existe porque ambas promovem estabilização, relaxamento e melhora da
fisiologia muscular. No entanto, a maioria dos estudos utiliza os dois termos como sinônimos
(HAMATA, 2006).
2.2 CARACTERÍSTICAS E AÇÃO DAS PLACAS
Montenegro et al. (1984) destacaram que os cuidados a serem observados na
confecção das placas miorrelaxantes são: 1. Devem ser finas para não alterar a Dimensão
Vertical e o Espaço Livre Funcional (1,5 mm de espessura); 2. Devem ser montadas em
Relação Central (idealmente); 3. Devem ser lisas (para permitir deslizamento dos dentes
oponentes e conforto ao paciente; 4. Devem-se remover os contatos prematuros mais
grosseiros antes de instalá-las. Estes autores constataram também, que a placa miorrelaxante
14
é uma modalidade terapêutica conservadora não invasiva e reversível. Este dispositivo oclusal
deve ser rígido e plano, ajustado em relação cêntrica, apresentando as características de uma
oclusão mecanicamente normal. Os ajustes finais e refinamento oclusal deverão ser realizados
após a prova do dispositivo na boca. O tempo de uso varia de acordo com a complexidade do
caso, recomenda-se uso noturno por 45 dias com manutenções semanais. Após este período
indica-se uso descontinuado, com revisões semestrais, para avaliação dos sinais e sintomas.
De acordo com Okeson (1992), em relação à utilidade das placas miorrelaxantes, afirma
que uma de suas funções é promover temporariamente uma posição articular ortopedicamente
mais estável. Segundo o autor, este tipo de aparelho geralmente está indicado para tratar a
hiperatividade muscular, apertamento, mio-espasmo e miosite. Podem ser usadas para
promoverem uma oclusão funcional ótima que reorganiza a atividade reflexa neuromuscular,
a qual, por sua vez, reduz a atividade muscular anormal enquanto propicia uma função
muscular mais normal. As placas miorrelaxantes também podem funcionar como diagnóstico
e é muito importante que, quando este aparelho reduz os sintomas, o relacionamento preciso
de sua causa e efeito seja identificado antes que uma terapia irreversível tenha início. Okeson
descreve também que o sucesso ou falha na terapia com as placas miorrelaxantes depende da
seleção, confecção e ajuste destes aparelhos e da cooperação do paciente.
Como o próprio nome já diz, para Pertes e Bailey (1995) a “Placa de estabilização”, ou
miorrelaxante deve prover estabilidade à oclusão e, possuir características tais como: a) estar
perfeitamente adaptada, com total estabilidade e retenção; b) em relação cêntrica, todas as
pontas de cúspides vestibulares inferiores devem contatar uniformemente e bilateralmente,
uma superfície plana da placa; c) durante o movimento protrusivo, os caninos inferiores
devem contatar uma força uniforme; os incisivos inferiores também podem contatar, porém,
com um contato bem mais suave que os caninos; d) nos movimentos de lateralidade, a
desoclusão deve ser pelo canino; e) em RC os contatos posteriores devem ser bem mais fortes
que os anteriores; f) a superfície oclusal da placa deve ser a mais plana possível; g) o aparelho
deve ser polido e adaptado de forma a não promover injúrias aos tecidos moles.
15
2.3 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS QUE INDICAM A NECESSIDADE DE PLACAS
Segundo Clark (1989), as placas miorrelaxantes ou estabilizadoras são aparelhos de
cobertura total, os quais controlam e mantêm a posição dental e, podem ser confeccionados
para pacientes com sintomas da DTM.
Tsuga et al. (1989) avaliaram a terapia com placas miorrelaxantes em 30 pacientes
com disfunção temporomandibular, todos com múltiplos sintomas. Exames e mensurações
clínicas foram registrados antes, durante e depois da aplicação da terapia. A dor nas ATMs
desapareceu ou
reduziu em 87,0% dos pacientes. Ruídos articulares responderam com
diminuição de intensidade ou desaparecimento em 78,0% dos tratados. Limitações do
movimento mandibular foi o distúrbio que menos respondeu a terapia, com melhora em
apenas 68,0% dos pacientes. A dor articular foi a que mais rapidamente respondeu ao
tratamento, tendo sua intensidade reduzida em 50% dos pacientes, com apenas quatro
semanas de aplicação. Com isso recomendaram as placas miorrelaxantes, como a primeira
terapia a ser aplicada no tratamento das disfunções temporomandibulares.
Paiva (1997) relatou que o sintoma mais frequente é a dor, geralmente nos músculos
da mastigação, área pré-auricular e/ou ATMs. Concluiu que as doenças articulares e
musculares são de origem multifatorial, sendo que os fatores oclusais, associados às respostas
dos músculos e articulações temporomandibulares, podem iniciar ou agravar o quadro.
Para Callegari (1999), a placa estabilizadora é o método de tratamento das disfunções
temporomandibulares mais difundido, pois confere ao cirurgião-dentista a possibilidade de
execução de um método reversível e não invasivo de tratamento, pois, além de não
promoverem modificações oclusais permanentes, auxiliam na determinação do diagnóstico
diferencial das disfunções temporomandibulares.
Emshoff (2006) após estudo sobre os fatores clínicos, que podem ser utilizados como
parâmetros de avaliação da resposta frente à terapia com placa oclusal em pacientes com
diferentes tipos de DTM afirmaram que, o tempo em que o paciente refere o quadro de dor
(curto ou longo período), pode interferir na resposta álgica frente ao uso de placa.
16
2.4 FINALIDADES DA PLACA
As placas miorrelaxantes têm sido utilizadas desde o inicio do século para tratar as
DTMs. É considerada uma das formas de tratamento mais eficiente para o bruxismo e alguns
outros distúrbios parafuncionais. (MOLINA, 1995).
Segundo Miranda (1988) as placas miorrelaxantes podem ser usadas na proteção dos
dentes, das reabilitações e das estruturas de suporte contra forças anormais produzidas por
hábitos parafuncionais, que podem levar a perdas ósseas e desgaste dos dentes .
Alencar Jr. et al. (1998) publicaram um artigo de revisão de literatura que avaliou os
vários tipos de placas oclusais, bem como suas respectivas indicações no tratamento de
pacientes com DTM e os aspectos mais importantes que devem ser considerados é em relação
à sua utilização. Entre os vários tipos de placas, a placa miorrelaxante convencional rígida,
também denominada de placa de Michigan é a mais utilizada por causar o menor risco de
alterações oclusais definitivas ao paciente, como extrusões, migrações patológicas e mordida
aberta anterior. As placas resilientes estariam indicadas principalmente como proteção contra
traumatismos nos arcos dentais em algumas modalidades esportivas e nos casos de sinusite
crônica que resultasse em grande sensibilidade dentária resultante das forças oclusais
fisiológicas. Quanto a sua utilização no bruxismo e disfunção temporomandibular, estudos
mostram que tanto a redução dos sintomas de DTM quanto do bruxismo é maior com a placa
de resina acrílica rígida.
Miranda (2004) descreveu diversas formas de tratamento para as DTMs:
Farmacológico (analgésicos, anti-inflamatórios, relaxantes musculares, antidepressivos),
oclusal (ortodontia, reabilitações, ajuste oclusal), cirúrgico (artroscopia, cirurgia aberta),
psicológico (psicoterapia, psiquiatria) e biomecânico (placas oclusais).
17
2.5 CONFECÇÃO DA PLACA
A placa miorrelaxante é um aparelho removível, confeccionado em acrílico
autopolimerizável diretamente na boca do paciente a partir de uma folha de acetato de 2 mm
de espessura ou em acrílico termopolimerizável em laboratório, cobrindo as superfícies
oclusal e incisal dos dentes de um arco dentário, criando contatos bilaterais, simultâneos e
estáveis com o arco oposto e guia anterior que permite a desoclusão dos dentes posteriores
nos movimentos excursivos (MIRANDA et al., 2008).
As placas miorrelaxantes, podem ser confeccionadas com material resistente, resina
acrílica ativada termo ou quimicamente, ou com material resiliente, silicone. Todas elas
tentam diminuir a hiperatividade muscular, estabilizar a mandíbula simulando condições
ideais de oclusão, descomprimir a articu1ação temporomandibular (ATM), funcionando ainda
muitas vezes como diagnóstico diferencial no momento de traçar a terapêutica mais acertada
para cada caso (HENRIQUES, 1992).
Nelson (1995) esclarece que a placa miorrelaxante ou de estabilização pode ser
confeccionada tanto no arco dentário superior (maxilar) quanto no inferior (mandibular),
porém, quando confeccionada no arco superior proporciona melhor estabilização que a
inferior, pois os dentes mandibulares podem contatar com uma superfície oclusal plana. Com
relação aos contatos oclusais, estes devem ser estáveis, e não produzir desvios que possam
tender a posicionar a mandibular. A superfície oclusal da placa deve ser plana e lisa, seguindo
a curva de oclusão. É importante lembrar que um dente livre de oclusão está apto para sobreerupcionar. Os contatos oclusais devem fornecer liberdade de movimento entre as posições de
máxima intercuspidação habitual e relação cêntrica, de no mínimo 0,5mm.
Esse mesmo autor sugere ainda que as placas miorrelaxantes devam seguir o contorno
anatômico dos dentes e tecidos duros os quais irão cobrir. Nas placas maxilares, o aparelho
deve estender-se de 4 a 6 mm nos tecidos palatais, proporcionando uma “mistura” das
margens da placa com as rugas palatinas, permitindo assim uma transição suave para a função
lingual. A espessura do aparelho deve ser de aproximadamente 1,5 a 2 mm na região de
molar. A placa miorrelaxante pode ser usada à noite (quando o envolvimento é muscular) e
por 24 horas (quando o envolvimento é articular). Após a instalação e o ajuste da placa, é
18
interessante a instrução de limpeza e manutenção do aparelho, bem como dos efeitos físicos
esperados pelo uso deste aparelho. Instruções por escrito são geralmente recomendadas. A
consulta de retorno deve ser com pelo menos uma semana da entrega do aparelho. Os ajustes
necessários devem ser realizados com um a dois meses, e finalmente, intervalos de seis meses.
Okeson (2000) descreveu a técnica de confecção da placa, que não requer modelos
montados em articulador, em que a posição mandibular é localizada com a assistência da
musculatura. Salientou também, que a maneira pela qual a placa é confeccionada não é
importante na solução dos sintomas, que depende de como essa placa atinge os objetivos do
tratamento. Devem ser instaladas preferencialmente no arco superior, pois este é mais estável
e cobre mais tecido, o que a faz mais retentiva e mais difícil de quebrar. Ela é também mais
versátil, permitindo que os contatos com os dentes opostos sejam conseguidos em todo o
relacionamento esqueletal e dental. Numa placa estabilizadora inferior, a adaptação por
lingual e vestibular, não são obtidos facilmente, em comparação com a placa estabilizadora
superior.
Para a confecção da placa miorrelaxante em um estudo realizado por Camargos et al.
(2008) os pacientes com sinais e sintomas de DTM foram submetidos, inicialmente, à
moldagem superior para a confecção de placas oclusais, onde posteriormente, utilizaram-se
uma máquina de prensagem à vácuo para a finalização das mesmas. Em seguida as placas
oclusais foram ajustadas a fim de eliminar as interferências grosseiras e obter uma
estabilidade oclusal com o máximo de contatos posteriores bilaterais. Os pacientes foram
instruídos a usarem as placas oclusais por 24h contínuas durante 30 dias. O uso era
interrompido apenas durante as refeições. A detecção dos sinais eletromiográficos foi feita
através de eletrodos ativos simples com diferenciais de superfície. Após as avaliações iniciais
foram instaladas placas miorrelaxantes, e os pacientes foram instruídos a usarem as placas
durante quatro semanas. Eletromiografias de superfície foram feitas para cada paciente, bem
como avaliações clínicas da DTM (Índice de Helkimo, 1974), ambos os exames realizados
prévios a terapia e após quatro semanas do uso das placas miorrelaxantes. Os dados obtidos
foram analisados e os resultados do estudo foram os seguintes: (1) a atividade EMG dos
músculos masseteres e temporais anteriores mostrou-se discretamente aumentada após o uso
dos dispositivos oclusais miorrelaxantes; (2) o grau de severidade da DTM apresentou-se
reduzido ao final da terapia em todos os pacientes.
19
2.6 RESULTADOS E VANTAGENS DO USO DA PLACA
Kuboki et al. (1997) avaliaram, por meio de tomografias, as alterações na posição
condilar e no espaço articular durante o apertamento dentário sobre placas de estabilização e
de reposicionamento anterior em 7 pacientes assintomáticos. Ambas as placas promoveram
reposicionamento condilar com direção superior comparável ao que ocorreu durante o
apertamento em MI e nenhuma das placas aumentou o espaço articular. Se a analogia entre
espaço articular e carga articular for correta, então as placas não causam descompressão dos
tecidos articulares. Provavelmente, transferem a carga para uma diferente área dos tecidos
articulares. Contudo, clinicamente, uma descompressão pode ocorrer devido ao efeito das
placas sobre a função oral, alterando o comportamento do apertamento.
Oliveira (1998), realizou um estudo cujo objetivo foi avaliar o efeito terapêutico das
placas oclusais do tipo estabilizadoras em 10 pacientes. O uso foi de 24 horas por dia, por um
período de dois meses. Tomaram-se como referência de avaliação os traçados mandibulares
dos pacientes, obtidos através de um eletrognotógrafo computadorizado. Os dados obtidos
foram avaliados antes e depois do uso das placas. Os comprimentos dos traçados foram
medidos e comparados, o que permitiu a avaliação do efeito terapêutico da placa interoclusal.
Na abertura frontal e sagital registrou-se um aumento de 80% e diminuição de 20% nos
traçados dos pacientes. Na lateralidade direita 100% dos pacientes apresentaram aumento na
excursão mandibular. Na lateralidade esquerda 90% dos casos apresentaram aumento e 10%
de diminuição. Em protrusiva 60% apresentou aumento, 30% de diminuição e 10% sem
alteração. Encontrou-se um aumento na excursão mandibular após a terapia, o que comprovou
uma maior eficiência na contração muscular, dos músculos responsáveis por tais movimentos.
Encontrou-se também um aumento do espaço funcional livre em 60% dos pacientes e 40%
permaneceram com a mesma distância, determinando um maior relaxamento muscular dos
elevadores da mandíbula, comprovando o efeito miorrelaxante das placas estabilizadoras. As
placas também promoveram regularização nos traçados eletrognatográficos, bem como um
rápido alívio das dores musculares e articulares, na grande maioria dos pacientes,
comprovando a sua eficiência terapêutica.
20
As placas apresentam como vantagens facilidade na colocação, confecção, autoretenção e resultados favoráveis sem efeitos nocivos. Efeitos indesejados são obtidos com o
uso prolongado invasão do espaço interoclusal ou ajuste inadequado (MOLINA, 1995).
Ekberg et al. (1998) compararam por meio de radiografias transcranianas e
tomografias, as mudanças no relacionamento côndilo-fossa em 58 pacientes com DTM de
origem articular tratados com placas miorrelaxantes. Após 10 semanas, o relacionamento
côndilo-fossa foi alterado no grupo de tratamento (93%), mais significantemente que no
controle (48%). Em muitos casos, houve alteração bilateral ou unilateral em direção anterior.
Em 83% dos pacientes no grupo de tratamento e 48% no grupo controle relataram sucesso
com o uso das placas. Os pacientes do grupo de tratamento mostraram mais alívio dos
sintomas quando houve alteração do relacionamento côndilo-fossa.
Mazzeto (2000) enfatizou que um dos motivos de aceitação da placa miorrelaxante
pelo paciente é a qualidade estética proporcionada pela translucidez do acrílico
termopolimerizável devidamente polido.
O propósito do estudo realizado por Ferreira (2001), foi avaliar os achados
eletromiográficos dos músculos temporal anterior e masseter de pacientes com hábito de
bruxismo, antes e durante o uso de placas estabilizadoras do tipo Michigan. Foram avaliados
dois grupos de voluntários: Grupo 1 (grupo bruxista), composto de 16 pacientes bruxistas
sendo que 6 eram do sexo masculino e 10 do sexo feminino com idade média de 35,68 anos
(D.P.= 10,20) e Grupo 2 (grupo - controle), composto de 16 voluntários assintomáticos sendo
9 do sexo masculino e 7 do sexo feminino com idade média de 29,25 anos (D.P.= 5,27). Os
voluntários do Grupo 1 fizeram uso de placas do tipo Michigan (miorrelaxante), o que não
ocorreu para o Grupo 2. Entretanto, todos foram submetidos a ciclos de movimentos
isotônicos (IST) de 14 segundos de duração e a contrações isométricas (ISO) com contração
voluntária máxima de 5 segundos de duração. Para a avaliação da dor foi aplicada a escala
visual analógica (EVA) após a contração isométrica. O exame eletromiográfico foi realizado
em todos os voluntários durante os diferentes tempos (TO, TI, T2, T3 e T4). Os resultados
mostraram que ao se comparar os Grupos 1 e 2, no movimento ISO, verificou-se que no
tempo T4 as médias de amplitude dos músculos temporal esquerdo, temporal direito e
masseter direito do Grupo 1 foram menores do que as do Grupo 2, para o masseter esquerdo
este comportamento se deu no tempo TI. A partir dos resultados concluiu-se que a placa do
tipo Michigan (miorrelaxante), promoveu alívio da dor nos voluntários do Grupo I além de
21
reduzir a amplitude do sinal eletromiográfico nos músculos mastigatórios do Grupo I durante
o uso da mesma.
Pereira e Conti (2001) verificaram as alterações nos contatos oclusais em 14 pacientes
com DTM de origem muscular após terapia por placas miorrelaxantes. Houve um aumento no
número de contatos dentários em MI após a terapia. No grupo controle formado por 15
pacientes assintomáticos, nos quais, nenhum tratamento foi realizado, não houve alteração nos
contatos após 30 dias. Os autores observaram que o quadro de sinais e sintomas das DTM é
amenizado com a placa oclusal, ao mesmo tempo em que ocorre melhora na distribuição dos
contatos oclusais e um ligeiro aumento do número dos mesmos. Houve correlação entre a
redução dos níveis de dor e o aumento dos contatos oclusais. Essas alterações nos contatos
oclusais podem ser explicadas de duas maneiras. A primeira é relacionada às variações
normais que podem ocorrer. Outra explicação seria pela teoria do realinhamento
maxilomandibular. As placas miorrelaxantes parecem promover um relaxamento muscular
associado a um alívio da dor na maioria dos casos. Essa alteração no estado muscular e/ou na
condição da ATM, causada pela utilização das placas poderia provocar mudanças nos
contatos dentários, mesmo sem a utilização de procedimentos irreversíveis. Esse fato
confirmaria a hipótese de que alterações oclusais podem também ser consequências de DTM.
Bertram et al. (2002) realizaram um estudo, avaliando a assimetria dos músculos
masseteres em 24 pacientes com sinais e sintomas de DTM, por meio de escaneamento ultrasonográfico. Nesse estudo, as avaliações foram feitas imediatamente após a inserção da placa
e durante o apertamento máximo com e sem a mesma. Os resultados sugerem que as placas de
estabilização têm efeito imediato na redução das assimetrias musculares no apertamento
máximo.
Gavish et al. (2002) avaliaram a eficácia da placa de estabilização na redução dos
sinais e sintomas de 21 pacientes com dor miofascial e os compararam a 16 pacientes não
tratados. Após 8 semanas, o grupo experimental mostrou uma redução na intensidade da dor.
No grupo controle, nenhuma mudança foi observada.
Segundo Oliveira (2002), as placas miorrelaxantes atuam sobre os seguintes sistemas:
a) Proprioceptivo: A redução do número de contatos diminui a força de apertamento. Placas
mais espessas devem proporcionar um efeito mais rápido na hiperatividade muscular, placas
mais delgadas proporcionam uma resposta mais lenta, sendo discutidas suas aplicações quanto
22
o tempo de uso e sua segurança. Com a inserção da placa pode-se esperar um novo esquema
oclusal causando uma mudança no programa neuromuscular a partir dos receptores
periodontais, promovendo um efeito de ligeira distração condilar, aliviando as cargas e
diminuindo a hiperatividade muscular; b) Oclusal: As placas eliminam temporariamente a
informação proprioceptiva a partir da região oral, periodontal e articular. A eliminação
temporária dos contatos prematuros e o reposicionamento condilar estimulam o relaxamento
muscular; c) Cognitivo: A capacidade da placa de alterar a consciência cognitiva não deve ser
confundida com o efeito placebo. A placa utilizada constantemente pode alterar
comportamentos anormais e atividades parafuncionais.
Ekberg et al. (2003) compararam a eficácia da placa miorrelaxante (estabilização) e
uma placa sem cobertura oclusal em 60 pacientes com DTM de origem muscular. Após 10
semanas de tratamento, os sintomas subjetivos (duração, frequência e intensidade da dor no
repouso) melhoraram com significância estatística em ambos os grupos, mas os sinais (dor à
palpação e movimentos mandibulares) melhoraram só no grupo com placas miorrelaxante
(estabilização). Os resultados dessa avaliação sugerem que a placa miorrelaxante
(estabilização) é mais efetiva no alívio dos sinais e sintomas de DTM de origem muscular que
a placa sem cobertura oclusal.
Conti (2006) esclareceu que vários mecanismos têm sido sugeridos como responsáveis
pela eficácia observada na maioria dos pacientes que utilizam as placas miorrelaxantes. Deve
ficar claro que a utilização das placas no controle das DTMs, deve ser feita após um exame
detalhado e diagnóstico correto de cada caso e, ainda, que as mesmas devem ser utilizadas em
conjunto com uma série de modalidades, que incluem fisioterapia, farmacoterapia,
aconselhamento, psicoterapia, etc.
Este mesmo autor afirma ainda que, entre os mecanismos propostos para esta eficácia
observada estão o aumento da DVO, o restabelecimento de uma oclusão ideal, alterações na
posição condilar e descompressão da ATM, uma alteração na percepção periodontal,
relaxamento muscular inicial, alteração cognitiva e placebo.
Emshoff (2006) observou melhora da dor após tratamento em mais de 70% dos
pacientes que relataram a presença de dor há menos de 6 meses enquanto que, os portadores
de dor crônica (mais de 2 anos) não tiveram melhora significativa do quadro clínico com esta
23
modalidade terapêutica. Assim sendo, o tempo que o paciente refere dor é fator prognóstico
importante para avaliar o efeito da terapia com placas oclusais estabilizadoras.
Camargos et al. (2008) com o propósito de avaliar o efeito da terapia com placas
resilientes
sobre a atividade eletromiográfica dos músculos mastigatórios (masseteres e
temporais anteriores) antes e após o uso da placa, realizaram um estudo. Análises
eletromiográficas dos músculos masseteres e temporais anteriores foram avaliadas
quantativamente durante as situações de apertamento, mastigação habitual e repouso, antes e
após o tratamento sem a placa em posição. Dez pacientes que apresentavam DTM (desordens
musculares e articulares) foram selecionados de acordo com a avaliação do grau de abertura
bucal (Fig. 01), com a palpação dos músculos mastigatórios e ATM (Fig. 02) e também, foi
feito avaliação da oclusão (Fig. 03). Uma placa resiliente (silicona 2 mm) foi fabricada sobre
o arco maxilar. Concluíram que o grau de severidade da DTM apresentou-se reduzido ao final
da terapia em todos os pacientes.
Figura 01 - Vista lateral esquerda realizando a mensuração
do movimento de abertura máxima de boca
com paquímetro milimetrado medindo a distância
interincisal.
Figura 02 - Palpação muscular e articular
24
Figura 03 - Avaliação da oclusão
Jesus (2008) apresentou um estudo com o objetivo identificar a prevalência de
disfunção temporomandibular (DTM) e bruxismo em estudantes universitários brasileiros e
avaliar os efeitos da placa de Michigan (miorrelaxante) sobre a dor e sinal eletromiográfico no
pré e pós tratamento. Foram entrevistados 832 estudantes, de ambos os gêneros, com idade
entre 19 e 40 anos (30,2±5,3) e destes, selecionados 45, divididos em três grupos
aleatoriamente, compostos por 15 indivíduos cada. Os grupos I e II foram compostos por
indivíduos com sinais e sintomas de DTM e bruxismo sendo que, o grupo I foi tratado com
placa de Michigan (miorrelaxante) e o grupo II com placa não terapêutica. O grupo III
(controle) era composto por indivíduos sem DTM e que não recebeu nenhum tipo de
intervenção terapêutica. Os participantes que receberam tratamento do grupo I e II fizeram o
uso da placa por quatro semanas. Os resultados mostraram que dentre os 832 participantes,
256 (30.57%) não apresentaram DTM enquanto que, 576 (69.23%) eram portadores de DTM.
Entre os portadores de DTM, apenas 107 (18.57%) eram bruxistas. Houve correlação entre o
grau de DTM e bruxismo (p<0,0001) mostrando uma maior incidência de bruxistas à medida
que piora o grau de DTM. Entretanto, não houve diferença significativa na avaliação da dor e
da atividade elétrica dos músculos avaliados, em contração isotônica, isométrica ou em
repouso, nos momentos pré e pós tratamento, em qualquer grupo (p>0,005). Conclui-se que
existe uma alta prevalência de DTM em universitários brasileiros e que existe uma correlação
entre a severidade da doença com o bruxismo. Este estudo demonstrou que o tratamento por 4
semanas com placa de Michigan (miorrelaxante), não foi suficiente para promover o alívio da
dor e alterar a atividade elétrica na amostra estudada.
25
Andrade et al. (2008) realizaram um estudo para avaliar o efeito da placa
miorrelaxante de Michigan sobre o sinal eletromiográfico e a dor em pacientes portadores de
DTM e bruxismo. Foram selecionados 30 indivíduos com sinais e sintomas de DTM e
bruxismo e 15 indivíduos livres dessas alterações. Os grupos I e II foram compostos por
portadores de DTM e bruxismo sendo que, os participantes do grupo I receberam tratamento
com placa miorrelaxante de Michigan e o do Grupo II com moldeira de silicone (placebo). O
grupo III foi composto por indivíduos livres de alterações e não receberam nenhum tipo de
intervenção terapêutica. Os indivíduos do grupo I e II utilizaram as placas no período noturno
por quatro semanas consecutivas, com ajustes a cada 15 dias. Os resultados mostraram que
após 1 mês de terapia com placa estabilizadora ou placa de silicone (placebo) os pacientes
portadores de DTM e bruxismo não exibiram melhora
do quadro de dor e do sinal
eletromiográfico dos músculos masseteres e temporais. Pode-se concluir que o tratamento por
4 semanas com placa de Michigan, não foram suficientes para promover o alívio dor e alterar
a atividade elétrica na amostra estudada.
Ribeiro et al. (2008) descreveram um caso clínico de bruxismo noturno e, durante
anamnese relatou dor na região do músculo masseter e da articulação temporomandibular,
mostrando-se uma pessoa ansiosa e tensa. Após exame clínico, radiográfico e tomográfico
foram observados alterações oclusais e desgaste dentário. A placa miorrelaxante foi instalada
proporcionando oclusão mutuamente protegida. Após acompanhamento e ajuste da placa no
primeiro mês já foi observado melhora nos sintomas de dor relatados pela paciente,
mostrando com isto que a placa miorrelaxante proporciona uma alternativa eficaz para
controle do bruxismo de das disfunções temporomandibulares.
26
4 DISCUSSÃO
Sobre o termo placa miorrelaxante há um consenso entre os estudos encontrados na
literatura pesquisada (ARITA et al., 1990; HAMATA, 2006), onde as mesmas são também
chamadas de placas estabilizadoras, placa de mordida, entre outras. Hamata (2006) esclarece
ainda que a denominação depende do objetivo principal do tratamento e que, os termos mais
utilizados são realmente placas miorrelaxantes e de estabilização.
Pertes e Bailey (1995) ao descreverem sobre as características das placas
miorrelaxantes, afirmaram que estas devem prover estabilidade a oclusão e que devem estar
em relação cêntrica, o que afirmou também Montenegro et al. (1984). Entretanto, Nelson
(1995) lembra que, os contatos oclusais devem fornecer liberdade de movimento entre as
posições de máxima intercuspidação habitual e relação cêntrica, de no mínimo 0,5 mm. Já
Okeson (2000), relatou que o importante são os resultados atingidos na terapia com a placas e
não a forma e a posição em que ela é confeccionada.
Nelson (1995), observou que a placa miorrelaxante pode ser confeccionada tanto no
arco dentário superior (maxilar) quanto no inferior (mandibular), porém, quando
confeccionada no arco superior proporciona melhor estabilização que a inferior, pois os
dentes mandibulares podem contatar com uma superfície oclusal plana. O que é corroborado
por Okeson (2000) quando afirma também que as placas devem ser instaladas
preferencialmente no arco superior.
Clark (1989) indicou o uso das placas miorrelaxantes para pacientes com sintomas de
dor muscular, considerando o fato de que interferências oclusais ou discrepâncias entre a
posição de máxima intercuspidação (PMI) e relação cêntrica (RC), sejam fatores etiológicos
das DTMs.
Emshoff (2006) afirmou que, o tempo em que o paciente refere o quadro de dor (curto
ou longo período), pode interferir na resposta álgica frente ao uso de placa.
Além disso, esse mesmo autor, realizou um estudo no qual obteve uma melhora
significativa da dor após tratamento em mais de 70% dos pacientes que relataram a presença
27
de dor há menos de 6 meses enquanto que, os portadores de dor crônica (mais de 2 anos) não
tiveram melhora significativa do quadro clínico com esta modalidade terapêutica.
Sobre a confecção da placa, Alencar Jr. et al. (1998) destacaram ser dois os tipos de
placas, a placa miorrelaxante convencional rígida e a placa resiliente. Sendo que, a placa
miorrelaxante convencional rígida, também denominada de placa de Michigan, é a mais
utilizada por causar o menor risco de alterações oclusais definitivas ao paciente, como
extrusões, migrações patológicas e mordida aberta anterior e, as placas resilientes, que
estariam indicadas principalmente como proteção contra traumatismos nos arcos dentais em
algumas modalidades esportivas e nos casos de sinusite crônica que resultasse em grande
sensibilidade dentária resultante das forças oclusais fisiológicas.
Entretanto, em relação aos tipos de placas miorelaxantes, Camargos et al. (2008)
relataram um caso clínico com pacientes com sinais e sintomas de DTM, onde foram
utilizadas placas confeccionadas a partir de uma máquina de prensagem a vácuo, dando a
ideia de ser uma placa de um material mais resiliente e no final do seu estudo constatou que o
grau de severidade da DTM apresentou-se reduzido ao final da terapia em todos os pacientes,
ou seja, mostrando que a placa do tipo resiliente pode ter outras utilidades. Entretanto, de
acordo com Montenegro et al. (1984) e Callegari (1999) haverá uma maior redução dos
sintomas nas DTMs se a placa for rígida.
Em relação ao tempo de uso das placas, são várias as opiniões dos estudiosos.
Segundo Oliveira (2002), as placas miorrelaxantes atuam sobre os sistemas proprioceptivo, de
oclusão e cognitivo e, que as mesmas sendo utilizadas constantemente podem alterar
comportamentos normais e atividades parafuncionais. Molina (1995) afirma que o uso
prolongado das placas pode trazer efeitos indesejáveis. Jesus (2008) e Andrade (2008)
afirmaram que o tratamento por 4 semanas com a placa de Michigan não foi suficiente para
promover o alivio de dor e alterar a atividade elétrica muscular como monoterapia nas
DTMs.
Já Montenegro et al. (1984) diz que o tempo de uso das placas vai variar de acordo
com a complexidade do caso, recomendando o uso noturno por 45 dias com manutenções
semanais e que após este período indica-se uso descontinuado, com revisões semestrais, para
avaliação dos sinais e sintomas. Para Nelson (1995), a placa miorrelaxante pode ser usada a
28
noite (quando o envolvimento for muscular) e por 24 horas (quando o envolvimento for
articular).
Sobre os benefícios das placas miorrelaxantes, no controle dos sintomas e tratamento
das DTMs, há uma convergência de opiniões entre os autores encontrados na literatura.
Pereira e Conti (2001) relataram em seus estudos que as placas miorrelaxantes parecem
promover um relaxamento muscular associado a um alívio da dor na maioria dos casos. Essa
alteração no estado muscular e/ou na condição da ATM poderia provocar mudanças nos
contatos dentários, mesmo sem a utilização de procedimentos irreversíveis. Esse fato
confirmaria a hipótese de que alterações oclusais podem também ser consequências de DTM.
Conti (2006), além de concordar com os benéficos das placas miorelaxantes citados
acima, relata ainda que com o uso das placas há uma descompressão da ATM.
Já Kuboki et al. (1997) observaram através de um estudo que se analogia entre espaço
articular e carga articular for correta, então as placas não causam descompressão dos tecidos
articulares e que, provavelmente o que ocorre é uma transferência de carga para uma área
diferente dos tecidos articulares.
Para Okeson (1992), as placas miorrelaxantes tem como uma de suas funções
promover temporariamente uma posição articular ortopedicamente mais estável. O sucesso ou
falha na terapia com as placas miorrelaxantes depende da seleção, confecção e ajuste destes
aparelhos e da cooperação do paciente.
Ferreira (2001), Gavish et al. (2002), Emshoff (2006), Ribeiro et al. (2008)
observaram que a utilização da placa miorrelaxante promove um significativo alívio da dor,
além de reduzir significativamente a amplitude do sinal eletromiográfico nos músculos
mastigatórios. Bertram et al. (2002) e Camargos et al. (2008) concluíram que as placas de
estabilização têm efeito imediato na redução das assimetrias musculares no apertamento
máximo.
Ekberg et al. (1998) diz que houve mudanças no relacionamento côndilo-fossa em
pacientes com DTM de origem articular em pacientes tratados com placas miorrelaxantes,
evidenciando mais alívio dos sintomas quando houve alteração do relacionamento côndilofossa.
29
Oliveira (1998) encontrou um aumento significativo na excursão mandibular após a
terapia, o que comprovou uma maior eficiência na contração muscular, dos músculos
responsáveis por tais movimentos, ainda segundo o mesmo autor, as placas também
promoveram regularização nos traçados eletrognatográficos, bem como um rápido alívio das
dores musculares e articulares, na grande maioria dos pacientes.
Mesmo frente a estes benefícios, um aspecto importante destacado por Paiva (1997) e
Oliveira (2002) é o fato de que as doenças articulares e musculares são de origem
multifatorial, sendo que os fatores oclusais, associados às respostas dos músculos e
articulações temporomandibulares, podem iniciar ou agravar o quadro. Oliveira (2002)
reforça esta ideia quando afirma que a ação das placas é justificada por observações clínicas
subjetivas e experiências laboratoriais, por isso não pode dizer qual intervenção é mais
adequada. Dessa forma, de acordo com Conti (2006) a utilização das placas deve ser de
acordo com exame detalhado e diagnóstico correto de cada caso.
Sobre a eficácia do uso das placas, vários estudiosos (CLARK, 1989; KUBOKI et al.,
1997; OLIVEIRA, 1998; EKBERG et al., 1998, CALLEGARI, 1999; FERREIRA, 2001;
BERTRAM et al., 2002; GAVISH et al., 2002; EKBERG et al., 2003; EMSHOFF, 2006,
CAMARGOS et al., 2008; JESUS, 2008) demonstraram que as placas miorrelaxantes são
eficazes no tratamento das disfunções temporomandibulares.
Outros autores, tais como Montenegro et al. (1984) e Callegari (1999) lembram ainda
que o uso de placas miorelaxantes é um método reversível e não invasivo de tratamento e,
além disso auxilia, também, na determinação do diagnóstico diferencial das desordens
tempomandibulares.
Conti (2006) vai mais além, afirmando que a placa miorrelaxante deve ser utilizada em
conjunto com uma série de modalidades, que incluem fisioterapia, farmacoterapia,
aconselhamento, psicoterapia, entre outros. O que é reforçado por Miranda (2004) que
descreveu diversas formas de tratar as desordens: Farmacológico (analgésicos, antiinflamatórios, relaxantes musculares, antidepressivos), oclusal (ortodontia, reabilitações,
ajuste oclusal), cirúrgico (artroscopia, cirurgia aberta), psicológico (psicoterapia, psiquiatria) e
biomecânico (placas oclusais).
30
Molina (1995), Tsuga et al. (1989), Okeson (1992), Ribeiro et al. (2008) e Camargos
et al. (2008), constataram que a placa miorrelaxante é mais eficiente para o tratamento do
bruxismo e os diferentes distúrbios parafuncionais. Inclusive, no estudo realizado por Tsuga
et al. (1989) concluíram que a dor nas ATMs foi a que mais rapidamente respondeu a
tratamento, tendo sua intensidade reduzida em 50% dos pacientes, com apenas quatro
semanas de aplicação.
No que diz respeito à instalação e o ajuste da placa, é interessante a instrução de
limpeza e manutenção do aparelho, bem como dos efeitos físicos esperados pelo uso do
aparelho. Instruções por escrito são geralmente recomendadas. A consulta de retorno deve ser
com pelo menos uma semana da entrega do aparelho. Os ajustes necessários devem ser
realizados com um a dois meses, e finalmente, intervalos de seis meses (NELSON, 1995).
Sobre a aceitação da placa miorrelaxante pelo paciente, Mazzeto (2000) destacou a
qualidade estética proporcionada pela translucidez do acrílico termopolimerizável
devidamente polido.
31
5 CONCLUSÃO
Com base na literatura revisada, pôde-se concluir que:
•
Sobre a forma e a posição em que a placa miorelaxante deve ser confeccionada, houve
divergência entre os autores estudados;
•
Em relação ao tempo de uso das placas, não houve consenso entre os estudiosos;
•
A disfunção temporomandibular (DTM) possui uma etiologia multifatorial. Tal
característica dificulta tanto o seu diagnóstico, quanto o seu tratamento;
•
É de fundamental importância um diagnóstico criterioso e precoce para diminuir as
consequências tratáveis das DTMs o quanto antes, pois os danos muitas vezes são
irreversíveis.
•
A grande maioria dos autores não tem dúvidas sobre os benefícios do uso de placas
miorrelaxantes, porém a utilização das mesmas deve conjugar outras formas de
tratamento;
•
O mecanismo de ação das placas miorrelaxantes ainda não está bem esclarecido apesar
de ser uma das modalidades terapêuticas eficazes para as DTMs.
32
REFERÊNCIAS
ARITA, C. A. et al. Alterações provocadas pelo bruxismo. RGO, Porto Alegre, a. 38, n.4, p.
257-260, jul./ago.1990.
ALENCAR JÚNIOR, F. G. P. et al. Placas oclusais e suas indicações no tratamento de
pacientes com disfunção craniomandibular (DCM). JBC J. Bras. Odontol. Clín., Curitiba, v.
2, n. 11, p.56-62, set./out. 1998.
ANDRADE, D. V. et al. Efeito da placa miorrelaxante de Michigan sobre a dor e o sinal
eletromiográfico em pacientes bruxistas com DTM: um estudo controlado e randomizado. In:
XVII Congress of Electrophysiology and Kinesiology (ISEK), 2008.
BERTRAM, S. et al. Effect of stabilizationtype splints on the asymmetry of masseter muscle
sites during maximal clenching. J. Oral Rehabil., Oxford, v. 29, n. 5, p. 447-451, may. 2002.
CALLEGARI, A. et al. Terapia com placa oclusal estabilizadora: apresentação de um caso
clínico. Revista Paulista de Odontologia; v. 21, n. 5, p. 26-31, set./ out. 1999.
CAMARGOS, G. V. et al. Avaliação das placas oclusais resilientes no controle de
pacientes com disfunção temporomandibular (DTM). Curso de graduação da Faculdade de
Odontologia, da Universidade Federal de Uberlândia, 2008. Disponível em: <www.icufu.org/anaisufu2008/>. Acesso em: 25 out. 2009.
CARRARO, J. J.; CAFFESSE, R. G. Effect of occlusal splint on tmj symptomatology. J
Prosthet Dent, v. 40, n. 5, p. 563-6, 1978.
CLARK, G. T. A critical evaluation of orthopedic interocclusal appliance therapy: design,
theory and overall effectiveness. J Am Dent Assoc, v. 108, n. 3, p. 359-64, 1984.
______. Terapia com placas oclusais. In: MOHL, N. D.; et al. Fundamentos de Oclusão.
Rio de Janeiro: Quintessence books, Cap. 20, p. 305 –319, 1989.
CONTI, P. Entrevista: Paulo Conti. Rev. Dent. Press Ortodon. Ortop. Facial, v. 1, n. p. 828, 2006.
33
DAWSON, P. E. Avaliação diagnóstico e tratamento dos problemas oclusais. São Paulo:
Artes Médicas. l993.
DYLINA, T. J. A common-sense approach to splint therapy. J. Prosthet. Dent., St. Louis,
v.86, n.5, p.539-545, nov. 2001.
EKBERG, E. et al. Occlusal appliance therapy in a short-term perspective in patients with
temporomandibular disorders correlated to condyle position. Int. J. Prosthodont., Lombard,
v. 11, n. 3, p. 263-268, may./jun. 1998.
EKBERG, E. et al. The efficacy of appliance therapy in patients with temporomandibular
disorders of mainly myogenous origin. A randomized controlled, short-term trial. J. Orofac.
Pain, Carol Stream, v. 17, n. 2, p. 133-139, 2003.
EMSHOFF, R. Clinical factors affecting the outcome of occlusal splint therapy of
temporomandibular joint disorders. J Oral Rehabil. v. 33, p. 393-401. 2006.
FARRAR, W. B. Differentiation of temporomandibular joint dysfunction to simplify
treatment. J Prosthet Dent, v. 28, n. 6, p. 629-36, 1972.
FERREIRA, J. A. N. D. Efeito da placa estabilizadora do tipo michigan sobre a atividade
elétrica dos músculos temporal anterior e masséter depacientes com hábito de
bruxismo. juvenil, fev. 2001. Disponível em: <http://biblioteca.universia.net/ficha.do?>.
Acesso em 20 out. 2009.
GAVISH, A. et al. Effect of stabilization splint therapy on pain during chewing in patients
suffering from myofascial pain. J. Oral Rehabil., Oxford, v. 29, n. 12, p. 1181-1186, dec.
2002.
GRAY, R. J. M.; DAVIES, S. J. Occlusal splints and temporomandibular disorders: why,
when, how? Dent. Update, London, v.28, n.4, p.194-199, may. 2001.
GREENE, C. S.; LASKIN, D. M. Splint therapy for the myofascial pain dysfunction (MPD)
syndrome: a comparative study. J Am Dent Assoc, v. 84, n. 3, p. 624-8, 1972.
HAMATA, M. M. Avaliação comparativa da efetividade das placas oclusais
confeccionadas em relação central ou máxima intercuspidação em pacientes com DTM.
2006. 207f. Dissertação (Mestrado em Prótese Dentária), Faculdade de Odontologia de
Araçatuba, Universidade Estadual Paulista, Araçatuba, 2006.
34
HENRIQUES, S. E. F. Efeitos de placas oclusais totais rígidas e resilientes sobre a atividade
muscular noturna de pacientes com diagnóstico confirmado de parafunção. Arquivos do
Centro de Estudos do Curso de Odontologia, Belo Horizonte, v. 29, n. l, p. 35-40, jan./jun.,
1992.
HUBERS, A. J. M. Ortodontia e correção da oclusão. In: STEEKS, M. H.; WIJER, A.
Disfunção da ATM do ponto de vista da fisioterapia e da odontologia. São Paulo: Santos,
1996.
JESUS, L. A. Efeito da placa de Michigan sobre o sinal eletromiográfico e dor em
pacientes bruxistas com DTM: ensaio clínico controlado e randomizado. Dissertação
(Mestrado), São Paulo: Universidade Nove de Julho, 2008.
KOVALESKI, W. C.; BOEVER, J. Influence of occlusal splints on jaw position and
musculature in patients with temporomandibular joint dysfunction. J Prosthet Dent, v. 33, n.
3, p. 321-7, 1975.
KUBOKI, T. et al. A. The effect of occlusal appliances and clenching on the
temporomandibular joint space. J. Orofac. Pain, Carol Stream, v. 11, n. 1, p. 67-77, 1997.
MAZZETTO, M. O. et al. Estética em placas interoclusias: fator primordial para aceitação
pelos pacientes. Jornal Brasileiro de Ortodontia e Ortopedia Facial; v. 5, n. 30, p. 65-68,
nov./dez. 2000.
MIRANDA, M. E. Placas Mio-Relaxantes nas Disfunções da ATM. RGO, v. 23, n. 4, p. 27985, 1985.
______. Review em ATM e oclusão. São Paulo: Quintessence; 1988.
______. Anotações realizadas em sala de aula no curso de Mestrado em Prótese Dentária
da São Leopoldo Mandic – Campinas/SP no ano de 2004. Disponível em:
<http://dreduardojkhouri.spaces.live.com>. Acesso em: 20 out. 2009.
MIRANDA, M. E. et al. Placas Oclusais no Diagnóstico e Tratamento das DTMs.
Dissertação (Mestrado em Prótese Dentária) Centro de Pesquisas Odontológicas São
Leopoldo Mandic. 2008. Disponível em: <http://dreduardojkhouri.spaces.live.com>. Acesso
em: 20 out. 2009.
MOLINA, O. F. Fisiopatologia craniomandibular: oclusão e ATM. 2.ed. São Paulo:
Pancast, 1995.
35
MONTENEGRO, F. L. B. et al. Placas de mordida: funções terapêuticas. Revista Paulista de
Odontologia; v. 6, n. 3, p. 26.42, 1984.
NELSON, S. J. Principles of stabilization bite splint therapy. Dent Clin N Amer, v. 39, n. 2,
p. 403-421, 1995.
OKESON, J. P. Fundamentos de oclusão e desordens temporomandibulares. São Paulo:
Artes Médicas, 1992.
______. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 4. ed. São Paulo:
Artes Médicas, 2000.
OLIVEIRA, P. A. Avaliação da eficiência da placa interoclusal estabilizadora nas DCM:
avaliação por eletrognatografia computadorizada, RGO, Porto Alegre; v. 46, n. 1, p. 11-4, 178, jan./mar. 1998.
OLIVEIRA, W. Disfunções temporomandibulares. São Paulo: Artes Médicas, 2002.
PÁDUA, A. S. et al. Placas miorrelaxantes: confecção e ajuste no laboratório. R. Un.
Alfenas, Alfenas, v. 4, n. 1, p. 49-53, 1998.
PAIVA, H. J. et al. Oclusão: noções e conceitos básicos. São Paulo: Santos. 1997. 336p.
PEREIRA, J. R.; CONTI, P. C. R. Alterações oclusais e a sua relação com a disfunção
temporomandibular. Rev. Fac. Odontol. Bauru, Bauru, v. 9, n. 3/4, p. 139-144, jul./dez.
2001.
PERTES, R. A.; BAILEY, D. R. General concepts of diagnosis and treatment. In: PERTES,
R. A., ROSS, S. G. Clinical management of temporomandibular disorders and orofacial
pain. Linois: Quintessence, 1995.
PORTERO, P. P. et al. Placas oclusais no tratamento da disfunção temporomandibular
(DTM). Revista Gestão & Saúde, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 36-40. 2009.
RAMFJORD, S. P.; ASH, M. M. Reflections on the Michigan occlusal splint. J. Oral
Rehabil., Oxford, v.21, n.5, p.491-500, sep. 1994.
36
RAMOS, M. T. Avaliação da efetividade das placas oclusais no tratamento das
disfunções temporomandibulares. 2002. 30f. Monografia (Especialização em Prótese
Dentária). Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo, 2002.
RIBEIRO, A. I. A. M. et al. Placa Miorrelaxante no tratamento do bruxismo noturno. In: 4
CONGRESSO INTERNACIONAL DE ODONTOLOGIA, 2008, RECIFE. Rev. Associação
Brasileira De Odontologia. São Paulo: Comunicação Integrada, v. 15, p. 85-85, 2008.
TSUGA, K. et al. A short-term evaluation of the effectiveness of stabilization-type occlusal
splint therapy or specifc syptons of tempoomandibular joint dysfunction syndrome. The
Journal of prosthetic dentistry, v. 1, n. 4, p. 610-613. mai. 1989.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

teste

2 Cartões juh16

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards