biologia

Propaganda
BIOLOGIA
PRÉ-VESTIBULAR
LIVRO DO PROFESSOR
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
© 2006-2008 – IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do
detentor dos direitos autorais.
I229
IESDE Brasil S.A. / Pré-vestibular / IESDE Brasil S.A. —
Curitiba : IESDE Brasil S.A., 2008. [Livro do Professor]
764 p.
ISBN: 978-85-387-0578-9
1. Pré-vestibular. 2. Educação. 3. Estudo e Ensino. I. Título.
CDD 370.71
Disciplinas
Autores
Língua Portuguesa
Literatura
Matemática
Física
Química
Biologia
História
Geografia
Francis Madeira da S. Sales
Márcio F. Santiago Calixto
Rita de Fátima Bezerra
Fábio D’Ávila
Danton Pedro dos Santos
Feres Fares
Haroldo Costa Silva Filho
Jayme Andrade Neto
Renato Caldas Madeira
Rodrigo Piracicaba Costa
Cleber Ribeiro
Marco Antonio Noronha
Vitor M. Saquette
Edson Costa P. da Cruz
Fernanda Barbosa
Fernando Pimentel
Hélio Apostolo
Rogério Fernandes
Jefferson dos Santos da Silva
Marcelo Piccinini
Rafael F. de Menezes
Rogério de Sousa Gonçalves
Vanessa Silva
Duarte A. R. Vieira
Enilson F. Venâncio
Felipe Silveira de Souza
Fernando Mousquer
Produção
Projeto e
Desenvolvimento Pedagógico
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Ecologia:
ecossistemas,
energia e
sucessão
ecológica
É a ciência que estuda a interação entre os seres
vivos e o ambiente.
EM_V_BIO_019
Ecossistemas
Quando o ambiente terrestre passou a apresentar a configuração semelhante com a atual,
observou-se o aparecimento de uma região até então
desconhecida . Além da litosfera (rochas e solo); da
hidrosfera (águas) e da atmosfera (ar), a Terra viu o
nascer da biosfera (seres vivos em seu ambiente).
De acordo com considerações modernas, a
biosfera compreende cerca de 18km de espessura
da Terra.
A biosfera é muito diversificada. Por isso, são
definidos limites hierárquicos de organização. O conjunto de espécies que vive numa região é chamado
de comunidade biótica, biota ou biocenose (do grego
“viver em conjunto”).
Existem fatores físicos e químicos do meio
ambiente denominados de abióticos (não vivos),
como, por exemplo, a temperatura, a luminosidade
e a pressão; e fatores bióticos (seres vivos), tais
como bactérias, vegetais, animais etc. O conjunto
de fatores abióticos recebe o nome de biótopo (lugar
da vida), que significa na verdade o lugar onde vive
a biocenose.
Esses fatores vivos e não-vivos se relacionam,
influenciando-se mutuamente.
Dentro do biótopo existe o local onde vive determinada espécie, denominado de habitat. Observe que o habitat é o local definido de uma espécie,
enquanto o biótopo é o local onde vivem todos os
seres vivos. Convém ressaltar que o ­habitat pode ser
comum a mais de uma espécie.
Por exemplo, o habitat do macaco-prego são as
copas de árvores em florestas tropicais, enquanto a
vegetação do parque Tietê, em São Paulo, é um dos
biotópos onde ele pode ser encontrado.
O conjunto formado pela biocenose e pelo biótopo denomina-se ecossistema.
Todo ecossistema apresenta os seus componentes bióticos e abióticos próprios.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
IESDE Brasil S.A.
Ecologia
1
População e comunidade
IESDE Brasil S.A.
A população é formada por um grupo de indivíduos de mesma espécie que convive em determinada
área.
No estudo das populações, observa-se duas
características importantes: a densidade e a taxa
de crescimento.
A densidade populacional está relacionada
ao número de indivíduos em uma determinada área
num determinado tempo. Quando nos referimos à
população humana, utilizamos o termo densidade
demográfica.
A taxa de crescimento populacional é importante para verificarmos se uma determinada população encontra-se em expansão, declínio ou se está
estável.
Vários fatores influenciam o crescimento populacional, como oferta de alimento, espaço geográfico, competição entre populações, migrações,
mortalidade e natalidade. Todos esses fatores são
considerados como limitantes para o crescimento
populacional.
No meio ambiente não existem populações
isoladas. O que ocorre é que em uma determinada
área existem várias populações que interagem, o que
passamos a denominar comunidade.
Devido a essas observações, um cientista russo chamado Gause concluiu que, teoricamente, se
duas espécies ocuparem o mesmo nicho ecológico,
a competição entre elas seria tão violenta que uma
ou as duas espécies não sobreviveriam. A esse pensamento denominou-se de princípio de Gause ou
princípio da exclusão competitiva.
O conjunto de espécies que compartilha em parte o nicho (por exemplo, que utiliza o mesmo recurso
alimentar) é chamado de guilda.
Cadeia alimentar e teia
alimentar
Dentro de um determinado ecossistema, as espécies da comunidade podem ser classificadas em
produtores e consumidores.
Os produtores são os seres autotróficos, que produzem matéria orgânica a partir de matéria inorgânica (como carboidra­tos a partir de gás carbônico).
Os consumidores são os seres heterotróficos
que obtêm matéria orgânica de outros seres vivos.
Quando, após metabolizar a matéria orgânica, o organismo a retorna à forma inorgânica (reciclagem),
o consumidor é chamado de decompositor.
Produtores e decompositores são considerados
elementos obrigatórios porque iniciam e terminam o
ciclo dos elementos químicos nos seres vivos. Outros
consumidores, como os animais, são apenas intermediários e poderiam teoricamente estar ausentes.
Nicho ecológico
2
Dentro de uma comunidade, observa-se a interação das diversas populações existentes com o meio
ambiente e com as outras espécies.
Cada espécie acaba por possuir uma atividade e
relação com o ambiente em que vive (habitat). A esse
modo de vida denominamos de nicho ecológico.
Na realidade, o conceito nicho ecológico é
abstrato e considera vários elementos, como: o tipo
de alimento, a maneira de se reproduzir, os hábitos,
inimigos etc.
Observe a sequência:
Em um trecho de mata, as plantas representariam os produtores. Os insetos que se alimentam
delas, seriam os consumidores primários, pois estariam consumindo os produtores. As aves que comem
esses insetos seriam os consumidores secundários,
pois se alimentam dos consumidores primários.
Caso algum animal predador se alimente dessas
aves, seria classificado como consumidor terciário.
Como todos esses seres morrem, seriam consumidos
por fungos e bactérias que são qualificados como
decompositores.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
Os decompositores normalmente são indicados como um nível trófico distinto.
Sapo (cons. secundário)
Decomp.
Gafanhoto (cons. primário)
Capim (produtor)
IESDE Brasil S.A.
Os consumidores heterótrofos são chamados
de herbívoros quando somente se alimentam de vegetais; carnívoros quando comem somente carne; e
onívoros, quando a alimentação pode ser de vegetais
ou de animais.
No ecossistema, normalmente, uma cadeia alimentar não forma uma única linha. Na realidade, existe uma intrincada rede que combina várias cadeias
alimentares, que denomina-se teia alimentar.
À medida que subimos nos níveis tróficos observamos a queda de energia, seja por perda ou por
transformação.
Na realidade, está ocorrendo transferência de
energia, visto que os seres autótrofos fotossintetizantes captam a energia solar e a armazenam sob
a forma de matéria orgânica. São os produtores da
cadeia alimentar.
Os consumidores de primeira ordem, ao comerem os produtores, transferem essa energia para as
suas células, armazenando-a. Dessa maneira, a energia vai sendo transferida de ser vivo para ser vivo.
Em uma cadeia alimentar, a energia de um nível
trófico é sempre maior do que a do nível seguinte.
Isso ocorre porque os seres vivos consomem
parte da energia contida no alimento para sua própria manutenção. Essa energia também é perdida,
parte sob a forma de calor, e parte nas fezes, visto
que o sistema não consegue digerir todo o alimento
que come.
Perdas
na respiração
Quantidade de energia
Como esses elementos determinam uma sequência lógica, passamos a denominá-la de cadeia alimentar,
que se apresenta dividida em níveis tróficos (do grego
“nutrição”).
Resumindo, a cadeia alimentar apresenta três
níveis básicos: os produtores, os consumidores de
níveis superiores e os decompositores, para onde
todos os outros níveis convergem.
Total
Perdas
assiminas
lado
fezes
Total
pelos
disponívegevel para
tais
os herbí- Total assimilado
voros
pelos
herbívoros
Perdas
na respiração
Total
disponível
para os
carnívoros
Perdas
nas
fezes
Total assimilado
pelos
carnívoros
Perdas
na respiração
Total
disponível para
níveis
seguintes
Fluxo de energia
Pirâmides
As pirâmides são as formas geométricas de
demonstração da energia, biomassa e números de
uma cadeia alimentar.
EM_V_BIO_019
Energia
Energia
Como vimos, a cadeia alimentar é a transferência de matéria orgânica entre os níveis tróficos.
A pirâmide de energia mostra a quantidade de
energia disponível em cada nível trófico. A base representa sempre os produtores e, os níveis seguintes,
os consumidores.
Como o fluxo de energia em uma cadeia é
unidirecional, a base deve ser sempre maior e, à
medida que sobem os níveis, ocorre a redução na
forma da pirâmide, demonstrando a diminuição do
nível energético.
15 kcal/m2/dia → 1,5 kcal/m2/dia → 0,15 kcal/m2/dia
Produtores
Herbívoros
Carnívoros
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
3
A pirâmide de biomassa demonstra a quantidade de matéria orgânica em cada nível trófico. Essa
pirâmide geralmente é semelhante à de energia e o
pensamento é o mesmo, visto que a energia depende
diretamente da matéria orgânica.
No entanto, como essa pirâmide representa o
peso total dos indivíduos nos níveis tróficos, se os
organismos nos níveis inferiores forem muito menores que os superiores, ela pode apresentar outros
formatos e até se inverter
C2
C1
P
Representação de uma pirâmide de energia e biomassa.
Números
A pirâmide de números demonstra a quantidade de indivíduos em cada nível trófico. Porém, essa
pirâmide não precisa necessariamente apresentar
diminuição na formação dos níveis, em virtude de
existirem situações em que um determinado consumidor apresenta-se em maior quantidade do que
o anterior, como, por exemplo, quando se trata de
parasitas.
Sapos
Gafanhotos
Capim
Forma típica da pirâmide de números.
Pássaros
Lagartas
Árvores
Nessa pirâmide, observa-se que o produtor é
grande (árvore) e os consumidores relativamente
pequenos.
Apesar do gráfico não apresentar uma forma de
pirâmide clássica, o termo continua a ser usado.
As pirâmides permitem o estudo da produtividade, visto que demonstram graficamente o que
ocorre nos níveis tróficos.
4
Quanto menor for a cadeia alimentar, ou seja,
quanto menos níveis tróficos ela possuir, melhor
será o aproveitamento energético. Estima-se que
cada nível trófico só consegue armazenar 10% da
biomassa e energia transferida pelo nível anterior.
Os 90% restantes são perdidos no funcionamento da
máquina orgânica.
Com esse pensamento, podemos observar
que, para a espécie humana, seria mais vantajosa
a obtenção de alimentos de origem vegetal, porque
a perda seria bem menor, em virtude de estarmos
absorvendo o próprio produtor.
Quando consideramos o total de energia captada pelo ser autótrofo e convertida em massa orgânica,
estamos considerando a produtividade primária
bruta (PPB).
No entanto, os seres autótrofos também têm o
seu próprio metabolismo. Logo, parte do que é produzido pela atividade autótrofa, normalmente a fotossíntese, é consumido pela respiração celular (R).
O que não é utilizado pela respiração é armazenado, o que consideramos como produtividade
primária líquida (PPL). É justamente essa energia
que está disponível para a transferência a outros
níveis.
Dessa forma podemos observar que quanto
maior for a produtividade líquida dos produtores
de um ecossistema, melhor será a eficiência de um
ecossistema.
As observações feitas nos ecossistemas terrestre e marinho demonstraram que a PPL do marinho
é maior do que a de florestas terrestres. Isso ocorre
porque o fitoplâncton não possui estruturas que não
são produtoras, como os tecidos de sustentação,
vascularização etc., que consomem energia sem
produzi-la, como ocorre na maioria dos vegetais
terrestres.
Além disso, o ciclo de vida do fitoplâncton é
curto, o que provoca a reciclagem rápida da matéria,
não existindo acúmulo, como no caso do ambiente
terrestre, onde as árvores formam uma biomassa
improdutiva de longa duração.
A produtividade secundária líquida (PSL) diz
respeito aos consumidores primários, porém tem o
mesmo raciocínio da anterior.
Quanto menos tempo os consumidores levarem
para absorver os produtores e sintetizarem sua biomassa, maior será a produtividade.
Um exemplo clássico é a comparação entre um
bezerro e trinta coelhos. Os coelhos alimentam-se
da mesma quantidade de alfafa que um bezerro. Só
que o bezerro irá demorar 120 dias para permitir a
transferência para o nível superior (abate), enquanto
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
Biomassa
IESDE Brasil S.A.
IESDE Brasil S.A.
os coelhos estarão prontos em 30 dias. Logo, a produtividade secundária líquida dos coelhos é quatro
vezes maior do que a do gado (AMABIS e MARTHO,
vol. 3. Moderna).
Etapa inicial: lagoa com plâncton
O acúmulo de matéria fornecido pelo plâncton permite
sustentar plantas imersas e animais
Sucessão e comunidades
O fundo acumula detritos e ocorre o desenvolvimento
de plantas emergentes.
EM_V_BIO_019
Sucessão ecológica
Em determinadas regiões da Terra, as condições ambientais não favorecem o desenvolvimento
da maioria das espécies ou, às vezes, determinadas
situações ambientais modificam o ambiente, fazendo
com que as espécies desapareçam ou migrem para
outras regiões, dando lugar a novas espécies.
Nessas situações, dizemos que ocorreu ou está
ocorrendo uma sucessão ecológica.
A sucessão começa com a entrada de espécies
que possuem um grau de exigência ambiental extremamente pequeno. Essas espécies constituem as
espécies pioneiras e conseguem suportar as piores
condições ambientais.
À medida que essas espécies colonizam o
ambiente, provocam modificações que começam a
permitir a entrada de novas espécies, que apresentam um grau de exigência maior. As condições se
modificam até que a comunidade, agora instalada,
atinja uma estabilidade. Nesse momento, dizemos
que existe uma comunidade clímax, constituindo o
final da sucessão.
A sucessão pode ser dividida em dois tipos: a
primária e a secundária.
Dizemos que uma sucessão é primária quando
ocorre em áreas onde, inicialmente, as condições
ambientais para a vida eram desfavoráveis, como,
por exemplo, em um deserto ou em rochas e lavas
solidificadas de um vulcão.
E a sucessão é secundária quando já existiu
um ecossistema anteriormente e ele é modificado,
como após uma queimada, ou em lagos que sofrerem
assoreamento.
A lagoa fica rasa. Ela forma um brejo. A comunidade
muda. O terreno seca e no futuro pode surgir uma
floresta.
Biomas
Os biomas são grandes ecossistemas formados
por comunidades clímax, com aspecto homogêneo e
condições climáticas semelhantes.
Esses ecossistemas são agrupados, para estudo, no talassociclo (marinhos), limnociclo (ecossistemas de água doce) e epinociclo (terrestres).
Biomas terrestres
Como depende de condições como latitude,
temperatura, relevo, chuvas etc., os biomas apresentam-se de maneira diversificada em toda a Terra.
São eles:
Tundra
Caracteriza-se por apresentar temperaturas
baixas, com neve, água congelada no solo e vegetação formada por musgos, líquens e pequenos arbustos. A fauna inclui animais como a rena, o caribu,
o boi almiscarado e alguns insetos.
Localiza-se em regiões próximas do polo Ártico.
Nessas regiões, os vegetais estão adaptados a
condições de seca fisiológica, pois mesmo existindo
água no subsolo, eles não conseguem absorvê-la,
devido à baixa temperatura.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
5
Localizam-se em regiões de clima quente e alto
índice pluviométrico.
A flora é exuberante, com grandes árvores perenes e plantas epífitas. A fauna é diversificada com
vários mamíferos, aves e répteis.
Adilson Faltz.
Domínio público.
Florestas tropicais
Taiga
Florestas temperadas
Os campos podem ser classificados em estepes
e savanas . As estepes caracterizam-se por apresentar períodos de seca. A vegetação é dominada por
gramíneas. A fauna apresenta roedores e carnívoros,
como a raposa. Temos como exemplo as pradarias
(Norte) e pampas (Sul).
As savanas são compostas por arbustos e árvores de pequeno porte, além de gramíneas. Encontramos esse bioma na África, na Ásia, na Austrália
e nas Américas.
Na fauna africana, por exemplo, encontramos
muitos herbívoros de grande porte, como zebras e
girafas, e grandes carnívoros, como leões e leopardos. Existe, também, grande diversidade de aves. No
Brasil existe um tipo de savana, que é denominada
de cerrado.
6
EM_V_BIO_019
Ricardo Flório.
Situadas na Europa e na América do Norte, tipicamente de clima temperado. As estações climáticas
são bem definidas.
Na Europa, a flora é composta tipicamente de
carvalhos. Na América, inclui bordos, carvalhos e
fainas, além de arbustos, musgos e plantas herbáceas.
A fauna apresenta várias espécies de mamíferos, tais como javalis, veados, raposas, esquilos etc.
e vários pássaros e corujas.
Campo
Domínio público.
Domínio público.
Situa-se no hemisfério norte, próxima à Tundra,
apresentando temperaturas um pouco mais elevadas
no verão.
É também conhecida como floresta de coníferas, pois é formada por pinheiros, além de musgos e
líquens. A fauna apresenta mamíferos típicos, como
lobos, ursos, martas, ­raposas etc. As aves, assim
como na Tundra, migram para o sul no inverno.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Desertos
Situada nas montanhas e planícies costeiras,
desde o Rio Grande do Sul até o Rio Grande do Norte,
exceto pela região sul do Espírito Santo e Cabo Frio,
no Rio de Janeiro.
A mata predominante era constituída de árvores
com 35 metros de altura em média, de folhas largas,
mais a maior densidade era do andar arbustivo.
Essa mata hoje praticamente não existe, devido
à devastação do homem para o plantio da cana-deaçúcar, banana e cacau. Estima-se que exista apenas
5% da mata original.
Adilson Falts.
Istock Photo.
Estão localizados em regiões de baixa umidade.
A vegetação é constituída por gramíneas e arbustos de pequeno porte e plantas com capacidade
de armazenamento de água, como as cactáceas. A
fauna inclui roedores e répteis. As maiores regiões
desérticas encontram-se na África e na Ásia.
Floresta pluvial costeira (Mata
Atlântica)
Principais biomas brasileiros
Floresta Amazônica
2)
3)
Floresta de araucária
Situada nos estados do Rio Grande do Sul,
Santa Catarina, Paraná e São Paulo.
Muito semelhante às florestas de coníferas da
América do Norte e Europa, apresenta vegetais com
25 metros de altura (araucárias), mas a maior predominância é de andar arbustivo.
EM_V_BIO_019
4)
1 – Floresta Amazônica − Distribuição no Território Brasileiro.
2 – Representação gráfica dos estratos da floresta.
3 – Floresta Amazônica.
4 – Gráficos de precipitação e de temperatura ao longo do ano.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Wigold Shaffer.
1)
IESDE Brasil S.A.
Localiza-se na região Norte do Brasil, compreendendo os estados do Acre, Amazonas, Pará, Rondônia,
Tocantins, Amapá e Roraima, e norte do Mato Grosso
e Goiás.
Apresenta diversos estratos formados pelas
copas das árvores, sendo o mais alto em média com
40 metros. A árvore mais famosa é a seringueira.
Apresenta uma vasta biodiversidade.
7
Biomas aquáticos
O Campo cerrado (Cerrado) é característico dos
estados de Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Mato
Grosso, Mato Grosso do Sul e Regiões de São Paulo
e Paraná.
É um bioma tipo savana, com vegetação arbórea.
O bioma Campo limpo (Pampa) é tipo estepe e
característico do Rio Grande do Sul.
É predominantemente formado por planícies e
vegetação do tipo gramínea.
Os biomas de água doce podem ser classificados como lêntico e lótico.
Os de águas lênticas ou paradas são formados
por lagos, lagoas e charcos, onde a flora e fauna são
exuberantes.
Há uma predominância de algas verdes e
cianofíceas, o fitoplâncton, e zooplâncton, além de
peixes.
Os ecossistemas de águas lóticas são representados pelos rios, ou seja, por águas em movimento.
São pobres em plâncton e apresentam peixes e insetos que dependem de algas fixadas às rochas.
Os biomas de água salgada estão representados
pelos mares e oceanos. Apresentam uma certa estabilidade em relação ao bioma de água doce.
O ambiente marinho apresenta-se dividido em
determinadas regiões.
Quanto à luminosidade, o ambiente marinho é
dividido em dois ambientes, o fótico (até 200m de
profundidade) e o afótico (além de 200m).
Na zona fótica encontramos o fitoplâncton, que
é responsável pela produção da biomassa marinha.
Quanto à profundidade, o ambiente é dividido
em plataforma continental (até 200m), zona batial
(de 200 a 2 000m), zona abissal (2 000 a 6 000m) e
zona handal (abaixo de 6 000m).
Na zona abissal, encontramos fauna típica com
seres que apresentam bioluminescência.
Os indivíduos que habitam o ambiente marinho
são classificados como plâncton, bênton e nécton.
O plâncton é formado por seres que não apresentam capacidade de nadar contra a corrente. São
divididos em fitoplâncton (algas) e zooplâncton
(microcrustáceos, cnidários etc.)
O bênton compreeende aos animais que vivem
no fundo. Podem ser fixos, como cnidários, e móveis
como equinodermos, moluscos, crustáceos etc.
O nécton são os organismos capazes de se
deslocar através das correntes, como peixes, baleias,
moluscos etc.
Allan Patrick.
É um bioma tipo desértico, estendendo-se pelos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande
do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas,
Bahia e norte de Minas Gerais.
Apresenta índices pluviométricos baixos, com
vegetação predominante do tipo xeromórficas (adaptadas ao clima árido – folhas em forma de espinhos,
caules suculentos etc.).
0
1 000
Região batial - 2 000m
5 000
Região abissal - 6 000m
9 000
8
200m Plataforma continental
Região handal - abaixo de 6 000m
Principais regiões marinhas.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
Zona
fótica
EM_V_BIO_019
Caatinga
Zona Afótica
Leonardo Carvalho.
Campo
c) migração diferencial.
d) densidade populacional.
e) taxa de sobrevivência dos mais aptos.
1. O termo biótopo refere-se:
a) ao conjunto de regiões que abrigam os seres vivos
no planeta.
``
Solução: D
A densidade populacional relata a quantidade de indivíduos
em uma determinada área e em um determinado tempo.
b) à massa de matéria orgânica presente num organismo.
c) ao conjunto dos aspectos físicos e químicos de um
ambiente.
d) à comunidade clímax adaptada a uma determinada
região geográfica.
e) ao sistema formado pelos aspectos físicos e químicos.
``
Solução: E
O biótopo é o conjunto de fatores físicos e químicos que
interagem com os seres vivos do ecossistema.
2. (Cesgranrio) O girino do sapo vive na água e, após
a metamorfose, passa a viver em terra firme quando
adulto, ocultando-se, durante o dia, em lugares sombrios e úmidos para se proteger de predadores e evitar
a dessecação. Ao entardecer, abandona seu refúgio à
procura de alimento. Como o acasalamento se realiza
na água, vive próximo a rios e lagoas. Essa descrição do
modo de vida do sapo representa o seu:
4. Na década de 1970, o ecossistema amazônico foi
rasgado pela construção da “Transamazônica”. Hoje
a estrada está basicamente abandonada. Qual a
intenção da construção dessa estrada?
``
Solução:
O governo militar tinha em mente a colonização da
Amazônia, a fim de evitar a entrada de outros países.
Dizia-se que era preciso integrar para não entregar.
5. O esquema a seguir mostra as relações tróficas em uma
comunidade de lagoa.
Caramujo
Peixes
Algas
Garças
a) habitat.
Microcrustáceos
b) ecossistema.
c) nicho ecológico.
Insetos
d) biótopo.
``
e) bioma.
Dos animais que pertencem a essa teia alimentar, os
únicos onívoros são:
a) os insetos.
Solução: C
b) os peixes.
O nicho ecológico representa a relação do ser com o
seu habitat.
c) as garças.
3. (UFRGS) Um agrônomo, preocupado com o equilíbrio
ecológico em um determinado campo, mediu a superfície da área e efetuou o levantamento do número de
indivíduos de uma população herbívora ali existente.
Com base nos dados sobre a população herbívora, o
agrônomo pode calcular a:
a) taxa de natalidade.
EM_V_BIO_019
b) taxa de mortalidade.
d) os caramujos.
e) os microcrustáceos.
``
Solução: B
Os onívoros são os animais que apresentam alimentação
herbívora e carnívora. O único exemplo que satisfaz essa
condição são os peixes.
6. O esquema abaixo representa parte dos organismos
que constituem uma comunidade e as inter–relações
que os mantêm.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
9
Fungos e bactérias
``
A eletrificação rural necessita de investimentos altos.
As famílias mais pobres começaram a ter luz em casa
a partir da utilização do gás produzido por decomposição da matéria.
Gaivotas
Biguás
Molusco
Peixes
Zooplâncton
Fitoplâncton
9. Leia as afirmativas a seguir:
Considerando esse esquema, qual das seguintes
afirmativas está correta?
a) O fitoplâncton e o zooplâncton constituem o nível
trófico dos produtores.
I. A energia introduzida no ecossistema sob a forma
de luz é transformada, passando de organismo para
organismo, sob a forma de energia química.
II. No fluxo energético há perda de energia em cada
elo da cadeia alimentar.
b) Gaivotas e biguás são predadores e fazem parte do
4.º nível trófico.
III. A transferência de energia na cadeia alimentar é unidirecional, tendo início pela ação dos decompositores.
c) Peixes e moluscos, por serem onívoros, são considerados consumidores primários.
IV. A energia química armazenada nos compostos orgânicos dos seus produtores é transferida para os demais componentes da cadeia e permanece estável.
d) As bactérias e os fungos são heterótrofos decompositores.
``
Estão corretas as afirmativas:
a) I e II.
Solução: D
As bactérias e fungos são decompositores e todos os
decompositores são heterótrofos.
7.
b) II e III.
c) III e IV.
Que tipos de organismos devem estar, necessariamente, presentes em um ecossistema para que ele se
mantenha?
a) Herbívoros e carnívoros.
b) Herbívoros, carnívoros e decompositores.
d) I e III.
e) II e IV.
``
Solução: A
O item III é incorreto devido ao fato da transferência não
começar pelos decompositores e sim pelos produtores.
c) Produtores e decompositores.
d) Produtores e herbívoros.
O item IV é incorreto devido ao fato da energia não ser
estável.
e) Produtores, herbívoros e carnívoros.
``
Solução:
10. Considere o texto abaixo:
Solução: C
“Na biosfera, o carbono fixado na (I) retorna gradativamente
à atmosfera em consequência da (II) e da (III)”.
Ele ficará correto se os espaços I, II e III forem
preenchidos, respectivamente, por:
a) fotossíntese, transpiração, queima de combustíveis.
Em um ecossistema, a presença dos produtores e decompositores é fundamental para a existência do próprio
ecossistema, pois os primeiros sintetizam a matéria
orgânica e os segundos reciclam a matéria.
b) fotossíntese, respiração, transpiração.
c) respiração, fotossíntese, transpiração.
d) transpiração, fotossíntese, respiração.
10
e) fotossíntese, respiração, queima de combustível fóssil.
``
Solução: E
A fixação do carbono na matéria orgânica ocorre por
intermédio dos processos fotossintéticos e retorna por
meio da liberação de gás carbônico por processos de
queima, seja orgânica (respiração) ou combustão.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
8. Os processos de decomposição da matéria orgânica
produz, entre outras coisas, gás metano. Esse gás é
utilizado para fins de geração de energia, nas comunidade rurais, por meio dos biodigestores. Por que
esse processo foi incentivado pelo Governo?
11. (UFPA) O ponto final do fluxo direcional da energia num
ecossistema está nos:
``
a) Florestas.
a) produtores.
b) Anfíbios são adaptados a ambientes úmidos, típicos
de biomas florestais.
b) consumidores primários.
e) decompositores.
15. A Mata Atlântica basicamente não existe mais. Na época
da Colonização, ela ocupava todo o litoral do Brasil. Cite
um exemplo onde podemos encontrar ainda áreas de
mata atlântica preservada no Brasil.
Solução: E
``
c) consumidores secundários.
d) consumidores terciários.
``
Solução:
Solução:
No Estado do Rio de Janeiro (Floresta da Tijuca) e ao
longo da BR 101, no litoral sul do Rio, na Região de Angra
dos Reis e Parati.
12. Durante uma refeição, uma pessoa consome uma
quantidade de alimento capaz de manter o seu organismo funcionando. Esse alimento, na sua maioria, provem de agronegócios que a cada ano vêm recebendo
investimentos governamentais e particulares.
Qual a instituição de pesquisa governamental que tem
contribuído com pesquisas no campo de agronegócios
e como isso melhora a balança comercial?
``
1. (Cesgranrio) Organismos como bactérias são capazes
de se reproduzir a cada vinte minutos, o que num espaço de três dias daria uma população suficiente para
cobrir toda a superfície da Terra. No entanto, isso NÃO
acontece graças, entre outros, ao seguinte fator:
a) quantidade de alimento.
Solução:
b) potencial biótico.
A EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisas
­Agropecuárias, por meio de melhoramentos genéticos
na agricultura e pecuária, tem estimulado a melhoria no
campo, tornando o Brasil um dos maiores produtores
de grãos. Com isso, a balança comercial tende a aumentar o saldo positivo, pois exportamos mais do que
importamos.
c) fixação de nitrogênio.
13. Xiquexique, espinheiros, gravatás, bromeliáceas e cactáceas, é a flora comumente encontrada:
d) radiação infravermelha.
e) imigração progressiva.
2. (Cesgranrio) Observe os gráficos a seguir, que representam o tamanho de diferentes populações de um
mesmo ecossistema, antes e depois da introdução de
uma nova espécie:
a) nos cerrados.
b) nos campos.
c) nos cocais.
d) na caatinga.
``
Solução: D
São vegetais comuns do clima árido, o que é característico das caatingas.
EM_V_BIO_019
14. Considere os grandes biomas do Brasil:
cerrados, florestas, pampas e caatingas.
a) Em qual deles espera-se encontrar maior abundância de anfíbios?
b) Justifique sua resposta, relacionando as características
do ambiente com as desse grupo de vertebrados.
A análise desses gráficos permite afirmar que essa nova
espécie:
a) manteve comensalismo com a espécie 1.
b) realizou predatismo na espécie 2.
c) serviu de alimento para a espécie 3.
d) ocupou o mesmo nicho da espécie 4.
e) entrou em mutualismo com a espécie 5.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
11
3. (Cesgranrio) Considere um ambiente com temperatura
de cerca de 60°C, pH=9 e salinidade de 200 partes
por mil (20%). Ao observar, a seguir, os gráficos de
crescimento de bactérias, assinale a espécie que teria
mais oportunidade de ser selecionada nesse ambiente,
a partir dos dados fornecidos.
a)
5. (PUC-Campinas) O número de pombos nas grandes
cidades vem aumentando. Os principais motivos são,
provavelmente:
b)
a) regularidade do clima e falta de ambiente natural
para reprodução.
b) ausência de inimigos naturais e regularidade do
clima.
c)
c) fartura de alimentos e falta de ambiente natural para
reprodução.
d) fartura de alimentos e regularidade do clima.
e) fartura de alimentos e ausência de inimigos naturais.
d)
6. (PUC-Campinas) Na tabela a seguir, são apresentadas
taxas que influenciaram o tamanho de uma dada população em três anos consecutivos.
Qual das alternativas representa o gráfico correto do
crescimento da população no período considerado?
e)
Taxas de
4. (PUC-Campinas) Considere as pirâmides de idades de
duas populações humanas esquematizadas a seguir.
1990
1991
1992
natalidade
20%
22%
25%
mortalidade
8%
10%
12%
imigração
10%
9%
10%
emigração
2%
5%
3%
a)
Comparando-as, pode-se afirmar que:
a) a mortalidade infantil é maior em II do que em I.
b) a expectativa de vida é maior em I do que em II.
c) o crescimento populacional é maior em I do que em II.
d) as mulheres vivem mais que os homens em I do
que em II.
b)
12
EM_V_BIO_019
e) existe uniformidade na distribuição das classes etárias em I e não em II.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
c)
III. Um dos fatores limitantes do crescimento populacional é a disponibilidade de alimentos que diminui
quando a densidade da população aumenta.
IV. Fatores climáticos influem no crescimento da população independentemente de sua densidade.
São verdadeiras apenas:
a) I e II.
d)
b) I e IV.
c) II e III.
d) I, III e IV.
e)
e) II, III e IV.
10. (FGV) Indique a afirmativa correta:
a) Acredita-se que o tamanho da população se nivela
na capacidade de carga do meio ambiente.
7.
(Unesp) Qual das afirmativas melhor explica o aumento
da competição entre os membros de uma população de
ratos selvagens numa determinada área?
b) O crescimento populacional é sempre exponencial.
c) Para uma população específica, a capacidade de
carga é geneticamente controlada.
a) Aumento na taxa de reprodução dos ratos selvagens.
d) As populações não são afetadas pela mudança de
estações.
b) Aumento de falcões predadores.
e) Não há razão para uma população modificar-se durante o ano.
c) Epidemia de raiva.
d) Aumento da temperatura.
e) Aumento da alimentação.
8. (FGV) O crescimento de uma população de bactérias
em meio de cultura propício e finito ocorre segundo uma
curva típica, com cinco distintas fases.
Assinale a resposta correta.
a) Fase Lag; esporulação; estacionária; duplicação;
endógena.
11. (PUC-Campinas) Considere o texto a seguir.
“Em experimentos com ratos, verificou-se que, quando
as gaiolas de criação se tornam superpovoadas, mesmo
que haja alimento em abundância, a taxa de natalidade
pode cair a zero: os filhotes morrem no interior do corpo
da mãe.”
O fator que limita o crescimento das populações dos
ratos em estudo é:
a) o suprimento alimentar.
b) Fase Lag; exponencial; esporulação; declínio ou
morte; endógena.
b) o confinamento.
c) Fase Lag; exponencial ou logarítmica; estacionária;
declínio ou morte; endógena.
d) a densidade populacional.
d) Fase Lag; duplicação; esporulação; declínio ou
morte; endógena.
e) Fase Lag; logarítmica; multiplicação; morte; endógena.
c) a competição interespecífica.
e) a ausência de parasitas e predadores.
12. (PUC-Campinas) O gráfico a seguir mostra o crescimento de uma população a partir do momento em que
foi introduzida em um novo habitat.
9. (PUC-Campinas) Considere as afirmações a seguir,
relativas a fatores de crescimento populacional.
EM_V_BIO_019
I. A
competição intraespecífica interfere na densidade da população.
II. A
competição interespecífica não influi no crescimento das populações.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
13
A análise do gráfico permite afirmar que a população
atingiu a capacidade limite do ambiente em:
a) I
b) II
b) I, II e III, apenas.
c) I, II e IV, apenas.
d) II e III, apenas.
c) III
e) III e IV, apenas.
d) IV
e) V
13. (Enem) No início deste século, com a finalidade de
possibilitar o crescimento da população de veados no
planalto de Kaibab, no Arizona (EUA), moveu-se uma
caçada impiedosa aos seus predadores – pumas, coiotes e lobos. No gráfico a seguir, a linha cheia indica o
crescimento real da população de veados, no período
de 1905 a 1940; a linha pontilhada indica a expectativa
quanto ao crescimento da população de veados, nesse
mesmo período, caso o homem não tivesse interferido
em Kaibab.
100.000
100.000
Primeiros filhotes
morrem de fome
Número de veados
a) I, II, III e IV.
14. (Enem) Um agricultor, que possui uma plantação de
milho e uma criação de galinhas, passou a ter sérios
problemas com os cachorros-do-mato que atacavam sua
criação. O agricultor, ajudado pelos vizinhos, exterminou
os cachorros-do-mato da região. Passado pouco tempo,
houve um grande aumento no número de pássaros e
roedores que começaram a atacar as lavouras. Nova
campanha de extermínio e, logo depois da destruição
dos pássaros e roedores, uma grande praga de gafanhotos destruiu totalmente a plantação de milho e as
galinhas ficaram sem alimento.
Analisando o caso anterior, podemos perceber que
houve desequilíbrio na teia alimentar representada
por:
Morte de 60% dos filhotes
Eliminação dos
predadores
50.000
40.000
30.000
20.000
10.000
Proibição da caça
1905 1910
1920
1930
1940 Tempo (ano)
(AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Fundamentos da Biologia
Moderna. São Paulo: Moderna, 1997. p. 42)
Para explicar o fenômeno que ocorreu com a população
de veados após a interferência do homem, um estudante
elaborou as seguintes hipóteses e/ou conclusões:
I. lobos, pumas e coiotes não eram, certamente, os únicos e mais vorazes predadores dos veados; quando
esses predadores, até então despercebidos, foram
favorecidos pela eliminação de seus competidores,
aumentaram numericamente e quase dizimaram a
população de veados.
15. (Unesp) No esquema, cada círculo representa o campo
de ação de um casal de corujas. O ponto X corresponde à área onde ocorre reprodução e localização dos
ninhos.
II. a falta de alimentos representou para os veados um
mal menor que a predação.
14
IV. a morte dos predadores acabou por permitir um
crescimento exagerado da população de veados;
isso levou à degradação excessiva das pastagens,
tanto pelo consumo excessivo como pelo seu pisoteamento.
A razão do campo de ação do casal II ser maior
que o campo de ação do casal I pode ser atribuída,
principalmente, ao fato de o casal:
a) II ser mais jovem do que o casal I.
b) II poder voar mais rápido do que o casal I.
O estudante acertou se indicou as alternativas:
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
III. ainda que a atuação dos predadores pudesse representar a morte para muitos veados, a predação
demonstrou-se um fator positivo para o equilíbrio
dinâmico e sobrevivência da população como um
todo.
c) II ter mais presas próximas ao ninho do que o casal I.
c) no topo da cadeia alimentar marinha.
d) I ter mais alimento disponível, próximo ao ninho, do
que o casal II.
d) no nível trófico de um consumidor quaternário marinho.
e) I ser mais jovem do que o casal II.
e) em um nível tráfico inferior ao do tubarão-martelo,
na cadeia alimentar.
16. (Fuvest) O homem estará ocupando o nível trófico em
que há maior aproveitamento de energia fixada pelos
produtores, quando escolher como cardápio:
a) carne com creme de leite.
b) peixe com camarão.
c) frango com toucinho.
20. (UERJ) Quando nos referimos a um ecossistema, é frequente a utilização do termo “ciclo” em relação à matéria
e do termo “fluxo” em relação à energia, caracterizando
dois processos distintos. A energia de um ecossistema
flui por meio das cadeias alimentares e, portanto, precisa
ser reintroduzida.
O processo por meio do qual há reintrodução da energia
no ecossistema é:
a) fermentação alcoólica.
d) pão com geleia de frutas.
e) ovos com queijo.
17. (Fuvest) Fungos, minhocas e urubus têm hábitos alimentares que permitem reuni-los em um mesmo grupo.
b) fermentação lática.
c) fotossíntese.
a) Que papel esses organismos desempenham nas
cadeias alimentares de que participam?
b) Qual a importância de sua atividade para o ambiente?
18. (UERJ)
A vida leva e traz,
A vida faz e refaz,
Será que quer achar
Sua expressão mais simples?
Os versos de autoria de José Miguel Wisnik podem
ser traduzidos, no âmbito da Biologia, para os diversos
ecossistemas existentes. Neles, os seres vivos ocupam
diferentes nichos, participando do ciclo da matéria.
Dentre os seres abaixo relacionados, aqueles que
devolvem a matéria à sua expressão mais simples, para
reiniciar o ciclo, são os:
a) produtores.
b) herbívoros.
d) respiração.
21. (PUC-SP) Pés de milho e gafanhotos desempenham, em
sua cadeia alimentar, o mesmo papel que é desempenhado, no ambiente aquático, respectivamente, por:
a) fungos e bactérias.
b) algas verdes e algas pardas.
c) zooplâncton e peixes herbívoros.
d) diatomáceas e microcrustáceos.
e) zooplâncton e fitoplâncton.
22. (Fuvest) O modo de nutrição das bactérias é muito
diversificado: existem bactérias fotossintetizantes, que
obtêm energia da luz; bactérias quimiossintetizantes,
que obtêm energia de reações químicas inorgânicas;
bactérias saprofágicas, que se alimentam de matéria
orgânica morta; bactérias parasitas, que se alimentam
de hospedeiros vivos.
Indique a alternativa que relaciona corretamente cada
um dos tipos de bactéria mencionados com sua posição
na cadeia alimentar.
c) decompositores.
d) consumidores de 3.ª ordem.
19. (UFF) O tubarão-baleia e o tubarão-martelo são elasmobrânquios marinhos. O primeiro pode atingir grande
tamanho, sendo considerado um dos maiores animais
existentes, atualmente. Sabe-se que o tubarão-baleia
possui maior disponibilidade alimentar energética do que
o tubarão-martelo. Isso se deve, entre outras razões, ao
fato de o tubarão-baleia situar-se:
EM_V_BIO_019
a) exclusivamente como um animal carnívoro marinho.
b) em um nível trófico superior ao do tubarão-martelo,
na cadeia alimentar.
Fotossin-
Quimiossin-
tetizante
tetizante
Saprofágica
Parasita
a)
Decompositor
Produtor
Consumidor
b)
Consumidor
Consumidor
Decompositor
Decompositor
Consumidor
c)
Produtor
Consumidor
Decompositor
Decompositor
d)
Produtor
Decompositor
Consumidor
Consumidor
e)
Produtor
Produtor
Decompositor
Consumidor
23. (PUC-Rio) No arquipélago das Cagarras, no Rio de Janeiro, ocorrem grandes colônias de gaivotas de três espécies,
que usam seus rochedos como local de nidificação. Elas
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
15
têm como alimentação básica os peixes, não são predadores de animais terrestres e nem utilizam plantas em sua
alimentação. Assim, o que mais se aproxima do conceito
de nicho ecológico ocupado por estas aves é dizer que
seu nicho:
26. (PUC-SP) Analise a cadeia alimentar abaixo:
(I)
FITOPLÂNCTON
(II)
ZOOPLÂNCTON
(III)
PEIXES
(IV)
RAÇÃO DAS GALINHAS
(V)
HOMEM
a) é o mar costeiro, onde obtêm alimento.
b) são as ilhas onde nidificam.
c) é a associação entre as três espécies.
d) é o de predador de peixes na sua comunidade.
e) é o de consumidor primário na sua comunidade.
24. (PUC-Rio) O álcool e a gasolina são combustíveis que,
em última análise, promovem a transformação da energia
solar porque:
a) no refino de ambos, há a necessidade da energia
do sol para transformação da energia química contida nas moléculas orgânicas.
A menor quantidade de energia disponível deve ser
encontrada no nível trófico:
a) I
b) para a fabricação do álcool, é necessária a energia solar para fermentação da glicose, e o refino
do petróleo é constituído de organismos vegetais
fossilizados.
b) II
c) o álcool provém de um vegetal fotossintético, e o
petróleo é um combustível mineral.
e) V
d) o álcool provém de um vegetal fotossintético, e o
petróleo, de florestas fossilizadas.
e) o álcool provém de um vegetal fotossintético, e o
processo de fossilização do petróleo se dá em função de sua oxidação pela energia do sol.
25. (PUC-Campinas) Uma grande área de vegetação foi
devastada e esse fato provocou a emigração de diversas espécies de consumidores primários para uma
comunidade vizinha em equilíbrio. Espera-se que, nessa
comunidade, em um primeiro momento:
a) aumente o número de consumidores secundários e
diminua a competição entre os herbívoros.
b) aumente o número de produtores e diminua a competição entre os carnívoros.
c) aumente o número de herbívoros e aumente a
competição entre os carnívoros.
d) diminua o número de produtores e não se alterem
as populações de consumidores.
e) diminua o número de produtores e aumente a competição entre os herbívoros.
c) III
d) IV
27. (Fuvest) Esquematize duas cadeias alimentares em que
você participe como consumidor primário e terciário,
respectivamente.
28. (PUC-Rio) Quando nos referimos ao ecossistema de um
lago, dois conceitos são muito importantes: o ciclo dos
nutrientes e o fluxo de energia. A energia necessária
aos processos vitais de todos os elementos desse lago
é reintroduzida nesse ecossistema:
a) pela respiração dos produtores.
b) pela captura direta por parte dos consumidores.
c) pelo processo fotossintético.
d) pelo armazenamento da energia nas cadeias tróficas.
e) pela predação de níveis tróficos inferiores.
29. (Unirio) Bactérias e fungos formam o grupo dos decompositores, responsáveis pela reciclagem dos elementos
que formam a matéria orgânica. Eles agem desse modo
porque são organismos:
a) capazes de oxidar a matéria orgânica.
b) procariontes de pequeno tamanho.
d) especializados no uso de seus alimentos.
e) com grande número de espécies.
16
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
c) eucariontes de pequeno tamanho.
30. (Fuvest) Considere o seguinte diagrama que representa
uma pirâmide de números.
d)
Em qual das alternativas estão corretamente relacionados
os organismos indicados no diagrama, na ordem I, II, III
e IV.
e)
a) Jacarandá, larva de borboleta, besouro, coruja.
33. (UFSC) O diagrama seguinte representa uma pirâmide
de energia.
b) Capim, besouro, coruja, rato.
c) Capim, rato, coruja, larva de borboleta.
d) Jacarandá, pássaro, rato, coruja.
e) Jacarandá, larva de borboleta, coruja, rato.
31. (Fuvest) O diagrama a seguir é uma pirâmide de energia.
A largura de cada nível dessa pirâmide, quando analisada
de baixo para cima, representa:
a) a quantidade de energia disponível para o nível trófico seguinte.
b) o número de produtores, consumidores primários e
consumidores secundários, respectivamente.
a) O que representa a largura de cada nível do diagrama?
b) Por que a largura de um nível não pode ser maior
que a do nível abaixo dele?
32. (Unesp) Considere a seguinte cadeia alimentar:
ÁRVORE PULGÕES PROTOZOÁRIOS.
A pirâmide de números que melhor representa essa
cadeia alimentar é:
a)
c) o tamanho dos produtores, consumidores primários
e consumidores secundários, respectivamente.
d) a quantidade de energia perdida, quando se passa
de um nível trófico para o seguinte.
e) a produtividade primária bruta, a produtividade primária líquida e a produtividade secundária líquida,
respectivamente.
34. (PUC-Campinas) Considere:
I. maior acúmulo de energia.
II. maior biomassa.
III. maior número de indivíduos.
b)
Nos primeiros níveis tróficos de um ecossistema no qual
os produtores são gramíneas:
a) ocorre somente I.
b) ocorrem somente I e lI.
c) ocorrem somente I e III.
EM_V_BIO_019
c)
d) ocorrem somente II e III.
e) ocorrem I, II e III.
35. (UFRS) A figura a seguir apresenta uma pirâmide invertida de biomassa, onde os valores representam o peso
seco/m£ em cada nível trófico.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
17
Essa representação indica, necessariamente, que:
a) o número de indivíduos produtores é maior do que
o de indivíduos herbívoros.
Assinale a alternativa que corresponde à cadeia trófica
apresentada.
a) Cana-de-açúcar gafanhoto sapo.
zooplâncton
c) Pitangueira
sabiá
bugio
d) Figueira
e) Eucalipto
abelha
peixe.
verme parasita.
2) Milho
preguiças
ave.
roedores
pulgas
cobras
d) cada indivíduo carnívoro concentra mais energia do
que cada herbívoro ou cada produtor.
e) o conjunto dos carnívoros consome mais energia
do que o conjunto de herbívoros e produtores.
carrapato.
36. (Unesp) Observe, inicialmente, as duas cadeias alimentares:
1) Árvore
c) a energia armazenada no total das moléculas orgânicas é maior no nível dos produtores e menor no
nível dos carnívoros.
protozoários.
gaviões.
Observe os modelos de pirâmides a seguir:
É correto afirmar, com relação às cadeias 1 e 2 e aos
modelos de pirâmides I e II, que
a) a pirâmide I pode representar tanto o número de indivíduos como a quantidade de energia disponível,
em cada nível trófico da cadeia 2.
b) a pirâmide II pode representar tanto o número de
indivíduos como a quantidade de energia disponível, em cada nível trófico da cadeia 1.
c) a pirâmide II pode representar a quantidade de energia disponível em cada nível trófico da cadeia 2.
d) a pirâmide I pode representar o número de indivíduos em cada nível trófico da cadeia 1.
e) a pirâmide I pode representar o número de indivíduos da cadeia 2, e a pirâmide II, a quantidade de
energia disponível em cada nível trófico da cadeia 1.
37. (Fuvest) O esquema representa o fluxo de energia
entre os níveis tróficos (pirâmide de energia) de um
ecossistema.
38. (Elite) Considere: minhoca, capim, coelho, gavião, sapo,
gafanhoto, cobra. Monte uma teia alimentar com no
mínimo três níveis tróficos.
39. (Elite) O esquema a seguir é uma pirâmide ecológica,
onde cada retângulo representa o número de indivíduos que se relacionam numa comunidade através
de alimentação e transferência de energia. Assinale a
alternativa que indica a cadeia alimentar relacionada a
essa pirâmide.
a) Árvore
pulgões
joaninhas
b) Capim
preás
c) Árvore
pulgões
d) Capim
gafanhotos
e) Árvore
líquens
cobras
pássaros.
gaviões.
bactérias
vírus.
aranhas
pulgões
bactérias.
joaninhas.
40. (Unesp) A colonização de uma lagoa recém-formada
se inicia com:
a) plantas vasculares.
b) anfíbios.
c) peixes.
d) decompositores.
e) fitoplâncton.
41. (Fuvest) Observe o mapa a seguir onde estão representadas paisagens brasileiras. Plantas com as partes aéreas
adaptadas para diminuir a perda d’água e árvores de pequeno porte com raízes muito profundas são elementos
característicos da vegetação, nas regiões:
18
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
b) Alga
b) o número de indivíduos carnívoros é maior do que
o de indivíduos produtores.
I. Presença de animais adaptados a correr, saltar ou
escavar e predominância de plantas gramíneas.
II. P resença de animais com hábitos noturnos e plantas xerófitas.
III. Presença de árvores tortuosas e esparsas com
características xeromórficas, porém sem problema
drástico com a relação à água.
IV. Ecossistemas predominantes no Brasil.
As afirmações que melhor caracterizam os ecossistemas
CAMPOS CERRADOS e CAATINGA são:
a) I, II e III.
b) I, II e IV.
a) 4 e 7
c) I e II.
b) 6 e 2
d) II e III.
c) 3 e 6
e) II, III e IV.
d) 2 e 7
e) 4 e 2
42. (Unesp) As queimadas vêm destruindo grande parte
de nossas formações vegetais que ainda constituem
redutos da vegetação primária no país. No entanto, um
tipo de vegetação apresenta alguns mecanismos de
adaptação que possibilitam a sua sobrevivência após o
fogo. Essa formação vegetal é conhecida como:
(CORSON, Walter H. Manual Global de Ecologia. 1993.)
a) Mangue.
b) Mata Atlântica.
c) Mata ciliar.
d) Cerrado.
e) Restinga.
43. (PUC-Campinas) Considere as características a seguir.
I. Epiderme com cutícula espessa.
II. Presença de parênquima aquífero.
III. Presença de lenticelas nas raízes.
IV. Estômatos fechados durante o dia e abertos à noite.
Em regiões secas e áridas, como desertos e caatingas,
é de se esperar que as plantas apresentem:
a) apenas I, II e III.
b) apenas I, II e IV.
c) apenas I, III e IV.
d) apenas II, III e IV.
e) I, II, III e IV.
EM_V_BIO_019
45. (Enem) Apesar da riqueza das florestas tropicais, elas
estão geralmente baseadas em solos inférteis e improdutivos. Grande parte dos nutrientes é armazenada nas folhas
que caem sobre o solo, não no solo propriamente dito.
Quando esse ambiente é intensamente modificado pelo
ser humano, a vegetação desaparece, o ciclo dos nutrientes é alterado e a terra se torna rapidamente infértil.
44. (Mackenzie) Em relação aos ecossistemas brasileiros,
são feitas as afirmações:
No texto anterior, pode parecer uma contradição a
existência de florestas tropicais exuberantes sobre solos
pobres. No entanto, esse fato é explicado pela:
a) profundidade do solo, pois, embora pobre, sua
espessura garante a disponibilidade de nutrientes
para a sustentação dos vegetais da região.
b) boa iluminação das regiões tropicais, uma vez que a
duração regular do dia e da noite garante os ciclos
dos nutrientes nas folhas dos vegetais da região.
c) existência de grande diversidade animal, com número expressivo de populações que, com seus dejetos, fertilizam o solo.
d) capacidade de produção abundante de oxigênio
pelas plantas das florestas tropicais, considerado
os “pulmões do mundo”.
e) rápida reciclagem dos nutrientes potencializada
pelo calor e umidade das florestas tropicais, o que
favorece a vida dos decompositores.
46. (Unesp) Observe o mapa a seguir, onde estão delimitadas as áreas de distribuição de três importantes
ecossistemas brasileiros, I, II e III.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
19
mento dos recursos naturais disponíveis.
c) uma política ambiental suportada pelo desenvolvimento de núcleos rurais com atividades não prejudiciais ao meio ambiente.
d) um desenvolvimento de países do Terceiro Mundo
apoiado pelas grandes potências, desde que apresentem um plano de Educação Ambiental a ser implantado nas escolas de primeiro e segundo graus.
e) ações estatais que sustentem o desenvolvimento
da agricultura na Amazônia, tendo em vista um aumento dos estoques de alimento para o homem.
Leia os três textos seguintes, 1, 2 e 3, que descrevem
características de ecossistemas diferentes.
1. Vegetação composta por árvores de pequeno porte
e arbustos esparsos, tortuosos, de casca grossa,
e por plantas herbáceas, com predominância de
gramíneas. Fauna representada por alguns animais
como o lobo guará, a ema, o tatu-canastra e o tamanduá-bandeira.
2. Vegetação densa, predominantemente composta
por árvores de grande porte, medindo até 20m de
altura, com presença marcante de pteridófitas no
sub-bosque. Fauna representada por alguns animais como o mono-carvoeiro, a jaguatirica, os micos-leões-dourados e da-cara-preta, e a jacutinga.
3. Vegetação composta por árvores baixas e esparsamente distribuídas, arbustos tortuosos com muitos
espinhos e presença marcante de cactáceas. Fauna
representada por pequenos roedores como o preá
e o mocó e aves como as avoantes.
48. (UFMT) O Pantanal mato-grossense é uma planície
periodicamente inundável, onde encontramos várias
espécies faunísticas, algumas abundantes, outras raras
e até ameaçadas de extinção, como por exemplo a arara
azul. Sobre as características da fauna pantaneira, julgue
os itens, assinalando V para verdadeiro e F para falso.
(( ) Os tuiuiús, aves-símbolo do Pantanal, são hermafroditas.
(( ) As capivaras são mamíferos roedores que apresentam membranas interdigitais que facilitam a locomoção na água.
(( ) Os jacarés são répteis que apresentam fecundação
interna e desenvolvimento do filhote fora do corpo
da mãe.
49. (UFMT) A floresta amazônica caracteriza-se pela presença de árvores exuberantes que servem de abrigo e
fonte de alimentos a inúmeros animais, tanto vertebrados quanto invertebrados. Sobre as consequências da
derrubada dessa floresta, julgue os itens, assinalando
V para verdadeiro e F para falso.
A alternativa que relaciona corretamente o nome dos
ecossistemas representados no mapa pelos algarismos
1, 2 e 3, respectivamente, com as características
apresentadas em 1, 2 e 3, é:
a) Cerrados, 2; Manguezais, 3; Caatinga, 1.
(( ) O solo a médio prazo se torna empobrecido, pois os
nutrientes acumulados nas camadas superficiais do
solo são lixiviados.
b) Cerrados, 1; Mata Atlântica, 2; Caatinga, 3.
(( ) O solo extremamente fértil da região garante por
longo período de tempo uma alta produtividade
agrícola.
c) Caatinga, 1; Mata Atlântica, 2; Cerrados, 3.
(( ) A destruição do habitat pode levar à redução da biodiversidade animal.
d) Caatinga, 1; Manguezais, 2; Cerrados, 3.
47. (Fatec) A “ECO-92” realizada no Rio de Janeiro, teve
como tema central o “Desenvolvimento Sustentado”.
Esse tema prevê:
a) um crescimento econômico conciliado com uma
política que garanta a preservação dos ambientes
naturais.
20
b) incentivos governamentais que garantam um desenvolvimento econômico baseado no aproveita-
1. (UFRJ) Uma área foi ocupada por três espécies A, B, C.
Nos gráficos a seguir, o eixo horizontal indica o tamanho das
sementes utilizadas pelas três espécies como alimento. Cada
espécie utiliza uma certa quantidade desses recursos,
indicada pelo comprimento do segmento de reta do eixo
das abscissas delimitado pela curva de cada espécie.
Alguns anos mais tarde, as três espécies continuam
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
e) Pantanal, 1; Mata Atlântica, 2; Caatinga, 3.
na mesma área, mas existem diferenças em relação à
utilização dos recursos.
4. (UFRJ) Um grupo de pesquisadores estudou uma certa
espécie de pássaro e constatou, inicialmente, que as
fêmeas botavam entre dois e oito ovos em seus ninhos.
Para entender melhor a reprodução da espécie, os
pesquisadores verificaram os custos e os benefícios em
energia relacionados ao tamanho da ninhada.
As duas medidas, transformadas em unidades de valor
adaptativo, estão representadas no gráfico a seguir:
a) Pela observação dos gráficos, quais as espécies
que inicialmente têm nichos ecológicos mais diferentes? Justifique sua resposta.
b) Entre quais espécies deve ter havido mais competição pelos recursos do ambiente? Justifique sua
resposta.
2. (Unirio) Em relação ao Potencial Biótico, pode-se afirmar
que corresponde ao(à):
a) início da colonização de um ambiente por uma população.
b) número de indivíduos que entram em uma população.
c) número de indivíduos que saem de uma população.
d) união anatômica entre indivíduos da mesma espécie.
e) capacidade de uma população aumentar o número
de indivíduos em condições ideais.
EM_V_BIO_019
3. (UFRJ) O gráfico a seguir mostra a sobrevivência dos
indivíduos na Europa em relação à idade, em duas épocas diferentes, século XV e século XX. Agora observe
as figuras A e B, que representam a distribuição de
frequências das diferentes faixas etárias de dois países
no século XX:
Qual desses dois países apresenta uma distribuição de
frequências das faixas etárias compatível com a curva de
sobrevivência do país europeu no século XV? Justifique
sua resposta.
Nessas condições, indique o número de ovos que
deve ser observado com mais frequência nos ninhos.
Justifique sua resposta.
5. (UFRJ) O biólogo russo G. F. Gause realizou uma série
de experimentos em laboratório com duas espécies de
protozoários, P. caudatum e P. bursaria. Esses protozoários podem alimentar-se de bactérias e leveduras, mas
um não come o outro.
No primeiro experimento, as duas espécies de
protozoários foram postas num meio líquido e apenas
bactérias foram oferecidas como alimento. Os resultados
desse experimento estão apresentados no gráfico A.
No segundo experimento receberam como alimento
bactérias e leveduras. Os resultados são mostrados no
gráfico B.
a) Que conceito ecológico pode ser deduzido do primeiro experimento?
b) Como podem ser interpretados os resultados do
segundo experimento?
6. (UFF) Em laboratórios de pesquisas, é comum realizarse o cultivo de diferentes micro-organismos, como
protozoários e bactérias. Para tanto, em determinado
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
21
laboratório preparou-se um meio de cultura estéril (livre de contaminantes), contendo, inclusive, os fatores
nutricionais adequados. Em experiência realizada nesse
laboratório e representada no gráfico a seguir, iniciouse o cultivo de uma certa bactéria no instante h = 0,
acompanhando-se o desenvolvimento de sua população
em função do tempo.
a) Assinale, nos parênteses correspondentes, toda
alternativa que, a partir da análise do gráfico, interpreta um aspecto do crescimento dessa população
de bactérias.
(( ) O segmento B representa o período no qual ocorreu
a maior taxa de multiplicação das bactérias.
(( ) No segmento C, o índice de crescimento da população é igual a 1.
(( ) No segmento D, o índice de crescimento da população é menor que 1.
b) Explique cada escolha feita no item anterior, considerando as alterações ocorridas no meio de cultura
durante a experiência.
7.
(Enem) Ao longo do século XX, a taxa de variação na
população do Brasil foi sempre positiva (crescimento).
Essa taxa leva em consideração o número de nascimentos (N), o número de mortes (M), o de emigrantes (E)
e o de imigrantes (I) por unidade de tempo.
Com base no esquema, uma classe de alunos procurou
identificar a possível existência de competição alimentar
entre essas aves e concluiu que:
a) não há competição entre os quatro tipos de aves
porque nem todas elas se alimentam nos mesmos
locais.
b) não há competição apenas entre as aves dos tipos
1, 2 e 4 porque retiram alimentos de locais exclusivos.
c) há competição porque a ave do tipo 3 se alimenta
em todos os lugares e, portanto, compete com todas as demais.
d) há competição apenas entre as aves 2 e 4 porque
retiram grande quantidade de alimentos de um
mesmo local.
e) n.d.a.
9. (UFRJ) Em uma ilha, durante nove anos, foi observada a variação do número de indivíduos de uma
espécie de mamífero. Os resultados são mostrados no
gráfico abaixo. A capacidade de suporte do ambiente é
o número de indivíduos de uma espécie que um dado
ambiente pode manter.
É correto afirmar que, no século XX:
a) M > I + E + N
b) N + I > M + E
c) N + E > M + I
d) M + N < E + I
e) N < M – I + E
22
No gráfico há duas linhas pontilhadas “a” e “b”. Qual
delas representa a real capacidade de suporte do
ambiente? Justifique sua resposta.
EM_V_BIO_019
8. (Enem) O esquema a seguir representa os diversos
meios em que se alimentam aves, de diferentes espécies,
que fazem ninho na mesma região.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
10. (UERJ) Traíras são predadoras naturais dos lambaris.
Acompanhou-se, em uma pequena lagoa, a evolução da
densidade populacional dessas duas espécies de peixes.
Tais populações, inicialmente em equilíbrio, sofreram
notáveis alterações após o início da pesca predatória
da traíra, na mesma lagoa.
12. (UFF) Dados obtidos em expedições científicas que
fizeram um levantamento da fauna e flora oceânicas
– desde o litoral até as regiões abissais – permitiram
estimar a densidade da população de vários seres
marinhos, em função da profundidade média em que
foram coletados.
Esse fato pode ser observado no gráfico abaixo, em
que a curva 1 representa a variação da densidade
populacional da traíra.
Alguns dos gráficos seguintes foram elaborados a partir
de informações obtidas nessas expedições.
A curva que representa a variação da densidade
populacional de lambaris é a de número:
a) 2
b) 3
Dentre esses gráficos, identifique o mais compatível,
respectivamente, com a distribuição populacional de:
a) peixes em geral;
b) fitoplâncton.
Justifique sua resposta.
c) 4
d) 5
11. (UERJ) Em uma experiência de laboratório, células de
uma bactéria de crescimento rápido foram inoculadas
em um frasco contendo meio de cultura adequado.
Ao longo de um período de 20 horas, foram medidas, a
intervalos regulares, entre outras variáveis, a densidade
populacional e a velocidade de crescimento. Os gráficos
abaixo representam os valores medidos.
13. Em uma população de aborígenes australianos de
uma comunidade muito fechada, existem 16 mulheres e 8 homens. Considerando que cada homem
possa casar com duas mulheres, quantos casais
distintos podem ser formados.
14. (UNB) Em um experimento realizado com duas espécies
de protozoários do mesmo nível trófico, o crescimento
das populações de cada uma das espécies, em um meio
de cultura, foi registrado em duas situações diferentes:
com as duas espécies em separado e com as duas espécies juntas. Os resultados obtidos são apresentados
nos gráficos adiante.
EM_V_BIO_019
a) Sabendo que o gráfico 3 representa a densidade
populacional, indique o gráfico que representa a
velocidade de crescimento da bactéria, que é definida como o número de novas bactérias formadas
por minuto.
b) Explique como a velocidade de crescimento varia
em função da concentração de nutrientes, nas condições experimentais citadas.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
23
(1)As duas espécies não coexistem, no experimento,
porque possuem tamanhos de população diferentes quando crescem no meio em separado.
(2)A população da espécie II diminuiu, quando junto
com a espécie I, porque esgotaram-se os recursos
do meio de cultura.
15. (Unicamp) Pesquisadores tem encontrado altas concentrações de DDT, um inseticida não-biodegradável, que se
acumula no meio ambiente, em tecidos de focas e leões
marinhos de regiões polares onde ele nunca foi usado.
Utilizando seus conhecimentos de ecologia, explique
como esse fato pode ocorrer.
16. (Unirio)
Presa
preá
sabiá
Alimento
da presa
folhas
insetos, frutos e
sementes
Predadores
gavião
gavião
louva-a-deus, rã, lagarto,
sabiá, aranha
louva-a-deus
insetos
rã, lagarto, sabiá
lagarto
insetos, aranhas
gavião
rã
insetos
jararaca, gavião
jararaca
rãs
gavião
insetos
folhas
(CLEFFI, N. M., 1986. Adaptado.)
Em relação a esse experimento, julgue os seguintes
itens.
(0)A capacidade de suporte da espécie I é maior que
a da espécie II.
a) Construa, com os organismos da tabela, uma cadeia alimentar que tenha o gavião como consumidor de quarta ordem.
b) A que nível trófico pertence cada um dos animais
da cadeia que você construiu?
c) Que organismo da tabela pode ser tanto consumidor de primeira ordem como de segunda ordem?
19. (Unicamp) O Sr. Epaminondas é vegetariano e tem uma
fazendinha “ecológica”, onde planta soja e verduras, além
de criar coelhos, rãs, tilápias e minhocas.
b) digestão e respiração.
c) fotossíntese e digestão.
d) fotossíntese e decomposição.
e) respiração e decomposição.
17. (Fuvest) Numa comunidade, organismos X realizam reações que liberam nitrogênio atmosférico(N); organismos
Y digerem quitina; organismos Z realizam reações que
liberam oxigênio gasoso(O2) e os organismos W não
contêm pigmentos fotoativos e produzem amilase.
a) Qual o papel desempenhado pelos organismos X,
Y, Z e W nas cadeias alimentares das quais participam?
b) Considerando que outros seres vivos sejam introduzidos nessa comunidade, que alimentos (X, Y,
Z ou W) lhes fornecerão maior quantidade de biomassa?
18. (Unicamp) A tabela a seguir mostra relações entre
organismos de uma comunidade.
24
Por que cadeias com 8 ou 10 níveis tróficos são muito
pouco frequentes?
21. (Unicamp) O gráfico da figura I mostra a distribuição de
três espécies de esquilos que vivem nas mesmas árvores
de uma floresta, e o da figura II mostra os alimentos
preferidos por essas espécies.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
O esquema anterior representa os fluxos de energia e
de matéria que se processam no ecossistema, a unidade
básica da natureza. Assim, os processos essenciais que
mantêm essa dinâmica são:
a) digestão e decomposição.
Depois da colheita da soja, o sitiante incorpora os restos
vegetais no terreno, pois ele sabe a importância dos
micro-organismos no solo. Os restos das verduras vão
para a alimentação dos coelhos. O esterco dos coelhos
vai para o canteiro onde ele cria minhocas. Neste, além
das minhocas que são usadas para a alimentação das
rãs, criam-se naturalmente muitos caramujos, que são
jogados todos os dias nos tanques de criação das
tilápias.
Certas coisas têm preocupado ultimamente o Sr. Epaminondas, pois surgem com frequência alguns pássaros, como os bem-te-vis, que predam minhocas e rãs.
Aparecem, também, cobras que se alimentam de rãs
e ovos dos bem-te-vis, além de gaviões que predam
tilápias e cobras.
Utilizando as relações indicadas no texto, elabore uma
possível cadeia alimentar contendo quatro níveis tróficos,
sendo um de detritívoro e três de consumidores.
20. (UFRJ) Nas cerca de 120 redes tróficas estudadas até
hoje, o número de níveis tróficos (planta – herbívoro –
carnívoro primário – etc.) é, muito frequentemente, igual
ou inferior a quatro.
a) Com base nas informações fornecidas pelas figuras, dê dois motivos que expliquem por que as três
espécies podem coexistir no mesmo ambiente.
b) Supondo que uma quarta espécie de esquilo fosse
introduzida no mesmo local, explique como essa
espécie poderia coexistir nesse ambiente.
22. (UFRJ) As figuras A e B representam esquematicamente a entrada de energia em dois ecossistemas.
A energia que entra é igual nos dois ecossistemas e se
divide de forma desigual; nas figuras, a espessura das
setas é proporcional à quantidade de energia.
Um dos ecossistemas é agrícola, formado por milho e
arroz, o outro é uma floresta tropical primária.
Indentifique o ecossistema agrícola. Justifique sua
resposta.
23. (UFRJ) Dada a distribuição de nutrientes descrita nas
figuras abaixo e sabendo que a pluviosidade média anual
é maior na zona tropical, em que zona diminuiria mais
rapidamente a produtividade de plantações instaladas,
após a retirada das árvores originais para utilização
comercial da madeira? Justifique sua resposta.
24. (UERJ) Os três pássaros abaixo, identificados pelas
letras A, B e C, coexistem na mesma floresta. Cada um
deles se alimenta de insetos que vivem em locais diferentes da mesma árvore, indicados pelos círculos.
(COX, C. Barry; MOORE, Peter D. Biogeography. London: Blackwell
Science, 1993.)
a) Indique o tipo de relação ecológica existente entre
esses pássaros e os insetos.
b) Explique o fato de não existir competição direta entre os pássaros.
25. (UFF) Considere a cadeia alimentar constituída às
margens de uma lagoa pelos seres representados na
figura a seguir.
Referindo-se a cada elemento, quando for o caso, por
meio da numeração indicada na figura, identifique:
a) o nível trófico de cada elemento;
b) os níveis tróficos nos quais se encontram, respectivamente, o maior e o menor grau de energia;
c) o nível trófico que não foi representado na figura.
26. (UERJ) IBAMA RECEBE ALERTA SOBRE O RISCO
DE UM DESASTRE ECOLÓGICO EM ÁREAS DE
QUEIMADA.
“Empregados da fazenda Felicidade, em Mato Grosso,
observam gado morto pelo incêndio que destrói
pastagem e matas no estado e não para de avançar.”
EM_V_BIO_019
(O Globo, 30 de ago. 1998. )
Na descrição anterior, podemos encontrar um consumidor primário da cadeia alimentar de pastagem. Esse
consumidor tem como representante:
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
25
a) o gado.
a) Pode-se dizer que foi a falta de luz que fez com que
os peixes ficassem cegos? Explique sua resposta
do ponto de vista evolutivo.
b) a mata.
c) o capim.
d) o homem.
27. (Fuvest) Numa comunidade interagem três populações, constituindo uma cadeia alimentar: produtores,
consumidores primários e consumidores secundários.
Um fator externo provocou o extermínio da população
carnívora no tempo X.
c) Construa uma cadeia alimentar de três níveis tróficos que pode ocorrer em cavernas, utilizando as
informações do texto.
29. (UERJ) Na maioria dos casos, a energia de um ecossistema origina-se da energia solar.
A figura a seguir mostra alguns seres componentes do
ecossistema de um lago.
.
O gráfico que representa o comportamento da população
de herbívoros, a partir de X, é:
a)
b) No texto são citadas adaptações que permitem aos
animais sobreviverem nesse ambiente. Identifique
uma delas e explique a sua função.
.
b)
c)
.
Considere que, no lago, existam quatro diferentes
espécies de peixes. Cada uma dessas espécies se
alimenta exclusivamente de um dos quatro componentes
indicados.
O peixe que teria melhores condições de desenvolvimento, em função da disponibilidade energética, seria o que
se alimentasse de:
a) algas.
.
d)
e)
b) insetos.
.
c) copépodes.
28. (Unicamp) A fauna de fundo de cavernas é caracterizada
por turbelários, minhocas, sanguessugas, muitos crustáceos e insetos, aracnídeos e caramujos. Os vertebrados
são representados por peixes, salamandras e morcegos.
Os morcegos se refugiam na caverna durante o dia.
Geralmente os animais são despigmentados e os peixes
são cegos. Muitos insetos, miriápodes e aracnídeos têm
pernas e antenas desmesuradas, não raro densamente
revestidas de cerdas. Alguns besouros têm cerdas
distribuídas pelo corpo todo. A umidade constante é
de especial importância; geralmente os animais são
estenotermos. O alimento é raro, a escuridão é completa,
faltam vegetais.
30. A cadeia alimentar formada pelas espécies da Amazônia é muito complexa. Isso demonstra a grande
biodiversidade existente. Qual o interesse que os
países desenvolvidos possuem na Amazônia, a
ponto de constantemente pesquisadores e contrabandistas estrangeiros estarem sendo detidos pela
Polícia Federal, contrabandeando insetos e plantas
para fora do país?
(LEITÃO, C. de M. Zoogeografia do Brasil. São Paulo: Companhia
26
Editora Nacional, 1943. Adaptado.)
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
d) crustáceos.
31. A tabela a seguir mostra medidas, em massa seca por
metro quadrado (g/m2), dos componentes de diversos
níveis tróficos em um dado ecossistema.
Níveis tróficos
Massa seca (g/m²)
Produtores
809
Consumidores primários
37
Consumidores secundários
11
Consumidores terciários
1,5
a) Por que se usa a massa seca por unidade de área
(g/m£), e não a massa fresca, para comparar os organismos encontrados nos diversos níveis tróficos?
b) Explique por que a massa seca diminui progressivamente em cada nível trófico.
c) Nesse ecossistema, identifique os níveis tróficos
ocupados por cobras, gafanhotos, musgos e sapos.
32. (Cesgranrio) O esquema a seguir representa uma cadeia,
onde os indivíduos estão relacionados pela transferência
de alimentos em perfeito equilíbrio no ecossistema.
34. (UEL) Considere a pirâmide de números a seguir, e
assinale a alternativa da tabela que corresponde à pirâmide representada.
Produtor
Consumidor
primário
Consumidor
secundário
a)
capinzal
cabras
homem
b)
milharal
ratos
gaviões
c)
árvore
girafas
piolhos
d)
capinzal
carneiros
carrapatos
e)
fitoplâncton
zooplâncton
peixes
35. (Fatec) Os inseticidas clorados são muito estáveis e permanecem nos ecossistemas por muito tempo. Em uma
cadeia alimentar, uma parte da biomassa é transferida de
um nível trófico para outro, e outra parte é consumida. No
entanto, as perdas dos compostos clorados ao longo da
cadeia alimentar são pequenas em relação a quantidade
transferida, havendo assim um efeito acumulativo.
Na pirâmide de biomassa representada a seguir, a
concentração de DDT é maior no nível
Assinale a opção que apresenta a sequência que poderia
representar essa cadeia.
a) Vegetais grilos louva-a-deus rãs.
b) Árvore
c) Capinzal
pulgões
preás
crustáceos
d) Algas
maiores.
e) Capim
boi
joaninhas
pulgas
aranhas.
bactérias.
peixes menores
carrapatos
peixes
anuns.
33. (UEL)Considere os seguintes esquemas de pirâmides ecológicas.
a) 1
b) 2
c) 3
d) 4
e) 5
Pirâmides de energia podem ter o formato de, apenas,
a) I.
36. (Cesgranrio) A pirâmide ecológica que representa os
níveis tróficos de um ecossistema pode apresentar-se
invertida, como mostra o esquema a seguir:
EM_V_BIO_019
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
27
b) a quantidade de parasitas numa plantação.
39. (Unifesp) Considere as definições seguintes.
c) a quantidade de matéria orgânica presente no corpo dos seres vivos.
I. P irâmide de números: expressa o número de indivíduos por nível trófico.
d) a quantidade de energia que é transferida para
cada elo da cadeia.
II. P irâmide de biomassa: expressa a massa seca
(“peso seco”) de matéria orgânica por nível trófico
(g/m£).
e) a biomassa do fitoplâncton em relação à do zooplâncton.
37. (UFRN) Professor Astrogildo combinou com seus alunos
visitar uma região onde ocorria extração de minério
a céu aberto, com a intenção de mostrar os efeitos
ambientais produzidos por aquela atividade. Durante
o trajeto, professor Astrogildo ia propondo desafios a
partir das situações do dia-a-dia vivenciadas ao longo
do passeio. Algumas das questões propostas por professor Astrogildo estão apresentadas a seguir para que
você responda.
Professor Astrogildo chamou atenção para a quantidade
de biomassa que era produzida atualmente, dizendo
que isso alterava as pirâmides ecológicas da região.
Quando comparadas com as pirâmides que havia antes
da exploração do minério, uma característica observada
seria a:
a) maior densidade populacional de predadores.
b) menor conversão de energia solar.
c) base mais larga na pirâmide de energia.
d) extinção dos consumidores primários.
38. (Unirio) As pirâmides ecológicas podem ser de números,
de biomassa ou de energia.
28
e) o nível trófico correspondente aos produtores é representado pelo retângulo de maior área, em quaisquer das três pirâmides.
III. Pirâmide de energia: expressa a energia acumulada
por nível trófico (kJ/m£).
Se o fluxo de energia no Cerrado brasileiro for representado por esses três tipos de pirâmides, o resultado obtido
quanto à forma de cada uma será:
40. (Elite) Por que a base de uma pirâmide de energia tem
que ser sempre maior do que o ápice da pirâmide. E o
que ela representa?
41. (Elite) As pirâmides representam graficamente as
cadeias alimentares. Por que a pirâmide de biomassa
normalmente é representada de maneira semelhante a
pirâmide de energia?
Observando as pirâmides simplificadas representadas
acima, podemos concluir que:
a) as três formas podem representar qualquer tipo
de pirâmide, dependendo apenas das populações
consideradas.
42. Considerando que em um nível trófico a matéria
orgânica tenha armazenado 500cal, quanto isso
representa em joules?
b) somente a pirâmide I pode ser de energia porque
levando em conta o tempo, sua forma não pode se
apresentar invertida.
43. (UFRJ) Bactérias e fungos encontrados na natureza
são agentes causadores de problemas para a saúde
dos seres humanos.
c) a pirâmide II não pode ser de biomassa porque
ocorre grande perda na transferência de um nível
trófico para outro.
Suponha a descoberta de uma droga com uma ação
bactericida e fungicida extremamente eficaz e destituída
de toxicidade para animais e plantas. Imagine que
essa droga fosse espalhada por toda a superfície da
Terra, causando assim a completa extinção de fungos
e bactérias.
d) a pirâmide III poderia ser uma pirâmide de números
cujos níveis tróficos seriam grama/zebras/carrapatos.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
Essa situação só NÃO pode ocorrer quando esses níveis
tróficos representarem:
a) o número de indivíduos presentes no ecossistema.
O que aconteceria com a produtividade primária (taxa
de fotossíntese) dos ecossistemas? Justifique sua
resposta.
44. (Unesp) Considerando um ecossistema aquático, em
processo de sucessão ecológica, responda:
a) O que ocorre com a biomassa desse ecossistema
durante o processo de sucessão?
b) Quando a comunidade atingirá o clímax?
45. (Unicamp) A poluição atmosférica de Cubatão continua
provocando efeitos negativos na vegetação da Serra do
Mar, mesmo após a instalação de filtros nas indústrias na
década de 1980. Nos locais onde houve destruição total,
a mata está se recompondo, mas com uma vegetação
diferente da mata atlântica original.
a) Considerando que a mata está se recompondo
através de um processo natural de sucessão secundária, quais são as etapas esperadas nesse
processo?
b) Cite duas características típicas da Mata Atlântica.
46. (Fuvest) Considere dois estágios, X e Y, de um processo
de sucessão ecológica.
No estágio X, há maior biomassa e maior variedade de
nichos ecológicos.
No estágio Y, há maior concentração de espécies pioneiras
e a comunidade está sujeita a variações mais intensas.
a) Qual dos dois estágios representa uma comunidade clímax?
48. (Unicamp) Os manguezais são comuns às zonas litorâneas de países tropicais e subtropicais, como o Brasil.
Dentre as diversas adaptações ao ambiente aí encontradas, existe um curioso caso de “viviparidade” entre
os vegetais. Indique duas outras adaptações típicas de
vegetais de manguezais e explique as suas funções.
49. (Unicamp) Escreve James W. Wells em Três Mil Milhas
Através do Brasil:
“A aparência desta vegetação lembra um pomar de
frutas mirrado na Inglaterra; as árvores ficam bem
distantes uma das outras, ananicadas no tamanho,
extremamente retorcidas tanto de troncos quanto de
galhos, e a casca de muitas variedades lembra muito
a cortiça; a folhagem é geralmente seca, dura, áspera
e quebradiça; as árvores resistem igualmente ao calor,
frio, seca ou chuva [...]”.
a) A que tipo de formação vegetal brasileira o texto
se refere?
b) Qual é a principal causa do aspecto “ananicado”
das árvores?
c) Qual é a principal causa do aspecto da casca?
d) Cite outra característica importante das plantas
dessa formação vegetal que não esteja descrita no
texto. A que se deve essa característica?
50. (Fuvest) Duas plantas da mesma espécie, que vivem em
ambientes distintos, apresentam folhas morfologicamente
diferentes, representadas nas figuras A e B.
b) Em qual dos estágios há maior biodiversidade? Justifique sua resposta.
c) Descreva o balanço entre a incorporação e a liberação de carbono nos estágios X e Y.
47. (Unicamp) Mapas de vegetação, como o apresentado
a seguir, fornecem a distribuição supostamente original
das formações vegetais brasileiras. Identifique, através
dos números, as regiões de Mata Atlântica, Cerrado e
Caatinga, mencionando um aspecto da vegetação que
caracteriza cada uma dessas formações.
a) Indique, justificando, qual das folhas corresponde à
planta que vive em campo aberto e qual corresponde à planta que vive no interior de uma floresta.
EM_V_BIO_019
b) Se recortarmos um quadrado de mesma área de
cada uma dessas folhas e extrairmos a clorofila,
de qual amostra se espera obter maior quantidade
desse pigmento? Por quê?
51. (Unicamp) Parques zoológicos são comuns nas grandes
cidades e atraem muitos visitantes. O da cidade de São
Paulo é o maior do Estado e está localizado em uma área
de Mata Atlântica original que abriga animais nativos
silvestres vivendo livremente. Existem ainda 444 espécies de animais, entre mamíferos, aves, répteis, anfíbios
e invertebrados, nativos e exóticos (de outras regiões),
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
29
(Disponível em: <www.zoologico.sp.gov.br>. Adaptado.)
a) Como podem ser diferenciados os marsupiais entre
os mamíferos?
b) As aves apresentam características em comum com
os répteis, dos quais os zoólogos acreditam que elas
tenham se originado. Mencione duas dessas características.
c) Entre os animais exóticos desse zoológico estão zebras, girafas, leões e antílopes. Que ambiente deve
ter sido criado no zoológico para ser semelhante ao
habitat natural desses animais? Dê duas características desse ambiente.
52. (Unirio) “Em relação ao que foi outrora, nossa terra
transformou-se num esqueleto de um corpo descarnado
pela doença. As partes gordas e macias desapareceram
e tudo o que resta é a carcaça nua.”
(Platão)
Apesar do constante movimento do homem em direção
à simplificação e à destruição dos ecossistemas, já notado por Platão no século IV antes de Cristo, a natureza
apresenta mecanismos contrários a essa tendência. Os
impactos, sejam antrópicos ou naturais, são absorvidos,
e a natureza tende a se reestruturar, atingindo o máximo
de complexidade que o ambiente permitir. Como exemplo de reestruturação de ecossistemas há o processo
de assoreamento em pequenas lagoas, ilustrado nas
etapas do esquema a seguir.
a2 – Como se denomina a etapa IV?
a3 – Se esse processo ocorresse em uma ilha vulcânica recém-formada, que organismo poderia iniciar
uma nova comunidade?
b) A produtividade líquida de um ecossistema é determinada pela biomassa acumulada ao longo de
um período, sendo resultado da diferença entre a
taxa fotossintética e a taxa de respiração. Sabendose que a produtividade líquida varia ao longo do
processo, qual deve ser a proporção entre as taxas
fotossintética e de respiração quando esse processo atingir a última etapa?
53. O território brasileiro apresenta vários biomas e
características hidrográficas muito peculiares. O
chamado rio da integração nacional , o Rio São Francisco, corta vários estados brasileiros e está sendo
considerado como uma alternativa para a irrigação
do Nordeste. Nesse rio existe uma das primeiras
hidroelétricas brasileiras. Como se denomina essa
hidroelétrica e como o rio seria usado para o processo de irrigação nordestino?
54. (Unicamp) Em um frasco (Fig. I) contendo uma cultura
estável (clímax) de uma comunidade constituída de seis
espécies de organismos microscópicos planctônicos
(ver legenda), foi acrescentada uma certa quantidade
do mesmo meio de cultura, dando início a uma nova
sucessão ecológica. Após 7, 15 e 22 dias (Figs. II, III
e IV, respectivamente) foram analisados o número de
indivíduos de cada espécie, a produção líquida por
biomassa (P/B) e a diversidade de espécies. (Obs:
espécies com número menor que 100 indivíduos não
estão representadas nas figuras dos frascos).
a) Analise a sequência de etapas e responda:
30
a1 – Qual o nome que se dá à substituição de comunidades que ocorre ao longo do processo?
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
confinados em recintos semelhantes ao seu habitat
natural. Entre os animais livres presentes na mata do
Parque zoológico, podem ser citados mamíferos como
o bugio (primata) e o gambá (marsupial), aves como o
tucano-de-bico-verde e, entre os répteis, o teiú.
a) Que curva do gráfico acima representa a relação
P/B e que curva representa a diversidade de espécies? Explique.
EM_V_BIO_019
b) Indique uma situação possível de ocorrer na natureza que corresponda a esse experimento.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
31
16. D
17.
2. D
3. B
4. C
5. E
6. A
b) Esses organismos são os responsáveis pela reciclagem dos nutrientes nos ecossistemas terrestres.
18. C
19. E
8. C
Comentário: As gramíneas e os fitoplânctons são fotossintetizadores. Logo são considerados produtores.
20. C
9. D
21. D
10. A
22. E
11. D
23. D
12. D
14. B
Comentário: Isso porque à medida que o nível trófico
fica mais alto, a matéria orgânica é consumida para
produzir energia.
24. D
15. D
25. E
7.
A
13. E
32
a) O
s fungos são organismos decompositores. Os
urubus e as minhocas são organismos que se alimentam de matéria em decomposição.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
1. A
26. E
49. V, V, F
Comentário: Quanto maior o nível de uma cadeia maior
a sua perda energética. Logo o último nível apresentará
menor energia.
27.
1.
Alface → Homem
Alga Microcrustáceo
28. C
Peixe
a) Entre A e C, pois não se verifica a sobreposição das
curvas no nicho nos gráficos.
Homem
b) Entre A e B, pois as curvas se sobrepunham no primeiro gráfico e depois a abrangência das sementes
coletadas por B diminuiu.
29. A
30. A
2. E
31.
a) Quantidade de energia disponível para o nível trófico seguinte.
b) A energia sempre diminui na passagem dos níveis
tróficos. O fluxo de energia é unidirecional.
32. B
3. O país da figura A. Na Europa do séc. XV, a falta de
higiene, a fome e uma assistência médica deficiente
provocavam grandes taxas de mortalidade causando
diferenças acentuadas entre as primeiras classes de
idade e diminuindo a expectativa de vida.
35. B
4. O número deverá ser 5. O valor adaptativo final é a diferença entre benefícios e custos. A maior diferença é
observada nos ninhos com cinco ovos; logo, a seleção
natural deverá favorecer os casais que tenham uma prole
de cinco indivíduos.
36. A
5.
33. A
34. A
37. C
a) O
experimento demonstra conceito de exclusão
competitiva. As duas espécies de protozoários
competem por uma única fonte de alimento, as
bactérias. Nessas condições, P. caudatum é competitivamente superior e eliminou P. bursaria.
38.
gavião
sapo
gafanhoto
cobra
b) No segundo experimento há duas fontes de alimento; provavelmente, cada espécie explora com mais
eficiência uma das fontes de alimento, e as duas
espécies podem viver juntas, pois não exploram o
mesmo nicho.
coelho
6.
capim
39. A
40. E
41. E
42. D
43. B
44. D
45. E
EM_V_BIO_019
46. B
47. A
48. F, F, V
minhoca
a) O segmento B representa o período no qual ocorreu maior taxa de multiplicação de bactérias.
No segmento C, o índice de crescimento da população é igual a 1.
No segmento D, o índice de crescimento da população é menor que 1.
b) Em B ocorre maior taxa de multiplicação, pois existem nutrientes em concentrações adequadas para
o crescimento elevado.
Em C o índice de crescimento é igual a 1 porque o
crescimento da população está limitado pelo meio,
tendo em vista a existência de menor concentração
de nutrientes em função do grande número de bactérias presentes.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
33
Em D, o índice de crescimento é menor do que 1,
pois o meio encontra-se com insufuciência de nutrientes e com grande quantidade de resíduos tóxicos produzidos pelas bactérias, o que resulta em
alta mortalidade bacteriana.
Obs.: índice de crescimento é a razão entre a taxa
de natalidade e a taxa de mortalidade.
B
8. E
Não se pode afirmar se há competição entre as aves que
se alimentam em uma mesma região sem conhecer os
tipos de alimentos que consomem.
9. A linha a. No sétimo ano, a população ultrapassou o limite
“a” que é capacidade de suporte do ambiente, como
consequência, ocorreu, uma grande mortalidade na
população, devido à deterioração do ambiente, levando
a espécie praticamente à extinção.
Como focas e leões-marinhos estão no final da teia
alimentar apresentam maior concentração de D.D.T.
em seus tecidos.
16. D
17.
a) O
s organismos X que liberam N para a atmosfera,
são bactérias desnitrificantes; Y, que pode digerir
quitina, é consumidor secundário, já que se alimenta de insetos; Z é vegetal porque pode liberar O2
e W são seres que se comportam como consumidores primários, pois podem digerir com auxílio da
enzima amilase, o amido acumulado nos vegetais.
10. D
b) Os organismos que podem fornecer a maior quantidade de biomassa são os vegetais (Z), porque
produzem matéria orgânica por fotossíntese.
11.
a) Gráfico 1.
b) A velocidade de crescimento aumenta enquanto
há nutrientes disponíveis, diminuindo à medida que
esses nutrientes se tornam escassos.
18.
a) folhas
b) Gráfico 1 – O fitoplâncton é encontrado em zonas
de até 200 metros de profundidade. Em zonas de
maior profundidade, ocorre escassez de luz, o que
impede a fotossíntese e proliferação desses organismos.
13. Como cada homem pode casar com 2 mulheres, teremos
uma combinação de 16 dois a dois.
Ou seja para cada homem = C 16
Como existem 8 homens, teremos 8 . C216
14. O item 0 está correto. O item 1 e 2 estão incorretos por
que o tamanho da população em separado não interfere
no experimento e o segundo item por que a população
de I não diminuiu e sim a de II. O que ocorreu foi uma
superposição de nicho ecológico com competição por
exclusão.
2
34
15. O DDT normalmente é utilizado em ecossistemas terrestres como defensivo agrícola. As chuvas carregam esse
louva-a-deus
sabiá
gavião
b) Insetos são consumidores de primeira ordem, louva-a-deus é consumidor de segunda ordem, sabiá
é consumidor de terceira ordem e o gavião é consumidor de quarta ordem.
12.
a) Gráfico 3 – Os peixes, em geral, distribuem-se em
maior número no ambiente marinho com até 200
metros de profundidade. Essa maior densidade populacional deve-se à maior riqueza em plâncton,
nécton e bentos, que servem de alimentos para
muitas espécies de peixes. No entanto, peixes são
encontrados em outras regiões mais profundas, até
mesmo nas zonas abissais.
insetos
c) Sabiá.
19. Minhocas
rãs
pássaros
cobras
20. Por causa da disseminação da energia que vai se
dissipando ao longo da cadeis alimentar.
21.
a) Os esquilos vivem em diferentes alturas do extrato
arbóreo e o tipo de alimento é variado nessas espécies, porque ocupam nichos ecológicos diferentes.
b) Poderia coexistir com as outras espécies se ocupar
outro nicho ecológico.
22. A figura A representa o que acontece num ecossistema
agrícola. Nesse tipo de ecossistemas, a planta cresce
rapidamente e a biomassa das raízes e dos troncos é
pequena. Por esse motivo, uma quantidade relativamente
pequena de energia é consumida na respiração.
No ecossistema B, por outro lado, a massa das raízes e
dos troncos é maior, fazendo com que a maior parte da
energia produzida seja consumida na respiração.
23. Na zona tropical, pois a maior parte dos nutrientes está
localizada nas plantas. Esses nutrientes seriam retirados
junto com a madeira, restando na região um colo muito
pobre para agricultura.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
7.
agrotóxico não-biodegradável que tem efeito cumulativo
para os rios que desembocam nos estuários e é incorporado à teia alimentar marinha através do plâncton que
serve de alimento aos peixes. Estes, num deslocamento
migratório, chegam ao polo norte onde são devorados
pelas focas e leões-marinhos.
24.
c) Musgos: produtores.
a) Predatismo.
Gafanhotos: consumidores primários.
b) Os pássaros em questão exploram diferentes microambientes. O pássaro A consome os insetos das
folhas, o pássaro B se alimenta dos insetos dos pecíolos e C é predador dos insetos que se localizam
nos ramos principais.
Sapos: consumidores secundários.
25.
a) Produtores – número 3.
Consumidores primários – número 2.
Consumidores secundários – número 4.
Consumidores terciários – número 1.
b) Maior energia – número 3.
Menor energia – número 1.
c) D
ecompositores representados por bactérias e
fungos.
Cobras: consumidores terciários.
32. C
Comentário: A forma da pirâmide revela a presença de
parasitas na cadeia alimentar.
33. B
Comentário: em uma pirâmide de energia, a base
tem que ser sempre maior do que o ápice e os níveis
devem diminuir, devido à perda energética ao longo
da cadeia.
34. C
35. E
Comentário: Devido ao fenônemo da bioacumulação.
36. D
26. A
37. B
27. C
38. B
28.
Comentário: A extração de minério a céu aberto provoca
o desmatamento, diminuindo a atividade fotossintérica,
o que resulta na menor captura de energia.
39. A
a) A
falta de luz não pode fazer com que os peixes fiquem cegos. Esta seria uma explicação lamarckista,
ou seja, o ser vivo pode se modificar ativamente em
resposta às mudanças ambientais. O ambiente escuro das caverna selecionou os peixes cegos. Tais
peixes devem apresentar outras características que
os adaptam muito bem a esse tipo de ambiente.
b) Pernas desmesuradas permitem aos animais cavernícolas o deslocamento rápido com a finalidade de
atacar e evadir-se de predadores; abundância de
cerdas determinam grande capacidade de percepção sensorial do ambiente escuro de cavernas.
c) Crustáceos
Peixes
Sanguessugas.
40. A pirâmide de energia representa a quantidade de
energia ( em forma de matéria orgãnica) disponível para
o ser do próximo nível trófico.
41. Porque a transferência de energia através dos níveis
tróficos de uma cadeia alimentar é feita através da
matéria orgânica (biomassa). Logo, a representação é
semelhante, pois cada nível representa o teor de energia
contido na matéria orgânica.
42.
Se 1cal -------- 4,18J
29. A
30. A biodiversidade amazônica desperta interesse principalmente pelas indústrias farmacêuticas, devido à pesquisa
de novos fármacos a partir de espécies da fauna e flora
amazônica. A partir da identificação dessas substâncias,
a patente para a fabricação de novos medicamentos
torna-se propriedade dessas indústrias.
31.
EM_V_BIO_019
a) O
teor de água varia muito de acordo com o tipo de
organismo nos diferentes níveis tróficos. Por isso, a
massa seca reflete melhor o teor de matéria orgânica presente em cada nível.
b) A quantidade de matéria diminui porque uma parte
é convertida em energia. O restante é incorporado
e fica disponível para o nível trófico seguinte.
500cal --------- x
Logo:
X = 2,090 J ou 2,09 kJ
43. A produtividade primária bruta se reduziria até cessar.
A vegetação não teria nenhuma fonte de matéria para
poder continuar a produção fotossintética.
44.
a) Aumenta.
b) Atingirá o estágio clímax no momento em que a produtividade for igual ao consumo, ou seja, as taxas
de fotossíntese e respiração sejam equivalentes.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
35
45.
50.
Ecese - instalação de organismos pioneiros.
a) A folha indicada pela figura B indica uma planta que
vive em campo aberto, pois estas possuem folhas
com menor superfície para evitar a transpiração
excessiva. A figura A indica uma folha de vegetal
habitante de floresta, já que apresenta maior superfície adaptada ao melhor aproveitamento de luz.
Sere - alterações frequentes na composição da comunidade, tornando-a cada vez mais complexa.
Clímax - biomassa estável, em equilíbrio dinâmico.
b) São características da vegetação da Mata Atlântica:
b) A folha A possui maior quantidade de clorofila. Em
ambientes menos iluminados a produção dos pigmentos fotossintetizantes aumenta para intensificar
a captação de luz.
–– biodiversidade elevada;
–– numerosas epífitas como bromélias, orquídeas, e
lianas;
–– plantas higrofíticas adaptadas à grande umidade;
51.
–– árvores de grande porte;
a) Apresentam placenta primitiva, presença de marsúpio (bolsa) com glândulas mamárias.
–– plantas com folhas largas;
–– plantas pereniformes que não perdem suas folhas.
b) Ovo com casca calcárea, âmnion, córion, alantoide,
respiração pulmonar, tecido com queratina e fecundação interna.
a) X
c) Savana, que se caracteriza por vegetação predominantemente rasteira e diferenciação evidente entre
estação seca e chuvosa.
46.
b) Há maior diversidade no estágio X. Na comunidade
clímax há o maior número possível de nichos ecológicos.
52.
c) Em X há equilíbrio entre a produtividade e o consumo. Em Y a produtividade é maior do que o consumo, pois representa os estágios iniciais da sucessão ecológica.
a1)Sucessão ecológica.
a2)Comunidade clímax.
a3)Cianobactéria / líquens.
47.
Mata Atlântica (6) – muita umidade, possui vegetação densa, com musgos, samambaias e árvores.
Cerrado (2) – vegetação rasteira com galhos retorcidos devido à pobreza do solo em nutrientes.
Caatinga (5) – arbustos retorcidos, vegetação rasteira e cactáceas (plantas xerófitas), devido à aridez
do solo.
48. Presença de raízes aéreas (Pneumatóforos) para a respiração e também raízes adventícias para a sustentação
do vegetal em solo lodoso.
49.
a) Cerrado.
b) Deficiência de nutrientes minerais, associada à riqueza em alumínio.
36
c) Pouca disponibilidade de nitrogênio no solo, que
resulta em síntese proteica deficiente. Desse modo,
a síntese orgânica é dirigida para a produção de
carboidratos e lipídios, respectivamente celulose e
suberina, resultando em casca de espessura maior.
b) taxa de respiração = taxa de fotossíntese = 1
(um).
53. A hidroelétrica de Paulo Afonso. A transposição das
águas do Rio São Francisco através de canais iria irrigar
o semiárido nordestino. Porém, várias pesquisas geográficas apontam problemas, como o volume das águas
que seria muito afetado por ocasião da época da seca.
54.
a) A curva A representa a diversidade das espécies.
Durante a sucessão ecológica verifica-se um aumento do número de espécies ao longo do tempo
até o estágio clímax. Nessa fase observa-se a maior
biodiversidade. A curva B representa a produção
líquida de matéria orgânica (P/B), que é alta no início da sucessão, diminui à medida que esta ocorre
e atinge o mínimo no estágio clímax.
b) O experimento representa uma sucessão secundária. Na natureza, poderá ocorrer numa região onde
os seres vivos foram eliminados naturalmente ou
pela ação humana. Ex.: uma floresta destruída pela
ação do fogo, a recuperação da mata após a queda
de uma árvore de grande porte etc.
Esse material é parte integrante do Aulas Particulares on-line do IESDE BRASIL S/A,
mais informações www.aulasparticularesiesde.com.br
EM_V_BIO_019
a) Durante a recomposição da mata, devastada por
um processo natural de sucessão ecológica, as fases são:
d) Presença de raízes profundas, que representam uma
adaptação à captação de água em lençóis freáticos
localizados a grandes distâncias da superfície.
Download
Random flashcards
paulo

2 Cartões paulonetgbi

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Matemática

2 Cartões Elma gomes

Criar flashcards