130469628333.C - FBV Cursos Online com Certificado

Propaganda
ARTETERAPIA
RESUMO
A Arteterapia atua psicologicamente, fazendo uso das artes como meio
de comunicação e expressão de sentimentos. Não é preciso saber desenhar,
pintar ou ter qualquer experiência artística, apenas estar motivado para
desenvolver um trabalho criativo, contando com as suas verdadeiras emoções,
onde Profissionais e Estudantes das áreas: artes, educação, psicologia,
ciências sociais, medicina, enfermagem, e que todos possa estar conhecendo
e tendo a experiências na Arteterapia.
Um método de tratamento psicológico, que integra no contexto
psicoterapêutico mediadores artísticos. Tal origina uma relação terapêutica
particular que se baseia na interação entre o sujeito (criador), o objeto de arte
(criação) e o terapeuta (receptor). O recurso à imaginação, ao simbolismo e a
metáforas enriquece e incrementa o processo. As características referidas
facilitam a comunicação, o ensaio de relações objeta e reorganização dos
objetos internos, a expressão emocional significativa, o aprofundarem do
conhecimento interno, libertando a capacidade de pensar e a criatividade. (Ruy
de Carvalho, 2001).
DEFINIÇÃO DA ARTETERAPIA
O uso da Arte em diferentes áreas de atuação: clínica, escola, empresa,
instituições.
2
INTRODUÇÃO
Arteterapia é um termo que indica a utilização de recursos artísticos em
contextos terapêuticos; pressupõe que o processo do fazer artístico tem o
potencial de cura e crescimento quando o cliente é acompanhado por
arteterapeuta experiente, quem com ele constrói uma relação que facilita a
ampliação da consciência e do auto-conhecimento, possibilitando mudanças.
Não se trata de simples junção da arte com a psicologia, mas de uma
abordagem baseada num corpo teórico e metodológico próprios, abrangendo
conhecimentos em história da arte e dos pioneiros e contemporâneos de maior
ênfase na arteterapia; dos processos psicológicos gerados tanto no decorrer da
atividade artística como na observação dos trabalhos de arte; das relações
entre processos criativos, terapêuticos e de cura e das propriedades
terapêuticas dos diferentes materiais e técnicas.
A Arteterapia tem sua origem na Antroposofia de Rudolf Steiner segundo
o qual o Homem é considerado um ser espiritual constituído de alma e corpo
vivo, onde através dos elementos (cor, forma, volume, disposição espacial,
etc.). Na terapia artística, possibilita que a pessoa vivencie os arquétipos da
criação, ou seja, re-conecte com as leis que são eficazes a sua natureza, como
isso, traz um contato com a essência criadora de cada um.
A experiência artística pode intensificar qualquer experiência humana e
incrementar a consciencialização do sensorial e a sensibilidade estética, no
contexto da Arteterapia, a facilitação de tal tomada de consciência pode ser
importante para promover a riqueza interior, a vitalidade e a qualidade de vida.
Esta experiência tem um papel importante na mobilização das pulsões
reprimidas e assim facilita uma vida psicológica mais livre. Imagens de
transformação e mudança, representadas nas criações artísticas, dão
expressão à função reparadora no decurso do processo terapêutico.
Em Arteterapia existem diversos níveis de intervenção, como por exemplo:
1. Arte-Terapia Integrativa: neste nível de intervenção, centrado no "aqui e
agora" de uma sessão, é proposto o acesso integrativo aos vários
mediadores
de
expressão,
através
de
propostas
orientadoras
3
(intervenção sem-diretiva). É assim facilitado o autoconhecimento, o
desenvolvimento pessoal e a inter-relação com os outros (caso seja no
âmbito de uma intervenção grupal), através das artes plásticas, de
jogos, da expressão corporal e dramática, de fantoches, da música, da
escrita livre, etc.
2. Arte-Psicoterapia Analítica (individual ou em grupo): exige da arte
psicoterapeuta uma postura analítica e um eficaz manejo das teorias
psicanalíticas e grupanalítica. É uma abordagem essencialmente
elaborativa, que também é designada com Psicoterapia Analítica
Mediada.
Dentro da visão da Psicologia Analítica, e segundo Zoja (1992), os
adolescentes buscam nos grupos de pares “rituais de iniciação”, almejando
atingir a vida adulta e a regeneração de conteúdos psíquicos. Visto que a
estreiteza do mundo contemporânea dificulta o homem de estar mais próximo
do seu inconsciente, as drogas psicoativas representariam o amenizar inicial,
rápido e de maneira “mágica” da inserção do adolescente no grupo. O grupo
“drogadicto” por meio de rituais de iniciação cria a ilusão no adolescente da
possível transformação “mágica” de sua identidade: de criança para a vida
adulta (BAPTISTA, 2006; LESSA, 2004; ZOJA, 1992).
A Arteterapia também procura respeitar os diversos aspectos dos
usuários, como os afetivos, culturais, cognitivos, motores, sociais entre outros,
aspectos
tão
importantes
na
saúde
mental
(VALLADARES,
2004;
VALLADARES & CARVALHO, 2005a e b). Presume-se, então, que a análise
dos conteúdos das produções simbólicas: cores, profundidade, criatividade, etc
apresenta o registro dos momentos de suas vidas (URRUTIGARAY, 2003;
2006).
Furth (2004), Leite (2002), Norgren (2004), Valladares (2004, 2005a e b)
e Valladares et al. (2000, 2002, 2004) acreditam que, tanto na arte quanto na
Arteterapia, os conteúdos do inconsciente são registrados pela produção
simbólica (imagens), pela cor, formas, movimentos, ocupação no suporte e
padrões expressivos gerais, elementos que compõem o processo de
transformação e obtêm consistência a partir da criação plástica. Assim, as
imagens produzidas pelos usuários ajudam na compreensão da trajetória
psíquica deles.
4
OBJETIVOS
OBJETIVOS GERAIS
Arteterapia têm como objetivo apresentar ao aluno através de proposta
teórica-prática os fundamentos da arte e da Psicologia, através do processo
criativo e da ordenação das imagens. Sendo que dará enfoque às artes cênicas
e plásticas como mobilizado e propulsor do fazer artístico, da construção da
obra, assim como do processo criativo. A psicologia que fundamentará e será
estudada é a abordagem junguiana e permeará todo o trabalho prático.
Introduzir na da área de saúde e educação, fundamentos básicos da utilização
da Arteterapia no processo terapêutico e contribuição nas suas ações. Uma
obra de arte consegue por si só, transmitir sentimentos como alegria,
desespero, angústia e felicidade, de maneira única e pessoal, relacionadas ao
estado espiritual que se encontra o autor no momento da confecção.
A Arteterapia tem como objetivo, favorecer o processo terapêutico, de
forma que o indivíduo entre em contato com conteúdos internos e muitas vezes
inconscientes, que foram barrados por algum motivo expressando assim
sentimentos e atitudes, até então desconhecidos. A utilização de recursos
artísticos (pincéis, cores, papéis, argila, cola, figuras, desenhos, recortes,...)
tem como finalidade, a mais pura expressão do verdadeiro self, não se
preocupando com a estética, e sim com o conteúdo pessoal implícito em cada
criação e explícito como resultado final.
A busca da terapia da arte, é uma maneira simples e criativa para
resolução de conflitos internos, é a possibilidade da catarse emocional de
forma direta e não intencional. As linguagens plásticas, poéticas e musicais
dentre outras, podem ser mais adequadas à expressão e elaboração do que é
apenas enxergar, ou seja, complexidade implica na apreensão simultânea de
vários aspectos da realidade, esta é a qualidade do que ocorre na intimidade
psíquica; um mundo de constantes percepções e sensações, pensamentos,
fantasias, sonhos e visões, sem a ordenação moral da comunicação verbal do
cotidiano. Propõe-se então, a estruturação da ordenação lógica e temporal da
linguagem verbal, de indivíduos que preferem ou de outros que só conseguem
expressões simbólicas.
5
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
- Identificar os fundamentos históricos, conceituais e teóricos da Arteterapia;
- Conhecer aplicações práticas da Arteterapia nos cenários da assistência à;
saúde e da educação como ferramenta profissional, criativa e terapêutica na
infância, adolescência e vida adulta;
- Vivenciar os processos terapêuticos;
- Auto-conhecimento;
- Crescimento emocional;
- Desenvolvimento criativo;
- Estimular a imaginação e a fantasia;
- Melhorias relativamente a problemáticas diversas do foro psíquico;
- Desenvolvimento integral da pessoa individual ou em grupo;
- Crianças, Adolescentes, Adultos e Idosos.
PÚBLICO ALVO
Professores das unidades de saúde e educação e estudantes em geral,
e todos que queiram experienciar a arte.
6
METODOLOGIA
A Arteterapia trabalha com símbolos, que são imagens arque típicas e
apresentam características individuais e coletivas simultâneas. Ao trazer as
imagens e os símbolos para o plano material, traz também conteúdos de sua
história pessoal inseridos na história coletiva da humanidade (inconsciente
coletivo); assim, a significações encontradas nas culturas, nos mitos e nas
religiões, simultaneamente, faz ligação com a história de vida, que
apresentarem-se cores, formas e símbolos representativos do seu mundo
subjetivo, com significados especiais para momento de vida, elementos que
também os ligam aos significados que estes foram tendo para a humanidade
ao longo dos tempos. O universo imagético é um recurso que permite ao
inconsciente pessoal e coletivo expressar-se, promovendo, desse modo, o
fluxo de energia psíquica por meio do eixo simbólico que liga a consciência ao
inconsciente; com isso, as vivências pessoais puderam ser elaboradas,
significadas e transformadas.
Jung denomina de “função transcendente” o processo compensatório e
auto-regulador da psique, que além de promover a conexão entre opostos,
preenche a lacuna entre consciência e inconsciente. E nas exposições orais e
vivências.
7
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Concluindo o trabalho em Arteterapia permite ver como pode ser as
contribuições importantes para a área de saúde mental, pois, é uma prática
acessível ao tratamento de dependentes químicos, na área de enfermagem,
para a qualificação de professores nas escolas e também para novos alunos
interessados nesta área. É importante também apontar que este estudo pode
ser utilizado em contextos de Arteterapia clínica ou institucional, tendo em vista
o valor e a eficácia do trabalho arte terapêutico. A saúde mental vem ampliando
seus conhecimentos e utilizando-se de novas práticas na assistência assim, o
investimento no trabalho e em práticas complementares e criativas, com jovens
dependentes químicos, e outros profissionais nesta área é fator importante no
novo cenário da atenção em saúde mental. Este tipo de atendimento, no qual
se incluem as sessões de Arteterapia, permite que se valorize o potencial
existente em cada ser humano, objetivando melhorar sua saúde e qualidade de
vida.
8
REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS
ACHTERBERG, Jeanne. “Imagética e Cura”. In Revista Arteterapia: Reflexões,
nº. 3, 99/2000, p. 21‐ 27.
ARNHEIM, Rudolf. Arte & Percepção Visual. São Paulo, Pioneira, 2005.
CIORNAI, Selma. Percursos em Arteterapia. São Paulo, Summus, 2004.
DETHLEFSEN, Thorwald e DAHLKE, Rüdiger. A Doença como Caminho. São
Paulo, Cultrix, 1983.
LIEBMANN, Marian. Exercícios de Arte para Grupos. São Paulo, Summus,
1994.
OSTROWER, Fayga. Acasos e Criação Artística. Rio de Janeiro, Elsevier,
1999.
OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de Criação. Petrópolis, Vozes,
2004.
OSTROWER, Fayga. A Sensibilidade do Intelecto. Rio de Janeiro, Campus,
1998.
PAIN, Sara e JARREAU, Gladys. Teoria e Técnica da Arte‐Terapia. Porto
Alegre, Artmed, 1994.
Barbosa, Ana Mae. Arte-Educação – Leitura no subsolo. São Paulo . Cortez
Editora, 1997.
BROWN, Daniel. Fundamentos de Arte-terapia – coleção Fundamentos. São
Paulo: Vitória Régia, 2000.
DUARTE JR., João FranciscoPorque Arte-Educação?. Campinas: Papirus,
1996.
EDWARDS, Betty. Desenhando com o lado direito do Cérebro. Rio de Janeiro:
Ediouro, 1984.
JARREU, Gladys Teoria e técnica da Arte-terapia – a compreensão do sujeito.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
READ, Herbert.O sentido da Arte. São Paulo, IBRASA, 1978.
AMARAL, A. M. Teatro de formas animadas. São Paulo: Edusp, 1996.
BAPTISTA, G. C. Adolescência e drogas: a escuta dos dependentes. São
Paulo: Vetor, 2006.
9
CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos,
costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 11. ed. Rio de Janeiro: José
Olympio, 2003.
CIRLOT, J. E. Dicionário de símbolos. São Paulo: Centauro, 2005.
FINCHER, S. F. O autoconhecimento através das mandalas. São Paulo:
Pensamento, 1991.
FURTH, G. M. O mundo secreto dos desenhos: uma abordagem junguiana
da cura pela arte. São Paulo: Paulus, 2004.
JUNG, C. G. Chegando ao inconsciente. In: JUNG, C. G. O homem e seus
símbolos. 15. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005. Cap.1. p.18-103.
LEITE, S. J. S. Predicados da imagem simbólica II. Arteterapia: Revista
Imagens da transformação, Rio de Janeiro, v.9, n.9, p.210-216, 2002.
LESSA, A. M. Projeto: “De mãos dadas” em Arteterapia com dependentes
químicos. Revista de Arteterapia Imagens da transformação. Rio de Janeiro,
n.11, v.11, 2004, p.54-61.
LEXIKON, H. Dicionário de símbolo. São Paulo: Cultrix; 1994.
NORGREN, M. B. P. Artepsicoterapia com crianças e adolescentes. In:
CIORNAI, S. (Org.). Percursos em Arteterapia: Arteterapia gestáltica, arte em
psicoterapia e supervisão em Arteterapia. São Paulo: Summus, 2004. p.199217. (Coleção Novas Buscas em Psicoterapia, 62).
OMS (Organização Mundial da Saúde) CID-10: Classificação de Transtornos
Mentais e de Comportamento. Porto Alegre: ArtMed, 2003.
RETONDO, M. F. N. G. Manual prático de avaliação do HTP (casa árvore
pessoa) e família São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.
SAAD, L. Arteterapia uma estratégia no desenvolvimento emocional e
cognitivo. Rev. Arteterapia: Reflexões, ano 3, n.2, p.25-30, 1998.
URRUTIGARAY, M. C. Arteterapia: a transformação pessoal pelas imagens.
Rio de Janeiro: WAK, 2003.
______. Interpretando imagens: transformando emoção. Rio de Janeiro:
WAK, 2006.
VALLADARES, A. C. A. A Arteterapia com criança hospitalizada: uma
análise interpretativa de suas produções. 2007. 222 f. Tese (Doutorado) Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – Área de Enfermagem Psiquiátrica,
Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2007.
______. A Arteterapia e a reabilitação psicossocial das pessoas em sofrimento
10
psíquico. In: ______. (Org.). Arteterapia no novo paradigma de atenção em
saúde mental. São Paulo: Vetor, 2004.
______. Arteterapia com crianças hospitalizadas. 2003. 258 f. Dissertação
(Mestrado) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – Área de Enfermagem
Psiquiátrica, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2003.
______. Arteterapia: interface em arte, educação e saúde. Arteterapia em
Revista, Porto Alegre, v.1, n.1, p.24-37, 2005a.
______. Possibilidades de avaliação em Arteterapia: o que se deve buscar, o
que se deve olhar? In: Ormezzano, G. (Org.). Questões de Arteterapia. 2. ed.
Passo Fundo, RS: UPF, 2005b. p.15-32.
VALLADARES, A. C. A.; CARVALHO, A. M. P. Arteterapia com crianças
hospitalizadas: desenvolvimento e análise da pintura. In: Francisquetti, A. A.
(Coord.). Arte Medicina. São Paulo: Médica Paulista, 2005a. p.119-129.
______. Desenhos que contam histórias... desvelando o auto-retrato de
crianças hospitalizadas em Arteterapia. Rev. Científica de Arteterapia Cores
da Vida. Goiânia: ABCA, v.1, n.1, p.30-45, cap.7, jul./dez., 2005b. Disponível
em: http://www.brasilcentralArteterapia.org/
VALLADARES, A. C. A.; NOVATO, A. C. R. S. Aspectos transformadores da
construção em Arteterapia com adolescentes. Revista Eletrônica de
Enfermagem (Online), Goiânia, v.3, n.1, 7 p., 2001. Disponível em
www.fen.ufg.br/revista
VALLADARES, A. C. A. et al. Arteterapia com adolescentes. Revista
Departamento de Arteterapia do Instituto Sedes Sapientiae, São Paulo, v.5,
n.5, p.19-25, 2002.
______. A máscara como recurso expressivo de crianças hospitalizadas. In:
MENDES, I. A. C.; CARVALHO, E. C. (Org.). Comunicação como meio de
promover saúde. Ribeirão Preto: Fundação Instituto de Enfermagem, v.5,
p.197-201, 2000.
______. Relação de ajuda através da expressão gráfica de pessoas
hospitalizadas: sincronia da comunicação terapêutica verbal e não-verbal.
Revista de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v.5, n.1, p.82-88, jan.-jun.
2004.
VASCONCELLOS, E. A.; GIGLIO, J. S. Arte na psicoterapia: imagens
simbólicas em psico-oncologia. São Paulo: Vetor, 2006.
VIBRANOVSKI, J. A arte ajuda? A ação criativa na recuperação do dependente
químico. Revista de Arteterapia Imagens da transformação. Rio de Janeiro,
n.9, v.9, 2002, p.129-141.
ZOJA, L. Nascer não basta. São Paulo: Axis Mundi, 1992
11
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

Anamnese

2 Cartões oauth2_google_3d715a2d-c2e6-4bfb-b64e-c9a45261b2b4

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Estudo Duda✨

5 Cartões oauth2_google_f1dd3b00-71ac-4806-b90b-c8cd7d861ecc

Criar flashcards