Ao nível da membrana, as substâncias são transportadas de três

Propaganda
Ao nível da membrana, as substâncias são transportadas de três modos diferentes:
1 – Transporte não mediado – há passagem de substâncias sem a intervenção de moléculas
transportadoras.
2 – Transporte mediado – há passagem de substâncias com intervenção de moléculas
transportadoras, nomeadamente proteínas que recebem o nome de permeases.
3 – Transporte em quantidade – transporte de macromoléculas através da membrana.
Dentro do transporte não mediado existe a osmose e a difusão simples.
Dentro do transporte mediado existe a difusão facilitada e o transporte activo.
Dentro do transporte em quantidade existe a exocitose, a endocitose, a fagocitose e a
pinocitose.
Transporte não mediado
Difusão simples – passagem de substâncias através da membrana plasmática a favor do
gradiente de concentração (<concentração para >concentração) até à existência de um
equilíbrio dinâmico (o número de partículas que passam num sentido é igual ao número de
partículas que passam no sentido contrário).
Osmose – caso particular de difusão simples; movimento de água através de uma
membrana selectivamente permeável.
Transporte mediado
Difusão facilitada – ocorre a favor do gradiente de concentração, mas, como as partículas
não se movimentam livremente, é requerida a acção das permeases.
Transporte activo – ocorre contra o gradiente de concentração, ou seja, implica
mobilização de energia celular.
Transporte em quantidade
Exocitose – transporte de partículas do interior da célula para o meio extracelular.
Endocitose – transporte de partículas do meio extra para o meio intracelular.
Fagocitose – associada ao processo de digestão em muitos seres unicelulares. O material
alimentar é englobado por pseudópodes, formando uma vesícula fagocítica.
Pinocitose – gotículas de fluido são captadas por invaginações
da membrana e acabam por se separar desta, formando
vesículas pinocíticas.
Ingestão, Digestão e Absorção
Os seres heterotróficos, quando obtêm o seu alimento, necessitam de o processar de um
modo gradual.
Os principais processos pelos quais terão de passar são:
1 – Ingestão – introdução do alimento no organismo do ser vivo.
2 – Digestão – processo em que os alimentos vão ser transformados nas suas unidades
mais simples.
3 – Absorção – passagem das substâncias já digeridas para o meio interno (células).
A digestão divide-se
em:
Intracorporal
Intracelular
Extracorporal
Extracelular
Digestão Intracelular
Ocorre no interior de vacúolos digestivos, formações resultantes da fusão de vesículas
endocíticas com lisossomas. Graças às enzimas digestivas dos lisossomas, as moléculas
complexas existentes nos vacúolos são decompostas noutras moléculas mais simples.
Obtenção de Matéria pelos Seres Autotróficos
Os seres autotróficos obtêm a matéria orgânica por duas vias:
1) Fotossíntese – produção de matéria orgânica a partir de matéria mineral, utilizando
como fonte de energia a luz.
2) Quimiossíntese – produção de matéria orgânica a partir de matéria mineral utilizando
como fonte de energia a oxidação de certos compostos minerais.
Principais Etapas que ocorrem na Fase Fotoquímica da Fotossíntese
1) Fotólise da Água – decomposição da molécula da água a partir da luz.
H2O  luz  2 H+ + 2e- + ½ O2
2) Oxidação da clorofila a – clorofila a  luz  clorofila a excitada  2e-  clorofila a
oxidada
3) Fluxo de electrões (fotofosforilação) – ADP + P + energia  ATP
4) Redução de NADP+ - NADP+ + 2H+ + 2e-  NADPH + H+
NADP (nicotinamida adenina dinucleótido fosfato) – molécula aceptora e transportadora
de protões e electrões. Apresenta uma forma reduzida (NADPH) e uma forma oxidada
(NADP+).
Fase Química da Fotossíntese (ciclo de Calvin)
Xilema – transporta seiva bruta (constituída por água e sais minerais)
Floema – transporta seiva elaborada (constituída por água e compostos orgânicos)
O xilema é constituído por 4 células principais
1) Tracóides – células mortas alongadas, estreitas, afiladas nas extremidades. Possuem
paredes transversais com poros que permitem a comunicação entre elas.
2) Elementos de vasos – células mortas, mais curtas e largas, dispostas em cordões e
fortemente ligadas aos tracóides.
3) Fibras lenhosas – células mortas alongadas, espessas. Dão suporte e protecção às
restantes células.
4) Parênquima lenhoso – células vivas, pouco diferenciadas, funcionam como células de
reserva para as restantes.
O floema é constituído por 4 células principais
1) Células dos tubos crivosos – células vivas alongadas com paredes transversais onde
existem as placas crivosas.
2) Células de companhia – células vivas, alongadas, unidas às primeiras por ligações
citoplasmáticas.
3) Fibras – células mortas alongadas que dão suporte.
4) Parênquima – células vivas pouco diferenciadas, que funcionam como células de reserva.
Transporte no Xilema
O transporte em geral de água e sais minerais no xilema designa-se de translocação. A água
é transportada por osmose e os sais minerais por difusão simples ou transporte activo.
Há duas hipóteses que explicam o transporte no xilema
1) Hipótese da Pressão Radicular – a água e os sais minerais são transportados na planta
devido a uma pressão no xilema ao nível da raiz (pressão radicular). Como a concentração
de minerais dentro da planta é elevada, a água vai entrar em grande quantidade para o
interior da planta. As células ficam túrgidas, com uma elevada pressão de turgescência. É
essa pressão que “empurra” a água e os minerais na planta.
2) Hipótese da Tensão-Coesão-Adesão – o transporte da água e dos sais minerais é
desencadeado pela transpiração que ocorre ao nível das folhas das plantas. Quando folha
transpira gera-se uma tensão nas folhas ao nível dos estomas. Essa tensão provoca uma
subida da restante parte da coluna xilémica. Para facilitar o transporte, as moléculas de água
ligam-se umas às outras por pontes de hidrogénio, tornando-se assim mais coesas. Por
outro lado, as moléculas de água ainda têm a capacidade de se ligarem a outras moléculas
polares existentes na parede do xilema. Esses factos facilitam em geral o transporte da seiva
xilémica.
Evidências da Hipótese da Pressão Radicular
1) Gutação – formação de gotas que saem por estruturas específicas existentes nas margens
das folhas, que se denominam de hidrátodos.
2) Exsudação Caulinar – saída de água a partir de um corte do caule próximo da raiz.
Transporte no Floema
Hipótese do Fluxo de Massa
1) A glicose formada na fotossíntese é convertida em sacarose.
2) A sacarose entra por transporte activo para o interior dos elementos dos tubos crivosos,
através das células de companhia.
3) O aumento da concentração de sacarose conduz a um aumento da pressão osmótica, o
que leva a que a água saia do xilema e se desloque para as células dos tubos crivosos.
4) O aumento da pressão de turgescência provoca a passagem da seiva elaborada de umas
células para as outras no tubo crivoso, no sentido de menor pressão.
5) Nas regiões de consumo ou de reserva (fruto, sementes, raízes, flores, etc.) a sacarose é
retirada do interior dos tubos crivosos por transporte activo, originando assim a saída de
água por osmose, que volta de novo ao xilema.
Nos animais mais complexos, os seus sistemas de transporte classificam-se em:
1) Sistemas circulatórios abertos:
- o fluido circulante é a hemolinfa.
- a hemolinfa abandona os vasos, indo “banhar” directamente as células do
organismo.
- exs: artrópodes, crustáceos, equinodermes, gastrópodes.
2) Sistemas circulatórios fechados:
- o fluído circulante é o sangue.
- o sangue nunca sai dos vasos.
- exs: aves, mamíferos, anfíbios, répteis, minhocas, moluscos, etc.
Vantagens dos sistemas circulatórios fechados
Nos sistemas fechados, como o fluido circulante é transportado apenas no interior dos
vasos, atinge uma velocidade muito superior, logo, a reposição e a substituição de
compostos ao nível da célula é muito mais rápida. Em consequência desse facto, os animais
que têm sistema circulatório fechado têm taxas metabólicas mais elevadas.
Nos vertebrados, os sistemas circulatórios fechados dividem-se em:
1) Sistema circulatório simples – por cada volta ao corpo, o sangue só passa uma vez no
coração. Aí, só existe sangue venoso. Ex: peixes.
2) Sistema circulatório duplo – por cada volta ao corpo, o sangue passa duas vezes no
coração.
Os sistemas duplos dividem-se em:
1) Incompletos – o sangue venoso mistura-se com o arterial no coração.
2) Completos – não há mistura de sangue venoso e arterial no coração.
Sistema Circulatório do Homem
Divide-se em:
1) Sanguíneo
2) Linfático
Sistema Sanguíneo
É formado por coração (que tem aurículas e ventrículos), vasos sanguíneos (que são
veias/vénulas, artérias/arteríolas e capilares arteriais ou venosos) e sangue (formado por
plasma, hemácias, leucócitos e plaquetas)
Plasma – transporta nutrientes, produtos de excreção, etc.
Hemácias – transportam oxigénio as células e dióxido de carbono aos pulmões.
Leucócitos – defesa do organismo.
Plaquetas – Coagulação do sangue.
Sistema Linfático
É formado por linfa, vasos linfáticos e órgãos linfóides.
A linfa pode ser intersticial ou circulante.
Os vasos linfáticos podem ser veias linfáticas ou capilares linfáticos.
Órgãos linfóides – timo, baço, medula óssea, amígdalas, gânglios linfáticos.
1 – Aurícula Direita
2 – Aurícula Esquerda
3 – Veia cava superior
4 – Aorta
5 – Artéria pulmonar
6 – Veia pulmonar
9 – Ventrículo Esquerdo
10 – Ventrículo Direito
11 – Veia cava inferior
Download
Random flashcards
modelos atômicos

4 Cartões gabyagdasilva

paulo

2 Cartões paulonetgbi

A Jornada do Herói

6 Cartões filipe.donner

teste

2 Cartões juh16

paulo

2 Cartões oauth2_google_ddd7feab-6dd5-47da-9583-cdda567b48b3

Criar flashcards