título do resumo

Propaganda
CARACTERIZAÇÃO DE Escherichia Coli ISOLADAS DA CORRENTE
SANGUINEA, DE PACIENTES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO, NO
PERÍODO DE 2013 A 2015.
Caroline Martins de Matos (Bolsista Fundação Araucária); Eliana Carolina
Vespero; Marcia Regina Eches Perugini. E-mail: [email protected]
Universidade Estadual de Londrina/Departamento PAC/CCS
Área e subárea do conhecimento: Microbiologia/Epidemiologia
Palavras-chave: bacteremia; E. coli; resistência bacteriana; virulência.
Resumo
Escherichia coli é uma enterobactérias, pertencente a microbiota normal do
trato intestinal de humanos e animais, e é entre os bacilos gram negativos o
principal agente etiológico de infecções da corrente sanguínea. A presença
transitória desses microrganismos na corrente sanguínea é de nominada
bacteremia, esta apresenta sintomas mais amenos comparado a sepses. Este
trabalho terá como objetivo avaliar isolados da corrente sanguínea, de
pacientes do Hospital Universitário, no período de 2013 a 2015. As amostras
serão identificadas pelo sistema de automação Vitek2 e estocadas até o
momento da realização dos testes. Serão avaliados os perfis de sensibilidade
aos antimicrobianos e detectados os mecanismos de resistência aos
antimicrobianos β-lactâmicos, bem como a similaridade genética e fatores de
virulência entre os isolados estudados. O estudo da epidemiologia e os
principais mecanismos de resistência, presente em microrganismos
causadores de bacteremia, são dados importantes para a orientação na terapia
antimicrobiana empírica, que pode reduzir as taxas de mortalidade por estas
infecções (MARANGONI & VIEIRA, 1984).
Introdução
A bacteremia pode indicar a disseminação de infecção, cuja expressão clínica
pode variar desde quadros leves e autolimitados até o óbito (WEINSTEIN et al,
1997). As infecções da corrente sanguínea (ICS) no ambiente hospitalar
geralmente são indicativas de eventos graves, com letalidade atribuída em
torno de 35%, prolongamento da internação hospitalar e custos adicionais
elevados por sobrevivente (ORSI et al, 2002; PIITTET et al.,1994).
Entre as infecções extra intestinais causadas por ExPEC (“Extraintestinal
Pathogenic Escherichia coli” – E. coli patogênica extra intestinal), as principais
são, as infecções do trato urinário, as meningites, as infecções intraabdominais, as infecções em feridas e as infecções da corrente sanguínea.
Logo, revestem-se de grande importância por terem alta morbidade e
1
mortalidade, principalmente no ambiente hospitalar, aonde acometem, no dia a
dia, pacientes que já se encontram debilitados e imunologicamente deprimidos.
Apesar de sua enorme importância, somente nesta década intensificou- se o
estudo de marcadores genéticos de virulência, com o objetivo de caracterizar
melhor seus mecanismos de virulência (SANTOS et al, 2009; BIENDENBACH
et al, 2004; SADER et al., 2001).
Atualmente, há uma lista de cerca de 40 fatores de virulência
relacionados (adesinas/invasinas) à sobrevivência no ambiente extra intestinal
(sistemas de captação de ferro), ao escape das defesas do hospedeiro (fatores
que dificultam a fagocitose, ou que promovem resistência ao complemento
presente no soro) (SANTOS et al, 2009; EWERS et al, 2007; JOHNSON;
RUSSO, 2005).
Além da virulência, a resistência aos antimicrobianos também é um
importante fator nas infecções por E.coli. De longa data sabe-se que a pressão
seletiva exercida pelo uso extensivo e por vezes inadequado de
antimicrobianos seleciona bactérias resistentes aos antibióticos. Além disso,
algumas bactérias são naturalmente resistentes (resistência extrínseca) a
certos grupos de antibióticos (ROSSI; ANDREAZZI, 2005).
Materiais e Métodos
As amostras foram identificadas previamente utilizando o sistema automatizado
Vitek 2 (BioMerieux). Para testar a sensibilidade aos antimicrobianos, foi
realizado o teste de disco de fusão. Para padronização do inóculo, foi utilizado
o tubo 0,5 da escala de McFarland. As amostras então foram incubadas a
35ºC, por 18 a 24 horas. A interpretação foi realizada de acordo com o CLSI.
Os isolados clínicos que apresentaram resistência as cefalosporinas de 3a, 4a
geração foram submetidos a testes fenotípicos para detecção de ß-lactamases
pelo teste de duplo-disco aproximação e disco combinado. Os isolados clínicos
que apresentaram resistência aos carbapenêmicos foram submetidos a testes
fenotípicos para detecção de carbapenemases, sendo eles o teste de Hodge
modificado (LEE et al., 2001) e o teste do ácido Borônico (TSAKRIS, 2010). As
amostras que apresentaram o teste fenotípico positivo foram caracterizadas
genotipicamente por meio da técnica da PCR, utilizando primers específicos.
Os produtos de PCR foram analisados em gel de agarose 1,0%. A tipagem por
ERIC-PCR foi realizada utilizando-se o primer ERIC-2 e metodologia
previamente descrita (VERSALOVIC et al.,1991). Os produtos desta reação
foram então analisados em gel de agarose a 1,0%. Neste trabalho foram
também pesquisados cinco genes que codificam os fatores de virulência, em
que são: iutA (sideróforo aerobactina), hlyF( hemolisina), iss ( resistência ao
soro), iroN (sideróforo salmoquelina) e ompT( protease de membrana externa).
Resultados e Discussão
2
Em relação as amostras estudadas, o teste de sensibilidade aos
antimicrobianos realizando pelo teste de disco difusão mostraram que, dessas,
19 (76%) se mostram sensíveis, 5 (20%) são produtores de ß-lactamase de
Espectro Estendido e 1 (4%) é produtor de carbapenemase do tipo KPC.
antibióticos.
Quanto a classificação filogenética pesquisada, por meio de vários
estudos, foi estabelecida uma relação entre os quatro principais grupos
filogenéticos de E. coli e a virulência desse agente, sendo reconhecido que os
isolados pertencentes ao grupo B2 estão relacionados a cepas patogênicas
extraintestinais e os isolados dos grupos A e B1 relacionados a cepas
comensais (CLERMONT; BONACORSI; BINGEN, 2000). O resultado do
estudo foi : iutA, 13 (52%) , hlyF, 7 (25%), iss, 6 (24%), iroN, 4 (16%) e ompT,
24% (6/25). Sabendo-se que a patogenicidade da E. coli se deve ao produto de
genes cromossomais e plasmidiais, cinco genes de virulência foram
pesquisados, entre eles os relacionados a toxinas (hlyF), sistema de aquisição
de ferro (iutA e iroN), resistência sérica (iss) e proteases ( ompT).Quanto aos
resultados: iutA, 13 (52%) , hlyF, 7 (25%), iss, 6 (24%), iroN, 4 (16%) e ompT,
24% (6/25).
Em relação aos resultados referentes ao ERIC-PCR, foi encontrada uma
grande variação genética entre as cepas estudadas.
Já sobre a pesquisa de genes codificantes de CTX-M ß-lactamase de
espectro estendido, os alelos que codificam o grupo 1 CTM-M foi encontrado
em 3 (60%) isolados, alelos que codificam o grupo 2, 8 e 9 CTM-X foram
encontrados em 1 (20%) dos isolados pesquisados, já os alelos que codificam
o grupo 25, não foram encontrados neste estudo.
Conclusão
As infecções da corrente sanguínea são de grande importância,
devido às altas taxas de morbidade e mortalidade. Nas últimas décadas, os
patógenos mais prevalentes causadores de infecções da corrente sanguínea
foram as bactérias Gram-positivas, superando os patógenos Gram-negativos,
no entanto, as infeções por Gram-negativos são emergentes, principalmente
E. coli. Por isso, conhecer a epidemiologia e disseminação de E.coli
presentes em bacteremias, bem como o perfil de sensibilidade e os principais
mecanismos de resistência e virulência, podem auxiliar na terapia adequada,
bem como redução da mortalidade e da disseminação de cepas epidêmicas.
Agradecimentos
Agradeço à orientadora, à colaboradora e ao CNPq, pelo incentivo e
oportunidade.
3
Referências
CLERMONT, O.; BONACORSI, S.; BINGEN, E. 2000. Rapid and simple
determination of the Escherichia coli phylogenetic group. Appl. Environ.
Microbiol. 66, 4555 – 4558.
EWERS, C. Et al. Avian pathogenic, uropathogenic, and newborn meningitiscausing Escherichia coli: how closely related are they?International Journal of
Medical Microbiology. v. 297,p163-76, 2007.
JOHNSON. J.R.; RUSSO, T.A. Molecular epidemiology of extraintestinal
pathogenic (uropathogenic) Escherichia coli. International Journal of Medical
Microbiology. v. 295, p. 383-404, 2005
LEE, K. et al. Modified Hodge and EDTA-disk synergy tests to screen metallo-blactamase-producing strains of Pseudomonas and Acinetobacter species.
Clinical Microbiology and Infection; n.7, p. 88, 2001.
MARAGONI,V.D.; VIEIRA,W. Diagnóstico e tratamento de septicemias. Ars
Cyrandi. p.29-37, 1984.
ORSI, G.B. et al. Hospital-acquired, laboratory-confirmed bloodstream infection:
increased hospital stay and direct costs. Infection and Control Hospital
Epidemiology v. 23, p. 190-7, 2002.
ROSSI, F.; ANDREAZZI, B.D. Resistência bacteriana: interpretando o
antibiograma. São Paulo: Editora Atheneu; p. 11-20, 2005.
SANTOS, A.C.M. et al. A virulência de Escherichia coli patogênica extraintestinal (ExPEC) em relação à idade e ao sexo do hospedeiro. O Mundo da
Saúde.v.33, p.392-400, 2009.
TSAKRIS, A. et al. A simple phenotypic method for the differentiation of metalloβ-lactamases and class A KPC carbapenemases in Enterobacteriaceae clinical
isolates. Journal of Antimicrobial Chemotherapy, v.65, n. 8, p. 1664–1671,
2010.
VERSALOVIC, J. et a.l Distribution of repetitive DNA sequences in eubacteria
and application to fingerprinting of bacterial genomes. Nucleic Acids Research.
v. 19, n. 24, p. 6823-6831, 1991.
WEINSTEIN, MP; TOWNS, ML; QUARTEY, SM; MIRRETT, S; REIMER, LG;
PARMIGIANI, G; et al. The clinical significance of positive blood cultures in the
1990s: a prospective comprehensive evaluation of the microbiology,
epidemiology, and outcome of bacteremia and fungemia in adults. Clinical
Infection Disease. v. 24, p. 584-602, 1997.
Woodfort, N. et al. Multiplex PCR for rapid detection of genes encoding CTM-X
extended-spectrum beta-lactamase. Journal of antimicrobial Chemotherapy.
2005.
4
5
Download
Random flashcards
Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards