bulimia

Propaganda
BULIMIA
Nunca foi tão intensa a discussão sobre distúrbios alimentares e o poder do alimento para
curar ou adoecer. Entre muitos assuntos ligados a alimentação estão: Obesidade, Hipertensão e
Osteoporose dentre muitos.
Através da mídia televisiva, estamos tendo acesso a informações e condições sócias de
um distúrbio chamado BULIMIA. Aproveitando o ensejo vamos aprender o que é BULIMIA e ao
que ela pode levar se não for tratada.
Lembre-se que seu corpo é reflexo de do que você oferece a ele. Sucesso e saúde!
Prof. Rodrigo Pimentel
Coordenador de Ed. Física e Esportes
BULIMIA NERVOSA
As características essenciais da Bulimia Nervosa consistem de compulsões periódicas e
métodos compensatórios inadequados para evitar ganho de peso. Além disso, a auto-avaliação
dos pacientes com Bulimia Nervosa é excessivamente influenciada pela forma e peso do corpo,
tal como ocorre na Anorexia Nervosa. Para qualificar o transtorno, a compulsão periódica e os
comportamentos compensatórios inadequados (provocar o vômito, tomar laxantes devem
ocorrer, em média, pelo menos duas vezes por semana por 3 meses.
Uma compulsão periódica é definida pela ingestão, num período limitado de tempo, de uma
quantidade de alimento definitivamente maior do que a maioria dos pacientes consumiria sob
circunstâncias similares. O médico deve considerar o contexto no qual a compulsão periódica
ocorreu; durante uma celebração ou uma ceia festiva, por exemplo, o que seria considerado um
consumo excessivo em uma refeição comum é considerado normal.
Um "período limitado de tempo" refere-se a um período definido, geralmente durando menos
de 2 horas. Um episódio isolado de compulsão periódica não precisa ser restrito a um contexto.
Por exemplo, um paciente pode começar um episódio em um restaurante e continuá-lo ao voltar
para casa. O ato de ingerir continuamente pequenas quantidades de comida durante o dia
inteiro não seria considerado uma compulsão periódica.
Embora varie o tipo de alimento consumido durante os ataques de hiperfagia (comer muito),
ele tipicamente inclui doces e alimentos com alto teor calórico, tais como sorvetes ou bolos.
Entretanto, as compulsões periódicas parecem caracterizar-se mais por uma anormalidade na
quantidade de alimentos consumidos do que por uma avidez por determinados nutrientes,
como carboidratos. Embora os pacientes com Bulimia Nervosa, durante um episódio de
compulsão periódica, possam consumir mais calorias do que as pessoas sem Bulimia Nervosa
consomem durante uma refeição, a proporção de calorias derivadas de proteínas, gorduras e
carboidratos é similar.
Os pacientes com Bulimia Nervosa tipicamente se envergonham de seus problemas
alimentares e procuram ocultar seus sintomas. As compulsões periódicas geralmente ocorrem
em segredo, ou dissimuladas tanto quanto possível. Um episódio pode, ou não, ser planejado
de antemão e em geral (mas nem sempre) é caracterizado por um consumo rápido.
A compulsão periódica freqüentemente prossegue até que o paciente se sinta desconfortável,
ou mesmo dolorosamente repleto. A compulsão periódica é tipicamente desencadeada por
estados de humor disfóricos, estressores interpessoais, intensa fome após restrição por dietas,
ou sentimentos relacionados a peso, forma do corpo e alimentos. A compulsão periódica pode
reduzir temporariamente a disforia, mas autocríticas e humor deprimido freqüentemente
ocorrem logo após.
Um episódio de compulsão periódica também se acompanha de um sentimento de falta de
controle. Um paciente pode estar em um estado frenético enquanto leva a efeito a compulsão,
especialmente no curso inicial do transtorno. Alguns pacientes descrevem uma qualidade
dissociativa durante ou após os episódios de compulsão periódica.
Após a Bulimia Nervosa ter persistido por algum tempo, os pacientes podem afirmar que
seus episódios compulsivos não mais se caracterizam por um sentimento agudo de perda do
controle, mas sim por indicadores comportamentais de prejuízo do controle, tais como
dificuldade em resistir a comer em excesso ou dificuldade para cessar um episódio compulsivo,
uma vez iniciado. 0 prejuízo no controle associado com a compulsão periódica da Bulimia
Nervosa não é absoluto, já que, por exemplo, um paciente pode continuar comendo enquanto o
telefone toca, mas interromper o comportamento se um colega ou o cônjuge ingressar
inesperadamente no mesmo aposento.
Outra característica essencial da Bulimia Nervosa é o uso recorrente de comportamentos
compensatórios inadequados para prevenir o aumento de peso. Muitos pacientes com Bulimia
Nervosa empregam diversos métodos em suas tentativas de. compensarem a compulsão
periódica. A técnica compensatória mais comum é a indução de vômito após um episódio de
compulsão periódica. Este método purgativo é empregado por 80 a 90% dos pacientes com
Bulimia Nervosa que se apresentam para tratamento em clínicas de transtornos alimentares. Os
efeitos imediatos do vômito incluem alívio do desconforto físico e redução do medo de ganhar
peso. Em alguns casos, o vômito torna-se um objetivo em si mesmo, de modo que a pessoa
come em excesso para vomitar ou vomita após ingerir uma pequena quantidade de alimento.
Os pacientes com Bulimia Nervosa podem usar uma variedade de métodos para a indução de
vômitos, incluindo o uso dos dedos ou instrumentos para estimular o reflexo de vômito.
Os pacientes em geral se tornam hábeis na indução de vômitos e por fim são capazes de
vomitar quando querem. Raramente, os pacientes consomem xarope de ipeca para a indução
do vômito. Outros comportamentos purgativos incluem o uso indevido de laxantes e diuréticos.
Aproximadamente um terço dos pacientes com Bulimia Nervosa utiliza laxantes após um
ataque de hiperfagia. Raramente, os pacientes com este transtorno utilizam enemas após os
episódios compulsivos, mas este quase nunca é o único método compensatório empregado.
Os pacientes com Bulimia Nervosa podem jejuar por um dia ou mais ou exercitar-se
excessivamente na tentativa de compensar o comer compulsivo. Exercícios podem ser
considerados excessivos quando interferem significativamente em atividades importantes,
quando ocorrem em momentos ou contextos inadequados ou quando o paciente continua se
exercitando apesar de lesionado ou de outras complicações médicas. Raramente, os pacientes
com este transtorno podem tomar hormônio da tiróide na tentativa de prevenir o aumento de
peso. Os pacientes com diabete melito e Bulimia Nervosa podem omitir ou reduzir as doses de
insulina, para reduzir o metabolismo dos alimentos consumidos durante os ataques de
hiperfagia.
Os pacientes com Bulimia Nervosa colocam uma ênfase excessiva na forma ou no peso do
corpo em sua auto-avaliação, sendo esses fatores, tipicamente, os mais importantes na
determinação da auto-estima. As pessoas com o transtorno podem ter estreita semelhança com
as que têm Anorexia Nervosa, em seu medo de ganhar peso, em seu desejo de perder peso e
no nível de insatisfação com seu próprio corpo. Entretanto, um diagnóstico de Bulimia Nervosa
não deve ser dado quando a perturbação ocorre apenas durante episódios de Anorexia
Nervosa.
A primeira atitude da paciente com bulimia é esconder sua doença. Até do médico. Por isso, a
família da paciente com bulimia costuma ser a última a saber do transtorno.
Como ocorre na anorexia, a bulimia se caracteriza por importante distorção do esquema
corporal. A paciente se vê gorda, com gordurinhas imaginárias aqui e ali. Essa idéia distorcida
não é corrigida pela argumentação lógica de todas as pessoas de sua intimidade, mesmo que se
façam comparações racionais, mostrem-se fotos ou outros argumentos sensatos.
Concomitantemente surge uma preocupação obsessiva com os alimentos, com as calorias, com o
peso, gramas e miligramas.
A simples idéia ou visão de alimentos mais gordurosos causa enjôo e náusea. Mas não é raro que
essas pessoas tenham "crises" de comer vorazmente para, em seguida, provocarem vômito.
As complicações mais comuns da Bulimia podem ser:
-Dores musculares e câimbras
- Inflamação na garganta pelos efeitos do vômito
-Cáries dentárias
-Desidratação e desnutrição
-Desequilíbrio eletrolítico, com franqueza e desmaios
-Vômitos com sangue
-Face inchada e dolorida por inflamação das glândulas salivares
Toda essa obsessão com alimentos e calorias, embora doentia, tem importante reforço em nossa
cultura. Atualmente a sociedade frugal é obsessivamente preocupada com tudo o que diga
respeito ao peso, gordura, calorias, etc.
A quantidade de revistas que tratam exclusivamente da "boa forma" e das dietas e alimentações
pretensamente balanceadas reforçam a preocupação doentia das pessoas com esses transtornos
alimentares.
Não é raro que a Bulimia se dê concomitante com a Anorexia. Nesse caso, além da recusa
alimentar, caso haja ingestão de comida (em qualquer quantidade) haverá provocação de vômito.
A Bulimia prevalece em adolescentes do sexo feminino, geralmente em torno dos 17 anos,
arrastando-se pela vida adulta. Essas pessoas costumam ter vergonha de seus sintomas e, por
isso, evitam comer em público e lugares onde precisam mostrar o corpo (praias e piscinas).
De qualquer forma, associada ou não à Anorexia, a Bulimia é um quadro grave e de difícil
tratamento. Veja na coluna abaixo alguns dados importantes.
CAUSAS
Pouco se conhece a respeito das causas da Bulimia Nervosa. Possivelmente exista um
modelo onde múltiplas causas devem interagir para o surgimento da doença, incluindo
aspectos socioculturais, psicológicos, individuais e familiares, neuroquímicos e genéticos.
Influência cultural tem ido apontada, atualmente, como um forte desencadeante; o corpo
magro é encarado como símbolo de beleza, poder, autocontrole e modernidade. Desta forma a
propaganda dos regimes convence o público de que o corpo pode ser moldado. Assim, a busca
pelo corpo perfeito tem se manifestado em três áreas: nutrição/dieta, atividade física e cirurgia
plástica. Nos EUA o números de lipoaspiração passou de aproximadamente 55.900 casos em
1981 para 101.000 em 1988.
Distúrbio da interação familiar, eventos estressantes relacionados à sexualidade e formação
da identidade pessoal são apontados como fatores desencadeantes ou mantenedores da
bulimia. Postula-se que alterações de diferentes neurotransmissores podem contribuir para o
complexo sintomático, notadamente dos mesmos neurotransmissores envolvidos na depressão
emocional.
TIPOS
Os seguintes subtipos podem ser usados para especificar a presença ou ausência regular
de métodos purgativos como meio de compensar uma compulsão periódica:
Tipo Purgativo. Este subtipo descreve apresentações nas quais o paciente se envolveu
regularmente na auto-indução de vômito ou no uso indevido de laxantes, diuréticos ou enemas
durante o episódio atual.
Tipo Sem Purgação. Este subtipo descreve apresentações nas quais o paciente usou
outros comportamentos compensatórios inadequados, tais como jejuns ou exercícios
excessivos, mas não se envolveu regularmente na auto-indução de vômitos ou no uso indevido
de laxantes, diuréticos ou enemas durante o episódio atual.
Agora já sabemos o que é a BULIMIA NERVOSA e algumas características que a envolvem.
No próximo artigo iremos ver, além de outras informações, como diagnosticar e tratar este mal
que atinge 08 (oito) em cada 10 (dez) adolescentes mulheres.
Artigo da Gazeta-MT, edição de 05/05/2002 diz o seguinte:
"Segundo estatísticas, das pessoas que sofrem de anorexia e bulimia, apenas um terço consegue
se recuperar e cerca de 20% morrem em função do estado agudo de desnutrição. A magreza
excessiva provoca complicações renais, hormonais e gástricas e até parada cardíaca. A bulimia
ocorre quase que exclusivamente em mulheres jovens. Menos de 10% dos pacientes são homens.
Algumas garotas chegam a manifestar ausência de menstruação por mais de três meses. Muitas
meninas que sofrem dessas doenças demoram a descobrir e, quando descobrem, negam estar
doentes.
Para a psicoterapeuta Olga Inês Tessari as meninas não estão se aceitando como realmente são.
Estimuladas pelas modelos das revistas e televisão, elas vão em busca de um padrão físico
diferente do que possuem geneticamente." Veja a notícia
Referência:
Ballone GJ, Ortolani IV - Bulimia Nervosa, in. PsiqWeb, Internet,
disponível em <http://www.psiqweb.med.br/bulimia.html>, revisto em
2003.
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards