Programação Recine 2010

Propaganda
RECINE 2010
Movimentos da Música Brasileira no Cinema
Grade de programação
DIA 25 DE OUTUBRO DE 2010 - Segunda-feira
18h - Pátio
Lançamento da Revista RECINE nº 7 – Luz, câmera: a música
brasileira
Apresentações:
Duo Villa-Rio
15 min.
Coral do Arquivo Nacional – Odeon, de Ernesto Nazareth
10 min.
Dança do Maxixe, com Marcelinho e Clara Beatriz
10 min.
Balé Afro Contemporâneo
15 min.
20h - Sessão de abertura
Berço do samba, mostra de fotos do FMIS/RJ (Fundação Museu
da Imagem e do Som) e do Arquivo Nacional
31 min.
Todos os caminhos levam à música, produção do Arquivo
Nacional
Brasil, 16 min., 2010
Apanhei-te cavaquinho – parte 1, de Ivan Dias
Portugal, 60 min., 2010
Obra em progresso do documentário cuja proposta é juntar os
retalhos de uma enorme manta musical que vai desde Portugal ao
Brasil com passagens pelo Havaí, Madeira, Indonésia, Cabo Verde
e Malásia. Este pequeno “braguinha”, como era conhecido o
pequeno instrumento oriundo da cidade de Braga, no norte de
Portugal, correu o mundo que os portugueses foram desbravando.
A viagem começa no Brasil, por ser o país onde o cavaquinho se
revelou em todo o seu esplendor virtuoso.
DIA 26 DE OUTUBRO DE 2010 – Terça-feira
09h30: Mostra Informativa – Auditório
Brasileirinho, de Mika Kaurismäki
Brasil, 90 min., 2007
O choro e suas origens, passando por shows, rodas de choro e
músicos que tocam em cartões postais do Rio de Janeiro. O
filme traça um retrato dos rumos que o popular chorinho tomou,
fazendo um registro atual e mostrando quem são os novos
adeptos desse gênero musical.
É Candeia, de Márcia Watzl
Brasil, 79 min., 2010
Antônio Candeia Filho deixou uma obra considerável ao morrer
em 1978, com apenas 43 anos. Este documentário mostra os
ensaios da peça É samba na veia, é Candeia, que homenageia o
sofisticado compositor e letrista de coração portelense, que
sempre defendeu a cultura afro-brasileira.
Paulinho da Viola – Meu tempo é hoje, de Izabel Jaguaribe
Brasil, 83 min., 2003
A rotina, os hábitos e as reflexões do cantor, compositor e
instrumentista Paulinho da Viola, que nos apresenta seus
mestres, amigos e suas influências musicais. Roteiro de Zuenir
Ventura.
10h às 18h: Cine Cave 1
Berço do samba, mostra de fotos do FMIS/RJ (Fundação
Museu da Imagem e do Som) e do Arquivo Nacional
Mostra Informativa – Cine Cave 2
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
O rap do Pequeno Príncipe contra as almas sebosas, de
Marcelo Luna e Paulo Caldas
Brasil, 75 min., 2000
Dois jovens moradores de uma mesma periferia sobrevivem
com armas diferentes: o revólver e o instrumento musical. Os
dois são opostos e ao mesmo tempo iguais na condição de filhos
de uma guerra social silenciosa travada diariamente nas
grandes cidades brasileiras.
Funk Rio, de Sérgio Goldenberg
Brasil, 46 min., 1994
Quatro jovens do subúrbio do Rio de Janeiro apresentam o
universo do funk carioca, suas ligações com a marginalidade, a
música e a dança desta tribo que está criando um novo código
estético e cultural.
Aqui favela, o rap representa, de Júnia Torres e Rodrigo
Siqueira
Brasil, 82 min., 2003
Uma viagem pelos caminhos por onde se constrói o movimento
hip hop em São Paulo e Belo Horizonte, os jovens que integram
o movimento e algumas de suas principais expressões, como
Thaíde e Mano Brown, além de África Bannbaataa, Nelson
Triunfo, Lady Rap, entre outros.
Rap de saia, de Janaína Oliveira
Brasil, 18 min., 2006
O rap é um estilo musical que ainda pode ser considerado
majoritariamente masculino. Mas há muitas mulheres que
rimam, discotecam e produzem beats, passando sua mensagem
em vários lugares do globo. O filme é um registro de diversos
grupos de rap com mulheres no comando.
Mostra Informativa – Cine Cave 3
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Nasci para bailar, de Tetê Morais
Brasil, 53 min., 2009
João Donato e seu trio (Robertinho Silva, Luiz Alves e Ricardo
Pontes) participam do Festival Internacional de Jazz em Havana,
onde encontram renomados músicos cubanos. Com seu
inconfundível estilo e balanço, João Donato faz uma alegre e
criativa mistura entre bossa nova, ritmos caribenhos e jazz.
No estranho planeta dos seres audiovisuais – Episódio
Sonoros, de Paulinho Caruso e Teodoro Poppovic
Brasil, 30 min., 2008
Episódio de uma série sobre o audiovisual, reúne entrevistas
com compositores de trilhas sonoras para TV e cinema.
Coisa mais linda, de Paulo Thiago
Brasil, 129 min., 2005
Painel histórico, musical e informativo sobre o nascimento da
bossa nova nos anos 50. O movimento musical atingiu o ápice
em 1962, quando se internacionalizou definitivamente em um
concerto do Carnegie Hall, em Nova York. Entrevistas e
apresentações exclusivas de Roberto Menescal, Carlos Lyra,
João Donato, Alaíde Costa, Johnny Alf e Billy Blanco.
Mostra Informativa – Cine Cave 4
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Nem tudo é verdade, de Rogério Sganzerla
Brasil, 95 min., 1986
A visita do cineasta americano Orson Welles ao Brasil, em 1942,
para filmar um documentário provocou um grande rebuliço.
Welles se encantou com o país e acabou não conseguindo
terminar o filme por discordância de seus produtores. Sganzerla
reconstitui essa visita e mostra algumas das belas imagens
captadas por Welles.
O cantor das multidões, de Oswaldo Caldeira
Brasil, 30 min., 1969
Orlando Silva, ídolo da Era de Ouro do rádio brasileiro, conta
sua história. Personalidades da música e do rádio dão
depoimentos sobre a carreira do cantor.
Maxixe, a dança perdida, de Alex Viany
Brasil, 33 min., 1979
Popularíssimo nos anos 10 e 20, o maxixe sofreu preconceitos
por ser muito ousado para a época. Mas, depois da
popularização do samba, o gênero acabou por cair no
esquecimento.
Dor secreta, de Luiz Carlos Lacerda
Brasil, 12 min., 1980
Reconstituição da vida do compositor Ernesto Nazareth, autor
de mais de duzentas composições, um dos gênios da música
brasileira. Considerado um grande intérprete de Chopin,
Nazareth acabou pobre, deprimido e internado num hospício.
Tira os óculos e recolhe o homem, de André Luiz Sampaio
Brasil, 20 min., 2008
Gibi cinematográfico: filme de breque baseado em fatos reais,
duplamente protagonizado por Jards Macalé, simultaneamente
interpretando a si mesmo e incorporando o mitológico Kid
Morengueira.
Partido alto, de Leon Hirszman
Brasil, 22 min., 1982
Com raízes na batucada baiana, o partido alto é uma forma livre
de expressão e comunicação imediata, com versos simples e
improvisados, de acordo com a inspiração de cada um. Uma
forma de comunhão, reunindo sambistas em qualquer lugar e
hora pelo simples prazer de se divertir.
Mostra Informativa – Cine Cave
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Jeca Tatu, de Milton Amaral
Brasil, 95 min., 1959
Mazzaropi interpreta o personagem criado por Monteiro Lobato,
um caipira preguiçoso que, para não perder sua terra, precisa
driblar latifundiários gananciosos. Na trilha do filme, músicas
cantadas por Lana Bittencourt, Agnaldo Rayol, Tony Campello e
o próprio Mazzaropi.
Luiz Gonzaga, a luz dos sertões, de Rose Maria
Brasil, 38 min., 1999
A história e a obra do Rei do Baião através de depoimentos,
com locações no sertão de Pernambuco, Ceará, São Paulo e Rio
de Janeiro.
14h: Fórum de Debates – Auditório
Palestra As relações da música popular com o cinema
brasileiro
José Ramos Tinhorão
16h30: Mostra Competitiva – Auditório
Maria, Maria, de Renato Vallone
Brasil, 5 min., 2010
Ensaio sobre infância e memória a partir de uma investigação
poética de arquivos pessoais e não pessoais. Um convite à
investigação sincera, intimista e alegórica de uma vaidade em
nome da invenção individual sobre o tempo e o afeto. É também
um recado universal para um futuro particular.
Mário Filho, o criador das multidões, de Oscar Maron Filho
Brasil, 78 min., 2010
Homenagem a Mário Filho, criador da mitologia do futebol
brasileiro e o maior cronista esportivo de todos os tempos.
Cenas dos grandes clássicos e ídolos do futebol no Estádio Mário
Filho, o Maracanã, e entrevistas com personalidades como seu
irmão Nelson Rodrigues, que o homenageou com o jargão O
criador de multidões.
Nem tudo é passageiro, de Anthony Ravoni
Brasil, 5 min., 2010
Uma viagem de bonde pelas memórias e a história do bairro de
Santa Teresa, no Rio de Janeiro.
Um José, de Denise Munhoz
Brasil, 5 min., 2010
O filme apresenta imagens da destruição da setecentista Igreja
de São Pedro, para a construção da av. Presidente Vargas, no
Rio. José, personagem genérico, é gradativamente identificado
como o padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830),
considerado o primeiro compositor das Américas no seu tempo.
Tanto José como a Igreja de São Pedro, local onde foi
sepultado, estão hoje no esquecimento.
Inezita Barroso, a voz e a viola, de Guilherme Alpendre
Brasil, 63 min., 2009
Um passeio pela história da cantora, a primeira-dama da música
caipira brasileira. Inezita acompanhou os dias de glória do
Teatro Brasileiro de Comédia, o surgimento da companhia de
cinema Vera Cruz, a época de ouro do rádio e a chegada da
televisão. A voz de graves potentes já entoou quase todos os
ritmos que servem de base à música popular brasileira.
Vanja, mulher rendeira, de Juliana Major
Brasil, 20 min., 2009
A partir de depoimentos pessoais e de personalidades como o
pesquisador Hernani Heffner e o crítico de música Ricardo Cravo
Albin, o documentário traça a trajetória da atriz e cantora Vanja
Orico. Uma homenagem à eterna cangaceira e grande intérprete
do sucesso Mulher rendeira.
Divina, de Ethel Oliveira
Brasil, 5 min., 2010
Poesia audiovisual para uma das maiores cantoras brasileiras de
todos os tempos, Elizeth Cardoso.
20h: Mostra Informativa – Pátio
Nelson Cavaquinho, de Leon Hirszman
Brasil, 13 min., 1969
Nelson em sua casa, no bar, na vizinhança, cantando e
dedilhando o violão; Hirszman captou o compositor na sua
rotina simples de poeta do povo. Um retrato afetivo para ser
apreciado pelos fãs da música brasileira.
Cartola, música para os olhos, de Lírio Ferreira e Hilton
Lacerda
Brasil, 85 min., 2005
A história do samba segundo um dos seus expoentes mais
nobres. Utilizando linguagem fragmentada, o filme descreve um
painel da formação cultural do Brasil.
DIA 27 DE OUTUBRO DE 2010 – Quarta-feira
09h30: Mostra Informativa – Auditório
Waldick, sempre no meu coração, de Patrícia Pillar
Brasil, 58 min., 2007
Saindo de Caitité, no sertão baiano, Waldick Soriano encarou
uma dura trajetória de vida até o estrelato. Lavrador,
garimpeiro e engraxate, tornou-se ídolo popular nos anos 60 e
70. Autor de mais de 700 canções, Waldick assina uma obra que
se confunde com sua própria vida.
Jackson do Pandeiro, uma identidade nacional, de Érico
Sátyro e Gilson Renato
Brasil, 15 min., 2008
Depoimentos de artistas, amigos, parentes e estudiosos, além
de imagens e falas do próprio Jackson, o Rei do Ritmo,
referência da música nordestina que influenciou vários artistas e
movimentos da música brasileira.
Nordeste: cordel, repente e canção, de Tânia Quaresma
Brasil, 68 min., 1975
Documentário que fala sobre as manifestações da arte popular
no Nordeste brasileiro: a literatura de cordel; o repente,
tradicional desafio musical e verbal, no qual dois cantores
improvisam os versos rimados; e a interação disso tudo com a
população.
Fados, de Carlos Saura
Portugal e Espanha, 90 min., 2007
O gênero musical mais emblemático da alma portuguesa, o
fado, tendo Lisboa como cenário. O filme explora as relações
profundas entre a música e a cidade, e traça a evolução desta
música, das origens africanas e brasileiras à nova geração de
fadistas.
10h às 18h: Cine Cave 1
Berço do samba, mostra de fotos do FMIS/RJ (Fundação
Museu da Imagem e do Som) e do Arquivo Nacional
Mostra Informativa – Cine Cave 2
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Roberto Carlos em ritmo de aventura, de Roberto Farias
Brasil, 90 min., 1967
Inspirados nos filmes dos Beatles, nossos astros da Jovem
Guarda também estrelaram filmes com muita música, aventura
e romantismo. O disco com a trilha sonora deste filme foi um
campeão de vendas na época.
Cazuza, o tempo não para, de Sandra Werneck e Walter
Carvalho
Brasil, 98 min., 2004
Cinebiografia do cantor e compositor Cazuza, morto em 1990.
Reproduz o ambiente da juventude dos anos 80 no Rio de
Janeiro, com trilha sonora repleta de sucessos de Cazuza. Uma
das maiores bilheterias do cinema brasileiro nos últimos anos.
Com Daniel Oliveira, Marieta Severo e Reginaldo Faria.
Infinita Tropicália, de Adilson Ruiz
Brasil, 35 min., 1985
O movimento tropicalista assimilou e reproduziu os conceitos da
antropofagia cultural inaugurada por Oswald de Andrade. Neste
polêmico filme, o maestro Júlio Medaglia dá um dos
depoimentos sobre o Tropicalismo, entremeado pelas músicas
da época.
Mostra Informativa – Cine Cave 3
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Alquimistas do som, de Renato Levi
Brasil, 26 min., 2003
Documentário sobre a experimentação na música popular
brasileira, com Egberto Gismonti, Tom Zé, Arrigo Barnabé,
Carlos Rennó, Júlio Medaglia, Lenine e Arnaldo Antunes.
Contratempo, de Malu Mader e Mini Kerti
Brasil, 91 min., 2009
Um grupo de jovens de comunidades pobres no Rio de Janeiro
busca, em um projeto social ligado à música chamado VillaLobinhos, um meio de melhorar de vida.
Brasil, de Rogério Sganzerla
Brasil, 13 min., 1981
Captado durante a gravação do décimo disco de João Gilberto,
no cinquentenário de seu nascimento. A execução do disco em
diferentes fases e distâncias, registradas em contraponto com
flashes de personalidades da vida nacional, representa uma
situação limite e indaga: o que é o Brasil? O que é o brasileiro?
Palavra encantada, de Helena Solberg
Brasil, 86 min., 2009
A história do cancioneiro brasileiro com um olhar especial para a
relação entre poesia e música. Dos poetas provençais ao rap, do
carnaval de rua aos poetas do morro, da bossa nova ao
tropicalismo, costurando performances musicais, imagens e
depoimentos de nomes como Arnaldo Antunes, Chico Buarque,
Lenine, entre outros.
Mostra Informativa – Cine Cave 4
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Coruja, de Márcia Derraik e Simplício Neto
Brasil, 15 min., 2001
O sambista Bezerra da Silva cantava a dura realidade do morro
e prestigiava compositores anônimos, que transformavam o dia
a dia nas favelas em crônicas bem humoradas na voz de
Bezerra.
Álbum de música, de Sérgio Sanz
Brasil, 14 min., 1974
Nara Leão, Gilberto Gil, Jards Macalé e Nelson Motta falam sobre
a música popular brasileira, do choro ao surgimento da
propositada mistura sugerida pelo Tropicalismo e da primeira
geração pós-bossa nova. Músicas de Pixinguinha, Almirante,
Ismael Silva, Nelson Cavaquinho e Cartola.
Alma carioca, um choro de menino, de William Cogo
Brasil, 5 min., 2002
Filme de animação que narra a aventura de um menino que vive
na Zona Portuária do Rio de Janeiro da década de 20 e
testemunha o surgimento do choro, convivendo com pioneiros
do gênero como Pixinguinha.
Noitada de samba, de Carlos Tourinho e Clóvis Scarpino
Brasil, 19 min., 1977
As noitadas de samba do Teatro Opinião realizadas no final dos
anos 70, frequentadas por Cartola, Nelson Cavaquinho,
Clementina de Jesus, entre outros, são lembradas neste
documentário. Projeto de Jorge Coutinho e Leonides Bayer, os
shows tinham a intenção de levar para a Zona Sul os sambistas
dos morros e subúrbios cariocas.
Sem essa aranha, de Rogério Sganzerla
Brasil, 102 min., 1970
Números musicais com Moreira da Silva e Luiz Gonzaga fazem
parte desta eletrizante chanchada psicodélica, em 15 planossequência de tirar o fôlego e enquadrados com estilo pela
câmera de Edson Santos.
Beber, conversar e se der cantar, de Adriano C. Batista e
Francisco Bragança
Brasil, 28 min., 2007
Remanescentes de um clã musical que escreveu as primeiras
páginas da história boêmia de Niterói, grupo de amigos se reúne
em um bar para cantar clássicos da música brasileira e
relembrar grandes músicos.
No tempo de Miltinho, de André Weller
Brasil, 17 min., 2008
O inconfundível estilo de Miltinho é comentado em entrevistas,
apresentações musicais e imagens de arquivo. Elza Soares,
Zeca Pagodinho e Peri Ribeiro falam de sua admiração pelo
mestre do sambalanço, um intérprete original.
Conversa de botequim, de Luiz Carlos Lacerda
Brasil, 10 min., 1972
João da Baiana é o personagem principal deste documentário,
mostrado em sua intimidade, lembrando as origens do samba,
as perseguições e os preconceitos sofridos no passado.
Participação especial de Donga e Pixinguinha.
Chorinhos e chorões, de Antônio Carlos da Fontoura
Brasil, 11 min., 1974
Um histórico do choro, gênero derivado da polca, que surgiu no
final do século XIX. Fontoura visitou alguns expoentes do choro
para mostrar a riqueza dessa música cultivada por gênios como
Pixinguinha, Benedito Lacerda, Luperce Miranda e Jacob do
Bandolim.
Mostra Informativa – Cine Cave 5
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Minha viola e eu: Zé Côco do Riachão, de Waldir de Pina
Brasil, 15 min., 2003
A vida e a obra do violeiro, rabequeiro e luthier mineiro Zé Côco
do Riachão. O próprio artista dá seu depoimento, lembrando a
vida na roça.
Baile perfumado, de Lírio Ferreira e Paulo Caldas
Brasil, 93 min., 1997
Filme de ficção que conta a saga do libanês Benjamin Abrahão
(Duda Mamberti), mascate responsável pelas únicas imagens de
Lampião vivo. Destaque para a trilha sonora composta por
manguebeat, ritmo musical surgido em Recife nos anos 90.
Viva volta, de Heloísa Passos
Brasil, 15 min., 2005
Documentário sobre o trombonista Raul de Souza que, desde
1971, vive em Paris e sofre com a falta de reconhecimento em
seu próprio país. Com o som do seu trombone ao fundo, o filme
leva o músico de volta a Bangu, na cidade do Rio de Janeiro, e
reconstrói sua trajetória.
Bahia, por exemplo, de Rex Schindler
Brasil, 82 min., 1971
Uma viagem a Salvador que mostra personagens, artistas,
festas, candomblés e capoeiras. Gal Costa, Dorival Caymmi,
Gilberto Gil e Caetano Veloso apresentam números musicais.
Trajetória do frevo, de Fernando Spencer
Brasil, 9 min., 1988
As origens políticas e sociais do frevo a partir do século XIX.
Conta ainda com ilustrações do desenhista Antônio Clériston e
narração do poeta paraibano Jommard Muniz de Brito.
14h: Fórum de Debates – Auditório
Mesa 1: Memória da música brasileira – Pesquisadores
Debatedores
- Edinha Diniz – Socióloga, autora da biografia da maestrina
Chiquinha Gonzaga
- Charles Gavin – Músico, produtor e colecionador de discos
raros
- José Ramos Tinhorão – Jornalista, crítico musical, colecionador.
Autor de mais de vinte livros sobre música e cultura brasileira
- João Máximo – Jornalista, escritor e colunista do jornal O
Globo. Escreveu em parceria com Carlos Didier a biografia de
Noel Rosa
- Humberto Franceschi – Fotógrafo e autor de livros sobre
tecnologia de gravação sonora no Brasil
- Mediação: Anna Paes, professora, pesquisadora, violonista e
cantora
16h30: Mostra Competitiva – Auditório
Mãos e registros, de Bernardo de Paola
Brasil, 5 min., 2010
Um breve ensaio sobre a manipulação de imagens e sons.
Os japoneses no Vale da Ribeira, de Chico Guariba
Brasil, 48 min., 2010
Os imigrantes japoneses e seus descendentes ajudaram a
reconstruir uma região que parecia abandonada à própria sorte.
Pessoas que viveram essa história contam as dificuldades que
enfrentaram em uma terra que era muito diferente da que
estavam acostumados.
Felicidade fragmento, de Tiago Machado
Brasil, 5 min., 2010
O que é felicidade para você? As pessoas conseguem alcançar a
felicidade? Fragmentos e depoimentos sobre a eterna procura
do homem.
Onde está o ditador?, de Sílvia Rachel
Brasil, 5 min., 2010
Trata-se de uma pequena brincadeira sobre os muitos tipos de
ditadores do nosso pequeno planeta Terra.
O homem que engarrafava nuvens, de Lírio Ferreira
Brasil, 105 min., 2008
Cinebiografia de Humberto Teixeira, o “Doutor do Baião”,
compositor de inúmeros sucessos de nossa música como Asa
Branca, Baião de dois etc., interpretados por grandes nomes
como Luiz Gonzaga, Carmélia Alves, entre outros.
20h: Mostra Informativa – Pátio
Os Mutantes, de Antônio Carlos da Fontoura
Brasil, 7 min., 1970
O filme acompanha a espontaneidade e a irreverência de
Arnaldo Baptista, Sérgio Dias e Rita Lee num passeio pela
cidade de São Paulo. Na trilha, os sucessos da banda.
Uma noite em 67, de Renato Terra e Ricardo Calil
Brasil, 93 min., 2010
Um convite para viver a final do Festival da Record que mudou
os rumos da MPB. No palco, os jovens Chico Buarque, Caetano
Veloso, Gilberto Gil, Roberto Carlos, Edu Lobo e Sérgio Ricardo.
E só um deles sairia vencedor.
DIA 28 DE OUTUBRO DE 2010 – Quinta-feira
09h30: Mostra Informativa – Auditório
Herbert de perto, de Roberto Berliner e Pedro Bronz
Brasil, 97 min., 2006
Nos anos 80 surgiram novos grupos de rock vindos de Brasília,
dentre eles o Paralamas do Sucesso. Com depoimentos de Bi
Ribeiro, João Barone, Gilberto Gil, amigos e parentes, o
documentário conta a história de Herbert Vianna, líder da
banda, com imagens dos anos 60 até os dias atuais, passando
pelo trágico acidente de ultraleve sofrido em 2001.
O mundo é uma cabeça, de Bidu Queiroz e Cláudio Barroso
Brasil, 17 min., 2004
Registro do movimento musical pernambucano manguebeat.
Chico Science, o líder da banda Nação Zumbi, conduz o
documentário a bordo do seu automóvel, mostrando a noite na
cidade de Recife.
Os Doces Bárbaros, de Jom Tob Azulay
Brasil, 100 min., 1978
Em 1976, Maria Bethânia, Gilberto Gil, Gal Costa e Caetano
Veloso se juntaram para se apresentar nas principais cidades
brasileiras. Além do show, o filme mostra os ensaios, os fãs, a
intimidade dos camarins e a repercussão que um incidente
policial com os músicos causou na imprensa.
Tim Maia, de Flávio R. Tambellini
Brasil, 14 min., 1986
Genial, controvertido, maluco, Tim Maia era uma figura especial,
renovadora e talentosa da música brasileira. O filme, numa
linguagem antiacadêmica, mistura seu papo com sua música,
deixando a montagem fluir no swing de Tim.
10h às 18h: Cine Cave 1
Berço do samba, mostra de fotos do FMIS/RJ (Fundação
Museu da Imagem e do Som) e do Arquivo Nacional
Mostra Informativa – Cine Cave 2
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Fabricando Tom Zé, de Décio Matos Jr.
Brasil, 90 min., 2007
Nascido em Irará, no interior da Bahia, Tom Zé integrou o
movimento tropicalista, mas passou anos no esquecimento,
sendo redescoberto nos anos 80 pelo músico britânico David
Byrne. Desde então, Tom Zé tem uma carreira sólida no
exterior, onde se tornou mais popular do que no Brasil.
Meu nome é Gal, de Antônio Carlos da Fontoura
Brasil, 13 min., 1970
Gal Costa, aos 24 anos, canta, toca violão e dirige seu Fusca.
Começava ali, em 1969, a carreira de uma das maiores cantoras
brasileiras.
Favela on blast, de Leandro HBL e Wesley Pentz
Brasil, 80 min., 2009
Favela On Blast foca o baile funk no Rio de Janeiro: sua música,
seus personagens e a favela, local onde nasceu e onde,
geralmente, acontece.
Mostra Informativa – Cine Cave 3
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Villa-Lobos, uma vida de paixão, de Zelito Viana
Brasil, 130 min., 2000
A vida do mais importante compositor e maestro brasileiro,
desde a sua infância até os últimos anos de vida, já consagrado
em sua carreira. Antônio Fagundes e Marcos Palmeira
interpretam Villa-Lobos na maturidade e na juventude,
respectivamente. Com Letícia Spiller e Ana Beatriz Nogueira.
O tempo e o som, de Walter Lima Jr. e Bruno Barreto
Brasil, 12 min., 1970
A bossa nova, movimento renovador da música popular
brasileira, através de seus principais compositores e
admiradores: Tom Jobim, João Gilberto, Johnny Alf, Carlos Lyra,
Roberto Menescal, Ronaldo Bôscoli, Vinícius de Moraes, Baden
Powell, Caetano e Gil.
Kseni, a estrangeira, de Jocy de Oliveira
Brasil, 72 min., 2006
“Kseni” quer dizer “A estrangeira” em grego. Alguém que vem
de outro lugar, de outra cultura, que pensa de outra maneira e
luta pelo direito de ser diferente. A ópera aborda conflitos
eternos, numa reflexão sobre o mito de Medeia, que se
transporta à realidade cultural e política do mundo em que
vivemos hoje.
Mostra Informativa – Cine Cave 4
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Quando o carnaval chegar, de Cacá Diegues
Brasil, 100 min., 1972
Cinco artistas de uma trupe (entre eles Chico Buarque, Maria
Bethânia e Nara Leão) têm a chance de se apresentar em
homenagem a um rei que chegará ao Rio para o carnaval.
Crises internas impedem que o show aconteça, mas eles voltam
a se reunir em shows mambembes, esperando pelo carnaval.
Pixinguinha e a Velha Guarda do samba, de Ricardo Dias e
Thomaz Farkas
Brasil, 10 min., 2007
Em abril de 1954, nos festejos do 4º Centenário de São Paulo,
Thomaz Farkas filmou uma apresentação de Pixinguinha com a
Velha Guarda do samba. O filme recupera esse material perdido
por cinquenta anos.
Heitor dos Prazeres, de Antônio Carlos da Fontoura
Brasil, 13 min., 1965
Memórias do sambista popular e pintor naif Heitor dos Prazeres
em seu atelier na Cidade Nova, bairro decadente do Rio de
Janeiro. No fim da vida, Heitor sobrevivia de seus sambas, seus
quadros e suas recordações.
Carnaval Atlântida, de José Carlos Burle
Brasil, 95 min., 1952
Xenofontes, um sisudo professor de mitologia grega, é
contratado pelo produtor Cecílio B. de Milho como consultor da
adaptação do clássico Helena de Troia para o cinema. Ao mesmo
tempo, dois empregados do estúdio que trabalham como
faxineiros sonham em transformar o épico grego numa comédia
carnavalesca.
Moreira da Silva, de Ivan Cardoso
Brasil, 10 min., 1973
O compositor e cantor carioca Antônio Moreira da Silva, o
popular Kid Morengueira, inventor do samba de breque, em
plena forma aos setenta anos, de terno de linho branco e
chapéu panamá, interpretando seus sucessos nos locais
frequentados pela antiga malandragem, como o Morro de São
Carlos, o cinema Íris e a gafieira Elite.
Chega de demanda, Cartola, de Roberto Moura
Brasil, 10 min., 1974
Fundador da Estação Primeira de Mangueira, Cartola tem sua
vida e sua música marcadas pela comunidade da Mangueira. A
transformação da escola em ponto de atração turística trouxe
mudanças à vida na comunidade e ao samba.
Mostra Informativa – Cine Cave 5
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Modinhas de Goiás, de Roberto Corrêa, Juliana Saenger e
Ponto de Cultura COEPI
Brasil, 30 min., 2007
Documentário que conta com a participação de dezenas de
artistas das três cidades onde a pesquisa foi feita. Os músicos
dão depoimentos, tocam e cantam 15 canções, demonstrando
como é forte a presença da modinha na música goiana.
A pessoa é para o que nasce, de Roberto Berliner
Brasil, 6 min., 1997
Três irmãs cegas de Campina Grande, Paraíba, cantam e tocam
ganzá em feiras do Nordeste para ganhar a vida. O cotidiano
destas mulheres indica um Brasil culturalmente mais rico do que
o reconhecido pela mídia. Talentos à margem da indústria
cultural.
Maracatu, maracatus, de Marcelo Gomes
Brasil, 14 min., 1995
As diferenças culturais entre as várias gerações de integrantes
do maracatu rural, ritual afro-indígena que tem suas origens nos
engenhos de açúcar de Pernambuco.
João do Vale, muita gente desconhece, de Werinton Kermes
e Francisca Alencar
Brasil, 25 min., 2005
Documentário sobre João Batista do Vale, o poeta do povo,
compositor de pérolas da MPB como Carcará, Carolina, Na asa
do vento, entre outras. O filme mostra João em seus últimos
anos de vida, vivendo em sua terra natal.
Padre mestre, de Ney Costa Santos
Brasil, 14 min., 1996
Como pode um padre negro, cheio de filhos, no Rio colonial do
início do século XIX, longe dos centros musicais e das
partituras, criar uma obra de tão grande valor? Um filme sobre
José Maurício Nunes Garcia.
Dois filhos de Francisco, de Breno Silveira
Brasil, 132 min., 2005
Cinebiografia dos cantores Zezé de Camargo e Luciano, que
formam uma das duplas sertanejas mais populares do Brasil.
Filme recordista de bilheteria, relembra belas canções do
interior do país.
14h: Fórum de Debates – Auditório
Mesa 2: Memória da Música Brasileira – Instituições
Debatedores
- Ana de Hollanda, vice-presidente do Museu da Imagem e do
Som
- Francisco Bosco, coordenador da Rádio Batuta, do Instituto
Moreira Salles
- Cristiano Menezes, gerente regional de rádio da Empresa Brasil
de Comunicação
- Ricardo Cravo Albin, museólogo, um dos maiores pesquisadores
da MPB, fundou e dirigiu o Museu da Imagem e do Som (MIS) e
é autor de vários livros.
Mediação: Adair Rocha, Ministério da Cultura
16h30: Mostra Competitiva – Auditório
Eldorado: a esperança e o desespero, de Paula Moreira
Brasil, 5 min., 2010
A lenda de Eldorado atraiu muitos aventureiros para a América
do Sul à época da colonização das Américas. No filme, ela serve
como um paralelo para retratar a tentativa de se conseguir uma
vida melhor no país por meio da migração para florestas ainda
pouco exploradas pelo homem.
Trabalho e pão, de Fábio Gama
Brasil, 5 min., 2010
O que se conhece sobre a Favela da Maré? A partir de projeções
de fotografia e filmes dentro da réplica de palafita no Museu da
Maré, é mostrada a vida que pulsa cheia de amor, alegria,
trabalho e solidariedade na Favela da Maré.
Vila Aliança – Memórias em cinco minutos, de Jeferson
Alves
Brasil, 6 min., 2010
A favela Vila Aliança entra na máquina do tempo para narrar o
surgimento do primeiro conjunto habitacional da América
Latina, trazendo suas raízes, a solidariedade e a contribuição
dos moradores para o avanço da comunidade.
No balanço de Kelly, de André Weller
Brasil, 20 min., 2010
Um balanço na carreira do autor de diversos clássicos do
carnaval, como Cabeleira do Zezé. No piano, Kelly revela um
repertório surpreendente de grandes sucessos.
Ensaio sobre a figueira, de Vitor Damasceno
Brasil, 20 min., 2010
O corte de uma árvore em um condomínio na cidade do Rio de
Janeiro é o estopim para uma breve reflexão.
Loki  Arnaldo Baptista, de Paulo Henrique Fontenelle
Brasil, 120 min., 2008
Cinebiografia do músico Arnaldo Baptista, ex-integrante dos
Mutantes, contada através de um quadro traçado pelo próprio
artista. A pintura é intercalada com imagens históricas que
remetem aos principais momentos de sua trajetória artística.
Depoimentos de Tom Zé, Nelson Motta, Gilberto Gil, Sean
Lennon etc.
20h: Mostra Informativa – Pátio
Fragmento de Copacabana Palace, de Steno
Itália, 10 min., 1962
Filmada no Rio de Janeiro, esta coprodução Brasil, Itália e
França tem Tom Jobim, João Gilberto e Luiz Bonfá em
participações especiais, com direito a serenata na praia, bem no
clima da bossa nova. Os papéis principais são de Sylvia Koscina
e Walter Chiari.
Vinícius, de Miguel Faria Jr.
Brasil, 122 min., 2005
Amigos e familiares prestam uma comovente homenagem a
Vinícius de Morais, lembrando suas canções, poemas e histórias.
O ponto de partida é um show com grandes nomes da MPB
como Zeca Pagodinho, Adriana Calcanhoto e Mart’Nália.
DIA 29 DE OUTUBRO DE 2010 – Sexta-feira
09h30: Mostra Competitiva – Auditório
Aquelas mulheres, de Matilde Teles e Verena Kael
Brasil, 20 min., 2010
Trazidas como escravas brancas para o Brasil e obrigadas a se
prostituir, as “polacas”, mulheres da Europa Oriental, apesar da
difícil condição de vida, criaram um Cemitério Israelita, em
Inhaúma, no Rio de Janeiro, e a primeira Sinagoga no mundo
regida por mulheres.
Poética, de Sidney Schroeder
Brasil, 5 min., 2009
Um olhar sobre o universo do audiovisual, com depoimentos de
espectadores de TV, em diversos locais onde o aparelho está
presente, sobre o que pensam da programação televisiva.
Supermemórias, de Danilo Carvalho
Brasil, 20 min., 2010
Um olhar poético sobre a cidade de Fortaleza, no Ceará, a partir
de registros caseiros em Super 8 das décadas de 60, 70 e 80.
Fruto de uma manifestação da cidade no ato de doar suas
memórias para uma poesia coletiva, um passado que ficou
registrado em imagens de brinquedo, em mãos que filmavam as
ruas, as casas, as famílias.
Negros, de Mônica Simões
Brasil, 52 min., 2008
O documentário mostra a construção da imagem do negro na
Bahia nos último oitenta anos com fotos, filmes e vídeos
profissionais e amadores, encontrados em arquivos públicos e
familiares.
Viagem a Marte, de Toinho Castro
Brasil, 9 min., 2010
Experiência narrativa, um jeito de narrar uma história se
valendo de pedaços de outras histórias. Uma viagem imaginada,
um sonho louco de ir a Marte, fugir de uma Terra em guerra,
em chamas. Imagens encontradas na internet contam esta
fábula.
Babás, de Consuelo da Luz Lins
Brasil, 20 min., 2010
Fotografias, filmes de família e anúncios de jornais do século XX
constroem uma narrativa pessoal sobre a presença das babás
no cotidiano de inúmeras famílias brasileiras. Uma situação em
que o afeto é genuíno, mas não dissolve a violência, evocando
em alguns aspectos nosso passado escravocrata.
Aos berros – Movimento punk em Juiz de Fora, de Davi
Ferreira
Brasil, 50 min., 2010
Com recursos próprios e um esforço criativo dos produtores, o
filme retrata os primeiros punks da cidade mineira de Juiz de
Fora. Depois de uma ampla pesquisa, gravações com vários
remanescentes dessa “primeira geração punk”, além da
compilação e restauração de arquivos inéditos, o documentário
tenta resgatar parte desta história ofuscada pela memória
oficial.
La voce Stratos, de Luciano D’Onofrio e Monica Affatato
Itália, 107 min., 2009
Cantor e líder da banda de rock progressivo Area, muito popular
na Itália nos anos 70, Demetrius Stratos foi um pesquisador e
experimentador da voz, e gravou músicas do compositor
vanguardista
americano
John
Cage.
O
documentário
homenageia o artista ítalo-greco-egípcio falecido há mais de
trinta anos.
10h às 18h: Cine Cave 1
Berço do samba, mostra de fotos do FMIS/RJ (Fundação
Museu da Imagem e do Som) e do Arquivo Nacional
Mostra Informativa – Cine Cave 2
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Titãs, a vida até parece uma festa, de Branco Mello e Oscar
Rodrigues Alves
Brasil, 100 min., 2009
Os músicos dos Titãs apresentam a história da banda utilizando
linguagem não-cronológica e musical. Cenas inéditas de
viagens, camarins, discussões, ensaios, shows, programas de
TV, videoclipes etc. Artistas e amigos que conviveram com os
músicos também marcam presença.
Areias escaldantes, de Francisco de Paula
Brasil, 100 min., 1985
Jovens terroristas trabalham para uma entidade secreta
cumprindo diversas missões. Musical jovem típico dos anos 80,
com Diogo Vilela, Regina Casé, Luís Fernando Guimarães, Titãs
e Lobão.
Roberto Carlos e o diamante cor-de-rosa, de Roberto Farias
Brasil, 97 min., 1968
Roberto, Erasmo Carlos e Wanderleia embarcam numa viagem
pelo mundo e se envolvem numa trama de mistério em busca
de um tesouro perdido.
Mostra Informativa – Cine Cave 3
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Nelson Freire, um filme sobre um homem e sua música,
de João Moreira Salles
Brasil, 102 min., 2003
A história de um menino-prodígio do interior de Minas que se
tornou unanimidade internacional. Filmado no Brasil, França,
Bélgica e Rússia, o documentário acompanha a rotina do
pianista Nelson Freire em concertos e recitais.
Vivo na flauta, de Marcos Souza
Brasil, 45 min., 2006
A flauta brasileira através de três gerações. Participações de
Altamiro Carrilho, Carlos Malta, Antônio Rocha, Bruno Jardim,
Rafael Lima, Versão Brasileira, Mário Sève, Mauro Senise,
Andréa Ernest Dias e Franklin da Flauta.
Mostra Informativa – Cine Cave 4
Sessões a partir das 10h e, às 14h, o programa se repete.
Carmen Miranda, banana is my business, de Helena Solberg
Brasil, 91 min., 1994
Imagens de arquivo e cenas de ficção contam a história de
Carmen Miranda, atriz e cantora brasileira que chegou aos
Estados Unidos e se tornou a mulher mais bem paga de
Hollywood nos anos 40.
O samba mandou me chamar, Sérgio Zeigler e Vitor Ângelo
Brasil, 20 min., 1998
O dia em que Macunaíma e Gilberto Freyre visitaram o terreiro
da Tia Ciata, mudando o rumo da nossa história.
Jards Macalé, um morcego na porta principal, de Marco
Abujamra e João Pimentel
Brasil, 71 min., 2008
Uma luz sobre a trajetória nada linear deste artista contestador
e personagem controverso da cultura brasileira nas últimas
quatro décadas. Autor de Vapor barato e Movimento dos barcos,
violonista, arranjador, ator e autor de trilhas de Nelson Pereira
dos Santos, amigo pessoal de Lygia Clark e Hélio Oiticica.
Entrevista Geraldo Vandré
Dossiê Globo News, 50 min, 2010.
10h às 18h: Mostra Informativa - Cine Cave 5
Projeto Pixinguinha – Primeiros anos, de André Sampaio
Realização: Funarte/Projeto Brasil Memória das Artes
Brasil, 8 min., 2010
Os três primeiros anos do Projeto Pixinguinha, que nasceu em
1977. Já no segundo ano, 1978, a censura liberou obras antes
proibidas, para felicidade das trinta duplas de cantores que
percorreram o Brasil com o projeto, sendo assistidas por mais
de 500 mil espectadores.
Audição do Acervo Pixinguinha Parte 1, de André Sampaio
Realização: Funarte/Projeto Brasil Memória das Artes
Brasil, 9 min., 2010
O pesquisador Bruno Tavares, o técnico de som Philippe Ingrand
e o produtor musical Paulo César Soares, mediados pelo
jornalista Gustavo Autran, ouvem e comentam trechos dos
shows do Projeto Pixinguinha no ano da sua estreia, em 1977.
Entre os registros sonoros, estão preciosidades como o show de
Ivan Lins e Nana Caymmi
Audição do Acervo Pixinguinha Parte 2, de André Sampaio
Realização: Funarte/Projeto Brasil Memória das Artes
Brasil, 10 min., 2010
Nesta segunda parte do vídeo com a audição dos shows do
Projeto Pixinguinha, o pesquisador Bruno Tavares, o técnico de
som Philippe Ingrand e o produtor musical Paulo César Soares
relembram a carreira de artistas que participaram da iniciativa.
Entre eles estão a cantora Carmen Costa, que retomou sua
carreira após o projeto, e o compositor Cartola, que aproveitou
a turnê de 1977 para apresentar sambas em primeira mão.
Caravanas Pixinguinha, de André Sampaio
Realização: Funarte/Projeto Brasil Memória das Artes
Brasil, 10 min., 2010
Depois de uma pausa de quase dez anos, as Caravanas do
Projeto Pixinguinha foram retomadas em 2004. Este vídeo
mostra os três anos em que o projeto reconquistou os corações
das plateias em todos os estados brasileiros por onde passou
nos anos 2000.
Audição Sala Funarte: Cristina e Copinha, de André Sampaio
Realização: Funarte/Projeto Brasil Memória das Artes
Brasil, 10 min., 2010
Entrevistada por Paulo César Soares, que dirigiu o espetáculo
em 1981, a cantora Cristina Buarque fez audição do show dela
com o flautista Copinha e a participação especial de Radamés
Gnattali.
16h: Homenagens:
- Instrumentista: Paulo Moura
- Trilha sonora: Maestro Remo Usai
Exibição de: Remo Usai, um músico para o cinema, de
Bernardo Uzeda
Brasil, 21 min., 2007
O mais produtivo compositor de trilhas sonoras do cinema
brasileiro, incluindo clássicos como Assalto ao trem pagador
(1962) e Boca de Ouro (1963), aluno do mestre hollywoodiano
Miklós Rózsa, Remo Usai é homenageado neste documentário.
- Compositor: Elton Medeiros
- Pesquisador: José Ramos Tinhorão
19h: Encerramento
Apresentação Orquestra Sinfônica Jovem de Campo Grande – RJ
15 min.
Entrega de Prêmios aos vencedores da Mostra Competitiva
Homenagem aos músicos e cineastas: Alceu Valença e
Sérgio Ricardo
Exibição de: A noite do espantalho, de Sérgio Ricardo
Brasil, 92 min., 1974
No miserável nordeste brasileiro, um barão arrogante quer
expulsar uma pobre família de sua propriedade. Trilha sonora
feita por Alceu Valença e Geraldo Azevedo. Rodado na Fazenda
Nova Jerusalém, em Pernambuco
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards