terapia da nova medicina alemã

Propaganda
TERAPIA DA NOVA MEDICINA ALEMÃ
Dr. Hamer: “Muitos de nós, mais cedo ou mais tarde, hão de
vivenciar um conflito e ter um câncer, mas isso é parte normal da
vida e não coisa assim tão ruim, contanto que se compreendam
as Cinco Leis Biológicas. Mesmo que alguns se preocupem com
o fato de a Nova Medicina Alemã (GNM) não adotar as
(des)crenças médicas convencionais, eles logo serão
convencidos pela força da lógica, pela beleza e pelo bom senso
da terapia da GNM.”
A Nova Medicina Alemã não é “medicina alternativa”, nem “medicina integrativa”,
nem “medicina complementar”. A Nova Medicina Alemã (GNM) oferece um sistema
científico completo, baseado em Cinco Leis Biológicas que explicam a causa, o
desenvolvimento, e, acima de tudo, a cura natural das chamadas doenças.
DURANTE A FASE DE CONFLITO ATIVO
Os sinais típicos da fase de conflito ativo são a preocupação diuturna com o conflito, a
falta de sono, a falta de apetite e as extremidades frias. Do ponto de vista biológico, o
estado de estresse, especialmente as horas extras de vigília e a preocupação total com
o conflito, têm a intenção de pôr a pessoa num estado que facilite a resolução do
conflito. Noutras palavras, no momento em que experimentamos um choque conflituoso,
o sistema nervoso autônomo muda instantaneamente para simpaticotonia (um estado
avançado de estresse), para proporcionar ao organismo mais energia, de sorte que
possamos resolver o conflito tão rapidamente quanto possível.
Controlada a partir do relé cerebral ligado ao conflito, uma mudança biologicamente
significativa ocorre no órgão correspondente. Se houver necessidade de mais tecido
para facilitar a resolução do conflito, o órgão ou o tecido relacionado com o conflito
responde com proliferação celular (como o desenvolvimento de um tumor); se houver
necessidade de menos tecido para ajudar a resolver o conflito, o órgão ou o tecido
responde ao conflito com destruição celular, causando, por exemplo, angina do peito
(envolvendo as artérias coronárias).
Por conseguinte, a base da terapia da GNM é compreender o significado biológico dos
sintomas e ajudar nesse processo, em vez de combatê-lo ou interferir com ele. Quando
temos consciência de que sintomas muito específicos, entre os quais alguns cânceres,
são típicos da fase de conflito ativo, então estamos com o controle total da situação.
Temos condições de superar rapidamente o medo e o pânico e, assim, evitar novos
choques conflituosos e novos sintomas, incluindo novos cânceres. Livres do medo,
podemos concentrar-nos totalmente na resolução do conflito.
1
Não há, é claro, respostas genéricas a como resolver um conflito. A resolução de cada
conflito depende sempre das circunstâncias individuais. Entretanto, uma solução prática
costuma ser a melhor e a mais duradoura.
Visto que os sintomas de cura são sempre proporcionais à intensidade e à duração da
fase de conflito ativo, devemos sempre tentar resolver os conflitos o mais breve possível.
Se um conflito não puder ser resolvido logo no início, por causa de limitações ou por
causa da intensidade emocional, então a minimização do conflito é um passo
importante. Atividades conflituosas extremas, que persistam por muito tempo, exaurem a
energia do corpo ao ponto de o organismo se emaciar e a pessoa morrer de caquexia.
A redução da intensidade do conflito com soluções parciais, com mudança de atitude ou
distração, por exemplo, também diminui os sintomas em nível de órgão (tamanho do
tumor, por exemplo). Assim, com a “massa de conflito” reduzida, há melhores condições
de passar para a fase de cura. Isso é medicina preventiva em sua melhor parte!
Durante a fase de conflito ativo, raramente há sintomas físicos “de doenças”
perceptíveis. Os cânceres que se desenvolvem na primeira fase, tais como o câncer
pulmonar, o câncer de glândula mamária, o câncer de próstata, o câncer de útero, o
câncer de cólon, o câncer de fígado ou de pâncreas, são geralmente detectados apenas
durante exames de rotina (PSA, mamografias, papanicolau), mediante estratégias de
“exames frequentes”, ou exames médicos destinados a descobrir se o câncer “se
espalhou” (raios X dos pulmões, exames de densidade óssea, escaneamento de órgãos,
e todos os tipos de “-oscopias”). Nem é preciso dizer que tais procedimentos podem
iniciar novos conflitos, tais como “conflitos de preocupação”, “conflitos de medo da
morte”, “conflitos de autodepreciação”, “conflitos de resistência”, etc., causando ainda
mais sintomas, incluindo mais cânceres.
Sem pânico!
Dr. Hamer: “A propósito dos diagnósticos de câncer, cerca de
40% dos exames de rotina revelam antigos tumores
encapsulados, que deveriam permanecer intocados. Se o
diagnóstico tiver causado conflitos, tais como o “conflito de medo
de morrer” ou “conflito de autodepreciação”, esses conflitos
precisam ser tratados. Em qualquer caso, nunca há razão para
entrar em pânico ou ficar assustado com ‘células cancerosas
metastáticas’”.
Na Nova Medicina Alemã, no tratamento dos sintomas da fase ativa do conflito, é da
maior importância encontrar estratégias e métodos de resolver o conflito em questão, e,
como passo seguinte, mas igualmente importante, preparar-se para os sintomas de cura,
que são previsíveis! Quanto mais cedo aprendermos a GNM, mais bem preparados
estaremos para a cura. Quando os sintomas de cura finalmente começam, não
causarão nenhum medo ou pânico, antes serão recebidos com um sentimento de alívio.
2
DURANTE A FASE DE CURA
Pouca energia, fadiga, dores de cabeça, inchaços, dores, inflamação, febre, suores
noturnos, pus, excreções (possivelmente misturadas com sangue), as chamadas
“infecções” e certos tipos de câncer são sintomas típicos, indicando que um conflito
associado foi resolvido e que o órgão ou tecido correspondente está agora em
processo natural de cura. Portanto, a maioria das “doenças”, incluindo o câncer
intraductal de mama, câncer de colo de útero, câncer bronquial, ou linfoma não-Hodgkin,
são tratadas – tanto pela medicina alopática como pela naturopática – quando já estão
em processo de cura!
A quimioterapia e a radioterapia representam agressões brutais ao corpo que está
tentando curar-se.
Dr. Hamer: “Se o paciente tiver sido informado de todos os
fatos, ele já não precisará ficar assustado com os sintomas. Ele
poderá agora aceitá-los plenamente como sintomas de cura que
são – todos os quais tinham, até agora, causado medo e pânico.
Na grande maioria dos casos, o episódio inteiro passará sem
nenhuma consequência séria.”
Ser capaz de identificar e reconhecer que todos os sintomas específicos, incluindo
certos tipos de câncer, estão associados à resolução de conflitos muito
particulares, também evita novos choques e, consequentemente, o
desenvolvimento de novos sintomas. A medicina preventiva não pode ficar melhor
que isso.
As pessoas em sofrimento que descobrem a GNM depois de terem recebido um
diagnóstico, geralmente encontram-se em situação de desespero, especialmente
quando tiverem sido diagnosticadas com câncer. Aterrorizadas com a doença “maligna”
e com medo de o câncer migrar (fazer metástase), elas ficam divididas entre a medicina
oficial e as descobertas médicas do Dr. Hamer, as quais lhes asseguram que o câncer é
sempre biologicamente significativo e que não há razão para pânico. Como diz o Dr.
Hamer, “ser assim jogado entre a esperança e o pânico é uma situação deveras difícil
para o paciente, além de ser causa das piores complicações.” O medo causa estresse,
que é prejudicial para a cura. O medo drena do corpo a energia curativa de que precisa.
O pânico provoca novos conflitos e reações no corpo, que dificulta o processo de cura.
Uma reação típica, por exemplo, é a retenção hídrica, como resultado de um “conflito
existencial” ou um “conflito de hospitalização”.
A Nova Medicina Alemã é um novo paradigma médico, mas é também um novo
paradigma de consciência. É a consciência de que o nosso organismo possui
criatividade inexaurível e capacidades de autocura notáveis. É também o
reconhecimento de que cada célula do nosso corpo é dotada de uma sabedoria
biológica que compartilhamos com todas as criaturas viventes.
3
Ao longo de gerações, as autoridades médicas têm escravizado e aprisionado a
mente humana com o medo de enfermidades. As Cinco Leis Biológicas permitemnos voltar a conectar-nos com a Natureza e a confiar na sua força criativa e
inteligente. Graças à integridade infalível do Dr. Hamer e à sua pesquisa ao longo
das três últimas décadas, temos agora a chave para libertar-nos daquele medo.
Nenhum remédio e nenhum aparelho no mundo pode “remover” um conflito. Resolver
um conflito é também um processo de aprendizagem e uma oportunidade de crescer. A
crença de que podemos evitar essa oportunidade com remédios ou aparelhos de
qualquer natureza está embutida num paradigma que ignora o profundo aspecto
espiritual da cura.
DR. HAMER: “Aqueles grupos e aqueles indivíduos que plagiam e corrompem minhas
descobertas dizem que a GNM não pode oferecer nenhuma terapia. Eles fazem os
pacientes, bem como o público em geral, acreditarem, equivocadamente, que suas
“terapias”, seus “remédios”, ou seus “conselhos” são uma aplicação da Nova Medicina
Alemã. Esse ardil está a serviço de interesses próprios e impedem os pacientes de
encontrar ajuda e cura por meio da verdade das Cinco Leis Biológicas. Em mais de 90%
dos casos, o corpo cura-se a si mesmo.”
Um profissional que tenha a verdadeira compreensão da GNM honrará e respeitará a
verdade de que o único “curandeiro” verdadeiro é o paciente – aquele que estiver sendo
curado em dado momento.
Um profissional que tenha profundo conhecimento da GNM sabe ajudar no processo de
cura sem interferir com ele ou causar algum mal. Ele ou ela terão também consciência
dos riscos de resolver um conflito intenso rapidamente demais, e, que, em certas
circunstâncias, é imperativo NÃO resolver o conflito, para evitar assim uma difícil crise
de cura. Pela compreensão do processo inteiro, será possível prever possíveis
complicações e lidar com elas antes que se tornem críticas. Com a GNM, pode-se
planejar uma intervenção suave para desacelerar uma fase de cura intensa e abrandar
os pontos difíceis, sem interromper o processo de cura. Com o paciente e o profissional
trabalhando juntos como facilitadores da Natureza, a fase de cura pode ser um processo
bonito e gratificante para ambos.
O apoio e o cuidado da família e dos amigos são, acima de tudo, o presente mais
precioso que uma pessoa querida pode receber durante esse período.
O Dr. Hamer gosta de falar sobre
“A DANÇA EM TORNO DO PACIENTE”
O espírito da Terapia da Nova Medicina Alemã não poderia
ser descrito de modo mais perfeito!
Devemos ter sempre em mente que tudo acontece, em nosso organismo, de modo
simultâneo e sincrônico em todos os três níveis (psique, cérebro e órgão). O processo de
cura, tanto no corpo como no relé cerebral associado, sempre se dá paralelamente
com a cura que ocorre no nível emocional e psicológico. Trilhos que provocam
4
recaídas em conflito precisam ser identificados, para o processo de cura poder concluirse.
A “liquidação” de experiências traumáticas pode deflagrar sintomas agudos de cura
com risco de sérias complicações, especialmente durante a crise epileptoide. O mesmo
aplica-se às técnicas utilizadas na Programação Neuro-linguística. Qualquer método que
vise desenterrar e reviver antigos traumas pode provocar recaídas emocionais,
seguidas dos sintomas físicos associados ao conflito – geralmente para a surpresa tanto
do paciente como do terapeuta.
Exercícios de afirmação podem manter ativa a memória de determinada situação de
conflito, levando a condições crônicas recorrentes. Um exemplo: Um homem sofre
uma DHS quando seu empregador lhe diz que a promoção tão esperada foi dada, não a
ele, mas a um dos seus colegas. Uma vez que ele começa a acostumar-se com a
situação, desenvolve um câncer de bexiga (sintoma de cura do conflito de “não ser
capaz de demarcar o território”, envolvendo o revestimento da bexiga). Por causa do
câncer, ele é forçado à aposentadoria precoce. Embora estando fora do escritório (o
local onde ocorrera o “conflito de demarcação territorial”) e longe do colega (que invadiu
seu “território”), o câncer de bexiga tornou-se “crônico”. Os trilhos que mantinham o
conflito se repetindo – e assim prolongando a fase de cura do câncer – eram as
afirmações relativas ao colega, que ele praticava várias vezes por dia.
EFT ou “Emotional Freedom Techniques” (Técnicas de Libertação Emocional) é um
método que aparentemente alivia o estresse emocional batendo-se com as pontas dos
dedos em certos medianos. O website da comunidade EFT “Re: Help to control regrowth of benign brain tumor” é um exemplo de como a Nova Medicina Alemã, inclusive
a Terapia da GNM, pode ser distorcida como resultado de má interpretação das
descobertas do Dr. Hamer.
ACERCA DAS COMPLICAÇÕES
DR. HAMER: “Várias complicações podem ocorrer durante a fase de cura e reparação –
tanto no nível de cérebro como de órgão. Durante o estágio vagotônico, é
completamente normal sentir-se cansado e sem energia durante semanas, ou mesmo,
como no caso da hepatite, durante vários meses.
Muitos pacientes que ainda se mantêm em atividade durante a fase de conflito ativo do
câncer (simpaticotonia), poderão ficar de tal modo cansados durante a fase de cura que
vem a seguir (vagotonia) que não possam sequer sair da cama. Entretanto, essa
situação é realmente um ótimo sinal, e deve mesmo ser desejado como a melhor das
condições.
Nesse estágio, tudo está em processo de restauração. Quaisquer problemas que
tenham sido anteriormente negligenciados ou postos de lado estão agora sendo
resolvidos – tanto no cérebro quanto no corpo. Por exemplo, um abscesso que tenha
sido mantido “em fogo brando” agora irá irromper; qualquer sangramento que tenha sido
mantido em nível mínimo por causa dos vasos sanguíneos contraídos (durante a fase de
conflito ativo), agora vai aumentar; e o peso que se tiver perdido será agora recuperado.
E, por último, mas nem por isso menos importante, todos os “tumores malignos” ou
5
todas as necroses estão agora sendo respectivamente decompostos ou restaurados
com a ajuda de fungos e bactérias.
Entretanto, como muitas dessas respostas podem ser consideradas normais, e mesmo
altamente desejáveis, elas podem também resultar em complicações, tais como
sangramento sério ou deficiência funcional de algum órgão. Pode haver complicações
quando um edema obstrui passagens vitais, quando um “carcinoma” brônquico (de fato
uma atelectasia) prejudica a função dos brônquios, ou quando cálculos biliares
bloqueiam os ductos biliares. Por isso, é da maior importância jamais subestimar as
complicações.
No cérebro, as complicações ocorrem, na maioria dos casos, durante a fase de cura,
quando o edema cerebral faz aumentar a pressão no cérebro – momento em que
precisamos fazer todo o possível para evitar que o paciente entre em coma. Durante
essa fase é útil, nos casos menos graves, diminuir o edema de modo natural, tomando
café forte ou chá forte, tomando frutose de uva ou vitamina C, ou colocando um saco de
gelo sobre a cabeça, ou tomando duchas frias. Compressas frias aplicadas sobre a área
afetada do cérebro são altamente recomendadas, especialmente à noite. Os pacientes
sofrem mais à noite durante a fase de cura; isto é, até 3 ou 4 noras da manhã, quando o
organismo volta para o ritmo diurno. Devem-se evitar a todo o custo luz solar direta na
cabeça, saunas e banhos quentes. Se forem ministrados fluidos por via intravenosa
durante essa fase crítica, o inchaço no cérebro aumentará, coisa que pode exacerbar
uma situação já séria.”
ACERCA DAS CIRURGIAS
DR. HAMER: “Recomenda-se cirurgia para um tumor, se nervos, artérias vitais ou
passagens de suprimento ou eliminação forem afetados; por exemplo, obstrução dos
intestinos, dos ductos biliares ou da traqueia. Isso ocorre em 15-20% desses cânceres, e
são esses também os únicos casos em que um tumor possa levar a complicações.
Tumores encapsulados, que não puderam ser decomposto por causa da ausência dos
micróbios necessários, podem ser removidos cirurgicamente se causarem desconforto
ao paciente. Entretanto, o cirurgião deverá remover somente o tecido necessário. Visto
que os cânceres não migram (não fazem “metástase”), não há necessidade de cortar
fundo no tecido sadio.”
ACERCA DA MEDICAÇÃO
DR. HAMER: “Como regra, o uso de drogas deveria ser considerado cuidadosamente, e
restrito a casos de emergência. A medicação pode certamente aliviar ou eliminar
sintomas, ou prevenir complicações que surjam durante a fase de cura. Entretanto,
nenhuma droga e nenhuma terapia do mundo pode verdadeiramente curar uma doença.
Só o paciente pode “tratar” os seus sintomas, porque só ele pode resolver o seu conflito
e só ele pode realizar a cura!”
Para que os remédios possam ser úteis – incluindo ervas e outros remédios naturais,
bem como suplementos dietéticos – eles precisam ser categorizados de acordo com o
padrão bifásico dos Programas Biológicos Especiais (PBE – SBS).
6
O profissional de saúde alinhado com a GNM saberá que
os remédios que tenham qualidades simpaticotônicas
acentuam os sintomas da fase de conflito ativo e
retardam o processo de cura, ao passo que os remédios
que tenham qualidades vagotônicas fazem o oposto.
Medicação durante a fase de conflito ativo
DR. HAMER: “Na fase de conflito ativo, deve-se dar ao paciente somente drogas
“vagotônicas”, que diminuem o estado de estresse. Entretanto, sedativos ou
tranqüilizantes tomados por muito tempo apresentam o risco de transformar um conflito
ativo em conflito pendente. Eles também diminuem drasticamente a motivação e a força
energética necessária para resolver o conflito. De modo algum são recomendados nesse
período os agentes simpaticotônicos, pois eles aumentam e prolongam os sintomas da
fase de conflito ativo, com a possibilidade de sérias conseqüências para o paciente.”
Medicação durante a fase de cura
DR. HAMER: “Não são necessários remédios durante a fase de cura, exceto em cerca
de 10% dos casos.”
Antibióticos interrompem ou impedem totalmente o trabalho de restauração feito por
micróbios no órgão em processo de cura.
Cortisona, anti-histamínicos, anti-inflamatórios e antibióticos são medicações
simpaticotônicas, com efeito estimulante. Ministradas durante a fase de cura, elas
perturbam e prolongam o processo natural de cura e impedem a completa recuperação.
Entretanto, a medicação simpaticotônica é recomendada no caso de uma fase de cura
muito intensa, com possibilidade de complicações sérias, especialmente durante a crise
epileptoide. Visto que o processo de cura é sempre controlado a partir do relé cerebral
relacionado com o órgão, as drogas simpaticotônicas têm o efeito de reduzir o edema
cerebral e, consequentemente, os sintomas orgânicos. Mesmo assim, é da maior
importância compreender que as drogas simpaticotônicas, tais como a cortisona,
aumentam uma retenção hídrica porventura existente (“Síndrome”), o que pode resultar
numa situação grave, pois a água adicional é também retida no órgão em processo de
cura, causando aumento do inchaço, aumento da dor e, possivelmente, perigosas
obstruções de órgão, como, por exemplo, do cólon ou dos ductos biliares.
Drogas citostáticas (“quimioterápicas) são agentes simpaticotônicos venenosos. Elas
aceleram o crescimento de tumores que se desenvolvem durante a fase de conflito ativo.
Elas também diminuem a elasticidade do tecido cerebral envolvido no processo de cura.
Durante a quimioterapia, o edema cerebral se comprime e se expande alternadamente.
7
Eventualmente, esse “efeito sanfona” pode levar à laceração do tecido cerebral, com
sérias consequências.
A radioterapia também tem efeitos citotóxicos. A radioatividade destrói células
saudáveis, incluindo a medula óssea, onde as células sanguíneas são produzidas. Se o
organismo conseguir recuperar-se, então vemos leucemia durante a cura (exatamente
como um “conflito de autodepreciação” envolvendo os ossos).
A morfina é um poderoso narcótico que faz o paciente que já esteja em estado
vagotônico aprofundar ainda mais essa vagotonia, aumentando o edema cerebral, com o
risco de a pressão cerebral levar o paciente ao coma. Uma única injeção de morfina
ministrada a um paciente na fase mais profunda de vagotonia pode ser fatal! A morfina
paralisa os intestinos e enfraquece a vontade de viver.
Inibidores de angiogênese – A teoria da angiogênese sugere que os tumores
estimulam a criação de novos vasos sanguíneos (angiogênese) para suprir de nutrientes
o tumor. Supõe-se que esse aumento de capilares no tumor transforma esse pequeno e
“inofensivo” aglomerado de células em um tumor “grande” e maligno. Baseados no velho
paradigma médico de que o câncer é uma “doença maligna”, os inibidores de
angiogênese estão tentando impedir aquilo que, na realidade, é um processo
significativo.
A IMPORTÂNCIA DE UMA DIETA SAUDÁVEL
DR. HAMER: “Uma pessoa que coma de modo apropriado é menos suscetível de sofrer
conflitos biológicos. Isso é evidente. Os ricos não desenvolvem tantos cânceres quanto
os pobres porque os ricos podem resolver muito conflito simplesmente sacando o
talonário e preenchendo um cheque. Mas evitar o câncer (ou qualquer outra doença)
por meio de dieta é impossível porque nem mesmo a dieta saudável consegue
impedir a ocorrência de conflitos. Na natureza, o animal forte e saudável sofrerá
naturalmente menos cânceres do que um que seja fraco ou velho. Mas isso não significa
que ser velho é carcinogênico.”
Nem é preciso dizer que uma dieta saudável é essencial para o nosso bem-estar. Comer
comida saudável é especialmente importante quando estamos vivenciando um
“programa biológico”.
Durante a fase de conflito ativo, o sistema digestivo funciona no módulo mínimo, de
modo que o apetite costuma ser menor (Dr. Hamer: “Um veado não pode recuperar o
território perdido com a barriga cheia!”). Durante toda essa fase de estresse, uma
suplementação dietética pode ser de grande valor, pois aumenta a energia e a força
necessárias para suportar o sofrimento e resolver o conflito.
No começo da fase de cura, o apetite retorna ao normal. A comida agora se torna um
verdadeiro remédio. Quando um órgão ou tecido está no estágio de restauração, o
organismo precisa de grandes quantidades de nutrientes que ajudem no processo de
cura. A energia que ganhamos mediante uma dieta saudável torna muito mais fácil a
cura. Por outro lado, alimentos que contenham toxinas (pesticidas, herbicidas,
8
preservativos, aditivos, etc.) roubam energia corporal. Essas coisas podem prolongar e
mesmo complicar o processo de cura.
Quando reconhecemos plenamente que é na PSIQUE que as doenças começam e
acabam, e que o cérebro funciona como um centro de controle biológico de todos os
processos corporais, inclusive alterações “patogênicas”, então passamos a compreender
que a nossa dieta e os nossos suplementos nutricionais não podem, por si
mesmos, prevenir, nem tampouco curar uma doença. Entretanto, uma dieta
saudável, idealmente de fontes orgânicas, certamente vai acelerar o processo de cura,
por exemplo, de um câncer que esteja em fase de cura.
Comer quantidades substanciais de alimentos ricos em proteína é da maior
importância durante a fase de cura de tumores controlados pelo cérebro antigo, tais
como câncer de pulmão, câncer de fígado, câncer de cólon, câncer de pâncreas, ou
câncer de glândula mamária. Quando as bactérias TB estão decompondo um câncer, o
corpo elimina, juntamente com os resíduos do tumor, uma excreção que contém grandes
quantidades de proteína. A suplementação da proteína perdida por meio de alimentos
ricos em proteína pode salvar vidas. “Dietas de sucos” ou “dieta de alimentos crus”
durante esse período podem causar sérias complicações. O mesmo se pode dizer de
jejuar nesse período. Quando se tem familiaridade com o padrão de fase dupla das
“doenças”, a qualidade dos alimentos, das ervas ou dos suplementos dietéticos recebem
uma luz inteiramente nova.
Por exemplo, a vitamina C tem qualidade “simpaticotônica” e, como tal, age como
estimulante. Isso explica por que a vitamina C “funciona” num resfriado ou por que ajuda
a aliviar a dor (um sintoma vagotônico de cura), quando ministrada intravenosamente.
Tomada em excesso durante a fase de conflito ativo, a Vitamina C pode agravar os
sintomas, inclusive aumentar o tamanho de tumores controlados pelo cérebro antigo. Na
fase de cura, por outro lado, a Vitamina C diminui os sintomas de cura, mas também
torna mais demorada a fase de cura. Isso pode ser ótimo para desacelerar sintomas de
cura que sejam demasiado intensos (veja “Acerca da Medicação” acima).
Café, como a vitamina C, é um estimulante. É por isso mesmo que o café alivia dores de
cabeça (um sintoma vagotônico). Entretanto, café demais durante a fase de conflito ativo
amplifica os sintomas associados, como, por exemplo, retenção hídrica e o ganho de
peso a ela associado (causada por “conflito de abandono e conflito existencial”). Isso se
aplica igualmente a refrigerantes, “bebidas energéticas” e quaisquer outros estimulantes
líquidos.
Inegavelmente, a Nova Medicina Alemã oferece novos insights para nutricionistas e
herbolários.
POR QUE A NOVA MEDICINA NÃO É ENSINADA NAS ESCOLAS DE MEDICINA?
9
Em 1981, o Dr. Hamer apresentou sua descoberta das “Cinco Leis
Biológicas da Nova Medicina” à Universidade de Tübingen como tese de
pós-doutorado. A despeito de suas obrigações legais e das ordens
judiciais expedidas em 1986 e 1994, o Corpo Médico da Universidade
recusou-se a avaliar as descobertas do Dr. Hamer. Na verdade, em 12 de
março de 2008, o juiz da Corte Administrativa de Sigmaringen, Alemanha,
decidiu que a Universidade de Tübingen já não está obrigada a verificar a
tese do Dr. Hamer.
Este é um caso sem precedentes na história das Universidades!
As várias tentativas feitas pelo Dr. Hamer de abrir uma clínica em que os pacientes
pudessem ser tratados segundo os princípios da Nova Medicina Alemã foram muitas
vezes barrados pelas autoridades.
Em 1985, o Dr. Hamer teve de fechar sua clínica de câncer em Katzenelbogen,
Alemanha, em razão de sua Nova Medicina não ser reconhecida oficialmente.
Manchete: “O oncologista Dr. Hamer está
liquidado.” Texto: 70 pacientes foram obrigados
a sair da clínica imediatamente, porque a polícia
ameaçou: “Os que não saírem voluntariamente
serão presos!”
[Texto no pé da imagem: “Com lágrimas nos
olhos, o Dr. Hamer carrega no colo Bettina R., de
18 anos, para fora da clínica ... O pai de Betina:
‘Hamer era a nossa última esperança!’”
Em 1986, uma sentença judicial impediu o Dr. Hamer de praticar a
medicina por se recusar a renunciar às suas descobertas e a conformar-se
aos princípios da medicina oficial. O Dr. Hamer teve a sua licença médica
cassada, muito embora suas descobertas jamais tenham sido refutadas.
Sem licença para exercer a medicina e sem a aprovação da sua tese de
pós-doutorado pela Universidade de Tuebingen, o Dr. Hamer não pôde
nem praticar a medicina, nem ensinar estudantes de medicina e futuros
médicos.
Como resultado do esforço concertado para suprimir as descobertas médicas do
Dr. Hamer, tanto os médicos como a população em geral perderam a oportunidade
de se beneficiarem com o conhecimento da Nova Medicina Alemã, e milhões de
pacientes não puderam ser tratados segundo a GNM, com sua abordagem humana
e não invasiva – por mais de 30 anos!
“Cancer Facts & War on Cancer”, 2009
10
(Fatos sobre o Câncer & Guerra ao Câncer, 2009)
“Embora não se tenha encontrado uma cura para o câncer, os cientistas
estão mais confiantes do que nunca em que novas descobertas na
detecção e no tratamento do câncer estão para chegar e nos darão controle
efetivo sobre a doença.”
O sofrimento causado pela censura das descobertas
do Dr. Hamer é imensurável para os pacientes e para
aqueles que os amam.
Escrito por Caroline Markolin, Ph.D.
Traduzido para o português por: Ismar Pereira Filho
Extraído de: www.LearningGNM.com
Termo de Responsabilidade: As informações contidas neste documento não
substituem a consulta médica profissional.
11
Download
Random flashcards
Criar flashcards