7 De Claris Mulieribus Como na coleção de biografias De

Propaganda
Rainhas Piratas e Outras Senhoras do Mar.
Carla Cristina Garcia1
Resumo:
Alguns dos piratas mais notórios de todos os tempos foram mulheres. Desde o início da
pirataria, as mulheres se destacaram por sua valentia e coragem. Como Dido, a rainha
errante fundadora de Cartago, Artemisa, rainha almirante e pirata, a pirata anti-inglesa
Gracie O’Malley,
e muitas outras que foram Senhoras dos mares e cujas vidas
superaram os limites de seu tempo.
Zarpando (Introdução)
“Ser estrangeiro e ao mesmo tempo sentir-se em casa em todos os lugares, e
sair, solitário e digno para conquistar o mundo. O autêntico vagabundo,
sentado às margens dos caminhos e contemplando o horizonte livre que se abre
diante dele não é o senhor absoluto das terras, dos mares e dos céus?”
Isabelle Eberhard
Em um de seus relatos de viagem, Isabelle Eberhard, reivindica o direito a vagabundear.
Para ela, vagabundear, levar a vida percorrendo caminhos era o significado da
liberdade:
“Romper um dia resolutamente todas as travas com que a vida moderna e a
debilidade de nosso coração, sob o pretexto da liberdade, carregaram nosso
gesto, pegar o bastão e as alforjas simbólicas e ir-se. Para quem conhece o
valor e também o delicioso sabor da solitária liberdade (pois nunca se é mais
livre como quando estamos sozinhos) o ato de ir-se é o mais valente e
belo.”(Eberhard,2001:33)
Carla Cristina Garcia é doutora em Ciências Sociais – Antropologia- pela Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo (PUC) com pós-doutorado pelo Instituto José Maria Mora (México, DF). É
professora assistente doutor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Coordenadora do Inanna.
Núcleo transdisciplinar de investigações de sexualidades, gênero e diferenças da pucsp.É autora de dos
livros Ovelhas na Névoa um estudo sobre mulheres e a loucura (Ed.Rosa dos Tempos/Record);
Produzindo Monografia (Ed. Limiar); As Outras Vozes: memórias femininas em São Caetano do Sul
(Ed.Hucitec);Hambre del Alma as escritoras e o banquete das palavras( Ed. Limiar) e Sociologia da
Acessibilidade( IESD). Breve História do Feminismo (Nova Alexandria)
1
Em seus escritos, Eberhard coloca em tela de juízo as ideias recebidas, esclarece a
gênese de sua própria vida de viajante e inscreve-se dentro de uma longa linhagem de
aventureiras.
Sua curiosidade pelo mundo e a busca de sua própria verdade passavam pela coragem
de desobedecer, de ser aventureira e vagabunda.
É preciso não esquecer, entretanto, que na cultura ocidental palavras como aventureiro e
vagabundo têm significados absolutamente diferentes quando ditas no feminino.
Falar em aventura é falar de homens movidos pela paixão pelos confins do mundo. A
palavra aventureira não evoca nem partidas, nem distanciamento, nem viagens, mas sim
ambição, intriga, amor interesseiro. No século XX, quando a aventura adquire o sentido
que lhe dá Malraux – ir mais longe – as aventureiras não são as mulheres que partem
para conhecer o desconhecido. É preciso acrescentar um qualificativo para distingui-las
das cortesãs: as grandes aventureiras. Mas este é um esforço inútil: “Os homens têm as
viagens, as mulheres os amantes” (apud Lapierre 2007:4) ironiza o mesmo Malraux.
Para os homens, portanto, a conquista das terras, para as mulheres a conquista dos
homens.
Quando se trata de ilustrar o espirito de aventura, a história - escrita por homens - retém
nomes como os de Marco Polo, Cristóvão Colombo, Magalhães. Na sombra fica Egeria,
nascida no século IV no lugar que hoje chamamos de Galícia e que escreveu um
importante livro de viagens detalhando seu caminho até a Terra Santa. (López, 2010)
Ou Isabel Barreto, navegante espanhola do século XVI, que teve em suas mãos o
comando de uma expedição na conquista da América e obteve o título de almirante.
(Robles, 1959)
As aventuras tem sido e são domínios tanto dos homens quanto das mulheres desde os
tempos mais remotos, mesmo que a imensa maioria delas tenha sido esquecida.
Até a poucas décadas atrás, era muito difícil encontrar testemunhos de mulheres
viajantes anteriores ao século XVIII, época das grandes expedições. Mas nos últimos 20
anos, parte da crítica histórica feminista apostou em uma postura radical. Tendo como
pressuposto o fato de que as circunstâncias históricas impossibilitaram o registro das
contribuições das mulheres exploradoras, viajantes e aventureiras, passaram a fazer uma
verdadeira reconstrução da história dessas mulheres analisando as relações entre o poder
e o saber que presidiram esta exclusão, os critérios de autoridade, os entraves sociais e o
silenciamento posterior de protagonistas exiladas, que apesar de tudo existiram.
Para tanto, as estudiosas postularam a necessidade de se esclarecer uma série de
questões prévias: perfilar um modelo de crítica feminista e introduzir modelos históricos
e genealógicos alternativos.
A proposta de modelos históricos alternativos buscaria resgatar do esquecimento as
contribuições das mulheres em geral como coletividade na teoria e na prática social.
O uso da noção de genealogia deveria contemplar em primeiro lugar a genealogia como
método desconstrutor das relações de poder presente no saber e o seguimento de suas
redes de exclusão e de construção de conceitos.
E em segundo a construção de uma genealogia feminina que recuperasse protótipos
literários e mitológicos, galeria de mulheres ilustres tendo como objetivo a construção
do imaginário, da simbologia, da memória e da presença feminina e que incluisse,
portanto, mulheres reais e fictícias, feministas ou não.
Para Elaine Showalter, desde Wollstonecraft, existiram poucas mulheres que se
converteram em ídolos feministas, em símbolos de aspiração que exerceram um poder
tanto espiritual quanto psicológico sobre as mulheres:
“Ainda que não apareçam em antologias, conferências, livros dedicados a
personagens notáveis e legendários, estas mulheres constituíram uma
verdadeira tradição subterrânea e subconsciente na medida em que sucessivas
gerações de filhas rebeldes e aventureiras as redescobriam e reinventavam.”
(Showalter,2002:14)
Para a autora, as mulheres que se converteram em ídolos feministas são conhecidas por
seu valor e pela variedade de matizes com que lutavam para levar uma vida plena, que
rompiam todas as regras e seguiam sua própria senda: eram mulheres decididas a
experimentar o amor, as vitórias e se empenharam para que suas vidas fossem
relevantes.
Ao longo dos séculos as mulheres buscaram na mitologia e na religião ideias sobre o
estilo épico de vida feminista, estudando as Amazonas, Diana de Éfeso, Cassandra,
Penélope, as vezes buscando a vida de alguma messias feminista. Este desejo frustrou
algumas mulheres, mas outras o incluíram em seu projeto de vida.
Em 1917, a antropóloga Ruth Benedict planejou escrever um livro que intitularia
“Aventuras de mulher!”. Desejava falar sobre a inspiração tão intensa que recebia da
vida de mulheres mais valentes que fizeram de sua vida uma aventura apaixonante.
“Reivindicar nossos ídolos feministas é um passo necessário em nossa memória
coletiva. No século XX as mulheres conseguiram enormes benefícios, mas ainda
carecemos de um sentido do passado feminista. Outros grupos celebram suas
figuras heroicas, mas as mulheres não tem um dia oficial para comemorar o
nascimento ou a morte de nossas grandes heroínas. Tanto se viveram no século
XVII, XIX ou XX, todas viveram a frente de seu tempo. (...) necessitamos saber
mais sobre os modelos de nossa própria tradição para atuar, e para discutir
sobre suas escolhas cuja inquietude e espirito de aventura fazem delas nossas
heroínas, nossas irmãs, nossas contemporâneas.” (Showalter,2002:15)
E quando as teorias se desvanecem, as biografias conservam sua força. Durante os
últimos anos, por meio de biografias e diários de viagem de mulheres que estão sendo
publicados, podemos saber que muitas mulheres lançaram-se a aventura para lugares
que ainda não constavam nos mapas.2
Durante séculos, mulheres nem tão loucas, nem tão excêntricas, contribuíram com suas
viagens ao conhecimento geográfico e participaram em importantes acontecimentos
históricos. Viajantes, exploradoras, navegantes, conquistadoras existiram na história da
sociedade ocidental desde a antiguidade. Foram muitas as mulheres que assumiram o
comando de exércitos e frotas. Rainhas valentes e independentes. Algumas foram
heroínas militares e outras foram piratas.
Desde a antiguidade existiram mulheres que viveram do roubo marítimo. Nos anais da
pirataria – do mar mediterrâneo ao da China – estão escritos em letras de ouro dezenas
de nomes femininos. Mulheres que demonstraram como os mapas de ilhas remotas, os
cofres com tesouros, ou roubos em alto mar, os seqüestros e os assassinatos mais cruéis
não são patrimônio exclusivo dos homens.
Em seu livro Wayward women, publicado em 1990, Jane Robinson reuniu quatrocentos nomes de escritoras de
viagem apenas de língua inglesa. Nos últimos vinte anos, muitos outros livros foram lançados. Cf. bibliografia
final deste artigo.
2
Nos primeiros séculos da nossa era, o Mare Nostrum foi o cenário propício para essa
atividade ancestral. Entre as piratas mediterrâneas pioneiras, deixaram sua marca nas
águas desse mar duas soberanas de mesmo nome e mesmo reino: Artemisa I e Artemisa
II da Cária. Outra rainha, Teuta de Ilíria, pirata de tradição, utilizou todo o
conhecimento desta arte para se tornar o terror do Adriático.
Em alto mar: As rainhas piratas do mediterrâneo
“Sobre o imenso passado do Mediterrâneo, o mais belo testemunho é o
próprio mar. Isto tem de ser dito e repetido. É preciso vê-lo uma e tantas
vezes. É certo que, por si só, ele não explica tudo acerca de um passado
complicado, construído pelos homens com mais ou menos lógica,
capricho ou insensatez. Mas o mar restitui pacientemente as
experiências do passado, devolve-lhes as primícias da vida, coloca-as
sob um céu, numa paisagem que podemos ver com nossos próprios olhos,
análogos aos de outrora. Um instante de atenção ou de ilusão, e tudo
parece reviver.”
Fernand Braudel
Na antiguidade, o mediterrâneo e o mar do norte, foram cenários clássicos da atividade
pirata. Muitas sociedades viviam da agricultura, do comércio e da pirataria.
Não se pode precisar uma data exata para seu surgimento, mas deve ter aparecido no
mesmo momento em que se desenvolveu o comércio marítimo no Mediterrâneo e Egeu,
durante o século 13 a.C.
A palavra "pirata" vem do grego "peiratès" e designava o indivíduo que procurava sua
fortuna por meio da aventura no mar. Na antiga Grécia, a pirataria era considerada uma
arte e leis protegiam os piratas como uma associação. Alguns piratas, por exemplo,
entregavam parte do espólio a Hera, deusa dos ventos (Yolen 2009). Os gregos, não
estabeleceram distinções entre o nauta e o peiratès. Para eles, o pirata era alguém que
procurava nas águas a prosperidade que lhes faltava em terra firme. Basta com passar
os olhos nos escritos de Homero para comprovar. Aquiles dedicou-se ao roubo marinho
em sua mocidade. Pela boca de Ulisses, descreve:
“Eia, porém que eu vos relate igualmente as tribulações de me regresso,
lançadas por Zeus, quando eu voltava de Tróia. As brisas que me levaram de
Ílio aproximaram-me dos cícones, em Ismaro. Saqueei ali a cidade e matei os
homens; trazendo da povoação suas esposas e copiosas riquezas, repartimo-las
de modo que nenhum dos meus homens seguisse lesado na igualdade dos
quinhões.”(Homero,1993:101-102)
Para os gregos, a pirataria e uma de suas seqüelas terrestres, os seqüestros, funcionavam
como um poderoso motor econômico. O ouro obtido dos resgates, venda de escravos e
proteção aos comerciantes, gerava um tráfico monetário por todo mediterrâneo que teria
sido impossível conseguir de outra maneira. Os prisioneiros transformados em escravos
constituíam a principal força de trabalho e o motor de produção de bens e serviços.
Acontecimentos posteriores – as Guerra Médicas e o império de Alexandre, – afetaram
profundamente a pirataria. Os novos reinos, cada vez mais fortes fizeram com que as
águas do mediterrâneo entrassem em um período de relativa calmaria.
Os piratas reapareceram quando a ordem helênica entrou em declínio deixando passo a
nova potência: Roma que, entre o século III A.C. e o começo da era cristã, não apenas
modificou a geografia do poder - que se moveu do Mediterrâneo oriental ao ocidental mas também as mentalidades.
Pode-se dizer que os romanos começaram as perseguir os piratas desde o momento em
que o primeiro legionário molhou os pés nas cálidas aguas desse mar. A longa
campanha que durou muitos séculos contou com episódios dos mais variados. Os
romanos encontraram todo tipo de bandidos naquele que chegaria a ser seu Mare
Nostrum. O jovem Júlio César teve ocasião de comprovar quando caiu em mãos piratas
em 78 a.C.
O barco em que César viajava para a ilha de Rodes foi capturado e os piratas resolveram
pedir por ele 20 talentos de ouro. Segundo biógrafos romanos, Júlio César retrucou que
poderiam pedir 50 e o resgate foi pago. Uma vez em liberdade, o futuro imperador
armou uma frota, perseguiu seus seqüestradores, prendeu-os e os crucificou. Onze anos
depois, seu rival, Pompeu, recebeu plenos poderes do senado romano para acabar com
os bandidos do mar. Pediu três anos e realizou a tarefa em quarenta dias. Por uma
dessas ironias da vida, seu filho Sexto Pompeu, rompeu a tradição familiar e dedicou-se
de corpo e alma a pirataria. Foi o último pirata do Mare Nostrum durante muitos
séculos. (Ormerod, 1997).
Em vista do exposto, fica claro que o pirata era visto como uma pessoa empreendedora,
e audaz. Mas o que os frios dados, tomados dos grandes escritores gregos e romanos
ocultam é que o peiratè do Mare Nostrum podia ser um homem ou uma mulher.
O mediterrâneo não foi um mar exclusivamente masculino. Suas águas banharam as
areias de muitas costas onde o roubo naval era praticamente monopólio de mulheres.
Ainda hoje são freqüentes nos povoados da costa mediterrânea histórias sobre tesouros
ocultos e mulheres piratas.
Uma delas vem da ilha grega de Skopelos, refúgio ideal para os piratas que tinham ali o
lugar perfeito para suas abordagens já que os barcos que zarpavam do porto de salônica
a caminho do Sul eram obrigados a fazer esta rota. Até hoje este golfo continua sendo
um lugar ideal para que os navegantes se protejam dos ventos do norte. Foi neste lugar
que Adrina, também conhecida como o terror do norte do Egeu atracou seu barco.
Conta a boa gente do lugar que muitos anos antes da chegada dos turcos, um barco
pirata, comandado por uma mulher, atracou em uma ilhota escondida. Adrina, a capitã,
enviou seus homens a terra para saquear o povoado mais rico da ilha, enquanto ela
esperava no barco. Para sua desgraça, o plano deu errado, pois os skopelitas souberam
da incursão, planejaram uma emboscada e mataram todos os bandidos. Quando o único
sobrevivente informou a Adrina sobre o desastre, a capitã tirou o tesouro do navio e
afundou o barco no golfo. Depois subiu em um promontório e atirou-se ao mar. Desde
então, o lugar se chama Adrines, pois a população vitoriosa, desejando perpetuar sua
vitória, deu o nome da pirata à linda ilhota onde a galera pirata ancorou.
Diz a lenda que o tesouro de Adrina era enorme. Entre o tesouro estava uma porca de
ouro que até hoje é motivo de busca tanto pelos habitantes quanto pelos turistas.
(Parsons, 2000)
Se a história de Adrina é apenas mais uma entre muitas que fazem parte do escopo de
contos populares mediterrâneos, vale lembrar que, uma dessas histórias sobre uma
grande mulher pirata se converteu num dos grandes mitos da civilização ocidental pelas
mãos de Virgílio na Eneida( Balbín e Palencia,1999).
A pirata a quem me refiro se chamava Elisa e foi a fundadora de Cartago, a CidadeEstado que enfrentou Roma pelo domínio das terras que circundavam o mediterrâneo.
Os cartaginenses, que nunca leram Virgílio, Ovídio ou a qualquer outro poeta “inimigo”
a conheciam pelo nome de Tanit3 e a adoravam como grande deusa mãe que era.
Elisa, filha primogênita de Mutto(ou Belus) , rei da cidade fenícia Tiro. Foi casada com
o tio Sychaeus (ou Acerbas). O pai ao morrer deixou o reino para os dois governarem,
mas Pigmaleão, seu irmão, quis reinar sozinho e também cobiçava os tesouros do tio.
Mata o cunhado e com um golpe de Estado, anuncia seu casamento com Elisa para obter
os bens através da irmã a legitima herdeira. Elisa, no entanto - alertada em sonho pelo
marido, contam alguns - decide fugir. Começa a arrumar suas coisas e reunir seu grupo
dando a entender que iria se mudar para a casa do irmão. Satisfeito, Pigmaleão envia
ajudantes. Mas Elisa os convence também a fugir com ela e os seus. O grupo foge até o
porto, se apodera da frota tíria que se preparava para zarpar em uma missão comercial e
iniciam sua viagem.
A primeira escala de Elisa foi em Chipre. A princesa destronada esperava que a gente
do local a apoiasse, pois como seu nome dava a entender, ela era a deusa encarnada do
país, afinal, Elisa e Chipre são sinônimos. (Bell, 1991)
Entretanto, forçados a escolher entre Elisa e Pigmaleão, o povo optou pelo segundo e
assim, ela teve que zarpar uma segunda vez.
Mas Elisa levou algumas coisas de Chipre. A primeira foi um nome novo. Decidiu que a
partir daquele momento não responderia mais ao nome de Chipre, mas sim ao de Dido.
Dido, nome pelo qual Elisa será lembrada significa, em fenício, ‘wanderer’[errante],
“feminine warrior or heroine”, “brave maiden”.(Bell,1991)
A segunda, muito mais pragmática consistiu em levar algumas mulheres para se
casarem com os rapazes do grupo e formarem a nova colônia.
Na costa da África ela compra de um chefe tribal, Jarbas, um pedaço de terra. Dido
propõe comprar a terra que coubesse na pele de um touro. A Rainha então cortou o
couro do animal em tirinhas estreitas e conseguiu o bastante para cercar toda a colina
que ali ficava que depois disso foi chamada de Byrsa, “escondida”. Esse evento é
comemorado na matemática: o "isoperimetric problem" que consiste em cercar o
3
Tanit, a deusa lua, provável personificação da Grande Deusa Astarte (romana Juno)
máximo de área dentro de limites fixos. É também denominado “Problema de Dido” no
moderno Cálculo de variações.4
Ali funda Kart Hadasht ou ‘nova capital’, mais tarde conhecida como Cartago, em 814
A.C, mais ou menos um século antes das cidades que serão rivais desta: Siracusa e
Roma.
A cidade prosperou rapidamente, muitas pessoas vieram se juntar aos primeiros
habitantes. Dido reinou por muitos anos, e a próspera Cartago tornou-se uma República.
Jarbas, o chefe tribal que lhe vendera a área, começou a ficar enciumado e acabou
pedindo a mão de Dido em casamento. Ela não queria se casar. Jarbas chama dez dos
mais nobres cartagineses e lhes diz que ou se casa com ela ou irá declarar guerra à
cidade. Ao voltarem, não ousam informar a rainha sobre a ameaça e lhe dizem que
Jarbas pedira-lhes que enviassem mestres para ensinar aos líbios as artes da civilização.
Eles expressaram duvidas quanto a alguém querer ir. Foram censurados por Dido que
lhes disse que todo cidadão deveria estar disposto a sacrificar qualquer coisa, até sua
vida, pelo bem de sua cidade.
Antes de Virgílio o mito retratava Dido como mulher de valor, fiel aos seus, corajosa,
honrada, modelo de liderança. Alguém que sabe calcular o uso das palavras e das ações
visando determinados fins.
Virgílio na Eneida remodela a estória, faz Dido contemporânea de Eneias cujos
descendentes irão fundar Roma. Ela então se torna uma heroína da paixão: primeiro por
ser fiel ao marido morto, depois por se suicidar ao ser abandonada por Enéias.
Na Eneida ela se apaixona por Enéas e se suicida depois dele ter deixado a África
atirando-se numa pira de fogo.5
Então, de uma heroína grandiosa ela se torna uma mulher chorosa por um amor não
correspondido. Ao morrer, amaldiçoa os troianos provendo assim uma origem mítica
para as guerras Púnicas.
É o mais antigo problema de que há registro que envolve máximos e mínimos e tem sido objeto de muitas
generalizações ao longo dos tempos Cf. "A Dido Problem as modernized by Fejes Toth"
http://www.cs.nyu.edu/faculty/siegel/D33.pdf
4
Em algumas tradições ela era parcialmente uma deusa da fertilidade e na Líbia os deuses da fertilidade eram
sacrificados sendo colocados em uma pira em chamas.
5
Segundo Ovídio, (apud, Silva, 2008: 79) Dido escreveu uma carta para Enéas no
momento em que sobre a pira. Na carta, tenta persuadir Enéas a ficar em Cartago e
propõe que ele aceite o tesouro como parte de um dote generoso.
Durante milênios a estória do tesouro de Dido circulou pelo Mediterrâneo e muitas
expedições foram feitas - inclusive pelos romanos - para encontrá-lo.
Na Divina comédia, Dante enxerga a sombra de Dido no segundo círculo do Inferno, ao
qual ela foi condenada (devido a sua luxuria devoradora) a ser eternamente crestada em
um redemoinho ardente.
Durante o regime fascista sua figura foi demonizada, como figura anti-romana, mas
principalmente porque juntava no mínimo três outras qualidades femininas
desagradáveis: virtude feminina, origem étnica semítica e civilização africana. Seu
nome e sua memória eram temidos. (Doria,2001)
Adrina e Dido. Estórias e Mitos de aventura e de coragem femininas tão incríveis e
surpreendentes quanto a das três rainhas piratas da Antiguidade: Artemisa , Artemisa II
e Teuta.
Artemisa, a Rainha Almirante.
“E por certo que também se conta o seguinte episódio: Apareceu aos gregos a
imagem de uma mulher que (...) lhes dirigiu a seguintes palavras: Desgraçados
!!! até quando vão continuar remando para trás???”
Heródoto
A mulher a quem Heródoto se refere é Artemisa I de Halicarnaso – Espírito de Artemis
é o que seu nome quer dizer - rainha e pirata, aliada de Xerxes na famosa batalha de
Salamina. Dela, diria o rei persa, era sua melhor capitã.
Heródoto, que escreveu longamente sobre os feitos e façanhas desta rainha, jamais
mencionou o nome do príncipe consorte, ainda que provavelmente o soubesse por que o
historiador nasceu em Halicarnaso e quando criança conheceu Artemisa por quem sentia
uma admiração especial. A única coisa que o cronista dá a entender foi que o consorte
morreu cedo, que engendrou um herdeiro em Artemisa e que a viúva deteve o poder
durante a menoridade do filho. Mas a razão mais provável para o fato do nome do
marido não ter sido conservado pela história é que tanto o poder quanto a riqueza eram
transmitidas pelas mulheres da família.
Heródoto a apresenta como uma rainha inteligente, capaz de expressar sua própria
opinião mesmo quando ninguém mais estava de acordo. Foi uma navegante habilidosa e
valente, que protegeu sua frota durante as guerras entre a Grécia e a Pérsia.
No século V A.C. Artemisa reinou na cidade de Halicarnaso 6 (hoje chamada Bodrum)
encravada na costa do mar Egeu turco. O pai de Artemisa e seu marido haviam
governado a cidade antes dela. Quando enviuvou, se converteu em rainha, já que seu
filho era muito jovem para governar.
Em 480 a. C. o império persa estava em seu máximo apogeu. O rei Xerxes vencedor da
batalha das Termópilas, apoderou-se da Grécia peninsular e incendiou a cidade de
Atenas. Depois, se dirigiu em direção ao sul levando a guerra até o mar.
Artemisa, aliada da Pérsia, cedeu e comandou cinco barcos para a batalha.
Mas Artemisa preveniu Xerxes sobre a superioridade dos barcos gregos e o lembrou de
que ele já possuía parte do território grego, e, ao contrário de todos os outros
comandantes, o aconselhou a retirar-se enquanto ainda era vencedor.
Mas Xerxes decidiu seguir a opinião da maioria e perdeu a batalha de Salamina, tal
como Artemisa havia previsto. Não obstante, ela se manteve leal a Xerxes e, quando a
derrota era inevitável, tomou a decisão de salvar sua tripulação e fugir.
Segundo Heródoto, depois da batalha, o rei procurou mais uma vez o conselho de seus
comandantes. Todos queriam ficar e atacar novamente as ilhas gregas, exceto Artemisa.
Mais uma vez, ao contrário de todos os demais, a rainha aconselhou Xerxes a considerar
outra opção: deixar 300.000 soldados para trás para assegurar a zona peninsular e voltar
para a Pérsia com a frota. Artemisa recordou a Xerxes pela segunda vez que ele já havia
incendiado Atenas e ocupado as cidades-estados. Era suficiente. Desta vez, o rei aceitou
seus conselhos e decidiu voltar para casa em vez de batalhar.
Halicarnaso, nunca foi uma cidade totalmente grega, ainda que tenha sido fundada por gregos. Seus habitantes
– os Cários – constituíam mais da metade da população e seus costumes bárbaros eram considerados repugnantes
para os refinados gregos.
6
Aqui termina as pistas sobre as façanhas de Artemisa deixadas por Heródoto. Sabe-se,
no entanto que os gregos ofereceram 10.000 dracmas como recompensa a quem
capturasse Artemisa. Essa era a quantia mais alta entre as recompensas, que só era
oferecida pela captura, vivo ou morto, de algum importante chefe peiratè.
O ultimo vestígio que se conserva de Artemisa é um pequeno recipiente, uma pequena
jarra branca que se encontra no British Museum.(Stanley,1996:68)
Um século depois, uma conterrânea sua, Artemisa II de Halicarnaso, além de ordenar e
comandar a construção do famoso Mausoléu, que figurou entre as sete maravilhas da
antiguidade, ficou conhecida por empregar as mais ousadas táticas da pirataria para lutar
contra seus inimigos.
Artemisa II:
“E foi ordenado que se alçassem duas estátuas de metal na praça, uma das
quais era a de Artemisa e a outra da cidade de Rodes vencida.”
Bocaccio
Artemisa II viveu no século IV A.C. Era filha de Hecatomnos da Cária que,
aproveitando o fato de que o rei da pérsia estava envolvido em um conflito com o Egito,
começou a cunhar sua própria moeda, claro sinal de independência.
Neste período, a democracia patriarcal grega foi abolida e foi restaurado o tradicional
sistema de transmissão da linhagem, ou seja, a mulher voltou a jogar um papel
fundamental na transmissão do poder, como ficaria claro nos tempos de Artemisa II, a
principal figura da nova dinastia.
Artemisa II foi irmã e esposa do rei Mausolo, sucessor de Hecatomnos. Mulher culta
possuía vastos conhecimentos sobre botânica e medicina. Mausolo morreu em 353 A.C.
e o “segundo espirito de Artêmis” o sucedeu como governante. A primeira coisa que fez
foi mandar cremar o corpo de Mausolo, diluir as cinzas em vinho e as beber. Esse ato
causou tamanha impressão que passou a memória dos europeus e inspirou inúmeros
escritores e artistas, entre outros a Boccacccio que interpretou o gesto como supremo
ato de amor. ( Gold,1997)7
Provavelmente, este gesto nada tenha a ver com amor, mas sim com politica. Os cários,
assim como muitos outros povos, pensavam que os reis eram deuses encarnados, cuja
energia não desaparecia com a morte. Ao tomar as cinzas de Mausolo, Artemisa
absorveu a essência divina do defunto convertendo-se em uma deidade viva.
Durante seu reinado, de aproximadamente 3 anos, financiou todo tipo de obras poéticas
e teatrais e ordenou a construção de um monumento funerário em honra de Mausolo. Na
obra trabalharam os melhores escultores e arquitetos gregos e as gentes da época a
considerou uma das sete maravilhas da antiguidade. A construção deu o nome a um tipo
específico de construção funerária: o Mausoléo.
Mas Artemisa II fez muitas outras coisas nos anos em que governou. Entre outras
coisas, demonstrou tanta astúcia e conhecimentos náuticos quanto os do primeiro
“espírito de Artêmis.”
Os habitantes de Rodes, acreditando que o governo de uma mulher lhes oferecia uma
ótima oportunidade de livrar-se do domínio dos cários, planejaram um grande ataque a
capital, Halicarnaso. Inteirada sobre os preparativos do golpe, Artemisa II ordenou que
a população acolhesse aos invasores como libertadores. De seu palácio pôde ver como o
inimigo incorria no grave erro tático de desembarcar do lado do porto de onde não
poderiam ter uma visão geral do que estava acontecendo. Quando desembarcaram e
começaram a saquear a praça do mercado, a frota cária apareceu por um canal artificial
conectado com o porto e se apoderou dos navios vazios, ao mesmo tempo em que,
soldados ocultos abatiam os saqueadores. Artemisa então coroou os navios capturados
com guirlandas de louros– tradicional símbolo grego de vitória - e os comandou de
volta a ilha de Rodes. Como era de esperar, os habitantes de Rodes pensaram que seus
homens voltavam vitoriosos quando divisaram as velas e acudiram em massa a praia
7
De Claris Mulieribus Como na coleção de biografias De viris illustribus de Petrarca, Boccaccio escreveu entre
1361 y 1362 uma série de biografias de mulheres ilustres que foi dedicada pelo autor a Andrea Acciaiuoli, condessa
de Altavilla. Este livro serviu como fonte bibliográfica a muitos escritores entre eles Geoffrey Chaucer, autor dos
Contos de Cantuária. Cf. In: Sex and gender in medieval and Renaissance texts: the Latin tradition Barbara K.
Gold,Paul Allen Miller,Charles Platter, New York, SUNY Press, 1997
para comemorar. Antes que o estratagema pudesse ser descoberto, os navios entraram
no porto e os soldados de Artemisa venceram sem dificuldade seus inimigos. Artemisa
mandou erguer um monumento em Rodes para comemorar sua conquista.
A rainha sabia que por tradição, os habitantes de Rodes, não destruíam nenhum troféu
de guerra, nem próprio, nem alheio. Então, assim que a rainha levantou as âncoras,
rapidamente construíram um pequeno edifício que cobria por completo o monumento.
Como sua antecessora, a heroína de Salamina, Artemisia II não se considerava grega,
mas amava as obras da cultura helênica. Mas esta simpatia não era mútua. Os
atenienses, principais aliados de Rodes, a desprezavam porque ela, assim como sua
predecessora, encarnava a tirania e a barbárie. E para os gregos, estes conceitos estavam
indissoluvelmente ligados às mulheres.
Talvez por isso, para provocar uma vez mais seus inimigos, a rainha mandou esculpir
nos frisos do Mausoléu os épicos combates que os civilizados gregos enfrentaram
contra as Amazonas quando os deuses ainda eram jovens.
Artemisia, como a maior parte das rainhas piratas foi quase uma amazona, uma dessas
mulheres que convertiam em pesadelos os sonhos dos gregos.
Rainha Teuta de Ilíria, o terror do Adriático.
Oh! Teuta, rainha! Tua castidade conjugal,
para todas as esposas, um espelho deve ser!
Chaucer
Teuta tornou-se regente em nome de seu enteado, Pinnés, quando seu marido Agrón, rei
da Ilíria8 morreu em 231 a. C.
De fato, o pouco que se sabe sobre Teuta, - nem sequer sabemos seu nome: Teuta
significa “a que dirige o povo.” - nos convida a pensar que foi uma dessas pessoas que
condicionam o curso dos acontecimentos históricos. Ela não se limitou a protagonizar
8
Abarca os territórios das atuais Albânia, Croácia, Bósnia e Montenegro.
um capítulo da história, mas o escreveu. Teuta é considerada a “Catarina, a Grande” da
Ilíria.
Teuta não apenas conservou intacta a herança de Ágron como deu um passo adiante e,
mostrando talento inato para a administração desenhou um ambicioso plano de criação
de um império Ilírio: ocupou as colônias gregas de Fénice e Antigonea e pouco depois a
ilha de Corfu que possuía um grande valor estratégico, pois de lá se podia controlar a
Grécia e o sul da Itália.
Uma das primeiras decisões de Teuta como rainha foi dar permissão para que seus
navios saqueassem todos os barcos que navegassem ao longo da costa ilíria. Cada vez
que os barcos voltavam com os tesouros roubados, Teuta recompensava a tripulação.
Muitas vezes ela liderava os navios em suas incursões, o que lhe rendeu o apelido de “o
terror do Adriático.”
As incursões ilírias chegaram a preocupar seriamente as autoridades romanas, pois já
não se tratava mais dos tradicionais assaltos isolados. Agora, os piratas efetuavam
longas e planejadas expedições que chegavam a saquear as cidades do sul da Itália e da
Sicília.
O Senado romano decidiu então enviar embaixadores para reclamar compensações e
solicitar o fim dos ataques. Mas segundo a lei ilíria, a pirataria era legal. Durante a
visita, um dos embaixadores romanos tratou a rainha de uma maneira tão desrespeitosa
que ela decidiu acabar com suas vidas. Teuta embarcou os cadáveres e os enviou a
Roma.
Os romanos então declararam guerra a Ilíria. A armada romana que constava de 200
barcos navegou imediatamente para Corfú e obrigou o governador nomeado por Teuta a
render-se. Com um ataque combinado entre a frota naval e o exército, os romanos foram
conquistando uma depois da outra as cidades ilírias até sitiar a capital.
Finalmente, Teuta se rendeu e teve que aceitar um tratado de paz tremendamente
desfavorável. Os romanos permitiram que ela continuasse reinando, mas limitaram seu
território a uma pequena zona ao redor da capital e lhe exigiram um tributo anual e, o
mais importante de tudo: a proibiram de comandar barcos armados. (Stanley,1996:30)
A história de Teuta tem um curioso epílogo. Muitos séculos depois, Geoffrey Chaucer,
autor dos Contos de Cantuária, elogiou a rainha pirata – e também a Artemisa II – em
um de seus relatos: “A viuvez sem par de Artemisa, é honrada através de toda barbárie.
Oh! Teuta! Tua marital castidade, para todas as esposas um espelho deve ser”
Chaucer transformou a comandante pirata em uma casta viúva cuja moralidade deveria
ser seguida por todas as esposas. O poeta inglês sabia muito pouco sobre “aquela que
manda no povo”. Provavelmente seus conhecimentos sobre a vida de Teuta se
limitavam ao que disse sobre ela São Jerônimo. (Sánchez, 2006)
São Jerônimo dedicou uma boa parte de sua prolixa produção “as pagãs virtuosas”,
Entre muitas, faz uma breve alusão “aquela que dirige o povo”, afirmando que Teuta
“deveu seu grande poder sobre os bravos guerreiros e suas frequentes vitórias contra
Roma, a sua maravilhosa castidade.” (Sánchez,2006)
Na sua obra Contra Jovinianus, muitas “pagãs virtuosas” aparecem atirando-se ao fogo
depois de serem violentadas e a honradas mães de família matam seus filhos e depois se
suicidam para não serem desonradas pela soldadesca vitoriosa.
Uma das possíveis razões pelas quais Teuta foi incluída nesta longa lista de matronas
pagãs deve-se talvez ao fato de que além de Santo, Jerônimo era ilírio e conhecia
profundamente os costumes de sua gente.
Os Ilírios são tão raivosamente patriarcais que até meados do século passado, alguns
grupos das montanhas do norte (a atual Kosovo) acreditavam que a mãe não participava
na procriação. Para eles, como para qualquer cultura patriarcal, é uma desgraça não ter
um descendente homem. Quando isso ocorria, para manter o patrimônio, o poder e o
sobrenome, recorriam ao mashkull. A palavra significa literalmente “hoje por hoje” e
serve para designar as mulheres que de forma provisória assumem o papel de homem e
mantém o clã vivo até que se encontrasse um sucessor masculino. Estas mulheres
deviam adotar roupas masculinas, comportar-se como homens e guardar castidade total.
(Young, 1999)
Desse modo, pode-se dizer que para São Jerônimo, Teuta era casta porque se converteu
em uma virgem jurada para guardar a herança do enteado. E pelas mãos de Chaucer
transformou-se numa casta viúva.
Lobas de outros mares
Piratas, contrabandistas, bucaneiras, corsárias, negreiras, chamemos como chamemos,
existiram em todas as épocas, em todos os mares e de todos os extratos sociais. Muitas
mulheres viveram no e do mar como pescadoras, comerciantes, assalariadas da marinha
e formaram parte de tripulações de piratas, da população dos portos e dos refúgios de
corsários. Muitas delas eram camponesas, expropriadas, delinquentes comuns,
prostitutas e também ex-escravas. Algumas eram nacionalistas que lutavam contra a
dominação estrangeira em seus países, perseguidas, renegadas e hereges.
No século I no mar báltico e no mar do norte, os antepassados dos vikings também
praticaram a pirataria em grande escala e claro, não faltaram mulheres. Como Alvilda, a
princesa guerreira sueca, cuja vida é narrada por um monje do século XII. Ele conta
que, para não casar-se fugiu de casa, reuniu uma tripulação feminina e tornou-se uma
guerreira do mar. A saga conta que as mulheres chegaram a um lugar um grupo de
piratas estava lamentando a morte de seu capitão e que ao verem Alvilda ficaram tão
impressionados com sua valentia que pediram a ela que os comandasse. Ou talvez tenha
encontrado um navio vazio e sem vigilância e simplesmente o levou. Naqueles tempos a
lei dinamarquesa estipulava que os navegantes podiam ficar com qualquer objeto que
encontrassem no mar, inclusive os navios. Alvilda saqueou tantos barcos no mar Báltico
que o rei enviou muitas frotas até conseguir prendê-la. A saga termina quando um dos
pretendentes rejeitados, a encontra vestida de homem e casa-se com ela.( Stanley,1996)
Na idade média, a partir do século VI as croatas compartilharam o protagonismo com as
vikings entre as quais estava a filha de Erik, o vermelho Freydis, Sigrid, a soberba ou
Rusla.
Também havia piratas de outras nacionalidades como alemãs e francesas. Entre estas
últimas cabe mencionar Jeanne de Clisson que no século XIV, tornou-se corsária para
vingar a honra da família. Casada com um conde bretão e mãe de dois filhos, sua vida
transcorria comodamente até que Felipe VI acusou seu marido de alta traição e mandou
decapitá-lo. Clisson não esperou seus filhos crescerem para consumar a vingança.
Aproximou-se de Eduardo III da Inglaterra – em plena guerra dos cem anos – que lhe
deu três barcos e três patentes de corsária. Rapidamente ficou conhecida como a Leoa
Sanguinária e se converteu no pesadelo de Felipe VI. Com a espada em punho, dedicouse a arrasar e queimar povoados normandos. Suas abordagens tornaram-se lendárias.
Contam as estórias que seus barcos eram negros, sua bandeira vermelha como o sangue
e que a Leoa não tinha nenhuma piedade. Quando os navios de Felipe conseguiram –
depois de muitas horas de uma batalha sangrenta – derrotar os corsários de Clisson, ela
já havia escapado com seus dois filhos em uma pequena embarcação e durante dias
vagou pelo mar sem água nem comida. Seu filho caçula morreu no mar e o maior com o
tempo acabaria se tornando aliado do assassino de seu pai.( (Rowe, 2000)
Chegada a Idade Moderna, o Mediterrâneo era outra vez um mar de piratas. A literatura
faz eco de suas façanhas, por exemplo, em Cervantes que conta histórias – fictícias ou
baseadas em realidades difusas - de piratas espanholas, italianas, mouras, enquanto que
a área de Tetuán, cidade ao norte do Marrocos era feudo corsário de uma sultana do
século XVI de nome Sayyida al-Hurra.( Mernissi,2003) Muito mais ao norte, na
Inglaterra isabelina, Lady Killigrew, integrante de uma das mais famosas famílias de
piratas, colocava em prática o que melhor sabiam fazer os seus: roubava barcos. (Rowe,
2000)
Também nessa época viveu a irlandesa Grace O’Malley cujo verdadeiro nome em
gaélico era Grainne Ni Mhaille, pertencia a pequena nobreza que remontava ao século
XII e era anti inglesa, pois sua família não havia rendido vassalagem a Enrique VIII.
Nascida em 1530, falava gaélico e muito mal o inglês. Oficialmente cristã, conservava a
religião druídica por cujos ritos se casou duas vezes. Participava junto a seu pai nas
lutas dos clãs e famílias irlandesas e era uma marinheira como poucas. Entre 1550 e
1600 foi uma pirata temida e tida como sanguinária. Possuía uma grande frota com a
qual atacava as populações costeiras da Inglaterra e assaltava barcos, incluindo os turcos
e os espanhóis.
Isabel I da Inglaterra ofereceu 500 libras por sua cabeça. Foi capturada duas vezes e
duas vezes escapou. Nos últimos anos de vida, pediu e obteve da rainha um acordo pelo
qual esta aceitava suas reclamações de terras e lhe concedia o perdão, convertendo-se
assim em sua aliada. Seu castelo ainda pode ser visto na ilha de Claire. Dizem que
morreu fazendo o que mais gostava: atacando um navio. 9
Talvez Grace O’Malley pensasse como Ella Maillart – viajante que conheceu muitas
estradas – “ A melhor maneira de se desfazer de um desejo obsessivo é realizalo!”(apud Lapierre, 2007)
Atrancando ( Considerações finais )
9
http://www.rootsweb.ancestry.com/~nwa/grace.htm.
Pode-se dizer que o sexo tinha um papel secundário na imensa maioria das organizações
piráticas, porque ao contrário do que ocorre na atualidade, o poder politico e econômico
não residiam no indivíduo - qualquer que fosse seu sexo - mas na família. Uma mulher
que pertencesse a um grupo de parentesco dominante possuía uma autoridade
impensável para um homem de outra família.
A maioria das mulheres estava subordinada a seus esposos, mas jamais se inclinavam
ante seus filhos. Em muitas sociedades pré- capitalistas o mando, o carisma e a
autoridade dependiam mais da idade do que do sexo. A viúva do patriarca se convertia
automaticamente em matriarca e comandava com mãos de ferro os destinos de homens
e mulheres mais jovens até que falecia, dando passagem assim para que o homem maior
de idade passasse a comandar o grupo. Nestas sociedades, a presença de mulheres no
poder, são exemplos da regra, não da exceção.
Frente a esse modelo, que poderíamos chamar de mediterrâneo, existia o modelo
atlântico no qual a mulher tinha mais autonomia e poder de decisão. Neste tipo se
encontram as piratas escandinavas como Alvilda e as piratas bretãs, e irlandesas. Tratase de zonas “mal romanizadas” ou tardiamente cristianizadas. Regiões onde a
civilização ocidental – o direito romano, o cristianismo, a filosofia misógina etc.. – se
mesclou com pautas culturais prévias.
As sociedades tradicionais, incluindo as piráticas, perderam terreno frete a cultura
dominante – a ocidental – à medida que transcorria o tempo, e seus modos, usos e
costumes foram perseguidos e aniquilados.
Na introdução de sua história geral da pirataria Daniel Defoe, autor de Robinson Crusoe
fala da luta dos romanos contra o roubo aquático; enaltece os roubos dos corsários
ingleses porque suas vítimas espanholas eram negligentes e corruptas e finaliza
clamando contra o mecenato do roubo aquático exercido pelos reis da dinastia dos
Bourbon:
“(...) concedem comissões a um grande número de buques de guerra, com o
pretexto de impedir o comércio fraudulento, com ordem de apressar todos os
barcos ou navios que encontrem dentro das cinco léguas de sua costa, o que os
nossos buques ingleses não podem evitar em suas viagens a Jamaica. E se os
capitães espanhóis se excedem neste cometido e roubam e saqueiam, se permite
que as vítimas apresentem suas queixas e acudam aos tribunais e depois de
grandes gastos nos pleitos, demoras e outros inconvenientes, talvez consigam
uma sentença a seu favor. Quando vão reclamar o barco e a carga, descobrem
para
sua
consternação
que
tudo
foi
previamente
confiscado
e
repartido.”(Defoe,2006:62)
Para Defoe, fiel defensor do capitalismo e de seu modelo familiar baseado na
subordinação da mulher, o livre comércio, o Estado-nação e a economia capitalista eram
incompatíveis com a pirataria, tanto no aspecto econômico quanto social.
Daí a
demonização que fez de Bonny e Read,10 duplamente monstruosas por serem mulheres
livres e piratas.
Que vínculos unem estas piratas às mulheres aventureiras, viajantes, exploradoras da
terra ou do mar? Através do espaço e do tempo o que têm em comum estas mulheres de
personalidades tão diferentes? A capacidade de saber reconhecer seu instinto e reafirmar
seu desejo. Não deixaram que nada, nem ninguém – nenhuma ideia, nenhum medo – as
apartassem do essencial e lhes despojassem de sua alma. Atreveram-se.
Portos
(Bibliografia Geral )
Abella, Rafael. 1999. Los halcones del mar. (La gran aventura de la piratería). (2a
Ed.). Barcelona. Ediciones Martínez Roca.
Balbín, Rafael e Palencia Francisco.1999: Infelix Dido. Madrid:Clasicas.
Bell, Robert.1991. Women of Classical Mythology. A biographical dictionary. New
York: Oxford University Press.
Braudel, Fernand.2001. Memórias do Mediterrâneo. Rio de Janeiro: Multinova Editora.
Calderón Quindós F. y Pérez López P.J 2009. Viajes, literatura y pensamiento.
Valladolid: Universidad deValladolid.
Cid López, Rosa María: “Egeria, peregrina y aventurera. Relato de un viaje a Tierra
Santa en el siglo IV”. Arenal. Revista de historia de las mujeres. Vol. 17, nº 1, Enero Junio 2010.
Anne Bonny y Mary Read,( sec. XVII) são as duas mulheres piratas mais conhecidas. Suas vidas inspiraram
vários livros e filmes. Cf o livro de Tamara Eastman y Cosntance Bond: The Pirate Trial of Anne Bonny and Mary
Read.Cambria: Fern Canyon Press,,2000.
10
Chaucer, Geoffrey.1991. Os Contos de Cantuaria. São Paulo: T. A. Queiroz.
Cordingly, David.2005.Bajo bandera Negra: la vida entre piratas. Barcelona: Edhasa,
_____________.2003 Mujeres en el mar. Capitanas, corsarias, esposas y rameras.
Barcelona: Edhasa.
Defoe, Daniel.2006. Historia general de los robos e asesinatos de los más famosos
piratas. Madrid: Valdemar.
Doria, Cristina Martín.2001. De Amor y muerte, ¿Reflejo de un mismo espejo? In:
Espéculo. Revista de estudios literarios. Universidad Complutense de Madrid.In:
http://www.ucm.es/info/especulo/numero19/amorym.html
Druett, Joan.2000. She Captains: Heroines and Hellions of the Sea. New York: Simon
and Schuster.
Eberhard, Isabelle.2001. Hacia los Horizontes Azules. Barcelona Ed. Terra Incognita.
Eastman, Tamara y Constance Bond.2000. The Pirate Trial of Anne Bonny and Mary
Read.Cambria: Fern Canyon Press.
Exquemelin, Alexander Oliver.1999. Bucaneros de América. Madrid. Ediciones
Valdemar.
Geniber José Cabrera Parra Hernández Ubeda, José.1995 Piratas y corsarios (De la
antigüedad a los inicios del mundo contemporáneo). Madrid: Ediciones Temas de Hoy.
Gold, Barbara K., Paul Allen Miller, Charles.1997. Sex and gender in medieval and
Renaissance texts: the Latin tradition. , New York: Platter SUNY Press.
Gosse, Philip, Historia de la pirateria. Sevilla: Renascimineto, 2008
Heródoto. História. In: http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/historiaherodoto.html
Homero. 1993 Odisseia. São Paulo: Cultrix
Johnson, Cathy.2000 Pirates in Petticoats: A fancifuli and factual history of the
legends, tales and exploits of the most notorious female pirates. Missouri: Excelsior
Springs.
Lapierre, Alexandra.2007. Grandes Aventureras 1850-1950.Barcelona: Blume.
Mernissi ,Fatima.2003.Las Sultanas Olvidadas. Barcelona: Editora Aleph.
Morató, Cristina.2005. Viajeras, Intrépidas y Aventureras. Barcelona: Debolsillo.
Ormerod, Henry.1997 Piracy in the Ancient World: an essay in Mediterran History.
Baltimore: John Hopkins Press.
Parsons, Hearther.2000 Skopelos Trails. A Nature & Walking Guide to Skopelos.
Nissides Publishing house, Skopedos.
Reversy, Catherine.2003. Femme d’aventure, du rêve à la realisation de soi. Paris:
Odile Jacob.
Robinson, Jane.1990 Wayward Women. Oxford: Oxford Press, 1990.
Sainz de Robles.1959. Ensayo de un Diccionario de mujeres celebres. Madrid:Ed.
Aguilar.
Sánchez,.Mar Marcos.2006. Mulier sancta et uenerabilis, mulier ancilla diaboli en la
correspondencia de san jerónimo. In: S t v d i a h i s t o r i c a. Ediciones Universidad
de Salamanca Vol. 24, p.17-40
Silva, Márcia Regina de Faria.2008 O trágico nas Heroides de Ovídio. UFRJ, Rio de
Janeiro, 2008. 123 f. Tese (Doutorado em Letras clássicas) – Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Faculdade de Letras.
Elaine Showalter.2002. Mujeres Rebeldes. Una Reivindicación de la herencia
intelectual feminista. Madrid: Espasa Calpe.
Sharp, Anne Wallace.2002 Daring Women Pirates. Minneapolis: Lerner Publications.
Snow, Edward Rowe.2000. Women of the sea. New York: Dood, Mead and Co. Souza,
Philip de.1999. Piracy in the Graeco-Roman world. Cambridge: Cambridge University
Press.
Stanley ,Jo. 1996. Bold in Her Breeches, Women Pirates across the Ages. London:
Pandora Press.
Venayre Sylvain.2002. La Gloire de l’aventure, genèse d’une mystique moderne,18501940, Paris: Aubier.
Virgilio Eneida in: http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/eneida.html#4
Yolen, Jane. 2009. Reinas de los Mares. Las mujeres piratas alrededor del
mundo.Barcelona: Oniro.
Young.Antonia. 1999.Women Become Men: Albanian Sworn Virgins. New York: New
York University Press.
Sites de interesse:
http://www.atosdois.com.br/print6.php?titcod=4342 :
http://www.cs.nyu.edu/faculty/siegel/D33.pdf
http://www.rootsweb.ancestry.com/~nwa/grace.htm.
http://www.bonaventure.org.uk/ed/deberry.htm.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards